Você está na página 1de 78

1

Universidade Estadual Paulista-Faculdade de História, Direito e Serviço


Social- Campus Franca.

JOSÉ DA SILVA MATOS MAIA

O HOMEM CORDIAL NA BAHIA

FRANCA
2006
2

Universidade Estadual Paulista-Faculdade de História, Direito e Serviço


Social- Campus Franca.

JOSÉ DA SILVA MATOS MAIA

O HOMEM CORDIAL NA BAHIA

Trabalho de Conclusão de curso apresentado


para obtenção de titulo de Bacharel em História,
à Universidade Estadual Paulista “Júlio de
Mesquita Filho”, faculdade de História, Direito e
Serviço Social.

Orientador: Profº. Dr°. Moacir Gigante

FRANCA
2006
3

RESUMO: O presente texto tem o objetivo de examinar os fatores histórico-


estruturais que permitiram o desenvolvimento acentuado do personalismo político na
política brasileira, analisando as estruturas clientelísticas, a partir da família patriarcal
ao desenvolvimento do coronelismo. Compreender o fenômeno de comunicação de
massas na sociedade que vai se modernizando, midiátizada, mediante sua influência
sobre o personalismo na sociedade contemporânea. Analisada através da figura e
trajetória de Antonio Carlos Magalhães na política e transversalmente em suas ações
politicas, utilizando o mito da baianidade associando-a ao carlismo e na aplicação do
projeto de modernização turístico cultural no estado da Bahia, acionado dentro dessa
nova realidade. Os resultados do estudo indicam a permanência do personalismo na
política brasileira sobre uma rede clientelística, comprometendo a participação política
institucional, e potencializado pela associação entre mídia e política. Descaracterizando
o desenvolvimento pleno da democracia e da cidadania no país, pela concentração e
utilização para uso político das empresas de comunicação que favorecem a
permanência do personalismo.

PALAVRAS CHAVE: coronelismo; História Bahia; clientelismo; política; prsonalismo


político.

ABSTRACT: The present synopsis is intended to exam the historical and structural
facts that allowed the accented development of political “personalismo” in Brazilian
politic, analyzing the clientelism structure, starting from patriarchal families to the
development of “coronelismo”. Understanding the phenomenon of communication of
masses in a society which is in constant modernization, impregnated of the influence of
media, by means of your influence in “personalismo” in the contemporary society,
analyzed through the figure and trajectory of Antônio Carlos Magalhães in politics and in
his political actions by the myth of “baianidade” associated with “carlismo” and by the
application of the modernizing project of tourism and culture in Bahia inserted in this
new reality. The results of the present study indicate the permanence of “personalismo”
in Brazilian politics inserted in a clientelism net which compromises the institutional
politic participation and is powered by the association with media and politics,
uncharacterizing the complete development of democracy and citizenship in the country
by the concentration and utilization of communication’s enterprises for politics causes,
reaffirming the existence of “personalismo”.

KEYWORDS: “coronelismo”; History Bahia; “coronelismo”; clientelism; political


”personalismo”.
4

In memorem

Rosane Maia

Marcela

Irmão ...

Antenor Magalhães de Matos

Adélia da Silva Matos

José Maia Filho

Laurinda Defensora Rocha

Corinto Maia

Corinaldo

Lira
5

Agradecimentos

À minha mãinha, Eclelisia da Silva Matos, pois sempre encheu nossa estante de

livros onde pude mergulhar e conhecer os mundos dentro dos mundos nos mundos

diversos de onde nunca mais saí, a não ser é claro para pisar, de vês em quando, o

chão de uma realidade sistêmica. A toda minha família estendida sobre o Brasil, em

Iguaí, Botuporã, Vitória da Conquista, Salvador, Jequié, Rio de Janeiro, São Paulo,

Barueri, Itapevi, São Carlos e Suíça. Em especial a meus irmãos Rosene Matos do

Santos, Ricardo e família; Simone Matos da Silva, Carlos e família; Alexandre da Silva

Matos Maia, Washington Luis Maia e família, Godofredo Maia e família, Aier da

Conceição Maia e família, Paulo Eduardo Maia e família, Jean Carlos Maia e familia, Isa

Bruna da Conceição Maia, Eva Bruna da Conceição Maia, Norma Bruna da Conceição

Maia, Paulo Rodrigues da Conceição Costa, ao Janir esposo de mainha. Nena esposa

de painho. À Janaína que sempre será minha rainha dos mares. A todos os meus

sobrinhos, Alana, Alam, Ana, Bianca, Camila, Elielton, Everton, Guilherme, Hagatha,

Keyse, Letícia, Paulinho, Paulinha. Aos meus tios Antonio e família, Amália e família,

Fábio e família, China e família. A Jack e a Mônica Geografa, primas. Da parte de

Conquista, Miguel, Miguel Junior, Neinha, Niniha, Michele, Henrique e Tatiana. (Parece

uma grande família patriarcal, mas não, é uma Grande Família). À minha primeira e

grande república ou seria “res pública” integrada por Adriano, vulgo Bozo; Carlos, vulgo

Pupa; Carlos, vulgo Robts e ao integrante de ultima hora Ulisses, vulgo Pelegásso. Aos

amigos, Clara Holanda musa inspiradora; Carlinhos, André, Raimundo e Ivone,

Marcelo, Roger; Thiago, vulgo Carneiro; Rodrigo e Renã. E a minha ultima república

integrada pelos meus amigos e psicólogos Rafael e sua noiva Carol, Fabio e sua noiva.
6

Aos amigos Lília e Layner que sempre me receberam em sua casa para longas

conversas memoráveis. A todos os funcionários da UNESP. A todos os professores e

ao professor Jean Marcel. A toda a Quadragésima Primeira Turma de História, afinal se

a história começa depois dos quarenta, então a primeira sempre será melhor.

Finalmente ao nosso querido professor Gigante que, me estendeu seus braços

intelectuais tranqüilizando-me em momento oportuno. Moacir que não é nenhum

monstro mitológico, mas é nosso Gigante Professor e ficará para sempre, em um

capitulo, na “Odisséia” de nossas vidas.

La Marseillaise: Le jour de gloire est

arrivé
7

EPÍGRAFE

Eu sei que ao longe na praça,


Ferve a onda popular,
Que à vezes é pelourinho,
Mas poucas vezes – altar.

É hoje, senhores, o dia da pátria.


Que d’alma – os Baianos – conservam no fundo,
Saudemos o dia que ergueu-nos do lodo...
Que marca um processo na vida do mundo.

Senhores, a glória de um povo é ser livre...


O nome de livres é nosso brasão.
Seja esta a divisa da nossa existência.
E este epitáfio se escreva no chão...
Castro Alves, poeta baiano

Berço deste gigante que é Brasil


minha terra, que amo e admiro
Bahia, que tem um céu, mais cor de anil
Meu recanto espiritual, o meu retiro

Desfraldando a bandeira da vitória


Nas Lutas de Cabrito e Pirajá
Cobrindo a pátria de honras e glórias
Nossa pátria dos tiranos não será
José Maia, poeta e político baiano
8

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO......................................................................................................08

1 PARA UMA COMPREENÇÃO DO PERSONALISMO POLÍTICO NA POLÍTICA

BRASILEIRA.........................................................................................................11

2 UMA CRÔNICA BAIANA: “O Palácio de Ondina”.............................................36

CONCLUSÃO.......................................................................................................66

BIBLIOGRAFIA.....................................................................................................74
9

INTRODUÇÃO

Em 1948, em uma polêmica com Cassiano Ricardo, Sérgio Buarque de Holanda

manifestou um “bocejar” quando encerrou a polêmica, anunciando que talvez tivesse

gastado, em demasia, sua pena, com o pobre defunto do Homem Cordial. Cassiano

Ricardo queria acender e “botar lenha na fogueira” da polêmica, prolongando-a. Para

Cassiano o homem cordial era a expressão de uma bondade e amabilidade latina, e

não o “embusteiro” afável e longânime interesseiro, fundido no caldeirão da família

patriarcal e exposto por Sérgio Buarque. Cassiano Ricardo argumentou que: “a única

característica incorrigível no brasileiro era sua bondade”. Enquanto Sérgio Buarque

mostrou que: ”o brasileiro fazia uso de uma técnica de bondade”.1 Vamos ressuscitar o

defunto, mas antes é preciso encontrar seu rastro na História, pois, o fantasma sempre

assombrou o passado na política e no cotidiano das relações sociais brasileiras.

O personalismo político é intrinsecamente atado à política brasileira em especial,

vaga no tempo e no espaço das transformações políticas, impedindo o desenvolvimento

democrático. Emperrando a institucionalização da participação política dentro do

organismo partidário, favorecendo a guerra por hegemonia, mas posicionado sobre o

prato da balança que está ao lado das elites oligárquicas, senão ao menos os

detentores do capital e do poder, a nata do vinho podre que virou vinagre, comprado

em 1500, a safra ninguém se lembra mais. Na superestrutura, na esfera cultural

1
Tanto a resposta de Sérgio Buarque como o texto de Cassiano Ricardo – “Variações sobre o Homem Cordial”
Colégio, n.2, São Paulo, julho de 1948, foram incluídos como apêndice a partir da terceira edição de Raízes do
Brasil.
10

moderna, ganha visibilidade e sacia sua vaidade nas paginas dos jornais e na tela da

TV . O publico aplaude, mas desconfia, tarde demais. Ora, nunca é tão tarde ainda,

existe movimento na guerra por hegemonia, movimento desagregador, em que a

história sempre estará em processo.

O leitor poderá acompanhar duas partes, que compõem este trabalho, na

primeira procura-se um tipo ideal para navegar na História e encontrar algumas

manifestações do personalismo, o personalismo político transmutado em tipo ideal será

nosso guia nessa façanha nos meandros da política brasileira. A família patriarcal, na

sua manjedoura impudica dará nosso homem cordial, talvez o malandro seja mais

charmoso, versão popular desse oligarca hierárquico. Nos currais do voto de cabresto

nosso herói sem nenhum caráter, era coronel da guarda nacional, depois virou coronel

empobrecido na poeira do sertão, trocou votos por favores para manter a pompa

oligarca desnudada. O Estado Novo centralizou uma figura pública, árbitro no jogo de

compromissos, onde as pressões e o apoio das classes em formação era medido em

função de seu equilíbrio no poder, provocando rupturas nos rearranjos das estruturas

sociais classistas. Mas manteve-se a antiga estrutura, renovada agora em redes de

clientela, possuindo cada uma, um átimo sustentador. O resto já foi dito acima.

Na segunda parte, o leitor poderá encontrar um reflexo, um espelho da primeira

ou na penumbra, centralizado em um único ator público, ou principal. Por trás de um

personalismo ressonante muito conhecido na política brasileira nos últimos quarenta

anos, mito, talvez não seja mais, desmascarado por sua própria produção. A Bahia se

sobrepõe a ACM, ou será Antonio Carlos Magalhães. O nome que virou, sigla, a sigla

que virou, mito, o mito que virou, gente, ou como diz o poeta, gente é outra alegria.

Porque o palco armado do seu conglomerado midiático, subiu o pano no final de seu
11

espetáculo e mostrou as artimanhas políticas desse ator ultrapassado. Talvez a

baianidade possa ser dês-contaminada e revelar uma brasilidade, talvez até uma

universalidade, ou seja, a cultura de um povo que é sua maior riqueza, e o é em todos

os lugares no mundo. Uma universalidade singular em todos os lugares no mundo. Mas

enfim, o texto não vai tão longe assim, não tem essa pretensão, é uma simples análise

de história sociológica política, e isso é apenas um desabafo.


12

1- Para uma compreensão do personalismo político na

política brasileira.
13

Mais do que em seu desenvolvimento histórico, o Estado é


estudado em si mesmo, em suas estruturas, funções,
elementos constitutivos, mecanismos, órgãos etc., como um
sistema complexo considerado em si mesmo e nas relações
com os demais sistemas contíguos.
Noberto Bobbio

Para entendermos a trajetória de Antonio Carlos Magalhães e inseri-lo dentro de

uma abordagem personalista, faz-se necessário uma análise conceitual e teórica

acerca do personalismo político, seu enquadramento histórico, suas particularidades e

seu desenvolvimento no tempo e no espaço das transformações na política brasileira.

Tendo em vista que, no Brasil, existe uma profunda herança patriarcal2 e

portanto uma extensa base de fermentação e incubação para o personalismo. Por isso

é de grande importância entender a formação do patriarcado brasileiro.

Entretanto é preciso encontrar o fio condutor na análise, que precisa de um

elemento comum, com liberdade para transitar entre diversas manifestações do

personalismo e seu desdobramento no campo da ação, tendo em vista a experiência

moderna e particularmente o fenômeno da comunicação de massas. Esse fio

possibilitará agregar outros cenários de desenvolvimento ao personalismo, que não

seja somente a formação da tradicional família brasileira a partir da sua influência

ibérica, mas dentro de uma gama maior de relações que será trabalhado e apresentado

no decorrer do trabalho.

2
Tanto Sérgio Buarque de Holanda (HOLANDA,1956) quanto Gilberto Freyre (FREYRE, 1994) abordam o tema do
patriarcalismo, entretanto para Sérgio Buarque, essa nossa tradição patriarcal é responsável pela invasão do público
pelo privado, enquanto para Gilberto Freyre o patriarcado é visto de maneira positiva, socialmente integrada e
economicamente justa.
14

Para tanto faremos uso da noção de tipo ideal, teorizado por Max Weber3,

aparato conceitual necessário para tornar possível a investigação e encontrar

resultados plausíveis. Esta ferramenta metodológica permite uma superação da

realidade empírica para tecer os fios significativos, no interesse de desenvolver as

conexões que, entre os indivíduos, se apresentam de maneira geral, possibilitando seu

conhecimento em uma maior dimensão e através de particularidades que os unem.

Para Weber o interesse está na experiência e não na vivência dos sujeitos, não o

interessa as ações dos indivíduos por si, são necessárias um estabelecimento de

conexões causais que acionem as ações de um mesmo agente ou acionem as ações

de uma diversidade de sujeitos que estejam inseridos num mesmo contexto, onde será

perceptível a teia estabelecida.

[...] Daí a importância, nesse ponto, do conhecimento monológico do


pesquisador, pois o que importa é transcender a ação singular como puro
evento. Daí também a importância dos procedimentos construtivos envolvidos
no tipo, pois do contrário não há como transcender a pura realidade empírica
vivida, que é um fluxo inesgotável de eventos singulares. (COHN, 1977. p. 66)

É importante frisar que a busca e o uso do tipo ideal é importante, pois não é

uma delimitação absoluta, mas um guia no caminho da pesquisa, sua abrangência

permite que através dessa ferramenta se possa operar no rastro de elementos causais.

Não há atributos intrínsecos aos fenômenos que permitam o seu conhecimento


pleno, através das supostas exigências ensejadas por alguma forma de
captação intuitiva definitivamente, e isso nunca será suficientemente enfatizado,
a compreensão não diz respeito às personalidades dos agentes, muito menos a
quaisquer “vivências”, mas às suas ações. (WEBER, 1979, p. 79)

Portanto, quando Weber nos mostra que a compreensão não diz respeito às

personalidades dos agentes e sim às suas ações, fica claro que é nas repetições das

ações dos indivíduos que encontramos uma possível formatação de tipo ideal. Não está
3
WEBER, Max. A “objetividade” do conhecimento nas ciências sociais.: in COHN, Gabriel (Org.) Max Weber.
Sociologia. São Paulo: Ática, 1977, p. 79-127.
15

negando o personalismo, mas nos guia na compreensão de um tipo ideal para a

análise.

Para elevarmos a condição do “personalismo político” para uma noção de “tipo

ideal”, temos que ter em mente que não se trata das personalidades de um modo

isolado e sim de um atributo comum às diversas ações, ou seja, “conexões de sentido

que ligam os indivíduos e suas ações em torno de certas atitudes típicas,

eventualmente em torno de uma ética particular” (COHN, 1979. p. 66)

Agora que delimitamos nossa noção de tipo ideal como personalismo político, é

importante dar forma ao conceito e entender seu desenvolvimento no Brasil. O termo

personalismo se refere às relações sociais sustentadas por laços pessoais dentro de

uma escala hierárquica particularizada4.

No Brasil quem melhor trabalhou o conceito, ou melhor, sua origem, foi Sérgio

Buarque de Holanda5. Olhando para o passado colonial, faz uma reconstituição da

nossa história com vista a explicar o presente, buscando um traçado comum na

constituição e formação de nosso povo, que sugerissem pistas para esclarecer a frágil

estrutura pública no Brasil, que é confundida com o privado e familiar.

Nossa origem ibérica formou e forjou uma particularidade de homem lânguido

que tem sua mais profunda representação em nossa gente. O caldeirão propulsor

desse “tipo humano” foi o ambiente familiar, senão a própria família, suas raízes se

assentam em bases dos relacionamentos pessoais, respaldados por uma hierarquia de

“família tipo primitivo”.6 Onde a figura do pai surge poderosa, centralizando o comando

4
OTTIMANN, Goetz. Cidadania Mediada: Processos de democratização da política municipal no Brasil , in:
Novos Estudos, CEBRAP.74, março 2006, p.157.Disponível em <http://scielo.br/pdf/nec/n74/29645.pdf>. Acessado
em: 11de setembro de 2006.
5
HOLADA, S.B., Raízes do Brasil. São Paulo: Livraria José Olimpio Editora, Rio de Janeiro, 1956.
6
Ibid., p. 207
16

da família no topo da hierarquia, ele é também o mantenedor da “sociedade” familiar. É

na família que se encontra o terreno fértil para o assentamento de relações de tipo

personalista, pois é uma organização quase alto-suficiente onde se representa e

exercita-se uma esfera “pública”, entenda-se por isso que é no domínio da família que

ocorre toda atuação dos indivíduos dentro das “relações sociais”, em um primeiro

momento restrito ao âmbito doméstico rural.

