Você está na página 1de 30

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II

Universidade de São Paulo


Escola Politécnica
Departamento de Engenharia Química

Aula 10 – Torres de resfriamento,


Umidificação e Cartas Psicrométricas
Torres de resfriamento

• A água quente do processo é bombeada para o sistema de


distribuição de água na parte superior da torre. A água é
distribuída pelo enchimento por bicos 180o com orifícios
grandes.
• Simultaneamente, o ar é aspirado através das venezianas de
entrada de ar na base da torre e flui para cima através do
enchimento em direção oposta à vazão de água. Uma
pequena porção da água é evaporada, o que remove o calor
da água restante.
• O ar quente e úmido é aspirado para o topo da torre de
resfriamento pelo ventilador e descarregado para a
atmosfera. A água resfriada escoa para a bacia no fundo da
torre e é recirculada para o sistema.
• A descarga de ar vertical das torres SCT e a distância entre
a descarga e a tomada de ar reduzem a chance de
recirculação, uma vez que o ar quente úmido é direcionado
para cima e para longe da unidade.
Torres de resfriamento
Criada a partir de décadas de know-how de engenharia, as
torres de resfriamento da série STA da Evapco, possui
tecnologia de tiragem forçada de ponta, para oferecer grandes
vantagens operacionais em qualquer clima. Do desempenho à
manutenção, elas simplesmente funcionam de maneira mais
inteligente.
https://www.evapco.com.br/pt-br/products/torres-de-
resfriamento-montada-de-fabrica/torre-de-resfriamento-sta
Os objetivos do capítulo são os seguintes:

• Diferenciar entre o ar seco e ar atmosférico.


• Definir e calcular a umidade absoluta ou específica e relativa do ar
úmido.
• Calcular a temperatura do ponto de orvalho do ar atmosférico.
• Relacionar a temperatura de saturação adiabática e as temperaturas de
bulbo úmido do ar atmosférico.
• Usar o cartas psicrométricas como ferramenta para determinar a
propriedades do ar atmosférico.
• Aplicar os princípios da conservação da massa e energia a vários
processos de ar condicionado.

Livro: Thermodynamics an Engineering Approach. 5ta Edição.


Autor: Yunus A. Çengel
Psicrometria
Psicrometria: estudo das misturas de ar
seco e vapor de água, isto é, o estudo de
misturas de ar úmido (no limite, estudo de
misturas binárias nas quais um dos
componentes é um vapor condensável).

Do grego psychro, isto é, esfriar, resfriar.


Aplicações da Psicrometria:
• Climatização de ambientes e conforto térmico;
• Condensação em superfícies frias;
• Projeto de equipamentos de ar condicionado;
• Torres de Resfriamento;
• Processos industriais que exigem um controle
preciso da quantidade de vapor no ar;
• Resfriamento evaporativo.
Definições Fundamentais e Conceitos Básicos

Ar atmosférico

Ar seco

Ar úmido

Ar não-saturado (ou mistura não-saturada)

Ar saturado (ou mistura saturada)


Definições Fundamentais e Conceitos Básicos
Ar seco: o ar seco é a mistura dos vários gases que compõem o ar atmosférico, como
nitrogênio, oxigênio, gás carbônico e outros, que formam mistura homogênea para uma
grande faixa de temperaturas.

Ar úmido: o ar é úmido quando, além da mistura de gases, tem vapor d'água, que pode
saturar à temperaturas ambiente, e então condensar.

Ar saturado (ou mistura saturada): mistura de ar seco e vapor de água saturado (estado de
equilíbrio entre o ar úmido e as fases líquida e vapor da água).

Ar não-saturado (ou mistura não-saturada): mistura de ar seco e vapor de água


superaquecido.
Propriedades Termodinâmicas do Ar Úmido

Diversas propriedades termodinâmicas fundamentais estão associadas com as propriedades do ar úmido de


maneiras diferentes:

Três propriedades estão associadas com a temperatura:


a) Temperatura do bulbo seco (tBS);
b) Temperatura do bulbo úmido (tBU);
c) Temperatura do ponto de orvalho (to).

Algumas propriedades termodinâmicas caracterizam a quantidade de vapor d’água presente no ar úmido:


d) Pressão de vapor (Pv);
e) Umidade específica (w);
f) Umidade relativa (ϕ);
g) Grau de saturação (Gs).

Outras propriedades de fundamental importância, relacionadas com o volume ocupado pelo ar e com a
energia do ar, respectivamente, são:
h) O volume específico (v) e
i) A entalpia (h).
Medição e Avaliação da Umidade:
Temperatura de Bulbo Seco (TBS);
Temperatura de Bulbo Úmido (TBU) e
Temperatura de Orvalho (TO)
Temperatura de Bulbo Seco (TBS): É a temperatura indicada por um
termômetro comum. É a verdadeira temperatura do ar úmido. É
frequentemente denominada apenas temperatura do ar.

Temperatura de Bulbo Úmido (TBU): É a temperatura indicada por


um termômetro cujo bulbo foi previamente envolto por algodão
úmido. Para se fazer a leitura desse tipo de temperatura, se faz
necessário um psicrômetro. Para misturas de vapor de água a
baixas pressões esta temperatura é igual à temperatura de
saturação adiabática.
Temperatura de Ponto de Orvalho (TO):
É a temperatura no qual o vapor se condensa quando é resfriado a pressão
constante e conteúdo de umidade constante.
Fração molar e fração mássica:

Uma mistura gasosa de c (i = 1,…,c) componentes está contida em um volume


V, sua temperatura é T e a pressão, P.
M: massa molar
m: massa (gr)
M = M1 + M2 + ...+ Mc = ΣMi n: número de moles
n = n1 + n2 + ... + nc = Σni

fração mássica >> Xi = mi/m total fração molar >> yi = ni/n


Lei de Dalton: a pressão total de uma mistura de gases é a soma das
pressões parciais de cada um dos componentes.

