Você está na página 1de 19

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

CLÍNICA E HOSPITALAR
(DECH)

GESTÃO DOS RECURSOS FÍSICOS E


TECNOLOGICOS
(GREFIT)

HOSPITAL DE URGÊNCIA DE GOIÂNIA

IMPLANTAÇÃO EM 08 SEMANAS
PROJETO

Com o propósito de coordenar as ações relativas aos


Equipamentos Médico-Hospitalares (Engenharia Clinica) e
Instalações Hospitalares (Engenharia Hospitalar) do Hospital de
Urgência de Goiânia, passamos a ideia de como pretendemos
implementar o DECH/GREFIT/HUGO.

A gerência e o controle de tecnologia na área de saúde envolve


conceitos de abrangência, que merecem ser compartilhados entre
setores e pessoas envolvidas na área, buscando uma troca
constante de experiências e conhecimentos, respeitando o
passado mais objetivando o futuro onde o incremento de
tecnologia nos equipamentos resultam na aplicação de tecnologia
na solução de problemas clínicos.

ATRIBUIÇÃO GERAL:

• Prestar rotineiramente serviços de manutenção; gerais e


específicos, preventivos e corretivos.

• Participação de reformas, instalações ou adpatações de


equipamentos, sob a Coordenação da Engenharia de Obras e
Hospitalar tanto na área Civil, Elétrica e Mecânica.

• Fazer o levantamento do universo de equipamentos e serviços


instalado, mantendo o registro e controle.

• Elaborar e manter atualizadas fichas-padrão de controle de


equipamentos desde sua aquisição, instalação até o término de
sua vida útil, promovendo sua desativação e destino final.

• Gerenciamento de Terceiros.

• Manter registros de todos os serviços prestados.

• Funcionar como elo de ligação entre as firmas fornecedoras e


prestadoras de serviço.
• Estabelecer parâmetros para avaliar o custo dos contratos de
manutenção.

• Participar no processo da escolha para aquisição de


Equipamentos Gerais e Específicos emitindo pareceres técnicos
e especificando os equipamentos.

• Receber equipamentos, aprovar e acompanhar sua


armazenagem, instalação e prestação de serviços por terceiros.

• Promover a adaptação de equipamentos importados às


condições nacionais.

• Desenvolver procedimentos na solução de problemas


emergênciais, quantificando e qualificando-os.

MAPEAMENTO DE PROCESSO DA GESTÃO

DIRETORIA ADMINISTRATIVA

DEPARTAMENTO DE
ENGENHARIA CLINICA
E HOSPITALAR

ENGENHARIA PLANEJAMENTO E
ENGENHARIA CLINICA OBRAS E REFORMAS
HOSPITALAR SOFTWARE

IMPLEMENTAÇÃO – 10 SEMANAS

Com o objetivo de em 10 semanas implementar na sua plenitude o


DECH/GREFIT/HUGO, segue o Plano de Ação com as fases e
cronograma funcional e o RH necessários as fases.

Plano de Ação:

O Plano será dividido em 2 FASES, sendo elas pré-requisitos: a primeira


fase depois a segunda fase. As demandas funcionais durante essas fases
serão tratadas de forma emergencial para o atendimento quanto a
manutenção, tanto predial quanto equipamentos médicos.
FASE 1 - DIAGNÓSTICO SITUACIONAL
2 semanas

OBJETIVOS

Gerar informações relevantes para o mapeamento do atual


modelo de planejamento e gerenciamento de tecnologias de
equipamentos médicos, ambientes hospitalares, instalações
hospitalares e da tecnologia da informação. Estas informações
serão buscadas sob os pontos de vista técnico, de custos e
organizacional.
Esta unidade de negócio deverá impor nova rotina e
dinâmica, nos atuais processos e procedimentos nas atividades da
equipe com o princípio da rastreabilidade, segurança, efetividade
e eficácia preparada para os processos nacionais e internacionais
de acreditação em EAS. Associando a buscar e o melhor
desempenho técnico, econômico e organizacional da gestão das
atividades de equipamento e ambientes médico-hospitalares.

