Você está na página 1de 38

O ENVELHECIMENTO HUMANO:

UMA CAUSA, MUITOS EFEITOS


Francisco Antunes

Aos meus netos

FLAVIO E PAULO

Dedico esse livro com muita ternura

Aos meus amigos, pelo apoio sempre constante meus agradecimentos e aos meus inimigos,
melhor dizendo opositores, minha eterna gratidão, pois fizeram-me retornar a humildade a
qual me havia afastado.

CURRICULUM VITAE

Nome: Engenheiro Químico FRANCISCO ANTUNES

Filiação: Nice Antunes de Souza e Augusto Nicolielo de Souza

Natural: Araraquara

Data de Nascimento: 19 de Julho de 1916

Escolaridade: Grupo Escolar de Ibitinga e Lins

Ginásio Americano de Lins

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

C.P.O.R turma de 1937, da arma da artilharia

1 º Tenente da reserva da 2 ª Classe, 1944.

Trabalhos, pesquisas e publicações

- Estudo sobre a produção de sais de titânio , no Instituto de Pesquisas Tecnológicas, como


assistente aluno

- Estudo sobre as implicações ocasionadas pelas fermentações e putrefações intestinais, como


evitá-las . Este trabalho foi publicado em nove edições com tiragem de 200.000 exemplares
esgotados.

- Estudo sobre carências mineralógicas da flora e fauna, o que daí decorre, forma de evita-las –
Volta a cura pela natureza”- no prelo ,inédito.

- Educação, solução brasileira – esgotado.


- Como anda o ensino no Brasil - inédito.

Trabalhos profissionais

- Estudo, projeto e implantação de uma fábrica d sais de cromo.

- Ex diretor do laboratório químico da Vidraria Santa Marina.

- Ex responsável técnico da firma ERIEZ – Produtos Metalúrgicos Magnéticos Ltda. Onde

desenvolveu um revestimento para eletrodos em aço inoxidável, além de outros estudos.

- Durante a fase que seguiu ao término da segunda guerra mundial, a pedido, fabricou

Inúmeros produtos eletromecânicos - mecânicos, automotivos e de sinalização bélica.

Associação de classes, cursos e entidades.

- Membro do conselho Regional de Engenharia e Arquitetura.

- Membro do Conselho Regional de Química.

- Sócio titular remido do Instituto de Engenharia de São Paulo.

- Ex conselheiro do Instituto de Engenharia de São Paulo, e membro de algumas comissões

comissões do mesmo.

- Ex Presidente da Escola Aeronáutica de São Paulo – entidade civil e um de seus sócios.

- Ex Diretor e um dos sócios fundadores do Clube Politécnico de planadores.

- Ex Presidente e fundador da Associação de Engenharia Química pela Escola Politécnica

da USP.

- Idealizador e fundador da primeira escola de engenharia por correspondência do Brasil –

com ampla aceitação foi fechada , muito embora esclarecesse que não dava diploma.

- Idealizador e fundador da primeira escola de engenharia pelo processo Estudo Trabalho,


onde se formaram mais de mil e duzentos jovens, atualmente bem situados na indústria, com
certificado. Estes jovens, de outra forma não teriam chances de estudarem. Excelente curso,
excelente escola, perseguida, caluniada e fechada pela burra conjuntura educacional
brasileira.

- Professor registrado no Ministério de Educação e Cultura, na disciplina de Planejamento e


Controle da Produção.

- Fundador do Instituto Augusta de Pesquisas Bioquímicas


São Paulo, Setembro de 1982.

Engenheiro químico Francisco Antunes

INTRODUÇÃO

Nesta décima edição apresento dois trabalhos, pesquisa de minha lavra, que se referem ao
metabolismo nos reinos animal e vegetal, com destaque para o gênero humano.

O primeiro de nominado "O ENVELHECIMENTO HUMANO,: UMA CAUSA, MUITOS EFEITOS", ",
investiga a correção de certos estado patológicos que surgem com a idade, aparentemente
sem causa determinante; tem uma preocupação curativa. Trata-se de uma matéria publicada e
esgotada , da qual se tirou nove edições ou cerca de duzentos mil exemplares. O segundo
denominado “CARÊNCIAS MINERALÓGICOS DA FLORA E DA FAUNA”, estuda o problema das
carências minerais na nutrição e que tem um enfoque predominantemente preventivo. Um
resumo deste foi publicado no número 416 da “Revista Engenharia “ e no número 1 do Jornal
“Evolução”, veículos esses no Instituto de Engenharia de São Paulo”

Enfatizo o segundo trabalho da mais ampla significação. Nele os estudiosos veem nitidamente
a evolução do problema da longevidade com ausência de patologias, evento exaustivamente
procurado pela humanidade. “O Elixir da longa vida,” tem seus contornos bem definidos.

Estou hoje convencido – A velhice é decorrente da desmineralização do organismo. Não tenho


dúvida sobre esse fato, pois as evidencias são muitas.

Este livro tem um cunho cientifico, mas é escrito em linguagem simples e de fácil
compreensão, a todos que, de uma forma ou de outra, a ele recorrem para a correção de um
efeito negativo em seu organismo.

Parte dos assuntos aqui tratados já foi estudada por outros pesquisadores. Ou cientistas, em
formas diferentes em épocas diferentes. É difícil em se tratando do metabolismo humano, e
das evidências patológicas, fazer afirmativas sem que outros pesquisadores ou pensadores,
não tenham dito de uma ou outra forma..

Em 1870, os cientistas I. SALKOWSKI, A. LIEBEM, H. SARDOLT, C. MUNK identificaram no dejeto


intestinal violentos venenos. Parte destes em solução aquosa tem como destino a corrente
sanguínea.

Parte dos assuntos aqui tratados já foram estudados por outros pesquisadores. Ou cientistas,
em formas diferentes em épocas diferentes. É difícil em se tratando do metabolismo humano,
e das evidências patológicas, fazer afirmativas sem que outros pesquisadores ou pensadores,
não tenham dito de uma ou outra forma..

Em 1870, os cientistas I. SALKOWSKI, A. LIEBEM, H. SARDOLT, C. MUNK, identificaram no


dejeto intestinal violentos venenos. Parte destes em solução aquosa tem como destino a
corrente sanguínea. Em 1821 o eminente Stardeler, alertou o meio cientifico da época para a
presença de FENOL, nos dejetos humanos, na proporção de 0,0004 a 140 gramas e cabendo
maior proporção em estado patológico!
O Professor Lipchuts, membro da Academia Nacional de Medicina de Madrid, o eminente
Professor Metchnikoff e o Professor Hufeland , tiveram suas atenções voltadas para os
problemas atinentes ao envelhecimento humano. Muitas das suas opiniões, guardadas a
evolução da época, devem ser consideradas como importantes.

A existência de fatores negativos , em nosso metabolismo, a evidência das doenças que


aparecem em nosso corpo como o envelhecimento, são fatos conhecidos há longa data. As
formas como preconizo trata-los, os estudos e conclusões que apresento, nas páginas que se
seguem, não se fundam em trabalhos ou pesquisas anteriores de meu conhecimento.

A importância da oxigenação intestinal revela-se ainda, por exemplo, no caso da azia.

Basta ao portador desse mal retirar o máximo possível de ar de seus pulmões, comprimido
simultaneamente o abdômen, e em seguida inspirar todo o ar possível projetando o abdômen
para fora, com soltura, . Repetindo essa ação respiratória umas dez vezes, algo que toma assim
como três minutos, o mal se vai.

O que ocorre é que o exercício elimina todo o ar viciado, existente no aparelho digestivo,
substituindo por oxigênio atmosférico, que impede a formação de compostos orgânicos
sulfurados e de mercaptanas, a meu ver, consequentes diretos da fermentação, essa última, a
grande geradora da azia.

Essas elementares observações foram o ponto de partida para inúmera outras que me
conduziram homogeneamente, à mesma conclusão: a melhoria da taxa de oxigênio no
aparelho intestinal impede a formação de variados compostos, perniciosos à saúde, que agem
como tóxicos nos mais diferentes e distantes tecidos e órgãos danificando e prejudicando seu
desempenho.

A oxigenação das vias gastrointestinais é importante e vários processos foram aventados para
realizá-la. O ozônio ou oxigênio trivalente (O3), tem sido recomendado ultimamente para
esse fim; no entanto, o ozônio não deve ser ingerido porque destrói as células responsáveis
pelo olfato e paladar, assim como as enzimas necessárias à digestão. Assim, a água ozonizada
não deve ser ingerida, sob forma alguma.

O ENVELHECIMENTO HUMANO

- Uma causa, muitos efeitos -

Em 1960, fenômenos estranhos estavam acontecendo em meu corpo; gases intestinais em


abundância, intoxicações contínuas, aftas, azias, cansaço, etc. Um médico consultado,
após os necessários exames, receitou-me alguns remédios, e deu-me um

regime alimentar. Os remédios embora desagradáveis de tomar, ainda eram toleráveis, mas o
regime, esse não. Quem, como eu, acostumado a uma boa mesa, um virado à mineira, uma
boa linguiça calabresa, um churrasco de carne de costela bem gordurosa, uma feijoada, etc.,
vê-se de repente privado de tudo sobre fatalmente um processo de frustração.

Foi assim, até que um dia, em conversa com o mesmo médico lembrou-me ele que o corpo
humano é a mais perfeita fábrica química que existe.
Ora, nesse momento, eu, proprietário dessa fábrica, engenheiro químico formado pela Escola
Politécnica de São Paulo, ex-aluno do saudoso professor Roberto Hottinger, bioquímico de
renome mundial, resolvi assumir a direção técnica da fábrica, e aconteceu

o milagre:;foram-se embora as azias, as intoxicações, e tudo o mais, inclusive os etc. e o


famigerado regime alimentar.

Assumindo o cargo, minha primeira tarefa foi uma análise geral e pesquisa do
processamento químico dentro do corpo humano, procurando analogias com os processos
industriais.

Após esta análise, verifiquei com espanto, a existência de uma série de inimigos do corpo
humano, soltos, olvidados, não combatidos, e alguns deles até aceitos pele corpo médico e
pelas análises laboratoriais.

Erodindo nossa vida, atrofiando nossos órgãos, quebrando o equilíbrio de nossas células, eles
ai estão em nosso corpo, responsáveis diretos pelas dissoluções, precipitações,

polimerizações, e reações diversas, envelhecendo prematuramente nosso organismo. É


preciso apontá-los em letras maiúsculas:

ÁLCOOL, ÁCIDO ACÉTICO, FENOL, MERCAPTANAS, ESCATOL, INDOL, FOSFOGÊNIO


SULFURADO, URÉIA,, PRODUTOS AMONIACAIS,, CADAVERINA ,TOXINAS DIVERSAS,,
ALDEÍDOS, ACETONA, ESTERES, ALCOÓIS, GÁS SULFÍDRICO,,SULFETOS, PTOMAÍNAS, METANO,
ETC.

COMO AGEM ESTES TÓXICOS?

ÁLCOOL - O Álcool é o primeiro veneno produzido pela fermentação. Ele não é necessário à
vida! Os médicos, os bioquímicos, os biólogos dizem que é normal ter um pouco de álcool no
sangue porque ignoram totalmente como se pode evitar a fermentação. A fermentação que
sucede a uma refeição mal combinada é tão comum a ponto da presença de álcool virar uma
coisa normal. Esse álcool endógeno (gerado interiormente) causa aquela sensação de cansaço,
de moleza, de preguiça e de vista pesada após a refeição e você não deve e nem precisa se
sentir assim. A razão principal para que uma pessoa tenha cirrose sem jamais ter bebido uma
gota de álcool sequer é a fermentação do paciente que leva a suficientes quantidades de
álcool produzidas por ele mesmo. Esse álcool, que pode chegar até meio copo pequeno depois
de cada refeição também causa hepatite, câncer e outros tantos tipos de degenerescências
celulares.

