Você está na página 1de 52

Universidade Federal do Pará

Instituto de Ciências da Saúde


Faculdade de Medicina
Atenção Integral à Saúde- Saúde da Mulher
Docente: Maria Francisca Alves

Fármacos na Gravidez
Grupo 4: Beatriz Oliveira; Crislene Valéria; Daniel Cunha;
Everton Silva; Ewerthon Souza; Francisco Charles Santos;
João Marcos Rodrigues; Kelly Marques; Lucca Dal Moro;
Lucas Pacheco; Rafael Reis

Belém - 2021
Dores durante a
gestação são
comuns?
Dor na ● 25% das mulheres;

● Queixas musculoesqueléticas;
Gestação
● Interferência diária;

● Qualidade de vida.
Analgésicos Não - Opióides
Paracetamol
1. Mais utilizado durante a gestação;

2. Sem efeitos teratogênicos;

3. Menor dose em menor tempo possível;

4. Vida materna: Pré-eclâmpsia, TVP, TEP,

lesões hepáticas e renais.

Posologia: 500 mg, 4-6 h, VO ou IM, dose máxima de 4000 mg/dia.


Dipirona
1. Relacionados a Tumores na Infância?;

2. Sem efeitos teratogênicos;

3. Menor dose em menor tempo possível.

Posologia: 500 mg/mL solução injetável (IM).

500 mg - 1 comprimidos até 4 vezes ao dia (VO).


Analgésicos Opióides
Codeína
1. Malformações no 1º e 3º trimestre -
Aparelho respiratório, hérnias
umbilicais e inguinais;

1. Vida materna: Constipação;

2. Maior incidência de cesarianas


eletivas e de emergência e
hemorragia pós-parto, quando
utilizada no final da gestação.

Posologia: 30-60 mg, 3-6 h, VO.


Tramadol
1. Malformações cardiovasculares
e pé torto congênito ;

1. Uso crônico - Síndrome da Abstinência

Neonatal (SAN). O risco aumentado

no 3° trimestre.

Posologia: 50 mg (dose única) - 1 a 2 ampolas IV ou IM-100 mg - IM ou IV.


Morfina
1. Não há registro de malformações - usar com cautela;

2. Meia vida curta - Síndrome da Abstinência Neonatal (SAN).

Posologia: 30-60 mg, 4-4 h, VO; 1-2 mg, 4-4 h, SC, IM IV; 0,2-4 mg, intratecal; 5 mg,
epidural.
Fentanil
1. Dor crônica;

2. Dois relatos: 125 microgramas/hora


e 100 micrograma/hora - SAN.

Posologia: 0,1 mg EV ou 12-25mcg/h TD.


Anti-inflamatórios não esteroides
(AINES)
Anti-inflamatórios não esteroides (AINES)
Grupo heterogêneo de drogas com
mecanismo de ação comum:
inibição da enzima cicloxigenase.

● Analgésicos
● Antipiréticos
● Anti-inflamatórios
Riscos dos AINES durante a gestação
NO ULTIMO TRIMESTRE
● Nos dois primeiros trimestres há algumas
associações com efeitos no feto Na mãe:

Evitar uso a partir da 28 semana até o final da ● Efeito tocolítico:Trabalho de


gestação parto prolongado
● Hemorragia pós-parto

AINES seletivos: classe C até o segundo No feto:


trimestre, e D no terceiro.

Não seletivos: classe B até o segundo trimestre e ● fechamento do ducto arterioso


D no terceiro. ● formação de oligodrâmnio
● Enterocolite necrotizante
● Hemorragia intracraniana
AINES mais seguros
● Paracetamol (analgésico, baixo efeito Anti-inflamatório)

Classificação B. Deve ser utilizado na menor dose e menor tempo possível.

