Você está na página 1de 5

I BIBLIOTECAS

j FESPSP
I
EDITORA A pesqui
Q ^

Marcello Baquero

GRADUAÇÃO
Tipos de variáveis

Conceitos

Um aspecto central das teorias e da pesquisa se refere aos conceitos utilizados na medida em
que "eles" direcionam o pesquisador para ver o mundo dentro dos parâmetros teóricos por ele
delimitados. Os conceitos proporcionam a conexão crucial entre a teoria e a pesquisa, pois sinali
zam para o pesquisador o que é de interesse teórico e o que ele deve procurar.Se uma teoria, por
exemplo,sugere a existência de uma associação entre confiança interpessoal e confiança política,
então o pesquisador não precisa procurar informações sobre crescimento econômico,ou taxas de
criminalidade e poderá concentrar seus esforços em explicar quais os indicadores que levam as
pessoas a confiar umas nas outras e nas instituições políticas.
Todas as características que podem ser medidas,observadas ou mensuradas numa população,
em um dado momento e em determinadas condições,são consideradas variáveis. Nesse sentido,
uma variável deve ser unívoca,ou seja, gerar apenas uma observação.
Para definirmos uma variável, devemos primeiramente estabelecer uma unidade de medida (se
quantitativa) ou suas categorias(se qualitativa). Uma variável é considerada quantitativa,quando seus
resultados possíveissão númerosem uma certa escala,como,por exemplo,rendaem reais,idade e nú
mero de filhos,ao passo que serão consideradas qualitativas todas e quaisquer variáveis cujo resultado
possível se refira a atributos ou qualidades, nesse sentido,escolaridade,estado civil e classe social.

Identificação de variáveis

o primeiro passo,nessa etapa da pesquisa,é determinaraformacomoserão utilizadas asvariáveis,ou


seja,seserão consideradasantecedentes,ou conseqüentes(independentesou dependentes).Cadavariavel
deve serexaustiva,o quesignifica que deveincluirtodasas respostas possíveis.Também deveser mutuamente
excludente,ou seja, nenhum entrevistado pode deter dois atributos simultaneamente. Quando existem
muitas categorias que não são intervalares,recomenda-se incluir a categoria outras.
Posteriormente,o pesquisador precisa descrever as características ou categorias de cada vanável.
Uma variável é uma entidade que pode assumir diferentes valores. As vanáveis podem ser.
a) nominais: gênero (masculino,feminino);
b) ordinais: escolaridade (primeiro grau,segundo grau, terceiro grau),
c) intervalares: idade, renda,faixa etána (de 16 a 70 anos).

Si' APESQUISAQUANTITATIVANAS CIÊNCIAS SOCIAIS -59


o quadro a seguir apresenta exemplos de cada uma dessas variáveis. Continuação

INTERVALAR VARIÁVEIS
QUADRO 15 — NÍVEIS DE MENSURAÇÃO DAS VARIÁVEIS — MEDIDAS
Possui características de escalas nominais e oídinais. Nível sodoeconômico:
NOMINAL VARIÁVEIS
Surge de escala de medida (zero relativo). — Renda.

Elementos do conjunto são agrupados em clas Sexo Unidade de medida arbitrária, porém fixa. — Anos de estudo.
ses ou categorias distintas (pelo menos,duas). Permite somar ou subtrair, mas não multiplicar, — Faixa etária.
Estado civil
Suas categorias servem apenas para nomear ou dividir.
Filiação religiosa Apresenta distâncias iguais entre os interva
seres, atributos ou coisas. Apresenta distâncias iguais entre intervalos que los que se estabelecem sobre a propriedade
Não permite operações aritméticas com os va Identificação partidária se estabelecem. medida.
lores atribuídos às variáveis. Tipo de curso superior Além de coeficientes estatísticos (proporções e Podem se comparar as diferenças entre uma
Permite codificação e contagem das categorias. Ex: 20 homens e 25 mulheres = 45 porcentagens), podem se utilizar: e outra categoria.
Proporções — cálculo de freqüências. — Mediana.

Porcentagens — cálculo de percentagem nas 20/45 = 44% — Decis, quartis, percentis: indicam posição
classes ou categorias. dos dados num contínuo intervalo de renda
25/45 = 56% pessoal,ou familicir:
A relação entre duas ou mais variáveis nominais
pode ser estudada pela prova do Qui-quadrado R$5.000 —10.000
e,em casos especiais, pelo Phi de Yule. R$ 10.001 —15.000
R$15.001 —20.000...
ORDINAL VARIÁVEIS — Média aritmética.