A HUMANIDADE FERMENTA DIARIAMENTE CRIANDO ASSIM CONDIÇÕES INTERNAS PROPICIAS


PARA O DESENVOLVIMENTO DE FUNGOS, BOLORES, PARASITAS,BACTÉRIAS E VÍRUS E OUTRAS
TANTAS DISFUNÇÕES E DISTÚRBIOS ORGÂNICOS. PRETENDE CURAR SEUS MALES COM
REMÉDIOS e outros tantos tipos de tratamentos alternativos, MAS NÃO REMOVE A CAUSA
PRINCIPAL- A FERMENTAÇÃO. QUANTAS VEZES VOCÊ JÁ ESCUTOU ALGUM MÉDICO
“ESPECIALISTA” FALAR QUE TAL DOENÇA NÃO TEM CURA E SIM CONTROLE? MAS ELES
ESTUDAM TANTO E A ÚNICA COISA QUE SABEM DIZER É QUE A “CIÊNCIA” AINDA NÃO TEM
UMA RESPOSTA PRA ISSO OU PRA AQUILO?
POIS É, ENQUANTO CONTINUARMOS DIZENDO QUE TUDO “PEGAMOS DE FORA” E DOS
OUTROS E PRETENDERMOS APENAS TRATAR OS SINTOMAS COM PALIATIVOS, SEM IRMOS
MAIS FUNDO NAS CAUSAS, TODAS AS GRANDES DOENÇAS OU DISFUNÇÕES, NUNCA TERÃO
CURA, APENAS TRATAMENTO E PORQUE NÃO DIZER “TORTURAMENTO”.

PARECE QUE NÃO HÁ INTERESSE EM CURAR. PARECE QUE O INTERESSE MESMO É ESTAR NO
CONTROLE DAS COISAS E PEDIR AO PACIENTE QUE SE ACOSTUME COM SEUS PROBLEMAS
(ENXAQUECA, DEPRESSÃO, PRESSÃO ALTA, DOR NAS COSTAS, NAS ARTICULAÇÕES,
ALZHEIMER, PARKINSON, PERDA DE MEMÓRIA, INSONIA, ETC.) E QUE APRENDA A CONVIVER
COM SUAS DORES.

ESTÁ NA CARA QUE O INTERESSE PELA DOENÇA É BEM MAIOR DO QUE O INTERESSE PELA
PREVENÇÃO E PELA EXCELENTE SAÚDE DOS CIDADÃOS!

MERCAPTANAS - ataca o aparelho respiratório, destruindo as células e levando a processos de


gases responsáveis pelo aparecimento de azias e das úlceras, alergias e manchas na pele.

FENOL - corrosivo destruidor do sangue e dos órgãos internos. Produz gangrena e Colapso
(nefrites, leucemias ( minha nota -pesquise na internet (Phenol and Leukemia), degenerador
dos rins e do fígado), é basicamente encontrado no alcatrão (comida queimada, chamuscada,
cigarro) e também é agente gerador de carcinomas, responsável por distúrbios hormonais.

ACETONAS E ALDEÍDOS - tem uma ação negativa sobre o sistema nervoso motor.

ÁCIDO SULFÍDRICO - dores de cabeça, enxaqueca, transtornos digestivos, enfraquecimento


geral, fenômenos de paralisia, dissolvente dos ossos, amortecimentos dos comandos nervosos,
amortecimento dos movimentos peristálticos, reumatismo e artritismo, por ele ser corrosivo.

AMONÍACO – UREIA - catarro bronquial, irritação dos olhos, provoca falta de ar e retenção de
urina.

INDOL - causa entre tantas coisas, fadiga e depressão.

ESCATOL - gases ou flatulência.

PUTRESCINA - abdômen proeminente, flácido ou rígido. Está aí a causa de tantas barrigas feias
em nossa sociedade. Barrigas feias de gente intoxicada. E não se trata aqui de fazer centenas
de exercícios abdominais por dia e sim desintoxicar o fígado, o intestino, acabar com a prisão
de ventre e o ressecamento intestinal; e o abdômen desinchará e terá um aspecto saudável.

CRESOL - mau hálito, língua saburrosa e odores corporais desagradáveis.

CADAVERINA - irritabilidade, ansiedade e nervosismo.

HISTAMINA - coceiras, descamação da pele.

BOTULINA - problemas de pele, Hanseníase e câncer.

SEPSINA - tumores, miomas, cistos.

SULFETOS - anemia e câncer


SEPTICINA - paralisia, infecções.

ÁCIDO BUTÍRICO - cardiopatias, varizes e tromboses.

AMÔNIA - a amônia é produzida por parasitas e suas bactérias, o homem não a produz, ela
causa insônia!

NEURINA - neurite e neuralgia.

ÁCIDO ACÉTICO – azias; degenera o fígado. Pode causar cirrose sem a pessoa jamais ingerir
álcool! Esse mesmo ácido colabora para o aparecimento das hepatites.

COMO APARECEM ESTES TÓXICOS?

Esta indagação nos ocorre: quais suas origens, como são formados, por que mecanismo?

Na complexa estrutura celular do corpo humano, suas glândulas de secreção interna, seus
órgãos, não vislumbramos condições propícias à essa geração. As intervenções que aí ocorrem,
visam unicamente proporcionar um equilíbrio vital, ou seja, alimentação, movimentos e
limpeza. Não encontramos sequer remotas condições para a formação de Metano, Gás
Sulfídrico, Fenol, Mercaptanas, etc.

Por outra lado sabemos que todos estes agressivos são encontrados na natureza quando há
matéria orgânica em fase de Fermentação-Putrefação. Cumpre, assim ao pesquisador,
procurar dentro do metabolismo humano, a possível existência de matéria orgânica vegetal
ou animal, susceptível à decomposição.

No aparelho digestivo, essa presença é constatada, pois constituem a essência dos alimentos.
Diante dessa evidência começamos a entender o mecanismo responsável pela
degenerescência da vida humana.

O alimento ingerido durante a fase digestiva entra em contato com microrganismos, os quais
constituem um terço dos dejetos , e pela própria ação vital desses agentes fermenta e se
putrefaz caso o alimento não seja tratado pela correta adaptação enzimática .

Conclui-se daí que os nossos próprios intestinos, depois de terem recebido alimentos que
foram introduzidos aleatoriamente sem que fossem recepcionados pelas mais perfeitas
condições enzimáticas, tornam-se um cadinho gerador de tóxicos, e os micro organismos
constituintes de nossa FLORA INTESTINAL, seus formadores.

Costuma-se definir dois tipos de flora intestinal, a “ÚTIL” e a outra; mas segundo os meus
estudos , não existe nenhuma FLORA ÚTIL, todas são adversas, todas agindo sobre o bolo
alimentar geram tóxicos. É evidente que umas dão certos tóxicos, outras produzem outros,
conforme se pode constatar “in vitro” e nos processos industriais .

Também podemos constatar a eliminação de um tipo de micro organismo por outro, mas
entre estes fatos e a sua caracterização como ÚTIL, vai uma grande distância.

A afirmação de que certos lactobacilos, certos micro organismos, fazem bem ao organismo,
não resistiria a uma pesquisa cientifica isenta de ânimo.
A longevidade de habitantes de certas regiões do globo deve-se levar a crédito, à hábitos
frugais e comportamentos austeros; muito trabalho no campo, ar puro e horas de sono
regulares. Atribuir a longevidade à certos tipos de coalhadas é imaginação.

Esses radicais químicos são obtidos, quando na tecnologia industrial, em equipamentos

onde seja vedada a introdução de oxigênio. O oxigênio impede a sua formação, sendo

assim, não é preciso ser um tecnologista para compreender que a simples introdução

do oxigênio no processamento digestivo evitará a formação desses radicais

agressivos, e em consequência cessará o processamento patológico dos quais são os

únicos causadores.

A exteriorização de um mal representa uma parcela pequena do que está acontecendo em


nosso organismo. Uma afta, uma espinha ou um cravo, manifesta-se em um determinado
ponto da nossa epiderme, mas é preciso compreender que o agente ou os agentes
causadores, já percorreram o sistema linfático, o fígado, o sistema circulatório, onde
estiveram em contato com o sangue, não puderam ser eliminados pelos rins ou pela
transpiração, e foram por isso romper um tecido de alta resistência – a pele. Seria
ingenuidade pensar que a simples cura exterior desse fenômeno, recompõe o corpo nos
seus devidos lugares.

Essa exteriorização ocorrida foi provocada por uma concentração enorme de tóxicos,

superiores às possibilidades de eliminações dos órgãos correspondentes.

Há, entretanto, concentrações menores desses agressivos, que não se

exteriorizam, mas que agem por todos os condutos humanos.

Em uma pessoa de intestinos preguiçosos, isto manifesta-se diariamente e é tanto

maior quanto maior for a concentração de albuminas, gorduras, etc. que ingerir.

Entretanto, é necessário que se tenha em mente que não somente as pessoas que
possuem intestinos preguiçosos tem tais fenômenos que se apresentam, mas

todos, depois da meia idade.

È preciso compreender que, mesmo sem uma exteriorização, há um desgaste interno pela

circulação contínua dos agressivos enumerados. Essa agressividade constante leva o

paciente a um estado clínico em declínio, possibilitando uma série de moléstias, umas

mais perigosas que outras, mas, que somatória leva-nos prematuramente ao colapso.

Todos esses fatos com os que adiante estão relatados levam-me à convicção da
legitimidade da tecnologia bioquímica por mim defendida, convicção que o caminho

preconizado, não somente é o certo, como o único a seguir pela tecnologia médica,

quando à cura dos processamentos patológicos nos organismos em fase de envelhecimento.

Como a conjuntura médica tem recebido o meu trabalho?

Esta é uma pergunta que realmente me fazem constantemente. A conjuntura médica não

está bem em condições de aceitar a minha orientação sem luta. Há muitos séculos

ela vem fazendo as seguintes afirmações:

1 – Que fermentações putrefações intestinais, são necessárias. E que o equilíbrio entre

elas em um organismo aparentemente são, é necessário.

2 – Que os produtos intestinais negativos não têm influência importante sobre o

truncamento da vida.

3 – Que há necessidade de flora intestinal útil.

Como é que essa conjuntura pode receber sem luta uma orientação bioquímica que nega

de princípio todos esses dogmas, e oferece em contra partida uma outra tecnologia?

H. Maret em seu livro’’ Pensées et avis”, faz a seguinte afirmação: ‘’Existem verdades tão
evidentes que no existe maneira de fazê-las entrar em alguns cérebros.

COMO AGEM ESTES TÓXICOS II

1- O Gás Sulfídrico dissolvido na corrente sanguínea, é por princípio dissolvente do tecido


ósseo. Com o passar dos anos as juntas e articulações ósseas, por qualquer entorse violento ou
pancada, expõem parte desse tecido à ação do Gás Sulfídrico e seus derivados, dando início a
um processo de dissolução.

Essa dissolução pode alcançar diversos graus, conforme a natureza do ataque, na seguinte
escala de valores. Reumatismo, Artritismo, Reumatismo deformante Osteoporose.

2- Quando há uma dissolução, como acontece com o que foi dito acima, o sal cálcico daí
resultante entra em circulação; parte dele é eliminado pelos meios naturais que o organismo
possui para limpeza e saneamento, parte fica em dissolução na corrente sanguínea, podendo
alcançar o grau de saturação. Como sabemos, a solubilidade de um composto é função, entre
outras da TEMPERATURA. A uma determinada temperatura, um solvente admite uma certa
quantidade de soluto dissolvido. Pois bem, se considerarmos o líquido saturado de sal cálcico,
hipótese bem provável de acontecer, qualquer variação de temperatura precipita ou admite
mais sal em dissolução. No corpo humano temos regiões que são mais frias que outras; na
coluna vertebral, entre esta e a pele, a temperatura é menor que o restante do corpo,
possibilitando a precipitação de sólidos nessa região, dando origem aos célebres BICOS DE
PAPAGAIO e bursites.

3- Há outras precipitações pelos mesmos mecanismos dos sais cálcico ou férrico em outras
regiões do corpo., ocasionando anomalias definidas. Também as precipitações podem ser de
outras origens, tais como o aumento excessivo de TÓXICOS na corrente sanguínea
ocasionando enfarto precipitados.

