Você está na página 1de 4

SEMINÁRIO DIOCESANO DE SANTO ANDRÉ

CASA DE FORMAÇÃO FILOSÓFICA

CÂNTICOS PARA O MÊS VOCACIONAL


Que ninguém se queixe ao fim do dia:
"Ninguém me chamou a trabalhar".
Mestre onde moras
(Gustavo Balbinoti/Osmar Coppi)
O Senhor me chamou a trabalhar
(Luis C. Susin)
1. No meu coração sinto o chamado,
fico inquieto: preciso responder.
Então pergunto: "Mestre, onde moras?" 1. O senhor me chamou a trabalhar, a messe
E me respondes que preciso caminhar. é grande ceifar. a ceifar, o senhor me
Seguindo teus passos, fazendo a história, chamou, senhor, aqui estou! senhor aqui
construindo o novo no meio do povo.
estou!
Seguindo teus passos, fazendo a história,
construindo o novo no meio do povo. Vai trabalhar pelo mundo afora! eu estarei
até o fim contigo! está na hora, o senhor
Mestre, onde moras? Mestre onde estás? me chamou. senhor, aqui estou! senhor,
No meio do povo. Vem e verás. aqui estou!
No meio do povo. Vem e verás! 2. Dom de amor é a vida entregar, falou jesus
e assim o fez. dom de amor é a vida
2. Te vejo em cada rosto das pessoas, entregar, chegou a minha vez! chegou a
tua imagem me anima e faz viver. minha vez!
No coração amigo que se doa,
no sonho do teu Reino acontecer. O Senhor necessitou de braços
Teu Reino é justiça, é paz, é missão, (Pe. Galvão)
é a boa nova da libertação! O Senhor necessitou de braços,
Teu Reino é justiça, é paz, é missão, para ajudar a ceifar a messe.
é a boa nova da libertação! E eu ouvi seus apelos de amor,
então respondi: "Aqui estou, aqui estou!"
Venham trabalhar na minha vinha
(Dom Pedro Guimarães Brito) 1. Eu vim para dizer que eu quero te seguir,
eu quero viver com muito amor o que
1. "Venham trabalhar na minha vinha", aprendi.
dilatar meu reino entre as nações.
Convidar meu povo ao banquete. 2. Eu vim para dizer que eu quero te ajudar,
Quero habitar nos corações. eu quero assumir a tua cruz e carregar.

Unidos pela força da oração, 3. Eu vim para dizer que eu vou profetizar,
ungidos pelo espírito da missão, eu quero ouvir a tua voz e propagar.
vamos juntos construir
uma Igreja em ação. 4. Eu vim para dizer que eu vou te
acompanhar,
e com meus irmãos um mundo novo edificar.
2. "Venham trabalhar na minha vinha",
espalhar na terra o meu amor.
O profeta
Muitos não conhecem a Boa Nova,
vivem como ovelhas sem pastor. (D.R)
Antes que eu te formasse dentro do ventre
3. "Venham trabalhar na minha vinha",
de tua mãe,
com fervor meu nome proclamar.
Antes que tu nascesses, te conhecia e te
consagrei.
Para ser meu profeta entre as nações eu te para mudá-la em missão.
escolhi,
Onde te envio irás o que te mando 2. Muitos cachos de uva se tornaram vinho,
proclamarás! hoje são teu sangue, força no caminho;
muitos cachos de uva se tornaram vinho.
Tenho que gritar, tenho que arriscar,
3. Muitas são as vidas, feitas vocação,
Ai de mim se não o faço!
hoje oferecidas em consagração;
Como escapar de ti, como calar,
muitas são as vidas, feitas vocação.
Se tua voz arde em meu peito?
Tenho que andar, tenho que lutar, Os grãos que formam a espiga
Ai de mim se não o faço! (Frei Luiz Turra)
Como escapar de ti, como calar, 1. Os grãos que formam a espiga
Se tua voz arde em meu peito? se unem pra serem pão; 
os homens que são Igreja
Não temas arriscar-te, porque contigo eu se unem pela oblação.
estarei,
Não temas anunciar-me, por tua boca eu Diante do altar, Senhor
falarei. entendo minha vocação. 
hoje te dou meu povo vai arrancar e demolir, Devo sacrificar 
Para edificar, construirás e plantarás! vida por meu irmão.

