Você está na página 1de 1

c 

 c  c Ê   


 

m  

     
 
       

   

 
   
  


Progressos formidáveis! Em 1908, ano de lançamento do modelo T da Ford, a montagem do automóvel
demorava doze horas e vinte minutos. Na década de 20, uma hora e vinte minutos bastava.Produto de
massa e barato, o modelo vendeu 15 milhões de unidades. Como se conseguiu esta melhoria? Henry Ford,
o fundador da empresa, não estava a brincar quando fez este cálculo estranho: das 7882 operações em que
se decompõe a montagem do Ford T, 949 tarefas exigem pessoas robustas e 3338 homens com uma força
física normal. O resto? Ao alcance de «mulheres ou crianças grandes». 2637 operações podem ser
efectuadas por deficientes sem uma perna, 715 por pessoas sem um braço, 670 por deficientes sem ambas
as pernas, 10 por cegos, 2 por pessoas amputadas dos dois braços.O pioneiro da indústria automóvel quis
provar que é possível especializar as tarefas e decompor o trabalho em gestos elementares, racionalizando
a produção e aumentando o rendimento. Foi o que ele fez: o operário deixou de girar em torno do
automóvel que estava a ser montado. Foi a cadeia que passou a desfilar face ao posto de trabalho. Basta,
em seguida, cadenciar os movimentos e padronizar o todo Ͷ os veículos devem ser idênticos «como dois
alfinetes saídos de uma fábrica de alfinetes». Henry Ford foi um precursor, mas retira a sua inspiração de
Frederick Winslow Taylor, um apaixonado do estudo do trabalho humano e grande maníaco do
cronómetro.Em 1911 Taylor, então engenheiro -chefe na Bethlehem Steel, inventa uma «organização
científica do trabalho», que deve aumentar a produtividade reduzindo o «ócio» dos operários. Está
convencido de que uma «cooperação amigável» entre o patrão e os trabalhadores para aumentar a mais-
valia permitirá acelerar simultaneamente os benefícios de um e os ganhos do outro. Um objectivo muito
afastado da imagem negativa que hoje rodeia o taylorismo. Na prática, a realidade foi menos lírica. Muitos
empresários aproveitarão num só sentido uma doutrina que desemboca com frequência na desumanização
das tarefas. Mas isso não impedirá o sistema Taylor de invadir o planeta.A exaltação da produtividade e do
rigor arrastou, nesta época, uma certa cegueira. Nasceram os grandes preceitos da organização. A utopia,
por assim dizer, da gestão de homens chave na mão. Em 1913, Harrington Emerson enuncia os «12
princípios da eficácia». Três anos depois, o francês Henri Fayol identifica 14, que apresenta na sua obra
Administration Industrielle et Générale (v. caixa «Produzir mais é a prioridade»): «autoridade, discip lina,
obediência, hierarquia», mas também «bondade, equidade, boa vontade face aos operários», porque o
autor retirou lições da sua experiência como director das minas de Commentry. Taylor e Fayol
complementam-se, apesar de divergirem em pontos essenciais como a unidade de comando, da qual Fayol
não abdica. É preciso, todavia, salientar que, neste mesmo período, foi lançada uma pedra por uma mão
feminina no mar da organização científica do trabalho de Taylor. Sem, aliás, provocar qualquer onda. A
norte-americana Mary Parker Follett argumenta, contra o pensamento de Fayol, que o interesse do
indivíduo não pode desaparecer perante o do grupo. E defende também a lógica da responsabilidade face à
da obediência. Ideias que voltarão a surgir mais tarde neste século. Muito depois, efectivamente, virá o
modo de gestão participativa, da teoria Z de Ouchi (1983), do «gestor-minuto» de Blanchard e Johnson
(1984), um gestor que não perde tempo em demonstrações de poder. Mas, para já, qualquer contestação
da autoridade assente numa pirâmide parece suspeita. Uns concebem, os outros executam, e ponto final.
Neste início de século e nos primórdios da gestão passa -se bem sem as ideias loucas de Miss Follett.
0         
c cc 
    
 
           
   
     
          

        
           
 !
 " 

  #  
"   
    

c c$% &    '     (    
)  *  +   
    

    
  
 
  , 
  # -.(
      #
 
  
   / %       
   
 

p        
c 0c1        
 2   & 3      
4 5 6

    c000 2  6   

c c7& 
  
   6  8     ,    9     &

 
:000   ##    
 
c c:  (  (    ;  c0  2          & 

   #,  
 9