Você está na página 1de 99

PLANO DE CURSO

ÁREA ELETROELETRÔNICA

Aprendizagem Industrial Básica

Eletricista Industrial

Código SIS: AIB35 EI 800H

Dezembro de 2016

PC_AIB - Eletricista Industrial


1/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
PC_AIB - Eletricista Industrial
2/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
FORMAÇÃO INICIAL

Aprendizagem Industrial Básica

PLANO DE CURSO

 Aprendizagem Industrial Básica de Eletricista Industrial


(800 horas)

ÁREA PROFISSIONAL:
Eletroeletrônica

EIXO TECNOLÓGICO:
Controle e Processos Industriais

- 2016 -

PC_AIB - Eletricista Industrial


3/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
SENAI-RS – SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL
DEPARTAMENTO REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO REGIONAL

Presidente Nato
Heitor José Müller – Presidente do Sistema FIERGS/CIERGS

Diretor do Departamento Regional


Carlos Artur Trein

Conselheiros Representantes das Atividades Industriais – FIERGS

Titulares

Ademar De Gasperi
Getúlio da Silva Fonseca
José Agnelo Seger
Ricardo José Wirth

Suplentes

Henrique Purper
Edilson Luiz Deitos
Júlio Cezar Steffen
Newton Mario Battastini

Representantes do Ministério da Educação – MEC

Titular Suplente

Marcelo Bender Machado Cláudia Shiedeck Soares de Souza

Representante do Ministério do Trabalho

Titular Suplente

Willis Urbano Taranger Pablo Antônio Fernando Tatim dos Santos

Representante dos Trabalhadores

Titular Suplente

Lírio Segalla Martins Rosa Ênio Klein

DIRETORIA DO SENAI-RS

Carlos Artur Trein - Diretor Regional

Sérgio Ricardo Moyses – Diretor de Operações

DIRETORIA DO SISTEMA FIERGS/CIERGS

Carlos Heitor Zuanazzi – Diretor Superintendente

Suzete Araújo Leal – Diretora de Serviços Compartilhados

PC_AIB - Eletricista Industrial


4/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
APRESENTAÇÃO

O presente Plano de Curso apresenta a organização curricular a ser considerada e


atendida no desenvolvimento das competências profissionais relativas à qualificação
profissional de “Eletricista Industrial”, do Itinerário de Educação Profissional da área
“Eletroeletrônica”. O Plano de Curso está estruturado em conformidade com as Diretrizes de
Educação Profissional do SENAI e com as indicações e determinações da legislação vigente.
Destina-se ao atendimento da modalidade de Aprendizagem Industrial Básica, considerando
jovens de 14 a 24 anos de idade.
Este Itinerário Formativo, de abrangência regional e foi estruturado sob a coordenação da
Gerência de Educação Profissional e Tecnológica – GEPTEC, do Departamento Regional do
SENAI-RS. Foi desenvolvido com base nos pressupostos da Metodologia SENAI de Educação
Profissional, em sintonia com a nova visão de integração de itinerários formativos proposta pelo
SENAI-DN.
A organização de uma oferta formativa coerente com as mudanças no processo produtivo
é um grande desafio para as instituições de educação profissional que preparam o trabalhador
sob a perspectiva de competência e polivalência, com o propósito de desenvolver suas
capacidades para a compreensão e aplicação das bases gerais técnicas, científicas e
socioeconômicas de uma área de atuação.
Buscando materializar essa visão, o SENAI organiza os seus programas de Educação
profissional de forma a assegurar o desenvolvimento das competências necessárias para a
atuação profissional do trabalhador no contexto de trabalho correspondente à ocupação em
questão. Os “Perfis Profissionais” são elaborados com base nas características e perspectivas
futuras das diferentes áreas da indústria atendidas pelo SENAI, de forma a assegurar o
desenvolvimento das competências demandadas pelos trabalhadores. Dessa forma, e com
base nos Perfis Profissionais descritos, os currículos são organizados considerando-se as
características e reais necessidades do respectivo contexto de trabalho.
A iniciativa de se elaborar Perfis Profissionais por Comitês Técnicos Setoriais nasceu da
necessidade de se ter perfis profissionais mais coerentes e mais sintonizados com as
características e necessidades dos segmentos industriais atendidos pelo SENAI, assegurando a
eles validade, reconhecimento e portabilidade nacional.
Atualmente, o SENAI está atuando no desenvolvimento de uma nova concepção de
organização curricular. Trata-se de um conjunto de ações estratégicas voltadas à estruturação
de itinerários de educação profissional, cuja principal característica é a integração dos diferentes
itinerários formativos de determinada área ocupacional, a fim de se estabelecer os percursos
possíveis, em nível horizontal e vertical, desde o nível básico até o nível superior. Essa iniciativa
possibilita estabelecer um padrão de qualidade SENAI, além de favorecer o aproveitamento de
estudos por parte do aluno e a disseminação harmônica das inovações tecnológicas e
organizacionais nas diferentes regiões do País.
A metodologia SENAI de Educação Profissional orienta para a construção de itinerários
formativos que partem do geral, da visão mais global, para as especificidades das competências
profissionais que constituem o perfil, considerando recorrências e a progressividade no
desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e atitudes. A perspectiva é a de que uma
primeira qualificação, em determinada área tecnológica, possa proporcionar o desenvolvimento
das bases que permitam o avanço e a adaptação em novas qualificações, isto é, a construção
progressiva e permanente de novas competências.

PC_AIB - Eletricista Industrial


5/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
A análise do Perfil Profissional de uma ocupação é a base para a estruturação do
Itinerário de uma qualificação, assim como a análise do conjunto de perfis das ocupações de
determinada área ocupacional permite o estabelecimento do Itinerário de Educação Profissional
dessa mesma área. Através da análise de perfil, são identificadas: as capacidades técnicas
(condições que permitem ao profissional operar eficientemente objetos e variáveis que
interferem diretamente na criação de um produto ou no desenvolvimento de um serviço); as
capacidades sociais, organizativas e metodológicas (de caráter transversal, relacionadas à
qualidade do trabalho, às relações no trabalho e à condição do trabalhador de responder a
situações novas e imprevistas); e os fundamentos técnicos e científicos (caracterizados pela
transversalidade, isto é, podem dar embasamento a um conjunto significativo de diferentes
competências, podendo gerar módulos e unidades modulares comuns a qualificações distintas
de uma mesma área ocupacional). Dessa forma, o Itinerário Formativo de uma área ocupacional
cumpre o objetivo de estabelecer as inter-relações didático-pedagógicas das diferentes
qualificações que o constituem, dando flexibilidade à oferta e à formação do aluno.
A proposta pedagógica (desenho curricular) com estrutura modularizada tem a finalidade
de assegurar a flexibilização, a transversalidade horizontal e vertical de fundamentos técnicos e
científicos e das capacidades técnicas, sociais, organizativas e metodológicas estabelecidos
para o desenvolvimento das competências descritas no perfil profissional.
Em suma, pode-se dizer que o Itinerário Formativo é a síntese do conjunto de itinerários
parciais das qualificações que compõem uma área tecnológica. Estabelece o sequenciamento
de módulos relativos à determinada qualificação que, ordenados pedagogicamente, geram
possibilidades de certificação intermediária (terminalidades) e capacitam para o exercício
profissional. Possibilita, ainda, diferentes percursos, uma vez que viabiliza entradas e saídas em
diferentes momentos, aumentando as condições de empregabilidade, de trabalhabilidade e de
empreendedorismo, além de favorecer a educação continuada.

Ao final deste documento, encontram-se, na forma de anexos, os seguintes documentos:


Perfil Profissional; Organização Interna das Unidades Curriculares e documento indicativo do
atendimento das indicações da Portaria MTE nº 723/2012.

PC_AIB - Eletricista Industrial


6/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
SUMÁRIO

1. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS DO CURSO................................................................. 8


1.1. JUSTIFICATIVA..................................................................................................... 8
1.2. OBJETIVOS DO CURSO....................................................................................... 10

2. REQUISITOS DE ACESSO............................................................................................ 10

3. PERFIL PROFISSIONAL................................................................................................ 11
3.1. PERFIL PROFISSIONAL DO ELETRICISTA INDUSTRIAL .................................. 11

4. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR.................................................................................... 13
4.1. ITINERÁRIO FORMATIVO .................................................................................... 13
4.2. MATRIZ CURRICULAR ......................................................................................... 14
4.3. MATRIZ DA QUALIFICAÇÃO ................................................................................ 14
4.4. DESENHO CURRICULAR .................................................................................... 15
4.5. MÓDULO INTRODUTÓRIO................................................................................... 15
4.6. MÓDULO ESPECÍFICO I....................................................................................... 20
4.7 MÓDULO ESPECÍFICO II ..................................................................................... 24

5. INDICAÇÕES E ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS .................................................................... 30

6. PRÁTICA PROFISSIONAL NA EMPRESA .................................................................... 31

7. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS ..................................................... 32

8. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ...................................................... 32

9. CERTIFICADOS................................................................................................................ 33

10. CONTROLE DE ELABORAÇÃO E/OU REVISÃO .......................................................... 33

ANEXOS ................................................................................................................................. 34
I PERFIL PROFISSIONAL ................................................................................................. 35
II ORGANIZAÇÃO INTERNA DAS UNIDADES CURRICULARES ................................... 39
III INDICAÇÕES SOBRE O ATENDIMENTO DA PORTARIA MTE Nº 723/2012 .............. 84

PC_AIB - Eletricista Industrial


7/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
1 JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS DO CURSO

1.1. JUSTIFICATIVA

O presente itinerário Formativo, da ocupação de “Eletricista Industrial”, estabelecido


para a modalidade de Aprendizagem Industrial Básica, cumpre o propósito de assegurar o
atendimento às demandas de formação de recursos humanos qualificados dos diferentes
segmentos da indústria e de serviços, favorecendo a sua expansão, desenvolvimento e
qualificação.
A ocupação de “Eletricista Industrial” integra a área Eletroeletrônica. Compreende o
conjunto e competências requeridas para o atendimento das demandas dos diferentes
segmentos da indústria e de outros setores da economia que demandam serviços de instalação
e de manutenção elétrica em máquinas e equipamentos, considerando as normas técnicas, os
princípios de qualidade e as normas e os procedimentos de saúde, segurança e meio ambiente.
Para a estruturação da proposta, foram utilizados os seguintes documentos: Metodologia
SENAI de Educação Profissional; e Catálogo Nacional SENAI de Qualificações Básicas;
Portaria MTE nº 723/2012.

a) Metodologia SENAI
A Metodologia SENAI de Educação Profissional permite capturar as expectativas de
empresários e de representantes do setor quanto às competências profissionais necessárias
para o atendimento das novas exigências do meio produtivo, bem como, orienta os aspectos
didático-pedagógicos, considerando as seguintes etapas:
 Constituição de Comitê Técnico Setorial - fórum técnico-consultivo, composto por
especialistas de empresas e do SENAI, representantes de sindicatos, do meio acadêmico e
de instituições públicas das áreas de Educação, Trabalho, Ciência e Tecnologia, que está
voltado ao debate e à troca de informações e conhecimentos que possibilitam a identificação
das competências requeridas por uma determinada Qualificação Profissional, numa visão
atual e prospectiva.
 Elaboração do Perfil Profissional - consiste no tratamento e na organização das
informações fornecidas pelo Comitê Técnico Setorial, através de uma análise funcional que
leva em conta o contexto de trabalho, os sistemas organizativos, as relações funcionais, os
resultados da produção de bens e de serviços e as demandas futuras. Essa análise ampla
possibilita contextualizar as funções descritas sob a forma de competências profissionais,
que incluem conhecimentos, habilidades, atitudes e capacidades técnicas, sociais,
organizativas e metodológicas.
 Elaboração do Desenho Curricular - é a fase de organização da proposta formativa para o
desenvolvimento das competências descritas no perfil profissional, apresentando estrutura
modularizada e as possibilidades de saídas intermediárias.
 Os subsídios didático-pedagógicos são apresentados na etapa “Prática Docente”, do
documento Metodologia SENAI de Educação Profissional, que orienta: a) a definição de
estratégias de ensino (Situações de Aprendizagem) capazes de assegurar o
desenvolvimento das competências específicas explicitadas no Perfil Profissional; b) a
avaliação de competências, que consiste na coleta de evidências, a partir de padrões de
desempenho previamente estabelecidos, quanto à apropriação das competências descritas
no perfil profissional e desenvolvidas ao longo do processo formativo do aluno.

PC_AIB - Eletricista Industrial


8/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
b) Catálogo Nacional de Aprendizagem SENAI

Por sua vez, o Sistema SENAI, com base na lógica de estruturação dos Catálogos
Nacionais de Educação Profissional do MEC, e considerando o âmbito de atuação, organizou
seus próprios catálogos, buscando assegurar a unicidade do sistema e um padrão nacional de
qualidade dos seus programas de educação profissional.
Os Catálogos do Sistema SENAI encontram-se organizados por áreas de atuação do
SENAI, por eixos tecnológicos (os mesmos propostos nos catálogos do MEC), e por níveis de
qualificação profissional. Regulamentam a titulação dos cursos com base nos Catálogos do
MEC e na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) - Sistema classificatório das ocupações
habituais da população economicamente ativa de um país. Para cada curso contido no
Catálogo, são apresentados o objetivo, a duração da fase escolar, o título, a descrição da
ocupação correspondente, o eixo tecnológico e a área ocupacional atendida.
A organização dos Catálogos Nacionais em eixos tecnológicos cumpre o propósito de
ressignificar a educação profissional (antes organizada por áreas profissionais, na lógica da
organização dos setores produtivos), dando-lhe um caráter mais abrangente e integrador, que
vai além do enfoque centrado no desenvolvimento de competências técnico-operacionais,
fazendo com que o processo ensino-aprendizagem esteja alicerçado na tecnologia e não,
exclusivamente, em determinada atividade produtiva.
A organização por eixos tecnológicos se pauta na lógica do conhecimento e da inovação
tecnológica, constituindo-se, cada eixo, num conjunto mais ou menos homogêneo de processos
tecnológicos.
Nessa perspectiva, o Itinerário Formativo de que trata o presente Plano de Curso, que
considera a Qualificação completa de “Eletricista Industrial”, propicia a estruturação de uma
proposta pedagógica que possibilita o desenvolvimento pleno das competências estabelecidas
no Perfil Profissional, à luz de uma proposta de educação concebida na perspectiva da
formação de um trabalhador-cidadão, capaz de atuar de forma autônoma, participativa, crítica e
criativa, com mobilidade e flexibilidade, tanto na vida profissional quanto na vida social.

c) Portaria MTE nº 723/2012

A Portaria MTE nº 723, de 23 de abril de 2012 (D.O.U. de 24.04.2012), ao apresentar as


Diretrizes para os programas de aprendizagem em nível de formação inicial, estabelece um
conjunto de conteúdos de formação humana e científica a serem desenvolvidos de forma
contextualizada, considerando, especialmente: comunicação oral e escrita, leitura e
compreensão de textos e inclusão digital; raciocínio lógico-matemático, noções de interpretação
e análise de dados estatísticos; diversidade cultural brasileira; organização, planejamento e
controle do processo de trabalho e trabalho em equipe; noções de direitos trabalhistas e
previdenciários, de saúde e segurança no trabalho e do Estatuto da Criança e do Adolescente -
ECA; direitos humanos, com enfoque no respeito à orientação sexual, raça, etnia, idade, credo
religioso ou opinião política; educação fiscal para o exercício da cidadania; formas alternativas
de geração de trabalho e renda com enfoque na juventude; educação financeira e para o
consumo e informações sobre o mercado e o mundo do trabalho; prevenção ao uso de álcool,
tabaco e outras drogas; educação para a saúde sexual reprodutiva, com enfoque nos direitos
sexuais e nos direitos reprodutivos e relações de gênero; políticas de segurança pública
voltadas para adolescentes e jovens; incentivo à participação individual e coletiva, permanente e
responsável, na preservação do equilíbrio do meio ambiente, com enfoque na defesa da
qualidade ambiental como um valor inseparável do exercício da cidadania.

PC_AIB - Eletricista Industrial


9/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
Grande parte dos temas estabelecidos pela Portaria MTE nº 723/2012 dão suporte,
também, ao desenvolvimento das capacidades sociais, organizativas e metodológicas (geradas
a partir das Competências de Gestão) e dos fundamentos técnicos e científicos (identificados e
estabelecidos a partir da análise das competências constitutivas do Perfil Profissional).
Em atendimento à Portaria MTE nº 723/2012 e aos princípios da Metodologia SENAI de
Educação Profissional, os temas transversais (relacionados à Portaria MTE ou às Competências
de Gestão), neste Plano de Curso, são apresentadas e desenvolvidas de forma integrada e
contextualizada com as competências específicas que dão origem aos módulos e às Unidades
Curriculares do curso, atendendo os princípios da articulação, contextualização e
transversalidade.

1.2. OBJETIVOS DO CURSO

O Curso, considerando a Qualificação Completa de “Eletricista Industrial” tem por


objetivos:
­ Montar painéis elétricos e realizar a instalação e a manutenção de sistemas elétricos
industriais de baixa tensão, respeitando as normas técnicas e os procedimentos de
qualidade, saúde e segurança e de meio ambiente.
­ Desenvolver a iniciativa, o espírito crítico e empreendedor dos alunos, para que possam
identificar e gerenciar novas oportunidades de trabalho e de geração de renda, numa
economia em constante mudança.
­ Desenvolver habilidades e atitudes que propiciem ao aluno a ampliação de sua capacidade
pessoal e de equipe, na organização e no preparo para enfrentar situações rotineiras e
complexas, respeitando os valores éticos e estéticos na realização de seu trabalho.
­ Desenvolver, no profissional, o hábito de realizar as atividades em sintonia com as normas
de segurança e de preservação ambiental.
­ Propiciar a vivência de situações de aprendizagens que envolvam os princípios, normas e
atitudes do Sistema de Gestão da Qualidade e gerenciamento de tarefas.
­ Proporcionar aos alunos, através do desenvolvimento de projetos e atividades desafiadoras,
a percepção e incorporação consciente e crítica da estética e da ética nas relações
humanas envolvidas em situações profissionais.

2. REQUISITOS DE ACESSO

Para ingresso no Curso, o candidato deve:


 Ter, no mínimo, 14 anos no início do curso e, no máximo, 24 anos de idade na conclusão do
curso, quando a opção do aluno e/ou da empresa não inclui “prática profissional na
empresa”;
 Ter, no mínimo, 18 anos de idade na etapa de início da “prática profissional na empresa” e,
no máximo, 24 anos de idade ao final do curso, quando a opção do aluno e/ou da empresa
inclui a “prática profissional na empresa”.
 Escolaridade mínima: estar matriculado e frequentando ou ter concluído o Ensino Médio.
A efetivação da matrícula ocorre depois de atendidos os requisitos de acesso e apresentação
da documentação exigida.

PC_AIB - Eletricista Industrial


10/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
3. PERFIL PROFISSIONAL

Elaborados com base nos pressupostos da Metodologia SENAI de Educação


Profissional, os Perfis Profissionais apresentam, na sua essência, o conjunto de competências
requeridas para o exercício profissional do trabalhador qualificado, considerando a seguinte
estrutura:
 Competência Geral – síntese do essencial a ser realizado pelo trabalhador qualificado no
seu campo de atuação.
 Unidades de Competência – cada uma das grandes funções ou responsabilidades que
constituem o desempenho profissional de uma determinada ocupação. Contribuem para o
alcance da Competência Geral, representando parte significativa do processo de trabalho,
gerando produtos ou serviços completos.
 Elementos de Competência – representam os subprocessos ou os resultados que se
espera que os profissionais alcancem em relação às Unidades de Competência.
Descrevem o que os profissionais devem ser capazes de fazer nas situações de trabalho
relativas a cada uma das Unidades de Competência.
 Padrões de Desempenho – estabelecem os parâmetros qualitativos das atividades
realizadas. São especificações objetivas que permitem verificar se o profissional alcança
ou não o resultado descrito no Elemento de Competência.
 Competências de Gestão – conjunto de capacidades organizativas, metodológicas e
sociais relativas à qualidade e à organização do trabalho, às relações no trabalho e à
condição de responder a situações novas e imprevistas. Referem-se a aspectos das
atividades profissionais que são transversais, isto é, não mantêm uma relação de
exclusividade com uma ou outra competência técnica específica, mas que são
imprescindíveis no exercício profissional do trabalhador.

3.1. PERFIL PROFISSIONAL DO ELETRICISTA INDUSTRIAL

O Eletricista Industrial é o profissional que apresenta as competências necessárias para


montar painéis elétricos e realizar a instalação e a manutenção de sistemas elétricos industriais
de baixa tensão, respeitando as normas técnicas e os procedimentos de qualidade, saúde e
segurança e de meio ambiente, conforme segue:

 Montar painéis elétricos industriais, considerando as seguintes etapas: Preparar os


materiais e ferramentas requeridos para a montagem; Realizar a montagem de quadros
de comandos industriais.
 Realizar a instalação e a manutenção de sistemas elétricos industriais de baixa
tensão, considerando as seguintes etapas: Planejar os serviços de instalação; Instalar
infraestrutura para linhas elétricas industriais e linhas de sinais; Instalar sistemas
elétricos industriais; Efetuar a verificação final das instalações elétricas industriais;
Executar a manutenção de sistemas elétricos industriais de baixa tensão.

PC_AIB - Eletricista Industrial


11/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
a) Competências de Gestão

­ Atuar em equipes de trabalho, comunicando-se profissionalmente, interagindo e cooperando


com os integrantes dos diferentes níveis hierárquicos da empresa.
­ Desenvolver o trabalho em conformidade com as diretrizes e procedimentos da empresa,
assegurando a qualidade técnica de produtos e serviços.
­ Apresentar, no planejamento e desenvolvimento das atividades profissionais, senso crítico,
atenção, disciplina, organização, comprometimento, precisão e zelo.
­ Tomar decisões no planejamento e na resolução de problemas relacionados às atividades
sob sua responsabilidade.
­ Atuar profissionalmente, respeitando os princípios e procedimentos técnicos e de qualidade,
de saúde e segurança e de meio ambiente.
­ Ser ético na conduta pessoal e profissional.
­ Apresentar postura proativa e responsável, atualizando-se continuamente e adaptando-se,
com criatividade, às mudanças tecnológicas, organizativas, profissionais e socioculturais que
incidem nas suas atividades.

b) Temas Transversais – Portaria 723/2012

­ Comunicação oral e escrita, leitura e compreensão de textos e inclusão digital;


­ Raciocínio lógico-matemático, noções de interpretação e análise de dados estatísticos;
­ Diversidade cultural brasileira;
­ Organização, planejamento e controle do processo de trabalho e trabalho em equipe;
­ Noções de direitos trabalhistas e previdenciários, de saúde e segurança no trabalho e do
Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA;
­ Direitos humanos, com enfoque no respeito à orientação sexual, raça, etnia, idade, credo
religioso ou opinião política;
­ Educação fiscal para o exercício da cidadania;
­ Formas alternativas de geração de trabalho e renda com enfoque na juventude;
­ Educação financeira e para o consumo e informações sobre o mercado e o mundo do
trabalho;
­ Prevenção ao uso de álcool, tabaco e outras drogas;
­ Educação para a saúde sexual reprodutiva, com enfoque nos direitos sexuais e nos direitos
reprodutivos e relações de gênero;
­ Políticas de segurança pública voltadas para adolescentes e jovens; e
­ Incentivo à participação individual e coletiva, permanente e responsável, na preservação do
equilíbrio do meio ambiente, com enfoque na defesa da qualidade ambiental como um valor
inseparável do exercício da cidadania.

PC_AIB - Eletricista Industrial


12/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
4. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

4.1. ITINERÁRIO FORMATIVO

O Itinerário Formativo é a sequência de desenvolvimento proposta para o conjunto de


módulos que, ordenados pedagogicamente, capacitam para o exercício profissional.
No Curso de Eletricista Industrial, o itinerário formativo está estruturado em III (três)
módulos: Módulo Introdutório – 200 horas; Módulo Específico I (Montagem de Painéis Elétricos
Industriais) – 200 horas; e Módulo Específico II (Montagem e Manutenção de Sistemas Elétricos
industriais) - 400 horas. O Itinerário Completo totaliza 800 horas.

ITINERÁRIO FORMATIVO

MÓDULOS ESPECÍFICOS
ENTRADA
MÓDULO ESPECÍFICO I – 200 h Montador de Painéis
(Painéis Elétricos) Elétricos Industriais
– 400 horas –

Módulo
Introdutório -
200 horas

MÓDULO ESPECÍFICO II - (400 h)

(Sistemas Elétricos
Industriais)

ELETRICISTA INDUSTRIAL
– 800 horas –

PC_AIB - Eletricista Industrial


13/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
4.2. MATRIZ CURRICULAR

A Matriz Curricular para o curso de Aprendizagem Industrial Básica de “Eletricista


Industrial” apresenta os Módulos, Unidades Curriculares e cargas horárias conforme segue:

Carga
Carga
Módulos Unidades Curriculares Horária do
Horária
Módulo

Introdutório  Fundamentos da Eletricidade 200 h 200 h

Específico I  Montagem de Painéis Elétricos Industriais 200 h 200 h

 Instalação de Sistemas Elétricos Industriais 250 h


Específico II 400 h
 Manutenção de Sistemas Elétricos Industriais 150 h

CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO 800 h

4.3. MATRIZ DA QUALIFICAÇÃO

A Matriz da Qualificação permite identificar, de uma forma mais visual, as possibilidades


de desenvolvimento do itinerário apresentado.

