Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

CURSO: LICENCIATURA EM TURISMO


POLO: SAQUAREMA - RJ

OS DESAFIOS DO TURISMO DESDE OS PRIMÓRDIOS ATÉ A


ATUALIDADE
Felipe Sousa dos Santos
O presente artigo científico tem por objetivo central desmistificar a atividade turística.
Como funcionava? Quais os entraves? O que alavancou a modalidade? Por que entender a
dinâmica dos fatos?
Sem dúvida, o tema é de grande valia para a humanidade, uma vez que as viagens
fizeram, faz e sempre farão parte da história.
Não menos válido, é a relevância do tema em análise com vistas a ofertar-nos uma
visão de futuro no tocante as transformações do mundo pós-moderno.
Por fim, pode-se mapear o trabalho da seguinte maneira: 1.1) conceito de turismo?;
1.2) Evolução histórica no mundo e no Brasil?; e 1.3) A importância na atualidade?

Referencial Teórico

O tema proposto é composto de inúmeras conceituações, mas agora daremos voz a


autoridades no assunto no que diz respeito à definição Turismo, dinâmica dos fatos e sua
preponderância nos tempos atuais.

1.1 Definição
Conforme Mario Carlos Beni, o turismo pode ser definido da seguinte forma:

“A soma dos fenômenos e das relações resultantes da viagem e da permanência não-


residentes, na medida em que não leva a residência permanente e não está
relacionada a nenhuma atividade remuneratória.” (Livro: Fundamentos da Teoria de
Sistemas Aplicados ao Turismo 2001, Pag. 36).
1.2 Evolução histórica no Brasil e no mundo

No Brasil
Nessa toada, o nosso país foi morada de corte portuguesa em 1808 e possui um
arcabouço gigantesco, tanto para o turismo histórico quanto pela posição geográfica
privilegiada.
O brasileiro deve se orgulhar de onde vive e ver sob outro ponto de vista as
peculiaridades do país.
Além disso, o “complexo de vira-lata” precisa ser abolido, Temos belezas naturais
únicas. Antes de procurar destinos badalados tais como Paris, Amsterdã (Holanda) e Estados
Unidos incorre vislumbrar as maravilhas do território em questão.
Em suma, assim pode-se disparar o gatilho do desenvolvimento nacional e instigar o
sentimento de pertencimento em nós. Patriotismo é crucial, principalmente em meio a tantas
crises de ordem econômica, política, cultural e social.
O ministério do turismo relata em matéria de 30 de janeiro de 2018 o seguinte:
“Rankings, listas e premiações internacionais que mapeiam as tendências
de viagem do ano apontam que o interesse por turismo sustentável, ecoturismo,
natureza e sol e praia estão em alta e beneficiarão o Brasil.” (Ministério do Turismo,
2018, https://goo.gl/scb13b )
Segundo Rita Cruz (2002), a valorização do turismo no Brasil se dá a partir
da década de 1990, como resultado de diversos fatores: a crescente importância
econômica do setor de serviços no mundo, em que se insere o turismo; a
potencialidade turística do país; a disponibilização de capitais estrangeiros para
financiamento de projetos e a clara posição tanto do setor público quanto do privado
favoráveis ao desenvolvimento da atividade. Um marco dessa mudança é a Política
Nacional de Turismo, instituída durante o primeiro mandato de Fernando Henrique
Cardoso (1995-1998), assim como a criação do Ministério do Turismo, em 2003,
pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Aspecto mundial
De fato, desde a antiguidade o turismo existe.
Todavia, é notório ressaltar que se fossem realizados estudos e pesquisas em tempos
anteriores, em outras culturas e povos, além da greco-romana e da fenícia, seriam encontrados
antecedentes ainda mais remotos, chegando-se a "supor" que o ser humano sempre viajou,
seja em definitivo (processo migratório) ou temporariamente (processo de retorno) (LEAKEY
apud BADARÓ, 2003)
Não como agora. Antes foram as peregrinações religiosas, as guerras, as viagens
marítimas etc.
Com o advento da roda, do motor a gasolina e do avião tudo muda drasticamente. As
viagens que durariam dias, faz-se em horas.
Como exemplo, temos a ponte aérea Rio-São Paulo - de avião, 30 minutos; e por
meio terrestre, em média 8 horas -, que representa fluxo intenso,
O homem evoluiu e com ele vem a cabo a rapidez e turbilhão com que as mudanças
acontecem.
Portanto, é preciso olhar atentamente a questão por que diz respeito exclusivamente a
evolução da capacidade turística.
E, ademais, para rever conceitos e buscar a prática de um turismo seguro e
sustentável.
Com o propósito de guiar o estudo, segue abaixo uma visão do assunto

