Você está na página 1de 16

21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

MIA > Biblioteca > Hegel > Novidades

<<< Índice

A Cência da Logica

Georg Wilhelm Friedrich Hegel

Volume II: A Ciência da Lógica Subjetiva ou a Doutrina do Conceito


Seção III: A ideia
Capítulo 3 - A ideia absoluta

A IDEIA ABSOLUTA, como se viu, é a identidade da ideia teórica e prática,


cada uma das quais, ainda unilateral em si mesma, tem em si a ideia em si,
apenas como um além que é procurado e como um fim que não é alcançado.
Portanto, cada um é uma síntese de esforço, que tem, e ao mesmo tempo e não
tem a ideia em si, e que passa de um para o outro pensamento, mas não os une,
mas isso permanece em sua contradição. A ideia absoluta, como conceito
racional que em sua realidade coincide apenas consigo mesmo, constitui, por um
lado, por causa desta identidade imediata objetiva, o retorno à vida; mas
também superou essa forma de sua imediação e tem em si a maior oposição. O
conceito não é apenas alma, mas conceito subjetivo livre, existente em si
mesmo, e que, portanto, tem a personalidade — é o conceito objetivo prático,
determinado em si mesmo, que, como pessoa, é subjetividade impenetrável,
indivisível (atômica) — mas também não é individualidade exclusiva, mas é
universalidade e conhecimento, e tem em seu outro sua própria objetividade
como um objeto.

Tudo o resto é erro, turbidez, opinião, esforço, atuação e expiração; só a


ideia absoluta é ser a vida imperecível, verdade que ela conhece a si mesma e é
toda a verdade.

A ideia absoluta é o único objeto e conteúdo da filosofia. Por tudo o que


contém em si toda a determinação e sua essência consiste em retornar a si
mesma através de sua autodeterminação ou particularização, tem diferentes
configurações, e a tarefa da filosofia é reconhecê-lo nestes. Natureza e espírito
são, em geral, diferentes maneiras de representar sua existência; arte e religião
são suas diferentes maneiras de compreender e dar-se uma existência
apropriado; filosofia tem o mesmo conteúdo e o mesmo propósito que a arte e
religião; mas é a maneira mais alta de entender a ideia absoluta, porque o seu
caminho é o mais alto de todos, o conceito. Consequentemente, ela entende em
si as configurações da finitude real e ideal, bem como as do infinito e santidade e
compreende a si mesmo. A dedução e o conhecimento dessas formas
particulares é agora a próxima tarefa das ciências filosóficas particulares.
Também o caráter lógico da ideia absoluta pode ser chamada de um dos seus
caminhos; mas enquanto que o caminho indica uma determinada espécie, uma
determinação da maneira, vice-versa, o caráter lógico é o caminho universal, em

https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 1/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

que todas as formas específicas são superadas e arrumadas. A ideia, a lógica é a


própria ideia em sua essência pura, assim como é incluída na identidade simples
em seu conceito quando ainda não penetrou, em aparecer, em uma
determinação de forma. Portanto, a lógica representa o movimento próprio da
ideia absoluta, assim como o Verbo original, que é uma manifestação, mas uma
manifestação de tal natureza que, como extrínseca, tem imediatamente de
desaparecer novamente, para existir. Portanto, a ideia existe apenas em si, é sua
própria determinação em entender um ao outro; está no pensamento puro, onde
a diferença ainda não é um ser-outro, mas que é completamente transparente
para si mesmo e assim é. -A ideia lógica tem bem como o conteúdo em si, como
forma infinita –a forma, que, portanto, constitui o oposto do conteúdo, desde
que esta é a determinação formal que retornou a si mesma e tem removido na
identidade, para que essa identidade específica seja contra essa identidade
desenvolvida como uma forma. O conteúdo tem a figura de um outro e de algo
dado, em frente à forma, que, como tal, é em tudo em relação e cuja
determinação para isso. O tempo está definido como aparência. A ideia absoluta
em si tem, mais precisamente, apenas o seguinte como seu conteúdo: que a
determinação formal é a sua totalidade completa, isto é, o conceito puro. A
determinação da ideia e todo o curso desta determinação, tornaram-se assim o
objeto da ciência lógica, cujo curso tem surgido por si só a própria ideia
absoluta; mas por si, isso foi demonstrado da seguinte forma, que o sua
determinação não tem a figura de um conteúdo, mas está em absoluto como
uma forma, e que de acordo com isso a ideia é como a ideia absolutamente
universal. Portanto, o que considerar ainda aqui, não é um conteúdo como tal,
mas o universal da forma de conteúdo, que é o método.

O método pode, em primeiro lugar, aparecer como o caminho simples e


maneira de conhecer e, de fato, tem natureza dessa maneira.

Mas o caminho e a forma, como método, não são apenas uma modalidade de
ser, determinado em si, mas como uma modalidade de conhecimento, é definido
como determinado pelo conceito e como forma, por ser esta a alma de toda
objetividade e porque todo conteúdo, determinado de qualquer maneira, tem sua
verdade apenas na forma. Se sei aceitar o conteúdo, por sua vez, como dado ao
método, e conforme previsto de uma natureza particular, então, em tal
determinação, o método é, como é lógico em geral, uma forma puramente
extrínseca. No entanto, ao contrário disso, não se pode recorrer apenas ao
conceito fundamental da lógica, mas todo o curso dela, onde têm apresentado
todas as configurações de um dado conteúdo e dos objetos, mostrou sua
transferência e falta de verdade. E longe do poder um objeto dado ser a base
com a qual a forma absoluta estaria relacionada apenas como determinação
extrínseca e acidental, esta forma em si mostrou mais como a base absoluta e a
verdade suprema. O método emergiu disso como o conceito que se conhece, que
visa a si mesmo, como o absoluto, seja subjetivo, e ser objetivo e, portanto,
como o puro corresponde ao conceito e da sua realidade, isto é, como uma
existência que é o conceito mesmo.

https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 2/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

