Você está na página 1de 17

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE GABRIELA ANDRADE DE OLIVEIRA CARDOSO – 41830891

LUCAS CARAVANTE – 31719406


CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas
MÁRCIO LUIZ MIRANDA FILHO – 41786092

A progressividade do imposto de renda pessoa física no Brasil


A progressividade do imposto de renda pessoa física no Brasil

GABRIELA ANDRADE DE OLIVEIRA CARDOSO – 41830891

LUCAS CARAVANTE – 31719406


Trabalho de Conclusão de Curso – TCC II
MÁRCIO LUIZ MIRANDA FILHO – 41786092 apresentado ao Centro de Ciências Sociais e
Aplicadas da Universidade Presbiteriana Mackenzie
como requisito parcial para obtenção do grau de
Bacharel em Ciências Contábeis.

São Paulo – SP

2021 São Paulo – SP


2021
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO ............................................................................................................................. 5
1.1. Problema de Pesquisa ........................................................................................................... 7
1.2. Objetivo Geral ....................................................................................................................... 7
RESUMO
1.2.1 Objetivos Específicos ........................................................................................................... 7
1.3. Justificativa ............................................................................................................................ 7
A presente pesquisa possui como tema central analisar a progressividade do imposto de renda

2. REFERENCIAL TEÓRICO ........................................................................................................ 9 para pessoas físicas no Brasil. Quanto a metodologia, trata-se de uma pesquisa descritiva cujo
2.1. Primórdios do imposto de renda no mundo ........................................................................ 9 método utilizado para desenvolvimento é qualitativo, além disso, os dados contendo o resumo
2.2. Breve histórico do imposto de renda no Brasil ................................................................... 9 das declarações de ajuste anual do IRPF para os anos base de 2016, 2017 e 2018 foram extraídos
2.3. Imposto de renda pessoa física no Brasil ........................................................................... 11 diretamente do site da Receita Federal do Brasil. Seguindo para o referencial teórico foram
2.3.1. Obrigatoriedade de entrega da declaração ............................................................... 12 abordados os seguintes temas: Primórdios do imposto de renda no mundo, cujo objetivo é
2.3.2. Dispensa da apresentação da Declaração de Ajuste Anual...................................... 13 apresentar as origens históricas deste tributo e seu desenvolvimento até os dias atuais, também
2.3.3. Cálculo do imposto de renda pessoa física ................................................................ 13 foi abordado um breve histórico do IRPF no Brasil com a finalidade de apresentar suas
2.3.4. Progressividade ........................................................................................................... 14 particularidades, bem como suas regras e transformações em território nacional. Quando
3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ............................................................................. 15 analisados os resultados preliminares da presente pesquisa, era possível notar uma desigualdade
3.1. Enquadramento metodológico ........................................................................................... 16
na forma como o imposto impacta o contribuinte dependendo da sua faixa de renda. Contudo,
3.2. População e amostra ........................................................................................................... 16
após obter os resultados finalizados foi possível constatar que embora a progressividade não
3.3. Coleta e análise dos dados .................................................................................................. 17
ocorra de forma gradativa, ela permite que aqueles com maior rendimento sofram um maior
4. ANALÍSE DOS RESULTADOS ................................................................................................ 17
impacto da carga tributária e os contribuintes cujo rendimento é menor sejam menos onerados.
4.1 A progressividade do IRPF ................................................................................................ 25
Palavras chaves: Imposto de renda, Progressividade, Receita federal
5. CONCLUSÃO ......................................................................................................................... 28
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................................................. 30
ABSTRACT
The main theme of this research is to analyze the progressivity of income tax for individuals in 1. INTRODUÇÃO
Brazil. As for the methodology, this is descriptive research whose method used for development
is qualitative. In addition, the data containing the summary of the annual adjustment statements De acordo com a Teoria Geral do Estado, ele é definido como nação política e
of the IRPF for the base years 2016, 2017, and 2018 were extracted directly from the website juridicamente organizada, constituída por três elementos: povo, território e governo. O governo
of Receita Federal do Brasil. Furthermore, the following themes were addressed: Beginnings é responsável por retirar parte significativa dos recursos produzidos pela sociedade para
of the income tax in the world, whose objective is to present the historical origins of this tax financiar projetos que tem como finalidade promover o bem-estar social. Além disso, também
and its development up to the present day, a brief history of the IRPF in Brazil was also é encarregado de alocar recursos nas mais variadas áreas, buscando beneficiar toda a população,
addressed to present its particularities, as well as its rules and transformations in the national mesmo que nem todos utilizem a maioria dos serviços colocados à disposição, (Pêgas, 2017).
territory. When analyzing the preliminary results of this research, it was possible to notice De acordo com dados do Índice de Confiança Social (ICS), medido pelo IBOPE
inequality in the way the tax impacts taxpayers depending on their income bracket. However, Inteligência (2019), os Partidos Políticos e o Congresso Nacional estão entre as instituições
after obtaining the final results, it was possible to verify that although progressivity does not menos confiáveis, amargurando as duas últimas colocações no ranking. A pesquisa levantada
occur gradually, it allows those with higher income to suffer a greater impact from the tax pelo IBOPE foi realizada entre os dias 11 e 15 de julho de 2019, com 2.002 pessoas a partir de
burden, and taxpayers whose income is lower are less burdened. 16 anos, em 144 municípios do país.
Keywords: Income tax, Progressivity, Federal Revenue Embora a pesquisa tenha apresentado números baixos com relação a confiança
depositada nessas instituições, a arrecadação através de tributos é essencial para manter a
máquina pública. Dentre os tributos arrecadados, está o imposto de renda.
O imposto geral sobre a renda foi instituído no Brasil através do art. 31 da Lei
orçamentária n° 4.625, de 31 de dezembro de 1922, que orçou a Receita Geral da República
dos Estados Unidos do Brasil em 1923, conforme transcrito abaixo:
Art. 31. Fica instituído o imposto geral sobre a renda, que será
devido, anualmente, por toda a pessoa physica ou jurídica,
residente no território do paiz, e incidirá, em cada caso, sobre o
conjunto liquido dos rendimentos de qualquer origem.

Desde sua criação, o tributo federal passou por sucessivos aperfeiçoamentos e


mudanças. Segundo Nóbrega (2014) entre os anos de 1944 e 1978, o imposto de renda esteve
entre os tributos federais de maior arrecadação, junto ao imposto de consumo e imposto sobre
produtos industrializados (IPI). Nóbrega (2014), ainda afirma que desde 1979, entre os tributos
de competência da União, o imposto de renda é o de maior arrecadação no país.
O Art. 153, § 2, inc. I da Constituição Federal de 1988, define que o imposto de renda
atenda à três critérios básicos: o da generalidade, da universalidade e da progressividade, que
torna possível identificar aqueles com maior capacidade de contribuir para a arrecadação do
tributo. Segundo Pêgas (2017) o critério da generalidade define que toda e qualquer forma de
renda ou provento seja tributada nos limites e condições da lei, já o critério da universalidade
determina que o tributo deverá ser cobrado de todos que auferirem renda sem distinguir sexo,
cor, nacionalidade, profissão etc. De acordo com o referido autor (2017), o critério da
progressividade estabelece que imposto de renda seja graduado por faixas, onde a carga 1.1. Problema de Pesquisa
tributária mais elevada recaia sobre as maiores faixas de renda. Dessa forma, a progressividade
tem como objetivo aplicar justiça tributária, onerando mais aqueles com maior capacidade de Portanto, indaga-se: Qual é a progressividade do imposto de renda para pessoas físicas
contribuição. no Brasil?
Além disso, por ter um caráter progressivo, o imposto de renda possuiu diversas
alíquotas ao longo de sua história. Atualmente, a tabela progressiva do imposto possui alíquotas 1.2. Objetivo Geral
que variam entre 7,5% e 27,5%.
Sendo assim, o objetivo geral da presente pesquisa é analisar a progressividade do
De acordo com dados da Receita Federal, em 2020 foram recebidas aproximadamente
imposto de renda para pessoas físicas no Brasil.
32 milhões de declarações. Número superior ao ano anterior, onde foram entregues cerca de
30,7 milhões de declarações.
Embora o imposto de renda possua característica progressiva, o Brasil ainda enfrenta 1.2.1 Objetivos Específicos