"Porém para caracterizar-se como um importante núcleo emissor, é


importante que a localidade disponha de outros fatores, além dos correlacionados
com a renda, com os de condição cultural e geográfica, No grupo de fatores
correlacionados com a renda, estão: o grau de escolaridade da população, nível de
urbanização, expectativa de vida, variável-síntese dos indicadores de
desenvolvimento etc. Entre os relativos a condições geográficas, estão a localização
geográfica e a acessibilidade determinando as possibilidades de bons resultados para
os núcleos. Quanto aos aspectos culturais, podem-se considerar a formação étnica.
religiosa, a origem dos povos, os hábitos de consumo, inclusive o idioma. (Rabahy,
2003)

1.3 Importância na atualidade


Diante disso, o efeito multiplicador enseja a geração de empregos e torna-se um
grande aliado para o crescimento socioeconômico.
Mas o que é efeito multiplicador?
Vejamos, de acordo com a OMT (Organização Mundial do Turismo), os setores
primário, secundário e terciário são diretamente impactados com o avanço do turismo por que
motiva os turistas a alocar recursos no destino visitado. Assim. cria-se a espiral ascendente
que impacta positivamente a economia local.
Considerações Finais
Podemos enxergar melhor a dialética dos fatos e, com certeza, entender o que significa
o turismo para a evolução histórica.
A começar pela antiguidade até o presente momento.
O raio-X da atividade se vale das relações interpessoais e troca de informações dos
órgãos responsáveis no intuito de incentivar o debate. Como fora antigamente. A sinergia é
fundamental.
A pergunte que nos cabe é: quais os rumos que o turismo deve seguir? E, para finalizar
o pensamento, qual a decisão mais acertada? Eis a questão,
Em virtude da demanda turística mundial, ou seja, no mundo globalizado em que
vivemos - denota salientar a relevância do assunto para que a OMT em comunhão com os
países-membros impulsione e reacenda cada vez o interesse e o despertar da curiosidade e
significado em relação ao desenvolvimento da área.
Aliás, unir esforços é tão necessário quanto estimular planos de ação em prol do bem
maior, as relações sociais e humanas para fazer valer o crescimento econômico mundial.
Cumpre cristalizar, principalmente, com enfoque nos principais países emissores e
receptores a multiplicidade de benefícios em jogo - aquecimento da economia, aproximação
entre países e indivíduos dentre outros -, objetivando a melhoria contínua e visão de futuro
perante os obstáculos, por ora existentes.
A pobreza mundial e diferença abissal em ricos e pobres é uma delas.
Assim sendo, o acesso à educação e salários dignos para os cidadãos também são
assuntos a serem tratados para facilitar o acesso as viagens.
Por conseguinte, as universidades em conjunto com as secretarias de turismo e
ministério assomados pela OMT devem trazer à tona a reflexão e todo o poderio dessa
ferramenta. Pressupõe cooperação e construção de pontes para o futuro em prol da
alavancagem do turismo mundial e, sem dúvida, evocar o olhar multidisciplinar envolto
(geografia, economia, sociologia etc) e propiciar o debate de pensadores da área, sobretudo
para desenhar um panorama para o enfrentamento de incoerências e dirimir distorções.
2018: Natureza é o principal atrativo de destinos - tendência no Brasil: banco de
dados. Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not
%C3%ADcias/10664-2018-natureza-%C3%A9-principal-atrativo-de-destinos-
tend%C3%AAncia-no-brasil.html> Acesso em: 28 fevereiro 2018

TADINE, Rodrigo Fonseca. Fundamentos do Turismo. v.1 / Rodrigo Fonseca


Tadini, Tania Melquiades. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2013. p.14.

TADINE, Rodrigo Fonseca. Fundamentos do Turismo. v.1 / Rodrigo Fonseca


Tadini, Tania Melquiades. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2013. p.19.

TADINE, Rodrigo Fonseca. Fundamentos do Turismo. v.1 / Rodrigo Fonseca


Tadini, Tania Melquiades. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2013. p.48.

Você também pode gostar