Você está na página 1de 12

PAUL RICOEUR E A INTERPRETAÇÃO DO TEXTO HISTÓRICO

Cícero Manzan Corsi*

Resumo: O texto discute e problematiza a relação entre o ato de ler e a multiplicidade de


interpretações do texto histórico, buscando estabelecer a relação entre o ato da leitura e a
verdade histórica. A partir desta problematização destacamos alguns conceitos
fundamentais da obra de pensadores como Gadamer e Paul Ricoeur. Entre estes conceitos
destacamos: ação, mundo do leitor, mundo do texto, intenção e ideologia. Essa discussão é
de fundamental importância para situar o historiador em relação à história, para
apresentar a relação entre o leitor e o texto histórico, para estabelecer uma relação entre
o texto literário e o texto histórico, para mostrar onde está situada a intenção do autor
dentro do processo interpretativo do texto histórico. Em resumo, pretendemos apresentar
como Paul Ricoeur propõe a relação entre o ato da leitura e a verdade dos fatos narrados
pela história, e quais os problemas que percebemos nesta relação, sustentando como
hipótese que o leitor não consegue chegar no que o autor do texto pretende expressar, este
não seria seu objetivo, mas ele deve vivenciar o texto perceber os vários sentidos que o
texto possibilita devido aos fatores que influenciam a interpretação.

Paul Ricoeur em uma importante entrevista concedida a Edmond Blattchen


publicada sob o título “O Único e o Singular”. Ao analisar um quadro de Rembrandt
chamado “Aristóteles contemplado um busto de Homero” afirma que “Aristóteles não
contempla o busto de Homero, mas ele toca. Ou seja, está em contato com a Poesia”
(Ricoeur, 2002. P52)
Podemos relacionar este ato do observador, no caso de Aristóteles, de tocar o
objeto com a divisão que Paul Ricoeur faz de três mundos: um chamado “mundo do leitor”,
outro chamado “mundo do texto”, e um terceiro, o mundo do autor. É importante destacar
que esta junção entre dois mundos não acontece somente na leitura do texto poético, mas na
leitura de qualquer texto. Pretendemos discutir o ato da leitura em relação ao texto
histórico. O ato da leitura modifica o sentido do texto histórico? Qual seriam as diferenças
entre o ato de ler o texto histórico e o texto literário? Qual seria exatamente a atividade do
historiador?
Para entendermos como estes problemas se configuram no pensamento de Paul
Ricoeur, e de outros autores da hermenêutica, devemos analisar primeiramente a distinção
*
Graduado em filosofia pela Universidade Católica de Goiás. Atualmente cursa uma pós-graduação em
História Cultural e um segundo curso superior na área de letras.

6
entre mundo do texto e mundo do leitor. Quanto a esta distinção e a relação dela com o
texto histórico cabe ressaltar que existe uma completa dissimetria entre a realidade do
passado e a realidade da ficção. Porém, afirmar que determinado fato pode ser observado
por testemunhas do passado não resolve nada. O problema da verdade dos fatos passados é
transferido do acontecimento relatado para a testemunha que o relata. É fundamental
também, perceber que entre o que Ricoeur chama de função de representância e presenciar
o acontecimento existe uma relação de dívida, pois para o autor em questão, ele analisa os
fatos de várias formas. Portanto, essa representância estaria em um lugar paralelo à função
de ficção.
Aqui está situado exatamente o problema que pretendemos trabalhar. O filósofo
francês afirma que:

...somente pela mediação da leitura é que a obra literária obtém sua


significância completa, que estaria para a ficção assim como a
representância está para a história. (Ricoeur, 1997. P.275).