grandes problemas com concentração de renda. De acordo com dados da PNAD Contínua
Para tanto, foram determinados os seguintes objetivos específicos: identificar dados
(Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) realizada pelo IBGE, em 2019 a massa mensal
(rendimentos e deduções) de declarações de imposto de renda para pessoas físicas dos anos de
de rendimento domiciliar teve um valor total de R$ 294,4 bilhões. A população dos 10% que
2016, 2017 e 2018 e analisar as rendas e deduções por faixas de rendimento para verificar a
menos ganhava detinha 0,8% desse valor, por outro lado os 10% com os maiores rendimentos
progressividade do imposto.
detinham 42,9%. Não obstante, o Brasil registrou uma das médias mais altas no índice Gini,
indicador que mede a concentração e desigualdade econômica, variando entre 0 (perfeita
1.3. Justificativa
igualdade) e 1 (máxima desigualdade), em 2019, o país obteve uma média de 0,543 tendo uma
ligeira queda se comparado com o ano anterior que foi de 0,545.
O imposto de renda para pessoas físicas pode ser analisado por diferentes aspectos da
O montante arrecadado pelo imposto de renda compõe parte das receitas orçamentárias
sociedade. Os que contribuem para o imposto visam uma carga tributária menor, já o governo
do país, podendo ser destinado para as mais variadas políticas públicas que visam beneficiar a
tem a necessidade de propor uma maior arrecadação, por outro lado, outros se preocupam com
população e reduzir a desigualdade social. Portanto, é nítida a necessidade de se avaliar os
o impacto social desse tributo, (Souza, 2008). Sendo assim, um estudo sobre a progressividade
efeitos da progressividade do imposto de renda no Brasil, pois além de ser o imposto de maior
do imposto de renda é importante para diferentes partes da sociedade.
arrecadação, sua característica progressiva tem grande potencial para redistribuir a renda de
Além disso, o imposto de renda para pessoas físicas é relevante entre os tributos de
forma proporcional. Segundo Pêgas (2017) embora o imposto de renda para pessoa física
competência da União. De acordo com dados da Receita Federal, em setembro de 2020 o
possua tal característica garantida através da tabela progressiva, talvez seja possível questionar
imposto de renda pessoa física foi um dos destaques em arrecadação, representando um valor
o quão efetiva é a progressividade desse tributo.
de R$ 3.602 bilhões.
O efeito redistributivo é de suma importância para o bem-estar social, e é possibilitado
Embora o imposto de renda tenha característica progressiva, existe a hipótese de que
pela progressividade, que, por meio de uma arrecadação proporcional da renda bruta, propicia
devido às deduções, benefícios e outras possibilidades de redução da base de cálculo do
uma maior igualdade na distribuição da renda líquida, arrecadando mais dinheiro daqueles que
imposto, tal progressividade seja sensivelmente reduzida. Reforçando assim, a relevância de
podem provê-lo.
um estudo que possa analisar os efeitos progressivos do imposto de renda.
2. REFERENCIAL TEÓRICO
Não obstante, um estudo que permita analisar a progressividade do imposto de renda
para pessoas físicas, pode possibilitar aos órgãos competentes uma visão do efeito redistributivo 2.1. Primórdios do imposto de renda no mundo

do tributo, servindo como elemento inspirador para ajuste da tributação, onerando mais aqueles
De acordo com Nóbrega (2014) o surgimento do imposto de renda ocorreu tardiamente
com maior capacidade de contribuição e menos aqueles com menor capacidade.
no desenvolvimento dos povos, visto que, para implementar tal forma de tributação, era
necessário um modelo econômico que tornasse possível o controle, fiscalização e cobrança do
tributo.
Os sistemas econômicos baseados em trocas de produtos ou serviços dificultavam a
mensuração da renda. Após a criação da moeda, foi possível determinar o aumento do
patrimônio da população, tornando viável o reconhecimento da renda e sua tributação. A
riqueza era avaliada não apenas pelos bens dos indivíduos, mas também por seus produtos, ou
seja, a renda, (Nóbrega, 2014).
Após diversas tentativas de instituir uma nova forma de tributação, acredita-se que o
imposto de renda tenha surgido em 1799, na Inglaterra. Ameaçada por Napoleão Bonaparte, ao
final do século XVIII, os britânicos necessitavam encontrar um novo meio para financiar a
guerra. O então, primeiro-ministro inglês William Pitt, foi responsável por instituir um eficaz
imposto sobre a renda que vigorou durante este período, (Receita Federal do Brasil, 2020).
Em junho de 1815 Napoleão Bonaparte foi derrotado em Waterloo na Bélgica,
determinando assim, o fim da guerra contra os Franceses. Dessa forma, o imposto foi suprimido
em 1816 e foi restabelecido apenas em 1842, pelo então chefe de governo, Robert Peel, no
início da era vitoriana, (Receita Federal do Brasil, 2020).

2.2. Breve histórico do imposto de renda no Brasil

De acordo com a Receita Federal (2020), a primeira forma de tributação semelhante ao