Portanto, o que aqui deve ser considerado como um método, é apenas o


movimento do próprio conceito , cuja natureza já foi conhecida, mas primeiro
agora com o significado de que o conceito é tudo, e seu movimento é a atividade
universal absoluta, isto é, o movimento que determina e se realiza.
Consequentemente, o método tem que ser reconhecido como o caminho
ilimitado, universal, interno e externo, e como a força absolutamente infinita,
para o qual nenhum objeto, enquanto presente como fora, longe da razão e
independente dela, poderia oferecer resistência, isto é, para preservar uma
natureza particular na frente dela e recusar ser simpático a ela. É por isso que o
método é a alma e a substância e tudo é concebido e conhecido em sua verdade
somente quando está totalmente sujeito ao método; este é o método de cada
coisa, porque a sua atividade é o conceito. Este é também o mais verdadeiro
sentido de sua universalidade; de acordo com a universalidade da reflexão o
método é considerado apenas como o método para tudo; mas de acordo com a
universalidade da ideia é tanto o modo de saber, a maneira conceitual que se
conhece de uma forma subjetiva, como o caminho objetivo, ou melhor, a
substancialidade das coisas — Ou seja, dos conceitos, quando aparece pela
primeira vez na representação e na reflexão como outros. Portanto, o método
não é apenas o poder supremo ou, melhor, o poder único e absoluto da razão,
mas também seu supremo e único impulso, o que o leva a encontrar e conhecer,
por si próprio, em tudo a coisa. — Com isso, em segundo lugar, a diferença do
método em relação ao conceito como tal, isto é, o particular deles. Quando o
conceito foi considerado por si só, apareceu em sua vizinhança; a reflexão que é
o conceito que a considerou, isso caiu ao nosso conhecimento. O método é esse
mesmo conhecimento, pelo qual o conceito não existe apenas como um objeto,
mas como seu próprio ato subjetivo, como instrumento e meio de atividade
epistemológica diferente disso, mas como a própria essencialidade disso. No
saber investigativo, o método também é definido como instrumento, como um
meio que está do lado subjetivo, e por cujo meio este lado subjetivo se refere ao
objeto. O assunto, neste silogismo, é um extremo e o objeto é o outro, e isso
conclui com este através de seu método; mas é não se completou com ele
mesmo. Os extremos permanecem diferentes, porque o sujeito, o método e
objeto não são definidos como um único conceito idêntico; consequentemente, o
silogismo é sempre o silogismo formal. A premissa, onde o sujeito coloca em seu
próprio lado a forma como método, é uma determinação imediata e, portanto,
como vimos, contém as determinações da forma, isto é, aquelas da definição,
divisão etc., como fatos encontrados preexistentes no assunto.

Vice-versa, no verdadeiro conhecimento, o método não é apenas uma


multidão de certas determinações, mas o próprio autodeterminado e o conceito
em si, que é o meio termo só porque tem também o significado do objetivo, e
que, portanto, não apenas alcança na conclusão uma determinação externa por
meio do método, mas é definido em sua identidade com o conceito subjetivo.

1. O que, portanto, constitui o método, são as determinações do próprio


conceito e suas relações, que agora têm que ser consideradas em seu significado
das determinações do método. — Em primeiro lugar, se precisa começar do
começo. Deste já houve conversas no início da lógica em si, bem como mais
https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 3/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

acima, sobre o assunto do conhecimento subjetivo, e tem sido demonstrado que,


quando o começo não foi feito arbitrariamente e com uma falta de consciência
categórica, parece, sem dúvida, criar muitas dificuldades, mas mesmo assim é
de natureza muito simples. Sendo que é o começo, seu conteúdo é imediato,
mas tão imediato, que tem o significado e forma da universalidade abstrata.
Qualquer um constituído por um conteúdo de ser, ou da essência, ou do
conceito, e começando, portanto, é algo assumido, encontrado, assertivo,
porquanto é um imediato. Mas, em primeiro lugar , não é um imediato da
intuição ou representação sensível , mas do pensamento, que, devido à sua
proximidade, também pode ser chamado de intuição suprassensível, interior. A
coisa imediata sobre a intuição sensível é um múltiplo e individual. Mas conhecer
é um pensamento conceitual e seu começo, portanto, ainda está apenas no
elemento do pensamento. — Um simples e universal. — Desta forma falamos
sobre a definição no início do conhecimento finito, a universalidade também é
reconhecida como uma determinação essencial, mas considerada apenas como
uma determinação de pensamento e conceito, oposição com o ser. De fato, essa
primeira universalidade é uma universalidade imediata, e é por isso que também
tem o significado de ser de fato, ser é precisamente essa referência abstrata a si
mesma. O ser não precisa de outra dedução, como se estivesse competindo
abstraído da definição apenas porque teria sido tirado do intuição sensível, ou de
qualquer outra fonte, e fora, portanto, mostrado. Este demonstrar e deduzir diz
respeito à mediação, que é mais do que um começo puro, e é tal mediação, que
não pertence em conceber o que se pensa, mas isso é a elevação da
representação, ou seja da consciência empírica e que razões, do ponto de vista
do pensar. De acordo com a atual oposição entre pensamento ou conceito e ser,
aparece como uma verdade importante que não compete com ele ainda, por si
só, nenhum ser, e que tem a sua própria base, independente do pensamento em
si. No entanto, o simples término do ser é tão pobre em si mesmo, por isso não
pode mais ser destacam-se muito; o universal é imediatamente a si mesmo esse
imediato, porque, como um abstrato, também é apenas a referência abstrata a si
mesmo, constituído pelo ser. Na verdade, o requisito de mostrar ser, tem um
sentido interior adicional, onde não só encontra essa determinação abstrata, mas
entende-se com isso a exigência da realização do conceito em geral, que não
está no começo, mas é o fim e a tarefa de todo o maior desenvolvimento do
conhecimento. Além disso, uma vez que o conteúdo do começo tem que ser
justificado, mostrando-o na percepção interna ou externo, e confirmar como algo
verdadeiro ou exato, a forma de universalidade como tal não é mais
compreendida com isso, mas sua determinação, da qual agora é necessário falar
imediatamente. A confirmação do conteúdo determinado, com o qual ele
começa, parece ficar atrás dele; mas, de fato, tem que ser considerado como um
seguir em frente, se realmente pertence ao conhecimento conceitual.

