Você está na página 1de 34

Gestão de Negócios

e Análises Financeiras
1. Os Aspectos da Micro e Macroeconomias 4
Economia 5
Microeconomia 5
Lei da Oferta e Demanda 6
Macroeconomia 7

2. Viabilidade de um Negócio 10
Viabilidade de Mercado e Seus Elementos Principais 12

3. Custos, Capital de Giro e Investimentos 15


Custos 15
Capital de Giro 16
Investimentos 19

4. Governança Corporativa 21
Princípios Básicos da Go-vernança Corporativa 23
Mecanismos de Governança 23

5. Vantagem Competitiva 26
Cinco Forças Competitivas 28

6. Referências Bibliográficas 32

02
03
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

1. Os Aspectos da Micro e Macroeconomias

Fonte: Marcus Marques1

O s fatores determinantes e seus


efeitos dentro da economia são
dinamizados pela micro e macroeco-
Analisando a economia e como
ela se comporta como um todo, ve-
mos que não se restringe apenas a
nomia, bem como os impactos trazi- empresas especificas, mas a econo-
dos por ela para o sistema econô- mia em geral, seja ela regional, naci-
mico, os aspectos que a envolve é onal ou internacional.
que determinam seu crescimento e Tanto a microeconomia quan-
desenvolvimento. to a macroeconomia influenciam no
A microeconomia está relacio- cotidiano das pessoas e apesar de se-
nada à análise da economia em es- rem ramos diferentes da economia,
cala menor e sua leitura com especí- elas estão presentes e tem grande in-
ficas entidades, como indivíduos, fa- fluência nas decisões que precisam
mílias e empresas. ser tomadas.
Já a macroeconomia está rela- O conhecimento de economia
cionada a um sentido mais amplo, ajuda na percepção de comporta-
por lidar com fatores diversos que mentos da sociedade e como se dá
podem afetar tanto a economia naci- seu funcionamento, o que pode ou
onal, a regional como a economia não afetá-la e suas principais in-
global como um todo. fluências.

1 Retirado em http://marcusmarques.com.br/

4
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

Economia Ela estuda oferta, demanda,


leis econômicas e de mercado, infla-
A economia tem relação com ções decisões de governos, níveis de
as finanças, dinheiro e investimento, preço e outros, para que alcancem
mas também auxilia nas escolhas resultados desejáveis, escolhendo
que são feitas no dia-a-dia, afetando um setor pequeno e atuando como
o comportamento humano e as di- agente que analisa a situação como
versidades sociais, buscando uma um todo.
maneira de responder e resolver os Por meio da economia se pode
diferentes problemas existente nela. determinar o aumento e a redução
Atuante na moderação e con- de preços de uma empresa, como
troles de gastos, a economia estuda melhorar os gatos de uma família e
como utilizar recursos sem custos al- como pequenos estabelecimentos
tos, evitando possíveis desperdícios podem aumentar as vendas e dimi-
para que bens de valores sejam pro- nuir seus custos e gastos.
duzidos, fazendo uso da observação Suas principais características
do comportamento humano e suas são:
necessidades e em como satisfazê-  Agentes individuais menores
las. como empresa, família e um
Ela se fundamenta em teorias indivíduo.
diversas, ideias de diferentes econo-  Análise de produtos, deman-
da, oferta, preço, salários e etc.
mistas, filósofos, sociólogos e mui-
 Estuda fatores pequenos que
tos estudiosos usam da economia influenciam os maiores.
uma forma de compreender a socie-  Analisa as possíveis variáveis
dade, a política, empresas e tudo individuais.
aquilo engloba uma sociedade e
pode sofrer efeitos econômicos. A microeconomia é primordial
para que empresas e negócios sejam
Microeconomia avaliados em suas questões de uni-
dades internas, econômicas e opera-
A microeconomia estuda tudo cionais, levando em consideração
aquilo que engloba um comporta- seus produtos, mão de obra, capital
mento individual de um setor e suas e definindo os preços antes dos mes-
tomadas de decisões, como preço, mos serem lançados no mercado.
valor, bens. Serviços e recursos, está As Vantagens da microecono-
relacionada às famílias, empresas, mia:
comércios e consumidores.