● Dipirona
● AAS (60-150 mg/dia): dose até 150mg classe C. Mais que 150 mg, classe D
Corticosteroides
Patologias Corticosteroide Posologia

Prevenção da Síndrome da Betametasona 1 ciclo: 12 mg, IM, a cada 24


Angústia Respiratória horas, durante 02 dias
> entre a 24ª e 34ª
Risco de parto pré-termo semana de gestação. *O uso de 2 ciclos é
excepcional

Dexametasona 1 ciclo: 6 mg, IM, a cada 12


horas durante 02 dias
> entre a 24ª e 34ª
semana de gestação. *O uso de 2 ciclos é
excepcional
Patologias Corticosteroide Posologia

Púrpura trombocitopênica Prednisona (1ª escolha) Mesma posologia para não


Idiopática gestantes, no entanto,
Entre o 2º e 3º trimestre para depende de vários fatores,
níveis plaquetários abaixo de inclusive se há sangramento.
30.000/mm3 ou presença de
sangramento
A qualquer momento da
gravidez para níveis
plaquetários abaixo de
10.000/mm3
Danos para o feto
Convenção (Atenção pré-natal):

→ Um ciclo de corticosteroides não oferece riscos potenciais: neurocognitivo,


hormonal e cardiovascular. Vale o risco-benefício.

Novos estudos em animais/humanos:

→ Alteração do funcionamento do eixo hipotálamo-hipofisário (níveis de cortisol)

→ Alterações do desenvolvimento cerebral

→ Pressão arterial e resistência à insulina

* Países em desenvolvimento: falta de benefícios para o feto pré-termo e


mortalidade de crianças nascidas a termo
Danos para o feto
→ Fendas orofaciais

→ Baixo peso ao nascer

*Maior risco no 1º trimestre -


formação do palato entre a 6ª e 12ª
semana

→ Parto prematuro (prednisona)

*Púrpura trombocitopênica
idiopática
Antidepressivos
Antidepressivos
● Todas as medicações psicotrópicas difundem-se através da placenta,
expondo o feto a algum grau de risco.
● Seus riscos no primeiro trimestre;
● Entretanto, as medicações psicotrópicas podem ser prejudiciais mesmo
após a formação dos órgãos, onde a exposição intrauterina no segundo e
terceiro trimestres podem levar a complicações pós-natais.
Antidepressivos Tricíclicos (ADT)
● Em humanos não parece
aumentar o risco de
anormalidades congênitas.

● Uma metanálise de 414 casos de


exposição aos tricíclicos no
primeiro trimestre de gestação
não identificou nenhuma má-
formação congênita
ADT Classe Risco Efeitos perinatais Efeitos Posologia
FDA FETAL Comportamen
tais.
Amitriptilina B Sem evidência Sintomas transitórios de Sem evidências 50-150mg/dia
de Riscos toxicidade ou abstinência: de alterações a Via oral
letargia, hipotonia, obstipação, longo termo.
retenção urinária, taquicardia.

Nortriptilina B Sem evidência Sintomas transitórios de risco 25mg/dose VO


de Riscos toxicidade ou abstinência:, 3-4x/dia
letargia, hipotonia, obstipação,
retenção urinária, taquicardia.
Inibidores Seletivos de Recaptação de
Serotonina(ISRS OU SSRI)
● São os mais comumente prescritos,
entre eles a fluoxetina, a paroxetina,
a sertralina, a venlafaxina, a
fluvoxamina e o citalopram.

● Hemodiluição; Transito intestinal e a


indução enzimática – Aumento da
dose.

● Não está associada a grandes riscos


de malformações
ISRS Classe Risco Efeitos perinatais Efeitos Posologia
FDA FETAL Comportamentais.

Fluoxetina* B Sem Dados Insuficientes Dados Insuficientes 20-60mg/dia VO


evidência de
Riscos

Fluvoxamina C Sem Dados Insuficientes Dados Insuficientes 50mg VO 1x ao dia, à


evidência de noite. Aumentar em
Riscos doses de 50mg/dia, até
o máximo de 150mg
de 12/12hr

Paroxetina D Risco *Pode elevar o risco Dados Insuficientes 20-40mg VO 1x/dia,


teratogênico de cardiopatias aumentando
Importante congênitas em doses semanalmente a dose
> 25mg com acréscimos de
10mg até o máximo de
60mg dia.

*Meia vida longa; Efeitos no terceiro trimestre;


Inibidores da Monoamina Oxidase (IMAO)
● São as primeiras substâncias a
serem usadas como
antidepressivos.

