Você está na página 1de 203

Projeto Político Pedagógico 2018 1

Governo do Distrito Federal


Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal
Coordenação Regional de Ensino de Taguatinga
Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga

Eu no mundo e o Mundo em Mim

2018
2015
Projeto Político Pedagógico 2018 2

Os Direitos das Crianças (Ruth Rocha)


Toda criança no mundo
Deve ser bem protegida
Contra os rigores do tempo
Contra os rigores da vida Criança tem que ter nome
Criança tem que ter lar
Ter saúde e não ter fome
Ter segurança e estudar.
Não é questão de querer
Nem questão de concordar
Os diretos da criança
Todos têm de respeitar.
Tem direito à atenção
Direito de não ter medos
Direito a livros e a pão
Direito de ter brinquedos.
Mas criança também tem
O direito de sorrir.
Correr na beira do mar,
Ter lápis de colorir...
Ver uma estrela cadente,
Filme que tenha robô,
Ganhar um lindo presente,
Ouvir histórias do avô.
Descer do escorregador,
Fazer bolha de sabão,
Sorvete, se faz calor,
Brincar de adivinhação.
Morango com chantilly,
Ver mágico de cartola,
O canto do bem-te-vi,
Bola, bola, bola, bola!
Lamber o fundo da panela
Ser tratada com afeição
Ser alegre e tagarela
Poder também dizer não!
Carrinhos, jogos, bonecas,
Montar um jogo de armar,
Amarelinha, petecas,
E uma corda de pular.
Projeto Político Pedagógico 2018 3

Governo do Distrito Federal


Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal
Coordenação Regional de Ensino de Taguatinga
Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga
QSE 14 A/E Tag. Sul – CEP 72025-140 – FONE: 3901.6774

eQUIPE DE ELABORAÇÃO DO PPP:

 Diretora: Beatriz do Prado Santos


 Vice-diretora: Janete Ângela Amaral e Silva Pinto
 Supervisora Pedagógica: Patrícia de Assunção Cruvinel
 Secretário: Washington Machado de Oliveira
 Apoio administrativo: Denise Rodrigues Cruz
 Coordenadora Pedagógica: Eliane Senna/ Lorena Santos
 Orientadora Educacional: Rosimeiry Aparecida de Carvalho
 Equipe EEAA: Naddia Lopes
 Professora Sala de Recursos: Maria Daguia de Sousa
 Representante do Caixa Escolar: Zulma Martins Soares
 Presidente do Conselho Escolar: Eunice Andrade de Magalhães de
Lima

2015
Projeto Político Pedagógico 2018 4

SUMÁRIO

1 - Apresentação 05
2- Histórico 17
3- Diagnóstico da Realidade Escolar 31
4-Função Social 43
5- Princípios 47
6- Objetivos 50
7- Concepções Teóricas 51
8- Organização do Trabalho Pedagógico 62
8.1 – Plano de Ação da Coordenação Pedagógica 79
8.2 – Atuação da Equipe Especializada de Apoio à Aprendizagem 81
/SEAA
8.3– Atuação do Serviço de Orientação Educacional 89
8.4 – Atuação do Atendimento Educacional Especializado/ AEE 118
9- Estratégias de Avaliação 136
10-Organização Curricular da Escola 137
11. - Plano de Ação para Implementação do Projeto Político 154
Pedagógico
11.1- Gestão Pedagógica 155
11.2- Gestão dos Resultados Educacionais 156
11.3- Gestão Participativa 157
11.4- Gestão de Pessoas 158
11.5- Gestão Financeira 159
11.6- Gestão Administrativa 160
12- Acompanhamento e Avaliação do Projeto Político Pedagógico 161
13- Projetos Específicos da Escola 174
13.1- Brinquedoteca em Ação 175
13.2- Hora Cívica 176
13.3- Resgatando Valores Sociais e Culturais 177
13.4- Se bobear você pode se machucar 178
13.5- Recreio Musical 179
13.6- Bisbilhotando as Artes 180
13.7- Festa Junina 181
13.8- Entrou por uma porta e saiu por outra… Literatura. 182
13.9- Família, minha vida. 183
13.10- Transição/ Remanejamento Natural 184
13.11-Corpo e Movimento 185
13.12- V Plenarinha 186
13.13- Linguagem Digital 188
14- Apêndice 189
15- Referências 200
Projeto Político Pedagógico 2018 5

1-aPRESENTAÇÃO

Sabemos que o Projeto Político Pedagógico de uma escola não é um


documento qualquer, um manual técnico ou um relato de pequenos grupos para
ser executado, mas, sobretudo um processo de discussão permanente que precisa
estar em constante movimento sendo atualizado, revisado, rediscutido e
redimensionado para a melhoria da qualidade da educação oferecida às nossas
crianças.
De acordo com a Lei de Gestão Democrática nº 4.751/2012 deve ser um
instrumento que orienta o trabalho pedagógico e a coordenação pedagógica,
visando uma reflexão sobre o papel dos protagonistas no processo de educação
para um alcance maior da qualidade social. Assim sendo foi criada uma comissão
local composta pela Diretora, Orientadora, Supervisora, Pedagogas e os
representantes do Conselho Escolar.
O desafio lançado para 2018é tentar operacionalizar os resultados
obtidos através da V Plenarinha da Educação Infantil, realizada no ano de 2017 e
que teve como tema a ―A criança na natureza por um crescimento sustentável‖. A
proposta da V Plenarinha se baseou em dar voz às crianças por meio de suas
diferentes linguagens, escutando-as e registrando suas contribuições, pontos de
vista e propostas de melhorias para o lugar onde vivem, ou melhor, para a cidade
onde a escola que estudam está situada. A iniciativa está justificada pelo fato da
escola receber crianças residentes em diversas cidades do DF e entorno, o que
dificultaria o trabalho da escola para o tratamento das informações. A Plenarinha é
um projeto pedagógico específico da Educação Infantil da SEEDF que tem por
objetivo geral oportunizar as crianças, por meio da escuta sensível e atenta, a
promoção de seu exercício de cidadão ativo, participativo e conhecedor dos seus
direitos e deveres, vivenciando a interlocução com o Currículo da Educação Infantil
em suas diferentes expressões e linguagens.
O diagnóstico da realidade escolar de 2018 foi desenvolvido a partir da
análise do título do Projeto Político Pedagógico (Eu no Mundo e o Mundo em Mim),
até sua aplicabilidade em 2017, onde oportunizamos a todos os segmentos
momentos de escuta sensível para avaliarem as fragilidades e potencialidades da
Projeto Político Pedagógico 2018 6

escola. Enfatizamos a importância da participação e do envolvimento de todos os


segmentos para materializarmos uma gestão democrática de fato e de direito, onde
possamos juntos colaborar para o sucesso de uma escola pública cada vez mais
promissora e promotora das aprendizagens.
Lembramos que a escola não é formada somente por professores e que
todos os segmentos de pais, discentes, funcionários da carreira assistência,
terceirizados estão envolvidos no processo de ensino e aprendizagem podendo se
contagiar do sentimento de pertença ao grupo, pois a qualidade está diretamente
relacionada e comprometida com a formação política para um cidadão
humanizado, responsável, crítico e criativo.
Segundo a Constituição Federal de 1988 a educação é responsabilidade
da família e do estado, assim entendemos que não se pode imputar somente à
escola a responsabilidade pela educação de nossas crianças. Levando em
consideração a importância que as famílias possuem para a formação dos filhos
buscamos estreitar os laços e durante o ano de 2017 convidamos os pais para
reuniões, planejamentos e avaliações a fim de coletar e registrar as opiniões que
servirão de norte para nosso plano de trabalho de 2018.
Movidos por este sentimento de coletividade e desejando o
desenvolvimento integral das crianças surgiram os seguintes questionamentos:
Que criança nós temos? Quais espaços de brincar oportunizamos às nossas
crianças? Estas duas indagações nortearão o desenvolvimento da Plenarinha em
2018, cujo tema impulsionará o protagonismo infantil, dando vez e voz às nossas
crianças, fazendo-as refletir sobre a importância do brincar.
Para iniciar a reconstrução do nosso projeto em 2018, no Dia Letivo
Temático, realizamos uma enquete com os responsáveis para saber de suas
expectativas em relação à escola para o desenvolvimento das aprendizagens das
crianças. Esta atividade foi registrada em uma folha, onde estava desenhado um
peixe e algumas bolhas onde os responsáveis deveriam elencar três expectativas,
pg.165. Cento e oitenta e cinco responsáveis devolveram a enquete que foi
devidamente lida e tabulada, e os dados transformados em gráficos que foram
levados em consideração para a reformulação deste Projeto Político Pedagógico.
Com a presença de todos os segmentos da comunidade escolar, no dia
21/03/2017 realizamos o 1º Dia Letivo Temático apresentando a equipe de trabalho
do CEI 01 e suas respectivas funções, o calendário escolar específico da Educação
Projeto Político Pedagógico 2018 7

Infantil, explicamos como acontece a rotina e adaptação da criança, do professor,


da instituição e dos pais ao meio escolar. Destacamos itens importantes do
informativo contendo normas que regulamentam a rotina didático-administrativa da
escola e que devem ser observados por todos para uma melhor organização da
instituição escolar. Este informativo possuía orientações quanto aos horários de
entrada, saída, lanche, alimentação saudável, uniforme, material escolar, agenda,
doenças-remédios, passeios, reuniões de pais, Atendimento Educacional
Especializado etc.
No dia três de março de 2017, sábado, realizamos a primeira reunião
entre professores e responsáveis para pontuarmos aspectos relevantes sobre o
processo de ensino e aprendizagem das crianças, esclarecendo os resultados da
pesquisa de opinião dos pais quando preencheram a ficha do peixinho. (pg. 189)
Tivemos a oportunidade de apresentar os objetivos da Educação Infantil, os
documentos e leis que fundamentam nossa prática, os dois binômios da Educação
Infantil (Cuidar e Educar) / (Brincar e Interagir).
Além disto, apresentamos slides com fotos referentes ao trabalho
operacionalizado pela instituição no ano passado. Reiteramos o título do Projeto
Político Pedagógico para 2018 e toda estrutura pedagógica organizada por temas
mensais de acordo com o calendário escolar da SEEDF e em anexo na (pg. 194 e
195). Lembrando que esta organização foi validada pela comunidade escolar após
avaliação institucional realizada no final de 2017.
Socializamos o tema da Plenarinha\ 2018 ―O universo do brincar: A
criança do Distrito Federal e o Direito ao Brincar‖,a VI Plenarinha se esforça para
que a importância do brincar na escola, se constitua como um espaço de
aprendizagem tendo como objetivo vivenciar o brincar, a brincadeira e o brinquedo
como uma atividade necessária ao desenvolvimento infantil contribuindo para a
internalização da cultura e como uma daslinguagens para descobrir e interagir com
o mundo. Logo, o objetivo geral do projeto é de propiciar às crianças da Educação
Infantil experiências por meio do brincarde forma que a criança vivencie o poder de
experimentar o mundo dos objetos, das pessoas,da natureza, e da cultura para
compreendê-lo e expressá-lo em suas mais variadas linguagens e também é no
plano da imaginação e criação que o brincar se destaca pela mobilização dos
significados.Diante do exposto, iremos planejar ações para abordareste tema junto
às crianças e à sociedade.
Projeto Político Pedagógico 2018 8

A comunidade escolar revalidou o títulodo PPP por entender a riqueza


de ideias e ao mesmo tempo de responsabilidades relacionadas a ele.
Primeiramente vislumbramos a formação do ―eu‖, com suas particularidades,
características físicas, mentais, espirituais, biológicas, únicas e ao mesmo tempo
plurais por entender que a natureza do homem compreende uma diversidade
humana que necessita ser construída através do âmbito de experiências da
formação pessoal e social numa perspectiva de construção da identidade e
autonomia para uma educação em e para os direitos humanos.

O currículo da Educação Infantil da SEEDF (2014,


p.98) enfatiza que ―A construção da identidade da criança
está ligada ao conhecimento, ao controle e ao domínio do
próprio corpo, de suas capacidades e limitações. De fato,
esse conhecimento é o primeiro referencial da criança para
conhecer-se como pessoa. Ao serem cuidados, os bebês e as
crianças pequenas aprendem a vestir-se, a pentear-se, a
comer, a fazer sua higiene. Enfim, cultivam o bem-estar
proporcionado pela vivência desses hábitos‖.

Segundo Vygotsky, a relação do indivíduo com o mundo está sempre


mediada pelo outro. O que permite a aprendizagem é o contato com a cultura
produzida pela humanidade e as relações sociais. Nesse processo, a criança,
converte o mundo externo em mundo interno e, desenvolve, de forma singular, sua
individualidade.
Essa construção da identidade pode e precisa se constituir em um
ambiente lúdico permeado pela imitação, linguagem, apropriação da imagem
corporal e pelo faz de conta. Uma das diferenças entre o eu e o outro se dá pela
aprendizagem do nome, das diferenças entre as características físicas, do contexto
social, da história de vida e do modo de pensar e agir.
Nós, seres humanos, não estamos sozinhos no mundo, felizmente
somos rodeados por outros seres vivos que nos possibilitam estabelecer vínculos e
relações. Eu estou no mundo e o mundo está em mim numa relação dinâmica e
dialética de conflitos e contradições porque modificamos o mundo ao mesmo
tempo em que ele nos modifica. Estar no mundo implica em nos conhecer e
Projeto Político Pedagógico 2018 9

conhecer este mundo através das interações que são vivenciadas e internalizadas
a partir da cultura.
A cultura nos favorece o desenvolvimento da autonomia que é a
capacidade de compreender os deveres e direitos conforme sua necessidade e
significação, considerando-se as regras, os valores, a perspectiva pessoal e do
outro. Ela também nos possibilita a ampliação do conhecimento de mundo através
das interações com a natureza e a sociedade, da apropriação da linguagem que se
revela por meio do movimento, da música, das artes visuais, da linguagem oral e
escrita, da linguagem matemática e da digital.
A linguagem representa um eficiente veículo de socialização, pois
favorece o processo de diferenciação entre eu, o outro e o meio, ou melhor, o
mundo. Segundo Vygotsky é por meio da linguagem, das interações sociais que a
criança vai construindo o pensamento, a memória, a capacidade de aprender e
enriquecer suas potencialidades de comunicação e expressão.
Valorizamos a interação da criança com a natureza e sociedade porque
entendemos que é um eixo que abrange um mundo de possibilidades,
curiosidades, encantamentos, pesquisas e descobertas. As diversas linguagens
estão previstas no currículo da Educação Infantil da SEEDF e serão oportunizadas
pela escola através do projeto: ―Eu no mundo e o mundo em mim‖, pois
compreendemos que a criança imprime marcas no mundo ao mesmo tempo em
que são marcadas por ele.
Tais linguagens serão oportunizadas às criançasde forma lúdica através
do brincar e de estratégias bem planejadas que favoreçam a livre expressão, o faz
de contas e as interações entre os atores do processo de ensino e aprendizagem.
A Semana Pedagógica no início do ano e as coordenações coletivas que
aconteceram nos meses de março e abril propiciaram espaços de estudo,
discussão, análise e reflexão dos documentos nacionais e locais que norteiam
nossas práticas pedagógicas.

Dessa maneira discutimos os pressupostos teóricos do Currículo em


Movimento da Educação Básica, do Currículo em Movimento da Educação Infantil,
A Base Nacional Comum Curricular, As Diretrizes Curriculares Nacionais para a
Educação Infantil, As Diretrizes de Avaliação Educacional para o novo triênio(2018-
2021), rediscutimos o Plano de Ação do Serviço de Orientação Educacional, da
Projeto Político Pedagógico 2018 10

Equipe Especializada de Apoio à Aprendizagem e do Atendimento Educacional


Especializado/ Sala de Recursos, da coordenação pedagógica, dos professores
Readaptados, do Conselho Escolar e realizamos uma revisão minuciosa do projeto
da escola revendo concepções, história, objetivos, metas, atividades e projetos
para finalizarmos a reconstrução coletiva do PPP.

Em se tratando de um projeto político em construção as coordenações


setorizadas de terças e quintas-feiras vêm se constituindo em momentos de
planejamentos para a operacionalização do Projeto Político da escola que se
encontra em constante movimento de ressignificação onde as trocas de
experiências pedagógicas são riquíssimas e acontecem para contemplar os
processos de ensinar e aprender.

A Avaliação Institucional é um instrumento que contém o processo de


acompanhamento contínuo das atividades e da implementação de mudanças
necessárias à retomada da missão proposta pela Instituição.Considerando-se que
uma avaliação bem sucedida passa principalmente por um diálogo no âmbito
interno da própria Instituição, a condução de tais processos deve corresponder às
expectativas dos atores que constituem o meio acadêmico.
O processo de Avaliação Institucional vem sendo aprimorado a cada ano
e para a construção deste documento levamos em consideração as avaliações dos
anos anteriores. Em anexo (pg. 163 e 164), folder com pesquisa de opinião sobre
todos os segmentos que compõem a escola. O resultado desta pesquisa está
disponível nas página (173), vale lembrar que este instrumento foi preenchido por
todos os segmentos da escola e gerou dados que foram levados em consideração
para a atualização deste documento.
Oportunizamos o protagonismo infantil através da ficha (pg. 172) que foi
levada para casa e preenchida pelos responsáveis respeitando a opinião das
crianças e devolvida para e escola para que fizéssemos o tratamento das
informações.
Incentivamos o protagonismo das crianças durante todo o ano de 2017
principalmente quando desenvolvemos a Plenarinha, que foi uma excelente
oportunidade para revalidar os projetos, espaços, ambientes e tempos que são
organizados pelos adultospara que as crianças se desenvolvam e manifestem o
Projeto Político Pedagógico 2018 11

pensamento crítico, criativo potencializador das aprendizagens demarcando um


espaço democrático de convívio ético.
A culminância da V Plenarinha aconteceu em três fases: na escola, na
CRET e no Jardim Botânico, porém foi oportunizado o contato de nossas crianças
com a natureza através de um passeio ao Zoológico de Brasília, onde eles
puderam observar os animais e as plantas através de um roteiro animado e
monitorado pelos profissionais da escola e do Zoo.
Na escola cada turma abordou um tema para se pensar e vivenciar
experiências sobre a natureza. Os temas distribuídos pelas turmas foram: mudança
no clima, coleta seletiva, lixo eletrônico, compostagem/ ternário, animais brasileiros
em extinção, alimentos orgânicos, biodiversidade, aquecimento global, uso racional
da água, animais aquáticos, horta/plantas medicinais ou aromáticas, reciclagem,
reflorestamento/desmatamento, animais diurnos e noturnos, polinização abelha,
besouro, borboleta e pássaros.
O desenvolvimento do projeto foi espetacular, pois através dele as crianças
puderam expressar suas opiniões, pensar e dialogar com diferentes profissionais
que nos visitaram para trocar experiências e ouvir as crianças. Muitos profissionais
puderam repensar as práticas sob o olhar das crianças.
Projeto Político Pedagógico 2018 12

Resultado da Plenarinha/2017
Projeto Político Pedagógico 2018 13

Resultado da Plenarinha 2017


Projeto Político Pedagógico 2018 14

Resultado da Plenarinha/2017
Projeto Político Pedagógico 2018 15

Após o movimento dinâmico de construção e reconstrução do Projeto


Político Pedagógico do Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga,gostaríamos
de apresentar as partes que o compõe de forma breve e sucinta.
No capítulo 1, ―Apresentação do Projeto‖, além de descrever as partes que o
compõem, explicamos como se deu o processo de construção do PPP no ano de
2017, descrevendo os participantes, os procedimentos e os instrumentos que
promovem o protagonismo dos estudantes e de todos os segmentos da
comunidade escolar.
No capítulo 2, ―Historicidade da Escola‖, relembramos a história de
constituição da escola, sua construção como patrimônio da comunidade, trajetória,
resgate de fatos, situações, pessoas que ajudaram e ajudam a construí-la.
No capítulo 3, ―Diagnóstico da Realidade Escolar‖, descrevemos as
características social, econômica e cultural da comunidade através de gráficos e
tabelas, nos permitindo levantar o diagnóstico da realidade escolar para
sinalizarmos os objetivos, metas e ações a serem contemplados no Projeto
PolíticoPedagógico.
No capítulo 4, ―Função Social‖, retratamos o que o grupo compreende ser a
função da escola. Esclarecemos claramente qual o papel da escola e da família
para que a sociedade evite confundi-los.
No capítulo 5, ―Princípios Norteadores das Práticas Pedagógicas‖,
apresentamos os princípios e crenças fundamentais para a escola e que sustentam
nossas principais decisões e ações pedagógicas- administrativas.
No capítulo 6, "Objetivos‖, compartilhamos nosso objetivo geral e os
específicos na esperança de os alcançarmos a curto, médio e longo prazo a fim de
concretizarmos a nossa função social.
No capítulo 7, ―Concepções Teóricas‖, abordamos o processo de
humanização do ser humano através das ideias de Vigotsiki, que explica como se
dá a construção social e cultural da infância e o processo de desenvolvimento a
partir do que a criança sabe para a construção do pensamento científico tão
importante para a manifestação da cultura. Dialogamos sobre as concepções de
educação integral, os processos de ensinar e aprender, o currículo e a avaliação
como possibilidades de redimensionar o trabalho vivido.
Projeto Político Pedagógico 2018 16

No capítulo 8, ―Organização do trabalho pedagógico‖,apresentamos a


organização da Educação Infantil prevendo os nossos espaços, tempos e a
atuação das equipes do Serviço Especializado de Apoio à Aprendizagem (SEAA).
No capítulo 9, ―Concepções, Práticas e Estratégias de Avaliação do
Processo de Ensino e Aprendizagem‖, apresentamos como a prática avaliativa é
desenvolvida na escola.
No capítulo 10, ―Organização Curricular da Escola‖, explicamos como
acontece a operacionalização do currículo em nossa escola. Trabalhamos com a
ideia da tríade do eu, o outro e o meio, cujo tema de nosso PPP é ―Eu no Mundo e
o Mundo em Mim‖. Influenciamos o mundo e somos influenciados numa relação
dialética. O currículo vivido está ancorado na abordagem das diferentes linguagens
e na manifestação do brincar, interagir, educar e cuidar, tendo os princípios da
interdisciplinaridade, da contextualização, da relação teoria e prática e dos temas
transversais integrados aos nossos projetos.
No capítulo 11, ―Plano de Ação para Implementação do PPP‖, apresentamos
todos os nossos objetivos, metas e ações nas dimensões de Gestão Pedagógica,
Gestão de Resultados Educacionais, Gestão Participativa, Gestão de Pessoas,
Gestão Financeira e Gestão Administrativa.
No capítulo 12, ―Acompanhamento e Avaliação do PPP‖, apresentamos
como se deu ou dará a avaliação pelo coletivo da escola, periodicidade,
procedimentos e formas de registro.
No capítulo 13, ―Projetos Específicos Individuais ou Interdisciplinares da
Escola‖, apresentamos todos os nossos projetos que são desenvolvidos no
decorrer do ano letivo.
Projeto Político Pedagógico 2018 17

2- HISTóRICO
Inicialmente a escola existiu para atender a comunidade da QSE e era
nomeada Escola Classe 28 de Taguatinga, que teve autorização para
funcionamento pela Portaria nº 17 de 07/07/1980- SEC/DF. Seu ato de criação foi
estabelecido pelo Decreto 896 de 10/12/1968 e foi inaugurada em 12 de fevereiro
de 1968, oferecendo o Ensino de 1ª a 4ª séries, nos turnos: matutino e vespertino.

A primeira diretora da Escola Classe 28 foi a professora Flora Rios


Mendes, que esteve na gestão no período de 12/02/1968 a 12/02/ 1969. De 1969
a 1971 a escola funcionou em três turnos no diurno para atender a demanda da
comunidade.

De 1972 a 1973 atendeu o Supletivo Educar, antigo Mobral, os alunos


eram oriundos da Escola Classe 09, onde hoje funciona o CEF 09, ocupavam esta
escola por falta de espaço na escola de origem, segundo informações de ex-alunos
que hoje voltam à escola em busca de documentos. De 1974 a 1975 atendeu
turmas do Supletivo de 1ª a 4ª série, fase II.

A escola funciona há 50 anos na QSE 14 área especial/ Vila Dimas/


Taguatinga Sul e tem sua trajetória histórica de luta e vitória marcada pelo esforço
dos profissionais que se dedicaram para a formação de inúmeros jovens de sua
comunidadelocal. Com o sentimento de gratidão a estas pessoas destacamos a
seguir a lista nominal das professoras que estiveram a frente da gestão da Escola
Classe 28 de modo a empreender uma educação de qualidade voltada para a
formação integral do cidadão.

Diretoras da Escola Classe 28:

 Maria José Pereira Alves 13/01/1969 a 05/10/


1970;
 Iris Henriques Fernandes 06/10/1970 a
11/02/1971;
 Maria Martha M. C.de Oliveira 12/02/1971 a 12/08/1971;
 Luiza Vilela Rodrigues 13/ 08/1971 a 1977;
 Lygia Vilela Rodrigues 1977 a 14/ 03/ 1982;
 Teresa Ondina Maltese 17/03/1982 a 13/05/
1984;
Projeto Político Pedagógico 2018 18

 Rita Matos dos Santos 14/05/ 1984 a 25/06/


1985;
 Maria Abadia Pereira da Silva 01/01/1992 a 28/01/1992;
 Maria Socorro Toledo Guimarães 29/01/1992 a 18/01/1995;
 Osmarinda Gadelha Kotama 19/01/1995 a 12/ 01/
2000;

Vale ressaltar que a professora Maria Abadia Pereira da Silva foi a


primeira diretora eleita e nomeada através da Instrução Normativa de 26/06/1985
para o cargo de diretor desta unidade de ensino. A professora foi empossada pelo
processo de eleição validado pela própria comunidade escolaratravés do voto
diretopermanecendo no cargo durante sete anos.

Em 1995 a procura por séries iniciais do Ensino Fundamental (1ª a 4ª


séries) diminuiu o que ocasionou o remanejamento de crianças dessa faixa etária
(7 a 14 anos) para as escolas classes próximas.

Para atender uma necessidade da comunidade escolar da região, desde


1996 a instituição passou a atender crianças de 3 a 6 anos de idade, distribuídas
em turmas de Maternal II, 1º 2º e 3º Períodos, o que caracterizava atendimento a
creche e pré-escola.

No ano 2000, as políticas educacionais do Distrito Federal priorizaram a


universalização do atendimento de crianças de 6 anos de idade ou a completar até
dia 30/06, por isso esta escola passou a atender somente crianças de 4 e 5 anos
de idade. A escola recebeu a instrução por meio de um documento da SEEDF de
não receber crianças de seis anos porque esta faixa etária que acolhia o 3º período
da Educação Infantil passou a fazer parte do 1º ano do Ensino Fundamental que foi
ampliado para nove anos.

Na rede pública de ensino do DF o 1º ano integrou o BIA (Bloco Inicial à


Alfabetização), com isso nossa clientela do 3º período foi encaminhada para as
escolas classes vizinhas. Em 09 de maio de 2000, a resolução nº 6.854, alterou os
nomes dos estabelecimentos de ensino da rede pública para adequá-los a nova
nomenclatura prevista na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB).

Sendo assim, no dia 26 de julho de 2000, o nome da Escola Classe 28foi


alterado para Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga através da Portaria nº
Projeto Político Pedagógico 2018 19

129 de 18/07/2000 publicada no DODF em 28/07/2000. Segue abaixo os nomes


das professoras eleitas e nomeadas para o cargo de diretor do Centro de
Educação Infantil 01 de Taguatinga a partir do ano 2000 com seus respectivos
períodos de gestão:

 Patrícia de Assunção Cruvinel 12/01/2000 a 01/02/2001;


 Heliana de Sousa Gonçalves 01/02/2001 a 04/01/2010;
 Clerismar Helena do Carmo 05/01/2010 a 02/01/2014;
 Beatriz do Prado Santos 10/01/2014 até hoje.

Torna-se importante ressaltar que a escola recebeu o ―Prêmio ao


Professor‖2001, com o projeto Literatura e Meio Ambiente, sob a coordenação das
professoras: Rosângela Londe e Patrícia Cruvinel.

Em 2014, ficou em 1º lugar, na modalidade Educação Infantil da


Regional de Ensino de Taguatinga, no Circuito da Feira de Ciências, realizado no
CEMEIT. A turma da Professora Deise Alves Machado foi inscrita com a pesquisa
sobre o Ciclo de Vida das Abelhas. O trabalho foi idealizado pela professora Beatriz
Prado e coordenado pelas professoras Patrícia Cruvinel, Deise Alves Machado e
as profissionais: Carmen Laura e Rosimeiry Carvalho.

Em 2017, participamos do Circuito de Ciências com a inscrição de dois


projetos: Preservação Ambiental: A importância da Minhoca, Eu e o Outro no
Mundo do Dinheiro. O primeiro projeto foi desenvolvido pela professora Maria
Aparecida Félix do segundo período matutino, com 10 momentos
operacionalizados por ela e os alunos, onde as crianças puderam sentir a
experiência de pegar em uma minhoca pela primeira vez descobrindo
características peculiares deste bichinho tão desprezado por muitos de nós e a real
importância dela para o meio ambiente. Um minhocário foi construído pela
professora e observado diariamente pelos alunos que vivenciaram situações de
aprendizagens maravilhosas que proporcionaram a todos o 2º lugar da modalidade
Educação Infantil e o 3º lugar no Distrito Federal inclusive com premiação em
dinheiro pela Fundação de Apoio à Pesquisa.

Gostaria de destacar que o sucesso atribuído à execução dos projetos


deve-se a participação de todos os profissionais da escola e que a professora
Beatriz do Prado Santos, diretora, foi a redatora dos dois projetos.
Projeto Político Pedagógico 2018 20

O projeto Eu e o outro no mundo do dinheiro foi desenvolvido pelos


profissionais da brinquedoteca em parceria com a professora regente Eunice
Andrade, do primeiro período vespertino e os seus alunos. O projeto foi planejado
em 10 seções e dentre elas foi oportunizada uma situação de mercadinho, ou seja,
a atividade de faz de contas. Esta atividade foi oferecida para que as crianças
pudessem vivenciar diferentes papeis ligados aos protagonistas em uma situação
de mercado. Muitas experiências foram acumuladas com estes momentos,
inclusive com a premiação em dinheiro pela Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP),
pelo 2º lugar no Circuito de Ciências da etapa Distrital e o segundo lugar na
Regional de Taguatinga.

Foto Projetos de Ciências

Eu e o outro no mundo do dinheiro


Projeto Político Pedagógico 2018 21

Foto Projetos de Ciências

Preservação Ambiental: A importância da Minhoca

A escola foi construída em alvenaria ainda na década de 60, para


atender a um público específico de 1ª a 4ª séries. Para receber a clientela de
Educação Infantil a escola necessitou ser adaptada nos aspectos físicos e
humanos. Seu mobiliário foi trocado de mesas individualizadas por mesas
quadradas com 4 lugarespara melhor socialização das crianças. Os banheiros
foram reformados com vasos pequenos apropriados para crianças da faixa etária
de quatro a seis anos. Recebemos a doação do parquinho da Escola Classe 11 de
Taguatinga. A sala utilizada pelos auxiliares anteriormente foi destinada para o
desenvolvimento do projeto da brinquedoteca.

Com o advento do projeto pedagógico ―Escola Candanga: Uma lição de


cidadania‖, implantada na segunda metade da década de 90 para o Plano
Quadrienal de Educação do DF - 1995/1998, na rede pública de ensino do Distrito
Projeto Político Pedagógico 2018 22

Federal, no Governo Democrático e Popular liderado por Cristovam Buarque o


tempo de permanência das crianças foi ampliado para 5horas/relógio, esse horário
é o que vigora hoje.

Matutino: 07h30 às12h30


Vespertino: 13h às 18h
Assim desde esta época os professores contam com a jornada ampliada
onde possuem o direito garantido por lei de atender apenas uma turma no turno de
regência escolhido e de coordenar durante três horas no turno contrário cumprindo
a jornada de 8 horas diárias. A 2ª e a 6ª feira fazem parte da coordenação
individualizada, ou seja, os profissionais em regência tem o direito de coordenar em
casa.
O espaço para a Coordenação Pedagógica acontece no contra turno da
regência, às terças-feiras, quartas-feiras e quintas-feiras, é um momento
valorizadopelos profissionais da escola por entenderem que representa a
possibilidade de pensar, planejar, organizar, discutir, avaliar e redimensionar o
processo de ensinar e aprender coletivamente respeitando a diversidade de ideias
alinhando-as aos documentos normativos determinados pelas políticas públicas e
legislações vigentes.

Os coordenadores exercem uma função extremamente importante para


a saúde pedagógica da escola, pois tem a responsabilidade de coordenar, planejar
e conectar as unidades didáticas junto com todos os docentes, de acordo com as
Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, o Currículo da Educação
Infantil do D.F. e a Base Nacional Comum Curricular.

As coordenações coletivas acontecem exclusivamente às quartas-feiras


com a presença da equipe diretiva, dos profissionais readaptados, dos docentes,
do Serviço de Orientação Educacional (O.E), da Equipe Especializada de Apoio à
Aprendizagem (EEAA), que na nossa escola é constituída por uma pedagoga e
uma psicóloga e do Atendimento Educacional Especializado (AEE) / Sala de
Recursos (SR). Sempre que possível o Conselho Escolar se faz representar por um
de seus membros.

Estes dias de coletiva são restritos ao planejamento específico para


operacionalização do Projeto Político Pedagógico (PPP) e logicamente para
Projeto Político Pedagógico 2018 23

avaliação e retroalimentação das posturas e concepções dos processos de ensinar


e aprender. As coletivas são destinadas também para estudo e formação
continuada dos profissionais da educação e poderão ser organizadas pela equipe
diretiva, equipes de apoio e profissionais convidados para colaborar com temáticas
indicadas tanto pelos profissionais da escola como pela CRET ou SUBEB.

A portarianº 508, de 17 de novembro de 2017, encaminhada pela


SUBEB/ SUPLAV instituiu o Calendário Escolar da Rede Pública de Ensino para o
ano de 2017. E nele está destinado três dias para formação dos profissionais da
carreira magistério que deverão acontecer nos horários de coordenação
pedagógica. Os dias específicos de formação serão: 18 de abril, 20 de junho e 24
de outubro com temáticas a serem definidas pela SEEDF.

Nossa clientela é oriunda de cidades circunvizinhas o que justifica o


deslocamento de um grande número de crianças de transporte escolar. Para que a
entrega destas crianças aos condutores seja realizada com segurança o portão de
acesso às salas de aula fica aberto a partir das 12h no matutino e às 17h 30 no
vespertino.

Este procedimento foi pensado para resguardar as crianças que


normalmente saem em companhia de muitas outras e precisam de uma atenção
em especial para a saída do turno. Existem alguns casos de crianças que possuem
medidas protetivas e não podem sair em hipótese alguma na companhia de algum
familiar específico.

A escola é muito requisitada pela comunidade local e do entorno pode-


se comprovar pela procura de matrículas através do número 156 - Sistema de
Atendimento ao Cidadão oferecido pelo Governo do Distrito Federal. As vagas
remanescentes são oferecidas no mês de janeiro à comunidade que muitas vezes
dorme nos arredores da escola para garantir a conquista por uma vaga.

O serviço de limpeza da escola foi terceirizado pela SEEDF no final de


2013, diante dessa realidade recebemos a empresa SERVEGEL como prestadora
de serviços que disponibilizou seis funcionários que foram divididos em dois turnos
de trabalho (6h às 15h e das 9h30min às 18h30min). Os demais servidores do
quadro de carreira da assistência que realizavam essas funções foram
Projeto Político Pedagógico 2018 24

reaproveitados em outros postos de trabalho na própria escola conforme orientação


da CRET.

Duas merendeiras da empresa Confere são responsáveis por fazer o


lanche das crianças conforme cardápio confeccionado por nutricionistas da
SEEDF.

Em 2011/2012 a equipe gestora resolveu construir salas próximas ao


parquinho das crianças numa ação solidária com campanhas de doações e de
parceiros amigos, festas e bazares, promovidos por todos da escola e liderados
pela Orientadora Educacional e Pedagoga da EEAA.

A construção das salas foi justificada pela necessidade do Serviço de


Orientação Educacional, da Equipe Especializada de Apoio à Aprendizagem e da
Pedagoga da Sala de recursos precisarem atender as crianças, familiares e
profissionais e não possuírem espaço físico que garantissem o acolhimento aos
pares, o sigilo de informações, a tranqüilidade para entrevistas e principalmente o
ambiente propício para o atendimento individual das crianças e familiares.

Em 2013 a conclusão da obra aconteceu e as salas começaram a ser


freqüentadas pelas crianças, porém um problema surgiu todas as vezes que chovia
as crianças ficavam ilhadas sem poder retornar as salas de aula.

Diante desta problemática em 2014 realizamos a cobertura do telhado


de acesso aos anexos para atender uma necessidade emergencial de resguardar a
integridade física das crianças e funcionários porque todas as vezes que chovia
ninguém podia transitar das salas de aulas para os anexos ou vice versa.

No mesmo período foi aterrado, nivelado e gramado o chão em frente


aos anexos como um novo espaço de expressão da linguagem corporal das
crianças e para que quando houver verba seja montado o circuito permanente de
psicomotricidade idealizado pela equipe de EEAA para que experiências
significativas envolvendo movimento e o brincar sejam oportunizadas às crianças.
Também cercamos a área da lavanderia para que os produtos de limpeza não
ficassem expostos e de certa forma indisponíveis, às crianças, garantindo a
segurança das mesmas.
Projeto Político Pedagógico 2018 25

No ano de 2014 a nova equipe gestora eleita pela comunidade escolar


decidiu substituir a figura do supervisor administrativo pelo pedagógico por
entender que a alma da escola é o processo de ensinar e aprender e que eles
devem ser priorizados com muita atenção, respeito e organização que a nossa
clientela merece, pois trabalhamos com o recurso humano mais especial e precioso
da sociedade que são as crianças.