OFERENDAS 2. O grão caído na terra


só vive se vai morrer. 
Os dons que trago aqui É dando que se recebe,
(Pe. Lucas de P. Almeida) morrendo se vai viver.
1. Os dons que trago aqui 
são o que fiz, o que vivi.  Minha Vida Tem Sentido
O pão que ofertarei,  (Padre Zezinho)
pouco depois comungarei. 1.Minha vida tem sentido, cada vez que eu
Assim tudo o que é meu, venho aqui,
sinto também que é de Deus. E te faço o meu pedido de não me esquecer
de ti.
Esforço, trabalhos e sonhos, Meu amor é como este pão, que era trigo,
o amor concreto e feliz deste dia. Que alguém plantou depois colheu,
Por Cristo, com Cristo e em Cristo, E depois tornou-se salvação,e deu mais vida
tudo ofertamos ao Pai na alegria. E alimentou o povo meu.

2. Jesus nos quis chamar


Eu te ofereço este pão,
para O seguir e ajudar.
Eu te ofereço meu amor.
E aqui nos vai dizer
Eu te ofereço este pão,
como servir e oferecer.
Eu te ofereço meu amor.
Deus pôs nas minhas mãos
para eu partir com meus irmãos.
2.Minha vida tem sentido, cada vez que eu
Muitos grãos de trigo venho aqui,
(José Acacio de Santana) E te faço o meu pedido de não me esquecer
1. Muitos grãos de trigo se tornaram pão, de ti.
hoje são teu corpo, ceia e comunhão; Meu amor é como este vinho,que era fruto,
muitos grãos de trigo se tornaram pão. Que alguém plantou, depois colheu;
E depois encheu-se de carinho,
Toma, Senhor, nossa vida em ação E deu mais vida, e saciou o povo meu.
para mudá-la em fruto e missão.
Toma, Senhor, nossa vida em ação
Faz-nos seguir teu caminho
COMUNHÃO Sempre trilhar tua estrada
Há um barco esquecido na praia Desamarrem as sandálias e descansem
(Pe. Zezinho) Este chão é terra santa, irmãos meus
1.Há um barco esquecido na praia Venham, orem, comam, cantem
Já não leva ninguém a pescar Venham todos
É o barco de André e de Pedro E renovem a esperança no Senhor
2.Que partiram pra não mais voltar
Quantas vezes partiram seguros
Enfrentando os perigos do mar O filho de Deus com o Pai
Era chuva, era noite, era escuro E o Espírito Santo
Mas os dois precisavam pescar Nesta trindade um só ser
Que pede a nós sermos santos
3.De repente aparece Jesus
Pouco a pouco se acende uma luz
É preciso pescar diferente Dai-nos, Jesus, teu poder
Que o povo já sente que o tempo chegou De se doar sem medidas
E partiram sem mesmo pensar Deixa que compreendamos
Nos perigos de profetizar
Há um barco esquecido na praia Que este é o sentido da vida
Um barco esquecido na praia
Um barco esquecido na praia Desamarrem as sandálias e descansem
Este chão é terra santa, irmãos meus
A barca Venham, orem, comam, cantem
(Pe. Zezinho)
1.Tu te abeiraste da praia Venham todos
Não buscaste nem sábios nem ricos E renovem a esperança no Senhor
Somente queres que eu te siga
Senhor, Tu me olhaste nos olhos Leite e mel
A sorrir, pronunciaste meu nome (Casimiro Vidal)
Lá na praia, eu larguei o meu barco Todo aquele que comer do meu corpo que é
Junto a Ti, buscarei outro mar doado
2.Tu sabes bem que em meu barco Todo aquele que beber do meu sangue
Eu não tenho nem ouro nem espadas derramado
Somente redes e o meu trabalho E crê nas minhas palavras que são plenas de
3.Tu, minhas mãos solicitas vida
Meu cansaço que a outros descanse Nunca mais sentirá fome e nem sede em sua
Amor que almejas, seguir amando lida
4.Tu, pescador de outros lagos
Ânsia eterna de almas que esperam Eis que sou o Pão da Vida
Bondoso amigo que assim me chamas Eis que sou o Pão do céu
Faço-me vossa comida
Desamarrem as sandálias Eu sou mais que leite e mel
(Renato Carlos Aguiar)
Ao recebermos, Senhor O meu Corpo e meu Sangue são sublimes
Tua presença sagrada alimentos
Pra confirmar teu amor Do fraco indigente é vigor, do faminto é o
Faz de nós Tua morada sustento
Surge um sincero louvor Do aflito é consolo, do enfermo é a unção
Brota a semente plantada Do pequeno e excluído, rocha viva e
proteção

Você também pode gostar