Dessa maneira, essa junção entre dois mundos que acontece na leitura também
implica uma experiência temporal fictícia. A obra literária se transcende na direção de um
mundo. Portanto, o mundo do texto assinala a abertura para o que está fora dele, para o
outro.
Este é um dos pontos fundamentais do pensamento hermenêutico. A
hermenêutica necessita de um outro, um leitor do texto. É somente com a leitura a
significação do texto está completa. Devemos ressaltar que durante o ato da leitura
descobrir e inventar são indisceníveis. A função de referência não funciona mais, muito
menos a redescrição. Em relação à suspensão da referência, ela é ainda mais evidente em
relação ao texto literário. O mundo ao texto se configura então como uma transcendência
na imanência. Pois enquanto seu estatuto ontológico permanece em suspenso, o dinamismo
da configuração do texto encerra seu percurso. Para compreendermos esta discussão sobre a
relação entre o leitor e o texto devemos ainda perceber a definição de Ricoeur para a
dualidade entre sentido e referência. E em segundo lugar é preciso entender como ocorre a
suspensão da referência no processo da leitura. E sua grande obra a metáfora viva que a
questão da referência pode ser colocada em dois níveis: o da semântica e o da

7
hermenêutica. Enquanto postulado da semântica o conceito de referência sustenta adquirida
a distinção entre semiótica e semântica. Essa distinção destaca o caráter sintético da
predicação opondo-a a outras operações mais simples como os jogos de diferenção e de
oposição entre significantes e significados. “O sentido é o que diz a proposição, a referência
ou denotação é sobre o que o sentido é dito” (Ricoeur, 2000. P.333).
A partir desta distinção Ricoeur destaca que:

O texto é uma unidade complexa de discurso cujos caracteres não se


reduzem aos da unidade do discurso ou frase. Por texto não entendo
somente nem principalmente a escritura, embora a escritura ponha
por si mesma problemas originais que interessam diretamente ao
destino da referência; mas entendo prioritariamente a produção do
discurso como obra. Com a obra, como a palavra o indica novas
categorias entram no campo do discurso, essencialmente categorias
práticas, categorias da produção e do trabalho. Antes de tudo, o
discurso é a sede de um trabalho de composição, ou de disposição
para retomar a palavra da antiga retórica - o que faz de um poema ou
de um romance uma totalidade irredutível a uma simples soma de
frases (Ricoeur, 2000, p.336).

Aqui notamos claramente o problema que queremos tratar. Neste trecho, Paul
Ricoeur deixa evidente um distanciamento entre sua hermenêutica e o estruturalismo. Pois
ele aponta o texto como uma unidade complexa de discurso, ou seja, ele deve ser
compreendido em seu todo, não pode ser dividido em outras pequenas estruturas. A simples
soma de outras estruturas menores como as frases não resulta no sentido de todo o texto. O
mais importante é que o leitor não se distancia do texto no processo da leitura. Para
compreendermos esta relação entre o leitor e o texto, analisaremos primeiro um comentário
feito por Rudiger Safranski (SAFRANSKI2005,p153) sobre a vivência de Heidegger. O
jovem Heideger afirmava que na vivência não existe nenhum contexto fundador, na
vivência de algo do mundo algo em torno se apresenta ao observador, e nesse mundo em
torno não estão as coisas com um caráter significativo determinado. O significativo é
primário, sem nenhum desvio de pensamento sobre o apreender a coisa. Pensamos que
existiria um perceptor que encontra o objeto e percebe aos poucos suas características.
Heidegger chama a atenção para o fato de que as coisas não se apresentam assim a nós. O
conceito de vivência primordial designa a percepção como ela se realizaria, o observador