Desta maneira a vice-diretora ficou responsável pelos aspectos


pedagógicos-administrativos da gestão, ou seja, folha de pontos,
correspondências, contratos relacionados a verbas do PDAF e PDDE sendo que a
empresa Sólida assumiu a parte de contabilidade para organizar a prestação de
contas junto ao Governo local e federal.

A diretora assumiu a parte de organização e conferência patrimonial


paralela a todos os assuntos de ordem pedagógica que são compartilhados e
conectados com a supervisora pedagógica. Esta nova equipe diretiva criou a
logomarca da escola que está sendo veiculada em alguns documentos emitidos
para a comunidade escolar. (Apêndice p.198).

Se as cores são ―positivas‖ e combinadas, a reação também será


positiva, partindo deste princípio no início do ano letivo de 2014 foram feitas
algumas reformas na escola: todas as salas de aulas, a sala dos professores, o
pátio coberto e a fachada da escola foram pintados com cores bem suaves.
Conforme Farina (2006), as cores influenciam a vida das pessoas tanto no caráter
fisiológico quanto psicológico. Proporcionam alegria, tristeza, exaltação ou
depressão, calor-frio, equilíbrio-desequilíbrio, ordem-desordem.

Pensando assim utilizamos um padrão de cor clara para pintar as


esquadrias das janelas, limpamos as vidraças que eram pintadas com cores fortes
e desenhos na técnica vitral, o que promovia o excesso de informações visuais. O
muro frontalfoi grafitado em cores suaves com desenhos infantise o logo da escola,
buscando uma caracterização apropriada. Em 2016, o muro frontal da escola foi
todo pichado o que nos deixou tristes.
Os aparelhos para desenvolvimento psicomotor dos parquinhos foram
reformados e pintados. O parque II que era dividido em duas partes com aparelhos
em ambas foi modificado. Removemos os brinquedos do parque II e os instalamos
Projeto Político Pedagógico 2018 26

no parque I, para melhor organização dos espaços. Parte do parque II ficou


destinada a atividades livres e para o desenvolvimento do Projeto ―Corpo e
Movimento", que teve início em 2015 pela professora readaptada Joelma Felipe.
No final de 2013/2014 as salas seis e oito foram reformadas recebendo
piso, pia bancada e armários novos. Todas as salas de aulas e a sala dos
professores receberam quadros brancos com fórmicas novas e quadriculadas. A
brinquedoteca ganhou um espelho no espaço do projeto de balé. As salas três e
seis receberam espelhos novos com um tamanho ideal para a Educação Infantil.
Em janeiro de 2015 a escola foi pintada nas áreas externas: pátio
coberto, corredores, frente da escola, portões, fundos e laterais. Os aparelhos dos
parquinhos 1 e 2que estavam oferecendo risco de machucados às crianças foram
reformados e novamente pintados. Além disso, adquirimos alguns equipamentos
necessários para o desenvolvimento de atividades cotidianas, com recursos do
PDAF: um rema-rema para o parquinho 1, uma mesa grande em MDF para a sala
dos professores, 02 ventiladores, um projetor de slides, relógios de parede,
carrinho para transportar lixo, lixeira de ferro para acondicionar o lixo fora da
escola.

Os nossos parquinhos são espaços potenciais para o desenvolvimento e


aprendizagens das crianças, para nós é uma sala de aula a céu aberto. No início
de 2015 precisávamos de areia para concluir a reforma que havíamos começado,
porém estávamos em fase de transição de governo sem verba e com a
impossibilidade de receber recursos do PDAF. Sensibilizados com a situação
compartilhada pela equipe diretiva do CEI 01 a Coordenação Regional de Ensino
(CRET)nos doou quatro caminhões de areia.Somos extremamente gratos a eles
por esta iniciativa em nos ajudar.

No início do ano letivo as salas 08, 09 e os anexos tiveram problemas na


instalação elétrica, ou seja, apagão total, o que ocasionou transtornos ao nosso dia
a dia, pois os profissionais e as crianças ficaram no escuro. Comunicamos o fato a
CRET que solicitou a visita de um técnico, vistoriou o local e afirmou não ter verba
para execução do serviço, em escolas de Educação Infantil. Diante do exposto
fomos orientadas a contratar profissional particular para resolver o problema.
Contratamos profissional que reformou a instalação elétrica das salas de aulas da
ala esquerda e dos anexos.
Projeto Político Pedagógico 2018 27

Em 2015, solicitamos a permissão da CRET para reabrir a Sala de


Recursos na escola no ano de 2016 e a destinação de um profissional capacitado
para atuar na área, uma vez que, possuímos o número de crianças com
necessidades educacionais especiais e o espaço físico adequado e aparelhado
para tal finalidade.
Solicitamos à Equipe Intermediária do Ensino Especial da Regional que
nos contemplasse com um Educador Social Voluntário (ESV) para atender a
necessidade dos alunos ANEE porque a monitora encontrava-se de licença médica
e também havia sido contemplada com a redução de sua carga horária.
Em 2015 excepcionalmente não conseguimos atender a demanda
porque o número de vagas remanescentes oferecidas para o 1º período foi inferior
a procura principalmente porque não temos estrutura física para atender aos
anseios de toda comunidade. Esta carência por vagas gerou uma insatisfação
nos pais que estavam no final da fila e não conseguiram ser contemplados com a
vaga pleiteada para o 1º período. Os pais insatisfeitos registraram ocorrência na
delegacia e a diretora foi responder a queixa conforme convocação do delegado.
No ano de 2016 realizamos a pintura de todas as salas de aulas,
direção, sala dos professores, dos servidores, ferragens das janelas externas, pátio
coberto, portões e fachada interior da escola, pois as paredes se encontravam
descascadas, descoradas e sujas.

O banheiro da sala dos professores foi reformado para atender a várias


necessidades: o fluxo de mulheres que precisavam utilizar o banheiro nos horários
de aula e coordenação, o vazamento das caixas embutidas na parede, o estado
precário dos sanitários e paredes com muito mofo, a pia para lavar as mãos se
encontrava do lado de fora, o que causava certo desconforto.
Para resolver o problema acima revertemos o banheiro destinado para
uso exclusivo da direção para ser compartilhado com o banheiro da sala dos
professores, aumentando-o de um para dois box. O piso da sala dos professores
foi trocado e a reforma concluída no mês de fevereiro superando as nossas
expectativas tornando-se num ambiente confortável e salubre para atender às
necessidades dos profissionais.
Realizamos a troca de todas as portas das salas de aulas porque as
mesmas se encontravam em estado precário, oferecendo risco a integridade física
Projeto Político Pedagógico 2018 28

das crianças. O bebedouro das crianças e o ar condicionado da sala dos


professores foram concertados após um período de desuso.
A casinha constitui um espaço para a brincadeira de faz de contas e ela
é visitada pelas turmas uma vez por semana durante quarenta minutos. A casinha
está sendo prejudicada pelas raízes da mangueira que estão arrebentando todo o
piso concretado e de certa forma oferecendo risco às crianças.
Posto isto, no início de 2016, realizamos a demolição das casinhas
antigas que eram de madeira e estavam sendo corroídas por cupim e construímos
duas de alvenaria ampliando a altura delas porque muitas crianças batiam a
cabeça no telhado e acabavam se machucando. Revitalizamos o espaço por
entender que ela é um dos ícones que representa e identifica a escola como uma
instituição de Educação Infantil.
Com a reforma da casinha surgiu um novo problema que foi apontado
pelas professoras após o uso semanal com as crianças. O espaço não contempla a
passagem das professoras pela lateral da casinha para se ter acesso ao fundo a
fim de observar as crianças brincando. Resolvemosesta situação durante o ano de
2016, quando deslocamos a grade esquerda da casinha para fora, aumentando-a e
possibilitando a passagem para o fundo da casinha.
A professora Mônica que se encontrava de licença médica para
tratamento da própria saúde se apresentou à escola no mês de novembro, em
processo de readaptação funcional. Em entrevista com a equipe diretiva chegamos
ao consenso de que a servidora poderia nos ajudar nos trabalhos referentes à
coordenação pedagógica. A parceria deu certo e em 2017 a professora continuou
realizando a função de coordenadora.
Ao final de 2016 a empresa Vale Construções e Serviços Ltda.
apresentou-nos como vencedora da licitação que faria a reconstrução de todo o
muro comprometido, até o fim de fevereiro de 2017. A necessidade de
reconstrução foi sinalizada pela atual equipe gestora através de documento
enviado à engenharia da SEEDF, no início de 2014. Os problemas pontuais e de
estrutura foram elencados como risco à integridade física das crianças,
funcionários e possíveis danos ao patrimônio público. Recebi a informação de que
o dinheiro para a reconstrução do muro foi destinado pelo deputado Distrital Chico
Vigilante, através de uma emenda parlamentar.
Projeto Político Pedagógico 2018 29

No 2º semestre de 2016, recebemos verba parlamentar no valor de-vinte


e quatro mil reais enviada pelo deputado distritalReginaldo Veras com destinação
para a cobertura do bloco B, reforma da calha do bloco A, nivelamento do piso do
pátio aberto e confecção de seis bancadas em granito nas salas 01, 02, 03, 04, 05
e 07, em MDF, próximo às janelas. Com recurso do PDAF realizamos o
rebaixamento do palco localizado no pátio coberto e construímos rampa de
acessibilidade às crianças ANEE. A necessidade de rebaixamento do palco foi
justificada pelo número de ocorrências de crianças machucadas durante eventos
extra-classes. O teto da brinquedoteca necessitou ser reformado devido a um
problema pontual. Foram compradas seis cadeiras estofadas pretas para a sala
dos professores. No final de 2016, a escola adquiriu um escorregador, uma
mesinha de plástico e seis carrinhos de mercado e de bebês para a brinquedoteca.
Ao final de 2016 recebemos a doação de XXXX tablets do setor de
tecnologia da SEEDF com a finalidade de desenvolvermos um projeto de
linguagem digital com todas as turmas de primeiro e segundo períodos. Para a
implantação deste projeto em 2017, recebemos a assessoria da professora Cláudia
do NTE que em parceria com a EAPE nos ofereceu um curso de formação
continuada durante algumas coletivas com a carga horária de 20 h.
Paralelo a esta iniciativa registramos o projeto de linguagem digital no
nosso PPP e solicitamos dois professores readaptados para preencher a carência
que tínhamos e ajudarem na execução do projeto. Com isto recebemos as
professora Raquel e Cristiane que estão responsáveis pelo cuidado, planejamento
e recarregamento dos tablets. As professoras estão atuando diariamente no projeto
de forma que cada turma nos dois turnos de trabalho tenha acesso ao patrimônio e
o utilize individualmente.
No início de 2017 adquirimos uma caixa d’agua de 2.000 l para substituir
uma com menos capacidade que estava sendo insuficiente paraalimentar o
pavilhão B das salas de aulas e os banheiros femininos, além disso recebemos a
doação da CRET de uma caixa d’água de 5.000 l que foi instalada atrás da
brinquedoteca para garantir o abastecimento de água da escola uma vez que
estávamos sendo prejudicados ficando sem água no dia do racionamento previsto
pela CAESB.
Em novembro de 2017, recebemos a visita do engenheiro de uma
empresa licitada pela SEEDF e a grata surpresa de que nossa escola passaria por
Projeto Político Pedagógico 2018 30

uma reforma. Analisando as nossas necessidades chegamos ao consenso de que


todas as oito salas de aula receberiam quatro janelas na parte do fundo para
melhorar a ventilação e iluminação. Com o recebimento das janelas houve a
necessidade de pintar todas as salas, além disso, as salas um, dois e três tiveram
os pisos reformadosem granitinadados os danos e riscos causados pelo tempo de
uso e que do jeito que estavam ofereceriam riscos a integridade física das crianças
e adultos.
O pátio descoberto estava com o piso todo danificado e foi reformado
com acabamento em granitina. Todas as salas de aula receberam um cantinho em
cerâmica onde foi instalada uma pia nova para higiene das crianças. Algumas
grades que estavam chumbadas nas janelas das salas 04, 05, secretaria e dos
professores foram retiradas para melhorar o aspecto físico. Posto isto, a reforma
iniciou ao final de 2017 e foi finalizada no início de 2018, com alguns reparos que
necessitam ser concluídos no 2º semestre.
Recebemos a verba parlamentar de dez mil reais do deputado Distrital
Wasny de Roure que propiciou uma grande reforma na parte de serralheria, assim
foram feitas as seguintes benfeitorias: todos os armários antigos de aço das salas
de aulas foram pintados erecebeupés,os arquivos da secretaria, a mesa da sala
dos professores, as janelas voltadas para o pátio interno foram desempenadas e
receberam puxadores novos e o portão de entrada que dá acesso ao pátio interno
foi totalmente recuperado.No início de 2018 instalamos um circuito com doze
câmeras em diferentes pontos da escola da melhorar a nossa segurança.
Com recursos próprios das premiações recebidas adquirimos: oito
armários de aços, um notbook, oito jogos pedagógicos de plástico, dez cadeiras
pretas para a sala dos professores, duas máquinas registradoras de brinquedos,
utensílios para a cozinha, uma trituradora de papeis, uma impressora colorida,
escada pequena, um carrinho de mercado, um armário em MDF para a sala dos
professores, três aparelhos DVD, um bebedouro elétrico para a sala 06, dois sons
com entrada para pen drive, alguns relógios de parede.
A piscina das crianças está sendo reformada devido um vazamento que
apresentou no decorrer do ano passado. E com a reforma do muro sua parede de
fundo foi chapiscada e será reformada para a melhoria do ambiente das crianças.
No ano de 2018 recebemos da SEEDF utensílios de vidros, cubas e
talheres de inox, com a orientação de iniciarmos o projeto de alimentação
Projeto Político Pedagógico 2018 31

saudável, realizando a transição do uso de utensílios de plásticos para os de vidro


propiciando o autosservimento como uma das formas de incentivar o protagonismo
infantil e a autonomia das crianças. Este projeto foi desenvolvido pela professora
readaptada Mônica Angélica.
O projeto de Psicomotricidade voltou a ser desenvolvido em um novo
formato com a presença das professoras readaptadas Joelma Pereira Felipe e
Luciane América de Sá com a proposta de aulas semanais de quarenta minutos e
na presença da professora regente.
O projeto Brinquedoteca continua sendo desenvolvido pelas professoras
readaptadas: Cláudia Inácia e Luciana Rios.

3- DIAGNÓSTICO DA REALIDADE ESCOLAR

O Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga está atendendo cerca


de 350 criançasdistribuídas em dezesseis turmas sendo oito no matutino e oito no
vespertino. O turno matutinopossui quatroturmas de 1º período e quatro de 2º
período com uma média de vinte e seis crianças em cada turma, extrapolando o
número determinado na estratégia de matrícula 2018.

O 1º período A, matutino, possui 26 crianças, destacamos que sete,


estão sendo observadas de perto pela equipe EEAA\SOE e serão avaliadas por
apresentarem necessidades educacionais especiais. Sinalizada esta situação a
turma deveria dispor de pelos menos um ESV.

O 1º período B, matutino, possui 26 crianças, lembramos que


quatroestão sendo acompanhadas de perto pela orientadora educacional/EEAA,
devidos os comportamentos diferenciados que têm manifestado no contexto
escolar.Sendo que umaveio transferida da sala 03, 1º C, após estudo de caso
realizado pelos profissionais da escola e pela equipe intermediária da regional de
ensino por apresentar comportamento desafiador e agressivo nas interações com a
professora e os coleguinhas. Esta criança tem preocupado demasiadamente os
profissionais no sentido de apresentar um quadro de impulsividade severo, não
obedecendo às regras e tendobaixa resistência a frustração. Este comportamento
Projeto Político Pedagógico 2018 32

não estava favorecendo as aprendizagens dos alunos autistas o que motivou a


transferência do referido aluno.Diante desta dificuldade o aluno em questão
necessita de um ESV para ajudá-lo na modelagem de seu comportamento.

O 1º período C, matutino, foi reduzido com 15crianças em razão de dois


alunos apresentarem diagnósticos de TEA (Transtorno do Espectro Autista). Eles
estão sendo acompanhados pela pedagoga da sala de Recursos com
atendimentos semanais no contra turno da aula e por um ESV (Educador Social
Voluntário). Destacamos que além doa alunos ANEES, outros três estão sendo
acompanhados de perto pela orientadora educacional/ EEAA.

Com a saída do aluno desta turma para o 1º B, a turma Crecebeu mais


três alunos do 1º B, como iniciativa de dosar as dificuldades apresentadas no
parágrafo anterior.

O 1º período D, matutino, possui 26 crianças, sendo uma portadora de

deficiência física, tetraplegia, faz uso de prótese, andadore foi matriculada este ano
fora da estratégia de matrícula organizada no final de 2017. Outras cinco crianças
estão sendo observadas pelo SOE\ EEAA por apresentarem comportamentos
diferenciados, desafiadores e agressivos nas interações com a professora e os
coleguinhas. Estas crianças têm dado muito trabalho aos profissionais no sentido
de apresentar um quadro de impulsividade severo, não obedecendo a regras e
tendo baixa resistência a frustração. Diante desta dificuldade a turma recebeu um
ESV (Educador Social Voluntário) para ajudar nas intervenções com a criança.

O 2º período A possui 26 alunos, sendo que uma criança está sendo


acompanhada de perto pela equipe especializada de apoio a aprendizagem com
suspeita de TEA. A equipe orientou os pais a procurarem atendimento médico
especializado desde o início do ano de 2017. Além desta, 13 crianças estão sendo
acompanhadas de perto pela orientadora educacional/EEAA.

O 2º período B, matutino, foi reduzido com 15crianças em razão de dois


alunos apresentarem diagnósticos de TEA (Transtorno do Espectro Autista). Eles
estão sendo acompanhados pela pedagoga da sala de Recursos com
atendimentos semanais no contra turno da aula e por um ESV (Educador Social
Projeto Político Pedagógico 2018 33

Voluntário). Além destes, três crianças estão sendo acompanhadas de perto pela
orientadora educacional/EEAA.

O 2º período C, matutino, possui 26 crianças, sendo que dez estão


sendo observadas de perto pela orientadora educacional/EEAA por diferentes
motivos.

O 2º período D, matutino, foi reduzido com 15crianças em razão de dois


alunos apresentarem diagnósticos de TEA (Transtorno do Espectro Autista). Eles
estão sendo acompanhados pela pedagoga da sala de Recursos com
atendimentos semanais no contra turno da aula e por um ESV (Educador Social
Voluntário). Além destes, sete estão sendo acompanhados de perto pela
orientadora educacional/EEAA.

O turno vespertino está organizado da seguinte forma:o 1º período


Epossui 26 crianças, sendo que cinco estão sendo acompanhadas de perto
pelaequipe especializada de apoio à aprendizagem devido os comportamentos
diferenciados. A turma necessita de um ESV devido às dificuldades de
aprendizagens e comportamentais apresentadas pelos alunos por isto uma
educadora social está acompanhando a turma das treze às quinze horas.

O primeiro período F possui 26 crianças,sendoque cinco crianças estão


sendo acompanhadas de perto pela orientadora educacional.

O 1º período G foi reduzido em função de dois alunos com necessidades


educacionais serem down e está com 16 crianças em razão de termos recebido
uma criança após a estratégia de matrícula/2018 no início do ano letivo. Esta
criança possui tetraplegia, e foi diagnosticada com DMU (deficiência múltipla), faz
uso de cadeira de roda e é totalmente dependente de outro adulto por isso recebeu
um ESV. Conforme relatório médico apresentado pelos pais em abril e para
atender às necessidades reais da criança fizemos uma adequação de
temporalidade com o apoio dos pais e da regional de ensino, desta forma o horário
de aula da criança será de 15h às 17h. As três crianças estão sendo
acompanhados pela pedagoga da sala de Recursos com atendimentos semanais
no contra turno da aula e por doisESV (Educador Social Voluntário). Além dos
Projeto Político Pedagógico 2018 34

alunos diagnosticados, existem quatro crianças sendo acompanhadas de perto


pela orientadora educacional/EEAA.

O primeiro período H possui 26 crianças, sendo que sseis estão sendo


acompanhadas de perto pela orientadora educacional/EEAAe uma delas está
sendo avaliada com suspeita de TEA. Desta forma necessita de um ESV.

Temos quatro turmas de 2º períodos no vespertino com as seguintes


características: 2º E com vinte e sete crianças sendo que três estão sendo
avaliadas de perto pela orientadora educacional/EEAA.

O2º F possui vinte e seis crianças sendo que oito estão sendo avaliadas
de perto pela orientadora educacional/EEAA.

O 2º G possui vinte e seis crianças sendo que oito estão sendo


observadas de perto pela orientadora educacional/EEAA.

O 2º H possui 15 crianças, foi reduzida em razão de dois alunos terem


sido diagnosticados comD.I. Deficiência Intelectual e D.F. deficiência física/ baixas
necessidades. Infelizmente a turma não foi contemplada com um ESV. Além das
crianças ANEES , possuem seis sendo acompanhadas de perto pela orientadora
educacional/EEAA.

A Coordenação Regional de Ensino de Taguatinga / CRET, enviou


cinco ESV (Educador Social Voluntário) e um monitor 30h para atender as
especificidades dos alunos ANEES nessas turmas reduzidas. Infelizmente o
mapeamento da CRET verificou a necessidade de oito ESV, porém não fomos
contemplados com o quantitativo necessário e aguardaremos o pronto
atendimento.

Também sinalizamos para a equipe de Ensino Especial, equipe de


Educação Infantil e a equipe intermediária pedagógica a necessidade de
acompanhar e orientar a creche de remanejamento natural, cujos alunos são
encaminhados para a nossa escola. O alerta foi feito no sentido de que a creche
atenda os prazos da estratégia de matrícula prevendo as crianças ANEE nas
turmas reduzidas específicas para atender as suas necessidades educacionais.
Projeto Político Pedagógico 2018 35

Sinalizamos a necessidade da equipe mencionada acima nos enviar um


pedagogo a fim de compor a equipe EEAA e realizar as avaliações
psicopedagógicas dos alunos encaminhados. Outro ponto alertado foi a
necessidade de se respeitar o quantitativo de alunos estabelecidos pela estratégia
de matrícula e de se atender o número real de ESV.

A falta de estrutura familiar é um fator relevante que requer atenção


especial por parte da escola, já que o problema se manifesta através do
comportamento agressivo e da falta de limites exacerbada que acaba impactando
no processo de ensino e aprendizagem das crianças.

―Analisando o gráfico,‖ Escolaridade,‖ constatamos a diversidade em


relação ao nível de escolaridade de nossa clientela. Quanto maior o nível de
escolaridade melhores chances o indivíduo tem para ampliar ou melhorar o seu
posicionamento no mercado de trabalho e consequentemente ter melhores
condições de vida, com salários mais atrativos, para garantir o seu próprio
sustento e o da família em geral. Além de terem possibilidade de trabalharem
menos e destinarem mais tempo para a educação do filho, acompanhando de perto
o desenvolvimento deles, não terceirizando a educação dos filhos.

Níveis maiores de escolaridade possibilitam aos responsáveis maiores


esclarecimentos e condições para tomarem as rédeas da educação dos filhos
favorecendo o cumprimento da missão de pai, mãe ou responsável.

ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO MÉDIO ENSINO SUPERIOR


MESTRADO DOUTORADO PÓS- GRADUAÇÃO
EM BRANCO

17 82 40 1 1 4

0
Projeto Político Pedagógico 2018 36

Lidamos com crianças que apresentam fragilidades como medo,


insegurança, falta de referencial, falta de limites e em alguns casos, falta de
cuidados. O período de adaptação no início do ano, torna menos sofrido o ingresso
da criança à escola.

Especialmente este ano estamos tendo muitas dificuldades em relação à


adaptação de algumascrianças de 1º e 2º períodos. Aproximadamente vinte
crianças têm demonstrado comportamentos agressivos, atingindo aos pares e aos
adultos com socos, chutes, mordidas, e outras ações violentas sem motivo.

O intrigante é que elas têm respondido as tentativas de mediações e


possíveis intervenções com agitação, agressividade e ira. Convidamos os pais para
uma conversa na direção a fim de sinalizar a necessidade de intervenção familiar e
escolar, desta forma os encaminhamos para o SOE e EEAA, mesmo com estes
profissionais as intervenções têm sido complicadas porque as crianças estão tendo
resistência em atender a comandos e obedecer a regras.

Muitas vezes convidamos os pais para buscar os filhos no momento da


crise de ira tanto para preservar a integridade física deles como das outras
crianças. Diante desta preocupação estamos elaborando um projeto para amenizar
este comportamento agressivo apresentado especificamente por alguns alunos da
escola. Nossa intenção é envolver toda comunidade escolar principalmente os pais
e as famílias numa cultura de paz e respeito à convivência.

Outro problema vivido é com relação ao uso dos sanitários as crianças


estão apresentando muitas dificuldades em utilizá-los adequadamente.
Constantemente têm surgido casos de fezes no chão, nas paredes dos banheiros e
pias. É importante ressaltar que alguns casos estão sendo acompanhados pelo
Conselho Tutelar.

O Serviço de Orientação Educacional (SOE) juntamente com a Equipe


Especializada de Apoio à Aprendizagem tem sido grandes aliados da escola junto à
comunidade escolar, pois desenvolvem oficinas com os pais e funcionários;
oferecendo atendimento individualizado às crianças e seus familiares.

Outro fator observado pela instituição é o grande número de crianças


que faltam diariamente por causa de problemas de saúde. No período da seca
Projeto Político Pedagógico 2018 37

aumenta significativamente o número de faltosos. A comunidade escolar apresenta


uma composição socioeconômica variada, recebendo alunos com poder aquisitivo
elevado até os que vivem em situação de vulnerabilidade social.
Podemos perceber observando o gráfico abaixo que a situação
econômica de nossa clientela érealmente diversificada, porém com uma grande
faixa estabelecida entre 02 a 04 salários mínimos. A escola tem ficado atenta aos
casos de crianças que se encontram em situação de vulnerabilidade social, sempre
incluindo-as nos passeios através de parcerias ou bônus.

MENOS DE 1
ATÉ 1
2A4
4A6
6 A 10
ACIMA DE 10
EM BRANCO

Como a escola recebe crianças de outras Regiões Administrativas, uma


das dificuldades enfrentadas é em relação aos horários de entrada e saída, pois
muitos se deslocam de longe e necessitam de transporte escolar, o que causa
constantes atrasos tanto na entrada como na saída. Para que as crianças não
fiquem prejudicadas, as atividades do início e do final das aulas são livres. O
professor começa as atividades coletivas após o horário de tolerância.

A pesquisa abaixo foi realizada este ano através do formulário (p.197),


redigido pela secretaria para categorizar e entendernos a clientela. Observando o
gráfico podemos constatar a diversidade de público oriundo de várias cidades
circunvizinhas, o que de certa forma influencia a nossa rotina diária. Todos os 350
responsáveis receberam a pesquisa, porém somente 252 devolveram.
Projeto Político Pedagógico 2018 38

2%
1% 1% TAG. SUL
4%
2% 5% TAG. NORTE
ÁGUAS CLARAS
7% SAMAMBAIA
ARNIQUEIRA
13% VICENTE PIRES
61%
RIACHO FUNDO
RECANTO DAS EMAS
4%
AREAL
ENGENHO DAS LAJES GAMA

CARRO ÔNIBUS BICICLETA


METRÔ TRANSPORTE ESCOLAR A PÉ
MAIS DE UMA OPÇÃO EM BRANCO

EM BRANCO 1
MAIS DE UMA OPÇÃO 21
A PÉ 26
TRANSPORTE ESCOLAR 19
METRÔ 5
BICICLETA 1
ÔNIBUS 23
CARRO 49

Analisando o gráfico da página anterior verificamos que grande parte da


nossa clientela utiliza transporte para se deslocar para a escola o que de certa
forma influencia nossa rotina, inclusive nos horários de entrada e saída quando
tivemos a necessidade de estabelecer um tempo de tolerância de 15 (quinze)
minutos.
Reiteramos que esta tolerância não pode virar rotina diária, ou seja, os
pais não podem chegar todos os dias atrasados, pois os responsáveis precisam se
Projeto Político Pedagógico 2018 39

adequar a realidade da escola. Lembramos que a instituição precisa cumprir sua


função social que contém regras e princípios que necessitam ser respeitados.
De acordo com a Portaria nº 562de 27/ 12/ 2017, nossa escola tem o
direito de designar dois professores para desempenhar a função de coordenador
pedagógico.

Nosso quadro de funcionários obedece à seguinte modulação:

 16 (dezesseis) professores regentes sendo 08 (oito) contratos


temporários,
 02(dois) coordenadores pedagógicos,
 05 (cinco) professoras readaptadas e 01 (uma) com restrição
temporária sendo que duas desenvolvem projetos na Brinquedoteca em ação, duas
foram enviadas no ano de 2017 pela CRET para cobrir a carência do projeto da
Linguagem Digital, duas estão desenvolvendo o projeto de psicomotricidade e uma
realiza trabalhos de assistência pedagógica e está desenvolvendo o projeto de
alimentação saudável.
 Para atender a lei 5.105 de 03/05/2013, uma professora regente, com
mais de 20 anos de magistério, foi contemplada com o direito de redução do
período de regência de classe, conforme o turno de docência e esse direito gerou a
carência para mais uma professora efetiva, porém esta carência não foi suprida.
 04 (quatro) vigias;
 02 (duas) merendeiras, pertencentes ao quadro da empresa
terceirizada CONFERE;
 06 (seis) agentes de conservação e limpeza da empresa SERVEGEL;
 08 (oito) servidores da carreira assistência sendo 04 (quatro)
readaptados e02 (dois) destes servidores estão de LTS.
 Diretora;
 Vice-diretora;
 Supervisorapedagógica
 Secretário escolar;
 Auxiliar de secretaria;
 OrientadoraEducacional;
 Pedagoga integrante da EEAA (Equipe Especializada de Apoio à
Aprendizagem);
Projeto Político Pedagógico 2018 40

Pedagoga do (Atendimento Educacional especializado/ Sala de


Recursos)
 Psicóloga itinerante
 01 (um) Monitor 30h
 05 (cinco) EducadorSocial Voluntário

A escola foi construída em alvenaria ainda na década de 60, portanto


sua estrutura é antiga e necessita de inúmeros reparos:

 No teto das salas de aulas, da sala dos professores, no depósito de


gêneros, da brinquedoteca, do pátio coberto por apresentarem
goteiras.
 A rede hidráulica necessita de reforma por apresentar problemas
como: escassez de água, redução da pressão nas torneiras
impossibilitando o uso de várias ao mesmo tempo em ambientes
diferentes.
 Na ala direita das salas de aulas, no pátio coberto, cantina e área
externa.Os pisos de algumas salas de aulas necessitam
seremreformados para seguirem o padrão em granitina das salas 01,
02 e 03.
 O piso do pátio coberto está danificado necessitando ser reformado.
 Reformarum dos parquinhos trocando a areia por um piso
emborrachado a fim de atender as crianças que possuem alergia a
areia.
 Organizar o estacionamento dos funcionários aumentando o número
de vagas.
 Instalar uma parede de azulejos no parquinho para a livre expressão
das crianças.
 Reformar uma área para o projeto psicomotricidade.
 Instalação de telas antimoscas na cantina.
 Implementar a construção do jardim sensorial, da horta e de um
espaço fixo para psicomotricidade. Os dois espaços constituem
projetos que ainda estão no mundo das ideias e precisam ser
Projeto Político Pedagógico 2018 41

materializados para que os alunos possam ter outro espaço para


interagir com o mundo a sua volta apreendendo-o e investigando-o.
 Reforma do depósito de patrimônio.
 Instalação de revestimento de cerâmica nas paredes das salas de
aulas.
 Avaliação para possível mudança do portão de entrada das crianças
para os fundos da escola.
 Pintura do piso do pátio interno.
 Aquisição de uma mesa para a sala dos servidores.

A estrutura física da instituição é composta por:


 08 salas de aulas;
 01 brinquedoteca que divide seu espaço com a sala de leitura e o
depósito;
 01 sala de professores que divide espaço com armários da
secretaria;
 01 secretaria conjugada com direção e mecanografia;
 01 cantina;
 01 banheiro de professores;
 01 pequeno depósito de gêneros alimentícios no interior da cantina;
 01 banheiro infantil masculino com 04 boxes e 01 para deficiente
físico;
 01banheiro infantil feminino com 04 boxes e 01 para deficiente físico;
 01 sala de auxiliares em educação adaptada;
 02parques amplos com tanques de areia;
 01 tanque com areia para atividades do projeto Corpo e Movimento;
 01 piscina;
 02 casinhas de bonecas;
 04 anexos onde funcionam o Serviço de Orientação Educacional, a
Equipe Especializada deApoio a Aprendizagem, a Equipedo Atendimento
Educacional Especializado/ Sala de Recursos e o depósito de materiais
pedagógicos.
 A escola dispõe de um pequeno depósito para material de limpeza e
conservação, localizado próximo a área de serviço. Nesse anexo é guardado o
Projeto Político Pedagógico 2018 42

material de higiene comprado e utilizado pelos funcionários terceirizados da


empresa SERVEGEL.
A escola é mantida por recursos financeiros enviados pelo Governo
Federal e Distrital. A merenda das crianças é garantida através do Programa
Nacional de Alimentação Escolar criado em 1995 e acompanhado pelo governo
local que é responsável em adquirir os gêneros alimentícios para a confecção dos
cardápios que são enviados mensalmente e acompanhados por nutricionistas da
SEEDF.
Outra verba utilizada para aquisição de bens patrimoniais e de consumo
é o Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE). Essas verbas representam
autonomia para a escola investir em suas necessidadese prioridades detectadas no
dia a dia. Com isso, espera-se tornar o ambiente escolar mais confortável,
agradável e acolhedor para todos, estimulando a criatividade, a investigação e a
construção dos conhecimentos e aprendizagens.

Anualmente o Governo do Distrito Federal, através PDAF (Programa de


Descentralização Administrativa e Financeira), destina recursos financeiros por
meio do Caixa Escolar que são empregados para pequenas reformas, compra de
gás, material de expediente, peças de equipamentos, aquisição e manutenção de
equipamentos eletrônicos, bem como materiais permanentes e pedagógicos.

As verbas parlamentares são excelentes estratégias para realizarmos


melhorias no ambiente escolar. Em 2016 e 2017 recebemos verbas dos seguintes
deputados distritais: Reginaldo Veras, Wasny de Roure e Chico Leite.

Torna-se importante mencionar que as decisões ligadas aos aspectos


financeiros são tomadas a partir de uma ata de prioridades elencadas pelos
segmentos da escola em parceria com o Conselho Escolar.

Além dos recursos financeiros enviados pelo governo podemos contar


com modestos valores arrecadados com o esforço da comunidade escolar através
de passeios, festas, bazares, doações e venda de agendas.

Esses pequenos valores são revertidos na melhoria da qualidade do


lanche, no oferecimento de atividades especiais como: confraternizações entre
alunos e todos os segmentos da escola, datas especiais: festa da família, dia das
Projeto Político Pedagógico 2018 43

crianças e culminância de projetos pedagógicos etc. Também garante o custeio de


pequenos reparos como a troca de torneiras com vazamentos, canos, reatores,
lâmpadas, chaves etc. Ressalta-se que todos os recursos são aplicados
devidamente para subsidiar as atividades pedagógicas.

4-FUNÇÃO SOCIAL
A escola é uma das instituições mais importantes para o processo de
humanização do ser humano porque nela temos a oportunidade de conviver com
os nossos pares de forma dinâmica e diversificada numa relação dialética onde
somos marcados pelas interações que acontecem neste espaço democrático de
convívio e também deixamos marcas que podem ser positivas ou negativas.

A instituição escolar enquanto espaço democrático de direito possui a


responsabilidade maior com o ato de educar, porém quando falamos em educação
é preciso entenderpara discernir o significado abrangente que acomoda este
vocábulo, pois segundo o dicionário Aurélio da Língua Portuguesa a palavra está
ligada ao processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral do
ser.

A educação está comprometida com todo o processo de formação do


ser humano, função que não pode ser imputada somente a escola, pois outras
instituições também contribuem para esta formação tanto é que nossa Constituição
Federal em seu artigo 205 garante o direito à educação a todos os brasileiros e
divide esta responsabilidade com o estado brasileiro e a família.

A comunidade precisa internalizar a ideia de que é a escola que


complementa a ação da família na educação do filho, fazendo a escolarização, ou
seja, a escola tem a função específica de ensinar. Ensinar significa ajudar às
crianças a desenvolver o pensamento científico, intelectual, crítico e reflexivo.
Nosso papel é propiciar espaços para as diversas experiências, onde a criança
tenha possibilidades de agir como protagonista de seu próprio processo de
Projeto Político Pedagógico 2018 44

aprender e ensinar despertando a imaginação, a curiosidade, o pensamento, a


investigação e a linguagem.

A escola precisa se preparar para organizar o currículo levando em


consideração as características individuais, sociais, culturais e econômicas que as
crianças trazem de seus contextos domiciliares à sala de aula. Observar estas
questões é não desconsiderar que as crianças vêm a escola com um repertório de
saberes próprios que retratam o conhecimento de mundo que já adquiriram apesar
da pouca idade. Esta concepção contrapõe às anteriores que consideravam a
criança como tábula rasa, como um papel em branco a ser preenchido.