4- Muito embora tenhamos agentes agressivos no sangue, estes, pelas suas características
podem formar uma solução não homogenia e então, levados pela corrente sanguínea,
envolvem as hemoglobinas , tanto quanto seja possível, impedindo sua desintoxicação quando
em contato com os pulmões. Este sangue parcialmente regenerado, provoca um estado de
angústia, obrigando certos pacientes aumentar o ritmo respiratório, na tentativa de
compensar essa anomalia, caracterizando um fenômeno patológico que chamamos de ASMA.

5- Quando a falta de oxigenação das hemoglobinas não é tão elevada que possa provocar
fenômenos asmáticos, o sangue parcialmente recuperado não exerce em sua plenitude a
função vital. Parte dos tecidos, principalmente o tecido nervoso, órgãos, glândulas e mesmo o
cérebro, não são convenientemente oxigenados , mas intoxicados, ocasionando nos
pacientes , nestas condições , o que chamamos de ENXAQUECAS..

6- Pelo contato direto, os nervos que comandam os movimentos peristálticos dos intestinos,
com o sangue intoxicado, ficam parcialmente anestesiados. Estes movimentos tornam-se
lentos por essa razão. Os alimentos demoram mais em seu percurso, o que favorece a
formação de mais toxinas anestesiantes e consequentemente mais lentos se tornam os
movimentos peristálticos. TEMOS assim o que se chama INTESTINOS LENTOS ou
PREGUIÇOSOS.

7- Tanto a Química, como seus ramos mais nobre a Bioquímica, desconhece compostos
orgânicos ou não, no qual não se possa exercer um tipo de reação, mediante condições e
reagentes apropriados. Existem muitos processos na química orgânica com objetivo de
substituir ou acrescentar radicais em um composto orgânico. O CROMOSSOMO é uma cadeia
química, ou melhor, um composto orgânico que tem por função transmitir e controlar as
características genéticas. Este determina a localização, concentração e distribuição das células,
de modo a tornar como o é, o corpo humano um todo harmônico.

Suponhamos que se possam encontrar condições para um agente químico atacar um


CROMOSSOMO, alterando parte de sua estrutura. No final dessa reação, teremos , teremos
sem dúvida alguma um CROMOSSOMO ALTERADO, com características de mando diferente.
Dentre os tóxicos encontrados no corpo humano, o FENOL, o GÁS SULFÍDRICO e
MERCAPTANAS, além de outros não menos tóxicos, possuem agressividade química, que
possibilita esta transformação. Vejamos esse mecanismo esquematizado:

-1-

Matéria orgânica Vegetal ou Animal + Vírus e Bactérias geram TÓXICOS

-2-
TÓXICOS + Condições + CROMOSSOMO NORMAL geram CROMOSSOMO ALTERADO

-3-

Cromossomo alterado ---- CARCINOMAS (câncer) geram Novos Comandos

8- Os produtos tóxicos dissolvidos no sangue agem sobre os componentes dos mesmos, sando
origem a substâncias diferentes. Com as gorduras da reserva alimentar, dão origem à
substâncias sebáceas(polimerização. São os CRAVOS ou QUISTOS SEBÁCEOS, etc...

9- ESCLEROSAMENTO

Ao exercer suas funções alimentares e saneadoras, o sangue impregnado de TÓXICOS


penetra por osmose em todas as células do corpo humano. Este mecanismo dá à
polimerização dos tecidos constituintes das membranas celulares, reduzindo assim o processo
osmótico, que alimenta e saneia cada célula Esta reação físico-química, reduz a capacidade de
armazenar água nas mesmas, agindo sobre a membrana celular e o protoplasma , a CÉLULA
SECA é o início da MORTE.

10- No aparelho digestivo, qualquer escoriação ali provocada, é constantemente banhada por
estes agressivos, os quais ocorrendo estas escoriações, impedem a sua cicatrização,
aumentando ainda e sempre a área de ataque, quer em superfície, quer em profundidade:
ÚLCERAS.

A mesma ação se processa nos seguimentos intestinais tanto do reto como do ânus, pois
neste local, as fezes possuem a maior concentração de tóxicos com consequentemente, maior
agressividade: HEMORROIDAS.

As anomalias químicas decorrentes destes agressivos, não se apresentam; todas as pessoas


que apresentam um elevado índice de toxidez possuirão todas as anomalias variando
unicamente o grau, patologicamente falando. É engano atribuir ao ácido clorídrico necessário
á digestão, qualquer responsabilidade pelo excesso de acidez no aparelho digestivo,
atribuindo-se á Mercaptanas e ao gás sulfídrico, essa função, o que é correto.

A exteriorização de um mal representa uma parcela pequena do que está acontecendo em


nosso organismo. Aftas, espinhas ou cravos, manifestam-se em determinados pontos de nossa
epiderme, mas os agentes causadores, diluídos no sangue, já percorreram o sistema
circulatório onde estiveram em contato com as células dos tecidos. Não poderiam ser
eliminados pelo fígado, pelos rins o pela transpiração e foram por isso romper um tecido de
alta resistência: a pele. Seria ingenuidade pensar que a simples “cura” exterior ( que nunca
busca remover as causas operantes) desse fenômeno, repõe outras partes do corpo nos seus
devidos lugares.

Mesmo sem uma exteriorização, há um desgaste pela circulação contínua dos agressivos
enumerados. Essa agressividade leva-nos a um estado de declínio, possibilitando uma série de
moléstias, uma mais que outras, as quais na somatória conduzem-nos prematuramente ao
colapso.
Muitas vezes vemos indivíduos com uma pele aveludada e muito bonita e achamos que esses
se encontram em ótimo estado de saúde. Enquanto isso ocorre vários fenômenos e reações
químicas degenerativas em seus interiores. O dermatologista não vê nada, porque também
para ele, aparentemente tudo está bem. Eis a razão de nos aprofundarmos nas causas
bioquímicas das mais variadas disfunções e desarranjos dos organismos humanos e de outros
animais.

Todos esses fatos, como os que adiante estão relatados, deram-me a convicção da
legitimidade (justeza) da orientação bioquímica defendida e a convicção de que o caminho
preconizado não é somente o certo, como um a seguir, quanto à sustação de processamentos
patológicos em todos os organismos e não apenas naqueles em fase de envelhecimento.

Como a conjuntura médica tem recebido o meu trabalho?

Esta é uma pergunta que realmente me fazem constantemente. A conjuntura médica não

está bem em condições de aceitar a minha orientação sem luta. Há muitos

séculos ela vem fazendo as seguintes afirmações:

1 – Que fermentações putrefações intestinais, são necessárias. E que o equilíbrio entre elas em
um organismo aparentemente são, é necessário.

2 – Que os produtos intestinais negativos não tem influência importante sobre o

truncamento da vida.

3 –Que há necessidade de flora intestinal útil.

Como é que essa conjuntura pode receber sem luta uma orientação bioquímica que nega

de princípio todos esses dogmas, e oferece em contra partida uma outra tecnologia?

SANGUE FENÓLICO

O corpo humano é alimentado pelas vias normais para se manter. Os alimentos já na sua
forma assimilável são retirados dos intestinos e por meio de canais levados ao seu
destino. Este mecanismo dá passagem e conduze juntamente com os alimentos, os tóxicos
referidos em nossa demonstração inicial.

Desta maneira, o sangue enriquecido com alimentos e tóxicos exercem no organismo duas
funções: a função de alimentar e a função degenerativa..

Para facilidade de compreensão e evidência de suas funções negativas, chamarei desse


sangue de SANGUE FENÓLICO..

O SANGUE FENÓLICO sofre um tratamento desintoxicante no fígado e posteriormente nos


rins. A partir da meia idade ou nas pessoas com intestinos preguiçosos( 90% da sociedade
ocidental), o trabalho saneador desses órgãos não é
completo, ficando sempre uma parte residual mercê do acúmulo de toxinas.- e produtos
químicos agressivos os quais atacando o nosso organismo, descontrolam-se, dando origem,
como vimos às mais várias anomalias.

A sobrecarga tóxica não dá tempo e oportunidade, principalmente aos rins, para a


eliminação dos tóxicos menos agressivos ao metabolismo.

Isto dá-se com os asmáticos, alérgicos em geral, com os nervosos e com os diabéticos,
como também os que possuem a sua saúde em declínio, apresentando ou não doenças graves.

O SANGUE FENÓLICO apresenta a série de tóxicos enunciados como também o gás


sulfídrico ou ÁCIDO SULFÍDRICO.

Este ácido tem sua ação principalmente na corrosão interna dos tecidos e órgãos e ataca o
sistema nervoso e motor.

O SANGUE FENÓLICO age em nosso organismo das formas mais negativas entre as quais
permitam-me enunciar as seguintes:

1 – Anula as funções dos registros e válvulas dos dutos.

2 – Polimeriza os tecidos das artérias, veias e dutos e tecido celular, esclerosando-os.

3 – Deposita matérias nas paredes internas dos dutos reduzindo assim o fluxo
sanguíneo alimentador.

4 – Polimeriza substâncias no sangue, impossibilitando assim sua eliminação pelas vias


normais, aumentando a viscosidade sanguínea.

5 – Ataca e transforma as características das gorduras e ácidos graxos levando à


formação de substâncias sebáceas insolúveis.

6 – Descontrola o sistema nervoso e seus comandos nervosos, impedindo que as correntes do


mesmo completem suas funções, levando até mesmo ao entorpecimento mental geral de
uma sociedade que se torna submissa, entregue e pessimista.

7 – Amortecem os movimentos peristálticos do aparelho digestivo, o segundo cérebro,

por um processo anestésico

8 – Degenera o sangue por coagulação ou por dissolução.

9 – quebra do equilíbrio na reprodução ou crescimento de determinadas células por reações


químicas nos CROMOSSOMOS, dando a estes novos comandos, porém anárquicos.

10 – Impede a oxigenação completa das hemoglobinas, transformando o metabolismo.

11 – Dissolve o tecido ósseo de diversas formas

12 – Precipita substâncias sólidas nos ossos e nos órgãos


13 – Impede a cicatrização dos tecidos.

14 – Torna os tecidos lisos e ossos quebradiços.

15 – Reduz a alimentação dos tecidos e órgãos atrofiando-os.

16 – Torna a idade crítica difícil.

17 – Impede e descontrola a gestação agindo sobre o feto.

18 – Favorece a eclosão de espinhas, cravos, caspas e úlceras.

19 - É responsável pela gradativa diminuição de água que há no organismo.

20 – Dá origem a tumores sebáceos.

21 – Dá ambiente às viroses.

22 – Evita a cicatrização de úlceras internas e externas provocando hemorragias.

É A ORIGEM DE TODAS AS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO HUMANO LEVANDO-NOS


PREMATURAMENTE AO COLAPSO.

Eis um grande inimigo do corpo humano: O SANGUE FENÓLICO.

Eis o agente formador: A FLORA INTESTINAL

FENÔMENOS DIELÉTRICOS - São ocasionados pela perda de reflexos ou semi paralisação dos
movimentos dos órgãos.

Exemplos: intestinos preguiçosos, membros semi paralisados de manhã ao levantar-se,


entorpecimento, etc.

A Tecnologia médico-farmacêutica propõe para nossos organismos, uma série enorme de


radicais orgânicos na sua maioria de efeitos mais negativos que positivos, evidenciando assim
uma reformulação terapêutica.

Em síntese, podemos resumir nossa vida segundo o esquema abaixo:

VIDA = água+ oxigênio + alimento + movimento + reações.

Se o processamento digestivo dos alimentos for efetuado com a presença de oxigênio, os

produtos são bons para metabolismo humano e isentos de substâncias tóxicas. Masse
o processamento for feito em ambiente sem à presença de oxigênio, teremos

então reações de putrefações e fermentações nos alimentos ingeridos, com formação


de fenol, gás sulfídrico, fosfagênio, ureia, amoníaco, mercaptanas, indóis, enfim os
referidos tóxicos.
Esses produtos estranhos, agindo sobre o corpo humano dia após dia, ano após ano,
produzem precipitações, ,dissoluções, polimerizações e reduções causadoras de inúmeras
doenças.

O ambiente intestinal sem oxigênio é o responsável por estas calamidades; sua


transformação para oxigenado fatalmente acarretará a mudança do quadro clínico, e é o
que efetivamente acontece.

