Você está na página 1de 112

Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.

com - HP09016146398992
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 Página |1

SUMÁRIO

PARTE GERAL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5

Princípios Processuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

Princípio do Devido Processo Legal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

Princípio do Acesso à Justiça. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

Princípio do Contraditório e Ampla Defesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6

Princípio da Inércia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

Princípio da Celeridade.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6

Princípio da Boa-fé Processual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6

Princípio da Cooperação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

Princípio da Igualdade no Processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

Princípio da Publicidade e Motivação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

Princípio do Juiz Natural . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

Princípio do Duplo Grau de Jurisdição.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

Princípio do Livre Convencimento Motivado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

Princípio da Verdade Formal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

Princípio da Primazia da Decisão de Mérito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8

Julgamento em Ordem Cronológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8

Princípio da Solução Consensual dos Conflitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8

Competência em matéria processual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8

Aplicação das Normas Processuais.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

Institutos de Processo Civil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9

Ação.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

Condições da ação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9

Elementos da ação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 Página |2

Classificação das ações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

Jurisdição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .11

Noções Gerais.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .11

Alternativas à Jurisdição Estatal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .11

Competência.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

Competência Internacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

Competência Nacional.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

Alterações da Competência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15

Conflito de Competência.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15

Processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

Sujeitos do processo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16

Partes e Procuradores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16

Juiz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

Auxiliares da Justiça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .25

Conciliador e Mediador.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

Ministério Público. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .26

Defensoria Pública. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .27

Litisconsórcio e Intervenção de Terceiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Litisconsórcio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Intervenção de terceiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .29

Ato Processual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31

Prazos Processuais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Contagem de prazos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Forma de contagem de prazo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Comunicação dos atos processuais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 Página |3

Cartas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .34

Citação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

Intimação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .36

Notificação.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .36

Valor da causa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

Critérios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

Hipóteses de Fixação Legal.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .37

Tutela provisória. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

Regras gerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .38

Momento de Concessão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

Tutela de Urgência.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

Tutela da Evidência.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .40

Formação, Suspensão e Extinção do processo.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

Formação.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .42

Suspensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

Extinção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .43

PARTE ESPECIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .45

Processo de Conhecimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

Procedimento Comum.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .45

Liquidação de sentença.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

Cumprimento de sentença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

Procedimentos Especiais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

Juizados Especiais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

Processo Coletivo.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

Processo de Execução.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 Página |4

Introdução.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90

Princípios.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90

Requisitos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90

Título executivo extrajudicial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90

Petição Inicial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

Competência.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .91

Prescrição intercorrente.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .92

Espécies de execução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92

Da defesa do executado - Embargos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

Recursos e Processos nos Tribunais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .97

Precedentes Vinculantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .97

Incidentes e Ações sem Natureza Recursal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97

Recursos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 Página |5

PARTE GERAL

Princípios Processuais

O novo Código de Processo Civil prevê normas fundamentais, regulando todo o processo e
alinhando-se à Constituição Federal, muitas vezes repetindo o texto constitucional. Nesse sentido, o art. 1º
prevê que o Processo Civil será ordenado, disciplinado e interpretado conforme as normas fundamentais
estabelecidas na Constituição Federal.

É o que ocorre, por exemplo, com o art. 8º, que sujeita o juiz, na aplicação do ordenamento jurídico,
ao atendimento dos fins sociais e das exigências do bem comum, resguardando e promovendo a dignidade
da pessoa humana e observando a proporcionalidade, razoabilidade, legalidade, publicidade e eficiência.

Nos próximos tópicos serão estudados os princípios norteadores do Processo Civil.

Princípio do Devido Processo Legal

Trata-se da base principiológica do Direito Processual Civil e se divide em:

o Devido processo legal substantivo: o processo dever ser razoável e proporcional.


o Devido processo legal formal: o processo deve observar os ditames legais.

Assim, somente o Poder Judiciário, depois da instauração prévia de um processo, poderá privar
alguém de sua liberdade ou retirar-lhe seus bens. Além disso, para a justa e perfeita solução da lide, a fim
de ser possível a correta prestação jurisdicional, é necessária a adequação do caso concreto às normas.

Princípio do Acesso à Justiça

Também conhecido como princípio da inafastabilidade do controle jurisdicional, abarca o direito


fundamental de todo indivíduo ter seu conflito apreciado pelo Poder Judiciário, uma vez que a lei não
excluirá do Judiciário qualquer lesão ou ameaça a direito.

Assim, deve o Estado permitir o acesso ao Judiciário de modo que nenhuma lide fique desprotegida
da tutela estatal. Dessa forma, o jurisdicionado, diante de uma lide, poderá buscar a solução via jurisdição,
sendo indevidas quaisquer limitações à possibilidade de se acionar o Judiciário.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 Página |6

Princípio do Contraditório e Ampla Defesa

O princípio do contraditório em sentido amplo possui duas facetas:

o Formal (contraditório em sentido estrito): direito de participar do processo.


o Material (ampla defesa): possibilidade efetiva de influir na decisão.

Nesse sentido, o CPC estabelece que não se proferirá decisão contra uma das partes sem que ela
seja previamente ouvida, SALVO nos seguintes casos (nos quais o contraditório é diferido):

o Tutela urgência (antecipada ou cautelar).


o Tutela de evidência fundada em prova documental + precedente ou súmula vinculantes.
o Tutela de evidência fundada em pedido reipersecutório + prova documental.
o Tutela de evidência do procedimento de ação monitória.

Ainda de acordo com esses princípios, o juiz não pode decidir, em grau algum de jurisdição, com
base em fundamento a respeito do qual não se tenha dado às partes oportunidade de se manifestar, ainda
que se trate de matéria sobre a qual deva decidir de ofício.

Princípio da Inércia

O processo começa por iniciativa da parte e se desenvolve por impulso oficial.

PRINCÍPIO DISPOSITIVO PRINCÍPIO INQUISITIVO

Iniciativa da parte. Impulso oficial.

Princípio da Celeridade

As partes têm o direito de obter em prazo razoável a solução integral do mérito, incluída a atividade
satisfativa (a celeridade não se restringe à fase de conhecimento, mas se estende ao cumprimento de
sentença ou à execução).

Princípio da Boa-fé Processual

Aquele que de qualquer forma participa do processo deve comportar-se de acordo com a boa-fé.

O NCPC prevê expressamente o princípio da boa-fé entre os sujeitos do processo, aumentando,


inclusive, a multa atribuída por litigância de má-fé para percentuais entre 2% e 10%.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 Página |7

Princípio da Cooperação

Todos os sujeitos do processo devem cooperar entre si para que se obtenha, em tempo razoável,
decisão de mérito justa e efetiva.

Princípio da Igualdade no Processo

É assegurada às partes paridade de tratamento em relação ao exercício de direitos e faculdades


processuais, aos meios de defesa, aos ônus, aos deveres e à aplicação de sanções processuais, competindo
ao juiz zelar pelo efetivo contraditório.

Princípio da Publicidade e Motivação

Todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e fundamentadas todas as
decisões, sob pena de nulidade. Entretanto, nos casos de segredo de justiça, pode ser autorizada a presença
somente das partes, de seus advogados, de defensores públicos ou do Ministério Público.

Princípio do Juiz Natural

O juiz natural é o juiz competente previsto em lei (Constituição e Códigos) para julgar a lide em
abstrato, antes mesmo de sua ocorrência. Se presta a garantir a imparcialidade do julgador.

Princípio do Duplo Grau de Jurisdição

Toda decisão judicial encontra-se sujeita a reexame pela instância superior através de recurso próprio
da parte prejudicada ou de eventual terceiro interessado na tentativa de modificá-la.

Excepcionalmente, pode ser aplicado de ofício pelo magistrado, como, por exemplo, nas hipóteses
de julgamentos proferidos contra a União, os Estados e os Municípios (hipóteses de reexame necessário).

Princípio do Livre Convencimento Motivado

Este princípio concede ao juiz ampla possibilidade de apreciar as provas constantes dos autos do
processo segundo seu livre convencimento, sendo soberano na análise das provas produzidas. Todavia, a
decisão emanada desse livre convencimento deve ser expressamente motivada, sob pena de nulidade
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 Página |8

Princípio da Verdade Formal

O juiz deve se manter relativamente equidistante das partes, dando a elas a oportunidade de produzir
suas provas e decidindo a lide com base naquilo que foi produzido nos autos.

Além disso, admite-se, inclusive, a iniciativa judicial na busca da prova.

Princípio da Primazia da Decisão de Mérito

O princípio da primazia da decisão de mérito, ou “princípio da precedência do julgamento do mérito”,


está consagrado no art. 4º do NCPC e tem como objetivo superar os obstáculos à resolução do mérito e
solucionar a disputa, exceto quando se tratar de vício insanável.

Julgamento em Ordem Cronológica

O julgamento das demandas deve ser feito, preferencialmente, em ordem cronológica de conclusão.

Princípio da Solução Consensual dos Conflitos

Todo o CPC é estruturado no sentido de estimular a autocomposição, possibilitando às partes a


resolução do conflito de forma consensual. Nesse sentido, o art. 3º, §2º estabelece que o Estado promoverá,
sempre que possível, a solução consensual dos conflitos.

Assim, a conciliação, a mediação e outros métodos de solução consensual de conflitos deverão ser
estimulados por juízes, advogados, defensores e membros do MP, inclusive no curso do processo judicial.

Competência em matéria processual

A Constituição Federal dispõe o seguinte acerca da competência em matéria processual:

o Competência privativa da União: legislar sobre direito processual.


o Competência concorrente (U, E, DF): legislar sobre procedimentos em matéria processual.

Aplicação das Normas Processuais

As normas do CPC não retroagirão e serão aplicadas imediatamente aos processos que estão em
curso, respeitados os atos processuais já praticados e as situações consolidadas sob vigência do CPC/1973.

Também serão aplicáveis as normas processuais aos processos eleitorais, trabalhistas e


administrativos de forma supletiva e subsidiária.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 Página |9

Institutos de Processo Civil

O Direito Processual Civil está baseado em três pilares: ação, jurisdição e processo. Assim, surgindo a lide
(conflito de interesses qualificado por uma pretensão resistida), o interessado promove a ação, que provoca a
jurisdição antes inerte, e, por meio de um processo, confere um provimento jurisdicional.

Ação

Ação é o direito público, subjetivo e abstrato de provocar a jurisdição.

Público porque exercido contra o Estado, subjetivo porque é inerente à pessoa (que o exerce se quiser), e
abstrato porque independe da existência de um direito material.

Condições da ação

As condições da ação devem estar presentes do início ao fim da ação, sendo que, caso o juiz verifique a
ausência de qualquer delas, haverá a chamada carência da ação.

Verificada a ausência de uma condição:

o Antes da citação: haverá o indeferimento da inicial.


o Depois da citação: o processo será extinto, sem resolução do mérito.

Assim, para que o direito de ação seja exercido, é necessária a presença de duas condições:

Legitimidade de parte

Ninguém pode ser parte do processo se não tiver vinculado ao direito material nele discutido.

Legitimidade ordinária: a parte demanda em nome próprio defendendo direito próprio.

Legitimidade extraordinária ou substituição processual: a parte demanda em nome próprio defendendo


direito alheio. Deve estar prevista em lei. Caso o substituído deseje ingressar no processo, assim o fará como
assistente litisconsorcial. É o caso do Ministério Público ao defender direitos dos idosos.

Não confunda com representação (demandar direito alheio em nome alheio).

Ex..: mãe que representa o filho na ação de alimentos.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 10

Interesse de agir

Para que o autor possa obter uma tutela jurisdicional, deverá ter a necessidade de buscar o Judiciário e a
adequação do meio escolhido. Assim, por exemplo, se a parte não possuir um título executivo, não terá interesse
em ingressar com uma execução, pois escolheu a ação inadequada (o correto seria a ação de conhecimento).

Possibilidade jurídica do pedido não é mais uma condição da ação!

Elementos da ação

É importante que a ação judicial seja identificada, isto é, que existam elementos que caracterizem a
demanda, permitindo a sua diferenciação das demais ações.

São elementos da ação:

Partes: quem pede (polo ativo) e contra quem se pede (polo passivo).

Causa de pedir: são os fatos (causa remota) e fundamentos jurídicos (causa próxima).

Pedido: é a tutela jurisdicional pretendida pelo autor, dividindo-se em imediato (espécie de tutela –
ex.: condenação) e mediato (efeitos práticos da tutela – ex.: pagamento de indenização).

IMPORTANTE!

Esses elementos servem como identidade da ação, permitindo verificar se há litispendência (ação idêntica em
curso), coisa julgada (ação idêntica já julgada) e conexão (identidade entre duas ações pelo pedido ou causa de
pedir). Uma ação é considerada idêntica à outra quando houver identidade dos três elementos da ação.

Classificação das ações

No processo civil temos, somente, duas ações:

Ação de conhecimento: tem por objetivo obter do juiz uma sentença de mérito (título executivo judicial).

Ação de execução: tem por objetivo satisfazer um título executivo (em regra, extrajudicial).

Não existe mais ação cautelar, sendo esta tratada como uma espécie de tutela provisória pelo novo CPC.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 11

Jurisdição

Noções Gerais

É o poder do Estado (Judiciário) de aplicar o direito ao caso concreto. Trata-se de dever-poder difuso
nas mãos da magistratura, pois é exercida por todos os magistrados, ainda que distintas as competências.

Diz-se que ela é “una” em todo território nacional (apesar de haver diversos órgãos judiciários, o Poder
Judiciário é uno) e tem como principais características:

o Inércia: somente se movimenta se provocada.


o Atividade substitutiva: substitui a vontade das partes pela vontade da lei.
o Definitividade: o provimento jurisdicional faz coisa julgada.

Espécies de jurisdição

Quanto à existência ou não de lide, divide-se em contenciosa e voluntária. Vejamos:

CONTENCIOSA VOLUNTÁRIA

Existência de lide Ausência de lide

Há partes Há interessados

Atividade substitutiva do juiz Atividade integrativa do juiz

Sentença
Sentença Homologatória
Condenatória/Constitutiva/Declaratória/Homologatória

Coisa Julgada Material Coisa Julgada Formal

Cabe Ação Rescisória Cabe Ação Anulatória

Alternativas à Jurisdição Estatal

Os meios alternativos de solução de conflitos são alternativas à jurisdição estatal, são eles:

Equivalentes Jurisdicionais:

o Autotutela (solução de conflitos pelo uso da força. Ex.: legítima defesa).


o Transação (solução de conflitos pela vontade das partes: conciliação, submissão ou renúncia).
o Mediação (o mediador conduz as partes à solução do conflito).
o Tribunais administrativos (solução por tribunais administrativos. Ex.: CADE).

Jurisdição não estatal: arbitragem (constitui título executivo judicial).


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 12

Competência

Enquanto jurisdição é o dever-poder difuso nas mãos da magistratura, consistente em dizer o direito no
caso concreto, solucionando-se o conflito de interesses, competência é o limite e a medida da jurisdição.

Competência Internacional

Competência Concorrente

Ocorre quando o juiz brasileiro e o juiz de outro país podem tratar da matéria (vale a decisão que
transitar em julgado primeiro). Isso ocorre nas seguintes situações:

o Réu, qualquer que seja a sua nacionalidade, domiciliado no Brasil.


o Obrigação tiver de ser cumprida no Brasil.
o O fundamento da demanda seja fato ocorrido ou ato praticado no Brasil.
o Ação de alimentos, se o autor for domiciliado ou residente no Brasil ou se o réu tiver algum vínculo no
Brasil (bens, renda ou benefícios econômicos).
o Ação envolvendo relação de consumo, e o consumidor for domiciliado ou residente no Brasil.
o Ação em que as partes se submetem à jurisdição nacional.

Nesses casos, a ação proposta perante tribunal estrangeiro NÃO induz litispendência e NÃO obsta a que
a autoridade judiciária brasileira conheça da mesma causa e das que lhe são conexas, RESSALVADAS as
disposições em contrário de tratados internacionais e acordos bilaterais em vigor no Brasil

A decisão estrangeira, para ser executada no Brasil, deve inicialmente passar pelo procedimento de
homologação de decisão estrangeira, de competência exclusiva do STJ.

Competência Exclusiva

Ocorre quando somente o juiz brasileiro puder decidir a questão

Hipóteses:

o Ações relativas a imóveis situados no Brasil.


o Ações relativas à sucessão hereditária, para proceder à confirmação de testamento particular e ao
inventário e à partilha de bens situados no Brasil, ainda que o autor da herança seja de nacionalidade
estrangeira ou tenha domicílio fora do território nacional.
o Em divórcio, separação judicial ou dissolução de união estável, para proceder à partilha de bens situados
no Brasil, ainda que o titular seja de nacionalidade estrangeira ou tenha domicílio fora do território nacional.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 13

Competência Nacional

COMPETÊNCIA ABSOLUTA COMPETÊNCIA RELATIVA

Fundada em interesse público. Fundada no interesse das partes.

Pode ser reconhecida de ofício. É reconhecida mediante provocação da parte.

Pode ser alegada ou reconhecida a qualquer


Se não alegada no momento oportuno, ocorre a
tempo e grau de jurisdição, cabendo, inclusive,
prorrogação da competência.
Ação Rescisória.

Alegada em Preliminar de Contestação. Alegada em Preliminar de Contestação.

Competência Absoluta

Entende-se por competência absoluta aquela que não admite modificação, mesmo que as partes
concordem com o processamento perante juízo incompetente ou na ausência de alegação pelo réu. Por
isso, ela pode ser reconhecida a qualquer tempo e grau de jurisdição, inclusive, de ofício pelo juiz.

Vale lembrar que, salvo decisão judicial em sentido contrário, conservar-se-ão os efeitos de decisão
proferida pelo juízo incompetente até que outra seja proferida, se for o caso, pelo juízo competente.

Estão inseridas no conceito de competência absoluta as seguintes:

Competência Material: fixa a competência com base na natureza da ação.

o Justiça Comum: Federal e Estadual.


o Justiça Especial: Trabalhista, Eleitoral e Militar.

Competência Funcional: fixada com base na função.

o Competência originária dos Tribunais Superiores (arts. 102 e 105, da CF)


o Competência originária dos Tribunais Federais e Estaduais (arts. 108 e 125, § 1°, da CF).
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 14

Competência Relativa

A competência relativa é concorrente, ou seja, admite que outro juízo, inicialmente incompetente para
a causa, possa processá-la e julgá-la, fenômeno conhecido como prorrogação da competência.

É ônus do réu sua alegação.

São consideradas competência relativa as seguintes:

Em razão do valor da causa: toda causa tem indicativo de valor, servindo para a fixação da competência
dos Juizados Especiais Cíveis (até 40 salários-mínimos, no Juizado Estadual; até 60 salários-mínimos no Juizado
Federal e no Juizado da Fazenda Pública). Não sendo estes os valores, é competência da justiça comum.

OBS.: No caso dos Juizados Federal e da Fazenda Púbica, a competência é absoluta.

Competência territorial: tem por base uma perspectiva geográfica, observados as seguintes regras:

Regras gerais:

o Direito pessoal ou direito real sobre móveis: foro do domicílio do réu.


o Direito real sobre imóveis: foro do local da coisa.

Exceções:

o Inventário, partilha, arrecadação, cumprimento de disposições de última vontade ou impugnação de


partilha extrajudicial: foro do último domicílio do falecido.
o Réu incapaz: foro do domicílio de seu representante ou assistente.
o Divórcio (e ações correlatas):
✓ Foro do domicílio do guardião do filho incapaz;
✓ Se não houver filho incapaz, do último domicílio do casal;
✓ Se nenhum morar no último domicílio, no do réu;
✓ Em caso de violência doméstica e familiar, no foro do domicílio da vítima.
o Ação de alimentos: foro do domicílio de quem pleiteia alimentos.
o Ação envolvendo estatuto do idoso: residência do idoso.
o Ações de reparação de danos: lugar do ato ou fato.
o Indenizações decorrentes de acidente de veículo (inclusive aeronave) ou dano decorrente de delito:
foro do local do fato ou do domicílio do autor.
o Lides envolvendo relações de consumo: foro do domicílio do consumidor.
o Ações de despejo, se não houver foro de eleição: foro do local do imóvel.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 15

Alterações da Competência

A competência é fixada no momento do registro ou distribuição da inicial. Contudo, por questões de


celeridade e conveniência, algumas vezes é possível que haja a modificação desta.