ATIVIDADE A SER REALIZADA.

Realizaremos diversas avaliações (qualitativas e


quantitativas) nos vários centros de resultados do Hospital de
Urgência de Goiânia - HUGO, visando identificar os problemas
de diversas naturezas relacionados à gestão dos recursos físicos e
tecnológicos quanto a utilização, conservação, instalação,
planejamento dos espaços e o gerenciamento da tecnologia em
saúde no que se refere a equipamentos médicos, ambientes
hospitalares, instalações hospitalares, e da tecnologia da
informação.
Principais pontos observados e os indicadores do atual e do
projeto proposto de rastreabilidade praticado em cada EAS
aplicáveis às áreas de engenharia clínica, hospitalar e de
tecnologia da informação. Da seguinte forma:

Com vistas para a Administração da Tecnologia:

• Disponibilidades de Equipamentos Médicos e de


Infraestrutura para sua utilização;
o Equipamentos que necessitem de manutenção,
o Equipamentos que estão em manutenção,
o Falta de acessórios e peças.
• Gestão dos processos para a Implementação do Plano
de Gerenciamento de Equipamentos e Ambiente
Médico-Hospitalares – RDC 02, NBR 15943 e ONA;
• Calibração dos Equipamentos Médicos e de
Infraestrutura;
• Análise dos Contratos de Terceiros, quanto a
manutenção especifica tanto para Engenharia Clínica
quanto Engenharia Hospitalar;
• Gestão por processos técnico-administrativos;
• Levantamento dos critérios da ONA para
infraestrutura e equipamentos médicos;
• Inventario e o Cadastro dos Equipamentos e
Ambientes.

Com vistas para a Engenharia (Clínica e Hospitalar) e a


Tecnologia da Informação:

• Educação continuada;
• Gerenciamento de riscos;
• Aquisição e incorporação de tecnologia;
• Reequipamento – reengenharia dos equipamentos;
• Manutenção corretiva e preventiva;
• Documentação técnica e administrativa;
• Segurança.

Equipe Técnica:

equipe qt especialização Local de trabalho


coordenação 01 Engenheiro clínico HUGO e no escritório
(SP)
operacional 03 Engenheiros e HUGO
Técnicos
apoio Engenheiros e Escritório (SP)
Técnicos
especializados

Todas as informações coletadas, fornecidas e o Diagnóstico.


Serão tratados no regime de sigilo profissional, sob pena de
divulgação, ações legais aplicáveis civis e criminais a ser
apresentadas a INTS na forma escrita e apresentativa com
proposta de trabalho para execução classificadas em imediato,
curto e médio prazo e ainda as de longo prazo como projeto a
ser desenvolvido, por ocasião de um agendamento com a
diretoria.
ENGENHARIA HOSPITALAR - MANUTENÇÃO PREDIAL:

ATRIBUIÇÕES GERAIS:

As principais atribuições da área de Manutenção podem ser


divididas em 2 grupos distintos de atividades a saber:

1. Manutenção Predial (edificações e benfeitorias), que


compreende as partes de elétrica, hidráulica, alvenaria,
pintura e carpintaria.

2. Manutenção de Bens Móveis e Equipamentos, que abrange


as partes de marcenaria, laqueação, equipamentos de
infra-estrutura e de uso geral.