Módulos
Carga Horária
Qualificação
Profissional

Específico II
Específico I
Introdutório

Carga Horária do Módulo 200 h 200 h 400 h

Montador de Painéis Elétricos Industriais 400 h

Eletricista Industrial 800 h

PC_AIB - Eletricista Industrial


14/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
4.4. DESENHO CURRICULAR

O Desenho Curricular é a tradução pedagógica do perfil profissional, representando a


decodificação das informações do mundo do trabalho para o mundo da educação, de forma a
assegurar o desenvolvimento das competências descritas no perfil. Está estruturado em
módulos, organizados internamente por Unidades Curriculares inter-relacionadas e identificadas
com as competências que constituem o Perfil Profissional.
Os Módulos são conjuntos didático-pedagógicos sistematicamente organizados para o
desenvolvimento das competências profissionais estabelecidas no perfil. São integrados por
unidades curriculares.
As Unidades Curriculares são unidades pedagógicas que articulam os conteúdos
formativos, numa visão interdisciplinar, com vistas ao desenvolvimento das competências indicadas
no perfil profissional. Para cada unidade curricular, os conteúdos formativos são compostos por
fundamentos técnicos e científicos (Capacidades Básicas), por capacidades técnicas, por
capacidades sociais, organizativas e metodológicas (Competências de Gestão) e pelos temas da
portaria 723/2012 do MTE.

4.5. MÓDULO INTRODUTÓRIO – 200 horas

O Módulo Introdutório – é composto pela Unidade Curricular de “Fundamentos da


Eletricidade”, que reúne o conjunto de fundamentos técnicos e científicos relativos às Unidades
de Competência 1 e 2 (“Montar painéis elétricos industriais” e “Realizar a instalação e a
manutenção de sistemas elétricos industriais de baixa tensão”), permitindo, ao aluno, a
formação de uma base consistente que possibilite, posteriormente, o pleno desenvolvimento
das competências específicas que caracterizam a atuação do Eletricista Industrial.

UNIDADE CURRICULAR: FUNDAMENTOS DA ELETRICIDADE

Fundamentos da Eletricidade é a Unidade Curricular que congrega os fundamentos


técnicos e científicos que subsidiam o desenvolvimento das competências específicas que
constituem o conjunto de ocupações da área eletroeletrônica. Visa a iniciar o aluno na área de
formação, situando-o no contexto de atuação, familiarizando-o com as terminologias técnicas da
área e permitindo que desenvolva os aprendizados que são essenciais e que dão sustentação
ao posterior desenvolvimento das competências técnicas específicas que caracterizam a
atuação dos profissionais da área, especialmente quanto à comunicação oral e escrita,
informática, matemática, metrologia, desenho técnico, princípios da eletroeletrônica e normas e
procedimentos de qualidade, saúde e segurança e de meio ambiente.

A - Conhecimentos que subsidiam o desenvolvimento dos Fundamentos Técnicos e


Científicos (Capacidades Básicas):
 Introdução à área de eletroeletrônica
 Ocupações relacionadas: características, campos de atuação, responsabilidades
profissionais (conforme Itinerário Formativo).

PC_AIB - Eletricista Industrial


15/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Formação profissional relacionada: níveis e modalidades de educação profissional.
 Empregabilidade: oportunidades de trabalho; exigências para a empregabilidade;
demandas da indústria e do segmento de serviços;
 Importância da eletroeletrônica para a indústria e para o desenvolvimento do País.
 Matemática:
 Operações matemáticas básicas: adição, subtração, multiplicação e divisão com
números naturais, decimais e fracionários;
 Potenciação e radiciação;
 Equação de 1° grau: Noções de equação, Resolução de equações, Transformação de
fórmulas;
 Razões e proporções: Grandezas direta e inversamente proporcionais:
 Regra de três simples;
 Porcentagem;
 Ângulos: Conceito, medidas e operações com medidas de ângulos;
 Relações trigonométricas do triângulo retângulo (aplicações do teorema de Pitágoras;
seno, cosseno e tangente).
 Medida de Comprimento, Área e Volume;
 Metrologia:
 Medidas de comprimento: Unidade fundamental, múltiplos e submúltiplos; Conversão de
unidades;
 Medidas de superfície: Unidade fundamental, múltiplos e submúltiplos, Aplicações;
 Medida de Perímetro: Unidade fundamental, múltiplos e submúltiplos, Aplicações;
 Medidas de massa: Unidade fundamental, múltiplos e submúltiplo.
 Instrumentos de medição: tipos, características, aplicações, operação e armazenamento;
 Introdução ao Desenho Técnico:
 Desenho técnico e desenho artístico;
 Materiais e instrumentos para desenho;
 Formato e dobradura de folhas;
 Caligrafia técnica;
 Linhas e traços;
 Escalas;
 Eletrotécnica Básica
 Matéria: conceito, estrutura, camada de valência;
 Grandezas elétricas: Corrente, Tensão, Resistência, Potência, Frequência e seus
Instrumentos de Medidas;
 Efeitos da corrente elétrica: eletrolítico e térmico (efeito Joule);
 Resistividade: Materiais condutores, isolantes e resistivos;
 Circuitos elétricos: Série, paralelo e misto;
 Leis de OHM;
 Resistores, Associação de Resistores;
 Fontes geradoras de corrente elétrica contínua e corrente elétrica alternada;
 Leis de Kirchoff;
 Potência em corrente contínua;
 Magnetismo e eletromagnetismo;

PC_AIB - Eletricista Industrial


16/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Indutores e Capacitores: conceitos e características;
 Transformadores elétricos: conceitos e características;
 Corrente elétrica alternada: frequência, período, amplitude.
 Conceitos básicos de circuito em corrente alternada: Resistivo, indutivo, capacitivo e
impedância;
 Conceitos básicos de potência em circuitos de corrente alternada: Ativa, reativa e
aparente;
 Conservação e racionalização de energia;
 Formas alternativas de geração de energia.
 Conceitos de Fator de Potência;
 Sistemas de distribuição de energia elétrica: normas, isolação e aterramento;
 Conceitos de retificação de corrente elétrica.
 Motores Elétricos (conceitos Básicos):
 Ferramentas:
 Ferramentas manuais para a instalação e manutenção de sistemas elétricos: tipos,
características, aplicações, técnicas e recomendações de uso, conservação;
 Qualidade:
 Ferramentas da Qualidade (noções):
 5s;
 Qualidade de produtos e serviços;
 Saúde, Segurança e Meio Ambiente:
 Choque elétrico: efeitos; fatores determinantes da gravidade do choque elétrico.
 Equipamentos elétricos e medidas de proteção
 Equipamentos de Proteção Individual e Coletiva (EPIs e EPCs);
 NR´s aplicadas à Eletricidade (noções)
 Comissão interna de prevenção de acidentes – CIPA;
 Grupo de educação em prevenção de acidentes – GEPA (Objetivos, Constituição e
Coordenação);
 Destinação de Resíduos;
 Qualidade de vida no trabalho.

B - Conhecimentos relacionados às capacidades sociais, organizativas e metodológicas


(Competências de Gestão) e Portaria MTE nº 723/2012. (Obs.: Os conhecimentos a
seguir devem ser desenvolvidos de forma integrada e contextualizada, considerando a sua
relação com os fundamentos e/ou capacidades descritas nos anexos II e III deste Plano
de Curso):
 Comunicação
 Elementos da comunicação: emissor, mensagem, canal e receptor;
 Estrutura de frases e parágrafos;
 Produção textual: descrição, narração e dissertação;
 Gramática aplicada ao texto;
 Técnicas de argumentação;
 Leitura e Interpretação de texto: informativos (jornalísticos e técnicos); literários.
 Produção de texto: relatórios, atas, cartas comerciais;
 Técnicas de resumo;
PC_AIB - Eletricista Industrial
17/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Vocabulário técnico.
 Documentação Técnica
 Conceito;
 Documentos técnicos aplicáveis à produção: tipos, características e finalidades;
 Tipos de informações;
 Formas de apresentação de dados e informações;
 Responsabilidades dos usuários.
 Pesquisa
 Bibliográfica; em publicações eletrônicas; de campo;
 Apresentação de resultados de pesquisas: Tema; Objetivo; Apresentação; Método
utilizado; Desenvolvimento e análise das informações; Síntese das informações; Citação;
Referências Bibliográficas (fontes de consulta).
 Informática
 Sistema operacional: Fundamentos e funções; Barras de ferramentas; Utilização de
Acessórios; Criação de diretórios; Pesquisa de arquivos e diretórios; Área de trabalho;
Criação de atalhos; Ferramentas de sistemas; Compactação de arquivos.
 Editor de Textos: Tipos; Formatação; Configuração de páginas; Importação de figuras e
objetos; Inserção de tabelas e gráficos; Arquivamentos; Controles de exibição; Correção
ortográfica e dicionário; Quebra de páginas; Recuos, tabulação, parágrafos,
espaçamentos e margens; Marcadores e numeradores; Bordas e sombreamento;
Colunas; Ferramentas de desenho.
 Planilhas Eletrônicas: Funções/finalidades; Linhas, colunas e endereços de células;
Formatação de células; Configuração de páginas; Inserção de Fórmulas; Classificação e
filtro de dados.
 Gráficos, quadros e tabelas: Finalidade; Organização; Representações gráficas;
Ferramentas computacionais.
 Internet: Normas de uso; Navegadores; Sites de busca; Download e gravação de
arquivos; Correio eletrônico; Direitos autorais (citação de fontes de consulta).
 Fundamentos da Matemática
 Lógica: Raciocínio lógico; Proposições; Valor lógico (falso / verdadeiro); Princípios: da
Identidade; da não contradição; de Terceiro Excluído.
 Sequências: Sequências de figuras; Sequências de palavras; Sequências de números.
 Conjuntos: Conceito; Propriedades; Representação; Conjuntos especiais; Operações
entre conjuntos: Interseção de conjuntos; União de conjuntos; Diferença de conjuntos;
Complementar de um conjunto.
 Frações: Conceito; Tipos de frações: Fração própria; Fração imprópria; Fração aparente;
Frações equivalentes (simplificar frações); Frações decimais; Adição e multiplicação de
frações.
 Razões: Conceito; Tipos (inversas, equivalentes, irredutível, ...); Propriedades.
 Proporções: Conceito; Tipos (múltipla, contínua, terceira proporcional, quarta
proporcional, grandezas diretamente proporcionais, grandezas inversamente
proporcionais, ...).

PC_AIB - Eletricista Industrial


18/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Percentagem: Conceitos gerais (desconto, abatimento, lucro e prejuízo); Razão
percentual (conceito); Representação (forma, percentual, forma fracionária, forma
decimal).
 Correlação: Conceito; Aplicação.
 Técnicas de Resolução de Problemas: Sequência de passos: Detalhar as variáveis do
problema; Encontrar possíveis soluções; Escolher a solução adequada; Executar a
solução escolhida; Revisar e atualizar os dados.
 Diversidade Cultural
 Formação do Povo Brasileiro: Colonizadores (Europeus); Primitivos – (Índios); Escravos
(Africanos); Imigrantes (Italianos, Japoneses, Alemães, Poloneses, Árabes, entre outros).
 Diversidade Cultural: Tipos de culturas (Africana, indígena, popular, brasileira, ...);
Diferenças culturais (linguagem, vestimenta, culinária, religião, arte, dança, tradições,...).
 Cultura e Trabalho: História e a cultura do trabalho no Brasil; A relação da cultura local
com a organização do trabalho.
 Organização, Planejamento e Controle
 Conceitos de organização e disciplina no trabalho: Organização do Tempo;
Organização de Compromissos; Organização de Atividades; A organização do local de
trabalho.
 Planejamento: Conceito de planejamento; Organização pessoal: horários, hábitos,
rotinas, tempo, orçamento, ...; Técnicas e ferramentas de planejamento.
 Trabalho em Equipe: Conceitos de grupo, equipe e time; Trabalho em grupo; O
relacionamento com os colegas de equipe; Responsabilidades individuais e coletivas;
Cooperação; Divisão de papéis e responsabilidades; Compromisso com objetivos e
metas.
 Segurança
 Segurança no Trabalho: Acidentes de trabalho (conceitos, tipos e características);
Agentes agressores à saúde (físicos, químicos e biológicos); Equipamentos de proteção
individual e coletiva (tipos e funções); Normas básicas de segurança.
 Orientações de prevenção de acidentes: Mapa de riscos (Finalidades); Inspeções de
segurança; Sinalizações de segurança; Prevenção e combate a incêndio (Conceito e
importância de PPCI); PPRA: (Conceito, finalidades).
 Ética
 Código de conduta;
 Respeito às individualidades pessoais;
 Ética nas relações interpessoais;
 Ética nos relacionamentos profissionais;
 Ética no desenvolvimento das atividades profissionais.
 Habilidades básicas do relacionamento interpessoal: Respeito; Cordialidade; Disciplina;
Empatia; Responsabilidade; Comunicação; Cooperação.
 Autoempreendedorismo
 Iniciativa: Conceito; Importância, valor no trabalho; Formas de demonstrar iniciativa;
Consequências favoráveis e desfavoráveis da iniciativa no trabalho.

PC_AIB - Eletricista Industrial


19/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Formas alternativas de geração de trabalho e renda: Política Nacional da Juventude
(diretrizes e perspectivas); Programas de geração de renda (Pró-jovem, Aprendizagem
profissional, estágios profissionalizantes, capacitações, ...).
 Direitos Humanos: Conceito; Declaração universal dos direitos humanos; Código de direitos
humanos (conceito, aplicação); Violência (com origem no assédio e discriminação); Estatuto
de igualdade racial (diferença entre raça e etnia e suas peculiaridades); Estatuto do idoso.
 O homem como ser social: Direitos e deveres.
 Direitos do Trabalhador:
 Noções de direitos trabalhistas: Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) (Conceito).
 Contrato individual de trabalho: Conceito; Elementos (agente capaz, objeto lícito e
forma prescrita ou não defesa, ou seja não proibida em lei); Salário (piso salarial, salário-
maternidade, salário família, ...); Licença paternidade; Fundo de Garantia por Tempo de
Serviço (FGTS).
 Jornada de Trabalho: Limitação do tempo de trabalho; Constituição / CLT; Horas extras;
Trabalho noturno; Repouso semanal; Férias remuneradas, coletivas, ...).
 Sujeitos do contrato: Empregado (em domicílio, aprendiz, doméstico, rural, público, mãe
social, estagiário, ...); Empregador.
 Dissolução do contrato de trabalho (Resilição, Resolução, Rescisão,...).
 Aviso Prévio: Conceito; Legislação; ...
 Álcool, tabaco e outras drogas: Características; Principais efeitos maléficos sobre a saúde
das pessoas.
 Sistema tributário Brasileiro: O que é?; Finalidades; Importância; Esferas administrativas
de arrecadação; Tributos federais; Tributos Estaduais; Tributos Municipais; Sistemas de
arrecadação: formas e responsabilidades; Aplicação de tributos.

4.6. MÓDULO ESPECÍFICO I – 200 horas

Ao final do Módulo Específico I, o aluno terá desenvolvido as competências para:

 Montar painéis elétricos industriais, considerando as seguintes etapas: Preparar os


materiais e ferramentas requeridos para a montagem; Realizar a montagem de quadros
de comandos industriais.

Competências Associadas:
 Apresentar comportamento ético nas relações interpessoais e no desenvolvimento das
atividades sob a sua responsabilidade.
 Demonstrar espírito colaborativo em atividades coletivas.
 Reconhecer situações de risco à saúde e segurança do trabalhador e as diferentes formas
de proteção a esses riscos.
 Aplicar os princípios de organização nas atividades sob a sua responsabilidade.
 Reconhecer a iniciativa como característica fundamental e requisito de um bom profissional.
 Reconhecer a pesquisa como fonte de inovação e formação de um espírito empreendedor.
 Integrar os princípios da qualidade às atividades sob a sua responsabilidade.

PC_AIB - Eletricista Industrial


20/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
O Módulo Específico I – é composto pela unidade curricular de “Montagem de Painéis
Elétricos Industriais”, propiciando o desenvolvimento das competências específicas do módulo.

UNIDADE CURRICULAR: MONTAGEM DE PAINÉIS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

Montagem de Painéis Elétricos Industriais é a unidade curricular que visa a


desenvolver as capacidades técnicas, sociais, organizativas e metodológicas requeridas
para a montagem de painéis elétricos industriais, considerando a preparação dos
componentes, a execução da montagem e o teste de funcionamento dos quadros de
comandos, atendendo os padrões técnicos e os requisitos de qualidade, saúde e
segurança e de meio ambiente.

Conhecimentos que subsidiam o desenvolvimento das Capacidades Técnicas


(Competências Técnicas):
 Desenho Técnico: Simbologia Elétrica; Diagrama Elétrico; Desenho de Painel Elétrico;
Projeto Elétrico e de Montagem.
 Qualidade e Meio Ambiente: Padronização de processo e produto; Reciclagem dos
Resíduos; Uso Racional dos Recursos Naturais.
 Interpretação de Documentação Técnica: Ordem de Serviço; Solicitação de Material;
Instrução de Trabalho; Relatório técnico.
 Eletrotécnica:
 Grandezas Elétricas: Corrente, Tensão, Resistência e Potência (Revisão);
 Materiais Condutores e Isolantes Elétricos em Painéis Elétricos;
 Circuitos Elétricos Série, Paralelo e Misto (Revisão);
 Sistema de Aterramento em Painéis Elétricos;
 Linhas Elétricas de Comando e Linhas Elétricas de Potência;
 Utilização de Normas, Catálogos Técnicos e Sites de Consulta;
 Instrumentos de Medida Elétrica: tipos, aplicação, operação e armazenagem;
 Instrumentos de Painel
 Instrumento Portátil
 Ferramentas: tipo, aplicação, operação, conservação e armazenagem.
 Manuais
 Elétricas
 Componentes Elétricos de Painéis:
 Condutores Elétricos: Tipo, Bitola e Capacidade;
 Quadro de Distribuição (QD) e Barramento Fase, Neutro e Proteção;
 Disjuntor Termomagnético. Disjuntor Diferencial Residual (DDR). Dispositivo de Proteção
contra Surtos (DPS);
 Relés Programáveis;
 Plugue e Tomada RJ 45 e RJ11;
 Cabo Coaxial, Cabo Interno e CAT5;
 Plugue e Tomadas Padrão Brasileiro;

PC_AIB - Eletricista Industrial


21/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Quadro de Comando (Painel Elétrico);
 Trilho e Conectores - DIN e SAK; Conectores de painel elétrico;
 Canaleta: tipos e aplicações.
 Botoeira com e sem Retenção;
 Sinalizador Luminoso e Sonoro;
 Fusível, Disjuntor Motor e Relé Térmico;
 Relés: Falta de Fase, Sequência de Fase e Temporizados;
 Contator: Força e Auxiliar;
 Sensores: Indutivo, Capacitivo e Temperatura;
 Chave Fim de Curso;
 CLP e Inversor de Frequência;
 Controlador de temperatura;
 Chave Comutadora Amperimétrica e Voltimétrica;
 Instrumento de Medida Elétrica de Painel: Voltímetro, Amperímetro e Frequencímetro;
 Máquinas Elétricas: tipos e aplicações
 Transformador Mono e Trifásico;
 Motor Mono e Trifásicos.
 Segurança na Montagem de Painéis Elétricos
 Riscos
 EPIs e EPCs: tipos, uso, limpeza e armazenamento.

Conhecimentos relacionados às Capacidades sociais, organizativas e metodológicas


(Competências de Gestão) e Portaria MTE nº 723/2012. (Obs.: Os conhecimentos a seguir
devem ser desenvolvidos de forma integrada e contextualizada, considerando a sua relação
com os fundamentos e/ou capacidades descritas nos anexos II e III deste Plano de Curso):
 Composição do Território Nacional:
 Região Nordeste: especificidades climáticas, econômicas, sociais e culturais;
 Região Norte: especificidades climáticas, econômicas, sociais e culturais;
 Região Centro-Oeste: especificidades climáticas, econômicas, sociais e culturais;
 Região Sudeste: especificidades climáticas, econômicas, sociais e culturais;
 Região Sul: especificidades climáticas, econômicas, sociais e culturais.
 Organização do trabalho: Estruturas hierárquicas; Sistemas administrativos; Gestão
organizacional.
 Trabalho em equipe:
 Comportamento e equipes de trabalho: O homem como ser social; O papel das normas
de convivência em grupos sociais; A influência do ambiente de trabalho no
comportamento; Fatores de satisfação no trabalho.
 Conflitos nas equipes de trabalho: Tipos; Características; Fatores internos e externos;
Causas; Consequências.
 Qualidade: Conceito; Aplicação; Qualidade Total (Conceito; Eficiência; Eficácia; Melhoria
Contínua); Ferramentas da Qualidade (5 S; Ciclo PDCA; Brainstorming)
 Qualidade Ambiental: Homem e o meio ambiente; Prevenção à poluição ambiental;
Aquecimento global; Descarte de resíduos; Reciclagem de resíduos; Uso racional de
Recursos e Energias disponíveis; Energias renováveis.
 Segurança no trabalho: Comportamento seguro; Qualidade de vida no trabalho: cuidados
com a saúde, administração de stress, ...

PC_AIB - Eletricista Industrial


22/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Ética: Código de ética profissional; Senso moral; Consciência moral; Cultura, história e
dilema; Cidadania; Comportamento social; Direitos e deveres individuais e coletivas; Valores
pessoais e universais; O impacto da falta de ética ao país: pirataria, impostos.
 Pesquisa: Tipos: bibliográfica, de campo, laboratorial, acadêmica; Características; Métodos;
Fontes; Estruturação; Anterioridade; Propriedade intelectual.
 Inovação: Conceito; Inovação x melhoria; Visão inovadora.
 Empreendedorismo: Conceitos básicos; Espírito empreendedor.
 Assédio e Discriminação:
 Efeitos psicológicos, sociais e legais; impactos no trabalho; políticas públicas de
prevenção.
 Saúde sexual:
 Respeito às individualidades da pessoa;
 Saúde sexual e reprodutiva: conceitos e implicações;
 Combate à violência sexual baseada em questões de gênero;
 Violência sexual: causas, consequências e implicações legais.
 Prevenção ao uso de drogas
 Programas de prevenção: Tipos; Importância; Funcionamento.
 Dependência Química: Tipos; Consequências; Tratamento.
 Direitos do Trabalhador
 Noções de direitos previdenciários.
 A previdência social: Organização (forma de regime geral, de caráter contributivo e de
filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial).
 Atendimento:
 I cobertura de eventos de doença, invalidez, morte e idade avançada;
 II proteção à maternidade, especialmente à gestante;
 III proteção ao trabalhador em situação de desemprego involuntário;
 IV salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos segurados de baixa
renda; e
 V pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e
dependentes.
 Legislação Previdenciária: Conteúdo (o campo de aplicação, a organização, o custeio e
as prestações); Fontes do direito previdenciário (fontes diretas ou imediatas e fontes
indiretas ou mediatas); Instituto Nacional de Seguro Social – INSS (conceito, objetivo).
 Cadastro Nacional de Informações Sociais – CNIS: Conceito; Aplicação.
 Educação fiscal:
 PNEF – Programa Nacional de Educação Fiscal (conceito e aplicação);
 Cidadania e sociedade (conceitos e aplicações);
 Prática cidadã e transformação social;
 Declaração de Imposto de Renda - restituição e pagamentos;
 Lei de responsabilidade fiscal.

PC_AIB - Eletricista Industrial


23/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
4.7. MÓDULO ESPECÍFICO II – 400 horas

Ao final do Módulo Específico II, o aluno terá desenvolvido as competências para:

 Realizar a instalação e a manutenção de sistemas elétricos industriais de baixa


tensão, considerando as seguintes etapas: Planejar os serviços de instalação; Instalar
infraestrutura para linhas elétricas industriais e linhas de sinais; Instalar sistemas
elétricos industriais; Efetuar a verificação final das instalações elétricas industriais;
Executar a manutenção de sistemas elétricos industriais de baixa tensão.

Competências Associadas:
 Posicionar-se com ética em relação a situações e contextos apresentados.
 Reconhecer os diferentes comportamentos das pessoas nos grupos e equipes.
 Reconhecer o papel do trabalhador no cumprimento das normas técnicas, ambientais, de
saúde e segurança.
 Aplicar os princípios de organização do trabalho estabelecidos no planejamento e no
exercício de suas atividades profissionais.
 Aplicar os aspectos de inovação em suas atividades profissionais.
 Identificar, diante das necessidades do cliente, as melhores técnicas de atendimento às suas
necessidades.
 Aplicar os princípios da Gestão da Qualidade nas suas rotinas de trabalho.
 Avaliar cenários com vistas à tomada de decisões dentro do âmbito de suas
responsabilidades.

O Módulo Específico II – é composto pelas unidades curriculares de “Instalação de


Sistemas Elétricos Industriais” e “Manutenção de Sistemas Elétricos Industriais”, propiciando o
desenvolvimento das competências específicas do módulo.

UNIDADE CURRICULAR: INSTALAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

Instalação de Sistemas Elétricos Industriais é a Unidade Curricular que propicia o


desenvolvimento das capacidades técnicas, sociais, organizativas e metodológicas
requeridas para a execução dos serviços de instalação de sistemas elétricos industriais
de baixa tensão, considerando o planejamento das atividades, a instalação de
infraestrutura para linhas elétricas e linhas de sinais e a instalação de equipamentos
elétricos industriais, atendendo os procedimentos e normas técnicas, de saúde,
segurança e meio ambiente.

Conhecimentos que subsidiam o desenvolvimento das Capacidades Técnicas


(Competências Técnicas):
 Eletrotécnica Básica
 Cargas indutivas e resistivas em corrente alternada.
 Potência em circuitos de corrente alternada: Ativa, reativa e aparente.

