Você está na página 1de 4

LISTA 1 FUNDAÇÕES – DANILO MARMÉ PINHEIRO

1-Defina o que consiste em um sistema de fundação.

Consiste nos elementos que realizam a transmissão de cargas da estrutura para o solo,
suportando as tensões causadas pela edificação.

2-Quais as diferenças entre fundações superficiais e fundações profundas?

As diferenças já vêm pelos próprios nomes atribuídos as mesmas, visto que as fundações
superficiais são aquelas em que a carga da estrutura da edificação é transmitida ao solo pelas
pressões distribuídas pela base da fundação. Este tipo de fundação deve ser assentada em
profundidade inferior ao dobro de sua menor dimensão em planta.

E as fundações profundas, são aquelas em que a carga proveniente da superestrutura é


transmitida para a fundação por meio da resistência de ponta (base), pela resistência de fuste
(lateral) ou por ambas, podendo passar de 10 metros de profundidade.

3-Comente as características que definem as fundações superficiais: blocos, sapatas


isoladas, sapatas associadas, sapatas corridas e radiers.

Os blocos são elementos de fundação superficial caracterizados pelo uso exclusivo de


concreto, nesta fundação não é necessário o emprego de armadura pois neste caso somente
o concreto, que pode ser simples ou ciclópico, consegue resistir as tensões de tração devido
ao seu dimensionamento.

Sapata isolada é um dos tipos de fundação superficiais mais simples e comuns na construção
civil. Ela é dimensionada para suportar a carga de apenas um pilar ou coluna. Podem ser de
formato quadrado, retangular, circular, etc.

Sapata associada ou radier parcial é uma sapata comum a vários pilares. São normalmente
empregadas quando a posição de duas sapatas isoladas ficarem muito próximas por falta de
espaço ou opção estrutural. Neste caso, as bases das sapatas poderiam ficar sobrepostas ou
influenciar na outra estruturalmente fazendo com que o uso de uma única sapata associada
pudesse receber as cargas de dois ou mais pilares próximos.

Sapata corrida é utilizada para suportar cargas oriundas de elementos contínuos que possuem
cargas distribuídas linearmente como muros, paredes e outro elementos alongados. Por ser
uma fundação rasa sua escavação geralmente é feita à mão sem a necessidade do uso de
máquinas ou equipamentos especiais. Normalmente é executada com concreto ciclópico
(concreto e pedras de mão).

O radier é uma fundação rasa que se assemelha a uma placa de concreto que abrange todos
os pilares da edificação, suportando e distribuindo as cargas uniformemente.

4-Os principais tipos de fundações profundas são os tubulões e as estacas. Defina-os e


caracterize-os com relação a seus processos executivos e mecanismos de transferência de
carga para o solo.

Estacas são elementos estruturais esbeltos que, colocados ou moldados no solo por cravação
ou perfuração, tem a finalidade de transmitir cargas ao solo, seja pela resistência sob sua
extremidade inferior (resistência de ponta ou de base), seja pela resistência ao longo de sua
superfície lateral (resistência de fuste) o u por uma combinação das duas.
Tubulão é um Elemento de fundação profunda, cilíndrico, em que, pelo menos na sua etapa
final de escavação, há descida de operário. Pode ser feito a céu aberto ou sob ar comprimido
(pneumático), e ter ou não base alargada. Na verdade, a transmissão de carga de um tubulão
não segue o conceito literal de Fundação Profunda, por ser desprezado o atrito lateral do fuste.
Mesmo assim, é referida como fundação profunda por se tratar de profundidades de apoio
como as mesmas.

5-Descreva o processo executivo de uma sapata, destacando as condições favoráveis e


desfavoráveis para uso dessa fundação.

As sapatas são de simples execução, o que não muda o fato de tomar bastante cuidado na sua
construção. A sapata de cota mais baixa deve ser executada primeiro e de acordo com a NBR
6122, nenhuma sapata deve ter dimensão menor do que 60 cm.