ATRIBUIÇÃO ESPECÍFICA:

1. Gerenciar a área, coordenando suas atividades e


executando os atos necessários à eficiência das mesmas a
ela atribuídas, efetuando o acompanhamento dos
procedimentos de recebimento, expedição, entrega,
execução e baixa das solicitações de serviço.
2. Manter a disciplina e motivação do pessoal nela lotado,
bem como o controle de freqüência e da escala de
revezamento dos servidores envolvidos.
3. Representar seu superior hierárquico sobre as
necessidades da área e os meios para atendê-Ias.
4. Incentivar o pessoal sob sua coordenação, visando a
melhoria do seu nível técnico, melhoria de processos e
controles, pleiteando meios para tal.
5. Coordenar os programas de reciclagem do pessoal sob sua
subordinação, visando a melhoria de sua capacitação
técnica.
6. Manter-se atualizado quanto às inovações técnico-
científicas, de equipamentos médicohospitalares e gerais.
7. Manter registro atualizado das atividades dos serviços e
funcionários da área.
8. Manter registro atualizado da vida dos equipamentos,
controlando a freqüência e qualidade dos serviços de
manutenção efetuados, por pessoal próprio ou por
terceiros.
9. Elaborar cronogramas, normas e rotinas detalhadas, das
atividades de cada especialização sob sua responsabilidade
e coordenação, bem como do estabelecimento de escalas
de plantão, de revezamento, pedidos de férias e de licença.
10. Coordenar a distribuição e controle das solicitações de
serviço encaminhadas aos setores competentes, visando
priorizar e programar o atendimento das que possuam
caráter de urgência e necessidade.
11. Efetuar a emissão de requisições dos materiais necessários
à manutenção, quando tratar-se de materiais
padronizados, de acordo com as rotinas em vigor, para a
execução de serviços atinentes.
12. Solicitar, orientar e coordenar a emissão de pedidos de
contratação de serviços de terceiros ou de aquisição de
materiais não padronizados, quando necessários para a
execução de serviços atinentes.
13. Coordenar a elaboração e execução de cronogramas,
normas e rotinas de trabalho, visando registro da
produtividade e melhor aproveitamento dos recursos
disponíveis.
14. Participar e emitir pareceres de ordem técnica na
elaboração de licitações para contratação de serviços de
terceiros e de materiais específicos.
15. Gerenciar e controlar os serviços de terceiros, quando
contratados para pequenas obras ou reformas, que
impliquem em medições e apuração da qualidade dos
serviços executados.

OBRAS E REFORMAS

ATRIBUIÇÕES GERAIS:
As principais atribuições podem ser divididas em 4 grupos distintos
de atividades a saber:

1. Compatibilização dos projetos com o executado


2. Projetos de novas edificações
3. Reformas de Ambientes – RETROFIT
4. Fiscalização Predial
5. Acompanhamento das obras e reformas

ATRIBUIÇÃO ESPECÍFICA:

A partir das diretrizes estabelecidas no estudo preliminar e


baseado no projeto básico arquitetônico normatizado pela RDC
50, deverão ser desenvolvidos os projetos complementares
específicos.

Este desenvolvimento deverá restringir-se à:


1. determinação do sistema de distribuição das linhas
principais dos sistemas elétricos, telefonia, sinalização de
enfermagem, alarme contra incêndio, água fria, água
2. quente, oxigenio, vácuo, ar comprimido, protóxido de
nitrogênio, água gelada e dutos de ar condicionado.
3. definição e posicionamento dos pontos de consumo das
instalações complementares.
4. definição das casas de máquinas referentes às
necessidades de bombas d’água, bombas de drenagem,
bombas de recalque de esgoto e bombas de ar
condicionado.
5. definição dos materiais a serem empregados nas
instalações, visando a funcionalidade e economia na
implantação e facilidade de manutenção.

Deverão fazer parte desta etapa — a apresentação de todas


estas proposições — os documentos :

1. Memoriais descritivos das instalações.


2. Documentos gráficos:
o As plantas deverão enfocar claramente as
proposições das instalações complementares e
deverão constituir-se de :
§ implantação geral;
§ plantas baixas;
§ planta de cobertura, e
§ legenda - sem escala.