A mudança do ambiente pode ser conseguida facilmente com peróxido de oxigênio


(vulgarmente conhecido como água oxigenada), em solução aquosa, por via oral, ingerida
diversas vezes por dia.

A tecnologia médico-farmacêutica poderá encontrar outros produtos que impeçam as


fermentações e putrefações intestinais, mas duvido que encontre outro tão barato e eficiente
como o peróxido de hidrogênio.

A ausência de oxigênio no ambiente intestinal e ideal para à cultura de vírus de toda a


espécie. A simples alteração do meio ambiente faz abortar o processamento doentio
ocasionado pelas viroses patológicas, gripes, hepatites, desidratação, etc.

A VIDA

A VIDA média do gênero humano tem sido ampliada em certas áreas á mercê dos processos
profiláticos e do saneamento do meio.

Muito embora esta tenha alcançado limite cada vez maior ainda é cedo para a caracterização
do máximo que a espécie pode alcançar.

Mas este progresso não eliminou, da idade avançada certas doenças específicas , as quais
estatisticamente, estão presentes com o envelhecer 99% das pessoas encontram a morte
antes dos cem anos de idade limite modesto para o nosso ciclo vital.

Há necessidade do aumento da média da vida útil, mas que seja pulsante e que todos os
órgãos se apresentem em efetivo funcionamento.

Metchnikoff em seu livro “ A NATUREZA DO HOMEM” afirmou com muita propriedade:

“Não se deve admitir a velhice como um fenômeno normal somente porque a maioria
envelhece e perece mais cedo”.

O Britânico Naegeli concluiu que: “Na natureza não existe a morte natural.. a morte ocorre
por causa de acúmulos de toxinas ao ponto de obstruírem a vida ou por causa de algum
acidente”.

Tudo nos leva a concluir que em condições ideais de manutenção o limite da vida supera
muito os cálculos mais otimistas.

Até hoje temos tratado especificamente as doenças que nascem em nós como envelhecimento
e, descuidando de eliminarmos as causas que possibilitam a eclosão das mesmas.
Sob o aspecto bioquímico, é fácil de se constatar que o organismo humano, com a idade vai
apresentando doenças resultantes unicamente das reações bioquímicas como: dissoluções,
polimerizações, precipitações, precipitações, reduções e fenômenos dielétricos.

- DISSOLUÇÕES – Encontradas nas deformações ósseas, condutos sanguíneos frágeis (varizes),


reumatismo, reumatismo deformante, osteoporose, artritismo e leucemias.

-PRECIPITAÇÕES- Depósitos sólidos em alguns órgãos, nos ossos, principalmente na coluna


vertebral nas vias urinárias, os coágulos sanguíneos, e as precipitações de micelas
albuminosas nas células, bursites, ,etc.

- POLIMERIZAÇÕES Encontramos nos vasos esclerosados (endurecimento dos vasos),,

esclerosamento dos envoltórios das células, na pele seca, etc. É responsável pela gradativa
eliminação porcentual de água no organismo humano o que caracteriza o início da morte,

-REDUÇÕES: Encontramos nas ulcerações do ambiente digestivo, gases intestinais,


intoxicações, ulcerações nos eczemas, cabelos brancos, hemorroidas, etc.

-FENÔMENOS DIELÉTRICOS - São ocasionados pela perda gradual dos reflexos,


entorpecimentos em geral ou semi -paralisação dos movimentos dos órgãos ocasionados por
agentes químicos com características anestesiantes Exemplos: intestinos preguiçosos,
membros semi -paralisados de manhã ao levantar-se, entorpecimento, etc.

No dia que eliminarmos os nomes complexos que damos para essas anomalias , dando às
mesmas os nomes bioquímicos das suas reações, e raciocinarmos como bioquímicos, teremos
dado um grande passo no controle do envelhecimento humano precoce e de

suas consequências.

Verificamos, então, que s correções necessárias podem ser conseguidas , de uma forma lógica
e simples, sem termos de recorrer com raras exceções, á complexidade dos

radicais absurdos da química orgânica , integrantes dos medicamentos das tão poderosas
Multinacionais das drogas consideradas lícitas.

E isto somente pode ser conquistado com uma mudança de mentalidade, sem o que não erá
possível o progresso.

Na procura das condições para o aumento e manutenção do ciclo vital devemos ter em mente
o seguinte:

1) O corpo humano como organismo perfeito;

2) Meio ambiente adequado ás funções vitais:

3) Alimentação que possa receber este nome.

4) Água pura com índice máximo de oxigenação.

5) Processo para levar o oxigênio em todo o corpo onde existe necessidade dos mesmo:
6) Neutralização dos vírus e bactérias intestinais, sejam quais forem suas características.

CORPO HUMANO COMO UM ORGANISMO PERFEITO

As extensões tecnológicas sequer chegaram a compor um sistema operacional que

pudesse se aproximar do funcionamento do corpo humano. A perfeição do funcionamento

humano possui processos interligados , para os quais colaboram todas as áreas possíveis

do conhecimento e outras que ainda não foram exploradas. É um sistema integrado que

funciona por via líquida , com ações comandadas e subjetivas, que se amoldam em

sincronia perfeita, onde as partes exercem suas funções de uma forma adequada e em tempo
adequado.

Nada no corpo deve ser subtraído ou acrescentado para a luta por uma vida longa.

Desnecessário é o estudo das suas partes como estrutura, mas unicamente quanto ao seu

Funcionamento, para se concluir algo nesse sentido.

MEIO AMBIENTE ADEQUADO ÀS FUNÇÕES VITAIS

Não existe na superfície da terra, elemento mais predador que o gênero humano. Na ânsia

de mudar, destrói o que lhe apresenta pela frente : formações rochosas, montanhas,

vales, rios ou atmosfera. Lança em um ambiente que suporta um mínimo populacional ,

uma torrente de fecundação, o que abriga a uma espiral de realizações para suportar,

manter e criar , essa proliferação destruindo assim, o ambiente.

ALIMENTAÇÃO QUE POSSA RECEBER ESSE NOME

O maior mal que nos acompanha ao nos alimentarmos é sem dúvida alguma, a

IMAGINAÇÃO. Esta dita normas pessoais ou coletivas na procura da sofisticação dos

processos alimentares regidos pelo paladar e não pela razão. Novos ingredientes,

produtos dietéticos, tipos de preparo, levam tantos dissabores ao nosso sistema digestivo

,que é difícil calcular além do mais a nossa alimentação carente de microelementos(vide


segundo trabalho).

Os alimentos básicos devem ser consumidos, o mais possível de forma simples, sem

sofisticação , e as gorduras animais e vegetais devem sempre ser de boa qualidade.

Devemos entretanto procurar um alimentação a mais pura e integra possível , conhecendo


suas origens.
ÁGUA PURA COM BOM ÍNDICE DE OXIGENAÇÃO

A água é o fator básico da vida. O feto possui 97% de água, a criança 80% e o adulto 64,5%.
Por ser ela veículo de contato com todas as células dos tecidos do organismo, é fácil prever-se
que sua pureza é de tamanha importância. Dissolvidos na água somente podemos admitir
alimentos básicos ao organismo e oxigênio. Quanto maior a taxa de oxigênio dissolvido na
água, melhor é ela para a vida.

Os antigos Hindus não bebiam a água sem que fosse jorrada de copo a outro algumas vezes,
de altura razoável afim de que o contato com o ar a vivificasse.

Água com taxa máxima admissível de oxigênio, sem dúvida alguma, é necessária ao
organismo.

PROCESSOS PARA LEVAR OXIGÊNIO A TODO CORPO

O ar atmosférico, por meio da respiração, vai até os pulmões, oxigenando o sangue. Quando
comprimimos os intestinos e na descompressão também, vai até eles levando oxigênio. Deve
estar em todo nosso corpo. Onde quer que ele falte, a vida sofre dificuldades.

Já reparamos a vivacidade de uma criança, a não parar de movimentar-se. Já notamos quantas


vezes ela abaixa e levanta por hora. Não pensamos que ao se abaixar, ou sentar, comprime ela
seu abdômen, eliminado assim grande parte dos gases que ali se

encontram, e ao levantar-se, o ar atmosférico entra para o seu interior, levando consigo o


oxigênio vital.

Não reparamos que ao passarmos de criança a moço, e depois a adulto, o nosso movimento de
compressão e descompressão do abdômen vai diminuindo até quase desaparecer, e ao
mesmo tempo verifica-se uma diminuição da vitalidade. Diminuindo

essa respiração abdominal, pelo processo dos movimentos abdominais, gases são formados
nos intestinos .

A digestão torna-se delicada e encontra-se dificuldade para processar certos alimentos, o que
não nos acontecia antes.

O ar torna-se necessário também aos intestinos, para que a nossa vitalidade não decline.

Exercícios diários de compressão do abdômen, com maior frequência possível devem ser
praticados para a manutenção da oxigenação.

Assim agindo, teremos assegurado a todo o corpo o mínimo de oxigenação.

NEUTRALIZAÇÃO DOS VÍRUS E DAS BACTÉRIAS INTESTINAS

SEJAM QUAIS FOREM AS SUAS CARACTERÍSTICAS

A medicina aceita como válida a tese de uma FLORA INTESTINAL ÚTIL, sem entretanto
delimitar os seus contornos. A nosso ver e de acordo com nossas pesquisas tal FLORA não
existe . O que pode acontecer é a existência de determinados grupos de bactérias
com pouca ação tóxica em relação a outras. Entretanto, são todas elas negativas ao organismo
por serem fábricas de tóxicos.

Tais organismo vivos, mesmo supostamente considerados úteis, agindo sobre o bolo alimentar
no seu trajeto completo pelos intestinos e principalmente no percurso do intestino grosso,
decompõem certos alimentos, principalmente os proteicos, dando origem a toxinas, e
produtos químicos diversos. Estes em sua maioria, a tecnologia química os classifica como
negativos a qualquer vida.

A crença de que determinados de coalhadas e lactobacilos fazem bem ao organismo, não


resistem a uma pesquisa científica, isenta de partidarismo. Os bacilos nestes existentes, são de
ação menos tóxica que outros, os quais eliminam. Isto sim pode ser verdade. Os

micro organismos precisam viver. Para isso alimentam-se quebrando certas moléculas, o que
dá origem a esses venenos e não existem venenos bons ou positivos. Afinal, seus dejetos
também possuem toxidez.

A flora intestinal pode ser neutralizada por quatro processos principais, entre outros os

seguintes:

a) Pelos derivados salicílicos e pelo cloreto de sódio.

b) Antibióticos

c) Introduzir por processos diversos, oxigênio nos intestinos.

d) Oligo elementos

a - Dentre os produtos usados para a salga dos alimentos, temos o cloreto de sódio,
comumente chamado de sal de cozinha, muito conhecido pelas propriedades conservativas
,das proteínas animais e ao nosso ver negativo à vida.

Também o salicilato de sódio, excelente conservativo, muito empregado como comprimido


contra distúrbios passageiros no organismo.

Citamos esses dois por serem os principais no uso corrente. Tanto um como outro em
concentrações tais que impedissem a fermentação e putrefação, afetariam com o correr de

alguns dias, todo o organismo, dando em resultado certos distúrbios inaceitáveis para o

bom funcionamento, o que obrigaria a sustar a sua ação. No ato da suspensão do

tratamento a nova flora iniciará sua ação necrosante. É um processo a ser eliminado.

b - O uso de desinfetantes ou antibióticos, com finalidade de destruir a Flora intestinal produz


no organismo uma toxidez elevada, caracterizada da sua própria composição.

