Você está na página 1de 11

CENTRO UNIVERSITÁRIO CLARETIANO

CURSO DE ENFERMAGEM (BACHARELADO)

Alessandro Miranda Gomes

RA 8113921

Portfólio do ciclo 3º da matéria Comunicação e Linguagem

Bambuí

ANO 2021
Alessandro Miranda Gomes

Portfólio do ciclo 3º da matéria comunicação e linguagem

Trabalho apresentado ao Centro Universitário


Claretiano para a disciplina comunicação e
linguagem, ministrada pela Tutora/ professora
responsável Amanda Cristina Martins Raiz para a
conclusão de curso.

Bambuí

ANO 2021
Portfólio do ciclo 3º da matéria Comunicação e Linguagem

1) Atividade no Portfólio

Objetivos

Ler e compreender as ideias discutidas em textos.

Aplicar estratégias para elaboração de uma resenha.

Construir parágrafos argumentativos de modo coerente, coeso e que sigam a


estrutura da paragrafação.

Esquematizar e organizar clara e objetivamente as ideias mais pertinentes de


textos lidos em parágrafos argumentativos.

Utilizar na produção textual enunciados característicos da linguagem


acadêmica, para o exercício da competência discursiva.

Descrição da atividade

O desenvolvimento desta atividade requer os procedimentos das etapas que


seguem descritas.

1) Leia os textos 1, 2 e 3 abaixo:

Texto 1

Entenda a importância de escrever bem para o sucesso profissional

O mercado está cada vez mais exigente, seja qual for a profissão. As
empresas buscam profissionais mais qualificados em diversas competências,
mas um fator não mudou: é de extrema importância saber escrever bem.
O professor de Língua Portuguesa e Redação no Complexo de Ensino
Renato Saraiva (CERS), Carlos André Pereira Nunes, explicou a importância da
escrita para garantir uma boa colocação no ambiente corporativo. Segundo
ele, o mercado de trabalho está relacionado à perspectiva do conhecimento e
convencimento. “O mercado tem como lógica a comunicação para o
convencimento e empatia. Escrever bem é fazer com que alguém que está do
outro lado seja empático à sua comunicação", destacou.

O professor ainda complementou dizendo que quando uma pessoa não


escreve bem, ela não atinge a empatia almejada, o que causa um prejuízo
direto para a conquista de um emprego. "Dominar a língua, dominar a
comunicação, é fundamental para se manter no mercado de trabalho",
reforçou.

Nunes ressaltou, ainda, que os erros podem aparecer logo no currículo


do candidato. É importante lembrar que o currículo é como uma carta de
apresentação à empresa. Por isso, deve ser impecável. Segundo o professor,
os erros mais comuns que aparecem em currículos são desvios gramaticais,
falta de concordância e escolha lexical inadequada, como o uso de termos
"seje", "menas", que são bastante grosseiros. Consequentemente, os
profissionais podem não ser contratados por conta disso. "Embora muitos
linguistas questionem isso, afirmam que pode ser preconceito linguístico, o
mercado de trabalho visa eficiência. Ele é menos sociológico nesse ponto. A
base é que desvios gramaticais tirem colaboradores, principalmente em
empresas competitivas", alertou.

Profissionais em geral devem ficar atentos aos possíveis erros que


podem ser cometidos. Por isso, o Nunes listou os principais cuidados para
evitar deslizes. O primeiro deles é a adequação linguística, ou seja, entender
qual é a comunicação da empresa. Em escritórios de advocacia, por exemplo,
é comum que se utilizem pronomes de tratamentos que são adequados a um
determinado tipo de público, um público mais formal, mais tradicional. Já
empresas menos formais tendem a escolhas lexicais que são diferentes e,
consequentemente, essas escolhas devem ser conhecidas.

Também é preciso ter atenção à escrita. "Se tem a adequação


linguística, os erros não serão cometidos. Mas de nada adianta se adequar
linguisticamente, se não dominar a escrita", ressaltou. Nesse ponto, os
profissionais devem evitar ao máximo desvios gramaticais. Ou seja, precisam
dominar a gramática e não cometer erros de concordância, erros de regência,
de pontuação ou acentuação gráfica.

O profissional ainda demonstrou os principais equívocos na língua


escrita, ou seja, “estão relacionados à falta de concordância, falta de acento
indicador de crase e pontuação”. Além disso, enfatizou que a língua falada não
pode ser desconsiderada, sendo que os principais equívocos são erros
ligados à prosódia (pronúncia da palavra).

Vale ressaltar que o professor também evidenciou o que pode ser feito
para melhorar o domínio na escrita. Desse modo, os profissionais podem
adotar algumas estratégias simples e eficazes. A principal delas é investir em
cursos de Português Instrumental para o aperfeiçoamento.