A criança de hoje possui direitos e deveres que a torna protagonista do


seu próprio processo de aprendizagem onde práticas de escuta sensível estão
cada vez mais frequentes nos espaços de Educação Infantil. Neste movimento de
dar vez e voz às crianças construímos nossa identidade avaliando e
retroalimentando os processos de aprender e desenvolver.

Vivemos num mundo que se diz moderno cheio de complexidades


aonde as informações das grandes mídias chegam a velocidades cada vez mais
rápidas e acessíveis a todos os públicos, nossa clientela apesar da idade recebe
esta avalanche de notícias e sofre as consequências que acabam se
materializando no âmbito escolar. Muitas vezes vivenciamos por parte dos
pequenos comportamentos agressivos, discriminatórios, preconceituosos e injustos
que acabam necessitando de algum tipo de mediação ou intervenção.

Posto isto, caracterizamos a função compensatória da escola, que é


incapaz de eliminar a desigualdade e a injustiça social do seu meio acadêmico,
porém é capaz de compensar as dificuldades individuais oferecendo uma educação
de qualidade, onde se torna possível desenvolver a cultura da paz, da pluralidade
de ideias, permitindo que se manifestem as diversidades,considerando as
diferenças culturais, de interesse, de ritmo, de classe social e de cultura, realizando
a inclusão das comunidades, garantindo a participação democrática de todos os
segmentos da escola.

Pensar na função social da escola é admitir o seu caráter múltiplo e


abrangente, pois tem o papel de socializar, ou seja, preparar o indivíduo para a
Projeto Político Pedagógico 2018 45

vida em sociedade provocando a consciência do direito e do dever que tem


enquanto cidadão. A escola como portadora da função cultural tem a
responsabilidade de repassar os símbolos, valores, crenças, códigos e linguagem.
Outra finalidade da escola é transformar, emancipar, libertar o indivíduo numa
perspectiva de torná-lo autônomo para tomar as rédeas de sua própria vida
atuando como protagonista garantindo a formação da criticidade e da criatividade.

Conscientes de nossa função social temos a intenção de oferecer uma


educação pública, gratuita e democrática, voltada à formação integral do ser
humano de modo que valorize a diversidade, a sustentabilidade para que possa
atuar como agente de construção científica, cultural e política da sociedade,
assegurando a universalização do acesso à escola e da permanência com êxito no
decorrer do percurso escolar de todos os estudantes, proporcionando um ambiente
seguro e lúdico com vistas à construção da cidadania,desenvolvendo uma prática
que leve a um convívio livre,justo, solidário e igualitário, uma vez que se trata de
uma comunidadequeapresenta grande variação social, econômicae cultural.

Nossa visão é ser um Centro de Educação Infantil de referência,


inovador em suas propostas e práticas pedagógicas e na formação de cidadãos
críticos, conscientes e empreendedores.

Nossos valores estão pautados na autonomia pessoal e coletiva, no


discernimento, no respeito às diferenças, na solidariedade, na alteridade, na
responsabilidade, na cooperação, na cordialidade, no pensamento crítico e na
formação ética.

Para nós, fica a certeza de que não existe missão mais gratificante do
que contribuir para que uma criança se desenvolva continuamente e integralmente
em todos os aspectos.

Nossas estratégias estão descritas abaixo:


 Melhorar a qualidade do serviço oferecido à criança, enriquecendo
suas experiências diárias;
 Estimular a família a participar do processo educativo do filho através
da discussão, revisão e elaboração do Projeto Político Pedagógico da escola;
Projeto Político Pedagógico 2018 46

 Promover a conscientização da comunidade escolar quanto à


importância da participação de todos no processo de ensino-aprendizagem através
de palestras, oficinas e encontros regulares;
 Envolver a comunidade na preparação de eventos como festas,
oficinas, bazares e apresentações;
 Buscar parcerias com a comunidade escolar;
 Informar aos pais o objetivo da Educação Infantil;
 Planejar oficinas para os alunos, auxiliares, professores e pais a fim
deestreitar vínculos visando às aprendizagens;
 Viabilizar a participação das famílias nas reuniões semestrais;
 Informar os pais através de relatórios aspectos do desenvolvimento
sócio afetivo, físico e cognitivo do filho;
 Aprimorar a avaliação institucional na escola;
 Garantir atividades periódicas na piscina, parquinho e casinha, de
acordo com escala preestabelecida;
 Buscar melhorias para o espaço físico da escola tornando-a
adequada, acessível e agradável aos alunos e funcionários;
 Utilizar verbas do PDAF, PDDE e outros recursos adquiridos por meio
de festas, bazares, doações e ações entre amigos para realizar as reformas
necessárias, comprar os materiais pedagógicos previstos para equipar a
brinquedoteca, as salas de aulas, a casinha, a piscina, o parquinho e os espaços
coletivos que favoreçam o brincar;
 Adquirir livros para ampliar o acervo da escola e o repertório cultural
das crianças;
Projeto Político Pedagógico 2018 47

5-PRINCÍPIOS

Quando pensamos em princípios nos remetemos à ideia de leis, regras,


combinados a serem seguidos por um indivíduo, grupo de pessoas, ou sociedade
em geral em busca de um bem comum. Os princípios ajudam a estabelecer uma
lógica humana para tornar o ambiente organizado e favorável a uma boa
convivência em sociedade.

Estamos nos esforçando para materializar uma prática voltada para o


currículo integrado onde os princípios se inter-relacionem como numa rede.

Ainterdisciplinaridade
Articulação do
Teoria- Pratica conhecimento

CURRICULO

INTEGRADO

A
A flexibilidade
curricular
Contextualização
comoprincipio
metodologico

As normativas educacionais revelam um espaço democrático de direitos


onde as práticas pedagógicas são compartilhadas por protagonistas que dividem o
mesmoespaço de educação. Segundo o módulo III, intitulado‖ Planejamento
Curricular das Escolas da SEEDF,‖ a organização curricular deve resultar de uma
concepção emergente de ciência que possibilite ao professor e alunos a ampliação
do conhecimento com visão crítica ultrapassando a ideia de currículo em grade,
com estrutura rígida em torno de um conjunto de disciplinas justapostas.
Projeto Político Pedagógico 2018 48

A flexibilidade curricular é um princípio muito utilizado pelos docentes


por entenderem que as crianças trazem e despertam curiosidades incríveis que
aparecem misteriosamente no universo infantil quando aparece uma borboleta, um
passarinho, um tucano, um acontecimento, uma notícia que muda totalmente o
foco do que foi planejado para o momento da explosão da dúvida, da inquietação.

A articulação entre teoria e prática é outro princípio necessário e


extremamente utilizado na nossa escola, pois temos a oportunidade de realizar
esta interação inúmeras vezes quando proporcionamos o ambiente do faz de
contas no projeto brinquedoteca em ação, por exemplo. Em uma das atividades
oferecidas, toda a turma vivencia o momento do supermercado, ou seja, enquanto
algumas crianças trabalham as outras fazem compras.

O ambiente do faz de contas do supermercado é todo montado com


produtos, rótulos, prateleiras, carrinhos, embalagens, clientes e empregados.
Algumas crianças trabalham no caixa passando as compras, utilizando a
calculadora, contando até três unidades por cliente e recendo três notas, na
relação um a um.

Outras crianças recebem três notas para comprar somente três


produtos. Este momento é muito divertido porque as crianças querem comprar
tudo, encher o carrinho. As professoras que desenvolvem o projeto interferem
neste momento fazendo as devidas mediações. O projeto além de oportunizar o faz
de contas inicia hábitos de educação matemática financeira.

As atividades planejadas e desenvolvidas favorecem a interdisciplinaridade do


conhecimento, pois as diversas linguagens se interpenetram num movimento dinâmico,
criativo e reflexivo.

Outro princípio bastante utilizado em nossas práticas é a contextualização,


muitas temáticas que estão inseridas no nosso currículo são vivenciadas através de
apresentações teatrais que enriquecem o repertório vocabular das crianças e a capacidade
imaginativa.
Projeto Político Pedagógico 2018 49

De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação


Infantil todo o trabalho pedagógico nesta etapa deve basear-se sobre os princípios
éticos, políticos e estéticos devido à integralidade do ser, que é considerado único,
inteiro, indivisível.

Observando o Currículo em Movimento da Educação Infantil SEEDF


(2013, p.29),princípiossão regras, códigos de (boa) conduta que governam nossa
vida e atitudes. São acepções ―fundamentais que derivam e ou se tornam base
para outras‖.

Consideramos a criança como umser histórico cultural que aprende e


apreende o mundo segundo princípios, combinados e regras que são
convencionados socialmente através da cultura. Fundamentados nesta ideia
trabalharemos tendo como princípios orientadores do nosso trabalho os mesmos
explícitos no currículo da SEEDF. São eles:

 Princípios Éticos:
Referem-se à valorização da autonomia, da responsabilidade, da
solidariedade, do respeito ao bem comum, ao meio ambiente e às diferentes
culturas, identidades e singularidades.
O trabalho educativo organiza-se e estrutura-se de modo a assegurar às
crianças a manifestação de seus interesses, desejos e curiosidades, a valorização
de suas produções, o apoio à conquista da autonomia na escolha de brincadeiras e
de atividades.

 Princípios Políticos:
Referem-se a garantia dos direitos de cidadania, o exercício da
criticidade e do respeito à democracia. A criança, produtora e consumidora de
cultura, é participante da vida social, modifica e é modificada pelas interações que
estabelece com o outro, com a cultura e com o ambiente, por meio das múltiplas
linguagens.

 Princípios Estéticos:
Referem-se à valorização da sensibilidade, da criatividade, da ludicidade
e da pluralidade de manifestações artísticas e culturais. O envolvimento da criança
Projeto Político Pedagógico 2018 50

com as manifestações artísticas oportuniza-lhe o desenvolvimento da imaginação,


de habilidades criativas, da curiosidade e da capacidade de expressão nas
múltiplas linguagens (gestual, corporal, plástica, verbal, musical, escrita e midiática,
entre outras), a partir de estímulos sensoriais e pela leitura e releitura, criação e
recriação, apropriando-se de muitos saberes.
Os princípios norteadores do nosso trabalho são baseados numa prática
integrada, numa concepção de educação centrada na criança, sendo o professor
um mediador formativo do desenvolvimento contínuo, tendo como princípios
fundamentais o educar, o cuidar o brincar eo interagir sustentando todas as nossas
decisões.

6- OBJETIVOS
Objetivo Geral:

 Atuar de forma lúdica e criativa, contribuindo para a formação integral


da criança em seus aspectos físico, mental, cognitivo e social, completando a ação
da família e da comunidade. Possibilitando aos discentes o maior número possível
de experiências significativas relacionadas à construção de conhecimentos, à
aprendizagem das diferentes linguagens preparando-as para o exercício da
cidadania, da diversidade, da sustentabilidade, educando-os em e para os direitos
humanos.

Objetivos Específicos:

 Assegurar a formação integral na perspectiva da cidadania,


diversidade, sustentabilidade, e na educação em e para os direitos humanos
permitindo a atuação da criança como protagonista do processo de ensino e
aprendizagem;
 Combater o abandono e a evasão escolar;
 Incentivar práticas de letramento;
 Garantir a gestão compartilhada.
Projeto Político Pedagógico 2018 51

 Propiciar a prática dialógica entre os diversos segmentos da


comunidade escolar e da sociedade civil.
 Assegurar processos participativos e democráticos que contribuam
para a formação de uma cultura de respeito à dignidade humana, valorizando a
diversidade.
 Assegurar aos sujeitos educativos o acesso às novas tecnologias
como instrumentos de mediação da construção da aprendizagem.
 Favorecer o desenvolvimento das diferentes linguagens elencadas no
currículo da Educação Infantil preocupando-se em desenvolver o pensamento
crítico e a autonomia intelectual das crianças.
 Alinhar a teoria à pratica educativa consolidando um processo de
ensinare aprender rico e pautado nos eixos Cuidar e Educar/ Brincar e Interagir.
 Incentivar a cultura do sucesso escolar.
 Realizar a adequação curricular dos alunos com necessidades
educacionais especiais.

7- CONCEPÇÕES TEÓRICAS
Este projeto encontra-se baseado no referencial teórico da concepção
histórico cultural do desenvolvimento infantil, oriunda dos trabalhos elaborados por
Lev S. Vygotsky e por pensadores que compartilham das mesmas ideias.
A Educação Infantil tem ampliando seus horizontes e conquistado um
espaço merecido de fato e de direitos. Direitos que estão garantidos a partir de
documentos normativos tais como: a Constituição Federal (1988), a Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional (1996), Estatuto da Criança e do
Adolescente (1990), Plano Nacional de Educação (2001), Fundo de
Desenvolvimento da Educação Básica (2007), Plano de Desenvolvimento da
Educação (2007), Indicadores de Qualidade da Educação Infantil, Novas Diretrizes
Curriculares para a Educação Infantil (2009), Currículo emMovimento da Educação
Infantil da SEEDF (2013),A Base Nacional Comum Curricular (2017), que vem se
consolidando através de mentes apaixonadas que acreditaram e acreditam no
Projeto Político Pedagógico 2018 52

potencial da infância e da criança na expectativa de um futuro melhor para nossa


sociedade.
Sabemos que a Educação Infantil vem formalizando sua identidade
marcada por uma trajetória histórica inegável de lutas, sofrimentos e vitórias que
estão em constantes movimentos. Movimentospor creches, por mais escolas, pela
qualidade da educação, por mais professores, por melhores salários, por planos de
carreira, pelo espaço da mulher no mercado de trabalho, por melhores condições
de trabalho, não dá para negar que estamos sempre em busca de melhorias e de
direitos que são garantidos nas teorias e subentendidos nas práticas de políticas
públicas.
Inicialmente, na década de 70, foramestabelecidos dois objetivos
básicos para as instituições de Educação Infantil cumprir: assistência e preparação
para o Ensino Fundamental. Segundo (KUHLMANN, 1998 p. 8) ―a educação
assistencialista promovia uma pedagogia da submissão, que pretendia preparar os
pobres para aceitar a exploração social.‖ A Educação Infantil resumia-se a um
depósito de crianças para receberem cuidados básicos e a formação para o
períodopreparatório, onde receberia a prontidão para o processo de alfabetização,
o que supostamente, resolveria o fracasso do Ensino Fundamental e asseguraria a
inserção da mãe no mercado de trabalho.
Esse pensamento foi atualizado e garantido pela legislação brasileira
que prevê na Lei nº 9.394-96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), a
integração das crechesnos sistemas de ensino compondo, junto com as pré-
escolas, a primeira etapa da Educação Básica. Essa lei fortalece o
aspectoeducacional dando autonomia às escolas para desenvolverem as
aprendizagens e refuta o caráter exclusivamente assistencialista.
Nessa perspectiva a criança é considerada como ser de direitos capaz
de participar das interações com o meio influenciando e sendo influenciada
demarcando uma relação dialética de conflitos e ao mesmo tempo prazerosa de
apropriação de experiências significativas.
O Referencial Curricular descreve seriamente um espaço ideal de
Educação Infantil que provavelmente não conseguiu se materializar em toda sua
plenitude, pois sabemos que nossos espaços carecem de estruturas físicas,
administrativas, pedagógicas. Nossos espaços necessitam ser redimensionados
Projeto Político Pedagógico 2018 53

para uma pedagogia de alteridade onde todos os envolvidos no processo de ensino


e aprendizagem possam ter voz para se expressar.
A Educação Infantil constitui-se o primeiro espaço escolar de ensino e
aprendizagem da criança onde ela tem a chance de apropriação da cultura. A
instituição escolar tem o papel de planejar o ensino para que os conhecimentos
construídos historicamente pelos homens possam ser internalizados pelas
crianças.
Entendemos a criança como ser pensante capaz de agir, interagir,
aprender e relacionar-se com o mundo ao seu redor, tendo direito a livre expressão
e de participar da construção da história, da sociedade e de sua própria trajetória
de vida.
A infância é considerada um período importante na vida do ser humano
porque nela ocorre o aparecimento e assimilação dos processos mentais
responsáveis pelo desenvolvimento do indivíduo, de sua personalidade e de formas
de comportamentos culturais.
Segundo Vygotsky esta fase não possui faixas etárias definidas,
rigorosas e lineares marcadas por um processo de maturação, mas apresenta a
atividade principal, ou atividade guia em primeiro plano e que marca a
transformação das funções psíquicas superiores. Estas funções adquirem formas
elevadas que permitem a evolução do pensamento, a compreensão e atuação
competente do sujeito no meio.
A Educação Infantil apresenta como função pedagógica a
responsabilidade de lapidar o pensamento empírico e transformá-lo em
pensamento teórico, oportunizando as crianças um processo de ensinar e aprender
significativo, dinâmico e mediado capaz de incentivar o amadurecimento de suas
funções psíquicas ajustando-as à zona de desenvolvimento iminente, lembrando–
se que as crianças possuem diferentes zonas de desenvolvimento.
A teoria do duplo nível foi apresentada por Vygotsky após estudar e
analisar os processos de instrução da criança, desta forma, Prestes (2010),
esclarece que zona atual (são as ações que a criança executa com autonomia,
aquilo que ela sabe, ou seja, as funções que já estão amadurecidas), Zona de
desenvolvimento iminente (conhecimento que ainda não é de domínio da criança,
não foi internalizado, refere-se às funções que ainda não estão amadurecidas),
Projeto Político Pedagógico 2018 54

porém dão sinal de manifestação e possivelmente passarão para o nível de


desenvolvimento atual.
De acordo com Prestes (2010, p. 04) ―a essência dessa idéia consiste
em que, se no dia de hoje, a criança manifesta certos conhecimentos e
capacidades amadurecidas, logo, algumas funções encontram-se, de forma
imatura, no fluxo de desenvolvimento e o impulsionam para frente‖. O fato é que o
desenvolvimento dessas capacidades não acontecem de forma natural e com
exclusividade numa fase específica, as funções psíquicas das crianças começam a
manifestar na infância e continuam a existir como funções subordinadas no
decorrer da vida.
Vygotsky afirmava que o desenvolvimento humano acontece por saltos,
rupturas e crises e que essas crises são períodos de conflitos que estão
relacionados às atividades guias. As atividades guias, na infância, estão em
primeiro plano e guiam a transformação das funções psíquicas superiores através
da relação com os adultos. O adulto é responsável em planejar, executar e avaliar
as atividades significativas que contribuirão para desacomodar e desestruturar o
pensamento dos sujeitos abrindo a possibilidade de uma intervenção pedagógica
consciente e produtiva.
O processo de transformação da ciência em um currículo que possa ser
ensinado é conhecido como transposição didática, uma expressão criada pelo
pesquisador francês Chevallard e utilizada por Nunes (2009, p. 11), o currículo
consolida uma intencionalidade do processo de ensinar e aprender a partir do
momento que mostra a organização das ideias e dos conhecimentos culturais que
devem ser transmitidos e perpetuados por todas as gerações.
As Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil
enfatizam a importância de estruturar e organizar ações educativas com qualidade,
interligada à valorização do professor e com dois aspectos indissociáveis: cuidar e
educar. O educar deve ser uma das preocupações do profissional da Educação
Infantil, não como um processo de transferência de conteúdos em cadeia
instantânea, mas deve ser entendido como uma oportunidade de interação entre as
crianças/crianças e crianças/adultos. A criança quando provocada é capaz de
lançar hipóteses, criar e recriar dando sentido e vida a tudo.
Projeto Político Pedagógico 2018 55

O cuidar não descaracteriza a função do professor, pelo contrário


humaniza e estreita os laços de afinidade estabelecendo um clima de segurança e
harmonia entre os pares.
Lembrando que o cuidado é uma ação que permeia todo o processo de
desenvolvimento do ser e precisa ser abraçado e executado por todos os
profissionais da instituição e responsáveis da criança.
Entendemos que este espaço deve contemplar os dois binômios: cuidar
e educar, brincar e interagir numa perspectiva de currículo integrado com as
diferentes linguagens, com o lúdico, a brincadeira de faz de conta, o movimento, a
linguagem oral e escrita, a natureza e sociedade, a música, as artes visuais e a
matemática. SMOLE (2000a, p.161) cita Jolibert, ―enquanto vive em um meio sobre
o qual pode agir, discutir, decidir, realizar e avaliar com seu grupo, a criança
adquire condições e vive situações favoráveis para a aprendizagem‖.
Acredito que este espaço pode favorecer o letramento, a numeralização,
o brincar e as interações para a criança, considerando-a como sujeito e produtora
de cultura, uma vez que ela na maioria das vezes nasce inserida num mundo
letrado, informado e informatizado. A criança quase sempre demonstra certo
encantamento em dominar as habilidades de leitura e escrita seja através da
brincadeira de faz de contas ou de atividades elaboradas no seu contexto cultural.
Lembrando que letramento no Currículo da Educação Infantil da SEEDF
(2008, p.54) é entendido como ―estado ou condição de quem não apenas sabe ler
e escrever, mas cultiva e exerce as práticas sociais que usam a escrita.‖ A criança
necessita apropriar-se da língua literária, dos signos e significados compreendendo
que o código possui uma estrutura composta por letras, símbolos, sons e registros
próprios que seguem uma norma mesmo que elas ainda não consigam ler e
escrever, mas que, saibam apreciar e valorizar os diversos tipos de gêneros
textuais.
Com essa intenção estaremos ―letrando‖ enumeralizando nossas
crianças, ou melhor, damos a oportunidade delas se apropriarem das práticas
sociais como indivíduos ativos, reflexivos e críticos, colocando-as em contato
constante com o adulto que é um ser mais experiente e capaz de interagir para que
as formas de conhecimento não amadurecidas possam ser internalizadas.
Numeralizar é um termo utilizado por Nunes (2009, p.18) compatível a
letrar é uma expressão que designa uma criança ou adulto que tenha certo domínio
Projeto Político Pedagógico 2018 56

do sistema numérico e das operações aritméticas, que possa pensar sobre o


conhecimento matemático, ou seja, as crianças precisam aprender matemática a
fim de entender o mundo ao seu redor. Afinal a matemática faz parte da vida
cotidiana e está presente em inúmeras situações sociais, somos identificados por
um número e o utilizamos o tempo todo para representar quantidades, medidas,
sentimentos, desejos e idéias. Destaco Nunes, (1997, p.19) citando COCKCROFT
(1982).

Desejaríamos que a palavra numeralizado implicasse a posse de dois atributos. O


primeiro é uma familiaridade com números e a habilidade de fazer uso de
habilidades matemáticas que capacitam um indivíduo a enfrentaras demandas
matemáticas práticas de sua vida cotidiana. O segundo é a habilidade de ter
alguma apreciação e compreensão das informações que são apresentadas em
termos matemáticos, por exemplo, em gráficos, mapas e tabelas ou por
referências a aumento ou redução de porcentagem. Considerados juntos estes
implicam que deveria se esperar que uma pessoa numeralizada fosse capaz de
apreciar e entender algumas das formas pelas quais a matemática pode ser usada
como meio de comunicação.

A matemática carece de ser oportunizada aos alunos não como uma


linha modelo de memorização, mas de raciocínio como outra linguagem a ser
vivenciada, interpretada e internalizada pelos sujeitos desde a Educação Infantil.
Nossa pretensão não é a de formar intelectuais matemáticos para o mundo, mas é
a de proporcionar espaço para as crianças pensarem e agirem sobre o mundo
brincando, levantando hipóteses, expondo idéias, experimentando situações,
interagindo com seus pares de forma dinâmica, criativa e crítica.
Acreditamos que a criança aprende e se desenvolve de inúmeras
maneiras principalmente ao brincar. É brincando que a criança adquire autonomia
para investigar e conhecer o mundo que a rodeia e constrói-se socialmente.
Segundo Vygotsky (2009, p.17) ―a brincadeira da criança não é uma simples
recordação do que vivenciou, mas uma reelaboração criativa de impressões
vivenciadas‖.
O brincar é uma das formas da criança se relacionar com o mundo, é
sinônimo de prazer e dor numa relação dialógica de conflitos. Constitui-se numa
oportunidade de desenvolvimento e aprendizagem da criança que surge de uma
necessidade de apropriação do mundo adulto, ou seja, é brincando que a criança
internaliza regras, formas de comportamento, aperfeiçoa sentimentos, atribuindo
sentido e significado as atividades humanas.
Projeto Político Pedagógico 2018 57

Dessa forma os adultos tem um papel importante nesse processo, no


sentido de propiciar às crianças tempo e espaço para o brincar, fantasiar, imaginar,
para a sensibilidade, a memória, o pensamento e a atenção. Falamos de um
brincar organizado, com intencionalidade, mas que essa intencionalidade não
vigore exclusivamente atendendo a interesses pedagógicos.
Moura (2010, p. 121), cita Elkonin (1998), ―a base do jogo é social
devido precisamente a que também o são sua natureza e sua origem, ou seja, a
que o jogo nasce das condições da vida em sociedade.‖ Cada geração vivencia o
seu momento resgatando, reelaborando as brincadeiras que foram transmitidas
pela geração anterior demarcando um processo de interação entre o novo e o
antigo e perpetuando as gerações e as criações.
Pensando assim a Educação Infantil deve romper com a inércia que
acomete muitos espaços educacionais e propiciar experiências significativas
vinculadas ao brincar. O brincar na infância é indispensável, trata-se de uma
atividade guia que segundo Vygotskydesempenha umpapel importante em suas
mudanças psíquicas. O brincar pode ser planejado com uma devida
intencionalidade afinal trata-se de uma atividade séria, ou seja, de uma ação
intencional que impulsiona o desenvolvimento da criança.
A brincadeira é uma possibilidade da criança se movimentar e se
expressar dando oportunidade para que ela possa conhecer e utilizar o seu corpo
correndo, dançando, mexendo, rolando, subindo e etc. Proporciona momentos para
que as crianças executem as inúmeras ações que são necessárias para
desenvolver habilidades, competências atuando e modificando o mundo.
Pela brincadeira, as crianças, entendem e analisam o mundo, e ao
professor, cabe mediar essa experiência, tentando sempre enriquecê-la.A
brincadeira desenvolve iniciativa, curiosidade, interesse, senso de responsabilidade
individual e coletiva. Quando brincam de faz de conta, colocam-se na perspectiva
do outro, do herói, da mãe... As crianças também aprendem a lidar com medo,
inveja, ódio, raiva, fracasso e outras experiências psíquicas.
ParaSmole (2000b, p.16), ―a imagem que a criança vai fazendo de seu
próprio corpo configura-se pouco a pouco e é o resultado e a condição da
existência de relações entre o indivíduo e seu meio‖. A criança faz a análise do
espaço primeiro com seu corpo, antes de fazê-la com os olhos, para acabar por
fazê-la com a mente.
Projeto Político Pedagógico 2018 58

A Educação Infantil necessita promover o desenvolvimento da


linguagem corporal da criança deixando-a livre para manifestar um corpo no
espaço. Entendendo que a criança possui um corpo que pode extrapolar as
fronteiras das carteiras e cadeiras extravasando sentimentos, pensamentos e
desejos.
Gostaríamos de enfatizar que essa manifestação corporal da criança
não significa deixá-la fazer o que quer, sem rumo e sem nexo pelo contrário ela
precisa do adulto para conduzi-la e para organizar os momentos de expressão.
Aprender e ensinar são palavras diferentes, mas que necessitam estar
imbricadas dentro do contexto educacional de tal maneira que representem uma
unidade. A escola é uma das instituições responsáveis em promover a apropriação
da cultura humana, a formação dos sujeitos e alimentar as funções psíquicas
superiores através das relações entre os seres e os objetos. Durante anos ela vem
tentando realizar essa proposta de promover o processo de ensino e aprendizagem
que muitas vezes é criticado pelos vários segmentos da sociedade por apresentar
inúmeras falhas que não nos cabe apontar no momento.
O fato é que realmente essemecanismo de aprender e ensinar é
dialético porque ao mesmo tempo em que nos fascina descortinando novas
possibilidades de acesso e de reelaboração do novo é cansativo e doloroso quando
temos que exercitar o pensamento, parar para refletir e desacomodar as estruturas
mentais.
A máxima de que não há crescimento sem sofrimento é verdadeira e o
que nos consola é saber que tudo pode ser amenizado através da organização da
atividade orientadora de ensino assim definida por Moura como (AOE) e segundo
ele sustentada pela teoria histórico-cultural.
Segundo esses pressupostos a aprendizagem não é determinada pelas
condições naturais, espontâneas e biológicas do sujeito ela constitui-se num
produto de ações premeditadas e que são intencionalmente organizadas e
planejadas pelo professor permitindo que a criança contraia os conceitos
historicamente construídos de forma sistematizada desenvolvendo-se
cognitivamente com vistas ao pensamento teórico.
Para Moura (2010, p.86), citando Davidov (1982), ―defende que é
necessário partir das teses gerais da área do saber e não dos casos particulares,
buscando a célula dos conceitos, sua gênese e essência, o que se consegue por
Projeto Político Pedagógico 2018 59

meio da operação de construir e transformar um objeto mentalmente.‖ O professor


possui a incumbência de aliar teoria e prática demarcando uma práxis pedagógica
onde seja possível a transformação dos sujeitos mutuamente, pois da mesma
forma que a criança se apropria de conhecimentos científicos no ato de aprender o
professor também se modifica ao ensinar.
Ainda segundo Moura (2010, p. 95) citando ―Leontiev (1991 a),‖ o sujeito
durante seu desenvolvimento ontogenético ocupa diferentes lugares no sistema
das relações humanas relacionadas com a atividade principal - o jogo, o estudo e o
trabalho - por meio da qual se reorganizam os processos psíquicos e ocorrem as
principais mudanças psicológicas na personalidade.
Independente da atividade desempenhada pelo sujeito no meio onde
vive e convive suas funções psíquicas estarão sujeitas a novas transformações e
consequentes acomodações.
O ensino é uma atividade educativa que tem a finalidade de capacitar
os indivíduos apropriando-os dos conhecimentos produzidos socialmente. Moura
(2010, p.96) destina a (AOE) como uma estrutura de atividade proposta por
Leontiev, ao indicar uma necessidade (apropriação da cultura), um motivo real
(apropriação do conhecimento historicamente acumulado), objetivos (ensinar e
aprender) e propor ações que considerem as condições objetivas da instituição
escolar.
O mecanismo da organização do ensino favorece a análise do
desenvolvimento humano e contribui para especificar o conceito de atividade
desencadeando as ações do professor numa relação recíproca, submetida ao
princípio do eco, onde ao mesmo tempo em que influencia a formação de
conhecimentos do aluno resvala na atividade de ensinar do professor
transformando-os enquanto sujeitos.
Esse processo de ensino-aprendizagem não garante ao aluno a
apreensão de todos os conhecimentos da humanidade, mas possibilita a ele o
acesso generalizado ao conhecimento.
A figura 1 sintetiza os componentes centrais da AOE, a relação entre
atividade de ensino, atividade de aprendizagem e os elementos estruturantes da
atividade.
Projeto Político Pedagógico 2018 60

Fonte: (MOURA, 2010, p.98)

De acordo com, Moura (2010, p.98), o ensino exige um modo especial


de organização por seu caráter social, mediado por instrumentos, signos e
motivado por uma necessidade. Esse modo especial de organizar o ensino, em que
objetivos, ações e operações se articulam como atividade, que dá a (AOE) a
dimensão de unidade formadora do estudante e do professor.
A qualidade da mediação da (AOE) a caracteriza como um ato
intencional, o que justifica a responsabilidade dos responsáveis pela educação
escolar em promover o desenvolvimento do pensamento teórico e das funções
psíquicas. A atividade é orientadora, no sentido de que é construída na inter-
relação professor e estudante e está relacionada à reflexão do professor que,
durante todo o processo, sente necessidade de reorganizar suas ações por meio
da contínua avaliação.
A atividade orientadora de ensino propõe uma relação dinâmica entre a
atividade de aprender e ensinar caracterizando uma interação intencional,
estruturada e dialógica entre os sujeitos onde um pode contribuir para a
transformação do outro ao mesmo tempo em que são transformados.
Projeto Político Pedagógico 2018 61

Os conhecimentos teóricos mobilizam e interpenetram as duas


atividades apesar de apresentarem focos diferenciados que colaboram para as
mudanças das funções psíquicas superiores de todos envolvidos no processo da
conquista pelo conhecimento.
Aprender e ensinar são duas ações dinâmicas, reflexivas e ativas, que
movimentam as instituições escolares numa relação que necessita ser alimentada
e retroalimentada com a prática sensível da avaliação. Avaliar não é um trabalho
fácil, pois requer um olhar atento, sensível, detalhado, focado, cuidadoso e
equilibrado de todas as pessoas que agregam esforços para que a educação
aconteça com qualidade na nossa escola.
A avaliação é um mecanismo indissociável do processo educativo
porque oferece espaço para todos os segmentos se posicionarem com suas idéias,
críticas, argumentos e sugestões definindo critérios para replanejaras atividades e
criar novas situações que gerem avanços na aprendizagem das crianças.
A Avaliação Institucional prevista no Calendário Escolar da SEEDF deve
acontecer nos dois semestres letivos com a presença de todos os segmentos da
escola para ressignificar os tempos, espaços, materiais, projetos e atividades
educativas.
Sabemos que a Avaliação na Educação Infantil deve ser contínua,
processual, formativa e informativa. A LDB nº 9.394/96 estabelece, na seção II, art.
31, referente à Educação Infantil, que ―a avaliação far-se-á mediante o
acompanhamento e registro do seu desenvolvimento, sem o objetivo de promoção,
mesmo para o acesso ao Ensino Fundamental‖. Todas as observações
significativas realizadas pelo professor são registradas no diário de classe ou no
relatório individual do aluno para documentar os processos de ensino e
aprendizagem, as interações, as dificuldades, as potencialidades a fim de
possibilitar às crianças e seusfamiliares contribuições que favoreçam novas
perspectivas educativas.
Assim desde os primeiros dias de aula o professor começa o trabalho de
observar cada criança na sua inteireza, singularidade e complexidade registrando e
entendendo o perfil individual de cada um, caracterizando o diagnóstico inicial da
turma.
A partir destes dados o professor elabora o seu plano de estratégias
para o ano e isso lhe dá a possibilidade de construir hipóteses de aprendizagens
Projeto Político Pedagógico 2018 62

que poderão ser modificadas no futuro através das trocas de experiências


compartilhadas nas coordenações.
Essas trocas acontecem coletivamente e detalham todos os
diagnósticos fechados pelos professores que evidenciam as fragilidades e
potencialidades que devem ser formalizadas através do PPP buscando enriquecer
as práticas e direcioná-las para a formação integral do ser.
Nossa escola acredita na concepção de Educação Integral
compartilhada por Anísio Teixeira que idealizou um modelo de educação que não
se preocupava somente em ampliar o tempo de permanência da criança na
instituição, mas, sobretudo de prepará-la integralmente para a vida oferecendo a
ela: formação acadêmica, física e artística. Tudo isso sendo oferecido em horário
contrário ao da aula na Escola Parque, com estrutura física digna para oferecer à
criançaesporte, arte, cinema.
Infelizmente carecemos desse modelo educacional e muitas escolas
hoje oferecem a Educação Integral numa perspectiva de ampliação do tempo de
permanência da criança na escola.
Nós, professores desta escola, não concordamos com esse estilo de
educação e solicitamos espaço e tempo para discuti-la, pois entendemos que para
implantá-la precisamos melhorar as estruturas: físicas, materiais e humanas. Este é
um tema polêmico que necessita ser esgotado com discussões fundamentadas e
bem pensadas para o fazer educação com responsabilidade social e competência.
Sabemos que este tipo de educação é uma tendência que deverá ser
implantada sutilmente nos próximos anos, porém não podemos deixar de protestar
que a educação integral é uma ideia que precisa ser encarada com planejamento,
organização, recursos, responsabilidade e condições humanas, materiais e físicas.

8- ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO
PEDAGÓGICO
O Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga compreende a primeira
etapa da Educação Básica, a Educação Infantil, dentro deste universo atende
Projeto Político Pedagógico 2018 63

especificamente a pré-escola, que no nosso caso abarca idades entre 4 a 6 anos,


que são enturmadas em classes de 1º e 2º períodos.
Nosso ano letivo está organizado em semestre, ou seja, ao final de cada
semestreo professor socializa com os responsáveis das crianças um relatório
descritivo do desenvolvimento individual do aluno, onde esclarece as
aprendizagens alcançadas e as que ainda estão em estágio eminente para
acontecer.
Os Semestres letivos são organizados a partir do Currículo da Educação
Infantil do Distrito Federal, onde levamos em conta todos os outros documentos
normativos que norteiam o trabalho pedagógico desta etapa de ensino. Os
conteúdos científicos estão categorizados a partir das múltiplas linguagens, onde a
escola tem o desafio não somente de transmitir conhecimentos mais sobretudo de
transformar o individuo promovendo experiências significativas, libertadoras e
capacitadoras para o desenvolvimento da criticidade, criatividade e autonomia.
As linguagens descritas no currículo são:Cuidado Consigo e com o
outro, As interações com a natureza e a sociedade, Linguagem Oral e Escrita,
Matemática, Corporal, Artística e Digital.
Organizar o trabalho pedagógico da instituição não se constitui uma
tarefa fácil e isolada, na verdade trata-se de um exercício coletivo de reconstrução
e construção de várias cabeças que pensam, divergem, convergem em ideias para
o como fazer, porém focados no objetivo de melhorar o atendimento educacional
ofertando uma educação pública de qualidade, rica em experiências significativas.
Este ano, por exemplo, fomos informados através da Portaria nº 445, de
16 de dezembro de 2016 que teríamos direitoa somente um coordenador
pedagógico, esta decisão prejudicou o nosso trabalho no sentido de sobrecarregar
algumas pessoas e de dificultar a operacionalização da atividade pedagógica.
Posto isto tivemos que redimensionar a atividade e convidar uma
professora readaptada para agregar esforços a este trabalho atuando como apoio
pedagógico junto aoutra coordenadora que havia sido liberada para o exercício da
função desde o primeiro dia letivo.
Apesar das mudanças nosso trabalho pedagógico está bem estruturado
primeiro porque a escola procurou preservar a figura do supervisor pedagógico
para impulsionar e aperfeiçoar o desenvolvimento eficiente do processo de ensinar
Projeto Político Pedagógico 2018 64

e aprender. As coordenações são espaços importantes para o planejamento de


atividades, confecção de materiais e a troca de experiências entre colegas.
Semanalmente acontecem os encontros setorizados dos professores
junto com a equipe diretiva, supervisora pedagógica e os coordenadores
pedagógicos para estudarem, pesquisarem, planejarem e contextualizarem as
atividades mais adequadas ao universo infantil que possui inúmeras
peculiaridades.
Ao planejarmos levamos em consideração o tema do mês, os objetivos,
os materiais,os ambientes, o tempo, o interesse, as atividades permanentes e as
características das crianças, entendendo que estes não são elementos isolados
mais coordenados entres si através das interações propostas.
As atividades planejadas estão alinhadas principalmente às Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, o Currículo da SEEDF,a base
nacional comum curricular, a LDB e outras políticas públicas. Elas são planejadas
em grupo para dar ao trabalho pedagógico a idéia de coletividade, harmonia,
isonomia de tratamento zelando pela igualdade de oportunidades a todas às
crianças, respeitando a diversidade, as particularidades de cada turma e primando
pela organização.
As atividades planejadas pela equipe do CEI 01 abrangem:

Atividades permanentes:
Temos várias atividades importantes que estão incorporadas a nossa
rotina e que acontecem com certa regularidade e intencionalidade.
São elas:
 Parque, Rodinha, Recreio, Lanche, Higiene, Música, Histórias:
Diariamente.
 Piscina, Hora Cívica, Filme, Casinha, jogos: Semanal.
 Brinquedoteca: Mensal
 Atendimento SOE: Mensal
 Projeto tablet: Semanal
 Projeto Psicomotricidade: Quinzenal
Projeto Político Pedagógico 2018 65

 Seqüência de Atividades:
 O planejamento diário segue uma organização didática que varia de
uma turma para outra porque para que as atividades permanentes aconteçam com
sucesso existe uma escala que é respeitada pelos profissionais.
 Essa sequência de atividades é apresentada às crianças no início da
aula, na rodinha, através de quadros de rotinas que funcionam como marcadores
temporais. Esses marcadores são interessantes porque além de organizar a rotina
do dia, informando as atividades e a ordem em que elas acontecerão colaboram
para diminuir o grau de ansiedade e expectativas que muitas crianças criam para
aguardar o retorno dos pais principalmente no período de adaptação.
 Esses quadros ajudam as crianças a marcarem o tempo e acabam
dando segurança a elas porque a ordem explicita o horário de saída.
 Ex.: Entrada / brinquedos / rodinha / pintura / lanche / recreio / história
/desenho / parque /saída.

 Atividades Ocasionais:
 Acontecem respeitando um agendamento que pode ser mensal,
bimestral, anual dependendo do planejamento que foi feito pela comunidade
escolar.
 São elas: passeios a teatro, cinema, exposições de arte, feira do livro,
festa junina, festa da família, festa de encerramento, visita ao zoológico,
comemorações de páscoa, etc.
Podem ter alguma relação com temas do projeto ou simplesmente
serem realizadas para contemplar aspectos culturais e sociais.

 Materiais:
Na Educação Infantil precisamos enriquecer as situações didáticas com
recursos apropriados a faixa etária e aos objetivos estabelecidos. A instituição
possui um acervo adequado, interessante e variado que é constantemente
renovado através de recursos do PDAF, PDDE e doações.
Projeto Político Pedagógico 2018 66

Aos pais é solicitada uma lista de materiais pedagógicos no início do


ano letivo para enriquecer e subsidiar as atividades planejadas pelos profissionais
da educação. Faz parte do nosso acervo: objetos, livros, brinquedos, jogos, papéis,
tecidos, fantasias, tapetes, almofadas, massas de modelar, espaguetes, cavalinhos
de plástico, tintas, madeiras, figuras, sucatas, instrumentos musicais, CD, DVD,
tela para pintura, vídeo, televisão, som portátil, projetor, etc.
Esses materiais são adquiridos com a intenção de provocar, desafiar,
estimular a curiosidade, a imaginação e a aprendizagem. Este acervo está
distribuído em vários ambientes: brinquedoteca, sala de aula, casinha, piscina,
parque, depósito de materiais, sala de orientação educacional, sala dos
professores etc.
Ficam ao alcance das crianças, tanto para serem acessados quanto
para serem guardados. Não trazem danos à saúde infantil e são sempre
higienizados, analisados, selecionados em função das aprendizagens e dos
possíveis sentidos que as crianças possam atribuir-lhes.

 Ambientes:
Precisam ser organizados em função dos interesses e necessidades das
crianças, que é o centro do processo pedagógico. No nosso caso o ambiente
escolar foi adaptado para atender esta modalidade de ensino, porém sempre que
possível fazemos melhorias para deixar os espaços mais seguros, atrativos,
estimulantes, agradáveis, funcionais e propícios a faixa etária.
Como tudo que faz parte do processo de aprendizagem não está pronto,
os ambientes também precisam ser organizados de forma a evitar acidentes e
conflitos, ressignificando-os para garantir a acessibilidade das crianças e adultos
com visão ou locomoção limitada.
As salas de aulas receberam mobiliários novos em 2013 que não são de
boa qualidade, pois soltam os parafusos que fixam suas estruturas. As mesinhas
não são propícias para a organização de grupos, pois dificilmente se encaixam e
por isso o tempo gasto pela professora para renovação dos arranjos do mobiliário é
bem maior.
Projeto Político Pedagógico 2018 67

Os parquinhos, a piscina e o pátio interno compõem ambientes amplos


para as crianças brincarem e explorarem seus movimentos, construírem suas
identidades e desenvolverem a independência.
A casinha de alvenaria é outro espaço importante para a criança brincar
de faz de conta. Ela está localizada no meio do pátio descoberto, e este ano foi
reformada para receber melhor as crianças.
A área interna da escola é composta por dois blocos paralelos – onde
funcionam as salas de aulas, sala dos professores, secretaria/direção. Temos
necessidades de novos espaços, pois a sala dos professores acumula a função de
sala de coordenação. Muitas vezes, não temos a devida privacidade para planejar
as atividades pedagógicas e somos surpreendidos com adultos entrando
desesperadamente comcrianças que se machucaram por algum motivo e precisam
de um lugar para resolver o problema. Na direção precisamos realizar as devidas
mediações com pais, crianças e funcionários guardando sigilo das informações e
somos interrompidos por alguém que necessita de algo que está localizado na
direção.
O pátio interno, é o único espaço coberto para as crianças brincarem
movimentando o corpo, é onde ficam durante o recreio principalmente quando
chove. Está necessitando de reparos no chão e madeiramento do telhado para
garantir a integridade física de todos. Ele interliga os outros dois blocos.

 Tempos:
 Todas as atividades planejadas sejam elas permanentes ou não,
possuem um tempo estimado para que a rotina possa se desenvolver com
sucesso.
O tempo previsto para duração das atividades em geral é de quarenta
minutos, observando o nível de interesse das crianças para cada proposta esse
tempo pode variar. O tempo de aula das crianças é de 5 horas diárias.

 Adaptação:
 A adaptação é um processo pelo qual passamos todas as vezes que
enfrentamos uma situação nova e ao longo de nossas vidas vivenciamos vários
momentos que necessitam de paciência, cuidado e atenção.
Projeto Político Pedagógico 2018 68

A Educação Infantil como primeira etapa da Educação Básica vivencia


este momento muitas vezes quando:
 a criança sai de casa para a escola;
 a criança sai da creche para a pré-escola;
 a criança sai de uma turma para outra;
 a criança troca de professor;
 a criança troca de escola.
A escola representa outro mundo de vivências, oportunidades e
descobertas que necessitamser desbravadas por estes seres pequeninos, que
chegam carregados de emoção, expectativa ao realizarem o rito de passagem de
um local conhecido, seguro para outro que exige de todos os envolvidos certo
investimento afetivo e intelectual.
Gostaria de parafrasear um trecho do livro: Desenvolvimento e
Aprendizagem,
(p. 106) ,que expressa claramente a realidade do nosso contexto educacional
durante o período de adaptação escolar:

As crianças podem ter reações variadas durante a adaptação, dependendo de


fatores como: sua idade, seu relacionamento com os pais, a expectativa da
família em relação à escola e, principalmente a forma de organização desse
momento pela escola e pelo professor em seu planejamento. “Além dessa
reações, é comum as crianças apresentarem modificações em seus
comportamentos como alterações de sono e resistência à alimentação.”
A maneira como a família vê a entrada da criança para a escola tem uma
influência marcante nas emoções e reações da criança durante o período de
adaptação. È comum os pais se sentirem inseguros e ansiosos quando vivenciam
pela primeira vez este processo. As primeiras semanas na escola são sofridas, e
nessas horas as mães têm comportamentos variados. Tornam-se mais sensíveis e
algumas chegam a chorar junto com a criança. Na hora da separação, às vezes,
esperam a criança se distrair para sair escondido, na tentativa de evitar a
manifestação do choro.Outras, algumas vezes “decepcionadas” com a reação do
filho, prolongam a despedida com frases do tipo “até logo, filho, a mamãe vai
embora”, “dá um beijo que a mamãe vai embora”, até desencadearem na criança
a reação do choro.
Projeto Político Pedagógico 2018 69

É imprescindível destacar que a adaptação acontece para todos os


envolvidos no processo de ensino e aprendizagem, ou seja, para as famílias que
compartilham a educação dos filhos com a escola que possui pessoas
desconhecidas, para o professor que recebe vinte e quatro crianças desconhecidas
e precisa acolher todas de igual maneira, para a instituição, nos aspectos de
gestão, que precisa prever espaços, materiais, tempos, recursos humanos etc.
Portanto, nos casos em que percebemos a necessidade de intervenção,
a orientadora educacional convida os paispara uma conversa dando-lhes uma
atenção especial para ganharem confiança na escola.
A equipe da escola procura acolhê-los com suas dúvidas, conflitos e
angústias, estabelecendo um diálogo aberto e franco, oferecendo apoio e
tranquilidade. Orientá-los em suas condutas é o melhor caminho para superar as
dificuldades do período de adaptação, o que contribui para que seu filho também
se sinta menos inseguro nos primeiros dias de escola.
Diante das reações das crianças e de seus familiares, o professor
também se sente fragilizado, manifestando sentimentos de insegurança, ansiedade
e algumas vezes até mesmo de frustração. Assim, o professor também precisa ser
acolhido em suas dúvidas e conflitos e ser orientado continuamente sobre os
processos de adaptação.
Essa transição necessita ser feita com responsabilidade, planejamento e
cautela respeitando o tempo de todos os envolvidos no processo.
A circular conjunta 002/2018, ressalta que o período de
inserção/adaptação é um processo pelo qual a criança passa desde seu ingresso
na escola, até que permaneça nela com tranquilidade e sem sofrimento. A função
da unidade escolar e de todos os envolvidos é receber a criança e a família,
acolhendo sua singularidade, levando em consideração que: ―A criança tem na
família um ponto de referência fundamental, apesar da multiplicidade de interações
sociais que estabelece com outras instituições sociais‖ (RECNEI 1998 p. 79 e 80).
O período de Inserção/adaptação das crianças ao ambiente escolar é
previsto anualmente na primeira semana do ano letivo com o tempo de aula
reduzido para matutino (7h30 às10h) e vespertino (13h às 15h30). Este
procedimento é previsto pela própria SEEDF para garantir a acolhida das crianças
ao ambiente escolar evitando apresentar a elas uma rotina cansativa e sofrida.
Projeto Político Pedagógico 2018 70

Para que a inserção da criança ao meio escolar possa acontecer da


forma mais segura e tranquila possível, diminuindo o tempo de ansiedade,
acostumando-as a rotina paulatinamente. Segundo o currículo da SEEDF (2014,
p.52), ―Uma adaptação compromissada com o acolhimento significa abrir-se ao
aconchego, ao bem-estar, ao conforto físico e emocional, ao amparo‖.
Ressaltamos que o processo de adaptação não se resume aos primeiros
dias, podendo durar até meses. Faltas muito frequentes ou irregularidade nos
horários de entrada e saída dificultam, causando uma quebra no processo, que
passa, assim, a se estender por mais tempo. Vale considerar a importância do
período de adaptação como um momento de conhecimento e construção dos
vínculos afetivos entre as crianças com as professoras e entre a escola e a família.

 Rotina:
 A rotina da escola está bem estruturada, pois ao planejá-la levamos
em consideração vários aspectos importantes para tornar as aprendizagens
significativas. Primeiro consideramos as crianças como seres que estão em pleno
desenvolvimento e que possuem necessidades fisiológicas (alimentação, higiene),
sociais (brincar e interagir), físicas, (movimento), intelectuais (diferentes
linguagens).
As crianças são consideradas seres pensantes que possuem voz para
avaliar e participar de momentos de planejamento de atividades. Nossa rotina é
movimentada, animada e organizada, pois observamos todos os aspectos
mencionados acima e procuramos torná-la dinâmica favorecendo o
desenvolvimento da identidade e autonomia das crianças, da afetividade, do
respeito à diversidade, a formação dos valores humanos, das diferentes
linguagens.
Para que a rotina possa ser operacionalizada seguimos as normativas
ligadas à infância, a criança e fundamentamos nossas práticas nas Diretrizes
Curriculares para a Educação Infantil e no Currículo em Movimento da SEEDF.
Evitamos tornar a rotina das crianças cansativa, monótona e desprovida de
significados. Nossos espaços favorecem o brincar, o jogo, o faz de contas, a
imaginação e a criação.
Seguem abaixo alguns passos de nossa rotina:
Projeto Político Pedagógico 2018 71

 CHEGADA/ SAÍDA DAS CRIANÇAS:


A entrada das crianças se dá em dois turnos distintos: o matutino às
7h30 e no vespertino às 13h. Os pais aguardam a entrada das crianças no portão
central de acesso à escola até às 7h30 ou 13h, quando toca a música de entrada,
que funciona como marcador temporal para todos os segmentos iniciarem suas
atividades.
Os pais não tem acesso às dependências da escola a não ser nas duas
primeiras semanas em que ocorre o período de adaptação, quando eles deixam os
seus filhos nas portas das salas de aulas e tem a oportunidade de conhecer o
professor.
Esta ação é justificada por vários argumentos: o primeiro é devido o
período de regência do professor ser totalmente voltado para atenção às crianças
evitando situações que podem colocar em risco a integridade de outras crianças.
O segundo é que os professores coordenam às 3ª, 4ª e 5 ª feiras, no
período contrário ao da regência, quando tem a oportunidade de receberem os
responsáveis que por ventura solicitaram um agendamento para conversar com a
professora e o terceiro é que trabalhamos a autonomia das crianças, ou seja,
incentivamos o protagonismo delas para que sejam capazes de entrar sozinhas
com segurança emocional, sem a dependência do adulto sem ter que levá-la até a
sala de aula.

 A RODINHA INICIAL
É um importante espaço de aprendizado e faz parte da nossa rotina
diária, que é organizada pela professora, com as crianças sentadas em círculo,
onde têm a oportunidade de se expressar contando uma novidade. Faz parte
também deste momento a chamada, que pode ser feita de diversas maneiras:
chamada oral, chamada com fotos, e chamada com ficha do nome da criança.
Neste momento é possível fazer comparações, utilizando o quadro de
nomes como gráfico e realizar contagem matemática de quanto somos. Quantos
meninos? Quantas meninas? Quantos alunos juntos? Quantos adultos?
Projeto Político Pedagógico 2018 72

Este momento promove a percepção, pelo grupo, dos colegas presentes


e ausentes e possibilita que se trabalhe a realidade cultural e social de cada
criança, gerando- se temas e conversas para possíveis projetos.
É um excelente momento de elaboração de regras de convivência social,
marcação temporal, onde são apresentadas as sequências didáticas que irão
vivenciar no dia. Além de promover discussões de opiniões e ideias sobre
determinado assunto favorecendo a mediação pelo professor.

 CUIDADOS COM A SAÚDE E O CORPO


O atendimento aos cuidados básicos, também está inserido na rotina
diária das crianças, com a preocupação de que construam progressivamente
habilidades para o autocuidado. O uso do banheiro acontece em momentos
determinados dentro da rotina, porém o professor tem a sensibilidade para
entender e atender a necessidade momentânea das crianças, encaminhando - as
ao banheiro quando surge a vontade fora do previsto.

Nenhum profissional coloca a mão no corpo da criança para higienizá-


la, desde o primeiro dia de aula, as crianças são incentivadas a se limpar,
utilizando os materiais adequados para a devida limpeza e desenvolvendo a
autonomia.

Quando alguma criança não consegue segurar os esfíncteres e faz a


necessidade na roupa, sujando-a, realizamos os devidos procedimentos para o
banho providenciando materiais, recursos humanos e objetos específicos para a
devida higiene. Se a criança não permite esta ação, ligamos para os responsáveis
a fim de vir à escola nos ajudar em tal ação.

Não trabalhamos com a escovação diária na escola porque nas


inúmeras tentativas de higienização as crianças não responderam bem.
Esfregavam as escovas na pia, nos sanitários, trocavam escovas entre si ou os
responsáveis não colaboravam com o devido acondicionamento das escovas. Na
instituição não temos armários para guardar devidamente estes objetos que são de
uso pessoal.
Projeto Político Pedagógico 2018 73

As crianças se alimentam nos horários programados pela instituição que


oferece o lanche de acordo com o cardápio e os gêneros alimentícios enviados
pela SEEDF. O lanche é servido na própria sala de aula pela professora, no
matutino acontece às 9h e no vespertino às 15h20, após o recreio. Algumas
famílias providenciam o próprio lanche do filho, o que não é impedido pela escola,
porém orientamos para que evitem o uso de refrigerantes, salgadinhos e alimentos
prejudiciais à saúde.

Orientamos os pais a não trazer os filhos para a escola quando


estiverem doentes, pois não dispomos de pessoas para executar tais
responsabilidades e acreditamos que o melhor neste caso, são os cuidados dos
familiares para atender esta necessidade da criança que fica sofrida, debilitada e
carente de cuidados domésticos.

Outro argumento é que a capacidade para medicar é atributo dos


profissionais da área de saúde, somos profissionais da educação e não podemos
assumir responsabilidades que podem desencadear reações perigosas que
colocam em risco a integridade dos pequenos.

As crianças que apresentam algum tipo de deficiência física, mental ou


intelectual são observadas de perto pela professora, orientadora educacional e se
necessário encaminhadas a Equipe Especializada de Apoio a Aprendizagem para
os devidos diagnósticos. Os pais neste caso são convocados a comparecerem a
escola para entrevista com os devidos profissionais, caso não atendam às
convocações, solicitamos a ajuda do Conselho Tutelar para que o encontro
aconteça, resguardando o direito dos menores.

Após o fechamento dos diagnósticos médicos, se necessário, a criança


será encaminhada para o profissional da sala de recursos.

Quando a criança sofre algum acidente no contexto escolar e necessita


de atendimento médico, ligamos imediatamente para os responsáveis a fim de
comparecer à escola e dar os devidos encaminhamentos. Muitas vezes o socorro
precisa ser imediato, então ligamos para o SAMU, ouCorpo de Bombeiros
solicitando atendimento emergencial, por isso reiteramos a importância dos pais
Projeto Político Pedagógico 2018 74

manterem os seus telefones celulares e domiciliares atualizados na secretaria da


escola ou principalmente na agenda da criança.

Em relação aos cuidados mais gerais com a saúde, a saída das crianças
do convívio restrito familiar as expõe a novos vírus e bactérias causadores de uma
série de doenças. A escola é o local onde muitas vezes acontece este contagio,
justamente porque é aonde ocorre o encontro de inúmeras crianças de contextos
sociais diversos.

Em função disso se faz necessário estabelecer normas e condutas que


venham conscientizar e orientar tanto as famílias como os professores. Como
estratégias para isso temossolicitado aos pais que observem as crianças e
procurem ao médico para esclarecer dúvidas em relação a algumas doenças
infantis.

É muito comum recebermos crianças com catapora, conjuntivite,


caxumba, etc. neste caso, ligamos para os responsáveis a fim de vir buscar as
crianças para realizarem os devidos cuidados médicos. Além destas estratégias,
possibilitamos espaço contínuo de reflexão sobre a saúde das crianças com a
participação de profissionais, pais e professores.

 Relação escola-comunidade
Temos buscado constituir espaços para o exercício cotidiano do
dialogar, entendendo que, para diferenciar e integrar responsabilidades, família e
escola precisam se conhecer para estabelecer uma parceria. A partir do momento
em que a família matricula sua criança, ela recebe um informativo contendo as
regras que devem ser seguidas para o bom funcionamento da escola.

Na primeira reunião informativa com os pais de nossas crianças é


apresentado, primeiramente o organograma da instituição, explicitando todas as
instâncias que o compõem e suas respectivas atribuições.

Em seguida, apresentam-se todas as informações administrativas


necessárias ao bom acolhimento da família neste novo espaço: horários, e
períodos de funcionamento, informações sobre a estrutura das turmas, números de
Projeto Político Pedagógico 2018 75

crianças, o objetivo da Educação Infantil, os seus binômios, o currículo da SEEDF,


as linguagens que serão trabalhadas e a organização pedagógica por temas
mensais.

Continuando com a proposta de compartilhar com a família o


desenvolvimento das crianças, organizamos dentro do nosso calendário escolar, as
reuniões semestrais com os pais de cada turma, a fim de repassar informações
importantes sobre a vida escolar do filho. É entregue nesta reunião o relatório
individual de desenvolvimento e desempenho da criança que aborda os seguintes
itens: adaptação, desenvolvimento sócio afetivo, aspecto cognitivo, aspecto
psicomotor e interação família-escola.

Como a nossa proposta se baseia no acompanhamento individual do


desenvolvimento e desempenho da criança, constituem nosso instrumento de
trabalho as reuniões de orientações às famílias.

Esta orientação é realizada individualmente, podendo acontecer com a


orientadora educacional, com a equipe especializada de apoio a aprendizagem,
com o profissional da sala de recursos, com a coordenadora pedagógica,com a
supervisora pedagógica, ou qualquer membro da direção. Estes momentos são
primordiais, no sentido de família e escola trabalharem juntas com o intuito de
avaliar o que será melhor para a criança que vem apresentando momentos de
agressividade, distúrbios de conduta, transtornos e dificuldades de aprendizagens.

Tradicionalmente temos realizado eventos que constituem estratégias


especiais e prazerosas para integrar a comunidade escolar. São eles: Festa das
Mães, Festa Junina, Festa dos Pais, Bisbilhotando as Artes, Festa de
Encerramento do Ano Letivo, Dia Letivo Temático ou Avaliação Institucional.

 Formação Continuada dos Profissionais


Nossa equipe de profissionais entende que a formação continuada é
uma prática importante para o crescimento do grupo enquanto instituição que
atende crianças que nos desafiam a cada instante a desacomodar o pensamento
científico.
Projeto Político Pedagógico 2018 76

A SEEDF oferece anualmente nos dois semestres letivos cursos de


formação continuada através da EAPE (Escola de Aperfeiçoamento dos
Profissionais da Educação), os cursos possuem cargas horárias específicas e
diversificadas, ou seja, existem cursos de curta e longa duração que estão a
disposição de qualquer profissional que queira participar sendo efetivo ou contrato
temporário. Buscamos incentivar a participação de todos os profissionais.

O calendário da SEEDF prevê três dias para a formação dos


profissionais da Educação Infantil com temas específicos que tem a ver com a
realidade do universo infantil. Antigamente estes dias não eram letivos e
promoviam a integração de todos os profissionais da unidade escolar onde
aconteciam trocas de experiências ricas que colaboravam para o desenvolvimento
de uma práxis pedagógica positiva e criativa.

Este ano a proposta é que as discussões aconteçam nos espaços de


coordenação coletiva por turno de trabalho o que divide o grupo e não propicia uma
rica integração.

As coordenações coletivas utilizadas como processo de formação da


equipe de professores, proporcionam uma reflexão sobrea prática e constituem
espaço para se trabalhar de forma aprofundada aspectos teóricos. Os grupos de
estudos articulam os diversos segmentos de profissionais procurando trabalhar a
demanda destes sobre temas específicos, com o objetivo de pensar e refletir a
prática cotidiana.

A avaliação, elemento indispensável do processo educativo, ocorre de


forma sistemática e contínua, acompanhando a linha de princípios e metodologias
de todos os elementos da proposta pedagógica.
Projeto Político Pedagógico 2018 77

Supervisão e Coordenação
pedagógica

O Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga está localizado na QSE


14 área especial Vila Dimas, Taguatinga Sul atendendo crianças de 4 e 5 anos na
Educação Infantil.
A escola atende a aproximadamente 400 (quatrocentas) crianças
distribuídas em:

 08 turmas de 4 anos...............2° período


 08 turmas de 4 anos...............1° período
A jornada de aula para todas as crianças é de 5(cinco) horas/relógio.

Matutino – 7:30h às12:30h.


Vespertino – 13:00h às 18:00h.

A escola foi inaugurada em 12 de fevereiro de 1968, inicialmente com o


nome de ―Escola Classe 28 de Taguatinga‖ com a modalidade de 1 a a 4a série. Em
1996, a Escola Classe 28 de Taguatinga, passou a atender crianças de 3 a 6 anos
de idade, distribuídas em Maternal II e 1o , 2o e 3o Períodos, sendo duas turmas de
Ensino Especial – D.A..

No ano 2000 esta escola passou a atender somente crianças de 4 a 6


anos de idade. Em 26 de julho de 2000, a ―Escola Classe 28 de Taguatinga‖
passou a se chamar de ―Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga‖.

Os coordenadores desta Instituição de Ensino a partir do ano 2000


foram:

 2000 – Coordenadora: Rosângela Londe;


 2001 – Coordenadora: Rosângela Londe;
 2002 – Não encontrados registros do coordenador;
 2003 – Não encontrados registros do coordenador;
 2004 – Não encontrados registros do coordenador;
 2005 – Coordenadoras: Patrícia Eça e Patrícia Cruvinel;
Projeto Político Pedagógico 2018 78

 2006 – Coordenadoras: Patrícia Eça e Patrícia Cruvinel;


 2007 – Coordenadoras: Patrícia Eça e Adnilda A. Vieira;
 2008 – Não encontrados registros do coordenador;
 2009 – Supervisora Pedagógica: Esther de M. Amaral; Coordenadora:
Rosângela Londe;
 2010 – Supervisora Pedagógica: Rosângela Londe; Coordenadora: Beatriz
Prado;
 2011 – Supervisora Pedagógica: Beatriz Prado; Coordenadora: Luciane A.
de Sá;
 2012 – Coordenadoras: Luciane A. de Sá e Lorena Marra;
 2013 – Coordenadoras: Beatriz Prado e Janete Amaral
 2014 – Supervisora Pedagógica: Patrícia Cruvinel; Coordenadoras: Eliane
Senna e Lorena
 2015 a 2017 - Supervisora Pedagógica: Patrícia Cruvinel; Coordenadoras:
Eliane Senna
 2018 - Supervisora Pedagógica: Patrícia Cruvinel; Coordenadoras: Eliane
Senna e Lorena
OBJETIVO GERAL: Planejar, orientar e acompanhar as atividades
didático-pedagógicas, a fim de dar suporte ao Projeto Pedagógico, promovendo
ações que contribuam para a implementação do Currículo em Movimento da
Educação Infantil, da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal.
Projeto Político Pedagógico 2018
79

8.1 - PLANO DE AÇÃO da Supervisão pedagógica e coordenação local/ Direção

AVALIAÇÃO DAS CRONOGRA


OBJETIVOS METAS AÇÕES RESPONSÁVEIS
AÇÕES MA
I. Participar da elaboração, I. Auxiliar e incentivar no uso dos I. Pesquisar, selecionar e Avaliação é Diretora; Diário;
da implementação, do materiais pedagógicos e colocar disponibilizar os materiais processual e Semanal;
acompanhamento e da todo acervo a disposição para o pedagógicos para uso; continua e serão Supervisora Mensal;
avaliação do Projeto trabalho pedagógico dos utilizadas fichas, Pedagógica ; Semestral.
Político e Pedagógico do professores; II. Planejar as aulas por período, questionários,
CEI 01; reuniões; Coordenadoras
sendo prioritariamente as
II. Orientar e coordenar a II. Propiciar o trabalho em equipe Pedagógicas.
terças-feiras com o 2° Período e
participação docente nas para analisar, discutir, estudar e Apreciação dos
as quintas-feiras com o 1°
fases de elaboração e de aperfeiçoar as questões resultados parciais e
Período;
execução do PPP; pertinentes ao processo ensino- finais
III. Articular ações aprendizagem; III. Orientar preenchimento
pedagógicas entre
conforme orientações da SEE;
professores, equipes de
III. Orientar e fazer
direção e da Regional de
acompanhamento pedagógico IV. Planejar e propor pauta,
Ensino, assegurando fluxo
sobre o preenchimento dos dinâmicas para as reuniões com
de informações;
diários de classe e relatórios; os pais;
IV. Divulgar e incentivar a
participação dos
IV. Planejar e acompanhar as V. Planejar juntamente com
professores em todas as
reuniões de pais e mestres; equipe diretiva os temas a
ações pedagógicas,
promovidas pela serem repassados aos
instituição educacional, V. Preparar e dar apoio aos professores;
Regional de Ensino e SEE, palestrantes convidados nas
inclusive as de formação reuniões de coletivas; VI. Coletar informações e
continuada; sugestões de todos os
V. Estimular, orientar e VI. Construir coletivamente o PPP; segmentos da Instituição
acompanhar o trabalho Escolar;
Projeto Político Pedagógico 2018
80

docente nas VII. Participar, reparar materiais


implementações do pedagógicos e ajudar nos VII. Preparar os slides da historia
Currículo em Movimento teatros, e historias e em Power Point e projetar no
da Educação Infantil, por auxiliando os professores nas Data-show. Dar sugestões de
meio de pesquisas, de apresentações da Hora-cívica e apresentações e subsidiar os
estudos individuais e em demais apresentações na professores nas suas
equipe e de oficinas escola. solicitações.
pedagógicas locais;
VI. Divulgar, estimular e
propiciar o uso de recursos
tecnológicos, no âmbito da
instituição educacional,
com as orientações
metodológicas específicas;
VII. Orientar os
professores recém-
contratados quanto ao
desenvolvimento do PPP;
VIII. Propor reflexão
avaliativa da equipe,
objetivando redimensionar
as ações pedagógicas, e;
IX. Propor ações educativas
que visem ao avanço de
estudos e a recuperação
do processo de ensino e
aprendizagem.
Projeto Político Pedagógico 2018 81

Atuação da Equipe
Especializada SEAA

O planejamento político pedagógico da Equipe Especializada de Apoio à


Aprendizagem (SEAA) do Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga é
fundamentado na Orientação Pedagógica das Equipes Especializadas de Apoio à
Aprendizagem (SEDF, 2010) e na Portaria 30/2013 (SEDF, 2013).
O Serviço Especializado de Apoio à Aprendizagem foi criado no Distrito
Federal em 1968, pela Fundação Educacional, na Escola Parque 307/ 308 Sul. Era
um serviço de caráter multidisciplinar e técnico-pedagógico, voltado para o apoio
ao processo de ensino aprendizagem, especialmente voltado à avaliação de
crianças com queixa escolar.
Depois o Serviço foi transferido para o Centro de Orientação Médico
Psicopedagógico (COMPP), num convênio estabelecido entre a Secretaria de
Educação e a de Saúde. Nessa época o Serviço realizava o diagnóstico diferencial
e complementar dos educandos encaminhados com queixa de fracasso escolar,
dificuldade de aprendizagem ou necessidades educacionais especiais.
Em 1987 as Equipes passaram a ser compostas por pedagogo,
psicólogo e fonoaudiólogo. Logo depois a composição foi alterada para
profissionais orientadores educacionais, psicólogos e pedagogos.
Em 2008 a Orientação Educacional é desvinculada da SEAA e a última é
regulamentada pela Portaria no 254/2008. No ano seguinte é publicado o Plano
Orientador: Equipes Especializadas de Apoio à Aprendizagem e, no ano de 2010 a
Orientação Pedagógica das Equipes Especializadas de Apoio à Aprendizagem
(SEDF, 2010).
O Serviço atualmente é formado por uma equipe multidisciplinar,
composta por Pedagogo e Psicólogo Escolar, que trabalha em parceria com a
Orientação Educacional e demaisprofissionais da escola, para promover a melhoria
da qualidade no processo de ensino e aprendizagem (SEDF, 2010).
A criação e existência do SEAA tem fundamentação na Declaração
Universal dos Direitos Humanos (ONU, 1948), na Declaração Universal dos
Direitos da Criança (ONU, 1959), na Declaração Mundial de Educação para Todos
Projeto Político Pedagógico 2018 82

– Jomitiem/ Tailândia (UNESCO, 1990), na Conferência Mundial sobre


Necessidades Educacionais Especiais: Acesso e Qualidade realizada em
Salamanca na Espanha, e na Declaração de Salamanca, produzida nessa ocasião
(UNESCO, 1994), na Constituição Federal do Brasil (Brasil, 1989), no Estatuto da
Criança e do Adolescente (Brasil, 1994), na Lei de Diretrizes de Bases da
Educação Nacional (LDB), Lei 9394/1996 (Brasil, 1996).
Além disso, o SEAA tem fundamentação teórica sócio interacionista,
compreende o desenvolvimento numa perspectiva epigenética e bioecológica, por
parte da Psicologia, e progressista e pós-moderna, por parte da Pedagogia,
apoiando, especificamente, na Psicologia Histórico Cultural (Vygotsky, 1984, 1989),
na Pedagogia Libertadora (Freire, 1997, 1991), na Pedagogia Histórico-Crítica
(Saviani, 2005), na Pós-modernidade de contestação (Boaventura Santos, 2003) e
na Pedagogia das Competências (Perrenoud, 2000, 1999).

Missão
Contribuir com a excelência no planejamento, execução e
desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem dos alunos e alunas do CEI
01, realizando ações preventivas ao surgimento de queixas-escolares, bem como
ações interventivas e avaliativas em relação à mesma, apoiando a atividade
educativa realizada pelos profissionais da escola, de forma a criar uma cultura de
sucesso escolar.

Valores
A educação é um fenômeno social complexo e multideterminado, com
finalidades sociopolíticas, que visa garantir o desenvolvimento pleno da pessoa, a
preparação para o exercício da cidadania e a inserção no ciclo produtivo da
sociedade em que a pessoa se encontra, promovendo sua emancipação e, por
isso, todo educando deve ter acesso a condições educativas que atendam a suas
necessidades. O SEAA tem papel junto aos demais atores institucionais na
garantia do atendimento às necessidades de cada educando.

1. O educando é protagonista de seu processo educativo.


Projeto Político Pedagógico 2018 83

2. O educando e a sua família não podem ser


culpabilizados por suas dificuldades de aprendizagem, pelo fracasso
escolar ou inadaptação ao contexto escolar.
3. A investigação e a intervenção em relação à queixa
escolar compreende um processo que deve se pautar por uma
compreensão holística do processo educativo.

Atribuições do SEAA a nível local


As atribuições do SEAA a nível local são aquelas desenvolvidas pela
Equipe Diretiva do CEI 01 e pela Equipe do SEAA. A primeira deve atuar
especificamente junto à organização administrativa, material e funcional dos
profissionais que compõe o SEAA (SEDF, 2010, p.94).
As atribuições da Equipe do SEAA compreendem a atuação segundo as
3 dimensões de seu trabalho: mapeamento institucional, assessoria ao trabalho
pedagógico, e acompanhamento do processo de ensino-aprendizagem, esse último
envolvendo o procedimento avaliativo e interventivo das queixas escolares –
PAIQUE (SEDF, 2010).
O PAIQUE é estruturado em 3 níveis: escola, família e aluno (a). Parte
do princípio de que a queixa escolar está relacionada a fatores contextuais e, por
ser inicialmente apresentada pelo professor, é junto a esse e no ambiente escolar
que a investigação e intervenção deve iniciar. Se o caso não tiver solução no nível
escola, a investigação e intervenção têm prosseguimento com a família.
Caso a queixa persista, a investigação e intervenção tem continuidade
com o último nível, o aluno (a). Ao final do PAIQUE é produzido um relatório que
consiste em uma síntese investigativa, na qual são descritas a queixa escolar
inicial, o processo de avaliação e intervenção e seus resultados (SEDF, 2010).

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DAS QUEIXAS ESCOLARES

PAIQUE

NÍVEL 1->Escuta e orientação quando necessário ao professor

NÍVEL 2-> Intervenção junto à escola e a família


Projeto Político Pedagógico 2018 84

NÍVEL 3->Intervenção junto ao professor, à escola, à família e ao aluno,


individualmente ou em grupo.