imposto de renda, surgiu no início do reinado de D. Pedro II, com o art. 23 da Lei n° 317, de 21
de outubro de 1843, que instituiu um tributo progressivo para indivíduos que recebiam
vencimentos dos cofres públicos, modelo similar a tributação exclusiva na fonte.
Segundo Nóbrega (2014), devido à forte reação negativa, tal medida vigorou por apenas
dois anos e logo foi suprimida, mas foi um dos movimentos primordiais para instituir o imposto
de renda no país. Não obstante, o referido autor diz que o sistema econômico imperial era
incapaz de oferecer uma gama abrangente de contribuintes devido à escravidão e extensão do
território nacional, impossibilitando a implantação de um tributo de forma ampla.
No período republicando, o primeiro-ministro da fazenda, Rui Barbosa, foi um Por ter um caráter progressivo, o imposto de renda possuiu diversas alíquotas ao
fervoroso defensor do imposto de renda, alegando que o sistema tributário nacional se decorrer de sua história. A primeira tabela progressiva adotada, atingia alíquotas de até 8%. De
concentrava muito na forma de tributação indireta. Porém, após discussões realizadas na acordo com Nóbrega (2014), após sucessivos aumentos, a alíquota máxima atingiu 20% em
Assembleia Constituinte de 1891, suas sugestões não obtiveram êxito, (Receita Federal do 1944. Quatro anos depois, em 1948, a alíquota sofreu a maior alta de sua história de 20% para
Brasil, 2020). 50%. Além disso, por força da Lei n° 4.154, de 28 de novembro de 1962, a tabela progressiva
Anos depois, o imposto de renda foi instituído no Brasil, por meio do art. 31 da Lei do imposto de renda teve sua alíquota mais alta, até 65% entre os anos de 1963 a 1965,
orçamentária n° 4.625, de 31 de dezembro de 1922, orçando a Receita Geral da República dos (Nóbrega, 2014). Nos dias atuais, o imposto possui quatro alíquotas que variam entre 7,5% e
Estados Unidos do Brasil em 1923, reproduzido abaixo: 27,5%.
Art.31. Fica instituído o imposto geral sobre a renda, que será No exercício de 1980, o Programa Imposto de Renda (PIR) ganhava o leão como seu
devido, annualmente, por toda a pessoa physica ou juridica,
residente no territorio do paiz, e incidirá, em cada caso, sobre o símbolo. Segundo a Receita Federal (2020), a imagem do tributo foi vinculada ao animal por
conjunto liquido dos rendimentos de qualquer origem. representar força, justiça e lealdade. A identificação do público foi imediata, resultando em um
sucesso absoluto.
Embora outras formas de tributação houvessem sido criadas, nenhuma delas possuía
Em 1991, a Receita Federal criou o programa de preenchimento da Declaração de
repartição própria e funcionários exclusivos como o imposto geral sobre a renda, (Nóbrega,
Rendimentos do Imposto de Renda para pessoas físicas e jurídicas. Permitindo assim, a entrega
2014). Contendo apenas um artigo e oito incisos, a lei orçamentária foi estabelecida no território
das declarações por computador, sendo um marco tecnológico para a digitalização do tributo.
nacional.
No ano de 1997, a transmissão da declaração via internet foi instituída. O programa Receitanet,
De acordo com a Receita Federal (2020), os primeiros modelos de declaração do
como era chamado, foi mais um marco histórico para o imposto de renda, (Receita Federal do
imposto de renda surgiram por meio dos anexos III e IV do decreto n° 16.581, de 4 de setembro
Brasil, 2020). Desde então, o número de adeptos ao meio digital apenas cresceu nos anos
de 1924, sendo o primeiro regulamento do imposto:
posteriores. Ainda, segundo Nóbrega (2014, p. 135),
Eram dois modelos para Pessoa Física: um para rendas de 1ª
categoria (Comércio e qualquer exploração industrial, exclusive A compatibilidade da simplificação com a capacidade
agrícola) e outro para rendas de 2ª, 3ª e 4ª categorias (2ª categoria contributiva é o desafio do imposto de renda, de forma que a
- Capitais e valores mobiliários; 3ª categoria - Ordenados, facilidade no preenchimento da declaração e os princípios de
subsídios, emolumentos, gratificações, bonificações, pensões e equidade e justiças social e fiscal convivam harmonicamente.
remunerações sob qualquer título; 4ª categoria - Exercício de
profissões não comerciais e não compreendidas em categoria
Atualmente, o Brasil segue em busca de melhorias para aperfeiçoar o imposto de renda,
anterior).
estando na vanguarda tecnológica no preenchimento e entrega da declaração.
Segundo Nóbrega (2014), com a queda no comércio internacional durante a Segunda
Guerra Mundial, havia a necessidade de aperfeiçoar a administração pública, ampliando a 2.3. Imposto de renda pessoa física no Brasil
arrecadação de impostos. Dessa forma, a Comissão de Reorganização dos Serviços da Diretoria
do Imposto de Renda foi concebida e após mudanças adotadas, o imposto de renda passou a A Declaração de Ajuste Anual é uma obrigação acessória do imposto sobre a renda e
proventos de contribuintes pessoas físicas, residentes no país ou no exterior que recebam
representar 28% da receita tributária da União. Ainda de acordo com o referido autor (2014),
nos anos de 1944 até 1978, o imposto de renda era um dos líderes em arrecadação, junto ao rendimentos de fontes no Brasil. Apresenta diferentes alíquotas que variam de acordo com a
renda dos contribuintes, de forma que aqueles com menor renda não sejam alcançados pela
imposto de consumo e imposto sobre produtos industrializados (IPI) e desde 1979, o tributo
tributação, (Receita Federal do Brasil, 2020).
federal é o de maior arrecadação no país.
2.3.1. Obrigatoriedade de entrega da declaração Condição de residente no Brasil Passou à condição de residente brasileiro em
qualquer mês do ano anterior.
Após a criação do programa Receitanet em 1997, tornou-se possível transmitir a Fonte: Receita Federal (2020)
declaração de ajuste anual via internet. Desde então, a via eletrônica passou a ser a principal
modalidade para enviar as declarações, cumprindo o prazo estabelecido pela Receita Federal Ainda de acordo com a Instrução Normativa RFB n° 1.924/2020, os contribuintes que,
do Brasil - RFB. ano-calendário de 2019, receberam rendimentos tributáveis sujeitos ao ajuste anual,
A Instrução Normativa RFB n° 1.924, de 19 de fevereiro de 2020, estabelece a rendimentos isentos e não tributáveis, rendimentos sujeitos à tributação exclusiva ou definitiva,
obrigatoriedade de apresentar a Declaração de Ajuste Anual do imposto de renda para a pessoa cujo o valor anual desses rendimentos foi superior a R$ 5 milhões e que efetuou pagamentos
física que no exercício de 2020, ano-calendário de 2019, tenham atendido as condições de rendimentos a pessoas físicas ou jurídicas, também superior a R$ 5 milhões, necessitam
relatadas no Quadro 1. transmitir a declaração de ajuste anual utilizando o certificado digital.
Quadro 1 – Critérios e condições para a entrega do IRPF no exercício de 2020, ano
calendário 2019. 2.3.2. Dispensa da apresentação da Declaração de Ajuste Anual
Critérios Condições
Renda Recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos à De acordo com a Instrução Normativa n° 1.924/2020, são dispensadas de apresentar a
ajuste na declaração, cuja soma anual foi Declaração de Ajuste Anual do imposto de renda, a pessoa física que atender os seguintes
superior a R$ 28.559,70; critérios:
Recebeu rendimentos isentos e não a) Não se encaixe em nenhum dos critérios e condições elencadas no Quadro 1;
tributáveis ou tributáveis exclusivamente na b) Seja dependente em declaração entregue por outra pessoa física, que tenha
fonte, com valor superior a R$ 40.000,00. informado, caso possua, seus rendimentos, bens e direitos;
Ganho de capital e operações em bolsa de Obteve ganho de capital na alienação de bens c) Teve a propriedade ou a posse de bens e direitos, inclusive terra nua, quando os
valores ou direitos, sujeito à tributação, ou efetuou bens foram declarados por cônjuge ou companheiro, contanto que o valor não ultrapasse R$
operações em bolsas de valores, de futuros, 300.000,00.
de mercadorias e assemelhadas.
Atividade rural Obteve receita brutal anual de valor superior Embora em algumas situações a entrega da Declaração Ajuste Anual do imposto de
a R$ 142.798,50; renda não seja obrigatória, e desde que não tenha sido dependente em outra declaração
Pretenda compensar, no ano-calendário de transmitida, qualquer pessoa física poderá apresentar a sua declaração. Além disso, caso tenha
2019 ou posteriores, prejuízos de anos imposto retido, também terá direito à restituição, se for o caso.
anteriores ou do próprio ano-calendário data
base da declaração. 2.3.3. Cálculo do imposto de renda pessoa física
Bens e direitos Teve a posse ou a propriedade, até data base
O imposto de renda dos assalariados (trabalhadores com registro em carteira) é retido
da declaração, de bens ou direitos inclusive
diretamente na folha de pagamento das empresas. O valor é calculado mensalmente com base
terra nua, de valor superior a R$ 300.000,00.
no salário recebido. Já aqueles que não possuem vínculo empregatício como profissionais
liberais e autônomos, recolhem por meio do carnê-leão, também de forma mensal. Embora o
valor devido seja calculado com base em seus ganhos, no que diz respeito ao pagamento do tributo. Segundo Pêgas (2017) o critério da generalidade estabelece que toda e qualquer forma
imposto de renda, não são consideradas deduções previstas em lei ou fontes de renda de renda ou provento deverá ser tributada nos limites e condições da lei, já o critério da
divergentes das provenientes do trabalho. Dessa forma, o tributo deve ser calculado universalidade define que o tributo seja cobrado de todos que auferirem renda sem distinguir
considerando todas as rendas auferidas e despesas dedutíveis de acordo com a legislação sexo, cor, nacionalidade, profissão etc. De acordo com o referido autor (2017), o critério da
vigente, (Souza, 2008). progressividade determina que imposto de renda seja graduado por faixas, onde a carga
Calcular o imposto de renda é uma tarefa complexa, uma vez que possui diversos itens tributária mais elevada recaia sobre as maiores faixas de renda. Dessa forma, a progressividade
para serem analisados e ponderados, por exemplo, o número de dependentes, fontes pagadoras, tem como objetivo aplicar justiça tributária, onerando mais aqueles com maior capacidade de
renda que o contribuinte possui, despesas passives de deduções (despesas médicas e com contribuição.
instrução). Segundo Baleeiro e Derzi (2018), a progressividade, sob o prisma da justiça, é o único
O imposto de renda é graduado por faixas, de forma que a carga tributária seja método que torna possível a personalização dos impostos, a medida em que o legislador passa
distribuída de acordo com a capacidade de pagamento do contribuinte. Para atingir tal objetivo a ponderar as necessidades pessoais dos contribuintes, passa também a conceder reduções e
o tributo possui alíquotas progressivas, como apresentado no Quadro 2: isenções. Tais reduções e isenções concedidas em favor do princípio da igualdade, são
Quadro 2: Alíquotas do IRPF por faixa de rendimento compensadas através da progressividade, com a finalidade de arrecadar mais daqueles com
Base de cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a deduzir do IRPF maior capacidade econômica.
(R$) De acordo com Schoueri (2019), a fixação das alíquotas percentuais de tributo pode
Até 1.903,98 - - ocorrer de modo proporcional, progressivo ou regressivo. Na primeira hipótese, a alíquota
De 1.903,99 até 2.826,65 7,5 142,80 percentual será igual, independentemente do valor da base de cálculo. Nos últimos dois casos,
De 2.826,66 até 3.751,05 15 354,80 a alíquota irá variar de acordo com a base cálculo apresentada.
De 3.751,06 até 4.664,68 22,5 636,13 Segundo Sabbag (2018), as alíquotas proporcionais são fixas, em razão de bases de
Acima de 4.664,68 27,5 869,36 cálculo variáveis. Dessa forma, a alíquota irá manter o percentual, qualquer que seja a base de
Fonte: Receita Federal (2020) cálculo. Já alíquotas progressivas possuem a finalidade de elevar a carga tributária sobre
contribuintes com maior capacidade de pagamento. Ainda de acordo com o referido autor
O contribuinte pode optar por diferentes regimes de tributação. A declaração (2018), a regressividade é característica atribuída aos tributos indiretos, pois o mesmo valor é
simplificada, que utiliza um desconto de 20% do valor dos rendimentos tributáveis na cobrado de todos os indivíduos, independentemente de sua capacidade de contribuição.
declaração, até R$ 16.754,34, que substitui suas deduções legais, e a declaração completa, que
utiliza as deduções previstas em lei, permitindo ao contribuinte usufruir de suas deduções legais
3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
a que tem direito e comprovação, (Receita Federal do Brasil, 2020).