Portanto, o começo não tem, pelo método, qualquer outra determinação de


ser simples e universal; isso é precisamente a determinação pela qual o começo
é defeituoso. A universalidade é o conceito puro e simples, e o método como
consciência dele, sabe que a universalidade é apenas um momento, e que o
conceito, ainda não está determinado em si e por si. Mas com essa consciência,

https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 4/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

gostaria de levar o começo apenas para causa do método, isso seria apenas algo
formal, colocar na reflexão extrínseca. Como, no entanto, o método é o objetivo,
a forma imanente, o momento imediato do começo tem que ser em si mesmo o
que é defeituoso, e se tem que possuir o dom do impulso para ir em frente. No
entanto, no método absoluto, o universal não possui valor de um abstrato puro,
mas de um objetivo universal, isto é, que é em si a totalidade concreta; mas
ainda não está totalmente definido, ainda não é essa totalidade por si só. Até o
universal abstrato, considerado como tal no conceito, isto é, de acordo com a sua
verdade, não é apenas a coisa simples, mas, como um abstraído, já está definido
como afetado por uma negação. Portanto, não há, nem na realidade ou em
pensamento, nada tão simples e tão abstrato, como em geral, se imagine. Tal é
uma simples opinião pura, que tem sua base apenas na falta de consciência
sobre o que na realidade existe. — Definimos anteriormente o inicial como
imediato o imediatismo do universal é a mesma coisa aqui se exprime como ser
em si mesmo sem ser por si mesmo. Portanto, se pode corretamente dizer que
qualquer começo tem que ser feito para partir do absoluto, assim como qualquer
progresso é apenas a exposição do mesmo, porque o que existe em si é o
conceito. Mas pelo fato de que existe apenas em si, ao mesmo tempo não é o
que é absoluto, nem o conceito posto, nem mesmo a ideia; de fato, estes
significam precisamente o seguinte: que ser em si é apenas um momento
abstrato, unilateral. Portanto, o progresso não é um tipo de superfluidade; seria
assim, se o inicial já fosse realmente absoluto. O progresso é que o universal é
determinado, se enfraquece e é em si o universal, isto é, é igualmente indivíduo
e sujeito. Apenas em sua perfeição é o absoluto.

Para este propósito, pode ser lembrado que o começo, que em si é totalidade
concreta, pode ser, como tal, também livre e a imediação pode ter a
determinação de uma existência externa.

O germe dos vivos e do final subjetivo em geral foram mostrados como tais
começos, portanto ambos são, por si mesmos, impulsos. O que não é espiritual e
não viver, pelo contrário, é o conceito concreto apenas como uma possibilidade
real; a causa é o grau superior em que o conceito concreto tem, como um
começo, uma existência imediata na esfera da necessidade. Mas esta causa não
é ainda um sujeito, que como tal também é preservado em sua efetiva
realização. Por exemplo, o sol e, em geral, tudo o que não está vivo, são
armazenados determinados, onde a possibilidade real permanece uma totalidade
interna, e momentos de que não está posto neles subjetivamente, e, porque eles
são feitos, eles alcançam uma existência através de outros indivíduos corporais.

2. A totalidade concreta, que constitui o começo, tem, como tal, nela o


começo de sua causação e desenvolvimento. Como o concreto, é diferente em si
mesmo; mas por causa de sua primeira imediação do primeiro diferente são,
primeiro, diferentes. No entanto, o que é imediato, como universalidade que se
refere a si mesma, isto é, como sujeito, é também a unidade destes diferentes.
— Essa reflexão é o primeiro grau de avançar, é o surgimento da diferença, é o
julgamento, e determinação em geral. O essencial é que o método absoluto
encontre e conheça a determinação do universal neste próprio universal. Os
https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 5/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

saberes intelectuais o finito prossegue deste modo de tal forma que agora recebe
novamente, e igualmente extrinsecamente, os elementos concretos que são
deixados de lado na geração abstrata desse universal. Pelo contrário, o método
absoluto não se comporta como reflexo extrínseco, mas torna o próprio objeto
determinado, porque ele mesmo é o princípio imanente e alma dele. -Isto é o
que Platão exigiu saber, isto é, considerando as coisas em si mesmas; por um
lado, considerá-los universalmente, por outra parte, no entanto, não se desviar
deles, ou recorrer às circunstâncias, exemplos e comparações, mas apenas tendo
coisas antes deles, e trazer à consciência o que é imanente neles. Portanto, o
método do conhecimento absoluto é analítico. O fato de que tal método
encontrar a determinação subsequente do seu universal inicial apenas nisso
constitui a objetividade absoluta do conceito, do qual o método em si é certeza.
— No entanto, esse método também é sintético, porque o seu objeto,
determinado imediatamente universal simples, é mostrado como um outro, por
meio da determinação que ele próprio tem em sua imediação e universalidade.

Essa relação de um diferente, que o objeto assim representa em si, não é, no


entanto, e o que é considerado como síntese no conhecimento finito já pela sua
determinação igualmente analítica em geral, para o que representa a relação no
conceito, ela é totalmente distinta desta relação sintética.

Este momento de juízo, que é tão sintético quanto analítico, por cujo
significado do que o universal inicial se determina como o outro como quanto a si
mesmo, deve ser chamado de momento dialético. A dialética é uma daquelas
ciências antigas, que foram mais desconhecidas na metafísica do moderno, e
certamente em geral pela filosofia popular, seja dos antigos ou dos Modernos.
Diógenes Laércio diz de Platão, que, como Thales era o pai da filosofia natural, e
Sócrates, o pai da filosofia moral, então Platão foi o pai da terceira ciência que
pertence à filosofia, isto é, da dialética, um mérito que, portanto, era atribuído
pela antiguidade como mal superior, mas que muitas vezes é totalmente
despercebido por aqueles que mais mencionam Platão. A dialética tem sido
frequentemente considerada como uma arte, como se fundada em um talento
subjetivo, e não pertencia à objetividade do conceito. Qual forma e qual
resultado alcançou a dialética na filosofia kantiana, é algo que já foi mostrado em
certos exemplos do seu ponto de vista. Se tem que considerar como um passo
infinitamente mais importante o fato de que a dialética foi novamente
reconhecido como necessário para raciocinar, embora isso tenha que extrair o
resultado oposto ao que surgiu a partir de tal reconhecimento.