Composição da Equipe do SEAA do CEI 01 de Taguatinga

No CEI 01 de Taguatinga a equipe é composta por uma pedagoga da


carreira magistério e pela psicólogaNaddia Lopes da carreira assistência, analista
de gestão educacional. A pedagoga atuava nesta escola desde 2009 e aposentou-
se no início do ano letivo de 2018 e até o momento não recebemos uma substituta.
A psicóloga iniciou sua atividade de forma itinerante nessa Instituição Educacional
no ano letivo de 2018.

A atuação da pedagoga envolve:


 Analisar as situações de ensino-aprendizagem, com o objetivo de
apoiar o professor e atender às queixas-escolares;
 Auxiliar no aprimoramento do desempenho dos professores em sala
de aula (conteúdos, métodos, técnicas, formas de organização da classe);
 Promover a adequação do ensino às necessidades dos alunos;
 Escutar e orientar pais e familiares, em relação aos aspectos que
interfiram direta ou indiretamente no desempenho escolar dos alunos, tais como
relacionais, subjetivos e pedagógicos;
 Desenvolver projetos de intervenção pedagógica junto à comunidade
escolar;
 Realizar a avaliação pedagógica do aluno encaminhado à SEAA.
A atuação da psicóloga, por seu turno, é orientada a:
 Analisar as relações interpessoais;
 Analisar as práticas pedagógicas;
 Criar um espaço de interlocução entre membros da comunidade
escolar;
 Conscientizar sobre aspectos intersubjetivos relacionados ao contexto
escolar;
Projeto Político Pedagógico 2018 85

 Conscientização de papeis, funções e responsabilidades dos


membros da comunidade escolar;
 Ressignificação de concepções sobre o desenvolvimento, processo
de ensino-aprendizagem;
 Proporcionar a valorização do ser humano no contexto escolar.
Projeto Político Pedagógico 2018
86

8.2. - PLANO DE AÇÃO COMO CONSTRUÇÕES COLETIVAS


PLANO DE AÇÃO DO SERVIÇO ESPECIALIZADO DE APOIO À APRENDIZAGEM 2017
Pedagoga: ------------- Psicóloga:Naddia Lopes

RESPONSÁVEIS
OBJETIVOS METAS AÇÕES AVALIAÇÃO CRONOGRAMA
PARCERIAS
Encontro com professores
em coordenação coletiva
Realização 2 estudos para plantões e estudos
com professores em
parceria com o AEE 1. Estudo com o tema:
Diversidade e AÇÕES 1, 2: Uma
necessidades específicas coordenação coletiva
Realização de plantões Parte 01 - Diversidade para cada ação.
de atendimento aos social da infância na escola
I. Refletir sobre a Acontecerá ao
professores. atual. AÇÃO 3: Conforme a
aplicabilidade de término de cada
demanda recebida,
conceitos como meio Parte 02 –Desenvolvendo atividade, por meio
Atendimento aos pais Pedagoga, Psicóloga, com dia e horário
habilidades noANEE por da aplicação de
de estruturação do O.E, coordenação local. previamente
instrumento
desenvolvimento Realização de oficina meio de jogos e outras estabelecidos.
avaliativo individual
pedagógico infantil. para pais de alunos em atividades.
ou grupal.
atendimento no nível Ações 4, 5,6: Em dias
família 2. Plantões de marcados para
realização destas
atendimento para
Acompanhamento de atividades.
alunos com contextualização acerca
necessidades das avaliações,
específicas atendimentos e
acompanhamentos
realizados, informes
Projeto Político Pedagógico 2018
87

eentrevistas sobre os
alunos encaminhados com
queixa escolar, para
professores e pais.

3. Oficina pedagógica para


paisde alunos em
atendimento no nível
família com tema a ser
definido a partir da
especificidade da queixa

II. Favorecer a reflexão


sobre importância da
participação dos pais
Ao longo da
no processo de plena
realização dos
adaptação na escola
1. Encontros individuais ou encontros e, de
bem como no
coletivos com pais em forma mais
desenvolvimento global
momento específico, sistematizada, ao Encontros periódicos,
do filho. Pedagoga, Psicóloga,
Atender todos os pais marcado previamente. final do anoletivo ou agendados
O.E e coordenação
de crianças no início do previamente junto aos
. Refletir sobre as local.
encaminhadas. 2. Participação nos posterior na pais conforme a
formas de
eventos diários, apresentação da necessidade.
intervenção/acompanh
juntamente com a Direção proposta de
amento do filho para
e Coordenação da Escola. trabalhoeanálisedos
sanar as dificuldades
resultados obtidos
que interferem em seu
no ano anterior.
pleno
desenvolvimento.
Projeto Político Pedagógico 2018
88

1. Por meio de solicitações


feitas diretamente pelo
professor regente,
partindo do
encaminhamento do
orientador educacional da
escola, criando espaço de
escuta, dando orientações
e avaliando de maneira Por meio de relatórios
contextual a queixa avaliativos ou
apresentada, interventivos.
Atendimento a
encaminhando para
demanda de
III. Avaliação/ avaliação especializada Por meio da análise
professores, pais e
Intervenção da Queixa complementarquando Durante todo ano Pedagoga, Psicólogas, quantitativa e
alunos no contexto
Escolar (PAIQUE) necessário. letivo. O.E, Coordenação local. qualitativa do número
escolar a partir do
de encaminhamentos
recebimento da queixa.
2. Realizar ações de recebidos, suas
avaliação/intervenção características e
educacional junto aos encaminhamentos
professores, famílias e originados.
alunos encaminhados com
queixas escolares
individualmente ou em
grupo de acordo com a
demanda apresentada,
com vistas à promoção do
sucesso escolar.
Projeto Político Pedagógico 2018 89

8.3-Atuação da
Orientação Educacional

Historicamente, a orientação educacional tem sido uma das funções


exercidas pelo profissional da educação denominado pedagogo. A prática do
Orientador Educacional deve estar vinculada às questões pedagógicas e ao
compromisso ético de contribuir na construção de uma escola democrática,
reflexiva e cidadã (Balestro, 2005).
A prática do Orientador Educacional exige competências em
organização para que o processo educacional flua de forma clara, transparente e
comprometida, considerando a realidade escolar, a modalidade e as etapas de
ensino nas quais o Orientador Educacional atua.
Na Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, o trabalho de
Orientação se subdivide em três níveis, com atribuições específicas.
Em NÍVEL LOCAL o Orientador Educacional tem como atribuições
divididas em sete eixos:
1- Ações para implantação da Orientação Educacional – organizar e
sistematizar o trabalho a ser realizado na instituição educacional;
2- Ações no âmbito institucional – conhecer a clientela e identificar a
demanda escolar a ser acompanhada pelo Orientador Educacional;
3- Ações junto ao corpo decente – integrar suas ações às do professor,
como colaborador no processo de aprendizagem e no desenvolvimento da criança;
4- Ações junto ao corpo discente – contribuir para o desenvolvimento
integral da criança, ampliando suas possibilidades de interagir no meio social,
como ser autônomo, crítico e participativo;
5- Ações junto a família – participar ativamente do processo de
integração família/escola/comunidade, realizando ações que favoreçam o
envolvimento dos pais no processo educativo;
6- Ações na área de estágio supervisionado em Orientação Educacional
– proporcionar vivência teórico-prática aos estudantes na área de Orientação
Educacional;
Projeto Político Pedagógico 2018 90

7- Ações junto á rede social – integrar ações da Orientação Educacional


com outros profissionais da instituição educacional e instituições especializadas.
As atribuições explicitadas deverão ser cumpridas em acordo mútuo
entre todos os profissionais/educadores da instituição educacional, em exercício
democrático, de modo a promover o processo contínuo de evolução da
aprendizagem em todas as etapas e modalidades da Educação Básica da
Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal.

I. Contextualização – breve diagnóstico da realidade


escolar:
A proposta deste trabalho é apresentar o plano de trabalho da
Orientação Educacional do Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga,
localizado a QSE 14 – Área Especial Vila Dimas- Taguatinga Sul. Em2018 esta
escola está atendendo 350 crianças de 4 e 5 anos distribuídas em dezesseis
turmas sendo oito no matutino e oito no vespertino, que na maioria residem nas
quadras próximas a escola.

A maior dificuldade enfrentada pela Orientação Educacional é no âmbito


das ações realizadas com os pais ou responsáveis, devido às dificuldades
encontradas poreles de estabelecer uma parceria mais concreta no atendimento
conjunto à criança. Em seguida o grande número de faltas da criança causadas
pelas doenças da infância, justificadas com atestados ou verbalmente, acarreta
inúmerosentraves na adaptação da criança à escola, e no desenvolvimento de sua
aprendizagem.

II. Objetivo Geral:


Acompanhar o desenvolvimento integral dos alunos e intervir de forma
significativa nesse processo; informar a família quanto ao desempenho do filho,
além de orientá-la e envolvê-la no processo; dar o apoio necessário aos
Projeto Político Pedagógico 2018 91

professores; tomar as decisões cabíveis diante de cada situação, juntamente com


todos que, indispensavelmente, formam essa equipe - professores, coordenadores
e direção; e mediar interação entre escola e família.

III. Desenvolvimento

Segundo o Ministério da Educação (MEC), ―são temas que estão


voltados para a compreensão e para a construção da realidade social e dos direitos
e responsabilidades relacionados com a vida pessoal e coletiva e com a afirmação
do princípio da participação política. Isso significa que devem ser trabalhados, de
forma transversal, nas áreas e/ou disciplinas já existentes‖. Os temas transversais,
nesse sentido, correspondem a questões importantes, urgentes e presentes sob
várias formas na vida cotidiana.

Com base nessa idéia, o MEC definiu alguns temas que abordam
valores referentes à cidadania: Ética, Saúde, Meio Ambiente, Orientação Sexual,
Trabalho e Consumo e Pluralidade Cultural. No entanto, os sistemas de ensino, por
serem autônomos, podem incluir outros temas que julgarem de relevância social
para sua comunidade.

Os temas transversais são assim adjetivados por não pertencerem a


nenhuma área de conhecimento específica, mas atravessarem todas elas como se
a todas fossem pertinentes. Eles fazem parte dos Parâmetros Curriculares
Nacionais (PCNs), criados a partir do Plano Nacional de Educação (PNE),
estabelecido em 1999, os quais não constituem uma imposição de conteúdos a
serem ministrados nas escolas. São propostas nas quais a Orientação Educacional
baseou para elaborar seu próprio Plano de Ação:
Projeto Político Pedagógico 2018 92

EIXO 1: ÉTICA – Equidade, Solidariedade, cooperação e


repúdio as injustiças sociais.

A Ética diz respeito às reflexões sobre as condutas humanas. A


pergunta ética por excelência é: ―Como agir perante os outros?‖. Verifica-se que tal
pergunta é ampla, complexa e sua resposta implica tomadas de posição
valorativas.

A questão central das preocupações éticas é a da justiça entendida


como inspirada pelos valores de igualdade e eqüidade.

Na escola, o temaÉtica encontra-se, em primeiro lugar, nas próprias


relações entre os agentes que constituem essa instituição: alunos, professores,
funcionários e pais.

Em segundo lugar, o temaÉtica encontra-se nas disciplinas do currículo,


uma vez que, sabe-se, o conhecimento não é neutro, nem impermeável a valores
de todo tipo. Finalmente, encontra-se nos demais Temas Transversais, já que, de
uma forma ou de outra, tratam de valores e normas. Em suma, a reflexão sobre as
diversas faces das condutas humanas deve fazer parte dos objetivos maiores da
escola comprometida com a formação para a cidadania.

Partindo dessa perspectiva, o temaÉtica traz a proposta de que a escola


realize um trabalho que possibilite o desenvolvimento da autonomia moral,
condição para a reflexão ética. Para isso foram eleitos como eixos do trabalho
quatro blocos de conteúdo: Respeito Mútuo, Justiça, Diálogo e Solidariedade,
valores referenciados no princípio da dignidade do ser humano, um dos
fundamentos da Constituição brasileira.
Projeto Político Pedagógico 2018 93

EIXO 2: PLURALIDADE CULTURA – diversidade do patrimônio


cultural brasileiro e repúdio a discriminação social, de
classe, crença religiosa ou sexo.

Para viver democraticamente em uma sociedade plural é preciso


respeitar os diferentes grupos e culturas que a constituem. A sociedade brasileira é
formada não só por diferentes etnias, como por imigrantes de diferentes países.

Além disso, as migrações colocam em contato grupos diferenciados.


Sabe-se que as regiões brasileiras têm características culturais bastante diversas e
a convivência entre grupos diferenciados nos planos social e cultural muitas vezes
é marcada pelo preconceito e pela discriminação.

O grande desafio da escola é investir na superação da discriminação e


dar a conhecer a riqueza representada pela diversidade etnocultural que compõe o
patrimônio sociocultural brasileiro, valorizando a trajetória particular dos grupos que
compõem a sociedade. Nesse sentido, a escola deve ser local de diálogo, de
aprender a conviver, vivenciando a própria cultura e respeitando as diferentes
formas de expressão cultural.
Projeto Político Pedagógico 2018 94

EIXO 3: MEIO AMBIENTE

A vida cresceu e se desenvolveu na Terra como uma trama, uma grande


rede de seres interligados, interdependentes. Essa rede entrelaça de modo intenso
e envolve conjuntos de seres vivos e elementos físicos. Para cada ser vivo que
habita o planeta existe um espaço ao seu redor com todos os outros elementos e
seres vivos que com ele interagem, por meio de relações de troca de energia: esse
conjunto de elementos, seres e relações constitui o seu meio ambiente.

Explicado dessa forma, pode parecer que, ao se tratar de meio


ambiente, se está falando somente de aspectos físicos e biológicos. Ao contrário, o
ser humano faz parte do meio ambiente e as relações que são estabelecidas —
relações sociais, econômicas e culturais — também fazem parte desse meio e,
portanto, são objetos da área ambiental.

Ao longo da história, o homem transformou-se pela modificação do meio


ambiente, criou cultura, estabeleceu relações econômicas, modos de comunicação
com a natureza e com os outros. Mas é preciso refletir sobre como devem ser
essas relações socioeconômicas e ambientais, para se tomar decisões adequadas
a cada passo, na direção das metas desejadas por todos: o crescimento cultural, a
qualidade de vida e o equilíbrio ambiental.
Projeto Político Pedagógico 2018 95

EIXO 4: SAÚDE– direito de todos, relação com o meio físico e


social, fatores de risco e hábitos de auto cuidado.

O nível de saúde das pessoas reflete a maneira como vivem, numa


interação dinâmica entre potencialidades individuais e condições de vida. Não se
pode compreender ou transformar a situação de um indivíduo ou de uma
comunidade sem levar em conta que ela é produzida nas relações com o meio
físico, social e cultural.

Falar de saúde implica levar em conta, por exemplo, a qualidade do ar


que se respira, o consumismo desenfreado e a miséria, a degradação social e a
desnutrição, formas de inserção das diferentes parcelas da população no mundo
do trabalho, estilos de vida pessoal. 28 Atitudes favoráveis ou desfavoráveis à
saúde são construídas desde a infância pela identificação com valores observados
em modelos externos ou grupos de referência.

A escola cumpre papel destacado na formação dos cidadãos para uma


vida saudável, na medida em que o grau de escolaridade em si tem associação
comprovada com o nível de saúde dos indivíduos e grupos populacionais. Mas a
explicitação da educação para a Saúde como tema do currículo eleva a escola ao
papel de formadora de protagonistas — e não pacientes — capazes de valorizar a
saúde, discernir e participar de decisões relativas à saúde individual e coletiva.

Portanto, a formação do aluno para o exercício da cidadania


compreende a motivação e a capacitação para o autocuidado, assim como a
compreensão da saúde como direito e responsabilidade pessoal e social.
Projeto Político Pedagógico 2018 96

EIXO 5: ORIENTAÇÃO SEXUAL – perspectiva social, diversidade


e dignidade do ser humano, conhecimento do corpo,
sentimento e afeto.

A Orientação Sexual na escola deve ser entendida como um processo


de intervenção pedagógica que tem como objetivo transmitir informações e
problematizar questões relacionadas à sexualidade, incluindo posturas, crenças,
tabus e valores a ela associados. Tal intervenção ocorre em âmbito coletivo,
diferenciando-se de um trabalho individual, de cunho psicoterapêutico e enfocando
as dimensões sociológica, psicológica e fisiológica da sexualidade.

Diferencia-se também da educação realizada pela família, pois


possibilita a discussão de diferentes pontos de vista associados à sexualidade, sem
a imposição de determinados valores sobre outros.

O trabalho de Orientação Sexual visa propiciar aos jovens a


possibilidade do exercício de sua sexualidade de forma responsável e prazerosa.
Seu desenvolvimento deve oferecer critérios para o discernimento de
comportamentos ligados à sexualidade que demandam privacidade e intimidade,
assim como reconhecimento das manifestações de sexualidade passíveis de
serem expressas na escola.
Projeto Político Pedagógico 2018 97

Propõem-se três eixos fundamentais para nortear a intervenção do


professor: Corpo Humano, Relações de Gênero e Prevenção às Doenças
Sexualmente Transmissíveis/AIDS. A abordagem do corpo como matriz da
sexualidade tem como objetivo propiciar aos alunos conhecimento e respeito ao
próprio corpo e noções sobre os cuidados que necessitam dos serviços de saúde.

A discussão sobre gênero propicia o questionamento de papéis


rigidamente estabelecidos a homens e mulheres na sociedade, a valorização de
cada um e a flexibilização desses papéis. O trabalho de prevenção às doenças
sexualmente transmissíveis/AIDS possibilita oferecer informações científicas e
atualizadas sobre as formas de prevenção das doenças. Deve também combater a
discriminação que atinge portadores do HIV e doentes de AIDS de forma a
contribuir para a adoção de condutas preventivas por parte dos jovens.

EIXO 6: EDUCAÇÃO E TRABALHO– o mundo do trabalho,


desenvolvimento e formação pessoal e globalização.

O tema transversal Trabalho/Consumo torna-se adequado para


apresentar às crianças o mundo do trabalho, criando espaço apropriado para
discutir assuntos como consumo, direitos, desemprego, combate ao trabalho
infantil, colaboração no ambiente familiar etc.
Projeto Político Pedagógico 2018 98

EIXO 7: TEMAS LOCAIS

O trabalho com temas sociais na escola, por tratar de conhecimentos


diretamente vinculados à realidade, deve estar aberto à assimilação de mudanças
apresentadas por essa realidade. As mudanças sociais e os problemas que surgem
pedem uma atenção especial para se estar sempre interagindo com eles, sem
ocultá-los.

Assim, embora os temas tenham sido escolhidos em função das


urgências que a sociedade brasileira apresenta, dadas as grandes dimensões do
Brasil e as diversas realidades que o compõem, é inevitável que determinadas
questões ganhem importância maior em uma região. Sob a denominação de
Temas Locais, os Parâmetros Curriculares Nacionais pretendem contemplar os
temas de interesse específico de uma determinada realidade a serem definidos no
âmbito do Estado, da cidade e/ou da escola.

Uma vez reconhecida a urgência social de um problema local, este


poderá receber o mesmo tratamento dado aos outros Temas Transversais.
Tomando-se como exemplo o caso do trânsito, vê-se que, embora esse seja um
problema que atinge uma parcela significativa da população, é um tema que ganha
significação principalmente nos grandes centros urbanos, onde o trânsito tem sido
fonte de intrincadas questões de natureza extremamente diversa.

Pense-se, por exemplo, no direito ao transporte associado à qualidade


de vida e à qualidade do meio ambiente; ou o desrespeito às regras de trânsito e a
segurança de motoristas e pedestres (o trânsito brasileiro é um dos que, no mundo,
causa maior número de mortes). Assim, visto de forma ampla, o tema trânsito
remete à reflexão sobre as características de modos de vida e relações sociais.
Projeto Político Pedagógico 2018 99

IV – Observações
Acrescentei dois eixos finais para melhor visualização das atividades
desenvolvidas pela orientadora educacional. As atividades serão descritas passo a
passo no relatório semestral.

V –Referências
BALESTRO, M . A trajetória e a prática da orientação educacional – Revista
Prospectiva nº 28, 2004/2005.

GRISPUN, Mirian P.S. Zippin (org.) A prática dos orientadores educacionais. São
Paulo: Cortez, 1994.

________________. A orientação educacional: conflito de paradigmas e


alternativas para a escola. São Paulo Cortez, 2011.

________________. Supervisão e orientação educacional – perspectiva de


integração na escola. 4. Ed. São Paulo: Cortez, 2008.

KRAMER, S.A infância e sua singularidade. In: BRASIL. Ministério da Educação.


Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis
anos de idade. Org. JeaneteBeauchamp, Sandea Denise Pagel, Areicélia Ribeiro
do Nascimento. Brasília: FNDE, Estação Gráfica, 2006.

LÜCK, Heloísa. Ação Integrada - Administração, Supervisão e Orientação


Educacional, Ed. Vozes, 2008.

NERICI, Imídeo G. Introdução a Orientação Educacional. 3. ed. São Paulo: Atlas,


1983.

PORTO, Olívia. Orientação Educacional: teoria, prática e ação. Rio de Janeiro:


Wok Ed. 2009.

APÊNDICE – A: Logomarca da Orientação Educacional


Projeto Político Pedagógico 2018 100

8.3.1-PLANO DE AÇÃO Orientação Educacional 2016

Cronograma

Novembro
Dezembro
Setembro
Responsáveis

Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

01 Ações para Organizar e - Manutenção do arquivo passivo de OE X


implementação do sistematizar o 2017.
Serviço de trabalho a ser Filho- X
Orientação realizado na - Reajuste da logomarca para Hithanohan
Educacional e instituição representar a Orientação Educacional.
Direção
Formação educacional - Manutenção de ficha para registrar X
contatos com pais/responsáveis. Secretaria
Auxiliar-Valdeci
- Reformulação da ficha de

Encaminhamento da criança pelo X


professor a OE

X
- Histórico e apresentação da OE para X X
a comunidade escolar

-Seminário de Valorização da
Primeira Infância e Cultura da Paz
Projeto Político Pedagógico 2018 101

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

02 Ações no âmbito Conhecer a - Encontro pedagógico OE X


institucional clientela e
identificar a - Planejamento pedagógico da Direção X
demanda escolar comunidade escolar
SEAA X
a ser - Reunião de pais
acompanhada Secretaria da X
- Semana Distrital e Nacional de Criança
Educação Infantil

- Dia Distrital da Educação Infantil X

- Avaliação pedagógica do X
Semestre/Reunião com a
comunidade escolar
X X
- Dia de Luta da Pessoa com
Deficiência- Elmer o Elefante
Xadrez
X
- Construção do PPP
Projeto Político Pedagógico 2018 102

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

02 Ações no âmbito - Semana de valorização para a vida OE X


institucional
(cont.) Cont. – exposição dos bebês na reunião de Direção X
pais
Professores

Oficina X
- Dia da consciência negra Pedagógica

Professores
X X
- Confraternização do natal

X
- Avaliação Institucional

X
- Gestão Democrática
Projeto Político Pedagógico 2018 103

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

03 Ações junto ao Integrar as ações - Participar da execução e avaliação OE X X X X X X X X X X X


corpo docente da OE às do das atividades coletivas
professor, e Direção
colaborar no - Desenvolver atividades em
conjunto com os professores nas Corpo Docente X X X X X X X X X X X
processo de
aprendizagem e áreas dos temas transversais SEAA
no - participar das reflexões/ discussões X X X X X X X X X X X
desenvolviment sobre as normas disciplinares
o da criança.
- Sensibilizar a comunidade escolar
para as práticas de Educação X X X X X X X X X X X
Inclusiva

- Participar das coordenações


coletivas com os professores X X X X

Participar do Conselho de Classe


Projeto Político Pedagógico 2018 104

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

03 Ações junto Cont. - Participar de estudo de caso X X X X X X X X X X X


ao corpo
docente - Promover atividades que X X X X X X
contribuam para a formação
continuada:

 Cuidados com a voz

 Objeto de ensino e as
condições didáticas

 Aprender e ensinar

 Registros reveladores

 Bons modelos

 Sexualidade na educação
infantil

 Território do Brincar
Projeto Político Pedagógico 2018 105

Cronograma

Novembro
Dezembro
Ações / Atividades Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos
Parcerias

03 Ações junto Cont. - Colaborar com o professor e SEAA O.E X X X X X X X X X X X


ao corpo no encaminhamento de alunos
docente X X X X X X X X X X X
- Realizar a devolutiva dos
atendimentos e encaminhamentos de
alunos
Projeto Político Pedagógico 2018 106

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

04 Ações junto Intervir nos - Adaptação escolar - Direção X X


ao corpo fenômenos
discente psicológicos - As mãos não são para bater - Professores X
que, - Dia do Estudante: A Cuca não foi - O.E X
ocasionalmente, para a escola
possam ocorrer
no processo - Dia de Combate ao Trabalho Infantil
X
educativo e
- Dia do Folclore: Os 10 Sacizinhos
intervir na
vivência de - Straga Nona
situações novas,
na socialização e - Namoro não é coisa de criança X X
no processo de X
- Boas atitudes no Recreio: Rosinha X
aprendizagem
Rosada
das crianças.
- A Cigarra e a Formiga
X
Projeto Político Pedagógico 2018 107

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

O4 Ações junto Cont. - Mundinho das Boas Atitudes X X


ao corpo
discente  Respeito pelas pessoas

 Esperar a hora e vez de falar

 Saber usar as palavras: por


favor, obrigada, com licença,
X
etc.

- Prevenção ao uso indevido de


drogas: A Borboletinha Lili –
Combate ao cigarro

- Uso indevido de drogas: Um Siri


Enlatado – álcool X
X
- Quem roubou a alegria do palhaço X
X X
- Aedes Aegypti

- Dia do livro infantil: Diversidade


de livros infantis
Projeto Político Pedagógico 2018 108

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

04 Ações junto Cont. Sexualidade: X


ao corpo
discente - Gênero-Banho das bonecas

- Gravidez: A mãe de Júlio espera


um bebê
X
- Barbie grávida
X
- Prevenção ao abuso sexual: X
Cuidando do meu “segredinho” X

- Bebê no Balão: Nascimento,


registro, cuidados, exposição.
X X X
- Meio Ambiente: A Herdeira das
Bruxas

- Diversidade Cultural: Brasil de


todas as cores
Projeto Político Pedagógico 2018 109

Cronograma

Novembro
Dezembro
Setembro
Responsáveis

Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

04 Ações junto Cont. – Blitz Educativa – Dia de combate X


ao corpo a exploração Sexual Infantil
discente
- Exposição dos bebês na reunião de
pais X

- Deu piolho na juba do Leão

- Teatro- Elmer, o elefante xadrez. X

- Dia nacional da consciência Negra X


– Teatro – Pretinha das Neves e X
Kiriku e a Feiticeira X
X
- Margarida Friorenta
X
- ECA: Estatuto da criança e do
adolescente
Projeto Político Pedagógico 2018 110

Cronograma

Novembro
Dezembro
Setembro
Responsáveis

Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

05 Ações junto à Trabalhar para - Adaptação escolar Direção X


família promover a
proximidade entre - Dia mundial sem tabaco Supervisão X
família e escola - Dia internacional para a eliminação SEAA X
contribuindo para o da violência Contra a mulher
desenvolvimento da OE X
criança. Construindo - Dia internacional de luta contra a
AIDS EC 11
uma relação de
diálogo, Creche X
- Como preparar seu filho para o
estabelecendo uma Cantinho da
Ensino Fundamental (2º período)
sintonia na qual a Paz
construção de cada
Professores X
parte seja acolhida e
respeitada, em - Remanejamento Natural- EC11 e
Auxiliares X
benefício do bem- Creche Cantinho da Paz
estar da criança. X X X X X X X X X X X
- Família Talentosa

- Fique de olho: textos informativos


Projeto Político Pedagógico 2018 111

Cronograma

Novembro
Dezembro
Setembro
Responsáveis

Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

05 Ações junto à Cont. Direção X


família
- Classificação Indicativa SEAA

- Combate à violência sexual infantil OE X X X X

- Fumantes passivos X

- Semana de Educação para a Vida:

Texto 1: Dicas da OE X

Texto 2:O que fazer para combater o


piolho?

Texto 3: O sono da criança

Texto 4: Frequência escolar

Texto 5: Combate à Pedofilia

-Estresse tóxico na infância


Projeto Político Pedagógico 2018 112

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

05 Ações junto à Cont. – Dia Nacional da Família na Família X


família Escola: Palestra – Filhos Órfãos de
Pais vivos. Direção

- Problemas na fala da criança Professores

- Orientar os pais sobre os hábitos:

 Alimentares X

 Sono
X
 Doenças da infância X
X X X
- Combate a infrequência e a
evasão escolar
Projeto Político Pedagógico 2018 113

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

06 Ações na área Proporcionar Apresentação do trabalho de Supervisão X X


de estágio vivência teórico- Orientação Educacional – Entrevista Pedagógica
supervisionad prática aos com a Orientadora Educacional
o em estudantes na área de OE
Orientação Orientação Faculdade
Educacional Educacional Estácio de Sá
Projeto Político Pedagógico 2018 114

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

07 Ações junto à Integrar ações com - Buscar apoio do Conselho Tutelar Direção X X X X X X X X X X X
Rede Social outros profissionais
da escola e OE
instituições Posto de Saúde
especializadas
- Buscar atendimentos na Rede de Conselho Tutelar X X X X X X X X X X X
Saúde
Secretaria da
Criança

X X X
- Estabelecer parceria com a
Secretaria da Criança
Projeto Político Pedagógico 2018 115

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

08 Ações junto à Colaborar junto a X


Direção Direção
- Dia Internacional da mulher X

- Páscoa no Sítio do Pica-Pau


Amarelo
X

- Dia do Índios
X
- Dia das Mães
X

- Festa da família
Projeto Político Pedagógico 2018 116

Cronograma

Novembro
Dezembro
Responsáveis

Setembro
Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

08 Ações junto à Cont. - Festa junina X


Direção
X

- Dia dos pais X

- Projeto: Bichos Brasileiros X X X X


- Conselho de Classe X
- Trânsito
X
- Cinema:
X
- Zoológico
X
- Olimpíadas 2016

- Base Nacional Comum Curricular


Projeto Político Pedagógico 2018 117

Cronograma

Novembro
Dezembro
Setembro
Responsáveis

Fevereiro

Outubro
Agosto
Março

Junho
Julho
Maio
Abril
Eixo Objetivos Ações / Atividades
Parcerias

09 Ações junto Contribuir para o Cuidando de quem cuida da escola: Direção OE X


aos auxiliares bom relacionamento
entre membros do - Relações interpessoais
grupo X

- Autoestima
Projeto Político Pedagógico 2018 118

8.4 - Atuação do atendimento


educacional especializado
AEE/Sala de REcursos

OBJETIVO GERAL:
Identificar, elaborar e organizar recursos pedagógicos e de
acessibilidade que eliminem as barreiras para a plena participação dos alunos com
Necessidades Educacionais Especiais, considerando as suas necessidades
específicas, bem como oportunizar atividades que favoreça a estimulação de todo
o tipo de interação que possa beneficiar o seu desenvolvimento cognitivo, motor,
afetivo e social.

JUSTIFICATIVA:
O Atendimento Educacional Especializado realizado nas salas de
recursos é definido nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação
Especial, como um serviço de natureza pedagógica, conduzido por professor
especializado, que desenvolve diferentes atividades com os alunos com
necessidades educacionais especiais, complementando e/ou suplementando as
orientações curriculares desenvolvidas em classe comuns em todas as etapas e
modalidades da Educação Básica.

É de fundamental importância que se construa um ambiente propício em


que se estime o respeito e acolhimento às diferenças. Seja o educador expoente
de altruísmo, que combata todo o tipo de preconceito e, sobretudo que acredite que
todos são capazes de aprender, mesmo diante das limitações características da
deficiência e que oportunize a todos os alunos a convivência mútua, a interação em
grupo em que se beneficie a troca de experiências e conhecimentos de forma
cooperativa e solidária ao mesmo tempo em que se estimule a autoconfiança e a
autonomia, respeitando a heterogeneidade da classe, por compreender que cada
aluno é um ser único com especificidades que lhe são inerentes.
Projeto Político Pedagógico 2018 119

A escola inclusiva deve adotar um modelo de ensino em que o


desenvolvimento da pessoa seja o ponto crucial em que adeficiência não seja o
foco principal, pois, quando se ressalta a deficiência em detrimento da pessoa, se
supervaloriza a deficiência e suas limitações, evidenciando-se assim as
dificuldades versus as potencialidades do sujeito.

O AEE destina-se a alunos com deficiência, transtornos globais do


desenvolvimento - TEA e altas habilidades/superdotação, devendo ser oferecido
preferencialmente na mesma escola em que o aluno frequenta o ensino regular, em
turno inverso para não dificultar ou impossibilitar a frequência à sala de aula
comum.

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
CONTRIBUIÇÃO DA PERSPEcTIVA
HISTÓRICO- CULTURAL

Ao se abordar as questões educacionais tendo o ser humano, como um


ser ativo neste campo, ressalta-se a importância de se ter conhecimento de quem
ele é e como o meio em que vive pode influenciar no seu desenvolvimento.
Com base na teoria de VIGOSTSKI, entende por desenvolvimento
humano um processo de transformação sucessivas e permanentes, considerando a
herança biológica do indivíduoe suas experiências vividas ao longo da sua Vida.
Portanto, a criança no ambiente escolar relaciona-se com o meio podendo
beneficiar-se das relações que estabelece com seus colegas, o que contribui para
a aprendizagem, possibilitando o desenvolvimento intelectual.
Diante dessa oportunidade de crescimento, o convívio com as diferenças
a criança principalmente a ANEE conta com um ambiente propício ao seu
desenvolvimento global, promovendo sua independência para atuar de forma ativa
na sociedade.
A educação inclusiva tem se pautado na perspectiva de valorização da
diversidade como fator capaz de enriquecer o processo educacional. Devendo, as
escolas serem capazes de alcançar á todos os alunos, inclusive aqueles com
comprometimento mais severo. Segundo a Declaração de Salamanca (ONU 1994),
todas as crianças tem direito de acesso ao ensino regular, cabendo ao sistema
Projeto Político Pedagógico 2018 120

educacional implementar programas que considerem a diversidade humana dentro


de uma pedagogia centrada na criança. Com base nisto a sala de recursos do
Centro de Educação Infantil 01 de Taguatinga trabalhará de forma a promover e
facilitar o processo de inclusão, através de estratégias teórico-metodológicas que
permitam o pleno desenvolvimento das crianças.
O trabalho da sala de recursos está fundamentado nas Orientações
Pedagógicas para a Educação Especial de 2010 baseadas nas legislações
internacional, federal e local.

EDUCAÇÃO ESPECIAL NO DF HISTÓRICO E


PERSPECTIVAS ATUAIS

Na década de 70 nas escolas públicas do DF, teve início a integração de


alunos com necessidades educacionais especiais, após uma preparação no ensino
especial ingressavam no sistema regular de ensino. Este modelo se mostrou
ineficaz, visto que o ensino regular não proporcionava as mudanças necessárias
para a adaptação desta nova clientela.
O processo de inclusão proposto intencionalmente iniciouno DF nos
anos 90, onde a escola é que deveria adaptar ao estudante, e não o inverso,
possibilitando a aprendizagem e o desenvolvimento, por meio de medidas que
oportunizassem a inclusão social do aluno.
Diante desta nova realidade, através de mudanças graduais a inclusão
escolar vem ocorrendo de maneira paulatina com o objetivo de atingir toda a rede
pública com coerência e responsabilidade, cujo objetivo principal é de adequar o
atendimento ao ANEE no ensino regular da rede pública de ensino do DF.
Com o olhar inovador no âmbito escolar tendo como foco de observação
e análise dos objetivos, conteúdos, metodologias, atividades e processo avaliativo,
enfatizando a necessidade de se respeitar a flexibilidade da dimensão e
temporalidade.
O Sistema Público de Ensino do Distrito Federal deve garantir o acesso,
a participação, e condições adequadas de aprendizagem aos alunos com
deficiências, transtorno global do desenvolvimento e altas
habilidades/superdotação,preferencialmente, em classes de ensino regular.
Projeto Político Pedagógico 2018 121

CARACTERIZAÇÃO DA SALA DE RECURSOS

A sala de recursos é um espaço muito importante para o ANEE, onde o


mesmo recebe o apoio necessário no seu aprendizado com o suporte para
participar das atividades da escola de maneira independente pela oferta de
recursos apropriada as suas necessidades de adaptação cognitivas e emocionais,
visando o seu acolhimento e a sua permanência no ensino regular.
A sala de recursos tem como público-alvo os ANEE(s) como: DI, DMU,
TGD, DA, DV, Altas Habilidades/super-dotação.O trabalho da sala de recursos está
fundamentado nas orientações pedagógicas de 2010, que a considera um serviço
de natureza obrigatória.

ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR DE
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

O professor deve atuar, como docente, nas atividades de


complementação ou suplementação curricular específica que constituem o
atendimento educacional especializado, portanto, não lhe é inerente a aplicação de
reforço escolar.
-Atender os ANEE(s) diagnosticados: DI, DMU, TGD no contra turno de
acordo com o cronograma previamente divulgado.
-Promover as condições de inclusão desses alunos em todas as
atividades da escola, envolvendo toda a comunidade escolar.
- Identificar os possíveis alunos com suspeita de DA, DV e TDAH e
realizar os encaminhamentos para as itinerantes da área.
-Promover e responsabilizar-se pela garantia das adequações
curriculares necessárias ao processo educacional do ANEE.
-Oferecer espaço alternativo lúdico e de apoio para trabalhar os
conteúdos curriculares considerando as dificuldades do aluno com necessidade
especial.
-Tornar conhecida, no âmbito da comunidade, escolar a legislação e
normas educacionais vigentes que asseguram a inclusão educacional.
-Oferecer suporte às famílias do ANEE(s).
-Participar de coordenações coletivas com os professores e direção.
Projeto Político Pedagógico 2018 122

-Procurar todas as alternativas pedagógicas que visam o avanço do


ANEE, inclusive informar a coordenação de educação especial através de
documentos todas as adequações que sejam necessárias.

