Você está na página 1de 5

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas – IFAM

Instrumentação Industrial – Exercícios 1 – Prof.: Américo Carnevali Filho

1 Um elevador de mina é sustentado por um único cabo de aço com diâmetro de 2,5 cm. A massa total da cabine e
ocupantes é 670 kg. Quanto o cabo estica quando o elevador está (a) na superfície, 12 m abaixo do motor do elevador,
e (b) no fundo do poço de 350 m de profundidade? (Despreze a massa do cabo.)
[Dado: módulo de Young do aço (estrutural), p. 368: Y = 200  109 N/m2.]
2 Um fio de aço tem comprimento de 10 m e área de seção transversal de 0,2 cm 2. Sob que carga seu comprimento vai
aumentar 0,1 cm? [Dado. Módulo de Young do aço: 20  1010 N/m2.]
3 Uma massa de 2 kg é suspensa por um fio de cobre de comprimento 10 m e diâmetro 4 mm. Determine (a) a tensão no
fio e (b) o alongamento do fio. [Dado. Módulo de Young do cobre: 11 1010 N/m2.]
4 Um cubo sólido de cobre tem aresta de 85,5 cm. Quanta pressão deve ser aplicada ao cubo para reduzir o comprimento
da aresta a 85,0 cm? O módulo de corpo do cobre é 1,4  1011 N/m2.
5 Um cubo de aço com aresta de 4 cm está a uma força de cisalhamento de 3000 N enquanto uma face é grampeada.
Ache a deformação de cisalhamento no cubo. [Dado. Módulo de cisalhamento do aço: 8,4  1010 N/m2.]
6 O limite elástico de um material é definido como a máxima tensão que se pode aplicar ao material antes dele ficar
permanentemente deformado. Se o limite elástico do cobre for 1,5  10 8 N/m2, determine o diâmetro mínimo de um fio
de cobre sujeito a uma carga de 10 kg, para seu limite elástico não ser excedido.
7 Que aumento de pressão é necessário para diminuir o volume de uma esfera de mercúrio com 4 cm de diâmetro em
0,1%? [Dado. Módulo de corpo do mercúrio: 2,8  1010 N/m2.]
8 Determine a diminuição de volume de um cubo de cobre com aresta de 10 cm se ele for submetido a uma tensão de
corpo (pressão) de 107 N/m2 (100 atm). [Dado. Módulo de corpo do cobre: 14  1010 N/m2.]
9 Se a tensão de cisalhamento no aço exceder cerca de 4,0  10 8 N/m2, ele se rompe. Determine a força de cisalhamento
necessária para (a) cisalhar um rebite de aço com diâmetro de 1 cm e (b) perfurar um orifício de 1 cm de diâmetro
numa placa de aço com espessura 0,5 cm.
10 Um bíceps relaxado necessita de uma força de 25,0 N para uma dilatação de 3,0 cm; o mesmo músculo sob tensão má-
xima necessita de uma força de 500 N para produzir a mesma dilatação. Calcule o módulo de Young do tecido muscu-
lar em cada um desses casos supondo que o músculo seja um cilindro uniforme com uma área de secção reta igual a
50,0 cm2 e comprimento igual a 0,200 m.
11 Dois fios são feitos do mesmo metal, mas teem dimensões diferentes. O fio 1 é quatro vezes mais longo e tem o dobro
do diâmetro que o fio 2. Se estiverem ambos sob a mesma carga, compare (a) as tensões nos dois fios e (b) os
alongamentos nos dois fios.
12 Numa ponte de Wheatstone, mostrada na figura ao lado, com um resistor
retilíneo uniforme de 1 m, R1 é proporcional ao comprimento do fio de 0 R1 Rx
até a posição do cursor móvel no equilíbrio, e R2 é proporcional ao Vab
VB a b
comprimento deste ponto até a extremidade correspondente a 100 cm (o
término do resistor). Calcular a resistência desconhecida quando, com a R2 R3
resistência R3 fixa e igual a 200 , a ponte fica equilibrada com o cursor
em: (a) 18 cm; (b) 60 cm; e (c) 95 cm.
13 O circuito em ponte de Wheatstone da figura ao lado é utilizado para
medir a resistência de um strain gauge [extensômetro]. O resistor de RB R1 R2
ajuste R3 possui um ajuste linear com valor máximo de 100 . Se a
 Vab 
resistência do strain gauge for determinada em 42,6 , qual fração do
VB
ajuste do resistor será utilizada? Dados: R1 = 2 k, R2 = 4 k. R3 Rx
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas – IFAM
Instrumentação Industrial – Exercícios 2 – Prof.: Américo Carnevali Filho

1 Num tubo de 2,5 cm de diâmetro, há um fluxo de água cuja velocidade é 50 cm/s. Na extremidade do tubo há um
bocal com 0,32 cm de diâmetro. (a) Qual a velocidade da água no bocal? (b) Qual será a pressão (em atmosferas)
numa bomba que estiver tocando a água no tubo se ela estiver à mesma altura do bocal e a pressão de saída for a
atmosférica? [Dados. 1 atm  1,013  105 N/m2; densidade da água:  = 1 g/cm3 = 10 3 kg/m3.]

