Você está na página 1de 8

2018 / 2019

Escola Secundária Engenheiro Acácio CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE MASSAGEM DE


Calazans Duarte ESTÉTICA E BEM ESTAR |10ºANO

SAÚDE E BEM ESTAR UFCD- 9134 – A CÉLULA: UNIDADE ESTRUTURAL E FUNCIONAL


AP1
NOME: N.º: T URMA:

ESTE DOCUMENTO SERVE DE BASE À REALIZAÇÃO DA AULA PRÁTICA DE SAÚDE E BEM ESTAR. NELE ENCONTRARÁ
FERRAMENTAS TEÓRICAS QUE O AUXILIARÃO NO MANUSEAMENTO DO MICROSCÓPIO ÓPTICO COMPOSTO (MOC),
BEM COMO INDICAÇÕES SOBRE TODAS AS OBSERVAÇÕES A REALIZAR.

Constituição e funcionamento do Microscópio Óptico Composto (MOC)

O conhecimento dos processos biológicos centra-se, em primeiro lugar, na unidade básica comum a todos
os seres vivos, a célula.
Há fundamentalmente dois aspectos que dificultam a observação das estruturas biológicas:

1. Pequenas dimensões das células e das suas estruturas


2. Transparência das estruturas celulares à luz visível

A descoberta da célula só foi possível após a construção de instrumentos capazes de minimizar estas
dificuldades – o microscópio óptico composto (MOC).
Nas aulas práticas de Biologia vai utilizar o MOC. Para uma correcta utilização terá de conhecer a sua
constituição e modo de funcionamento.

MOC

Parte Óptica Parte Mecânica

Sistema de Iluminação Sistema de Ampliação  Parafuso Micrométrico


 Parafuso Macrométrico
 Pé ou base
 Fonte iluminação  Objectivas  Braço
 Diafragma  Oculares  Pinças
 Condensador  Canhão
 Revólver
 Platina

1
1. Observe a figura 1 que representa o MOC. Faça a legenda dos números da figura.

1 _______________________
1
2 _______________________

2 3 _______________________

4 4 _______________________
3
5 _______________________
5
8
6 6 _______________________
13
7 _______________________
7
9 8 _______________________

10 9 _______________________

12 10 ______________________

11______________________

11 12______________________

13______________________
2. Complete o quadro, anotando a função ou a estrutura do MOC correspondente.

Peça do MOC Função



Braço
Tem adaptado o revólver e o sistema ocular
Platina
Permite movimentos de grande amplitude
Parafuso micrométrico
Fonte luminosa
Concentra os raios luminosos
Fornece uma imagem ampliada do objecto
Ocular
Diafragma
Peça portadora das objectivas

Cuidados a ter na utilização do MOC: sendo o MOC um instrumento delicado e dispendioso, há que ter
alguns cuidados no seu manuseamento.

Mantenha o MOC sempre limpo e protegido de todos os agentes prejudiciais à sua conservação e funcionamento
(poeiras, humidade, vapores de reagentes, etc)
2
 Transporte com cuidado a caixa do MOC, tendo previamente verificado se a porta se encontra fechada.
 Utilize sempre as duas mãos para o retirar da caixa e o transportar. Uma mão deverá ser colocada por debaixo da
base e, a outra, deverá segurar o braço.
 Ao colocá-lo sobre a mesa mantenha-o a alguma distância do seu bordo.
 As lentes exteriores do sistema ocular, objectivas e condensador, bem como o espelho, devem ser limpas
cuidadosamente, para não se riscarem. Recomenda-se o uso de papel especial de lentes, um pano fino e macio e/ou
uma camurça.
 Após a utilização, encaixar a objectiva de menor ampliação alinhada com a ocular.

