Você está na página 1de 24

Linguagem de Programação C

Módulo I

Osvaldo Novais Junior


Adolfo José G. S. Baudson
Francisco César R. de Araújo
Apresentação dos Ícones

Os ícones são elementos gráficos para facilitar os estudos, fique atento


quando eles aparecem no texto. Veja aqui o seu significado:

Atenção: indica pontos de maior importância


no texto.

Dica do professor: novas informações ou


curiosidades relacionadas ao tema em estudo.

Atividade: sugestão de tarefas e atividades


para o desenvolvimento da aprendizagem.

Mídia digital: sugestão de recursos


audiovisuais para enriquecer a aprendizagem.
Sumário

Aula 1 – Introdução ......................................................................................... 2


1.1. Conceitos iniciais ................................................................................. 2
1.1.1. Definição de linguagem de programação ............................................. 2
1.1.2. Tipos de linguagem de programação ................................................... 2
1.1.3. Tipos de paradigma de programação ................................................... 3
1.1.4. Interpretação e compilação .................................................................. 3
1.2. A linguagem de programação C ........................................................... 3
1.2.1. Características da linguagem C ........................................................... 4
1.2.2. Estrutura de um programa em C .......................................................... 4
1.2.3. Identificadores ...................................................................................... 4
1.2.4. Palavras reservadas............................................................................. 5
1.2.5. Variáveis .............................................................................................. 5
1.2.6. Constantes (const e define).................................................................. 6
1.2.7. Operadores .......................................................................................... 6
1.3. Ambientes Integrados de Desenvolvimento em Linguagem C ............. 7
1.3.1. Laboratório Virtual de Programação – LVP .......................................... 8
Aula 2 – Entrada / Saída ............................................................................... 16
2.1. Comando de Saída: printf() ................................................................ 16
2.2. Comando de entrada: scanf() ............................................................. 17
Exercícios...................................................................................................... 18
Referências ................................................................................................... 19
Aula 1 – Introdução

Objetivos
Nesta semana, introduziremos os conceitos básicos
relacionados à Linguagem C e aprenderemos sobre os
Ambientes Integrados de Desenvolvimento (IDE) e
o Laboratório Virtual de Programação – LVP, onde
aplicaremos os conhecimentos adquiridos na solução dos
problemas propostos.

Mídia digital: Antes de iniciar os estudos, vá até a sala


virtual e assista ao vídeo “Apresentação do curso”.

1.1. Conceitos iniciais

1.1.1. Definição de linguagem de programação

Conjunto de símbolos e regras de sintaxe que permitem a construção de sentenças


que descrevem de forma precisa ações compreensíveis e executáveis para o computador
(UFRJ, 2014).
Uma linguagem de programação é um método padronizado para comunicar
instruções para um computador.
É um conjunto de regras sintáticas e semânticas usadas para definir um programa
de computador (WIKIPÉDIA, 2014).
Atenção: O conjunto de palavras (instruções),
composto de acordo com essas regras, constitui
o código fonte de um software. Esse código fonte é
depois traduzido para código objeto (ou código de
máquina), que é executado pelo processador.

1.1.2. Tipos de linguagem de programação

 Linguagem de máquina: única entendida pelo computador - específica de


cada máquina (UFRJ, 2014).
 Linguagem de baixo nível: utiliza instruções do processador. Ex.: Assembly
 Linguagem de alto nível: utiliza instruções próximas da linguagem humana
de forma a facilitar o entendimento (UFRJ, 2014). Ex.: PASCAL, JAVA,
COBOL etc.
Atenção: A linguagem C é considerada de médio nível
porque combina elementos de linguagem de alto nível
com funcionalidades da linguagem Assembly
(Assembler).

1.1.3. Tipos de paradigma de programação

Um paradigma é a representação de um modelo a ser seguido. Os principais


paradigmas de programação são:
 Paradigma estruturado: quebrar o problema complexo em pequenas partes
tornando-o mais simples. O programador analisa o problema tentando relacionar as
ações que deverão ser executadas e como poderão ser divididos os módulos.
 Paradigma orientado a objeto: compreende o problema como uma coleção de
objetos interagindo entre si.