2 Água se move com velocidade de 5,0 m/s por de um cano com área de seção transversal de 4,0 cm 2. A água gradual-
mente desce 10 m conforme o cano aumenta de área para 8,0 cm 2. (a) Qual a velocidade do fluxo no nível inferior? (b)
Se a pressão no nível superior é 1,5  10 5 Pa, qual a pressão no nível inferior? [Dado: densidade da água, 10 3 kg/m3.]

3 Modelos de torpedos às vezes são testados num tubo horizontal de água em fluxo, como um túnel de vento é usado
para testar modelos de aeroplanos. Considere um tubo de seção circular com diâmetro interno de 25,0 cm e um modelo
de torpedo, alinhado ao longo do cano, com diâmetro de 5,00 cm. O torpedo deve ser testado com água fluindo por ele
a 2,50 m/s. (a) Com que velocidade através a água deve fluir na parte do tubo não constricta pelo modelo? (b) Qual
será a diferença de pressão entre as partes constrita e não constrita do tubo? [Dado: densidade da água, 10 3 kg/m3.]

4 Um termopar é formado de dois metais diferentes, unidos em dois pontos de modo que uma pequena voltagem se
produza quando as duas estão a diferentes temperaturas. Num termopar de ferro-constantã em particular, com uma
junção mantida a 0,000 C, a tensão de saída varia linearmente de 0,000 a 28,0 mV conforme a temperatura da outra
junção sobe de 0,000 a 510 C. Ache a temperatura da junção variável quando a saída do termopar for 10,2 mV.

5 Um termômetro resistivo é um termômetro cuja resistência elétrica varia com a temperatura. Somos livres para definir
temperaturas medidas por tal termômetro em kelvins (K) como diretamente proporcional à resistência R, medida em
ohms (). Um certo termômetro resistivo tem uma resistência R de 90,35  quando seu bulbo é posto em água na
temperatura do ponto triplo (273,16 K). Que temperatura é indicada pelo termômetro se o bulbo for posto em um
ambiente tal que sua resistência seja 96,28 ?

6 Um termistor é um dispositivo semicondutor com uma resistência elétrica dependente da temperatura. Ele é usado
comumente em termômetros clínicos e para detectar sobreaquecimento em equipamentos eletrônicos. Numa faixa
limitada de temperatura, a resistência é dada por R = R0e B (1/ T −1/ T0 ) , onde R é a resistência do termistor à temperatura T
e R0 é a resistência à temperatura T0; B é uma constante que depende do semicondutor particular usado. Para um tipo
de termistor, B = 4689 K e a resistência a 273 K é 1,00  10 4  (ohms). Que temperatura o termistor mede quando sua
resistência for 100 ? [Este dispositivo tem coeficiente de temperatura positivo (PTC) ou negativo (NTC)?]

7 Compare a variação percentual de resistência num condutor de fio de cobre devida exclusivamente à dilatação térmica
e exclusivamente devida à variação de resistividade, para uma variação de temperatura de T = 100 C.
R L A R 
Sugestão. Use as aproximações diferenciais:  − ;  . Dados para o cobre. Expansividade line-
R L A R 
ar:  L = 17  10−6 C −1; coeficiente de temperatura da resistividade:   = 4,3  10 −3 C −1.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas – IFAM
Instrumentação Industrial –Exercícios 3 – Prof.: Américo Carnevali Filho

1 Uma haste horizontal de alumínio de 4,8 cm de diâmetro projeta-se 5,3 cm de uma parede. Um objeto de 1200 kg está
suspenso da extremidade da haste. O módulo de cisalhamento do alumínio é G = 3,0  1010 N/m2. Desprezando o peso
da haste, ache (a) a tensão de cisalhamento sobre a haste, e (b) a deflexão vertical do extremo da haste.

