Você está na página 1de 24

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Som e ruído

SOM agradável (música, conversa)


útil (telefone, buzina)
incómodo (subjectivo)
ex: música clássica de madrugada (incómodo?)
som de carros de corrida (agradável? adepto de competições)

RUÍDO
A maior parte das definições de ruído tem uma conotação negativa. Do
ponto de vista do engenheiro uma definição simples e operacional de ruído
será:

Ruído: Som indesejado, por causa do seu efeito no homem, ou


devido ao seu efeito na fadiga ou mau funcionamento de
equipamentos, ou devido à sua interferência na detecção de
outros sons.

“ Som indesejado” implica um julgamento humano do valor do som,


julgamento que depende do contexto.
. Depende do tipo de som
. Depende das capacidades receptivas do ouvido humano. 1

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Ruído Ambiente em Portugal

«Ruído ambiente», um som externo indesejado ou


prejudicial, criado por actividades humanas, incluindo o ruído
emitido por meios de transporte, tráfego rodoviário, ferroviário,
aéreo e instalações utilizadas na actividade industrial.
(DIRECTIVA 2002/49/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO
de 25 de Junho de 2002)

Ex DGA 1996

2
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Efeitos nocivos do ruído na saúde

Guidelines for Community Noise edited by Birgitta Berglund , Thomas Lindvall,


Dietrich H Schwela
© World Health Organization 1999

- Deterioração da audição
- Interferência com a conversação
- Perturbação do sono
- Problemas cardiovasculares e fisiológicos

- Efeitos adversos na saúde mental (stress e irritabilidade)


- Efeitos negativos no desempenho (aprendizagem, trabalho)
- Desconforto Acústico

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

O que é o som? Som : pequena vibração de um meio acústico


Meio Acústico: - fluido (ar, água...)
- sólido
Variáveis Acústicas :

Quantidade Física Variável de estado Unidades


Pressão: Ptotal = P + p(r,t) (Pascal)
Velocidade: Utotal = U + u(r,t) (metro/segundo)
Temperatura: Ttotal = T + τ(r,t) (° Celsius)
Massa volúmica: ρtotal = ρ + σ(r,t) (kg/m3)

Onda sonora: - as partículas do meio acustico vibram Transporte de


em torno da sua posição de equilíbrio energia

- Nalgumas regiões as partículas são afastadas umas das outras


enquanto noutras são empurradas umas contra as outras
- Há variações das variáveis de estado
4
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

O que é o som? Movimentos de


Corpo Arrasta camada de compressão e
vibrante ar em contacto descompressão
nas camadas
adjacentes

Movimento das partículas – oscilante periódico


Movimento da frente de onda – de progressão
Compressões Rarefacções

Pistão

Distância, x
Figura 1. Variação espacial da pressão sonora ao longo de um tubo estreito.

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Propagação de ondas em meios descontínuos

Reflexão e refracção
Reflexão

6
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Propagação de ondas em meios descontínuos

Difracção

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Meio Perturbação Principal variável de estado - pressão


Gasoso
Pressão total

P(t ) = P0 + p (t )
Pressão atmosférica Pressão sonora
10 5 Pa

Som - variação de pressão produzida por uma fonte sonora, transmitida por um meio de
propagação e detectada pelo ouvido.
Pa
Som / Ruído

Silêncio Silêncio
P.atmosférica

t
A pressão sonora - definida como a variação da pressão relativamente ao valor da
pressão estática do ar a qual tem o valor de 105 Pa.
A gama de pressões sonoras audíveis: 20x10 –6 Pa a 20 Pa .
8
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Velocidade de propagação do som - ar

p Para o ar, à pressão normal (1.013x105 Pa) e para uma


c = 1.4
ρ massa específica de 1.22 kg/m3 (correspondente a
condições normais de humidade e temperatura próxima de
15 oC )
360.0

355.0
1.013 E5
c = 1.4 ≈ 341 m / s 350.0

c(m/s)
1.22 345.0

340.0
c (m/s)

335.0
Não varia com a frequência mas varia com a temperatura
330.0
0 10 20 30 40 50
Temp. (ºC)
T - temperatura em oC;
273 + T
c = 20.1 d - densidade do meio gasoso, em relação ao ar.