5
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

 Agregar valor aos produtos. impostos afetam a tomada de deci-


 Incluir fatores que beneficiem são e também o conceito de oferta e
a produção de um bem. demanda. A microeconomia analisa
 Determinar os preços dos pro- essas decisões e a somatória de um
dutos. todo que será analisada pela macro-
 Decisões precisas e conscien-
economia.
tes.
A oferta e demanda é um de-
Desvantagens da microecono- terminante fundamental dos fatores
mia: que tem influência sobre os preços,
portanto é importante conceitua-
 Não consegue explicar o que
acontece com o mercado. los:
 Não analisa a economia como Oferta: Se a oferta de fornecimento
um todo. de um produto/serviço aumentar, o
 Desemprego. preço desse produto/serviço será re-
duzido. As pessoas continuam que-
Responsável também por es- rendo o produto, embora sua oferta
tudar o comportamento das unida- seja maior que antes, porém não es-
des individuais, como famílias, em- tão dispostas a pagar mais por ele.
presas, indústrias e consumidores e Consequentemente se as demandas
seu desempenho, estuda em como do produto ofertado cair as pessoas
aumentar a produção e capacidade pagarão mais por esse produto.
de uma empresa, visando sua redu- Demanda: Se o fornecimento de
ção de preços e melhor competição um produto permanecer constante e
com seu setor. mesmo assim ele é requerido, o seu
A microeconomia analisa as preço aumentará, pois, as pessoas
decisões tomadas por essas unida- pagarão mais caro para a obtenção
des e como seus recursos e preços de do mesmo. Da mesma forma, se a
bens e serviços estão sendo aloca- demanda desse produto cair e mes-
dos, reunindo as forças determinan- mo assim houver grandes quantida-
tes para os níveis de preços da eco- des do produto, o seu preço tende a
nomia por meio da oferta e de- diminuir, pois as pessoas não irão
manda. pagar um valor alto por algo que elas
não querem, sendo assim o preço irá
Lei da Oferta e Demanda cair.
Essa lei tem a função de esta-
As empresas são responsáveis bilizar a oferta e procura (demanda)
por estabelecerem seus preços e seus de um bem ou serviço, a oferta sofre

6
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

influência do preço, mas a procura Por meio da macroeconomia


está relacionada a preferência do se reduz a exportação de um pro-
consumidor por um determinado duto, o quanto o aumento do desem-
produto. prego pode afetar o PIB nacional, as
O preço sofre influência do de- perdas nacionais que acontecem por
siquilíbrio causados por oferta e de- meio de acidentes e outros.
manda, portanto o preço é um fator Suas principais características
determinante pelo consumidor que são:
na busca por um determinado pro-  Abrangência tanto nacional
duto eleva o seu preço e paga mais como internacional, ou seja,
por sua aquisição. tanto os fatores internos quan-
A necessidade de se ter o pro- to os externos são estudados
por ela.
duto é o que favorece o poder de
 Abrangem questões que lidam
compra, a concorrência, qualidade e com a distribuição de renda,
satisfação que favorece o consumi- PIB e renda nacional.
dor final. O consumidor precisa con-  Analise econômica de variá-
sumir bens e serviços que satisfaçam veis, desemprego e sua por-
suas necessidades, as empresas são centagem, PIB e outros.
responsáveis por satisfazerem essa  Analisa toda a situação econô-
necessidade produzindo bens e ser- mica para depois analisar o in-
dividual.
viços para o consumo.
A macroeconomia ajuda a en-
Macroeconomia
tender questões econômicas que en-
volvem um pais, mantendo os níveis
Estuda tudo que está relacio-
de preço dos produtos e serviços, o
nado a economia e seus segmentos
mercado atual lida com questões de
como um todo, levando em conside-
problemas externos e ambientais.
ração a economia de um país inteiro,
Auxiliando na manutenção de
regiões e de vários em conjuntos, po-
estabilidade sobre o preço dos pro-
dendo ampliar internacionalmente.
dutos e em como solucionar proble-
Ela inclui tudo aquilo que en-
mas econômicos como a deflação,
volve a economia, preço, desigual-
inflação, estagflação, desigualdade,
dade, pobreza, questões sociais, po-
pobreza e desemprego.
líticas econômicas, Produto Interno
Vantagens da macroecono-
Bruto (PIB), importações, exporta-
mia:
ções, globalização, política monetá-
 Analisa problemas complexos.
ria, etc.
 Causa de déficits na economia.