Para a execução de uma sapata, são realizados os seguintes passos:

 Escavação do terreno onde será feita a sapata, de acordo com o projeto de fundações,
seguindo as dimensões e cotas indicadas.
 Aplicar uma camada de concreto magro no fundo do terreno escavado e nas suas
laterais. Essa camada de regularização no fundo deve ter no mínimo 5 cm e sua função
é proteger a armadura da sapata contra a umidade do solo. Nas laterais, uma camada
de chapisco já basta.
 Em seguida, coloca-se as fôrmas de acordo com o projeto de locação de obra. Deve-se
conferir as marcações dos pilares e checar o nível da sapata.
 Coloca-se então espaçadores na superfície de apoio onde foi aplicado o concreto
magro, para evitar que o cobrimento do aço não seja atendido.
 Coloca-se a armadura, de acordo com o projeto de fundações.
 Posicionamento da armadura do pilar que sairá da sapata isolada. Deve-se fixar os
arranques dos pilares com arames de aço.
 Realiza-se a concretagem da sapata.
 Depois de curado o concreto, realiza-se a desforma da sapata e o devido reaterro da
cava da sapata.

As vantagens das sapatas em uma fundação são o seu baixo custo, rapidez de execução e a
capacidade de construção sem equipamentos e ferramentas especiais. Uma fundação em
sapatas bem dimensionada pode ser executada com pouca escavação e baixo consumo de
concreto.

A desvantagem da sapata simples é que ela necessita de vigas e pilares para fazer a distribuição
e a concentração do peso da parede e do telhado.

6-Descreva o processo executivo de um tubulão à céu aberto, destacando as condições


necessárias que permitam a execução dessa fundação e o que pode inviabilizar a sua
aplicação.

Fases de execução de tubulão a céu aberto

1. Escavação manual ou mecânica do fuste: O fuste pode ser escavado manualmente por
poceiros ou através de perfuratrizes até a profundidade prevista em projeto. Quando
escavado à mão, o prumo e a forma do fuste devem ser conferidos durante a
escavação. Caso ocorram irregularidades na instalação do sistema, especialmente
desalinhamento do fuste e dificuldade de abertura e concretagem da base, é preciso
corrigir imediatamente, pois o tubulão não pode ficar muito tempo aberto para não
sofrer alívio de tensões e perda de resistência do solo.
2. Alargamento da base e limpeza: Se for necessário o alargamento da base, a descida
de um operário para o serviço é imprescindível. Por mais arriscado que seja esta
prática, ainda não foi desenvolvido equipamento com preço acessível para realizar o
alargamento da base. Deve-se realizar todos os procedimentos de segurança e a
utilização de EPI’s designados para esta operação. Depois de executado o alargamento
da base de acordo com as dimensões previstas em projeto, deve-se realizar a limpeza
da base, retirando terras soltas e impurezas do solo.
3. Conferência da base pelo engenheiro ou responsável da obra: Após o término do
alargamento e limpeza da base pelo operário, o engenheiro ou responsável da obra
deve descer no poço para verificação do serviço. Deve-se conferir as dimensões da base
e o angulo formado entre o fuste e a base. É comum nos canteiros de obra a prática da
confiança do engenheiro em seus operários. Porém, vale ressaltar que o engenheiro é
a pessoa que possui conhecimento técnico na obra capaz de decidir se o serviço foi
bem executado ou não.
4. Colocação de armadura: A armadura do fuste deve ser colocada tomando-se o cuidado
de não permitir que, nesta operação torrões de solo sejam derrubados para dentro do
tubulão. Quando a armadura penetrar na base, ela deve ser projetada de modo a
permitir a concretagem adequada da base, devendo existir aberturas na armadura de
pelo menos de 30 x 30 cm.
5. Concretagem: A concretagem do tubulão deve ser feita imediatamente após a
conclusão de sua escavação. Em casos excepcionais, nos quais a concretagem não
tenha sido feita imediatamente após o término do alargamento e sua inspeção, nova
inspeção deve ser feita, removendo-se o material solto ou eventual camada amolecida
pela exposição ao tempo ou por água de infiltração. A concretagem é feita com
concreto simplesmente lançado da superfície. Não é necessário o uso de vibrador. Por
esta razão o concreto deve ter plasticidade suficiente para assegurar a ocupação do
todo o volume da base. Alguns engenheiros, porém, recomendam o uso de vibrador e
que a bomba de concreto alcance o fundo do tubulão. A escolha ficará por conta do
responsável da obra.