Haverá redistribuição se:

o Houver supressão do órgão judiciário perante o qual tramitava a causa.


o Houver alteração da competência absoluta (matéria, pessoa ou hierarquia/função).

A competência pode ser alterada se houver:

o Conexão (mesma causa de pedir OU pedido).


o Continência (mesmas partes E causa de pedir, mas o pedido de uma é mais amplo que o das demais).

A consequência da conexão é a reunião dos processos, mas o CPC inova ao prever a possibilidade de
reunião de processos semelhantes, mesmo que não haja conexão.

A consequência da continência é:

o A reunião dos processos.


o A extinção de um deles.

A prevenção é que determinará qual o juízo responsável pelo julgamento de ambas as demandas, ou seja,
o juiz que primeiro tiver tido contato com a lide, pela distribuição ou registro.

Conflito de Competência

o Negativo: os dois juízes entendem que são incompetentes para julgar a causa.
o Positivo: os dois juízes entendem que são competentes para julgar a causa.

Trata-se de incidente processual originário que deve ser dirigido ao Tribunal competente.

Processo

O processo é o instrumento da jurisdição, sendo resultado de uma relação jurídica entre autor, juiz, réu,
e um procedimento (conjunto de atos ordenados e ligados entre si para a obtenção de um resultado). Dentro
da ação de conhecimento existem, basicamente, dois procedimentos:

Comum: é residual e admite dilação probatória.

Especiais: é mais célere, visto que não se admite dilação probatória. Ex.: Ações possessórias.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 16

Sujeitos do processo

Partes e Procuradores

Capacidade processual em sentido amplo

Capacidade de ser parte

Tem capacidade de ser parte qualquer pessoa, física ou jurídica.

Se confunde com a personalidade jurídica, porém existem alguns entes despersonalizados que, mesmo sem
personalidade, podem especificamente atuar no processo. Ex.: condomínio, massa falida, nascituro, espólio, herança
jacente, herança vacante e sociedade sem personalidade.

Capacidade processual em sentido estrito

É a aptidão para atuar no processo pessoalmente, cabendo somente às pessoas capazes. Assim, se
confunde com a capacidade, sendo que os incapazes serão representados (se absolutamente) ou assistidos (se
relativamente). Caso o juiz verifique irregularidade na capacidade processual ou na representação, ele suspenderá
o processo e fixará prazo razoável para correção.

Descumprida a determinação em instância originária:

o Pelo autor, o processo será extinto.


o Pelo réu, será considerado revel.
o Por terceiro será revel ou excluído do processo, dependendo do polo que se encontrar.

Descumprida a determinação, em grau de recurso:

o Pelo recorrente, não se conhecerá o recurso.


o Pelo recorrido, serão desentranhadas suas contrarrazões.

Será nomeado curador especial:

o Ao incapaz, se não tiver representante legal ou se seus interesses conflitarem com este, enquanto durar a
incapacidade.
o Ao réu preso revel.
o Ao réu citado por hora certa ou por edital, enquanto não constituído advogado.

As pessoas jurídicas se farão presentes por intermédio dos seus representantes (serão presentadas). Já os
entes sem personalidade jurídica serão representados pela pessoa indicada na lei (art. 75, CPC).
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 17

Capacidade postulatória

Em regra, o advogado é o titular da capacidade postulatória, que lhe é outorgada por meio da procuração,
mas há casos em que a lei concede capacidade postulatória à própria parte:

o Juizados Especiais Cíveis, nas causas de até 20 salários-mínimos.


o Ação de alimentos.
o Habeas corpus.
o Reclamações trabalhistas.

Deveres das partes e dos procuradores

São deveres das partes, dos procuradores e de todos que de alguma forma participem do processo:

o Expor os fatos em juízo conforme a verdade.


o Não formular pretensão ou de apresentar defesa quando cientes de que são destituídas de fundamento.
o Não produzir provas e não praticar atos inúteis ou desnecessários à declaração ou à defesa do direito.
o Cumprir com exatidão as decisões jurisdicionais, de natureza provisória ou final, e não criar embaraços à sua
efetivação (atenta à dignidade da justiça).
o Declinar, no primeiro momento que lhes couber falar nos autos, o endereço residencial ou profissional onde
receberão intimações, atualizando essa informação sempre que ocorrer qualquer modificação temporária
ou definitiva.
o Não praticar inovação ilegal no estado de fato de bem ou direito litigioso (atenta à dignidade da justiça).

Ato atentatório ao exercício da jurisdição: ocorrerá caso a parte não cumpra com exatidão os
mandamentos do juiz, crie embaraços à efetivação dos provimentos jurisdicionais ou pratique inovação ilegal
no estado de fato de um bem ou direito litigioso. Nesses casos, a penalidade será de multa de até 20% do valor
da causa, sem prejuízo das sanções criminais, civis e processuais de acordo com a gravidade da conduta. Tais
valores se reverterão à Fazenda Pública. (advogados, defensores e membros do MP não respondem por isso).

Além disso, responde por perdas e danos aquele que litigar de má-fé como parte ou interveniente.

Litigância de má-fé: o juiz pode impor multa superior a um por cento e inferior a dez por cento do
valor corrigido da causa mais perdas e danos a serem fixados pelo juiz, mais custas e honorários. Tais valores
se reverterão à parte contrária. Grande exemplo é a propositura de várias ações idênticas com as mesmas
partes, causa de pedir e pedido, distribuídas a juízos diferentes, com nomes de ação diversos, objetivando
concessão de medida liminar e revisão de cláusulas de um mesmo contrato.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 18

ATO ATENTATÓRIO À DIGNIDADE DA JUSTIÇA LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ

O dano é ao Poder Judiciário. O dano é à parte contrária.

Multa de até 20% do valor da causa ou multiplicado por até 10 Multa de 1 a 10% do valor da causa ou multiplicado por até 10
salários-mínimos, caso irrisório/inestimável o valor da causa. salários-mínimos caso irrisório/inestimável o valor da causa.

Hipóteses: Hipóteses:

o Não cumprir decisões jurisdicionais. o Ir contra texto expresso de lei ou fato incontroverso.
o Criar embaraços à efetivação do processo. o Alterar a verdade.
o Inovação ilegal no estado de fato de bens litigiosos. o Objetivo ilegal.
o Resistência injustificada.
o Proceder de modo temerário.
o Provocar incidente manifestamente infundado.
o Recurso manifestamente protelatório.

Revertido para o fundo de modernização do Poder Judiciário. Revertido para a parte que sofreu o dano.

Sucessão processual

É a alteração das partes em um processo judicial.

o Falecimento da parte: o sucessor ingressará nos autos para assumir a posição processual do falecido.
o Alienação de objeto litigioso: quem adquire o bem poderá ingressar no processo no lugar da parte
que alienou o bem – desde que haja consentimento da parte contrária.

Procuração

O contrato que regula a relação entre cliente e advogado é o mandato. A procuração é o


instrumento do mandato e prova que a parte é representada pelo advogado.

Existem duas espécies de procuração: a procuração geral de foro, que importa na outorga de
representação judicial para a prática dos atos processuais de forma geral (contém a denominada clausula
ad judicia) e a procuração específica, que envolve a concessão de poderes especiais, devendo constar
expressamente da procuração, pois envolve a prática de atos de dispositivo de direito.

Em situações de urgência, é possível que o advogado pleiteie alguma providência jurisdicional sem a
apresentação da procuração, requerendo prazo para tanto – de 15 dias, prorrogáveis por mais 15.

Além disso, não é necessária a procuração se o advogado postular em causa própria.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 19

Término do mandato

o Renúncia ou revogação.
o Morte ou interdição das partes.
o Mudança de estado que inabilite o mandante a conferir poderes ou o mandatário para exercê-los.
o Término do prazo ou conclusão do negócio.

Renúncia: o advogado pode renunciar ao mandato a qualquer tempo, provando que comunicou a renúncia
ao mandante, a fim de que este nomeie substituto. Para evitar prejuízo ao mandante, mesmo que comprovada a
ciência da renúncia, o advogado continuará a representá-lo nos autos por 10 dias.

Havendo mais de um advogado e sendo a renúncia de apenas um deles, não há necessidade de comunicá-la.

Revogação: é o ato pelo qual o cliente desconstitui o advogado da sua função de mandatário, devendo, no
mesmo ato, constituir novo advogado.

Suspensão do processo: havendo morte do advogado, sua interdição ou a perda de sua capacidade
postulatória, o processo será suspenso e o juiz concederá prazo de 15 dias para que seja nomeado novo advogado
pelo cliente, sob pena de extinção (se autor) ou revelia (se réu).

Honorários

Os honorários constituem direito do advogado e têm natureza alimentar, sendo titulares dos mesmos
privilégios de créditos oriundos da legislação trabalhista.

São devidos honorários não só na ação principal, mas também:

o Na reconvenção.
o No cumprimento de sentença, provisório ou definitivo.
o Na execução, resistida ou não.
o Nos recursos, cumulativamente ao fixado em 1º grau.

Importante novidade trazida pelo NCPC é a fixação de honorários em grau recursal. O tribunal, ao julgar o recurso,
majorará os honorários fixados anteriormente, levando em conta o trabalho adicional realizado em grau recursal.

É vedada a compensação dos honorários advocatícios em caso de sucumbência parcial.

Se a decisão transitada em julgado for omissa quanto ao direito aos honorários ou seu valor, será cabível
ação autônoma para sua definição e cobrança.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 20

Justiça Gratuita

É a isenção de custas processuais para os que têm insuficiência de recursos. Assim, é possível
contratar advogado particular e pleitear a gratuidade de justiça, não estando incluídas na gratuidade eventuais
multas processuais impostas ao beneficiário. Difere da assistência judiciária no seguinte sentido:

A gratuidade pode ser requerida a qualquer momento.

Concedida a gratuidade, pode a parte contrária impugnar a concessão.

Somente a pessoa física tem presunção na afirmação da hipossuficiência econômica, devendo a pessoa
jurídica provar sua situação econômica. Se o magistrado não estiver convencido da presença dos requisitos,
deverá determinar que a parte comprove sua situação de hipossuficiência.

Se o beneficiário da justiça gratuita não tiver êxito na causa, deverá ser condenado a arcar com os
honorários advocatícios da parte contrária, sendo possível executar os honorários somente se, no prazo de 5
anos, o credor demonstrar que o beneficiário está com condições financeiras aptas a responder pelo débito.

JUSTIÇA GRATUITA PARCIAL

o Gratuidade para alguns dos atos do processo ou apenas a redução de parte das despesas.
o Parcelamento de despesas.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 21

Juiz

É a pessoa responsável pela condução da demanda e por sua decisão final. Terá ele poder para
determinar atos previstos em lei, que serão cumpridos pelos auxiliares do juízo ou pelas partes.

Em uma audiência, terá poder para cassar a palavra dos participantes e para manter a ordem e o
tratamento polido entre os participantes, podendo, inclusive, dar ordem de prisão para quem o desobedecer.

Garantias

A fim de proporcionar aos juízes a imparcialidade de suas decisões, foram conferidas a eles as
seguintes garantias:

o Vitaliciedade: impossibilidade de perda do cargo a não ser por sentença judicial transitada em julgado.
É adquirida após dois anos de efetivo exercício, dependendo a perda do cargo, nesse período, de
deliberação do tribunal a que o juiz estiver vinculado.
o Inamovibilidade: impossibilidade de remoção compulsória, exceto por motivo de interesse público a
ser reconhecido pela maioria absoluta do tribunal respectivo ou do CNJ, assegurada ampla defesa,
ou a pedido do magistrado.
o Irredutibilidade de subsídio: não poderá haver redução do valor dos ganhos do juiz. O subsídio é
sempre fixado e alterado por lei.

Vedações

Também de forma a assegurar a imparcialidade, a CF impõe as seguintes proibições:

o Exercer, ainda que em disponibilidade, outro cargo ou função, salvo uma de magistério.
o Receber, a qualquer título ou pretexto, custas ou participação em processo.
o Dedicar-se à atividade político-partidária.
o Receber, a qualquer título ou pretexto, auxílios ou contribuições de pessoas físicas, entidades públicas
ou privadas, ressalvadas as exceções previstas em lei.
o Exercer a advocacia no juízo ou tribunal do qual se afastou, antes de decorridos três anos do afastamento
do cargo por aposentadoria ou exoneração.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 22

Cargos

São os seguintes cargos exercidos por juízes:

Juiz: ingresso por concurso público, julgará as demandas em primeiro grau de jurisdição.

Desembargadores: juízes que atuam no Tribunal. Estes cargos serão ocupados por juízes de carreira, que
serão promovidos, dentro de um sistema previsto na Lei Orgânica da Magistratura.

Um quinto dos cargos de desembargadores será preenchido por advogados ou membros do Ministério Público
que preencham condições fixadas na Constituição Federal.

Ministros: juízes que atuam nos órgãos de cúpula (STF, STJ, STM, TSE e TST). São nomeados pelo
Presidente da República entre juízes, membros do MP e advogados com notório saber jurídico.

Atribuições do juiz

O juiz dirigirá o processo conforme as disposições legais, competindo-lhe, dentre outras atribuições:

o Assegurar às partes igualdade de tratamento.


o Velar pela rápida solução do litígio.
o Prevenir ou reprimir qualquer ato contrário à dignidade da justiça.
o Tentar, a qualquer tempo, conciliar as partes.

Obrigação do juiz de decidir a causa: o juiz não se exime de sentenciar ou despachar por lacuna ou
obscuridade da lei. No julgamento da lide deverá aplicar as normas legais; não as havendo, recorrerá à analogia, aos
costumes e aos princípios gerais de direito. O juiz só decidirá por equidade nos casos previstos em lei.

Limites da decisão do juiz: o juiz decidirá a lide nos limites em que foi proposta, sendo-lhe defeso conhecer
de questões, não suscitadas, a cujo respeito a lei exija a iniciativa da parte.

Responsabilidade civil:

o Se agir com dolo ou fraude no desempenho de suas funções.


o Recusar, omitir ou retardar providência que deveria ordenar de ofício quando o pedido não for
apreciado no prazo de 10 dias.

Atos decisórios do juiz: a fim de decidir a demanda, o juiz profere os seguintes atos:

o Sentença.
o Decisão interlocutória.
o Despacho.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 23

Imparcialidade do juiz

Caso o juiz tenha algum envolvimento com a causa, será parcial e não poderá atuar na demanda.

A forma mais grave de parcialidade é o impedimento e a forma mais branda é a suspeição:

IMPEDIMENTO SUSPEIÇÃO

Hipóteses objetivas. Hipóteses subjetivas.

Presunção absoluta de imparcialidade. Presunção relativa de imparcialidade.

Nulidade absoluta (não há preclusão pela não


Nulidade relativa (depende de alegação).
alegação).

Alegada na primeira oportunidade, ou no prazo de Alegada na primeira oportunidade, ou no prazo de


15 dias, se superveniente. 15 dias, se superveniente.

Cabe Ação Rescisória. Sofre preclusão.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 24

Impedimento

Há impedimento do juiz, sendo-lhe VEDADO exercer suas funções no processo:

o Em que interveio como mandatário da parte, oficiou como perito, funcionou como membro do Ministério
Público ou prestou depoimento como testemunha.
o De que conheceu em outro grau de jurisdição, tendo proferido decisão.
o Quando nele estiver postulando, como defensor público, advogado ou membro do Ministério Público, seu
cônjuge ou companheiro, ou qualquer parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o
terceiro grau, inclusive.
o Quando for parte no processo ele próprio, seu cônjuge ou companheiro, ou parente, consanguíneo ou afim,
em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, inclusive.
o Quando for sócio ou membro de direção ou de administração de pessoa jurídica parte no processo.
o Quando for herdeiro presuntivo, donatário (beneficiário de doação) ou empregador de qualquer das partes.
o Em que figure como parte instituição de ensino com a qual tenha relação de emprego ou decorrente de
contrato de prestação de serviços.
o Em que figure como parte cliente do escritório de advocacia de seu cônjuge, companheiro ou parente,
consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, inclusive, mesmo que patrocinado por
advogado de outro escritório.
o Quando promover ação contra a parte ou seu advogado.

Suspeição

Há suspeição do juiz:

o Amigo íntimo ou inimigo de qualquer das partes ou de seus advogados.


o Que receber presentes de pessoas que tiverem interesse na causa antes ou depois de iniciado o processo,
que aconselhar alguma das partes acerca do objeto da causa ou que subministrar meios para atender às
despesas do litígio.
o Quando qualquer das partes for sua credora ou devedora, de seu cônjuge ou companheiro ou de parentes
destes, em linha reta até o terceiro grau, inclusive.
o Interessado no julgamento do processo em favor de qualquer das partes.

SUSPEITO QUE C.I.D.A RECEBEU PRESENTES INTERESSANTES PORQUE ACONSELHOU E SUBMINISTROU MEIOS AO LITÍGIO

C.I.D.A = CREDOR, INIMIGO, DEVEDOR, AMIGO

Cabe, ainda, a suspeição por motivo de foro íntimo.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 25

Auxiliares da Justiça

São profissionais que auxiliarão o juiz na condução da demanda e na produção das provas.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 26

Conciliador e Mediador

Auxiliam na solução consensual de conflitos com métodos alternativos de solução do conflito (MASC):

Ministério Público

Instituição permanente, essencial à função jurisdicional e destinada à preservação dos valores


fundamentais do Estado (defesa da ordem jurídica, regime democrático e interesses sociais).

A atuação do MP pode se dar de duas formas:

Parte: o MP postula como qualquer autor.

Fiscal da ordem jurídica: o MP se manifesta opinando e verificando se o interesse da coletividade em


debate está sendo adequadamente analisado pelo Judiciário.

Sua manifestação se dará nas seguintes hipóteses:

o Em demandas que envolvam interesse público ou social.


o Em demandas que envolvam interesses de incapazes.
o Em demandas que figure como parte vítima de violência doméstica e familiar.
o Em litígios coletivos pela posse de terra rural ou urbana.

A não manifestação do MP quando ele deveria ter sido ouvido acarreta a nulidade do processo, salvo
se o próprio MP aponta que não há prejuízo.

Prerrogativas processuais:

o Direito de ser intimado pessoalmente.


o Prazos em dobro.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 27

Defensoria Pública

Instituição destinada à orientação jurídica, à promoção dos direitos humanos e à defesa dos direitos
individuais e coletivos dos necessitados, em todos os graus, de forma integral e gratuita.

Principais prerrogativas processuais:

o Intimação pessoal do defensor.


o Prazo em dobro.

Não se aplica o prazo em dobro às situações de direito material (prescrição e decadência).

Além disso, a Defensoria é responsável pelo exercício da curadoria especial:

o Ao incapaz, se não tiver representante legal, ou se os interesses deste colidirem com os daquele,
enquanto durar a incapacidade.
o Ao réu preso.
o Ao revel citado por edital ou com hora certa, enquanto não for constituído advogado.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 28

Litisconsórcio e Intervenção de Terceiros

Litisconsórcio

É pluralidade de partes em qualquer dos polos.

Classificações

Quanto ao polo:

o Litisconsórcio passivo: dois ou mais réus.


o Litisconsórcio ativo: dois ou mais autores.
o Litisconsórcio misto: mais de um autor e mais de um réu.

Quanto ao momento:

o Litisconsórcio originário: formado desde o início da demanda.


o Litisconsórcio superveniente: formado em momento posterior ao início da demanda.

