Você está na página 1de 8

Momento de Inércia

É comum lembrarmos da expressão da 1a Lei de Newton, a Lei da Inércia para a Translação.


“Todo corpo em movimento, na ausência de forças externas, tende a continuar em movimento
retilíneo e uniforme, e todo corpo parado, na ausência de forças externas, tende a permanecer
parado.” Com isso vem à mente aquele número do mágico que coloca louças sobre uma toalha.
Na ocasião, as louças estão paradas e, ao puxar a toalha bruscamente, não há tempo para que
as louças tenham interação do tipo forças de atrito com a toalha e, assim, as louças permanecem
no local. Outro exemplo é a frenagem brusca de um ônibus que reduz sua velocidade, porém os
passageiros continuam em linha reta com a mesma velocidade de antes.

Agora pensemos num gerador eólico que, após receber vento, passou a girar e continuou dessa
forma mesmo sem o vento. Não seria também um sistema de inércia? Pense que as pás do
gerador estavam paradas e assim ficariam se não tivesse vento nelas. Mas, ao receber vento,
proveu uma ação capaz de dar rotação a esse sistema e, mesmo sem o vento, as pás
continuariam a se rotacionar a não ser pelas forças de atrito do ar. Assim começamos a desenhar
o conceito do momento de inércia rotacional. Perceba que, embora todas as partículas das pás
possuam a mesma velocidade angular, elas possuem velocidades diferentes escalares ao longo
do eixo de rotação.

De uma forma geral, o momento de inércia para uma massa infinitesimal é dado por I=m.r2, na
sua forma mais completa é dada por 𝐼 = ∫ 𝑟 2 𝑑𝑚 onde m é a massa e r é a distância do eixo de
rotação até onde se encontra a massa.

Para elucidar o momento de inércia vamos analisar o movimento circular de raio R de um corpo
de massa m.

A velocidade tangencial de v pode ser dada por:

𝑣⃗ = 𝜔
⃗⃗ ⋅ 𝑅
Onde 𝑣⃗ é a velocidade em m/s, 𝜔
⃗⃗, é a velocidade angular em rad/s e R é o raio da trajetória.

Essa partícula m possui um momento linear 𝑝⃗ , que é dado em kgm/s, na mesma direção de 𝑣⃗
que pode ser dado por:

𝑝⃗ = 𝑚 ⋅ 𝑣⃗
𝑝⃗ = 𝑚 ⋅ 𝜔
⃗⃗ ⋅ 𝑅
Considerando que a toda grandeza escalar é igual ao produto da grandeza angular recíproca
com o raio, e assim, temos a grandeza momento angular 𝐿⃗⃗:

𝐿⃗⃗ = 𝑝⃗ × 𝑅⃗⃗
Substituindo:

𝐿⃗⃗ = 𝑚 ⋅ 𝜔
⃗⃗ ⋅ 𝑅 × 𝑅⃗⃗

Nota: As grandezas: 𝐿⃗⃗, 𝑝⃗ 𝑒 𝑅⃗⃗ são ortogonais entre si, pois fazem parte do produto vetorial e
como consequência são grandezas de caráter rotacional.

Nota: Todo produto vetorial gera uma grandeza de giro, ou seja, dá uma alusão rotacional ao
fenômeno Físico.

Seguindo a regra da mão direita o polegar indica a direção do momento angular e os dedos
indicam a direção em que o objeto faz o movimento circular.

Melhorando:

𝐿⃗⃗ = 𝑚 ⋅ 𝜔
⃗⃗ ⋅ 𝑅 × 𝑅⃗⃗
⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗
𝐿⃗⃗ = (𝑚𝑅 2) × 𝜔
⃗⃗

𝐿⃗⃗ = 𝑚𝑅2 × 𝜔
⃗⃗

A partir desse momento não usaremos mais a notação vetorial para o termo ⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗
(𝑚𝑅2 ), pois esse
termo, passará a ser um tensor, ou seja, ele é o momento de Inércia que é a dificuldade para
que esse corpo passe a se movimentar ou parar. Porém, apenas isso, não é o suficiente para
deduzir o conceito de momento de inércia.

Vamos pensar em várias massas com seus diversos raios correspondentes girando de forma
concêntrica.