● Contraindicados na Gravidez em
qualquer trimestre.

● Um estudo com 21 recém- nascidos


expostos a IMAOs na gestação
mostrou um risco relativo de 3.4
para más-formações congênitas.
Benzodiazepínicos (BDZ)
● Dados controversos, risco de
malformações fetais quando o feto é
exposto entre a 2ª e a 8ª semana de
gestação. (CAMACHO,2006)

● Efeito sedativo no feto e no lactente;

● Efeitos adversos neonatais são


observados para todos os medicamentos
dessa classe, quando usados no terceiro
trimestre de gravidez;

● Deve-se considerar a parada em


mulheres que planejam a gravidez.
BDZ Classe Risco FETAL Efeitos Efeitos Posologia
FDA perinatais Comportamentais.

Clonazepam; C Relatos de Relatos de Dados Insuficientes 2-4mg/dia VO


Alprazolam; malformações sintomas de 0,5-4 mg/dia VO
Lorazepam fetais; lábio abstinência 2-3mg/dia VO
leporino e neonatal
fenda palatina

Diazepam D Risco de lábio Sintomas de Dados Insuficientes 5-20mg/dia VO


leporino e abstinência
fenda palatina neonatal
*1 e 3 trimestre

Clorodiazepóxid D Risco Sintomas de Dados Insuficientes Não indicado


o teratogênico abstinência
significativo neonatal
DROGAS X
Drogas X
● Medicamentos associados com anormalidades fetais em estudos
com animais e em humanos e ou cuja relação risco-benefício contra
indica seu uso na gravidez;

● Drogas teratogênicas que determinam anormalidades morfológicas


ou funcionais permanentes no concepto.
Drogas X
● Danos reprodutivos na espécie humana podem ser:

○ Perda do concepto (abortos, morte fetal tardia ou perinatal);

○ Alteração da morfologia, da função do sistema nervoso central (SNC) e outros


sistemas;

○ Carcinogênese e as síndromes reconhecidas;

○ Restrição de crescimento intrauterino (CIUR).


Agente/Droga Categori Efeito FETAL Risco Fetal Risco Materno.
a
Antagonistas X Aborto espontâneo; 30% de risco na --
do ácido fólico anomalias craniofaciais; exposição no 1º
(Metotrexato) anomalias do esqueleto; trimestre
redução de membros;
CIUR; natimorto; morte
neonatal
Misoprostol X Síndrome de Risco no 1º trimestre --
Moebius, deficiências
transversais dos
membros terminais,
anormalidades no SNC.
Isotretinoína X Microtia, Durante o tratamento
microftalmia, ou durante o mês
CIUR, atraso do seguinte após sua
desenvolvimento, interrupção.
anormalidades no SNC.
Estatinas X inibe o processo de síntese Risco no 1º trimestre
hepática do colesterol,
reduzindo os níveis
sanguíneos; aumenta a
síntese dos receptores de
LDL
Anti-histamínicos
Anti-histamínicos
●Drogas usadas em três queixas bastante comuns:
1.Náuseas
2.Vômitos
3.Alergias
Anti-histamínicos
- De maneira geral o uso de anti-histamínicos, quando necessário, deve ser feito
com drogas da primeira geração (possuem mais estudos)

- Em relação a alergias, especificamente: A maior preocupação quanto ao uso de


fármacos deve ocorrer no primeiro trimestre da gestação, Mazzotta P, 1999.
(Rinite gestacional)

- Embora não ainda se tenha estudos com evidências mais fortes, deve-se tomar
cuidado com AntH1 no último trimestre, em especial nas últimas semanas, uma
vez que pode causar rebaixamento do feto.
Dimenidrinato
- Profilaxia e tratamento de náuseas e vômitos em geral
- É o farmaco mais indicado para tratamento de naúseas
e vômitos decorrentes da gravidez

- Início de ação mais rápido e menor sedação que a


Meclizina

- Categoria B de Risco na Gravidez


Prometazina
- Nenhum risco teratogênico significativo em estudos com
animais

- No entanto, um ligeiro aumento do risco de malformações


cardiovasculares
tem sido colocado em evidência na espécie humana. Por
consequência, recomenda-se que não seja utilizado durante o
primeiro trimestre.
Categoria de risco na gravidez: C
Clorfeniramina e Loratadina
- Têm sido recomendadas por existirem trabalhos em
animais e humanos comprovando sua segurança
(Loratadina)