Tudo que diz respeito ao desenvolvimento dos indivíduos, ocorre em um

ambiente recluso situado na esfera da família. É claro que essa família primitiva, aqui

institucionalizada, traz as marcas da colonização portuguesa, mas, que tomou formas

originais na mescla com as culturas nativas (posteriormente a africana) e na própria

alocação e acomodação em ambiente vasto oferecido pela natureza faustosa quase

nua, que oferecia as condições, devido a vastas porções de terras, para se desenvolver

um núcleo familiar quase autônomo.

[...] A casa de cada habitante ou de cada régulo uma verdadeira república,


porque tinha os ofícios que a compõem, como pedreiros, carpinteiros, barbeiros,
sangrador, pescador, etc. Com pouca mudança, tal situação prolongou-se,
aliás, até bem depois da Independência e sabemos que, durante a grande
época do café na Província do Rio de Janeiro, não faltou lavrador que se
vangloriasse de só ter de comprar ferro, sal, pólvora e chumbo na cidade, pois o
mais dava de sobra em suas próprias terras. (HOLANDA, 1956, p. 101-102)

É no desenvolvimento de relações “dentro da casa” que frutificará nosso homem

público, o senhor de engenho, autoridade política nos primeiros séculos, surgido de

uma composição social calcada nos valores da família, que entre nós é, talvez, único

modelo de organização. Desse modo, o patriarca, o senhor de engenho, fará do

ambiente público uma extensão das relações familiares.

Ao extrapolar o domínio da família e atingir os indivíduos, o poder da família

patriarcal estende aos organismos de atuação impessoal as práticas do ambiente


17

doméstico, impondo práticas de cunho sentimental como o afeto e as emoções, que

ligam as pessoas ao ambiente da família. Portanto práticas irracionais que não

permitem o estabelecimento de princípios coletivos abstratos, atravancando o

desenvolvimento de uma cultura pública, principalmente em um momento de formação.

A invasão do público pelo privado, através da família sobre o Estado, se dá em

decorrência da incapacidade dos indivíduos se desligarem dos laços pessoais quando

estão em vias de estruturarem esse mesmo Estado. Assim como nas famílias, as

relações se impõem de maneira biológica, ou seja, dentro da hierarquia patriarcal.

Ocorre o mesmo na esfera pública, o princípio que norteia os indivíduos é o principio da

hierarquia patriarcal. Portanto, não são relevantes as idéias e os interesses, e sim os

deveres e sentimentos a que os membros estão associados. “Dessa forma, assiste-se a

uma enorme impossibilidade de publicização das relações políticas e sociais, o que é,

sem dúvida, o alimento que embasou a estruturação de uma sociedade que vai elevar o

autoritarismo às alturas”. (REZENDE,1996, p.34).

A cultura da personalidade é característica dos povos ibéricos “[...] o traço mais

decisivo na evolução da gente hispânica, desde tempos imemoriais” (HOLANDA, 1956,

p.17), desse modo, a colonização nos logrou o personalismo como agente mistificador

da pessoa humana, uma originalidade ibérica que proclama a autonomia da pessoa em

relação aos demais. Essa cultura se enraizará na formação da família brasileira, até

mesmo, pelas condições em que aqui chegaram os colonizadores, em condição de

“desbravadores do novo mundo”. Aliado à cultura da pessoa, havia a necessidade de

sobreviver em ambiente hostil, alheio à sua origem, causando uma sedimentação na

experiência colona dessa exasperação pessoal, o que seria relegado no plano da

família e futuramente nas relações sociais fora dela.


18

O indivíduo, elevado a uma postura autônoma, desenvolveu particularidades que

o distanciam de uma atitude impessoal, o personalismo gerado o conduzirá, sempre, à

sua própria afirmação diante dos outros. Desse modo, suas relações estarão baseadas

sob personalidades, a anulação da sua só ocorre mediante uma outra maior, ou

mediante um interesse particular que o faz isolar momentaneamente seu personalismo.

Isso não acontece através de um contrato abstrato entre os indivíduos, mediante um

bem comum, mas sim através de uma hierarquia da personalidade, onde as relações

dos indivíduos se dão mediante suas personalidades, ou seja, o que elas representam,

e dificilmente em uma esfera impessoal e objetiva. A idéia de uma organização abstrata

presidindo os destinos dos indivíduos e atuando sobre eles, torna-se impossível diante

dos valores pessoais, onde impera os laços concretos, numa relação entre pessoas,

com suas idiossincrasias, vontades e gostos. Por isso, ao não se desligaram desses

laços, que para eles eram mais importantes, os indivíduos só poderiam se associar a

uma excessiva concentração de poder ou a uma obediência incondicional.

À autarquia do individuo, à exaltação extrema da personalidade, paixão


fundamental e que não tolera compromissos, só pode haver uma alternativa: a
renúncia a essa mesma personalidade em vista de uma bem maior. Por isso
mesmo que rara e difícil, a obediência aparece algumas vezes, para os povos
ibéricos, como a virtude suprema entre todas. [...] A vontade de mandar e a
disposição para cumprir ordens são-lhes igualmente peculiares. (HOLANDA,
1956, p.29).

A herança personalista recebida por nós dos ibéricos, floresce na família

patriarcal dentro de uma unidade rural quase autônoma. No momento em que

ultrapassa as fronteiras da casa estabelece associações entre os indivíduos, em torno

de vínculos domésticos e afetivos, contaminando as relações sociais, que serão

condenadas à irracionalidade da vontade da pessoa. Essa é a base que será edificada

a nossa vida política, o personalismo se imbricando nas relações políticas, que numa
19

inversão absoluta, vai se manifestar em termos familiares e pessoais. Ao contrário do

que deveria ocorrer em uma democracia, essa herança personalista, por vezes, nos

induzirá a lutar por um personalismo ou contra outro.

A partir dessa orientação de ordem particular, as relações se darão de forma não

objetiva, a cooperação e a competição que são orientas mediante um objetivo material

comum, dentro dessa nova composição, serão reorientadas para o campo da rivalidade

e da prestância, onde o que importa é a possibilidade de perda e ganho, dano ou

benefício, proporcionado pelas relações entre pessoas e grupos envolvidos.7 Portanto

os vínculos de pessoa a pessoa determinam as ações dos indivíduos e se tornam,

quase sempre, os mais decisivos para as associações entre si, em detrimento de um

verdadeiro compromisso onde impera a racionalização e consideração de valores

impessoais e abstratos, para uma melhor acomodação dos interesses, sem as

afinidades que sucinta o tratamento afetivo.

Ao recorrer a uma distinção de ordem antropológica, Sergio Buarque esclarece


as peculiaridades de uma associação sobre bases afetivas, personalizadas e
concretas, no caso da rivalidade e da prestância, e a especificidade das
relações mais abstratas da competição ou da cooperação, que tem um fim
material comum , isto é um interesse objetivo. (MONTEIRO, 1999, p.174)

O apego ao personalismo, configurado pelo ambiente doméstico, fará aqui

confundir o espaço público com o privado. Para fora do ambiente familiar, esse

personalismo ganha vida na postura do “homem cordial”,8 a cordialidade permite ao

indivíduo uma ligação, mais “frouxa”, com o mundo e as outras pessoas, dentro de

relações sociais que deveriam requerer códigos de conduta. Usando da cordialidade o

sujeito se aproxima dos outros numa ligação concreta, minimizando ou mesmo excluído

toda abstração da ordenação impessoal que caracteriza a vida em sociedade, invoca a

7
Ibid., p. 66
8
Ibid., p. 209
20

emoção diante da razão. Personaliza a relação que é a priori social. Não se trata

puramente de “bondade” ou “boas maneiras”, mas sim um mecanismo de aproximação

de fundo emotivo, uma tentativa de fazer da sociedade um prolongamento de si, da

família e do ambiente domestico.

O homem cordial é alheio a tudo que implica em códigos rituais da vida, no

âmbito social, a ele importa antes de tudo o sentimento, apelo constante ao íntimo, daí

no Brasil, o apego ao tratamento pelo primeiro nome e a tendência aos diminutivos

numa tentativa de aproximação informal. A necessidade de aproximar as relações para

a escala do íntimo, do pessoal e do informal, absorve o trato entre o patrão e

empregado, o cliente e o vendedor. Envolve mesmo o culto religioso, relegado à

superficialidade, mais atento à forma exterior para romper a barreira da ordem, almeja o

espetáculo no ritual religioso, que para ele é a pompa dos encontros de domingo, o

“mostrar-se em público” na reunião social do fim de semana na praça.

No “homem cordial”, a vida em sociedade é, de certo modo, uma verdadeira


libertação do pavor que ele sente em viver consigo mesmo, em apoiar-se sobre
si próprio em todas as circunstâncias da existência. Sua maneira de expansão
para com os outros reduz o indivíduo, cada vez mais, à parcela social,
periférica, que no brasileiro – como bom americano – tende a ser a que mais
importa. Ela é antes um viver nos outros. (HOLANDA, 1956, p.211)

O homem cordial se origina na necessidade de se colocar em público, de sair da

casa e enfrentar o lugar de todos, vivenciar o mundo fora da base familiar; mas ao sair

da área doméstica ele a estende à dimensão da sua atuação personalista, e ao pisar o

ambiente público o transforma, de maneira que o confunde com seu mundo dentro da

casa, no domínio do íntimo e do pessoal. A cidade se torna o palco da sua atuação

política dissimulada, pois sua bondade envolvente é uma técnica provida de capital

sentimental, o homem cordial pode ser entendido como um personalista político. O

personalismo político é a própria atitude do homem cordial na sua maneira de lidar com
21

o outro dentro da esfera pública e tratar as coisas públicas, trazendo para o particular e

o privado a ação, que ao contrário, deveria ser considerada de forma impessoal e

abstrata.

É nessa evolução que se formará nossa oligarquia, como um prolongamento do

personalismo “no espaço e no tempo”,9 levando até a esfera política as ligações

concretas que ligam pessoa a pessoa, provocando uma atrofia das organizações

abstratas e do aparelho do Estado, o que permitiu a contínua manutenção dessa

oligarquia. E impediu o desenvolvimento de uma organização coletiva que pudesse

superar a ordem doméstica.

A cordialidade, que só reconhece a “benevolência” no círculo dos iguais, ou dos

conhecidos, não possui a abstração necessária para entender o Estado democrático,

não pode, por isso mesmo, compreender a neutralidade necessária e imprescindível à

formação de organismos coletivos, despersonalizados, pautados no interesse comum.

O personalismo da cordialidade oligárquica controladora do Estado, só poderia

instituir o funcionário “patrimonial”,10 que, ao contrário do burocrata, administra em

causa própria, busca a vantagem e o enriquecimento ilícito, através do organismo do

Estado em associação à família patronal. A indicação dos homens públicos não

acontece por sua capacidade administrativa ou habilidades técnicas, mas em

decorrência de sua aproximação, confiança e ligação diante da oligarquia. A

especialização das funções, próprio de um Estado burocrático e impessoal, com o

interesse de montar o aparato governativo com o intuito de proporcionar as garantias

aos cidadãos. No “funcionalismo patriarcal” acontece o contrário, ocorre o domínio do

9
Ibid., p. 271
10
Ibid., p. 207
22

Estado para a perpetuação oligárquica, e a divisão da coisa pública entre os setores

dominantes da sociedade.

O homem cordial não ficou no passado e na pena de Sérgio Buarque. O

personalismo político, que é sua mais profunda atuação, ganhará novos rumos, em

tempos que, a sociedade estará, cada vez mais, sob a influência da comunicação de

massas. “Parece que o Homem Cordial ainda respira, apesar de Sérgio Buarque ter

encerrado a polêmica com Cassiano Ricardo dizendo, melancolicamente, que receava

já ter gasto muita cera com esse pobre defunto". (NOVAIS, 1995)11

Já vimos acima que, no Brasil, o personalismo político se erigiu em bases

históricas, seus elementos constitutivos se apresentam desde a colonização, dão base

para formação da família patriarcal. E esta é quem estrutura os órgãos públicos e

administrativos brasileiros, um organismo que, por isso mesmo, terá uma dimensão

centralizada e autoritária. Essa dimensão, autoritária e centralizada, acompanhará todo

o processo de consolidação do Estado no Brasil, na Colônia, Império e República. É

essa a herança política que nos foi legada, sua presença pode ser reconhecida até

nossos dias, no particularismo do sistema político brasileiro, substanciado pelo

clientelismo12.

No momento da proclamação da República, em 1889, é estruturada uma nova

configuração no sistema político brasileiro. Entretanto a velha estrutura subsiste,

11
NOVAIS, Fernando. De volta ao homem cordial. São Paulo, Folha de São Paulo, jornal de resenhas: Tendências e
Debates, 1 de maio 1995, p. 2.
12
In: CARVALHO, Jose Murilo de. Mandonismo, coronelismo, Clientelismo: uma discussão conceitual. Pontes &
Bordados: Escritos de História. BH. UFMG, 1999, p. 134. Usamos o conceito de clientelismo apresentado neste
artigo, para se afastar das confusões que sugerem a literatura política. Então clientelismo está delimitado enquanto às
“relações entre atores políticos, que envolve concessão de benefícios públicos, na forma de empregos, vantagens
fiscais, isenções, em troca de apoio político, sobretudo na forma de voto”.
23

permeando a nova reformulação, imbricada nas amarras do poder a herança patriarcal

se adequou e se acomodou, contrariamente a uma realidade republicana democrática.

Ao ser aplicado um regime político de extensa base representativa, o vício

personalista da estrutura familiar patriarcal se alocou nesse novo cenário democrático

republicano, e deu origem a uma forma específica de poder político brasileiro

denominado coronelismo13.

Suas raízes remontam ao Império, onde, nos municípios, já existia uma

transmissão por herança dos nichos de poder. Essa transmissão não estava

subordinada a uma orientação oficial, mas se dava de maneira informal. À proclamação

da República, que perpassavam idéias liberais, tinha por interesse anular esse

processo com a modificação do sistema eleitoral, mas o que surpreendeu foi a

permanência dessa prática. Ao ampliar a base da antiga estrutura eleitoral, observou-se

a permanência dos antigos chefes políticos, e estes continuaram a eleger, tanto para as

Câmaras quanto para outros setores da administração pública, como o Senado e o

governo dos Estados, seus parentes, aliados e seus protegidos. “O coronelismo seria

uma forma de adaptação entre o poder privado e um regime político de extensa base

representativa” (LEAL, 1978, p.20).

O coronelismo não expressa, necessariamente, a exuberância do poder local

privado, mas antes sim a confluência e o compromisso entre os poderes estaduais,

dadas sua necessidade de votos, e o poder econômico privado que satisfaz a

demanda, ou seja, ocorre uma troca mediada pelos interesses. Se por um lado o poder

estadual anseia pelos votos ampliados, os chefes locais, detentores de um poder

econômico decadente, anseiam pelas parcelas de poder que lhes garanta

13
LEAL, Vitor Nunes. Coronelismo Enxada e voto. São Paulo, Alfa e Omega, 1976, p. 19
24

sobrevivência. Assim o coronel pode controlar e nomear desde o delegado até a

professora primária.

As eleições no âmbito municipal e estadual não obedeciam a uma lógica real

partidária, o que gerou a troca, de um lado o Estado que fornecia a política e do outro

os coronéis que forneciam os votos de cabresto.

A que se destacar os conflitos, fomentado pelas oposições locais, que às vezes

se arrastavam nas manutenções vingativas, as disputas que se davam pelo fator

personalista do coronelismo procuravam a concentração do poder para sua distribuição

em uma ação patrimonialista e clientelística, por isso a necessidade da centralização do

poder local em um coronel ou uma coligação de coronéis onde despontava uma figura

prevalecente. Nas pendengas os coronéis governistas tinham a seu favor a estrutura da

máquina do Estado. Esta situação conflituosa levava à fraude eleitoral escancarada,

arquitetada entre os políticos e os coronéis governistas, da mesma forma entre as

dissidências e as diversidades de oposições abafadas. A situação conflitante no seio do

aparelho do Estado irrompia os dissidentes a buscarem apoio, momentaneamente,

entre os coronéis não oficialistas14.

O poder do coronel, que em momento anterior era quase sempre coronel da

Guarda Nacional e por isso a nomenclatura coronel, é medido pela quantidade de votos

que o chefe político, local ou regional, dispõe no momento da eleição.

[...] “a sociabilidade brasileira nasceu influenciada pela pirâmide familiar, tendo


como fundamento a organização patriarcal, a fragmentação social, as lutas
entre as famílias, as virtudes inativas e a Ética da aventura. Originalmente o
caudilhismo e, posteriormente, o coronelismo, que implicava a existência de
lideranças carismáticas, substituíam a racionalidade dos interesses individuais e
estabeleciam a matriz sobre a qual a organização social e as fundações da
política e do Estado foram delineadas. Com efeito, na medida em que as
14
QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). Tomo
III, volume I, Rio de Janeiro, Difel, 1977. p.164. (Coleção História Geral da Civilização Brasileira).
25

relações afetivas ou familiares precederam a constituição do espaço público, o


poder público incorporou uma dimensão personalista em que o carisma-
onipotente e a dependência do homem comum geraram uma atitude
instrumental em relação à política” (BOQUERO, 2001, p.3).