Dessa forma, como todos tem a mesma velocidade angular, temos:

𝐿⃗⃗ = 𝑚𝑅2 × 𝜔
⃗⃗

𝐿⃗⃗ = 𝑚1 𝑅12 × 𝜔
⃗⃗ + 𝑚2 𝑅22 × 𝜔
⃗⃗ + 𝑚3 𝑅32 × 𝜔
⃗⃗ ...

Ao pensar em todos as massas infinitesimais com seus devidos raios, que giram
concentricamente, temos:
𝑖

𝐿⃗⃗ = ∑(𝑚𝑖 𝑅𝑖2 ) × 𝜔


⃗⃗
0

Dessa forma, a somatória ∑𝑖0(𝑚𝑖 𝑅𝑖2 ) = Momento de Inércia (I) que aa forma integral, temos:

𝐼 = ∫ 𝑟 2 𝑑𝑚

Para o momento angular:

𝐿⃗⃗ = 𝐼 × 𝜔
⃗⃗ ou 𝐿⃗⃗ = ∫ 𝑟 2 𝑑𝑚 × 𝜔
⃗⃗

A tabela a seguir mostra o momento de inércia de várias geometrias:

Exemplo: Determine o momento de inércia do Planeta Terra (i) em relação ao seu próprio eixo
de rotação e (ii) em relação ao eixo de translação que faz ao redor do Sol.

Para a rotação, a massa da Terra parece uma esfera maciça de raio aproximado R=6. 106 m e
massa 6, .1024 kg.
2 2 2
𝐼𝑧 = 5 𝑀𝑅2 𝐼𝑧 = 5 6. 1024 𝑥 (6. 106 )2 𝐼𝑧 = 5 6. 1024 𝑥 36. 1012 = 8,64. 1037 𝑘𝑔/𝑚²

Para a translação, a massa infinitamente pequena ao se comparar com o raio de sua trajetória
R=1,5. 1011 m e massa 6, .1024 kg.
𝐼𝑧 = 𝑀𝑅2 𝐼𝑧 = 6. 1024 𝑥 (1,5. 1011 )2 𝐼𝑧 = 6. 1024 𝑥 2,25. 1022 = 1,35. 1047 𝑘𝑔/𝑚²
Teorema de Steiner

O teorema de Steiner ou teorema dos eixos paralelos é um teorema que permite calcular o
momento de inércia de um sólido rígido relativo a um eixo de rotação que passa por um ponto
O, quando são conhecidos o momento de inércia relativo a um eixo paralelo ao anterior e que
passa pelo centro de massa do sólido e a distância entre os eixos.

ICM denota o momento de inércia do objeto sobre o centro de massa, M a massa do objeto e d a
distância perpendicular entre os dois eixos. Então o momento de inércia sobre o novo eixo z é dado
por:
𝐼𝑧 = 𝐼𝑐𝑚 + 𝑀𝑑 2
Exemplo 1 : O momento de uma barra de comprimento L possui momento de inércia de 𝐼 =
1
𝑀𝐿2 quando gira exatamente no meio da barra. Qual seria o Momento de inércia caso o giro
12
passasse para uma das extremidades?

𝐼𝑧 = 𝐼𝑐𝑚 + 𝑀𝑑 2
1 2
𝐿 2
𝐼𝑧 = 𝑀𝐿 + 𝑀 ( )
12 2
1 𝐿2
𝐼𝑧 = 𝑀𝐿2 + 𝑀
12 4
1 1
𝐼𝑧 = ( + ) 𝑀𝐿2
12 4
1
𝐼𝑧 = 𝑀𝐿2
3
Teorema dos Eixos Perpendiculares
O teorema dos eixos perpendiculares, ou teorema da figura plana, pode ser usado para determinar
o momento de inércia de um objeto rígido que se situa inteiramente num plano, sobre um eixo
perpendicular ao plano, tendo em conta os momentos de inércia do objeto sobre dois eixos
perpendiculares situados no plano. Os eixos devem todos passar por um único ponto no plano.
Definidos os eixos perpendiculares X, Y, e Z (os quais se encontram na origem O) então o corpo situa-
se no plano XY, e o eixo Z é perpendicular ao plano do corpo. Estabelecendo-se que
Ix ser o momento de inércia sobre o eixo X;Iy ser o momento de inércia sobre o eixo Y; e Iz ser o
momento de inércia sobre o eixo Z. O teorema dos eixos perpendiculares estabelece que:
𝐼𝑧 = 𝐼𝑥 + 𝐼𝑦
Exemplo: Observe essa situação e onde está o eixo z. Agora pensemos que o anel passe a girar num
outro eixo, tal qual pudesse ser x ou y. Vamos supor que o eixo seja x

