Você está na página 1de 4

APRESENTAÇÃO

O objetivo da obra “Geografia: reflexões e práticas” é difundir as discussões ligadas ao


ensino, a partir de artigos selecionados na área de Geografia das publicações do VII ENIEDUC -
Encontro Interdisciplinar de Educação, que teve como tema “Diversidade: desafios na prática
educacional”.
Esse evento aconteceu no mês de setembro de 2017, sendo ofertado bienalmente abrangendo
as temáticas relacionadas aos cursos de Licenciaturas da UNESPAR/ Campus de Campo Mourão
(Letras, Geografia, Matemática, Pedagogia e História). Seu objetivo, consiste em congregar
pesquisadores para a discussão e reflexão científico-acadêmica, assim como na divulgação de
resultados de pesquisas e de projetos de extensão desenvolvidos por pesquisadores e acadêmicos
das áreas de Linguística, Letras e Artes (Curso de Letras), Ciências Exatas e da Terra (Cursos de
Matemática e Geografia) e Ciências Humanas (Cursos de História e Pedagogia), por professores da
Educação Básica, participantes de grupos de pesquisa e alunos de pós-graduação lato e stricto
senso, proporcionando ambientes de convergência e fomento da interdisciplinaridade.
Desde o ano de 2007, as discussões atreladas ao ensino interdisciplinar e suas particularidades
acontecem de forma sistematizada no ENIEDUC. É evidente a importância da organização de um
livro que apresente os resultados das reflexões teóricas a partir das publicações dos anais desse
evento, já que contribui na difusão de conhecimentos, proporcionando o desenvolvimento
acadêmico, científico e profissional.
Essa primeira coletânea, reúne 12 artigos escolhidos para se pensar criticamente a prática de
hoje ou de ontem, oferecendo informações para melhorar o ensino e aprendizagem na área de
Geografia. As temáticas em discussão dos artigos, de forma geral, foram estruturadas a partir do
debate científico entre os professores dos colegiados envolvidos no ENIEDUC, sendo que na
organização dessa obra a principal preocupação foi a seleção de textos que ofereçam estudos
baseados nas realidades atuais
Embora a própria estrutura do livro tenha sido concebida a partir da interdisciplinaridade, isso
não se traduz, como uma forma de alimentar a discussão entre as áreas em busca da superação dos
limites disciplinares. Todavia, consiste num esforço de provocar um debate teórico, já que a
educação precisa cada vez mais de professores preparados para trabalhar o processo de ensino e
aprendizagem frente às problemáticas da vida contemporânea por meio de uma perspectiva crítica.
Nessa perspectiva, “o comportamento da coletividade científica é muito importante”, logo, se
traduz por ciências comprometidas com a realidade. Na produção de conhecimento “A coerência
científica, que deve ser o objetivo final da reflexão, não pode ser obtida de outra forma”. (SANTOS,
Milton. Por uma Geografia Nova, 2002, p. 24)
Tal procedimento, evidencia a necessidade de compreender que as instituições de formação de
professores têm o compromisso de propiciar aos seus estudantes, conhecimentos sistematizados
sobre o ensino. Esta tarefa é muito importante, por isso, a leitura dos textos selecionados, possibilita
informar aos alunos e professores em que direção o ensino, a aprendizagem e o desenvolvimento do
aluno estão ocorrendo; fornecendo indicadores sobre os limites do ensino e as dificuldades de
aprendizagem, bem como sobre as possibilidades de superá-los; capacitando sobre as necessidades
de mudança em cada um dos três âmbitos: ensino, aprendizagem e desenvolvimento, além de
orientar a continuidade dos trabalhos em sala de aula.
Em acordo com o livro “Escritos sobre educação e Geografia” de Élisée Reclus e Piotr
Kropotkin (2014) a reorganização da geografia deve ser produzida a partir do contato com outras
ciências, de forma a buscar espaços de liberdade do pensamento. O professor deve estar alerta já
que “para aprender, tratemos antes de compreender”, sendo a educação uma importante ferramenta
para a transformação da sociedade.
Contudo, recomenda-se a leitura desses textos, com a ambição de que essa coletânea de forma
particular, contribua a pensar criticamente a práxis geográfica. Conforme Milton Santos, no
processo de ensino/aprendizagem verificam-se muitas motivações para se produzir o novo já que
“Vivemos, agora, uma dessas fases onde a significação das coisas experimenta uma mudança
praticamente revolucionária”, portanto é necessário adquirir o máximo de instrumentalização, que
contribuam na criação de novos instrumentos de trabalho. (SANTOS, Milton. Por uma Geografia
Nova, 2002, p. 18).
Neste contexto, a presente obra apresenta 12 capítulos de professores, alunos e egressos do
Curso de Geografia e História, da Unespar - Campus Campo Mourão. Cada autor, expõe suas ideias