- O maleato de clorfeniramina, fármaco de escolha para


obstrução nasal
possui um acentuado efeito antialérgico, impermeabiliza as
paredes celular
Gravidez - Categoria de Risco C e B
respectivamente
Antiepiléticos

Antiepiléticos
A A epilepsia é a doença neurológica mais comum associada à gestação

● Mulheres com epilepsia possuem risco aumentado durante à gestação


❑ - pré-eclâmpsia;
❑ - infecções;
❑ - descolamento de placenta de cesariana;
❑ - prematuros, com maior ocorrência de baixo peso ao nascimento;
❑ - de malformações congênitas;
❑ - complicações relacionadas à asfixia perinatal;
Antiepiléticos
Entre as drogas comumente utilizadas, não há consenso sobre qual é a mais
teratogênica, a exceção do valproato.
❏ Carbamazepina ● Apesar de algumas literatura não mostrar
aumento de ocorrência de anomalias congênitas
em descendentes de mães que tenham usado
❏ Fenobarbital carbamazepina durante a gestação.

❏ dismórficas faciais,
❏ Fenitoína ❏ como nariz curto,
❏ fissura palpebral,
❏ pregas epicantais,
❏ Valproato
❏ hipertelorismo e hipoplasia ungueal,
❏ Além de atraso no desenvolvimento
Neuropsicomotor em 20% das crianças
Antiepiléticos
❏ Carbamazepina ● O fenobarbital tem sido
associado com malformações
cardíacas, fenda palatina e
❏ Fenobarbital padrões específicos de
malformações menores e
dismorfismos
❏ Fenitoína

❏ Valproato
Antiepiléticos
❏ Carbamazepina ● A fenitoína está associada a um
maior risco de aparecimento de
lábio e fenda palatina, assim
❏ Fenobarbital
como alterações dismórficas,
como hipoplasia das unhas e
❏ Fenitoína falanges distais e
anormalidades crânio-faciais.
❏ Valproato
Antiepiléticos
● O valproato tem sido associado a um
❏ Carbamazepina risco de 1 a 2% para o
desenvolvimento de defeitos do tubo
neural, assim como doses superiores
❏ Fenobarbital
a 1000 mg aumentam ainda mais o
risco de ocorrência de espinha bífida
❏ Fenitoína e outras malformações, também tem
sido descrita uma incidência maior
de malformações cardiovasculares e
❏ Valproato urogenitais com o uso do valproato.
Antiepiléticos
● O cenário ideal então para uma gravidez com riscos menores seria mulheres com
bom controle com pelo menos um ano sem crises, em monoterapia com a menor
dose eficaz possível, com uso de ácido fólico pré-concepcional (5 mg ao dia) e ao
longo de toda a gestação, evitando valproato.

● A administração rotineira de vitamina K no período periparto para mulheres


usuárias de AC indutores enzimáticos (carbamazepina, fenitoína, fenobarbital,
oxcarbazepina) não é consenso, porém a administração neonatal para recém-
nascidos expostos a esses deve ser realizada para minimizar o risco de eventos
hemorrágicos
-
Ansiolíticos
Ansiolíticos
●São fármacos utilizados no tratamento de ansiedade generalizada.

●- Assim como outros remédios deve-se ponderar os malefícios e benefícios, pois


todas as classes podem provocar ou tem relações teratogênicas.

●- A ansiedade generalizada deve ser tratada pois pode provocar depressão pós-
parto e estresse pós-traumático na gestante.

●- Em todo caso, a gestante deve cuidar de seu corpo e sua mente, além de
utilizar calmantes naturais para minimizar os sintomas da ansiedade.
ISRS e IRSN
- Os inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS) são
relativamente seguros durante a gestação, porém, o seu uso no
terceiro trimestre de gravidez podem levar a problemas
comportamentais e sintomas de abstinência em neonatos.