d
273 + 15
a 15 oC => c = 20.1 ≅ 341m/s
1
9

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Frequência do som
ω
Um som harmónico é caracterizado pela sua frequência f =1/T f= π

Unidade - Hz (número de ciclos /segundo)
c
Comprimento de onda λ= c – velocidade de propagação do som
f
Um som harmónico é caracterizado pela sua frequência ou seu comprimento de onda e
pela sua amplitude e fase

T
A

A amplitude A é o máximo
A fase é a fracção de um ciclo
deslocamento relativamente à
expressa em graus
posição de equilíbrio 10
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Sobreposicão de ondas
sinusoidais

11

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Pressão sonora, intensidade sonora e potência sonora

Potência eléctrica Temperatura Potência sonora Pressão sonora

Potência sonora (W) é a energia acústica emitida por uma fonte, é um


valor absoluto, não é afectado pelo ambiente (quantidade de energia
acústica produzida por unidade de tempo).
Permite a caracterização quantitativa (Watt) das fontes sonoras.
Intensidade sonora (W/m2) é definida como a potência sonora por p2
unidade de área. Identifica o fluxo de energia que atravessa um I=
elemento de superfície numa determinada direcção. ρc 12
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Porquê medir a intensidade sonora?

• Numa fábrica a medição dos valores da pressão sonora


permite verificar se a audição dos trabalhadores está em
risco.
• Para reduzir o ruído necessitamos de saber quanto ruído é
radiado por cada máquina (conhecer a sua potência sonora
e ordená-las de acordo com a potência).
• Uma vez identificada a máquina mais ruidosa é necessário
localizar nela os componentes individuais que radiam esse
ruído.
• Pode fazer-se tudo isto com medições de intensidade.
• Uma vez que a intensidade sonora nos dá uma medida da
direcção do som assim como da sua amplitude é bastante
útil na localização de fontes de ruído.

Aplicações:
Determinar a potência sonora de máquinas in situ;
Identificação de fontes de ruído;
Determinar índice de redução sonora de estruturas.
13

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Fontes sonoras Pontual – frente de


onda esférica

Energia da fonte propaga-se para as moléculas de ar


adjacentes. Processa-se segundo uma propagação
radial, por ondas esféricas.

25m
Diminuição de pressão proporcional ao aumento da
120dB(A)
50m
100m distância à fonte.
114dB(A)

Aumento da distância para o dobro - a energia


108dB(A) sonora diminui para um quarto
(devido ao aumento da área da frente de onda dada
por 4πr2 )

W
I=
4π r 2

14
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Fontes sonoras Pontual – frente de


onda esférica

Diminuição de pressão proporcional ao aumento da


distância à fonte.

Exemplo:
25m
W
120dB(A)
50m -Intensidade a uma distância r da fonte: I=
100m
4π r 2
114dB(A) -Intensidade a uma distância 2r:

W W 1 W
I= = = *
4π (2r )
108dB(A)
2
4π * 4r 2 4 4πr 2

Aumento da distância para o dobro => a


energia sonora diminui para um quarto

15

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Fontes sonoras Linear ou cilíndrica – frente de


onda cilíndrica

• Propagação num plano perpendicular à fonte


segundo circunferências que aumentam de raio com o
tempo, afastando-se do eixo desta (propagação sonora
hemicilíndrica)

15m 60m • Este tipo de fonte é caracterizado pela diminuição da


30m
70dB(A) energia sonora de forma linear, ou seja, uma
73dB(A)

76dB(A) diminuição da energia sonora para metade sempre que


a distância à fonte aumenta para o dobro

W
I=
Figura 1.10 - Fonte Linear ou Cilíndrica.
M
2π r
r
α
d

dx Fonte sonora linear


x
16
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Fontes sonoras Fonte plana – frente de


onda plana

• É a fonte menos usual, de entre as três, sendo aquela em que não há dissipação de
energia sonora com o aumento da distância à fonte.
• A onda não muda de geometria ao avançar: as superfícies de onda constituem planos
paralelos sempre com a mesma área, pelo que a intensidade sonora, I, bem como a
pressão Pef, são independentes da distância.
• Ondas esféricas e cilíndricas comportam-se como ondas planas, quando o receptor se
situa a grandes distâncias da fonte.