Enquanto a Flora é destruída ,o organismo padece. Antes mesmo que esses organismo se
recupere, já outra flora se instalou novamente nos intestinos com o intuito de fazer varrer e
eliminar todas aquelas bactérias cadavéricas que foram aniquiladas anteriormente pelos
próprios antibióticos. Pode-se com esse tratamento, eliminar até certo ponto, (nunca
totalmente) determinados tipos de vírus e bactérias, mas a flora com outras características, se
restabelece. A continuidade nesse tratamento é prejudicial ao metabolismo, porque a causa
operante não foi removida e porque faz criar uma superbactéria, isto é um pequeno monstro
que nenhum antibiótico pode mais exercer efeito.

c- O meio oxigenado é benéfico ao metabolismo humano. Constitui por si só a base da vida ao


lado de outros elementos como a água e os alimentos necessários. Não o é benéfico para os
integrantes da flora intestinal, pois essa vive em um ambiente onde a taxa de oxigênio é muito
baixa. O aumento dessa taxa modifica o meio ambiente, o que é bastante para reduzir
grandemente as atividades bacterianas, anulando-as em alguns casos.

d - Dos processos enumerados para a redução das atividades da flora intestinal, em primeiro
lugar, uma razoável oxigenação intestinal, e em segundo lugar, o atendimento completo dos
micronutrientes necessários à vida, pois estes além de serem básicos ao metabolismo,, agem
também como agentes inibidores à pretensa flora intestinal útil.

Em outras palavras, um ambiente rico em micronutrientes (“sais minerais”) é resistente à ação


de vírus e bactérias, enquanto que um ambiente alimentado por porcarias, alimentos
industrializados, álcool, drogas, remédios e tantas outras besteiras, é carente de resistência.

FERMENTAÇÃO E PUTREFAÇÃO: SEU CONTROLE

São reações de decomposição das proteínas e outros produtos orgânicos vegetal ou animal
pela ação bacteriana. É o maior desafio que enfrenta a humanidade na luta pela sobrevivência
sadia.

Estas reações decompõem os produtos proteicos dando como consequência, entre outros

produtos, toxinas de alta periculosidade para o organismo humano. Entre estas não podemos
de assinalar as ptomainas, os fenóis , os produtos sulfurados, etc.

No processamento digestivo além da digestão propriamente dita, temos:

Alimentos + Bactéria que geram Fermentação e (em seguida) geram Putrefação = Tóxicos

A fermentação é o primeiro estágio. Em uma cuba onde temos um caldo em fermentação, por
exemplo: o caldo de cana-de–açúcar ou de beterraba, se borbulharmos o ar atmosférico em
seu interior, a fermentação quase cessa; ela diminui em mais de 90%.

Eliminando o aborbulhamento, após alguns instantes, essa fermentação volta ás condições


anteriores.

O oxigênio do ar é o responsável por essa redução, pois o aborbulhamento dos outros


integrantes do ar atmosférico, não dão esses resultados.

Qual foi a ação determinante do oxigênio nessa sustação? É evidente que não esterilizou o
caldo de cultura, pois esta continuou depois. Então, como se portavam as bactérias durante o
aborbulhamento?
As bactérias em contato com o oxigênio, durante o aborbulhamento, ficam entorpecidas,, um
tanto quanto anestesiadas, deixam de agir. Pode-se caracterizar como uma

hibernação. As bactérias entram em estado latente, não destruídas , estão vivas mas não
manifestas, dormentes.

E este foi o nosso objetivo, reduzir ao mínimo a ação bacteriana da digestão, sem destruí-la,
mas controlando-as.

Como alcançar esse objetivo? Simplesmente com uma mistura água-oxigênio, que em
tecnologia química chamamos de água oxigenada ou peróxido de hidrogênio.

O peróxido de hidrogênio é relativamente estável em meio ácido. Isso é bom, pois não
desejamos sua dissociação no estômago onde o meio é ácido. Assim caminha ele para os
intestinos, onde o meio vai perdendo essa acidez, e pouco a pouco decompõe-se segundo a
reação.

H2O2 -------H20+O

Água oxigenada = água pura + oxigênio atômico

Essa decomposição não é instantânea como o raciocínio ligeiro poderia prever, demora

alguns minutos. Na boca e esôfago, somente uma parte por mil pode dissociar-se. Isso não é
nada em relação ao total que penetra nos intestinos.

O oxigênio resultante dessa dissociação entra em contato com a flora integrada no bolo
alimentar durante o seu trajeto pelos intestinos, anulando assim, na quase totalidade, sua
ação negativa.

Para se ter uma ideia, um terço das fezes que expelimos em 24 horas são constituídas desses
nefastos micro organismos, ou seja, 128 milhões de bactérias mais ou menos.

Estes, em nosso organismo, produzem tóxicos que nos destroem.

A água oxigenada não é desinfetante e não é tóxica ao nosso organismo, nas concentrações
por nós calculada: é constituída de água e oxigênio, os dois necessários á vida.

Posologia: Nestes trinta anos de ininterrupto tratamento e observações, pudemos reavaliar


seu emprego, recomendando uma concentração adequada

Geralmente, essa dosagem está em torno de um a duas gotas de água oxigenada a 10 (dez)
volumes por cada quilo de peso do corpo humano, como ação preventiva, tomando-se antes
das refeições principais do dia, cada vez uma quarta parte.

Antes do dejejum matinal

Antes do almoço

Antes do jantar
Antes de deitar-se

Nunca após qualquer refeição.

Para uma pessoa de sessenta quilogramas seria no mínimo sessenta gotas, ou seja, quinze
gotas mais ou menos, de água oxigenada por vez, diluídas em meio copo de água.

Quanto mais água, melhor. Um copo melhor que meio. Mesmo que tomemos o dobro da
dosagem de água potável, não haverá efeitos negativos.

Considerar o tratamento como hábito diário porque diariamente ingerimos alimentos sujeitos
a fermentação e putrefação.

CASOS VERIFICADOS

Passando à parte experimental, mudou-se o ambiente de mais de mil pessoas de meia idade
para cima, todos com ótimos resultados.

Selecionamos alguns casos e por motivos óbvios não serão citados nomes com exceção do
autor. Vejamos alguns deles:

Caso I – autor da presente tese, com 50 anos de idade submete-se há tratamento diário com
peróxido de hidrogênio, com os seguintes resultados:

- mais vitalidade,

- mais disposição para o trabalho,

- melhor raciocínio,

- desaparecimento de azias, aftas e intoxicações que eram frequentes antes do tratamento,

- não tem mais gripe,

- desapareceram os cravos, espinhas e as caspas que eram abundantes.

Caso II _ 36 anos, casado. Sintomas: falta de mobilidade nas mãos ao levanta-se, dores

de cabeça frequentes, mal estar geral e muitos gases intestinais.

Caso III_ 66 anos, casada. Sintomas: dores generalizadas somente dormia à custa de

sedativos.

Caso IV_ 42 anos. Sintomas: língua suja, mau hálito cansaço generalizado, enxaqueca violenta

Caso V_ 43anos. Sintomas: afta contínua, intoxicações frequentes, violenta enxaqueca.

Caso VI _ 52 anos. Sintomas: mau hálito, indisposição geral.

Caso VII _ 55 anos. Sintomas: pernas inchadas, varizes, cansaço, intoxicações frequentes.

Caso VIII _ 55 anos. Sintomas: digestão difícil, cansaço generalizado, dores reumáticas.
Caso IX _ Sintomas: dores reumáticas, azias.

Caso X _Sintomas; urinava sangue diariamente, indisposição geral.

Caso XI_ Sintomas: asma rebelde.

Caso XII _ Diabetes e varizes.

Caso XIII _ Há 24 anos possuía uma dor de cabeça rebelde e violenta.

Caso XIV _ Tumores sebáceos.

Caso XV _ Descontrole nervoso, gastrite.

Caso XVI _ Descontrole da idade crítica.

Caso XVII _ Tumor maligno nos intestinos.

Caso XVIII _ Recaída de hepatite.

TODOS TIVERAM SEUS MALES ELIMINADOS; APÓS À MUDANÇADO AMBIENTE INTESTINAL

COM AUXÍLIO DE PERÓXIDO DE HIDROGÊNIOEM SOLUÇÃO AQUOSA.

ANEXOS ESCLARECEDORES

I - DESIDRATAÇÃO

Iremos estender sobre uma insidiosa moléstia que ataca o metabolismo humano em

todas as idades, com uma continuidade impressionante. Refiro-me às intoxicações

que, em crianças, tem o nome de desidratação infantil.

A tecnologia médica moderna tem chegado à conclusões valiosíssimas sobre os agentes


causadores, bactérias ou vírus, de ação fermentativa ou putrefativa, shiguelas, salmonelas,
colibacilos, arizonas, os tão falados paracolis, etc, etc. (já

foram identificados quase uma centena deles).

Muito embora esse avanço seja grande, a rapidez do ataque da moléstia, aliado à
morosidade das pesquisas de laboratório, necessária à terapêutica atual, tem inclinado a
balança a favor da moléstia. Para contrapor a esse desequilíbrio, a Medicina Preventiva é
posta a funcionamento através dos meios de divulgação, com resultados ainda
desanimadores. Eis porque, ainda a Medicina curativa é a vanguardista no combate a
essa anomalia social, eis também porque a balança tem aquela inclinação.

Todos esses fatos são evidenciados em manchetes dos nossos periódicos, nas épocas de
calor.

Mantendo o espírito do artigo anterior, se a Medicina pesquisadora tiver cuidado de


comparativamente analisar os dejetos humanos que afluem a uma estação de
tratamento de esgoto, com os humanos dos organismos afetados pela moléstia, verificará
uma quase identidade de meio de flora.

Considerando que é ponto pacífico a eliminação desses agentes patológicos, se em uma


estação de tratamento, estes são eliminados por simples aeração, que é o mesmo recurso que
a natureza emprega para eliminar dos leitos dos rios esses indesejáveis habitantes, de uma
maneira idêntica a Natureza nos indica o caminho certo a seguir para eliminação desses
agressores em nosso organismo.

Os intestinos são os nossos cursos d’água internos ou nossa estação de tratamento;

Como ele é estanque, não há possibilidade de uma aeração natural. A moléstia pela formação
de gases que trás consigo impede qualquer tentativa do organismo em arejar o ambiente.
Há pois a necessidade e de uma introdução de oxigênio em maior

concentração que os processos normais nas 24 horas e em intervalos menores.

O peróxido de hidrogênio anula a ação da moléstia que sejam originárias de bactérias ou vírus,
de fermentação e putrefação.

Este tratamento com peróxido de hidrogênio é função dos seguintes fatores:

a) idade;

b) peso;

c) qualidade do bolo digestivo (proteínas);

d) quantidade do bolo digestivo;

e) violência do ataque da moléstia.

A medicina preventiva deverá recomendar um tratamento, por via oral, contra as

fermentações e putrefações intestinais, uma solução aquosa de peróxido de hidrogênio.

O autor manifesta a sua repulsa pela aceitação de que a fermentação e a

putrefação intestinal em um organismo aparentemente sem doença são necessárias

para o metabolismo humano e são inócuas.

Quanto mais cedo a Medicina compreender que as PUTREFAÇÕES E AS

FERMENTAÇÕES destroem a vida e dão, em consequência,

produtos s altamente tóxicos, mais cedo compreenderá os meios de manter, por mais tempo,
a vida e os nossos órgãos em perfeito funcionamento. Isto é fundamental.

O primeiro sintoma no tratamento é a supressão rápida das dores e imediata cura, em menos
de dois dias. Nestes casos, deve-se aumentar bastante a dosagem, reduzindo os intervalos,
digamos 5 a 10 gotas por quilo de peso, por dia.
II - VIROSE

Os vírus são agentes patológicos, de ações fermentativas ou putrefativas, dando, em


resultado, um processamento infeccioso no metabolismo humano, geralmente grave, se não
forem tomadas precauções especiais.

As viroses apresentam fases distintas no seu processamento patológico: Início infeccioso,


fase aguda da moléstia e declínio de agressividade até a sua perda de ação.

A perda da agressividade é, em primeiro lugar, a vitória do metabolismo sobre à virose,pela


formação de anticorpos em quantidade e qualidade que a mesma requer para a sua
neutralização.

Dentre as viroses as que mais dano causam à humanidade são as diversas espécies de gripes,
estas, em via de regra, de caráter epidêmico e inevitável; Transpõem continentes, atacam
todos os lares, exigindo da conjuntura médico - farmacêutica, um trabalho insano para
debelação.. É um exemplo evidente do fracasso da tecnologia Médica atual.

