Você está na página 1de 52

Professoras:

Elrismar Auxiliadora Gomes Oliveira (UFAM)


Márdila Alves Bueno (SEDUC-AM) 1
Diferentes interpretações do céu

Astronomia Astronomia cultural

2
“Astronomia cultural tem significado tentativas de entendimento e de
tradução de como outras culturas, do passado ou do presente, se
relacionam com aquilo que no nosso recorte, ocidental, chamamos de
céu” (JAFELICE, 2013, p. 1).

3
Sumário
Astronomia nos primeiros anos escolares
• Século XIX – oitocentos brasileiro
• Documentos e livros didáticos;
• Século XX e XXI
• Documentos PCN e BNCC;
• Livros didáticos aprovados no PNLD.
• Astronomia cultural
• Documentos PCN, BNCC e RCNEI;
• Livros didáticos aprovados no PNLD;

4
Início do ensino público no Brasil
15 de outubro de 1827
Independência - 7 de setembro de 1822

Cinco anos depois......

Primeira Lei da Instrução pública brasileira

“Lei de 15 de outubro de 1827- Manda criar escolas de primeiras letras


em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos do Império.” 5
O que era a instrução primária no oitocentos brasileiro?

Leôncio
1ª Lei da Instrução Coutto Decisão de Benjamin
de
pública no Brasil Ferraz 18 de maio Constant
Carvalho
1827 1854 1879 1883 1890
Colônia República

não era Faixa etária 7 a 11 classe elementar:


seriada nas escolas anos não sabem ler
públicas:
5 a 15 anos
i) instrução
7 a 15 anos;
elementar ou
escolas de 1º 1) Escolas de1º grau - três cursos:
grau; elementar (7 a 9 anos), o médio (9 a
ii) Instrução 11 anos) e o superior (11 a 13 anos
superior ou 2) Escolas de 2º grau - 13 a 15 anos.
escolas do 2º
grau;

6
Brasil colonial - Astronomia nos primeiros anos escolares
Estudos ministrados pela Companhia de Jesus -
"Ratio Studiorum“

Curso "filosofia e ciências" – o conhecimento da


“esfera” - cosmografia

*Documento que estabelece a pedagogia dos jesuítas a partir de 467


regras que organizam todas as atividades do ensino.

7
Disciplinas Geografia e Astronomia eram parte do programa do
ensino superior em 1810, na Academia Real Militar e no ensino
secundário, em 1837, no primeiro programa do Colégio Pedro II

Sugestão
ENSINO DE ASTRONOMIA NO BRASIL – 1850 A 1951 – UM OLHAR PELO COLÉGIO PEDRO II

Yassuko Hosoume, Cristina Leite, Sandra Del Carlo (2010)

https://www.scielo.br/pdf/epec/v12n2/1983-2117-epec-12-02-00189.pdf
8
Brasil império

Brasil República

Astronomia nos primeiros anos escolares do império e república?

“seleção cultural escolar”


Forquin (1992); Goodson (1995) e Chervel (1990)
9
“Tradição inventada” - criação de estereótipos
Distinção entre o programa de ensino dos meninos e das meninas:
“Embora se ensinem aos meninos quebrados e decimaes, porém,
quanto ás meninas, acho sufficiente a nossa antiga regra: ler,
escrever e contar. […] A historia tem applaudido as Aspasias,
Cleopatras, lsabeis e Catharinas, mas são as raridades da especie;
todavia não foram famosas em moral. Modernamente tem
apparecido mulheres distintas na Mathematica. Torno a dizer, são
raridades da especie. Geometria pratica não será assás
comprehendida, ou pouco servirá á menina”
(Visconde de Caybu, Annaes do Senado do Império do Brazil, 1827, p. 276)

https://www.google.com/search?q=figura+menina+de+bone&tbm=isch&hl=pt-
BR&chips=q:figura+menina+de+bone,online_chips:desenhos+fofos:Gc1CYMsnZIk%3D,online_chips:cartoon:ZSIY4j6FtNc%3D&sa=X&ved=2ahUKE
wjvreeR-9PwAhUKr5UCHQ_2BIkQ4lYoDXoECAEQNA&biw=1079&bih=512 10
Astronomia não aparece explicitamente nos documentos da
corte

11
Decisão N. 4 de 9 de janeiro de 1882
Materias obrigatorias: A instrucção moral e religiosa, leitura, escripta, Noções de cousas, noções
essenciaes de grammatica, princípios elementares de arithimetica, systema legal de pesos e
mediadas, costura simples. Materias facultativas: noções de história e geographia do Brazil,
elementos de desenho linear, rudimentos de música com exercícios de solfejo e de canto,
exercícios de gynastica.