Quanto à necessidade de existência:

o Litisconsórcio facultativo: pluralidade de litigantes por opção das partes.


o Litisconsórcio necessário: a lei ou a relação jurídica objeto do litígio assim determinam.
o Litisconsórcio multitudinário, plúrimo ou múltiplo: grande número de litisconsortes ativos
facultativos em um processo judicial.

No último caso, o Código permite que o juiz desmembre o processo, criando vários outros com um
número menor de autores.

Quanto à necessidade de mesma decisão:

o Litisconsórcio comum ou simples: a decisão de mérito não necessariamente será a mesma


para os litisconsortes
o Litisconsórcio unitário: decisão de mérito deverá ser a mesma para os litisconsortes,
invariavelmente

Os litisconsortes serão considerados como litigantes distintos, exceto no litisconsórcio unitário, no qual os
atos e as omissões de um não prejudicarão os outros, mas os poderão beneficiar.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 29

Intervenção de terceiros

Este instituto permite que terceiro (que não é autor ou réu) passe a participar da relação processual.

Modalidades:

o Espontânea: o terceiro espontaneamente busca seu ingresso em uma determinada demanda.


o Provocada: uma das partes litigantes busca trazer o terceiro para o processo.

Assistência

Na assistência, terceiro busca seu ingresso no processo para auxiliar o assistido (seja o autor, seja o réu),
sendo necessário existir interesse jurídico. Cabe em qualquer procedimento e em todos os graus de jurisdição,
mas o assistente receberá o processo no estado em que ele se encontrar.

Se a parte contrária do assistido ou mesmo o assistido não concordarem com o pedido de ingresso do
assistente, caberá impugnação – sem suspender o processo – a ser ofertada em 15 dias. Além disso, pode o
juiz, de plano, rejeitar o ingresso do assistente, especialmente se clara a ausência de interesse jurídico.

Modalidades

o Assistência simples ou adesiva: assistente simples não é parte, não sendo coberto pela coisa julgada.
o Assistência litisconsorcial: o assistente litisconsorcial é parte (litisconsórcio superveniente), de modo
que a decisão influencia a relação jurídica entre o assistente e a parte contrária do assistido.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 30

Denunciação da lide

Tem por finalidade fazer com que terceiro venha a litigar em conjunto com o denunciante e, se houver
a condenação deste, o denunciado ressarcirá o prejuízo do denunciante.

Duas são as hipóteses em que é cabível a denunciação:

o O comprador pode denunciar o vendedor na hipótese de evicção.


o O réu pode denunciar aquele que tem obrigação de indenizar, por força de lei ou contrato.

Cabe a denunciação pelo autor e pelo réu.

A sentença, ao final, julgará o pedido e a denunciação ao mesmo tempo.

Chamamento ao processo

Tem por finalidade fazer com que terceiros (outros devedores solidários) venham a litigar em conjunto
com o chamante, não havendo a necessidade de se provar que o terceiro também é responsável pelo débito.

Hipóteses de cabimento:

o Do devedor principal (afiançado): quando apenas o fiador tiver sido colocado no polo passivo.
o Dos demais fiadores: quando apenas um fiador tiver sido colocado no polo passivo.
o Dos demais devedores solidários: quando apenas um tiver sido colocado no polo passivo.

Só cabe o chamamento pelo réu.

Incidente de desconsideração da personalidade jurídica

O incidente de desconsideração da personalidade jurídica será instaurado a pedido da parte ou do


Ministério Público, quando lhe couber intervir no processo.

É um incidente utilizado tanto para se chegar aos bens do sócio, para se chegar nos bens da pessoa
jurídica (trata-se da chamada desconsideração inversa).

Amicus curiae

O magistrado, considerando a relevância da matéria, a especificidade do tema objeto da demanda ou a


repercussão social da controvérsia, poderá, por decisão irrecorrível, de ofício ou a requerimento das partes,
solicitar ou admitir a participação de pessoa natural ou jurídica, órgão ou entidade especializada, com
representatividade adequada, no prazo de 15 dias de sua intimação.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 31

Ato Processual

Forma dos atos processuais

É a observância do tempo, lugar e modo de realização dos atos. Não observada a forma prevista em
lei, haverá a nulidade do ato processual. Entretanto, as nulidades são regidas pelos seguintes princípios:

o Princípio da liberdade das formas: os atos processuais independem de forma determinada, salvo quando
a lei expressamente a exigir.
o Princípio da instrumentalidade das formas: são válidos os atos que, realizados de outro modo, preencham
a finalidade essencial (só há nulidade se houver prejuízo).
o Primazia do mérito: a nulidade somente será reconhecida em último caso. Assim, sempre que possível,
a causa será julgada no mérito.
o Publicidade: os atos processuais são públicos, mas há processos que tramitam em segredo de justiça:
✓ Quando o interesse público ou social assim o exigirem.
✓ Nas causas de direito de família (casamento, separação de corpos, divórcio, separação, união
estável, filiação, alimentos e guarda de crianças e adolescentes).
✓ Em processos nos quais constem dados protegidos pelo direito constitucional à intimidade.
✓ Relativos à arbitragem e cumprimento de carta arbitral – desde que haja cláusula de
confidencialidade comprovada em juízo.

Mesmo nos processos que tramitam em segredo de justiça, o terceiro que demonstre interesse jurídico na causa pode
requerer ao juiz uma certidão do dispositivo da sentença e da partilha de bens decorrentes de divórcio ou separação.

Tempo dos atos processuais

Os atos processuais devem ser realizados nos DIAS ÚTEIS, das 6h às 20h. São feriados, além dos
declarados em lei, os sábados, os domingos e os dias em que não haja expediente forense.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 32

Negócio Jurídico Processual (NJP)

É admitido no caso em que os direitos admitam autocomposição, podendo as partes estipularem


mudanças no procedimento ou nas posições processuais para adequação às especificidades da causa.

Assim, pode haver negócio jurídico processual para a alteração:

o Do procedimento.
o Das posições contratuais (ônus, poderes, deveres, etc.).

Em regra, o juiz não participa do negócio, atuando, tão somente, como fiscal da legalidade.

Os negócios podem ser:

o Atípicos.
o Típicos:
✓ Foro de eleição.
✓ Calendário processual.
✓ Inversão do ônus da prova.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 33

Prazos Processuais

Contagem de prazos

Na contagem de prazo em dias, estabelecido por lei ou pelo juiz, apenas os DIAS ÚTEIS serão
computados (esse prazo em dias úteis se aplica aos Juizados). Haverá suspensão do curso do prazo entre 20
de dezembro e 20 de janeiro, período no qual não poderão ocorrer audiências.

Forma de contagem de prazo

Disponibilização no diário oficial

Publicação no próximo dia útil

Exclusão do dia do início e inclusão do dia do término

Terão prazos diferenciados:

o Os litisconsortes: o prazo será em dobro para manifestação nos autos se tiverem advogados diferentes,
de escritórios diferentes e de autos não eletrônicos.
o O Ministério Público e a Fazenda Pública: prazo em dobro para manifestação nos autos.
o A Defensoria e núcleos de prática conveniados: prazo em dobro para manifestação nos autos.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 34

Comunicação dos atos processuais

Cartas

CARTA
Realização de atos entre comarcas distintas. Competência territorial diversa.
PRECATÓRIA

CARTA
Realização de atos entre países distintos. Cooperação jurídica internacional.
ROGATÓRIA

CARTA DE Realização de atos entre graus de jurisdição


Juízo vinculado ao Tribunal.
ORDEM distintos – do tribunal para o 1º grau, por exemplo.

CARTA Realização de atos entre órgão do Poder Pedido de cooperação judiciária


ARBITRAL Judiciário e juízo arbitral. formulado por juízo arbitral.

Citação

É o ato pelo qual o réu, executado ou interessado é convocado para integrar a relação processual.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 35

A citação pode se dar:

Por correio: é a regra, salvo:

o Nas ações de estado.


o Citando incapaz, pessoa de direito público ou resida em local não atingido pelo serviço postal.
o Se o autor, desde a petição inicial, requerer, de forma justificada, que ela seja feita de outra forma.

Há a possibilidade de que a citação da pessoa física que resida em um condômino seja recebida pelo porteiro.

Por escrivão ou chefe de secretaria: se o citando comparecer em cartório.

Por oficial de justiça: quando não for possível a citação por correio ou quando esta for infrutífera.

CITAÇÃO POR HORA CERTA

Quando, POR DUAS VEZES, o oficial de justiça tiver procurado o citando em seu domicílio ou residência
sem o encontrar, deverá, havendo suspeita de ocultação, intimar qualquer pessoa da família ou, em sua
falta, qualquer vizinho de que, no dia útil imediato, voltará a fim de efetuar a citação na hora que designar.

Por edital:

o Quando desconhecido ou incerto o citando.


o Quando ignorado, incerto ou inacessível o lugar em que se encontrar o citando.
o Nos demais casos expressos em lei.

Com o novo CPC, a publicação do edital é feita na internet e não mais em jornal, podendo o juiz, conforme as
peculiaridades da comarca, determinar a publicação também em jornal local de ampla circulação ou outros meios.

Citação de Pessoa Jurídica:

Com exceção de microempresas e empresas de pequeno porte, as empresas públicas e privadas


deverão manter cadastro nos sistemas de processo em autos eletrônicos, para efeito de recebimento de
citações e intimações, que serão efetuadas preferencialmente por esse meio.

Se a citação for para PJ, e não for por meio eletrônico, será válido o ato se a carta for entregue:

o À pessoa com poderes de gerência.


o À funcionário responsável pelo recebimento de correspondências.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 36

Intimação

É o ato pelo qual se dá ciência a alguém dos atos do processo.

Sempre que possível, as intimações serão realizadas por meio eletrônico em nome do advogado ou
da sociedade de advogados inscrita na OAB. Se houver requerimento expresso para publicação em nome
de determinado profissional, as intimações deverão trazer o nome desse patrono, sob pena de nulidade.

Notificação

Não é forma de comunicação de ato processual, mas medida judicial (procedimento especial de
jurisdição voluntária) pela qual alguém pode expressar de modo formal sua vontade.

QUADRO RESUMO

CITAÇÃO Para dar ciência do processo.

INTIMAÇÃO Para dar ciência dos atos processuais.

NOTIFICAÇÃO Para que a parte se manifeste formalmente sobre assunto juridicamente relevante.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 37

Valor da causa

É requisito da Petição Inicial, podendo ser corrido de ofício pelo juiz ou impugnado pelo réu.

Critérios

Fixação legal ou obrigatória: a atribuição do valor já foi previamente definida pelo legislador.

Fixação voluntária: como não há previsão legal para fixar o valor da causa, este será livremente
fixado a partir de uma estimativa do autor.

Hipóteses de Fixação Legal

Soma monetariamente corrigida do valor principal, dos juros e de


Ação de cobrança de dívida.
eventuais outras penalidades, até a propositura da ação.

Ação que tiver por objeto a existência,


Valor do ato ou de sua parte controvertida (hipótese de discussão relativa
validade, cumprimento, modificação, resolução,
a contrato).
resilição ou rescisão de ato jurídico.

Ação de alimentos. Soma de 12 prestações mensais pedidas pelo autor.

Ação de divisão, demarcação e reivindicação. Valor de avaliação da área ou do bem objeto do pedido.

Valor pretendido (portanto, não cabe mais dano moral como pedido
Ação indenizatória, inclusive a de dano moral.
genérico, sem se especificar, na inicial, o valor que se quer receber).

Cumulação de pedidos. Quantia correspondente à soma dos valores de todos eles.

Pedidos alternativos. O de maior valor.

Pedido subsidiário. O valor do pedido principal.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 38

Tutela provisória

Regras gerais

Momento de Concessão

De forma antecedente ao processo: apenas as tutelas de urgência.

De forma incidental: todas as tutelas provisórias.

Tutela de Urgência

Pode ser requerida de forma:

o Antecedente: há pagamento de custas.


o Incidental: não há pagamento de custas.

Requisitos:

o Elementos que evidenciem a probabilidade do direito.


o Perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo.

Caução: o juiz poderá, conforme o caso, exigir caução real ou fidejussória idônea para ressarcir
danos que a outra parte possa vir a sofrer, SALVO se a parte for economicamente hipossuficiente.

A concessão de tutela antecipada é vedada se houver perigo de irreversibilidade.

Efetivada a tutela de urgência (cautelar ou antecipada) e posteriormente reformada, deverá o autor


reparar o dano processual causado ao réu.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 39

Tutela Antecipada Antecedente

Prevista para os casos em que a urgência for anterior ou contemporânea (conjunta) à propositura
da ação, sendo que a petição inicial pode limitar-se ao requerimento da tutela antecipada e à indicação do
pedido de tutela final com a exposição da lide.

Sendo essa a escolha do autor, haverá recolhimento de custas e o valor da causa deverá levar em
consideração o pedido de tutela final, e não apenas o valor relativo à antecipação de tutela.

Se concedida a tutela antecipada antecedente, o autor deverá aditar a petição inicial para
complementar sua argumentação, juntar novos documentos e confirmar o pedido de tutela final, em 15 dias
ou em outro prazo maior que o juiz fixar.

Feito o aditamento, o réu será citado para comparecer à audiência de conciliação ou de mediação,
e, não havendo acordo, haverá o início do prazo para contestação. Se o autor não aditar a petição inicial
para elaborar o pedido principal, haverá a extinção do processo sem resolução do mérito.

ESTABILIZAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA

A decisão que concede a tutela não fará coisa julgada, mas há estabilidade dos seus efeitos, que só será
afastada por decisão na demanda que buscar alterar a tutela estabilizada. Assim, a tutela antecipada
conservará seus efeitos enquanto não revista, reformada ou invalidada por decisão de mérito.

Se a tutela antecipada for indeferida, o juiz determinará a emenda da inicial, em 5 dias, sob pena de
extinção do processo sem resolução do mérito.

Tutela Cautelar Antecedente

A petição inicial da ação que buscar tal tutela indicará a lide e seu fundamento, a exposição sumária
do direito que visa assegurar e o perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo.

No caso da tutela cautelar antecedente, o réu será citado para contestar em 5 dias e, não havendo
contestação, haverá revelia, com a presunção de veracidade dos fatos narrados. Se houver contestação, o
trâmite da demanda será pelo procedimento comum do processo de conhecimento.

O juiz deverá decidir em 5 dias.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 40

Efetivada a tutela cautelar, o pedido principal terá de ser formulado pelo autor no prazo de 30 dias.
Apresentado o pedido principal, as partes serão intimadas para comparecer à audiência de conciliação ou
mediação; não havendo autocomposição, o prazo para contestação terá fluência a partir desse momento.

Cessa a eficácia da tutela cautelar antecedente se:

o Não houver a apresentação do pedido principal em 30 dias.


o A tutela cautelar não for efetivada em 30 dias.
o O pedido principal for improcedente ou o processo for extinto sem mérito.

Em regra, o indeferimento do pedido cautelar não obsta a formulação do pedido principal.

Tutela da Evidência

Será concedida, independentemente da demonstração de perigo de dano ou de risco ao resultado


útil do processo em quatro situações:

o Ficar caracterizado abuso do direito de defesa ou manifesto propósito protelatório da parte.


o As alegações de fato puderem ser comprovadas apenas documentalmente e houver tese firmada em
julgamento de casos repetitivos ou súmula vinculante.
o Se tratar de pedido reipersecutório fundado em prova documental adequada do contrato de depósito, caso
em que será decretada a ordem de entrega do objeto custodiado sob cominação de multa.
o A petição inicial for instruída com prova documental suficiente dos fatos constitutivos do direito do autor, a
que o réu não oponha prova capaz de gerar dúvida razoável.

Nas hipóteses que estão coloridas, será possível a concessão de liminar.

OBRIGAÇÃO REIPERSECUTÓRIA

Diz respeito ao credor que pode demandar coisa que lhe pertença ou que lhe é devida, mas está na
posse de outra pessoa, como no caso do bem penhorado que foi alienado.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 41
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 42

Formação, Suspensão e Extinção do processo

Formação

O processo civil se inicia por meio da iniciativa da parte. A justificativa dessa afirmação paira na
característica da jurisdição: ela é inerte e apenas atua (em regra) por meio de provocação do jurisdicionado.

Formalmente, o processo civil nasce com a protocolização da Petição Inicial, nesse sentido:

Art. 312. Considera-se proposta a ação quando a petição inicial for protocolada, todavia, a propositura da
ação só produz quanto ao réu os efeitos mencionados no art. 240 depois que for validamente citado

Em outras palavras, o processo não tem a sua existência condicionada à citação do réu ou ao seu
comparecimento. Tanto isso é assim no sistema jurídico brasileiro que o processo pode ser extinto – o
que obviamente pressupõe a sua existência – antes da citação do réu.

Suspensão

Suspensão Própria

Nesta hipótese, o processo é totalmente suspenso, sem que nele se pratique qualquer atividade (é
o que acontece, por exemplo, quando o processo é suspenso pela admissão do incidente de resolução de
demandas repetitivas ou pela afetação de recurso repetitivo).

Suspensão Imprópria

Nesta hipótese, apenas uma parcela do procedimento processual é suspensa, até que se julgue a
questão incidente.

Hipóteses de Suspensão

O processo pode ser suspenso:

o Pela morte ou perda da capacidade processual de qualquer das partes, de seu representante legal
ou de seu procurador.
o Por convenção das partes (seis meses).
o Quando houver arguição de impedimento ou suspeição.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 43

o Quando for admitido o incidente de resolução de demandas repetitivas (1 ano, podendo esse prazo
ser majorado).
o Quando a sentença de mérito depender do julgamento de outra causa ou de prova requisitada a
outro juízo, ou seja, quando houver prejudicialidade externa.
o Por motivo de força maior.
o Quando se discutir em juízo questão decorrente de acidentes e fatos da navegação de competência
do Tribunal Marítimo.
o Quando do nascimento ou adoção de filho, sendo a mãe ou o pai a única advogada ou advogado
da causa (30 dias para a mulher e 8 dias para o homem).

Atos urgentes podem ser praticados durante o período em que o processo está suspenso – salvo se
houver alegação de impedimento ou suspeição do juiz.

Extinção

Sem Resolução de Mérito

A extinção sem resolução do mérito é aquela em que o juiz decide encerrar o processo sem
analisar as alegações do autor. Nas sentenças sem resolução do mérito, há a possibilidade de repropositura
da ação, salvo em caso de litispendência.

São hipóteses de sentenças sem resolução do mérito:

o Indeferimento da Petição Inicial.


o Processo parado por mais de um ano por negligência das partes.
o Autor abandona o processo por mais de 30 dias.
o Falta de pressupostos processuais.
o Perempção, litispendência ou coisa julgada.
o Ausência de legitimidade ou de interesse processual.
o Arbitragem.
o Desistência da ação.
o Ação intransmissível.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 44

Com Resolução de Mérito

Uma sentença de mérito pode ser identificada pelo pedido do autor.

Em regra, sempre que o juiz examine o pedido do autor, proferirá uma sentença de mérito.

Contudo, o ordenamento jurídico brasileiro tem situações em que, mesmo quando o juiz não examina
o pedido do autor, ele profere uma sentença de mérito, por previsão legal. Essa situação é denominada
pela doutrina de "falsas sentenças de mérito". A razão desse enquadramento aparentemente anômalo é dar
a essas sentenças a característica da coisa julgada material (por exemplo, o reconhecimento de prescrição).

O julgamento do mérito não necessariamente acaba com o processo. Acabará apenas se a sentença
for constitutiva, declaratória ou de improcedência. Caso seja condenatória (procedente), haverá uma nova
fase: a fase de cumprimento de sentença, em que se praticarão atos executórios.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 45

PARTE ESPECIAL

Processo de Conhecimento

Procedimento Comum

Visão Geral

O processo é dividido da seguinte forma:

Concentraremos nossos estudos, nesse momento, no procedimento comum.