O fim do coronelismo é marcado pela revolução de 1930 e com a prisão dos

coronéis baianos em 1932 , mas não de todo, no norte da Bahia ainda se encontravam

formas da estrutura coronelistica em 195315. Pode-se dizer que o vício da estrutura

patriarcal familiar vai se metamorfoseando e se ajustando à implantação de cada nova

estrutura de poder, como se estivesse assente na estrutura social e impedisse a

mudança através de uma adaptação. A centralização e a concentração de poder

subsiste e vai se afirmando como a melhor forma de distribuição das parcelas do

Estado.

Assim é que o populismo surge como expressão do poder político nos anos de

1937 a 1945. O processo de democratização do Estado, as crises do liberalismo e da

oligarquia se assentam no autoritarismo da ditadura do Estado Novo, entre 1937-1945

e, no autoritarismo paternalista ou carismático dos lideres de massas da democracia no

pós- guerra, entre 1945-1964. É também a necessidade de novos grupos dominantes

entrarem no jogo político, reclamando sua parcela, da mesma forma a explosão de

classes populares e, por outro lado, a decadência política dos grupos dominantes

urbanos interessados em substituir as antigas oligarquias. Isso produto da revolução de

1930 que gerou uma crise política e econômica e, através desta mesma crise, foi

possível o desenvolvimento de um estilo de governo sensível às pressões populares e

a evolução de uma política de massas manipuladora de suas vontades.

15
QUEIROZ, 1977, p. 187
26

É importante ter em mente que, nesse momento, o país caminhava para uma

tentativa de desenvolvimento capitalista, sendo tradicionalmente agrário16. À

incorporação das massas ao desenvolvimento industrial urbano, também se fazia

importante, sua inclusão no jogo político e, isso foi perceptível a setores dominantes.

Essa percepção deveu-se ao crescimento das cidades e do proletariado, portanto a

absorção desse contingente populacional é de extrema importância em um novo

cenário político, onde as massas se tornam cada vez mais parte da vida política.

Dessa maneira se dá a incorporação das classes populares urbanas na política

brasileira, representam uma singular fonte social de poder para o governante e até

mesmo se configuram em única força de legitimidade para o Estado. O árbitro será o

chefe de Estado dentro de uma situação de compromisso, e as massas populares

urbanas serão suas aliadas, porém o chefe de Estado irá controlar as aspirações e

representações das massas nesse jogo. Como árbitro, é necessário fazer um jogo de

equilíbrio onde suas ações políticas contrabalancem entre a menor resistência ou um

maior apoio popular. Quase todos os chefes políticos, entre 1930 e 1964 irão se guiar

por esse equilíbrio. Entretanto as políticas do Estado Novo, não se submeteu a

nenhuma delas, mesmo dando resposta às pressões.

O Estado de compromisso que é tanto um Estado de massas quanto a

expressão de uma longa crise agrária, da dependência social dos grupos de classe

média, da dependência social e econômica da burguesia industrial e da crescente

pressão popular. A dependência das massas e sua debilidade como classe, sua

fragmentação, são empecilhos para que assumam por si, enquanto classe, as

responsabilidades do Estado, por isso recorrem a intermediários, chefes políticos, para

16
WEFFORT, Francisco Correia, O populismo na política Brasileira. Rio de Janeiro, Paz e terra, 1980. p. 61.
27

estabelecerem alianças. Aí está a fragilidade do populismo, se por um lado sua eficácia,

como liderança, depende da margem de compromisso entre os grupos dominantes e de

sua habilidade de árbitro, por outro, sua manipulação personalista estará cerceada pela

pressão das massas, advindas das cidades e da proletarização17.

A identificação das massas com uma figura pública, não ocorre de maneira

,simplesmente, passiva. Na medida em que exista uma cultura da personalidade

controlando a crença, a tendência é elegermos, ou nos contentarmos com candidatos

que demonstram autocontrole, que tenham integridade e pareçam críveis. Essas

personalidades recorrem a diversidades de interesses, no intuito de barganhar as

intenções. Desse modo uma política de classe é enfraquecida, enfraquecendo a própria

classe e em especial as novas que se formam18.

O ator público é enganosamente uma figura simples, na medida em que domina


uma multidão de expectadores silenciosos. A personalidade pública domina de
fato os expectadores silenciosos, em um sentido raso. Eles não mais exigem
um “ponto” nem uma situação “dele”. Mas o termo “dominação” tem dois
sentidos enganosos. Os expectadores silenciosos precisaram ver no ator
público certos traços de sua personalidade, quer ele a possuísse ou não.
(SENNETT, 1988, p. 244)

Portanto é importante que ocorra, em uma relação personalista, a identificação

das massas com o líder, e essa identificação ocorre de maneira ilusória, a

personalidade do chefe político reflete de maneira induzida os anseios e expectativas

das massas, entretanto as massas se sentem correspondidas, na personalidade do

líder. Esse é o momento que ocorre a manipulação consentida.

No prisma político, a substância primordial no relacionamento entre o líder e as

massas, é o reconhecimento da cidadania e de sua igualdade, pelo menos o

necessário, na esfera institucional. Isso causa a identificação com o líder, dos


17
Ibid., p. 67- 71
18
SENNETT, Richard. O declínio do homem público As tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras,
1988. p. 137
28

contingentes com o homem público, chefe político representante do Estado integrante

de outra classe.

A permanência de estruturas remanescentes provoca o vício personalista e

atravancam o processo democrático; os novos contingentes, na qualidade de massas e

classes em formação, são capitaneados para o jogo político como força política de

barganha. Onde as pressões que estas exercem tem importante impacto nas políticas e

nas decisões.

Após a crise da hegemonia oligárquica, os novos grupos, não encontraram


autonomia de ação frente às antigas formas de poder e propriedade. Ocorreu
possibilidades de desenvolvimento de um projeto de mudança, aliado em certa
medida, a projetos de desenvolvimento nacional e democratizante. Entretanto
não foi possível desenvolvê-la de forma completa. Pela limitação interna de
situações remanescentes. Esses novos grupos só lideraram o processo de
mudança enquanto aproveitaram, para fins de sua classe, de uma dinâmica
exterior a eles, no qual a pressão das massas era instrumento de extrema
importância. (WEFFORT, 1980, p. 100)

É dentro dessa nova realidade política em formatação, que os novos

contingentes, classes em formação, são alçados à esfera do universo político.

Amoldados em uma realidade, onde participam do jogo político, porém sem intervenção

direta, mas impulsionados pelos ditames de uma lógica de contrapeso político. Assim,

mesmo após 1945, dentro de um ambiente eleitoral que é por excelência o campo da

representatividade, não ocorreu a identificação do eleitor, e sua expressão enquanto

corpo social alocado em uma classe. “Pelo contrário, na ausência de partidos eficientes,

o sufrágio tende a transformar a relação política numa relação entre indivíduos”

(WEFFORT, 1980, p. 20)

Trata-se, com efeito, de uma situação em que a expressão política é, no


essencial, individualizada através do sufrágio, fenômeno que se associa a estas
duas outras características da política brasileira, a hipertrofia dos executivos e o
elevado grau de personalização do poder governamental. (WEFFORT, 1980, p.
21)
29

Historicamente, a construção democrática baseada na participação política, não

correspondeu satisfatoriamente devido a um direcionamento ideológico ou a um

funcionamento comprometido dos aparelhos que possibilitariam essa construção. Os

meios de comunicação são importantes exemplos disso. Os sistemas partidários,

igualmente, não se constituíram em um aparelho que possibilitassem a participação e a

mobilização política, tanto por sua fragilidade estrutural como por sua credibilidade.

Nesse contexto, os pleitos eleitorais têm se caracterizado, ao longo do tempo, por

apelos subjetivos, emocionais, personalistas e clientelísticos.

A fragilidade dos sistemas partidários no Brasil, é resultado da não

institucionalização da participação política no país, ou seja, não funciona uma interação

participativa que esteja presente, e representado, todos os setores da sociedade. Como

herança do interregno de 1930 a 1945, (acrescido dos resíduos de formação da

estrutura de poder) em que a participação de novos grupos estava impedida devido à

instalação de uma estrutura corporativa. Assim, no período entre 1945 a 1964 e após

1979, o sistema partidário foi institucionalizado de forma precária, portanto, para criar

corpo teria que dominar parcelas de poder no interesse de repartir seus despojos entre

sua clientela19.

A estrutura centralizada do Estado no momento da formação do sistema

partidário emperrou sua institucionalização, e dá substância à política clientelística.

Segundo Souza (1976, p. 36), poderíamos observar que, ao contrário, quando o Estado

proporciona condições para o estabelecimento de organismos partidários que ofereçam

19
SOUSA, Maria do Carmo Carvalho Campello de. Estado e partidos políticos no Brasil (1930 a 1964). São Paulo:
Alfa e Omega, 1976. p. 32.
30

alternativas e projetos nacionais, o clientelismo perde espaço na condução e utilização

dos recursos políticos.

O interesse aqui é mostrar como o formato do organismo partidário, e o modo

como foi erigido, tendo como base uma esteira clientelística de sobrevivência e o

Estado centralizado, não permite uma institucionalização política, e de participação,

verdadeira. Portanto o clientelismo funciona como sobrevivência do partido político,

enquanto organização, pois se enquadra no esquema de controle sobre recursos

públicos para uso político na geração de poder e, com isso se consolidar como

instituição. Mas o fato de os partidos políticos se alimentarem e usá-lo,

sistematicamente, para a produção e afirmação de poder, pode ser entendido como

empecilho à institucionalização do sistema partidário na sua esfera total20.

Sem capacidade efetiva de participação na formulação de decisões de grande


alcance social, e mais que isso, forçados a operar de uma maneira dispersa e
mesmo deslegitimadora de seu papel como instituição política, o sistema de
partidos não tem chances apreciáveis de se desenvolver: a estrutura
centralizada de decisões confirma-se e se revigora em seu próprio
funcionamento. O clientelismo, que a compatibiliza com o caráter formalmente
democrático do sistema político, representa, assim, em sentido estrutural, a
força e a fraqueza dos partidos. (SOUZA, 1976, p. 37)

O fenômeno do clientelismo é inflado por uma estrutura centralizada de poder,

aumentando com isso seu controle e utilização dos recursos públicos, enquanto que o

inverso, ou seja, a descentralização, proporcionaria uma melhor institucionalização do

organismo e sistema partidário.

[...] Principal característica do sistema partidário brasileiro, seu baixo grau de


institucionalização. Essa precariedade se expressa, por sua vez na
circunstância de não serem os partidos, em conjunto e enquanto sistema, uma
instituição governativa; ou, dizendo-o de outra maneira, na inexistência, no
Brasil da norma de governo partidário, com alternância regular e legítima.
(SOUZA, 1976, p.44)

20
Ibid., p. 35-36
31

A inexistência de uma norma de governo partidário, como está dito acima,

provoca a intensificação centralizada em uma figura pública, como forma de

arregimentação dos recursos públicos para a distribuição em uma rede de clientela.

Portanto como a estrutura de poder emana do clientelismo, entretanto, no topo

da pirâmide existe o personalismo que estrutura com malhas de ligação à base

clientelística sua liderança, e essa base está atada à necessidade de um centro

provedor. E aqui está um ponto importante do trabalho, entender a descaracterização

do organismo partidário, e a emergência do personalismo na política, como efeito da

amplitude, que teve no Brasil, do clientelismo amalgamado pela formação do Estado. A

realidade política brasileira, que se assenta na prática das trocas de favores onde é

promovida a repartição do espólio do Estado, não poderia prescindir de um elemento

que congregue os interesses e satisfaça a distribuição. Com efeito, é de extrema

importância que haja legitimidade, dentro de uma democracia, e a emersão de uma

figura carismática, que tenha aceitação pública, que ativa a rede clientelística e é

ativado por ela. A perpetuação do poder, está tanto na capacidade do político

personalista se manter na mídia, ou melhor, se reinventar enquanto figura pública,

como em atender e dialogar com a teia clientelística. Sua reinvenção pública está

atrelada ao potencial que sua personalidade possa provocar como força de

identificação com a massa de eleitores, notadamente uma identificação artificiosa.

Em um cenário democrático onde não existe institucionalização da participação

política e os partidos políticos funcionam como meras agremiações, a mídia

desenvolveu-se como espaço, primordial, da competição política. Partindo dessa

análise, a aquisição dos meios de comunicação é capital político de extrema

importância, e se configuram em uma grande vantagem na arena de enfrentamento


32

político, já que no mundo contemporâneo as recepções dos fatos políticos, temas e

acontecimentos estão interligados ao emaranhado da comunicação de massas. A maior

parte da sensibilização do público, no que se refere à política, encontra-se na

informação midiatizada, dessa forma o poder político relacionado aos meios de

comunicação, principalmente a mídia televisiva, intensificou-se em nossa época. “No

Brasil, a pesquisa Cultura Política e Consolidação Democrática realizada pelo

CEDEC/Data Folha/USP, verificou que “86% (1989) e 89% (1990) dos entrevistados

declararam que tomam conhecimento sobre os acontecimentos políticos pela televisão”

(LIMA, 1994, p. 12). E este é o cenário essencial da atuação personalista do ator

público.

Vemos então a necessidade dos políticos em adequar-se a uma nova realidade,

em que as novas condições de competição política, vigentes na sociedade brasileira,

pós-ditadura, se configuram e estão estruturadas pela comunicação midiática. A rede

midiática começou a desenvolver-se durante o período da ditadura militar, sendo então

orientada por uma subordinação da cultura e da comunicação ao capital, na forma de

uma indústria cultural21. Essa particularidade de sua estruturação pode ser percebida

como um sistema de mídias que, além de ser um corpo político com grande poder de

intervenção e interesses próprios, produz um espaço constitutivo da nova luta política

da atualidade brasileira.

O processo de formação, desse novo cenário e espaço, apresentam dois

quadros em separado. Em uma dimensão funcionam como incorporação de

“substâncias não vividas”, ou seja, introduzem na cena política ocorrências que não se

21
RUBIM, Antonio Albino Canelas. Democracia, cultura e comunicação. In: Cadernos do Ceas. Salvador,
(100):56-62, novembro - dezembro de 1985.
33

presenciam. Em outra é a própria montagem de um ambiente novo, no qual se trava a

luta política. Dessa maneira, cria-se toda uma confluência de informações produzidas à

distância, que incorrem na percepção não-presencial do homem contemporâneo,

tecidas pelas redes midiáticas que ligam e relacionam o corpo social. É nesse novo

campo de embate que acontece grande parte da disputa política, mediante o confronto

dos imaginários, dos ideários e das imagens dos atores públicos. A personalidade aqui,

é de extrema importância, pela capacidade que apresenta em aglutinar a percepção da

imagem condensada e direcionada a partir dos ideários, centralizando a informação,

nas possíveis identificações que, através da comunicação, possam causar nos variados

grupos de interesse dos receptores.

É a partir do processo, no qual se prolonga e manifestam em profundidade a

importância política e econômica da mídia, que deve ser entendida a midiatização da

sociedade contemporânea, sua extensão e ampliação de uma maior parcela territorial

alcançada, bem como a predominância entre as mídias do veículo midiático televisivo.

Desse modo, a mídia tem papel configurante na dinâmica da percepção do real,

fortalecendo sua função de gerar mudanças nos padrões cognitivos e culturais,

infligindo uma caracterização ambientada pela mídia na sociedade contemporânea. Se

por um lado, a nova comunicação foi resultado do desenvolvimento econômico e

tecnológico da sociedade capitalista, passa a atuar sobre ela configurando a sociedade

contemporânea e sendo configurada por esta22.

Outro conceito que procura entender as relações entre mídia, sociedade e

política é o CR-P (Cenário de Representação da Política). O desenvolvimento deste

22
RUBIM, Antonio Albino Canelas. Mídia e Política no Brasil, João Pessoa: Editora
Universitária, 1999. passim
34

conceito parte da idéia na qual a sociedade organiza um aparelho onde se constrói

grupos de referenciais simbólicos, capaz de produzir representações que englobam

toda a esfera da sociedade, como um sistema ordenado onde cada elemento possui

uma posição, identidade e razão de ser, promovendo um determinado imaginário

social23. A análise é posta em paralelo com o conceito de hegemonia de Gramsci, pois

entende uma dinâmica na sociedade capaz de gerar, no interior desta, contestação à

interpretação dominante. Dentro desta dinâmica, os sujeitos estão em constante

produção de cenários e, onde os detentores do poder, por sua hegemonia, procuram

afirmar-se mediante o conjunto de práticas e expectativas sobre a totalidade da vida

que, interpenetram-se e superpõe-se. Essas ações acontecem nas disputas por

hegemonia, no terreno político e na sociedade de um modo geral, transversalmente nos

meios de comunicação, por ser um organismo moderno para essas manifestações. Mas

as disputas ocorrem em todos os setores, onde se dão as relações da sociedade.

Assim, à produção de idéias hegemônicas perpassam as transformações e construções

da opinião pública dentro da sociedade, em uma confluência, mediante a divulgação

por meio da mídia. O CR-P então se constrói em uma sociedade, intermediada, através

dos medias, em que participam o Estado, a esfera pública, a sociedade civil e o próprio

corpo midiático.