Modo de utilização do MOC: siga as seguintes indicações:

 Coloque o MOC sobre a mesa um pouco à sua esquerda, se for dextro e, se for esquerdino, à sua direita. Do lado
contrário àquele em que posicionou o MOC deverá colocar folhas de papel e um lápis, para que possa esquematizar e
tomar notas sobre o que observa.
 Abra ao máximo o diafragma.
 Coloque em posição a objectiva de menor ampliação (que já devia estar em posição). Deve ouvir um “click”,
indicando que a objectiva se encontra posicionada.
 Coloque a preparação microscópica (constituída por lâmina, lamela, meio de montagem e material a observar) na
platina do MOC. Depois de a centrar, prenda-a com as pinças.
 Com a ajuda do parafuso macrométrico, eleve a platina de modo a focar a preparação.
 Feche lentamente o diafragma até obter uma boa iluminação. (Se necessário suba e desça o condensador para
melhorar a iluminação.)
 Rode o parafuso micrométrico de modo a tornar a imagem o mais nítida possível.
 Desloque a preparação lentamente de modo a focar o que realmente pretende observar.
 Sempre que altere a ampliação da objectiva, a foque a imagem utilizando apenas o parafuso micrométrico.
 Caso perca a imagem, retome a pequena ampliação e repita as operações descritas.

Após a utilização do MOC: o que fazer?

 Desça totalmente a platina e retire a preparação.


 Coloque a objectiva de menor ampliação no prolongamento do tubo.
 Se utilizou a objectiva de imersão (100x) deverá limpá-la cuidadosamente com xilol de modo a eliminar o óleo de
cedro que nela ficou acumulado. Se for caso disso, proceda de igual modo para limpar a preparação definitiva.
 Certifique-se que todo o MOC fica convenientemente limpo.
 Desligue a fonte de luz.
 Tape o MOC com a protecção de plástico e coloque-o na caixa correspondente.

AGORA QUE JÁ SABE COMO TRABALHAR COM O MOC, TORNA-SE CONVENIENTE QUE CONHEÇA ALGUMAS DAS
CARACTERÍSTICAS MAIS IMPORTANTES DAS IMAGENS OBTIDAS EM MICROSCOPIA.

Montagem da preparação:
 Deitar com um conta-gotas, uma gota de água (meio de montagem) no centro de uma lâmina limpa.
 Colocar sobre a gota de água o objeto a observar.
 Encostar a lamela, obliquamente à lâmina, de modo a perfazer um ângulo de 45 o.
 Deixar cair, lentamente, a lamela apoiada a uma agulha de dissecação.
 Retirar com papel de filtro o excesso de água.
 Fazer uma pequena pressão para eliminar as bolhas de ar que possam ter ficado.
 Observar ao MOC.

ATIVIDADE 1:
3
MATERIAL:
 Papel de filtro
 Papel de revista ou jornal
 Material de microscopia (agulha de dissecação, tesoura, bisturi, pinça, lâminas e lamelas)
 Água (meio de montagem)
 MOC

PROCEDIMENTO:
 Recorte a letra F de um pedaço de jornal ou revista e coloque-a numa lâmina.
 Deite uma gota de água sobre a letra.
 Cubra com uma lamela, utilizando a técnica adequada.
 Proceda à focagem, começando por utilizar a objectiva de menor ampliação.
 Faça dois esquemas da imagem observada em diferentes ampliações e compare-os com o objecto.
 Desloque a preparação em diferentes sentidos e registe o que observou.

(posição da letra F
na lâmina)

Ampliação esquema A: _____ Ampliação esquema B: ____

Figura 1 (esquemas A e B)

Nota: Ampliação = Ampliação da objectiva x Ampliação da ocular

ATIVIDADE 2: PROFUNDIDADE DE CAMPO DO MOC

MATERIAL:
 2 cabelos ou fios de lã de tonalidades diferentes
 Material de microscopia
4
 MOC

PROCEDIMENTO:
 Sobre uma lâmina cruze os cabelos ou fios.
 Observe ao MOC e foque, utilizando objectivas com diferentes poderes de ampliação.
 Compare o que observa em pequena, média e grande ampliação.

Resultado:

ATIVIDADE 3: PODER DE RESOLUÇÃO DO MOC/ LIMITE DE RESOLUÇÃO DO MOC


Defina “poder de resolução do MOC” e “Limite de resolução do MOC”. Explique de que forma estes conceitos se
relacionam com a ampliação utilizada.