Petição Inicial

O processo se inicia com a Petição Inicial, cujos requisitos são os seguintes:

Requisitos

São requisitos da Petição Inicial:

o O juízo a que é dirigida.


o Os nomes, os prenomes, o estado civil, a existência de união estável, a profissão, o número de inscrição
no cadastro de pessoas físicas ou no cadastro nacional da pessoa jurídica, o endereço eletrônico, o
domicílio e a residência do autor e do réu.
o Os fatos e os fundamentos jurídicos do pedido (causa de pedir).
o O pedido com as suas especificações.
o O valor da causa.
o As provas com que o autor pretende demonstrar a verdade dos fatos alegados.
o A opção do autor pela realização ou não de audiência de conciliação ou de mediação.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 46

Se a Petição Inicial não trouxer algum dos requisitos, o juiz determinará a sua emenda. Se o autor não
proceder à emenda, haverá o indeferimento da inicial, com a extinção do processo sem resolução do mérito.

Análise dos principais requisitos

Causa de pedir: são os fatos e fundamentos jurídicos do pedido.

Alteração da causa de pedir:

ATÉ A CITAÇÃO Permitida, sem qualquer restrição, bastando uma petição do autor.

APÓS A CITAÇÃO Permitida, desde que o réu concorde.

APÓS O SANEAMENTO DO PROCESSO Inadmissível.

Pedido: deve ser certo e determinado. Se divide em:

É a natureza da providência solicitada (declaração, condenação, constituição,


PEDIDO MEDIATO
mandamento, execução).

PEDIDO IMEDIATO É o bem da vida pretendido (ex.: indenização por danos materiais).

Pedidos implícitos: compreendem-se no pedido:

o Juros legais.
o Correção monetária.
o Verbas de sucumbência, ou seja, custas e honorários.
o Prestações sucessivas que se vencerem durante o processo, enquanto durar a obrigação.
o Multa diária (astreintes), na tutela específica das obrigações de fazer, não fazer ou entregar coisa.

O pedido vai ser interpretado conforme o conjunto da postulação e observará o princípio da boa-fé.

Possibilidade de pedido genérico:

o Nas ações universais, se o autor não puder individuar os bens demandados


o Quando não for possível determinar, desde logo, as consequências do ato ou do fato
o Quando a determinação do objeto ou do valor da condenação depender de ato que deva ser
praticado pelo réu
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 47

Cumulação de pedidos: é possível, mesmo que não conexos, em face do mesmo réu, desde que:

o Os pedidos sejam compatíveis.


o Competente o mesmo juízo.
o Adequado o mesmo procedimento.

TIPOS DE CUMULAÇÃO

São autônomos entre si.


SIMPLES
PRÓPRIA OU EM SENTIDO ESTRITO Ex: dano moral + dano material
(Poderão ser julgados procedentes
simultaneamente) Em razão de um, é feito o outro.
SUCESSIVA
Ex: inexistência de dívida + danos morais.

Quando a condição de análise do 2º for a improcedência do 1º.


SUBSIDIÁRIA
IMPRÓPRIA OU EM SENTIDO AMPLO Ex: peço um, mas se o juiz indeferir, que ele conceda o outro.

(Não admite mais de um pedido Não há ordem de prioridade.


procedente ao mesmo tempo)
ALTERNATIVA Ex: consignação em pagamento contra dois ou mais credores

(quando há dúvida) e o juiz decide quem é o beneficiário.

Pedido alternativo: há um único pedido formulado, que pode ser atendido de formas diferentes.

CUMULAÇÃO IMPRÓPRIA ALTERNATIVA PEDIDO ALTERNATIVO

Mais de um pedido Um único pedido

Modificação do pedido:

ATÉ A CITAÇÃO Permitida, sem qualquer restrição, bastando uma petição do autor.

APÓS A CITAÇÃO Permitida, desde que o réu concorde.

APÓS O SANEAMENTO DO PROCESSO Inadmissível.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 48

O juiz fica subordinado aos fatos e pedidos formulados pelo autor.

Caso faça diferente incorrerá em nulidade processual, proferindo sentença:

o EXTRA PETITA: fora do pedido (juiz concede algo que não foi pedido pela parte).
o ULTRA PETITA: além do pedido (juiz concede em quantidade maior o que foi pedido).
o CITRA PETITA: aquém do pedido (juiz não se manifesta sobre um ou mais pedidos).

Emenda da inicial

O juiz determinará ao autor que emende a PI quando verificar defeitos e irregularidades que possam
dificultar a análise do mérito. Compete ainda ao magistrado indicar ao autor, precisamente, o que deve ser
corrigido ou completado na inicial. Caso o autor não complete a(s) diligência(s), o juiz indeferirá a inicial.

Indeferimento liminar da inicial

Se o vício da inicial for grave, poderá o magistrado desde logo extinguir o processo (sem resolução
do mérito e sem a citação do réu). O indeferimento da petição inicial ocorrerá:

o Quando for inepta.

Entende-se por INEPTA a petição inicial quando:

o Faltar-lhe pedido ou causa de pedir.


o O pedido for indeterminado, ressalvadas as hipóteses legais em que se permite o pedido genérico.
o Da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão.
o Contiver pedidos incompatíveis entre si.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 49

o Quando a parte for manifestamente ilegítima.


o Quando o autor carecer de interesse processual.
o Quando não atendidas as prescrições dos arts. 106 (indicar o endereço para intimação do advogado,
o seu número de inscrição na OAB e o nome da sociedade de advogados da qual participa, quando
atuar em causa própria) e 321 (emenda da inicial) do NCPC.

OBSERVAÇÕES

Se não for possível emendar a PI, o juiz a indefere e extingue o processo sem resolução do mérito.

Quando o indeferimento for total, a sentença será atacável por APELAÇÃO no prazo de 15 dias.

Se o indeferimento for parcial, caberá o recurso de AGRAVO DE INSTRUMENTO no prazo de 15 dias.

Improcedência liminar da inicial

O pedido é julgado improcedente sem a citação do réu.

Aqui, há a análise do mérito.

Assim, a exordial será recebida (formalmente válida), mas o juiz proferirá uma sentença definitiva
examinando o mérito e proferindo a improcedência do pedido sem que o réu seja citado.

O magistrado julgará liminarmente improcedente o pedido:

o Que contrariar enunciado de súmula do STF ou do STJ.


o Que contrariar acórdão proferido pelo STF ou pelo STJ em julgamento de recursos repetitivos.
o Que contrariar entendimento firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas (IRDR) ou
de assunção de competência.
o Que contrariar enunciado de súmula de tribunal de justiça sobre direito local.
o Quando verificar a ocorrência de decadência ou prescrição.

Se não for o caso de a tese jurídica da inicial confrontar algum precedente judicial, o juiz deve
designar a audiência de conciliação ou de mediação.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 50

Audiência de Conciliação ou de Mediação

Estando em termos a petição inicial e não sendo caso de improcedência liminar, o juiz designará
audiência de conciliação ou mediação com antecedência mínima de 30 dias, devendo ser citado o réu pelo
menos 20 dias antes. É possível mais de uma audiência consensual a ser realizada em até 2 meses da data
de realização da primeira.

Não haverá a audiência de conciliação ou mediação se ambas as partes manifestarem,


expressamente, desinteresse na composição consensual ou quando não se admitir a autocomposição.

O não comparecimento injustificado da parte à audiência conciliatória é considerado ato atentatório à


dignidade da justiça e sancionado com multa de até 2% da vantagem econômica pretendida ou do
valor da causa, revertida em favor da União ou do Estado.

As partes deverão comparecer à audiência de conciliação ou mediação acompanhadas por


advogado, sendo possível a constituição de representante, desde que com poderes para negociar.

A pauta das audiências de conciliação e mediação deve conter um intervalo mínimo de 20 minutos
entre o início de cada audiência.

Será possível a realização da audiência de conciliação ou mediação por meio eletrônico.

Havendo acordo, este será reduzido a termo e homologado por sentença.

Não o havendo, terá início o prazo para contestação.

Contestação

Prazo

Prazo de 15 dias, contados a partir:

o Da audiência de conciliação/mediação, ou da última sessão de conciliação, quando qualquer parte


não comparecer ou, comparecendo, não houver autocomposição.
o Do protocolo do pedido de cancelamento da audiência de conciliação/mediação apresentado pelo
réu, quando ambas as partes tiverem manifestado desinteresse na via consensual.
o Da juntada aos autos do mandado ou carta de citação, nos demais casos.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 51

Prazo diferenciado:

O Ministério Público, a Advocacia Pública, a Defensoria Pública e os réus com diferentes advogados
(de escritórios de advocacia distintos, salvo processo eletrônico) terão prazo em dobro para recorrer.

No caso dos litisconsortes com diferentes procuradores, cessará a contagem em dobro se, havendo
só 2 réus, a defesa é oferecida por apenas um deles.

Se a lei estabelecer prazo próprio para o MP, para a Advocacia Pública, ou para a Defensoria Pública,
não se aplica o benefício da contagem em dobro.

Litisconsórcio passivo e pedido de cancelamento de audiência:

Se os réus peticionarem o pedido de cancelamento da audiência de mediação ou de conciliação, o


prazo de 15 dias começará, para cada réu, da data do respectivo protocolo do pedido de cancelamento.

Ônus da impugnação específica

Na contestação deve ser apresentada toda matéria de defesa, ainda que contraditória, sob pena de
preclusão. Tratando-se de matéria de ordem pública, cabe a alegação em momento posterior.

Se determinado fato não for especificamente impugnado, presume-se que seja verdadeiro, salvo se
apresentada pelo defensor público, advogado dativo ou curador especial.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 52

Defesas processuais

São defesas processuais, que deverão ser alegadas em preliminar de contestação, as seguintes:

o Vício de citação.
o Incompetência absoluta e relativa.
o Incorreção do valor da causa.
o Inépcia da inicial.
o Perempção.
o Litispendência.
o Coisa julgada.
o Conexão e continência.
o Incapacidade de parte, defeito de representação, falta de autorização.
o Convenção de arbitragem.
o Ausência de legitimidade de parte ou interesse processual (carência de ação).
o Falta de caução ou prestação prevista em lei.
o Indevida concessão de gratuidade de justiça.

Ilegitimidade do Réu

O CPC/73 não permitia ao autor substituir o réu no caso deste alegar ser parte ilegítima no processo,
existindo apenas a previsão da intervenção de terceiros “nomeação à autoria”. Contudo, o novo CPC
entende tratar-se de mera correção do polo passivo da demanda, não de uma intervenção de terceiros.

Assim, ao alegar a sua ilegitimidade no processo, o réu permite ao autor que o substitua pela parte
legítima no polo passivo da demanda, alterando a petição inicial no prazo de 15 dias.

É incumbência do réu o ônus de indicar o sujeito passivo adequado da relação jurídica, sob pena de
arcar com as despesas processuais e de indenizar o autor pelos prejuízos decorrentes da falta de indicação.

Além disso, poderá o autor optar pela alteração da inicial não para excluir o réu e colocar outro, mas
para incluir um novo réu, ou seja, para criar um litisconsórcio passivo em momento posterior.

O autor também pode incluir um novo réu na demanda quando houver, por exemplo, um
responsável solidário, que também responde pela dívida, optando por incluí-lo no polo passivo da demanda
sem excluir o outro réu.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 53

Aditamento da Contestação

O NCPC estabelece as hipóteses em que o réu poderá aditar a sua contestação, podendo trazer
novas defesas que não apresentou no momento oportuno.

Assim, depois da contestação, só poderão ser alegados novos fatos ou novas matérias de defesa
em casos excepcionais, ou seja, em caso de fato ou de direito superveniente. Quando as matérias forem
de ordem pública o réu também poderá alegá-las em momento posterior à contestação. A lei também
pode prever que determinadas matérias sejam alegadas a qualquer tempo e grau de jurisdição.

Reconvenção

A reconvenção é a modalidade de resposta do réu na qual ele formula, no mesmo processo, outra
ação contra o autor. Assim, no NCPC, o réu apresentará as defesas preliminares, a defesa de mérito e
abrirá um novo tópico para a reconvenção na mesma peça.

Na reconvenção, o réu fará seu pedido em face do autor, exercendo sua pretensão em relação a
este. Para que ela seja apresentada com a contestação, alguns requisitos devem ser observados:

o Existência de uma causa pendente: trata-se da causa que o autor propõe contra o réu (só há reconvenção
se houver uma causa inicial do autor contra o réu).
o Obediência ao prazo de resposta: no NCPC, a reconvenção deve ser apresentada na mesma peça da
contestação e no mesmo prazo.
o Competência do juízo: o mesmo juízo que julgará a ação principal deve ser competente para julgar a
reconvenção.
o Compatibilidade de procedimento: considerando que as duas ações vão tramitar em conjunto, é fundamental
que os seus procedimentos sejam compatíveis. Se houver procedimentos diversos, que eles tramitem pelo
procedimento comum.
o Conexão: deve haver uma afinidade de questões nas duas ações (entre a ação proposta pelo autor e a
ação proposta pelo réu), pois elas vão tramitar em conjunto e serão julgadas na mesma decisão.
o Interesse processual do réu: o interesse processual é uma condição da ação e, portanto, é também condição
da reconvenção.
o Cabimento: é necessário que haja o cabimento da reconvenção naquele procedimento. Há procedimentos,
como nos Juizados Especiais Cíveis (JEC’s) em que a lei prevê o pedido contraposto e não a reconvenção.
Assim, compete ao réu verificar se a legislação prevê, como cabível, a propositura da reconvenção.
o Pagamento das despesas (se houver): aos Tribunais compete disciplinar sobre as custas da reconvenção.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 54

Apresentada a reconvenção, o autor será intimado para responder em 15 dias.

A contestação NÃO é um pressuposto para a reconvenção. Assim, o réu pode apresentar uma petição
apenas com a reconvenção, sem que haja necessidade de contestar os fatos narrados pelo autor.

Ampliação subjetiva da lide

O NCPC permite a ampliação subjetiva da lide, ou seja, a reconvenção poderá ser proposta contra
o autor e contra terceiro. Além disso o NCPC permite ao réu reconvir em litisconsórcio com terceiro.

Excepcionalmente, alguém pode ir a juízo pleitear em nome próprio direito alheio (substituição
processual), neste caso, o réu deve afirmar que é titular de um direito em face do substituído (aquele que
não está no polo passivo, mas que é o titular do direito) e essa reconvenção terá que ser proposta contra
o autor também na qualidade de substituto processual.

Desistência ou extinção da ação principal

Se o autor desistir da ação principal ou se a ação principal for extinta por falta de pressuposto
processual, não restará prejudicada a reconvenção, nem impedirá sua análise do mérito.

Revelia

A revelia é uma das formas de resposta do réu e pode ser resumidamente entendida como a não
apresentação de contestação.

Efeitos:

o A presunção de veracidade dos fatos alegados pelo autor.


o Os prazos contra o revel sem advogado fluirão da data de publicação da decisão no diário oficial.

Exceções: não haverá presunção de veracidade se:

o Houver litisconsórcio passivo e algum dos réus contestar.


o O litígio versar sobre direitos indisponíveis.
o A petição inicial não trouxer instrumento que a lei considere indispensável à prova do ato.
o As alegações de fato do autor forem inverossímeis ou forem contraditórias com a prova dos autos.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 55

Providências preliminares

São providências preliminares as seguintes:

o Especificação de provas.
o Réplica.

Assim, se o réu alegar fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor, este será ouvido
no prazo de 15 dias, permitindo-lhe o juiz a produção de prova. Caso o réu alegue qualquer das matérias
preliminares, o juiz determinará a oitiva do autor no prazo de 15 dias, permitindo-lhe a produção de prova.

Verificando a existência de irregularidades ou de vícios sanáveis, o juiz determinará sua correção


em prazo não superior a 30 dias.

Julgamento conforme o estado do processo

Findas as providências preliminares, o juiz deverá apreciar se o processo tem condições de


prosseguir ou se já é possível a prolação de sentença. São 4 as possibilidades:

Extinção do processo

Sem resolução do mérito (sentença terminativa): se presente uma das hipóteses de defesa
processual, o magistrado proferirá sentença terminativa (extinção sem resolução do mérito).

Com resolução de mérito (sentença definitiva):

o Prescrição e decadência.
o Transação.
o Renúncia à pretensão formulada na ação.
o Reconhecimento da procedência do pedido.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 56

Julgamento antecipado do mérito

Hipóteses:

o Quando não houver a necessidade de produção de outras provas além das já constantes nos autos.
o Quando ocorrer à revelia e houver presunção de veracidade.

Julgamento antecipado parcial do mérito

Quando um ou mais dos pedidos formulados ou parcela deles:

o Mostrar-se incontroverso.
o Estiver em condições de imediato julgamento.

O recurso cabível da decisão que julga parcialmente o mérito é o agravo de instrumento.

Saneamento e organização do processo

O juiz proferirá decisão de saneamento e organização do processo para:

o Resolver as questões processuais pendentes, se houver.


o Delimitar as questões de fato sobre as quais recairá a atividade probatória, especificando os meios
de prova admitidos.
o Definir a distribuição do ônus da prova.
o Delimitar as questões de direito relevantes para a decisão do mérito.
o Designar, se necessário, audiência de instrução e julgamento.

ESTABILIZAÇÃO DA DECISÃO

As partes terão o direito de pedir esclarecimentos ou solicitar ajustes no prazo comum de 5 dias, findo
o qual a decisão se torna estável.

Há a possibilidade de delimitação consensual sobre as questões de fato sobre as quais recairá a prova
e as questões de direito relevantes para a decisão de mérito.

Saneamento compartilhado: se a causa apresentar complexidade em matéria de fato ou de direito,


o juiz deverá designar audiência para que o saneamento seja feito em cooperação com as partes.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 57

Audiência de instrução

As pautas de audiência deverão ser preparadas com intervalo mínimo de 1 hora entre elas.

Poder de polícia do juiz

o Manter a ordem e o decoro na audiência.


o Ordenar que se retirem da sala de audiência os que se comportarem inconvenientemente.
o Requisitar, quando necessário, força policial.
o Tratar com urbanidade as partes, os advogados, os membros do Ministério Público e da Defensoria
Pública e qualquer pessoa que participe do processo.
o Registrar em ata, com exatidão, todos os requerimentos apresentados em audiência.

Ordem das provas (PREFERENCIALMENTE)

1. Oitiva do perito e dos assistentes técnicos.


2. Depoimento pessoal das partes: primeiro do autor, depois do réu.
3. Oitiva de testemunhas: primeiro do autor, depois do réu.

Adiamento da audiência

A audiência poderá ser adiada por:

o Convenção das partes.


o Impossibilidade de comparecer, por motivo justificado, relativa a qualquer pessoa que dela deva
necessariamente participar.
o Atraso injustificado do início da audiência, em tempo superior a 30 minutos do horário marcado.

Conclusão da audiência

Ao final da audiência, as partes apresentam alegações finais orais, ou por escrito (memoriais), em
prazo sucessivo de 15 dias, sendo garantido o acesso aos autos.

O prazo para a prolação de decisão é ao final da audiência ou em 30 dias.

A audiência poderá ser integralmente gravada independentemente de autorização judicial, além de


ser pública, ressalvadas as exceções legais de segredo de justiça.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 58

Provas

Considerações iniciais

Possuem o objetivo de influir no convencimento do juiz, sendo que provas ilícitas são inadmissíveis.

REGRA A regra é que somente os fatos devem ser provados, não o direito.

O juiz poderá determinar que a parte prove direito municipal, estadual, estrangeiro ou
EXCEÇÃO
consuetudinário.

Independem de prova:

o Fato incontroverso: aquele que não é objeto de impugnação pela parte contrária.
o Fato notório: aquele que é de conhecimento comum dos litigantes.
o Máximas de experiência: aquilo que ordinariamente ocorre.