Outras viroses embora não menos violentas: As tifoides, as paratifoides, disenterias de


hepatites, da paralisia infantil, etc, também trazem no seu bojo, uma série de transtornos para
a humanidade.

Uma coisa, entretanto elas possuem em comum: O descontrole intestinal e nasal do


afetado. Esses descontroles se processam em ambiente isento de oxigênio. Nestes termos, há
de se considerar como importante este fator, pois é o AMBIENTE INTESTINAL E NASAL
SEM OXIGÊNIO, o meio de cultura ideal desses agentes

patológicos..

Sendo assim, pela mudança de ambiente, para oxigenado, as viroses não encontrarão
possibilidade de viver e multiplicar-se, cessando pois o distúrbio.

Ainda aqui o peróxido de hidrogênio em solução aquosa, em maior concentração, por via oral,
nasal, deve ser aplicado. Seria recomendado que o paciente tomasse a solução

aquosa em intervalos pequenos, digamos de 60 em 60 minutos , tratasse as narinas com duas


gotas sem diluição , em cada de duas em duas horas .Este é um processo infalível na cura das
sinusites.

Com um tratamento adequado de peróxido de hidrogênio, essas viroses patológicas terão


retrocesso. Não há duvida a respeito.

Sendo assim, pela mudança de ambiente, teremos uma conjuntura, na qual as viroses não
encontram possibilidade de viver e multiplicar-se, cessando, pois o distúrbio.

Eis, pois, uma nova tecnologia para a medicina curativa e preventiva, pois, dentro da
estrutura geral do corpo humano, não existem outros ambientes base, no qual o vírus
possa crescer e multiplicar-se com a intensidade que o processamento doentio requer.
Ainda aqui o peróxido de hidrogênio em solução aquosa, por via oral, nasal ou nos casos
graves por via anal, deve ser aplicado. Seria recomendável que o paciente tomasse a
solução aquosa em goles em intervalos pequenos, digamos de 30 em 30

minutos, tratasse as narinas com processos idênticos e com lavagens intestinais intercaladas.

Com um tratamento adequado pelo peróxido de hidrogênio, essas viroses patológicas


terão vida efêmera quaisquer que sejam. Não há duvida a esse respeito.

GASTRITES

O peróxido de hidrogênio não é remédio na acepção da palavra, mas um controlador do


ambiente GASTRINTESTINAL.

Este é um tema que não deveria ser especificamente tratado, pois, o assunto é debatido
largamente do começo ao fim deste livro.

No caso deste descontrole ser originário de organismos superiores, o peróxido de


hidrogênio somente poderá dar resultados em dosagens elevadas, acompanhadas de
lavagens intestinais.

Nos intestinos soltos ou nos preguiçosos, sempre temos quantidade maior de produtos
químicos agressivos, eis, pois o principal motivo, para uma urgente regularização. pois a
pessoa com esta anomalia tem tendência a adquirir as piores doenças do gênero humano.

Este fato não é para se temer, pois um tratamento adequado com o peróxido de hidrogênio
restabelece a normalidade.

Na maioria dos casos, entretanto as funções intestinais voltam rapidamente ao normal,


trazendo consigo um bem estar geral.

No início do tratamento, o paciente poderá notar alguma anormalidade, mas sem


resultados negativos, pois é passageira.

A dosagem recomendada, para os intestinos soltos é menor que nos intestinos


preguiçosos, mas em ambos deve ser elevada.

Em alguns casos a cura é demorada, requerendo do paciente análise diária do seu estado
físico, para verificar a necessidade ou não do aumento da dosagem.

Seria recomendável que o paciente com essas anomalias adotasse a mesma posologia via oral,
recomendada para as gripes.

CONSERVAÇÃO E REALCE DA BELEZA

A mulher moderna, em que pese o avanço tecnológico, recente de um processamento


terapêutico, mais suave, para defender sua cútis e suas formas das anomalias que advêm com
a idade.

A pele seca ou gordurosa, os cravos as espinhas, as caspas, os poros anormais, etc, são fatores
negativos em uma mulher.
Por outro lado a tendência do abdômen em avolumares, as varizes, os membros inferiores
anormais ou inchados, trazem ao elemento feminino problemas pessoais.

Como não bastasse essas anomalias, são presas fáceis das dores de

cabeças, indisposição geral, etc.

A mulher pode e deve defender a sua beleza, principalmente sabendo que elas tem origem no
processamento intestinal desregulado, onde as fermentações e putrefações são
fenômenos químicos diários.

Este processamento digestivo desregulado, produzem gazes em abundância, distendem


diariamente o abdômen. Outros produtos negativos, em sua caminhada destruidora pelo
organismo, produzem as anomalias especificada no inicio deste capítulo.

Um tratamento intestinal feito com peróxido de hidrogênio, segundo a posologia


recomendada, repõe o tecido ainda não utilizado, nas suas condições normais, o abdômen
diminui grandemente, as caspas, as espinhas, as varizes, não mais condições para serem
criadas, a pele volta a uma normalidade suave.

Com esse tratamento, o corpo feminino, pouco a pouco adquirem as suas formas
harmônicas, e ao mesmo tempo, as indisposições, as dores diversas, desaparecem.

È necessário, entretanto frisar que, estas exteriorizações patológicas, que prejudicam o


elemento feminino são maiores nas pessoas que possuem os intestinos preguiçosos,

Eis porque a mulher deve combater duramente essa anomalia com oxigenação.

III - CÂNCERES E DOENÇAS DOS DUTOS HUMANOS

Tem características diferentes, podem localizar-se em pontos diferentes e possuem


processamento patológico diferente, mas são ocasionados pelos produtos letais,
formados em ambiente intestinal sem oxigênio. Estes tóxicos, dia após dia, no decorrer dos
anos, submetem os tecidos a um bombardeio químico intenso.

Já possuímos uma série de produtos químicos, os quais administrados aos tecidos, quebram o
equilíbrio do crescimento ou reprodução de determinadas células, dando em origem os
carcinomas artificiais. Entre esses produtos químicos temos o alcatrão. O agente químico
agressivo do alcatrão é o FENOL. No ambiente intestinal sem oxigênio forma-se o FENOL,
agente químico agressivo o qual modifica a estrutura química dos cromossomos,
acrescentando novos comandos, que coincidência?

Uma simples análise dos dejetos humanos, sem entrar no rigor de uma pesquisa científica,
mostrará ao pesquisador médico ou bioquímico, uma série de radicais químicos, os quais dado
as suas características substituirão com eficiência os produtos cancerosos acima relatados.
Não é possível e mesmo inadmissível que a Medicina deixe de lado o fenol, o indol, o
escatol, mercaptanas, os sulfetos, os derivados amoniacais, o fosfogênio, as toxinas
derivadas da putrefação das substâncias proteicas e outras toxinas derivadas da amina,
cadavérica, etc., o ácido sulfídrico e outros sais, ácidos, bases, cetonas, aldeídos, etc., como
responsáveis diretos pelos carcinomas. Todos esses produtos penetram na corrente
sanguínea como possibilidade de ataque aos cromossomos, que são agrupamentos químicos
acrescentando ou reduzindo radicais nos mesmos , ocasionando novos comportamentos.

Os carcinomas localizam-se no corpo humano, salvo raríssimas exceções onde há maior


irrigação de sangue( pulmão, intestino, útero, mamas, estômago( sangue fenólico).

Sendo assim, não é admissível na cura dos carcinomas, a ausência de um tratamento


específico a esses agentes integrantes do sangue como responsáveis diretos.

Eles estão diariamente em nosso corpo, originários que são das fermentações e putrefações
no aparelho digestivo. Para essa patologia a oxigenação é preventiva, não curativa, mas
auxiliar na cura.

VARIZES - São ocasionadas pela dissolução e obstrução que sofrem os dutos, por esses

agentes químicos, desequilibrando as funções dos mesmos em nosso corpo.

ESCLEROSAMENTO – Ocasionado pela polimerização, pela destruição das válvulas e registros


que os dutos sofrem por esse ataque contínuo principalmente pelos derivados fenólicos e
sulfídricos diminuindo também os seus diâmetros, limitando a quantidade de sangue
que os mesmos carreiam para a alimentação do corpo.

DOENÇAS DA PRÓSTATA – Tem a mesma origem das escleroses, tanto lá como cá, uma das
propriedades que o duto perde é a mobilidade necessária á sua função. A próstata perde parte
de suas funções e não é para menos, pois ela se localiza onde passa o dejeto com sua
maior agressividade química.

HEMORROIDAS – Estas são de fácil compreensão, pois onde elas se processam é a parte dos
intestinos onde a fase química das reações intestinais alcançam a sua maior intensidade. O
tecido afetado sofrendo continuamente, dia após dia, esse ataque químico, não pode ter
outro destino.

ULCERAS GÁSTRICAS E DUODENAIS – Qualquer escoriação produzida por um objeto duro dá


possibilidade ao ataque continuo desses agentes químicos, alguns dos quais gasosos, que são
cadeias abertas quimicamente falando, e necessitam de um cátion para sua molécula, entre
estes produtos gasosos, temos o gás sulfídrico e o mercaptanas.

Uma pergunta, entretanto poderá ser feita e deve ser esclarecida. Por que todos que
possuem na maioria desse processamento patológico, não sofrem de
varizes,hemorroidas, doença na próstata, etc, ou possuem umas outras não?

Simplesmente pelo fato de que as suas possibilidades de respirar pelos intestinos são
maiores em uns que em outros; notem ao respirar o movimento do abdômen. Mesmo pelos
tipos de alimentos ingeridos, pelos tipos de líquidos, etc.

Muitos fatores têm interferência sobre as reações intestinais negativas, a ausência de


alguns, podem ocasionar a ausência de outros. Uma dieta muito forte, com substâncias
proteicas, manteiga, leite, gorduras, favorece as reações de putrefação e o inverso é
verdadeiro.

Entretanto é bom reafirmar, a admissão de agentes que impeçam as reações fermentativas e


putrefativas é fundamental para a profilaxia das doenças da velhice. O peróxido de
hidrogênio tem essa propriedade.

IV - DOENÇAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO E NERVOSO

É ainda um segredo para a Medicina a origem desses males que mantém muitas pessoas
próximas da angustia. a epilepsia, os descontroles nervosos periódicos as alergias, a
asma, aparecem e desaparecem sem que a Medicina saiba efetivamente porquê. muitas
teorias existem a respeito.

Geralmente, durante a fase da moléstia, há muita agitação por parte do doente, forçando o
organismo a se exercitar e consequentemente eliminar pela transpiração ou por outras
vias os agentes causadores da enfermidade. É uma reação natural do organismo,
desintoxicar-se. Ao desintoxicar-se parece que o paciente sofreu uma lavagem interna. È
precisamente o fato. Mas, desintoxicou-se de que, qual é o tóxico desse processamento
vicariante?

O tóxico, ou os tóxicos, sem nenhuma dúvida devem ser procurados no ambiente anaeróbio
intestinal. Esses tóxicos estão aí diariamente dentro dessa caldeira, que nos mata
prematuramente. Deve haver correlação entre a quantidade de fenol, mercaptanas, gás
sulfúrico, fosgênio e seus derivados, no metabolismo humano, e essas doenças. Deve-se pois
reforçar o policiamento dos pacientes atingidos por esses males, evitando definitivamente
qualquer reação negativa.

O peróxido de hidrogênio exerce esse policiamento, a parte dele penetra na corrente


sanguínea, enriquecendo o sangue de oxigênio, exercendo assim nos tecidos, principalmente
no sistema nervoso, um processo de desintoxicação.

Uma pessoa com ataques periódicos deve cura-se simplesmente com a oxigenação interna do
ambiente intestinal. É o que tem acontecido. Uma análise da urina revelará, nestes pacientes,
fenol e mercaptanas em porcentagens superiores a 0,1 grama por litro.

Além da introdução de oxigênio, é preciso praticar uma alimentação não fermentativa e


sempre esvaziar bem .o conteúdo tóxico e mórbido do intestino grosso com a ajuda de
lavagens intestinais já que esse está intrinsecamente ligado aos sistemas nervoso e
respiratório.