2 No circuito em ponte de Wheatstone da figura ao lado, selecione os


valores de R1 a R3 tais que a ponte possa medir Rx na faixa de: RB R1 R2
(a) 0-10 ; (a) 0-100 . Dado: potenciômetro de R3 = 50  máximo.
 Vab 
VB
R3 Rx

3 Num tubo horizontal há um escoamento de água com velocidade de 3 m/s, sob pressão de 2  105 N/m2 (aproximada-
mente o dobro da pressão atmosférica). O tubo, num certo trecho, fica com o diâmetro reduzido à metade. (a) Qual a
velocidade do fluxo na seção estreita? (b) Qual a pressão na seção mais estreita, em Pa e em atm? (c) Qual a relação
entre a massa de água (em quilogramas) que passa pela seção normal do tubo, em cada segundo, e a massa que passa
pela outra seção, no mesmo tempo? [Dados: 1 atm  1,013  105 N/m2; densidade da água,  = 1 g/cm3 = 10 3 kg/m3.]

4 Num termopar de cobre-constantã, com uma junção mantida a 0,00 C, a tensão de saída varia de 0,00 a 9,28 mV
quando a temperatura da junção quente varia de 0,00 a 200 C. (a) Ache a temperatura da junção quente quando a saída
do termopar for 4,28 mV, supondo variação linear. (b) Na prática, a temperatura é de 100 C, quando a saída do
termopar for 4,28 mV; qual o desvio percentual do cálculo em relação ao valor prático?

5 Um termistor tem resistência dada por R = R0e B (1/ T −1/ T0 ) , onde R é a resistência do termistor à temperatura T e R0 é a
resistência à temperatura T0. B é uma constante que depende do semicondutor particular usado. Para um tipo de termis-
tor, a resistência a 1 C é 510 k e a 18 C é 290 k. (a) Qual o valor da constante B? (b) Qual a resistência a 9 C? (c)
Na prática, a 9 C, a resistência vale 450 k. Qual o desvio percentual do cálculo em relação ao valor prático?
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas – IFAM
Instrumentação Industrial – Exercícios 4 – Prof.: Américo Carnevali Filho

Elasticidade.
1 A figura ao lado mostra a curva de tensão-deformação (stress-strain) da quar- S (106 N/m2)
tzita. Quais são, para este material, (a) o módulo de Young e (b) a força limi- 300
nar (yield strength)?
200
100
( x/x) (10−3)
2 4
2 Supor que a viga (quadrada) da figura ao lado seja de pinheiro Douglas. Qual deve ser sua
b
espessura para manter a tensão compressiva sobre ela a 16 de sua resistência máxima (ulti-
cabo
mate strength)? Dados: m = 450 kg, a = 1,9 m, b = 2,5 m, massa da viga uniforme 85 kg,
massa de cabo e corda desprezíveis, força total da dobradiça sobre a viga 7,90 kN, força últi- a viga
corda
ma Su = 50  106 N/m2, para pinheiro Douglas (p. 368) sob compressão. (Ex. 13-5.) m
dobradiça
Acústica. Dados. Velocidade do som no ar: 343 m/s = 1125 ft/s; densidade do ar: 1,21 kg/m 3, exceto se especificado de outra forma.
1 (a) Uma regra para achar sua distância de um relâmpago é contar os segundos do instante em que você vê o relâmpago
até você ouvir o trovão e então dividir a contagem por cinco. O resultado supõe-se dar a distância em milhas. Explique
esta regra e determine seu erro percentual a 20 C. (b) Elabore uma regra similar para obter a distância em quilômetros.
2 Terremotos geram ondas sonoras na Terra. Ao contrário ondas P ondas S
Deslocameno da caneta de
do que ocorre em um gás, há ondas transversais (S) e lon-
Registro do sismógrafo
gitudinais (P), num sólido. Tipicamente, a velocidade das
ondas S é cerca de 4,5 km/s e ondas P 8,0 km/s. Um sis-
mógrafo registra ondas P e S de um terremoto. As primei-
ras ondas P chegam 3,0 min antes das primeiras ondas S
(ver figura à direita). Supondo que as ondas se deslocaram
em linha reta, a que distância ocorreu o terremoto?

1 2 3 4 5 6
Tempo (min)
3 Na figura ao lado uma haste H é segura em seu centro; um
disco D em sua extremidade projeta-se no interior de um tubo H
de vidro com pó de cortiça espalhado em seu interior. Há um
pistão P do outro lado do tubo. Faz-se a haste oscilar longitu-
dinalmente à frequência f para produzir ondas sonoras dentro D d P
do tubo, e a localização do pistão é ajustada até um padrão de
onda estacionária se estabelecer no interior do tubo. Uma vez estabelecida a onda estacionária, o pó se reúne em mon-
tinhos nos nós de deslocamento. Mostre que se d é a distância média entre os montinhos, a velocidade do som v no gás
dentro do tubo é dada por v = 2 fd . Este é o método de Kundt1 para determinar a velocidade do som em vários gases.
4 Uma fonte F gera ondas circulares na superfície de um lago; o padrão de cristas de
onda mostra-se na figura ao lado. A velocidade das ondas é 5,5 m/s e a separação
de crista a crista é 2,3 m. Você está em um pequeno barco rumando diretamente a F
a uma velocidade constante de 3,3 m/s em relação à praia. Que frequência das
 v 
ondas você observa? [Fórmula: f = f 0 1  b  .]
F