Este capítulo dá enfoque à metodologia utilizada para o desenvolvimento da presente


2.3.4. Progressividade pesquisa, apresentando seu enquadramento metodológico, coleta e análise dos dados.

O Art. 153, § 2, inc. I da Constituição Federal de 1988, define que o imposto de renda
atenda à três critérios básicos: o da generalidade, da universalidade e da progressividade, que
torna possível identificar aqueles com maior capacidade de contribuir para a arrecadação do
3.1. Enquadramento metodológico 3.3. Coleta e análise dos dados

O presente trabalho, quanto aos objetivos, é classificado como descritivo. De acordo Para identificar os rendimentos e deduções de declarações do imposto de renda para
com Gil (2017), as pesquisas descritivas têm como finalidade estudar as características de pessoas físicas e analisar tais dados por faixas de rendimento para verificar a progressividade
determinada população ou fenômeno. Não obstante, visam identificar a existência de possíveis do tributo. Optou-se por extrair os dados para estudo presentes no site da Receita Federal, que
associações entre as variáveis. contemplam o resumo das Declarações de Ajuste Anual entregues pelos modeles completo e
Segundo Sordi (2017), as pesquisas descritivas também são responsáveis por trazer mais simplificado dos anos de 2016 a 2018. Resultando assim, em um estudo qualitativo capaz de
informações a respeito de uma temática já existente, coletando a maior quantidade de dados avaliar a progressividade do imposto de renda pessoa física.
possíveis sobre determinado assunto. Tais atributos e variáveis coletadas são essenciais para
responder perguntas de caráter descritivo, como por exemplo “o que” e “como”. 4. ANALÍSE DOS RESULTADOS
O método utilizado para desenvolvimento do trabalho é qualitativo, segundo Silva e
Menezes (2005), a abordagem qualitativa considera que há uma relação dinâmica entre o sujeito O capítulo em questão apresenta os resultados obtidos através da análise dos dados

e o mundo real, em outras palavras, tal abordagem não se limita exclusivamente a resultados extraídos no site da Receita Federal do Brasil. Inicialmente são identificados por faixas de

numéricos. Além disso, também não demanda o uso de instrumentos e técnicas estatísticas, renda, os rendimentos tributáveis e deduções das declarações de ajuste anual do imposto de

dessa forma os pesquisadores tendem a analisar seus dados indutivamente. renda para pessoas físicas dos anos bases de 2016 a 2018. Em seguida são realizados os cálculos

De acordo com Creswell (2014), este tipo de abordagem consiste em um conjunto de necessários para avaliar a progressividade do imposto.

práticas interpretativas, concentrando-se em aspectos da realidade que não são quantificáveis. Com base no resumo das declarações de ajuste anual do IRPF entregues em 2017,

Na abordagem qualitativa, o pesquisador é instrumento chave na coleta de dados e geralmente relativas ao exercício de 2016, no modelo completo, a Tabela 1 contempla o montante dos

não utiliza instrumentos desenvolvidos por outros autores para dar uma explicação dinâmica impostos apurados e rendimentos tributáveis em termos numéricos e percentuais, separados por

sobre determinada temática, (Creswell, 2014). faixas de renda.


Tabela 1: Rendimento Tributável e Imposto Pago por faixa de cálculo anual – Modelo Completo –
Ano base 2016 (valores em bilhões de reais).
3.2. População e amostra
Qtde Rendim. Imposto Rendim. Tribut. Imposto Pago
Faixa de BC Anual Declarantes Tribut. Pago % %
Para o presente trabalho foram selecionados contribuintes do imposto de renda pessoa
Até 22.847,76 3.877.786 73,28 30,64 8% 22%
física que residem no território nacional. A amostra analisada contempla os contribuintes que De 22.847,77 a
33.919,80 2.486.664 105,60 2,75 12% 2%
entregaram a Declaração de Ajuste Anual do imposto de renda para a Receita Federal, entre os De 33.919,81 a
45.012,60 1.375.960 79,46 3,76 9% 3%
anos de 2016 a 2018. De 45.012,61 a
55.976,16 789.684 57,61 3,93 6% 3%
Constituída através da fusão e consolidação de diversas secretárias e órgãos de
fiscalização, a Secretária da Receita Federal surgiu em 1968 como sinônimo de avanço e Acima de 55.976,16 3.170.525 599,32 96,65 65% 70%