O professor destacou que o ensino da disciplina nas escolas é muito


básico, até os que estudam para vestibular têm acesso a um conteúdo muito
técnico. Assim, não aprendem efetivamente a escrever um e-mail ou redigir um
documento. "Então, a grande dica é procurar estudar isso em um bom curso,
com um instrutor que seja específico para a Língua Portuguesa empresarial e,
aí sim, trilhar uma outra percepção de mundo que vai auxiliar no mercado de
trabalho", indicou.

Além dos cursos, outras pequenas mudanças na rotina podem contribuir


para a melhora na escrita, como cultivar o hábito da leitura e praticar a escrita
diariamente. Pedir que outras pessoas avaliem seus textos também pode
ajudar a identificar como está sua evolução.
(Disponível em:
<https://folhadirigida.com.br/mais/noticias/especiais/entenda-aimportancia-de-
escrever-bem-para-o-sucesso-profissional>. Acesso em 07 jan. 2021. Com
adaptações.)

Texto 2

A importância da boa escrita na vida profissional

Não é difícil encontrar textos mal escritos na internet, mas isso é devido
ao uso coloquial da linguagem, à digitação apressada ou à falta de atenção, o
que é perdoável. O problema acontece quando esses erros são cometidos
dentro do ambiente de trabalho em e-mails, ofícios, memorandos ou em outras
correspondências formais. É comum haver textos escritos inadequadamente
em repartições públicas ou privadas, que precisam ser revisados diversas
vezes. São erros gramaticais e ortográficos, tendo em vista o
desconhecimento da norma padrão da Língua Portuguesa. Nesse sentido, uma
questão que vem à mente é justamente esta: por que as pessoas escrevem
mal?

Segundo o IBGE, no ano de 2014, a taxa de analfabetismo entre os


brasileiros com 15 anos ou mais foi de 8,3%. No ano de 2013, esse percentual
havia sido de 8,5%, ou seja, observou-se que o analfabetismo está diminuindo
gradativamente no Brasil. No entanto, alfabetização não significa letramento.
De acordo com o que Magda Soares (1998) relata, “um indivíduo alfabetizado
não é necessariamente um indivíduo letrado; alfabetizado é aquele indivíduo
que sabe ler e escrever; já o indivíduo letrado, o indivíduo que vive em estado
de letramento, é não só aquele que sabe ler e escrever, mas aquele que usa
socialmente a leitura e a escrita, pratica a leitura e a escrita, responde
adequadamente às demandas sociais de leitura e de escrita”.
O problema na alfabetização de base pode se estender para a vida
acadêmica e terminar na vida profissional. Além disso, um dos motivos para
essa falta de letramento pode estar na ausência de incentivo à leitura desde a
infância. Assim como boa parte da população brasileira, muitos profissionais
são incapazes de entender e produzir textos na própria área, e isso não se
deve à falta do conhecimento especializado, mas ao estudo incipiente do
Português. Vale ressaltar, no entanto, que a questão da má formação no ensino
de base não é uma regra, pois existem vários outros fatores que podem levar
alguém a não escrever bem.

Diante disso, verifica-se que não basta o profissional se formar para entrar
no mercado de trabalho, ele precisa saber se apresentar ao mercado. A boa
formação profissional, aliada à correta utilização da linguagem, pode ser um
fator de elevação da sua própria imagem. Além disso, saber se comunicar
eficazmente pela linguagem oral e escrita pode ser motivo de ascensão no
trabalho. Uma boa redação transmite sensação de confiança, pode destacá-lo
em processos seletivos, um projeto bem escrito pode angariar mais recursos
para sua organização etc

O profissional tem a opção de escolher qualquer área para trabalhar, a


única opção que ele não tem é a de escrever mal. Caso ele tenha dificuldade
com a escrita, existem vários cursos disponíveis no mercado. Outra indicação
é ler mais, pois é por meio da leitura que podemos desenvolver a criatividade,
além da aquisição de cultura. Praticar a escrita também é outro recurso, visto
que a prática leva à perfeição.

(Disponível em:
<https://administradores.com.br/artigos/a-importancia-da-boa-escrita-navida-pr
ofissional>. Acesso em: 07 jan. 2021. Com adaptações.)

Texto 3
Mercado de trabalho exige domínio da Língua Portuguesa

Leonardo Prudente, gestor governamental, mestre em administração e


instrutor de Linkedin, foi entrevistado pelo ADM Entrevista, e o assunto
abordado foi Gestão de Carreira. Segundo Prudente, na gestão da trajetória
profissional, todos os objetivos são válidos. O importante é a pessoa saber
onde ela está e aonde ela quer chegar. Para quem julga haver grandes
diferenças entre a gestão de carreira no setor público e privado, explicou que
não é bem assim.