ADEQUAÇÕES CURRICULARES

As adequações curriculares compreendem as medidas pedagógicas que


se destinam ao atendimento dos alunos ANEESde forma a favorecer sua
escolarização, tendo como base o currículo de educação básica, porém adotando
formas progressivas para adequá-lo, norteando o processo de aprendizagem,
conforme as necessidades do estudante ANEE..
Projeto Político Pedagógico 2018 123

8.4 -PLANO DE AÇÃO - SALA DE RECURSOS 2018

OBJETIVOS AVALIAÇÃO DAS RESPONSÁVEIS/ E OU


METAS AÇÕES CRONOGRAMA
ESPECÍFICOS AÇOES INTERLOCUTORES
1 – Proporcionar ao -Desenvolvimento do -Acompanhamento da funcionalidade
estudante com e a aplicabilidade dos recursos - As ações serão - As ações - sala de recursos com
estudante como ser
necessidades pedagógicos e de acessibilidade na avaliadas durante acontecerão todos os setores da
educacionais especiais social; sala de aula, bem como em outros todo o ano letivo, durante todo o instituição: direção,
apoio ao seu pleno ambientes da escola; tanto pela ano letivo; professores,
desenvolvimento - Conscientização da - Participação do processo de professora do - Oficinas nas coordenadores,
acadêmico e social. família na busca de identificação e tomada de decisões AEE, quanto pela coordenações supervisão,
2 - Sensibilizar pais, superação dos limites acerca do atendimento às Direção, coletivas, auxiliares,estudantes e
professores, alunos e do estudante; necessidades educacionais dos alunos; observando o conforme pais.
demais profissionais -Posicionamento - Realização de atividades que crescimento demandas, em
que atuam na escola crítico e sensível do estimulem o desenvolvimento dos cognitivo, social e média de três por -Coordenação
no acolhimento e professor em relação processos psicológicos básicos como: cultural dos ano. Intermediária.
respeito às diferenças; aos estudantes do atenção, percepção, memória, estudantes. -Oficinas com os
3 - Orientar as ações AEE; raciocínio, imaginação, criatividade, pais (uma por
dos professores e de - Sensibilização e, linguagem, entre outros; semestre)
outros profissionais da informação do corpo - Auxílio ao aluno para que tenha o
educação para o docente sobre o conhecimento de seu corpo, levando-
planejamento de processo da inclusão o a usá-lo como instrumento de
intervenções na escola e a função expressão consciente na busca de sua
educacionais do AEE; independência;
adequadas à situação - Manter-se - Preparação de materiais e atividades
escolar do aluno; informado sobre a específicas para o desenvolvimento da
4 - Promover a estrutura e aprendizagem dos estudantes.
consolidação de uma funcionamento do - Proporcionar oficinas com temas que
cultura de sucesso AEE comparticipação contemplem as
Projeto Político Pedagógico 2018 124

escolar e sensibilizar as de formação necessidades/dificuldades que os


famílias quanto à continuada sobre o professores encontram ao atuar com
participação no ensino especial; E.N.E.E.
processo educacional -Oferecer suporte - Promoção de oficinas com temas
dos estudantes. pedagógico aos variados para os pais e/ou
5 -Auxiliar o professor professores que responsáveis pelos A.N.E.E, visando
nas adequações atendem os E.N.E.E. ; compartilhar estratégias que facilite o
curriculares propostas acompanhamento dos filhos no
ao estudante com contexto familiar e escolar;
necessidade - Oferta do Atendimento Educacional
educacionais especiais; Especializado ao A.N.E.E na Sala de
Recurso ;
6- Conscientizar e - Atuação de forma colaborativa com
ajudaros professores o professor da classe regular para a
quanto ao definição de estratégias que
desenvolvimento de favoreçam o acesso do E.N.E.E e ao
recursos didáticos currículo e sua interação no grupo;
eatividades - Participação mensal de reunião com
pedagógicos que a Coordenação do Ensino Especial;
eliminem as barreiras - Participação em curso na EAPE toda
no processo de ensino 3ª feira;
e aprendizagem; - Participação em Coletivas, Conselhos
de Classe e demais reuniões que se
façam necessárias.
- Oficinas articuladas com o Serviço
Especializado de Apoio à
Aprendizagem.
Projeto Político Pedagógico 2018 125

FORMULÁRIO DE REGISTRO DAS ADEQUAÇÕES

CURRICULARES -ETAPAS E MODALIDADES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2018

O Formulário de Registro das Adequações Curriculares visa descrever a organização dos conteúdos, dos objetivos para
as aprendizagens, das estratégias metodológicas e de avaliação para as aprendizagens dos estudantes público da Educação
Especial, Deficiência e Transtorno Global do Desenvolvimento/ Transtorno do Espectro Autista que estão incluídos nas Classes
Comuns Inclusivas, Classes Especiais que utilizam o currículo adaptado, Integração Inversa, Turmas de EJA Interventiva, Classes
Bilíngues, Classes Bilíngues Mediadas e Classes Bilíngues Diferenciadas.

As adequações curriculares constituem, pois, possibilidades educacionais de se atuar frente às dificuldades de


aprendizagem dos estudantes, por meio de currículo dinâmico, alterável e passível de ampliação. As respostas a essas
necessidades devem estar previstas e respaldadas no Projeto Político Pedagógico da UE, não por meio de um currículo novo, mas
da adequação progressiva do currículo implementado no ensino regular, buscando garantir que os estudantes com necessidades
educacionais especiais participem da programação da escola, igual a qualquer outro estudante, entretanto, considerando as
especificidades que as suas necessidades possam requerer (MEC/SEESP, 2003).

As Diretrizes de Avaliação Educacional aprovadas pelo CEE/DF fundamentam e orientam a prática dos profissionais da
rede pública de ensino do Distrito Federal com base na avaliação formativa. O Currículo de Educação Básica da SEEDF propõe a
superação de uma organização de conteúdos prescritiva, linear, hierarquizada, fragmentada e descontextualizada. Toda
Adequação Curricular deve ser situada social, histórica e culturalmente. É necessário ressaltar que as adequações curriculares
Projeto Político Pedagógico 2018 126

devem estar em consonância com o Currículo em Movimento concebido a partir de uma perspectiva de educação integral, que
concebe e valoriza o ser humano em sua multidimensionalidade e se desenvolve pautada pelos eixos transversais: Educação para
a Diversidade, Cidadania e Educação em e para os Direitos Humanos e Educação para a Sustentabilidade, conforme o que
preconiza o Caderno nº 07 da Educação Especial.
Nesse sentido, a Psicologia Histórico-Cultural destaca o desenvolvimento do psiquismo e das capacidades humanas
relacionadas ao processo de aprendizagem, compreendendo a educação como fenômeno de experiências significativas,
organizadas didaticamente pela escola. A aprendizagem não ocorre solitariamente, mas na relação com o outro, favorecendo a
crianças, jovens e adultos a interação e a resolução de problemas, questões e situações na ―zona mais próxima do nível de seu
desenvolvimento‖. A possibilidade de o estudante aprender em colaboração pode contribuir para seu êxito, coincidindo com sua
―zona de desenvolvimento imediato‖ (VIGOSTSKY, 2001, p. 329). Assim, a aprendizagem deixa de ser vista como uma atividade
isolada e inata, passando a ser compreendida como processo de interação do estudante com o mundo, com seus pares, com
objetos, com a linguagem e com os professores num ambiente favorável à humanização. A Pedagogia Histórico-Crítica esclarece
sobre a importância dos sujeitos na construção da história. Sujeitos que são formados nas relações sociais e na interação com a
natureza para a produção e reprodução de sua vida e de sua realidade.

A adequação curricular na perspectiva inclusiva e a CIF (Classificação Internacional de Funcionalidade) complementar


ao CID 10. estão previstas no currículo, contribuindo para superar o enfoque nas fragilidades da deficiência e sim nas
potencialidades destes educandos e devem ser consideradas na elaboração das estratégias metodológicas e de avaliação para as
aprendizagem dos estudantes com Deficiência, TGD/TEA e Altas Habilidades/Superdotação.

O quadro abaixo apresenta conceitos norteadores básicos para a construção das Adequações Curriculares
considerando o contexto escolar:
Projeto Político Pedagógico 2018 127

Adequações organizativas: têm um caráter facilitador do processo educacional.


 Organização de agrupamento de estudantes
 Organização didática da aula
 Organização do tempo e dos períodos definidos para o desenvolvimento das atividades previstas.
Adequações dos objetivos de aprendizagem:
 Priorização de objetivos que enfatizam capacidades e habilidades básicas de atenção, participação e adaptabilidade do estudante.
 Eliminação de objetivos de acordo com as necessidades do estudante.
 Acréscimo de objetivos considerando as necessidades do estudante.
Adequações aos conteúdos:
 Priorização de áreas ou unidades de conteúdos que garantam funcionalidade e que sejam essenciais e instrumentais para as aprendizagens
posteriores.
 Sequenciação pormenorizada de conteúdos que requeiram processos gradativos de menor à maior complexidade das tarefas, atendendo à
sequência de passos, à ordenação da aprendizagem etc..
 Priorização da aprendizagem e retomada de determinados conteúdos para garantir o seu domínio e a sua consolidação.
 Eliminação de conteúdos menos relevantes, secundários, para dar enfoque mais intensivo e prolongado a conteúdos considerados básicos e
essenciais no currículo.
Adequações metodológicas e didáticas: realizam-se por meio de procedimentos técnicos metodológicos, estratégias de ensino para a aprendizagem,
atividades, programas específicos para os estudantes etc.
Adequações na temporalidade: referem-se à alteração no tempo previsto para a realização das atividades ou conteúdos e ao período para alcançar
determinados objetivos.
Adequações avaliativas: consistem em adequações individuais dentro da programação regular considerando-se os objetivos para as aprendizagens, os
conteúdos e os critérios de avaliação para responder às necessidades de cada estudante.
Projeto Político Pedagógico 2018 128

FORMULÁRIO DE REGISTRO DAS ADEQUAÇÕES CURRICULARES -ETAPAS E MODALIDADES DA


EDUCAÇÃO BÁSICA

Este formulário deverá ser preenchido pelo professor regente em articulação com o professor do Atendimento Educacional Especializado (Sala de
Recursos) que atuam junto ao estudante público da Educação Especial de acordo com a Etapa ou modalidade/Ciclo/Bloco/Ano de matrícula.

1. IDENTIFICAÇÃO DO (DA) ESTUDANTE:

Nome completo do (da) estudante Data de nascimento


Modalidade/Ano / Turma / Turno Idade
Endereço Telefone dos responsáveis
Filiação Período de vigência das adequações
Diagnóstico do (da) estudante Professor(a)

2- DESCRIÇÃO SUCINTA SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DO (DA) ESTUDANTE:


Descrever quais modalidades de atendimentos o estudante frequentou no processo de escolarização, suas habilidades e fragilidades,
necessidades específicas, dentre outras informações relevantes

3-Descrição sucinta sobre atendimentos, tratamentos terapêuticos ou clínicos recebidos pelo estudante no decorrer da sua
escolarização e em quais instituições (Ex.: fonoaudiologia, psicoterapia, terapia ocupacional, neurologia, psiquiatria, equoterapia, natação e
demais atividades esportivas, atendimento psicopedagógico, modalidades do AEE)
Projeto Político Pedagógico 2018 129

4-Adequações de acesso ao currículo:

ORGANIZATIVAS:

( ) Organização dos agrupamentos dos estudantes (tamanho/homogeneidade/heterogeneidade)


( ) organização dos recursos didáticos a serem utilizados no planejamento
( ) Organização do espaço físico e condições ambientais para desenvolvimento da atividade proposta

Em sala de aula:
__________________________________________________________________________________________________________________
No contexto escolar:
__________________________________________________________________________________________________________________

METODOLÓGICAS E DIDÁTICAS:

Adequações Curriculares não significativas: realizadas pelo professor no planejamento das atividades docentes no âmbito da sala de aula
( ) Priorização de áreas ou unidades didáticas que garantam a funcionalidade e sejam essenciais para as aprendizagens
( ) Priorização de objetivos que enfatizam capacidades e habilidades básicas (atenção, trabalho em equipe, persistência e adaptabilidade)
( ) Modificação da sequência e do nível de complexidade das atividades por meio de recursos concretos ou que explicitam o passo a passo a ser
seguido.
( ) Reformulação da sequência de conteúdos que requeiram processos gradativos de menor à maior complexidade
( ) Adaptação de técnicas, instrumentos, procedimentos ou materiais a serem utilizados para o desenvolvimento das atividades propostas
( ) Reforço da aprendizagem e retomada de determinados conteúdos de forma a garantir o seu domínio e sua consolidação
( ) Seleção das técnicas e instrumentos de avaliação adequados a linguagem e as peculiaridades apresentadas pelos estudantes
( ) Introdução de estratégias e procedimentos complementares e/ou alternativos de ensino e aprendizagem

Adequações Curriculares Significativas: são alterações nos objetivos e conteúdos que foram acrescidos ou eliminados e irão influenciar no tempo de permanência
do estudante no ano letivo.
( ) Introdução de objetivos específicos, complementares ou alternativos em substituição a outros que não podem ser alcançados temporária ou
permanentemente, mas que podem ser acrescidos na programação pedagógica para suplementar necessidades específicas
( ) Priorização de áreas do conhecimento/ componente curricular/ unidades didáticas
( ) Introdução de atividades alternativas e/ou complementares às previstas
( ) Introdução de critérios específicos de avaliação
Outros:___________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________
Projeto Político Pedagógico 2018 130

TEMPORALIDADE:

 Alteração do tempo previsto para a aquisição dos objetivos de aprendizagem


Alteração do tempo previsto para a realização das atividades
 Prolongamento de um ano ou mais de permanência do estudante no ano para atendimento de suas especificidades
Obs:__________________________________________________________________________________________________________________________

4-HABILIDADES BIOPSICOSSOCIAIS: envolve as habilidades conceituais, sociais e práticas que foram aprendidas pelas pessoas para funcionarem
em suas vidas diárias.
Conceituais: Linguagem, leitura e escrita, auto direcionamento, estabelecer a relação significado – significante de modo que o estudante acrescente
em seu vocabulário palavras, noções e conceitos novos; estimular a percepção visual; Letramento matemático.
Sociais: interação social, responsabilidade, autoestima, seguir regras;
Práticas: atividades da vida diária

CONCEITUAIS:
____________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________

SOCIAIS:
____________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________

PRÁTICAS:
____________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Habilidades Biopsicossociais: envolve as habilidades conceituais, sociais e práticas adquiridas pelas pessoas para funcionarem em suas vidas diárias. Exemplos:
Linguagem, leitura e escrita, conceitos de dinheiro, auto direcionamento, estabelecer a relação significado – significante de modo que o estudante agregue em seu
vocabulário novas palavras noções e conceitos; estimular a percepção visual; psicomotricidade; lateralidade; orientação espaço temporal; Letramento matemático
(Conceituais); interação social, responsabilidade, autoestima, seguir regras etc. (Sociais), atividades da vida diária, atividades instrumentais da vida diária – preparar
refeições, cuidar da casa, tomar remédios etc.
Projeto Político Pedagógico 2018 131

habilidades ocupacionais, desenvolver atividades de orientação e mobilidade (Práticas).

5-ADEQUAÇÕES CURRICULARES
Período de vigência da Adequação Curricular (bimestral): _______/_______/__________ a _______/_______/__________

Áreas do conhecimento/ Objetivos para as Conteúdos/Unidade Estratégias Pedagógicas/Recursos Estratégias


Componentes aprendizagens s Didáticas Didáticos de
Curriculares Avaliação
para a
aprendizag
em

Obs: Os registros devem estar em conformidade com o Currículo da Educação Básica da SEEDF (2014)

6-DESCRIÇÃO DOS ENCAMINHAMENTOS (Considerando os diferentes contextos)

ESCOLAR

FAMILIAR
Projeto Político Pedagógico 2018 132

OUTROS

OBSERVAÇÕES:

A Adequação Curricular deverá estar em consonância com a Resolução nº 02/2001, do Conselho Nacional de Educação, no item III do art. 8º.

Data ________/_______/ ________.

_______________________________ ________________________________ _____________________________


_______________________
Professor(a) do AEE/Sala de Recursos Professor(a) do AEE/Sala de Recursos Supervisor(a) Educacional Professor
Intérprete

_____________________________ ___________________________ _____________________________ _______________________


Secretário Escolar Responsável pelo Estudante Coordenador Pedagógico Itinerante

Nº Disciplina Nome do professor (a) Matrícula Assinatura

Referência bibliográfica:

________. Saberes e práticas da inclusão: recomendações para a construção de escolas inclusivas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2005.

_______. Secretaria de Estado de Educação - SEEDF. Currículo em Movimento da Educação Básica – Educação Especial, Brasília-DF, 2014.

_______. Secretaria de Estado de Educação - SEEDF. Diretrizes de Avaliação. Brasília-DF, 2014.


Projeto Político Pedagógico 2018 133

9- ESTRATÉGIAS DE AVALIAÇÃO

Avaliar não é um exercício fácil porque exigeo princípio da alteridade, de


colocar-se no lugar do outro, de observar atentamente não só com os olhos mais
com todos os sentidos, percebendo-se como elemento agregador de opiniões,
ideias e mudanças positivas para a melhoria da qualidade da educação.
Tudo e todos os atores constitutivos deste processo precisam ter vez e
voz na perspectiva da avaliação formativa e informativa, pois ao praticarmos a
avaliação coletamos informações que devem ser levadas em consideração para
redimensionarmos o ensino e as aprendizagens.
Segundo o Currículo da Educação Infantil (2013,p. 74), ―a finalidade
básica da avaliação é servir para tomar decisões educativas, para observar a
evolução e o progresso da criança e para planejar se é preciso intervir ou modificar
determinadas situações, relações ou atividades na aula‖.Em se tratando de
avaliação temos como norte a ênfase à formação. Nossa escola acompanha e
valoriza as aprendizagens por meio do constante e sistemático registro do
desenvolvimento das crianças,a partir da observação crítica e criativa das
atividades desenvolvidas,utilizando múltiplos instrumentos (relatórios, fotografias,
desenhos, álbuns etc.),buscando sempre estratégias adequadas aos diferentes
momentos de transição vividos pela criança,dando oportunidade às famílias
conhecerem o trabalho da escolajunto a elas,com a finalidadebásica de avaliar
para observar a evolução e o progresso da criança para planejar intervenções e
modificações assertivas e pontuais em situações, relações e atividades do nosso
cotidiano.

NaEducação Infantil, o centro do processo educativo é a criança que


necessita ser vista como um ser em desenvolvimento, em formação, porém com
direitos e potencialidades para participar desse processo que é contínuo e
dinâmico.

Nessa perspectiva a criança é convidada a participar emitindo sua


opinião sobre as atividades desenvolvidas, colocando-se como agente de
transformação de ideias, espaços, tempos e aprendizagens, além disso, são
Projeto Político Pedagógico 2018 134

iniciadas no processo de auto-avaliação, refletindo sobre suas próprias posturas,


direitos e deveres.

A avaliação da aprendizagem será sempre da observação, do


desempenho e do crescimento da criança em relação a ela mesma e jamais da
comparação dela com seus pares. A avaliação da criança se baseará na
observação e no acompanhamento das atividades individuais e coletivas
desenvolvidas diariamente pela professora.
Essa postura de observar e acompanhar o desenvolvimento da criança
gera informações que serão registradas para subsidiar o relatório avaliativo,
individual e descritivo do aluno.
O relatório oficial será socializado para os responsáveis da criança nas
reuniões semestrais. Estas reuniões acontecem sem a presença das crianças uma
vez que a escola não possui espaços físicos suficientes para atender aos dois
públicos ao mesmo tempo. Entendemos que a parceria escola família é de
fundamental relevância para tanto se tornaeficaz determinar um tempo para troca
de experiência entre os adultos, poisjuntospodemos pensar em estratégias de
aprendizagens para os pequenos em diferentes ambientes.
Informações importantes que forem notadas pelos profissionais da
escola, sobre os alunos, serão comunicadas aos responsáveis para as devidas
intervenções. Lembrando que as crianças com necessidades educacionais
especiais têm o direito à adequação curricular, procedimento que permite
flexibilizar a operacionalização do currículo adaptando critérios avaliativos,
tornando-os coerentes com seu ritmo e condições de aprendizagem.
Temos realizado a avaliação institucional, prevista semestralmente no
calendário escolar, que procura contemplar a participação de todos os segmentos
da comunidaderegistrando suas opiniões, elogios e críticas por meio de encontros,
palestras, questionários etc.
O Conselho de Classe é realizado bimestralmente nos horários de
coordenação e com a presença da equipe diretiva, dos profissionais readaptados,
docentes, do SOE, EEAA e AEE/SR,constitui outro espaço para compartilhar,
avaliar e repensar o desenvolvimento das práticas educativas.
As informações relevantes sobre as crianças, turmas e aprendizagens
ficam registradas em uma ficha (anexo página.175)que foi elaborada pelos próprios
Projeto Político Pedagógico 2018 135

profissionais. As informações são socializadas pelos docentes e respaldadas pelo


Conselhode Classe gerando encaminhamentos que são acompanhados pela
equipe gestora e demais profissionais.
Avaliar é um processo permanente de reconstrução visando a melhoria
do atendimento às nossas crianças por isso estamos sempre utilizando às
coordenações para pensar em novas formas de avaliar, registrar e documentar a
vida escolar da criança.
Dessa forma algumas práticas estão sempre sendo questionadas pelos
professores e pais, a lição de casa ou dever de casa, é uma delas. Esta atividade
geralmente está associada a uma rotina estudantil mais formalizada e muitos pais
cobram da professora atividades diárias para serem realizadas em casa. Esta
cobrança apresenta vários equívocos como: na maioria das vezes o pai ou a mãe
faz a atividade da criança, a atividade não volta conforme prazo estabelecido, a
atividade não é conduzida devidamente enfim dificilmente o objetivo da atividade foi
atingido.
Diante desta realidade as professoras propõem tarefas que fazem parte
do cotidiano da criança para serem desenvolvidas com a família, como leitura,
desenhos e pequenas pesquisas e ainda atividades da sua rotina.
O importante, na verdade, é avaliar se atividades propostas são
adequadas. "O eixo da aprendizagem na Educação Infantil deve estar na
brincadeira", e a lição de casa também deve ter essa visão pedagógica: centrada
em experiências lúdicas e na descoberta livre do mundo.A lição de casa deve estar
sempre integrada com aquilo que a criança está aprendendo na escola e também
deve ser compatível com a faixa etária dela.
Projeto Político Pedagógico 2018 136

9.1-ESTRATÉGIAS
DE AVALIAÇÃO
 Realizar a escuta sensível de todos os segmentos da comunidade
escolar por meio das interações diárias;
 Impulsionar a avaliação institucional da escola prevista no calendário
escolar;
 Organizar o Conselho de Classe com a participação de todos os
professores;
 Acompanhar o registro da avaliação descritiva e individual da criança
realizada pelo professor;
 Incentivar a participação dos profissionais em cursos de formação
continuada sobre a temática avaliação;
 Proporcionar a avaliação dos pais por meio de questionários, fichas e
registros em geral;
Projeto Político Pedagógico 2018 137

 Divulgar o resultado das avaliações realizadas pelos segmentos;


 Discutir e planejar nas coordenações estratégias e critérios de
avaliação;
 Buscar estratégias para que as crianças possam expressar suas
opiniões e críticas a respeito dos processos de aprender e ensinar;
 Aperfeiçoar a socialização da avaliação dos alunos junto aos pais,
informando o desenvolvimento sócio afetivo e cognitivo dos mesmos;
 Informar os pais por meio de palestras a concepção de avaliação do
currículo;
 Avaliar a proposta pedagógica da escola;
 Avaliar a aplicação dos recursos financeiros.

10- ORGANIZAÇÃO
CURRICULAR DA ESCOLA
A proposta curricular da escola está fundamentada nas Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, no Currículo em Movimento da
Educação Infantil, em normativas específicas para a Educação Infantil e na
bibliografia de estudos e pesquisas sobre a infância e a criança.
Validamos a organização curricular da escola por meio do tema do
projeto ―Eu no Mundo e o Mundo em Mim‖, estruturando-o sob três pilares
importantes para o desenvolvimento do ser: o eu, o outro e o meio. Essas três
vertentes se alinham com a nova nomenclatura da organização curricular e seus
respectivos objetivos:

O CuidadoConsigo e com o Outro: (.convivência, saúde, identidade,


autonomia) ampliar a capacidade de autoconhecimento e, consequentemente, de
comunicar-se e interagir socialmente, estabelecendo vínculos afetivos positivos
com outras crianças e adultos.

As Interações com a Natureza e a Sociedade: possibilitar à criança


estabelecer relações entre o meio social e natural do qual faz parte,
Projeto Político Pedagógico 2018 138

proporcionando assim a compreensão da importância dos cuidados com a saúde,


preservação do meio ambiente, bem como o respeito e a construção dos vínculos
afetivos para uma boa convivência.

A aprendizagem da Linguagem Oral e Escrita: Ampliar a capacidade de


inserção e comunicação no mundo letrado pelas crianças, elemento fundamental
para a formação do sujeito crítico que se encontra em constante processo de
construção do conhecimento e desenvolvimento.

Linguagem Artística: conhecer e explorar diversas possibilidades e


diferentes materiais com a intenção de ampliar a capacidade de expressão e
comunicação.

Linguagem Matemática: proporcionar condições de aprendizagem em


situações com números, relações de quantidade e noções de tempo e espaço,
entre outras, tornando a criança autônoma na resolução de problemas de sua vida
cotidiana.

Linguagem Corporal: Explorar as habilidades físicas, motoras e


perceptivas do próprio corpo a fim de adquirir a independência nos movimentos e
na expressão corporal.

Linguagem Digital: Favorecer a inclusão digital, propiciando a


interatividade, a liberdade de criação e compartilhamento de novas informações e
conhecimentos através de atividades pedagógicas.

A Lei de Diretrizes e Bases - LDB,define em seu Art. 29 a Educação


Infantil como: ―primeira etapa da educação básica e tem por finalidade o
desenvolvimento integral da criança em seus aspectos físico, psicológico,
intelectual e social complementando a ação da família e da comunidade‖.

O Centro de Educação Infantil tem a prática de desenvolver as ações


pedagógicas através de Projetos tendo os conteúdos articulados mensalmente
observando os objetivos e os temas em enfoque.
Projeto Político Pedagógico 2018 139

A Proposta Pedagógica em sua prática deve contemplar a


operacionalização do Currículo em Movimento da Educação Infantil adequando-o
às necessidades dos alunos com necessidades educacionais especiais – ANEE,
atendendo à Lei 9.394/96 – LDBEN.

De forma a:

*diversificar e flexibilizar o processo de ensino e de aprendizagem de


modo a atender às diferenças individuais dos alunos;

*identificar as necessidades educacionais especiais;


Projeto Político Pedagógico 2018 140

*estar aberto;

*realizar observações individuais e em grupo na sala de aula;

*registrar avanços;

*buscar os serviços de professores especializados que venham a


favorecer o processo educacional;

*fazer os registros pertinentes à adequação curricular em formulário


próprio, em sala de recurso.

Os conteúdos destacados no currículo são relevantes uma vez que é na


aprendizagem que se dá a construção e a aquisição de competências com a
―finalidade de se alcançar o desenvolvimento integral da criança‖, (artigo 29 da
LDB), com tarefas desafiadoras e de naturezas diversas que estimulem a criança a
pensar de forma criativa.

Executamos projetos de trabalho, com eixos bem definidos, orientados


pelo Currículo da SEEDF pg.32 ―O eixo integrador específico da‖ Educação Infantil-
Educar e Cuidar, brincar e interagir- precisa ser considerado juntamente com os
eixos gerais do Currículo da Educação Básica da SEEDF: Educação para a
diversidade, Cidadania e Educação em e para os Direitos Humanos e Educação
para a Sustentabilidade. Nesse sentido, o trabalho pedagógico com a infância
implica considerar esses eixos, ensinando a formar opinião, levando em
consideração a base familiar e valores éticos e sociais. Posto isto, a construção da
prática do trabalho interdisciplinar na nossa instituição sempre focada em temas
relevantes aos anseios da clientela escolar, em especial, as crianças.

Para o ano de 2018, daremos continuidade aos projetos que se tornaram


clássicos em nossa escola por conterem contextos sociais significativos e pela
possibilidade de preservamos o lúdico uma vez que se constituem em ações que
possibilitam o desenvolvimento de vários aspectos na criança, como: autonomia,
cooperação, assimilação, curiosidade, emoção, socialização, respeito...

Temos alguns projetos elencados para serem desenvolvidos neste ano:


Projeto Político Pedagógico 2018 141

 Projetos Didáticos:

 Se bobear você pode se machucar


A operacionalização deste projeto justifica-se nas estatísticas dos meios
de comunicação que enfatizam um elevado percentual de mortes na primeira
infância envolvendo acidentes domésticos. E também no número de acidentes que
ocorrem na escola resultando em fraturas, cortes, mordidas e hematomas. Além
disso, temos recebido relatos de familiares onde as crianças ou parentes em geral
sofreram algum tipo de abuso sexual. Desejando influenciar estes dados
positivamente e resguardar a integridade física e moral das crianças
desenvolvemos este projeto na Semana de Educação para a Vida, previsto no
calendário escolar da SEEDF, normalmente no mês de maio. Inúmeras atividades
são pensadas e planejadas com a parceria da comunidade escolar e outros órgãos
públicos como: Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Secretaria de Saúde, Conselho
Tutelar, DETRAN e outros, que colaboram para uma política de paz e
conscientização cidadã.

Semana de Educação para vida

 Família, minha vida!


A justificativa para este projeto está ancorada na necessidade de envolver as
famílias na vida escolar das crianças, pois percebemos que elas não estão dedicando um
Projeto Político Pedagógico 2018 142

tempo satisfatório para participar da vida escolar dos próprios filhos. Muitas famílias sequer
comparecem a escola da criança no primeiro dia de aula, nas reuniões de pais / professores,
nas homenagens a pais/mães ou quando convocadas pelas equipes.
Temos percebido certo descaso de algumas famílias e tal fato tem nos
preocupado, pois a gestão escolar é compartilhada e não se pode delegar somente a escola
esta responsabilidade. A parceria entre escola e família torna-se essencial para somar
esforços e garantir posturas que alinhadas aos princípios humanos possam colaborar para a
aquisição de aprendizagens significativas e positivas colaborando para a construção de
cidadãos íntegros e saudáveis a sociedade.

A família é a primeira instituição na qual as crianças interagem e tem estreitadas


relações afetivas. Como compartilhamos o mesmo tesouro temos que estabelecer uma
relação entre a escola e a família baseada no pertencimento, na ação mútua em prol da
criança. Nossa intenção é acolher às famílias de todas as crianças sem discriminá-las
independente de sua configuração incentivando-as ao protagonismo escolar como agentes
que podem influenciar positivamente sua própria história.
Projeto Político Pedagógico 2018 143

 Bisbilhotando as Artes
Este projeto é desenvolvido durante todo o ano letivo dando
oportunidade às crianças de se expressarem através de desenhos, pinturas,
recortes, colagens, modelagens, teatros, danças, passeios e apresentações.
A arte é uma atividade humana presente em tudo que nos rodeia. O
mundo que nos cerca é composto por cores, formas, texturas, dimensões,
proporções, pontos, linhas, planos, cheiros etc.

A arte é uma atividade humana presente em tudo que nos rodeia. O


mundo que nos cerca é composto por cores, formas, texturas, dimensões,
proporções, pontos, linhas,
planos, cheiros etc.
Todos estes aspectos estão diretamente ligados a arte e muitas vezes
não nos damos conta do quanto é importante apreendê-los para entender e
contemplar o belo ao nosso redor. Sabemos que para apreciar a arte devemos
manifestar o nosso ponto de vista que varia de pessoa para pessoa, pois se trata
de um exercício subjetivo.
Na verdade aprendemos a apreciar o mundo através das interações com
outras pessoas por isso que na escola oferecemos diversas atividades que
colaboram para despertar nas crianças o gosto pela arte.
A releitura de obras de alguns artistas nacionais e internacionais faz
parte desta dinâmica que se materializa na pintura de uma tela com tinta guache.
As telas são expostas para a apreciação de toda comunidade escolar em um
mesmo dia agendado previamente pelo grupo.
Projeto Político Pedagógico 2018 144

 Festa Junina
Festa tradicional na escola que acontece anualmente com a participação
de toda a comunidade escolar. Esta atividade é preparada com muita alegria e
procura envolver os pais na gincana de gêneros alimentícios, na venda de uma
ação entre amigos, na preparação da vestimenta e caracterização do filho para a
festa.
Os professores planejam atividades voltadas para o universo rural
estabelecendo estratégias de vivências onde as crianças possam perceber
diferenças entre o ambiente rural e o urbano, além disso, fazem a degustação de
alimentos tipicamente juninos.
As professoras ensaiam uma dança com as crianças para que elas
possam socializar para os pais no dia da festa em conjunto com os trabalhinhos
confeccionados.
Projeto Político Pedagógico 2018 145

 Entrou por uma porta e saiu por outra... Pasta Literária


Projeto desenvolvido por toda escola para despertar nas crianças o
gosto pela leitura. Uma vez por semana a criança leva para a casa em uma pasta
um livro de literatura comprado pela própria família. Este livro deverá ser lido em
casa por algum membro da família e devolvido em um dia específico combinado
pela professora com os pais. Durante todo o ano letivo as crianças trocarão livros
de forma que todos tenham acesso ao acervo da classe.