7
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

 Auxilia em decisões a serem


tomadas em relação à política
econômica e às finanças públi-
cas.

Desvantagens da macroecono-
mia:
 Analisa somente variáveis
agregadas do todo.
 Questões individuais não são
analisadas.
 Evidencia a necessidade de co-
Fonte:
nhecer todos os campos de es-
https://www.passeidireto.com
tudo que a engloba.

A microeconomia e a macroe- Diferentes produtos possuem


conomia têm sua importância para a valores variados entre si e são as de-
sociedade e tudo que está relacio- cisões tomadas a respeito desse con-
nado as decisões econômicas, por- sumo que cooperam como cresci-
tanto é necessário que ambas te- mento da economia. São essas deci-
nham especialistas que colaborem sões de consumo que distribuem os
para o seu bom funcionamento. recursos de forma eficiente e coor-
Ela é responsável por abranger denam a economia visando seu cres-
áreas da economia relacionada a po- cimento.
breza, desemprego, preços em geral
e seus níveis, aumento e redução das
exportações e importações e como
isso pode afetar o capital da nação,
Produto Interno Bruto (PIB), polí-
tica monetária e fiscal e a globaliza-
ção. O quadro abaixo especifica as
diferentes funções e utilizações da
macro e microeconomia.

8
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

2. Viabilidade de um Negócio

Fonte: Ignição Digital2

P ara a realização de um projeto


é necessário que um plano so-
bre o mesmo seja elaborado, esse
dentro dessa viabilidade permite co-
nhecer mais do negócio para saber
se é viável um investimento e qual o
plano possibilita visibilizar o investi- caminho a ser seguido para imple-
mento, como a receita será proje- mentá-lo.
tada e a forma de retorno. Todo pro- Um estudo bem desenvolvido
jeto precisa ter suas possibilidades é importante para que os dados a se-
bem analisadas em sua forma de in- rem levantados identifiquem se o
vestimentos, custos e despesas. mercado de atuação é viável para in-
A viabilidade de um negócio vestimento. O levantamento de da-
implica em conhecer a economia e dos envolve pesquisa e informações
finanças de uma empresa, coletando econômicas sobre o mercado, quais
dados sobre ela e seu mercado de os concorrentes, clientes e tipos de
atuação para assim evitar erros em fornecedores, auxilia também na
sua fase inicial. O planejamento

2 Retirado em https://www.ignicaodigital.com.br

10
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

projeção financeira da empresa pos- e níveis de investimento que susten-


sibilitando sua visualização de fu- tam o negócio por meio de estudos
turo. financeiros.
A viabilidade de mercado pre- O estudo de viabilidade per-
cisa ser avaliada conforme a necessi- mite ter informações sobre o negó-
dade, a demanda e o ambiente e al- cio e se a demanda do produto/ser-
gumas dúvidas precisam ser analisa- viço consegue ser atendida por ele.
das durante esse processo: Os projetos financeiros criam cená-
 Necessidade: Qual a necessi- rios que sustentam o negócio de
dade desse mercado e se existe forma lucrativa.
demanda suficiente para sua Para a realização do projeto é
existência, quais problemas já necessário que o primeiro passo seja
existentes e as possíveis solu-
dado e esse implica o desenho de
ções para eles, o valor dessa
solução seria compensável pa- toda a jornada do negócio, as regras,
ra o cliente em sua disposição riscos, tecnologias que serão usadas,
para pagar. conhecimento de mercado, cliente e
 Demanda: O tamanho da de- correntes para o desenvolvimento
manda determina o potencial da solução.
da empresa e seus clientes es- É valido lembrar que todas as
pecíficos, deve ser analisado o
etapas precisam ser desenvolvidas
volume de empresas já exis-
tente que prestam o mesmo conforme os recursos disponíveis do
serviço e os limites desse mer- negócio e esses precisam ser absor-
cado. vidos pela equipe na forma de como
 Ambiente: Qual o diferencial entregar o produto/serviço para o
desse ambiente e o que é ofe- cliente.
recido a seus clientes, estacio- O estudo de viabilidade não
namento, bom atendimento,
garante um negócio certeiro e livres
retorno e atenção a suas neces-
sidades é uma forma de atraí- de incertezas no caminho, mas sua
los, o lugar de acesso também finalidade é reduzir os ricos em
permite uma acessibilidade torno das operações a serem feitas.
maior ao produto/serviço Os dados de um negócio preci-
ofertado. sam ser esclarecedores para todos os
envolventes e o estudo de viabili-
O negócio viável permite que dade precisa ser levado a sério, para
sua demanda seja sempre suprida de que não haja prejuízos para os negó-
forma rentável, reduzindo os custos cios.