- Dentre estes, os fármacos mais utilizados são a fluoxetina,


paroxetina, sertralina, citalopram e escitalopram. Apenas a
paroxetina é utilizada com mais cautela pois está associada a
malformações cardíacas

- Os ISRS são classe C de risco na gravidez, com exceção da


paroxetina que é classe D

- Para a classe IRSN, não há estudos que justifiquem o seu uso


durante a gravidez, com menor eficácia e não comprovação de
Betabloqueadores e Buspirona
- Todos os betabloqueadores podem ser usados durante a
gravidez em casos agudos de ansiedade generalizada,
desde que utilizados em doses baixas e de maneira
limitada.

- No entanto, o Propanolol, que é o medicamento mais


utilizado pelos pacientes, apresenta certo risco de
restrição de crescimento intrauterino entre outras
complicações neonatais.

- A buspirona (Agonista de receptor de serotonina), assim


como a classe IRSN, não é recomendada em gestantes
pela sua baixa eficácia comparada a outras classes e por
poucos estudos comprovando sua segurança.
Referências
CAMACHO, R.S. – Transtornos psiquiátricos na gestação e no puerpério: classificação, diagnóstico e tratamento. Revista
Psiq. Clín. 33(2), 92- 102,2006
NICE, National Institute for health and care excellence. Antenatal and postnatal mental health: clinical management and
service guidance. 2014.
SILVA et al, . O USO DE ANTIPSICÓTICOS EM GESTANTES. Anais do Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde.
COSTA, Cassilda; REIS, Constança; COELHO, Rui. Uso de psicofármacos na gravidez. Use of psychotropic drugs during
pregnancy. Acta Obstet Ginecol Port, 2010.
DE AMARANTE, Jerusa Fernandes et al. Efeitos da utilização de antidepressivos no desenvolvimento
fetal.UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. BELO HORIZONTE. 2020.
Wilson RD; SOGC Genetics Committee; SOGC Infectious Disease Committee. Principles of human teratology: drug,
chemical, and infectious exposure. J Obstet Gynaecol Can.2007;29(11):911-7.
Tratado de obstetrícia Febrasgo / editores Cesar Eduardo Fernandes, Marcos Felipe Silva de Sá ; coordenação Corintio
Mariani Neto. - 1. ed. - Rio de Janeiro : Elsevier, 2019.
BULA do Isotretinoína. Consulta remédios. Disponível em:
<https://consultaremedios.com.br/isotretinoina/bula#precaucoes. Acesso em: 18 de jul. 2021.
BULA do Misoprostol. Consulta remédios. Disponível em:<
https://consultaremedios.com.br/misoprostol/bula#precaucoes>. Acesso em: 18 de jul. 2021.
BRASIL. Biblioteca Virtual em Saúde: Qual a melhor opção terapêutica medicamentosa para gestantes com rinite
alérgica? Núcleo de Telessaúde Rio grande do Sul, Ago 2008
Fernandes, César Eduardo. Medicamentos antieméticos no tratamento da náusea e vômitos associados à gestação.
RBM rev. bras. med. 2013
Caparroz FA, Gregorio LL, Bongiovanni G, Izu SC, Kosugi EM. Rhinitis and pregnancy: literature review. Braz J
Otorhinolaryngol. 2016;82:113-9.
Källén B. Use of antihistamine drugs in early pregnancy and delivery outcome. J Matern Fetal Neonatal Med. 2002
Mar;11(3):146-52. doi: 10.1080/jmf.11.3.146.152. PMID: 12380668.
Andreatini, Roberto, Boerngen-Lacerda, Roseli e Zorzetto Filho, DirceuTratamento farmacológico do transtorno de
ansiedade generalizada: perspectivas futuras. Brazilian Journal of Psychiatry [online]. 2001, v. 23, n. 4 [Acessado 20
Julho 2021] , pp. 233-242. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1516-44462001000400011>. Epub 06 Mar 2002.
ISSN 1809-452X. https://doi.org/10.1590/S1516-44462001000400011.
Rang, H.P; Dale, M.M. Editora Elsevier, 8aedição, 2016. Farmacologia Clínica. Fuchs, F.D.; Wannmacher, L. Editora
Guanabara Koogan, 4aedição, 2010

Você também pode gostar