Decisão N. 4 do Ministério do Império de 9 de janeiro de 1882


Programa de Geografia do Brazil detalhado

Geographia do Brazil [...] fórma e dimensões da Terra; pontos cardeais; movimento da Terra e dos
mares; explicação dos termos geographicos applicados ás terras e ás aguas; paiz; nação;
governo e religião (p. 9).

BRASIL. Decisão N. 4 de 9 de janeiro de 1882. Coleção das Leis do Império do Brasil de 1821. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1883. Parte III,
p. 09. 12
Programa do Decreto 981 de 8 de novembro de 1890 - Reforma Benjamin Constant, detalhado
Classes
Escolas Cursos 1ª 2ª
de Elementar Geographia - Os pontos cardeaes. Determinar Revisão da geographia geral e sua amplificação
1º gráo os pontos onde nasce o sol e onde se põe. gradual: o globo terrestre, continentes e oceanos,
Indicar os pontos cardeaes em relação á sala principaes paizes do mundo.
da classe. [...] Idéa da terra, sua fórma,
extensão e suas grandes divisões.
Médio Geographia - Revisão do programma Geographia - Circulos e zonas da terra. Horizonte.
anterior. [...] Uso dos mappas e globos. Zenith. Nadir. Antipodes. Movimentos da terra e
Exercicios de cartographia. seus effeitos, explicados por meio de apparelhos.
Latitude e longitude estudadas praticamente no
globo.
Superior Noções de geografia – [...] Noções de Geographia – [...] Noções de cosmographia:
cosmographia - Descripção simples dos amplificação do programma precedente, noção das
astros princinpaes: sol, lua, estrellas, leis que regem o movimento dos astros; phases da
planetas e cometas. lua; eclipses. Systema geral do mundo. Explicação
do dia, da noite e das estações.
de As escolas de segundo grau são divididas em 3 classes, 1ª, 2ª e 3ª classes. Os temas da Astronomia
2º gráo não foram abordados nas duas primeiras classes. Na terceira classe, aparece somente um título
acompanhado de um intervalo de tempo, que se acredita ser o período dedicado a esse13 assunto:
“Noções de cosmographia: 2 horas.
“Genealogias enganosas” (JULIÁ, 2002, p. 44) “pensar que uma disciplina não é
ensinada porque não aparece nos programas escolares, ou porque não existem
cátedras oficialmente criadas sob esse nome”.

https://www.google.com/search?q=lupa&tbm=isch&ved=2ahUKEwjDupqx-9PwAhW3u5UCHefUBJQQ2-
cCegQIABAA&oq=lupa&gs_lcp=CgNpbWcQAzIECAAQQzIFCAAQsQMyBwgAELEDEEMyBQgAELEDMgUIABCxAzICCAAyAggAMgUIABCxAzICCAAyAggAOggIABCxAxCDAVChiT1YxpA9YOWUPW
gAcAB4AIABsQKIAZwJkgEFMi0yLjKYAQCgAQGqAQtnd3Mtd2l6LWltZ8ABAQ&sclient=img&ei=TxWkYIPXB7f31sQP56mToAk&bih=512&biw=1079&hl=pt-BR
14
Escola Normal de São Paulo – Caetano de Campos

15
Escola Normal de São Paulo – Caetano de Campos

A Geographia contemplada tambem com todas os seus pormenores, é


parte importante do curso. Tendo começado na sala da aula, no 1º gráo,
ella estendeu-se á rua, ao districto, á cidade, ao municipio, ao Estado, e
depois irá caminhando pela superfície de todo o mundo, acabando por
considerar o planeta em suas relações com o systema solar.
(Relatório do director da Escola Normal de São Paulo, 1891, p.18)