Prova emprestada: o juiz poderá admitir o uso de prova produzida em outro processo, atribuindo-lhe o
valor que considerar adequado, observado o contraditório

Ônus da prova:

O ônus da prova, em regra, é distribuído da seguinte forma:

AUTOR Provar o fato constitutivo do seu direito.

RÉU Provar o fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor.

Entretanto, pode ocorrer a inversão dessa distribuição:

DISTRIBUIÇÃO DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA

Em casos previstos em lei ou diante de peculiaridades da causa relacionadas:

o À impossibilidade ou excessiva dificuldade de cumprir o encargo de provar


o À maior facilidade de obtenção da prova do fato contrário

Poderá o juiz atribuir o ônus da prova de modo diverso por meio de decisão fundamentada, caso em que
deverá dar à parte a oportunidade de se desincumbir do ônus que lhe foi atribuído. Exemplo: relações de consumo
→ inversão do ônus da prova em caso de hipossuficiência do consumidor ou verossimilhança da alegação.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 59

Meios de Prova

Ata notarial: serve para a produção de prova em uma situação em que a prova possa desaparecer,
sendo realizada em cartório extrajudicial.

Depoimento pessoal: é o interrogatório das partes, seja do autor ou do réu, requerido pelo juiz ou
pela parte contrária.

PENA DE CONFESSO

Se a parte não comparecer ou, comparecendo, recusar-se a responder o que lhe for perguntado,
presumir-se-ão confessados os fatos contra ela alegados.

Quem ainda não depôs não pode ficar na sala de audiência ouvindo o outro depoimento pessoal.

A parte depoente não pode ler suas respostas, mas é permitido levar breves anotações.

O depoimento poderá ser colhido por meio de videoconferência ou outro recurso tecnológico.

Confissão: a parte admite a verdade de um fato contrário ao seu interesse. Pode ser:

Exibição de documento ou coisa: o destinatário da ordem pode ser:

Se o réu estiver com o documento/coisa e não o exibir, admitem-se como verdadeiros os fatos
RÉU
que o requerente queria provar com o que seria exibido.

Se terceiro estiver com o documento/coisa e não o exibir, o juiz poderá determinar apreensão,
TERCEIRO
inclusive com força policial, sendo que o terceiro incorrerá no crime de desobediência.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 60

Prova documental: o momento de produção da prova documental é na inicial e na contestação.

Fora estes momentos, só podem ser juntados:

o Documentos novos (prova de fatos posteriores aos narrados à inicial)


o Documentos para rebater documentos produzidos pela parte contrária

Toda vez que um documento for juntado, a parte contrária deverá ter a oportunidade de se
manifestar, em 15 dias, quando poderá arguir a falsidade. Passado o prazo, há preclusão e considera-se
autêntico o documento.

Prova testemunhal: é o interrogatório de terceiros, que não são parte no processo. Cada parte
poderá apresentar até 10 testemunhas, mas o juiz pode dispensar mais do que 3 sobre o mesmo fato.

Há substituição da testemunha que:

o Falecer.
o Por enfermidade não tiver condições de depor.
o Mudou de endereço e não foi encontrada pelo oficial de justiça.

Compete ao próprio advogado intimar a testemunha para que compareça em juízo, e isso será feito
via carta com aviso de recebimento, pelos correios.

A intimação da testemunha pelo Judiciário ocorrerá:

o Se frustrada a intimação via AR (ou se, desde logo, o juiz assim determinar).
o Quando a testemunha for servidor público.
o Quando a testemunha for arrolada pelo MP ou pela Defensoria Pública.
o Quando a testemunha for autoridade.

As testemunhas prestam o compromisso de dizer a verdade.

Na oitiva, serão ouvidas primeiro as testemunhas que foram arroladas pelo autor, depois pelo réu,
sendo que uma testemunha não ouve o depoimento da outra.

O advogado poderá formular as perguntas diretamente para o depoente.

É possível:

o Oitiva da testemunha referida (mencionada por uma das testemunhas ouvidas).


o Realização de acareação entre testemunhas ou entre testemunha e parte.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 61

Acerca da incapacidade, impedimento ou suspeição, temos seguinte:

Prova pericial: utilizada nos casos em que há a necessidade de conhecimentos técnicos a respeito
de qualquer disciplina, devendo o juiz escolher os peritos a partir de um cadastro mantido pelo tribunal.

SITUAÇÕES ESPECÍFICAS

PROVA TÉCNICA SIMPLIFICADA: quando o ponto controvertido for de menor complexidade.

SITUAÇÃO COMPLEXA: pode o juiz nomear mais de um perito e as partes indicar mais de um assistente técnico.

O procedimento da perícia é o seguinte:

PROCEDIMENTO DA PERÍCIA

1. O juiz nomeia um perito especialista no objeto da perícia, fixando prazo para apresentação do laudo.

2. As partes terão o prazo de 15 dias para se manifestarem quanto impedimento ou suspeição do perito, indicação de assistente
técnico e apresentação de quesitos.

3. O perito se manifesta, em 5 dias, momento em que:

o Formulará proposta de honorários.


o Apresentará seu currículo, principalmente demonstrando sua especialização na área objeto da perícia.
o Indicará seus contatos profissionais, inclusive correio eletrônico, para ser intimado.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 62

4. Nova manifestação das partes, no prazo de 5 dias, para que digam a respeito dos honorários sugeridos pelo perito.

5. O juiz fixará os honorários periciais e determinará o pagamento da quantia.

Em regra, apenas após o pagamento integral dos honorários é que terá início a confecção do laudo, sendo permitido, ainda, o
pagamento de metade antes da perícia e a outra metade somente após a apresentação do laudo e prestados os esclarecimentos.

É possível a redução dos honorários periciais, pelo juiz, caso a perícia seja inconclusiva ou deficiente.

6. Concluído o laudo, o perito deverá protocolá-lo em juízo.

7. As partes e assistentes técnicos poderão se manifestar no prazo comum de 15 dias.

8. Existindo alguma dúvida, terá o perito mais 15 dias para esclarecer os pontos levantados nas manifestações.

9. Após os esclarecimentos periciais, se ainda existir alguma dúvida, as partes poderão requerer novos esclarecimentos, que serão
prestados na audiência de instrução.

O perito deve ser imparcial, mas não os assistentes técnicos, que são de confiança das partes.

O juiz NÃO está vinculado ao laudo pericial.

PERÍCIA CONSENSUAL

Se as partes forem capazes, o litígio puder ser revolvido por acordo entre as partes.

Inspeção judicial: o juiz irá ao local onde se encontre a pessoa ou a coisa quando:

o Julgar necessário para a melhor verificação ou interpretação dos fatos que deva observar.
o A coisa não puder ser apresentada em juízo sem consideráveis despesas ou graves dificuldades.
o Determinar a reconstituição dos fatos.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 63

Sentença e Coisa julgada

Sentença

Elementos da sentença:

Não será considerada fundamentada a decisão que:

o Se limitar a indicar, reproduzir ou parafrasear ato normativo, sem explicar sua relação com a causa
ou a questão decidida.
o Empregar conceitos jurídicos indeterminados sem explicar a causa concreta de sua incidência.
o Invocar motivos que se prestariam a justificar qualquer outra decisão.
o Não enfrentar todos os argumentos deduzidos no processo capazes de, em tese, infirmar a
conclusão adotada.
o Se limitar a invocar precedente ou enunciado de súmula, sem identificar seus fundamentos
determinantes nem demonstrar que o caso se ajusta àqueles fundamentos.
o Deixar de seguir enunciado de súmula, jurisprudência ou precedente invocado pela parte, sem
demonstrar a existência de distinção no caso ou a superação do entendimento.

Sentença viciada: a sentença não prejudica terceiros e deve refletir o pedido formulado pela parte
na inicial sob pena de ser viciada, senão vejamos:
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 64

Sentença terminativa: é a decisão sem resolução do mérito, que, em regra, extinguirá o processo,
salvo se houver mais de um pedido ou litisconsorte, pois prosseguirá a relação processual em relação ao
outro pedido ou parte. É proferida nas seguintes hipóteses:

o Indeferimento da inicial.
o Negligência de AMBAS as partes (paralisação por 1 ano).
o Abandono de causa PELO AUTOR (paralisação por 30 dias).

Em ambos os casos, o juiz deve intimar os interessados para suprir a falta no prazo de 5 dias.

o Ausência de pressupostos processuais de existência e validade do processo.


o Presença de pressupostos processuais negativos:

Se o autor provocar a extinção do processo por 3 vezes por abandono, o


PEREMPÇÃO
juiz, no 4º ajuizamento, extinguirá o processo sem resolução do mérito.

LITISPENDÊNCIA Quando se reproduz ação anteriormente ajuizada e que está em curso.

COISA JULGADA Quando se repete ação que já foi decidida por decisão transitada em julgado.

o Falta de legitimidade ou interesse processual (carência de ação).


o Convenção de arbitragem ou reconhecimento de competência pelo juízo arbitral.
o Desistência da ação (pelo autor).

ANTES DA CONTESTAÇÃO Independe de manifestação do réu.

APÓS A CONTESTAÇÃO Depende de consentimento do réu.

APÓS A SENTENÇA Não será admissível, embora seja possível à parte recorrente desistir do recurso.

o Falecimento da parte cuja ação for intransmissível.

Em todos os casos anteriores, a sentença é terminativa (processual, não decide a lide), admitindo-se a
repropositura da ação, salvo no caso de coisa julgada e perempção.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 65

Sentença definitiva: é a decisão com resolução do mérito. É proferida nas seguintes hipóteses:

o Juiz julga procedente ou improcedente o pedido do autor na inicial ou do réu na reconvenção.

IMPROCEDÊNCIA LIMINAR DO PEDIDO

o Quando o pedido contrariar súmula do STJ ou STF – e do TJ, quanto a direito local.
o Decisão proferida em recurso repetitivo (STF ou STJ), incidente de resolução de demandas
repetitivas ou incidente de assunção de competência.
o Quando o juiz verificar, desde logo, prescrição ou decadência.

Nesse caso, interposta a apelação, o juiz poderá se retratar em 5 dias; se não, determinará a
citação do réu para apresentar contrarrazões em 15 dias. Não interposta a apelação, o réu será intimado
do trânsito em julgado da sentença.

o Juiz reconhece a decadência ou a prescrição.


o Homologação de atos dispositivos ou autocompositivos:
✓ Réu reconhece a procedência do pedido.
✓ As partes transigem.
✓ Autor renuncia ao direito sobre que se funda a ação.

DESISTÊNCIA RENÚNCIA

Atinge o direito processual, acarretando a extinção O autor abre mão de sua pretensão, atingindo o
sem mérito e, assim, permitindo uma nova direito material e isso acarreta a extinção com
propositura da mesma ação. mérito, não cabendo a repropositura.

Nas hipóteses de homologação para o reconhecimento de procedência de pedido e de transação o


direito deve ser disponível, pois direitos indisponíveis não são passiveis de serem transacionados.

Ainda que seja possível reconhecer de ofício a prescrição e a decadência, o juiz deverá possibilitar
a manifestação das partes em relação a elas, em respeito ao princípio do contraditório.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 66

Remessa necessária: a solução judicial de determinadas hipóteses de litígios apenas será apta a
transitar em julgado depois de ser examinada, obrigatoriamente, por dois graus de jurisdição.

Nesses casos, a sentença proferida em primeiro grau tem de necessariamente ser examinada pelo
grau de jurisdição superior, mesmo não sendo interposta apelação por qualquer das partes. É o que o
Código denomina de remessa necessária. São duas as situações que ensejam a remessa necessária:

o Sentenças proferidas CONTRA a Administração Pública direta, autarquia e fundacional.


o Sentenças que julgarem PROCEDENTES embargos à execução fiscal.

No novo CPC, não serão mais sujeitas ao duplo grau de jurisdição:

o As sentenças até 1.000 salários-mínimos quando o réu for a União e suas respectivas autarquias.
o As sentenças até 500 salários-mínimos quando o réu for o Estado, o Distrito Federal, os Municípios
que forem capitais e suas respectivas autarquias e fundações.
o As sentenças até 100 salários-mínimos para os demais Municípios.

Dispensa-se também o reexame necessário caso a sentença esteja em conformidade com:

o Súmula de tribunal superior.


o Acórdão proferido pelo STF ou pelo STJ em julgamento de recursos repetitivos.
o Entendimento firmado em IRDR ou de incidente de assunção de competência.
o Entendimento coincidente com orientação vinculante firmada no âmbito administrativo do próprio
ente público, consolidada em manifestação, parecer ou súmula administrativa.

Coisa julgada

Trata-se da imutabilidade e indiscutibilidade da decisão de mérito não mais sujeita a recurso.

Limites objetivos da coisa julgada:

Fazem coisa julgada:

o A questão principal
o A questão prejudicial, se:
✓ Dessa resolução depender o julgamento do mérito.
✓ A seu respeito tiver havido contraditório prévio e efetivo, não se aplicando no caso de revelia.
✓ O juízo tiver competência em razão da matéria e da pessoa para resolvê-la como questão principal.

Não fazem coisa julgada: os motivos e a verdade dos fatos.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 67

Espécies de coisa julgada:

Princípio do deduzido e dedutível: com o trânsito em julgado considerar-se-ão deduzidas e repelidas


todas as alegações e as defesas que a parte poderia opor assim ao acolhimento como à rejeição do pedido.

Ação rescisória: possibilidade de impugnação da decisão transitada em julgado, nos termos da lei.

Liquidação de sentença

A liquidação de sentença constitui um incidente processual, que tem por finalidade apurar quantias
ilíquidas fixadas na sentença (apuração do quantum debeatur).

Modalidades:

o Liquidação por arbitramento: apuração do valor devido pelo arbitramento do juiz ou por perícia, quando
determinado pela sentença, convencionado pelas partes ou exigido pela natureza do objeto da liquidação.
o Liquidação por artigos: apuração do valor devido com procedimento comum, quando houver
necessidade de alegar e provar fato novo.
o Liquidação por cálculos: apuração do valor devido por cálculo aritmético.

Cumprimento de sentença

Considerações iniciais

Para que seja iniciado o cumprimento de sentença é necessário a presença de três requisitos:

o Título executivo JUDICIAL.


o Inadimplemento do devedor.
o Iniciativa do exequente.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 68

No requerimento para cumprimento de sentença que ocorrer após um ano do trânsito em julgado,
a intimação deverá ser feita na pessoa do devedor através de carta com aviso de recebimento, encaminhada
ao endereço constante nos autos.

Nos casos em que a relação jurídica esteja sujeita a condição ou termo, o cumprimento da sentença
ficará CONDICIONADO à demonstração de que se realizou a condição ou de que ocorreu o termo.

O cumprimento da sentença efetuar-se-á perante:

o Os tribunais, nas causas de sua competência originária.


o O juízo que decidiu a causa no primeiro grau de jurisdição.
o O juízo cível competente, quando se tratar de sentença penal condenatória, de sentença arbitral, de
sentença estrangeira ou de acórdão proferido pelo Tribunal Marítimo.

Contudo, deve-se observar que nas execuções de alimentos decorrentes das relações de família, o
credor poderá optar pelo foro de seu domicílio.

O cumprimento de sentença NÃO poderá ser promovido em face do fiador, do coobrigado ou do


corresponsável que não tiver participado da fase de conhecimento.

Títulos executivos judiciais

São títulos executivos judiciais:

o As decisões proferidas no processo civil.


o A decisão homologatória de autocomposição judicial.
o A decisão homologatória de autocomposição extrajudicial de qualquer natureza.
o O formal e a certidão de partilha.
o O crédito do auxiliar da justiça.
o A sentença penal condenatória transitada em julgado.
o A sentença arbitral.
o A sentença estrangeira homologada pelo STJ.
o A decisão interlocutória estrangeira, após exequatur do STJ.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 69

Espécies de cumprimento de sentença

Cumprimento de sentença de obrigação de fazer, não fazer e entrega de coisa certa

O cumprimento de sentença, nesse caso, é a execução de um título executivo judicial referente à


condenação em uma obrigação de fazer, não fazer ou entregar coisa certa.

No caso das obrigações de fazer e não fazer, o juiz, ao proferir a sentença, deverá fixar tutela
específica a fim de assegurar a obtenção da tutela pelo resultado prático equivalente. A execução será
efetuada por intermédio de astreintes ou tutelas inibitórias.

No caso da obrigação de entrega de coisa certa, não cumprida a obrigação de entregar a coisa no
prazo estabelecido na sentença, o CPC autoriza a expedição de mandado de busca e apreensão ou de
imissão na posse em favor do credor, conforme se tratar de coisa móvel ou imóvel.

Cumprimento de sentença de pagamento de quantia certa

Para que o cumprimento de sentença seja iniciado é necessária a manifestação do credor, através
de petição nos mesmos autos, requerendo a intimação do devedor para que efetue o pagamento do
débito no prazo de 15 dias. Junto ao requerimento deverá ser apresentada a memória de cálculo atualizada
do débito e a indicação dos bens passiveis de penhora.

Não ocorrendo pagamento voluntário no prazo de 15 dias, contados da intimação, o débito será
acrescido de multa de 10% e, também, de honorários de advogado 10%. Efetuado o pagamento parcial no
prazo, a multa e os honorários incidirão sobre o restante.

Cumprimento de sentença de quantia certa contra a Fazenda Pública

Constituído o título judicial contra a Fazenda Pública, no cumprimento de sentença deve constar
cálculo discriminado do valor do débito de acordo com os requisitos previstos no art. 534, do CPC.

A Fazenda Pública será intimada na pessoa de seu representante judicial, por carga, remessa ou
meio eletrônico, para, querendo, no prazo de 30 dias e nos próprios autos, impugnar a execução, podendo
arguir as matérias elencadas nos incisos do art. 535, do CPC.

Se a Fazenda Pública impugnar, será expedido o precatório ou requisição de pequeno valor, sendo
que os precatórios referentes a créditos alimentares terão preferência sobre os demais.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 70

A requisição de pequeno valor (RPV) contra a Fazenda Pública da União abrange as obrigações de
até 60 salários-mínimos. No caso de execução contra Fazenda Pública Municipal e Estadual, o valor do RPV
varia de acordo com a legislação editada por cada ente federado.

Enquanto os entes federados não editem a lei regulando o valor do RPV, será considerado como tal
a obrigação até 30 salários-mínimos no caso da Fazenda Municipal e de até 40 salários-mínimos no caso
das Fazendas Estaduais e Federais.

Na obrigação limitada aos valores do RPV, haverá intimação da Fazenda Pública para, no prazo de
30 dias, opor impugnação, não opondo o juiz emitirá a requisição de pagamento, que deverá ser cumprida
pela Fazenda Pública no prazo de dois meses, sob pena de sequestro de bens.

Cumprimento de sentença de obrigação de alimentos

O cumprimento de obrigação de alimentos se dará no juízo que decidiu a causa no primeiro grau
de jurisdição ou no juízo do atual domicílio do credor.

A execução da obrigação de alimentos, provisória ou definitiva, se dará em fase de cumprimento


de sentença quando se tratar de título judicial. Abrem-se, então, duas possibilidades:

o Seguimento pelo procedimento que autoriza a prisão civil.


o Seguimento pelo procedimento mediante penhora de bens.

No primeiro caso, o prazo, após intimação do devedor, será de três dias para pagar ou provar a
impossibilidade, sob pena de prisão de um a três meses, além de o juiz mandar protestar o pronunciamento
judicial. O débito alimentar que autoriza a prisão civil é o que compreende até as três prestações anteriores
ao ajuizamento da execução e as que vencerem no curso do processo.

De outro modo, ajuizado o cumprimento de sentença sob o rito da prisão civil, não incidirá o
acréscimo da multa de 10%, dado o descabimento da dupla sanção. Nada impede, contudo, que no decorrer
do processo o credor requeira, caso não ocorra o cumprimento da obrigação, a conversão do rito para o
procedimento de penhora de bens.