A Programação Orientada a Objetos (POO) é um paradigma de análise, projeto e


programação de sistemas de software baseado na composição e interação entre diversas
unidades de software chamadas de objetos. O extensivo uso de objetos, particularmente
em conjunção com o mecanismo de herança, caracteriza o estilo de programação
orientada a objetos (WIKIPÉDIA, 2014).

1.1.4. Interpretação e compilação

Segundo LEITE (2013) tem-se:


 Interpretação: “é feita a leitura/tradução/execução de cada linha do programa
fonte”.
 Compilação: “após verificação e checagem da sintaxe, é gerado um código em
linguagem de máquina a partir da tradução integral do programa-fonte”.

1.2. A linguagem de programação C

C é uma linguagem de programação compilada, procedural, padronizada pela ISO*,


criada em 1972, desenvolvida por Dennis Ritchie, nos EUA, para desenvolver o sistema
operacional Unix (que foi originalmente escrito em Assembly). Oriunda da linguagem B que
por sua vez foi um aprimoramento da linguagem BCPL - Linguagem de Programação
Básica Combinada (LEITE, 2013).
*ISO é a sigla de International Organization for Standardization, ou Organização Internacional para Padronização,
em português. A ISO é uma entidade de padronização e normatização, e foi criada em Genebra, na Suiça, em 1947
(http://www.significados.com.br/iso/)
1.2.1. Características da linguagem C

 A linguagem C é estruturada;
 Possui propósito geral, ou seja, pode ser utilizada em qualquer área do
conhecimento;
 Imperativa**
** é um paradigma de programação que descreve a computação como ações, enunciados ou comandos que
mudam o estado (variáveis) de um programa (WIKIPÉDIA, 2014).

1.2.2. Estrutura de um programa em C

#include <nome_da_biblioteca>
int main ( )
{
bloco de comandos;
return (0);
}

Atenção: A linguagem C é case-sensitive, isto é, há


diferenças entre letras maiúsculas e minúsculas.
Portanto, cuidado ao escrever seu código fonte.

1.2.3. Identificadores

Servem para identificar variáveis e constantes. Normalmente o identificador começa


com uma letra, embora possa utilizar o sublinhado (_). Evite utilizá-lo, pois este tipo de
identificadores é de uso do sistema. Utilize letras e números na composição do
identificador.

Ex.: soma, x, x2, media, soma1.

Atenção: Um identificador não pode ter como nome


uma palavra reservada da linguagem ou o mesmo
nome de uma função criada pelo programador.
1.2.4. Palavras reservadas

Essas palavras não podem ser utilizadas como identificadores, isto é, nomes de
variáveis ou de constantes, pois são palavras reservadas do ANSI C:

auto, break, case, char, const, continue, default, do, Double, else, enum, extern, float,
for, goto, if, int, long, register, return, short, signed, sizeof, static, struct, switch,
typedef, union, unsigned, void, volatile, while.

1.2.5. Variáveis

Servem para armazenar informações e podem ser modificadas ao longo do


programa.

Dica do Professor: utilize letras minúsculas e escreva


as variáveis em português sem acentuação.

 Tipos básicos:

Os dados são representados pelas informações a serem processadas por um


computador e um tipo de dados especifica as características, ou seja, os valores e
operações possíveis de serem utilizados com um dado desse tipo.

Tipo Tamanho (em bits) Intervalo


char 8 -128 a 127
int 16 -32768 a 32767
float 32 3,4E-38 a 3,4E+38
double 64 1,7E-308 a 1,7E+308
void 0 sem valor

 Declaração e inicialização:

Em C, as variáveis devem ser declaradas informando o seu tipo antes de serem


usadas.