16
Programa de ensino - Decreto 248 de 1894 e Escola Modelo primária (Curso Preliminar 7-12 anos) no ano 1893
Ano/série Temas de Astronomia abordados em Geografia
1º Anno, (não aborda temas da Astronomia nesse ano)
1ª série
1º Anno, Geographia - [...]
2ª série Cosmographia - Pequenas observações sobre o sol, como fonte de luz e calor.
2º Anno, Geographia - Orientação: pontos cardeaes.
1ª série Cosmographia - Observações muito simples sobre o sol, terra, lua, estrellas, dia e noite.
2º Anno, Geographia - [...]
2ª série Cosmographia - As mesmas observações da 1ª serie, com indicações concretas para conhecer algumas estrellas.

Geographia - Orientação, pontos cardeaes e collateraes. Rosa dos ventos. Meios de


3º Anno, deteminal-os e reconhecer.
1ª série Cosmographia - As estrellas, o sol e os planetas, com indicações concretas para seu conhecimento e
conhecimento de algumas constellações.
3º Anno, Geographia - latitude de longitude
2ª série Cosmographia - A terra e a lua
4º Anno, Geographia - [...]
1ª série Cosmographia - Idéa geral do universo e de sua immensidade; o ceu, as estrellas, as constellações, a via lactea, as
nebulosas. O sol, os planetas, a terra, a lua os cometas.
4º Anno, Geographia - [...]
2ª série Cosmographia - Revisão completa dos estudos anteriores. (ensino concêntrico) 17
Programa das escolas Complementares - Decreto nº 400 de 1896
(não informa a idade, seria após concluir o curso preliminar)

Educação civica, portuguez e francez. Nocções de historia, geographia universal, historia e


geographia do Brazil, Arithmetica elementar e elementos de algebra até equações do 2.º
grau inclusive, Geometria plana e no espaço. Cosmographia. Noções de trigonometria e de
mechanica, visando suas aplicações ás machinas mais simples. Noções de physica e chimica
experimental e historia natural, especialmente em suas aplicações mais importantes á
industria e á agricultura. Noções de hygiene. Escripturação mercantil. Noções de economia
domestíca para as mulheres. Desenho a mão livre. Calligraphia. Exercicios militares,
gymnasticas e trabalhos manuaes apropriados á edade e ao sexo (artigo 9.º da lei n. 169,
artigo 13 da lei n. 88 e artigo 221 do regulamento de 27 de Novembro de 1893).

18
Programa das escolas Complementares detalhado - Decreto nº 400 de 1896
(não informa a idade, seria após concluir o curso preliminar)
Cosmographia
Movimento geral do ceu. A esphera celeste. Lei do movimento diurno. Dia sideral. Definições:
distancias angulares, eixo do mundo, polos, equador, circulos horarios, parallelos, vertical, plano
meridiano, merediana, zenith, nadir; horisonte, azimuth e amplitude. Altura e distancia zenithal.
Ascensão recta e sua medida. Declinação e sua medida. Instrumentos horarios e angulares usados em
astronomia. Aperfeiçoamento por que passaram. Determinação do plano meridiano e do eixo do
mundo com o theodolito. Verificação da lei do movimento diurno com o equatorial. Movimento
annual do sol. Definições: Ecliptica, equinocio solsticio, coluros, via solar, anno, tropico, zodiaco,
signaes do zodiaco. Obliquidade da eclipica. Longitude e latitude dos astros. Theoria elementar das
estações. Determinação dos equinocios. Altura merediana do sol. Forma da terra. Primeira medida.
Coordenadas geographicas. Medida da longitude e da latitude. Aspecto do céu em differentes
latitudes: esphera obliqua, recta e paralela. Rotação da terra. Provas. Medida da terra. Achatamento
nos polos. Comprimento do metro. Refracção atmospherica e parallaxes. Gnomo. Quadrantes solares.
Otimas. Crepusculo. Ventos. Systema de Ptolomeu, Copernico, Galileu. Movimento da terra em torno
do sol. Leis de Kepler. Precessão dos equinocios. A lua. Movimento da lua. Phases. Parallaxe da lua.
Grandeza. Distancia. Eclipses. Rapidas noções sobre os outros planetas de nosso systhema. Cometas.
Estrellas cadentes. Calendario. 19
Livros didáticos

A Exposição Pedagógica contou com várias sessões


para apresentação e análise de materiais de ensino,
entre eles livros didáticos da instrução primária.