Qual seria o valor do momento de inércia quando o anel passar a girar no eixo x? Como o anel se
estabelece de forma simétrica no eixo x e y, sabemos que os momentos são iguais tanto para o x
quanto para o eixo y. Dessa forma:
1
𝐼𝑧 = 𝐼𝑥 + 𝐼𝑦 𝑀𝑅2 = 𝐼𝑥 + 𝐼𝑥 𝐼𝑥 = 2 𝑀𝐿2

Leis de Newton e suas analogias para a Rotação


Lei da Inércia.
Como já foi dito no começo do texto, a inércia é a tendência que um corpo tende a permanecer em
repouso ou em movimento. A lei da inércia ocorre tanto para a translação quanto para a rotação dos
corpos. Imagine um cata-vento que está parado e assim permanecerá até que uma ação, possa
alterar e assim dar início ao movimento rotacional. Essa ação denominamos torque ou momento de
força. Agora imagine um bloco de madeira parado no chão plano e de forma igual ele também
permanecerá em repouso até que uma força possa alterar o seu movimento translacional.
A tabela seguir faz uma comparação entre as grandezas usadas na Mecânica Translacional e na
Mecânica Rotacional

Translacional Rotacional

Massa m Momento de Inércia I

Força F Torque (Momento de Força) M

Momento Linear p Momento Angular L

Energia Cinética Translacional Ec Energia Cinética Rotacional Er

Aceleração escalar a Aceleração angular α

Deslocamento escalar s Deslocamento angular θ

Velocidade escalar v Velocidade angular ω

Exercício: No moinho em movimento, por quê, mesmo sem vento, ele tende a permanecer em rotação?
Qual Lei de Newton se refere esse fenômeno?
O moinho que já estava com suas hélices em movimento tenderão a permanecer em movimento, a não ser
que um torque possa alterar esse movimento, aumentando ou diminuindo ou diminuindo a sua velocidade..

Lei do Princípio Fundamental da Dinâmica


Se na translação a força é o que propulsiona um movimento, na rotação, o torque é a grandeza
responsável pelo movimento rotacional.
Para a translação temos: 𝐹⃗ = 𝑚𝑎⃗
⃗⃗⃗⃗⃗⃗⃗
⃗⃗⃗ = 𝐼 ∗ 𝛥𝜔
⃗⃗⃗ = 𝐼𝛼⃗ ou 𝑀
De forma análoga, temos para a rotação: 𝑀
𝛥𝑡

⃗⃗⃗ é uma grandeza que é obtida pelo produto entre braço e força
Sabemos também que o torque 𝑀
nas alavancas: M= R*F
Exercício: Porque no pião quanto mais forte for tracionado a fieira, maior será a tendência de que o pião
permaneça em pé? Qual Lei de Newton se refere esse fenômeno?

Lei do Princípio Fundamental da Dinâmica, quanto maior a tração maior será o torque e como
consequência maior a aceleração angular e assim surgirá uma grandeza rotacional que é o momento
angular, projetado para cima ou para baixo que permitirá que o pião possa ficar disposto nesse eixo
devido ao seu momento de inércia.