a partir das experiências vivenciadas no decorrer de sua caminhada na educação, deixando as
“pistas” necessárias para o desenvolvimento de novos estudos.
Os três primeiros capítulos abordam sobre o Ensino de Geografia, de forma clara, sucinta e
objetiva, elencando as ideias a partir dos fundamentos teóricos, descrevendo a prática em sala de
aula. Nessa parte, a vivência pessoal, exposta na análise das relações dialógicas exemplificam
encaminhamentos metodológicos que demonstram os “truques” para atrair a atenção dos discentes,
rediscutindo as relações políticas e pedagógicas da geografia enquanto ciência. Nas palavras de
Nestor André Kaercher (Ensino de geografia: novos olhares e práticas, 2011, p. 8) “A escola, a
educação pode muito pouco, mas este pouco não é nada desprezível. E cada autor, propõe à sua
maneira, com sua linguagem, que alarguemos nossas visões de mundo e, sem muita modéstia,
tentemos fazer o mesmo com nosso alunado”.
No primeiro capítulo, os autores apresentam uma discussão sobre a Lei nº 13.415, de forma a
se compreender a reforma do ensino médio e o posicionamento dos professores diante das
modificações aprovadas na legislação brasileira. O Segundo capítulo, analisa a importância da
interdisciplinaridade no ensino de Geografia e História, visto que a evolução dessas ciências se
conecta a partir da análise categórica de espaço e tempo, sendo o professor a peça fundamental para
a construção do conhecimento científico. Já o terceiro capítulo, inclui as temáticas fontes de
energias alternativas e consumo de energia elétrica com estudantes do ensino médio.
Na segunda parte, se analisa a cartografia no contexto da Geografia, já que a análise da
organização espacial se materializa em sua representação cartográfica, sendo o espaço
contemporâneo um híbrido multidimensional que deve ser compreendido por meio da análise
geográfica dos mapas (SANTOS, Milton. A natureza do espaço, técnica e tempo: razão e emoção,
2008). Apresentar as técnicas cartográficas, a partir da experiência docente é de extrema relevância
científica para o processo de ensino-aprendizagem.
Pensando na importância da cartografia como ferramenta fundamental para o ensino,
selecionamos três capítulos sobre Cartografia e Geografia. O Primeiro, introduz a cartografia como
subsídio ao planejamento territorial, contextualizando o processo de representação espacial como
suporte para o desenvolvimento social. O segundo, trata da cartografia temática e sua
representatividade na elaboração de mapas sobre os refugiados sírios e o terceiro apresenta o
desenho como linguagem no ensino de Geografia.
A terceira parte, trata dos aspectos que envolvem a organização do espaço rural e sua estrita
relação com o ensino de Geografia Agrária. A questão problema que se coloca no ensino do espaço
agrário é que nos dias atuais a sociedade está comandada pelo processo de urbanização, criando um
desconhecimento sobre a organização do campo e a guerra que permeia a questão agrária brasileira.
No processo de ensino/aprendizagem na desmistificação da guerra existente no campo e no
entendimento da organização do espaço agrário, nessa obra apresenta-se três capítulos. O primeiro,
apresenta as perspectivas sobre o espaço agrário da COMCAM, abrangendo uma análise
particularizada no entendimento do campo dos munícipios que fazem parte dessa região,
aproximando ensino, extensão e pesquisa. No segundo, a temática discutida é o desenvolvimento do
turismo regional por meio da utilização de um caminho histórico “O Peabiru”, com destaque a sua
importância no resgate das memórias regionais. E, o terceiro capítulo, ilustra aspectos sobre a
pluriatividade rural, desenvolvida no município de Campo Mourão.
Para finalizar, a obra três capítulos foram agrupados na quarta parte, com a temática
ambiental. O primeiro, foi redigido caracterizando o uso da terra agrícola do município de Moreira
Sales – PR, no segundo semestre de 2017. Já o segundo, apresenta uma análise sobre as diretrizes
que norteiam o processo de Manejo de resíduos sólidos urbanos e nos dados sobre a coleta seletiva
formal na região central de Campo Mourão - PR . Por último, o terceiro capítulo contextualiza sobre
a história dos resíduos sólidos, apresentando informações sobre a coleta seletiva em Campo
Mourão/PR.
Assim essa obra é bem-vinda para todos aqueles que acreditam na educação. E, sem dúvida
alguma, os pressupostos apresentados indicam que os geógrafos, juntamente com os outros
cientistas devem pensar a coletividade científica no contexto contemporâneo.

Gisele Ramos Onofre


Membro da Comissão Organizadora ENIEDUC.
Professora do Colegiado de Geografia, Unespar – Campo Mourão, 2018.

Você também pode gostar