PC_AIB - Eletricista Industrial


24/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Conservação e racionalização de energia na eletricidade industrial.
 Fator de potência: Conceito; Legislação atual; Consequências de um baixo fator de
Potência; Causas do baixo fator de potência; Vantagens.
 Princípios de funcionamento do gerador trifásico.
 Sistemas de distribuição de energia elétrica: normas, isolação e aterramento.
 Retificação da corrente alternada: meia-onda, onda completa, trifásica.
 Conceitos de inversão de corrente elétrica.
 Interpretação de Ordem de Serviço: Fluxo; Autorizações; Tipo de Serviço; Prioridades;
Tempo de Execução; Preenchimento; Sistema de Arquivamento.
 Interpretação de Projeto de Sistemas Elétricos Industriais: Diagramas; Memoriais
Descritivos; Simbologias e Legendas; Controle de Revisões.
 Desenho elétrico Industrial: Normas para desenho elétrico; Simbologia; Diagramas de
comando e força de circuitos elétricos industriais; Diagrama elétrico de alimentação de
equipamentos industriais.
 Segurança
 Procedimentos de segurança em instalações elétricas industriais
 Choque elétrico: efeitos; fatores determinantes da gravidade do choque elétrico.
 Equipamentos elétricos industriais e medidas de proteção.
 Segurança nas proximidades de redes elétricas energizadas.
 Equipamentos de proteção individual e coletiva (EPIs e EPCs).
 Condições para instalação de sistemas elétricos
 Obstáculos em estruturas de instalação (máquinas, veículos, esteiras, sistemas
hidráulicos, sistemas automatizados, gás, vigas, colunas, ...)
 Estruturas industriais (galerias, instalações suspensas, passarelas,...)
 Efeitos das condições ambientais nas instalações elétricas industriais: Temperatura;
Umidade; Maresia; Altitude; Ventilação; Pressão.
 Cronograma: Definição das etapas de trabalho - Fase de Execução; Previsão de Tempo;
Pontos críticos.
 Previsão de recursos: Listas de Materiais; Lista de Ferramentas, Máquinas, Equipamentos
e Instrumentos; Lista de EPIs e EPCs.
 Orçamentos: Mão de obra; Materiais; Fornecedores; Serviços Terceirizados; Locação de
equipamentos.
 Materiais
 Condutores elétricos: bitola e capacidade de condução; tipos e aplicações;
dimensionamento e cálculo de demanda;
 Acionadores e acessórios: botoeiras, chaves fim de curso, alavancas, sensores.
 Sinalizadores e acessórios: óticos e sonoros.
 Dispositivos de manobra e acessórios: contatores de potência, relés de interface;
contatores auxiliares; relés de estado sólido e chaves manuais.
 Dispositivos de proteção e acessórios: fusíveis, disjuntores, disjuntor-motor, relé
térmico de sobrecarga, relé falta de fase, relé sequência de fase.
 Tomadas, conectores e plugues industriais;
 Quadro de comandos e acessórios: canaletas, trilhos, identificadores, exaustores,
filtros de ar, prensa-cabos, terminais, etc.

PC_AIB - Eletricista Industrial


25/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Máquinas elétricas (características e funcionamento): motor de gaiola de esquilo,
motor com rotor bobinado, motor múltiplas velocidades, motor dahlander, motores
trifásicos 3, 6, 9 e 12 terminais e motores de corrente contínua; transformadores e
autotransformadores trifásicos.
 Dispositivos Retificadores: ponte retificadora; diodo retificador; fonte chaveada;
 Máquinas e Ferramentas: Tipos, características, aplicações, técnicas e recomendações de
uso.
 Instrumentos de medição de grandezas elétricas: Tipos (Transformadores de Corrente –
TC; Transformadores de Potência - TP), características, aplicações e recomendações de
uso;
 Comissionamento: Isolação elétrica; Corrente elétrica; Tensão de Fase; Tensão de Linha;
Continuidade de Aterramento; Testes de Funcionamento.
 Esquemas de ligação de motores:
 Partida direta de motor trifásico sem e com reversão comandados por chaves manuais;
 Partida direta de motor trifásico sem e com reversão comandados por chave magnética;
 Partida indireta de motor trifásico sem e com reversão comandados por chave magnética
estrela/triângulo;
 Partida indireta de motor trifásico sem e com reversão comandados por chave magnética
compensada;
 Partida indireta de motor trifásico sem e com reversão comandados por chave magnética
série/paralelo;
 Partida consecutiva e em sequência de motores trifásicos sem e com reversão
comandados por chave magnética;
 Frenagem eletromagnética de motores elétricos, por contra corrente e por injeção de
corrente contínua;
 Partida suave (soft start) e variação eletrônica de frequência (inversor de frequência);
 Acionamento de motores de corrente contínua.
 Controlador Programável de Acionamento de Motor.
 Normas e Regulamentações: conceitos e aplicações
 NBR-5410: instalações elétricas de baixa tensão.
 Regulamento das Instalações Consumidoras de Baixa Tensão.
 NR 10: segurança em instalações e serviços em eletricidade.
 NR 35: trabalho em altura.
 NR 33: segurança e saúde em trabalhos em espaços confinados.
 NR 12: segurança no trabalho em máquinas e equipamentos.
 NR 25: resíduos industriais.
 NR 26: sinalização de segurança.
 Outras Normas pertinentes, conforme o contexto de aplicação.
 Catálogos, Manuais e Sites de Fabricantes (nacionais e internacionais)
 Interpretação de informações e Códigos;
 Especificações técnicas;
 Ligações elétricas;
 Características construtivas e de montagem mecânica;
 Parametrização;
 Terminologia técnica;
 Tradução de termos técnicos (AC, DC, VDC, Ground, Normal-Open, Normal-Closed,
ON/OFF, True RMS, cores,…).

PC_AIB - Eletricista Industrial


26/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
Conhecimentos relacionados às Capacidades sociais, organizativas e metodológicas
(Competências de Gestão) e Portaria MTE nº 723/2012. (Obs.: Os conhecimentos a seguir
devem ser desenvolvidos de forma integrada e contextualizada, considerando a sua relação
com os fundamentos e/ou capacidades descritas nos anexos II e III deste Plano de Curso):

 Características da área ocupacional (Eletricidade Industrial) na sua região: Demandas


de trabalhadores; Perfil profissional da ocupação; Oportunidades de ascensão profissional, ...
 Trabalho e profissionalismo: Administração do tempo; Autonomia e iniciativa; Inovação,
flexibilidade e tecnologia.
 Diretrizes empresariais: Missão; Visão; Política da Qualidade.
 Segurança no Trabalho: Procedimentos de segurança no trabalho; Normas de Segurança
do Trabalho (Regulamentadoras, OHSAS 18001 – conceitos e aplicações).
 Saúde ocupacional: Conceito; Exposição ao risco.
 Meio ambiente e sustentabilidade: Responsabilidades socioambientais; Políticas públicas
ambientais; A indústria e o meio ambiente.
 Desenvolvimento profissional: Planejamento Profissional - ascensão profissional,
formação profissional, investimento educacional; Empregabilidade.
 Empreendedorismo: Etapas da constituição de um negócio; Órgãos de fomento.
 Autoempreendedorismo: Características empreendedoras; Atitudes empreendedoras;
Autorresponsabilidade e empreendedorismo; A construção da missão pessoal; Valores do
empreendedor: Persistência e Comprometimento; Persuasão e rede de contatos;
Independência e autoconfiança; Cooperação como ferramenta de desenvolvimento.
 Saúde e Segurança no Trabalho: Prevenção; Higiene (bucal, pessoal, dos alimentos, da
água); Vacinas (tipos e aplicações).
 Saúde ocupacional: Conceito; Exposição ao risco.
 Segurança no Trabalho: Conceito; Procedimentos de segurança no trabalho; Normas de
Segurança do Trabalho (Regulamentadoras, OHSAS 18001 – conceitos e aplicações);
Comportamento seguro; Qualidade de vida no trabalho: cuidados com a saúde,
administração de stress, ...; Acidentes de trabalho: conceitos, tipos e características; Agentes
agressores à saúde: físicos, químicos e biológicos; Equipamentos de proteção individual e
coletiva: tipos e funções; Normas básicas de segurança.
 Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA: Conceito (Estatuto, criança, adolescente);
Características do ECA.
 Conselho Tutelar: Constituição; Atribuições.
 Medidas aplicadas ao adolescente na prática do ato infracional pela autoridade
competente: Advertência; Obrigação de reparar o dano; Prestação de serviços à
comunidade; Liberdade assistida; Inserção em regime de semiliberdade; Internação em
estabelecimento educacional.
 Políticas de Segurança: Fatores de risco (vulnerabilidade, maus tratos , discriminação,...);
Segurança pública (políticas, participação e responsabilidades); Plano Nacional de
Segurança Pública (PNSP – Pressupostos básicos).

PC_AIB - Eletricista Industrial


27/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
UNIDADE CURRICULAR: MANUTENÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

Manutenção de Sistemas Elétricos Industriais é a unidade curricular propicia o


desenvolvimento das capacidades técnicas, sociais, organizativas e metodológicas requeridas
para a realização dos serviços de manutenção programada e não programada de sistemas
elétricos industriais de baixa tensão, considerando os procedimentos e normas técnicas, de
saúde, segurança e meio ambiente.

Conhecimentos que subsidiam o desenvolvimento das Capacidades Técnicas


(Competências Técnicas):
 Manutenção elétrica
 Tipos de manutenção: Programadas e Não programadas;
 Estrutura organizacional do setor de Manutenção: Hierarquia; Layout; Equipamentos;
Organização; Áreas de responsabilidade; Documentação e Registros da manutenção.
 Instrumentos de controle e acompanhamento da manutenção;
 Planejamento da manutenção: Elaboração de planos de Manutenção Corretiva,
Preventiva e Preditiva.
 Softwares aplicados à manutenção.
 Planejamento operacional da manutenção
 Definição das etapas de trabalho:
 Fases de Execução;
 Previsão de Tempo;
 Previsão de recursos (Listas de Materiais, Ferramentas, EPIs e EPCs, Máquinas,
Equipamentos e Instrumentos);
 Necessidade de serviços terceirizados.
 Manutenção de máquinas elétricas
 Transformadores e autotransformadores monofásicos e trifásicos: Princípio de
funcionamento; Características elétricas e construtivas; Noções de rebobinagem;
Relação de transformação; Esquemas elétricos de transformadores; Identificação de
terminais.
 Manutenção de Transformadores e autotransformadores elétricos: Ensaios
elétricos; Causas de avaria; Limpeza; Ventilação; Procedimentos de desmontagem e
montagem.
 Motores elétricos: Princípios básicos de funcionamento; Tipos; Características elétricas
e construtivas; Identificação de terminais; Leitura e interpretação dos dados de placa.
 Manutenção de motores elétricos trifásicos: Ensaios elétricos; Causas de avaria;
Limpeza; Ventilação; Rotor tipo gaiola; Procedimentos de desmontagem e montagem;
Fixação do motor; Regulagem de freio; Cuidados de armazenagem e instalação (base,
alinhamento, ventilação), proteções/acessórios; Anomalias mais comuns nas instalações
elétricas de motores.
 Geradores: Regulador de tensão (conceito, princípios de funcionamento, etc.); Diodos
(tipos e características); Esquemas de ligações; Paralelismo e sincronismo (tipos e
características); Proteções mais comuns em geradores.
 Mecânica Básica
 Machos, cossinetes e desandadores: características, aplicações;
 Polias e correias: Plana, em "V", dentada e alinhamento;
 Esmeril: tipos de rebolo e aplicação;
PC_AIB - Eletricista Industrial
28/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Chavetas: função e tipos;
 Rolamentos: Tipos, características e aplicações;
 Lubrificação: finalidades;
 Acoplamentos e embreagem: características e aplicações;
 Instrumentos de medição: paquímetro;
 Vibrações em máquinas elétricas.
 Desenho mecânico: Perspectivas, projeção ortogonal, detalhes, conjuntos e vista explodida.
 Análise e solução de problemas em sistemas elétricos.
 Diagnóstico: Consulta a históricos de manutenção; Identificação do problema.
 Alternativas de solução;
 Seleção e aplicação de soluções;
 Avaliação dos resultados.
 Utilização de instrumentos de medidas;
 Fluxograma de processo de manutenção.
 Manutenção de Sistemas Elétricos: Manutenção de circuitos elétricos industriais;
 Instrumentos e Equipamentos de Diagnóstico empregados na manutenção industrial:
Tipos, funcionamento, ligação, leitura de variáveis, escalas e categorias.
 Normas e Regulamentações: conceitos e aplicações
 NBR-5462: confiabilidade e mantenabilidade.
 Outras Normas pertinentes, conforme o contexto de aplicação.
 Catálogos, Manuais e Sites de Fabricantes (nacionais e internacionais)
 Interpretação de informações;
 Códigos;
 Especificações técnicas;
 Ligações elétricas;
 Características construtivas e de montagem mecânica;
 Parametrização;
 Terminologia técnica;
 Tradução de termos técnicos (AC, DC, VDC, Ground, Normal-Open, Normal-Closed,
ON/OFF, True RMS, cores,…).
 Manutenção e falhas.

Conhecimentos relacionados às Capacidades sociais, organizativas e metodológicas


(Competências de Gestão) e Portaria MTE nº 723/2012. (Obs.: Os conhecimentos a seguir
devem ser desenvolvidos de forma integrada e contextualizada, considerando a sua relação
com os fundamentos e/ou capacidades descritas nos anexos II e III deste Plano de Curso):
 Ferramentas da Qualidade: Análise e Solução de Problemas; Diagrama de Pareto; Espinha
de Peixe.
 Trabalho em equipe
 Níveis de autonomia nas equipes de trabalho;
 Cooperação;
 Ajustes interpessoais.

 Controle emocional no trabalho: Perceber e expressar emoções no trabalho; Fatores


internos e externos que influenciam as emoções no trabalho.
 Organograma
PC_AIB - Eletricista Industrial
29/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 A relação com o líder: Estilos de liderança: democrático, centralizador e liberal; Papéis do
líder; Como apresentar críticas e sugestões.
 Ética profissional.
 Virtudes profissionais - conceitos e valor: Responsabilidade; Iniciativa; Honestidade;
Sigilo; Prudência; Perseverança; Imparcialidade.
 Credo religioso – Conceitos básicos: Religiões; Seitas, ....
 Opinião política: Conceito; Liberdade de opinião, ....
 Educação Sexual: Promoção da educação sexual; Promoção dos cuidados de saúde
perinatais; DSTs e AIDs; Direito de escolha (contracepção); Direito de respeito (identidade
sexual).
 Dependência Química x Trabalho: Impactos no desempenho profissional; Exposição a
riscos; Impactos na vida pessoal, familiar, profissional e social.
 Educação Financeira: Educação financeira pessoal / familiar (conceito); Tomada de
decisões; Consumo: necessidades básicas, apelos comerciais, criação de necessidades,
....); Marketing e Mídia (instrumentos de consumo).

5. INDICAÇÕES E ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS

O desenvolvimento de competências considera a adoção de metodologia centrada no


sujeito que aprende, criando condições e situações desafiadoras para que ele construa o seu
próprio conhecimento na interação com o meio, através de experiências concretas, numa
relação teoria e prática que permite ao aluno apropriar-se não só do conteúdo, mas, a partir
dele, Aprender a Aprender:
 Aprender baseando-se em hipóteses, a partir do questionamento de suas
necessidades reais;
 Aprender para melhorar seu ambiente, suas condições de vida, suas relações sociais,
portanto, um ensino crítico e criativo da realidade.
Nessa perspectiva, as Metodologias adotadas privilegiam a contextualização do
conhecimento, através da integração entre teoria e a prática, e o desenvolvimento de
competências, favorecendo a capacidade de construção e gestão do conhecimento, o
autodesenvolvimento contínuo e a incorporação consciente e crítica da ética das relações
humanas.
A possibilidade de integrar teoria e prática proporciona ao aluno vivenciar situações e
experiências reais, similares ao ambiente empresarial, possibilitando a aplicação dos
conhecimentos que estão sendo construídos ao longo do curso, constituindo-se em verdadeira
prática profissional orientada pelos docentes.
O desenvolvimento de competências pressupõe a utilização de diferentes metodologias
de ensino (considerando que cada aluno tem a sua forma de aprender) e diferentes ambientes
de aprendizagem (como laboratórios, bibliotecas, espaços da comunidade e das empresas,
ambientes naturais, todos considerando o mundo do trabalho e o contexto sociocultural).
O Plano de trabalho dos docentes é realizado através de planejamento integrado, em
sintonia com a organização e o sistema de avaliação do presente Plano de Curso, de modo a
atender as exigências de relacionamento, ordenação e integração entre as Unidades
Curriculares.

PC_AIB - Eletricista Industrial


30/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
O planejamento integrado dos docentes se estrutura a partir de projetos
interdisciplinares, operacionalizados através de Situações de Aprendizagem, que possuem
características problematizadoras e contextualizadas, desafiando os alunos a mobilizarem
diferentes capacidades, conhecimentos, habilidades e atitudes, na busca dos resultados
esperados. As Situações de Aprendizagem são apresentadas com dificuldades crescentes,
culminando com o desenvolvimento conjunto das competências estabelecidas no perfil
profissional de conclusão.
Através de uma Situação de Aprendizagem, o docente tem a possibilidade de fazer
circular o máximo de informações e explorar diferentes estratégias de ensino, como
desenvolvimento de projetos, estudos de caso, pesquisas e gestão de situações-problema.
As estratégias de ensino têm caráter mobilizador e integrador de saberes, uma vez que
seus eixos organizadores são as competências específicas (capacidades técnicas) e de gestão
(sociais, organizativas e metodológicas) que, inseridas em um contexto desafiador e
significativo, despertam o interesse do aluno e estimulam a sua participação nas vivências
coletivas e nas aprendizagens profissionais significativas. Os educandos, através das
estratégias de ensino utilizadas, são desafiados a colocarem em ação tudo o que sabem e
pensam e a solucionarem problemas e a tomarem decisões em relação aos desafios propostos.
A Escola pode desenvolver atividades não presenciais de até 20% da carga horária do
curso por intermédio da utilização de Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), sendo os alunos
atendidos, nessas atividades, por docentes ou tutores.
As atividades não presenciais são disponibilizadas no AVA, podendo ser exibidas por
intermédio de mídias, como textos, imagens, vídeos, simulações, animações, dentre outras. As
atividades não presenciais propostas articulam teoria e pratica, proporcionando a mobilização
dos conhecimentos e das habilidades requeridas para a solução dos desafios propostos.
O desenvolvimento das atividades presenciais e das atividades não presenciais segue
os princípios da Metodologia SENAI de Educação Profissional, que se alicerça nos princípios da
aprendizagem mediada, a interdisciplinaridade, a contextualização, o desenvolvimento de
capacidades que sustentam competências, a ênfase no aprender a aprender, a aproximação da
formação ao mundo real, ao trabalho e às práticas sociais, a integração entre teoria e prática, o
incentivo ao pensamento criativo e à inovação, a avaliação da aprendizagem com função
diagnóstica e formativa, e a afetividade como condição para a aprendizagem significativa.

6. PRÁTICA PROFISSIONAL NA EMPRESA

A Prática Profissional na Empresa é desenvolvida em conformidade com as indicações


da “IT GEPTEC/9 – PRÁTICA PROFISSIONAL NA EMPRESA” do SENAI-RS.
A Prática Profissional na Empresa é desenvolvida como atividade opcional, de livre
escolha do educando e/ou da empresa. Tem por objetivos propiciar experiência prática
complementar, a preparação para o trabalho produtivo e favorecer a aprendizagem de
competências próprias das atividades profissionais e o desenvolvimento para a vida cidadã.
A carga horária da Prática Educativa na Empresa é independente da carga horária
obrigatória do curso. No entanto, os alunos que participam do programa terão a carga horária e
a participação referenciados no Certificado de Conclusão de Curso.
Os alunos matriculados no curso podem realizar a Prática Profissional na Empresa,
desde que observem os requisitos e critérios estabelecidos na legislação vigente, na IT
GEPTEC/9 do SENAI-RS e no Termo de Compromisso celebrado com a Empresa.

PC_AIB - Eletricista Industrial


31/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
7. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS

O aproveitamento de estudos pode ser realizado:


a) Considerando-se os módulos cursados pelo aluno no próprio itinerário;
b) Considerando-se estudos realizados em cursos afins.
As normas para o aproveitamento de estudos estão estabelecidas em procedimento
específico.

8. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

Sendo o desenho curricular estruturado com base nas competências do perfil


profissional, a avaliação também é concebida de forma adequada à abordagem de
competências.
Dessa forma, implementamos uma avaliação de competências essencialmente
qualitativa, transparente e participativa, envolvendo alunos e docentes. É um processo contínuo
e cooperativo de coleta de evidências centrada no sujeito e na qualidade de seu desempenho,
tendo por referência as competências definidas no perfil profissional.
A avaliação de competências tem como foco a mobilização das distintas competências
em contextos reais ou simulados, indo além da aprendizagem de tarefas isoladas.
A abrangência da avaliação compreende os seguintes critérios:
­ A verificação do desenvolvimento de habilidades dos alunos, atributos relacionados
ao saber-fazer: aos saberes (domínio cognitivo, conjunto de conhecimentos
necessários), ao saber ser (atitudes/qualidades pessoais) e ao saber agir (práticas no
trabalho);
­ O acompanhamento no desenvolvimento de atitudes/qualidades pessoais
(comportamentos e valores demonstrados no contexto de trabalho, para alcançar o
desempenho descrito);
­ O acompanhamento do aluno conscientizando-o de seus avanços e dificuldades
(verificação da aprendizagem, mediante instrumentos diversificados e apoio com
atividades de forma simultânea e integrada ao processo de ensino e aprendizagem);
­ A verificação das competências desenvolvidas, entendida como a mobilização de
conhecimentos, de habilidades e de atitudes necessários para solução de problemas
e desempenho de atividades.
Na avaliação realizada ao longo do processo, os docentes têm sempre presente a
relação entre as Unidades Curriculares e o perfil profissional, mantendo o foco no
desenvolvimento de competências. Desta forma, utilizam os mais diversos instrumentos para a
avaliação do aluno, tais como, trabalhos individuais e em grupo, pesquisas, desenvolvimento de
projetos, autoavaliação, estratégias de simulações reais de trabalho, lista de verificação,
“Check-list”, “portfólio”, provas, ou outras formas que considerem eficientes e eficazes para
verificar e acompanhar o processo de aprendizagem.

PC_AIB - Eletricista Industrial


32/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
Para estabelecer o processo de coleta de evidências para cada Situação de
Aprendizagem desenvolvida, os docentes definem os resultados parciais esperados, os
indicadores e os critérios de avaliação.
O acompanhamento da aprendizagem do aluno é realizado durante o desenvolvimento
das Situações de Aprendizagem, considerando-se o resultado obtido para as atividades
propostas.
Para os alunos que apresentarem dificuldades de aprendizagem, são disponibilizadas
atividades de reforço, de forma simultânea e integrada ao desenvolvimento da Situação de
Aprendizagem.
Para o registro final da avaliação do aluno é expresso através do conceito A (Apto),
quando o aluno desenvolveu, de forma suficiente, os fundamentos técnicos e científicos ou
capacidades técnicas, sociais, organizativas e metodológicas compreendidos na Situação de
Aprendizagem ou NA (Não-Apto), quando o aluno desenvolveu, de forma insuficiente, os
fundamentos técnicos e científicos ou capacidades técnicas, sociais, organizativas e
metodológicas desenvolvidos em Situação de Aprendizagem final de Módulo ou como única
Situação de Aprendizagem de Módulo.
Para a aprovação do aluno também é exigida a frequência mínima de 75% (setenta e
cinco por cento) do total da carga horária do Módulo/Unidade de Competência.
As orientações referentes ao planejamento dos docentes, instrumentos e registros das
avaliações parciais e finais do aluno constam em documento específico orientador da avaliação.

9. CERTIFICADOS

O Curso de Aprendizagem Industrial Básica de Eletricista Industrial possibilita ao aluno,


as seguintes certificações:

a) Qualificação Profissional de “Montador de Painéis Elétricos Industriais”


Composto pelo somatório dos Módulos Introdutório + Módulo Específico I – CERTIFICAÇÃO
INTERMEDIÁRIA.

b) Qualificação Profissional de “Eletricista Industrial”


Composto pelo somatório dos Módulos Introdutório + Módulo Específico I + Módulo
Específico II – CERTIFICAÇÃO COMPLETA

10. CONTROLE DE ELABORAÇÃO E/OU REVISÃO

Elaboração: 22/12/2016
1ª Revisão: ___/___/_____
2ª Revisão: ___/___/_____

PC_AIB - Eletricista Industrial


33/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
ANEXOS:

1. Perfil Profissional

2. Organização Interna das Unidades Curriculares

3. Portaria MTE nº 723/2012

PC_AIB - Eletricista Industrial


34/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
ANEXO I

PERFIL PROFISSIONAL

Qualificação Profissional: Eletricista Industrial


Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais
Área Tecnológica: Eletroeletrônica
Segmento Tecnológico: Eletroeletrônica
Educação Profissional: Formação Inicial (Aprendizagem Industrial Básica / Qualificação
profissional Básica)
Nível da Qualificação: 2
CBO: 7156-15

Competência Geral: Montar painéis elétricos e realizar a instalação e a manutenção de


sistemas elétricos industriais de baixa tensão, respeitando os procedimentos e normas técnicas,
de saúde, segurança e meio ambiente.

Relação das Unidades de Competência


Unidade de Competência 1: Montar painéis elétricos industriais, respeitando as normas
técnicas e os procedimentos de qualidade, saúde e segurança e
de meio ambiente.
Unidade de Competência 2: Realizar a instalação e a manutenção de sistemas elétricos
industriais de baixa tensão, respeitando as normas técnicas e
os procedimentos de qualidade, saúde e segurança e de meio
ambiente.