O gestor falou também sobre o melhor período para procurar emprego ou


migrar para outra empresa, deu dicas de como montar bem um currículo e
ensinou a usar o Linkedin de forma estratégica. Essa plataforma, de acordo
com o gestor, é a maior janela de oportunidades profissional da atualidade. “A
Gestão de carreira tem que ser feita o tempo todo e isso é um paradigma que
também mudou ao longo do tempo. No passado, a pessoa entrava em uma
empresa e ficava naquele emprego para sempre. Hoje, não. As pessoas têm
outra perspectiva e elas têm domínio da sua carreira”, disse.

Entre as habilidades indispensáveis em um mercado de trabalho tão


dinâmico, no qual é necessário se reinventar de tempos em tempos, Prudente
deu ênfase à Língua Portuguesa. Idiomas estrangeiros como o Inglês são
também fundamentais em muitas áreas, mas ele lembrou que quem não sabe a
língua materna tem maior dificuldade de conseguir um emprego e/ou de se
candidatar a cargos melhores.

(Disponível em:
<https://cfa.org.br/se-voce-nao-domina-a-lingua-portuguesa-nao-tem-lugarpara
-voce-no-mercado-de-trabalho-afirma-especialista/>. Acesso em 07 jan. 2021.
Com adaptações.)
___________________________________________________________________
2) Redija uma resenha que contenha as ideias dos três textos acima.

3) A resenha deve discutir a importância do domínio da Língua Portuguesa


para o sucesso profissional.

4) Ela deve conter somente 3 parágrafos, ou seja, introdução, desenvolvimento


e conclusão.

5) É obrigatório que cada um dos 3 parágrafos seja introduzido da forma


demonstrada em negrito abaixo:

1º parágrafo: Neste texto, tecemos considerações sobre...

2º parágrafo: Desse modo, é propício destacar...

3º parágrafo: Conforme expusemos anteriormente, a importância do tema


abordado abrange...

6) Ao citar um(a) autor(a), lembre-se de utilizar enunciados para fazer a devida


referência, tais como: Segundo o/a autor(a) (p. 00, 2020) expõe...; De acordo
com o que o/a autor(a) (p. 00, 2020) ressalta...; Para o/a autor(a) (p. 00, 2020),é
importante...

7) Sua resenha deve estar formatada segundo os moldes da ABNT.

8) Após finalizar sua redação e formatá-la devidamente, poste o arquivo em


PDF na aba Portfólio.

A importância da língua portuguesa para o sucesso profissional

Neste texto tecemos considerações sobre o impacto em qualquer ramo de


atuação da vida profissional, do uso correto da linguagem falada ou escrita que se
torna imperativo, diante do competitivo e exigente mercado de trabalho atual.

Desse modo, é propício destacar que as empresas buscam mão de obra


cada vez mais qualificada e neste contexto é de suma importância escrever bem,
pois além do conhecimento técnico se faz necessário o domínio da linguagem na
sua forma correta. O mercado atual exige o uso da linguagem voltado para
convencer, causar empatia e transmitir segurança ao interlocutor. O fracasso dos
usos citados causa prejuízo certo na obtenção do almejado posto de trabalho, na
manutenção dele e no crescimento dentro da instituição laboral. Falhas gramaticais,
como os erros por digitação apressada, a falta de atenção ou letramento inadequado
desde o curriculum vitae (CV) até situações do dia-a-dia de trabalho são pontos
negativos, em especial no CV pois este é “a carta de apresentação” do
profissional.O uso da linguagem falada ou escrita, seja de forma formal ou coloquial,
tem que ser condizente ao ambiente do exercício da profissão.Se faz necessário o
letramento do profissíonal, a simples alfabetização é insuficiente para atender a
demanda de mercado.Para alcançar esse letramento e assim produzir textos de
excelência são indicados: cursos de português instrumental, hábito de leitura, prática
diária de escrita e pedir a outras pessoas a avaliação da escrita feita. Além do
exposto existem áreas em que são fundamentais o conhecimento de línguas
estrangeiras. O uso da tecnologia disponível também auxilia sobremaneira.

Conforme expusemos anteriormente, a importância do tema abordado abrange


o uso da linguagem falada ou escrita no atual mercado de trabalho, evidenciamos
sua importância na obtenção do cargo almejado, na manutenção dele e na
alavancagem da carreira e também os prejuízos advindos de seu mau uso, seja por
digitação apressada, má concentração ou letramento insuficiente.Apontamos
também possíveis estratégias quando o problema é o letramento, que a tecnologia
pode ajudar e também que o conhecimento de outros idiomas podem ser
necessários.

Referência:

Comunicação e Linguagem. Portal rede Claretiano. Última atualização 2021.


Disponível em:
https://sga.claretiano.edu.br/sav/disciplina/material-new/visualizar-sge/GEUiWT7PQ
PGT7wlwlV. Acesso em 22/04/2021.

Você também pode gostar