 Sacola Literária
Projeto elaborado para o 1º período, onde uma vez por semana, uma
determinada criança da turma, leva para casa uma sacola gigante contendo um livro de
literatura, um livro encadernado com folhas A3, e algumas surpresas que variam entre:
fantoches, fantasias, joguinhos, e adereços de cabeça como chapéu, peruca, máscaras e
óculos. Todos os itens que acompanham a sacola tem relação com o contexto da história.
Este projeto visa desenvolver o gosto das crianças por histórias e livros além de
proporcionar o estreitamento delaços afetivos entre as crianças e seus responsáveis,
fazendo com que eles destinem um tempo do dia para o filho, ouvindo-o e trocando ideias
para a interação através do registro no livro.
Projeto Político Pedagógico 2018 146

 Bichos Brasileiros
Projeto elaborado para o 2º período devido ao quantitativo de livros
disponibilizados. Com o objetivo de incentivar o pensamento investigativo das
crianças oferecemos semanalmente a elas um livro sobre bichos da fauna
brasileira.
Este livro é enviado para casa em uma bolsa preta para que a criança
possa exercer o seu poder de escolha e solicitar ao familiar a leitura do capítulo
correspondente ao bicho. Voltando para a escola no dia acordado a criança conta
para os seus colegas em rodinha tudo que aprendeu sobre o bicho estudado.
Além de desenvolver a oralidade da criança há um incentivo para
abordar características físicas do bicho. A criança também contribui com uma
imagem do animal colando-a em um painel onde acontece a exploração de
características físicas dos mesmos.
Projeto Político Pedagógico 2018 147

 Brinquedoteca em Ação
Projeto desenvolvido por profissionaisreadaptados com o objetivo de
oferecer situações lúdicas para as crianças onde o faz de conta possa acontecer.
Esta atividade acontece uma vez por mês com uma temática alinhada a
organização curricular onde são oportunizados momentos felizes às crianças para
que possam brincar expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e
necessidades.
Projeto Político Pedagógico 2018 148

 Corpo e Movimento
Projeto que acontece uma vez na semana seguindo um horário de
quarenta minutos organizado de comum acordo pela disponibilidadelaborativa
dasprofessoras Joelma Felipe e Luciane América de Sá. O projeto atende todas as
crianças de primeiro e segundo períodos numa frequência quinzenal para cada
turminha e temo objetivo estimular a aquisição de significados durante os
movimentos,passando da simples percepção sensorial do corpo para o controle,
expressão e desenvolvimento dos movimentos da criança.
Projeto Político Pedagógico 2018 149

 Resgatando Valores Sociais e Culturais


Nossa realidade institucional é composta por uma diversidade de
contextos familiares contemporâneos e que independente da constituição adotada
pela comunidade acabam sofrendo os males da vida moderna.
O que percebemos são crianças com baixa resistência a frustração, com
certa dificuldade em ouvir nãos e que quando são contrariadas expressam
comportamentos agressivos e com preocupante quadro de ansiedade. Além disto,
temos percebido a necessidade cada vez mais acentuada de trabalhar o respeito
às diferenças onde é importante ensinar para as crianças que existem: negros,
brancos, ruivos, índios, deficientes, altos, magros, gordos, idosos, crianças,
doentes e que independente das características físicas temos que respeitar a todos
de forma igualitária entendendo e valorizando as diferenças como algo positivo e
desafiador para o desenvolvimento humano.
Trata-se de uma temática relevante que aborda desde o estudo e
valorização dos valores, regras de convivências até a interação com tribos
indígenas e deficientes. Este projeto foi idealizado pelo grupo para resgatar o
respeito ao próximo promovendo a aceitação pelas diferenças em seus múltiplos
aspectos buscando refutar atitudes de preconceitos, promovendo a participação
das famílias no processo de conscientização de nossos direitos e de nossos
deveres, valorizando bons hábitos e boas atitudes nas relações interpessoais.
Projeto Político Pedagógico 2018 150

 Recreio Musical
Projeto desenvolvido diariamente com tempo estimado em vinte minutos
variáveis para mais ou menos dependendo da realidade diária, porém a atividade
normalmente é realizada com a participação dos servidores e equipes. Muitas
vezes as músicas tocadas neste horário são selecionadas alinhadas aos temas
semanais. O recreio musical tem o objetivo de proporcionar às crianças momentos
de recreação, descontração e interação entre todos os alunos e os servidores de
maneira lúdica e saudável.
Projeto Político Pedagógico 2018 151

 Hora Cívica
Esta atividade acontece semanalmente e especificamente às 6ª feiras
nos turnos matutino e vespertino. No início do ano é sorteado um professor que irá
ficar responsável por desenvolver esta atividade num mês específico inclusive com
apresentações artísticas das crianças. A atividade tem o objetivo de promover a
socialização das crianças e seus pares, favorecendo o conhecimento do Hino
Nacional e da Bandeira Nacional.
Projeto Político Pedagógico 2018 152

 Transição Remanejamento Natural


Este projeto é desenvolvido no final do ano com a participação das
escolas parceiras: Creche Cantinho da Paz e Escola Classe 11. Uma das
atividades deste projeto constitui na visita de nossos alunos à E. C. 11 para que
eles possam ter um primeiro contato com a escola como alunos para facilitar a
adaptação ao ambiente escolar no ano seguinte. No mês de novembro nossa
escola recebe os alunos da Creche Cantinho da Paz a fim de apresentá-los a nova
escola e possibilitar uma transição segura e confortável.
Projeto Político Pedagógico 2018 153

 Plenarinha
É um projeto político elaborado pela SEEDF específico para a Educação
Infantil operacionalizar. O projeto tem o objetivo de oportunizar as crianças, por
meio da escuta sensível e atenta, a promoção de seu exercício de cidadão ativo,
participativo e conhecedor dos seus direitos e deveres, vivenciando a interlocução
com o Currículo da Educação Infantil em suas diferentes expressões e linguagens.
Este ano a temática apresentada para as escolas públicas desenvolveremfoi ― O
universo do brincar: A criança do Distrito Federal e o Direito ao Brincar‖. Logo, o
objetivo geral deste tema é vivenciar o brincar, a brincadeira e o brinquedo como
ferramenta para aprender, desenvolver e expressar-se de maneira integral. Iremos
planejar ações para abordar este tema junto às crianças e à sociedade.Este ano
vamos desenvolvê-lo durante todo o ano letivo com a proposta de culminância para
o dia dezoito de agosto\Festa da Família. Vários subtemas serão oferecidos para
as turmas pesquisarem, pensarem e vivenciarem a atividade do brincar. Conforme
página 173.
Projeto Político Pedagógico 2018 154

11- plano de ação para implementação do projeto


político pedagógico (apêndice a)
Projeto Político Pedagógico 2018 155

11.1 - PLANO DE AÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO


GESTÃO PEDAGÓGICA

OBJETIVOS METAS AÇÕES AVALIAÇÃO DAS RESPONSÁVEIS CRONOGRAMA


AÇÕES
I –Oferecer atendimento I - Envolver todos os responsáveis I-Realização de palestras, I- Processual e Equipe Diário;
educacional de qualidade a no processo de aprendizagem das debates, oficinas, gincanas e contínua, pois Diretiva; Semanal;
todas as crianças da escola; crianças buscando o encontros para toda acontece Coordenação; Quinzenal;
II- Assegurar a elaboração, a desenvolvimento integral e Comunidade Escolar, diariamente através Professores; Mensal;
implementação e a execução eficiente das mesmas; apresentando os objetivos do atendimento O.E Semestral;
do PPP da escola; II - Reconstruir e operacionalizar o da Educação Infantil; diário às crianças, Anual.
III- Assegurar a participação Projeto Político Pedagógico da II- Reflexão sobre como é a aos professores, pais
da comunidade escolar nas escola, com a participação de toda escola que temos e como e servidores.
atividades pedagógicas na a Comunidade Escolar; pensamos sobre a escola II- Registro das
perspectiva da formação III- Promover o envolvimento de que queremos; opiniões, discussões
integral do ser e na educação toda a Comunidade Escolar nas III- Apreciação e registro da e críticas coletadas
em direitos humanos; reuniões e atividades culturais opinião, crítica e sugestões durantes as
primando pela cultura de formação de todos os envolvidos no avaliações
IV- Orientar e coordenar os humana do ser, pautada nos processo de ensino e institucionais;
docentes na valores e princípios éticos, aprendizagem das crianças; III- Através de fotos,
operacionalização do PPP, do estéticos e políticos; IV- Planejamento semanal e atas e portifólios;
currículo e dos planejamentos IV- Realizar o planejamento temático nas coordenações IV- A partir da
semanais; semanal coletivamente com todos setorizadas; operacionalização
os professores e o coordenador; V- Planejamento e dos planejamentos;
V- Promover o V- Oportunizar as crianças o maior organização de atividades V- A partir da
desenvolvimento integral das número de experiências que colaborem para o observação dos
crianças garantindo a elas o significativas contribuindo para o desenvolvimento das professores e
acesso à construção de desenvolvimento das diferentes diferentes linguagens das registro de
conhecimentos. linguagens. crianças. relatórios.
Projeto Político Pedagógico 2018 156

11.2 - PLANO DE AÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO


GESTÃO DOS RESULTADOS EDUCACIONAIS

CRONOGRAMA
OBJETIVOS METAS AÇÕES AVALIAÇÃO DAS RESPONSÁVEIS
AÇÕES
I - Melhorar a qualidade da I - Envolver todos os responsáveis I-Realização de palestras, debates, I- Registro das Equipe Diretiva; Diário;
educação envolvendo todos no processo de aprendizagem oficinas, gincanas e encontros para opiniões, discussões Coordenação; Semanal;
os segmentos da Comunidade buscando o desenvolvimento toda Comunidade Escolar, e críticas coletadas Professores; Quinzenal;
Escolar; integral e eficiente das crianças; apresentando os objetivos da durantes as SOE; Mensal;
Educação Infantil; avaliações Equipe; Semestral;
II- Zelar pelo cumprimento do II- Cumprir respeitosamente o II- Mapeamento das crianças institucionais; CRET Anual.
Calendário Escolar; Calendário Escolar da Educação faltosas para tomada de II- Diariamente a O.E
Infantil considerando a realidade providências junto à família; partir da observação SEAA
da escola; II- Solicitação imediata de e do contato com as
III- Garantir o acesso e a III- Acompanhar diariamente a professor substituto junto a GRGP famílias;
permanência da criança no entrada e a saída das crianças, para contratação de substituto; III- Diariamente a
meio escolar respeitando o III- Acompanhamento diário da partir da observação,
tempo informado para as IV- Incentivar práticas pedagógicas entrada e saída das crianças do registro e de
práticas pedagógicas; que estimulem o pensamento advertindo e registrando casos de conversas;
investigativo das crianças; atrasos extremos de toda IV- A partir da
IV- Propor ações educativas V- Realizar atendimento Comunidade Escolar; operacionalização
que visem ao avanço de educacional especializado a todas IV- Operacionalização de atividades dos planejamentos;
estudos, a recuperação do as crianças com dificuldades de natureza e sociedade; do atendimento das
processo de ensino- pedagógicas que ainda não Encaminhamento de crianças com equipes e do
aprendizagem e adaptação possuem laudo; dificuldades ao SOE e a Equipe; desenvolvimento das
curricular dos alunos ANEE. VI- Buscar adaptação curricular das Adequação curricular das crianças crianças.
crianças ANEE. com equipe da CRET.
Projeto Político Pedagógico 2018 157

11.3 - PLANO DE AÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO


GESTÃO PARTICIPATIVA
OBJETIVOS METAS AÇÕES AVALIAÇÃO DAS RESPONSÁVEIS CRONOGRAMA
AÇÕES
I- Assegurar processos I - Envolver todos os segmentos da I-Planejamento de palestras, I-A partir do registro Equipe Diário;
participativos e democráticos escola nas atividades, decisões e debates, oficinas, gincanas e de sugestões e Diretiva; Semanal;
que contribuam para a planejamentos da escola; encontros para toda críticas de todos os Coordenação; Quinzenal;
formação de uma cultura de Comunidade Escolar; segmentos; Professores; Mensal;
respeito à dignidade humana, II- Convocar os membros do O.E Semestral;
valorizando a diversidade; Conselho Escolar para todas as II- Apresentação de planos II- Através do SEAA Anual.
reuniões importantes da escola; de aplicação, planejamentos parecer do Conselho
II- Impulsionar a participação pedagógicas e administrativas; que e projetos administrativos e Escolar;
do Conselho Escolar; tenham caráter consultivo ou pedagógicos para que o
deliberativo; Conselho Escolar emita o seu III-A partir das
III- Promover a prática III- Promover quatro reuniões para parecer; avaliações das
dialógica entre todos os Conselho de Classe, a fim de avaliar III- Reflexão sobre as práticas equipes e da
segmentos da Comunidade as práticas educativas; e troca de experiências; participação dos
Escolar; - Reduzir a infrequência dos pais - Encaminhamentos de pais pais;
nas convocações feitas pelo SOE e ao Conselho Tutelar em
IV- Viabilizar parcerias com o Equipe SEAA casos de infrequência às IV- Após a realização
Ministério da Cultura, Corpo IV- Buscar todas as parcerias convocações realizadas pelas das atividades pela
de Bombeiros, Polícia Militar, necessárias para o equipes; observação dos
DETRAN, DNER para desenvolvimento dos projetos; IV- Desenvolvimento de professores e
enriquecer as práticas V- Utilizar a agenda escolar da atividades pedagógicas com opinião das crianças;
pedagógicas da escola; criança, o mural da escola, o a participação dos parceiros V-A partir da
V- Socializar informações telefone e as redes sociais, como de outros órgãos; participação e
importantes com toda a meio de comunicação entre todos V- Comunicação de opinião de todos os
Comunidade Escolar. os segmentos da escola. informações importantes envolvidos
para todos os segmentos.
Projeto Político Pedagógico 2018 158

11.4 - PLANO DE AÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO


GESTÃO DE PESSOAS

OBJETIVOS METAS AÇÕES AVALIAÇÃO DAS AÇÕES RESPONSÁVEIS CRONOGRAMA


I-Zelar pela integração de todos I – Diminuir em 100% o índice de I-Realização da dinâmica do I-Após a realização da Equipe Diretiva; Diário;
os profissionais da escola, conflitos dentro do ambiente amigo anjo entre os dinâmica a partir de Coordenação Semanal;
crianças e responsáveis para escolar; funcionários para estreitar críticas; Professores; Quinzenal;
garantir o envolvimento II- Realizar duas festas culturais por os laços de afinidade; II- Através da participação Mensal;
amistoso com o PPP da escola; ano envolvendo todos os - Realização de festas de todos, dos Semestral;
II- Divulgar os cursos de segmentos, culturais envolvendo todos comentários e registros; Anual.
formação continuada II- Incentivar a participação de os segmentos; III- Através do registro de
promovidos pela EAPE e SEEDF todos os profissionais da educação II - Divulgação e atas;
para todos os profissionais da nos cursos e dias de formação desenvolvimento de estudos IV- Pelo desempenho das
educação; continuada promovidos pela EAPE, nas coordenações coletivas; pessoas, motivação e
III- Distribuir tarefas entre os SEEDF e escola; III- Divisão de tarefas a todos sugestões;
servidores, observando suas III- Fortalecer a participação de os servidores respeitando as V- Através dos
funções, restrições e todos os profissionais nas funções, restrições e instrumentos avaliativos:
potencialidades de acordo com atividades diárias; potencialidades de cada um; questionários desenhos
as necessidades da escola; IV- Aperfeiçoar o desempenho de IV- Planejamento de duas etc.;
IV- Realizar avaliação de todos os segmentos; avaliações institucionais e de VI- Após a realização dos
desempenho de todos os V- Garantir em 100% o fluxo de auto avaliações; eventos , durante as
funcionários; informações corretas em relação V- Reconhecimento e coordenações coletivas.
V- Respeitar os direitos e cobrar aos direitos e deveres de cada valorização dos direitos e
o cumprimento dos deveres de segmento; deveres de cada segmento;
cada segmento; VI- Motivar todos os profissionais VI- Comemoração dos
VI- Reconhecer e valorizar o da escola, valorizando-os no aniversários, datas
trabalho de todos os exercício de suas funções. comemorativas etc.
profissionais.
Projeto Político Pedagógico 2018 159

11.5 - PLANO DE AÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO


GESTÃO FINANCEIRA
OBJETIVOS METAS AÇÕES AVALIAÇÃO DAS RESPONSÁVEIS CRONOGRAMA
AÇÕES
I-Elaborar o Plano de I-Envolver todos os membros do II-Agendamento de reuniões Será feita por meio Diretor; Trimestre
Aplicação de Recursos Conselho Escolar neste movimento para discutir o Plano de de registro de ata Supervisor; Ano
destinados à escola por meio de planejar; Aplicação em parceria com o após crítica e Tesoureiro;
do PDAF e PDDE; Conselho Escolar; sugestões de todos Conselho
os participantes. Escolar
II- Aplicar com transparência e II- Aplicar 100% dos recursos II- Utilização adequada dos O.E
responsabilidade todos os financeiros durante o ano letivo; recursos financeiros
recursos financeiros priorizando necessidades;
destinados à escola por meio
do PDAF e PDDE;
III- Contratação de um
III- Prestar contas para o III- Prestar contas, ao Conselho contador para organizar
Conselho Escolar, CRET e Escolar, trimestralmente, por meio documentação e facilitar o
SEEDF respeitando os prazos e de balancetes e a CRET e SEEDF registro de dados;
a legislação vigente; sempre que solicitado;
IV- Realização de festas,
IV- Arrecadar recursos IV- Investir 100% dos recursos bazares e ações entre
financeiros para subsidiar conquistados em melhorias na amigos.
atividades que não podem ser escola ou para subsidiar atividades
bancadas pelo PDAF ou PDDE. culturais das crianças. V- Sensibilizar toda a
Comunidade Escolar através
V- Impulsionar a gestão V- Conquistar pelo menos 1 de reuniões para buscar
financeira da escola buscando parceiro para colaborar com o parceiros do bem.
parceiros para contribuir com aspecto financeiro da escola.
doações generosas.
Projeto Político Pedagógico 2018 160

11.6 - PLANO DE AÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO


GESTÃO ADMINISTRATIVA

OBJETIVOS METAS AÇÕES AVALIAÇÃO DAS AÇÕES RESPONSÁVEIS CRONOGRAMA


I-Promover ações de I-Diminuir em 70% o desperdício I-Promoção de palestras, I-Registro das opiniões, Equipe Diretiva; Diário;
sustentabilidade na escola e de materiais em nossa escola; estudos e discussões; discussões e críticas Coordenação Semanal;
com a Comunidade escolar; coletadas nas avaliações Professores; Quinzenal;
institucionais ou no dia a O.E Mensal;
II- Zelar pela conservação dos II-Conservar e guardar diariamente II- Orientação e divulgação dia. Semestral;
bens materiais, patrimoniais e todos os bens materiais, dos cuidados para conservar Anual.
históricos da escola; patrimoniais e históricos da escola; os bens materiais,
patrimoniais e históricos da
escola;
III- Garantir o desenvolvimento III- Suprir todas as necessidades
das atividades pedagógicas e materiais da escola; III- Planejamento, aquisição,
administrativas da escola remanejamento ou reforma
suprindo suas necessidades de recursos materiais para
materiais; manter o funcionamento da
escola;
IV- Planejar, coordenar, IV- Seguir respeitosamente todos
executar e avaliar as atividades os princípios da Administração IV- Operacionalização da
administrativas segundo os Pública. gestão administrativa no dia
princípios da Administração a dia realizando
Pública. esclarecimentos quando
necessário.
Projeto Político Pedagógico 2018 161

12- ACOMPANHAMENTO
E AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO
PEDAGÓGICO
O Projeto Político Pedagógico da escola é o documento que orienta
todas as nossas ações, intenções, necessidades, direitos e deveres sabemos que
ele se materializa no dia a dia a partir da participação democrática de todos os
atores que compõem o processo de ensino e aprendizagem das crianças.

Ele foi pensado por nós e para todos nós que fazemos parte deste
contexto educacional que trabalha e se dedica em função da criança e da infância
primando por um atendimento educacional de qualidade. A palavra qualidade tem
um significado polissêmico por guardar em si vários sentidos, possibilidades e
desejos esperados para o desenvolvimento holístico do ser.

Buscamos uma qualidade que necessita ser aprimorada através de


processos dialógicos de discussão e do encontro entre todos os segmentos que
integram a escola para explorar as possibilidades de reavaliar o trabalho para
redimensioná-lo.

Desta forma torna-se importante impulsionar as avaliações institucionais


previstas para acontecerem nos dois semestres letivos. As avaliações promovidas
pela escola precisam ser organizadas e registradas para garantir o direito de dar
vez e voz a todos os segmentos. Crianças, pais, professores, servidores e direção
devem participar para contribuírem com suas diferentes visões de mundo,
respeitando a diversidade humana e repensando em uma educação que aconteça
de fato e de direito, potencializando os valores humanos numa perspectiva de
educação humanitária.

Os procedimentos de avaliação podem ser definidos pela equipe


gestora, pelo Conselho Escolar, pelos professores, pais, servidores e crianças.
Acreditamos que a forma de organização destes critérios podem serpensados e
apresentados pela equipe gestora de forma criativa e dinâmica atendendo todas as
idades e peculiaridades.
Projeto Político Pedagógico 2018 162

As avaliações precisam ser documentadas através de registros em atas,


fotos, filmagens, gráficos e etc. Todo este material faz parte do histórico da escola
para ressignificar e promover as aprendizagens e as linguagens das crianças.

A escola funciona diariamente e nela acontecem as interações entre


todos os segmentos, principalmente nos horários de entrada e saída das crianças
temos a oportunidade de receber queixas, sugestões, informações sobre a
dinâmica das relações entre crianças/crianças, crianças/adultos, adultos/adultos.

Assim não podemos desconsiderar estas angústias, desejos e


necessidades que potencializam o dia a dia tornando-o muitas vezes pesado,
sofrido, amado, alegre e dinâmico demarcando uma relação dialética de conflitos e
contradições.

Respeitando essa pluralidade social avaliamos e realizamos


intervenções urgentes que não podem esperar um semestre para serem
esclarecidas. Essas mediações nos apropriam para fundamentar o movimento de
autoavaliação porque avaliar requer uma pista de duas mãos onde eu me avalio e
avalio o outro para promover, descobrir e explorar as possibilidades de qualificar,
articular e reavaliar o trabalho existente na escola.

Avaliar constitui uma prática vital para que possamos avançar nos
discursos e na operacionalização do currículo, do fazer educação com eficiência.
(ver tabelas e gráficos em anexo).

A avaliação socializada abaixo foi realizada no final de 2017 com todos


os sujeitosparticipantes do processo de ensinar e aprender. Todos os responsáveis
receberam uma pesquisade opinião e somente 134

entregaram. O tratamento desta pesquisa nos fez concluir que parte da


comunidade escolar está satisfeita com o nosso trabalho. Estamos caminhando na
certeza de fazer educação com responsabilidade e comprometimento. Além disso,
utilizamos os dados negativos para repensar e redimensionar nossa prática diária.
Projeto Político Pedagógico 2018
15- Ao se dirigir à EEAA (Equipe Especializada 20- Sugestão/ Crítica/ Elogios: 163
de Apoio a Aprendizagem) - Psicóloga e
_______________________________________
Pedagoga;Orientação Educacionale Sala de
_______________________________________
Recursos, qual a sua avaliação do GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL
_______________________________________
atendimento? SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO
_______________________________________
A.( ) Ótimo COORDENAÇÃO REGIONAL DE ENSINO DE TAGUATINGA
_______________________________________
B. ( ) Bom. CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 01 DE TAGUATINGA
_______________________________________
C.( ) Regular
_______________________________________
D.( ) Nunca fui convocado.
_______________________________________
16- Ao se dirigir à Secretaria, qual a sua _______________________________________ Pais
avaliação do atendimento? _______________________________________
A.( ) Ótimo _______________________________________
B.( ) Bom.
C.( ) Regular

17- Em sua opinião, o atendimento telefônico


é:
A. ( ) Ótimo
B. ( ) Bom.
C.( ) Regular
D.( ) Nunca solicitei esse atendimento.

18- Qual a sua avaliação do atendimento da


Portaria?
A.( ) Ótimo. B. ( ) Bom. “A avaliação deve
C.( ) Regular D.( ) Ruim
“O mundo que deixaremos para construir pontes e
19- As crianças gostaram dos passeios:
nossos filhos depende não levantar
dos filhos que deixaremos para o
A.( ) Sim. B. ( ) Não.
C.( ) Nunca participou. nosso mundo”. muros.”
Passeio mais legal: _______________________
2017/2018
Projeto Político Pedagógico 2018 164

4- Desde a matricula até hoje, qual o seu grau 10- Dos projetos pedagógicos desenvolvidos
Com a finalidade de melhorar nosso Projeto
de satisfação? pelo CEI 01, em sua opinião, existe algum que
Político Pedagógico “Eu no mundo e o
A.( ) Muito satisfeito mereça destaque? (Movimento; Festa Junina;
mundo em mim”, solicitamos a gentileza de
B.( ) Satisfeito Sacola literária; Bichos Brasileiros; Dia das
responder o questionário a
C.( ) Insatisfeito Mães/Pais; Bisbilhotando as Artes; Índios na
seguirdevolvendo-o até dia 04/12/17.
escola; Plenarinha, Brinquedoteca;Tabletes,
A sua opinião e expectativa servirão como 5- Qual a sua opinião sobre a disciplina no etc.)
subsídio no planejamento e na CEI 01? A.( ) Não.
implementação de melhorias pedagógicas e A.( ) Tem normas disciplinares rígidas. B.( ) Sim. Quais? _______________________
administrativas. B.( ) Tem normas disciplinares flexíveis. ______________________________________
C.( ) Consegue equilibrar rigidez e
Agradecemos a sua participação neste flexibilidade disciplinar. ______________________________________
processo que, com certeza, contribuirá para 11- Qual a sua avaliação sobre o processo de
a construção de um CEI cada vez melhor. 6- Sobre a equipe de professores, qual a sua comunicação família/escola (bilhetes/agenda)?
opinião? A.( ) Ótima. B. ( ) Boa.
1- Seu filho(a) estuda : A.( ) Ótima.B.( ) Boa. C.( ) Regular D.( ) Não leio.
A.( ) ManhãB.( ) Tarde C.( ) Regular .
12- Sobre a limpeza da escola, como você
7- Você indicaria o CEI 01 para alguém? avalia?
2- Está matriculado no:
A.( ) Sim. B.( ) Não. A.( ) Ótima. B. ( ) Boa.
A.( ) 1° PeríodoB.( ) 2° Período
C.( ) Regular

3- Por que você escolheu o CEI 01? Se 8- Qual a sua opinião sobre a relação aluno/
13- Sobre a cantina/ lanche, como você avalia
necessário, marque mais de uma opção. professor?
os serviços prestados?
A.( ) Qualidade de ensino/ Ótima escola A.( ) Ótima. B. ( ) Boa.
A.( ) Ótima. B. ( ) Boa.
B.( ) Proximidade da residência ou local de C.( ) Regular
C.( ) Regular
trabalho 9- Qual a sua avaliação a respeito das reuniões
C.( ) Indicação de amigos/familiares 14- Ao se dirigir à Direção, qual a sua avaliação
de pais e professores?
D.( ) Única opção do atendimento?
A.( ) Ótimas. B. ( ) Boas.
E.( ) Encaminhado do 156 A.( ) Ótimo. B. ( ) Bom.
C.( ) Regulares
C.( ) Regular
1- Seu filho(a) estuda : D. ( ) Nunca participei.
D.( ) Nunca solicitei esse atendimento.
A.( ) ManhãB.( ) Tarde
Projeto Político Pedagógico 2018 165

RESULTADO DA PESQUISA DE OPINIÃO DOS PAIS


( 355 ALUNOS – 162 RESPOSTAS – 145 VÁLIDAS - 17 EM BRANCO)

1. TURNO 2. PERÍODO

MATUTINO PRIMEIRO
VESPERTINO SEGUNDO
EM BRANCO EM BRANCO

3. ESCOLHA DA ESCOLA 4. GRAU DE SATISFAÇÃO


A. QUALIDADE DE
ENSINO
C. LOCALIZAÇÃO
A. MUITO SATISFEITO
D. INDICAÇÃO
B. SATISFEITO
E. ÚNICA OPÇÃO D. INSATISFEITO
F. ENCAMINHADO 156 E. EM BRANCO

EM BRANCO
Projeto Político Pedagógico 2018 166

5. DISCIPLINA NO CEI 01 TAG 6. A EQUIPE DE PROFESSORES

A. RÍGIDO A. ÓTIMA

B. FLEXÍVEL B. BOA

C. EQUILIBRADO C. REGULAR

D. EM BRANCO E. EM BRANCO

7. INDICARIA A ESCOLA 8. RELAÇÃO


ALUNO/PROFESSOR

A. SIM A. ÓTIMA
B. NÃO B. BOA
C. EM BRANCO C. REGULAR
E. EM BRANCO
Projeto Político Pedagógico 2018 167

9. REUNIÃO DE PAIS E 10. PROJETOS PEDAGÓGICOS


PROFESSORES MERECEM DESTAQUE

A. ÓTIMAS
B. BOAS A. NÃO
C. REGULARES B. SIM
E. NUNCA PARTICIPEI
D. EM BRANCO
F. EM BRANCO

11. COMUNICAÇÃO FAMÍLIA & ESCOLA


(Bilhete/ Agenda) 12. LIMPEZA

A. ÓTIMA
A. ÓTIMA
B. BOA
B. BOA
C. REGULAR
C. REGULAR
E. NÃO LEIO
D. EM BRANCO
F. EM BRANCO
Projeto Político Pedagógico 2018 168

13. CANTINA/ LANCHE 14. DIREÇÃO

A. ÓTIMA
A. ÓTIMA
B. BOA
B. BOA
C. REGULAR
C. REGULAR
D. NÃO SOLICITEI
D. EM BRANCO
E. EM BRANCO

15. EQUIPE EEAA (Psicóloga, 16. SECRETARIA


Orientadora Ed., Pedagoga)
A. ÓTIMA

B. BOA A. ÓTIMA
B. BOA
C. REGULAR
C. REGULAR

D. NÃO FUI D. EM BRANCO


CONVOCADO
E. EM BRANCO
Projeto Político Pedagógico 2018 169

17. ATENDIMENTO TELEFÔNICO 18. PORTARIA

A. ÓTIMA A. ÓTIMO
B. BOM B. BOM
C. REGULAR C. REGULAR
D. NÃO SOLICITEI D. RUIM
E. EM BRANCO E. EM BRANCO

19. PASSEIOS AGRADARAM AS PASSEIO MAIS LEGAL


CRIANÇAS
A. TODOS
B. CIRCO
C. ZOOLÓGICO
A. SIM D. CIRCUITO
B. NÃO E. CATAVENTO
C. NÃO PARTICIPOU F. CINEMA
D. EM BRANCO G. TEATRO
H. OUTROS
Projeto Político Pedagógico 2018 170

10. PROJETOS PEDAGÓGICOS EM DESTAQUE

4% 5%
6% TODOS
6%
BICHOS BRASILEIROS
6%
SACOLA LITERÁRIA

14% FESTA JUNINA


7% MÃES

PAIS

PLENARINHA
7%
TABLETES

ÍNDIOS
12%
BRINQUEDOTECA
8%
BISBILHOTANDO AS ARTES

OUTROS
8% 9%
EM BRANCO
8%
Projeto Político Pedagógico 2018 171

20. SUGESTÃO/ CRÍTICA/ ELOGIO TRABALHO SOCIAL ENVOLVENDO PAIS

APRENDIZAGEM: ALFABETIZAÇÃO, DEVER DE


CASA
LEITURA: INCENTIVAR MAIS E QUALIDADE DOS
LIVROS DA PASTA LITERÁRIA
FESTAS E REUNIÕES AOS SÁBADOS
6% 6%
6% 6% BILHETE COM ANTECEDÊNCIA

ATIVIDADES EDUCACIONAIS COM OS PAIS


6% 6% (ANEE)
SALA DE INFORMÁTICA

6% 6% AULA COM INSTRUMENTO MUSICAL

AULA DE FUTEBOL

6% 6% CUIDADO COM A PORTARIA

PASSEIO / MEIO AMBIENTE

6% 6% MAIS ATENÇÃO COM AGENDA, COLOCAR


RECADINHOS
INTRODUZIR MEDITAÇÃO
6% 6%
PEDAGOGIA WALDORFF

6% 6% ÓTIMA ESCOLA
6% 6%
TRANSFERIR O PORTÃO PARA TRÁS

PREOCUPAÇÃO COM A SAÍDA DA ESCOLA

ESTACIONAMENTO PARTE DE TRÁS


Projeto Político Pedagógico 2018 172

Avaliação Institucional 27/10/17


Complete a história...
Era uma vez... uma menina chamada Chapeuzinho Vermelho, ela tinha esse nome pois sempre usava um capuz vermelho feito
por sua avó. Um dia suamãe pediu que ela levasse doces a sua vovozinha que estava doente e a alertou para não ir pelo bosque,
pois era muito perigoso.Chapeuzinho Vermelho desobedeceu a sua mãe e foi para casa da vovó pelo caminho mais longo e deu
de cara com o lobo. O lobo foi mais esperto que ela, devorou a vovó e se vestiu como se fosse ela e quase conseguiu enganar a
chapeuzinho. No final, um caçador aparece,salva a chapeuzinho e tira a vovó viva por sorte de dentro da barrigada do lobo.
Não muito longe dali começa uma nova história...

Era uma vez uma criança muito linda chamada _______________________ que começou a estudar no CEI 01 de Taguatinga.
nome do aluno (a)
Lá ela conheceu a professora ___________________, e aprendeu muitas coisas legais! A professora perguntou para as crianças:
nome da professora
Chapeuzinho Vermelho desobedeceu a sua mãe aprendeu uma lição... O que vocês aprenderam até aqui?
Coisas que eu já aprendi na escola Coisas que eu ainda não aprendi na escola Coisas que gostaria de aprender na escola
Projeto Político Pedagógico 2018 173

Resultado da pesquisa

Torna-se importante esclarecer que esta pesquisa foi enviada para casa de todos os
alunos para que os responsáveis pudessem preenchê-la de acordo com a resposta dada pela
criança. Foi uma forma da escola dar vez e voz às crianças, considerando suas opiniões para
redimensionar o PPP.
Ao realizar o tratamento da pesquisa percebemos um desejo enorme das crianças e dos
pais em antecipar práticas do Ensino Fundamental, pois a maioria manifestou o desejo de
aprender a ler e escrever com rapidez.
Percebemos que estamos cumprindo nosso objetivo enquanto Educação Infantil porque a maioria relatou que aprendeu
músicas, o nome, cores, histórias, a desenhar, colorir, respeitar regras, letras, números etc.
Outro ponto intrigante foi que ninguém mencionou o eixo brincar, será que é porque não consideram uma atividade
relevante. Nós educadores temos total consciência da importância do brincar, tanto é que oferecemos inúmeros espaços para a
brincadeira.

O que aprendi O que não aprendi Gostaria de aprender


A maioria das crianças respondeu para Grande parte relatou que não A maioria destacou que gostaria de
seus pais que aprenderam a escrever o aprenderam a ler e escrever. Não aprender a ler e escrever com velocidade.
nome, as letras, os números, as cores e aprenderam inglês! Também falaram que gostariam de
formas. Alguns relataram que aprender a escrever com letra cursiva.
aprenderam a respeitar as regras, os Também manifestaram o desejo de
colegas e adultos. Além de aprender aprender: natação, judô, inglês, futebol e
músicas, histórias e temas como plantas música.
etc.
Projeto Político Pedagógico 2018 174

13- PROJETOS ESPECÍFICOS (APÊNDICE B)

“ A Leitura do mundo precede a


leitura da palavra”.