17

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Níveis sonoros e o Decibel

Muitas das sensações físicas do homem provocadas por estímulos


externos são proporcionais ao logaritmo desses estímulos.

µPa a 20 Pa
Gama de pressões sonoras audíveis pelo homem 20µ
µPa limiar da audição
20µ (pressão de referência)
20 Pa limiar da dor

Aplicação da escala linear em Pascal:


• faixa muito grande de variação (20x10-6 a 20 Pa)
• ouvido humano responde logaritmicamente aos estímulos sonoros

BEL = log (pressão2 /pressão de referência2)


p2
Nível de pressão (dB) = 10log
1 BEL (B) = 10 DECIBEL (dB) p0 2
10. log (pressão2 /pressão de referência2).
18
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Níveis sonoros e o Decibel

Escala decibel Escala pressão


(nível de pressão sonora) 20
Ruído de
aviões
2

0.2
dB Tráfego
Pa
0.02

0.002

Laboratório
0.0002

0.00002
19

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Níveis sonoros e o Decibel

20
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Níveis sonoros e o Decibel

 p2 
 ρc   p
L p = LI = 10 Log = 20 Log  [ dB]
•Nível de pressão  p02   p0 
 
 ρc 

•Nível de intensidade
 I
LI = 10 Log  [dB]
 I0 

W 
•Nível de potência LW = 10 Log  t  [ dB ]
 W0 
W - potência sonora; W0 = 10-12 Watt
I - intensidade sonora; I0 = 10-12 Watt/m2
p - pressão sonora; p0 = 2x10-5 Pa
21

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Adição de níveis sonoros

Ltot ?
L1 L2

(
Ltot = 10 log 10 L1 / 10 + 10 L2 / 10 )
22
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Adição de níveis sonoros


Exemplo:
Num ponto receptor R, o nível sonoro L1 provocado pelo funcionamento de
uma fonte sonora F1 é de 60dB. O nível sonoro L2 provocado por outra fonte
F2 é de 62dB. Qual o nível sonoro resultante no mesmo ponto, se ambas as
fontes se encontrarem ligadas simultaneamente?

L1 L2
R

(
Ltot = 10 log 10 L1 /10 + 10 L2 /10 )
Ltot = 10 log (10 60 / 10
+ 10 62 /10 ) = 64.1dB
23

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Adição de níveis sonoros


Exemplo:
Num ponto receptor R, uma fonte sonora F1 provoca um nível sonoro L1. Outra
fonte F2 provoca um nível sonoro L2. Qual o nível sonoro resultante no mesmo
ponto, se ambas as fontes se encontrarem ligadas simultaneamente?

L1 L2
R

O que aconteceria se:


-L1 = L2 ?
-L1 >> L2 ?

24
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Subtracção de níveis sonoros

Ln+s o nível de ruído global - provocado por "n+s" fontes


Ln o nível de ruído parcial, resultante de "n" fontes.

 Ln +s   Ln 
   
In +s = I 0 10  10 
; In = I 0 10  10 

O nível de ruído provocado por "s" pelo que


  Ln +s  Ln 
  
Ls = 10Log 10   − 10  10  
10
 
 
25

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Recepção dos sons


Vibrações mecânicas – transformadas em
impulsos nervosos transmitidos ao cérebro.

Gama audível em frequência


20 Hz a 20 kHz

A sensibilidade auditiva varia ao longo deste intervalo

Ouvido externo Timpano Ouvido interno


Infra-sons
Sensibilidade auditiva diminui
Ultra-sons

A maior sensibilidade é entre os 2 kHz e os 5 kHz

26
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Recepção dos sons

Limiar da dor

Música

conversação

Sons audíveis
Limiar da audição

27

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Recepção dos sons

Comparação de sons puros a várias frequências com um som à frequência de 1000 Hz: As
pessoas (em estudo) ajustaram a amplitude de forma a terem uma sensação auditiva
semelhante à de referência.

Curvas isofónicas –
representam contornos de
igual sensibilidade auditiva.