Unidade de Competência n.º 1:


Montar painéis elétricos industriais, respeitando as normas técnicas e os procedimentos de
qualidade, saúde e segurança e de meio ambiente.
Elementos de Competência Padrões de Desempenho
1.1 Preparar os materiais e 1.1.1 Considerando as indicações da ordem de serviço e
ferramentas requeridos demais documentos técnicos pertinentes;
para a montagem. 1.1.2 Identificando os componentes com base nas suas
especificações técnicas e aplicações;
1.1.3 Testando os componentes a serem montados com
referência nas funcionalidades requeridas pelo projeto;
1.1.4 Ajustando os condutores e demais componentes de
acordo com as especificações do projeto;
1.1.5 Codificando os condutores com referência nas
especificações do projeto;
1.1.6 Separando as ferramentas requeridas para a montagem
em questão.
1.2 Realizar a montagem de 1.2.1 Considerando as especificações do projeto;
quadros de comandos 1.2.2 Observando a sequência de montagem estabelecida na
industriais. instrução de trabalho/ordem de serviço;
1.2.3 Fixando os componentes na placa de montagem nas

PC_AIB - Eletricista Industrial


35/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
condições estabelecidas no projeto;
1.2.4 Fazendo a interligação de componentes por intermédio
de condutores conforme especificações do projeto;
1.2.5 Atendendo os requisitos ambientais e de segurança
aplicáveis à montagem;
1.2.6 Instalando a placa de montagem (chassi) no painel
elétrico (gabinete) e seus periféricos de acordo com as
especificações do projeto;
1.2.7 Testando o quadro de comando de acordo com as
especificações de funcionalidade e normas de
segurança;

Unidade de Competência n.º 2:


Realizar a instalação e a manutenção de sistemas elétricos industriais de baixa tensão,
respeitando as normas técnicas e os procedimentos de qualidade, saúde e segurança e de meio
ambiente.
Elementos de Competência Padrões de Desempenho
2.1 Planejar os serviços de 2.1.1 Considerando as indicações da ordem de serviço e as
instalação. especificações técnicas contidas no projeto (planta,
diagramas elétricos, memorial descritivo e/ou
detalhamento do projeto).
2.1.2 Considerando as condições de trabalho, a complexidade
e o tempo de execução determinado para o serviço.
2.1.3 Elaborando o cronograma de trabalho de acordo com a
sequência técnico-operacional e as normas aplicáveis à
ação.
2.1.4 Quantificando os materiais, máquinas, ferramentas,
instrumentos, equipamentos, EPIs e EPCs necessários
com base nas especificações técnicas do projeto.
2.1.5 Prevendo os testes requeridos pela natureza,
complexidade, adequação técnica e pressupostos de
segurança da instalação.
2.2 Instalar infraestrutura para 2.2.1 Considerando as especificações da ordem de serviço
linhas elétricas industriais e/ou do projeto.
e linhas de sinais. 2.2.2 Considerando as normas técnicas pertinentes.
2.2.3 Atendendo as normas ambientais e de segurança
aplicáveis ao processo.
2.2.4 Observando as recomendações dos fabricantes.
2.2.5 Utilizando as máquinas, ferramentas, instrumentos,
equipamentos e os materiais requeridos para o
processo.
2.3 Instalar sistemas elétricos 2.3.1 Considerando as especificações da ordem de serviço
industriais. e/ou do projeto.
2.3.2 Considerando as normas técnicas pertinentes e a
certificação compulsória dos produtos (INMETRO).
2.3.3 Atendendo as normas ambientais e de segurança
aplicáveis ao processo.
2.3.4 Observando as recomendações dos fabricantes.
2.3.5 Utilizando as máquinas, ferramentas, instrumentos,
equipamentos e os materiais requeridos para o
processo.
2.3.6 Respeitando as condições gerais da concessionária local

PC_AIB - Eletricista Industrial


36/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
quanto ao fornecimento de energia elétrica.
2.3.7 Respeitando a legislação local, quando houver.
2.3.8 Verificando a conformidade da infraestrutura e as
condições de funcionamento dos componentes e
equipamentos a serem instalados.
2.4 Efetuar a verificação final 2.4.1 Realizando o comissionamento e os testes de
das instalações elétricas funcionalidade necessários.
industriais. 2.4.2 Energizando o sistema com base nas normas de
segurança estabelecidas;
2.4.3 Parametrizando os equipamentos com base no projeto e
especificações do fabricante;
2.4.4 Conferindo o funcionamento das instalações.
2.4.5 Efetuando os registros e comunicações necessários.
2.4.6 Liberando as instalações e equipamentos para uso em
conformidade com as normas técnicas, de meio
ambiente e as regras e padrões locais.
2.4.7
2.5 Executar a manutenção de 2.5.1 Planejando os serviços em conformidade com o tipo, as
sistemas elétricos características e as indicações da ordem de serviço da
industriais de baixa manutenção a ser realizada;
tensão. 2.5.2 Considerando as informações do usuário;
2.5.3 Seguindo o plano de manutenção e as informações
técnicas contidas nos manuais dos fabricantes.
2.5.4 Considerando informações de históricos relativos a
manutenções anteriores.
2.5.5 Realizando os testes de funcionalidade necessários;
2.5.6 Substituindo os componentes necessários;
2.5.7 Realizando o comissionamento do sistema com
referência nos requisitos de funcionalidade do
equipamento;
2.5.8 Respeitando as normas técnicas, de segurança e meio
ambiente vigentes.
2.5.9 Documentando os serviços de manutenção realizados
com base no sistema de registros da empresa.
2.5.10 Liberando as instalações e equipamentos para uso em
conformidade com as normas técnicas, de meio
ambiente e as regras e padrões locais.
2.5.11 Sugerindo melhorias no sistema elétrico e/ou nos
processos de manutenção.

COMPETÊNCIAS DE GESTÃO
Capacidades sociais, organizativas e metodológicas:

­ Atuar em equipes de trabalho, comunicando-se profissionalmente, interagindo e


cooperando com os integrantes dos diferentes níveis hierárquicos da empresa.
­ Desenvolver o trabalho em conformidade com as diretrizes e procedimentos da empresa,
assegurando a qualidade técnica de produtos e serviços.
­ Apresentar, no planejamento e desenvolvimento das atividades profissionais, senso
crítico, atenção, disciplina, organização, comprometimento, precisão e zelo.
­ Tomar decisões no planejamento e na resolução de problemas relacionados às
atividades sob sua responsabilidade.

PC_AIB - Eletricista Industrial


37/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
­ Atuar profissionalmente, respeitando os princípios e procedimentos técnicos e de
qualidade, de saúde e segurança e de meio ambiente.
­ Ser ético na conduta pessoal e profissional.
­ Apresentar postura proativa e responsável, atualizando-se continuamente e adaptando-
se, com criatividade, às mudanças tecnológicas, organizativas, profissionais e
socioculturais que incidem nas suas atividades.

PC_AIB - Eletricista Industrial


38/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
ANEXO II

ORGANIZAÇÃO INTERNA DAS UNIDADES CURRICULARES

Módulo Introdutório

ORGANIZAÇÃO INTERNA DA UNIDADE CURRICULAR

MÓDULO INTRODUTÓRIO
Itinerário
ELETROLETRÔNICA
Formativo
Unidade
FUNDAMENTOS DA ELETRICIDADE
Curricular:
Carga Horária: 200 horas
ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO ELETRÔNICA
U.C. 1: Executar serviços de instalação e substituição de estruturas, componentes, acessórios e equipamentos elétricos residenciais
de baixa tensão.
U.C. 2: Realizar a instalação e a manutenção de sistemas elétricos prediais e comerciais de baixa tensão.
U.C. 3: Montar painéis elétricos industriais.
Unidades de U.C. 4: Realizar a instalação e a manutenção de sistemas elétricos industriais de baixa tensão.
Competência:
U.C. 5: Manter sistemas eletroeletrônicos.

ELETRICISTA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA


U.C. 1: Construir redes de distribuição de energia elétrica de média e baixa tensão e estruturas de iluminação pública.
U.C. 2: Manter redes de distribuição de energia elétrica de média e baixa tensão e estruturas de iluminação pública.

PC_AIB - Eletricista Industrial 39/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
U.C. 3: Realizar serviços técnicos comerciais em unidades consumidoras de energia.

ELETRÔNICO INDUSTRIAL
U.C. 1: Realizar a montagem, instalação e manutenção de circuitos eletrônicos analógicos.
U.C. 2: Realizar a montagem, instalação e manutenção de circuitos eletrônicos de Potência.
U.C. 3: Realizar a montagem, instalação e manutenção de circuitos eletrônicos digitais.
U.C. 4: Integrar sistemas eletrônicos analógicos, digitais e de potência.

MONTADOR DE EQUIPAMENTOS ELETROELETRÔNICOS


U.C. 1: Montar equipamentos eletroeletrônicos.

Iniciar o aluno da área eletroeletrônica, situando-o no contexto de atuação, familiarizando-o com as terminologias técnicas da área e
permitindo que desenvolva os fundamentos técnicos e científicos que são essenciais e que dão sustentação ao posterior
Objetivo Geral: desenvolvimento das competências técnicas específicas que caracterizam a atuação dos profissionais da área, especialmente quanto
à comunicação oral e escrita, informática, matemática, metrologia, desenho técnico, princípios da eletroeletrônica e normas e
procedimentos de qualidade, saúde e segurança e de meio ambiente.
CONTEÚDOS FORMATIVOS
FUNDAMENTOS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS
CONHECIMENTOS
(Recorrências)

CONTEXTUALIZAÇÃO 1. Introdução à área de eletroeletrônica


1.1 Ocupações relacionadas: características, campos de atuação,
 Reconhecer as diferentes trajetórias de formação e atuação responsabilidades profissionais (conforme Itinerário Formativo).
profissional na área eletroeletrônica, considerando ocupações, 1.2 Formação profissional relacionada: níveis e modalidades de
oportunidades de trabalho e geração de renda, ascensão profissional educação profissional.
e importância do profissional para a indústria e o desenvolvimento do 1.3 Empregabilidade: oportunidades de trabalho; exigências para a
País. empregabilidade; demandas da indústria e do segmento de
serviços;
1.4 Importância da eletroeletrônica para a indústria e para o
desenvolvimento do País.

PC_AIB - Eletricista Industrial 40/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
INFORMÁTICA 2. SISTEMA OPERACIONAL:
 Aplicar os princípios da informática na elaboração de textos, tabelas, 2.1 Fundamentos e funções;
apresentações e pesquisas. 2.2 Editor de Textos;
2.3 Planilhas Eletrônicas;
2.4 Gráficos, quadros e tabelas;
2.5 Organização de pastas de arquivos;
2.6 Internet.
2.7 Correio Eletrônico
MATEMÁTICA 3. Matemática:
 Efetuar operações matemáticas básicas aplicáveis à eletroeletrônica. 3.1 Operações matemáticas básicas: adição, subtração, multiplicação e
divisão com números naturais, decimais e fracionários;
3.2 Potenciação e radiciação;
3.3 Equação de 1° grau: Noções de equação, Resolução de equações,
Transformação de fórmulas;
3.4 Razões e proporções: Grandezas direta e inversamente
proporcionais:
3.5 Regra de três simples;
3.6 Porcentagem;
3.7 Ângulos: Conceito, medidas e operações com medidas de ângulos;
3.8 Relações trigonométricas do triângulo retângulo (aplicações do
teorema de Pitágoras; seno, cosseno e tangente).
3.9 Medida de Comprimento, Área e Volume;

4. Metrologia:
4.1 Medidas de comprimento: Unidade fundamental, múltiplos e
METROLOGIA
submúltiplos; Conversão de unidades;
 Reconhecer as unidades de medida de grandezas físicas aplicáveis a
4.2 Medidas de superfície: Unidade fundamental, múltiplos e
sistemas elétricos e suas formas de conversão; submúltiplos, Aplicações;
4.3 Medida de Perímetro: Unidade fundamental, múltiplos e
 Identificar os tipos, características e aplicações dos instrumentos
submúltiplos, Aplicações;
básicos utilizados na medição de grandezas elétricas e outras 4.4 Medidas de massa: Unidade fundamental, múltiplos e submúltiplo.
grandezas físicas relacionadas à área elétrica. 4.5 Instrumentos de medição: tipos, características, aplicações,
operação e armazenamento;

PC_AIB - Eletricista Industrial 41/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
DESENHO 5. Introdução ao Desenho Técnico:
5.1 Desenho técnico e desenho artístico;
 Reconhecer os elementos constitutivos de desenhos técnicos básicos
5.2 Materiais e instrumentos para desenho;
aplicáveis à eletroeletrônica. 5.3 Formato e dobradura de folhas;
5.4 Caligrafia técnica;
5.5 Linhas e traços;
5.6 Escalas;

6. Eletrotécnica Básica
FUNDAMENTOS DA ELETROELETRÔNICA
6.1 Matéria: conceito, estrutura, camada de valência;
 Reconhecer os princípios da eletricidade aplicáveis a sistemas
6.2 Grandezas elétricas: Corrente, Tensão, Resistência, Potência,
elétricos de diferentes naturezas; Frequência e seus Instrumentos de Medidas;
6.3 Efeitos da corrente elétrica: eletrolítico e térmico (efeito Joule);
 Reconhecer os princípios da análise de circuitos aplicáveis a sistemas 6.4 Resistividade: Materiais condutores, isolantes e resistivos;
elétricos e eletrônicos; 6.5 Circuitos elétricos: Série, paralelo e misto;
6.6 Leis de OHM;
6.7 Resistores, Associação de Resistores;
6.8 Fontes geradoras de corrente elétrica contínua e corrente elétrica
alternada;
6.9 Leis de Kirchoff;
6.10 Potência em corrente contínua;
6.11 Magnetismo e eletromagnetismo;
6.12 Indutores e Capacitores: conceitos e características;
6.13 Transformadores elétricos: conceitos e características;
6.14 Corrente elétrica alternada: frequência, período, amplitude.
6.15 Conceitos básicos de circuito em corrente alternada: Resistivo,
indutivo, capacitivo e impedância;
6.16 Conceitos básicos de potência em circuitos de corrente alternada:
Ativa, reativa e aparente;
6.17 Conservação e racionalização de energia;
6.18 Formas alternativas de geração de energia.
6.19 Conceitos de Fator de Potência;
6.20 Sistemas de distribuição de energia elétrica: normas, isolação e
aterramento;
6.21 Conceitos de retificação de corrente elétrica.
6.22 Motores Elétricos (conceitos Básicos):
PC_AIB - Eletricista Industrial 42/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
7. Ferramentas:
FERRAMENTAS 7.1 Ferramentas manuais para a instalação e manutenção de sistemas
 Reconhecer ferramentas empregadas em serviços de instalação e elétricos: tipos, características, aplicações, técnicas e
manutenção de sistemas elétricos e eletrônicos. recomendações de uso, conservação;

8. Qualidade:
QUALIDADE 8.1 Ferramentas da Qualidade (noções):
 Reconhecer princípios básicos de organização, limpeza em ambientes 8.2 5s;
de trabalho e qualidade de produtos e serviços. 8.3 Qualidade de produtos e serviços;

SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE 9. Saúde, Segurança e Meio Ambiente:


9.1 Choque elétrico: efeitos; fatores determinantes da gravidade do
 Identificar situações de risco presentes em intervenções humanas com
choque elétrico.
diferentes sistemas eletroeletrônicos, assim como as diferentes formas 9.2 Equipamentos elétricos e medidas de proteção
de proteção do trabalhador. 9.3 Equipamentos de Proteção Individual e Coletiva (EPIs e EPCs);
9.4 NRs aplicadas à Eletricidade (noções)
 Reconhecer os princípios de preservação ambiental aplicáveis a 9.5 Comissão interna de prevenção de acidentes – CIPA;
contextos de trabalho. 9.6 Grupo de educação em prevenção de acidentes – GEPA (Objetivos,
Constituição e Coordenação);
9.7 Destinação de Resíduos;
9.8 Qualidade de vida no trabalho.

Acessibilidade:
Serão asseguradas as condições de acessibilidade, reconhecendo a especificidade e a peculiaridade do aluno com deficiência, levando-se em conta a(s)
Norma(s) Regulamentadora(s) da ocupação, Lei nº 13.146/2015, o Decreto nº 3298/2009, a LDB nº 9394/96 e a legislação específica em vigência da
deficiência em questão, quando for o caso.
Portanto, no planejamento e na prática docente, deverão ser indicadas as condições e os pré-requisitos para o desenvolvimento das capacidades que
envolvam risco, asseguradas as adequações de grande e pequeno porte.

PORTARIA MTE 723/2012


Fundamentos Técnicos e Científicos CONHECIMENTOS
Temas
Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas.

Comunicação oral e  Elementos da comunicação: emissor, mensagem, canal e receptor;


 Empregar os princípios normativos básicos da Língua

PC_AIB - Eletricista Industrial 43/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
escrita, leitura e Portuguesa na comunicação oral e escrita.  Estrutura de frases e parágrafos;
compreensão de textos e  Produção textual: descrição, narração e dissertação;
 Interpretar ideias e informações contidas em textos
inclusão digital.  Gramática aplicada ao texto;
informativos, técnicos e literários.  Técnicas de argumentação;
 Reconhecer a estrutura e os padrões dos diferentes tipos  Leitura e Interpretação de texto: informativos (jornalísticos e técnicos);
de documentos técnicos e de correspondência oficial, literários.
 Produção de texto: relatórios, atas, cartas comerciais;
assim como a sua finalidade no contexto do mundo do
 Técnicas de resumo;
trabalho.
 Vocabulário técnico.
 Aplicar diferentes metodologias de pesquisa como forma
de ampliar a capacidade comunicativa e de se apropriar  Documentação Técnica
de novos conhecimentos.  Conceito;
 Documentos técnicos aplicáveis à produção: tipos, características e
finalidades;
 Tipos de informações;
 Formas de apresentação de dados e informações;
 Responsabilidades dos usuários.

 Pesquisa
 Bibliográfica; em publicações eletrônicas; de campo;
 Apresentação de resultados de pesquisas: Tema; Objetivo;
Apresentação; Método utilizado; Desenvolvimento e análise das
informações; Síntese das informações; Citação; Referências
Bibliográficas (fontes de consulta).
 Sistema operacional:
 Reconhecer a organização e os princípios de
 Fundamentos e funções;
funcionamento do Sistema Operacional.
 Barras de ferramentas;
 Aplicar os princípios e recursos da informática básica na  Utilização de Acessórios;
elaboração de textos.  Criação de diretórios;
 Pesquisa de arquivos e diretórios;
 Aplicar os princípios e recursos da informática básica na  Área de trabalho;
elaboração de planilhas eletrônicas.  Criação de atalhos;
 Ferramentas de sistemas;
 Aplicar os recursos computacionais na elaboração de
 Compactação de arquivos.
gráficos, quadros e tabelas.
 Pesquisar dados e informações em sites de busca.  Editor de Textos
 Tipos;
 Formatação;
 Configuração de páginas;
PC_AIB - Eletricista Industrial 44/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Importação de figuras e objetos;
 Inserção de tabelas e gráficos;
 Arquivamentos;
 Controles de exibição;
 Correção ortográfica e dicionário;
 Quebra de páginas;
 Recuos, tabulação, parágrafos, espaçamentos e margens;
 Marcadores e numeradores;
 Bordas e sombreamento;
 Colunas;
 Ferramentas de desenho.

 Planilhas Eletrônicas
 Funções/finalidades;
 Linhas, colunas e endereços de células;
 Formatação de células;
 Configuração de páginas;
 Inserção de Fórmulas;
 Classificação e filtro de dados.

 Gráficos, quadros e tabelas


 Finalidade;
 Organização;
 Representações gráficas;
 Ferramentas computacionais.

 Internet
 Normas de uso;
 Navegadores;
 Sites de busca;
 Download e gravação de arquivos;
 Correio eletrônico;
 Direitos autorais (citação de fontes de consulta).

Raciocínio lógico-  Lógica


 Reconhecer diferentes estruturas lógicas e a sua
matemático, noções de  Fundamentos básicos: Raciocínio lógico; Proposições; Valor lógico
aplicabilidade em diferentes contextos da área
interpretação e análise (falso / verdadeiro).
ocupacional.  Princípios Básicos: Princípio da Identidade; Princípio da não
de dados estatísticos.

PC_AIB - Eletricista Industrial 45/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Solucionar problemas básicos da área ocupacional (de contradição; Princípio de Terceiro Excluído.
que trata o curso de Aprendizagem) pela aplicação de
ferramentas e recursos de raciocínio lógico matemático.  Sequências
 Sequências de figuras;
 Calcular soluções matemáticas para diferentes situações-  Sequências de palavras;
problema da área de formação, considerando diferentes  Sequências de números.
contextos, pela aplicação dos princípios da teoria de
conjuntos, frações, proporções e porcentagens.  Conjuntos
 Conceito;
 Solucionar problemas pela aplicação de princípios  Propriedades;
matemáticos e por ferramentas de análise e solução de  Representação;
problemas.  Conjuntos especiais;
 Operações entre conjuntos: Interseção de conjuntos; União de
conjuntos; Diferença de conjuntos; Complementar de um conjunto.

 Frações
 Conceito;
 Tipos de frações: Fração própria; Fração imprópria; Fração aparente;
Frações equivalentes (simplificar frações); Frações decimais; Adição e
multiplicação de frações.

 Razões e Proporções
 Razão: Conceito; Tipos (inversas, equivalentes, irredutível, ...);
Propriedades.
 Proporção: Conceito; Tipos (múltipla, contínua, terceira proporcional,
quarta proporcional, grandezas diretamente proporcionais, grandezas
inversamente proporcionais, ...).

 Percentagem
 Conceitos gerais: desconto; abatimento; lucro; prejuízo.
 Razão percentual: conceito
 Representação: forma; percentual; forma fracionária; forma decimal.

 Correlação
 Conceito;
 Aplicação.

 Técnicas de Resolução de Problemas


 Sequência de passos: Detalhar as variáveis do problema; Encontrar

PC_AIB - Eletricista Industrial 46/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
possíveis soluções; Escolher a solução adequada; Executar a solução
escolhida; Revisar e atualizar os dados.

 Formação do Povo Brasileiro:


 Reconhecer o processo de formação do Povo Brasileiro,
 Colonizadores (Europeus);
bem como as diferentes etnias que contribuíram para esse
 Primitivos – (Índios);
processo.
 Escravos (Africanos);
 Reconhecer-se como parte integrante do seu contexto  Imigrantes (Italianos, Japoneses, Alemães, Poloneses, Árabes, entre
sociocultural, fruto de um processo histórico e herdeiro da outros).
cultura do País e da Região em que vive.
Diversidade cultural  Diversidade Cultural:
brasileira  Reconhecer a contribuição das diferentes etnias na  Tipos de culturas (Africana, indígena, popular, brasileira, ...);
formação do Povo Brasileiro.  Diferenças culturais (linguagem, vestimenta, culinária, religião, arte,
dança, tradições,...).
 Reconhecer os principais traços cultura local,
considerando as contribuições de cada etnia na língua, na  Cultura e Trabalho:
vestimenta, na culinária, na religião, nas manifestações  História e a cultura do trabalho no Brasil;
culturais e na organização do trabalho na sua região.  A relação da cultura local com a organização do trabalho.

 Conceitos de organização e disciplina no trabalho:


 Reconhecer os princípios de organização aplicáveis a
 Organização do Tempo;
ambientes profissionais.
 Organização de Compromissos;
 Organização de Atividades;
 A organização do local de trabalho.

 Trabalho em equipe:
 Demonstrar espírito colaborativo em atividades coletivas.
 Conceitos de grupo, equipe e time;
Organização,
 Trabalho em grupo;
planejamento e controle
 O relacionamento com os colegas de equipe;
do processo de trabalho  Responsabilidades individuais e coletivas;
e trabalho em equipe.  Cooperação;
 Divisão de papéis e responsabilidades;
 Compromisso com objetivos e metas

 Planejamento:
 Demonstrar organização nos próprios materiais e no
 Organização pessoal: horários, hábitos, rotinas, tempo, orçamento, ...;
desenvolvimento das atividades.
 Conceito de planejamento;
 Técnicas e ferramentas de planejamento.

PC_AIB - Eletricista Industrial 47/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Segurança no Trabalho:
 Reconhecer situações de risco à saúde e segurança do
 Acidentes de trabalho: conceitos, tipos e características;
trabalhador e as diferentes formas de proteção a esses
 Agentes agressores à saúde: físicos, químicos e biológicos;
riscos.  Equipamentos de proteção individual e coletiva: tipos e funções;
 Normas básicas de segurança.
Saúde e Segurança
 Orientações de prevenção de acidentes:
 Mapa de riscos (Finalidades);
 Inspeções de segurança;
 Sinalizações de segurança;
 Prevenção e combate a incêndio (Conceito e importância de PPCI);
 PPRA: (Conceito, finalidades).
 Ética:
 Demonstrar atitudes éticas nas ações e nas relações
 Código de conduta;
profissionais.
 Respeito às individualidades pessoais;
 Ética nas relações interpessoais;
 Ética nos relacionamentos profissionais;
 Ética no desenvolvimento das atividades profissionais.

Ética  Habilidades básicas do relacionamento interpessoal:


 Respeito;
 Cordialidade;
 Disciplina;
 Empatia;
 Responsabilidade;
 Comunicação;
 Cooperação.