Tendo o credor optado pelo rito da penhora de bens, e decorrido o prazo para cumprimento pelo
devedor, a multa incidirá sobre a totalidade do débito. Caso tenha ocorrido o pagamento parcial, a multa e
os honorários incidirão sobre o restante. Em seguida, será expedido mandado de penhora e avaliação, que
poderá ter seu cumprimento mediante bloqueio on-line da conta bancária do devedor.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 71

O mapa a seguir contém a síntese do procedimento da cobrança de alimentos:

Protesto da sentença e negativação do nome do devedor

A decisão judicial transitada em julgado poderá ser levada a protesto, nos termos da lei, depois de
transcorrido o prazo de 15 dias para o pagamento. A requerimento do executado, o protesto será cancelado
por determinação do juiz, mediante ofício a ser expedido ao cartório, no prazo de 3 dias, contado da data
de protocolo do requerimento, desde que comprovada a satisfação integral da obrigação.

Além do protesto, o CPC prevê a possibilidade da negativação do nome do executado no cadastro


dos inadimplentes até que efetive o pagamento do valor devido, garanta o cumprimento de sentença ou
até que o processo seja extinto por outro motivo.

Impugnação ao cumprimento de sentença

A impugnação é o meio adequado de defesa do devedor no cumprimento de sentença (execução


de título executivo judicial), tratando-se de incidente da fase de cumprimento de sentença, julgado por
intermédio de decisão interlocutória. Existe uma única hipótese em que a impugnação será ação incidental:
quando versar sobre declaração de inexistência ou extinção do título.

O prazo para apresentação de impugnação ao cumprimento de sentença é de 15 dias após o


decurso do prazo para pagamento voluntário, independentemente de penhora ou nova intimação.

A impugnação ao cumprimento de sentença, como regra, não tem efeito suspensivo, contudo, o
juiz poderá concedê-lo conforme os mesmos requisitos dos embargos (requerimento do impugnante,
garantia do juízo, fundamentação relevante, possibilidade de dano grave de difícil ou incerta reparação).
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 72

Na impugnação, o executado poderá alegar:

o Falta ou nulidade da citação se, na fase de conhecimento, o processo correu à revelia.


o Ilegitimidade de parte.
o Inexequibilidade do título ou inexigibilidade da obrigação.
o Penhora incorreta ou avaliação errônea.
o Excesso de execução ou cumulação indevida de execuções.
o Incompetência absoluta ou relativa do juízo da execução.
o Qualquer causa modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação,
transação ou prescrição, desde que supervenientes à sentença.

Quando a impugnação versar sobre excesso da execução, deve-se observar a necessidade de o


executado declarar de imediato o valor que entende correto, apresentando demonstrativo discriminado e
atualizado de seu cálculo, sob pena de rejeição liminar.

Destaca-se que todos os meios de prova são admitidos na impugnação ao cumprimento de sentença,
inclusive prova pericial e, havendo necessidade, audiência de instrução e julgamento.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 73

Procedimentos Especiais

Introdução

Antes de adentrar os procedimentos especiais propriamente ditos, é importante revisar o panorama


geral dos processos e procedimentos do Direito Processual Civil:

Neste capítulo, falaremos dos principais procedimentos especiais, os quais podem ser de jurisdição
contenciosa ou voluntário, conforme o seguinte quadro comparativo:

JURISDIÇÃO CONTENCIOSA JURISDIÇÃO VOLUNTÁRIA

Existe lide. Inexiste lide.

Existem partes. Existem interessados.

Juízo de legalidade estrita. Juízo de equidade.

Em regra, os procedimentos especiais são fungíveis, sendo possível abrir mão do procedimento
especial para demandar pelo procedimento comum. Contudo, existem algumas situações em que não se
admite a absorção do rito especial pelo procedimento comum. Isso ocorre quando houver impossibilidade
de tutela do direito a não ser pelo procedimento especial e quando houver expressa disposição legal
vedando a utilização do procedimento comum.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 74

Procedimentos especiais de jurisdição contenciosa

Ação de consignação em pagamento

Conceito:

Em regra, o cumprimento da obrigação ocorre junto ao credor. Contudo, em determinadas situações,


o credor pode não receber o valor devido ou pode haver dúvidas sobre quem é o devedor.

Para esses casos, a forma de o devedor adimplir a obrigação é a consignação em pagamento. Assim,
a ação de consignação em pagamento é um procedimento específico por intermédio do qual o devedor
destaca uma parcela de dinheiro ou um bem para quitar determinada obrigação.

Cabimento:

A ação de consignação em pagamento é cabível nas seguintes hipóteses:

o Quando o credor não puder ou se recusar injustificadamente a receber ou dar quitação.


o Quando o credor não receber a coisa no lugar, no tempo e na condição devidos.
o Quando o credor for incapaz de receber, não for conhecido, for declarado ausente ou residir em
local incerto ou cujo acesso seja perigoso ou difícil.
o Quando houver dúvida em relação a quem deve receber o pagamento ou se pender litígio sobre
o objeto do pagamento.

Ação de exigir contas

O titular do direito de exigir contas pode requerer a citação do réu para que as preste ou ofereça
contestação em 15 dias. Se as contas forem prestadas, o autor terá também 15 dias para se manifestar.

A decisão que julgar procedente o pedido condenará o réu a prestar as contas no prazo de 15 dias,
sob pena de não lhe ser lícito impugnar as que o autor apresentar.

Apresentando o réu as contas, o feito terá prosseguimento. Se o réu não o fizer, o autor as
apresentará no prazo de 15 dias, podendo o juiz determinar a realização de exame pericial, se necessário.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 75

Ações possessórias

Conceito: as ações possessórias se prestam à defesa da posse, enquanto a ação petitória é utilizada
para defender a propriedade. Nesse sentido, vale lembrar que a propriedade é o direito de gozar, reivindicar,
usar e dispor do bem (MACETE: GRUD); já a posse diz respeito ao exercício de algum desses poderes
inerentes à propriedade. Veja o quadro comparativo:

AÇÃO POSSESSÓRIA AÇÃO PETITÓRIA

Quando a causa de pedir de uma demanda tiver Quando a causa de pedir de uma demanda tiver
por base a posse, estaremos diante de uma ação por base a propriedade, estaremos diante de uma
possessória. ação petitória.

o Reintegração de Posse.
o Ação de imissão na posse.
o Manutenção de Posse.
o Ação Reivindicatória.
o Interdito Proibitório.

Procedimento Especial Procedimento Comum

Assim, o possuidor pode se utilizar das seguintes ações possessórias na defesa de sua posse:

Especificidades do procedimento:

o Possibilidade de liminar na hipótese de posse nova (ou seja, de menos de ano e um dia).
o Fungibilidade das ações possessórias.

Requisitos: prova da posse e tempo da moléstia.

Audiência de justificação: ocorre quando o juiz não se convence, pelos documentos, a respeito da
concessão ou não da liminar.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 76

A petição inicial deve conter:

o Prova da posse do autor.


o Prova da moléstia ocorrida em relação à posse.
o Data da turbação ou esbulho.

Se concedida, mas não executada a liminar possessória no prazo de 1 ano a contar da data de
distribuição, caberá ao juiz designar audiência de mediação com a presença do Ministério Público.

Ação de divisão e da demarcação de terras particulares

A primeira delas é cabível para demarcação de determinado imóvel, ou seja, para a demarcação
dos limites exatos do imóvel em relação aos demais confinantes (vizinhos). A segunda ação tem por finalidade
tomar um imóvel em condomínio e dividir entre aqueles que têm direito à parte desse imóvel, de acordo
com as regras de proporção da divisão (quinhões). Assim:

AÇÃO DE DEMARCAÇÃO Serve para delimitar o imóvel com os demais confinantes.

AÇÃO DE DIVISÃO Serve para ratear o imóvel de acordo com o quinhão de cada condômino.

Da ação de dissolução parcial de sociedade

A ação de dissolução parcial de sociedade pode ter por objeto, de forma cumulativa ou não, a
resolução da sociedade em relação a um determinado sócio (dissolução parcial) e a apuração de haveres.

Em princípio, o objeto da ação de dissolução parcial na hipótese de resolução da sociedade em


relação a um determinado sócio limita-se às sociedades simples e às sociedades contratuais da espécie
empresária, excluindo, portanto, as sociedades empresárias de natureza não contratual, ou seja, as
sociedades por ações disciplinadas pela Lei n. 6.404/76.

São causas de dissolução parcial de sociedade contratuais:

o A morte de determinado sócio.


o A retirada.
o A exclusão.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 77

Distribuída a ação e estando preenchidos os requisitos essenciais da petição inicial, o juiz determinará
a citação dos sócios e da sociedade para, no prazo de 15 dias, concordar com o pedido ou apresentar
contestação, sendo admitida a realização de previa audiência de conciliação ou de mediação.

Os sócios remanescentes poderão se manifestar expressamente pela dissolução total da sociedade,


momento no qual o juiz decretará extinta a sociedade e dará início à sua liquidação. Nessa última hipótese
não haverá condenação em honorários advocatícios de nenhuma das partes, e as custas serão rateadas
segundo a participação das partes no capital social.

Com a resolução da sociedade ocorre a consequente liquidação das quotas do sócio, que deixa de
integrar o quadro societário, cujo valor deve ser apurado para o seu devido reembolso. Tal procedimento
deverá seguir as regras estabelecidas no contrato social ou, na sua omissão, fixadas em lei.

Para apuração do valor de reembolso das quotas liquidadas faz-se necessária a apuração de haveres
do sócio falecido, retirante ou excluído que, tal como a resolução da sociedade em relação a um
determinado sócio, também poderá ser objeto da ação de dissolução parcial.

Inventário e partilha

Cabimento: o inventário tem cabimento nas hipóteses em que o de cujus deixou patrimônio. Assim,
no momento que uma pessoa morre, transmite-se a herança aos herdeiros legítimos e testamentários,
formando-se uma universalidade de direitos e obrigações denominada espólio.

Objetivo: o objetivo do procedimento é delimitar o acervo, sendo necessário, ainda, o procedimento


de partilha, para que, então, a universalidade seja desfeita e cada herdeiro faça jus ao seu quinhão.

Legitimados: o requerimento de inventário e de partilha incumbe a quem estiver na posse e na


administração do espólio, no prazo de 2 meses a contar do falecimento.

A legitimidade concorrente compete ao cônjuge ou companheiro supérstite, qualquer herdeiro, o


legatário, o testamenteiro, o cessionário do herdeiro ou do legatário, o credor do herdeiro, do legatário ou
do autor da herança, o síndico da falência do herdeiro, do legatário, do autor da herança ou do cônjuge
supérstite, o MP, em caso de herdeiros incapazes e a Fazenda Pública, quando tiver interesse na causa.

Competência: o foro competente para abertura do inventário é o do último domicílio do de cujus.


Se este não tinha domicílio certo, o foro competente é o da situação dos bens. Caso os bens se encontrem
em comarcas diversas, será competente qualquer uma, e em caso de inexistência de bens imóveis, o foro
do local de qualquer dos bens do espólio.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 78

Partilha extrajudicial: se todos os herdeiros forem maiores, capazes e estiverem de acordo com a
partilha, desde que não exista efetivo testamento, e todos estejam assistidos por advogado, os interessados
poderão optar pela partilha por escritura pública a ser realizada diretamente na serventia notarial respectiva.

Embargos de terceiro

Os embargos de terceiro constituem espécie de ação que tem por finalidade impedir ou livrar a
constrição de bem que esteja na posse ou em propriedade de terceiro.

Apresentada a petição, há determinação para citação das partes do processo originário que gerou
a constrição ou a ameaça. Uma vez citados os réus, eles podem apresentar contestação ao pedido de
embargos no prazo de 15 dias. Após, seguem-se as regras do procedimento comum.

Da oposição

Quem pretender, no todo ou em parte, a coisa ou o direito sobre que controvertem autor e réu
poderá - até ser proferida a sentença - oferecer oposição contra ambos.

Procedimento:

1. Distribuição por dependência (será apensada aos autos e tramitará simultaneamente à ação
originária, sendo ambas julgadas pela mesma sentença).
2. Contestação em 15 dias.
3. O juiz, ao sentenciar apreciará inicialmente a oposição.

Habilitação

A habilitação constitui procedimento especial incidental que tem por finalidade restabelecer o
desenvolvimento de determinado processo que se encontra suspenso em razão do falecimento de uma
das partes. Assim, a morte de uma das partes impõe a suspensão do processo até a habilitação pelo espólio
ou pelo sucessor, caso o direito seja transmissível.

Apresentada a petição inicial, a outra parte processual no processo originário será citada para se
manifestar no prazo de 5 dias. Logo em seguida, tem-se a decisão do juiz em relação ao procedimento
pelo indeferimento ou deferimento da habilitação.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 79

Ações de família

Em relação às ações de família, não há a disciplina de um procedimento específico, mas a previsão


de regras gerais a serem observadas em cada umas das espécies de ações de família.

As referidas regras se aplicam aos seguintes procedimentos:

o Processo de divórcio.
o Processo de separação, reconhecimento ou extinção de união estável.
o Processo de guarda.
o Processo de visitação.
o Processo de filiação.

Assim, são aplicáveis as seguintes regras:

o Utilização da mediação e da conciliação: sempre que for possível, pugnar-se-á pela solução
consensual da controvérsia, mediante o emprego da mediação e da conciliação.
o Citação do réu para comparecer à audiência de conciliação sem envio da contrafé: a pretensão,
nesse contexto, é viabilizar a conciliação entre as partes, evitando qualquer tentativa de provocação
ante os argumentos intensos que podem constar da peça inicial.
o Possibilidade de várias sessões de conciliação ou de mediação: desde que haja identificada a
possibilidade de acordo nos processos de família, serão utilizadas tantas quantas sessões forem
necessárias à solução consensual.

Ação monitória

É o procedimento de cobrança mais célere para os casos em que o autor dispõe de prova escrita
sem eficácia de título executivo, que traduza obrigação de:

o Pagar quantia.
o Entregar coisa móvel ou imóvel.
o Adimplir obrigação de fazer ou não fazer.

Na petição inicial, incumbe ao autor indicar:

o A importância devida.
o O valor atual da coisa reclamada.
o O conteúdo patrimonial em discussão ou o proveito econômico perseguido.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 80

Admite-se a citação por qualquer meio permitido para o procedimento comum.

Cabe a reconvenção, mas é vedado o oferecimento de reconvenção à reconvenção.

Expedição de mandado de pagamento: o juiz concede ao réu prazo de 15 dias para o cumprimento
e o pagamento de honorários advocatícios de 5% do valor atribuído à causa.

Haverá a constituição do título executivo judicial se não realizado o pagamento e não apresentados embargos.

O autor será intimado para responder aos embargos no prazo de 15 dias, cabendo apelação, sem
efeito suspensivo, contra a sentença que os acolhe ou rejeita.

Multa de até 10% sobre o valor da causa:

o Se o autor propuser, indevidamente e de má-fé, a monitória (multa em favor do réu).


o Se o réu opuser embargos de má-fé (multa em favor do autor).

Procedimentos especiais de jurisdição voluntária

Da notificação e da interpelação

O novo CPC trata a notificação, interpelação e protesto como procedimento de jurisdição voluntária,
afastando-o dos procedimentos cautelares.

Entende-se por notificação como a cientificação no negócio jurídico acerca de determinada


providência a ser adotada pelo notificante diante do notificado, podendo ser de ordem extrajudicial ou judicial.

A interpelação, por sua vez, tem natureza de pedido de explicações ou provocar o interpelado à
prática de determinado ato, mas também visa constituir devedor em mora e cientificar o devedor acerca
da vontade de o credor praticar determinado ato, e poderá ser extrajudicial ou judicial.

Já o protesto tem a característica de anunciar publicamente determinado fato, podendo ser praticado
perante um órgão extrajudicial ou perante o juiz.

Evidenciada a intenção ilícita do requerente em relação a tais procedimentos a notificação,


interpelação ou protesto deverá ser indeferida após a oitiva do interessado, pois não pode o ato receber
a chancela do Poder Judiciário, sob pena de ficar caracterizada a responsabilidade estatal.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 81

Divórcio, Separação e Extinção de União Estável consensuais

Se não houver filhos menores (ou nascituro), é possível que se proceda ao divórcio em cartório
extrajudicial via escritura pública, a qual independe de homologação judicial, devendo os cônjuges estarem
assistidos por advogado. Entretanto, se assim preferirem ou se houver filhos menores, será realizado o
divórcio consensual perante o Judiciário, cujos requisitos são:

o A descrição e partilha dos bens comuns.


o A pensão alimentícia entre os cônjuges.
o O acordo relativo à guarda dos filhos incapazes e visita.
o A contribuição para criar e educar os filhos (alimentos).

Diante da inexistência de lide, é possível que um único advogado postule em favor de ambos os
cônjuges. Então, mediante a verificação dos requisitos previstos em lei, o juiz homologará o divórcio e a
sentença será levada aos registros civis.

O mesmo procedimento se aplica para a extinção de união estável consensual e para mudança de
regime de bens de casamento.

Interdição

A interdição constitui um procedimento de jurisdição voluntária por intermédio do qual declara-se a


incapacidade da pessoa para fim de que seja assistida por curador. O curador, por sua vez, exercerá um
encargo público, a fim dirigir e de administrar bens de pessoas maiores que não possam fazê-lo.

Cessando a causa que determinou a interdição, a parte pode solicitar o seu levantamento.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 82

Juizados Especiais
Introdução

São procedimentos especiais previstos na legislação extravagante e buscam a simplificação e a


desburocratização do processo. Em síntese:

Princípios

O processo orientar-se-á pelos critérios da oralidade, simplicidade, informalidade, economia processual e


celeridade, buscando, sempre que possível, a conciliação ou a transação.

MACETE: SEPICO

o Simplicidade.
o Economia Processual.
o Informalidade.
o Celeridade.
o Oralidade.

Princípio da oralidade

O princípio da oralidade fixa a prevalência da “palavra falada” sobre a “palavra escrita”. Nesse sentido, diversos
atos processuais podem ser praticados oralmente, como, por exemplo: os pedidos podem ser formulados oralmente,
competindo ao cartório registrar isso da forma documental.

Princípios da simplicidade e informalidade

Nos Juizados não há espaço para formalismos inúteis e desnecessários. Além disso, uma das finalidades dos
Juizados é aproximar o cidadão do sistema de Justiça, razão pela qual é orientado pelo princípio da simplicidade e
da informalidade.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 83

Princípio da economia processual

O princípio da economia processual é o princípio que visa o melhor resultado no processo resultando
na redução das custas processuais.

Princípio da celeridade

O inciso LXXVIII, do artigo 5º da Constituição Federal, diz: “a todos, no âmbito judicial e administrativo,
são assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação”.

Entre os exemplos de aplicação deste princípio, temos o art. 10, da Lei no 9.099, que veda a utilização
de intervenção de terceiros nos Juizados Especiais.

DISPOSITIVO INCLUÍDO PELA LEI Nº 13.994/2020

É cabível a conciliação não presencial conduzida pelo Juizado mediante o emprego dos recursos tecnológicos
disponíveis de transmissão de sons e imagens em tempo real, devendo o resultado da tentativa de conciliação
ser reduzido a escrito com os anexos pertinentes.

Juizado Especial Cível

Competência material

São de competência do JEC as causas de menor complexidade que não atingirem valor superior a
40 salários-mínimos. Além disso, são causas excluídas da competência do JEC as de natureza:

o Alimentar.
o Falimentar.
o Fiscal.
o De interesse da Fazenda Pública.
o Relativas a acidentes de trabalho.
o Relativas a resíduos.
o Relativas ao estado e à capacidade das pessoas, ainda que de cunho patrimonial.