Hegemonia é compreendida, como uma combinação de liderança ou direção

moral, política e intelectual que exerce dominação na sociedade. Ocorre mediante o

consentimento e mediante a coação, imposição e concessão, de classes ou entre

blocos de classes. Concretiza-se de forma ativa, como vontade coletiva, ou de maneira

23
LIMA, Venício. Televisão e poder: a hipótese do ‘cenário de representação da política’. Comunicação & Política,
Rio de Janeiro, n.s., v1, numero 1, 1994. p. 5-22
35

passiva, por meio de um apoio disperso ao grupo dominante. Constitui-se através do

Estado e das diversas instituições da sociedade civil24. Ligado ao conceito de

hegemonia está o conceito de Bloco Histórico, que seria um conjunto de fatores que

articulam, hegemonicamente, baseada na estrutura e superestrutura da sociedade,

sedimentada na cultura. Os fatores se articulam a partir de uma aliança de classes e

frações de classes, porém, é só na conquista do poder de Estado que ocorre a

consumação de um sistema social, forma-se então um bloco histórico.

O Bloco Histórico deve ser entendido como o ponto de partida de uma análise
da maneira como um sistema de valores culturais (ideologia) impregna, penetra,
socializa e integra um sistema social. Um sistema social só se integra quando
se edifica um sistema hegemônico, dirigido por uma classe fundamental que
confia a gestão aos intelectuais. Realisa-se aí um Bloco Histórico [...] Só esta
concepção do Bloco Histórico permite captar, em realidade social, a unidade
orgânica da estrutura e superestrutura. (PORTELLI, 1977, p. 43.)

É a partir da compreensão sobre hegemonia, referenciados por noções de

recepção da informação no mundo contemporâneo, que entendemos o conceito de

midiatização. A mídia, assim, pode ser mais bem entendida, como uma parte que

integra o bloco de poder e não como uma instituição à parte, com característica política

própria, diferente dos demais. Compreendido por instâncias do Estado, poder

econômico e sociedade civil. Tanto no sentido hegemônico e contra hegemônico existe

a ação, que é fundamental, das mediações culturais, sociais e políticas da sociedade

tanto na recepção como na produção e reprodução das comunicações midiáticas.

Entretanto, o grupo que está no controle do Estado ou a sociedade política, agrupa o

conjunto das atividades da superestrutura que, estão relacionadas à função de

coerção25. Nesse sentido, o uso autoritário do Estado, no mundo contemporâneo, é

perceptível até mesmo por meio do papel ampliado que exerce, que não é somente de
24
GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978, p.
10.
25
PORTELLI, Hugues. Gramsci e o Bloco Histórico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977, p. 33
36

coerção, também é exercido como direção. E este uso, está atrelado à necessidade de

se manter no poder de Estado, no controle do núcleo central da economia e na direção

da mídia.

A articulação do bloco histórico permite, pois, distinguir metodologicamente


duas esferas complexas: a estrutura socioeconômica e superestrutura
ideológica e política, cujo vinculo orgânico é assegurado por uma camada social
diferenciada, os intelectuais. O papel essencial dessa camada aparece na
análise dinâmica do bloco histórico, particularmente no exercício da hegemonia.
(PORTELLI, 1977, p. 71)

Neste contexto, as comunicações de massas tornam-se palco central do cenário

político, importante instrumento de perpetuação de poder na luta por hegemonia,

alocada na superestrutura, na esfera cultural. O obstáculo com o qual os atores do

mundo da política provavelmente se deparam, passa a ser: como gerenciar e projetar

sua imagem pública. Um ambiente novo para a potencialização do personalismo.


37

2- Uma crônica baiana: “O Palácio de Ondina”


38

Marchons, marchons! Qu’un sang impur abreuve nos sillons!

La Marseillaise

É bastante claro entrever no discurso de Antonio Carlos Magalhães (que será

referido a partir de agora por ACM), seu personalismo e sua truculência, bem como, o

interesse que demonstra em chamar para si o topo de uma cadeia hierárquica de

poder, e a identificação com uma “baianidade”, identidade pretensiosa com o intuito de

o relacionar ao conjunto da sociedade estadual, fonte e base de sua força política. “Eu

me julgo poderoso pelo prestigio que tenho na Bahia. Eu me julgo poderoso pelo que

sou, pelos amigos que tenho na bancada baiana. Temos uma bancada de 24

deputados federais de amigos meus, muitos deles eleitos com meu apoio [...] o baiano

é um povo cordial[...]” (MAGALHÃES, 1995, p.150 e 192)26

Para se compreender o desenvolvimento da figura pública de ACM é preciso

fazer uma incursão na sua trajetória política, onde serão destacados alguns pontos

necessários para a análise do seu personalismo na política baiana.

A introdução de ACM na esfera política ocorre, oficialmente, em 1954 quando é

eleito deputado estadual pela UDN, torna-se-á em seguida líder da banca udenista. É

importante salientar que a UDN como o PSD e PTB eram partidos organizados de cima

para baixo, obedeciam a uma lógica de organização que impedem a institucionalização

da participação política.

Mas sua emergência política já se costurava nos anos de 1940, além de ter

acompanhado os debates na câmara federal, no Rio de Janeiro, procurou angariar

26
MAGALHÃES, Antonio Carlos. Política é paixão (entrevista). Rio de Janeiro: Revan, 1995. Entrevista concedida
aos jornalistas Ancelmo Góis, Marcelo pontes, Mauricio Dias, Miriam Leitão e Rui Xavier em janeiro de 1995.
39

relações de amizades de resultados27 com personalidades de destaque na política

baiana, como Juracy Magalhães e Odorico Tavares. Este ultimo, influente, pois dirigia

na Bahia, a rede dos Diários Associados; Odorico Tavares adicionou ACM como “foca”

no jornal Estado da Bahia, jornal de propriedade da Rede, lá foi promovido à repórter-

auxiliar; depois, repórter e redator. A posição estratégica no jornal lhe permitiu

acompanhar, e travar conhecimento, com os destaques da política e da sociedade

local. Ao mesmo tempo recebeu a nomeação para o cargo de redator, na Assembléia

Legislativa da Bahia, onde intensificou suas aproximações, tanto com políticos quanto

com a prática política. Já nesse momento ensaiava sua liderança, incisiva de tipo

mandonista: ”Mesmo sem ser deputado, eu comandava a bancada da UDN. Tinha mais

prestígio que muitos deputados. Saía com eles para almoçar, para jantar combinava

tudo com eles antes das sessões, dizia “façam isso, façam aquilo” (Magalhães, 1995, p.

55)

A experiência como jornalista proporcionou uma apurada sensibilidade em

relação à importância da comunicação e, ao papel da mídia na sociedade que vai se

modernizando. Tão importante que o fará, futuramente, montar sua própria rede de

comunicação, a Rede Bahia. Essa percepção, o “faro” jornalístico para a importância da

notícia como veículo da imagem, é descrita no comentário do jornalista Marcos Sá

Corrêa: “[...] ACM é de longe, o político brasileiro que melhor trafica com a moeda de

mais alta cotação nesse mercado, a única universalmente valida para comprar espaço

na imprensa ano após ano, regime após regime. Essa moeda é a notícia” (Magalhães,
27
A idéia de amizade de resultados é trabalhada como uma percepção, em que se identifica quem detenha o poder e
sua rede hierarquizada, para cooptá-los agregando a uma rede personalizada de relações, como forma “relacional” da
pratica política: em ALMEIDA, Gilberto Wildberger de. Política e Mídia na Bahia: com ênfase na trajetória de
Antonio Carlos Magalhães. Salvador: FACOM/UFBA, 2000. P. 67. Essa análise é relacionada à interpretação de
malandragem em, MATTA, Roberto da. Carnavais, Malandros e Heróis: Para uma sociologia do dilema brasileiro.
Rio de Janeiro, Zahar, 1979. Aqui, em consonância a essa relação, sugiro como uma evolução do homem cordial.
40

1995, p. 16). Em outro momento, em um comentário sobre a fotografia publicada no

Diário Oficial de 24 de janeiro de 1975, na qual ACM está junto a Dodô e Osmar, Góes

(1982, p. 82) assinala “[...] Antonio Carlos Magalhães não costuma perder oportunidade

em nada que tenha repercussão junto ao grande público”

A partir de amizades de resultados, ACM obteve o apadrinhamento de Juracy

Magalhães e este lhe transferiu parte de seu capital político, não obstante sua eleição

em 1954 só foi possível por intermédio dessa associação. Entre os anos 1930 a 1940, o

deputado Magalhães Neto, pai de ACM, travou conhecimento com Juracy Magalhães e

com este desenvolveu vigorosa amizade. Parte desse capital político já é resultado de

repasse, em outras palavras, é transferência de capital simbólico, por parte de

Magalhães Neto.

Capitais simbólicos, que resultam em capital político, compreendem uma série de

conexões que envolvem: rede de relações pessoais sedimentadas no Estado, em

especial pessoas que atuam no organismo de governo ocupando posições estratégicas;

rede de relações com grupos de pessoas que possam capitanear votos em diversas

regiões do território estadual; promoção da imagem, capaz de ser revertida em votos,

através de um reflexo positivo dentro da sociedade28.

Juracy Magalhães aportou na Bahia com a revolução de 1930, como interventor

no Estado, contrariando os interesses da oligarquia local, lideradas por figuras

tradicionais da oligarquia baiana como J.J. Seabra, Simões Filho, Pedro Lago, Góes

Calmon e Otávio Mangabeira. A oligarquia baiana desencadeou oposição ao

interventor, diante do temor em que se viram tomados, pois havia a possibilidade de

modificação da ordem estabelecida, que representava o atraso, o provincianismo, em

28
BOURDIEU, Pierre. A economia das Trocas Simbólicas. São Paulo, Perspectiva – Novos Estudos, 1974. passim
41

suma era a razão de ser e viver destas elites e não o fato de Juracy ter vindo de fora,

haja vista ter ele sua origem no Ceará. Formaram, por isso, o Partido Autonomista

contra a intervenção “estrangeira”. O interventor então ensaiou um “retorno a Republica

Velha”, logo percebeu que não encontraria apoio político na oligarquia local, teve

também a perspicácia de encontrar na oligarquia rural a tradicional vocação de apoiar

quem tem ou está no poder, foi criar base política no interior procurando o médico do

lugar, o advogado, enfim a pessoa que liderava a política municipal para em torno dela

arregimentar uma maioria29. Como resultado, ocorreu um desaguar de apoio de todos

os cantos do estado, que foi inundar o palácio do Governo. “Em cada município, duas

ou mais facções disputavam as simpatias do interventor, posto que só ele poderia

conceder novos favores e garantir aqueles concedidos em governos anteriores”

(SAMPAIO, 1992, p. 90)

Desse modo, a oligarquia rural se posicionou ao lado do interventor, e não se

aliou à oligarquia urbana na luta contra a “intervenção estrangeira”. Portanto a Bahia

permaneceu a mesma da primeira república, pobre e sem perspectiva. Dentro desse

molde a política funciona como um projeto pessoal, e sua realização está em apoiar

quem poderia garantir favores concedidos e proporcionar novos benefícios. Juracy

dividiu o estado em amplas coligações municipais, para melhor administrar o apoio

recebido. Encabeçavam essas coligações, chefes políticos tradicionais locais como o

coronel Franklin Lins de Albuquerque do município de Pilão Arcado, que representava a

coligação sertaneja, instalada em janeiro de 1933 em Juazeiro, com vinte municípios

agregados. Outra coligação encabeçada pelo engenheiro José Jatobá, prefeito da

29
MAGALHAES, Juracy. Minhas memórias provisórias. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1981, P. 80.
(Depoimento prestado ao CPDOC).
42

cidade Senhor do Bonfim, denominada Aliança Social e Política Municipal acumulou

dez municípios. Para a manutenção desse apoio, o interventor permitiu a autonomia

dos chefes locais em seus municípios. Com isso, pôde realizar a convenção, em janeiro

de 1933, que criou o PSD (Partido Social Democrático) com a presença de

representantes dos 151 municípios, que reuniu 346 delegados. A composição da mesa

diretora teve em seus quadros, membros do regime deposto pela revolução de 1930, do

mesmo modo o diretório do PSD. Para a Assembléia Constituinte de 1933, através da

tática aplicada, Juracy conseguiu eleger 22 deputados do PSD e a oposição, apenas 2

deputados.

A mesma tática será usada por ACM quando foi alçado ao governo do Estado

em 1971, quando introduziu um novo modelo de gestão, instalou o organismo

administrativo do Estado nas sedes das micro regiões, por um período de uma semana.

Logo após publicar seu plano de governo, em maio de 1971, o governador transladou-

se, juntamente com todo o corpo do secretariado, para à micro região do sul do Estado

de onde governou por uma semana o Estado da Bahia. Além da visibilidade promovida

pela presença do governador nas micro regiões, a ação do deslocamento do

secretariado permitiu a solução, quase imediata, de pequenos problemas locais.

Aproximava os políticos locais aos membros da administração e à própria figura do

governador, cooptando os políticos de diversas facções numa aliança governamental,

tendo em vista a teia clientelística carente de recursos e auxílio do governo, além do

caráter desses políticos de se ligarem ao centro provedor do poder capaz de sanar

suas necessidades. Nem todos os municípios sede de micro regiões receberam a

comitiva governamental com seu aparato administrativo, mas a grande maioria

recepcionou a comitiva e, de modo geral, a proximidade dentro das regiões permitiu a


43

integração das lideranças políticas, que não receberam a administração, junto ao

governador. A estratégia resultou em grandes dividendos políticos, pois, por mais que a

comitiva não tenha realizado grandes obras no interior, a presença do Governo nas

micro regiões agregou apoio suficiente para as conquistas políticas, que foram

consumadas nas eleições municipais de 1972 e para o parlamento em 1974. Com a

estratégia, ACM promoveu sua imagem no interior do Estado e fortaleceu-a em

Salvador na capital baiana, ao dar início à implantação, inicial, de um projeto

turístico/cultural. Angariou a fidelidade de políticos mediante a assistência e o

favorecimento governamental, intensificou, com isso, sua liderança no Estado.

Já vimos que o apadrinhamento de ACM por parte de Juracy Magalhães foi sua

principal alavanca política em 1954, o mesmo aconteceu em 1962 quando é reeleito

deputado para a Câmara Federal. Sua projeção nacional aconteceu, ainda em 1959,

quando coordenou a campanha de Juracy à Presidência, durante a convenção nacional

da UDN. Juracy Magalhães era então governador da Bahia, e continuou sendo na

gestão de 1958 a 1962. Como deputado federal ACM começou a pretender a liderança

da UDN, e para tanto articulou com as principais lideranças udenistas, conseguindo em

1963 a liderança da UDN no Congresso Nacional. É nesse momento que se dá, sua

aproximação com lideranças favoráveis a setores militares interessados em impedir o

governo de João Goulart. À frente da bancada udenista ACM articula-se com a

chamada Banda de Musica da UDN, em que figuravam parlamentares oposicionistas,

contrários ao governo constitucional de Jango, e se torna porta voz da UDN

pronunciando discursos ácidos contra o governo. Quando o jornalista Marcelo Pontes

perguntou se ACM tinha conspirado em 64, respondeu: “Eu não fui conspirador. O que

fiz mais foram discursos na Câmara.” (MAGALHÃES, 1995, p. 102); mas diferente em
44

outra resposta, a partir da pergunta do jornalista Maurício Dias, se realmente tinha

conspirado, como afirmava em uma entrevista anterior “Conspirei mesmo”; ACM

confirmou mas de maneira mais branda: “Com pessoas de menor calibre: militares

baianos, coronéis” (Magalhães, 1995, p. 210).

Mas ainda é Juracy Magalhães o elemento chave na conexão entre os políticos

baianos e os militares, após a queda do governo João Goulart em 1964, pois Juracy

advindo das linhas militares desde a revolução de 1930, tinha livre acesso à cúpula

militar antes e depois do golpe de 1964. Dentro do novo governo foi embaixador nos

Estados Unidos, Ministro da Justiça e das Relações Internacionais. Com efeito, o

relacionamento de Juracy com o alto círculo militar foi imprescindível para os políticos

baianos como ACM e Luiz Viana Filho; este último por intermédio do próprio Juracy foi

convidado para compor o ministério do primeiro Governo Militar, onde foi Ministro Chefe

da Casa Civil. ACM procurou estreitar seu relacionamento com Luiz Viana Filho em

busca de consolidar suas relações de interesse, tanto com civis e militares, agora

dentro dos altos círculos do poder federal a fim de acumular capital simbólico para

promover sua ascensão ao governo da Bahia. No governo de Castelo Branco, como

liderança da UDN nacional, e por mediação de Luiz Viana, ACM se aproximou dos

chamados Ministros da Casa de Castelo que correspondiam ao General Ernesto Geisel,

Chefe da Casa Militar, e o General Golbery do Couto e Silva, Chefe do SNI,

intensificando seu relacionamento com os militares dentro da alta cúpula do poder.

A promulgação do Ato Institucional n° 2, em 1966, que reformulou o sistema

partidário e eletivo brasileiro com o estabelecimento do bipartidarismo, criou o MDB

partido de oposição ao governo e a ARENA, de sustentação ao governo. A eleição para

Presidente e Vice-presidente da Republica passa a ser feita de modo indireto, no


45

colégio eleitoral, por membros do Congresso em votação aberta sem o voto secreto.