11
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

Viabilidade de Mercado e Seus para uma área específica, mas para


Elementos Principais os fatores que o envolvem e necessi-
tam ser avaliados, como o cresci-
Para uma viabilidade de mer- mento, se o mesmo se encontra sa-
cado eficiente é necessário um plano turado e seus concorrentes serão di-
de negócios que permite a visualiza- vididos, se está começando ou se en-
ção de seus resultados, alguns des- contra em crescimento, tudo isto
ses elementos principais: precisa ser analisado antecipada-
Produto/serviço: O produto/ser- mente.
viço precisa ser analisado, bem co- Administração: Responsável por
mo a forma que esse será recebido analisar os recursos de uma empresa
pelos seus clientes, se existe algum e suas habilidades, para ter ciência e
público-alvo especifico e como esses conhecimento se esses são o sufici-
serão atingidos. ente para seu funcionamento.
Para que isso aconteça é pre- Ela representa o resultado fi-
ciso que seja feita uma pesquisa com nal da pesquisa de mercado por
todos os clientes de modo que seja meio da viabilidade de mercado que
identificado seus gostos particula- ajuda a identificar os ajustes neces-
res, opiniões sobre o produto, quais sários que precisam ser feitos.
são os compradores em potencial e Economia: é o plano financeiro de
de que forma usarão esses produtos. uma empresa, os objetivos de inves-
Toda a coleta de dados é im- timentos para dar início ao projeto,
portante para essa pesquisa, as res- o controle de despesas essenciais
postas precisam ser analisadas para para a realização desse procedi-
uma comparação organizada, onde mento.
os pontos negativos e positivos são A viabilidade de mercado per-
primordiais para o desenvolvimento mite ter clareza sobre o montante da
e ajuste do produto/serviço. empresa, despesas anteriores de
Mercado: O mercado precisa ser produtos e suprimentos, e despesas
pesquisado para o entendimento do legais, considerando as despesas fre-
seu funcionamento, suas reais van- quentes e permanentes daqui pra
tagens e desvantagens, avaliação de frente, para se ter noção das despe-
obstáculos, concorrentes, clientes e sas futuras.
fornecedores. Todo empreendimento requer
O mercado precisa ser avali- tempo e dinheiro e embarcar no
ado de forma precisa para que esfor- mercado não é uma tarefa fácil, mas
ços não sejam direcionados somente

12
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

pode produzir resultados positivos cionários e clientes, para assim tra-


de investimentos. çar um caminho, estabelecendo as
A viabilidade de negócio per- diretrizes desse mercado.
mite uma segurança para empreen- Dentro desse contexto está a
der com sucesso, testando através de motivação, objetivos, recursos fi-
pesquisa se a ideia para o mercado nanceiros e a forma de alcance. Todo
que se deseja empreender é viável. empreendimento precisa de uma es-
Conhecer o público-alvo e se o pro- trutura que descreva o produto/ser-
duto/serviço de uma empresa será viço a ser comercializado.
consumido por eles. A pesquisa da concorrência
Permite uma análise de riscos, permite as informações possíveis so-
da concorrência e os investimentos bre os concorrentes. O investimento
que serão aplicados para esse negó- permite que todos os gastos necessá-
cio acontecer e qual a previsão de lu- rios sejam listados para o continuo
cro e retorno. exercício da empresa.
A pesquisa permite o aperfei- A meta de vendas precisa ser
çoamento do produto/serviço e seu estipulada, pois é por meio dela que
melhor desenvolvimento para atrair as despesas são pagas e se o investi-
os clientes, ao desenvolver um pro- mento tem obtido retorno, além de
duto é necessário que a pesquisa seja uma análise plena sobre o negócio e
bem elaborada para obter o efeito e seu faturamento
resultado esperado para o mesmo. Empreender implica risco,
Toda viabilidade de mercado mas esse pode ser evitado por meio
precisa ser pesquisada, todo plane- do planejamento, que permite a via-
jamento precisa de uma boa pes- bilidade do negócio, os objetivos ini-
quisa, para identificar a prioridades ciais não podem ser desviados, uma
e ter conhecimento da situação soci- vez traçado o objetivo do negócio e o
oeconômica do país. Além de conhe- caminho a ser percorrido para o seu
cimentos básicos sobre finanças e sucesso, as tomadas de decisões con-
economia e seus impactos que terão tribuirão para um empreendimento
sobre esse empreendimento. em continuo crescimento.
O planejamento permite co-
nhecer as tendências do mercado, o
modelo de negócio e as pessoas que
serão envolvidas nesse projeto, fun-