Equipe Técnica:

equipe qt especialização Local de trabalho


Coordenador 01 Engenheiro HUGO e no escritório
hospitalar
Técnico 01 Técnico em HUGO
supervisor eletricidade
Técnico 04 Técnico em HUGO
eletricista eletricidade
(12x36)
Técnico 01 mecânico HUGO
mecânico
Técnico 01 hidráulico HUGO
hidráulico
Pintor 02 pintura HUGO
Operador de 04 Ajudante geral HUGO
Manutenção
(12x36)
Operador de 04 Caldeireiro HUGO
Caldeira
(12x36)

Serviços Terceirizados:

Climatização Grupo Gerador


Elevadores Telefonia
CFTV Rede de dados
ENGENHARIA CLINICA - EQUIPAMENTOS MÉDICOS

ATRIBUIÇÕES GERAIS:

As principais atribuições da área de Manutenção podem ser


divididas em 3 grupos distintos de atividades a saber

1. Equipamentos de Terapia, que compreende equipamentos


médicos voltados ao cuidado continuo do paciente –
tratamento de doenças, fisioterapia, hidroterapia.
2. Equipamentos de Diagnóstico, que abrange os
equipamentos médicos para diagnóstico em geral desde
imagem até laboratorio – radiologia, laboratorio clinico,
endoscopia, ultra-som.
3. Equipamentos Ambulatorial, que abrange os equipamentos
de atividades emergenciais e ambulatoriais – Centro
Cirurgico, UTI, PA, Internação e Ambulatorio de
atendimento.

ATRIBUIÇÃO ESPECÍFICA:

1. Emitir as solicitações de serviço de Manutenção Preventiva,


obedecendo ao programa e os cronogramas
preestabelecidos. Obedecer as planilhas elaboradas.
Encaminhá-Ias para a Recepção da Setores para registro, e
posteriormente encaminhando-as aos servidores
designados.
2. Delegar ao servidor, as ações propostas e a planilha para a
efetivação e andamento do programa de Manutenção
Preventiva.
3. Convocar o servidor e, mediante protocolo, entregar-lhe a
solicitação de serviço para início do atendimento, já com
algumas recomendações.
4. Receber o servidor, já com informações sobre como irá
efetuar os trabalhos, requisitando os materiais que serão
utilizados para o respectivo atendimento. Efetuar anotações
de responsabilidade da chefia na solicitação de serviço e
devolvê-Ia ao servidor.
5. Autorizar e despachar toda a documentação recebida e
expedida da seção, para a secretaria da Setores, que deverá
proceder aos encaminhamentos necessários.
6. Acompanhar o desenvolvimento dos serviços de todas as
áreas da seção, dando suporte para que o atendimento seja
efetivado de maneira rápida e com a qualidade desejada.
7. Autorizar, após efetivar a análise, os pedidos de compra de
materiais permanentes, de consumo e de serviços, visando
resultados positivos no atendimento das solicitações de
serviço.
8. Manter contatos diretos com os setores de Compras e
Almoxarifado, visando agilizar a aquisição dos materiais
necessários para o atendimento das solicitações de serviço,
emitindo pareceres.
9. Acompanhar e colaborar com o funcionário, na elaboração
de informativos de serviço e orçamentos, para a
terceirização, quando da necessidade, respeitando critérios
básicos para este fim.
10. Estimular, criando novas metodologias de incentivo, a
reciclagem dos funcionários da seção, visando a melhoria de
sua capacitação técnica, primando pela melhoria da
qualidade do atendimento.
11. Elaborar, diariamente, projetos de mudanças e melhorias no
ambiente de trabalho, que venham proporcionar maior
conforto e bem estar ao funcionário.
12. Gerenciar através de relatórios e gráftcos, fornecidos pelo
sistema, a produtividade dos funcionários, os recebimentos,
os atendimentos, as pendências diárias e mensais,
coordenando para que não haja prejuízo no atendimento ao
hospital.
13. Orientar a secretaria da Setores, na elaboração de escalas
de revezamento, férias, licenças, folgas e horas extras, dos
funcionários da seção, de maneira que não haja prejuízo a
nenhuma das partes.
14. Efetivar a avaliação do desempenho dos funcionários da
seção, procurando com esta, dar incentivo a todos. Manter
canal de diálogo com os funcionários, sobre os assuntos da
seção, ouvindo-os e permitindo que opinem sobre as
decisões que deverão ser tomadas.
15. Receber e dar informações sobre o andamento de
determinadas solicitações de serviço, sobre as etapas e
dificuldades em que as mesmas se encontram.
16. Dar suporte ao funcionário quanto à tomada de decisões de
risco, assumindo para si a responsabilidade, dando
segurança na execução de suas tarefas, bem como na
elaboração de planilhas de Manutenção Preventiva.
17. Dar suporte à Assessoria de Engenharia e empresas
contratadas, no planejamento e execução de alguns serviços
no hospital, que possam vir a causar transtornos durante
sua execução, quando tratar-se de serviços terceirizados.
18. Dar suporte a todas as áreas do hospital, no levantamento,
planejamento e dimensionamento, que se ftzerem
necessários para a complementação do que será solicitado.
19. Participar de reuniões de serviço, quando convocado por
qualquer área do hospital, visando proporcionar o melhor
atendimento e maior qualidade.
20. Prestar atendimentos a visitantes, representantes e outros,
nos assuntos relacionados à seção.
21. Assessorar a chefia da Setores, nos assuntos de sua
competência e capacidade técnicas.