ACM se tornou presidente regional da Arena baiana, como já o era da UDN,

representando desse modo os interesses das classes conservadoras baianas, elemento

principal de sua sustentação política. Ainda em 1966 foi editado o AI-3, com referência

às eleições de governadores, prefeito de capitais e determinados municípios

considerados estratégicos, dava a esses pleitos a mesma consideração que às eleições

presidenciais, ou seja eleições indiretas em que figuravam como principais eleitores o

Presidente da Republica, o chefe do SNI, os presidentes nacionais e regionais da

ARENA e outros poucos políticos e Ministros. É nesse contexto que se efetivou a

ascensão e o escalamento dos políticos ligados ao regime militar, como por exemplo,

Luis Viana que articulou para si o governo do Estado da Bahia e ACM que foi indicado

para a prefeitura de Salvador. ACM logrou êxito com sua política de amizade de

resultados para o acumulo de capital simbólico, por meio de relações cultivadas desde

1964, agora como prefeito de Salvador tratou de costurar sua escalada ao governo do

Estado para assegurar a hegemonia como liderança na política baiana.

Assumiu a prefeitura em 13 de fevereiro de 1967, seu primeiro cargo executivo,

mas manteve a coordenação política da ARENA baiana com a intenção de manter as

relações com os políticos arenistas do interior da Bahia. Respaldado pelas classes

conservadoras, era representante e identificado a elas, que correspondiam aos

proprietários de terras do interior, profissionais liberais conservadores a comerciantes

urbanos de Salvador. Suas principais metas administrativas anunciadas, eram

aumentar a arrecadação, melhorar os serviços de limpeza e modernizar o sistema

viário. Aumentou a arrecadação em 27%, intensificou a fiscalização e a limpeza urbana,

abriu avenidas e melhorou a elaboração da festa do carnaval. O prefeito também


46

removeu favelas da orla marítima, invasões de bairros como Bico de Ferro e Ondina

foram removidas para extremos da cidade, quase sempre em ações violentas, com

estas ações ACM obteve visibilidade nos altos circulo militares. É nesse período que

ACM começou a demonstrar irritação com as criticas veiculadas na imprensa,

sobretudo contra o Jornal da Bahia. Quando foi governador fez perseguição cerrada ao

jornal quase o levando à falência, através da intimidação aos anunciantes e à proibição

de propaganda oficial no Jornal da Bahia; o que resultou em luta acirrada na qual

figurava como defensor do Jornal da Bahia, seu editor chefe, o jornalista João Carlos

Teixeira Gomes.30Já dava mostra da preocupação com sua imagem veiculada na

imprensa, perseguindo aqueles que não apresentavam uma figura positiva de sua

imagem. O caso da perseguição ao Jornal da Bahia teve repercussão na imprensa

nacional, ocorrendo manifestações de organismos internacionais e nacionais como a

Associação Brasileira de Imprensa e a Comissão de Liberdade de Imprensa da

Associação Interamericana de Imprensa. O prefeito, depois governador, não se

intimidou e ademais, aumentou a pressão sobre os anunciantes, na verdade o fato lhe

deu visibilidade nacional, mesmo que de maneira negativa.

A sucessão para o governo baiano em 1970 foi um importante marco na carreira

de ACM, e aciona o momento fundamental na guinada para sua ascensão à liderança

estadual. Sob o governo Médici, a política partidária foi confiada ao Chefe da Casa

Civil, João Leitão de Abreu, a ordem era conter a oposição e assegurar a vitória do

partido do governo. Como coordenador da ARENA baiana, ACM procurou garantir,

dentro da Bahia, a eleição de maioria arenista nas eleições parlamentares de novembro

30
Uma abordagem mais completa sobre a perseguição ao Jornal da Bahia, ver: GOMES, João Carlos Teixeira.
Memórias das Trevas: uma devassa na vida de Antonio Carlos Magalhães. São Paulo: Geração Editorial, 2001.
47

de 1970 ao lado de Luis Viana. Com isso conseguiu a indicação para a eleição indireta

de governador, apoiado por Luis Viana, que foi indicado para senador nas eleições de

1974.

Havia em 1970, a previsão de crescente demanda por produtos plásticos, (e de

fato de 1979 a 1996, a demanda cresceu a taxas superiores ao PIB brasileiro), era

então de extrema importância que o país investisse na produção interna de insumos

básicos para essa indústria, pois a demanda incorria em aumento das importações

desses produtos, causando pressões na balança de pagamentos. Foi então que a

Bahia se tornou forte candidata à instalação de um pólo petroquímico, para suprir a

demanda, que futuramente seria instalada em Camaçari. Na década de 1960 o governo

brasileiro deu inicio a implantação do projeto que previa a instalação do setor

petroquímico, erigido em uma base tripartite; ou seja, investimentos de capital privado

nacional, formado por um grupo capitalista; capital estrangeiro na forma de capital

tecnológico e o capital público, financiado pelo governo federal. É de caráter do setor,

na implantação da planta do projeto, uma estrutura de pólo, pois o escoamento das

matérias primas, que são gases, é feita de maneira mais prática e simples através de

dutos; por isso as empresas se instalam em conglomerados, divididos por tríplice

relação. As empresas de primeira geração capitaneiam os insumos iniciais da indústria

de petróleo e os transformam em matérias primas, insumos básicos das indústrias;

chamadas de centrais petroquímicas e por logística localizam-se perto de suas fontes

de insumos primeiros, compreendidos por refinarias de petróleo e campos de produção

de gás natural. As de segunda geração recebem os petroquímicos básicos e os

transformam em insumos básicos que, serão utilizados por outras empresas de

segunda geração na produção de resinas plásticas. As de terceira geração


48

compreendem as demais empresas abaixo dessa cadeia, que geram produtos plásticos

e satisfazem a demanda. O projeto, estabelecia planos para a implantação de três

pólos, a fim de atender a demanda no país de forma regional, o pólo de São Paulo, em

Capuava e posteriores Camaçari e Triunfo no Rio Grande do Sul; a Petrobrás Química

S.A. participou como acionista na maior parte das grandes empresas. Entretanto existia

uma forte corrente no país contrária aos investimentos estatais do setor petroquímico

em solo baiano, a argumentação, contrária à instalação, dizia respeito à localização,

segundo esta a indústria deveria estar localizada próximo ao maior mercado

consumidor, portanto no estado de São Paulo. Ainda segundo esta corrente, a

implantação da petroquímica na Bahia aumentaria os custos de transportes, e

determinariam maiores investimentos em infra-estrutura. O modelo tripartite foi

acionado pela primeira vez na Petroquímica União, através do Estado, de um grupo

capitalista nacional e outro internacional. Como foi o primeiro a ser implantado,

incorporou empresas já existentes localizadas em Santo André e Cubatão, “assim

fazem parte desse pólo empresas fisicamente distantes da petroquímica31”; essa planta

difere dos futuros projetos, pois a implantação de uma nova planta sempre tem

capacidade maior que as anteriores, haja vista o planejamento visando a crescente

demanda.

Tanto o governador Luis Viana e o prefeito, durante o ano de 1970,

intensificaram as conversações nos gabinetes de Brasília, para garantir a implantação

da petroquímica em Camaçari. Entretanto as transformações havidas em salvador, a

implementação de uma administração consistente no Estado, as conquistas políticas

31
NAKANO, Davi. Relatório Setorial final. FINEP – Rede DPP. 2006, p. 06. Disponível em : <
http://www.finep.gov.br/PortalDPP/relatorio_setorial_final/relatorio_setorial_final_impressao.asp?lst_setor=29>
49

industriais, foram barganhadas desde a gestão de Luis Viana em 1967, ele implantou a

Secretaria da Educação e o CEPED centro de desenvolvimento tecnológico, que

desenvolveria tecnologia para o apoio das empresas do pólo. Luis Viana foi também

responsável pela implantação do Centro industrial de Aratu e todo o tramite para a

instalação do Pólo Petroquímico de Camaçari. Rômulo Almeida teve também papel

importante como principal idealizador para a industrialização baiana junto aos

empresários e à burocracia Estatal Federal, e foi estigmatizado e neutralizado político e

profissionalmente a partir do primeiro governo ACM32.

Juracy Magalhães, ligado ao grupo paulista Petroquímica União, fazia lobby em

Brasília para centralizar os investimentos federais em São Paulo. Posto que, a distância

entre os pólos não cria competitividade entre as três grandes empresas de primeira

geração, uma vez que a distância provocam fidelidade de seus clientes, empresas de

segunda e terceira geração; porém essa mesma fidelidade ocasiona uma atrofia, se

seus clientes perderem mercado as empresas de primeira geração estão impedidas de

criar novos clientes. Evidentemente, que Juracy estava representando os interesses do

grupo União do qual fazia parte no Conselho de Administração.

Agora um fato curioso é que a balança de pagamentos pendeu contra o favor

brasileiro, e tem contribuído substancialmente para o déficit comercial, chegando a

12%, em 1983, do total de importações. Isso se deve à divisão internacional do

trabalho; de maneira crescente é estabelecidas relações de troca e fornecimento entre

alguns países produtores. Assim os países europeus transferiram a produção de

produtos menos diferenciados para países em desenvolvimento e os produtos

diferenciados se concentram na Europa e E.U.A. Em momento recente o setor vem

32
Ver: FILHO, Luis Viana, 1984.
50

sofrendo processo de reestruturação, e perde um de seus principais tripés, com as

privatizações que vem ocorrendo no setor; A Petroquisa (Petrobrás Química S.A.) em

uma de suas ultimas ações, vendeu sua participação na COPENE, a matriz baiana de

matérias primas:

O impacto do ajuste estrutural sobre o emprego na petroquímica baiana são


refletidos nos seguintes números.33 Em março de 1991, havia 8.081 pessoas
trabalhando no conjunto de doze empresas de Camaçari, sendo que, deste
total, 6.756 eram empregados diretamente (pessoal próprio) e 1.325 eram
terceirizados, com vínculo empregatício com firmas prestadoras de serviços. Já
em dezembro de 1997, havia um total de 5.180 empregados, sendo 3.285
pessoal próprio e 1.895 terceirizados. No ano seguinte, o número de
empregados decresceu ainda mais, atingindo 4.085. Porém, houve uma
redução maior entre os terceirizados, que somavam 840, do que de pessoal
próprio, que atingiu 3.245, evidenciando uma mudança na política de pessoal
das empresas. Houve, portanto, de 91 a 98, uma redução de 3.996 postos de
trabalho, significando 49,5% do total. Quanto ao percentual de terceirizados, ele
passou de 16,3%, em 1991, para 36,5% da força de trabalho, em 1997,
diminuindo para 20,5%, em 1998.34

A indústria química tem importância econômica significativa, representa cerca de

3% do PIB brasileiro, a maioria de seu controle está sobre mãos de capital privado

nacional, isso é representativo pois é a maior concentração do setor industrial; mesmo

alocado em capital privado responde à lógica da divisão internacional do trabalho. A

industria petroquímica representa, isoladamente, a maior parcela do setor químico.

Na Bahia, o Pólo de Camaçari confirma esses dados, localizado no recôncavo

baiano, no momento se posiciona como a principal atividade econômica do Estado da

Bahia. Com a instalação da Indústria petroquímica, entre 1974 e 1989 foram


33
Os dados referentes ao Pólo Petroquímico de Camaçari provêm de uma base de dados, mantida pelo Sindicato da
Indústria Química e Petroquímica do estado da Bahia - Sinper, formada por 12 empresas, que representam cerca de
80% do faturamento desse Complexo. Essa base possui uma forte dose de precisão, uma vez que os dados são
recolhidos diretamente pelo sindicato patronal junto às empresas. Por esse motivo, além da alta representatividade da
amostra, não só em termos da Bahia mas de toda indústria petroquímica brasileira (Camaçari concentra quase 50%
da produção de petroquímicos brasileira), optou-se por utilizá-la nesse trabalho. – C.f. MAGALGÃES, Francisco
Teixeira Camille, da Produtividade e a Reestruturação Produtiva na Petroquímica Brasileira Conceito de
Competitividade e sua Relação com o Crescimento. 2000, p. 10, nota de rodapé. disponível em:
<http://www.adm.ufba.br/teixeira/apostila/ANPEC2000.doc>. Acessado em: 11de novembro de 2006.
34
Ibidem. p. 10.
51

desaguados investimentos no montante de US$ 6 bilhões; todo o conglomerado

empresarial representa 16% do PIB baiano e contribui com 25% da arrecadação de

ICMS do estado. O impacto na economia do estado é evidente, definitiva

industrialização com implicações sociais, alicerçou a classe média composta por

prestadores de serviço, técnicos e gerentes. Em 2001, em associação com o Grupo

Mariani, a Odebrech adquiriu o controle da Copene Petroquímica do Nordeste S.A.; a

central de matérias prímas do pólo de Camaçari, a integração envolveu seis empresas

que deu forma a Braskem, criada em 16 de agosto de 2002, o que fez da Odebrech o

maior grupo petroquímico da América Latina.

A manobra de Juracy, aliado ao Grupo União, promoveu uma acirrada querela

entre este e ACM, mas é claro que também estava em jogo a disputa pela liderança da

ARENA baiana no interior do estado. Por essa época ACM já havia cooptado, da

corrente juracisista, apoio e votos no interior. Ao assumir o governo do Estado baiano

tornou público o desligamento, apoiado por Leitão de Abreu que, confirmou a

implantação da petroquímica em Camaçari já em 1970, por intermédio do ministro

Delfim Neto.

Na Bahia ACM denunciou as ligações de Juracy com as empresas contrarias a

instalação da petroquímica em Camaçari, além de exigir a desvinculação de deputados

e prefeitos ligados ao ex-governador, passou a determinar a submissão destes à sua

liderança. A consolidação do poder do novo governador, se constrói a partir de sua

ruptura com a figura que o alçou na política, suplantando-o. Permitiu a ACM associar e

projetar sua imagem à identidade baiana, como defensor dos interesses da Bahia.

Quando assumiu o governo do Estado em 1971, havia três figuras de destaque na

ARENA baiana; Luis Viana Filho, que deixava o governo e com isso parte de sua força
52

política; Lomanto Júnior ex-governador já sem muita expressão na política baiana e

Juracy Magalhães, cujo envolvimento com a Petroquímica União e as constantes

denúncias do novo governador, vai se isolando cada vez mais no cenário político. O

nome de Luis Viana ainda estava ligado à conquista da petroquímica e isto lhe garantia

prestígio na política estadual, ACM procurou minimizar essa ligação abafando sua

repercussão, buscou não abordar publicamente o assunto a fim de não o relacionar ao

ex-governador. O distanciamento entre os dois políticos era propício, para o governador

era o momento decisivo para se despontar como única liderança e apagar a figura de

Luis Viana dissociado-o da petroquímica. Assim a implantação do pólo petroquímico de

Camaçari foi um projeto de extrema importância, e ao qual ACM se empenhou

profundamente, dando seguimento ao projeto em sua gestão. Através desse projeto

estreitou laços com o presidente da Petrobrás, na época o General Ernesto Geisel e

com o presidente da Dow Química do Brasil General Golbery. Sem dúvida a

implantação da petroquímica foi de grande importância para a economia baiana e para

a estratégia carlista, representava uma soma vultosa de investimentos públicos e

privados, além de atrair outras empresas ligadas ao setor.

A ascensão e a consolidação de ACM e o desenvolvimento do carlismo, está

intrincado ao momento político ditatorial, em uma nova realidade caracterizada pelo

funcionamento protocolar do sistema político, submetido agora ao poder militar. ACM

manteve laços privilegiados com essa nova fonte de poder, graças a esses

relacionamentos, construídos antes da articulação do golpe, pode escolher cargos

estratégicos como a prefeitura de Salvador (1967-1970), o governo do estado baiano

(1971-1975 e 1979-1983), entre o período dos dois governos presidiu a Eletrobrás

(1975-1979). A estratégia permitiu o desenvolvimento e solidificação do carlismo, como


53

expressão política, através da disputa com outras correntes políticas baianas

conservadoras, como o vianismo e o juracisismo. Ao final do regime, a política no

estado da Bahia se encontrava majoritariamente dominada pelo carlismo. ACM

acumulou poder ao se aproximar do poder central durante o regime militar, e por isso

recebeu apoio dos políticos do interior e os da capital. Impôs-se aos demais como única

liderança política, a oligarquia baiana se identificou com o governo estadual e este com

o governo central. Assim o poder local estava resguardado pelo poder central,

mormente o apoio do regime militar aos chefes locais na razão direta de sua fidelidade

e sua capacidade de garantir votos para o partido do governo.

A aprovação no congresso de uma nova Lei Orgânica dos Partidos em 1979,

extingue a ARENA e o MDB, ou seja o bipartidarismo, estes são reorganizados

respectivamente como PDS e PMDB. A hegemonia construída por ACM ao longo dos

anos de 1970 na ARENA, fazia do carlismo a corrente predominante dentro do PDS

baiano. Nas eleições de 1982 conseguiu eleger para o governo estadual, o ex-prefeito

de Feira de Santana, João Durval, escolheu a maioria do seu secretariado, inclusive

passou a controlar o novo governador e continuou a comandar o PDS a partir de um

escritório do novo edifício do Desembanco em Salvador. Esta gestão causou um

desgaste na liderança de ACM, pois era evidente a sujeição do governador a seu chefe

político, e o caso acabou de domínio público. O primeiro a romper com ACM foi Nilo

Coelho, prefeito de Guanambi, seguindo-se a este, mais tardiamente, Jutahy

Magalhães, filho de Juracy, e Luis Viana Filho que se mantiveram no PDS e votaram

em Maluf em 1985, na indicação para concorrer à sucessão presidencial. Todo esse

rearranjo de forças nos quadros políticos baianos, sobretudo no PDS, aliado à


54

campanha das diretas, permitiu a composição de forças da oposição para a eleição de

Waldir Pires ao governo da Bahia em 1986.