P = P1 + P2 + ...+ Pc = ΣPi

Pressão parcial: pressão que cada componente exerceria se, à


mesma temperatura, ocupasse sozinho todo o volume da mistura.
Lei de Dalton PV = nRT
Para a Mistura de A e B:
n = n A + nB

Para os Componentes
PAV = n A RT
PBV = nB RT

PV PAV PBV
Fazendo as substituições necessárias
= +
RT RT RT
P = PA + PB
O T acima é a temperatura de bulbo seco da mistura, a temperatura do gás indicada por um termômetro comum, sem condensação na superfície do bulbo, e
também não exposto à radiação.

A pressão parcial é exata em misturas de gases ideais!!!


Note então que a Lei de Dalton (ou melhor, Regra de Dalton) não é propriamente
uma Lei Termodinâmica, pois não se aplica universalmente a todas as misturas
gasosas
>> só é válida para gases ideais, e quando a mistura também for um gás ideal!!
Composição do ar seco (ar) ao nível do mar:

A pressão atmosférica como a soma da pressão parcial dos vários componentes do ar


(admitido como gás perfeito homogêneo) e do vapor de água:
Patm = PN2 + PO2 + PArg + Pv = Par + Pv
Propriedades específicas do Ar Úmido

Umidade Específica ou Absoluta (w):


mv Kg de vapor de água
w= =
mar Kg de ar seco


𝑀𝑣 𝑃𝑣 𝑉𝑣 Τ𝑅𝑇 Pv
w = 0,622 
𝑤=
ത P − Pv
𝑀𝑎𝑟 𝑃𝑎𝑟 𝑉𝑎𝑟 Τ𝑅𝑇

Umidade de saturação (ws) Pv , sat


wS = 0,622 
P − Pv , sat
Umidade Relativa (ϕ):
A umidade relativa é a razão entre a quantidade de vapor de água existente em um certa massa de ar e
aquela que ele teria se estivesse saturada à mesma temperatura. Logo, também é a razão entre Pv e Pv, sat .

mv Kg de vapor de água
= =
mvs Kg de vapor de água saturada

yv: Fração molar do vapor de água


P  yv 
% = v .100 %  =   .100

Pv ,sat  yv , sat T , P yv,sat: Fração molar em uma amostra de ar
úmido saturado na mesma T e P.

Outras equações de umidade específica e relativa:

wP 0,622  Pvs
= w=
(0,622 + w)Pvs P −  Pvs

Umidade Específica ou Absoluta (w)


Entalpia Específica do Ar Úmido (h) [kJ/kg de ar seco]
Se a mistura atende a Regra de Dalton
H i = hi mi
H = H ar + H v = mar har + mv hv  mar
mv
h = har + hv Entalpia do ar seco
mar
har = cp ar (T − Tr )
har = 1,005T Tr: Temperatura de referencia 0°C

h = har + w hv
Entalpia do vapor de água
ℎ𝑣 = ℎ𝑣 (𝑇𝑟 ) + 𝑐𝑝𝑣 𝑇 − 𝑇𝑟

ℎ𝑣 = 2500,9 + 1,82𝑇
Outra forma de encontrar a entalpia é :

h = (1,005 + 1,82w)T + 2500,9w ℎ𝑣 (𝑇,𝑏𝑎𝑖𝑥𝑎 𝑃) = ℎ𝑣𝑎𝑝𝑜𝑟 𝑠𝑎𝑡𝑢𝑟𝑎𝑑𝑜


com T em Celcius
Volume específico do ar úmido (ve) [m3/kg de ar seco]
É o volume total ocupado pela unidade de massa do gás seco, juntamente com o vapor
presente em uma T e P.

V ParV RarVT T
ve = mar = ve = = 0,287
mar RaT PaV P − Pv

que pode ser modificada usando a expressão de definição da umidade


especifica, resultando em:

1+ w
( −3
ve = 2,83.10 + 4,56.10 w T −3
) ve =
 mistura
com T em Kelvin e P em kPa.
EXAMPLE 14–1 The Amount of Water Vapor in Room Air
A 5-m 5-m 3-m room shown in Fig. 14–7 contains air at 25°C and 100 kPa at a relative
humidity of 75 percent. Determine (a) the partial pressure of dry air,
(b) the specific humidity,
(c) the enthalpy per unit mass of the dry air, and
(d ) the masses of the dry air and water vapor in the room.
A Carta Psicrométrica:

Umidade
ϕ
ϕ

w
Exemplo 14-4. Se uma sala está a 1 atm, 35º C e 40% de umidade relativa. Determine, a
partir da carta psicométrica, :
a) Umidade específica (R=0,0142 kgH2O/kg ar seco)
b) Entalpia (R= 71,5 kJ/kg ar seco)
c) Temperatura de bulbo úmido (R= 24º C)
d) Temperatura de orvalho (R= 19,4º C)
e) Volume Específico (R= 0,893 m3/kg ar seco)
EXAMPLE 14–3 The Specific and Relative Humidity of
Air
The dry- and the wet-bulb temperatures of atmospheric air at 1 atm (101.325 kPa)
pressure are measured with a sling Psychrometer and determined to be 25 and
15°C, respectively. Determine (a) the specific humidity, (b) the relative humidity,
and (c) the enthalpy of the air.

Hipótese:
Para misturas de ar e vapor de água na faixa de pressões e temperaturas do ar atmosférico, a temperatura de saturação
adiabática é aproximadamente igual a TBU. Consequentemente, para se determinara a umidade para tais misturas a TBU
pode ser utilizada no lugar da temperatura de saturação adiabática.