Equipe Técnica:

equipe qt especialização Local de trabalho


Coordenador 01 Engenheiro clínico HUGO e no escritório
(SP)
Técnico 01 Técnico em HUGO
supervisor equipamentos
médicos
Técnico 02 Técnico em HUGO
equipamentos
médicos
Sistema de plantão a distância feriados, finais de semana e após
o horário comercial
Escritório (SP)

Serviços Terceirizados:

Calibração, com certificação exigência legal obrigatoria

PLANEJAMENTO

ATRIBUIÇÕES GERAIS:

As principais atribuições da área de Manutenção podem ser


divididas em 3 grupos distintos de atividades a saber

1. Software de Gerenciamento – controle geral


2. Manual da Qualidade da Engenharia
3. Componentes do GREFIT – Gestão dos Recursos Físicos e
Tecnológicos
a. Inventario e Cadastro dos equipamentos e ambientes
médico hospitalares
b. Gerenciamentos de Contratos de Terceiros
c. Ações Corretivas – emergenciais
d. Oportunidades de Melhorias
e. Treinamento Operacional
f. Controle e Acompanhamento de contratos e
orçamentos

1. SOFTWARE DE GERENCIAMENTO - Presencial

ATRIBUIÇÃO GERAL

• levantamento dos equipamentos e ambientes;


• indicadores de desempenho;

• acompanhamento e controle;
• rastreabilidade.

DESCRIÇÃO TÉCNICA

O GREFIT Web, uma ferramenta informatizada que abrange


desde as atividades operacionais de manutenção até níveis
gerenciais do processo de gestão. Inclui um conjunto de módulos
complementares entre si, cujas funções atendem às
necessidades dos usuários nas boas práticas do
gerenciamento de equipamentos médico- hospitalares,
com acesso 100% via Web. Monitorização ON-LINE da
situação do parque tecnológico, contemplando todos os pontos
de gestão.

• Cadastro e Histórico de equipamentos;


• Rastreabilidade;
• Emissão e controle de Chamados e Ordens de Serviço, on-
line;
• Monitoramento da situação dos equipamentos parados;
• Gestão de contratos de manutenção com terceiros;
• Gestão da equipe técnica;
• Programação da manutenção preventiva e calibração;
• Programação e controle dos procedimentos de calibração;
• Geração de indicadores de desempenho.
• Cobre todas as tarefas de gestão com consultas na tela e
relatórios salientando que pode ser parametrizados de
acordo com as necessidades do cliente.
• Customizações – atende as necessidade para cada cliente.