Competência de foro

A ação poderá ser ajuizada, a escolha do autor:

o No domicílio do réu.
o No local onde o réu exerça suas atividades (profissionais ou econômicas).
o No local onde o réu mantenha filial.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 84

Na ação de reparação de dano, a Lei n. 9.099/1995 permite que a ação seja ajuizada:

o No local onde deve ser satisfeita, em caso de ações que versem sobre obrigações.
o No domicílio do autor ou do fato, quando envolve reparação de dano.

Requisitos da inicial

São requisitos da Petição Inicial:

o Qualificação das partes.


o Fatos e fundamentos de forma sucinta.
o Pedido e valor.

Partes

Podem ser autores no JEC

o Pessoas físicas capazes.


o ME, EPP e microempreendedores individuais.
o Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP).
o Sociedades de crédito ao microempreendedor.

Nas causas de até 20 salários-mínimos não há necessidade de advogado.

Não podem ser réus:

MACETE: MEU PIPI

o Massa Falida
o Empresa Pública da
o União

o Preso
o Incapaz
o Pessoas Jurídicas de Direito Público
o Insolvente Civil
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 85

Institutos vedados no JEC

o Intervenção de terceiros.
o Citação por edital.
o Reconvenção.
o Ação rescisória.

ADMITE-SE O LITISCONSÓRCIO!

Procedimento

As ações no JEC seguem o seguinte procedimento:

PROCEDIMENTO

Petição inicial.

Audiência de conciliação.

Audiência de instrução:

o Apresentação de contestação.
o Oitiva de testemunhas.
o Depoimento pessoal, se for o caso.
o Alegações finais.

Sentença (não poderá ser ilíquida).

Atualização:

LEI Nº 13.728/2018

Altera a Lei nº 9.099/95 para dizer que nos Juizados Especiais a contagem dos prazos também deverá
ser em dias úteis.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 86

Juizado Especial da Fazenda Pública

Finalidade

Os Juizados Especiais da Fazenda Pública são criados com uma finalidade específica: conciliar,
processar e julgar causas cíveis de interesses dos Estados-membros, do Distrito Federal e dos Municípios,
quando o valor da causa não atingir 60 salários-mínimos.

Competência

Conforme mencionado, compete aos Juizados Especiais da Fazenda Pública conciliar, processar e
julgar causas cíveis de interesses dos Estados-membros, do Distrito Federal e dos Municípios, quando o
valor da causa não atingir 60 salários-mínimos.

Entretanto, NÃO entram na regra de competência:

o Mandado de segurança.
o Ações de desapropriação, divisão e demarcação.
o Ação popular.
o Ações de improbidade administrativa.
o Execuções fiscais.
o Demandas que envolvam direitos ou interesses difusos e coletivos.
o Causas sobre bens imóveis dos Estados, DF e municípios (e respectivas entidades indiretas).
o Causas que tenham como objetivo impugnar penalidade de demissão aplicada a servidor ou sanções
disciplinares aplicadas a militares

Partes

Podem ser autores no JEFP:

o Pessoas físicas.
o Microempresas.
o Empresas de pequeno porte.

Podem ser réus no JEFP:

o Estados-membros (e entidades).
o DF (e entidades).
o Municípios (e entidades).
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 87

Prazo em dobro

Apesar de o CPC prever que a Fazenda Pública, a Defensoria e o Ministério Público gozam de prazo
em dobro para todas as suas manifestações processuais, este prazo dobrado não se aplica no JEFP.

Remessa necessária

Não há reexame necessário nos Juizados de Fazenda Pública.

Juizado Especial Federal

Competência

A regra é que todas as causas cujo valor não ultrapasse a 60 salários-mínimos, e que estejam dentro
da competência da Justiça Federal, sejam julgadas perante o Juizado Especial Federal.

O valor da causa para fixação da competência do juizado especial federal é critério de competência absoluta.

Partes

Podem ser autores:

o Pessoas naturais.
o Microempresas.
o Empresas de pequeno porte.

Podem ser réus

o A União.
o As autarquias federais.
o As fundações públicas.
o As empresas públicas federais.

Não estão incluídas as sociedades de economia mista.

Prazo em dobro

Aos processos que tramitam perante o Juizado Especial Federal Cível NÃO SE APLICA a
prerrogativa dos prazos processuais em dobro conforme previstos no CPC.

Remessa necessária

Nos processos que tramitam pelo Juizado Especial Federal Cível, não haverá reexame necessário.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 88

Processo Coletivo

Não é enfrentado no CPC, mas em legislação extravagante.

Busca a tutela dos direitos coletivos:

Instrumentos de proteção

Ação popular

o Legitimidade ativa: cidadão.


o Defesa do patrimônio público.
o Prazo para contestar de 20 dias, prorrogáveis por mais 20.

Ação civil pública

As ações de responsabilidade por danos morais e patrimoniais causados:

o Meio ambiente.
o Consumidor.
o Bens de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico.
o Qualquer outro interesse difuso ou coletivo.
o Por infração da ordem econômica.
o À ordem urbanística.
o À honra e à dignidade de grupos raciais, étnicos ou religiosos.
o Ao patrimônio público e social.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 89

Coisa julgada no processo coletivo

Nas ações coletivas a sentença fará coisa julgada:

exceto se o pedido for julgado improcedente por


insuficiência de provas, hipótese em que qualquer
DIREITOS DIFUSOS ERGA OMNES
legitimado poderá intentar outra ação, com idêntico
fundamento valendo-se de nova prova.

Mas limitadamente ao grupo, categoria ou classe, salvo


DIREITOS COLETIVOS ULTRA PARTES improcedência por insuficiência de provas, nos termos do
parágrafo anterior.

DIREITOS INDIVIDUAIS Apenas no caso de procedência do pedido, para beneficiar


ERGA OMNES
HOMOGÊNEOS todas as vítimas e seus sucessores.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 90

Processo de Execução

Introdução

Enquanto o cumprimento de sentença é uma “fase executiva” dentro do processo de conhecimento,


com o objetivo de se exigir a satisfação de um título executivo judicial (pressupondo relação processual
anterior), o processo de execução é uma ação autônoma, que não depende de prévia relação processual,
exigindo-se, tão somente, a existência de um título executivo extrajudicial.

Princípios

São princípios do processo de execução:

o Princípio da nulla executio sine título: não há execução sem título executivo.
o Princípio da máxima efetividade da execução: os atos de execução devem ser praticados em favor do
credor e para satisfação do seu crédito.
o Princípio do menor sacrifício para o devedor: quando, por mais de um meio igualmente vantajoso para o
credor, for possível efetuar a execução, essa deverá ser feita pelo meio menos gravoso ao executado.
o Princípio da atipicidade dos meios executivos: o juiz poderá adotar as medidas que estão previstas no CPC
e outras que possam ser necessárias para o bom cumprimento da obrigação.
o Princípio da responsabilidade objetiva: o exequente, seja na execução definitiva ou provisória, tem o dever
de reparar todos os danos que, porventura, causar ao executado em razão do processo de execução.

Requisitos

São requisitos para a execução de título executivo extrajudicial:

o Inadimplemento/exigibilidade.
o Título executivo extrajudicial.

O CPC permite que o exequente opte pelo processo de conhecimento, se assim entender mais conveniente.

Título executivo extrajudicial

São títulos executivos extrajudiciais os seguintes:

o Títulos de crédito.
o Escritura pública ou outro documento público assinado pelo devedor.
o Documento particular assinado pelo devedor e por 2 testemunhas.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 91

o Instrumento de transação referendado pelo MP, Defensoria Pública, advocacia pública advogado das partes
ou conciliador/mediador credenciado por tribunal.
o Os contratos com garantia real e contratos garantidos com caução.
o Contrato de seguro de vida em caso de morte.
o O crédito decorrente da enfiteuse e laudêmio.
o O crédito, documentalmente comprovado, decorrente de aluguel de imóvel, e acessórios.
o A CDA (certidão de dívida ativa).
o O crédito referente ao condomínio previsto na respectiva convenção ou aprovado em assembleia, desde
que documentalmente comprovado.
o A certidão expedida por cartório extrajudicial relativa a emolumentos e despesas devidas pelos atos cartoriais,
conforme tabelas estabelecidas em lei.

Petição Inicial

A petição inicial deve ser instruída com:

o O título executivo extrajudicial.


o O demonstrativo do débito atualizado até a data de propositura da ação (na execução por quantia certa).
o A prova de que se verificou a condição ou ocorreu o termo, se for o caso.
o A prova, se for o caso, de que adimpliu a contraprestação que lhe corresponde ou que lhe assegura o
cumprimento.

Competência
As regras de competência para a execução no CPC diferenciam-se daquelas previstas no processo
de conhecimento, favorecendo a escolha do exequente pelo local em que a demanda será proposta. Assim,
tratando-se de título extrajudicial, e levando-se em consideração que ainda não há processo em curso:

o A execução poderá ser proposta no foro de domicílio do executado, de eleição constante do título ou,
ainda, de situação dos bens a ela sujeitos.
o Tendo mais de um domicílio, o executado poderá ser demandado no foro de qualquer deles.
o Sendo incerto ou desconhecido o domicílio do executado, a execução poderá ser proposta no lugar onde
for encontrado ou no foro de domicílio do exequente.
o Havendo mais de um devedor, com diferentes domicílios, a execução será proposta no foro de qualquer
deles, à escolha do exequente.
o A execução poderá ser proposta no foro do lugar em que se praticou o ato ou em que ocorreu o fato
que deu origem ao título, mesmo que nele não mais resida o executado.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 92

Prescrição intercorrente

A execução será suspensa se o executado não possuir bens penhoráveis, pelo prazo de 1 ano,
durante o qual se suspenderá a prescrição. Após esse prazo, se ainda não existirem bens penhoráveis, o
processo será arquivado. Se forem encontrados bens, haverá o desarquivamento.

Passado o prazo de 1 ano da suspensão sem manifestação do exequente, então começa a correr
o prazo da prescrição intercorrente. Ocorrido o prazo da prescrição, após oitiva das partes, o juiz poderá,
de ofício, reconhecer a prescrição intercorrente e extinguir o processo.

Espécies de execução

Da execução para entrega de coisa certa

O executado será citado para, no prazo de 15 dias, efetuar a entrega do bem. Caso a obrigação não
seja cumprida no prazo, no próprio mandado de citação, o magistrado deixará fixada a aplicação de multa,
além de ordem para imissão de posse (bem imóvel) ou de busca e apreensão (bem móvel).

Assim, citado, o executado pode:

o Entregar a coisa.
o Apresentar embargos à execução.
o Não se manifestar, caso em que será executada a ordem de imissão de posse ou de busca e apreensão.

Da execução para entrega de coisa incerta

A coisa incerta é aquela determinável ao tempo do adimplemento pelo gênero e pela quantidade.
Nesses casos, o executado será citado para que entregue a coisa individualizada se a obrigação lhe competir.
Por outro lado, se a individualização da coisa couber ao exequente, ele deverá fazê-lo na petição inicial.

Independentemente de quem for o responsável pela individualização da coisa incerta, uma vez
indicada, corre prazo de 15 dias para impugnar a indicação efetuada. Uma vez individualizado o bem, segue
a execução na forma da entrega de coisa certa.

Da execução de obrigação de fazer e de não fazer

O executado é citado para fazer ou não fazer algo, no prazo que o juiz fixar, se não houver previsão
no título. Se no prazo fixado o executado não satisfizer a obrigação, poderá o exequente requerer que seja a
obrigação realizada por terceiro à custa do executado ou converta a obrigação de fazer em indenização.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 93

Da execução de quantia certa

O título deve trazer uma obrigação de pagar.

Requisitos

o Endereçamento.
o Qualificação das partes.
o Demonstração do inadimplemento/exigibilidade da obrigação e da existência de título.
o Valor da causa.

Arresto executivo ou pré-penhora: se o oficial de justiça não encontrar o executado, mas encontrar
bens passíveis de penhora, será possível a constrição de bens.

Penhora: se não houver o pagamento do débito, haverá a penhora, que é a constrição judicial de
bem do executado, capaz de garantir o pagamento do débito exequendo. A penhora recai sobre bens
presentes e futuros. Efetivada a penhora, será nomeado um depositário, que só será o executado se o
exequente concordar ou nos casos de difícil remoção do bem.

Pode o exequente requerer a penhora on-line de bens do executado.

Após requerimento do exequente, o juiz, sem dar ciência ao executado, determinará às instituições
financeiras que tornem indisponíveis ativos financeiros do executado.

O juiz deverá cancelar, em 24 horas, eventual indisponibilidade excessiva.

Efetivada a indisponibilidade, o executado será intimado e terá prazo de 5 dias para comprovar que:

o As quantias tornadas indisponíveis são impenhoráveis.


o Ainda remanesce indisponibilidade excessiva de ativos financeiros.

Somente após essa manifestação é que haverá efetivamente a penhora, e então a instituição
financeira deverá transferir o montante penhorado para conta à disposição do juízo.

Impenhorabilidades

Bem de família: imóvel destinado à residência, bem como os móveis que o guarnecem. Exceções:

A impenhorabilidade é oponível em qualquer processo de execução civil, fiscal, previdenciária,


trabalhista ou de outra natureza, salvo se movido:
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 94

o Pelo titular do crédito decorrente do financiamento destinado à construção ou à aquisição do imóvel, no


limite dos créditos e acréscimos constituídos em função do respectivo contrato.
o Pelo credor da pensão alimentícia, resguardados os direitos, sobre o bem, do seu coproprietário que, com
o devedor, integre união estável/conjugal, observadas as hipóteses em que ambos responderão pela dívida.
o Para cobrança de impostos, predial ou territorial, taxas e contribuições devidas em função do imóvel familiar.
o Para execução de hipoteca sobre o imóvel oferecido como garantia real pelo casal ou pela entidade familiar.
o Por ter sido adquirido com produto de crime ou para execução de sentença penal condenatória a
ressarcimento, indenização ou perdimento de bens.
o Por obrigação decorrente de fiança concedida em contrato de locação.

Outras impenhorabilidades:

o Os bens inalienáveis e os declarados, por ato voluntário, não sujeitos à execução.


o Os móveis, pertences e utilidades domésticas que guarnecem a residência do executado – salvo os de
elevado valor e os supérfluos.
o Os vestuários e os bens de uso pessoal do executado – salvo se de elevado valor.
o Os salários, remunerações, aposentadorias e pensões de uma forma geral – salvo para pagamento de
pensão alimentícia e quando o valor mensal percebido for superior a 50 salários-mínimos.
o Os instrumentos necessários ao exercício da profissão.
o O seguro de vida.
o Os materiais necessários para obras em andamento, salvo se essas forem penhoradas.
o A pequena propriedade rural, desde que trabalhada pela família.
o Os recursos públicos recebidos por instituições privadas para aplicação compulsória em educação, saúde ou
assistência social.
o Até o limite de 40 salários-mínimos, a quantia depositada em caderneta de poupança.
o Os recursos do fundo partidário, recebidos por partido político.
o Os créditos oriundos de alienação de unidades imobiliárias sob regime de incorporação, vinculados à
execução da obra.

Da execução contra a Fazenda Pública

Nesse caso, o devedor é a Fazenda Pública (União, Estados, Municípios e suas autarquias e fundações
– ou seja, pessoas jurídicas de direito público). Pode ser fundada em título executivo judicial ou extrajudicial.

O ente estatal é citado para apresentar embargos, no prazo de 30 dias.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 95

Não há penhora, já que bens públicos são impenhoráveis.

Não opostos embargos ou transitada em julgado a decisão que os rejeitar, o pagamento se dará mediante
precatório (requisição de pagamento de dívida judicial que o Tribunal encaminha ao órgão estatal devedor).

A depender da natureza do débito (se dívida alimentícia ou não), este será ou não pago com preferência
sobre os demais.

As obrigações ou requisições de pequeno valor (OPV ou RPV) não se submetem ao regime dos precatórios,
devendo o pagamento deve ser prontamente realizado pela Fazenda, sem necessidade de precatório.

Da defesa do executado - Embargos

No processo de execução, em regra, não se discute defesa. Assim, a defesa é por petição inicial
(Embargos à execução), em processo autônomo – distribuído por dependência.

Não há necessidade de garantir o juízo para embargar.

Matérias que podem ser alegadas nos embargos

O embargante pode alegar:

o Inexequibilidade do título ou inexigibilidade da obrigação.


o Penhora incorreta ou avaliação errônea.
o Excesso de execução ou cumulação indevida de execuções.
o Retenção por benfeitorias necessárias ou úteis, nos casos de entrega de coisa certa.
o Incompetência absoluta ou relativa do juízo da execução.
o Qualquer matéria de defesa, visto que ainda não houve prévia manifestação do poder judiciário.

Excesso de execução

Hipóteses:

o O exequente pleiteia quantia superior à do título.


o O exequente pleiteia coisa diversa daquela declarada no título.
o Processa-se de modo diferente do que foi determinado na sentença.
o O exequente, sem cumprir a sua prestação, exige o adimplemento da prestação do devedor.
o O exequente não prova que a condição se realizou.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 96

Prazo

O prazo para embargar é de 15 dias. Se houver mais de um executado, o prazo será contado
individualmente, salvo na hipótese de cônjuges ou companheiros, quando o prazo será contado a partir da
juntada do comprovante de citação do último. Ainda que existam litisconsortes com advogados distintos,
não haverá aplicação do prazo em dobro.

Efeitos

Em regra, os embargos não terão efeito suspensivo, salvo se:

o Presentes os requisitos para a tutela provisória.


o Garantida a execução por penhora, depósito ou caução.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 97

Recursos e Processos nos Tribunais

Precedentes Vinculantes

Com a finalidade de estabilizar a jurisprudência, o Poder Judiciário passa a adotar o sistema de precedentes
vinculantes. Ou seja, se já existe uma Súmula do STF, uma decisão tomada na forma de recursos repetitivos pelo
STJ ou pelo STF, uma decisão tomada em grau de incidente de resolução de demandas repetitivas (IRDR) ou em
grau de assunção de competências, enfim, uma decisão revestida de formalidade e de legitimidade a ponto de se
transformar em procedente, os juízes de 1º grau, assim como todos os demais órgãos do Poder Judiciário, estarão
obrigados a seguir aquele precedente.

Deste modo, os juízes e os Tribunais observarão:

o As decisões do Supremo Tribunal Federal em controle concentrado de constitucionalidade.


o Os enunciados de Súmula Vinculante.
o Os acórdãos em incidente de assunção de competência ou de resolução de demandas repetitivas e em
julgamento de recursos extraordinário e especial repetitivos.
o Os enunciados das súmulas do STF em matéria constitucional e do STJ em matéria infraconstitucional.
o A orientação do plenário ou do órgão especial aos quais estiverem vinculados.

Incidentes e Ações sem Natureza Recursal

Perante os tribunais, há a previsão de trâmite de alguns incidente e ações, sem natureza recursal:

Incidente de arguição de inconstitucionalidade: qualquer juiz pode declarar a inconstitucionalidade de um


diploma legal, incidentalmente no processo (como questão prejudicial).

Conflito de competência: quando dois ou mais juízes se considerarem competentes ou incompetentes para
julgar uma mesma causa, cabe o conflito de competência.

Homologação de decisão estrangeira: a decisão estrangeira, para ingressar no sistema processual brasileiro,
depende de prévia homologação perante o STJ.

A decisão estrangeira de divórcio consensual não precisa ser homologada no STJ

Incidente de resolução de demandas repetitivas: será instaurado quando houver, simultaneamente:

o Repetição de processos que contenham controvérsia sobre a mesma questão unicamente de direito.
o Risco de ofensa à isonomia e à segurança jurídica.

Se o IRDR não for julgado em até 1 ano, cessa a suspensão dos demais processos – salvo se o relator decidir em sentido contrário.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 98

Incidente de assunção de competência: é cabível quando o julgamento de recurso, de remessa


necessária ou de processo de competência originária envolver relevante questão de direito, com grande
repercussão social, sem repetição em múltiplos processos.