Paulo Freire
Projeto Político Pedagógico 2018 175

13 – PROJETOS DESENVOLVIDOS NA ESCOLA:


13.1 - BRINQUEDOTECA

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)

Brinquedoteca -Proporcionar momentos felizes às -Criação e desenvolvimento de oficinas a Cláudia Inácia a- Durante as
Em crianças onde possam expressar suas partir de histórias, brincadeiras, Joelma Felipe coletivas, e nas
Ação emoções, sentimentos, pensamentos e dramatizações e jogos; E avaliações
necessidades; -Organização do espaço da brinquedoteca Neomísia institucionais.
-Incentivar e valorizar o brinquedo como em cantos que possibilitem a expressão das
atividade geradora do desenvolvimento diferentes linguagens; b- Sistemática
intelectual; - Seleção e distribuição do acervo literário
durante a
-Estabelecer relação do espaço em 28 caixas que serão utilizadas pelos
brinquedoteca aos temas e habilidades professores em sala de aula; realização das
que estão sendo abordados em sala de -Organização, conservação e empréstimo atividades.
aula; dos materiais pedagógicos guardados na
-Proporcionar o acesso dos professores, brinquedoteca.
alunos e servidores ao acervo literário, as
fantasias e aos brinquedos da
brinquedoteca.
Projeto Político Pedagógico 2018 176

13.2 – HORA CÍVICA

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)

Hora Cívica -Promover a socialização e -Reunião e integração de todas as turmas, Direção, (a) Durante as
integraçãoentre crianças/crianças e professoras e servidores no pátio da escola; Coordenação; coletivas, e nas
crianças/ adultos; -Apreciação do Hino Nacional e de músicas Professores; avaliações
-Conhecer o Hino Nacional e a selecionadas de acordo com o planejamento Orientadora; institucionais -
Bandeira Nacional; semanal; Equipe
- Desenvolver as diferentes -Apresentação de histórias a partir de
linguagens; dramatizações,fantoches,slides,filmes;
-Promover ações que desenvolvam a -Exploração e discussão do conteúdo das (b) Será formativa,
consciência social e o pensamento histórias; processual e
crítico das crianças; -Apresentação mensal por turma de acordo contínua a partir
- Incentivar a participação de todas com sorteio; da opinião das
as crianças nos momentos de -Oferecimento de um momento para que uma crianças, dos
apresentações individuais e coletivas; criança faça sua oração; professores, da
- Trabalhar a dimensão religiosa na -Exploração de algumas datas coordenação e
perspectiva da construção de um comemorativas. direção.
mundo melhor, formando crianças
abertas ao diálogo, ao respeito e à
convivência com diferenças e com a
diversidade.
Projeto Político Pedagógico 2018 177

13.3 – RESGATANDO VALORES SOCIAIS E CULTURAIS

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)
- Apreciação de histórias que abordem os temas: -Direção;
- Resgatando Valores - Resgatar o respeito ao respeito, obediência, gratidão, perdão, solidariedade; -Coordenação; (a) Durante as coletivas, e
Sociais e Culturais próximo; - Desenvolvimento da autoestima trabalhando a -Professoras; nas avaliações
- Promover a aceitação origem genética, nascimento, características físicas e -Orientadora; institucionais.
pelas diferenças em seus emocionais; - Equipe
múltiplos aspectos; - Promoção diária de uma convivência escolar com -Tribo;
- Buscar a participação das respeito às diferenças desenvolvendo uma cultura de
famílias no processo de paz; (b) A avaliação percorrerá
conscientização de nossos - Construção coletiva de regras e combinados todo o período letivo, a
direitos e de nossos escolares; partir da observação dos
deveres; - Dramatização de histórias que desenvolvam bons professores e da fala das
- Valorizar bons hábitos e hábitos; crianças,
boas atitudes nas relações - Encaminhamento das crianças que apresentam de suas curiosidades e
interpessoais; constantes conflitos ou atitudes preconceituosas ao suas produções.
- Diminuir os conflitos dentro SOE;
do ambiente escolar; - Atendimento diário às crianças pela direção para
- Refutar atitudes de realizar intervenções quanto a dificuldades de
preconceitos. relacionamentos, queixas e outros sofrimentos;
- Promover a Semana da -Promoção de eventos sociais que visem a integração
Criança: Confraternização família/escola;
de Páscoa; Cantata de - Integração dos índios com as crianças através da
Natal; Plenarinha, Festa da visita da tribo Walê- Fulni-ô;
Família< Bisbilhotando às - Apresentação de histórias envolvendo a cultura
Artes. AFRO e as pessoas com necessidades educacionais
especiais.
- Degustação de comidas típicas da nossa cultura tais
como: bolo de chocolate, refrigerante, algodão-doce,
pipoca, cachorro-quente, suco, doces, canjica.
Projeto Político Pedagógico 2018 178

13.4 –SE BOBEAR VOCÊ PODE SE MACHUCAR

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)
- Se Bobear -Orientar as crianças sobre os perigos dos - Apresentação de slides com imagens de crianças -Direção; a) Durante as
você pode acidentes domésticos; em situações perigosas; -Coordenação; coletivas, e nas
se machucar - Informar as principais causas de acidentes - Promoção de discussão para coletar a opinião das -Professoras; avaliações
com crianças; crianças deixando-as livres para falar sobre os -Orientadora; institucionais.
- Mostrar formas de evitar acidentes momentos em que passaram por situações Equipe
domésticos; perigosas;
-Trabalhar cuidados com água, fogo, - Demonstração da forma correta de utilizar os (b) A avaliação
remédios, plantas venenosas, pessoas brinquedos do parquinho e de como brincar na percorrerá todo o
estranhas, animais, veículos, eletricidade, piscina, no recreio e em outros lugares; período letivo, a
brinquedos, trânsito, parquinho, produtos de - Apreciação de histórias abordando os cuidados partir da observação
limpeza. com: água, fogo, remédios, plantas, pessoas dos professores e da
-Integrar a família a esses cuidados; estranhas, animais, carros, eletricidade, fala das crianças,
- Convidar o Corpo de Bombeiros, a Polícia brinquedos, produtos de limpeza e trânsito; de suas curiosidades
Militar, Agentes de Saúde, DETRAN, DNER e - Integração da família/ escola por meio da pasta e suas produções.
outros profissionais para interagir com as literária com livros abordando a temática;
crianças; - Interação das crianças com bombeiros, policiais,
-Despertar na criança atitudes de cuidados enfermeiras, agentes de trânsito a partir de
com o próprio corpo desenvolvendo a pequenas palestras oficinas ou brincadeiras;
autonomia e evitando abusos; - Desenvolvimento de práticas que incentivem as
- Diminuir o número de acidentes na escola, crianças a manipularem o próprio corpo;
principalmente nas atividades coletivas. - Acompanhamento às crianças em todos os
momentos que estiverem no ambiente escolar
realizando aas devidas intervenções.
Projeto Político Pedagógico 2018 179

13.5 – RECREIO MUSICAL

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)
- Recreio - Promover a interação de crianças de - Acolhimento às crianças, pelos adultos, - Direção; (a) Durante as coletivas, e
Musical primeiro período com as de segundo; durante 20 minutos de interação entre todas -Coordenação; nas avaliações
- Colaborar para diminuir a agressividade, as turmas; -Professoras; institucionais.
a individualidade, o egoísmo e a falta de - Interação de adultos com as crianças a -Orientadora;
solidariedade; partir de brincadeiras livres; - Equipe
- Aperfeiçoar regras a partir de - Realização de intervenções lembrando (b) A avaliação percorrerá
combinados; sempre os combinados para uma boa todo o período letivo, a
- Incentivar a autonomia das crianças convivência; partir da observação das
encorajando-as a brincar em grupo sem a - Construção de uma cultura de paz crianças, dos professores,
companhia da professora; incentivando as crianças a criarem suas servidores e pais.
- Despertar o apreço pela música; brincadeiras em grupo;
- Oportunizar espaço para a livre - Apreciação de diferentes estilos musicais;
expressão da criança; - Exploração dos espaços coletivos da escola
- Despertar a imaginação e a com segurança;
inventividade. - Desenvolvimento de atitudes de cuidado
com o ambiente coletivo, ensinando-as a
brincar utilizando o bebedouro, o banheiro e
os espaços externos;
- Utilização de materiais como: giz, bola,
basquetinho, corda e etc.
Projeto Político Pedagógico 2018 180

13.6 – BISBILHOTANDO AS ARTES

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -
(b)
-Bisbilhotando -Oferecer oportunidades para - Visita a museus, exposições, circos e feiras; Direção; (a) Durante as
as ampliação do repertório expressivo das - Manuseio de diferentes instrumentos musicais , Coordenação; coletivas, e nas
Artes crianças; materiais, texturas, espessuras e suportes; Professores; avaliações
- Conhecer diferentes estilos de -Participação em brincadeiras, danças e cantos; Orientadora; institucionais.
música, teatro, dança e outras -Conhecimento da diversidade de produções Equipe
expressões da cultura popular; artísticas como: desenhos, pinturas, esculturas,
- Descrever, imitar, adaptar, comentar, construções, fotografias, colagens, ilustrações, (b) A avaliação
individualmente ou em grupo, as cinema; percorrerá todo o
apresentações assistidas; - Conversar sobre o que observaram, gostaram ou período letivo, a
Emitir opiniões sobre gostos e não, nas apresentações e eventos em que partir da
sentimentos em relação à arte; participaram; observação dos
-Dramatizar situações significativas; - Valorização de sua próprias produções, das de profissionais e das
- Possibilitar à criança o contato com outras crianças e da produção de artes em geral; falas das crianças,
imagens de grandes pintores; - Imitação de gestos, sons e movimentos; suas curiosidades
- Ampliar o universo visual e estético, a -Observação e contato com artistas e suas obras; e suas produções.
observação, a percepção de -Descrição e interpretação de imagens; E da apreciação e
semelhanças e diferenças; - Desenho de memória; exposição das
-Incentivar a expressão artística da - Identificação e exploração das cores; telas pintadas
criança através de vários suportes e - Escuta e valorização de obras musicais; pelas crianças.
materiais. - Elaboração de livros de imagens;
- Perceber e expressar sensações, -Identificação de luz e sombra projetadas nos objetos
sentimentos e pensamentos por meio e no corpo humano;
de improvisações, composições e - Pintura da tela;
interpretações - Desenho com interferência gráfica;
Projeto Político Pedagógico 2018 181

13.7 – FESTA JUNINA

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)
-Festa Junina - Conhecer a diversidade de - Apresentação de slides envolvendo algumas Direção; (a) Durante as coletivas, e
manifestações culturais do nosso manifestações culturais: frevo, maracatu, dança das Coordenação; nas avaliações
país; fitas, bumba meu boi, Catira, Chula;- Planejamento, Professores; institucionais.
- Apresentar às crianças danças e preparação e realização da Festa Junina da escola; Orientadora;
músicas regionalistas. - Organização de uma gincana envolvendo toda a Equipe (b) A avaliação acontecerá
- Despertar o espírito de comunidade escolar a fim de arrecadar gêneros após a festa junina pela
colaboração nas crianças; alimentícios para ajudar a realizar nossa festa; apreciação das crianças,
- Despertar o gosto por histórias e Degustação de alimentos típicos de festa junina, sucos pais, servidores e
contos populares; e refrigerantes. comunidade.
- Arrecadar verba para realizar a - Confecção de trabalhinhos artísticos com tema
festa das crianças em outubro; junino;- Exploração de vários gêneros textuais: receita,
- Incentivar a colaboração da carta, poema, fábula, lenda;- Ensaio de danças para
comunidade para com a escola; apresentar na Festa Junina;- Preparação de enfeites
- Reconhecera linguagem rural pelas crianças para decorar a festa;- Apreciação de
como uma possibilidade de filminhos envolvendo o personagem Chico Bento.
expressão. - Discussão sobre as diversas formas de falar das
pessoas;- Apreciação das obras do artista plástico:
Alfredo Volpi;- Releitura de obras de Alfredo Volpi:
Barco com Bandeirinhas e Aves e algumas sem título;
-Organização de um bazar com roupas, calçados,
bijuterias, enfeites e utensílios para casa.
Projeto Político Pedagógico 2018 182

13.8 – ENTROU POR UMA PORTA E SAIU POR OUTRA... LITERATURA

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)
Entrou por - Incentivar o hábito de leitura das crianças; -Acesso a empréstimos de livros para Professores (a) Durante as coletivas, e
uma porta e - Promover a interação entre família/ escola; leitura em casa, com a família; Pais nas avaliações
saiu por - Refletir e aperfeiçoar a interação família- - Relato de histórias trazidas ou ouvidas em institucionais.
outra... escola; casa;
- Trabalhar a aceitação, a autoestima, o - Organização de uma pasta/bolsa para que
Literatura preconceito, valores etc.; a criança possa levar o livro para casa e (b) A avaliação percorrerá
- Valorizar nossas tradições, nossa cultura. trazê-lo de volta para a escola; todo o período letivo, a
- Propiciar às crianças o encontro com a -Manuseio de diversos materiais escritos partir da observaçãodas
fantasia, a imaginação e a aprendizagem lúdica; como: gibi, livro, revista, jornal, carta, folder, crianças, professores e
- Apreciar a leitura feita pelo familiar; bilhetes e propagandas; pais.
- Escolher livros para levar para casa; - Oferecimento de livros diversificados que
- Familiarizar-se com a leitura por meio do favoreçam a interdisciplinaridade;
manuseio de livros e outros portadores de - Compartilhamento e troca de ideias com
textos; os colegas sobre os textos lidos;
-Interagir e expressar desejos, necessidades e - Criação de textos e de histórias a partir de
sentimentos por meio da linguagem; gravuras;
- Ampliar gradativamente suas possibilidades de - Audição da mesma história, várias vezes,
comunicação e de expressão; pelo prazer de reconhecê-la, aprendê-la e
- Valorizar a leitura como fonte de prazer e reviver emoções;
entretenimento. - Participação em apresentações orais em
- Impulsionar o desenvolvimento integral das situações que envolvam público;
crianças. -Participação em conversas de rodinha ou
nas brincadeiras de faz de conta;
-Leitura e apresentação oral da história
compartilhada em casa;
-Registro da história ouvida;
Projeto Político Pedagógico 2018 183

13.9 – FAMÍLIA, MINHA VIDA

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)
Família, - Estabelecer uma relação entre a - Apreciação de histórias que abordem o
Minha escola e a família baseada no tema: família; Direção; (a) Durante as coletivas, e
Vida! pertencimento, na ação mútua em - Reflexão sobre a importância da família a Coordenação; nas avaliações
prol da criança; partir de histórias; Professores; institucionais.
- Impulsionar o desenvolvimento -Apresentação da diversidade de Orientadora;
integral das crianças; configuração familiar; Equipe (b) A avaliação percorrerá
- Acolher as famílias de todas as - Planejamento, organização de uma festa todo o período letivo, a
crianças, sem discriminá-las, para promover a interação escola/ família; partir da observaçãodas
independente de sua configuração; - Realização de oficinas de arte, pintura, crianças, professores e
- Considerar famílias e comunidade desenho, esporte e gincanas; pais e após a festa da
parceiras protagonistas da escola; - Valorização da participação das famílias nas família.
- Programar formas de conversar festividades da escola;
com as famílias de modo a conhecer - Divisão dos pais em grupos para coletar
suas expectativas, preocupações, suas opiniões, preocupações e expectativas;
reivindicações; - Utilização dos espaços da escola para
- Apresentar e discutir o cotidiano e o atividades físicas;
Projeto Político Pedagógico da -Socialização de informações sobre as
escola; crianças para os responsáveis.
- Convidar pais, mães, responsáveis
para produzir algo ou realizar
atividades com ascrianças.
- Compartilhar com as famílias
informações sobre a criança.
Projeto Político Pedagógico 2018 184

13.10 – TRANSIÇÃO – REMANEJAMENTONATURAL

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a) CRONOGRAMA
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)
- Transição - Compreender e atender às crianças - Preparação temática da escola para o primeiro dia Direção (a) Durante as coletivas, e
Remanejamento em suas especificidades. de aula, de acordo com o calendário escolar; Coordenação nas avaliações
Natural Despertar um olhar cuidadoso e uma - Recebimento das crianças acompanhadas dos pais Orientação institucionais.
postura afável sobre os processos de ou responsáveis para o 1º dia de aula; Equipe
transição vivenciados pela criança; -Redução do tempo de aula da criança, nos quinze Professoras
-Criar estratégias adequadas aos primeiros dias; Escola Classe (b) A avaliação percorrerá
diferentes momentos de transição -Planejamento de atividades que favoreçam uma 11 o período de adaptação
das crianças; aprendizagem lúdica e dinâmica; Creche da criança, do professor,
- Favorecer um ambiente físico e -Plantão de todos os profissionais da escola que Cantinho da Paz dos pais e da escola a
social onde as crianças se sintam desenvolvem trabalhos coletivos (SOE, SEAA, nova situação de
protegidas e acolhidas para arriscar e Equipe Gestora, Profissionais Readaptados) para aprendizagem.
vencer desafios; dar suporte aos momentos de sofrimento e A partir das atividades de
- Preparar um encontro entre adaptação da criança. visitação das crianças aos
profissionais da equipe de transição -Preparação de um momento para acolher as novos destinos.
das crianças (origem e destino); crianças que virão da Creche Cantinho da Paz para
-Visitar, conhecer e ter o primeiro a nossa escola;
contato com a escola ou classe de -Agendamento de um dia de visita à Escola Classe
Ensino Fundamental que irá receber 11 para que os alunos de 2º período conheçam a
a criança da Educação Infantil no ano nova escola;
seguinte; - Ampliação dos conhecimentos das crianças para
- Possibilitar às crianças de 2º favorecer a inserção no Ensino Fundamental;
período uma transição segura e - Reflexão da necessidade de mudança de turma do
confortável para o Ensino 1º período para o 2º período;
Fundamental; -Apreciação de histórias sobre a temática
“Transição”.
Projeto Político Pedagógico 2018 185

13.11– CORPO E MOVIMENTO

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)
Corpo Estimular a aquisição de significados - Reconhecimento progressivo do próprio A (a) Durante as coletivas, e
e durante os movimentos, passando da corpo em brincadeiras, no uso do espelho e Professora nas avaliações
Movimento simples percepção sensorial do corpo na interação com os outros. Joelma institucionais.
para o controle, expressão e - Identificação das diversas expressões está
desenvolvimento da independência corporais possibilitando a familiarização com impossibilitada (b) Será semestral de
dos movimentos da criança. a imagem do próprio corpo. de desenvolver acordo com o tempo de
- Domínio das partes do corpo de modo a este projeto desenvolvimento do
adquirir consciência de suas potencialidades devido projeto, por turmas, a
(força, velocidade, resistência, agilidade, a uma lesão partir da participação das
equilíbrio e flexibilidade). na perna. crianças, de seus
- Interação com outras crianças por meio do Solicitamos outro comentários e da
movimento. profissional observação das
- Vivências com sensações e ritmos por meio readaptado professoras e pais.
do movimento corporal associado a diferentes a CRET
sons. para
- Adequação de gestos, movimentos e ritmos desenvolver
corporais às suas necessidades, intenções e O
ambientes desenvolvendo a independência. projeto.
-
Projeto Político Pedagógico 2018 186

13.12–VI Plenarinha

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)
- Vivenciar o - Estimular a aprendizagem por - Reconhecimento progressivo do próprio corpo em -Professoras (a) Durante as coletivas, e
brincar, a meio do brincar nas diferentes brincadeiras, no uso do espelho e na interação com os regentes, nas avaliações
brincadeira e o linguagens, outros,- Movimentação dos músculos da face por meio - Professoras institucionais.
brinquedo como - Criar oportunidades para que de brincadeiras, jogos e ginásticas ( fazer caretas readaptadas do
ferramenta para professores e crianças ampliem diversas, assoprar apitos, línguas de sogra, penas, projeto “ Corpo e (b) Será diária de acordo
aprender, seu repertório de brincadeiras, Movimento”, com o tempo de
chama de vela, balão de ar, mastigação, imitar os sons
desenvolver e - Vivenciar brincadeiras diversas Coordenadores, desenvolvimento do
expressar-se de ensinadas ou criadas, produzidos pelos bichos, fazer bolhas de sabão, jogar Equipe Diretiva projeto, por turmas, a
maneira integral. - Resgatar brincadeiras da beijos,etc).- Participação, reconhecimento e valorização partir da participação das
comunidade. das diversas manifestações culturais, como crianças, de seus
brincadeiras, brincadeiras de roda, jogos, danças, comentários e da
festejos e canções tradicionais (pipa, cantigas de roda, observação das
cabra cega, barra manteiga, corda, pião, ciranda, professoras.
esconde-esconde, elástico, bambolê, etc) e demais
manifestações que digam respeito às tradições culturais
da sua comunidade e de outras. –Manuseio de materiais
diversificados para brincadeiras (brinquedos
industrializados, convencionais e artesanais), materiais
não estruturados (Papelão, tecidos, pneus e outros
materiais reaproveitáveis), fantasias e adereços. –
Participação em pesquisa sobre repertório de jogos,
brincadeiras, brinquedos, festejos, histórias, e modos de
vida das crianças, característicos de diferentes culturas
e da tradição cultural e da comunidade, _ Reelaboração
das brincadeiras e jogos, incluindo a criação de outros
gestos e regras, em substituição e acréscimo aos
tradicionais, - Confeccção de brinquedos com materiais
Projeto Político Pedagógico 2018 187

alternativos, - Participação em atividades de faz de


conta, de modo que a criança vivencie diferentes papeis
sociais, - Desenvolvimento das habilidades de
manipulação (segurar,
lançar,prender,rebater,chutar,puxar,arremessar,quicar,re
ceber,bater e rebater, entre outras), por meio de
brincadeiras, de jogos, ginásticas e danças. –
Desenvolvimento da coordenação motora global por
meio de jogos, danças, ginásticas (atividades
exploratórias de espaços estruturados com diferentes
implementos- cordas, arcos, bastões, cones, brinquedos
etc.) e brincadeiras.
Projeto Político Pedagógico 2018 188

13.13– Linguagem Digital

AVALIAÇÃO
PROJETO OBJETIVOS PRINCIPAIS AÇÕES PROFESSORES do PROJETO -(a)
RESPONSÁVEIS e no PROJETO -(b)
-Linguagem -Permitir que a criança, ao usar e - Promover atividades onde possam utilizar -Professoras (a) Durante as coletivas, e
Digital interagir com os diferentes recursos diferentes artefatos tecnológicos como: readaptadas: nas avaliações
tecnológicos e midiáticos, desenvolva microfones, gravadores, filmadoras, Cristiane e institucionais.
a autonomia e o pensamento crítico. máquinas fotográficas, projetores, aparelhos Raquel,
-Oportunizar à criança ver o de som, celulares, tabletes, -Professoras (b) Será semestral de
computador e outros equipamentos -Gravar canções ou histórias que aprenderam regentes acordo com o tempo de
da tecnologia como novos ou inventaram, Professores do desenvolvimento do
brinquedos, possíveis de serem -Apresentar os resultados das explorações NTE. projeto, por turmas, a
descobertos, explorados, que fizeram no desenvolvimento de alguns partir da participação das
manipulados e utilizados como projetos, crianças, de seus
instrumentos de novas -Utilizar retroprojetores para observar efeitos comentários e da
aprendizagens. de luz e sombra, observação das
_Estreitar os laços entre a equipe do -Usar o computador para explorar letras, professoras e dos
NTE e os profissionais da escola para formas, cores, quantidades, formadores do NTE.
a troca de conhecimentos, -Apropria-se de elementos básicos do
processo de criar e transformar imagens
digitais,
-Desenvolver o raciocínio lógico-matemático
e as demais linguagens por meio de jogos e
aplicativos,
-Editar pequenos vídeos,
-Utilizar o editor de imagem para desenhar
uma história em sequência.
-Participar de formações promovidas pelo
NTE.
Projeto Político Pedagógico2017 189

Apêndice c.1

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 01 DE TAGUATINGA

DIA LETIVO TEMÁTICO 10/02/2017


Planejamento Pedagógico com comunidade escolar

Escreva em cada bolha o que você espera da escola em 2017.

1- ____________________
2-____________________
3-____________________

Se eu fosse um peixinho e pudesse opinar


eu desejaria para escola do meu filho (a)....
Projeto Político Pedagógico2017 190

Apêndice C.2
141 pais responderam
Resultado pesquisa do peixe

APRENDIZAGEM - TOTAL 141


SOCIALIZACAO

PROJETOS

PASSEIO

ATIVIDADES
OPORTUNIDADE
AUTONOMIA
INFORMACAO ADAPTACAO

INTERACAO BRINCADEIRAS
CRIATIVIDADE
ENSINO
DEVER DE CASA

EDUCACAO DIVERSIDADE
DISCIPLINA
DIVERSAO
DIVERSAO
DISCIPLINA EDUCACAO
ENSINO
DIVERSIDADE
INTERACAO
DEVER DE CASA INFORMACAO
OPORTUNIDADE
CRIATIVIDADE
PASSEIO
BRINCADEIRAS PROJETOS
SOCIALIZACAO
ADAPTACAO

AUTONOMIA

ATIVIDADES

0 5 10 15 20
Projeto Político Pedagógico2017 191

EXCELÊNCIA - TOTAL 127

PARCERIA QUALIDADE
MELHORIAS PROFISSIONALISMO
SATISFACAO PROGRESSO
VALORIZACAO PREPARACAO
TRANSPARENCIA PROSPERIDADE
SAUDE PONTUALIDADE
SEGURANCA AULAS NORMAIS
REFERENCIA COMPROMISSO
RESPONSABILIDADE CRESCIMENTO
ORGANIZACAO CONHECIMENTO
ESPERANCA CAPACITACAO
DIALOGO CONQUISTA
DINAMISMO BONS PROFESSORES
DESENVOLVIMENTO ATITUDE
DEDICACAO BOA ALFABETIZACAO
COMUNICACAO COMUNICACAO
BOA ALFABETIZACAO DEDICACAO
ATITUDE DESENVOLVIMENTO
BONS PROFESSORES DINAMISMO
CONQUISTA DIALOGO
CAPACITACAO ESPERANCA
CONHECIMENTO ORGANIZACAO
CRESCIMENTO RESPONSABILIDADE
COMPROMISSO REFERENCIA
AULAS NORMAIS SEGURANCA
PONTUALIDADE SAUDE
PROSPERIDADE TRANSPARENCIA
PREPARACAO VALORIZACAO
PROGRESSO SATISFACAO
PROFISSIONALISMO MELHORIAS
QUALIDADE PARCERIA
0 5 10 15 20
Projeto Político Pedagógico2017 192

AFETIVIDADE - TOTAL 129

COMPANHEIRISMO

COMPORTAMENTO

CONVIVIO
AMIZADE
CONFORTO
AMOR
UNIAO ALEGRIA

RESPEITO ATENCAO
ACOLHIMENTO
PRAZER
CARINHO
PACIENCIA CUIDADO

HARMONIA COMPREENSAO
CONFIANCA
HUMANIDADE
FELICIDADE
GENTILEZA GENTILEZA

FELICIDADE HUMANIDADE
HARMONIA
CONFIANCA
PACIENCIA
COMPREENSAO PRAZER

CUIDADO RESPEITO
UNIAO
CARINHO
CONFORTO
ACOLHIMENTO CONVIVIO
ATENCAO COMPORTAMENTO
COMPANHEIRISMO
ALEGRIA

AMOR

AMIZADE

0 2 4 6 8 10 12 14
Projeto Político Pedagógico2017 193

RESULTADO PESQUISA - PAIS (Peixe)

32% 36%

32%

APRENDIZAGEM EXCELENCIA AFETIVIDADE

Este gráfico representa o resultado da pesquisa do Peixe (p.166),


realizada na primeira reunião de pais, no início do ano letivo. Nosso objetivo era
colher a opinião dos pais a respeito do ano letivo pedagógico, ou seja, quais as
expectativas dos pais para as aprendizagens dos filhos.
O resultado da pesquisa foi categorizado em três termos: aprendizagem,
afetividade e excelência, o que denota uma preocupação dos responsáveis em
primeiro lugar à aprendizagem, pois 141 pessoas elencaram aspectos que nos
remetem a esta classificação. Palavras como: educação, ensino, socialização,
projetos, passeio, informação, disciplina, atividades, interação, brincadeiras e
diversidade apareceram várias vezes manifestando o desejo dos pais de que seus
filhos realmente aprendam. Alguns apresentaram uma ideia equivocada almejando
que seus filhos aprendam a ler e escrever, porém outros demonstraram entender o
real objetivo da Educação Infantil, o desenvolvimento integral com foco no brincar e
nas interações.
O segundo aspecto apresentado pelos pais foi a afetividade da escola
em relação aos filhos, pois 129 pessoas elegeram palavras como: respeito,
atenção, amor, amizade, carinho, alegria, compreensão, paciência,
companheirismo, felicidade, harmonia e união. Isto só reforça um dos pilares da
educação integral do ser, a afetividade. Realmente precisamos deste aspecto para
nos desenvolver plenamente enquanto seres humanos. Esta preocupação quase
que empatou com o terceiro desejo dos pais, excelência. O termo foi categorizado
com este vocábulo porque 127 responsáveis registraram palavras como: qualidade,
profissionalismo, bons professores, dedicação, desenvolvimento, organização,
responsabilidade, segurança, transparência, parceria e melhorias. Demonstrando a
necessidade dos pais de se materializar uma educação de excelência, ancorada na
aprendizagem e afetividade. Reiteramos que para operacionalizarmos uma
verdadeira educação onde os processos de ensinar e aprender aconteçam
precisamos estabelecer uma excelente parceria com os pais, onde estes se façam
presentes e participativos.
Projeto Político Pedagógico2017 194

Apêndice c.3

Planejamento Pedagógico
1º semestre
“Eu no mundo e o
Mundo em Mim.”

Mês Temas
Meu Mundo é assim... Apresentação Prof./ Crianças/ Escola
Paz no mundo e na escola. Regrinhas de boa convivência
Fevereiro
Quem sou no Mundo? (Auto-imagem corpo\esqueleto)\
Meu nome ( As Linhas no Mundo: Letras; números, formas
geométricas, etc.)\
Março Como cuido do meu corpo no mundo? Higiene ea
Importância da Água no Mundo

Como eu e os seres vivos seAlimentam no Mundo.


A Diversidade no Mundo. Índio. Um mundo para todos!
Abril As festividades no mundo: Páscoa
As pessoas trabalham no Mundo: Profissões – O que quero ser
quando crescer?
As Mães no Mundo.
Semana de Ed. para a Vida: Os Cuidados que devo ter no
Mundo
Maio Plenarinhae Festa Junina.

Festas culturais no Brasil – Festa Junina (Danças/ Ensaio,


Junho Culinária, etc.)
Plenarinha
Os seres vivos do mundo: Animais (domésticos, selvagens,
Julho extinção, cuidados, etc.).
Relatórios e encerramento do semestre
Projeto Político Pedagógico2017 195

Apendice c.4

Planejamento Pedagógico
2º semestre
“Eu no mundo e o
Mundo em Mim.”

Mês Temas
Os Costumes no Mundo. Folclore (Poesias; parlendas; arte;
culinária; lendas; brinquedos; artesanato.)
Agosto Semana Distrital e Nacional da Educação Infantil.
Inicioprojeto “Bisbilhotando as Artes”.

A Arte e os Artistas no Mundo. (Bisbilhotando as Artes e Pintura


de Telas)
As pessoas com Necessidades Especiais no Mundo.
Setembro Perigo no Trânsito e os Meios de Transporte.
Culminância do projeto “Bisbilhotando as Artes”.

As crianças no Mundo.
Os professores no Mundo.
Outubro Eu me expresso no mundo: Os Sons no Mundo Os músicos e a
música no mundo (Bandinha).

Os seres vivos do mundo: As plantas (partes da planta, cuidados,


tipos de plantas, plantio de sementes, etc.)
Novembro Planeta sustentável e as paisagens no mundo.
As raças diferentes no Mundo\ Consciência Negra

O natal no mundo
Dezembro Relatórios e Encerramento de Semestre
Projeto Político Pedagógico2017 196

Apendice c.5

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 01 DE TAGUATINGA

RELAÇÃO DE TEMAS PARA PLENARINHA


2018
UNIVERSO DO BRINCAR
A criança do Distrito Federal e o Direito ao
Brincar

TEMA PROFESSORA
1-Jogos Mat.
Mat.
Vesp.
Vesp.
2- Brincadeiras

3- Brinquedos

4- Brinquedos cantados

Universo do brincar a ser pesquisado: Origem da brincadeira ou


brinquedo; Como era a brincadeira ou brinquedo no tempo dos pais e
avós; Produção artísticas que retratam o brincar; Musicas, etc.
Projeto Político Pedagógico2017 197

Apêndice c.6

COORDENAÇÃO REGIONAL DE ENSINO DE TAGUATINGA

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 01 DE TAGUATINGA

Taguatinga-DF, 07 de março de 2018.


Solicitamos aos senhores pais ou responsáveis, que respondam ao questionário abaixo.
Trata-se do diagnóstico da realidade escolar, para complementação do nosso PPP (Projeto
Político Pedagógico), acrescentando a descrição das características social, econômica e cultural da
nossa comunidade.
Por gentileza devolver preenchido o mais rápido possível.
A sua participação é muito importante para a construção real do nosso PPP.

Qual a cidade que reside?

Taguatinga Sul Samambaia

Taguatinga Norte Ceilândia

Águas Claras Outro. Qual? ___________

Meio de locomoção que mais utiliza?

Carro A pé

Ônibus Metrô

Transporte escolar Bicicleta

Qual a renda familiar?

Menos de 1 (um) salário mínimo De quatro a seis salários mínimos

Até 1(um) salário mínimo De seis a 10 salários mínimos

De dois a quatro salários mínimos Acima de 10 salários mínimos

Grau de instrução

Ensino Fundamental (1º grau) Mestrado

Ensino Médio (2º grau) Doutorado

Ensino Superior (3º grau)

Quantas pessoas residem/ moram na casa? ___________


Profissão dos pai: ________________ Profissão da mãe: ________________

Local de trabalho pai: ____________ Local de trabalho mãe: _____________


Projeto Político Pedagógico2017 198

Apêndice c.7
Logomarca da escola

TAGUATINGA
Projeto Político Pedagógico2017 199

Apêndice c.8
Ata de conselho de classe

Governo do Distrito Federal


Secretaria de Estado de Educação
Gerência Regional de Ensino de Taguatinga
Centro de Educação Infantil 01

ATA DE CONSELHO DE CLASSE

No dia ____/____/____ reuniram-se os professores, direção, coordenação pedagógica, O.E. e S.E.A.A. para
realizarem o Conselho de Classe referente ao ____ bimestre do _____ período, turma _____, turno
_______________ sob a presidência da diretora desta I.E., com o objetivo de avaliar os aspectos qualitativos e
quantitativos de rendimento escolar dos alunos e outros aspectos que mereçam análise e avaliação por parte
deste conselho.

 Perfil da turma continua o mesmo? ( ) SIM ( ) NÃO


_______________________________________________________________________________

 Infreqüentes: ____________________________________________________________________

 Faltosos: _______________________________________________________________________

 Principais avanços e potencialidades da turma:


_______________________________________________________________________________

 Principais necessidades ou fragilidades da turma:


________________________________________________________________________________________

 Alunos com dificuldades de aprendizagem:


_______________________________________________________________________________

 Alunos com dificuldades de convivência:


_______________________________________________________________________________

 Alunos encaminhados para O.E. (Orientação Educacional):


 _______________________________________________________________________________

Alunos encaminhados para S.E.A.A. (Serviço Especializado de Apoio à Aprendizagem):

 _______________________________________________________________________________

E nada mais havendo a tratar, encerrou-se a reunião da qual lavrei a presente ata que depois de lida e
aprovada, será assinada por mim e demais participantes: Professora Regente: _________________;
Direção: Ori. Edu.: Ped. EEAA: Psicóloga:
Sup. Ped.: Coord.: Coord.: S. Recursos:
Projeto Político Pedagógico2017 200

REFERÊNCIAS
ARCE, A.; MARTINS, L.M. (orgs). Quem tem medo de ensinar na educação infantil?
Campinas, SP: Editora Alínea, 2010.

BRANDÂO, A.C.P.; ROSA, E.C.S. Ler e Escrever na Educação Infantil: discutindo práticas
pedagógicas Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei 9394-1996. Brasília:


Subsecretaria de Edições Técnicas, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental.


Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. Vol. 1.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer Resolução CNE/CEB Nº 20, de 11 de


novembro de 2009. Assunto: Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação
Infantil.

CARVALHO. Alysson (org.) Desenvolvimento e Aprendizagem. Belo Horizonte: Editora


UFMG, 2002.

CARVALHO. M. Alfabetizar e letrar: um diálogo entre a teoria e a prática. 4. Ed.


Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

COGNET. Georges, Compreender e interpretar desenhos infantis, 2ª edição, Editora Vozes,


Petrópolis, RJ, 2014.

CRESWELL. J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto; tradução


Magda Lopes; consultoria, supervisão e revisão técnica desta edição Dirceu Silva. 3. Ed.
Porto Alegre: Artmed, 2010.

CRUZ, S. H. (org.) A criança fala: a escuta de crianças em pesquisa. São Paulo: Cortez,
2008.

DISTRITO FEDERAL (BRASIL). Secretaria de Estado de Educação. Currículo da


Educação Básica das Escolas Públicas do Distrito Federal: Educação Infantil 4e 5 anos. 3ª
ed/2008.

DISTRITO FEDERAL. (BRASIL)Lei nº 4.751, de 07 de fevereiro de 2012. Diário Oficial


do Distrito Federal. Dispõe sobre o Sistema de Ensino e a Gestão Democrática do Sistema
de Ensino Público do Distrito Federal.
Projeto Político Pedagógico2017 201

DISTRITO FEDERAL.(BRASIL).Secretaria de Estado de Educação. Currículo em


Movimento da Educação Básica, Educação Especial, 2014.

DISTRITO FEDERAL.(BRASIL).Secretaria de Estado de Educação. Currículo em


Movimento da Educação Básica, Educação Infantil, 2014.

DISTRITO FEDERAL. (BRASIL)Secretaria de Estado de Educação. Currículo em


Movimento da Educação Básica, Pressupostos Teóricos, 2014

DISTRITO FEDERAL. (BRASIL). Secretaria de Estado de Educação. Módulo III,


Planejamento Curricular das Escolas , 2014.

DISTRITO FEDERAL. (BRASIL). Secretaria de Estado de Educação. Guia da III


Plenarinha, Escuta Sensível às Crianças: Uma possibilidade para a (re) construção do PPP,
2015.

DISTRITO FEDERAL. (BRASIL). Secretaria de Estado de Educação. Guia da IV


Plenarinha, A Cidade (e o Campo)que as crianças querem, 2016.

ELKONIN, D.B. Sobre o problema dos estágios no desenvolvimento psíquico da criança. In


SovietPsychology,1972, spring,PP.225-25. Publicado originalmente em
Voprosypsikhologii,1972,n4,6-20.Tradução de Elizabeth Tunes. Texto publicado também
em Izbranniepsirrologuitcheskietrudi(trabalhos psicológicos selecionados). Moskva:
Prosvechenie, 1989,PP.42-59

FARINA.C. M. Psicodinâmica das Cores . ...Edgard Blucher, 2006.

KUHLMANN, JR. M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto alegre:
Mediação, 1998.

LORENZATO, Sérgio. Que matemática ensinar no primeiro dos nove anos do Ensino Fundamental?
São Paulo: Unicamp, 2008. Disponível em: <alb.com.br/arquivo-
morto/edicoes_anteriores/anais17/txtcompletos/sem07/COLE_2698.pdf> Acesso em: 6/02/2012.

MACHADO, N. J. Vivendo a matemática. São Paulo: Scipione, 1987.

MOURA, A. R. L.A medida e a criança pré-escolar. Tese (doutorado). Universidade


Estadual de Campinas (UNICAMP), 1995.
Projeto Político Pedagógico2017 202

MOURA, O. M.(org.) A atividade pedagógica na teoria histórico-cultural. Brasília-DF:


Liber. Livro, 2010.

NUNES, T.; BRYANT, P. Crianças fazendo matemática. Tradução Costa, S. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1997.

NUNES, T. CAMPOS, T. M.; MAGINA, S.; BRYANT, P. Educação Matemática. São


Paulo: Cortez, 2009.

NUNES, T.; CARRAHER, D.; SCHLIEMANN, A.L.Na vida dez, na escola zero. São
Paulo: Cortez, 2011.

OLIVEIRA, Z. de M.; Educação Infantil- Fundamentos e Métodos, 7ª edição, Editora


Cortez, São Paulo, 2011.

PRESTES, Z.R. Quando não é quase a mesma coisa. Análise de traduções de Lev
SemionovitchVigotski no Brasil. Repercussões no campo educacional. Brasília: UNB, tese
de doutorado, 2010.

SILVA, C.C.R. Construção de conceitos de Grandezas e Medidas nos anos iniciais:


comprimento, massa e capacidade. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação,
Universidade de Brasília, 2011.

SMOLE, K.C. S. A matemática na educação infantil: a teoria das inteligências múltiplas na


prática escolar. Porto Alegre: Artmed, 2000a.

SMOLE, K. ;DINIZ, M.I.; CÂNDIDO.P. Brincadeiras Infantis nas Aulas de Matemática.


(vol. 1) .Porto Alegre: Artmed, 2000b.

SMOLKA, A.L.; Vygotsky, L.S. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. São
Paulo: Ática, 2009.

SPODEK, B; SARACHO, O.N. Matemática para crianças pequenas. In: SPODEK, B.;
SARACHO, O.N. Ensinando Crianças de Três a Oito Anos. Porto Alegre:Artmed, 1998.

VIGOTSKI, l. S. A brincadeira e o seu papel no desenvolvimento psíquico da criança. Rio


de janeiro: revista GIS, n 11, 2008, PP.23-36. Disponível em:
http://www.Itds.ufrj.br/gis/anteriores/rvgis11.pdf.Acesso em: novembro de 2011.

VIGOTSKI, L.S. Sobre a análise pedológica do processo pedagógico. In PRESTES, Z.R.


Quando não é quase a mesma coisa: análise de traduções de L.S. Vygotsky no Brasil e
repercussões no campo educacional. Tese de Doutorado, UNB, FE, 2010.
Projeto Político Pedagógico2017 203

TAGUATINGA

CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 01 DE TAGUATINGA


QSE 14 ÁREA ESPECIAL – VILA DIMAS – TAGUATINGA SUL
CEP. 72025-140 TELE.: 3901.6774

Você também pode gostar