2. IMPLANTAÇÃO DO MANUAL DE OPERAÇÃO – TÉCNICO-


ADMINISTRATIVO E DE QUALIDADE (ONA)

A contratada conduzirá os serviços da gestão e operação do


parque de EMH, onde conste, nas atividades técnico-
administrativas com bases em boas praticas de gerenciamento
em equipamentos médico-hospitalar, conforme a RDC 02 e a
NBR 15943, seguindo os seguintes padrões:

• POP – PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO


• IT – INSTRUÇÃO DE TRABALHO
§ Check-list de preventiva
• FOR – FORMULÁRIO PADRÃO

O Manual deverá ser submetido a Diretoria Administrativa


para aprovação em até 30 (trinta) dias contados a partir da data
da assinatura do contrato. Caso o manual não seja aprovado a
Contratada deverá adequá-lo necessariamente dentro do prazo
de 10 (dez) dias úteis.
O Manual deverá ser apresentado por ocasião da
apresentação das propostas, considerando os princípios e
conceitos já mencionado, que contem no mínimo:

MSQ – MANUAL DA QUALIDADE: TECNOLOGIA HOSPITALAR


Capa, Aprovação Geral dos PROCEDIMENTOS, FORMULÁRIO e
INSTRUÇÃO de Trabalho do Departamento de Engenharia Clínica e
Índice dos Capítulos e Controle de Revisões

3. PRINCIPAIS COMPONENTES DESTA GESTÃO SERÃO:

• Gerenciamento da terceirização;
• Inspeção dos equipamentos;
• Inventário e cadastramento dos equipamentos com
dados para o reequipamento;
• Avaliação dos equipamentos na aquisição;
• Preparo e montagem de equipamentos - centro cirurgico;
• Instalação;
• Manutenção preventiva;
• Manutenção corretiva e de emergência;
• Treinamento e educação dos usuários e técnicos;
• Garantia de qualidade e de segurança;
• Divulgação dos resultados de performance dos
equipamentos.

Gerenciamento da terceirização;

Caberá a Gerência de Engenharia a administração e o controle de


todas as atividades de manutenção direcionada a equipamentos
médico-hospitalares, interno ou externo ao SMS/MONTES
CLAROS, contratos de manutenção (com peças ou sem peças),
manutenção corretiva ou de emergência, acompanhamento dos
serviços, aquisição de peças ou partes do equipamento, solicitação
de orçamentos, aprovação, controle de garantia do equipamento
ou de peças, etc...
Inspeção dos equipamentos:

Todos os equipamentos deverão ser inspecionados juntamente


com o responsável pela área, a fim de darmos o "control star" dos
equipamentos. A partir dessa inspeção iniciaremos o controle e a
monitorização dos equipamentos.
Nestas inspeções será identificada a periocidade de manutenção
preventiva, levantando as características técnicas, funcionais e a
aplicação clínica identificando os problemas não previstos.
Também serão observadas as tecnologias utilizadas. Estas
informações serão incorporadas ao histórico do equipamento.

Inventário e cadastramento dos equipamentos com dados


para o reequipamento:

Necessitaremos de um único número de identificação patrimonial


por equipamento, através do qual cada um deverá ser listado,
identificando:

• número, • condições( • política de


• descrição, novo-regular- manutenção,
• localização, velho), • custo de
• fabricante, • data de manutençao
• fornecedor, compra, anual
• procedência, • preço, (prevista),
• modelo, • prazo de • histórico da sua
• número de garantia, vida útil.
série,

Durante os procedimentos de manutenção preventiva, o serviço de


engenharia codificará cada equipamento refletindo sua condição
funcional, seu custo e seu estado de conservação. A atualização deste
cadastro deverá ser feita de quatro em quatro meses.