Reclamação: é o meio cabível para:

o Preservar a competência do tribunal.


o Garantir a autoridade das decisões do tribunal.
o Garantir a observância de decisão do STF em controle abstrato de constitucionalidade e Súmula Vinculante.
o Garantir a observância de acórdão proferido em julgamento de IRDR ou em incidente de assunção de
competência.

Não será admitida a reclamação:

o Proposta após o trânsito em julgado da decisão reclamada.


o Proposta para garantir a observância de acórdão de RE com repercussão geral reconhecida ou de acórdão
proferido em RE ou REsp repetitivos, quando não esgotadas as instâncias ordinárias.

Legitimidade: Ministério Público, bem como a parte interessada.

Ação rescisória: decisões que admitem o uso da rescisória:

o Proferidas por juiz corrupto.


o Proferidas por juiz impedido ou juízo absolutamente incompetente.
o Resultarem de dolo ou coação da parte vencedora ou de colusão entre as partes.
o Ofenderem coisa julgada anteriormente formada.
o Violem manifestação norma jurídica.
o Fundadas em prova falsa.
o Quando o autor, após o trânsito em julgado, obtiver prova nova.
o Fundadas em erro de fato verificável do exame dos autos.

Presentes uma dessas hipóteses, a ação é capaz de desconstituir a coisa julgada.

Prazo decadencial: 2 anos, contados do trânsito em julgado da última decisão proferida no processo.

O termo inicial de Ação Rescisória fundada em prova nova será a data de descoberta desta, observado o prazo máximo de 5 anos.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 99

Recursos

Introdução

Recurso é ato voluntário da parte, capaz de ensejar, dentro do mesmo processo, a reforma, a
invalidação, o esclarecimento ou a integração da decisão judicial impugnada.

Não são recurso:

A remessa necessária: é a situação na qual a sentença é contrária à Fazenda Pública e, mesmo sem
recurso, a decisão de 1º grau tem de ser confirmada pelo Tribunal.

As ações autônomas de impugnação: instituem nova relação processual (Ex.: Habeas Corpus).

O pedido de reconsideração: no cotidiano forense é utilizado com frequência pelos advogados, mas,
como não está previsto no art. 994, não é recurso.

Recurso adesivo: não é um tipo de recurso, mas uma forma de interposição para a parte que não
recorreu no prazo (no momento de seu recurso independente).

O recurso na forma adesiva terá cabimento quando:

o Houve sucumbência recíproca.


o Apenas uma das partes interpõe recurso independente.
o Forem os recursos de apelação, especial e extraordinário.

A interposição deve ocorrer no prazo das contrarrazões ao recurso principal.

IMPORTANTE!

O Recurso Adesivo é acessório ao principal; assim, se o principal não for julgado (pela desistência, por
exemplo), o adesivo também não será.

Juízo de admissibilidade e Juízo de mérito

Juízo de admissibilidade: será verificado se estão presentes os requisitos formais para que o recurso
seja analisado. Se tais requisitos estiverem ausentes, o recurso não será conhecido ou não será admitido.

Juízo de mérito: somente se conhecido o recurso passa-se à próxima fase, que é o juízo de mérito,
ou seja, a efetiva análise da impugnação realizada pelo recorrente em seu recurso.

O resultado do juízo de mérito pode ser pelo provimento ou não provimento do recurso.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 100

Requisitos de admissibilidade recursal

Cabimento: deverá ser aquele previsto na lei.

Legitimidade: partes, MP e terceiro prejudicado.

Interesse: quando houver sucumbência.

Tempestividade: interposição do recurso no prazo fixado em lei.

Em regra, os recursos (assim como suas respostas) no NCPC terão prazo de 15 dias; como exceção,
tem-se os embargos de declaração, cujo prazo é de 5 dias.

Preparo: pagamento de custas e porte de remessa e retorno, sob pena de deserção.

DESERÇÃO

o Se houver recolhimento a menor, cabe a complementação do preparo, no prazo de 5 dias; se


mesmo após a concessão de prazo não houver o complemento, então o recurso será deserto.
o Se não houver nenhum recolhimento, haverá a possibilidade de pagamento do preparo e porte,
em dobro, sob pena de não ser conhecido pela deserção.
o Caso haja erro no preenchimento da guia de custas, não poderá se falar em deserção, devendo
o relator intimar o recorrente para sanar o vício, em 5 dias.

Inexistência de fato impeditivo ao direito de recorrer: são fatos impeditivos os seguintes:

o Desistência: uma vez interposto, pode a parte, a qualquer momento e sem a concordância da parte
contrária, desistir do recurso.
o Renúncia: antes da interposição do recurso, podem as partes (ou uma das partes) renunciar ao direito
de recorrer, também sem a necessidade de concordância da parte contrária.
o Aquiescência: ato incompatível com a vontade de recorrer (ex.: cumprimento voluntário da sentença).

Regularidade formal: diz respeito aos requisitos formais que não se inserem em nenhum dos outros
requisitos de admissibilidade acima expostos.

Sucumbência recursal

O tribunal, ao julgar recurso, majorará os honorários fixados anteriormente levando em conta o trabalho
adicional realizado em grau recursal (novidade trazida pelo CPC de 2015)
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 101

Resumo

Segue um mapa mental com a síntese dos principais pontos da teoria geral dos recursos:
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 102

Recursos em espécie

Apelação

Sua interposição será possível contra:

o Sentença prolatada nos autos, desde que trate das questões resolvidas na fase de conhecimento.
o Decisão que a seu respeito não comportar agravo de instrumento (cujas hipóteses são taxativas),
uma vez que não são cobertas pela preclusão e devem ser suscitadas em preliminar de apelação,
eventualmente interposta contra a decisão final, ou nas contrarrazões.

Da sentença proferida no JEC cabe recurso inominado.

O prazo para apelar (e para contra-arrazoar) é de 15 dias.

Há custas.

Há efeito devolutivo e, em regra, há o efeito suspensivo, salvo:

o Sentença que homologa divisão ou demarcação.


o Sentença que condena a pagar alimentos.
o Sentença que extingue sem resolução de mérito ou julga improcedente os embargos à execução.
o Sentença que julga procedente o pedido de instituição de arbitragem.
o Sentença que confirma, concede ou revoga a tutela provisória.
o Sentença que decreta a interdição.
o Sentenças previstas na Lei de Locação.

Legitimidade:

o Parte(s) vencida(s) ou sucumbente(s).


o Terceiro prejudicado.
o Ministério Público, como parte ou como fiscal da ordem jurídica.

A apelação é interposta em 1º grau (juízo a quo), em petição que deverá trazer:

o O nome e a qualificação das partes.


o A exposição do fato e do direito.
o As razões do pedido de reforma ou de decretação de nulidade.
o O pedido de nova decisão.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 103

O juiz intimará o apelado para apresentar contrarrazões e, se houver apelação adesiva, também
intimará o apelante para as contrarrazões.

Não haverá juízo de admissibilidade e o juiz remeterá o processo ao tribunal.

Em regra, ao receber a apelação, o juiz não pode reconsiderar a sentença, salvo:

o Indeferimento da inicial.
o Extinção sem resolução de mérito.
o Improcedência liminar.

Caso não haja a reconsideração, os autos serão encaminhados ao Tribunal.

Uma vez remetida a apelação ao Tribunal, será distribuída a um relator.

Sendo a hipótese de vício processual ou de jurisprudência dominante, poderá o relator decidir a


apelação monocraticamente, seja para não conhecer, seja para conhecer e dar ou negar provimento.

Não sendo a hipótese de julgamento monocrático, o relator elaborará relatório e voto, para
julgamento pelo órgão colegiado, não havendo a necessidade de envio prévio para outro desembargador
(o revisor, no CPC/73).
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 104

Agravo de instrumento

Cabível Agravo de Instrumento de decisões interlocutórias que versem sobre:

o Tutelas provisórias.
o Mérito do processo.
o Rejeição da alegação de convenção de arbitragem.
o Incidente de desconsideração da personalidade jurídica.
o Rejeição do pedido de gratuidade da justiça ou acolhimento do pedido de sua revogação.
o Exibição ou posse de documento ou coisa.
o Exclusão de litisconsorte.
o Rejeição do pedido de limitação do litisconsórcio.
o Admissão ou inadmissão de intervenção de terceiros.
o Concessão, modificação ou revogação do efeito suspensivo aos embargos à execução.
o Redistribuição do ônus da prova.
o Outros casos expressamente referidos em lei.

Isto posto, pode-se concluir então que o advogado, antes de ingressar com o presente recurso, deverá
verificar se o conteúdo da decisão interlocutória está dentre os elencados anteriormente.

Se não cabível o agravo de instrumento, a decisão interlocutória não poderá ser recorrida imediatamente e a
parte interessada só poderá pedir a modificação da decisão interlocutória na apelação.

Havendo situação que gere risco de graves danos através de prolação da respectiva decisão interlocutória para a
qual a lei não preveja o cabimento do agravo de instrumento, poderá a parte ajuizar MS

O prazo para interposição do agravo de instrumento (e para contra-arrazoar) é de 15 dias.

Há custas de preparo.

Há efeito devolutivo e, em regra, não há o efeito suspensivo.

É interposto diretamente no Tribunal (juízo ad quem): poderá o agravante requerer a juntada, no juízo
de origem (juízo a quo), da petição do agravo interposto e da relação de documentos que o instruíram, o qual
poderá reconsiderar a decisão agravada (juízo de retratação).

Tratando-se de processo eletrônico, a juntada é uma opção.

Se os autos forem físicos, a juntada é um dever.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 105

O recurso deverá trazer cópias do processo:

Cópias obrigatórias: da petição inicial, da contestação, da petição que ensejou a decisão agravada, da
própria decisão agravada, da certidão da respectiva intimação ou outro documento oficial que comprove a
tempestividade e das procurações outorgadas aos advogados do agravante e do agravado.

Declaração de inexistência de qualquer dos documentos referidos no parágrafo anterior, feita pelo
advogado do agravante, sob pena de sua responsabilidade pessoal.

Cópias facultativas: outras peças que o agravante reputar úteis.

Se faltar alguma cópia obrigatória, o relator deverá intimar o agravante para que corrija o recurso.

SUSTENTAÇÃO ORAL

O novo CPC prevê a possibilidade de sustentação oral no agravo de instrumento contra decisão que defere ou
indefere a tutela provisória. A tutela provisória (antecipada ou cautelar) será deferida ou indeferida por uma decisão
interlocutória, cabendo expressamente o agravo de instrumento sendo que este terá sustentação oral.

Embargos de declaração

O recurso se presta a atacar uma decisão judicial que contenha obscuridade, omissão, contradição
ou erro material. Para efeitos legais, podemos considerar como omissão da decisão judicial aquela que:

o Deixe de se manifestar sobre tese firmada em julgamento de casos repetitivos ou em incidente de


assunção de competência aplicável ao caso sob julgamento.
o Incorra em qualquer das condutas descritas como sentença não fundamentada.

Serão opostos em 5 dias (mesmo prazo para contrarrazões).

Não há preparo:

Em regra, o presente recurso é livre de pagamento de custas, salvo quando o juiz entender que a interposição
de tal instrumento processual é apenas com o objetivo de realizar protelação do processo, ou seja, se ficar
demonstra a má-fé do EMBARGANTE, podendo ser aplicada multa de 2% do valor da causa, podendo tal
penalidade ser aumentada até o montante de 10%.

Há efeito devolutivo, mas não há efeito suspensivo, havendo a interrupção do prazo para
interposição do outro recurso cabível para impugnar a decisão, para ambas as partes.

São opostos perante o órgão prolator da decisão embargada.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 106

Agravo interno

Se presta a impugnar decisão monocrática proferida por relator. Com a interposição do agravo,
provido ou não o recurso, a decisão monocrática se transformará em decisão colegiada (acórdão).

O prazo para interposição do agravo interno é de 15 dias.

Não há custas na maioria dos Estados e no âmbito da Justiça Federal.

Há efeito devolutivo, mas não há o efeito suspensivo.

O NCPC veda que o relator, ao julgar o agravo interno, apenas se limite a reproduzir os fundamentos
da decisão agravada.

Se o agravo interno for declarado inadmissível ou improcedente em votação unânime, deverá ser
imposta multa, em decisão fundamentada, entre 1% e 5% do valor atualizado da causa; a interposição de
qualquer outro recurso fica condicionado ao depósito prévio da multa – salvo para a Fazenda e beneficiário
da justiça gratuita, que recolherão a multa ao final do processo.

Recurso ordinário constitucional (ROC)

É apenas cabível de acórdão denegatório de ação constitucional (mandado de segurança, habeas


corpus, habeas data, mandado de injunção) originária de Tribunal.

O prazo para interposição do recurso ordinário é de 15 dias.

Há custas.

Há efeito devolutivo, mas não há efeito suspensivo.

Será interposto na origem e, após as contrarrazões, será remetido para o Tribunal de destino.

Independe de juízo de admissibilidade.

Competência:

o STJ: acórdão denegatório proferido nos TJs ou TRFs.


o STF: acórdão denegatório proferido por Tribunais Superiores.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 107

Recurso especial (REsp)

Cabe recurso especial de acórdão que violar legislação infraconstitucional ou quando Tribunais
diversos derem interpretação distinta a um mesmo dispositivo legal infraconstitucional.

Só cabe REsp quando esgotados os demais recursos.

Na hipótese de o acórdão violar, ao mesmo tempo, dispositivo do NCPC e da CF, serão cabíveis,
simultaneamente, recurso especial e recurso extraordinário. Porém, cada recurso atacará matérias distintas:
REsp, a violação à legislação infraconstitucional; RE, a violação à Constituição.

Prazo: 15 dias.

Há custas.

Além dos requisitos de admissibilidade usualmente existentes, o REsp tem também outros requisitos:

o Não se discute matéria fática.


o Prequestionamento: é a apreciação do artigo de lei pelo Tribunal a quo durante o julgamento do
acórdão recorrido, ou seja, é o debate, pelos julgadores de origem, dos dispositivos apontados como
violados no REsp.

Tratando-se de REsp fundado em dissídio jurisprudencial, este obrigatoriamente terá de ser instruído
com o acórdão paradigma (a decisão do outro Tribunal).

Há efeito devolutivo, mas não há, em regra, o efeito suspensivo. Entretanto, é possível que se tente
atribuir efeito suspensivo ao REsp, sendo que a petição requerendo tal efeito será dirigida:

o Ao STJ, no período compreendido entre a publicação da decisão de admissão do recurso e sua distribuição,
ficando o relator designado para seu exame prevento para julgá-lo.
o Ao relator no STJ, se já distribuído o recurso.
o O presidente ou ao vice-presidente do tribunal recorrido, no período compreendido entre a interposição do
recurso e a publicação da decisão de admissão do recurso, assim como no caso de o recurso ter sido
sobrestado, por força de recurso repetitivo.

É interposto no Tribunal de origem, o qual procederá a análise de admissibilidade.

Ao proceder à admissibilidade, existem diversas possibilidades ao desembargador que a realiza:

o Negar seguimento a recurso especial interposto contra acórdão que esteja em conformidade com
entendimento do STJ, proferido com base em julgamento de recursos repetitivos.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 108

o Encaminhar o processo ao órgão julgador para realização do juízo de retratação, se o acórdão recorrido
divergir do entendimento do STJ proferido com base em julgamento de recursos repetitivos.
o Sobrestar o recurso que versar sobre controvérsia de caráter repetitivo ainda não decidida pelo STJ.
o Selecionar o recurso como representativo de controvérsia, para que venha a ser julgado como repetitivo
pelo STJ.
o Proceder à admissibilidade do REsp, e, no caso de admissão, remeter o recurso ao STJ, desde que:
✓ O recurso ainda não tenha sido submetido ao regime de julgamento de recursos repetitivos;
✓ O recurso tenha sido selecionado como representativo da controvérsia; ou
✓ O tribunal recorrido tenha refutado o juízo de retratação.

Recurso extraordinário (RE)

Cabe recurso extraordinário de acórdão que violar a Constituição e de acórdão que julgar válida lei
local contestada em face de lei federal.

Só cabe RE quando esgotados os demais recursos.

Prazo: 15 dias.

Há custas.

Requisitos Específicos:

o Não se discute matéria fática.


o Necessidade de prequestionamento.
o Repercussão geral da questão constitucional (deve ser relevante não só para as partes, mas para a
sociedade como um todo).

Competência exclusiva do STF.

Repercussão geral presumida:

o Contrariar súmula ou jurisprudência dominante do STF.


o Tenha reconhecido a inconstitucionalidade de tratado ou de lei federal.

Há efeito devolutivo, mas não há, EM REGRA, o efeito suspensivo.


Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 109

Ao proceder à admissibilidade, existem diversas possibilidades ao desembargador que a realiza:

o Negar seguimento a RE que discuta questão à qual o STF não tenha reconhecido a existência de
repercussão geral, ou a RE interposto contra acórdão que esteja em conformidade com entendimento do
STF proferido no regime de repercussão geral, ou, ainda, a RE interposto contra acórdão que esteja em
conformidade com entendimento do STF proferido no julgamento de recursos repetitivos.
o Encaminhar o processo ao órgão julgador para realização do juízo de retratação, se o acórdão recorrido
divergir do entendimento do STF proferido nos regimes de repercussão geral ou de recursos repetitivos.
o Sobrestar o recurso que versar sobre controvérsia de caráter repetitivo ainda não decidida pelo STF.
o Selecionar o recurso como representativo de controvérsia constitucional, para julgamento como repetitivo.
o Proceder à admissibilidade do RE, e, no caso de admissão, remeter o recurso ao STF, desde que:
✓ O recurso ainda não tenha sido submetido ao regime de repercussão geral ou de recursos
repetitivos;
✓ O recurso tenha sido selecionado como representativo da controvérsia; ou
✓ O tribunal recorrido tenha refutado o juízo de retratação.

REsp e RE repetitivos

Se prestam a tutelar situações em que houver multiplicidade de recursos com fundamento em idêntica
questão de direito. Nesses casos, os recursos mais representativos serão afetados para julgamento como
repetitivo, ficando os demais suspensos.

O recurso repetitivo deverá ser julgado no prazo de 1 ano, não havendo qualquer consequência prevista
na lei no caso de descumprimento deste.

Agravo em recurso especial e em recurso extraordinário

Caberá o agravo para impugnar decisão do tribunal de origem que, por seu presidente ou vice-
presidente, inadmitir recurso extraordinário ou recurso especial, salvo quando fundada na aplicação de
entendimento firmado em regime de repercussão geral ou em julgamento de recursos repetitivos.

Prazo: 15 dias

Não há custas.

Há efeito devolutivo, mas não há o efeito suspensivo.

Será interposto no Tribunal de origem e, caso não haja retratação, os autos serão remetidos ao Tribunal
Superior. Se houver retratação, os autos serão remetidos para o Tribunal Superior, para apreciação do REsp
ou RE (e não do agravo).
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 110

Embargos de divergência

Utilizados no âmbito do STJ e STF quando o acórdão proferido no julgamento do REsp/RE divergir
do julgamento proferido por outro órgão colegiado do próprio Tribunal.

Cabimento: é embargável o acórdão de órgão fracionário que:

o Em recurso extraordinário ou em recurso especial, divergir do julgamento de qualquer outro órgão


do mesmo tribunal, sendo os acórdãos, embargado e paradigma, de mérito.
o Em recurso extraordinário ou em recurso especial, divergir do julgamento de qualquer outro órgão
do mesmo tribunal, sendo um acórdão de mérito e outro que não tenha conhecido do recurso,
embora tenha apreciado a controvérsia.

Prazo: 15 dias.

Há custas.

Há efeito devolutivo, mas não há efeito suspensivo.

A interposição do recurso no STJ interrompe o prazo para interposição do RE, por qualquer das partes.
Licensed to Carolina Ângelo Montolli - carolinamontolli@gmail.com - HP09016146398992 P á g i n a | 111

Resumo

Você também pode gostar