A unidade de sensibilidade
auditiva é o phon.
O phon é numericamente igual
ao nível de pressão sonora em
dB a 1000 Hz.

28
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Na tentativa de avaliar a resposta do ouvido humano, são utilizadas quatro curvas de


ponderação denominadas de A, B, C e D. São implementadas com filtros electrónicos
nos aparelhos de medição.
Curvas A – aproximação à isofónica de 40 (retira importância às baixas frequências)
Curva B – aproximação à isofónica de 70
Curva C – aproximação à isofónica de 100 (quase plana)
Curva D – desenvolvida para medições de ruído de tráfego aéreo (penaliza as altas frequências).

Curva A – é a mais usada:


Correlacina-se razoavelmente com a
incomodidade auditiva.

As curvas "B" e "C" não se


correlacionam bem com testes
subjectivos. O facto deve-se a as
isofónicas serem baseadas em
experiências com sons puros e a
maioria dos sons são sinais
complexos resultado da sobreposição
de vários sons puros.

29

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Recepção dos sons

Sinal real Sinal captado


Pa Pa

t t

Pa Pa

t t

Sinais sonoros de longa duração são interpretados pelo ouvido humano com intensidade
semelhante à intensidade real do sinal
Sinais de muito curta duração quase não são perceptíveis pelo ouvido humano e
podem não permitir a activação do sistema de defesa do ouvido humano e, em vez de
provocarem apenas diminuição da audição temporária, podem causar trauma auditivo.

30
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Nível de ruído equivalente (Leq)

Numa situação normal os níveis sonoros variam durante o dia. Os níveis aumentam
temporariamente quando um camião passa, um cão ladra, um avião levanta voo, etc.
O dano na audição provocado por um dado som depende não apenas do seu nível mas também da
sua duração.
É possível calcular um valor único que
contabilize o nível sonoro e a duração do
som. É análogo a um nível médio que tem o
mesmo conteúdo de energia que o nível
sonoro variável.

Como a energia é proporcional à


intensidade sonora e esta é
proporcional ao quadrado da
pressão:

 1 T  p (t )  2 
Leq = 10 log  ∫o   dt  Leq = 87.4 dB
 T  p0  
 
1 T 
Leq = 10 log  ∫o 10 LA 10 dt 
T 
31

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Nível de ruído equivalente (Leq)

Para amostras discretas

2
1 n  p (t )  1 n
Leq = 10 log ∑   ∆ti Leq = 10 log ∑
T i =1
∆ti 10 Li 10

T i =1  p0 

Para intervalos de tempo constantes

2
1 n  p (t )  1 n Li
Leq = 10 log ∑   ≅10 log ∑10 10
n i =1  p0  n i =1

32
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Parâmetros estatísticos na medição de ruído - Ln

n a percentagem do intervalo de medição (T) em que o nível de ruído é excedido

∆T3
L ∆T2
∆T1
dB

Ln

<=> ∆T1 + ∆T2 + ∆T3 = n * T /100%

T t

L1, L95, L99, L10, L50 e L90.

L1- Caracteriza os níveis máximos ocorridos;

L95- Caracteriza o ruído de fundo;

L99- Caracteriza os níveis mínimos ocorridos;

L10, L50 e L90 - Caracterizam os ruídos intermitentes (tipo ruído de tráfego). 33

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Outros parâmetros acústicos

Nível sonoro médio dia - noite - LDN

O nível sonoro médio dia-noite é o nível sonoro contínuo equivalente (Leq) para um
intervalo de medição de 24 horas, penalizado em 10 dB no período entre as 22 horas e as 7
horas.