 Iniciativa:
Iniciativa, proatividade e  Reconhecer a iniciativa como característica fundamental e
 Conceito;
Autoempreendedorismo. requisito de um bom profissional.
 Importância, valor no trabalho;
 Reconhecer políticas públicas e programas direcionados à  Formas de demonstrar iniciativa;
Formas alternativas de geração de renda e trabalho.  Consequências favoráveis e desfavoráveis da iniciativa no trabalho.
geração de trabalho e
renda com enfoque na  Formas alternativas de geração de trabalho e renda:
juventude.  Política Nacional da Juventude (diretrizes e perspectivas);
 Programas de geração de renda (Pró-jovem, Aprendizagem profissional,

PC_AIB - Eletricista Industrial 48/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
estágios profissionalizantes, capacitações, ...).

 Direitos Humanos:
 Reconhecer os conceitos básicos de direitos humanos e
 Conceito;
suas implicações no cotidiano da vida em sociedade e no
 Declaração universal dos direitos humanos;
trabalho, tendo como base o código e a declaração  Código de direitos humanos (conceito, aplicação);
Direitos humanos, com
universal dos direito humanos;  Violência (com origem no assédio e discriminação);
enfoque no respeito à
orientação sexual, raça,  Reconhecer princípios relacionados ao estatuto da  Estatuto de igualdade racial (diferença entre raça e etnia e suas
peculiaridades);
etnia, idade, credo igualdade racial no contexto da formação da sociedade
 Estatuto do idoso.
religioso ou opinião brasileira;
política.
 Identificar as premissas básicas que constituem o estatuto
do idoso, tendo em vista a estimativa de vida do brasileiro
(a).

Educação para a saúde  Reconhecer a pessoa como indivíduo e ser social, dotado  O homem como ser social:
sexual reprodutiva, com de direitos, liberdades e responsabilidades individuais e  Direitos e deveres.
enfoque nos direitos coletivas.
sexuais e nos direitos
reprodutivos e relações
de gênero.
 Álcool, tabaco e outras drogas:
 Reconhecer as causas e consequências do uso do álcool,
 Características;
tabaco e outras drogas, bem como programas e formas
Prevenção ao uso de  Principais efeitos maléficos sobre a saúde das pessoas.
álcool, tabaco e outras alternativas de tratamento.
drogas.  Reconhecer o álcool, o tabaco e outras drogas como
agentes agressores à saúde das pessoas.

 Noções de direitos trabalhistas:


Noções de direitos  Reconhecer os direitos e a legislação básica que rege as
 Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) (Conceito).
trabalhistas e relações entre empregado e trabalhador no país.
previdenciários, de  Contrato individual de trabalho:
saúde e segurança no  Conceito;
trabalho e do Estatuto da  Elementos (agente capaz, objeto lícito e forma prescrita ou não defesa,
Criança e do ou seja não proibida em lei);
Adolescente – ECA.  Salário (piso salarial, salário-maternidade, salário família, ...);
 Licença paternidade;
 Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).
PC_AIB - Eletricista Industrial 49/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
Políticas de segurança
pública voltadas para  Jornada de Trabalho:
adolescentes e jovens.  Limitação do tempo de trabalho;
 Constituição / CLT;
 Horas extras;
 Trabalho noturno;
 Repouso semanal;
 Férias remuneradas, coletivas, ...).

 Sujeitos do contrato:
 Empregado (em domicílio, aprendiz, doméstico, rural, público, mãe
social, estagiário, ...);
 Empregador.

 Dissolução do contrato de trabalho (Resilição, Resolução, Rescisão,...).


 Aviso Prévio:
 Conceito;
 Legislação; ...

 Sistema tributário Brasileiro:


 Reconhecer a estrutura do sistema fiscal brasileiro,
 O que é?;
Educação fiscal para o considerando as diferentes esferas administrativas e a sua
 Finalidades;
exercício da cidadania. importância para o desenvolvimento do País.  Importância;
Educação financeira e  Reconhecer o funcionamento do sistema tributário  Esferas administrativas de arrecadação;
para o consumo e brasileiro, considerando as diferentes esferas  Tributos federais;
informações sobre o administrativas, e a sua importância para o  Tributos Estaduais;
mercado e o mundo do  Tributos Municipais;
desenvolvimento do País.
trabalho.  Sistemas de arrecadação: formas e responsabilidades;
 Aplicação de tributos.

AMBIENTES PEDAGÓGICOS COM RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, MÁQUINAS, FERRAMENTAS, INSTRUMENTOS E MATERIAIS.


Infraestrutura mínima, considerando turmas de 25 alunos.
 Sala de aula
 Biblioteca
Ambientes
 Laboratório de Informática
pedagógicos
 Laboratório de Metrologia
 Laboratório de Eletricidade

PC_AIB - Eletricista Industrial 50/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
- 13 Microcomputadores com software para edição de texto, planilhas eletrônicas e acesso à internet.
- 01 Projetor Multimídia

Ferramentas:
- 13 pç Alicate universal 8” 1000v
- 13 pç Alicate bico chato 6” 1000v
- 13 pç Alicate bico cônico 6” 1000v
- 13 pç Alicate bomba d’água 10´´
- 13 pç Alicate corte diagonal 6” 1000v
- 02 pç Alicate de corte frontal 6´´
- 13 pç Alicate desencapador de fios 6” 1000v
- 13 cj Chaves de fenda 1/8, 3/16 e ¼ haste isolada
- 13 cj Chaves Philips 1/8, 3/16 e ¼ haste isolada
Máquinas,
Equipamentos,
Instrumentos:
Instrumentos e
- 01 pç Multímetro alicate
Ferramentas.
- 13 pç Multímetro digital
- 01 pç Multímetro analógico
- 02 pç Paquímetro
- 05 pç Trena 3m
- 05 pç Esquadro 45/90º 300mm
- 05 pç Escala 500mm

Equipamentos de Proteção Individual – EPI’s


- 02 par Luva de borracha isolante 500 v
- 25 pç Capacete com jugular
- 25 pç Óculos de proteção
- 25 pç Protetor auricular
- 25 par Luva de algodão pigmentada
 Resistores
 Transformadores
Materiais de
 Condutores
Apoio
 Fitas isolantes
 Materiais para desenho
Acessibilidade:

PC_AIB - Eletricista Industrial 51/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
Nas condições de infraestrutura, serão asseguradas as condições de acessibilidade instrumental e arquitetônica, reconhecendo a especificidade e a
peculiaridade do aluno com deficiência, levando-se em conta a(s) Norma(s) Regulamentadora(s) da ocupação, NBR nº 9050, Lei nº 13.146/2015, a LDB nº
9394/96 e a legislação específica em vigência da deficiência em questão, quando for o caso.

Módulo Específico I

ORGANIZAÇÃO INTERNA DA UNIDADE CURRICULAR


MÓDULO ESPECÍFICO I
Perfil Profissional: ELETRICISTA INDUSTRIAL
Unidade Curricular: MONTAGEM DE PAINÉIS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS
Carga Horária: 200 horas
Unidade de U.C. 1: Montar painéis elétricos industriais, respeitando as normas técnicas e os procedimentos de qualidade, saúde e
Competência: segurança e de meio ambiente.
Desenvolver as capacidades técnicas, sociais, organizativas e metodológicas requeridas para a montagem de painéis elétricos
Objetivo Geral: industriais, considerando a preparação dos componentes, a execução da montagem e o teste de funcionamento dos quadros de
comandos, atendendo os padrões técnicos e os requisitos de qualidade, saúde e segurança e de meio ambiente.
CONTEÚDOS FORMATIVOS

ELEMENTO(S) DE PADRÕES DE CAPACIDADES TÉCNICAS


(Itens indicativos dos conhecimentos que subsidiam o CONHECIMENTOS
COMPETÊNCIA DESEMPENHO desenvolvimento das capacidades técnicas)

3.1 Preparar os materiais  Considerando as indicações  Identificar, na ordem de serviço e demais documentos
e ferramentas da ordem de serviço e demais pertinentes, as informações e orientações a serem 1. Desenho Técnico:
requeridos para a documentos técnicos consideradas na preparação dos materiais e ferramentas 1.1. Simbologia Elétrica;

PC_AIB - Eletricista Industrial 52/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
montagem. pertinentes. necessários à montagem dos painéis elétricos. (1, 3, 6 e 7) 1.2. Diagrama Elétrico;
1.3. Desenho de Painel Elétrico;
 Reconhecer as especificações técnicas e funções dos 1.4. Projeto Elétrico e de Montagem;
componentes (mecânicos e elétricos) de painéis elétricos,
 Identificando os componentes tendo em vista a sua identificação para posterior
com base nas suas 2. Qualidade e Meio Ambiente:
montagem. (5, 7 e 8)
especificações técnicas e 2.1. Padronização de processo e
 Reconhecer os padrões utilizados pela empresa para a produto;
aplicações. identificação de componentes de painéis elétricos. (1, 3, 7
2.2. Reciclagem dos Resíduos;
e 8)
2.3. Uso Racional dos Recursos
 Reconhecer os diferentes tipos, características, finalidades Naturais;
 Testando os componentes a e formas de uso dos instrumentos específicos empregados
serem montados com na realização de testes em componentes de painéis 3. Interpretação de Documentação
referência nas funcionalidades elétricos; (4 e 5) Técnica
requeridas pelo projeto.  Identificar situações de risco e as medidas protetivas 3.1. Ordem de Serviço;
necessárias para a realização de testes; (4, 5 e 9) 3.2. Solicitação de Material;
 Ajustando os condutores e 3.3. Instrução de Trabalho;
 Interpretar o projeto quanto às especificações técnicas a
demais componentes de 3.4. Relatório técnico;
serem consideradas no ajuste (do comprimento) dos
acordo com as especificações condutores e demais componentes que constituem os
painéis elétricos. (3 e 7) 4. Eletrotécnica:
do projeto.
4.1. Grandezas Elétricas – Corrente,
 Codificando os condutores com Tensão, Resistência e Potência
 Interpretar o projeto quanto às especificações técnicas a
referência nas especificações (Revisão);
serem consideradas na codificação de condutores. (3 e 7)
do projeto. 4.2. Materiais Condutores e Isolantes
Elétricos em Painéis Elétricos;
 Separando as ferramentas  Selecionar as ferramentas para a montagem dos painéis
4.3. Circuitos Elétricos Série, Paralelo e
elétricos com referência nas características, funções e
requeridas para a montagem requisitos de fixação dos componentes que os constituem.
Misto (Revisão);
em questão. (6) 4.4. Sistema de Aterramento em Painéis
Elétricos;
 Interpretar o projeto quanto aos requisitos a serem
 Considerando as 4.5. Linhas Elétricas de Comando e
considerados na montagem dos quadros de comando Linhas Elétricas de Potência;
especificações do projeto. industriais. (3, 7 e 8)
4.6. Utilização de Normas, Catálogos
9.1 Realizar a  Observando a sequência de Técnicos e Sites de Consulta;
 Identificar, na instrução de trabalho, a sequência de
montagem de montagem estabelecida na
eventos a ser observada na montagem dos quadros de 5. Instrumentos de Medida Elétrica: tipos,
quadros de instrução de trabalho/ordem de comando industriais. (3, 7 e 8)
comandos serviço. aplicação, operação e armazenagem;
industriais. 5.1. Instrumentos de Painel
 Fixando os componentes na 5.2. Instrumento Portátil
placa de montagem nas  Identificar, no projeto, o processo a ser utilizado na fixação
condições estabelecidas no dos componentes nos quadros de comando. (3, 7 e 8) 6. Ferramentas: tipo, aplicação, operação,
projeto. conservação e armazenagem.

PC_AIB - Eletricista Industrial 53/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Fazendo a interligação de 6.1. Manuais
 Identificar, no projeto, os condutores, componentes,
componentes por intermédio de conexões e demais requisitos a serem atendidos nas 6.2. Elétricas
condutores conforme interligações a serem realizados no painel elétrico. (3, 7 e
especificações do projeto. 8) 7. Componentes Elétricos de Painéis:
7.1. Condutores Elétricos: Tipo, Bitola e
 Atendendo os requisitos  Identificar situações de risco ambiental e à segurança Capacidade;
ambientais e de segurança presentes nas diferentes etapas do processo de montagem 7.2. Quadro de Distribuição (QD) e
aplicáveis à montagem. de quadros de comandos elétricos industriais. (2 e 9) Barramento Fase, Neutro e
Proteção;
 Instalando a placa de 7.3. Disjuntor Termomagnético. Disjuntor
montagem (chassi) no painel  Identificar, no projeto, as especificações técnicas a serem Diferencial Residual (DDR).
elétrico (gabinete) e seus consideradas na instalação da placa de montagem no
painel elétrico e seus periféricos. (2, 3, 7 e 8)
Dispositivo de Proteção contra
periféricos de acordo com as Surtos (DPS);
especificações do projeto. 7.4. Relés Programáveis;
7.5. Plugue e Tomada RJ 45 e RJ11;
7.6. Cabo Coaxial, Cabo Interno e CAT5;
7.7. Plugue e Tomadas Padrão
Brasileiro;
7.8. Quadro de Comando (Painel
Elétrico);
7.9. Trilho e Conectores - DIN e SAK;
Conectores de painel elétrico;
7.10. Canaleta: tipos e aplicações.
7.11. Botoeira com e sem Retenção;
7.12. Sinalizador Luminoso e Sonoro;
 Testando o quadro de
7.13. Fusível, Disjuntor Motor e Relé
comando de acordo com as
 Avaliar, pela realização de testes e comissionamento, o Térmico;
especificações de adequado funcionamento do quadro de comando. (5 e 9) 7.14. Relés: Falta de Fase, Sequência
funcionalidade e normas de
de Fase e Temporizados;
segurança.
7.15. Contator: Força e Auxiliar;
7.16. Sensores: Indutivo, Capacitivo e
Temperatura;
7.17. Chave Fim de Curso;
7.18. CLP e Inversor de Frequência;
7.19. Controlador de temperatura;
7.20. Chave Comutadora Amperimétrica
e Voltimétrica;
7.21. Instrumento de Medida Elétrica de
Painel: Voltímetro, Amperímetro e
Frequencímetro;

PC_AIB - Eletricista Industrial 54/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
8. Máquinas Elétricas: tipos e aplicações
8.1. Transformador Mono e Trifásico;
8.2. Motor Mono e Trifásicos.

9. Segurança na Montagem de Painéis


Elétricos
9.1. Riscos
9.2. EPIs e EPCs: tipos, uso, limpeza e
armazenamento.

Acessibilidade:
Serão asseguradas as condições de acessibilidade, reconhecendo a especificidade e a peculiaridade do aluno com deficiência, levando-se
em conta a(s) Norma(s) Regulamentadora(s) da ocupação, Lei nº 13.146/2015, o Decreto nº 3298/2009, a LDB nº 9394/96 e a legislação
específica em vigência da deficiência em questão, quando for o caso.
Portanto, no planejamento e na prática docente, deverão ser indicadas as condições e os pré-requisitos para o desenvolvimento das
capacidades que envolvam risco, asseguradas as adequações de grande e pequeno porte.

PORTARIA MTE 723/2012


Fundamentos Técnicos e Científicos CONHECIMENTOS
Temas Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas.
 Composição do Território Nacional:
 Região Nordeste: especificidades climáticas, econômicas, sociais e
culturais;
 Região Norte: especificidades climáticas, econômicas, sociais e
 Reconhecer a composição do território nacional, culturais;
 Diversidade cultural
considerando as diferentes regiões, suas condições  Região Centro-Oeste: especificidades climáticas, econômicas,
brasileira.
climáticas, economia e cultura. sociais e culturais;
 Região Sudeste: especificidades climáticas, econômicas, sociais e
culturais;
 Região Sul: especificidades climáticas, econômicas, sociais e
culturais.
 Organização,  Organização do trabalho:
planejamento e  Reconhecer características de diferentes estruturas e
controle do processo sistemas de organização do trabalho em ambientes  Estruturas hierárquicas;
de trabalho e trabalho empresariais.  Sistemas administrativos;
 Gestão organizacional.

PC_AIB - Eletricista Industrial 55/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
em equipe.  Comportamento e equipes de trabalho:
 O homem como ser social;
 O papel das normas de convivência em grupos sociais;
 A influência do ambiente de trabalho no comportamento;
 Fatores de satisfação no trabalho.
 Reconhecer os diferentes comportamentos das pessoas nos  Conflitos nas equipes de trabalho:
grupos e equipes.
 Tipos;
 Características;
 Fatores internos e externos;
 Causas;
 Consequências.

 Qualidade:
 Conceito;
 Aplicação.
 Qualidade Total:
 Conceito;
 Reconhecer princípios e Ferramentas básicas da Qualidade  Eficiência;
como recursos/meio/estratégia para a melhoria do trabalho,  Eficácia;
considerando planejamento, realização e resultados.
 Melhoria Contínua.
 Ferramentas da Qualidade:
 5 S;
 Ciclo PDCA.
 Brainstorming.

 Saúde, Segurança e  Qualidade Ambiental:


Meio Ambiente.
 Homem e o meio ambiente;
 Incentivo à
participação individual  Prevenção à poluição ambiental;
 Reconhecer o papel do trabalhador no cumprimento das
e coletiva,  Aquecimento global;
normas ambientais, de saúde e segurança.
permanente e  Descarte de resíduos;
responsável, na  Reciclagem de resíduos;
preservação do
equilíbrio do meio  Uso racional de Recursos e Energias disponíveis;

PC_AIB - Eletricista Industrial 56/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
ambiente, com  Energias renováveis.
enfoque na defesa da
 Segurança no trabalho:
qualidade ambiental
como um valor  Comportamento seguro;
inseparável do  Qualidade de vida no trabalho: cuidados com a saúde, administração
exercício da de stress, ...
cidadania.
 Ética:
 Código de ética profissional;
 Senso moral;
 Consciência moral;
 Cultura, história e dilema;
 Apresentar comportamento ético no desenvolvimento das
 Ética  Cidadania;
atividades sob a sua responsabilidade.
 Comportamento social;
 Direitos e deveres individuais e coletivas;
 Valores pessoais e universais;
 O impacto da falta de ética ao país: pirataria, impostos.

 Pesquisa:
 Tipos: bibliográfica, de campo, laboratorial, acadêmica;
 Características;
 Métodos;
 Iniciativa,  Fontes;
 Reconhecer a pesquisa como fonte de inovação e formação
proatividade e  Estruturação;
de um espírito empreendedor.
Autoempreendedoris  Anterioridade;
mo.  Aplicar os aspectos de inovação em suas atividades  Propriedade intelectual.
 Formas alternativas profissionais.
de geração de  Inovação:
 Reconhecer conceitos básicos de empreendedorismo e a
trabalho e renda com
importância do espírito empreendedor para o crescimento  Conceito;
enfoque na  Inovação x melhoria;
profissional.
juventude.
 Visão inovadora.
 Empreendedorismo:
 Conceitos básicos;
 Espírito empreendedor.

PC_AIB - Eletricista Industrial 57/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Direitos humanos,  Assédio e Discriminação:
com enfoque no  Diferenciar as implicações relacionadas à violência decorrente
respeito à orientação de assédio, discriminação e falta de orientação sexual,  Efeitos psicológicos, sociais e legais; impactos no trabalho; políticas
sexual, raça, etnia, especialmente no trabalho. públicas de prevenção.
idade, credo religioso
ou opinião política.
 Educação para a  Temas associados à saúde sexual:
saúde sexual
reprodutiva, com  Reconhecer a sexualidade como um aspecto da vida do ser  Respeito às individualidades da pessoa;
enfoque nos direitos humano, que exige respeito mútuo e responsabilidades  Saúde sexual e reprodutiva: conceitos e implicações;
sexuais e nos direitos individuais.  Combate à violência sexual baseada em questões de gênero;
reprodutivos e  Violência sexual: causas, consequências e implicações legais.
relações de gênero.
 Programas de prevenção:
 Tipos;
 Importância;
 Prevenção ao uso de  Reconhecer a função e a importância dos programas de  Funcionamento.
álcool, tabaco e prevenção ao uso e dos programas de tratamento da  Dependência Química:
outras drogas. dependência química.
 Tipos;
 Consequências;
 Tratamento.

 Noções de direitos previdenciários.


 Noções de direitos  A previdência social:
trabalhistas e
 Organização (forma de regime geral, de caráter contributivo e de
previdenciários, de
filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio
saúde e segurança
financeiro e atuarial).
no trabalho e do
Estatuto da Criança e  Atendimento:
 Identificar os direitos básicos como trabalhador contribuinte,
do Adolescente –  I cobertura de eventos de doença, invalidez, morte e idade
tendo como referência a legislação previdenciária vigente.
ECA. avançada;
 Políticas de  II proteção à maternidade, especialmente à gestante;
segurança pública  III proteção ao trabalhador em situação de desemprego involuntário;
voltadas para  IV salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos
adolescentes e segurados de baixa renda; e
jovens.  V pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou
companheiro e dependentes.

PC_AIB - Eletricista Industrial 58/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Legislação Previdenciária:
 Conteúdo (o campo de aplicação, a organização, o custeio e as
prestações);
 Fontes do direito previdenciário (fontes diretas ou imediatas e fontes
indiretas ou mediatas);
 Instituto Nacional de Seguro Social – INSS (conceito, objetivo).
 Cadastro Nacional de Informações Sociais – CNIS:
 Conceito;
 Aplicação.

 Educação fiscal para  Educação fiscal:


o exercício da  PNEF – Programa Nacional de Educação Fiscal (conceito e
cidadania. aplicação);
 Reconhecer, como cidadão(ã), as responsabilidades fiscais
 Educação financeira cabíveis ao indivíduo e às instituições públicas, tendo em  Cidadania e sociedade (conceitos e aplicações);
e para o consumo e  Prática cidadã e transformação social;
vista a aplicação dos recursos na manutenção social.
informações sobre o  Declaração de Imposto de Renda - restituição e pagamentos;
mercado e o mundo  Lei de responsabilidade fiscal.
do trabalho.

AMBIENTES PEDAGÓGICOS COM RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, MÁQUINAS, FERRAMENTAS, INSTRUMENTOS E MATERIAIS.


 Sala de aula
Ambientes
 Biblioteca
pedagógicos
 Laboratório de Eletricidade
- (15) Microcomputadores com software para edição de texto, planilhas eletrônicas e acesso à internet.
- Softwares aplicativos e simuladores pertinentes
- (01) Projetor Multimídia

Máquinas, Máquinas e Equipamentos:


Equipamentos, - (1 pç) Sopradores térmicos
Instrumentos e - (2 pç) Furadeira de impacto manual
Ferramentas. - (5 pç) Parafusadeiras a bateria e acessórios
- (2 pç) Serras tico-tico
- (02) Conjunto de Serra Copo de 12 a 32mm.
- (13) Postos de trabalho para atividades práticas;
- (01) Serra esquadrejadeira;

PC_AIB - Eletricista Industrial 59/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
Ferramentas:
- (13 pç) Alicate universal 8” 1000v
- (13 pç) Alicate bico chato 6” 1000v
- (02 pç) Alicate bomba d`água 10´´
- (13 pç) Alicate corte diagonal 6” 1000v
- (13 pç) Alicate desencapador de fios 6” 1000v
- (02 pç) Alicate crimpador rj11 e rj45
- (05 pç) Alicate prensa-terminais pré-isolado com catraca
- (13 cj) Chaves de fenda 3 x 150mm
- (13 cj) Chaves de fenda 4 x 150mm
- (13 cj) Chaves de fenda 6 x 150mm
- (13 cj) Chaves de fenda cruzada de 3 x 150mm
- (13 cj) Chaves de fenda cruzada de 4 x 150mm
- (13 cj) Chaves de fenda cruzada de 6 x 150mm
- (02 pç) Chave de boca regulável 8´´-200mm
- (02 cj) Jogo de brocas de aço rápido de 1 a 10mm
- (02 pç) Desencapador de cabos pp
- (07 pç) Lima bastarda redonda de 10”
- (07 pç) Arco de serra manual de 12” com lâmina.
- (03 pç) Martelo pena
- (03 pç) Punção de Bico
- (02 pç) Rebitadeira manual
- (05 pç) Ferro de solda
- (05 pç) Suporte para ferro de solda
- (05 pç) Morsa de Bancada

Instrumentos:
- (02 pç) Multímetro com Alicate Amperímetro
- (13 pç) Multímetro digital
- (05 pç) Nível de bolha
- (07 pç) Paquímetro quadridimensional 150mm
- (13 pç) Trena 3m
- (07 pç) Esquadro 45/90º 300mm

Materiais de Consumo:
- Painéis Elétricos
Materiais - Canaletas
- Trilhos

PC_AIB - Eletricista Industrial 60/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
- Placas de montagem (chassi)
- Porta fusíveis
- Fusíveis
- Disjuntores: unipolares, bipolares, tripolares e disjuntor-motor.
- Contatores tripolares
- Contatores auxiliares
- Relés de sobrecarga
- Relés de falta de fase;
- Temporizadores: eletrônicos e pneumáticos.
- Transformadores
- Botoeiras com e sem retenção para painéis
- Sinalizadores luminosos para painéis
- Sinalizadores sonoros para painéis
- Botoeiras de emergência
- Botoeiras com chave
- Chave Voltimétrica
- Chave Amperimétrica
- Cabos elétricos
- Chaves fim de curso
- Sensores: indutivo, capacitivo e de temperatura
- Controladores de temperatura
- Controlador Programável
- Inversor de frequência
- Soft Starter
- Tomadas industriais
- Motor monofásico fase auxiliar
- Motor de indução trifásico
- Chave magnética para partida direta de motor
- Relé programável (Timer)
- Haste de aterramento
- Dispositivo de proteção contra surtos (dps)

Equipamentos de Proteção Individual – EPIs


- 25 pç Óculos de proteção
- 25 pç Protetor auricular
- 25 par Luva de algodão pigmentada
-
Acessibilidade:
Nas condições de infraestrutura, serão asseguradas as condições de acessibilidade instrumental e arquitetônica, reconhecendo a especificidade e a peculiaridade do

PC_AIB - Eletricista Industrial 61/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
aluno com deficiência, levando-se em conta a(s) Norma(s) Regulamentadora(s) da ocupação, NBR nº 9050, Lei nº 13.146/2015, a LDB nº 9394/96 e a legislação
específica em vigência da deficiência em questão, quando for o caso.

