Você está na página 1de 4

design

Acoffçaquer
vender-secomo
materialdesoúo
,nüoSalonedelMobile,o maisimportanteeventodedesigndemobiliario
e interioresdo mundo,a cortiçafoi mostrarumanovacara.Chamase
Materia,tempaisdevariasnacionalidades e pedigrees
do design.IYova
quetornaPortugalnumincomum
tentativaderedefinirumamatéria-prima
lugarcimeiroa nÍvelmundial,comumaajudinhadaExperimentaDesign.
TextoJoanaAmaral Cardoso,em Milão

oi uma luta, mas dos dez estúdios conüdados marca porruguesa nos tempos "Gostodasua
agorahá quem não pela ExperimentaDesign, como que correm, "mas há uma coisa
conslga nrar as consultora e produtora, e pela que temos emvantagem - totalidade:
mãos dos objectos Corticeira Amorim para desenhar trabalhamos um produto único".
de exposição. objectos para a sua nova marca .
'A nossa matéria é a cortiça", dotoqueoda
São convidativos
ao tacto, dizem os designers
e a apresentar no Salone del
Mobile, maior evento do sector.
diziam os professores da
universidade a Pedro Ferreira.
macier,a,rda
estrangeirosque nunca tinham Numa altura em que Portugal Dez designers/estúdios, leveza.Podia
exploradoa cortiça como é olhado de soslaio pela Europa seis portugueses, quatro
matéria-prima.Enquantoa depois do pedido de resgate estrangeiros, vários objectos continuaf a
explicam,tocam, quebrandoa financeiro, também os japoneses
barreira expositivainvisíveldos estão a braços com a imagem do
de cortiça na nova Materia,
mostrando-se ao seu sector -
desenharsenão
museuse galerias.
O designpode ser isto,
seu país na sequência do tsunami
e das fugas da central nuclear
o do design e produto - em
Brera, o design district da cidade
mepararemoo
objectostão quotidianosou de Fukushima. Mas nota-se em italiana com uma queda pela (OgrSato)
intrigantesque perdem a sua Milão, no 5O.oSalone, a presença plasticidade. Há brinquedos -
"em força dos japoneses", como
distânciamuseológica.E a barcos para o banho do estúdio
cortiçatambémpode ajudar. comentam Pedro Ferreira e suíço Big-Game,tambores ideais
Afinal, "é um material de sonho", RitaJoão, as duas metades dos (porque abafam o barulho) dos
como classificaa conceituada Pedrita. É importante mostrar Pedrita; ironias - o Pino de
designerfrancesaInga Sempé, que a üda continua, que o Daniel Caramelo, figura que é
do qual Portugalé o maior trabalho está em curso e que o boneco de vudu e local onde
produtor mundial - algoque país continua a ser uma potência espetar lembretes e recados; o
AméricoAmorim, sentadojunto de design. Par do estúdio japonês Nendo,
aosobjectosque a suanova Já Portugal, que tem designers um saleiro e pimenteiro que
marcaMateriaproduziu, não afirmados mas não se pode invertem a posição tradicional
nos deixa esquecer.Nem no dia descrever como uma potência da rolha e da garrafa; convites
em que o FMI deu entradaem nem como tendo uma escola para jantar e beber - Aro,
Portugale que o paíscomeçou, que unifique um movimento no de Miguel Vieira Baptista,
inevitavelmente,a mudar. design, tem materiais únicos. um centro de mesa elegante,
'Acção-cria
Çáo",postula Américo Amorim é taxativo: Gelo, um balde para refrescar
PedroFerreira,dosPedrita,um não é fácil comunicar uma bebidas de Filipe Alarcão; e +
design

descobertas- FernandoBrízio conviteaosdesigners."Temos aqui com a ExperimentaDesign