Além de aparecer à dialética do comum como algo acidental, normalmente é


preciso uma forma mais exata, ou seja, sobre um dado objeto, por exemplo do
mundo, do movimento, do ponto, etc., é mostrado que se tem alguma
determinação — por exemplo, de acordo com a ordem dos objetos mencionados,
a finitude no espaço ou no tempo, estar neste lugar, a negação absoluta do
espaço; mas, depois, mostra-se que igualmente necessário a determinação
oposta também corresponde, por exemplo, ao infinito no espaço e no tempo, não
estando neste lugar, a relação com o espaço e, portanto, espacialidade. A escola
mais antiga eleática usou principalmente sua dialética contra o movimento;
https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 6/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

Platão costumava usá-la contra representações e conceitos do seu tempo,


especialmente dos sofistas, mas também contra as categorias puras e certas
noções de reflexão. O culto subsequente do ceticismo, não apenas se estendeu a
dialética aos chamados fatos imediatos da consciência e as máximas da vida
comum, mas também para todos os conceitos científicos. Agora, a conclusão
tirada de tal dialética é em geral, a contradição e a nulidade das declarações
estabelecidas. Mas isso pode ser feito de duas maneiras: seja no sentido
objetivo, que o objeto, que assim se contradiz em si, ser superado e ser nulo —
este, por exemplo, foi a conclusão das eleatas, segundo as quais, por exemplo, o
fiel ao mundo, ao movimento, ao ponto — seja em um sentido subjetivo, isto é,
saber que o conhecimento é defeituoso. Com esta última conclusão duas coisas
podem ser entendidas: ou então é só essa dialética que produz esse jogo de
ilusão equivocada; esta é a opinião comum do chamado bom senso, que
permanece ao reboque ao evidenciar sensíveis e representações e as declarações
habituais; às vezes em silêncio — como o Cínico Diógenes, quando mostra a
dialética do movimento nu, com um ir e vir silencioso — mas muitas vezes ficar
com raiva às vezes apenas contra algumas loucura, outras vezes, quando se
trata de objetos moralmente importantes, contra um tipo de ação criminosa, que
ensina a se transformar em hesitantemente o que é essencialmente estabelecido,
já oferecem noções básicas do vício. — Este é o ponto de vista nos apresentado
na dialética de Sócrates contra a dialética sofística e raiva que, em vez disso,
custaram a vida a Sócrates.

Quanto à confutação popular, que, como Diógenes fez, opõe-se à consciência


consciente do pensamento e acredita nela a verdade, devemos abandonar a si
mesma; e se a dialética supera algumas determinações morais, se tem que estar
confiante na razão, que ela saberá como estabelecê-los novamente, mas em sua
verdade e consciência do seu direito e também do seu limite. Ou, em segundo
lugar, se pode entender que o resultado da nulidade subjetiva não se refere a
dialética em si, mas antes de saber, contra o qual ela é dirigido, e no sentido de
ceticismo e igualmente da filosofia Kantiana, saber em geral.

Para tanto, o preconceito fundamental é que a dialética tem apenas um


resultado negativo; que receberá imediatamente a sua mais precisa
determinação. Primeiro, com respeito à forma indicada no que geralmente
ocorre, deve-se notar que a dialética, e seu resultado de acordo com essa forma,
dizem respeito ao objeto que está sendo examinado, ou também ao saber
subjetivo, e declarar isto ou o objeto nulo, ao contrário, as determinações, que
são destacadas nele, como em uma terceira parte, não é observado, e eles são
pressupostos válidos em si. É um mérito infinito da Filosofia kantiana, tendo
chamado a atenção para esta falta de críticas e darem o impulso a restauração
da lógica e da dialética, no sentido de consideração das determinações do
pensamento em si e por si.

O objeto, como está fora do pensamento e do conceito, é uma representação


ou também um nome; as determinações de pensamento e conceito são aquelas
em que o objeto é o que é.

https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 7/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

Na verdade, tudo depende, portanto, apenas deles; eles são o verdadeiro


objeto e conteúdo da razão e tudo mais é entendido como um objeto e conteúdo,
ao contrário deles, vale apenas através deles e neles. Portanto, não há
necessidade de considerar como a falta de um objeto ou de saber, sim, por sua
constituição ou por uma ligação externa, a dialética é mostrada. Desta forma
aquele e os outros são representados como um assunto, onde determinações são
realizadas sob a forma de predicados, de propriedades, universais
independentes, de tal forma que, por ser firme e exato, ser colocado apenas
através da estranha conexão e acidental, na relação dialética e na contradição de
um terceiro e por um terceiro. Um desses assuntos extrínsecos e fixos de
representação e intelecto, bem como determinações abstratas, longe de ser
considerado como último, e como aqueles que devem permanecer certamente
como base, devem ser considerados — se como um imediato e precisamente
como tal pressuposto e esse momento inicial, que, como dito antes, deve ser
entendido como um conceito em si. Assim, todos os opostos que são admitidos
como fixos, como por exemplo, o finito e o infinito, o indivíduo e o universal, não
estão mais em contradição por causa de uma ligação de fora, mas, como a
consideração de sua natureza, estão um pouco em si mesmos e por si mesmos
transferindo. Síntese e o assunto, onde eles aparecem, são o produto deles
mesmos reflexão do seu conceito. Quando a consideração não tem conceito, pára
nas relações externas daqueles opostos, e isola-os e deixa-os como pressupostos
firmes, então é mais o conceito que fixa os olhos neles, que os move com sua
alma, e que faz sua dialética aparecer.

Isto constitui agora o mesmo ponto de vista indicado acima, de acordo com o
que um primeiro universal, considerado em si, revela-se ao outro em relação a si
mesmo. Entendendo completamente em geral, essa determinação pode ser
entendida no sentido de que, aqui, o que antes era imediato, é como um meio
relacionado uns com os outros, isto é, que o universal seja como um particular. O
segundo, que surgiu assim, é portanto o negativo do primeiro, e, como nós
olhamos adiante para o desenvolvimento mais tarde, é o primeiro negativo. De
acordo com esse lado negativo, o imediato pereceu no outro; mas o outro não é
essencialmente o negativo vazio, o nada, o qual é considerado como o resultado
usual da dialética, mas é o outro do primeiro o negativo do imediato, e, portanto,
é determinado como mediado, contém em geral em si a determinação do
primeiro. O primeiro é assim essencialmente preservado e mantido no outro.
Mantenha firme o que é positivo em seu negativo, o conteúdo do pressuposto
como resultado, isso é o mais importante no conhecimento racional; precisa-se
ao mesmo tempo, apenas a reflexão mais simples para se convencer da absoluta
verdade e necessidade deste requisito, e no que os exemplos de juízos de
propósito, toda a lógica consiste nisso.