Ex.: float media;


int valor;
char a = ’x’; /* declara e atribui o caractere x à variável a */
double d1, d2, k, z;
1.2.6. Constantes (const e define)

São valores que não se modificam durante todo o programa. Para se criar uma
constante, utiliza-se o #define ou o comando const. Ambos serão vistos novamente mais
à frente.

Ex.: #define PI 3.1415


const float DOLAR = 5.49

1.2.7. Operadores

Em programação os operadores são utilizados para “operar” ou “manipular” dados


(constantes ou variáveis) e são representados por um símbolo (um ou mais caracteres). Os
principais operadores na linguagem C são:

 Atribuição de valores:

O operador = (sinal de igual) atribui um valor ou resultado de uma expressão que


está a direita dele para a variável que se encontra a sua esquerda.

Ex.: a = 10;
b = c * valor;

 Operadores aritméticos:

Operam em expressões numéricas, resultando em valores também numéricos.

Operador Ação
+ Soma
- Subtração
* Multiplicação
/ Divisão
% Módulo de divisão (resto da divisão inteira)
- Sinal negativo (operador unário)

Ex.: x = 2; y = 7;
z = y % x;
(z receberá o resto da divisão inteira de y por x. O resultado é 1)
 Operadores lógicos

Operam em expressões que resultam em valores lógicos TRUE ou FALSE.

Operador Descrição Significado


&& conjunção e
|| disjunção ou
! negação não

 Operadores relacionais

Operam em expressões lógicas, ou seja, expressões que resultam em valores


lógicos TRUE ou FALSE.

Operador Ação
> (maior) > (maior)
>= (maior e igual) >= (maior e igual)
< (menor) < (menor)
<= (menor ou igual) <= (menor ou igual)
== (igual) == (igual)
!= (diferente) != (diferente)

Atividade: Vá agora até a sala virtual e responda o


“questionário 1: Introdução da linguagem C”
(Conceitos iniciais sobre a Linguagem C, Estrutura de
um Programa em C, Identificadores, Palavras
reservadas, Variáveis, Constantes e Operadores

1.3. Ambientes Integrados de Desenvolvimento em Linguagem C

Um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) é um aplicativo composto por um


conjunto de ferramentas que fornecem de forma integrada diversos recursos aos
programadores durante o desenvolvimento de um programa.
 Editor de código-fonte do programa: é um editor de texto usado para a edição do
arquivo de código fonte do programa em uma linguagem de programação, no nosso
caso a Linguagem C. Um bom editor deve ser capaz de indicar erros no código fonte
do programa na Linguagem C antes mesmo que seja realizada a próxima etapa
chamada compilação.
 Compilador: é a ferramenta que realiza a compilação do código fonte, ou seja,
transforma o código fonte criado no editor de texto em um código objeto (código
binário de máquina).
 Linker ou linkeditor: liga o código objeto às bibliotecas e transforma tudo isso em
um único programa executável.
 Loader ou carregador: carrega o programa executável na memória para que a CPU
execute o programa.
 Depurador: é a ferramenta que ajuda o programador a verificar e corrigir erros nos
programas (Bugs).

Dica do Professor: Recomendamos a instalação e uso


do Dev-C++ (Windows) ou do Codeblocks (Linux, Mac,
Windows), pois os mesmos são indicados para
programadores iniciantes.

1.3.1. Laboratório Virtual de Programação – LVP

O Laboratório Virtual de Programação - LVP é uma ferramenta que possui


funcionalidades que permitem editar, compilar, executar, depurar e até mesmo avaliar
automaticamente um código fonte escrito em várias linguagens de programação. O seu
funcionamento é baseado no navegador, portanto não exige a instalação de nenhum
software no computador. Muitas outras funcionalidades do LVP serão apresentadas no
decorrer do curso. No momento iremos nos concentrar nas funcionalidades para criar e
testar os nossos códigos.
Dica do Professor: Quando alguém está aprendendo a
programar em C, quanto mais leve e simples o
ambiente, melhor para o aprendiz. Assim você precisa
se preocupar apenas em aprender a linguagem C e não
vai perder tempo tentando entender como funciona uma
IDE complexa.