Os tubulões a céu aberto são indicados exclusivamente para solos coesivos, caso das argilas,
dos siltes argilosos e das areias argilosas. “Por serem fundações moldadas in loco de grandes
dimensões, os tubulões apresentam boa capacidade de carga e, por isso, podem ser utilizados
como fundação de todos os tipos de estrutura, desde que o solo local tenha as características
que permitam sua execução com segurança”

O tubulão a céu aberto pode ser limitado em função do lençol freático, caso não seja possível
esgotar a água.

7- Descreva o procedimento executivo das estacas a seguir e as condicionantes favoráveis e


desfavoráveis para seus empregos (tipo de solo, presença de água no solo, nível de
carregamento, vizinhança, etc.):

a) Escavada mecanicamente;

São estacas executadas com o auxílio de máquinas perfuratrizes hidráulicas


acopladas e uma plataforma de caminhão, possibilitando uma perfuração muito rápida com
uso ou não de lama bentonítica, de revestimento total ou parcial, e posterior concretagem.
b) Hélice contínua monitorada;

É uma estaca de concreto moldada "in loco", cuja perfuração consiste na


introdução de um trado helicoidal (com tubo vazado central) no terreno até a
profundidade do projeto de fundações. Finalizada a perfuração, o concreto é
lançado através do tubo metálico, simultaneamente com a retirada do trado, onde permite
maior agilidade na conclusão do estaqueamento, tendo com o principal
característica o monitoramento eletrônico (controle de profundida de, velocidade
de rotação e de descida do trado na perfuração, torque do equipamento, pressão
de concretagem, velocidade de subida do trado e sobre consumo de concreto) e
ausência de vibrações no solo local e vizinho

c) Metálica;

As estacas metálicas são utilizadas em fundações profundas ou em contenções,


essas em caso de edifícios que contenha grande número de subsolos. Elas podem
ser cravadas em profundidade inatingíveis pela estaca pré-moldada de concreto.
Devido a suas características de resistência a percussão, o que impede a quebra
durante a cravação, as estacas metálicas possuem carga de capacidade maior.

d) Pré-moldada de concreto;

A sua grande vantagem em relação às estacas no solo reside na concretagem, que é


suscetível de uma fácil fiscalização. Mais ainda, em terrenos extremamente pouco
consistentes ou onde se deva atravessar uma corrente de água subterrânea, as estacas
pré-moldadas levam vantagem sobre as estacas moldadas no solo, pois estas exigem
precauções e cuidados especiais.

e) Raiz;

A estaca raiz é uma estaca concretada “in loco”, com diâmetro acabado variando
de 80 a 410 mm e que a presenta elevada tensão de trabalho ao longo do fuste que é
constituído de argamassa de ar eia e cimento e é inteiramente armado ao longo
de todo seu comprimento. A aplicação inicial das estacas raiz foi ligada ao reforço de antigas
fundações de edificações de pequeno por t e, as quais o acesso era restrito a equipamentos
de grande porte.

f) Franki;

As estacas Franki são moldadas in loco, apresentam grande capacidade de carga e podem
ser executadas em grandes profundidades, não sendo limitadas pelo nível do lençol
freático. Seus maiores inconvenientes são a vibração do solo durante a execução, a área
necessária ao bate-estaca e possibilidade de alterações de concreto do fuste, por
deficiência de controle.

g) Strauss.

A estaca Strauss é um tipo de fundação que se caracteriza por ser moldada no local após
perfuração do solo. Estas estacas foram desenvolvidas com o objetivo de substituir as
estacas pré-moldadas que produzem forte vibração e ruído ao serem cravadas no solo.

Você também pode gostar