Na convenção do PDS, ocorrida em 1984, Maluf venceu a indicação do partido

para disputar a sucessão presidencial no colégio eleitoral, após o interregno de

Figueiredo, derrotando Mario Andreazza. Contudo diante da vitória malufista houve

deserções nos quadros do partido do governo, os primeiros foram Sarney, Marco

Maciel e Jorge Bornhauser, que formavam a Frente Liberal dentro do PDS. Ao saírem

do partido governista, formaram o Partido da Frente Liberal (PFL). A adesão de ACM ao

novo partido era iminente, pois como um dos principais articuladores da candidatura

Andreazza se posicionara contra Maluf, principalmente após o episódio em que

prefeitos baianos do PDS aceitaram ambulâncias do assistencialismo malufista, este já

com interesse eleitoreiro. Em seguida ao ocorrido teceu duras críticas ao governador

paulista pela invasão na política estadual baiana. Novamente lograva êxito político, em

1984 percebeu o fim do regime militar, controlava 22 votos no colégio eleitoral e poderia

os arrastar consigo para o PFL, o que realmente aconteceu após seu

“desentendimento” com o Ministro da Aeronáutica, brigadeiro Délio Jardim de Matos,

em 4 de setembro de 1984; o Brigadeiro o chamou de traidor e ACM respondeu: “Que

traidor era o ministro que apoiava um corrupto como Maluf”.35 (o fato teve ampla

cobertura e repercussão midiática; a revista Veja chegou mesmo a sugerir, que era a

primeira vez, em 20 anos, que um civil levantava a voz contra um militar). O apoio a

Tancredo Neves no colégio eleitoral arrastando a bancada baiana, lhe rendeu um

ministério na futura Nova República. Desse modo manteve-se no poder, se por um lado

sua ascensão política se deve ao apoio à ditadura, agora se inscreve em um governo

35
MAGALHÃES, 1995, p. 118. (nota de rodapé)
55

que se pretende democrático. Mas um “democrático” entendido por fisiologismo,

sempre fiel à estratégia de ser governo. E de fato quando ACM foi perguntado se

Tancredo acreditava nas “Diretas Já” ele respondeu: “O Tancredo nunca acreditou nas

diretas [...]” (Magalhães, 1995, p. 115).

A fim de compreender a atuação que ACM vem tendo nos partidos, desde a UDN

até o atual PFL, a partir de sua visão sobre os organismos partidários, procuramos

analisar sua entrevista tomada em 1995. A conclusão é que por vezes ele se torna

contraditório ao tratar do assunto, não declara um conhecimento teórico sobre o

assunto, e de maneira geral sua análise sobre os partidos faz referência a uma relação

personalista e hierarquizada, prioriza um suposto “objetivo” em detrimento de projetos e

debate de idéias necessário à democracia e ao desenvolvimento partidário. Ao ser

perguntado sobre fidelidade partidária respondeu: “[...] Fidelidade partidária, sem que

você forme partidos, fica muito complicada. Primeiro, porque você tem que fazer

partidos, porque os partidos hoje são um amontoados de políticos, não são partidos.

Falo isso muito à vontade, porque os partidos giram muito em torno de pessoas, e eu

sou um representante disso”(MAGALHÃES, p. 265-266). Perguntado se era liberal ou

neoliberal: “liberal, neoliberal, social-democrata... deixe essa discussão para os

acadêmicos. Isso tudo está superado e não diz nada ao povo. O importante são os

objetivos. O mundo está vivendo uma fase circunstancial, onde tudo isso é irrelevante

[...]” (MAGALHAES, p.261), em outro momento: “Acho portanto que os partidos

deveriam girar mais em torno de princípios.” (MAGALHÃES, p. 266). Perguntado sobre

esquerda, direita, centro: “Eu acabei de dizer, não acredito nisso. Essa discussão está

completamente superada no mundo de hoje.” (MAGALHÃES, p. 267), na insistência do

repórter, responde: ”Eu prefiro ser julgado. Porque, na realidade, não me julgo, de
56

direita, não me julgo de esquerda. Eu sou um político sem rótulos, sem etiquetas,

porque acho que isso não existe, isso não está mais na cabeça de ninguém, isso já

acabou” (MAGALHÃES, p. 267)

Como já vimos acima, o apoio político a Tancredo Neves e depois a José Sarney

proporcionou a ACM um ministério na Nova Republica, este foi estrategicamente

escolhido diante do novo cenário que se configurava, ou seja uma sociedade cada vez

mais midiatizada. O jornalista Anselmo Góis interpelou ACM sobre Tancredo: “Ele disse

que o senhor ia ser o ministro do cargo que quisesse. Disse isso mesmo?”, e ele

respondeu: “Disse isso. Depois, quiseram sabotar a minha nomeação para o ministério”

(MAGALHÃES, 1995, p. 114). Deter controle sobre a mídia, ou parte dela, significava

influir nos cenários de representação da própria atividade política. Portanto ACM foi

nomeado Ministro das Comunicações, como ministro conseguiu manter sob seu

comando parcelas dos aparelhos federais alocados na Bahia e mesmo fora dela, mas

que influíam fortemente no estado, como por exemplo a Sudene, administrada por

Paulo Souto36. Por meio dessas agências e de seus recursos pôde intervir na Bahia e

atender as demandas em todo o estado. Próximo ao Presidente, principalmente por sua

atuação na articulação política que estendeu o mandato presidencial de Sarney para

cinco anos, utilizando as políticas do Ministério para manter os currais eleitorais e

fazendo uso indiscriminado de concessões de rádio e televisão, de maneira a garantir

apoio e legitimidade política à Nova República, qualificando-se como seu principal

avalista.

Quando foi perguntado acerca do critério político usado nas concessões ACM foi

incisivo: “E qual o critério você quer que se obedeça? Há algumas condições

36
ALMEIDA, 2000, p. 448
57

preliminares: ter capital para a instalação da emissora e qualificação do ponto de vista

técnico [...] Porque economicamente não era um bom negócio. Agora, politicamente era

vantajoso [...]”; Em outro momento Góis perguntou: “Entregar concessão de rádio a

político em troca de voto, o senhor acha que isso é uma coisa certa?” e ACM: “E quem

disse que houve isso?”, e depois respondeu, sob igual pergunta de Miriam Leitão: “Eu

acho. meus amigos terem concessões não é nada demais. Acho isso tão correto quanto

você trabalhar [...]” (MAGALHÃES, p. 85 -88). E veladamente fez uso político delas, em

uma ação regional distribuiu, para políticos e correligionários baianos, 96 concessões

de rádio e 6 de televisão, o que representou 10,2% sobre o total das concessões

praticadas no ministério.

ACM tomou providências para montar seu próprio conglomerado na área de

comunicações, na expansão de seus negócios organizou a TV Bahia, em princípio

filiada à Rede manchete, somando-a ao jornal O Correio da Bahia adquirido em 1978

com o apoio financeiro de empresários liderados pelo Grupo Odebrecht. Em 1987 a TV

Bahia assinou contrato com a TV Globo para retransmitir sua programação. Então

quem detinha os direitos de transmissão era a TV Aratu, de propriedade da família

Viana, parceira há dezoito anos das organizações Globo. A transação, no mínimo

nebulosa, com a empresa de Roberto Marinho foi realizada em janeiro de 1987, logo

após a Globo adquirir a direção da NEC do Brasil, no final de 1986. A Brasilinvest

Informática e Telecomunicações (BIT), empresa de Mario Garnero, participava da NEC

do Brasil através de parceria com a multinacional japonesa NEC Corporation, empresa

especializada em equipamentos e serviços de telefonia37. As organizações Globo já

demonstravam interesse em se associar a NEC do Brasil, especialmente porque o país

37
GÓES, 1988, p. 23
58

representava o segundo maior mercado em potencial nesse segmento, foi então que

ACM através do Ministério das Comunicações interferiu pressionando a BIT para se

desassociar da japonesa NEC38. O Ministro autorizou as empresas do sistema Telebrás

a cancelar os pagamentos à NEC, alegando que não cumpriram os contratos de

fornecimentos de peças. Mas estranhamente, quando os japoneses ameaçaram demitir

funcionários, da NEC, a Telebrás reativou a transferência de recursos, garantindo a

folha de pagamentos da empresa, argumentando que tinham encomendas a receber.

Após isso o empresário Garnero saiu da NEC do Brasil, ao fazer um acordo que lhe

garantiram cinco milhões de dólares, e a Globo se associou com a empresa japonesa.

O caso rendeu uma CPI no congresso nacional, a CPI da NEC, mas não foi

conclusiva39. A TV Aratu entrou com processo judicial contra a transação entre as

emissoras de Roberto Marinho e ACM, mas a TV Bahia ganhou nos tribunais os diretos

de retransmissão da programação da TV Globo. Ao responder aos jornalistas sobre a

transferência do contrato, ACM associou a transação à amizade que tinha com Roberto

Marinho:

Terminou o contrato com a TV Aratu, que até então retransmitia a Globo. Era
mais que óbvio, que no dia em que eu tivesse uma emissora de televisão na
Bahia – inauguramos em março de 85 – o Roberto Marinho, quando acabasse o
contrato da Globo com qualquer outra emissora, transferiria o direito de
retransmissão para mim. Ele é meu amigo desde 1959.(MAGALHÃES, 1995 p.
97)

A partir das empresas TV Bahia e o jornal Correio da Bahia, somadas às

concessões de TV e rádio, ACM e seus aliados adquiriram um peso econômico

significativo no estado. Só a Bahiapar Participações e Investimentos Ltda, Holding das

empresas da família Magalhães, por exemplo, engloba as seguintes empresas: Bahia

Telecomunicações Ltda, Bahia Eventos Ltada, a Empresa Baiana de Jornalismo (que


38
ALMEIDA, 2000, p. 425-431
39
MAGALHAES, 1995, P. 93-98.
59

edita o jornal Correio da Bahia), Gráfica Santa Helena Ltda e a Santa Helena S/A

Incorporações e Construções40. Em um levantamento elaborado em 1997, mostra o

alcance, dentro do estado, das emissoras ligadas à Rede Bahia:

• TV Norte Baiano, em Juazeiro, com 47 municípios de alcance (322.925

consumidores), concessão de 8 de junho de 1988.

• TV Oeste Baiano, situada em Barreiras, atingindo 26 municípios (192.500

consumidores), concessão de 7 de maio de 1988.

• TV Santa Cruz, em Itabuna, alcançando 58 municípios (621.472

consumidores), concessão de 4 de novembro de 1986.

• TV Subaé, de Feira de Santana, 15 municípios de alcance (o numero de

consumidores não constava do Atlas de Cobertura da Rede Globo 1995)

e concessão de 10 de abril de 1985.

• TV Sudoeste, sediada em Vitória da Conquista, Abrangendo 71

municípios (575.412 consumidores) concessão de 8 de janeiro de 1988.

• TV Bahia, de Salvador, a sede da rede, atingido 151 municípios (3,5

milhões de telespectadores), concessão de 5 de agosto de 1984.41

Nos anos de 1980 ACM somou algumas derrotas dentro do estado, a transição

para a democracia, no seu momento inicial, comprometeu o desempenho das forças

políticas ligadas à ditadura, maiormente pela campanha das “Diretas Já”; essa

tendência foi percebida em muitos estados brasileiros. O carlismo perdeu a eleição à

prefeitura de Salvador em 1985 para Mario Kértesz (PMDB). em 1988 para Fernando

40
FARIAS, Edison. Ócio e negócio: Festas populares e entretenimento – Turismo no Brasil. Campinas, Instituto de
Filosofia e Ciências Humanas, Unicamp, 2000, p. 312.
41
LUZ, Jane Márcia Lemos. Radio e TV na Bahia: o partido eletrônico de ACM. Salvador, FACOM/UFBA, 1997, p.
17.
60

José (PMDB), e em 1992 para Lìdice da Matta (PSDB). Mas foi em 1986, que o

carlismo amargou uma das suas maiores derrotas ao perder o governo do estado para

Waldir Pires (PMDB)42. Pois houve um espírito de transformação e mudança, dentro da

Bahia contra o carlismo, influenciado pela “onda” democrática de contestação aos

setores dominantes, a partir dos palanques em que se pregavam o retorno, às eleições

diretas.

A estruturação de uma rede midiática tão influente, foi cuidadosamente

arquitetada paro o retorno carlista em 1990, sua primeira eleição pelo voto direto, e

suplantar a oposição dentro do estado, impregnando sua personalidade no imaginário

social, através do discurso da baianidade. Com efeito sua vitória nas eleições de 1990

está associada à consonância de dois fatores principais, a associação de seu nome ao

universo baiano e ao uso e controle da mídia capaz de promover essa estratégia. Já em

1989 as mensagens veiculadas em suas empresas de comunicação mostravam ACM,

como um grande administrador em detrimento da figura de Waldir Pires, relacionado ao

despreparo e ao interesse pessoal, pois Waldir deixara o governo do estado para

tornar-se candidato à vice-presidência. O lançamento de um jingle intitulado “ACM meu

amor” foi intensamente executado nas rádios e tvs e nos showmicios, e mostra de

forma substancial a estratégia carlista:

Você se lembra de mim?


Eu nuca vi você tão só
Oh meu amor, oh meu xodó
Minha Bahia ...

42
MAGALHÃES, 1995, p. 84 e 233.
61

Permeando as estratégias políticas emaranhadas nos veículos de comunicação,

são acionados dispositivos de caráter subliminar articulando sua imagem pública à

identidade social, incrementando sua visibilidade no estado. A associação entre a sigla

ACM e a campanha “Ação, Competência e Moralidade” foi desenvolvida

propositadamente na sua empreitada para retornar ao governo do estado. Essa

campanha reafirmava ainda a distinção entre ACM e seus opositores na Bahia, pois

contrapunha “ação e competência” contra um Waldir sinônimo de “moleza”, rotulagem

tendenciosa imprecada pelo carlismo na época. Em momento posterior o código ACM

foi re-transportado e inserido no pelourinho para titular uma de suas praças como,

Artes, Cultura e Memória.

Em sua performance de Fênix, o carlismo reforçou a dimensão paroquial de seu


discurso, usando a imagem de maus baianos para estigmatizar os adversários
vencidos, apelando para os brios de uma baianidade ferida por fracassos
administrativos e anunciando uma nova era de reconstrução e progresso (ação,
competência e moralidade) para a Bahia, que passaria a ser uma virtual ilha de
prosperidade num país tomado pela recessão e por uma crise de credibilidade
política. (NETO, 2000, p. 77)

[...] O que eu tenho é um perfeito sentimento de baianidade, e acho que ele me


ajuda bastante, porque me defino, entre os políticos baianos, como aquele que
mais tem interesse na terra. Isso me distingue realmente, e os baianos reparam
nisso, e dão um tratamento melhor do que a qualquer outro político [...] É um
caso de amor à terra, mais do que uma estratégia política. Agora, se há
dividendos políticos, vamos intensificar. Faz-se um bom casamento.
(MAGLHÃES, p. 189 e 191)

O ideal de baianidade vai se incorporando na campanha ao governo e no

decurso de seu mandato, o próprio ACM vai se tornar o exemplo mais genuíno desse

construto. O carlismo se apropria das cores baianas, utilizando suas bandeiras, para

assumir e identificar-se ao mito da baianidade, perceptível ao longo das campanhas

eleitorais da confraria carlista. A possessão vai além das cores e das bandeiras do

estado, os signos da baianidade, originário da tradição afro-descendente e cristã serão

anexados aos recursos simbólicos utilizados para dar identidade e produzir a imagem
62

de ACM e de seu grupo, mormente desde a campanha de 1990. A formulação do mito

remete a um orgulho de ser e afirmar-se baiano, à tradição e a uma ancestralidade

ostentada pelos baianos ligada a um mito de origem que tem a “boa terra” como o

berço da pátria e da brasilidade. Nesse contexto reivindica-se para a Bahia o lugar de

tradições, tanto das famílias e elites oligárquicas quanto do seu povo, afro-descendente

ou sertanejo. Um dos eixos centrais do ideário da baianidade circunscreve a

familiaridade, modo de agir ambivalente que pressupõe a sociedade baiana, uma

associação de comadres e compadres onde as relações entre as pessoas se

manifestam com extrema pessoalidade. Em suma uma família patriarcal, dificultando a

compleição da cidadania no Estado permitindo as desigualdades sociais existentes 43. A

aplicabilidade e elaboração e re-elaboração do ideal de baianidade não foi iniciada com

a estratégia de retorno do carlismo, mesmo que durante o período tenha amplamente

ganho o imaginário sedimentando-se. Toda a política do turismo, desde os anos 1970,

quando a Bahia estava sob o governo carlista, tem como maior idealizador Paulo

Gaudenzi44 que ressaltou a Bahia a partir de suas belezas naturais e suas tradições

culturais, enfatizando prioritariamente aquelas de caráter afro-descendente, mas todas

alocadas no contexto da baianidade. Ele foi o principal articulador dessas políticas que

tem no turismo seu ponto de confluência e irradiação45.