8
vivencia o significado das coisas, suas funções, localizações no espaço, sua iluminação, as
pequenas histórias que entram nela. O objeto reuniria todo um mundo espacial e temporal.
Gadamer amadurece o conceito de vivência dentro de seu pensamento
hermenêutico partindo do pensamento de Dilthey. O conceito de Dilthey, segundo Gadamer
(GADAMER1997, pag110.) contém dois momentos, o panteísta e o positivista. E se ocupa
assim uma posição intermediária entre a especulação e o empirismo. O conceito de vivência
está ligado as configurações de sentido que vem ao encontro das ciências do espírito e são
reconduzidas a unidades últimas do dado na consciência. A vivência está ligada à uma
recordação do conteúdo semântico de uma experiência que reveste-se de caráter. Vivência
significaria assim algo inesquecível e insubstituível, inesgotável no que tange a
compreensão de seu significado. Sendo assim, cada vivência é trazida para fora da
continuidade da vida. A experiência estética, incluindo também a leitura, além de uma
espécie de vivência também representa a forma de ser da própria vivência. Gadamer
considera que a obra de arte é mundo para si e ao vivenciarmos este mundo nos
distanciamos de todas as ligações com a realidade. Aqui a arte se faz presente de tal
maneira que sua riqueza de significados representa todo sentido da vida.
Podemos aqui propor uma aproximação entre Gadamer e Paul Ricoeur: a obra
de arte é um mundo para si, e durante a leitura o mundo físico e o mundo fictício se
encontram, o leitor vivencia o mundo do texto. E aqui reside nosso problema. Como o ato
da leitura modifica o sentido do texto histórico? Qual seriam as diferenças entre o ato de ler
o texto histórico e o texto literário? Qual seria exatamente a atividade do historiador? O
leitor chegaria ao significado intencionado pelo autor?
Analisar a relação entre o ato de ler e a história é de fundamental importância.
Poderíamos até mesmo dizer que não existe história sem processo interpretativo. O trabalho
do historiador firma-se principalmente em ler documentos deixados pela humanidade, e a
partir deles tentar narrar a um outro leitor os fatos acontecidos no passado. Paul Ricoeur em
seu importante texto intitulado “História, Memória e Esquecimento” diferencia história e
memória afirmando que a história é a narrativa que se preocupa com ações importantes,
enquanto que a memória trata somente de coisas cotidianas.

9
Para entendermos esta definição Ricoeuriana devemos primeiro nos atentar para
a distinção proposta por esse autor entre o conceitos de ação e de acontecimento, para isto
analisemos o seguinte trecho:

Consideramos, efetivamente, as três proposições seguintes: Os


músculos do braço contraem-se; ele levanta o braço; ao levantar o
braço, fez sinal de que vai virar. Só o primeiro enunciado se refere a
um acontecimento que ocorre na realidade; os outros dois signam
uma ação, um nomeando-a, o outro explicando sua intenção;...
(Ricoeur, 2000. p.31).

Portanto, poderíamos diferenciar ação e acontecimento pelo fato de a ação


encontrar-se sempre regida para uma intenção. Mas o que é esta intenção? Paul Ricoeur
destaca o pensamento de E. Anscombe que considera três usos da palavra intenção: “Tenho
a intenção de fazer tal e tal coisa; fiz isto intencionalmente; esta coisa foi feita com tal e tal
intenção”. (Anscombe Apud . Ricoeur, 2000, p.41). O primeiro destes usos é abandonado
por razões não muito convincentes; ele convida a buscar o sentido da palavra intenção em
frases que não remetem a ação. Dessa maneira nos remete imediatamente para um vivido
psicológico correspondente. Já o segundo uso é abandonado porque situa a intenção com
um epíteto da ação. Esta intenção se nomearia primeiro, depois se qualificaria como
intencional. Ricoeur conclui então que o terceiro uso da palavra intenção é o mais
significativo devido a sua diversidade de relações com uma diversidade de disciplinas.
Os conceitos de ação e intenção estão ligados à história de duas formas: uma
primeira ligado ao processo de elaboração do texto histórico e uma segunda ligada a leitura
do mesmo. Tentaremos estabelecer aqui estas duas relações. Ivanhoé Albuquerque Leal em
seu importante texto “Historia e ação na Teoria da narrativa de Paul Ricoeur” ressalta a
narração histórica e ficcional para narrar a temporalidade humana. O tempo humano abre a
possibilidade de ser recontando, podemos assim considerá-lo como produto do narrativo.
Antes de seguirmos adiante é fundamental ressaltar no que Ricoeur ao utilizar a palavra
história refere-se a história – ciência; em outras palavras, Ricoeur refere-se a elaboração da
história, ao contato do historiador com seu material de estudos.
Devemos destacar ainda que a narrativa remete ao ato de recontar porém, como
já apresentamos anteriormente que o filósofo francês tem uma visão ontológica da história.

