Você está na página 1de 2

Tópicos em História da Música - [Fichamento]

História Social da Música, HERY RAYNOR

Eduardo Costa Ribeiro, nº USP 6438170

Tópicos em História da música - A


difusão da Polifonia do Norte
Conforme o autor salienta, o século XIV é marcado pelo Grande Cisma dentro da Igreja,
onde a presença de dois Papas — um em Roma e outro em Avinhão, França — fez com que
se fortalecessem as práticas musicais dentro de novas formas e novos estilos, ainda
estritamente vocais, mais ligados ao fazer musical de trovadores e trovistas dentro do rito
litúrgico, sob a égide do Papa Clemente V, em Avinhão. Mesmo não sendo algo bem quisto,
esse "novo estilo polifônico", passou a integrar os ritos extraordinários da liturgia em
festividades e afins (p. 48; p.49):

O desenvolvimento da civilização urbana no Norte ensejara a criação de grandes


corais bem preparados e inteiramente familiarizados com o novo estilo polifônico
que prosseguira não obstante as objeções de João XXII. (p. 50)

Um novo momento na música da Igreja passa a se estabelecer na Itália. "A liberdade de


experimentação em música decorreu originalmente da evolução não historiada da música e
danças seculares" a partir da assimilação dos aspectos sócio-políticos e artísticos dos países
do Norte —

O progresso dos coros do Norte, e o número de músicos altamente qualificados


que eles preparavam, significavam um excedente vindo do Norte, o qual levava
consigo o estilo mais intrincado que lá se desenvolvera. (p. 54)

—, países de origem dos novos músicos e cantores que compunham desde então o corpo dos
serviços litúrgicos que desde o século. XIII já caminhavam para serem "países não
dependentes de recursos naturais mas no volume do comércio" (p. 51):

O grande progresso na vida urbana nos séculos XII e XII criou o desejo de música
com também de instituições que podiam ampará-las. (...) Os fatos econômicos
podem não ter efeito imediato nas artes, mas criam condições que as artes podem
utilizar como trampolim. (p. 52)
O autor elucida que esse desenvolvimento artístico deu-se então através da crescente
internacionalização do comércio europeu, mas "Acrescenta-se ainda que a influência não era
unilateral. pois a Itália exercia também efeito sobre os imigrantes" (p. 55). O senso estético
oriundo de países como Inglaterra e atual Holanda, por exemplo, eram então disseminados
na Itália, e vice-versa, por coletâneas de obras manuscritas — que eram de fato encontradas
por toda a parte da Europa —, além é claro da "natureza ambulante do emprego palaciano,
que do século XIV em diante se tornou uma alternativa ao serviço da Igreja para músicos
preparados" (p. 54).

Você também pode gostar