MÓDULO ESPECÍFICO II

ORGANIZAÇÃO INTERNA DA UNIDADE CURRICULAR


MÓDULO ESPECÍFICO II
Perfil Profissional: ELETRICISTA INDUSTRIAL
Unidade
INSTALAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS
Curricular:

PC_AIB - Eletricista Industrial 62/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
Carga Horária: 250 horas
Unidade de U.C. 2: Realizar a instalação e a manutenção de sistemas elétricos industriais de baixa tensão, respeitando as
Competência: normas técnicas e os procedimentos de qualidade, saúde e segurança e de meio ambiente.
Propiciar o desenvolvimento das capacidades técnicas, sociais, organizativas e metodológicas requeridas para a
execução dos serviços de instalação de sistemas elétricos industriais de baixa tensão, considerando o planejamento das
Objetivo Geral:
atividades, a instalação de infraestrutura para linhas elétricas e linhas de sinais e a instalação de equipamentos elétricos
industriais, atendendo os procedimentos e normas técnicas, de saúde, segurança e meio ambiente.
CONTEÚDOS FORMATIVOS

ELEMENTO(S) DE PADRÕES DE CAPACIDADES TÉCNICAS


(Itens indicativos dos conhecimentos que subsidiam o CONHECIMENTOS
COMPETÊNCIA DESEMPENHO desenvolvimento das capacidades técnicas)

 Identificar, na ordem de serviço, as informações e 1. Eletrotécnica Básica


orientações a serem consideradas no planejamento dos 1.1 Cargas indutivas e resistivas em corrente
serviços de instalação (tipo de serviço, período, ..). (2) alternada;
 Interpretar o projeto quanto aos requisitos técnicos a 1.2 Potência em circuitos de corrente
 Considerando as indicações alternada: Ativa, reativa e aparente;
serem atendidos na instalação dos sistemas elétricos
da ordem de serviço e as 1.3 Conservação e racionalização de energia
industriais, considerando planta baixa, diagrama elétrico
especificações técnicas e/ou memorial descritivo, conforme o caso. (1, 3 e 4) na eletricidade industrial;
contidas no projeto. 1.4 Fator de potência;
 Interpretar o projeto quanto aos requisitos técnicos e de
segurança considerados no dimensionamento de  Conceito;
componentes, estruturas e equipamentos de sistemas  Legislação atual;
elétricos industriais. (3, 4 e 5)  Consequências de um baixo fator de
4.1 Planejar os
serviços de  Avaliar as condições físicas, ambientais e de segurança do Potência;
instalação.  Considerando as condições local da instalação elétrica (disponibilidade, obstáculos,  Causas do baixo fator de potência;
de trabalho, a complexidade e dimensões, localização, temperatura, umidade, riscos,...).  Vantagens;
o tempo de execução (6 e 7) 1.5 Princípios de funcionamento do gerador
determinado para o serviço.  Avaliar a complexidade e o tempo requerido para a trifásico;
execução dos serviços de instalação. (8) 1.6 Sistemas de distribuição de energia
elétrica: normas, isolação e
 Elaborando o cronograma de
aterramento;
trabalho de acordo com a  Definir a sequência técnico-operacional das atividades e,
1.7 Retificação da corrente alternada: meia-
sequência técnico-operacional como base na mesma, o cronograma de execução dos
serviços de instalação. (3 e 8) onda, onda completa, trifásica.
e as normas aplicáveis à
1.8 Conceitos de inversão de corrente elétrica.
ação.
 Definir, com base nas especificações do projeto, o tipo e o 2. Interpretação de Ordem de Serviço
 Quantificando os materiais, quantitativo de materiais, máquinas, ferramentas,

PC_AIB - Eletricista Industrial 63/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
máquinas, ferramentas, instrumentos, equipamentos e acessórios requeridos para 2.1 Fluxo
instrumentos, equipamentos, os serviços de instalação, bem como os equipamentos de 2.2 Autorizações
EPIs e EPCs necessários com proteção em função dos riscos presentes na execução das 2.3 Tipo de Serviço
atividades. (3, 9, 10, 11, 12 e 13)
base nas especificações 2.4 Prioridades
técnicas do projeto. 2.5 Tempo de Execução
2.6 Preenchimento
 Prevendo os testes requeridos 2.7 Sistema de Arquivamento
pela natureza, complexidade,  Identificar, no projeto e nas normas, os parâmetros a
serem testados (continuidade, isolação, corrente, tensão,
adequação técnica e ...) por ocasião da instalação dos sistemas elétricos. (3,13, 3. Interpretação de Projeto de Sistemas
pressupostos de segurança 14 e 16) Elétricos Industriais
da instalação. 3.1 Diagramas
 Considerando as  Interpretar a documentação técnica quanto aos requisitos a 3.2 Memoriais Descritivos
especificações da ordem de serem atendidos na instalação da infraestrutura para linhas 3.3 Simbologias e Legendas
serviço e/ou do projeto. elétricas e de sinais. (2, 3, 4, 6 e 17) 3.4 Controle de Revisões

 Interpretar as normas técnicas que estabelecem as


 Considerando as normas 4. Desenho elétrico Industrial
condições para a instalação da infraestrutura para linhas 4.1 Normas para desenho elétrico;
técnicas pertinentes. elétricas e linhas de sinais. (5 e 16)
4.2 Simbologia;
 Atendendo as normas  Interpretar as normas ambientais e de segurança quanto 4.3 Diagramas de comando e força de
2.1 Instalar aos requisitos a serem atendidos na instalação da circuitos elétricos industriais.
ambientais e de segurança infraestrutura para linhas elétricas e linhas de sinais. (3, 5,
infraestrutura 4.4 Diagrama elétrico de alimentação de
aplicáveis ao processo. 6 e 7)
para linhas equipamentos industriais.
elétricas  Interpretar as indicações dos fabricantes (manuais,
 Observando as 5. Segurança
industriais e catálogos, sites, ...) quanto aos requisitos técnicos a serem
recomendações dos 5.1 Procedimentos de segurança em
linhas de atendidos na instalação de elementos da infraestrutura
fabricantes. para linhas elétricas e de sinais. (17) instalações elétricas industriais
sinais.
5.2 Choque elétrico: efeitos; fatores
 Selecionar máquinas, ferramentas, instrumentos,
determinantes da gravidade do choque
equipamentos e os materiais requeridos pela natureza e
 Utilizando as máquinas, características da instalação a ser realizada. (9, 11, 12, 13 elétrico.
ferramentas, instrumentos, e 15) 5.3 Equipamentos elétricos industriais e
medidas de proteção.
equipamentos e os materiais  Reconhecer as técnicas e recomendações de uso das
requeridos para o processo. máquinas, ferramentas, instrumentos, equipamentos e dos 5.4 Segurança nas proximidades de redes
materiais destinados à instalação de infraestrutura para elétricas energizadas.
linhas elétricas e linhas de sinais. (17) 5.5 Equipamentos de proteção individual e
coletiva (EPIs e EPCs).
2.2 Instalar  Considerando as  Interpretar a ordem de serviço e o projeto quanto às
sistemas orientações e requisitos técnicos a serem atendidos na
especificações da ordem de 6. Condições para instalação de sistemas
elétricos instalação de sistemas elétricos e equipamentos
serviço e/ou do projeto. industriais. (2, 3 e 4) elétricos
industriais. 6.1 Obstáculos em estruturas de instalação
 Interpretar as normas técnicas e a certificação compulsória (máquinas, veículos, esteiras, sistemas
 Considerando as normas de produtos quanto aos requisitos a serem considerados e

PC_AIB - Eletricista Industrial 64/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
técnicas pertinentes e a atendidos por ocasião da instalação de sistemas elétricos hidráulicos, sistemas automatizados,
certificação compulsória dos e equipamentos industriais. (11, 12, 13, 15 e 17) gás, vigas, colunas, ...)
produtos (INMETRO). 6.2 Estruturas industriais (galerias, instalações
suspensas, passarelas,...)
 Atendendo as normas  Interpretar as normas ambientais e de segurança que
ambientais e de segurança impactam a instalação de sistemas elétricos e
7. Efeitos das condições ambientais nas
aplicáveis ao processo. equipamentos industriais. (3, 6, 7 e 16)
instalações elétricas industriais
 Interpretar as recomendações dos fabricantes (manuais, 7.1 Temperatura
 Observando as
catálogos, sites, ...) quanto aos requisitos a serem 7.2 Umidade
recomendações dos atendidos na instalação de sistemas elétricos e 7.3 Maresia
fabricantes. equipamentos industriais. (17) 7.4 Altitude
 Selecionar máquinas, ferramentas, instrumentos, 7.5 Ventilação
equipamentos e os materiais requeridos pela natureza e 7.6 Pressão
 Utilizando as máquinas, características da instalação a ser realizada. (9, 11, 12, 13
ferramentas, instrumentos, e 15) 8. Cronograma
equipamentos e os materiais  Reconhecer as técnicas e recomendações de uso das 8.1 Definição das etapas de trabalho: Fase de
requeridos para o processo. máquinas, ferramentas, instrumentos, equipamentos e os Execução; Previsão de Tempo; Pontos
materiais requeridos para a instalação de sistemas críticos.
elétricos e equipamentos industriais. (17)
9. Previsão de recursos
 Respeitando as condições  Interpretar as normas e/ou regulamentos da 9.1 Listas de Materiais
gerais da concessionária local concessionária local quanto aos requisitos a serem 9.2 Lista de Ferramentas, Máquinas,
quanto ao fornecimento de atendidos por ocasião da instalação de sistemas elétricos
e equipamentos industriais. (16)
Equipamentos e Instrumentos;
energia elétrica. 9.3 Lista de EPIs e EPCs
 Interpretar a legislação local (estadual, municipal,....) que
 Respeitando a legislação 10. Orçamentos
estabelece as condições para a instalação dos sistemas
local, quando houver. elétricos e equipamentos industriais. (6 e 16) 10.1 Mão de obra
10.2 Materiais
 Verificando a conformidade da  Avaliar, antes da instalação, a conformidade da 10.3 Fornecedores
infraestrutura e as condições infraestrutura para a instalação e as condições de 10.4 Serviços Terceirizados
de funcionamento dos funcionamento dos componentes, acessórios e
equipamentos elétricos a serem instalados (teste estático).
10.5 Locação de equipamentos
componentes e equipamentos
a serem instalados. (3, 6, 11 e 17)
11. Materiais
 Selecionar os equipamentos e instrumentos de teste e 11.1 Condutores elétricos: bitola e
 Realizando o
2.3 Efetuar a medição de acordo com as grandezas a serem medidas capacidade de condução; tipos e
comissionamento e os testes por ocasião dos testes. (9, 13 e 14) aplicações; dimensionamento e cálculo
verificação final de funcionalidade
das instalações  Interpretar os resultados das leituras realizadas pelos de demanda;
necessários. testes e medições. (14) 11.2 Acionadores e acessórios: botoeiras,
elétricas
industriais. chaves fim de curso, alavancas,
 Energizando o sistema com  Interpretar as normas de segurança quanto aos requisitos sensores.
base nas normas de a serem atendidos por ocasião da energização de

PC_AIB - Eletricista Industrial 65/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
segurança estabelecidas. sistemas elétricos industriais. (5 e 16) 11.3 Sinalizadores e acessórios: óticos e
 Reconhecer os procedimentos técnicos a serem sonoros.
observados na energização de sistemas elétricos 11.4 Dispositivos de manobra e
industriais. (2 e 16) acessórios: contatores de potência,
relés de interface; contatores auxiliares;
 Selecionar, com referência nos manuais dos fabricantes e
normas, os parâmetros (velocidade, tensão, tempo, relés de estado sólido e chaves
 Parametrizando os luminosidade, temperatura, corrente, ...) a serem manuais.
equipamentos com base no considerados na parametrização dos equipamentos. (11 e 11.5 Dispositivos de proteção e
projeto e especificações do 17) acessórios: fusíveis, disjuntores,
fabricante.  Reconhecer os procedimentos de parametrização de disjuntor-motor, relé térmico de
equipamentos elétricos industriais instalados. (1 e 17) sobrecarga, relé falta de fase, relé
sequência de fase.
 Avaliar o funcionamento das instalações com base nas 11.6 Tomadas, conectores e plugues
especificações técnicas do projeto. (2 e 14)
industriais;
 Conferindo o funcionamento  Definir, se for o caso, procedimentos de ajustes de não 11.7 Quadro de comandos e acessórios:
das instalações. conformidades identificadas, considerando as canaletas, trilhos, identificadores,
características da instalação, especificações técnicas do
exaustores, filtros de ar, prensa-cabos,
projeto e/ou ordem de serviço. (2, 11 e 14)
terminais, etc.
 Identificar os sistemas de registro e canais de 11.8 Máquinas elétricas (características e
comunicação utilizados pela empresa para a funcionamento): motor de gaiola de
documentação e/ou informação de serviços realizados. (2, esquilo, motor com rotor bobinado,
 Efetuando os registros e 3 e 10)
comunicações necessários. motor múltiplas velocidades, motor
 Descrever, na ordem de serviço e/ou demais documentos dahlander, motores trifásicos 3, 6, 9 e
de registro da empresa, as informações relativas aos 12 terminais e motores de corrente
serviços de instalação realizados. (2 e 14) contínua; transformadores e
 Liberando as instalações e  Identificar as regras e procedimentos locais quanto à autotransformadores trifásicos.
equipamentos para uso em limpeza e organização do ambiente das instalações 11.9 Dispositivos Retificadores: ponte
conformidade com as normas elétricas industriais. (16 e 17) retificadora; diodo retificador; fonte
técnicas, de meio ambiente e  Reconhecer os procedimentos de liberação das chaveada;
as regras e padrões locais. instalações elétricas e equipamentos para uso. (16)
12. Máquinas e Ferramentas:
12.1 Tipos, características, aplicações,
técnicas e recomendações de uso;

13. Instrumentos de medição de grandezas


elétricas
13.1 Tipos (Transformadores de Corrente –
TC; Transformadores de Potência -
TP), características, aplicações e
recomendações de uso;

PC_AIB - Eletricista Industrial 66/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
14. Comissionamento
15.1 Isolação elétrica
15.2 Corrente elétrica
15.3 Tensão de Fase
15.4 Tensão de Linha
15.5 Continuidade de Aterramento
15.6 Testes de Funcionamento

15. Esquemas de ligação de motores:


16.1 Partida direta de motor trifásico sem e
com reversão comandados por chaves
manuais;
16.2 Partida direta de motor trifásico sem e
com reversão comandados por chave
magnética;
16.3 Partida indireta de motor trifásico sem
e com reversão comandados por
chave magnética estrela/triângulo;
16.4 Partida indireta de motor trifásico sem
e com reversão comandados por
chave magnética compensada;
16.5 Partida indireta de motor trifásico sem
e com reversão comandados por
chave magnética série/paralelo;
16.6 Partida consecutiva e em sequência
de motores trifásicos sem e com
reversão comandados por chave
magnética;
16.7 Frenagem eletromagnética de motores
elétricos, por contra corrente e por
injeção de corrente contínua;
16.8 Partida suave (soft start) e variação
eletrônica de frequência (inversor de
frequência);
16.9 Acionamento de motores de corrente
contínua.
16.10 Controlador Programável de
Acionamento de Motor.

PC_AIB - Eletricista Industrial 67/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
16. Normas e Regulamentações: conceitos e
aplicações
17.1 NBR-5410: instalações elétricas de
baixa tensão.
17.2 Regulamento das Instalações
Consumidoras de Baixa Tensão.
17.3 NR 10: segurança em instalações e
serviços em eletricidade.
17.4 NR 35: trabalho em altura.
17.5 NR 33: segurança e saúde em
trabalhos em espaços confinados.
17.6 NR 12: segurança no trabalho em
máquinas e equipamentos.
17.7 NR 25: resíduos industriais.
17.8 NR 26: sinalização de segurança.
17.9 Outras Normas pertinentes, conforme
o contexto de aplicação.

17. Catálogos, Manuais e Sites de


Fabricantes (nacionais e internacionais)
18.1 Interpretação de informações e
Códigos;
18.2 Especificações técnicas;
18.3 Ligações elétricas;
18.4 Características construtivas e de
montagem mecânica;
18.5 Parametrização;
18.6 Terminologia técnica;
18.7 Tradução de termos técnicos (AC, DC,
VDC, Ground, Normal-Open, Normal-
Closed, ON/OFF, True RMS,
cores,…).

Acessibilidade:
Serão asseguradas as condições de acessibilidade, reconhecendo a especificidade e a peculiaridade do aluno com deficiência, levando-se
em conta a(s) Norma(s) Regulamentadora(s) da ocupação, Lei nº 13.146/2015, o Decreto nº 3298/2009, a LDB nº 9394/96 e a legislação
específica em vigência da deficiência em questão, quando for o caso.
Portanto, no planejamento e na prática docente, deverão ser indicadas as condições e os pré-requisitos para o desenvolvimento das
capacidades que envolvam risco, asseguradas as adequações de grande e pequeno porte.

PC_AIB - Eletricista Industrial 68/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
PORTARIA MTE 723/2012
Fundamentos Técnicos e Científicos CONHECIMENTOS
Temas Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas.
 Reconhecer o contexto da área ocupacional de que trata  Características da área ocupacional (Eletricidade Industrial) na
o curso na sua região, considerando demandas, perfil sua região:
 Diversidade cultural profissional da ocupação e oportunidades de
brasileira. crescimento profissional.  Demandas de trabalhadores;
 Perfil profissional da ocupação;
 Oportunidades de ascensão profissional, ...
 Organização, planejamento e  Reconhecer diretrizes, princípios, valores e políticas  Trabalho e profissionalismo:
controle do processo de institucionais que norteiam o planejamento empresarial e
trabalho e trabalho em o trabalho dos colaboradores.  Administração do tempo;
equipe.  Autonomia e iniciativa;
 Inovação, flexibilidade e tecnologia.
 Diretrizes empresariais:
 Missão;
 Visão;
 Política da Qualidade.
 Saúde, Segurança e Meio  Aplicar os princípios, normas e procedimentos de saúde,  Segurança no Trabalho:
Ambiente. segurança e meio ambiente às atividades sob a sua
responsabilidade.  Procedimentos de segurança no trabalho;
 Normas de Segurança do Trabalho (Regulamentadoras, OHSAS
 Incentivo à participação
individual e coletiva, 18001 – conceitos e aplicações).
permanente e responsável,  Saúde ocupacional:
na preservação do equilíbrio
do meio ambiente, com  Conceito;
enfoque na defesa da  Exposição ao risco.
qualidade ambiental como
um valor inseparável do  Meio ambiente e sustentabilidade:
exercício da cidadania.  Responsabilidades socioambientais;
 Políticas públicas ambientais;
 A indústria e o meio ambiente.
 Iniciativa, proatividade e  Avaliar as oportunidades de crescimento e  Desenvolvimento profissional:
Autoempreendedorismo. desenvolvimento profissional, considerando o próprio

PC_AIB - Eletricista Industrial 69/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
potencial, as mudanças no mercado de trabalho e as  Planejamento Profissional - ascensão profissional, formação
 Formas alternativas de necessidades de investimento na própria formação. profissional, investimento educacional;
geração de trabalho e renda  Identificar oportunidades de geração de renda a partir  Empregabilidade
com enfoque na juventude. das políticas públicas e oportunidades da indústria.
 Empreendedorismo:
 Etapas da constitui8ção de um negócio;
 Órgãos de fomento.
 Autoempreendedorismo:
 Características empreendedoras;
 Atitudes empreendedoras;
 Autorresponsabilidade e empreendedorismo;
 A construção da missão pessoal;
 Valores do empreendedor: Persistência e Comprometimento;
 Persuasão e rede de contatos;
 Independência e autoconfiança;
 Cooperação como ferramenta de desenvolvimento.

 Noções de direitos  Reconhecer situações de risco em ambientes de  Saúde e Segurança no Trabalho:


trabalhistas e trabalho, assim como as diferentes formas de proteção
previdenciários, de saúde e ao trabalhador;  Prevenção;
 Higiene (bucal, pessoal, dos alimentos, da água);
segurança no trabalho e do  Reconhecer os aspectos centrais do Estatuto da Criança
Estatuto da Criança e do  Vacinas (tipos e aplicações).
e do Adolescente e os seus impactos no exercício
Adolescente – ECA. profissional dos jovens.  Saúde ocupacional:
 Reconhecer as principais políticas públicas de  Conceito;
 Políticas de segurança segurança aplicáveis a adolescentes e jovens no Brasil.  Exposição ao risco.
pública voltadas para
adolescentes e jovens.  Segurança no Trabalho:
 Conceito;
 Procedimentos de segurança no trabalho;
 Normas de Segurança do Trabalho (Regulamentadoras, OHSAS
18001 – conceitos e aplicações);
 Comportamento seguro;
 Qualidade de vida no trabalho: cuidados com a saúde,
administração de stress, ...;
 Acidentes de trabalho: conceitos, tipos e características;
 Agentes agressores à saúde: físicos, químicos e biológicos;

PC_AIB - Eletricista Industrial 70/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Equipamentos de proteção individual e coletiva: tipos e funções;
 Normas básicas de segurança.
 Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA:
 Conceito (Estatuto, criança, adolescente);
 Características do ECA.
 Conselho Tutelar:
 Constituição;
 Atribuições.
 Medidas aplicadas ao adolescente na prática do ato infracional
pela autoridade competente:
 Advertência;
 Obrigação de reparar o dano;
 Prestação de serviços à comunidade;
 Liberdade assistida;
 Inserção em regime de semiliberdade;
 Internação em estabelecimento educacional.
 Políticas de Segurança:
 Fatores de risco (vulnerabilidade, maus tratos , discriminação,...);
 Segurança pública (políticas, participação e responsabilidades);
 Plano Nacional de Segurança Pública (PNSP – Pressupostos
básicos).

AMBIENTES PEDAGÓGICOS COM RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, MÁQUINAS, FERRAMENTAS, INSTRUMENTOS E MATERIAIS.


 Sala de aula
Ambientes
 Biblioteca
pedagógicos
 Laboratório de Eletricidade
Máquinas e Equipamentos:
 (05 Pç) Inversor de frequência
Máquinas,  (05 Pç) Chave de partida suave (soft start)
Equipamentos,  (02 Pç) Autotransformador de Partida Compensadora
Instrumentos e  (05 Pç) Motores de indução trifásicos de baixa potência (igual ou inferior a 1 CV)
Ferramentas.  (01 Pç) Motores de indução trifásicos de 12 terminais (igual ou inferior a 1 CV)
 (02 Pç) Motores de indução trifásicos Dahlander
 (02 Pç) Motores de indução trifásicos múltiplas velocidades

PC_AIB - Eletricista Industrial 71/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 (02 Pç) Motor de indução trifásico de Alto Rendimento até 1cv
 (02 Pç) Controlador de Temperatura com sensor

Ferramentas:
 (02 Pç) Bancada de montagem com morsa
 (13 Pç) Alicate Universal de 8” com cabo isolado
 (13 Pç) Alicate de bico chato de 6’’com cabo isolado
 (13 Pç) Alicate de corte diagonal de 6’’com cabo isolado
 (05 Pç) Alicate decapador de cabos PP
 (13 Pç) Alicate decapador de fios
 (05 Pç) Alicate de prensar terminal tubular com catraca
 (02 Pç) Alicate bomba d’água (gasista) com cabo isolado 10’’
 (02 Pç) Alicate Rebitador
 (13 Pç) Chave de fenda 3 x 150mm com haste isolada
 (13 Pç) Chave de fenda 4 x 150mm com haste isolada
 (13 Pç) Chave de fenda 6 x 150mm com haste isolada
 (13 Pç) Chave de fenda cruzada (Phillips) 3 x 150mm com haste isolada
 (13 Pç) Chave de fenda cruzada (Phillips) 4 x 150mm com haste isolada
 (13 Pç) Chave de fenda cruzada (Phillips) 6 x 150mm com haste isolada
 (02 Pç) Chave combinada – jogo de 6 a 20mm
 (05 Pç) Lima bastarda redonda 10”
 (02 Pç) Desandador de macho
 (02 Pç) Parafusadeira com bateria e carregador com controle de torque
 (01 Conj.) Jogo de serra-copo de 12 a 32mm com suportes
 (02 Conj.) Jogo de ponteira para parafusadeira
 (02 Pç) Jogo de broca em caixa metálica de 1 a 12mm
 (02 Pç) Jogo de macho de 6mm
 (02 Pç) Jogo de macho de 5mm
 (02 Pç) Jogo de macho de 4mm
 (02 Pç) Ferro de solda 100W
 (02 Pç) Escareador de ½’’ e ¾’’ de PVC
 (01 Pç) Soprador Térmico
 (01 Pç) Serra tico-tico com controle de velocidade
 (02 Pç) Furadeira com reversão, controle de velocidade e mandril de aperto rápido
 (02 Pç) Arco de serra com cabo isolado e lâmina 12”

Instrumentos:
 (02 pç) Multímetro com Alicate Amperímetro

PC_AIB - Eletricista Industrial 72/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 (13 pç) Multímetro digital
 (02 pç) Nível de bolha
 (02 pç) Paquímetro quadridimensional 150mm
 (05 Pç) Trena de 3m
 (02 pç) Esquadro 45/90º 300mm
 (02 Pç) Escala métrica de inox de 300mm
Materiais:
 Chave seccionadora tripolar rotativa
 Placa final p/ conectores
 Placa separadora p/ conectores
 Ponte retificadora
 Poste final para conectores
 Relés de Estado Sólido
 Sensores ópticos
 TC 50/5 Amperes
 Painéis Elétricos
 Canaletas
 Trilhos
 Placas de montagem (chassi)
 Porta fusíveis
 Fusíveis
 Disjuntores: unipolares, bipolares, tripolares e disjuntor-motor.
Materiais
 Contatores tripolares
 Contatores auxiliares
 Relés de sobrecarga
 Relés de falta de fase;
 Temporizadores: eletrônicos e pneumáticos.
 Transformadores
 Botoeiras com e sem retenção para painéis
 Sinalizadores luminosos para painéis
 Sinalizadores sonoros para painéis
 Botoeiras de emergência
 Botoeiras com chave
 Chave Voltimétrica
 Chave Amperimétrica
 Cabos elétricos
 Chaves fim de curso
 Sensores: indutivo, capacitivo e de temperatura

PC_AIB - Eletricista Industrial 73/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Controladores de temperatura
 Controlador Programável
 Inversor de frequência
 Soft Starter
 Tomadas industriais
 Plugues industriais
 Motor monofásico fase auxiliar
 Motor de indução trifásico
 Chave magnética para partida direta de motor
 Relé programável (Timer)
 Haste de aterramento
 Dispositivo de proteção contra surtos (dps)
Acessibilidade:
Nas condições de infraestrutura, serão asseguradas as condições de acessibilidade instrumental e arquitetônica, reconhecendo a especificidade e a peculiaridade do
aluno com deficiência, levando-se em conta a(s) Norma(s) Regulamentadora(s) da ocupação, NBR nº 9050, Lei nº 13.146/2015, a LDB nº 9394/96 e a legislação
específica em vigência da deficiência em questão, quando for o caso.