10
A linguagem possui esse caráter ontológico e a história se expressa através da linguagem.
No início de seu importante livro chamado História e Verdade, Ricoeur cita a afirmação de
March Bloch que “A história é história dos homens”. É importante ressaltar que Ricoeur
atribui um significado a esta afirmação que está para além do proposto por March Bloch. O
historiador da Escola dos Annales refere-se ao fato de que os homens escrevem a própria
história sobre as ações de outros que a constituem; já o filósofo francês destacaria ainda que
a história também é lida por homens e estes últimos interpretam o texto histórico. Cabe
ainda mostrar que o historiador escolhe de maneira subjetiva quais são as ações importantes
para serem narrados e o leitor identifica-se com esta subjetividade do autor presente no
texto. O leitor vivencia o texto histórico. Dessa maneira, é praticamente impossível para
Ricoeur que ele chegue no mesmo significado que o autor tem intenção de expressar.
Aqui está a primeira relação que podemos estabelecer entre conceitos de ação,
intenção e o texto histórico. O autor escreve o texto com a intenção de expressar um
sentido. Para compreendermos esta relação entre o conceito de intenção e o texto, nos
voltaremos primeiro para a teoria literária e posteriormente para o texto histórico. Antoine
Compangnon (Compagnon,2001) em seu demônio da teoria faz um longo estudo sobre a
intencionalidade.
Primeiramente, ele destaca que a intenção pode ser entendida como uma
hipótese de coerência do texto. Sem esta intenção o paralelismo se tornaria algo
extremamente frágil, uma coincidência aleatória. O paralelismo entre duas passagens só
pode ser pertinente se elas remeterem a uma intenção coerente. Aqui estaria o que
Compagnon considera um pressuposto fundamental dos estudos literários. A intenção ou a
coerência a contradição caracterizam o texto produzido pelo homem. Deve-se ressaltar que
nesta análise que Compagnon faz do pensamento de Chlaudenius, a hipótese da intenção ou
coerência não excluem as exceções e as singularidades.
Partindo desta posição de Chlaudenius, Compagnon analisa dois argumentos no
que diz respeito à intenção. Estes argumentos fundamentam duas posições polêmicas e
extremas sobre a interpretação: a intencionalista e a antintencionalista. O primeiro destes
argumentos diz que é fundamental procurar no texto o que o autor quis dizer, este é o único
critério que faria a interpretação válida. Já o segundo argumento afirma que nunca

11
encontramos nada no texto além do que ele nos diz, não importa a intenção do autor não
existe nenhum critério que torna a interpretação válida.
Poderíamos dizer que os autores que estamos aqui analisando são de uma
posição situada entre essas duas. Estas seriam teses complementares. Em resumo, estes
autores argumentam contra a intenção do autor. Para eles, a intenção do autor não é
pertinente ou a obra sobrevive a intenção do autor. Pois é indiscutível que quando alguém
escreve alguma coisa ele o faz com a intenção de exprimir alguma coisa através das
palavras mas a relação entre as palavras não exprime claramente o que o autor quis dizer.
Para os filósofos aqui citados não somente é difícil de reconstruir como ela não
tem nenhuma pertinência para a interpretação do texto, ela influencia a interpretação, mas é
indiferente para a compreensão do texto, ou o autor fracassa em realizar suas intenções ou o
sentido de sua obra não coincide com elas. Porém não devemos negar a existência do autor
ela é importante para a compreensão do texto. O que não podemos fazer é substituir a
interpretação do texto pela busca da intenção do autor.
Um outro ponto importante no que tange à intenção do autor é que ela estaria
ligada a projeto de reconstrução da filologia. Mas, como já foi afirmado a significação de
uma obra não esgota e nem, é equivalente a sua intenção. A obra tem sua própria história, e
sua significação só se completa na leitura. Dessa maneira, podemos dizer que as obras de
arte e os textos transcendem a intenção de seus autores querem dizer algo novo em cada
época, a significação de uma obra não pode ser determinada nem controlada pela intenção
do autor.
Para finalizarmos esta relação entre a intenção do autor e o texto devemos
também apresentar como acontece. As ações e intenções dentre da narrativa. Um primeiro
conceito que devemos entender para falarmos do conceito de ação dentre da narrativa é o
conceito de intriga e sua relação com a mímese.
Ivanhoé Albuquerque Leal em seu texto História, Ação e Teoria da
narratividade escreve:

A síntese construída pela intriga responde a uma exigência de


inteligibilidade que organiza o episódico. A ação episódica é aquela
na qual os acontecimentos se seguem sem verossimilhança nem
necessidade, um após o outro, não um por causa do outro. A

12
seqüência episódica pode ser inverossímil. O encandeamento causal,
ao contrário, é sempre verossímil. (Andrade, 2002, p.24).