Portanto, o que é agora, é o mediado, aquele primeiro, ou também


considerado igualmente de imediato, é também determinação simples, porque o
primeiro pereceu nele, apresenta apenas o segundo. Como agora também o
primeiro é contido no segundo, e esta é a verdade disso, então esta unidade
pode ser expresso como uma proposição, onde o imediato é definido como

https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 8/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

sujeito, mediado, em vez disso, como o predicado daquele: por exemplo, o finito
é infinito, umé muitos, o

Individual é o universal. No entanto, a forma inadequada de tal proposições e


julgamentos, mostra à primeira vista. Ao lidar com o juízo, mostrou que sua
forma em geral, e principalmente a forma imediata do julgamento positivo é
incapaz de compreender o especulativo e o verdadeiro. Pelo menos também se
deve adicionar o mais próximo complemento, isto é, o julgamento negativo. No
julgamento, o primeiro tem como sujeito o aparecimento de uma subsistência
independente, porque é bastante superado em seu predicado, como no outro; é
a negação, sim, incluída no conteúdo dessas proposições; mas sua forma
positiva contradiz esse conteúdo; portanto, não o que está contido nele
permanece , o que seria precisamente o propósito para o qual uma proposição é
usada.

A segunda determinação, a determinação negativa ou mediada, é, também,


ao mesmo tempo, aquela que medeia. Pode ser primeiro considerado como uma
simples determinação, mas de acordo com a sua verdade, é uma ligação ou
relação. Com efeito, é o negativo, mas o negativo do positivo, e inclui este em si.
Portanto, é o outro, mas não o outro de um na frente do qual ela era tão
indiferente — neste caso não seria outra, não uma conexão ou relacionamento —
mas o outro em si, o que é o Outro de outro. É por isso que contém o seu
próprio outro, e é assim que a contradição, o conjunto dialético de si mesmo. —
Dado que primeiro ou imediato é o conceito em si e, portanto, é também, só em
si, o negativo, o momento dialético é assim que a diferença, que contém em si, é
colocado nele. Em vez disso segundo ele é determinado, a diferença ou
relacionamento; nele o momento dialético é, portanto, que se tem que colocar a
unidade, que está contida nela. — Sim, por causa disso, o negativo, o
determinado, o relacionamento, o julgamento, e todas as determinações que cair
sob este segundo momento eles não aparecem mais como a contradição e como
dialética, isso é apenas um defeito de pensamento, isso não unifica seus
pensamentos. De fato, o material, isto é, as determinações opostas em um único
relacionamento, já estão definidas e estão presentes para pensar. Pensamento
formal, no entanto, ele ergue identidade como sua lei, deixa cair o conteúdo
contraditório, que está diante dele, na esfera da representação, isto é, no espaço
e tempo, onde os contraditórios são mantidos um fora do outro por estar perto
um do outro e um após o outro, e se apresentam à consciência sem contato
recíproco. Pensar formalmente, o princípio determinado de que a contradição não
pode ser o objeto do pensamento; mas na realidade, o pensamento da
contradição é o momento essencial do conceito. O pensamento formal pensa, de
fato, também a contradição; só que ele imediatamente remove de si mesmo, e
ao fazê-lo transfere da contradição apenas à negação abstrata.

A negatividade considerada agora constitui o ponto de retirada do


movimento do conceito. É o simples ponto de referência negativo para si mesmo,
a fonte mais íntima de toda atividade, de todo auto-movimento vivo e espiritual,
a alma dialética, que tem tudo verdadeiro em si mesmo, e através do qual ela é
apenas uma verdade: de fato, apenas sobre essa subjetividade é a superação da
https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 9/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

oposição entre conceito e realidade e unidade, que é a verdade. — O segundo


negativo, o negativo do negativo, ao qual chegamos, consiste nessa superação
da contradição; mas nem constitui uma atividade de reflexão extrínseca, como
contradição não é, mas é o momento mais íntimo, mais objetivo da vida e do
espírito, através do qual se torna um sujeito, uma pessoa, um livre. — A relação
do negativo comigo deve ser considerada como a segunda premissa de todo
silogismo O primeiro, se as determinações analíticas e sintéticas empregados em
sua oposição, pode ser considerado como o momento analítico, porque ali o
imediato se refere imediatamente para o seu outro, e, portanto, transfere para
ele, ou melhor, transpassado — embora essa relação, como já lembramos, seja
também sintética precisamente por causa disso, que é o seu outro, aquele para o
qual ele transfere. A segunda premissa considerada aqui pode ser determinada
como a premissa sintética, porque é a relação do distinto como tal em relação ao
seu diferente. — Como a primeira premissa é o momento da universalidade e a
comunicação, e o segundo é determinado pela individualidade, que primeiro se
refere a outro exclusivamente e como por si e como diferente. O negativo
aparece como um mediador, porque ele se inclui tanto quanto imediato, cuja
negação representa. Enquanto estes dois determinações, de acordo com uma
determinada relação, como relacionado a eles extrinsecamente, o negativo é
apenas o que é formal do que a média; mas como negatividade absoluta, o
momento negativo de mediação absoluta é a unidade, que representa a
subjetividade e alma.

Neste ponto de retirada do método, o caminho do conhecimento retorna ao


mesmo tempo para si mesmo. Essa negatividade, como uma contradição que é
superada, é a restauração do primeiro imediatismo, da universalidade simples;
na verdade, é imediatamente o outro do outro, o que é negativo do negativo,
isto é, o positivo, o idêntico, o universal.