13
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

3. Custos, Capital de Giro e Investimentos

Fonte: Capital Empreendedor3

D entro das organizações exis-


tem necessidades especificas
para cada setor e o mesmo ocorre
No contexto financeiro empre-
sarial não é diferente, a forma de
como são geridos dentro de uma or-
com o setor financeiro dentro de ganização tem influência em seus
uma organização, para que a empre- custos, capital de giro e investi-
sa se estabeleça e esteja em continua mento.
produção é preciso que seus custos,
capital de giro e investimento este- Custos
jam alinhados de acordo com suas
exigências. O mercado tem se tornado a
Todo sucesso empresarial pre- cada dia mais competitivo e exigen-
cisa ser bem planejado, analisando te, dessa necessidade tem surgido
as possíveis variáveis de mercado e uma consciência na gestão de seus
como os objetivos precisam ser al- custos.
cançados. Sendo assim, se faz neces- Todos os gastos relacionados a
sário que o caminho a ser percorrido bens e serviços que são utilizados
ofereça condições para que o su- para produção de outros bens ou
cesso financeiro desejado aconteça. serviços são denominados custos,

3 Retirado em https://www.capitalempreendedor.com.br

15
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

eles estão relacionados a produção Os custos da empresa preci-


da empresa, como por exemplo a sam ser bem detalhados e devidos
matéria prima utilizada na produ- entre os que são variáveis e o que
ção, manutenção das máquinas de não são:
produção, salários do pessoal da Custos fixos: São aqueles que não
produção, aluguel da fábrica e etc. possuem variações e alterações de
Quando bem geridos os cus- valores e não interferem no aumento
tos, permite-se que a empresa tenha ou diminuição da produção.
um conhecimento do preço final de Custos variáveis: São aqueles que
seu produto ou serviço prestado, possuem variações conforme o nível
esse conhecimento permite que seja de produção e atividades empresari-
embutido em seu preço final o inves- ais. O volume das vendas e da pro-
timento para sua aquisição, para que dução interfere em seus valores.
o valor final cobrado seja condizente Exemplos de custos fixos e va-
com essa realidade. riáveis:

Custos fixos Custos variáveis

Energia elétrica, internet, telefone, com- Matéria-prima, embalagens comissões, mão-de-

bustível, aluguel. obra.

O cálculo dos custos: O cálculo Capital de Giro


dos custos de uma empresa pode ser
feito através de um levantamento, A saúde financeira de uma em-
tantos dos custos fixos, quanto dos presa é um fator principal para que
variáveis e dividir todos esses gastos a mesma seja sustentável e obtenha
da empresa, sejam eles fixos ou vari- o crescimento desejado, pois quan-
áveis, por todos os produtos finais. do as finanças não andam bem, ela
Podendo ser feita de maneira está suscetível a uma série de pro-
que o custo final de todos os produ- blemas.
tos e serviços da empresa sejam le- A falta de capital para investi-
vados em conta somente os custos mentos e a necessidade de emprésti-
variais, nesse caso os custos fixos só mos bancários e déficit nas contas é
serão atribuídos no resultado do resultado de uma má administração
exercício. das finanças, pensando nessa situa-