voltou àscores,destavez aos uma estranhezaemrelaçãoà na nova vertente da associação
lápis, e criou Furo, um centro cortiça", confirma Alarcão. na consultoriaa empresas.
de mesainsatisfeitocujos O briefing apresentado
sustentáculossãolápis de cor e Cnrtiçaglnmour pelaAmorim, que quer
que pintam a manta. Há luzes- "O maior desafiofoi pensar com a Materia "dar maior
osbritânicos RawEdgescriaram como o material,com uma notoriedadeà cortiça, para
um candeeirocom abatjour cargaligada a objectos que ela não termine o seu
costumizável;e escuridão- tradicionais,sepode potencialnasaplicações já
Lasca,de MarcoSousaSantos, transformarnum objecto conhecidase animar a sua
mesasde aglomeradode cortiça contemporâneo",conf,rmaRita imagem",como disseà Pública Pinha
escuracomo grandesseixos João.Masasvisitasde estudo Américo Amorim, era claro: Rmnvãï-dg**s
polidos. permitiram-lhes"aproximar- liberdadeaosdesignerspara
A exposição,desenhadapara se da raiz, do materialpuro", criar objectosquotidianos,
ser itinerantee para ter um ilustra Alarcão. de pequenadimensãoe "com
fluxo modular entre aspeças, O trabalho em torno da algumaironia", desdeque a
asqualidadesda cortiça que actualizaçãoe até glamorização cortiça"reclamasse o seupapel
encerrame a crençade Miguel já
da cortiça dura.No ano preponderanteno objecto".
VieiraBaptista,responsávelpelo passado,a embaixada Tudo para um público-alvo
desenhode exposição,de que o Destination:Portugalno Museum "mais informado, dispostoa
materialbrilha maisquandoem of ModernArt (MoMA)de Nova pagara mais-valiada autoria e
contrastecom outro, estáatéhoje Iorque tinha objectosde cortiça do design".
em Milão.Depoisruma a Lisboa, no séquito;o Prémiode Design Sóamanhã,feito o balanço
onde semostraa 5 de Maio. na ExposiçãoMundial de Xangai da acçãono Salone,haveráos
Parauns, a cortiça foi uma foi para o Pavilhãode Portugal, primeirossinaisdo seupotencial
descoberta.Paraoutros,uma totalmenterevestidoem cortiça; internacional.Na exposiçãono
redescoberta.Oki Sato,que o pavimentoda SagradaFamília SpazioSanMarco,em Brera,
aos33 anostem peçasnos de Gaudiseráde cortiça;vários vários especialistasdavam
principais museusdo mundo e designerse arquitectos,marcas os seuspalpitesa Cristina
já desenhoubolaspara a Puma de acessóriose pequenas Amorim, coordenadorado
ou estantescomo a nova ZtgZag corticeirastrabalhama cortiça projecto na corticeira, sobre
para a Lema, "pensavaque para lhe dar novasaplicações. os preçosideaisdosobjectos
conheciamuito da cortiça", E agoraestáno Salone,que da Materia- o investimento
masaprendeumais."Gosto hoje termina, onde asmais da Amorim na marca "não é
da suatotalidade:do toque, importantesmarcase designers ainda materialmenterelevante,
da macieza,da leveza.Podia do mundo semostram - desde porque nestemomento ainda Pino
continuar a desenharsenão me a Vitra à Mooi, passandopor setrata dosfeesdos designers" ã}*ts&Ë*R
fiaymxmeler
pararem",rise. IngaSempé, convidados-estrela, como e da operaçãoaqui em Milão,
que trabalhacom a Baccarat, a arquitecta ZahaHadid, o respondeà Pública.A ideiaé
LigneRoset,Edraou Cappellini, designersuperlativoPhilippe vendê-losem lojas de design,
não conheciaa cortiça. Pareceu- Starck,os irmãos Campanaou de museus."Estesprodutosnão
lhe um material "antiquado" o rigorosol(onstantinGrcic.É sobrevivempor si só, sobrevivem
mas,tal como Oki, passoua uma espéciede evento-espelho em contextocom produtos com
apreciaro facto de ser "tão de uma dançaapaixonadaentre abordagense conceitosque lhes
diferente,as suaspropriedades indústria e design,autoria e sejamfamiliares",postulaFilipe
tão belas" como a retenção produto, em que os responsáveis Alarcão.
da água,o isolamento,a autárquicos,nacionaise da É essecontexto,a sua
resistência. feira enfatizamainda, 5Oanos comunicaçãoe a "criaçãode
Esperandoque estafasede depois,o poder da criatiüdade um cenáriode consumo",ainda
lançamentotenha sequência comopólo económico. segundoAlarcão,que continuam
feliz no mercado,cientesde No meio dos45Omilhõesde a ser essenciaisna indústria
que tantos projectosdo género euros que o Salãomovimenta, portuguesa- elementosque o
ficam pelo caminho,todos têm dos quais 2O7sáoali deixados designdomina. ffi
maispropostaspara a Materia. pelosturistasdesign,ã maica
Mesmoos que redescobriram do Salonevale 92 milhões e j oana.cardoso@publico.pt
a cortiça, como os Pedrita permite mostrar uma miríade
ou Filipe Alarcão,a quem de trabalhos.Filipe Alarcão, A Pública viajou a convite Senta
coubea direcçãoartísticado um dos mais fortes nomesdo da CorticeiraAmorim e da ff *x"sxmsta$q:
ffir$-nãqr
projecto, nomeadamenteo designem Portugal,trabalhou ExperimentdDesign
Rufo Par Gelo
ã*c*e*ri{..âe #üenaçáqx f.&&frp*
,&Bmrç;ã*

Parte
ïSçrs'edftfj

VãeËg:Ë*"
ibt$Ëgaa*ã &Smga{ãwÉ"aa

Lasca Torno
f$ep"m
&€ma'qx"$ { q'**;
sm,-sm.ns Kax6;a
*Ëerxn6*e

Interesses relacionados