ORGANIZAÇÃO INTERNA DA UNIDADE CURRICULAR

MÓDULO ESPECÍFICO II
Perfil
ELETRICISTA INDUSTRIAL
Profissional:
Unidade
MANUTENÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS
Curricular:
Carga Horária: 150 horas
Unidade de U.C. 2: Realizar a instalação e a manutenção de sistemas elétricos industriais de baixa tensão, respeitando as normas técnicas
Competência: e os procedimentos de qualidade, saúde e segurança e de meio ambiente.

PC_AIB - Eletricista Industrial 74/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
Propiciar o desenvolvimento das capacidades técnicas, sociais, organizativas e metodológicas requeridas para realização dos serviços
Objetivo Geral: de manutenção programada e não programada de sistemas elétricos industriais de baixa tensão, considerando os procedimentos e
normas técnicas, de saúde, segurança e meio ambiente.
CONTEÚDOS FORMATIVOS
ELEMENTO(S) CAPACIDADES TÉCNICAS
DE PADRÕES DE DESEMPENHO (Itens indicativos dos conhecimentos que subsidiam o CONHECIMENTOS
COMPETÊNCIA desenvolvimento das capacidades técnicas)

 Analisar a documentação técnica disponível (projeto, 1. Manutenção elétrica


catálogos de fabricantes, manuais, sites, ...) quanto aos 1.1. Tipos de manutenção: Programadas e
requisitos técnicos a serem considerados e atendidos por Não programadas;
ocasião da manutenção de sistemas elétricos industriais. (6 1.2. Estrutura organizacional do setor de
e 10) Manutenção: Hierarquia; Layout;
Equipamentos; Organização; Áreas de
 Avaliar as condições físicas, ambientais e de segurança do responsabilidade; Documentação e
local da manutenção a ser realizada (disponibilidade, Registros da manutenção.
obstáculos, dimensões, localização, temperatura, umidade, 1.3. Instrumentos de controle e
riscos,...). (6 e 10) acompanhamento da manutenção;
 Avaliar a complexidade e o tempo requerido para a 1.4. Planejamento da manutenção:
4.5 Executar a Elaboração de planos de Manutenção
execução dos serviços de manutenção. (2)
manutenção  Planejando os serviços em Corretiva, Preventiva e Preditiva.
conformidade com o tipo, as  Definir a sequência técnico-operacional das atividades e,
de sistemas 1.5. Softwares aplicados à manutenção.
como base na mesma, o cronograma de execução dos
elétricos características e as indicações serviços de manutenção. (2)
da ordem de serviço da 2. Planejamento operacional da manutenção
industriais de  Definir o quantitativo e, com referência nas normas, as 2.1. Definição das etapas de trabalho:
baixa tensão. manutenção a ser realizada. especificações técnicas dos materiais, máquinas, 2.2. Fases de Execução;
ferramentas, instrumentos, equipamentos e acessórios 2.3. Previsão de Tempo;
requeridos para os serviços de manutenção, bem como os 2.4. Previsão de recursos (Listas de
equipamentos de proteção em função dos riscos presentes Materiais, Ferramentas, EPIs e EPCs,
na execução das atividades. (1 e 2) Máquinas, Equipamentos e
Instrumentos);
 Identificar, no projeto, quando houver, e nas normas, os
2.5. Necessidade de serviços terceirizados.
parâmetros a serem testados (continuidade, isolação,
corrente, tensão, ...) por ocasião da manutenção de
3. Manutenção de máquinas elétricas
sistemas elétricos industriais. (6 e 10)
3.1. Transformadores e autotransformadores
 Definir, com referência na natureza da manutenção, os monofásicos e trifásicos:
insumos e os serviços a serem realizados. (2 e 6) - Princípio de funcionamento;
- Características elétricas e
 Considerando as informações  Analisar, à luz das normas e requisitos técnicos, as

PC_AIB - Eletricista Industrial 75/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
do usuário. informações prestadas pelos usuários / operadores quanto construtivas;
às anomalias observadas no funcionamento dos sistemas - Noções de rebobinagem;
elétricos ou equipamentos industriais. (6, 9 e 10) - Relação de transformação;
- Esquemas elétricos de
 Seguindo o plano de  Interpretar as informações contidas no plano de manutenção transformadores;
(corretiva, preventiva e preditiva) e nos manuais dos - Identificação de terminais.
manutenção e as informações
fabricantes quanto aos requisitos a serem considerados e 3.2. Manutenção de Transformadores e
técnicas contidas nos manuais atendidos na manutenção dos sistemas elétricos ou autotransformadores elétricos:
dos fabricantes. equipamentos industriais. (1 e 2) - Ensaios elétricos
- Causas de avaria
 Considerando informações de  Analisar o histórico das manutenções já realizadas como
- Limpeza
referência para a tomada de decisão em relação às
históricos relativos a - Ventilação
intervenções a serem realizadas nos sistemas elétricos e/ou
manutenções anteriores. - Procedimentos de desmontagem e
equipamentos industriais. (1 e 6)
montagem.
 Selecionar os equipamentos e instrumentos de acordo com 3.3. Motores elétricos:
as grandezas a serem medidas por ocasião dos testes. (6 e - Princípios básicos de funcionamento
 Realizando os testes de - Tipos
8)
funcionalidade necessários. - Características elétricas e
 Interpretar os resultados das leituras realizadas pelos testes construtivas
e medições. (6 e 8) - Identificação de terminais
 Definir os componentes a serem substituídos com referência - Leitura e interpretação dos dados de
no seu grau de comprometimento e riscos à segurança e à placa.
 Substituindo os componentes funcionalidade do sistema. (3 e 8) 3.4. Manutenção de motores elétricos
trifásicos:
necessários.  Definir o processo de substituição de componentes com - Ensaios elétricos
base nas suas características técnicas e recomendações do - Causas de avaria
fabricante. (3,4, 5, 8 e 10) - Limpeza
- Ventilação
 Realizando o
- Rotor tipo gaiola
comissionamento do sistema - Procedimentos de desmontagem e
 Avaliar, pela aplicação de testes, a funcionalidade dos
com referência nos requisitos montagem
equipamentos e do sistema elétrico em manutenção. (3 e 8)
de funcionalidade do - Fixação do motor
- Regulagem de freio
equipamento. - Cuidados de armazenagem e
instalação (base, alinhamento,
 Respeitando as normas  Interpretar os procedimentos e normas técnicas, de saúde, ventilação), proteções/acessórios;
técnicas, de segurança e meio segurança e meio ambiente estabelecidas para a - Anomalias mais comuns nas
ambiente vigentes. manutenção corretiva, preventiva ou preditiva. (5; 9) instalações elétricas de motores.
3.5. Geradores:
 Documentando os serviços de  Reconhecer o sistema de registros da empresa, tendo em - Regulador de tensão (conceito,

PC_AIB - Eletricista Industrial 76/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
manutenção realizados com vista a documentação dos serviços de manutenção princípios de funcionamento, etc.).
base no sistema de registros executados nos sistemas elétricos e/ou equipamentos - Diodos (tipos e características)
industriais. (1) - Esquemas de ligações
da empresa. - Paralelismo e sincronismo (tipos e
 características)
 Liberando as instalações e Identificar as regras e procedimentos locais quanto à
- Proteções mais comuns em
limpeza e organização do ambiente de manutenção dos
equipamentos para uso em geradores.
sistemas elétricos e equipamentos industriais. (7 e 9)
conformidade com as normas
 Reconhecer os procedimentos de liberação das instalações 4. Mecânica Básica
técnicas, de meio ambiente e elétricas e equipamentos após a realização dos serviços de 4.1. Machos, cossinetes e desandadores:
as regras e padrões locais. manutenção. (5, 6 e 7) características, aplicações;
4.2. Polias e correias: Plana, em "V",
 Sugerindo melhorias no  Identificar oportunidades de melhoria nos sistemas elétricos
dentada e alinhamento;
sistema elétrico e/ou nos e nos processos de manutenção, considerando requisitos
4.3. Esmeril: tipos de rebolo e aplicação;
técnicos e novas tecnologias. (1; 6; 9; 10)
processos de manutenção. 4.4. Chavetas: função e tipos;
4.5. Rolamentos: Tipos, características e
aplicações;
4.6. Lubrificação: finalidades;
4.7. Acoplamentos e embreagem:
características e aplicações;
4.8. Instrumentos de medição: paquímetro;
4.9. Vibrações em máquinas elétricas.

5. Desenho mecânico
5.1. Perspectivas, projeção ortogonal,
detalhes, conjuntos e vista explodida.

6. Análise e solução de problemas em


sistemas elétricos.
6.1. Diagnóstico
 Consulta a históricos de
manutenção;
 Identificação do problema.
6.2. Alternativas de solução;
6.3. Seleção e aplicação de soluções;
6.4. Avaliação dos resultados.
6.5. Utilização de instrumentos de medidas;
6.6. Fluxograma de processo de
manutenção.

PC_AIB - Eletricista Industrial 77/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
7. Manutenção de Sistemas Elétricos
7.1. Manutenção de circuitos elétricos
industriais;

8. Instrumentos e Equipamentos de
Diagnóstico empregados na manutenção
industrial: Tipos, funcionamento, ligação,
leitura de variáveis, escalas e categorias.

9. Normas e Regulamentações: conceitos e


aplicações
9.1 NBR-5462: confiabilidade e
mantenabilidade.
9.2 Outras Normas pertinentes, conforme
o contexto de aplicação.

10. Catálogos, Manuais e Sites de


Fabricantes (nacionais e internacionais)
10.1 Interpretação de informações;
10.2 Códigos;
10.3 Especificações técnicas;
10.4 Ligações elétricas;
10.5 Características construtivas e de
montagem mecânica;
10.6 Parametrização;
10.7 Terminologia técnica;
10.8 Tradução de termos técnicos (AC, DC,
VDC, Ground, Normal-Open, Normal-
Closed, ON/OFF, True RMS,
cores,…).
10.9 Manutenção e falhas.

Acessibilidade:
Serão asseguradas as condições de acessibilidade, reconhecendo a especificidade e a peculiaridade do aluno com deficiência, levando-se em conta a(s)
Norma(s) Regulamentadora(s) da ocupação, Lei nº 13.146/2015, o Decreto nº 3298/2009, a LDB nº 9394/96 e a legislação específica em vigência da
deficiência em questão, quando for o caso.
Portanto, no planejamento e na prática docente, deverão ser indicadas as condições e os pré-requisitos para o desenvolvimento das capacidades que
envolvam risco, asseguradas as adequações de grande e pequeno porte.

PC_AIB - Eletricista Industrial 78/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
PORTARIA MTE 723/2012
Fundamentos Técnicos e Científicos
CONHECIMENTOS
Temas Capacidades Sociais, Organizativas e
Metodológicas.
 Organização, planejamento e  A relação com o líder:
controle do processo de  Estilos de liderança: democrático, centralizador e liberal;
trabalho e trabalho em equipe.  Papéis do líder;
 Como apresentar críticas e sugestões.

 Reconhecer o seu papel como integrante de  Controle emocional no trabalho:


 Perceber e expressar emoções no trabalho;
equipe nos diferentes processos de trabalho,
 Fatores internos e externos que influenciam as emoções no trabalho.
considerando seus pares e os demais níveis
hierárquicos.  Trabalho em equipe:
 Níveis de autonomia nas equipes de trabalho;
 Cooperação;
 Ajustes interpessoais.

 Organograma.

 Ferramentas da Qualidade:
 Analisar cenários e propor melhorias na  Análise e Solução de Problemas;
organização do trabalho.  Diagrama de Pareto;
 Espinha de Peixe.

 Ética profissional.

 Virtudes profissionais - conceitos e valor:


 Responsabilidade;
 Posicionar-se com ética em relação a situações  Iniciativa;
 Ética
e contextos apresentados.  Honestidade;
 Sigilo;
 Prudência;
 Perseverança;
 Imparcialidade.

 Direitos humanos, com enfoque  Reconhecer as religiões preponderantes no  Credo religioso – Conceitos básicos:

PC_AIB - Eletricista Industrial 79/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
no respeito à orientação sexual, país, tendo em vista a diversidade da nação  Religiões
raça, etnia, idade, credo brasileira;  Seitas, ....
religioso ou opinião política
 Interpretar informações referentes à realidade  Opinião política:
política em geral, tecendo críticas e  Conceito;
considerações sobre o fato contextualizado.  Liberdade de opinião, ....

 Educação para a saúde sexual  Educação Sexual:


reprodutiva, com enfoque nos  Reconhecer os principais fatores que  Promoção da educação sexual;
direitos sexuais e nos direitos influenciam positiva e negativamente a saúde  Promoção dos cuidados de saúde perinatais;
reprodutivos e relações de sexual das pessoas.  DSTs e AIDs;
gênero.  Direito de escolha (contracepção);
 Direito de respeito (identidade sexual).
 Dependência Química x Trabalho:
 Prevenção ao uso de álcool,  Reconhecer os principais impactos do álcool,
 Impactos no desempenho profissional;
tabaco e outras drogas. tabaco e outras drogas no trabalho.
 Exposição a riscos;
 Impactos na vida pessoal, familiar, profissional e social.
 Educação Financeira:
 Educação financeira e para o  Educação financeira pessoal / familiar (conceito);
 Reconhecer os princípios da administração
consumo e informações sobre o  Tomada de decisões;
financeira e a sua aplicação à vida pessoal.
mercado e o mundo do trabalho.  Consumo: necessidades básicas, apelos comerciais, criação de
necessidades, ....);
 Marketing e Mídia (instrumentos de consumo).
AMBIENTES PEDAGÓGICOS COM RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, MÁQUINAS, FERRAMENTAS, INSTRUMENTOS E MATERIAIS.
 Sala de aula
Ambientes
 Biblioteca
pedagógicos
 Laboratório de Eletricidade
Máquinas e Equipamentos:
 (05 Pç) Inversor de frequência
 (05 Pç) Chave de partida suave (soft start)
Máquinas,  (02 Pç) Autotransformador de Partida Compensadora
Equipamentos,  (05 Pç) Motores de indução trifásicos de baixa potência (igual ou inferior a 1 CV)
Instrumentos e  (01 Pç) Motores de indução trifásicos de 12 terminais (igual ou inferior a 1 CV)
Ferramentas.  (02 Pç) Motores de indução trifásicos Dahlander
 (02 Pç) Motores de indução trifásicos múltiplas velocidades
 (02 Pç) Motor de indução trifásico de Alto Rendimento até 1cv
 (02 Pç.) Controlador de Temperatura com sensor

PC_AIB - Eletricista Industrial 80/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
Ferramentas:
 (02 Pç) Bancada de montagem com morsa
 (13 Pç) Alicate Universal de 8” com cabo isolado
 (13 Pç) Alicate de bico chato de 6’’com cabo isolado
 (13 Pç) Alicate de corte diagonal de 6’’com cabo isolado
 (05 Pç) Alicate decapador de cabos PP
 (13 Pç) Alicate decapador de fios
 (05 Pç) Alicate de prensar terminal tubular com catraca
 (02 Pç) Alicate bomba d’água (gasista) com cabo isolado 10’’
 (02 Pç) Alicate Rebitador
 (13 Pç) Chave de fenda 3 x 150mm com haste isolada
 (13 Pç) Chave de fenda 4 x 150mm com haste isolada
 (13 Pç) Chave de fenda 6 x 150mm com haste isolada
 (13 Pç) Chave de fenda cruzada (Phillips) 3 x 150mm com haste isolada
 (13 Pç) Chave de fenda cruzada (Phillips) 4 x 150mm com haste isolada
 (13 Pç) Chave de fenda cruzada (Phillips) 6 x 150mm com haste isolada
 (02 Pç) Chave combinada – jogo de 6 a 20mm
 (05 Pç) Lima bastarda redonda 10”
 (02 Pç) Desandador de macho
 (02 Pç) Parafusadeira com bateria e carregador com controle de torque
 (01 Conj.) Jogo de serra-copo de 12 a 32mm com suportes
 (02 Conj.) Jogo de ponteira para parafusadeira
 (02 Pç) Jogo de broca em caixa metálica de 1 a 12mm
 (02 Pç) Jogo de macho de 6mm
 (02 Pç) Jogo de macho de 5mm
 (02 Pç) Jogo de macho de 4mm
 (02 Pç) Ferro de solda 100W
 (02 Pç) Escareador de ½’’ e ¾’’ de PVC
 (01 Pç) Soprador Térmico
 (01 Pç) Serra tico-tico com controle de velocidade
 (02 Pç) Furadeira com reversão, controle de velocidade e mandril de aperto rápido
 (02 Pç) Arco de serra com cabo isolado e lâmina 12”

Instrumentos:
 (02 pç) Multímetro com Alicate Amperímetro
 (13 pç) Multímetro digital
 (02 pç) Nível de bolha

PC_AIB - Eletricista Industrial 81/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 (02 pç) Paquímetro quadridimensional 150mm
 (05 Pç) Trena de 3m
 (02 pç) Esquadro 45/90º 300mm
 (02 Pç) Escala métrica de inox de 300mm
Materiais:
 Chave seccionadora tripolar rotativa
 Placa final p/ conectores
 Placa separadora p/ conectores
 Ponte retificadora
 Poste final para conectores
 Relés de Estado Sólido
 Sensores ópticos
 TC 50/5 Amperes
 Painéis Elétricos
 Canaletas
 Trilhos
 Placas de montagem (chassi)
 Porta fusíveis
 Fusíveis
 Disjuntores: unipolares, bipolares, tripolares e disjuntor-motor.
Materiais de  Contatores tripolares
Apoio  Contatores auxiliares
 Relés de sobrecarga
 Relés de falta de fase;
 Temporizadores: eletrônicos e pneumáticos.
 Transformadores
 Botoeiras com e sem retenção para painéis
 Sinalizadores luminosos para painéis
 Sinalizadores sonoros para painéis
 Botoeiras de emergência
 Botoeiras com chave
 Chave Voltimétrica
 Chave Amperimétrica
 Cabos elétricos
 Chaves fim de curso
 Sensores: indutivo, capacitivo e de temperatura
 Controladores de temperatura
 Controlador Programável

PC_AIB - Eletricista Industrial 82/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Inversor de frequência
 Soft Starter
 Tomadas industriais
 Plugues industriais
 Motor monofásico fase auxiliar
 Motor de indução trifásico
 Chave magnética para partida direta de motor
 Relé programável (Timer)
 Dispositivo de proteção contra surtos (dps)
Acessibilidade:
Nas condições de infraestrutura, serão asseguradas as condições de acessibilidade instrumental e arquitetônica, reconhecendo a especificidade e a peculiaridade do
aluno com deficiência, levando-se em conta a(s) Norma(s) Regulamentadora(s) da ocupação, NBR nº 9050, Lei nº 13.146/2015, a LDB nº 9394/96 e a legislação
específica em vigência da deficiência em questão, quando for o caso.

PC_AIB - Eletricista Industrial 83/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
ANEXO III

Indicações sobre o Atendimento à Portaria MTE nº 723/2012

Art. 10. Além do atendimento aos arts. 2º e 3º do Decreto nº 5.154, de 23 de julho de 2004 e demais normas federais relativas à formação inicial e
continuada de trabalhadores, as entidades ofertantes de programas de aprendizagem em nível de formação inicial devem se adequar ao CONAP e
atender às seguintes diretrizes:

III - conteúdos de formação humana e científica devidamente contextualizados:

a) comunicação oral e escrita, leitura e compreensão de textos e inclusão digital;

b) raciocínio lógico-matemático, noções de interpretação e análise de dados estatísticos;

c) diversidade cultural brasileira;

d) organização, planejamento e controle do processo de trabalho e trabalho em equipe;

e) noções de direitos trabalhistas e previdenciários, de saúde e segurança no trabalho e do Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA;

f) direitos humanos, com enfoque no respeito à orientação sexual, raça, etnia, idade, credo religioso ou opinião política;

g) educação fiscal para o exercício da cidadania;

h) formas alternativas de geração de trabalho e renda com enfoque na juventude;

i) educação financeira e para o consumo e informações sobre o mercado e o mundo do trabalho;

PC_AIB - Eletricista Industrial 84/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
j) prevenção ao uso de álcool, tabaco e outras drogas;

k) educação para a saúde sexual reprodutiva, com enfoque nos direitos sexuais e nos direitos reprodutivos e relações de gênero;

l) políticas de segurança pública voltadas para adolescentes e jovens; e

m) incentivo à participação individual e coletiva, permanente e responsável, na preservação do equilíbrio do meio ambiente, com enfoque na defesa da
qualidade ambiental como um valor inseparável do exercício da cidadania.

CLASSIFICAÇÃO Módulo Introdutório


Tema Transversal Comunicação oral e escrita, leitura e compreensão de textos e inclusão digital.
 Empregar os princípios normativos básicos da Língua Portuguesa na comunicação oral e escrita.
 Interpretar ideias e informações contidas em textos informativos, técnicos e literários.
Fundamentos
Técnicos e  Reconhecer a estrutura e os padrões dos diferentes tipos de documentos técnicos e de correspondência oficial, assim como a sua
finalidade no contexto do mundo do trabalho.
Científicos
 Aplicar diferentes metodologias de pesquisa como forma de ampliar a capacidade comunicativa e de se apropriar de novos conhecimentos.

 Elementos da comunicação: emissor, mensagem, canal e receptor;


 Estrutura de frases e parágrafos;
 Produção textual: descrição, narração e dissertação;
 Gramática aplicada ao texto;
 Técnicas de argumentação;
 Leitura e Interpretação de texto: informativos (jornalísticos e técnicos); literários.
 Produção de texto: relatórios, atas, cartas comerciais;
Conhecimentos  Técnicas de resumo;
associados  Vocabulário técnico.

 Documentação Técnica
 Conceito;
 Documentos técnicos aplicáveis à produção: tipos, características e finalidades;
 Tipos de informações;
 Formas de apresentação de dados e informações;
 Responsabilidades dos usuários.

PC_AIB - Eletricista Industrial 85/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Pesquisa
 Bibliográfica; em publicações eletrônicas; de campo;
 Apresentação de resultados de pesquisas: Tema; Objetivo; Apresentação; Método utilizado; Desenvolvimento e análise das
informações; Síntese das informações; Citação; Referências Bibliográficas (fontes de consulta).

U.C.: Fundamentos da Eletricidade


CLASSIFICAÇÃO Módulo Introdutório
 Reconhecer a organização e os princípios de funcionamento do Sistema Operacional.
 Aplicar os princípios e recursos da informática básica na elaboração de textos.
Fundamentos
 Aplicar os princípios e recursos da informática básica na elaboração de planilhas eletrônicas.
Técnicos e
Científicos  Aplicar os recursos computacionais na elaboração de gráficos, quadros e tabelas.
 Pesquisar dados e informações em sites de busca.

Conhecimentos  Sistema operacional:


associados  Fundamentos e funções;
 Barras de ferramentas;
 Utilização de Acessórios;
 Criação de diretórios;
 Pesquisa de arquivos e diretórios;
 Área de trabalho;
 Criação de atalhos;
 Ferramentas de sistemas;
 Compactação de arquivos.

 Editor de Textos
 Tipos;
 Formatação;
 Configuração de páginas;
 Importação de figuras e objetos;
 Inserção de tabelas e gráficos;
 Arquivamentos;
 Controles de exibição;
 Correção ortográfica e dicionário;
 Quebra de páginas;
 Recuos, tabulação, parágrafos, espaçamentos e margens;
 Marcadores e numeradores;
 Bordas e sombreamento;

PC_AIB - Eletricista Industrial 86/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Colunas;
 Ferramentas de desenho.

 Planilhas Eletrônicas
 Funções/finalidades;
 Linhas, colunas e endereços de células;
 Formatação de células;
 Configuração de páginas;
 Inserção de Fórmulas;
 Classificação e filtro de dados.

 Gráficos, quadros e tabelas


 Finalidade;
 Organização;
 Representações gráficas;
 Ferramentas computacionais.
 Internet
 Normas de uso;
 Navegadores;
 Sites de busca;
 Download e gravação de arquivos;
 Correio eletrônico;
 Direitos autorais (citação de fontes de consulta).