A nova gestão de ACM no governo do estado, inaugurou um novo período de

redefinição das políticas culturais na Bahia, instituiu o alicerce para a futura criação da

Secretária da Cultura e do Turismo do Estado. Promoveu reformas no patrimônio


43
MOURA, 2001, p. 260-262.
44
Professor de História e economista, em 1995 assumiu a Secretária de Cultura e Turismo. Na área do turismo
desenvolveu trabalhos desde 1973, como Coordenador de Fomento ao Turismo da Secretaria de Industria e
Comércio por seis anos. Deixou a direção da Bahiatursa em 1986, onde esteve desde 1979, e retornou em 1991 com
o novo mandato de ACM.
45
FARIAS, 2000, p. 230-316.
63

histórico e material da capital Salvador, em especial no Centro Histórico Pelourinho

Maciel, e no Teatro Castro Alves. As políticas culturais no novo governo demonstram as

tendências, de priorização do turismo em detrimento da cultura, orientadas a partir

deste governo para uma gestão cultural mediada por fatores econômicos. Paulo Souto

ocupou a Secretaria da Industria Comércio e Turismo, e o sucederia no comando do

governo em 1995, dando seguimento a essa política. Pulo Gaudenzi, na gestão ACM,

era o presidente da Bahiatursa e seria o futuro Secretário da Cultura e Turismo na

gestão de Paulo Souto. Paulo Gaudenzi, em uma entrevista concedida ao Brasil

Turisjornal, comentou a idealização e a associação entre turismo e cultura:

O turismo é consumidor adicional da atividade cultural baiana. Essa é uma


coisa que já se faz desde a década de 70, foi feita em 80 e 90 coma criação da
STC da Bahia. Essa é a visão que nós tivemos de que a cultura é o grande
diferencial do turismo na Bahia. Nos conceitos de promoção que vendemos da
Bahia, estão os elementos da cultura como a baianidade, a baiana típica, a
comida, o acarajé, a capoeira, o folclore, o artesanato, a música, as festas
populares, o carnaval, o são João, etc. Ao destacar esses elementos,
agregamos um percentual altíssimo. Isso sem falar no patrimônio histórico que
é outro apelo cultural forte[...] Esse processo é advindo de um ponto importante
que é a diversidade cultural que a Bahia possui. É a contextualização daquilo
que nós somos é a grande diferença de um lugar para outro. É a diferença
cultural que você tem em cada lugar. Porque a natureza é bonita, interessante,
mas você a tem parecida em vários lugares. O grande diferencial é a parte
cultural que é o processo criativo acumulado. Nossa cultura é diversificada e
interessante, com o diferencial que nós temos e os outros não tem . E é
exatamente isso que fez com que fossemos conjugar turismo com a cultura
dentro de uma conceito prático de que ela era o grande diferencial do segmento
turístico da Bahia.46

Mas segundo o arquiteto Antonio Heliodorio Sampaio, em um seminário intitulado

Pelourinho: O Peso da História e Tendências Recentes, realizado em 1994, pelo

Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura da UFBA, esse

projeto turístico já é uma idealização de 1930:

[...] As transformações recentes no pelourinho não respondem à problemática


do centro de Salvador como totalidade, ou seja, aquela relação centro-cidade-
regiao, mas respondem a um projeto mais amplo, cuja estratégia foi esboçada

46
Brasil Turis Jornal. Entrevista com Paulo Gaudenzi – Operário do Turismo. Disponível em
<http://www.brasilturisjornal.com.br/site.cfm?tp=WL&cg=ENTRE&noticia=5213>. Acessado em 21/09/2005.
64

nos anos 50-60 e detalhada nos 60-70, que define para Salvador um papel de
cidade voltada para o turismo e lazer. Este discurso foi um discurso oficial muito
veiculado nos anos 70. Quem analisou os planos e projetos sabe que ele é um
discurso de governo, por isso a orla e o centro Histórico sempre foram
localidades privilegiadas para os investimentos do estado, visando o binômio
turismo/lazer, em Salvador. Esta estratégia foi adredemente teorizada e
planejada pelo governo estadual, e inclui o setor produtivo industrial moderno
que deveria ficar como ficou, fora de Salvador. Refiro-me ao Centro industrial de
Aratu – Cia e ao Complexo Petroquímico de Camaçari – COPEC. Assim, o que
o estado fez e faz hoje no Pelourinho responde a um movimento de idéias que,
a rigor, se inicia nos anos 30, na semana de Urbanismo, quando já ali se
observa claramente que as elites intelectuais, econômicas e os meios
responsáveis pela formação de opinião, mesmo que de forma embrionária,
anteviam um vir a ser para Salvador e sua região não muito distante do que se
observa hoje47.

Portanto o carlismo se apropriou de um projeto urbanístico inicia em 1930,

reorientado-o em uma abordagem, mítico-baiana, introduzida e induzida no imaginário

social. O projeto carlista de modernização capitalista, teve o apoio irrestrito e

condensado de setores do empresariado no estado, o apoio desses setores a essa

modernização conservadora é um importante elo na cadeia de interesses conjugados,

que possibilitaram a intensificação de tão vasto poder do carlismo no estado, poder

político e econômico partilhado com os setores empresariais. A associação entre o

carlismo e empresários na aplicação do projeto, imprimiu uma caracterização

excessivamente economicista. O governo carlista, ao revitalizar um espaço com

tamanha capacidade turístico cultural, vitimou a sociedade local do bairro. Mesmo hoje,

o problema com a população do Pelourinho, não está de todo resolvido, organismos

nacionais e internacionais ligado aos direitos humanos, vem contribuindo em defesa da

população junto aos órgãos jurídicos, nas ações judiciais contra a administração

pública. O custo social na implantação do projeto foi vultoso, mas não estavam

contabilizados nas pranchetas dos gestores, apesar da enorme quantidade de recursos

47
A apresentação do arquiteto Antonio Heliodorio Sampaio, está disponível em:
<http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=k478387308>. Acessado em: 23/05/06
65

somados para dar continuidade ao projeto. É significativos o depoimento, de João Jorge

Rodrigues, integrante do movimento negro Olodum, e morador do bairro:

É importante observar que hoje, apesar de recuperado fisicamente e com


grandes problemas sociais, o Pelourinho Maciel ainda dá muito o que falar
porque, apesar da recuperação física, houve, na verdade, uma exclusão social
gigantesca que afastou do Centro Histórico 90% dos seus antigos moradores.
Moradores estes que, durante os últimos 40 anos, foram a principal alternativa
de sobrevivência para o pouco que restou da área. A saída das pessoas do
Pelourinho/Maciel se dá neste momento, por dois aspectos. Primeiro, pelo
aspecto econômico. Houve uma definição do atual governo, definição essa que
já tinha sido feita nas administrações anteriores do atual governador da Bahia: o
Pelourinho/Maciel deveria ser uma vitrine do turismo baiano, e, portanto,
deveriam se realizar ali obras que recuperassem fisicamente a área, mas que
estivessem atentas às novas necessidades, que seriam instalar lojas de artigos
turísticos, bares, etc., criando-se ali um centro de convivência, uma espécie de
Quartier Latin.48

A apropriação sistemática do mito da baianidade, pelo carlismo, não se

restringiu às manutenções políticas nos pleitos eleitorais, ela está intrinsecamente

ligada, além das políticas culturais e turísticas, ao seu império midiático. Em princípio a

TV Bahia e posteriormente toda a Rede Bahia que congrega quase todas as emissoras

do interior, como destacado acima, propagaram e cristalizaram o ideário da baianidade.

Por meio de uma conveniente campanha de marketing, a TV Bahia procurou consumar

essa associação.

[...] Definir elos que aproximassem a emissora de uma “regionalidade baiana”;


ou , segundo as palavras da própria direção, a intenção de molda-la, dar-lhe
uma “cara da Bahia”, porque sua imagem “estava restrita à de repetidora da
Globo e faltava identidade entre o veiculo e a comunidade” (FARIAS, 2000, p.
234)

A TV Bahia articulou uma série de iniciativas, que a associaram ao contexto da

baianidade e à imagem da Bahia, muitas delas empreendimentos de cunho cultural

como por exemplo o Projeto Verão iniciado em 1992. A repercussão obtida com esses

eventos, levou o grupo empresarial da família Magalhães a investir maciçamente na

48
O depoimento de João Jorge Rodrigues, está disponível em:
<http://www.cult.ufba.br/arquivos/Politicas_Culturais_da_Bahia_Cesar_Borges_e_Paulo_Souto_Gi%E2%80%A6.p
df>. Acessado em : 04/05/06.
66

industria do entretenimento, organizou a Bahia Eventos Ltda, uma nova empresa

especificamente direcionada nesse segmento. Pouco depois criou a TV Salvador, um

canal dentro da rede NET de TV a cabo, implantado na capital baiana com

programação direcionada à cultura, dentro do contexto do ideário da baianidade. Os

vultosos investimentos amplificaram o mito da baianidade associado à sigla ACM e ao

carlismo, prevalecendo uma visão específica dessa identidade comumente aceita,

sobretudo pelos não baianos. O que significa um construto para consumo em escala

nacional.

A ‘baianidade’ está definitivamente incorporada às consciências social, local e


nacional. E embora a própria estrutura econômica e social tenha se modificado
radicalmente, o mito apresenta a ‘baianidade’ como natural, dissimulando agora
uma nova realidade social em que aquele desempenha a função de licor
digestivo. Os efeitos sobre a representação dos interesses sociais e sobre a
política não são desprezíveis. Tudo se dissimula sob a capa da informação da
mídia, cuja função principal é, em vendendo a Bahia dos catões-postais, vender
na verdade a identidade das classes sociais e de seus interesses antagônicos.
(OLIVEIRA, 1987, p.113 apud ALMEIDA, 2000, p. 309)

A recente história do carlismo na Bahia revela uma situação dispare, ao mesmo

tempo em que aglutinou forças e interesses diversos em seu entorno, percebe-se uma

oposição sagas importante à intervenção político midiática do grupo. O que representa

uma dinâmica no interior da sociedade baiana e reafirmam uma história em movimento.


67

Conclusão

ACM construiu um império midiático e promoveu seu codinome associando ao

ideário da baianidade, por isso acumulou poder, que por isso mesmo tem repercussão

nacional. E não como questionara Maria Inês Nassif, em um artigo intitulado “ACM as

trevas e o dilema Tostines”, publicado na revista Valor Econômico: “Antonio Carlos

manda na Bahia porque tem poder nacional, ou tem poder nacional porque é o rei da

Bahia?”.49 Não é rei da Bahia e não manda nela (ou sua corte provavelmente esteja se

desfazendo) muito embora tenha forte influência no estado. Essa influência só é

mantida pelo vício clientelista na política brasileira.

O eixo central do texto procurou justamente compreender e para isso dissolver

esse emaranhado, configurado pelo clientelismo, presente nos diversos momentos da

política no Brasil. O personalismo político só permanece na política, em especial a

baiana, pela necessidade da rede de clientela necessitar e erigir uma figura central que

possa concentrar poder para distribuir as benesses do Estado. Assim o foi no inicio o

patriarca familiar na origem colonial, que transferiu para o ambiente público as

estruturas sentimentais da casa nuclear. Atravancando o processo democrático futuro,

extraviando e promiscuindo público e privado mediante o exercício do poder familiar

sobre o Estado. Perpetuado nas amarras oligarcas da estrutura coronelísticas que

subsistiu no Estado Novo, por baixo de um governo excessivamente centralizado. Este

sim talvez o maior representante do personalismo na política brasileira, bombardeando

através da propaganda sua imagem, no imaginário das massas, impedindo a realização


49
NASSIF, Maria Inês. “ACM, as trevas e o dilema Tostines”. São Paulo, Valor Econômico, 31 de janeiro de 2001.
68

absoluta, dentro dessas, da formação de pensamento político nos grupos sociais e

noutras classes, formação necessária ao bom funcionamento das lutas pela

hegemônica no interior do Estado. A criação do DIP teve esse papel fundamental na

política de compromissos do Estado Novo.

O personalismo político assente no topo da pirâmide clientelística, realizado

sempre em um Estado hierárquico de viés autoritário, impediu a organização de

partidos políticos realizada numa instituição participativa. Representativa dos anseios

das classes sociais em constante formação e reformação. Por isso o vício constante, na

política brasileira, do personalismo. Todos representantes que foram, PTB, PSD, UDN,

ARENA, PDS e PFL, etc, de organizações estruturadas de cima para baixo.

O vício permaneceu e ganhou nova vida nos veículos de comunicação de

massas, a sociedade contemporânea, midiatizada, favoreceu o ator público na sua

expressão agora amplificada. Possuindo a indústria de sua propagação, teceu

hegemonicamente, tanto na estrutura, por ser um aparato econômico, quanto na

superestrutura na esfera cultural, sua rede artificiosa na busca pelo poder hegemônico

no Estado, em conluio com setores do empresariado capitalista, interessados em

compartilhar poder, classes conservadoras em busca da permanência na direção do

Estado, como bloco de poder. Mas, por mais que, controlem as instâncias midiáticas e

econômicas, facilitando sua perpetuação, ainda está em aberto a luta hegemônica. Pois

existe a contra hegemonia que permite uma articulação dinâmica, geradora de

contestação. A interpretação dominante já foi posta em xeque, o movimento pode

representar mudança, e a mudança pode abrir caminho para um novo momento

histórico. A ver. A conferir.


69

A trajetória de ACM é um rico exemplo desse vício na política brasileira, fez

carreira se embrenhou nas amarras do poder e atou o nó que o ligou ao núcleo central,

permitindo seu império midiático mantenedor de sua hegemonia mediante a

apropriação e associação à cultura regional baiana, que sendo popular transformou-se

em moeda política de seu projeto modernizante. Mas a cultura e a estrutura popular,

herança africana e sertaneja, está resistente, ainda subsistem sob a máscara

maquilada da apropriação carlista.

A cultura popular, heranças africanas e sertanejas, é usada momentaneamente,

e até que ocorram profundas mudanças no âmago da sociedade atual. Agora, no

momento em que é apropriada para a produção de valor para os capitais locais, pela

ação dos capitais locais liderados por ACM e o empresariado baiano, produzem

concomitantemente a força-de-trabalho que viabilizam os capitais locais. A “indústria”

do turismo é uma expressão que vai se consolidando, nesse contexto. Ao mesmo

tempo em que, produz força-de-trabalho e capitais locais, essa “indústria” aciona um

conjunto de fatores baseado na recomposição da força-de-trabalho externa, ou seja de

outras regiões, onde se realimenta constantemente. São os trabalhadores esfacelados

do centro, sul e sudeste, bem como os trabalhadores estrangeiros, que no decurso de

dias, semanas ou meses procuram conforto e entretenimento nas viagens turísticas, na

esperança de re-humanizarem suas vidas alienadas por jornadas de trabalhos

cáusticos e desumanos, esperançosos que são, de se recomporem como sujeitos, que

não são, na expressividade de suas subjetividades. Pois o próprio turismo é uma

grande linha de desmontagem de sujeitos, porque opera dentro da lógica da formação

de valor na sociedade atual. O turismo faz aquilo que realmente lhe importa, recompor

a capacidade de trabalho da força de trabalho. Apropriando-se das manifestações


70

culturais que significam, apenas do ponto de vista formal, o resgate cultural afro-

descendente e sertanejo. Fazendo isso dá às pessoas a ilusão, pois se trata de mera

formalidade e não de recomposições essenciais de culturas obliteradas, de resgate de

suas “raízes históricas”, “perdidas” pela “perversidade” da vida “moderna”.

Subjetividades que se realizam no plano formal. Viabilizam e são viabilizadas nas

realizações concretas: produção e reprodução de valor na sociedade capitalista.50

O que não faltam são exemplos de famílias oligarcas que sob o império da

comunicação, atados aos nós dos privilégios ligados ao poder do Estado, prorrogam

sua dominação. No maranhão o clã Sarney, que controla o estado há quarenta anos,

possui a concessão direta ou indireta de mais de vinte e cinco emissoras de radio e

televisão, além de outros tantos jornais. Ainda no Maranhão, há um município com o

nome de Presidente Sarney, onde somente 5% e 6% de esgoto e água,

respectivamente, são encanados, 38% dos habitantes acima de 15 anos são

analfabetos. O estado apresenta os piores índices de desenvolvimento humano entre

os estados da federação. Segundo Marco Antonio Villa, ao comentar um excerto da

obra “O Problema da Descrença no Século XVI: A religião de Rabelais” do Historiador

Lucien Febvre, que analisou a dominação ideológica da Igreja Católica sobre a Europa

Ocidental, “O nascimento, a morte. Entre esses dois limites, tudo que o homem realiza,

vivendo normalmente, fica com a marca da religião”, emendou: “se Febvre vivesse no

Maranhão, trocaria a religião pela família Sarney”.51 Podemos fazer a mesma relação

com o carlismo na Bahia.

50
Parágrafo redigido a partir de um dialogo travado em 08 de novembro de 2006, com o Prf° Dr° Moacir Gigante, da
Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”- Faculdade de História Direito e Serviço Social - Campus
Franca.
51
VILLA, Marco Antonio. A crise política e o coronelismo. São Paulo, Folha de São Paulo: Tendências e Debates, 04
de outubro 2005.
71

Neste contexto ACM e seus herdeiros parecem que vão ter uma vida política

longa, pois a classe dominante, e que portanto se sobrepõem, são aquelas que detêm

os poderes reais na sociedade. Por enquanto ACM tem poder de fato, mas parece estar

se esgotando, entretanto seu poder real está baseado na “indústria” do turismo, que foi

erigida a partir de uma base de clientela que lhe proporcionou poder para a partilha.

Pela natureza de seu poder, ACM e o carlismo permanecerão por tempos no imaginário

e na estrutura social.