— Desvio padrão.
Resulta de uma operação de ordenar postos. Nívelsodoeconômico(rico e pobre)—dividida
em duas categorias,classifica os elementos de — Teste de hipóteses: Qui-quadrado e correla
Além de classificar os elementos de um coiyunto, ção de postos, correlação produto-momento de
estabelece ordem hierárquica entre as categorias. um conjunto.
Pearson.
Não permite quantificação. A mesma variável pode ser hierarquizada:
— Nível alto. RAZAO (RACIONAL)
Além de coeficientes estatísticos(proporções e VARIÁVEIS
porcentagens), podem se utilizar: — Nível médio. A medida de razão tem as mesmas características da
— Idade
— Mediana: permite localizar a posição do caso — Nível baixo. intervalar,com a diferença de ter um zero real.
médio,quando os dadosseguem um ordenamen —Altura
to determinado,seja crescente ou decrescente. — Classe social (alta, média e baixa). Da contagem sempre resultam números inteiros.
— Peso
— Decis, quartis, percentis: indicam posição — Interesse político (muito, pouco...). Permite todas as operações matemáticas
dos dados num contínuo.
(somar,subtrair, multiplicar e dividir). — Tempo de moradia
Religiosidade (+/- religiosa). Pode-se aplicar todo tipo de medidas estatísticas.
— Teste de hipóteses: Qui-quadrado e corre — Notas de disciplinas:
lação de postos. Além de coeficientes estatísticos (proporções e
A:Laura porcentagens), podem-se utilizar:
B:João (Laura sabe mais,porém não se indica — Mediana.
o quanto mais).
— Decis, quartis, percentis.
— Moda.
Continua.
— Média aritmética.

— Desvio padrão,coeficiente de variação.


— Teste de hipóteses: Qui-quadrado e correla
ção de postos, correlação produto-momento de
Pearson.

Fonte: O autor. . . .. .
Nota; As variáveis discretas correspondem a variáveis nominais para fins de me içao, as vanaveis con nuas, as vanaveis
ordinais, intervalares e de razão.

60. MARCELLO BAQUERO•S Si. A PESQUISA QUANTITATIVA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS •61
o atributo de uma variável é o seu valor específico. Por exemplo, a variável gênero tem dois Geralmente, a variável independente (X) é colocada no eixo horizontal, enquanto a variável
atributos: masculino e feminino e a variável que solicita concordância a respeito de algum assunto dependente (Y) se situa no eixo vertical.
pode ter, por exemplo,cinco atributos, como podem ser vistos a seguir:
1) Concorda completamente.
A variável moderadora
2) Concorda em parte.
3) Neutro.
4) Discorda em parte. Naformulação de uma hipótese,é necessário considerar oschamadosefeitos especiais,ouseja,a posr
5) Discorda totalmente. sibilidade do efeito da variávelindependente estarsendo moderado por umaterceiravariável.Essavariavel
é denominada variável moderadora.Éofator que é medido,manipulado ouselecionado pelo pesquisador
Na formulação das hipóteses, duas ou mais variáveis podem estar relacionadas, associadas, ou para descobrir se a relação se modifica entre a variável independente e a variável dependente.
dissociadas em uma relação de dependência,ou independência. Assim,uma variável está associada,
interfere ou determina o comportamento da outra. Por exemplo, considere a seguinte hipótese: Considere oseguinte exemploa respeito dainfluência dos meiosde comunicação naparticipação política.
quanto maior a escolaridade, maior a confiança nas instituições políticas. Na seguinte hipótese,
encontram-se as seguintes variáveis: Escolaridade(X)— variável independente — e confiança insti QUADRO 16 — IDENTIFICAÇÃO DE VARIÁVEL INDEPENDENTE,DEPENDENTE EINTERVENIENTE
tucional(Y) —variável dependente.

A variável independente é a variável chamada de entrada {input) e que influencia outra variável VARIAVELINDEPENDENTE VARIÁVEL DEPENDENTE
no sentido inferencial — é o fator medido, manipulado ou selecionado pelo pesquisador para (meios de comunicação) (participação política)
determinar sua relação com um fenômeno observado.