Porém, quando o tema foi tratado no primeiro Congresso


de Instrução do Rio de Janeiro, em 1883, os professores
foram totalmente contra abolir o livro da sala de aula,
caracterizando-o com 'importantíssimo' papel na instrução
primária.

20
21
22
23
Ano Título Autor Formato Editora/ Cidade Localização
Bibliotecas
1836 Lições de Geographia Manual Emílio Achilles PDF Imprensa Nacional/ Universidade da Turíngia
Encyclopedico para Uso das Monteverde Lisboa (Alemanha)
Escolas de Instruccão Primaria

1865 Manual Encyclopedico para Uso Emílio Achilles Físico Imprensa Nacional/ Museu de Arte Sacra de
das Escolas de Instruccão Monteverde Lisboa São Paulo
Primaria
1952 Manual Enciclopédico para Emílio Aquilles Físico Lello & Irmão/ Porto LIVRES
Portugal e Brasil Monteverde
1838 Lições de Geographia Louis Edouard Camille PDF Casa de Vª. J.P. Aillaud, Biblioteca Nacional da
Gaultier Guillarde e Cª/Paris França
1872 Lições de Geographia Louis Edouard Camille Físico Casa de Vª. J.P. Aillaud, Acervo do autor
Gaultier Guillarde e Cª/Paris
1877 Lições de Geographia particular Luiza Candida de PDF e J. G. de Azevedo/RJ Biblioteca Nacional do Rio
do Brasil Oliveira Lopes micro de Janeiro
filme
1880 Compendio de Geographia Salvador Henrique de Físico Casa dos editores LIVRES
universal, especial do Brazil e Albuquerque proprietários Eduardo &
da provincia de Pernambuco Henrique Laemmert/RJ
1883 Noções de Geographia do Brasil Manoel José Pereira Físico Typografia Esperança de J. LIVRES
para uso da mocidade brasileira Frazão d’Aguiar &C./RJ
24
1884 Compendio de Geographia Jeronimo Sodre Pereira Físico Lopes da Silva Lima LIVRES
elementar, especialmente do & Amaral; Typ. Dous
Brazil Mundos/BA
1885 Lições elementares de E. Sá e Menezes Físico B. L. Garnier/RJ LIVRES
Geographia segundo o methodo
Gaultier
18[?] Pequena Geographia da Joaquim M. Lacerda PDF H. Garnier/ RJ e Paris UFRGS
Infância
1913 Pequena Geographia da Joaquim M. Lacerda Físico Francisco Alves/ RJ, BH Paris LIVRES
Infância e Lisboa
1928 Pequena Geographia da Joaquim M. Lacerda Físico Francisco Alves/ SP, LIVRES
Infância RJ e BH
1893 Geographia elementar Tancredo do Amaral Físico Teixeira e Irmão/SP FFLCH - USP
1907 Geographia elementar Tancredo do Amaral Físico Francisco Alves FFLCH - USP
1916 Geographia elementar Tancredo do Amaral Físico Francisco Alves/ SP,RJ, Paris LIVRES
e Lisboa
1884 Science Primers Astronomy J. N. Lockyer PDF Macmillan/ Londres Universidade de Toronto
1917 Astronomia J. N. Lockyer, tradução Físico Francisco Alves/SP e RJ LIVRES
de Carlos Jansen

25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
O autor

35
36
Dos dez livros analisados quatro deles trazem esses conceitos a partir do Universo como
criação divina e lugar de tudo que existe. A narrativa considerando o Universo obra de
criação aparece explicitamente, o autor divino é nomeado como Deus ou Criador.
37
38
39
Aspectos didático pedagógicos

40
Aspectos didático pedagógicos

41
Aspectos didático pedagógicos
DIA E NOITE
40. Tomemos uma laranja para representar a terra e
uma lampada para representar o sol; passemos um
arame pelo centro da laranja, e finquemol-o em uma
almofada: espetemos ainda na laranja um alfinete,
cuja cabeça represente um observador na superfície
da terra.