Mas o personalismo de ACM consumado no carlismo na Bahia esteja, talvez,

sob um processo de desagregação. Ao analisar o pleito eleitoral em 2002 na Bahia

concluímos que, apesar de isolado no plano nacional o carlismo manteve o controle do

estado, a representação no Senado e ampla representação da bancada carlista nas

assembléias estadual e na Câmara Federal. Entretanto parece que a Bahia tenha

ingressado em uma era pós-carlista, em que o comando unilateral de ACM sobre o

grupo e a política baiana tem dado espaço a uma nova estrutura em transição, onde

coexistam, no mínimo, uma bipolaridade partidária competitiva, em vez de uma

dominação única carlista.

A princípio essa mutação estrutural parece imbricada na esteira da candidatura

de Luis Inácio Lula da Silva e sua ascensão à presidência da República em 2002.

Porém o carlismo vem se desgastando desde 1998 quando no plano estadual, a

bancada governista liderada, a maioria centralizada, pelo carlismo nuclear, havia

conquistado 47 cadeiras na Assembléia Legislativa do estado, em outubro de 2002

houve uma regressão nesses números, percebida ao longo da legislatura, passando a

compor 42 cadeiras representativas, nas eleições de 2002 conseguiram eleger apenas

39 deputados estaduais. No plano federal a bancada governista liderada pelo carlismo


72

nuclear alçou 28 cadeiras na Câmara dos Deputados, em outubro de 2002 ocorreu um

retrocesso, ao longo da legislatura, conformando em 21 cadeiras o número da bancada

carlista, que elegeram no pleito de 2002 vinte e dois deputados federais. A oposição

experimentou uma curva ascendente, em 1998 na esfera estadual possuía 16 cadeiras

no legislativo, passou a 18 em outubro e elegeu 24 deputados nas eleições de 2002.

Para a Câmara Federal elegeu 11 deputados, em outubro somou 18 e nas eleições de

2002 alçou 17 cadeiras representativas52. Claro que se observa uma tendência, em

consonância ao crescimento da candidatura petista, com vista a barganhar em uma,

futura nova, rede de clientela, mas é notório o enfraquecimento carlista a partir de 1989.

Com efeito, nas eleições de 2006 para o governo do estado baiano, contrariando

as pesquisas veiculadas nos meios de comunicação, que mostravam o candidato

carlista Paulo Souto com 50% das intenções de voto, à frente do candidato petista

Jacques Wagner com 28%53. A vitória de Jacques Wagner no primeiro turno, por

52,89% contra 43,03%54 de Paulo Souto, provaram a desagregação. E aqui quero

mostrar o porquê deste intercurso nos números do universo político. A reação de ACM

com a derrota, estampado no seu discurso pronunciado, no Senado após as eleições,

em 03 de outubro de 2006:

Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores, seria, sem dúvida, um discurso difícil o
que vou pronunciar, não tivesse eu a coragem que o tempo tem mostrado que
tenho e a experiência de 50 anos de vida pública. Isso me dá autoridade para
discorrer aqui sobre as eleições no Brasil e, em particular, em primeiro lugar, na
Bahia. Devo dizer a V. Exª que o Senhor Presidente Lula venceu na Bahia
surpreendentemente o Governo, levando também um Senador que jamais seria
eleito normalmente, mas por ter abandonado o seu partido e por ter feito

52
NETO, Paulo Fabio Dantas. Carlismo e Oposição na Bahia Pós-Carlista. Disponível em:
<http://www.fundaj.gov.br/observanordeste/obed003j.html-9k Acessado em: 05/06/2006
53
Números oficiais pesquisa Voxpopuli. Disponível em :
http://www.voxpopuli.com.br/eleicoes_2006/estadual/ba2006-136r02.pdf>. Acessado em 07/11/06
54
Números oficiais TRE-Bahia. Disponível em : <htpp://www.tre-
ba.gov.br/eleicao2006/1turno/index.php?opcao=estado >. Acessado em: 07/11/06
73

composição com o candidato do PT, venceu. Portanto, as minhas primeiras


palavras são no sentido de que, no caso, o Presidente Lula foi vencedor. Não
importa como. Jogando muito dinheiro do Governo? Sim. Dinheiro da
Petrobras? Sim. Dinheiro dos ladrões que o cercam? Sim. Mas o fato é que ele
venceu.[...] Sei que ele comemorou a vitória na Bahia. Fez bem em comemorar.
Em 1986, eles comemoraram; em 1990, eu voltei. Voltei e formei uma série de
homens públicos naquela terra que honra o Brasil e da qual ninguém é acusado
de roubar.[...] Sr. Presidente, ao confessar o caso da Bahia, sem nenhuma
dúvida, inclusive, ontem, quando fui perguntado a esse respeito, disse:
"Derrotado não fala, espera". Estou esperando, como esperei em 1986, e venci,
em 1990, as eleições diretas para Governador do Estado, tendo havido a
derrota, em 1986, não minha, mas do candidato Josaphat Marinho. Portanto, Sr.
Presidente, quero advertir a Nação brasileira, sobretudo, para esse segundo
turno. Chamo a atenção do Nordeste, principalmente, da minha Bahia, para que
impeçamos essa reeleição tão danosa para o País e coloquemos à frente do
Governo um homem de bem, honrado, como é o ex-Governador Geraldo
Alckmin. Desse modo, Sr. Presidente, estou convencido de que vamos ter um
novo Brasil e sem roubo; um novo Brasil com um PT sério, porque também no
PT há pessoas sérias, tirando os ladrões, que não são poucos. Sr. Presidente,
venho a esta tribuna, com a coragem que Deus me deu, para dizer que
continuarei lutando e amando cada vez mais a Bahia, e que, em breve, V. Exªs
verão o desastre que será o governo baiano e a volta triunfal do "carlismo" na
Bahia. O "carlismo" é uma legenda que não se apaga, queiram ou não os
cronistas políticos. Ela existe porque o povo quer! E quando o povo quer, pode
tudo.55

O ator público é o mesmo, só que agora a maquilagem está desbotada, o

discurso também é o mesmo, o amor à Bahia, o carlismo, seu personalismo, sua altivez

e sua afabilidade ao condenar o novo governo, e concomitantemente o povo, ao

desastre. Talvez o carlismo seja seu amor à Bahia, amor que não pretende altruísta,

mas egoísta e vaidoso. ACM continua contraditório, primeiro ele reconhece a derrota

em 1986, quando perdeu o gabinete do Palácio da Aclimação, depois a atribui a

Josaphat Marinho; seguindo a risca as recomendações do Cardeal Mazarim 56 “simula e

dissimula”. Após as eleições, em 29 de novembro de 2006 foram veiculados pela mídia

televisiva, ajuntamentos populares em diversos “altares” em Salvador, que aos brados

em uníssono cantavam palavras de ordem contra o carlismo; por ter sido uma

programação nacional da TV Globo, acabaram retransmitidos pela Rede Bahia. Parece


55
MAGALHÃES, A. C.: Discurso pronunciado no Senado Federal em 03/10/06 Disponível em:
<http://www.senado.gov.br/sf/atividade/pronunciamento/detTesto.asp?t=364455>. Acessado em 05/10/06.
56
MAZARIM, Cardeal Jules. Breviário dos Políticos. São Paulo: Editora 34, 1997. Substituiu a Richelieu, no cargo
de primeiro ministro, na França em 1643. Assim Mazarino ficou até 1651 e preparou o jovem Luis XIV”Rei Sol”.
74

que a história se repete, ao menos é o que flui no domínio popular, e nas filosofias da

História que a tem como cíclica em espiral cônico. ACM afirma em seu discurso

veemente, acima, que o carlismo voltará triunfal à Bahia daqui a quatro anos, no

próximo pleito eleitoral para o governo do estado, como em 1986 na eleição de Waldir

Pires; lá voltou em 1990 dando continuidade ao seu projeto “capitalista modernizante

turístico cultural midiatizado”, aqui (e agora) é uma incógnita, talvez o ator esteja

ultrapassado. E este texto não se pretende a previsões nem ao exercício de futurologia

política. A História submerge agora para emergir, quando o evento for naufragado em

seus oceanos e mares de passado, aí o compreenderá, pois, estará sob seus domínios.

Segundo o jornalista Marcos Sá Corrêa (MAGALHÃES, 1995, p.13) “ACM difere

de Antonio Carlos Magalhães por ser um monstro mitológico” e com efeito ACM é uma

personagem criada no país um pouco à sua revelia. O monstro mitológico talvez esteja

deixando a “Odisséia” para entrar nas “Coleções de Contos da Carochinha”. Quando a

coroa de louros usurpada e possuída, for desfolhada e correr o vento aos quatro cantos

da Bahia, ACM será despido, expondo “o cabeça branca57”, revelando Antonio Carlos

Magalhães, o “Cordial”.

BIBLIOGRAFIA

57
Foram veiculados na mídia baiana, com vistas a inundar o imaginário popular por alusões a Antonio Carlos
Magalhães, epítetos como “Toninho ternura” para abafar “Toninho malvadeza” uma de suas primeiras alcunhas. “O
cabeça branca”, que remete a uma figura paterna anciã, ou “pai(inho) da Bahia”. Se de fato a tradição da baianidade
mostra uma família patriarcal na sociedade baiana, a alusão aqui e para o caracterizar como o patriarca dessa grande
família.
75

ALMEIDA, Gilberto Wildberger de. Política e mídia na Bahia (com ênfase na trajetória
de Antônio Carlos Magalhães). Salvador, Faculdade de Comunicação - Ufba, 2000.

BAQUERO, M. A vulnerabilidade dos partidos políticos e a crise da


democracia na América Latina. Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2000.

BOURDIEU, Pierre. A economia das Trocas Simbólicas. São Paulo, Perspectiva –


Novos Estudos, 1974. passim.

Brasil Turis Jornal. Entrevista com Paulo Gaudenzi – Operário do Turismo. Disponível
em <http://www.brasilturisjornal.com.br/site.cfm?tp=WL&cg=ENTRE&noticia=5213>.
Acessado em 21/09/2005.

CARVALHO, Jose Murilo de. Mandonismo, coronelismo, Clientelismo: uma discussão


conceitual. Pontes & Bordados: Escritos de História. BH. UFMG, 1999, p. 134.

COHN, G. Critica e Resignação, Fundamentos da Sociologia de Max Weber. São


Paulo, T. A. Queiroz, 1979.

FARIAS, Edson. Ócio e negócio: festas populares e entretenimento – turismo no Brasil.


Campinas, Institutode Filosofia e Ciências Humanas - Unicamp, 2000.

FREYRE, G. Casa Grande & Senzala. Rio de Janeiro: Record, 1994.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro:


Civilização Brasileira,1978.

GRAMSCI, Antonio. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização


Brasileira, 1978.
GOÉS, Joaci. O discurso e a Luta. Brasília, Câmara dos Dputados, Centro de
Documentação e Informação: Coordenação de Publicações. 1988.

GOMES, João Carlos Teixeira. Memórias das Trevas: uma devassa na vida de Antonio
Carlos Magalhães. São Paulo: Geração Editorial, 2001.

HOLADA, S.B., Raízes do Brasil. São Paulo: Livraria José Olimpio Editora, Rio de
Janeiro, 1956.

LEAL, Vitor Nunes. Coronelismo Enxada e voto. São Paulo, Alfa e Omega, 1976.

LIMA, Venício. Televisão e poder: a hipótese do ‘cenário de representação da política’.


Comunicação & Política, Rio de Janeiro, n.s., v1, numero 1, 1994.

LUZ, Jane Márcia Lemos. Radio e TV na Bahia: o partido eletrônico de ACM. Salvador,
FACOM/UFBA, 1997.
76

MAGALGÃES, Francisco Teixeira Camille, da Produtividade e a Reestruturação


Produtiva na Petroquímica Brasileira Conceito de Competitividade e sua Relação com o
Crescimento.2000,p.10,disponívelem:<http://www.adm.ufba.br/teixeira/apostila/ANPEC2
000.doc>. Acessado em: 11de novembro de 2006.

MAGALHAES, Juracy. Minhas memórias provisórias. Rio de Janeiro, Civilização


Brasileira, 1981, P. 80. (Depoimento prestado ao CPDOC).

MAGALHÃES, Antonio Carlos. Política é paixão (entrevista). Rio de Janeiro, Revan,


1995.

___________: Discurso pronunciado no Senado Federal em 03/10/06 Disponível em:


<http://www.senado.gov.br/sf/atividade/pronunciamento/detTesto.asp?t=364455>.
Acessado em 05/10/06.

MATTA, Roberto da. Carnavais, Malandros e Heróis: Para uma sociologia do dilema
brasileiro. Rio de Janeiro, Zahar, 1979.

MATTA, R. da. Reflexões sobre o público e o privado no Brasil: um ponto de vista


perverso. Cadernos de Ciências Sociais. Minas Gerais, v.3, n.3, abr 1993, p. 51-62.

MAZARIM, Cardeal Jules. Breviário dos Políticos. São Paulo: Editora 34, 1997.

MONTEIRO, Pedro Meira. A queda do aventureiro: Aventura cordialidade e os novos


tempos em Raízes do Brasil. São Paulo: Editora da Unicamp, 1999.

MONIER. Emmanuel. O personalismo. Universidade de França, 1950.

MOURA, Milton. Carnaval e baianidade. Arestas e curvas na coreografia de identidades


do carnaval deSalvador. Salvador, Facom - UFBA, 2001.

NAKANO, Davi. Relatório Setorial final. FINEP – Rede DPP. 2006, p. 06. Disponível em:
<http://www.finep.gov.br/PortalDPP/relatorio_setorial_final/relatorio_setorial_final_impre
ssao.asp?lst_setor=29>

NASSIF, Maria Inês. “ACM, as trevas e o dilema Tostines”. São Paulo, Valor
Econômico, 31 de janeiro de 2001.

NETO, Paulo Fábio Dantas. Caminhos e atalhos: autonomia política, governabilidade e


governança em Salvador. In: IVO, Anete Brito Leal (org.) O poder da cidade. Limites da
governança urbana.Salvador, Edufba, 2000.

_____________________. Carlismo e Oposição na Bahia Pós-Carlista. Disponível em:


<http://www.fundaj.gov.br/observanordeste/obed003j.html-9k Acessado em: 05/06/2006.
77

NOVAIS, Fernando. De volta ao homem cordial. São Paulo, Folha de São Paulo, jornal
de resenhas: Tendências e Debates, 1 de maio de 1995, p. 2.

OTTIMANN, Goetz. Cidadania Mediada: Processos de democratização da política


municipal no Brasil , in: Novos Estudos, CEBRAP.74, março 2006,p.157.Disponível em
<http://scielo.br/pdf/nec/n74/29645.pdf>. Acessado em: 11de setembro de 2006.

PORTELLI, Hugues. Gramsci e o Bloco Histórico. São Paulo: Paz e Terra, 1977.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e


Economia (1889-1930). Tomo III, volume I, Rio de Janeiro, Difel, 1977. p.164. (Coleção
História Geral da Civilização Brasileira).

FAORO, R. Os donos do poder. Rio de Janeiro, Globo, 1989.

REZENDE, M.J. A democracia em Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda. In:


Revista de Sociologia da USP. São Paulo, n. 3, 1. Sem, 1996.

Rodrigues, João Jorge. Depoimento. disponível em:


<http://www.cult.ufba.br/arquivos/Politicas_Culturais_da_Bahia_Cesar_Borges_e_Paulo
_Souto_Gi%E2%80%A6.pdf>. Acessado em : 04/05/06.

RUBIM, Antonio Albino Canelas. Democracia, cultura e comunicação. In: Cadernos do


Ceas. Salvador,(100):56-62, novembro - dezembro de 1985.

_________________________ Mídia e Política no Brasil, João Pessoa: Editora.


Universitária, 1999.

SAMPAIO, Consuelo Novais. Os partidos políticos na Bahia na Primeira República.


Salvador: Centro edit. e didático. UFBa. 1992.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público As tiranias da intimidade. São Paulo:


Companhia das Letras, 1988.

SOUSA, Maria do Carmo Carvalho Campello de. Estado e partidos políticos no Brasil
(1930 a 1964). São Paulo: Alfa e Omega, 1976.

TAVARES, Luis Henrique Dias. História da Bahia. 2. ed. São Paulo: Ática. 1981.

TRE-Bahia. Números oficiais dos resultados das eleições para o governo do estado em
2006. Disponível em : <htpp://www.treba.gov .br/eleicao2006/1turno/index.php?
opcao=estado >. Acessado em: 07/11/06.
78

WEFFORT, Francisco Correia, O populismo na política Brasileira. Rio de Janeiro, Paz e


terra, 1980.

WEBER, Max. A “objetividade do conhecimento nas ciências sociais”.: in COHN,


Gabriel (Org.) Max Weber. Sociologia. São Paulo: Ática, 1977.

VIANA FILHO, Luis. Petroquímica e Industrialização da Bahia. (1967 – 1971). Brasília:


Centro Gráfico do Senado Federal, 1984.

VILLA, Marco Antonio. A crise política e o coronelismo. São Paulo, Folha de São Paulo,
jornal de resenhas: Tendências e Debates, 04 de outubro de 2005, p. 2.

VOXPOPULI. Relatório dos resultados da pesquisa eleitoral para Governador no estado


da Bahia em 2006. Disponível em : http://www.voxpopuli.com.br/eleicoes_2006_
_2006/estadual/ba2006-136r02.pdf>. Acessado em 07/11/06.