Nesta citação Ivanhoé nos mostra que a intriga não se limita em articular de
modo concordante os elementos dispersos e heterogêneos. O partidista Ricoeur destaca a
intriga como um modelo concordante – discordante. Portanto, aqui está um ponto
fundamental que caracteriza a teoria ricoeuriana, ela une problemáticas filosóficas
distantes. Se considerarmos que a temporalidade seja revivida num passado imediato ou
distante ela repercutirá sobre a estrutura do presente, permanecendo discordante. Em
resumo, apesar dos elementos heterogêneos da ação a tessitura da intriga dispõem, ordena,
organiza, arranja combinado fatores discordantes. Ela seria considerada uma função de
integração e mediação sob três aspectos. Primeiramente ela faz de uma sucessão de ações
narradas uma configuração de uma multiplicidade de eventos ou incidentes a intriga extrai
uma história, e esta última é organizada numa totalidade inteligível.
Devemos aqui também ressaltar que Paul Ricoeur fala dos conceitos de ação e
intenção dentro da intriga. Pois toda narração é narração de uma ação, sendo assim, a
narração narra ações dos protagonistas. No caso da história, ela uma narração de fatos que
estão presentes na memória do passado.
Quanto ao tempo, a intriga mediatiza os caracteres temporais ela articula a
representação do tempo em uma seqüência cronológica ou em um encandeamento
figurativo. E é a partir da conclusão que o conjunto da história se faz inteligível. A intriga
integrar mimeticamente as dimensões temporais, cronológicas e configurantes da ação
humana. O conhecimento histórico está profundamente ligado as operações características
da intriga. Quando o historiador relata um fato ele o faz através de textos narrativos. E
ainda mais importante é que para seguir e interpretar um texto histórico requer as atividades
cognitivas relacionadas à compreensão narrativa. Aqui está mais uma vez a importância de
nosso problema. Se história é narrativa e deve ser interpretada, poderíamos falar de uma
verdade histórica dos fatos? Paul Ricoeur diria que não, pois, devido aos vários fatores que
estão presentes e o ato da leitura não podemos falar de uma verdade histórica, mas de
verdades históricas. Sendo assim, torna-se fundamental estudar e analisar todos os fatores
que influenciam o ato da leitura.

13
Um destes fatores é a ideologia. Para Paul Ricoeur o conceito de Marx de
ideologia como distorsão define a ideologia em um nível superficial, o problema da
ideologia para Paul Ricoeur não é uma escolha entre falso e verdadeiro, mas uma
deliberação sobre a relação entre representação e práxis. O conceito de ideologia
determina-se basicamente por ser representação (RICOEUR1991). A distorção seria um
dos níveis dentro da representação. Essa representação para Ricoeur seria tão básica que
chegaria a ser uma dimensão constitutiva no domínio da práxis. Enquanto que o marxismo
acredita que as idéias dominantes são as da classe dominante, Ricoeur afirma que este
domínio não pode ser entendido como uma relação causal das forças econômicas. Mas
como uma relação de motivação. Desse modo, podemos dizer que para Ricoeur a ideologia
atinge um segundo nível, passando a funcionar como legitimação. A legitimidade seria
inextricável da vida social, pois não existe nenhum sistema forte o suficiente para funcionar
somente através de sua própria força.
Sendo assim, concluímos que toda ordem social procura justificar as ações
daqueles que governam e é esta justificativa que legitima o poder do governante. Temos
então dois importantes fatores ligados à ideologia ricoeuriana: a pretensão de legitimidade
da autoridade do governante, e a crença na legitimidade da ordem por parte dos súditos. A
teoria de Ricoeur só está completa quando ele ainda fala de um terceiro nível de ideologia,
que aponta esta como integração. A ideologia é integradora, portanto, preserva a identidade
social. Seria somente na base desta função integradora que a ideologia torna-se importante
no processo interpretativo. Sendo assim, podemos dizer que no pensamento de Paul
Ricoeur a ideologia deixa de ser vista como negativo, no sentido de distorção social e passa
a ser positiva como integração e representação social. Nesse sentido, da ideologia como
fator de integração social, sendo a ideologia integração e representação social, ela exerce
um papel fundamental no processo interpretativo. Em primeiro lugar, se a ideologia é
representação social da qual todos os membros de uma sociedade comungam, o autor
escreve o texto influenciado pela ideologia. Outro ponto importante de ser ressaltado
quanto a este conceito é que a ideologia está completamente ligada ao mundo do leitor.
Para compreendermos esta ligação observemos a seguinte metáfora: “Seus olhos são meu
sol”.