ATIVIDADE 4: OBSERVAÇÃO AO MOC DE CÉLULAS DA EPIDERME DO BOLBO DA CEBOLA (Allium cepa)

MATERIAL:
 Material de microscopia
 MOC
 Água
 Papel de filtro
 Azul de metileno
 Vermelho neutro
 Água iodada
 Cebola

PROCEDIMENTO:
 Corte o bolbo da cebola em 4 partes e destaque uma das escamas.
 Com a ajuda da pinça e do bisturi retire parte da epiderme que recobre a face interna dessa escama.
 Monte o fragmento entre lâmina e lamela, usando a água como meio de montagem.
 Observe a preparação ao MOC, usando a objectiva de menor ampliação, seguida das restantes.
 Registe o que observar em média ampliação e legende a figura 2.

Nota: A legenda contém a descrição da figura seguida por baixo, ou ao lado da identificação das estruturas celulares,
numeradas ao lado do campo de visão com uma seta a apontar para o esquema.
Ex:Figura n.º?: Observação ao MOC de uma preparação temporária contendo células do ____, com uma ampliação
de ___x.

5
Figura 2:

 Repita os procedimentos anteriores, utilizando como meio de montagem o azul de metileno (figura 3).
 Registe as diferenças observadas.
 Repita os procedimentos anteriores, utilizando como meio de montagem o vermelho neutro (figura 4).
 Registe as diferenças observadas.
 Repita os procedimentos anteriores, utilizando como meio de montagem a água iodada (figura 5).
 Registe as diferenças observadas.

Tipo de Corante Função


Azul de metileno
Vermelho neutro
Água iodada

Figura 3 Figura 4 Figura 5

ATIVIDADE 5: OBSERVAÇÃO AO MOC DE CÉLULAS DO EPITÉLIO BUCAL

MATERIAL:
 Água  Material de microscopia
 Álcool  Espátulas
 Azul de metileno
 MOC
PROCEDIMENTO:
 Lave cuidadosamente a boca e raspe a face superior da língua nos dentes incisivos do maxilar superior, por
forma a retirar pequenos fragmentos de alimentos que esta possa, ainda, conter.

6
 Desinfecte o dedo indicador com álcool.
 Com a unha (em alternativa utilize a espátula), raspe levemente a face superior da língua.
 Coloque o produto recolhido numa lâmina contendo uma gota de água e cubra-a com a respectiva lamela.
 Observe ao MOC, começando por utilizar a objectiva de menor ampliação, seguida das restantes objectivas.
 Core o material introduzindo umas gotas de azul de metileno num dos bordos da lamela, que se deslocará em
consequência do efeito absorvente desencadeado pelo papel de filtro, colocado no lado oposto.
 Observe ao MOC e desenhe o que viu.

Figura 6:

1. Refira as características das imagens fornecidas pelo Microscópio ótico composto.

2.Na resposta a cada um dos itens de 2.1. a 2.3., seleciona a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Seleccione a alternativa que completa de forma correcta a afirmação.

2.1. O material biológico vivo recolhido das folhas da elódea e da epiderme da cebola permite-nos concluir que ...
(A) ... as células vegetais são eucarióticas e autotróficas, independentemente do local de recolha do material
biológico.
(B) ... as células que compõem a epiderme da cebola são eucarióticas heterotróficas .
(C) ... as células vegetais possuem os mesmos constituintes celulares, independentemente do local de recolha do
material biológico.
(D) ... as células vegetais são limitadas externamente pela estrutura celular responsável pelas trocas de substâncias
com o meio.

2.2. O principal objectivo da actividade experimental relativa à epiderme da cebola foi ...

(A) ... compreender a influência de diferentes corantes na visualização das estruturas celulares.
(B) ... identificar os constituintes celulares presentes em células vegetais.
(C) ... verificar os constituintes celulares que diferenciam uma célula vegetal de uma animal.
(D) ... verificar estruturas celulares em diferentes meios de montagem.

2.3. Com base nas actividades realizadas, qualquer célula vegetal distingue-se de uma célula animal devido à
presença de ...
(A) ... parede celular.
(B) ... parede celular e cloroplastos.
7
(C) ... vacúolos e cloroplastos.
(D) ... cloroplastos e mitocôndrias.

3. Comente a seguinte afirmação:


A presença de determinados constituintes celulares em todas as células observadas permite-nos comprovar o facto de
a célula ser a unidade básica da vida.

4. Explique por que motivo os corantes são vitais e selectivos.

Você também pode gostar