No exemplo citado, o pesquisador se pergunta o que ocorreria no nível de confiança nas ins
tituições (Y),se pudesse aumentar ou diminuir a escolaridade (X).
A variaveldepend£nteé a variável resposta ou conseqüência.É o aspecto do comportamento obser
vado de um fenômeno que foi estimulado.Assim,a variável dependente é o fator que é observado e
mensurado para avahar o efeito da variável independente.É considerada dependente,porque seus
valores dependem de mudanças (positivas,ou negativas) nos valores da variável independente.Dessa VARIÁVEL MODERADORA
forma,representa a conseqüência,ou seja, uma mudança na pessoa,ou na situação estudada.
(gênero)
A hipótese, para uma melhor visualização, é apresentada no histog^rama a seguir.
Fonte: O autor.
fflSTOGRAMA DA HIPÓTESE QUE RELACIONA ESCOLARIDADE(X)À DESCONFIANÇA (Y)
Do ponto de vista teórico e da lógica formal, é plausível supor que existe uma relação entre
meios de comunicação como conceito catalisador de participação política.Porém,tal relação pode
ficar mais clara, quando uma terceira variável (moderadora)for colocada na hipótese. Nesse caso,
a hipótese seria formulada da seguinte forma:
Hl: Os meios de comunicação influenciam, de forma diferente, os homens e as mulheres na
sua decisão de participar ou não da política.
Desconfiaça (Y) Definições operacionais

Para testar as hipóteses formuladas numa pesquisa,o investigador precisa trabalhar com defi
nições operacioníiis. Para compreender esse termo,considere os seguintes exemplos.
Um motorista é flagrado por um policial, indo a mais de 60 km/h e é multado.
— o policial operacionaliza sua definição de velocidade (60 km/h),^
— o motorista operacionaliza sua definição de velocidade em função do pengo que po e
oferecer aos pedestres (mais de 60 km/h).
Escolaridade(X) Quem está certo? Obviamente,do ponto de vista da normajurídica,o policial está certo, por
tanto,está respaldado na lei ao multar o motorista faltoso.Porém,se a multa foi dada numa estrada

62.MARCELLOBAQUERO.fí fi.A PESQUISA QUANTITATIVA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS •63


de pouco movimento e sem perigo para os motoristas,seria de se considerar que talvez existisse um
equívoco dessa operacionalização formal.

Nesse contexto, o pesquisador nas Ciências Sociais precisa explicitar os significados dos seus
conceitos com precisão de tal forma que os leitores entendam exatamente o que está sendo afir
mado e com detalhamento minucioso que permita a sua replicabilidade em outros contextos,
possibilitando, desse modo,a construção de teoria.
Cabe ressaltar, portanto, que uma definição operacional é construída com base em critérios
observáveis daquilo que está sendo definido.
Umadefinição conceituai,pelo contrário,identifica umfenômenoem termosde critérios conceituaisou
hipotéticos ao invés de Êitos observados(conceito em relação a outro conceito).Exemplo:globalização.
Num estudo quantitativo, definições operacionais de todas as variáveis relevantes devem ser
transformadas num conjunto específico de medição. No quadro a seguir, apresenta-se o processo
de transformação de níveis mais abstratos de conceituação (conceito) para indicadores empíricos
(variáveis) e mensuráveis (indicadores operacionalizados).

No exemplo a seguir, procura-se aplicar esse processo de transformação de níveis abstratos de


conceituação para o nível operacional da seguinte hipótese:
Hl: Quanto maior a escolaridade, menor a desconfiança na política.
QUADRO 17 — OPERACIONAUZAÇÃO DOS CONCEITOS
Conceito Variáveis Definições operacionais

Formal >■ média de anos nas escolas


da população nas universidades

Escolaridade ->■ Conhecimento político- da população que teve cursos de civismo

Alfabetizados ■^% da população que pode ler um jornal


L
% da população que estudou,
pelo menos, até a quarta série

Instituições políticas —>■ % de afiliação partidária


Opinião sobre o Congresso
Desconfiança
Processo eleitoral da população que pode votar
—^ % da população que não
acredita nos partidos
Direitos Humanos- ■^ % da população que acredita em discriminação
% de processos penais decididos
a fevor dos pobres

64. MARCELLO BAQUERO • &

Você também pode gostar