Portanto, a presença de elementos químicos tóxicos e de falta de oxigênio é consequência de


um sistema de alimentação constantemente, errado, gerador de fermentação e de
putrefações intestinais e por consequência de grande retenção mórbida-prisão de ventre.
Lembrando que o mínimo de eliminações diárias não deve ser menos que três. Bebês
eliminam 6 vezes por dia e ninguém acha que isso está errado.
O adulto não deveria encarar vários esvaziamentos intestinais(não se trata de diarreia!), como
fenômeno nocivo e ameaçador da vida. Muito pelo contrário, quanto mais o limpo estiver o
interior do corpo humano, tanto melhor. A única razão para ele pensar assim, é sua ignorância.

INDISPOSIÇÃO GERAL, ESTADO CLÍNICO EM DECLÍNIO.

Comumente encontramos pessoas com saúde em desequilíbrio, sem serem oficialmente


declaradas doentes, apresentando aspecto geral aparentemente “são”. Vivem entretanto, a
poder de corretivos, suplementos, regimes, sem conseguirem afastar-se de si os descontroles
originários.. Esses descontroles considerados “normais” afetam o ser humano em várias fases
de sua vida e não apenas em seu envelhecimento, como muitos insistem em acreditar e não
podem fazer parte de um quadro geral realmente saudável.

Os mais frequentes são:

1) Pressão anormal;

2) Sangue descontrolado;

3) Mau hálito

4) Azias:

5) Aftas, intoxicações

6) Urina carregada;

7) cansaço geral;

8) Gases intestinais;

9) Perda de equilíbrio;

10) Furunculoses; espinhas

11) Sangue nos dejetos;

12) Dores diversas, enxaquecas:

13) Imobilidade temporária dos membros;

14) Dores de cabeça;

15) Infecção não localizada;

16) Diabetes;

17) Intestinos preguiçosos;

18) Gases em abundância;

19) Tensão ou desconforto nervoso;


20) Aparelho digestivo descontrolado;

21) úlceras;

22) Hemorroidas;

23) Insônia

24) Pele pálida com um aspecto longe de expressar saúde.;

25) Dispersão – falta de concentração

26) caspa

Como afirmamos o processamento intestinal, não importa a idade, produz a série de venenos
facilmente inidentificáveis. Esses produtos letais são de solubilidade variável na água que
ingerimos e penetram na corrente sanguínea. Este caldo de cultura venenoso

produz uma deficiência nas finalidades do sangue, transformando-o parcialmente em veículo


de ação degeneradora.

Ou seja, é o próprio sangue envenenado (sangue fenólico) que ao invés de constantemente


levar nutrientes e oxigênio para as células com a finalidade de manutenção e reparo, distribui
toxinas que minam e destroem a vida celular.

O indivíduo tem vários problemas e no entanto é chamado de “saudável”, porque os médicos


o comparam com quem está bem pior. Isso só comprova o quanto nada sabem do que vem a
ser a verdadeira saúde.

Como afirmamos em nossa tese inicial, o processamento intestinal após a meia idade, produz
uma série de venenos facilmente identificáveis. Esses produtos letais são de solubilidade
variável na água que ingerimos e penetram na corrente sanguínea. Esta solução venenosa
produz uma deficiência nas finalidades do sangue, transformando-o parcialmente em veículo
de ação degeneradora, isto é evidente quando verificamos que o paciente tem essas
anomalias. Nestes termos não podemos, em sã consciência, associar esses processamentos
patológicos, com o truncamento da vida média do ser humano, que poderá ser analisada pelo
gráfico abaixo:

Espécie Idade da liberdade Vida média Cachorro


1-2 anos 10-15 anos

Vaca 2- anos 20-25 anos Cavalo


2- anos 20-25 anos

Homem 14-anos 70-anos

Esta tabela dá-nos uma ideia aproximada dos anos de vida que o homem está perdendo por
envelhecer prematuramente, pois se multiplicando por dez, a idade da puberdade,
verificaremos a vida média da maioria dos animais. Os animais selecionam os alimentos que
ingerem, exercitam-se sempre; O homem, devido aos temperos e preparo dos alimentos, sua
vida sedentária, geralmente não recusa alimento algum. Podemos viver até 150 anos ou mais
controlado o processamento digestivo, eliminando as reações negativas. Até agora a Medicina
tem caminhado à cegas, nesses casos patológicos primários, evidenciando a necessidade de
uma reformulação na terapêutica curativa e preventiva. Ainda aqui, permita-nos afirmar, a
tecnologia médica teria muito a aprender com a tecnologia industrial, para recuperar as
desvantagens evidenciadas na tabela. Evitar as ações putrefativas e fermentativas, ou melhor,
diríamos destrutivas, é o caminho certo para a tecnologia médica. A presença do oxigênio no
processamento digestivo, além de ser o primeiro passo, é o principal deles, pois ele, além de
elevar o teor de plasma sanguíneo, age como elemento tampão, evitando os fenômenos
digestivos parasitários e letais, revigora a vida truncando as anomalias.

REUMATISMO

Estatisticamente, os fenômenos reumáticos, são os que mais sofrimentos acarretam à


humanidade. Poucos organismos envelhecidos ficam à margem dessa insidiosa e degenerativa
moléstia. O gás sulfídrico é o causador principal.

A medicina tem recomendado também um tratamento com base de salicilato de sódio. É


preciso, entretanto ponderar que a ação desse produto químico é especificamente anti-
putrefativa. Penetrando nos intestinos, o salicilato processa como que salga no bolo alimentar
evitando assim por essa ação as atividades das bactérias ou vírus da putrefação.

Não havendo putrefação, mercê a esse salgamento intestinal não há formação de toxinas e
produtos negativos derivados dessa reação diminuindo o ataque reumático.

OS MALES COLATERAIS PROVOCADOS POR ESSE SAL QUÍMICO,, CONSIDERADO “CIENTÍFICO”


OBRIGA O PACIENTE À SUSPENSÃO DO “TRATAMENTO”, QUE NÃO É PARA MENOS.

O SOFREDOR DE REUMATISMO, QUE PRODUZ EM SEU INTERIOR MUITO GÁS SULFÍDRICO DEVE
EM PRIMEIRO LUGAR FAZER USO DE PROTEÍNAS ANIMAIS (OVOS, CARNES, PEIXES E AVES) E
VEGETAIS LEGUMINOSAS (feijões, lentilha, grão de bico, amendoim - todos também ricos em
aminoácidos sulfurosos!), no máximo duas vezes por semana e ainda aprender como combinar
corretamente esses e outros alimentos para não gerar fermentações e putrefações intestinais.

Tendo ação anti putrefativa, por excelência, ainda aqui o peróxido ´de hidrogênio supera os
tratamentos convencionais, fazendo cessar o ataque e eliminando a sensação dolorosa, pela
sustação dos agentes químicos causadores, uma vez que o organismo não

tenha sofrido degenerescência irreparável.

É preciso, entretanto ponderar que a quantidade diária de peróxido de hidrogênio, varia de


indivíduo para indivíduo, tendo-se em vista, os seguintes fatores:

1) Idade;

2) Capacidade intestinal do paciente;

3) Estado clínico;

4) Natureza da alimentação diária.


A dosagem para tal caso pode ser feita por controle diário. Deve-se ingerir a solução com
intervalos de tempo pequenos e de preferência com estômago vazio. Deve-se fazer uma
solução em cinco litros de água e tomar em intervalos de 60 em 60 minutos um quarto de
copo comum dessa solução.

O peróxido de hidrogênio, nas diluições calculadas, não possui contra- indicação, mesmo na
presença de outros tratamentos específicos.

DISTÚRBIOS NO APARELHO CIRCULATÓRIO

Geralmente, após a meia idade, o corpo humano vai apresentando descontroles no aparelho
circulatório. Estes descontroles localizam-se nos dutos ou no próprio sangue. mas em via de
regra nos dois ao mesmo tempo.

Quando isso ocorre nos dutos sanguíneos , temos a esclerose, ou seja o endurecimento dos
mesmos, danificação das válvulas; danificação das veias e artérias, depósitos nas veias, e
artérias, depósitos nas paredes internas, acarretando a redução do fluxo sanguíneo, e outros
males derivados.

Em relação ao sangue temos, Aumento de sua viscosidade, aparecimento de porções de


sangue coagulado..

Muito embora a reparação desses males com referencia aos dutos não possa ser completa,
pois dificilmente o sistema volta ao estado primitivo, um tratamento pode e deve ser tentado.
Quanto ao liquido sanguíneo, é possível recoloca-lo em situação de pleno vigor, simplesmente
eliminando do mesmo os tóxicos que o envenenam.

Esta cura requer uma mudança profunda de hábitos alimentares e de outros como a forma de
respirar, a forma de pensar e se relacionar com a vida, e com as pessoas.

O peróxido de hidrogênio em dissolução aquosa, representa a terapêutica indicada.

Admissão via oral, na base de uma a duas gotas a 10(dez) volumes por quilo de peso.

Com esse tratamento ter-se-á certeza de que a digestão está se dando em ambiente
oxigenado, e que o sangue terá porcentagem do oxigênio a mais à disposição do organismo.

O sangue enriquecido inicia o trabalho de desobstrução das veias e artérias dos condutos
sanguíneos, alimentando assim com eficácia os órgãos do corpo humano, e o cansaço sempre
presente diante de qualquer esforço vai desaparecendo: é o início da cura.

Processamento de emergência deve ser tentado quando uma vida se esvai em virtude de um
enfarte, em um corpo aparentemente sadio, . Havendo a paralisação do coração, a morte
clinica decretada, deve-se seguir a orientação preconizada pela BAYLOR UNIVERSITY MEDICAL
CENTER DOS EUA., e H. Bogolometz. Injetar no coração e nas aortas uma solução de peróxido
de hidrogênio em soro fisiológico e proceder a massagem do coração. O órgão
convenientemente tratado deverá voltar a funcionar. Uma solução de 10 a 20% de peróxido de
hidrogênio a 10(dez) volumes no soro fisiológico, deve ser o suficiente.
Um quinto da cavidade do coração deverá ser preenchido por essa solução e se possível aplicar
também na veia afetada.

DERRAME – PARALISIA FACIAL

Os pacientes que ficaram paralisados parcialmente em virtude de um derrame, se atendidos a


tempo, terão possibilidades de terem movimentos recuperados, por um tratamento com
peróxido de hidrogênio.

Quando não grave, esta tentativa poderá dar resultados. Mas em todos os casos deverá ser
aplicada. um tratamento específico a esses agentes, como responsáveis diretos pelo
processamento

patológico. Eles estão diariamente em nosso corpo, originários que são das
Fermentações e putrefações no aparelho digestivo ...

DOENÇAS ESPECÍFICAS DOS RINS E FÍGADO

Ousaria aconselhar um tratamento com peróxido de hidrogênio, antes que um procedimento


cirúrgico seja acionado.

Estes importantes órgãos e glândula, em todo momento, tem dois contatos com o sangue
fenólico, pelas vias que o alimentam, e pelas vias das suas próprias funções saneadoras.

Muito embora sejam órgãos e glândula resistentes sofrem imensamente com esse duplo
ataque, levando-os ao colapso..

COMPETIÇÕES ESPORTIVAS – ESTAFA

Nas competições esportivas, um fator que pesa de uma forma positiva nos resultados é o
cansaço oriundo dos contínuos esforços físicos ou decorrentes da idade do atleta.

O cansaço, estafa ou fadiga, limita não somente os resultados físicos ou intelectuais como
também marginaliza o atleta muito cedo das competições esportivas.

O peróxido de hidrogênio ainda aqui produz efeitos surpreendentes por eliminar a formação
de tóxicos nos intestinos, pela eliminação rápida dos mesmos na corrente sanguínea e pelo
aumento do oxigênio no sangue, fator fortíssimo para a resistência humana.

O peróxido de hidrogênio tendo propriedades semelhantes à água potável, penetra na


corrente sanguínea, auxiliando assim o trabalho pulmonar pela oxigenação interna das
hemoglobinas.

O atleta assim cuidado terá um acréscimo de potencial cujo resultado é desnecessário


evidenciar; quem duvidar que consulte o médico alemão da seleção mundial de futebol, o qual
usou o peróxido como fator de acréscimo de energia, na recente Copa do Mundo(1966).