14
Nesta metáfora, primeiramente podemos destacar uma possível intenção do
autor de dizer que os olhos de uma determinada pessoa são bonitos. Porém, dente desta
metáfora a palavra sol é tomada com um sentido que não é seu próprio, aqui situamos a
relação entre o processo interpretativo do texto e a ideologia. Devemos ainda destacar que
esta metáfora também é um ato locutório, pois o falante da frase também realiza o ato de
elogiar. Retornando a ideologia, notamos uma íntima relação entre ela e o sentido do texto,
por exemplo, se um determinado leitor possui a ideologia de que o sol é algo ruim não
estamos mais diante de um elogio, mas de uma ofensa.
Em último lugar temos ainda um outro fator que influencia a interpretação do
texto: a subjetividade. Pois um autor de um determinado texto ele o escreve de maneira que
tenta convencer o leitor do sentido que pretende expressar. Em segundo lugar o leitor lê o
texto a partir de sua subjetividade. O historiador julga o grau de importância dos fatos a
serem narrados.
Deve-se destacar assim, que esperamos do autor de um texto uma certa
subjetividade que seja apropriada a seu texto, e no caso do historiador uma subjetividade
que convém a história. Sendo assim, trata-se de uma subjetividade exigida pelo texto,
falando-se em texto histórico ela precisa ser adequada a objetividade do texto histórico.
Cabe ainda mencionar que Ricoeur espera uma subjetividade que esperamos da leitura e da
meditação das obras do historiador o que diz respeito ao leitor que se completa no texto e
que também completa o sentido do texto. A partir disto analisemos a seguinte citação de
Abrahão Andrade:

A interpretação deve ser, na leitura do texto, o processo, sim,


dialético de ida e volta entre uma e outra dessas operações; “A
dialética implicada na leitura testemunha a originalidade da relação
escrever e ler e sua irredutibilidade à situação de diálogo baseada
entre falar e escutar”. (Andrade, 2000, p.16).

Portanto, nesta citação notamos que o processo da leitura é dialético e


conflituoso, pois ele está relacionado a várias relações complexas como escrever e ler, falar
e escutar. Sendo assim, o problema sobre o ato de ler e a multiplicidade de sentidos do
texto histórico é completamente legítimo. Torna-se essencial estabelecer a relação entre a

15
leitura e o que o texto histórico pretende expressar. Em segundo lugar também é necessário
identificar e discutir sobre os vários fatores que influenciam a interpretação do texto.
Em último lugar também é importante estabelecer a posição certa do trabalho
objetivo do historiador dentro do texto histórico. Pois, Paul Ricoeur é contundente ao falar
deste fator. Ele afirma que nós sempre esperamos da história alguma objetividade, maneira
pela qual a história nasce é objetiva, precede da retificação e arrumação oficial e
pragmática feita pelas sociedades em relação a seu passado. Esta subjetividade do autor
presente na composição do texto histórico é fundamental. Pois através dela o leitor do texto
histórico se identifica no texto e se posiciona em relação ao fato histórico relatado. Porém é
também fundamental destacar que não é pela presença desta subjetividade que a história
deixa de ser científica. O historiador tenta reviver com os homens do passado com sua
experiência humana própria. Ele passa assim, a fazer parte da história na somente no
sentido de que o passado é passado de seu presente, mas no sentido de que os homens do
passado pertencem a mesma humanidade. A história seria assim, a maneirra pela qual os
homens do presente repetem a humanidade dos homens do passado. Portanto, a história
reflete a subjetividade do historiador. “A história faz o historiador tanto quanto o
historiador faz a história” (RICOEUR,1968.P34).