 v 

5 O patrulheiro B persegue o corredor A ao longo de um trecho reto de estrada. Ambos se movem a 100 mi/h. O patru-
lheiro B, sem conseguir a ultrapassagem, soa sua sirene novamente. Tome a velocidade do som no ar como 1100 ft/s e
a frequência da fonte como 500 Hz. Qual o deslocamento Doppler na frequência ouvida pelo corredor A?
[Dado: 1 mi/h = 1,467 ft/s.]
6 Um apito para chamar cães tem frequência de 30 kHz. O cão, contudo, ignora-o. A dona do cão, que não ouve sons
acima de 20 kHz, quer usar o efeito Doppler para verificar se o apito funciona. Ela pede a um amigo que sopre o apito
de um carro em movimento enquanto ela fica parada e escuta. (a) Com que velocidade o carro deve se mover e em que
sentido, para a dona ouvir o apito a 20 kHz? O experimento é prático? (b) Repita para um apito de freqüência 22 kHz,
em vez de 30 kHz. [Dado. Velocidade do som no ar a 20 C: 343 m/s.]

1
Inventado pelo físico August Adolph Eduard Eberhard Kundt (1839-1894). [1EB V:941. 2LC]
7 O chiado de 16,0 kHz das turbinas dos motores a jato de uma aeronave com velocidade de 200 m/s é ouvido em que
freqüência pelo piloto de uma segunda nave tentando alcançar a primeira à velocidade de 250 m/s?
[Dado. Velocidade do som no ar: 343 m/s.]
8 Uma ambulância soando uma sirene de 1,60 kHz alcança e ultrapassa um ciclista pedalando uma bicicleta a 8,00 ft/s.
Após ser ultrapassado, o ciclista ouve uma frequência de 1,59 kHz. Qual é a velocidade da ambulância?
[Dados. Velocidade do som no ar: 343 m/s; 1 ft = 30,48 cm.]
9 Um apito de frequência 540 Hz move-se em uma circunferência de raio 2,00 ft a uma velocidade angular de 15,0 rad/s.
Quais são as frequências (a) mínima e (b) máxima ouvidas por um ouvinte a grande distância em repouso relativamen-
te ao centro do círculo? [Dados. Velocidade do som no ar: 1125 ft/s.]
10 Em 1845, Buys Ballot testou pela primeira vez o efeito Doppler para o som. Ele pôs um trompetista em um vagão pla-
taforma puxado por uma locomotiva e outro trompetista perto dos trilhos. Se cada músico sopra uma nota de 440 Hz, e
se houver 4,0 batimentos/s conforme se aproximam um do outro, qual a velocidade do vagão plataforma?
[Dado. Velocidade do som no ar a 20 C: 343 m/s.]
11 A velocidade da luz na água é cerca três quartos de sua velocidade no vácuo. Um feixe de elétrons de alta velocidade
provenientes de um bétatron emite radiação Cerenkov em água; a frente de onda desta luz forma um cone de ângulo de
60. Ache a velocidade dos elétrons na água. [Pavel Alekseyevich Cerenkov (Voronej, Rússia 15/7/1904-1990).]
12 Um avião voa com 54 da velocidade do som. O estrondo sônico atinge um homem no chão exatamente 1 min após o
avião passar diretamente acima. Qual é a altitude do avião? Supor que a velocidade do som seja 330 m/s.
Fibras Ópticas.
1 Uma fibra óptica tem índice de refração do núcleo de 1,45 e ângulo de aceitação de 42 . Ache o índice da casca.
2 Supor uma fibra óptica de índice de refração em degrau, com n1 = 1,456 no núcleo e n2 = 1,45 na casca, comunican-
do dados à taxa de 10 Mbps. Ache o máximo comprimento da fibra.
3 Uma fibra óptica de índice de refração em degrau, tem núcleo de raio 16 m e n1 = 1,56 no núcleo e  = 2  10 −3 . Em
 = 1,55 m, calcule a abertura numérica, o ângulo de aceitação e o número de modos de propagação.
4 Para uma fibra óptica multimodo de índice de refração em degrau, com núcleo de índice de refração n1 = 1,458 e raio
25 m,  = 1,2%,  = 1,52 m, calcule a abertura numérica e o volume de modos de propagação.
sen a n
5 Mostre que a fórmula = 2 é a mesma que sen a = n2 1 − sen 2  c se o meio 1 for o ar.
sen(90 −  c ) n1

Você também pode gostar