Para mostrar como funciona o LVP e testar nosso primeiro código fonte na Linguagem
C vamos utilizar a estrutura de um programa em C mostra no item 1.2.2 com o comando
de saída printf() da biblioteca <stdio.h>. Esta biblioteca possui as funções básicas de
entrada e saída de dados que estudaremos com mais detalhes na próxima semana do
curso. (std = standard, padrão em inglês; io = Input/Output, entrada e saída; então: stdio =
entrada e saída padronizadas).

#include <nome_da_biblioteca> #include <stdio.h>


int main ( ) int main ( )
{ {
bloco de comandos; printf ("Olá Mundo!");
return (0); return (0);
} }

Figura 1. Estrutura de um programa em C Figura 2. Meu primeiro programa em C


O que aprenderemos agora será como editar o código fonte do nosso primeiro
programa em C no editor de texto do LVP para compilar e executar nosso programa.

Atividade: Vá agora até o tópico sobre o Laboratório


Virtual de Programação - LVP na sala virtual e clique
em “Atividade 1: Meu primeiro programa em C”.

Figura 3 – Tela inicial da atividade 1 no LVP

Como nosso objetivo agora é editar o código fonte do nosso primeiro programa clique
em “Editar” na tela inicial da atividade 1 no LVP para abrir o editor de texto e informe o
nome “AloMundo.c” para o arquivo do código fonte do programa que iremos editar
(Figura 4).
Atenção: Você pode escolher qualquer outro nome de
arquivo válido para identificar o código fonte de seu
programa, porém ele deverá ter sempre terminar com a
extensão .c para indicar ao LVP que se trata de um
arquivo com o código fonte do programa na
Linguagem C.

Figura 4. Definição do nome do arquivo de código fonte do programa na Linguagem C.


Depois de clicar em “OK” para confirmar o nome do arquivo você poderá iniciar a
edição do código fonte (Figura 5).
Dica do Professor: Você pode copiar o código na
caixa de texto da Figura 2 e colar no editor do LVP.
Entretanto, tenha cuidado ao copiar e colar textos de
códigos de outras locais (sites, arquivos pdf, etc)
porque muitas vezes a formatação de alguns caracteres
quando colados no editor do LVP (“ em vez de " por
exemplo) causam erros na compilação e devem ser
ajustados.

Figura 5. Edição do código no LVP.

Depois de “Salvar” o arquivo (ícone ou Ctrl-S) o botão para “Executar” (ícone


ou Ctrl-F11) ficará disponível para executar o programa e obter a saída desejada na tela
(Figura 6).

Figura 6. Resultado da compilação e execução do código no LVP


Atenção: O que acontece depois de clicar no botão
“Executar” no LVP? O Compilador faz a verificação
e checagem da sintaxe do programa-fonte e se não
houver nenhum problema é gerado um código em
linguagem de máquina (binário). Depois de concluído
com sucesso o processo de compilação o Loader
(carregador) carrega automaticamente o programa
executável (código binário) na memória para que a
CPU execute o programa.

 Problemas na compilação do código fonte no LVP

Caso o código fonte do programa apresente algum problema o processo de


compilação não será concluído e o LVP mostrará uma mensagem para tentar identificar
o problema. Na Figura 7 o LVP indica que a compilação do código fonte do programa
“AloMundo.c” não foi bem sucedida, pois faltou um sinal de ; antes do comando return
(0); (Linha 5), ou seja faltou um sinal de ; depois da função printf ("Olá Mundo!") (Linha
4).

Figura 7. Mensagem de erro de compilação no LVP

Dica do Professor: Erros de compilação devido a


problemas de sintaxe no código fonte da Linguagem C
são muito frequentes para programadores iniciantes.
Fiquem sempre atentos para os problemas mais
comuns que levam a erros de compilação (falta de ;
depois de um comando, uso indevido de ; depois da
declaração de bibliotecas (#include <stdio.h>), depois
de nome de função (int main()) e outros que
chamaremos atenção mais adiante no curso .