Avaliação dos equipamentos na aquisição:

A solicitação de compra origina-se nos profisionais que mais possuem


conhecimento sobre o desempenho do equipamento, principalmente
o corpo clínico (Médicos, Enfermeiros).
A Gerência de Engenharia fornece informações e serviços que
auxiliam os solicitantes a escolher os equipamentos que atendam as
suas necessidades através de um Programa de Aquisição de
equipamentos, que contem, entre outras:

• especificação do equipamento;
• historico de equipamentos similares;
• proposta técnica;
• avaliação:
• projeto e qualidade do fabricante/fornecedor;
• segurança elétrica;
• competência técnica, política de manutenção, custo anual de
manutenção e a presteza dos fabricantes/fornecedores na
prestação de serviços;
• capacidade do fabricante/fornecedor na reposição de peças,
tempo e estoque;
• tendência tecnológica do mercado e a posição do
fabricante/fornecedor no mercado;
Preparo e montagem de equipamentos - centro cirurgico;

A Gerência de Engenharia será responsável pela montagem e


desmontagem dos equipamentos nas salas cirúrgicas. Para isto:
• diariamente deverá receber a relação das cirurgias para o próximo
dia, a fim de preparar os equipamentos com antecedência;
• dispor de espaço físico dentro do centro cirúrgico, devidamente
preparado para execução teste e até manutenções de emergência;

Instalação:

A Gerência de Engenharia será responsável pelo aceite do


equipamento, liberando-o para o pagamento, observando os
seguintes critério do Programa de Instalação:

• check-list do pedido com a • protocolo de instalação;


entrega do equipamento, • funcionalidade
• acessórios, • operacionalidade;
• protocolo de recepção • cadastramento

Manutenção preventiva:

Durante o processo de aquisição do equipamento, a Gerência de Engenharia


deverá ser capaz junto ao fabricante/fornecedor de levantar dados
suficientes para determinar a periodicidade e o roteiro da manutenção
preventiva, roteiro este que será enquadrado no programa de manutenção
preventiva desenvolvido pela Gerência de Engenharia, da seguinte forma:

• programação do cronograma;
• definição do procedimento;
• procedimento de manutenção;
• procedimento de teste;
• etc...

Os procedimentos de manutenção preventiva serão listados em ordem de


serviço individual e estas deverão ser armazenadas a fim de formarem a
história do equipamento.

Manutenção corretiva e de emergência:

Como se tratam de problemas inesperados e não detectados na preventiva,


ou ainda, causados por acidentes, estas intervenções tendem a não ter
solução rápida.
Nestes casos, a Gerência de Engenharia deverá estudar, juntamente com o
usuário, a melhor maneira de corrigir o problema com o mínimo de prejuízo
para o andamento das atividades do usuário.
O Ministério da Saúde - PROEQUIPO - demonstra que 40% dos serviços de
manutenção corretiva referem-se a erros de operação, outros 40% devido
a falhas da rede elétrica e apenas 20% referem-se a falhas de componentes
dos equipamentos ou suas partes.
A Gerência de Engenharia desenvolveu um programa de manutenção
corretiva que inclui, dentre outros itens:

• protocolo de recepção;
• protocolo de atendimento;
• procedimento de detecção de falha;
• procedimento de solução;
• qualidade funcional;
• satisfação do usuário.

Treinamento e educação do usuário e técnicos:

A Gerência de Engenharia, em conjunto com fabricante/fornecedor;


usuário/técnico, se responsabiliza pela identificação das necessidades de
cursos de orientação técnica relativos ao funcionamento e operação dos
equipamentos, agendando e coordenando os cursos.

Garantia de qualidade e de segurança:

O princípio de gestão da qualidade dos equipamentos, se inicia numa


avaliação detalhada na compra otimizando a segurança, a performance, a
operação e o custo-benéficio.
Durante a vida útil dos equipamentos, a Gerência de Engenharia deverá agir
de modo a controlar intimamente cada um desses itens, prevenindo efeitos
adversos ou acidentes na sua utilização.
Os profissionais envolvidos com o manuseio dos equipamentos:
manutenção,(própria/terceirizada), limpeza, operação, devem estar
conscientes de sua importância na garantia da qualidade funcional dos
mesmos e dos serviços que prestam.
A Gerência de Engenharia desenvolveu um programa de Segurança e
Qualidade da seguinte forma:

• segurança do paciente;
• segurança do usuário;
• segurança do equipamento;
• procedimento de teste funcional.