eficiência na organização de processos e cumprimento das obrigações tributárias. A Receita Total 11.700.619 915,28 137,73 100% 100%
Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2017).
Federal do Brasil, como conhecemos atualmente, foi instituída por meio da Lei n° 11.457, de
16 de março de 2007 sendo o órgão do Poder Executivo Federal, responsável pela administração
Mediante a Tabela 1, é possível afirmar que os contribuintes presentes na última faixa
aduaneira e tributária da União.
de renda, cujo rendimento anual é acima de R$ 55.976,16 detêm mais da metade dos
rendimentos tributáveis, representando um valor de 65% do total. Por outro lado, embora a
primeira faixa de renda, cujo rendimento anual é de até R$ 22.847,76 possua a maior quantidade No que se refere à Tabela 3, é possível observar que os contribuintes cujo rendimento
de declarantes, ela representa o segundo menor percentual com relação aos rendimentos anual é superior a R$ 55.976,16 englobam o maior percentual com relação ao montante total
tributáveis, apenas 8%. das deduções, cerca de 52%. Além disso, vale ressaltar que os contribuintes presentes na última
Não obstante, quando analisados os valores percentuais dos impostos apurados no faixa de renda tiveram maior dedução com relação a livro caixa (73%), contribuição
exercício de 2016 por meio do modelo completo, verifica-se que a última faixa de renda também previdenciária (61%) e pensão alimentícia (51%) no exercício de 2017 (ano base 2016). No
contribui para o maior montante de tributos apurados, cerca de 70%. Entretanto, apesar de entanto, apesar da primeira faixa de renda, cujo rendimento anual é de até R$ 22.847,76
possuir meramente 8% dos rendimentos tributáveis, a primeira faixa figura como a segunda representar a maior quantidade de declarantes, a mesma representa apenas 14% do montante
com maior percentual de apuração, cerca de 22% do montante total. total das deduções.
No que diz respeito a dedutibilidade do tributo, seguindo a análise das declarações Ainda, no que diz respeito ao ano base de 2016, quando analisadas as declarações de
entregues em 2017 (ano base de 2016) no modelo completo, as Tabelas 2 e 3 contemplam ajuste anual do IRPF entregues por meio do modelo simplificado, a Tabela 4 contempla o
respectivamente as deduções em termos numéricos e percentuais, separadas por faixas de renda. montante apurado em impostos e rendimentos tributáveis, em termos numéricos e percentuais,
Tabela 2: Deduções por faixa de cálculo anual – Modelo Completo – Ano Base 2016 (valores em separados por faixas de renda.
bilhões de reais). Tabela 4: Rendimento Tributável e Imposto Pago por faixa de cálculo anual – Modelo
Faixa de BC Qtde Contrib. Depen Livro Pensão Simplificado – Ano Base de 2016 (valores em bilhões de reais).
Anual Declarantes Previd. dentes Instrução Médicas Caixa Aliment. Total Ded.
Qtde Rendim. Rendim. Tribut. Imposto Pago
Até 22.847,76 3.877.786 8,22 7,06 2,54 11,76 1,43 2,86 33,87 Faixa de BC Anual Declarantes Tribut. Imposto Pago % %
De 22.847,77 a
33.919,80 2.486.664 9,90 8,87 4,44 10,06 1,45 1,97 36,70 Até 22.847,76 1.989.920 97,02 3,94 14% 8%
De 33.919,81 a De 22.847,77 a
45.012,60 1.375.960 7,58 5,01 3,20 7,62 1,08 1,43 25,93 33.919,80 1.225.771 76,72 4,86 11% 10%
De 45.012,61 a De 33.919,81 a
55.976,16 789.684 5,39 2,93 2,23 5,63 0,84 1,11 18,14 45.012,60 2.453.017 281,88 36,85 40% 76%
Acima de De 45.012,61 a
55.976,16 3.170.525 48,18 9,81 8,75 35,09 13,01 7,69 122,53 55.976,16 6.835.058 118,00 0,73 17% 1%

Total 11.700.619 79,28 33,69 21,17 70,16 17,80 15,07 237,17 Acima de 55.976,16 3.799.262 131,20 2,42 19% 5%
Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2017).
Total 16.303.028 704,82 48,80 100% 100%
Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2017).
Tabela 3: Deduções em percentuais por faixa de cálculo anual – Modelo Completo – Ano base
2016 (valores em bilhões de reais).
De acordo com a Tabela 4, observa-se que os declarantes presentes na terceira faixa de
Faixa de BC Qtde Contrib. Livro Pensão Total
Anual Declarantes Previd. Dependentes Instrução Médicas Caixa Aliment. Ded. renda, cujo rendimento anual varia entre R$ 33.919,81 e R$ 45.012,60 possuem o maior
percentual com relação aos rendimentos tributáveis, cerca de 40% do total, seguido dos
Até 22.847,76 3.877.786 10% 21% 12% 17% 8% 19% 14%
De 22.847,77 a contribuintes cujos rendimentos anuais são acima de R$ 55.976,16 representando cerca de 19%
33.919,80 2.486.664 12% 26% 21% 14% 8% 13% 15%
De 33.919,81 a do montante total dos rendimentos tributáveis. Não obstante, quando analisados os percentuais
45.012,60 1.375.960 10% 15% 15% 11% 6% 10% 11%
De 45.012,61 a de tributos arrecadados, verifica-se que a última faixa de renda representa somente 5% do
55.976,16 789.684 7% 9% 11% 8% 5% 7% 8%
Acima de
montante total. Sendo assim, é possível visualizar um cenário diferente se compararmos com
55.976,16 3.170.525 61% 29% 41% 50% 73% 51% 52% as declarações entregues no modelo completo.
Total 11.700.619 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% Além disso, é importante observar que os contribuintes presentes na penúltima faixa de
Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2017).
renda, cujo rendimento anual varia entre R$ 45.012,61 e R$ 55.976,16 representam o terceiro
maior percentual com relação aos rendimentos tributáveis, cerca de 17% deste montante. Tabela 6: Deduções por faixa de cálculo anual – Modelo Completo – Ano base 2017 (valores em
bilhões de reais).
Entretanto, nota-se que a mesma faixa representa meramente 1% com relação aos percentuais
Qtde Contrib. Depen Livro Pensão Total
de impostos das pessoas físicas do ano base de 2016. Faixa de BC Anual Declarantes Previd. dentes Instrução Médicas Caixa Aliment. Ded.
Baseando-se no resumo das declarações de ajuste anual do IRPF entregues em 2018, Até 22.847,76 4.005.377 10,42 6,87 2,55 13,58 1,42 2,89 37,73
relativas ao ano base de 2017, no modelo completo, a Tabela 5 contempla o montante dos De 22.847,77 a
33.919,80 2.548.201 10,07 8,80 4,32 10,72 1,33 1,96 37,21
impostos apurados e rendimentos tributáveis em termos numéricos e percentuais, separados por De 33.919,81 a
45.012,60 1.431.036 7,86 5,01 3,16 8,21 1,07 1,45 26,76
faixas de renda. De 45.012,61 a
Tabela 5: Rendimento Tributável e Imposto Pago por faixa de cálculo anual – Modelo Completo – 55.976,16 843.635 5,77 3,00 2,28 6,17 0,86 1,12 19,21

Ano Base 2017 (valores em bilhões de reais). Acima de 55.976,16 3.520.200 53,82 10,48 9,34 40,61 13,81 8,20 136,24
Qtde Rendim. Rendim. Tribut. Imposto Pago
Faixa de BC Anual Declarantes Tribut. Imposto Pago % % Total 12.348.449 87,94 34,16 21,65 79,29 18,49 15,61 257,15
Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2018).
Até 22.847,76 4.005.377 74,57 11,92 7% 9%
De 22.847,77 a
33.919,80 2.548.201 107,93 2,79 11% 2% Tabela 7: Deduções em percentuais por faixa de cálculo anual – Modelo Completo – Ano Base
De 33.919,81 a 2017 (valores em bilhões de reais).
45.012,60 1.431.036 82,46 3,88 8% 3%
De 45.012,61 a Qtde Contrib. Depen Livro Pensão Total
55.976,16 843.635 61,42 4,19 6% 3% Faixa de BC Anual Declarantes Previd. dentes Instrução Médicas Caixa Aliment. Ded.

Acima de 55.976,16 3.520.200 670,62 108,71 67% 83% Até 22.847,76 4.005.377 12% 20% 12% 17% 8% 18% 15%
De 22.847,77 a
Total 12.348.449 997,00 131,48 100% 100% 33.919,80 2.548.201 11% 26% 20% 14% 7% 13% 14%
Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2018). De 33.919,81 a
45.012,60 1.431.036 9% 15% 15% 10% 6% 9% 10%
De 45.012,61 a
55.976,16 843.635 7% 9% 11% 8% 5% 7% 7%
Através da Tabela 5, é possível observar que os declarantes com rendimentos anuais Acima de
superiores a R$ 55.976,16 representam mais da metade dos rendimentos tributáveis, cerca de 55.976,16 3.520.200 61% 31% 43% 51% 75% 52% 53%