Depois de corrigir o código fonte clique em “Salvar” e depois novamente em


“Executar”.
Atenção: Podem ocorrer problemas na conexão com o
servidor do LVP na Internet quando você clicar no
botão de “Executar”. Caso isso ocorra espere um
pouco e tente novamente depois.

 Avaliação das atividades no LVP - Correção e atribuição automática de notas

O LVP permite a correção e atribuição automática de notas (avaliação) do código fonte


criado pelo aluno durante as atividades do curso. A correção é realizada com base na
saída de dados que é esperada após a execução do programa. Portanto, devem ser
seguidas com rigor as instruções para os formatos de saídas dos problemas.

Atividade: Vá agora até o tópico sobre o Laboratório


Virtual de Programação - LVP na sala virtual e clique
em “Atividade 2: Correção e avaliação automática
do primeiro programa em C” e siga os mesmos
procedimentos indicados na Atividade 1 para editar e
salvar o código fonte do programa “AloMundo.c” no
LVP .

Vejamos agora como será realizada a correção automática no LVP do código fonte do
nosso primeiro programa “AloMundo.c”. Nas atividades avaliativas no LVP estará
disponível o comando “Avaliar” (ícone ou Ctrl-F11) no menu principal do editor (Figura
8).

Figura 8. Avaliação do código no LVP

A atividade 2 será avaliada com 1 ponto caso a saída de dados obtida, neste caso uma
saída do tipo string (sequência de caracteres), seja exatamente igual (letras maiúsculas e
minúsculas, caracteres especiais e espaços em branco) a Olá Mundo!. Depois de editar e
testar e execução do programa como fizemos na Atividade 1 você poderá clicar no botão
“Avaliar” e conferir a nota proposta e os comentários com o sumário dos testes que foram
realizados pelo LVP (Figura 9).
Figura 9. Resultado da avaliação do código correto da Atividade 2 LVP

Neste caso a nota proposta para atividade foi 1 ponto de 1 ponto máximo para
avaliação da Atividade 2 (1/1) e o teste realizado foi apenas a comparação da string obtida
na saída com a execução do código do programa com a string que era esperada.
Vejamos o que teria acontecido durante a avaliação do código da Atividade 2 do LVP
caso tivéssemos esquecido de colocar, por exemplo, o sinal de ! ao final da string no
argumento da função printf() (Figura 10).

Figura 10. Resultado da avaliação do código incorreto da Atividade 2 LVP

Neste outro caso a nota proposta para atividade foi 0 (zero) ponto de 1 ponto máximo
para avaliação da Atividade 2 (0/1). O código agora não passou no teste (Incorret program
output). A comparação da string obtida na saída com a execução do código do programa
(Program output) com a string que era esperada (Expected output).
Você deve "Executar" o código fonte de suas atividades avaliativas no LVP quantas
vezes achar necessário para se certificar que ele está produzindo a saída desejada e só
então submeter o código para "Avaliação". Na próxima semana do curso iremos aprender
antes de submeter o código para "Avaliação".
Atenção: Nas atividades avaliativas deste
curso mesmo se você não receber a nota integral na
primeira avaliação você ainda poderá modificar o seu
código e realizar novas avaliações até que seu código
passe em todos os testes e receba a nota integral da
avaliação.
.

Como vimos no item anterior caso o código fonte do programa apresente algum
problema o processo de compilação não será realizado e portanto o código só poderá ser
executado e avail

 Enviando um arquivo de um IDE externo com o código das atividades no LVP

Caso você tenha optado por editar e testar os códigos para as atividades no LVP em
outro IDE (Dev-C++, Codeblocks, etc), será possível enviar para avaliação das atividades
do LVP os arquivos de códigos na Linguagem C (extensão .c) salvos por esses IDEs
através da aba “Enviar” da atividade (Figura 11).