Este segundo imediato, se geralmente se quer contar, resulta em toda a rota


a terceira, em relação ao primeiro imediato e ao mediado. No entanto, é também
o terceiro em relação ao primeiro negativo, isto é, o negativo formal, e com
respeito à negatividade absoluta, isso é para o segundo negativo. Desde agora
que o primeiro negativo é já o segundo termo, o termo contado como terceiro
pode também ser contada como a única, e a forma abstrata pode ser
considerado, em vez de uma forma tripla, como uma forma quádrupla.

O negativo, que é a diferença, é assim contado como uma duplicidade. O


terceiro, que é o quarto, é em geral a unidade do primeiro e segundo momentos,
do imediato e do mediado.

— Essa é a unidade, assim como toda a forma do método ser uma


triplicidade, é a propósito apenas o lado superficial e extrínseco o jeito de saber.
Mas tendo mostrado apenas esse lado, e mostrei precisamente em uma aplicação
mais específica — como a própria forma numérica abstrata foi estabelecida,
como se sabe, muito cedo, mas sem conceito e, portanto, sem consequência —
também deve ser considerada como um infinito mérito da filosofia kantiana. O
silogismo, que é também o triplo, sempre foi reconhecido como a forma

https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 10/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

universal da razão; em parte, no entanto, valeu a pena em geral como uma


forma extrínseca, isso não determina a natureza do conteúdo; em parte, já que
em sentido formal é resolvido puramente na determinação identidade intelectual,
carece do momento essencial, dialético, de negatividade. Mas isso é apresentado
na triplicidade das determinações, porque o terceiro é a unidade das duas
primeiras determinações; estas, no entanto, sendo diferentes, podem estar em
uma unidade, apenas como removida. — Na realidade, o formalismo também
assumiu a triplicidade, e manteve o vazio seu esquema; o transtorno não
educado e a pobreza do chamado construir filosófico moderno, que não consiste
em mais nada, do que em pendurar em todos os lugares, sem conceito e
determinação imanente, que esquema formal, e ao usá-lo por uma ordem
externa, fizeram essa forma tornou-se chata e deu-lhe uma má popularidade.
Mas a estupidez deste trabalho não pode fazer se perder nada do seu valor
interior, e o fato de que primeiro, apenas a forma incompreendida do racional.

Mais precisamente, agora, o terceiro é imediato, mas, através da superação


da mediação; é a coisa simples, superar da diferença; o positivo superado o
negativo; o conceito que é realizado pelo ser-outro, e que, através da superação
dessa realidade, se fundiu consigo mesma e tem restaurada sua realidade
absoluta, sua simples referência a si mesma. Consequentemente, este resultado
é a verdade. É tanto imediata quanto mediação — mas as seguintes formas de
julgamento: o terceiro é imediatismo e mediação, ou: é a unidade daqueles, eles
não são capazes de compreendê-lo, porque não é um terceiro em repouso, mas
corretamente um terceiro como esta unidade que é movimento e atividade que
media consigo mesmo. — Como o início foi o universal, então o resultado é o
indivíduo, o concreto, o sujeito; o que isso era em si mesmo, agora também é
por si mesmo; o universal é posto no assunto. Os dois primeiros momentos da
triplicidade são os momentos abstratos, carentes de verdade, que, propriamente
por causa disso, são dialéticos, e se tornam sujeitos através desta sua
negatividade. O conceito em si é, em primeiro lugar para nós, tanto o universal
existente em si mesmo, quanto o negativo existente em si mesmo, bem como o
terceiro existente em si, isto é, o universal, que passa por todos os momentos do
silogismo. Porém, a terceira é a conclusão, onde o conceito, através da sua
negatividade, é mediado e, portanto, é definido por si mesmo, como o universal
e o idêntico de seus momentos.

Agora esse resultado, já que o todo voltou a si e é idêntico a si mesmo, a


forma do imediatismo portanto, ele é agora ele mesmo, como tinha determinado
o início. Como uma simples referência a si mesma é um universal, e
negatividade, que constituiu a dialética e sua mediação, também se fundiu,
nessa universalidade, na simples determinação, que pode ser novamente um
começo. A primeira vista, pode parecer que esse conhecimento do resultado tem
que ser uma análise do mesmo, e que, portanto, tem que separar novamente
essas determinações e o caminho que eles percorrem, por cujo médio, o
resultado emergiu e foi considerado. Mas, se o tratado do objeto é realmente
feito desta forma analítica, então pertence ao grau da ideia examinada acima,
isto é, quando se conhece a investigação, que expõe de seu objeto apenas o que
é, sem a necessidade de sua identidade concreta e seu conceito. Mas o método
https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 11/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

de verdade, que concebe o objeto, é sem dúvida, como já demonstramos,


analítico, pois ele permanece absolutamente no conceito; mas é ao mesmo
tempo sintético, porque, através do conceito, o objeto é determinado
dialeticamente e como outro. O método sobre a nova base constituída pelo
resultado considerado como objeto presente, permanece o mesmo método que
era para o objeto de antes. A diferença diz respeito apenas à relação da base
como tal; isto é, agora a propósito também uma base, mas a sua imediação é
única forma, porque ela foi ao mesmo tempo um resultado. Sua determinação
como conteúdo, portanto, não é mais algo puramente assumido, mas deduzido e
demonstrado.

Este é o único ponto em que o conteúdo do saber como tal penetra no círculo
da nossa consideração, porque agora pertence ao método como conteúdo
deduzido. O método em si é estendido agora, devido a esse momento, em um
sistema. — Primeiro, pelo método, o começo tinha que ser completamente
indeterminado concernente ao conteúdo. O método, portanto, aparece apenas
como alma formal, pela qual e através do qual o começo foi determinado total e
somente de acordo com sua forma, isto é, como imediato e universal. Medindo o
movimento indicado o objeto alcançou por si só uma determinação que é um
conteúdo, porque a negatividade que se fundiu em simplicidade, é a forma
superada e, como simples determinação, opõe-se a seu desenvolvimento e,
acima de tudo, a sua oposição contra a universalidade.