U.C.: Fundamentos da Eletricidade

CLASSIFICAÇÃO Módulo Introdutório

Tema Transversal Raciocínio lógico-matemático, noções de interpretação e análise de dados estatísticos.


 Reconhecer diferentes estruturas lógicas e a sua aplicabilidade em diferentes contextos da área ocupacional.
 Solucionar problemas básicos da área ocupacional (de que trata o curso de Aprendizagem) pela aplicação de ferramentas e recursos de
Fundamentos
raciocínio lógico matemático.
Técnicos e
Científicos  Calcular soluções matemáticas para diferentes situações-problema da área de formação, considerando diferentes contextos, pela aplicação
dos princípios da teoria de conjuntos, frações, proporções e porcentagens.
 Solucionar problemas pela aplicação de princípios matemáticos e por ferramentas de análise e solução de problemas.
 Lógica
Conhecimentos
 Fundamentos básicos: Raciocínio lógico; Proposições; Valor lógico (falso / verdadeiro).
associados
 Princípios Básicos: Princípio da Identidade; Princípio da não contradição; Princípio de Terceiro Excluído.

PC_AIB - Eletricista Industrial 87/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br

 Sequências
 Sequências de figuras;
 Sequências de palavras;
 Sequências de números.

 Conjuntos
 Conceito;
 Propriedades;
 Representação;
 Conjuntos especiais;
 Operações entre conjuntos: Interseção de conjuntos; União de conjuntos; Diferença de conjuntos; Complementar de um conjunto.

 Frações
 Conceito;
 Tipos de frações: Fração própria; Fração imprópria; Fração aparente; Frações equivalentes (simplificar frações); Frações decimais;
Adição e multiplicação de frações.

 Razões e Proporções
 Razão: Conceito; Tipos (inversas, equivalentes, irredutível, ...); Propriedades.
 Proporção: Conceito; Tipos (múltipla, contínua, terceira proporcional, quarta proporcional, grandezas diretamente proporcionais,
grandezas inversamente proporcionais, ...).

 Percentagem
 Conceitos gerais: desconto; abatimento; lucro; prejuízo.
 Razão percentual: conceito
 Representação: forma; percentual; forma fracionária; forma decimal.

 Correlação
 Conceito;
 Aplicação.

 Técnicas de Resolução de Problemas


 Sequência de passos: Detalhar as variáveis do problema; Encontrar possíveis soluções; Escolher a solução adequada; Executar a
solução escolhida; Revisar e atualizar os dados.

U.C.: Fundamentos da Eletricidade

CLASSIFICAÇÃO Módulo Introdutório Módulo Específico I Módulo Específico II

PC_AIB - Eletricista Industrial 88/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
Tema Transversal Diversidade cultural brasileira.
 Reconhecer o processo de  Reconhecer a composição do território  Reconhecer o contexto da área
formação do Povo Brasileiro, bem nacional, considerando as diferentes regiões, ocupacional de que trata o curso na sua
como as diferentes etnias que suas condições climáticas, economia e cultura. região, considerando demandas, perfil
contribuíram para esse processo.  profissional da ocupação e oportunidades
 Reconhecer-se como parte de crescimento profissional.
integrante do seu contexto
sociocultural, fruto de um processo
histórico e herdeiro da cultura do
País e da Região em que vive.
Capacidades
Sociais  Reconhecer a contribuição das
diferentes etnias na formação do
Povo Brasileiro.
 Reconhecer os principais traços
cultura local, considerando as
contribuições de cada etnia na
língua, na vestimenta, na culinária,
na religião, nas manifestações
culturais e na organização do
trabalho na sua região.
 Formação do Povo Brasileiro:  Composição do Território Nacional:  Características da área ocupacional
 Colonizadores (Europeus);  Região Nordeste: especificidades (Eletricidade Industrial) na sua região:
 Primitivos – (Índios); climáticas, econômicas, sociais e  Demandas de trabalhadores;
 Escravos (Africanos); culturais;  Perfil profissional da ocupação;
 Imigrantes (Italianos,  Região Norte: especificidades climáticas,  Oportunidades de ascensão
Japoneses, Alemães, econômicas, sociais e culturais; profissional, ...
Poloneses, Árabes, entre  Região Centro-Oeste: especificidades
outros). climáticas, econômicas, sociais e culturais;
 Região Sudeste: especificidades
Conhecimentos  Diversidade Cultural: climáticas, econômicas, sociais e culturais;
associados  Tipos de culturas (Africana,  Região Sul: especificidades climáticas,
indígena, popular, brasileira, ...); econômicas, sociais e culturais.
 Diferenças culturais (linguagem,
vestimenta, culinária, religião,
arte, dança, tradições,...).

 Cultura e Trabalho:
 História e a cultura do trabalho
no Brasil;

PC_AIB - Eletricista Industrial 89/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 A relação da cultura local com a
organização do trabalho.

U.C.: Instalação de Sistemas Elétricos


U.C.: Fundamentos da Eletricidade Industriais
U.C.: Instalação de Painéis Elétricos Industriais

Tema Transversal Organização, planejamento e controle do processo de trabalho e trabalho em equipe.


 Reconhecer os princípios de  Reconhecer características de diferentes  Reconhecer diretrizes, princípios, valores e
Capacidades organização aplicáveis a ambientes estruturas e sistemas de organização do políticas institucionais que norteiam o
Organizativas profissionais. trabalho em ambientes empresariais. planejamento empresarial e o trabalho dos
colaboradores.
 Conceitos de organização e  Organização do trabalho:  Trabalho e profissionalismo:
disciplina no trabalho:  Estruturas hierárquicas;  Administração do tempo;
Conhecimentos  Organização do Tempo;  Sistemas administrativos;  Autonomia e iniciativa;
associados  Organização de Compromissos;  Gestão organizacional.  Inovação, flexibilidade e tecnologia.
 Organização de Atividades;
 A organização do local de  Diretrizes empresariais:
trabalho.  Missão;
 Visão;
 Política da Qualidade.

U.C.: Fundamentos da Eletricidade


U.C.: Instalação de Sistemas Elétricos
U.C.: Instalação de Painéis Elétricos Industriais Industriais
 Demonstrar espírito colaborativo em  Reconhecer os diferentes comportamentos das  Reconhecer o seu papel como integrante
Capacidades atividades coletivas. pessoas nos grupos e equipes. de equipe nos diferentes processos de
Sociais trabalho, considerando seus pares e os
demais níveis hierárquicos.
 Comportamento e equipes de trabalho:  A relação com o líder:
 Trabalho em equipe:  O homem como ser social;  Estilos de liderança: democrático,
 Conceitos de grupo, equipe e  O papel das normas de convivência em centralizador e liberal;
time; grupos sociais;  Papéis do líder;
 Trabalho em grupo;  A influência do ambiente de trabalho no  Como apresentar críticas e sugestões.
 O relacionamento com os comportamento;
colegas de equipe;  Fatores de satisfação no trabalho.  Controle emocional no trabalho:
 Responsabilidades individuais e  Perceber e expressar emoções no
coletivas;  Conflitos nas equipes de trabalho: trabalho;
 Cooperação;  Tipos;  Fatores internos e externos que

PC_AIB - Eletricista Industrial 90/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Divisão de papéis e  Características; influenciam as emoções no trabalho.
responsabilidades;  Fatores internos e externos;
 Compromisso com objetivos e  Causas;  Trabalho em equipe:
metas.  Consequências.  Níveis de autonomia nas equipes de
trabalho;
 Cooperação;
 Ajustes interpessoais.

 Organograma.

U.C.: Fundamentos da Eletricidade U.C.: Instalação de Painéis Elétricos Industriais U.C.: Manutenção de Sistemas Elétricos
Industriais
 Demonstrar organização nos  Reconhecer princípios e Ferramentas básicas  Analisar cenários e propor melhorias na
Capacidades próprios materiais e no da Qualidade como recursos/meio/estratégia organização do trabalho.
Metodológicas desenvolvimento das atividades. para a melhoria do trabalho, considerando
 planejamento, realização e resultados.
 Planejamento:  Qualidade:  Ferramentas da Qualidade:
 Organização pessoal: horários,  Conceito;  Análise e Solução de Problemas;
hábitos, rotinas, tempo,  Aplicação.  Diagrama de Pareto;
orçamento, ...;  Espinha de Peixe.
 Conceito de planejamento;  Qualidade Total: 
 Técnicas e ferramentas de  Conceito;
Conhecimentos planejamento.  Eficiência;
associados  Eficácia;
 Melhoria Contínua.

 Ferramentas da Qualidade:
 5 S;
 Ciclo PDCA.
 Brainstorming.

U.C.: Instalação de Painéis Elétricos Industriais


U.C.: Manutenção de Sistemas Elétricos
U.C.: Fundamentos da Eletricidade Industriais
Saúde, Segurança e Meio Ambiente.
Temas
Incentivo à participação individual e coletiva, permanente e responsável, na preservação do equilíbrio do meio ambiente, com enfoque na
Transversais
defesa da qualidade ambiental como um valor inseparável do exercício da cidadania.

PC_AIB - Eletricista Industrial 91/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Reconhecer situações de risco à  Reconhecer o papel do trabalhador no  Aplicar os princípios, normas e
Capacidades saúde e segurança do trabalhador e cumprimento das normas ambientais, de procedimentos de saúde, segurança e
Organizativas as diferentes formas de proteção a saúde e segurança. meio ambiente às atividades sob a sua
esses riscos. responsabilidade.
 Segurança no Trabalho:  Qualidade Ambiental:  Segurança no Trabalho:
 Acidentes de trabalho:  Homem e o meio ambiente;  Procedimentos de segurança no
conceitos, tipos e  Prevenção à poluição ambiental; trabalho;
características;  Aquecimento global;  Normas de Segurança do Trabalho
 Agentes agressores à saúde:  Descarte de resíduos; (Regulamentadoras, OHSAS 18001 –
físicos, químicos e biológicos;  Reciclagem de resíduos; conceitos e aplicações).
 Equipamentos de proteção  Uso racional de Recursos e Energias
individual e coletiva: tipos e disponíveis;  Saúde ocupacional:
funções;  Energias renováveis.  Conceito;
 Normas básicas de segurança.  Exposição ao risco.
Conhecimentos  Segurança no trabalho:
associados  Orientações de prevenção de  Comportamento seguro;  Meio ambiente e sustentabilidade:
acidentes:  Qualidade de vida no trabalho: cuidados  Responsabilidades socioambientais;
 Mapa de riscos (Finalidades); com a saúde, administração de stress, ...  Políticas públicas ambientais;
 Inspeções de segurança;  A indústria e o meio ambiente.
 Sinalizações de segurança;
 Prevenção e combate a
incêndio (Conceito e
importância de PPCI);
 PPRA: (Conceito, finalidades).
U.C.: Instalação de Painéis Elétricos Industriais
U.C.: Fundamentos da Eletricidade U.C.: Instalação de Sistemas Elétricos
Industriais

Tema Transversal Ética


 Demonstrar atitudes éticas nas  Apresentar comportamento ético no  Posicionar-se com ética em relação a
Capacidades
ações e nas relações profissionais. desenvolvimento das atividades sob a sua situações e contextos apresentados.
Sociais
responsabilidade.
 Ética:  Ética:  Ética profissional.
 Código de conduta;  Código de ética profissional;
Conhecimentos  Respeito às individualidades  Senso moral;  Virtudes profissionais - conceitos e
associados pessoais;  Consciência moral; valor:
 Ética nas relações  Cultura, história e dilema;  Responsabilidade;
interpessoais;  Cidadania;  Iniciativa;
 Ética nos relacionamentos  Comportamento social;  Honestidade;

PC_AIB - Eletricista Industrial 92/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
profissionais;  Direitos e deveres individuais e coletivas;  Sigilo;
 Ética no desenvolvimento das  Valores pessoais e universais;  Prudência;
atividades profissionais.  O impacto da falta de ética ao país:  Perseverança;
pirataria, impostos.  Imparcialidade.

 Habilidades básicas do
relacionamento interpessoal:
 Respeito;
 Cordialidade;
 Disciplina;
 Empatia;
 Responsabilidade;
 Comunicação;
 Cooperação.
U.C.: Instalação de Painéis Elétricos Industriais
U.C.: Fundamentos da Eletricidade
U.C.: Manutenção de Sistemas Elétricos
Industriais

Iniciativa, proatividade e Autoempreendedorismo.


Tema Transversal
Formas alternativas de geração de trabalho e renda com enfoque na juventude.
 Reconhecer a iniciativa como  Reconhecer a pesquisa como fonte de  Avaliar as oportunidades de crescimento e
característica fundamental e inovação e formação de um espírito desenvolvimento profissional,
requisito de um bom profissional. empreendedor. considerando o próprio potencial, as
Capacidades  Reconhecer políticas públicas e  Aplicar os aspectos de inovação em suas mudanças no mercado de trabalho e as
programas direcionados à geração atividades profissionais. necessidades de investimento na própria
Metodológicas
de renda e trabalho.  Reconhecer conceitos básicos de formação.
empreendedorismo e a importância do espírito  Identificar oportunidades de geração de
empreendedor para o crescimento profissional. renda a partir das políticas públicas e
oportunidades da indústria.
 Iniciativa:  Pesquisa:  Desenvolvimento profissional:
 Conceito;  Tipos: bibliográfica, de campo, laboratorial,  Planejamento Profissional - ascensão
 Importância, valor no trabalho; acadêmica; profissional, formação profissional,
 Formas de demonstrar  Características; investimento educacional;
Conhecimentos
iniciativa;  Métodos;  Empregabilidade
Associados
 Consequências favoráveis e  Fontes;
desfavoráveis da iniciativa no  Estruturação;  Empreendedorismo:
trabalho.  Anterioridade;  Etapas da constitui8ção de um
 Propriedade intelectual. negócio;

PC_AIB - Eletricista Industrial 93/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Órgãos de fomento.
 Formas alternativas de geração de  Inovação:
trabalho e renda:  Conceito;  Autoempreendedorismo:
 Política Nacional da Juventude  Inovação x melhoria;  Características empreendedoras;
(diretrizes e perspectivas);  Visão inovadora.  Atitudes empreendedoras;
 Programas de geração de renda  Autorresponsabilidade e
(Pró-jovem, Aprendizagem Empreendedorismo: empreendedorismo;
profissional, estágios  Conceitos básicos;  A construção da missão pessoal;
profissionalizantes,  Espírito empreendedor.  Valores do empreendedor:
capacitações, ...). Persistência e Comprometimento;
 Persuasão e rede de contatos;
 Independência e autoconfiança;
 Cooperação como ferramenta de
desenvolvimento.

U.C.: Instalação de Sistemas Elétricos


Industriais
U.C.: Instalação de Painéis Elétricos Industriais
U.C.: Fundamentos da Eletricidade

Tema Transversal Direitos humanos, com enfoque no respeito à orientação sexual, raça, etnia, idade, credo religioso ou opinião política.
 Reconhecer os conceitos básicos de  Diferenciar as implicações relacionadas à  Reconhecer as religiões preponderantes
direitos humanos e suas violência decorrente de assédio, discriminação no país, tendo em vista a diversidade da
implicações no cotidiano da vida em e falta de orientação sexual, especialmente no nação brasileira;
sociedade e no trabalho, tendo trabalho.  Interpretar informações referentes à
como base o código e a declaração  realidade política em geral, tecendo
universal dos direito humanos; críticas e considerações sobre o fato
 Reconhecer princípios relacionados contextualizado.
Capacidades sociais
ao estatuto da igualdade racial no 
contexto da formação da sociedade
brasileira;
 Identificar as premissas básicas que
constituem o estatuto do idoso,
tendo em vista a estimativa de vida
do brasileiro (a).
Conhecimentos  Direitos Humanos:  Assédio e Discriminação:  Credo religioso – Conceitos básicos:
associados  Conceito;  Efeitos psicológicos, sociais e legais;  Religiões
 Declaração universal dos impactos no trabalho; políticas públicas de  Seitas, ....
direitos humanos; prevenção.
 Código de direitos humanos  Opinião política:

PC_AIB - Eletricista Industrial 94/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
(conceito, aplicação);  Conceito;
 Violência (com origem no  Liberdade de opinião, ....
assédio e discriminação);
 Estatuto de igualdade racial
(diferença entre raça e etnia e
suas peculiaridades);
 Estatuto do idoso.
U.C.: Instalação de Painéis Elétricos Industriais U.C.: Manutenção de Sistemas Elétricos
Industriais
U.C.: Fundamentos da Eletricidade

Tema Transversal Educação para a saúde sexual reprodutiva, com enfoque nos direitos sexuais e nos direitos reprodutivos e relações de gênero.
 Reconhecer a pessoa como  Reconhecer a sexualidade como um aspecto  Reconhecer os principais fatores que
indivíduo e ser social, dotado de da vida do ser humano, que exige respeito influenciam positiva e negativamente a
Capacidades
direitos, liberdades e mútuo e responsabilidades individuais. saúde sexual das pessoas.
Sociais
responsabilidades individuais e
coletivas.
 O homem como ser social:  Saúde sexual:  Educação Sexual:
 Direitos e deveres.  Respeito às individualidades da pessoa;  Promoção da educação sexual;
 Saúde sexual e reprodutiva: conceitos e  Promoção dos cuidados de saúde
Conhecimentos implicações; perinatais;
associados  Combate à violência sexual baseada em  DSTs e AIDs;
questões de gênero;  Direito de escolha (contracepção);
 Violência sexual: causas, consequências e  Direito de respeito (identidade sexual).
implicações legais.

U.C.: Instalação de Painéis Elétricos Industriais U.C.: Manutenção de Sistemas Elétricos


U.C.: Fundamentos da Eletricidade Prediais e Comerciais

Tema Transversal Prevenção ao uso de álcool, tabaco e outras drogas.


 Reconhecer as causas e  Reconhecer a função e a importância dos  Reconhecer os principais impactos do
consequências do uso do álcool, programas de prevenção ao uso e dos álcool, tabaco e outras drogas no trabalho.
tabaco e outras drogas, bem como programas de tratamento da dependência
Capacidades programas e formas alternativas de química.
Sociais tratamento.
 Reconhecer o álcool, o tabaco e
outras drogas como agentes
agressores à saúde das pessoas.
Conhecimentos  Álcool, tabaco e outras drogas:  Programas de prevenção:  Dependência Química x Trabalho:
associados  Características;  Tipos;  Impactos no desempenho profissional;

PC_AIB - Eletricista Industrial 95/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Principais efeitos maléficos  Importância;  Exposição a riscos;
sobre a saúde das pessoas.  Funcionamento.  Impactos na vida pessoal, familiar,
profissional e social.
 Dependência Química:
 Tipos;
 Consequências;
 Tratamento.
U.C.: Manutenção de Sistemas Elétricos
U.C.: Fundamentos da Eletricidade U.C.: Instalação de Painéis Elétricos Industriais Industriais

Noções de direitos trabalhistas e previdenciários, de saúde e segurança no trabalho e do Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA.
Tema Transversal
Políticas de segurança pública voltadas para adolescentes e jovens.
 Reconhecer os direitos e a  Identificar os direitos básicos como trabalhador  Reconhecer situações de risco em
legislação básica que rege as contribuinte, tendo como referência a ambientes de trabalho, assim como as
relações entre empregado e legislação previdenciária vigente. diferentes formas de proteção ao
trabalhador no país. trabalhador;
Capacidades  Reconhecer os aspectos centrais do
Metodológicas e Estatuto da Criança e do Adolescente e os
Sociais seus impactos no exercício profissional
dos jovens.
 Reconhecer as principais políticas públicas
de segurança aplicáveis a adolescentes e
jovens no Brasil.
Conhecimentos  Noções de direitos trabalhistas:  Noções de direitos previdenciários.  Saúde e Segurança no Trabalho:
associados  Consolidação das Leis do  Prevenção;
Trabalho (CLT) (Conceito).  A previdência social:  Higiene (bucal, pessoal, dos alimentos,
 Organização (forma de regime geral, de da água);
 Contrato individual de trabalho: caráter contributivo e de filiação  Vacinas (tipos e aplicações).
 Conceito; obrigatória, observados critérios que
 Elementos (agente capaz, preservem o equilíbrio financeiro e  Saúde ocupacional:
objeto lícito e forma prescrita ou atuarial).  Conceito;
não defesa, ou seja não  Exposição ao risco.
proibida em lei);  Atendimento:
 Salário (piso salarial, salário-  I cobertura de eventos de doença,  Segurança no Trabalho:
maternidade, salário família, ...); invalidez, morte e idade avançada;  Conceito;
 Licença paternidade;  II proteção à maternidade, especialmente  Procedimentos de segurança no
 Fundo de Garantia por Tempo à gestante; trabalho;
de Serviço (FGTS).  III proteção ao trabalhador em situação de  Normas de Segurança do Trabalho
desemprego involuntário; (Regulamentadoras, OHSAS 18001 –
 IV salário-família e auxílio-reclusão para os
PC_AIB - Eletricista Industrial 96/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Jornada de Trabalho: dependentes dos segurados de baixa conceitos e aplicações);
 Limitação do tempo de trabalho; renda; e  Comportamento seguro;
 Constituição / CLT;  V pensão por morte do segurado, homem  Qualidade de vida no trabalho:
 Horas extras; ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e cuidados com a saúde, administração
 Trabalho noturno; dependentes. de stress, ...;
 Repouso semanal;  Acidentes de trabalho: conceitos, tipos
 Férias remuneradas, coletivas,  Legislação Previdenciária: e características;
...).  Conteúdo (o campo de aplicação, a  Agentes agressores à saúde: físicos,
organização, o custeio e as prestações); químicos e biológicos;
 Sujeitos do contrato:  Fontes do direito previdenciário (fontes  Equipamentos de proteção individual e
 Empregado (em domicílio, diretas ou imediatas e fontes indiretas ou coletiva: tipos e funções;
aprendiz, doméstico, rural, mediatas);  Normas básicas de segurança.
público, mãe social, estagiário,  Instituto Nacional de Seguro Social – INSS
...); (conceito, objetivo).  Estatuto da Criança e do Adolescente –
 Empregador. ECA:
 Cadastro Nacional de Informações Sociais –  Conceito (Estatuto, criança,
 Dissolução do contrato de trabalho CNIS: adolescente);
(Resilição, Resolução,  Conceito;  Características do ECA.
Rescisão,...).  Aplicação.
 Conselho Tutelar:
 Aviso Prévio:  Constituição;
 Conceito;  Atribuições.
 Legislação; ...
 Medidas aplicadas ao adolescente na
prática do ato infracional pela autoridade
competente:
 Advertência;
 Obrigação de reparar o dano;
 Prestação de serviços à comunidade;
 Liberdade assistida;
 Inserção em regime de semiliberdade;
 Internação em estabelecimento
educacional.

 Políticas de Segurança:
 Fatores de risco (vulnerabilidade,
maus tratos , discriminação,...);
 Segurança pública (políticas,
participação e responsabilidades);

PC_AIB - Eletricista Industrial 97/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
 Plano Nacional de Segurança Pública
(PNSP – Pressupostos básicos).

U.C: Instalação de Painéis Elétricos Industriais


U.C.: Fundamentos da Eletricidade U.C.: Instalação de Sistemas Elétricos
Industriais

Educação fiscal para o exercício da cidadania.


Tema Transversal Educação financeira e para o consumo e informações sobre o mercado e o mundo do
trabalho.
 Reconhecer a estrutura do sistema  Reconhecer, como cidadão(ã), as  Reconhecer os princípios da administração
fiscal brasileiro, considerando as responsabilidades fiscais cabíveis ao indivíduo financeira e a sua aplicação à vida
diferentes esferas administrativas e e às instituições públicas, tendo em vista a pessoal.
a sua importância para o aplicação dos recursos na manutenção social.
Capacidades
desenvolvimento do País.
Sociais e
Organizativas  Reconhecer o funcionamento do
sistema tributário brasileiro,
considerando as diferentes esferas
administrativas, e a sua importância
para o desenvolvimento do País.
 Sistema tributário Brasileiro:  Educação fiscal:  Educação Financeira:
 O que é?;  PNEF – Programa Nacional de Educação  Educação financeira pessoal / familiar
 Finalidades; Fiscal (conceito e aplicação); (conceito);
Conhecimentos  Importância;  Cidadania e sociedade (conceitos e  Tomada de decisões;
associados  Esferas administrativas de aplicações);  Consumo: necessidades básicas,
arrecadação;  Prática cidadã e transformação social; apelos comerciais, criação de
 Tributos federais;  Declaração de Imposto de Renda - necessidades, ....);
 Tributos Estaduais; restituição e pagamentos;  Marketing e Mídia (instrumentos de
 Tributos Municipais;  Lei de responsabilidade fiscal. consumo).
 Sistemas de arrecadação:
formas e responsabilidades;
 Aplicação de tributos.
U.C: Instalação de Painéis Elétricos Industriais U.C.: Manutenção de Sistemas Elétricos
U.C.: Fundamentos da Eletricidade Industriais

PC_AIB - Eletricista Industrial 98/99


Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br
SENAI – DEPARTAMENTO REGIONAL
GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA - GEPTEC

Eliseu André Ferrigo


Gerente de Educação Profissional e Tecnológica

Cristiano Predella Lages


Coordenador Técnico da GEPTEC

Antônio José Ten Caten


Elaboração

PC_AIB - Eletricista Industrial


99/99
Departamento Regional Diretoria de Operações Av. Assis Brasil , 8787 SISTEMA FIERGS
do Rio Grande do Sul Gerência de Desenvolvimento Educacional 91140-001 - Porto Alegre, RS
Tel.: 51 3347-8833
e-mail: claiton.costa@senairs.org.br

Você também pode gostar