Figura 11. Aba do LVP para enviar um arquivo de código fonte criado em outro IDE
Para escolher um arquivo de código na Linguagem C basta seguir os procedimentos
navegando na estrutura de diretórios do dispositivo onde o arquivo foi salvo e então enviar
o arquivo. O arquivo será então salvo no LVP e após clicar em “Continuar” você poderá
“Avaliar” o código através do link do comando que aparecerá na aba “Visualizar envios”
da atividade (Figura 12).

Figura 12. Aba “Visualizar envios” de uma atividade do LVP

Entretanto, como vocês podem observar no código contido no arquivo enviado foi
utilizado um comando que não explicamos até agora, porém que é muito utilizado quando
se trabalha com outros IDEs (Dev-C++, Codeblocks, etc). Trata-se do comando
system("pause"); presente na Linha 5 do código mostrado na Figura 12. Este comando
tem a função de realizar uma pausa na execução do programa e geralmente é utilizado
após uma saída com o comando printf (). Portanto a função do comando
system("pause"); é fazer com que a janela exibindo o resultado não se feche até que se
pressione uma tecla e a execução do programa continue e a janela seja fechada.
Atenção: Apesar de ser muito comum a utilização
deste comando quando se trabalha com outros IDEs e
também ele estar presente em códigos explicados em
vídeo-aulas deste curso O COMANDO
system("pause"); NÃO DEVE SER UTILIZADO NAS
ATIVIDADES DESTE CURSO NO LVP.

Portanto, neste caso o ideal é clicar na aba “Editar” para excluir o comando
system("pause"); presente na Linha 5 do código e então “Executar” e “Avaliar” o
código da atividade no LVP exatamente como realizamos no item anterior (Figura 8).

Mídia digital: Antes de iniciar os estudos da próxima


semana, vá até a sala virtual e assista ao vídeo
“Laboratório Virtual de Programação - LVP”.

15
Aula 2 – Entrada / Saída

Objetivos
Nesta semana, você aprenderá os comandos básicos de
atribuição, de entrada e saída de dados (scanf e printf)

Mídia digital: Antes de iniciar os estudos desta


semana, vá até a sala virtual e assista ao vídeo
“Entrada e Saída – Linguagem C”.

2.1. Comando de Saída: printf()

Nas aulas da semana anterior aprendemos sobre a estrutura básica de um programa


em C, identificação, declarações e atribuição de valores a variáveis. Agora iniciaremos esta
semana detalhando um pouco mais o uso do comando de saída printf().

A forma geral do printf( ) é:

printf (“string de controle”, lista de argumentos);

Na saída de dados com o comando printf() devem ser especificados na string de


controle os códigos de formato (caracteres de controle) para definir o tipo de cada uma das
variáveis de saída especificadas na lista de argumentos. Os principais códigos de formato
utilizados para esta finalidade são:

Códigos Significado
%d, %i Exibe um int
%f Exibe um ponto float
%lf Exibe um double
%c Exibe um char
%s Exibe uma string
%% Exibe o % na tela

Dica do Professor: Muitas vezes se usa a constante


“\n” ao final de uma mensagem de saída do comando
printf() para indicar que o cursor deverá retornar ao
início de uma nova linha.

Vejamos alguns exemplos de uso do comando printf() com as explicações:


 printf (“Boa noite! \n”); // Imprime a sequência de caracteres (string) Boa noite! e
muda o cursor de linha.

 printf (“ %i”, idade); // Imprime o valor atual da variável idade do tipo inteiro

 printf (“idade = %i \n”, idade); // Imprime a sequência de caracteres (string) idade = ,


depois o valor atual da variável idade do tipo inteiro e muda o cursor de linha.

 printf (“Tenho %i anos e US$ %f dólares”, idade, dolar); // Imprime a string Tenho ,
depois o valor atual da variável idade do tipo inteiro, depois a string anos e US$ ,
depois o valor atual da variável dolar do tipo float e depois a string dólares.