Daremos volta ao arame, communicando assim á laranja um movimento rotatório opposto em


direção ao movimento que seguem as agulhas de um relogio.
41. Há dous pontos na laranja – onde passa o arame, – que não se movem; chamam-se pólos,
o superior designaremos como pólo norte, o inferior como pólo sul; a linha que une os dous
pontos se chama eixo; o eixo é representado pelo arame. Tracemos um circulo no meio da
laranja: a igual distancia dos pólos. Esta linha se chama equador. O alfinete esteja perto desta
linha, e do lado exposto á luz da lampada, que representa o sol. Metade da laranja está
alumiada pela lampada, e para ella é dia; a outra metade fica na sombra; para ella é noite.
42
Documentos atuais
• De acordo com as DCN (2013), a educação básica brasileira é
composta pelas seguintes etapas: i) Educação Infantil, ii) Ensino
Fundamental de 9 anos e iii) Ensino Médio.
• Ensino Fundamental de 9 anos - duas fases:
• Anos Iniciais - 5 anos de duração: estudantes de 6 a 10 anos de idade;
(várias nomenclaturas: anos iniciais, séries iniciais, 1º e 2º ciclos,
ensino fundamental 1, ciclos iniciais, 1ª a 4ª Série, entre outros.)
• Anos Finais - 4 anos de duração: estudantes de 11 a 14 anos.

43
 RCNEI (educação infantil) (1998) indicam o ensino temas da Astronomia para a educação infantil.

 DCNEB (2013) fazem revisão das RCNEI, e os assuntos relativos à Astronomia não são mais
citados para a educação infantil nessa revisão. DCNEB (2013) não fazem nenhuma referência ao
ensino de Astronomia para os AI.

 PCN (2000): Ciências Naturais recomendam:


A grande variedade de conteúdos teóricos das disciplinas científicas, como a Astronomia, a Biologia,
a Física, as Geociências, e a Química, assim como dos conhecimentos tecnológicos, deve ser
considerada pelo professor em seu planejamento (BRASIL, 2000, p.41).
Porém, três páginas após....., ao tratar dos blocos temáticos, cita que: “o bloco Terra e Universo só
será destacado a partir do terceiro ciclo e não será abordado neste documento.” (Brasil, 2000, p.43).
• PCN (1998) : Ciências Naturais, terceiro e quarto ciclos: a escolha dos eixos temáticos dos AI
orientou-se pela análise dos currículos estaduais atualizados, realizada pela Fundação Carlos
Chagas e que:
“o eixo Terra e Universo está presente a partir do terceiro ciclo por motivos circunstanciais, ainda que
se entenda que esse eixo poderia estar presente nos dois primeiros ciclos” (Brasil, 1998, p.36).
Não traz recomendações de conteúdo e forma de abordagem. Considerando esses documentos, não
44
temos proposta curricular para o eixo Terra e Universo para AI.
Guias PNLD de Ciências AI dos últimos anos,
desde 2004 - critério de avaliação que indica
explicitamente a presença de temas de Astronomia
nos LD de ciências.

45
Livros didáticos (snea 2014)

46
Garantir aos estudantes o
direito de aprender um
conjunto fundamental de
conhecimentos e habilidades
comuns, nas escolas públicas
e privadas, urbanas e rurais de
todo o país.
Documento
obrigatório
(2017)

• Dez competências
gerais para a Educação
Básica e competências
específicas para cada
área de
conhecimentos;

47
BNCC os conhecimentos relativos ao componente curricular Ciências
Naturais foram organizados em três unidades temáticas

48
Categorias para apresentar temas da Astronomia na BNCC (anos iniciais)

49
50
“apenas entradas muito genéricas e vagas ou incompletas, ou
improcedentes, sobre ‘o tema’” (JAFELICE, 2016, p. 11).

51
Livros didáticos Cuidados
• ‘Povo primitivo’ - expressão colonialista, em desuso nas Ciências
Sociais e Humanidades

• Subentende, de forma equivocada, que existe o dualismo primitivo


versus civilizado.

• ‘Ancestrais’ ou nomear o povo ao qual se está fazendo referência.


• ASTRONOMIA CULTURAL E EDUCAÇÃO INTERCULTURAL - Jafelice
(2011)
• Apresentação romantizada.
52

Você também pode gostar