16
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

ção que surgiu o capital de giro ou Ele é o responsável pelos cál-


ativo circulante, nome dado à rela- culos do exercício seguinte ao que
ção do dinheiro que uma empresa está sendo elaborado da empresa,
tem e o dinheiro que ela deve. que equivale ao capital de giro ou ca-
De acordo com Zouain et al. pital circulante que diferencia ativo
(2011): e passivo.
Sendo assim, o capital de giro
“O capital de giro é represen- por sua vez, representam todos os
tado pelo ativo circulante, que
recursos de demandas de uma em-
por sua vez, é caracterizado
como as aplicações correntes presa e financia todas as suas neces-
(Disponibilidades, Contas a re- sidades operacionais, desde a aqui-
ceber e Estoques) das empre-
sas, que são ativos capazes de
sição das mercadorias até o recebi-
serem transformados em di- mento da venda feita delas.
nheiro com mais facilidade e ra- Para um melhor entendimento
pidez.”
de capital de giro é necessário o co-
nhecimento de ciclo operacional e
O capital de giro é a quanti-
do ciclo financeiro de uma empresa.
dade de dinheiro que uma empresa
São a análise desses ciclos que
possui para estar em continua ope-
permitem enxergar a eficiência dos
ração. O dinheiro é um recurso fi-
recursos empregas e recuperados
nanceiro e esse pode estar não so-
pela empresa e que lhe trouxeram
mente dentro da caixa da empresa,
retomo positivos ou negativos.
mas também em seu estoque, mer-
Toda a operação de um negó-
cadorias, conta bancaria e em suas
cio necessita da compra de matérias-
contas a receber.
primas, que ao serem estocados são
O valor da operação de uma
transformadas pela empresa em
empresa está em seu capital de giro,
produto final, esse ciclo é continuo,
ele é responsável pela realização da
pois sempre se compra, estoca e
atividade econômica da empresa,
vende, podendo ser pagamentos à
bem como seus itens de consumo rá-
vista ou à prazo.
pido.
A área de atuação de serviços
Cálculo do Capital de Giro: O
prestados também funciona assim,
cálculo do capital de giro se dá pela
mas o que difere é o processo de
transformação dos dias em valores
transformação, mas ambos com-
monetários, identificando as variá-
pram antes e vendem depois para
veis e todas as contas de operação da
receber o lucro do que foi investido.
empresa começando pelo ativo cir-
culante.

17
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

Os ciclos operacionais e finan- Pagamento dos Fornecedores. Para


ceiros acompanham o percurso que o seu melhor resultado é necessário
o dinheiro faz dentro do caminho da que esse ciclo seja menor, onde a
empresa, registrando suas saídas e programação de recebimento de for-
entradas. Eles são calculados pelo necedores aconteça, para que a em-
tempo que as etapas são cumpridas, presa evite recursos externos que di-
entre o investimento e recebimento ficulta seu fluxo de caixa e compro-
desses fluxos. meta sua saúde financeira.
Para que o capital investido
dentro de uma empresa tenha ga-
nhos é necessário que o ciclo opera-
cional e financeiro da mesma obte-
nha uma atenção, pois eles repre-
sentam sua saúde financeira.
Ciclo operacional: Intervalo que
acontece desde a compra de merca-
dorias, matérias-primas ou materi-
ais de empresa, até o recebimento Fonte: https://econsult.org.br
das vendas dos mesmos, nesse tem-
po é a própria empresa que custeia Como vimos, o ciclo operacio-
sua produção, pois não acontece en- nal e financeiro que dimensionam o
tradas nesse período. capital de giro, após identificar a va-
Ele é calculado através de: riáveis e as contas relacionada a em-
Prazo Médio de Recebimento + Pra- presa esse cálculo se torna mais fácil
zo Médio de Estoque. Para um me- de ser elaborado.
lhor resultado esse prazo precisa ser A fórmula usada para esse cál-
encurtado e é através do empenho culo:
das atividades de desempenho da
empresa que esse prazo será redu- CGL = AC – PC
zido.
CGL: Capital de giro liquido da em-
Ciclo financeiro: Intervalo que
presa, tudo que ela possui para sua
acontece entre o primeiro desembol-
manutenção, como contas a receber,
so dos custos da produção de uma
caixa e estoques.
empresa até o seu recebimento total
AC: Ativo circulante é tudo que está
de vendas.
relacionado aos bens e direitos da
Ele é calculado através de:
empresa que são convertidos em di-
Custo Operacional- Prazo Médio de