67% do montante total. Além disso, também se verifica que a última faixa de renda detém o Total 12.348.449 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100%
Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2018).
maior percentual com relação ao montante de tributos apurados, cerca de 83% do total.
Entretanto, embora os contribuintes que recebam anualmente rendimentos de até R$ 22.847,76
Com base na Tabela 7, verifica-se que os declarantes cujos rendimentos anuais são
sejam a maioria, eles representam apenas 7% dos rendimentos tributáveis. Não obstante,
acima de R$ 55.976,16 contêm o maior percentual com relação ao montante total das deduções,
novamente situam-se entre os mais onerados pela carga tributária, cerca de 9% do total,
cerca de 53%. Não obstante, os contribuintes presentes na última faixa de renda obtiveram
seguindo o mesmo padrão apresentado no ano base de 2016.
maior dedução com relação a livro caixa (75%), contribuição previdenciária (61%) e pensão
Já com relação a dedutibilidade do imposto, continuando a análise das declarações
alimentícia (52%) no ano base de 2017. Sendo assim, no que diz respeito às deduções da última
entregues em 2018, relativas ao ano base de 2017, por meio do modelo completo, as Tabelas 6
faixa, pode-se observar um aspecto muito similar ao ano base de 2016.
e 7 contemplam respectivamente as deduções em termos numéricos e percentuais, separadas
Apesar de possuírem o segundo maior percentual com relação ao total das deduções, os
por faixas de renda.
declarantes cujos rendimentos anuais são de até R$ 22.847,76 representam apenas 15% deste
montante, sendo uma leve diferença em comparação ao ano base anterior.
Dando continuidade às análises anteriores, baseando-se no resumo das declarações de
ajuste anual do IRPF entregues em 2018, relativas ao ano base de 2017, no modelo simplificado,
a Tabela 8 contempla o montante apurado em impostos e rendimentos tributáveis em termos Tabela 9: Rendimento Tributável e Imposto Pago por faixa de cálculo anual – Modelo Completo –
Ano Base 2018 (valores em bilhões de reais).
numéricos e percentuais, separados por faixas de renda.
Rendim. Rendim. Tribut. Imposto Pago
Tabela 8: Rendimento Tributável e Imposto Pago por faixa de cálculo anual – Modelo
Faixa de BC Anual Qtde Declarantes Tribut. Imposto Pago % %
Simplificado – Ano Base 2017 (valores em bilhões de reais).
Até 22.847,76 4.155.571 77,87 1,58 7% 1%
Qtde Rendim. Rendim. Tribut. Imposto Pago
De 22.847,77 a
Faixa de BC Anual Declarantes Tribut. Imposto Pago % %
33.919,80 2.604.704 109,89 2,83 10% 2%
De 33.919,81 a
Até 22.847,76 2.129.478 103,82 4,24 14% 8%
45.012,60 1.470.880 84,68 4,02 8% 3%
De 22.847,77 a
De 45.012,61 a
33.919,80 1.303.406 81,68 5,19 11% 10%
55.976,16 890.417 64,70 4,44 6% 3%
De 33.919,81 a
45.012,60 2.631.259 302,31 39,37 41% 75%
Acima de 55.976,16 3.786.932 725,68 118,55 68% 90%
De 45.012,61 a
55.976,16 6.701.999 114,11 0,78 15% 1%
Total 12.908.504 1.062,83 131,42 100% 100%
Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2019).
Acima de 55.976,16 3.986.925 138,21 2,59 19% 5%

Total 16.753.067 740,13 52,16 100% 100%


Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2018). No que se refere à Tabela 9, verifica-se que os declarantes com rendimentos anuais
superiores a R$ 55.976,16 englobam mais da metade dos rendimentos tributáveis, cerca de 68%
Mediante a Tabela 8, é possível notar que os contribuintes cujos rendimentos anuais do montante total. Não obstante, também é possível observar que a última faixa de renda
variam entre R$ 33.919,81 e R$ 45.012,61 englobam o maior percentual com relação aos representa o maior percentual com relação ao montante apurado em impostos, cerca de 90% do
rendimentos tributáveis, cerca de 41% deste montante, seguido dos contribuintes cujos total.
rendimentos anuais são superiores a R$ 55.976,16 representando cerca de 19% dos rendimentos Embora os declarantes que recebam rendimentos anuais de até R$ 22.847,76 sejam a
tributáveis, assim como, no ano base de 2016. Sendo assim, novamente é perceptível uma maioria, eles representam apenas 7% dos rendimentos tributáveis. Entretanto, diferente dos
mudança de cenário se compararmos com as declarações entregues através do modelo anos base de 2016 e 2017 os contribuintes presentes na primeira faixa de renda não estão entre
completo. os mais onerados pela carga tributária, representando meramente 1% do montante de impostos
Não obstante, verifica-se os contribuintes presentes na penúltima faixa de renda, cujos apurados.
rendimentos anuais variam entre R$ 45.012,61 e R$ 55.976,16 representam cerca de 15% dos No que se refere a dedutibilidade do tributo, seguindo a análise das declarações
rendimentos tributáveis. Por outro lado, como visualizamos no ano base anterior, quando se entregues em 2019, relativas ao ano base de 2018, mediante ao modelo completo, as Tabelas
trata do montante apurado em tributos, a mesma faixa é responsável por apenas 1% do total. 10 e 11 contemplam respectivamente as deduções em termos numéricos e percentuais,
Apoiando-se no resumo das declarações de ajuste anual do IRPF entregues em 2019, separadas por faixas de renda.
relativas ao ano base de 2018, no modelo completo, a Tabela 9 contempla o montante apurado
em impostos e rendimentos tributáveis em termos numéricos e percentuais, separados por faixas
de renda.
Tabela 10: Deduções por faixa de cálculo anual – Modelo Completo – Ano base 2018 (valores em Ainda, no que se refere ao ano base de 2018, quando analisadas as declarações de ajuste
bilhões de reais).
anual do IRPF entregues através do modelo simplificado, a Tabela 12 contempla o montante
Faixa de BC Qtde Contrib. Depen Livro Pensão Total
Anual Declarantes Previd. dentes Instrução Médicas Caixa Aliment. Ded. apurado em impostos e rendimentos tributáveis em termos numéricos e percentuais, separados

Até 22.847,76 4.155.571 9,12 6,97 2,60 15,28 1,46 2,83 38,27
por faixas de renda.
De 22.847,77 a Tabela 12: Rendimento Tributável e Imposto Pago por faixa de cálculo anual – Modelo
33.919,80 2.604.704 10,09 8,66 4,22 11,40 1,33 1,93 37,62
Simplificado – Ano Base 2018 (valores em bilhões de reais).
De 33.919,81 a
45.012,60 1.470.880 7,98 4,93 3,08 8,85 1,09 1,49 27,40 Qtde Rendim. Rendim. Tribut. Imposto Pago
De 45.012,61 a Faixa de BC Anual Declarantes Tribut. Imposto Pago % %
55.976,16 890.417 6,07 3,02 2,24 6,73 0,91 1,16 20,14
Acima de Até 22.847,76 2.235.747 108,92 5,85 14% 10%
55.976,16 3.786.932 58,32 10,83 9,40 45,80 14,32 8,61 147,27 De 22.847,77 a
33.919,80 1.395.512 87,46 5,53 11% 9%
Total 12.908.504 91,58 34,40 21,53 88,05 19,11 16,02 270,69 De 33.919,81 a
Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2019). 45.012,60 2.770.430 317,79 39,71 41% 66%
De 45.012,61 a
55.976,16 6.762.212 115,41 1,24 15% 2%
Tabela 11: Deduções em percentuais por faixa de cálculo anual – Modelo Completo – Ano Base
2018 (valores em bilhões de reais). Acima de 55.976,16 4.196.609 145,48 7,97 19% 13%

Qtde Contrib. Depen Livro Pensão Total Total 17.360.510 775,06 60,29 100% 100%
Faixa de BC Anual Declarantes Previd. dentes Instrução Médicas Caixa Aliment. Ded. Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2019).

