Você está na página 1de 3

1/3

Universidade Federal Fluminense – UFF


Faculdade de Educação – Curso de Pedagogia
Disciplina: Psicologia da Educação I
Docente: Fernanda Montes
Discente: Vitória Rodrigues da Silveira
Período: 1º Período Turno: Manhã Data: 08/09/2021

Sigmund, Freud. Algumas Reflexões Sobre A Psicologia Escolar. Tradução: Órizon


Carneiro Muniz. v. XIII. Rio de Janeiro: Imago, 1914

O texto de 4 páginas foi escrito por Freud, em comemoração ao 50⁰ aniversário de


fundação do colégio onde o mesmo estudou enquanto jovem.
O texto inicia com Freud falando sobre sua idade, o que leva a pensar sobre idade de
seus ex-professores e a um certo estranhamento ao pensar se:
Será possível que os homens que costumavam representar para nós
protótipos de adultos, sejam realmente tão pouco mais velhos que nós? (Freud, S.
1914. p. 285)

Ele relembra que foi em seu tempo de escola que teve seus primeiros contatos com as
ciências, e que durante todo esse tempo de escola, ele tinha a premonição de uma tarefa
futura, e que foi em sua redação de despedida da escola, que conseguiu manifestar essa sua
tarefa futura, que era o desejo que no decorrer de sua vida, ele contribuísse com algo para o
conhecimento humano.
2/3

Freud apresenta a psicanálise como uma nova disciplina psicológica. E diz que a
mesma é acolhida e atacada por médicos e investigadores de países vizinhos, menos em seu
país. Freud, como pai da psicanálise, diz que:
Como psicanalista, estou destinado a me interessar mais pelos processos
emocionais que pelos intelectuais, mais pela vida mental inconsciente que pela
consciente. (Freud, S. 1914. p. 286)
Ele afirma que é difícil dizer se fomos mais influenciados pelas ciências que nos foram
ensinadas, ou se pela personalidade de nossos professores. E que, para muitos, as ciências
eram passadas apenas pelos nossos professores. (Freud, S. 1914. p. 286)
Em respeito ao que sentíamos por nossos professores, a psicanálise chamou de
ambivalência e afirmou que estávamos inclinados a amá-los e odiá-los, criticá-los e a
respeitá-los.
A psicanálise mostrou que as atitudes emocionais dos indivíduos para com
outras pessoas, que são de tão extrema importância para seu comportamento
posterior já estão estabelecidas em uma idade surpreendentemente precoce. (Freud,
S. 1914. p. 286 - 287)
Freud fala sobre o momento da vida em que a criança começa a descobrir que seu pai
não é o mais inteligente, forte e poderoso, e isso apressa o desligamento de seus pais, onde a
criança começa a procurar referência externa, e encontra essa referência principalmente em
seu professor, e o respeito que se tinha ao pai é transferido para o professor, e a criança
começa a tratá-lo como tratava o seu pai em sua casa. Freud utiliza-se disso para explicar os
comportamentos que os alunos têm em relação aos professores. E isso explica o porquê de
acidentalmente chamarmos o(a) professor(a) de pai/ mãe.
É um texto de leitura rápida e sobre um assunto bem complexo, mas é bem
esclarecedor e gostoso de ler. Nesse texto, Freud nos alerta sobre o valor que a personalidade
dos mestres tem no despertar do amor e interesse das crianças pelas ciências. É um texto
muito humano, e é ótimo para estudantes e pesquisadores de psicanálise, e também para todos
os professores que mantêm relações com os alunos cotidianamente. As crianças precisam de
professores que amam o que fazem, que deixem a sua personalidade fluir.

Sobre o(a) autor(a):


Sigmund Freud (1856-1939) foi um médico neurologista e importante psicanalista
austríaco. Foi considerado o pai da psicanálise, que influiu consideravelmente sobre a
Psicologia Social contemporânea.
3/3

Referências adicionais:
FRAZÃO, Dilva. Biografia de Sigmund Freud. Ebiografia, 2020. Disponível em:
<https://www.ebiografia.com/sigmund_freud/ > . Acesso em: 02 de Agosto de 2021.

Você também pode gostar