Agora, uma vez que essa determinação é a próxima verdade do começo


indeterminado, acusa-o incompleto, assim como acusa o método em si, que, a
partir dele, era apenas formal. Isso pode agora ser expresso como o requisito já
determinado de que o começo — por uma questão de ser, em face de determinar
o resultado, ele próprio certo — , não deve ser considerado como um imediato,
mas como mediado e deduzido. Que pode aparecer como a exigência de
progresso infinito que prossegue para trás em demonstrar e deduzir — bem
como a partir do novo começo, que também surgiu, pelo desenvolvimento do
método, um resultado tal que o progresso prossiga para o infinito também vá em
frente. Muitas vezes tem sido mostrado desde progresso infinito pertence em
geral para a reflexão sem conceito. O método absoluto, que tem o conceito como
sua alma e conteúdo, não pode levar a tal progresso. Em primeiro lugar, desde
cedo, essência, universalidade pode parecer tal que eles têm toda a
universalidade e falta de conteúdo necessário para um início completamente
formal, como deveria ser; e que, portanto, como começos absolutamente em
primeiro lugar, não exigem ou permitem qualquer retorno mais adiante. Já que
são referências puras a si mesmas, imediatas e indeterminadas, não têm
absolutamente nenhuma diferença neles que, em outro começo, é
imediatamente colocado entre a universalidade de sua forma e seu conteúdo.
Mas a indeterminação que essas mentiras lógicas têm como seu único conteúdo,
é o que constitui precisamente sua determinação; isso consiste precisamente na
negatividade daqueles como mediação superada; a particularidade também dá a
sua indeterminação uma particularidade, pela qual meio, ser, essência e
universalidade se distinguem. Agora a determinação que corresponde a eles,
como são considerados por si, é a sua determinação imediata, da mesma forma
https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 12/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

que a de um conteúdo qualquer e, portanto, precisa de dedução. Para o método,


é indiferente se a determinação é considerada como determinação da forma ou
conteúdo. Portanto, para o método realmente não começa de novo, devido ao
fato de que, através do primeiro dos seus resultados, um conteúdo: o método,
portanto, não se torna mais ou menos formal que antes. De fato, porque o
método é a forma absoluta, o conceito de quem conhece a si mesmo e conhece
tudo como conceito, não há nenhum conteúdo que possa ser apresentado a si e
possa determiná-lo como uma forma extrínseca unilateral. Portanto, desde a
falha o conteúdo desses começos não os torna inícios absolutos, também não é o
conteúdo que, como tal, pode transportar o método ao progresso infinito, para a
frente ou para trás. De um lado a determinação, que o método é criado em seu
resultado, é o momento, pelo qual o método é a mediação comigo mesmo e
transforma o começo imediato em um começo mediado.

Mas, em vez disso, é essa determinação, através da qual desenvolver esta


mediação sua: o método, através de um conteúdo, como através de algo que se
parece com outro parente para si mesmo, ele retorna para seu começo, de tal
maneira, que não só a restaura, como um certo começo; mas o resultado é tanto
a determinação removida, e com isso é também a restauração da primeira
indeterminação, na qual ele havia começado. Isso é feito o método como um
sistema de totalidade. Deve ser considerado ainda nesta determinação.

A determinação, que foi um resultado, é ela mesma, demonstrada, por causa


da forma de simplicidade em que tem sido fundida, um novo começo; porque
isso é diferente do anterior, precisamente por causa dessa determinação, o
conhecimento se desenvolve do conteúdo ao conteúdo. Primeiro, esse progresso
é determinado pelo fato de que começa a partir de determinações simples,
enquanto as seguintes são sempre mais ricas e mais concretas. De fato, o
resultado contém seu começo, e isto, em seu curso, tem enriquecido com uma
nova determinação. O universal constitui a base; progresso, portanto, não deve
ser entendido como um fluxo de um para outro. No método absoluto, o conceito
é conservado em seu ser-outro, o universal é preservado em sua
particularização, no julgamento e na realidade; em cada grau de determinação
adicional, o universal eleva toda a massa de seu conteúdo anterior e, por seu
progresso dialético não só ele não perde nada, nem deixa nada para trás, mas
ele carrega consigo tudo adquirido e enriquece e se condensa.

Esta extensão pode ser considerada como o momento do conteúdo, e, como


um todo, como a primeira premissa: o universal é encontrado comunicada à
abundância de conteúdo e preservada diretamente neste. Mas o relacionamento
também tem seu segundo lado, o negativo ou dialético. Enriquecimento progride
em necessidade do conceito, é contido por ele, e cada determinação é uma
reflexão sobre o outro. Cada novo grau de sair de si mesmo, isto é, de maior
determinação, é também um ser-em-si, e a maior extensão é igualmente maior
intensidade. Portanto, o mais rico é o mais concreto e mais subjetivo, e o que é
retirado para o profundidade mais simples é a mais poderosa e a mais invasiva.
O cume mais alto e mais afiado é a personalidade pura, que, sozinha, por meio
da dialética absoluta, que é a sua natureza, entende tudo igualmente em si, e o
https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 13/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

retém, porque se torna o mais livre, isto é, na simplicidade, que é o primeiro


imediatismo e universalidade

Assim, acontece que cada passo do progresso em determinar mais, para


fugir do começo indeterminado, é também uma abordagem de retornar a ele, e
então o que pode aparecer primeiro como diferente, isto é, o fundamento
regressivo do começo e sua determinação progressiva adicional, eles se
encaixam e são as mesmas coisas. Mas o método, que fecha em círculo, não
pode antecipar, em seu desenvolvimento no tempo, que o começo já é, como tal,
algo deduzido; para o começo, em sua vizinhança, é suficiente. Seja uma
universalidade simples. Como é, o começo tem sua condição completa, e não
precisa se desculpar para considerá-lo válido apenas provisoriamente e
hipoteticamente. O que pode-se objetar contra ele, por exemplo, sobre as
limitações do conhecimento humano, ou a exigência de que, antes de trabalhar,
considerar e investigar criticamente o instrumento de saber — eles são
pressupostos em si mesmos , que, como determinações concretas carregam
consigo a exigência de sua mediação e fundamento. Desde então, com isso, eles
não têm formalmente nenhuma vantagem sobre começar com a coisa em si,
contra a qual eles protestam, e sim, por causa de seu conteúdo mais concreto,
precisam de uma dedução, se tem de considerá-los apenas em vão afirma se
constituir antes de outras coisas o objeto da atenção. Eles têm conteúdo que não
é verdade, porque fazer incontestável e absoluto o que é reconhecido como finito
e não verdadeiro, isto é, certo conhecimento limitado como forma e instrumento
contra o seu conteúdo. Isso não satisfaz a verdade é a forma em si, a fundação,
que vai para trás.