Até 22.847,76 4.155.571 10% 20% 12% 17% 8% 18% 14%


De 22.847,77 a Com base na Tabela 12, verifica-se que os contribuintes cujos rendimentos anuais
33.919,80 2.604.704 11% 25% 20% 13% 7% 12% 14%
De 33.919,81 a variam entre R$ 33.919,81 e R$ 45.012,61 detêm o maior percentual no que diz respeito aos
45.012,60 1.470.880 9% 14% 14% 10% 6% 9% 10%
De 45.012,61 a rendimentos tributáveis, cerca de 41% deste montante, seguido dos contribuintes cujos
55.976,16 890.417 7% 9% 10% 8% 5% 7% 7%
Acima de
rendimentos anuais são acima de R$ 55.976,16 representando cerca de 19% dos rendimentos
55.976,16 3.786.932 64% 31% 44% 52% 75% 54% 54% tributáveis.
Total 12.908.504 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% Além disso, é possível observar que os contribuintes cujos rendimentos anuais variam
Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2019).
entre R$ 45.012,61 e R$ 55.976,16 englobam cerca de 15% do montante de rendimentos
tributáveis. Entretanto, assim como nos anos base de 2016 e 2017, a mesma faixa é responsável
De acordo com a Tabela 11, nota-se que os contribuintes cujos rendimentos anuais são
pelo menor percentual com relação ao montante apurado em impostos, cerca de 2% do total.
acima de R$ 55.976,16 representam o maior percentual com relação ao montante total de
deduções, cerca de 54%. Além disso, é possível observar que os declarantes presentes na última
faixa de renda possuem maior dedução com relação a livro caixa (75%), contribuição 4.1 A progressividade do IRPF

previdenciária (64%) e pensão alimentícia (54%) no ano base de 2018. Dessa forma, com
Para que seja possível verificar a progressividade do IRPF divide-se o montante em
relação as deduções presentes na última faixa de renda, verifica-se um padrão semelhante aos
impostos devidos pelos rendimentos tributáveis e pelos rendimentos tributáveis líquidos (RTL).
anos base de 2016 e 2017.
Sendo assim, é possível observar o impacto dos impostos devidos sobre os rendimentos
Assim como no ano base de 2017, os contribuintes cujos rendimentos anuais são de até
tributáveis dos contribuintes.
R$ 22.847,76 englobam o segundo maior percentual com relação ao montante total de
deduções, no entanto, este valor representa apenas 14% do total.
Baseando-se no resumo consolidado das declarações de ajuste anual do IRPF entregues Tabela 14: Rendimento Tributável e Imposto Devido por faixa de cálculo anual – Consolidado –
Ano base 2017 (valores em bilhões de reais).
em 2017, relativas ao exercício de 2016, a Tabela 13 contempla os cálculos mencionados acima
Qtde Rendim. Base de Cálculo Imposto Imposto/ Imposto/
em termos percentuais, separados por faixas de renda. Faixa de BC Anual Declarantes Tribut. (RTL) Devido Rendim. RLT
Tabela 13: Rendimento Tributável e Imposto Devido por faixa de cálculo anual – Consolidado –
Até 22.847,76 10.707.376 188,68 137,77 0,19 0,10% 0,14%
Ano base 2016 (valores em bilhões de reais). De 22.847,77 a
Qtde Rendim. Base de Cálculo Imposto Imposto/ Imposto/ 33.919,80 6.535.126 246,14 181,29 2,44 0,99% 1,35%
Faixa de BC Anual Declarantes Tribut. (RTL) Devido Rendim. RTL De 33.919,81 a
45.012,60 3.560.514 186,27 138,75 5,66 3,04% 4,08%
Até 22.847,76 10.712.844 191,28 140,62 0,16 0,08% 0,11% De 45.012,61 a
De 22.847,77 a 55.976,16 2.147.041 143,10 107,55 7,82 5,46% 7,27%
33.919,80 6.285.926 236,80 173,86 2,30 0,97% 1,32% Acima de
De 33.919,81 a 55.976,16 6.151.459 972,93 793,86 154,09 15,84% 19,41%
45.012,60 3.365.880 176,48 131,15 5,34 3,03% 4,07%
De 45.012,61 a Total 29.101.516 1.737,14 1.359,23 170,19 9,80% 12,52%
55.976,16 2.015.455 134,34 100,85 7,30 5,44% 7,24% Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2018).
Acima de
55.976,16 5.623.542 881,20 718,74 138,88 15,76% 19,32%
Mediante a Tabela 14, nota-se que ambos os percentuais, com relação ao montante
Total 28.003.647 1.620,10 1.265,21 153,98 9,50% 12,17%
Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2017). devido em impostos, aumentam de acordo com faixa de renda anual dos contribuintes.
Entretanto, assim como no ano base de 2016, o aumento da carga tributária não ocorre de forma
Através da Tabela 13, quando analisados os cálculos citados anteriormente, verifica-se gradativa, pois quando comparados os declarantes presentes na faixa de até R$ 22.847,76 e
que ambos os percentuais com relação ao montante devido em impostos aumentam conforme a aqueles cujos rendimentos variam entre R$ 22.847,76 e R$ 33.919,81 verifica-se um aumento
faixa de renda anual dos contribuintes. de aproximadamente 10 vezes entre os percentuais devidos em impostos. Já quando
Embora o aumento da carga tributária devida seja perceptível, a mesma não ocorre de comparados os percentuais de impostos devidos entre os contribuintes presentes nas duas
forma gradativa entre as faixas, pois quando comparados os contribuintes cujos rendimentos maiores faixas de renda, é possível visualizar um aumento de apenas 3 vezes entre as faixas.
são de até R$ 22.847,46 e aqueles cujo rendimento varia entre R$ 22.847,76 e R$ 33.919,81 é
possível notar um aumento para ambos os percentuais devidos em impostos de Tabela 15: Rendimento Tributável e Imposto Devido por faixa de cálculo anual – Consolidado –
Ano base 2018 (valores em bilhões de reais).
aproximadamente 12 vezes entre as faixas. Já com relação aos contribuintes presentes na
Qtde Rendim. Base de Cálculo Imposto Imposto/ Imposto/
segunda maior faixa de renda e aqueles cujos rendimentos são acima de R$ 55.976,77 este Faixa de BC Anual Declarantes Tribut. (RTL) Devido Rendim. RTL
aumento é apenas 3 vezes maior.
Até 22.847,76 10.917.783 193,28 140,24 0,19 0,10% 0,13%
Aplicando-se os procedimentos adotados anteriormente para os anos base de 2017 e De 22.847,77 a
33.919,80 6.801.313 255,38 188,66 2,51 0,98% 1,33%
2018, as Tabelas 14 e 15 contemplam, respectivamente, o montante devido em impostos sobre De 33.919,81 a
45.012,60 3.706.627 193,60 144,42 5,84 3,02% 4,05%
os rendimentos tributáveis e rendimentos tributáveis líquidos em termos percentuais, separados De 45.012,61 a
55.976,16 2.285.929 152,16 114,53 8,27 5,44% 7,22%
por faixas de renda. Acima de
55.976,16 6.557.362 1.043,47 851,11 164,12 15,73% 19,28%

Total 30.269.014 1.837,89 1.438,96 180,93 9,84% 12,57%


Fonte: Elaborado pelos autores com base nos dados da RFB (2019).