TRATAMENTO DE ANIMAIS

São surpreendentes os resultados do tratamento com peróxido de hidrogênio por via oral com
animais, principalmente os de estimação. Muito, embora a sua ação tenha se limitado aos
descontroles intestinais, a extensão desse tratamento para outros descontroles pode e deve
ser feito.

A melhoria da saúde, o melhor aproveitamento dos alimentos consequentemente maior


ganho e peso, combate a determinados parasitas intestinais e mesmo o combate a certas
doenças específicas dos animais pode ser conseguido por um tratamento adequado com a
água oxigenada.

FERMENTAÇÃO E PUTREFAÇÃO QUÍMICA

A fermentação é a decomposição de moléculas elevadas em moléculas menores, em seu


conteúdo energético. Este desdobramento é feito a custa de enzimas. São agente da
fermentação os micro organismos. As enzimas produzidas por estes elemento decidem sobre a
natureza das reações. Na fermentação os aminoácidos se decompõem agindo segundo a
reação:

RCH(NH2)COOH+H2O ----RCH2HO+COS+NH3

Na fermentação avançada ,os aminoácidos albuminas se desdobram segundo as reações


abaixo.

RCH (NH2) COOH --- RCH2 (NH2) + CO2

RCH (NH2) COOH --- RCH2 COOH = NH3

Nas putrefações dos aminoácidos e tirosinas, obtemos o fenol, o indol, o escatol e seus
derivados. Do grupo cistínico da albumina deriva o hidrogênio sulfurado, mercaptanas, etc.

O fenol, seus derivados e outros produtos formados nas reações múltiplas do processamento
digestivo anaeróbio, também tóxico fornecem outros elementos químicos de não menos
toxidez para o complexo vital entre os quais alguns curtidores. Esses elementos e seus
derivados tem ação múltipla sobre as doenças nervosas respiratórias, etc.

O fenol quando eliminado pelas vias urinárias, sofre um desdobramento químico que deve ser
levado em consideração para as análises clínicas.

Dificilmente os rins eliminam totalmente o fenol. Mas uma coisa é certa; este radical químico é
responsável por anomalias neste importante órgão de filtragem.

CONTROLE ANALÍTICO OU PROCESSAMENTO PATOLÓGICO

Desejando efetivamente conhecer e truncar o processamento doentio, tem-se a necessidade


de conhecer a análise do sangue, urina e fezes do paciente.

Essas análises deverão ser feitas no sentido de conhecerem-se qualitativa e quantitativamente


os tóxicos principais, partindo-se do fenol, mercaptanas, escatol, indol, sulfetos, ureia, etc.

Durante o processo de cura, análises qualitativas devem ser feitas até que esses agressores
não sejam encontrados . Este tipo de análise não é executado nos laboratórios tradicionais.
Porcentagens desses elementos acima de 0,1 grama por litro nos dejetos é índice seguro de
anormalidade.

NÃO É PARA MEDITAR

Tradução do periódico inglês THE OBSERVER, de 1 de maio de 1966, onde o Dr. Abraham
Marcus comenta um trabalho de Tecnologia médica

Médicos fazem uso de Alourador de Cabelos

“O peróxido de hidrogênio( água oxigenada) poderá ocupar um novo lugar na Medicina para
curar feridas , e talvez no tratamento das doenças coronárias.

Os médicos da BAYLOR UNIVERSITY MEDICAL CENTER DO TEXAS injetaram solução diluída de


peróxido de hidrogênio nas artérias de numerosos pacientes para aumentar o efeito no
tratamento por radiações no caso do CANCER e para promover a cura das úlceras crônicas.

Na corrente sanguínea o peróxido de hidrogênio é decomposto em água e oxigênio nascente


livre, aumentando consideravelmente o teor de plasma sanguíneo.

NAS ÚLCERAS CRÔNICAS, A INSUFICIÊNCIA DE OXIGÊNIO NOS TECIDOS É FATOR QUE


BLOQUEIA A CURA. EXPERIÊNCIAS EM ANIMAIS REVELAM QUE A LIBERTAÇÃO DO OXIGÊNIO,
ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DIRETA DO PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO AO CORAÇÃO, PODERÁ
RESTABELECER A ATIVIDADE CARDÍACA UMA VEZ ESTA CESSADA. A técnica poderá ser
desenvolvida para aplicação em seres humanos após os ataques coronários (ENFARTES).

Existe também, alguma evidência experimental que leva a acreditar que o peróxido de
hidrogênio, poderá ser benéfico no tratamento da arteriosclerose, nas condições em que o
revestimento interno (colesterol), reduz o calibre das mesmas, limitando assim o sangue que a
mesma poderia suprir. ESTA CONDIÇÃO É A BASE DAS MOLÉSTIAS DAS CORONÁRIAS. Parece
que o peróxido de hidrogênio dissolve esse revestimento. “Se o trabalho futuro mantiver a
TEORIA, o peróxido de hidrogênio será usado nesse propósito, primeiro em pacientes que
padecem em suas pernas de diminuição de suprimentos de sangue, em consequência da
arteriosclerose”.

NOSSO COMENTÁRIO

Em nosso trabalho concluído seis anos antes destes, mostramos que a principal ação do
peróxido de hidrogênio é a sua capacidade de impedir, já no processamento digestivo, a
formação de produtos danosos para o organismo. Uma parte de peróxido de hidrogênio,
devido às suas propriedades físico-químicas, ao ser ingerido por via oral penetra na corrente
sanguínea, exercendo assim os benefícios evidenciados por esta entidade médica americana.

De qualquer forma a orientação prescrita pela entidade não deixa de ser em grande parte um
coroamento de nosso trabalho iniciado em 1950.

Muito discutida a tese do Prof..Otto H. WARBURG:

SERIA A FALTA DE OXIGÊNIO A CAUSA PRIMÁRIA DO CÂNCER.


LINDAU (PELO DR. JOHANN MAUTHNER) QUANDO AS CÉLULAS NÃO RECEBEM OXIGÊNIO EM
QUANTIDADE SUFICIENTE É DESENCADEADO NELAS UM PROCESSO DE FERMENTAÇÃO QUE
ORIGINA O CÂNCER. Todas às células do organismo necessitam de oxigênio. Todas as causas de
câncer até agora descobertas podem ser reduzidas a esta causa primária comum: a falta de
oxigênio para a respiração das células.

É esta, em poucas palavras, a nova tese sobre a formação do câncer apresentada


recentemente na XVI Reunião dos Prêmios Nobel em Lindau, na margem do Lago Constança.
Anova teoria foi uma sensação que se propagou por todo mundo a fora. A surpresa causada
por esta “solução” aparentemente tão simples do enigma do câncer foi tanto maior quanto
não fora formulada por um médico investigador até então menos conhecido ou por um
estranho aos problemas do câncer. O autor da nova tese é o químico e fisiólogo alemão Otto
H. Warburg, de 28anos, diretor do Instituto Max Planck de Fisiologia Celular em Berlim, que há
dezenas de anos figura na primeira listados investigadores do câncer e que em 1931 foi
agraciado com o Prêmio Nobel, em atenção aos trabalhos sobre fisiologia celular.

O Prof. Warburg que já expôs a sua teoria da falta de oxigênio e da fermentação da célula
cancerosa em várias publicações, acrescentou à sua comunicação em Lindau algumas
apreciações de caráter polêmico endereçado aos médicos. Warburg que já expôs a sua teoria
da fala de oxigênio e de fermentação da célula cancerosa em várias publicações, acrescentou a
sua comunicação em Lindau algumas apreciações de caráter polêmico endereçadas aos
médicos. Warburg acusou os médicos abertamente de se oporem aos resultados dos seus
trabalhos sobre a formação do câncer, sendo, por isso, culpados “de que milhões de pessoas
continuam a morrer inutilmente de câncer.’’ A causa do Câncer estaria nitidamente
esclarecida. Warburg disse textualmente: Ninguém poderá hoje continuar a afirmar que não
sabe o que é o câncer. Ao contrário não há hoje doença alguma cuja última causa seja melhor
conhecida do que câncer, de maneira que hoje em dia a ignorância já não pode ser desculpa
de não se tomarem medidas para evitar o câncer. Warburg falou em seguida de uma terapia
adotada contra o câncer há algum tempo no norte da Escandinávia. Um tipo de câncer da
garganta e do esôfago é combatido pela ministração de fermentos em grandes doses. O Prof.
Warburg propôs que se promovesse em grande escala a profilaxia contra o câncer por meio
dessas substâncias transportadoras de OXIGÊNIO. Nas suas próprias experiência no Instituto
Max Planck de Fisiologia Celular ter-se-ia verificado que estas substâncias são absolutamente
inofensivas, mesmo quando tomadas em grandes doses. Seriam, porém sempre úteis para
assegurar a respiração da célula.

NOSSO COMENTÁRIO

Está certo o Diretor do Instituto Max Planck de Berlim, Dr. Otto H. Warburg ao afirmar que os
processamentos fermentativos no metabolismo humano impedem a oxigenação das células, e
em consequência há um processo degenerativo das mesmas, dando origem aos carcinomas.

Desejaria, entretanto ponderar que essa ação fermentativa se processa nos intestinos,
somente nos intestinos é que possuímos matéria morta em forma de alimentos, suscetível à
fermentação e putrefação e intestinos são os que produzem os fenômenos degenerativos, não
só cancerosos, mas também reumáticos, as hemorroidas, as escleroses, etc.
OXIGÊNIO NAS ARTÉRIAS EVITA AMPUTAÇÃO DE PERNAS.

Praga - Os médicos da clínica de Cirurgia de Pilsen, região checoslovaca da Boêmia Ocidental,


já salvaram de amputação, pernas de centenas de pessoas aplicando novo método: injetam
oxigênio nas artérias das extremidades inferiores atrofiadas, com o que alargam as mesmas,
enriquecem o sangue e fortalecem o organismo. O novo método elaborado e adotado em
Pilsen durante três anos permite aos médicos evitar a gangrena e limitar ao máximo a
amputação das extremidades.

NOSSO COMENTÁRIO

Os médicos da Clínica Pilsen caminham pelos mesmos rumos que a Baylor University Medical
Center. Tanto lá como cá a tecnologia indicada seria a administração por via oral de peróxido
de hidrogênio em solução aquosa. Essa ação, além de evitar as reações de fermentação
intestinal e suas consequências danosas ao metabolismo humano, penetra na corrente
sanguínea exercendo esse policiamento preconizado pelas entidades acima mencionadas,
dissolvendo os coágulos sanguíneos, porventura existentes nos dutos, restabelecendo a
circulação e aumentando o teor do plasma sanguíneo.

POSOLOGIA CALCULADA

Uma dosagem de 10 gotas de água oxigenada a 10 volumes, puro que introduzimos no


intestino. Este oxigênio é liberado a medida que as reações se processam. Por este mecanismo
simples verificar-se facilmente a ausência completa de contra- indicações. Também deve-se
compreender que não há toxidez, intolerância ou qualquer ação negativa.MESMO EM
DOSAGENS MAIORES.

Além do mais a dosagem recomendada é geralmente diluída em 30 centímetros cúbicos ou


mais de água potável, cerca de menos demeio copo, tornando-se assim uma dose quase
homeopática.

Recomenda-se para um tratamento curativo ou preventivo de uma a cinco gotas de peróxido


de hidrogênio a dez volumes, por cinco quilos do paciente. Partindo daí AUMENTAR OU
DIMINUIR a dosagem a medida dos resultados obtidos. Não sendo o peróxido de hidrogênio
um remédio, mas sim um controlador de ambiente, a dosagem inicial para usar em uma
pessoa de meia idade para cima, pode e deve ser de duas a três gotas por cinco quilos,
REPARTIDAS DURANTE O DIA.

O tratamento deve ser contínuo e o paciente mesmo curado não deve parar o mesmo. Para os
pacientes que estão em estado patológicos adiantado é recomendável que a dosagem
calculada seja tomada em pequenos intervalos, digamos de hora em hora ou de duas em duas
horas, como se sentir melhor.

Você também pode gostar