O método da verdade também conhece o começo como algo incompleto,


porque está começando; mas, ao mesmo tempo, sabia disso. Incompleta em
geral como algo necessário, porque a verdade não é mas chegar a si mesmo
através da negatividade da mediação. A impaciência, que só quer estar além do
determinado (se é chamado início, objeto, limitado, ou de qualquer outra forma
que se entenda), e quem quer ser imediatamente em tudo, não tem antes dele
como conhecimento, mas o vazio negativo, o Infinito abstrato — ou um curso,
que é de curso porque não é porque não é preparado. É concebido apenas
através da mediação do saber, do que o universal e o imediato são um momento,
mas cuja verdade é apenas em longo prazo e no final. Para a necessidade
subjetiva que vem da falta de conhecimento, e consequentemente impaciência
pode muito bem ser a avançar uma visão geral do todo — através de uma
divisão feita para reflexão, que, na forma de conhecimento limitado, indica, com
respeito ao universal, o particular como algo já existente, e que isso pode ser
esperado na ciência. No entanto, isso não concede mais nada que uma imagem
para representação; de fato a verdadeira transferência do universal para o
particular, e para o todo, determinado em si mesmo e por si, em que este
primeiro universal em si, de acordo com a sua verdadeira determinação é por
sua vez um momento, é estranho para essa forma de divisão e é apenas a
mediação da própria ciência.

https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 14/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

Devido à natureza do método, que tem sido indicado, a ciência apresenta-se


como um círculo voltado sobre si mesmo, no início do qual, é a fundação simples,
a mediação enrola-se enfim. Deste modo este círculo é um círculo de círculos,
como cada membro em particular, por ser animada pelo método, é a reflexão
sobre si, que, porque retorna ao começo, é ao mesmo tempo início de um novo
membro. As ciências particulares são fragmentadas mentiras dessa cadeia, e
cada uma delas tem um antes e um depois; ou, para falar com mais precisão, se
tem apenas um antes e na sua mesma conclusão indica o seu depois.

Assim também a lógica retornou, na ideia absoluta, em direção àquela


unidade simples que é o seu começo: o imediatismo puro do ser em que no
início, toda a determinação aparece como extinta ou removida por abstração; é a
ideia que, através da mediação, isto é, através da superação da mediação,
atingiu a sua correspondente igualdade consigo mesma. O método é o conceito
puro, que refere-se apenas a si mesmo; Portanto, é a relação simples com o
mesmo que está sendo. Mas agora ele também é um ser completo, esse é o
conceito que se concebe, sendo como a totalidade concreta, e ao mesmo tempo
absolutamente intensivo. — Com relação a essa ideia, devemos mencionar
apenas as seguintes conclusões: nele, em primeiro lugar, a ciência lógica
compreendeu o seu próprio conceito. No ser, isto é, no início de seu conteúdo, o
conceito dessa ciência aparece como um conhecimento extrínseco aquele, e
típico da reflexão subjetiva. Mas, na ideia de conhecer absoluto, o conceito
tornou-se o conteúdo desta ciência. Este mesmo é o conceito puro, que tem
como objeto, e que, logo que viaje, como objeto, todo as suas determinações,
desenvolve-se na totalidade de sua realidade, torna-se um sistema de ciência, e
conclui assim apreendendo essa compreensão de si mesmo, superando assim
sua posição como conteúdo e objeto, e reconhecendo o conceito de ciência.

— Em segundo lugar, esta ideia ainda é lógica, está incluída no pensamento


puro, e é apenas a ciência do conceito divino. A elaboração da razão sistemática
é de fato uma conquista; mas mantido dentro da mesma esfera. De fato, a ideia
pura de conhecer, estar incluído na subjetividade, é um impulso para remover
este; e a verdade pura, como último resultado, também se torna o começo de
outra esfera e ciência. Aqui esta transferência só precisa ser mencionada.

Ou seja, desde que a ideia é colocada como unidade absoluta do conceito e


sua realidade, e encontra esse caminho nas imediações do ser, é como a
totalidade nesta forma — isto é, a natureza. No entanto, esta determinação não
é para ter convertido e uma transferência, como é, de acordo com o que foi dito
anteriormente, o conceito subjetivo que em sua totalidade se torna na
objetividade, e também o fim subjetivo que se torna vida. A ideia pura, onde a
determinação ou a realidade do conceito tem levantada por si mesma ao
conceito, é antes uma libertação absoluta , pela que já não é uma determinação
imediata, a não ser enquanto que uma determinação de início e conceito. Nesta
liberdade, portanto, nenhuma transferência é verificada; sendo simples, no
sentido de que determina a ideia, é completamente transparente para ela, e é o
conceito que em sua determinação permanece em si mesmo. Entrega aqui,
portanto, tem que ser entendido da mesma forma em seguida: que a ideia se
https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 15/16
21/04/2021 Capítulo 3 - A ideia absoluta

liberta , segura em si mesma mesmo e descansando em si. Por causa dessa


liberdade também a forma de sua determinação é livre de todo — é a
exterioridade do espaço e tempo existentes por si só, sem subjetividade. —
Assim que esta exterioridade existe e é entendida pela consciência somente de
acordo com o imediatismo abstrato do ser, é como pura objetividade e vida
exterior; mas na ideia permanece e por si só todo o conceito e ciência na relação
de conhecimento divino para a natureza. Esta primeira decisão da ideia pura, isto
é, para se determinar como uma ideia externa, obtém. No entanto, assim como a
mediação, onde o conceito se eleva como uma existência livre, que fez o retorno
a si mesmo desde a exterioridade; termina na ciência do espírito sua libertação
por si só, e encontra o conceito supremo de si mesmo na ciência lógica, como o
conceito puro que se entende.

FIM DA CIÊNCIA DA LÓGICA.

Início da página

Inclusão 29/10/2019

https://www.marxists.org/portugues/hegel/1812/logica/39.htm#topp 16/16

Você também pode gostar