Com base na Tabela 15, quando analisados ambos os percentuais com relação aos
impostos devidos, é possível observar um aumento entre as faixas de renda dos contribuintes.
Contudo, assim como nos anos base anteriores, o crescimento da carga tributária devida não Por fim, a presente pesquisa demonstrou e frisou a importância da progressividade de
ocorre de forma gradativa apresentando um aumento de 10 vezes entre as duas menores faixas alíquotas em função da renda auferida, há inúmeras possibilidades a serem adotas como uma
e apenas 3 vezes entre os contribuintes presentes nas duas maiores faixas de renda. maior abertura das opções de dedutibilidade, visando adequar a exigência fiscal ao perfil do
contribuinte e correções relativas ao montante de impostos devidos que impactam nos
5. CONCLUSÃO rendimentos tributáveis daqueles que declaram o tributo. Além disso, para obter novos
resultados a respeito do tema proposto é essencial aumentar o período explorado até o presente
O capítulo em questão finaliza a presente pesquisa, fazendo uma análise dos resultados momento.
obtidos, para verificar qual é a progressividade do imposto de renda para pessoas físicas no
Brasil.
Inicialmente, com base nas declarações de ajuste anual do IRPF extraídas no site da
Receita Federal para os anos base de 2016, 2017 e 2018, a pesquisa proporcionou uma análise
aprofundada a respeito dos rendimentos tributáveis, impostos pagos e deduções dos
contribuintes, separados por faixas de cálculo anual. Observou-se que embora os contribuintes
cujos rendimentos anuais são de até R$ 22.847,76 sejam a maioria, os mesmos são os mais
onerados pela carga tributária com exceção dos contribuintes presentes na última faixa de renda.
Não obstante, com relação a dedutibilidade do imposto, observou-se que os contribuintes cujos
rendimentos são acima de R$ 55.976,16 representam o maior percentual deste montante,
enquanto os declarantes presentes na menor faixa de renda, representam em média 14% do
montante total das deduções.
Em seguida, apoiando-se no resumo consolidado das declarações de ajuste anual do
IRPF, relativas aos anos base de 2016, 2017 e 2018, foi possível verificar a progressividade do
tributo dividindo-se o montante em impostos devidos pelos rendimentos tributáveis e pelos
rendimentos tributáveis líquidos (RTL). Dessa forma, verificou-se o impacto dos impostos
devidos sobre os rendimentos tributáveis dos contribuintes, tal análise permitiu a constatação
de que o imposto de renda para pessoa física é de fato progressivo.
Contudo, ainda que perceptível o aumento da carga tributária devida, a mesma não
ocorre de forma gradativa entre as faixas, pois quando comparados os contribuintes cujos
rendimentos tributáveis são de até R$ 22.847,76 e aqueles cujos rendimentos variam entre R$
22.847,76 e R$ 33.919,81 constatou-se um aumento de aproximadamente 10 vezes entre os
percentuais devidos em impostos. Por outro lado, quando comparados os contribuintes
presentes na segunda maior faixa de renda e aqueles cujo rendimento anual é acima de R$
55.976,16 notou-se um aumento apenas 3 vezes maior. Além disso, tal fenômeno se repetiu
para todos os anos base analisados na presente pesquisa.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa, 6ª edição. São Paulo: Grupo GEN, 2017.
9788597012934. Disponível em:
Arrecadação da Receita Federal é de R$ 119 bilhões em setembro de 2020. Governo do <https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788597012934/cfi/6/2!/4/2@0:0>.
Brasil. Disponível em: <https://www.gov.br/pt-br/noticias/financas-impostos-e-gestao- Acesso em: 15 Nov. 2020.
publica/2020/10/arrecadacao-da-receita-federal-e-de-r-119-bilhoes-em-setembro-de-2020>.
Acesso em: 20 Nov. 2020. IMPRENSA NACIONAL. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 1.924, DE 19 DE
FEVEREIRO DE 2020 - Diário Oficial da União - Imprensa Nacional. In.gov.br.
BALEEIRO, A.; DERZI, M. Direito Tributário Brasileiro CTN Comentado, 14ª edição. Disponível em: <https://www.in.gov.br/web/dou/-/instrucao-normativa-n-1.924-de-19-de-
Rio de Janeiro: Grupo GEN, 2018. 9788530980726. Disponível em: fevereiro-de-2020-244301587>. Acesso em: 14 Nov. 2020.
<https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788530980726/cfi/6/2!/4/2/2@0:0>.
Acesso em: 23 Nov. 2020. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS. PNAD Contínua
2019: rendimento do 1% que ganha mais equivale a 33,7 vezes o da metade da
Brasileiro está mais confiante nas instituições. Ibopeinteligencia.com. Disponível em: população que ganha menos. Ibge.gov.br. Disponível em:
<https://www.ibopeinteligencia.com/noticias-e-pesquisas/brasileiro-esta-mais-confiante-nas- <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-
instituicoes/>. Acesso em: 20 Nov. 2020. noticias/releases/27594-pnad-continua-2019-rendimento-do-1-que-ganha-mais-equivale-a-33-
7-vezes-o-da-metade-da-populacao-que-ganha-menos>. Acesso em: 11 Out. 2020.
Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Planalto.gov.br. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: Instruções de Preenchimento. Receita Federal. Disponível em:
25 Out. 2020. <https://www.gov.br/receitafederal/pt-br/assuntos/irpf/2020/declaracao/preenchimento>.
Acesso em: 14 Nov. 2020.
CRESWELL, J. W. Investigação Qualitativa e Projeto de Pesquisa: escolhendo entre
cinco abordagens, 3ª edição. Porto Alegre: Penso, 2014. 9788565848893. Disponível em: IRPF (Imposto sobre a renda das pessoas físicas). Receita Federal. Disponível em:
<https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788565848893/cfi/0!/4/2@100:0.00>. <https://www.gov.br/receitafederal/pt-br/assuntos/orientacao-tributaria/tributos/irpf-imposto-
Acesso em: 22 Nov. 2020. de-renda-pessoa-fisica>. Acesso em: 14 Nov. 2020.

Declaração - Obrigatoriedade de Apresentação. Receita Federal. Disponível em: Mackenzie. Auxílio à população para preenchimento de IR 2019. Portal Mackenzie.
<https://receita.economia.gov.br/interface/cidadao/irpf/2020/apresentacao/obrigatoriedade>. Disponível em: <https://www.mackenzie.br/noticias/artigo/n/a/i/auxilio-a-populacao-para-
Acesso em: 14 Nov. 2020. preenchimento-de-ir-2019/>. Acesso em: 15 Nov. 2020.

Exposição História do Imposto de Renda. Receita Federal. Disponível em:


<https://www.gov.br/receitafederal/pt-br/acesso-a-informacao/institucional/memoria/imposto-
de-renda/cronologia-do-imposto-de-renda/cronologia-do-imposto-de-renda>. Acesso em:
11 Out. 2020.
NÓBREGA, C. B. História do Imposto de Renda no Brasil, um enfoque da pessoa física SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação, 4ª
(1922-2013). Secretaria da Receita Federal do Brasil, 2014. Disponível em: edição. Florianópolis: 2005. Disponível em:
<https://www.gov.br/receitafederal/pt-br/acesso-a-informacao/institucional/memoria/imposto- <https://tccbiblio.paginas.ufsc.br/files/2010/09/024_Metodologia_de_pesquisa_e_elaboracao_
de-renda/arquivos-e-imagens/livro-historia-do-imposto-de-renda-no-brasil-v-24x17-livro- de_teses_e_dissertacoes1.pdf>. Acesso em: 24 Nov. 2020.
completo-de-22-04-2014-1.pdf>. Acesso em: 11 Out. 2020.
SORDI, J. O. Desenvolvimento de Projeto de Pesquisa, 1ª edição. São Paulo: Grupo GEN,
PÊGAS, P. H. Manual de contabilidade tributária, 9ª edição. São Paulo: Grupo GEN, 2017. 9788547214975. Disponível em:
2017. 9788597011890. Disponível em: <https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788547214975/cfi/0>. Acesso em: 21
<https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788597011890/cfi/6/2[;vnd.vst.idref=cov Nov. 2020.
er]!>. Acesso em: 11 Out. 2020.
SOUZA, S. M. Imposto de renda das pessoas físicas: estudo da alíquota efetiva.
Primórdios do Imposto de Renda no Mundo. Receita Federal. Disponível em: Florianópolis: 2008. Disponível em: <http://tcc.bu.ufsc.br/Contabeis292249>. Acesso em: 11
<https://receita.economia.gov.br/sobre/institucional/memoria/imposto-de- Out. 2020.
renda/historia/primordios-do-imposto-de-renda-no-mundo>. Acesso em: 07 Nov. 2020.

Receita Federal já injetou R$ 23 bilhões na economia brasileira em 2020. Ministério da


Economia. Disponível em: <https://www.gov.br/economia/pt-
br/assuntos/noticias/2020/outubro/receita-federal-ja-injetou-r-23-bilhoes-na-economia-
brasileira-em-
2020?utm_source&#:~:text=Excepcionalmente%2C%20neste%20ano%20houve%20a,milh%
C3%B5es%20de%20declara%C3%A7%C3%B5es%20no%20prazo>. Acesso em: 18
Out. 2020.

SABBAG, E. Direito Tributário Essencial, 6ª edição. São Paulo: Grupo GEN, 2018.
9788530980764. Disponível em:
<https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788530980764/cfi/6/2!/4/2@0.00:0>.
Acesso em: 23 Nov. 2020.

SCHOUERI, L. E. Direito Tributário, 9ª edição. São Paulo: Grupo GEN, 2019.


9788553610174. Disponível em:
<https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788553610174/cfi/0!/4/2@100:0.00>.
Acesso em: 23 Nov. 2020.

Você também pode gostar