Divulgação dos resultados de performance dos equipamentos:

Sempre que solicitada a Gerência de Engenharia relatará de forma periódica


a performance dos equipamentos, mostrando os resultados obtidos e
sempre que possível a economia gerada (custo-beneficio), além de
informações, como:
• tempo médio de conserto,
• custo com treinamento,
• gasto com peças,
• volume de manutenções,
• etc..

Equipe Técnica:

equipe qt especialização Local de trabalho


coordenador 01 Engenheiro clínico HUGO e no escritório
(SP)
administração 02 administrativo HUGO
apoio Engenheiros e Escritório (SP)
Técnicos
especializados

CRONOGRAMA DE ATIVIDADES – 08 semanas

semanas
ITEM ATIVIDADES
1 2 3 4 5 6 7 8

1 Diagnostico situacional
2 Software
3 Engenharia clínica
4 Engenharia hospitalar
5 Planejamento
ENGENHARIA CLINICA
EQUIPAMENTOS MÉDICOS

DIAGNÓSTICO ELETRÔNICA LABORATÓRIO CC/UTI/PA PLANEJAMENTO


POR IMAGEM ELÉTRICA

RADIOLOGIA GASOTERAPIA ANAL. CLINICAS TODOS OS AQUISIÇÃO


MAMOGRAFIA AUTOCLAVE PATOLOGIA EQUIPAME AVALIAÇÃO
ENDOSCOPIA LAVANDERIA BANCO DE NTOS PARECER
ULTRASSOM SANGUE CONTROLE
CRIA BANCO DE LEITE ORÇAMENTOS

ESTRUTURA:

A Engenharia será dividida em cinco setores operacionais:

• Setores SADT
• Setores Centro Cirúrgico, UTI e PA
• Setores de Laboratório de analises clínicas
• Setores de Planejamento
• Setores de Eletrônica e Elétrica

e terá sob sua responsabilidade cada TÉCNICO:

• visita técnica diária: manhã e tarde – mínimo de 1 hora – apresentando


a Ordem de Serviço
• controlar e acompanhar todas as atividades inerentes do setor no
cuidado com os equipamentos médicos:
• manutenção preventiva – Plano Anual de Manutenção Preventiva –
PAMP
• manutenção corretiva
• manutenção de emergência
• orçamentos: solicitação, acompanhamento e aprovação
• armazenar dados de controle no computador
• manter as fichas dos equipamentos atualizadas

ENGENHARIA HOSPITALAR
INFRA-ESTRUTURA

CIVIL ELÉTRICA MARCENARIA PINTURA PLANEJAMENTO


HIDRAÚLICA MECANICA CAPOTARIA

REFORMA LAVANDERIA REFORMA EQUIPAMENTOS AQUISIÇÃO


PAREDES AUTOCLAVE MÓBILIARIO AMBIENTES AVALIAÇÃO
JANELAS GERADOR CONFECÇÃO PARECER
PISOS ILUMINAÇÃO CONTROLE
BOMBEIRO TOMADAS ORÇAMENTOS
ESTRUTURA:

A Engenharia será dividida em cinco setores operacionais:

• Setores Civil e Hidraúlica


• Setores Elétrica e Mecanica
• Setores de Marcenaria e Capotaria
• Setores de Pintura
• Setores de Planejamento

e terá sob sua responsabilidade cada TÉCNICO:

• visita técnica diária: manhã e tarde – mínimo de 1 hora – apresentando


a Ordem de Serviço
• controlar e acompanhar todas as atividades inerentes do setor no
cuidado com os equipamentos médicos:
• manutenção preventiva – Plano Anual de Manutenção Preventiva –
PAMP
• manutenção corretiva
• manutenção de emergência
• orçamentos: solicitação, acompanhamento e aprovação
• armazenar dados de controle no computador
• manter as fichas dos equipamentos atualizadas