Referências bibliográficas:

Andrade, Abrahão Costa. Ricoeur e a Formação do Sujeito. Porto Alegre-RS: 2000


Burke, Peter. O que é História Cultural. Jorge Zahar Editor. Rio de Janeiro-RJ:2005.
Compagnon, Antoine. O Demônio da Teoria: Literatura e Senso Comum. Belo Horizonte
Editora UFMG:2001
Leal, Ivanhoé Albuquerque. História e Ação na Teoria da Narratividade em Paul Ricoeur.
Rio de Janeiro: Relume Dumará.2002
César, Constança Marcondes. Hermenêutica Francesa: Paul Ricoeur. Paulus Porto Alegre-
RS:2002
CESAR, C. T. M. ; ALMEIDA, D. M. ; DARTIGUES, A. . Paul Ricoeur: ensaios. 1. ed.
São Paulo: Paulus, 1998.
GADAMER, Hans-georg. Verdade e Método I. Editora Vozes. Petrópolis-Rj,1996.

16
GADAMER, Hans-georg. Verdade e Método II. Editora Vozes. Petrópolis-Rj,1996.
Ricoeur, Paul. O Único e o Singular. São Paulo-SP: Fundação Editora da UNESP 2002.
Ricoeur, Paul. Interpretação e Ideologias. Rio de Janeiro-RJ: Livraria Francisco Alves
Editora: 1977
Ricoeur, Paul.Teoria da Interpretação. Lisboa-Portugal: Edições 70: 1976
Ricoeur, Paul. O Discurso da Acção. Lisboa-Portugal: Edições 70: 1976
Ricoeur, Paul. O Si-Mesmo Como um Outro. Campinas-SP: Papirus: 1991
Ricoeur, Paul. A Metáfora Viva. São Paulo-SP: Loyola: 2000
Ricoeur, Paul. História e Verdade. Rio de Janeiro-RJ: Companhia Editora Forense:1968
Ricoeur, Paul. A Crítica e a Convicção.Lisboa-Portugal. Edições 70.1997
Ricoeur, Paul. Les Conflit des Interprétation: Essais Sur Hermeneutique. Paris-FR:Éditions
du Seuil: 1969
Ricoeur, Paul. Ideologia e Utopia. Lisboa-Portugal: Edições 70.1991
Ricoeur, Paul. Leituras 1: Em Torno ao Político. São Paulo-SP. Edições Loyola:1995
Ricoeur, Paul. Leituras 2: A Região dos Filósofos. São Paulo-SP. Edições Loyola:1995
Ricoeur, Paul. Leituras 3: Nas Fronteiras da Filosofia. São Paulo-SP. Edições Loyola:1995
Ricoeur, Paul. Ensaios Sobre a Interpretação Bíblica. São Paulo-SP. Editora Novo Século:
2004
Ricoeur, Paul. Pensando Biblicamente. Bauru-SP: EDUSC:2001
Ricoeur, Paul. Outramente. Petrópolis-RJ: Vozes:1999.
Ricoeur, Paul. Tempo e Narrativa. Tomo I. Campinas-SP:Papirus:1993
Ricoeur, Paul. Tempo e Narrativa. Tomo II. Campinas-SP:Papirus:1995
Ricoeur, Paul. Tempo e Narrativa. Tomo III. Campinas-SP:Papirus:1995
Safranski, Rudiger. Heidegger: Um Mestre da Alemanha entre o Bem e o Mal. São Paulo-
Sp: Geração Editorial 2005

17