Lei da Ação/Reação.
Para toda ação existe uma reação de mesmo módulo, direção e sentidos opostos. Quando falamos
de movimentos rotacionais, dizemos que essa ação e reação se referem ao torque, ou seja, o
momento de força. Um exemplo bastante clássico é o de helicóptero que gira suas asas (hélice maior)
para um sentido rotacional e precisa de um outro conjunto de hélices na sua cauda. Se não houvesse
essas hélices na cauda, o helicóptero giraria suas asas para um lado enquanto o corpo do helicóptero
giraria para outro a fim de conservar a quantidade de movimento angular. Por outro lado, as hélices
menores não precisam ser do tamanho das hélices maiores, pois elas ficam na cauda que, por sua
vez, configura como um braço maior ajudando no torque contrário.
Conservação da Quantidade de Movimento Angular
Você já deve ter observado algum número de dança ou patinação onde a bailarina começa o seu
movimento girando com os braços abertos e depois ela vai encolhendo os braços e assim ganhando
uma maior velocidade angular. Outro número bastante apreciado é o salto ornamental que
consiste em girar mais velozmente durante o salto e no final o saltador estira o corpo para que a
velocidade rotacional seja reduzida.

Além disso podemos observar esse fato no nosso Planeta Terra que possui uma órbita elíptica que
ao estar no afélio perde velocidade linear e no periélio ganha velocidade.
Quando o corpo em movimento rotacional possui uma quantidade de movimento angular e se esse
corpo não receber um torque ele deverá manter a quantidade de movimento angular. Por isso,
quando diminui o raio de giro, diminui o momento de inércia e para compensar dever aumentar a
velocidade angular.
Por isso, na ausência de torque externo não há variação da quantidade de movimento angular
⃗⃗⃗⃗⃗
𝛥𝐿 = 0, o momento angular antes do movimento ⃗⃗⃗⃗⃗
𝐿𝐴 deve ser igual o movimento angular depois
⃗⃗⃗⃗⃗
𝐿𝐷 ,

⃗⃗⃗⃗⃗
𝛥𝐿 = 𝐿⃗⃗𝐷 − ⃗⃗⃗⃗⃗
𝐿𝐴

⃗⃗𝐷 − ⃗⃗⃗⃗⃗
0=𝐿 𝐿𝐴
⃗⃗⃗⃗⃗
𝐿𝐴 = 𝐿⃗⃗𝐷
𝐼𝐴 ⋅ ⃗⃗⃗⃗⃗⃗
𝜔𝐴 = 𝐼𝐷 ⋅ ⃗⃗⃗⃗⃗⃗
𝜔𝐷
Também vale a relação:
⃗⃗⃗⃗⃗
𝐿𝐴 = 𝐿⃗⃗𝐷

𝑣𝐴 × 𝑅⃗⃗𝐴 = 𝑚𝐷 ⃗⃗⃗⃗⃗
𝑚𝐴 ⃗⃗⃗⃗⃗ 𝑣𝐷 × 𝑅⃗⃗𝐷
Exercício 1: Uma determinada estrela gigante vermelha possui as dimensões de 4 massas solares
e 2 diâmetros solares e rotaciona com velocidade angular de 4,8 rad/dia. Considerando que
quando ela vir a se transformar numa anã branca ela possua a dimensão de 1,6 diâmetro solar
e 2 massas solares, qual seria a velocidade angular dessa estrela nessa fase? Considere a estrela
como uma esfera sólida.

2
𝐼𝑒𝑠𝑓𝑒𝑟𝑎 = 5 𝑚 ∗ 𝑟 2 𝐿 =𝐼∗𝜔

Exercício 2: Durante o periélio, a Terra fica a cerca de 147 milhões de quilômetros, e durante
o afélio, a cerca de 152,1 milhões de quilômetros do Sol . Sabendo que a velocidade da Terra
no afélio seja 105444 km/h, determine a velocidade no periélio.

Impulso Angular (𝐽⃗)


O impulso angular (𝐽⃗) é dado por:

𝐽⃗ = ∫ 𝑀
⃗⃗⃗ 𝑑𝑡

O impulso angular também é conhecido pela variação do momento angular:


𝐽⃗ = 𝛥𝐿
⃗⃗⃗⃗⃗

Voltamos ao pião e a fieira. Quanto maior a fieira, maior é o tempo de interação que o torque 𝑀 ⃗⃗⃗
aciona o giro do pião. Essa expressão Impulso angular é pouco reportada nos livros didáticos, porém
é a grandeza que faz com que haja a mudança de momento angular de um objeto que está em
rotação, pois além do torque depende também o tempo que esse torque se fez presente.

Você também pode gostar