Nível de poluição sonora - LNP

O nível de poluição sonora é o nível sonoro contínuo equivalente (Leq) acrescido de um


parâmetro que caracteriza o grau de incomodidade devido às flutuações de ruído, sendo
definido como:

L (P = Leq + 2.56 σ

σ é o desvio padrão dos níveis sonoros instantâneos

34
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA
Outros parâmetros acústicos
Indicadores de ruído aplicados na preparação de mapas de ruído de acordo com a indicação da DIRECTIVA 2002/49/CE
DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO
de 25 de Junho de 2002 – relativa à avaliação e gestão do ruído ambiente
Lden - para avaliar o incómodo
Lnight - para avaliar as perturbações do sono
Lden Indicador de ruído dia-fim de tarde-noite
Levening + 5 Lnight +10
1  
Lday

Lden = 10log  12 *10 10 + 4 *10 10 + 8 *10 10 


24  
 
Lday É o nível sonoro médio de longa duração, ponderado A, determinado durante todos os
periodos diurnos de um ano.
Levening É o nível sonoro médio de longa duração, ponderado A, determinado durante todos os
periodos vespertinos de um ano.

Lnight É o nível sonoro médio de longa duração, ponderado A, determinado durante todos os
periodos nocturnos de um ano.

Dia -12 horas; fim de tarde – 4 horas; noite – 8 horas. (Os Estados Membros poderão encurtar 1 ou 2 horas
o período vespertino aumentando o período diurno ou nocturno)

O início do dia será escolhido pelo Estado Membro – valores por omissão 07.00 – 19.00 horas,
19.00 – 23.00 horas e 23.00 – 07.00 horas.
35

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Análise em frequência

Tratamento acústico de determinado


ambiente ⇒ necessidade de determinar o
conteúdo do som em frequência (a
solução acústica depende da gama de
frequências do som a corrigir)

Análise espectral –análise em frequência


É impossível medir um espectro contínuo, na prática ele será sempre discreto.
A precisão da discretização tem limites.
Para medir apenas uma componente que nos interessa teremos de fazer passar o sinal através
de um filtro.
Usam-se filtros não para isolar frequências individualmente mas para isolar gamas ou bandas
de frequência.
Filtro mais utilizado é o de oitavas ( a frequência mais alta que deixa passar é dupla da
frequência mais baixa.
O que se regista é o valor efectivo da pressão sonora em cada banda.
Existem outros filtros como os de 1/3 de oitava para medições mais precisas.
36
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Análise em frequência Filtros de oitava

Duas frequências espaçadas de uma oitava têm a relação f2=2f1


A gama de frequências audíveis (20 Hz a 20 kHz) está dividida em 10 bandas de frequência de
oitava com frequências centrais F0=31.5; 63; 125; 250; 500 Hz e 1; 2; 4; 8; 16 kHz.

Frequência
central, Hz Limites da banda

31.5 22 - 45

63 45 - 89

125 89 - 177

250 177 - 353

500 353 - 707

1000 707 - 1414

2000 1414 - 2828

4000 2828 - 5657

8000 5657 - 11314

16000 11314 - 22627


31.5 63 125 250 500 1000 2000 4000 8000 16000

log(f) [Hz]
37

NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA

Análise em frequência Filtros de oitava

F0 F0 = Fi .Fs . F0
Fi = Fs = 2 .F0 LB =
2 2
log(2)

Fi F0 Fs

log(4000)-log(2000)=
31.5 63 125 250 500 1000 2000 4000 8000 16000 log(4000/2000)=log(2)
log(f) [Hz]
log(2)/2 log(250)-log(125)=
log(250/125)=log(2)

Dererminar Fs a partir de F0

 F  log(2)  Fs   F  2 
log( Fs ) − log ( F0 ) = log  s  = 2log   = log(2) ⇔ log  s   = log(2)
 F0  2  F0   F0  
 
2
 Fs  Fs
  =2⇔ = 2 ⇔ Fs = F0 2
F
 0 F0
38
NOÇÕES BÁSICAS DE ACÚSTICA
ANÁLISE EM FREQUÊNCIA
Análise em frequência Filtros de 1/3 de oitava

Duas frequências espaçadas de um terço de oitava têm a relação


f 2 = 3 2. f1
A gama de frequências audíveis (20 Hz a 20 kHz) está dividida em 30 bandas de frequência

F0
Fi = 6
2

Fs = 6 2 .F0

LB = F0 (
6
2 − −6 2 )

31.5 63 125 250 500 1000 2000 4000 8000 16000

log(f) [Hz]
Frequências centrais das bandas de terço de oitava na gama audível:
25, 31.5, 40, 50, 63, 80, 100, 125, 160, 200, 250, 315, 400, 500, 630, 800, 1k, 1.25k,
1.6k, 2k, 2.5k, 3.15k, 4k, 5k, 6.3k, 8k, 10k, 12.5k, 16k, 20k Hz. 39