Atenção: Para especificar o número de casas decimais


impressas na saída de número em ponto flutuante (tipo
float ou double), coloque um ponto decimal depois do
sinal % do código de formato seguido pelo número de
casas decimais que deseja mostrar. Por exemplo, %.2f
exibirá um número com arredondamento de duas
casas decimais. Isso será fundamental nas avaliações
de tarefas no LVP com saídas de ponto flutuante.

2.2. Comando de entrada: scanf()

Sintaxe:
scanf (“string de controle”, argumentos)
Ex.:
a) scanf (“%i”, &idade);
b) scanf (“%f”, &nota);

Obs.: Comentários: existem duas formas:

1) // - comentário de linha
Ex.: // isto é um comentário

2) /* comentário linha 1
comentário linha 2
comentário linha n */

Exemplo de um programa em C: ler um valor em reais e convertê-lo em dólares.


Obs.: considere 1 dólar = 4,50 reais

#include <stdio.h>
#include <stdlib.h>
int main ( )
{
float dindin;
float conversao;
printf(“Digite um valor em real: \n”);
scanf (“%f”,&dindin);
conversao = dindin / 4.50;
printf (“\n valor em dólares: %f \n\n”, conversao);
system(“pause”);
return(0);
}

Exercícios
Atividade: Para concluir a primeira semana de
estudos, vá até a sala virtual e participe do Fórum “Meu
curso”. Inicie uma nova publicação ou contribua com a
publicação de algum outro colega, considerando a
seguinte questão: este livro é capaz de permitir o
estudo autônomo do estudante? Obs.: essa atividade é
ilustrativa.

1 – Ler o raio de um círculo. Calcular e imprimir a área de um círculo.


Obs.: área = π x raio²

2 – Ler o raio de uma esfera. Calcular e imprimir o volume dessa esfera.


Obs.: V=4/3.π.raio3.

3 – Ler o comprimento e a largura de um campo de futebol. Calcular e imprimir a área


desse campo. Obs.: Área=comp. X largura
Referências

ASCENCIO, A. F. G.; CAMPOS, E. A. V. de. Fundamentos da programação de computadores:


algoritmos, pascal, C/C++ e Java. 2 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.
BATTISTI, Júlio. Linguagem C - Matrizes. Em:
<http://juliobattisti.com.br/tutoriais/katiaduarte/cbasico004.asp>. Acesso em: 27 outubro 2014.
Em: < http://www.significados.com.br/iso/>. Acesso em: 27 outubro 2014.
Em: <http://www.cprogressivo.net/2013/03/Lendro-e-Escrevendo-Strings-em-C.htm>. Acesso em:
28 outubro 2014.
GUIMARÃES, Ângelo de Moura; LAGES, Alberto de Castilho. Algoritmos e estruturas de dados.
Rio de Janeiro : LTC Editora S.A., 1994.
LEITE. Mario. Curso Básico de C: prático e fácil. Rio de Janeiro: Ciência Moderna Ltda, 2013.
LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia
Foundation, 2014. Disponível em:
<http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Linguagem_de_programa%C3%A7%C3%A3o&oldid=4
0068779>. Acesso em: 27 out. 2014.
MIZRAHI, Victorine Viviane. Treinamento em Linguagem C. 2.ed. São Paulo: Pearson Prentice
Hall, 2008.
PROGRAMAÇÃO IMPERATIVA. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia
Foundation, 2014. Disponível em:
<http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Programa%C3%A7%C3%A3o_imperativa&oldid=39859
885>. Acesso em: 27 out. 2014.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (UFMG). Curso de Programação em C.
Disponível em:
<http://www2.dcc.ufmg.br/disciplinas/pc/source/introducao_c_renatocm_deeufmg.pdf> Acesso em:
01 de out. 2014.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COPPE (UFRJ). Apostila de Técnicas de
Programação e Linguagem Pascal. Disponível em: <http://www.cos.ufrj.br/~sergio/ApostilaPascal.pdf>.
Acesso em: 01 de out. 2014.

Você também pode gostar