RUÍDO DA ACTIVIDADE HUMANA

Factores que afectam a propagação do ruído

 Tipo de fonte
Distância à fonte
Absorção atmosférica
Vento
Temperatura e gradientes de temperatura
Obstáculos como edifícios ou barreiras
Absorção do solo
Reflexões
Humidade

40
RUÍDO DA ACTIVIDADE HUMANA

Factores que afectam a propagação do ruído

Absorção Atmosférica

Atenuação (dB)
Distância à fonte (m)

A redução do som devido à sua propagação no ar depende de vários


factores entre os quais:
• Distância à fonte
• Frequência do som
• Temperatura ambiente
• Humidade relativa
• Pressão Ambiente
Os dois primeiros factores são aqueles que têm uma maior influência e
estão ilustrados na figura.
As frequências baixas não são bem atenuadas pela absorção atmosférica. 41

RUÍDO DA ACTIVIDADE HUMANA

Factores que afectam a propagação do ruído

A velocidade do vento aumenta com a altitude,


o que faz com que o trajecto do som seja
Vento focalizado do lado a favor do vento e haja uma
zona “sombra” no lado da fonte contrário ao
vento.
Até distâncias de 50 m o vento não tem muita
influência no som medido. Para distâncias
maiores o efeito do vento é apreciável.

Temperatura
Os gradientes de temperatura criam efeitos
semelhantes aos do vento, no entanto são uniformes
em todas as direcções à volta da fonte.
Num dia de sol sem vento a temperatura diminui com
a altitude provocando um efeito de sombra para o
som.
Numa noite clara a temperatura aumenta com a
altitude (inversão de temperatura) concentrando o som
na superfície do solo.

42
RUÍDO DA ACTIVIDADE HUMANA

Factores que afectam a propagação do ruído

Obstáculos
A atenuação depende de:
1. Diferença de trajectos (a + b –c)
2. Frequência do som.

Uma barreira será mais efectiva quando localizada


próximo da fonte ou do receptor.

A atenuação no som provocada por


uma barreira em função da altura. 43

RUÍDO DA ACTIVIDADE HUMANA

Factores que afectam a propagação do ruído

Absorção do solo

O som reflectido no solo interfere com o som propagado directamente. O efeito da


superfície é diferente se esta for dura (betão), mole (relva, vegetação) ou mista.
A neve por exemplo pode provocar atenuações altas.

44
RUÍDO DA ACTIVIDADE HUMANA

Análise e tratamento do ruído

Tratamento na fonte emissora


- Construir equipamentos que emitam menos ruído
- Utilização de apoios de equipamento anti-vibratórios
- Localização da fonte

L1
L - L 1 + 3 dB
d
d

L - L 1 + 6 dB
d d L - L 1 + 9 dB

45

RUÍDO DA ACTIVIDADE HUMANA

Análise e tratamento do ruído

Tratamento no meio de transmissão

Na transmissão aérea a diminuição do ruído pode passar por soluções do tipo:


- Criação de um elemento de separação entre a fonte e o receptor;
- Criação de uma barreira acústica entre a fonte e o receptor;
- Utilização de painéis absorventes na envolvente da fonte produtora de ruído;
- Utilização de painéis suspensos na zona de tecto mais próxima da fonte;
- Utilização de filtros acústicos na zona de saída de ruídos, normalmente aplicados em forma de
"sanduíche".

No caso da propagação de ruído por via sólida:


- utilização de apoios anti-vibratórios no caso de máquinas
- pavimentos flutuantes no caso de ruídos normalmente ocorridos no interior das
habitações.
46
RUÍDO DA ACTIVIDADE HUMANA

Análise e tratamento do ruído

Tratamento no receptor

O tratamento de ruído no receptor ( ouvido humano) :


- Uso de protectores auriculares ;
- Utilização de cabinas insonorizadas ;
- Diminuição do tempo de exposição nas zonas mais ruidosas ;

47

Você também pode gostar