18
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

nheiro para ela, como estoques, de- tura dos bens ou serviços adquiridos
pósitos, matéria–prima, aplicações, pela empresa, ou seja, os gastos rea-
contas a receber, títulos, movimen- lizados por ela que ativam o seu
tos bancários e etc. É considerado bem, tudo aquilo que sai da empresa
um investimento, sendo assim e tem uma expectativa de aumentar
quanto maiores forem maior será o seus lucros.
prazo para cobrir os investimentos Os investimentos melhoram o
da empresa. negócio da empresa e sua imagem,
PC: Passivo circulante é tudo o que trazendo benefícios futuros para ela.
está relacionado com as obrigações Eles são considerados gastos mesmo
da empresa no período de um ano, gerando bons resultados para em-
como matéria-prima, contas a pa- presa, mas para que suas atividades
gar, dívidas de curto prazo, despesas aconteçam de forma produtiva é ne-
provisionadas, empréstimos, venci- cessário que gastos aconteçam, se-
mentos, impostos recolhidos e etc. jam eles um curso de capacitação de
Quanto menor for o passivo, menor funcionários, compra de equipa-
é a necessidade de investimento no mentos que aumentam a produção
capital de giro. etc.
Todos os relatórios que a em- O gasto tem que visar aumento
presa possui a respeito dela mesma de produção, modernização, redu-
e seu capital e giro, auxiliam em seu ção de custos e despesas desnecessá-
monitoramento, correções possíveis rias e ampliação de recursos que me-
que precisam ser realizadas e as me- lhoram os resultados da empresa.
didas que precisam ser adotadas Calculo de investimento: Para
para uma gestão de qualidade. calcular o investimento da empresa
Possuir relatórios contábeis partimos da necessidade que a mes-
periódicos vão ajudar a fazer um ma tem de investir e qual a melhoria
monitoramento constante do Capi- a ser alcançada, todo investimento
tal de Giro, e adotando medidas de requer planejamentos e recursos pa-
correção é possível realizar uma ges- ra sua execução. É sempre bom ana-
tão mais efetiva, garantindo a saúde lisar quais os benefícios que um gas-
financeira da empresa e ampliando to de investimento trará a longo pra-
as chances de sucesso do negócio. zo e se o produto ou serviço sendo ou
não vendido os gastos ainda conti-
Investimentos nuarem existindo, existe a necessi-
dade um investimento para maior
Investimentos são todos os
benefícios e retorno para empresa.
gastos ativos para uma utilização fu-

19
20
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

4. Governança Corporativa

Fonte: Empresas e Cooperativas4

T oda grande empresa possui um


nível hierárquico, como presi-
dente e diretoria, e esses submetem
que seus investidores, empregados e
credores, sejam protegidos e o aces-
so ao capital seja facilitado”.
suas decisões a um nível hierárquico O conselho de uma adminis-
maior que é o conselho de admi- tração tem como objetivo governar a
nistração. As grandes organizações empresa e exercer a governança cor-
são compostas por um presidente de porativa dela e o presidente e dire-
conselho, diretores conselheiros, tores executivos tem a responsabi-
acionista e representantes, os acio- lidade de administrá-la.
nistas são responsáveis por eleger o Por ser parte da uma estrutura
presidente e diretores para o organizacional, o conselho pode in-
conselho. cluir outros conselhos dentro da em-
De acordo com Silva (2012) “a presa, como o fiscal, auditoria, go-
governança corporativa tem por fi- vernança, secretaria de governança
nalidade aumentar e otimizar o de- e outros mais que forem necessários.
sempenho da organização por meio A governança corporativa é
de seu conjunto de práticas, para fundamentada nas diretrizes da

4 Retirado em https://empresasecooperativas.com.br/governanca-corporativa/

21
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

empresa, pois trata de questões rela- monitoramento para evitar possí-


cionadas a seus agentes que são as veis deslizes no percurso, portanto é
pessoas contratas para representar necessário que regras e restrições
seus interesses. sejam aplicadas e que promovam
O Instituto Brasileiro de Go- uma cultura de prestações de contas
vernança Corporativa (IBGC), fun- e serviços.
dado em 1995, define governança Dentro das organizações re-
corporativa como: gras precisam ser estabelecidas para
que a mesma seja conduzida de mo-
“Governança corporativa é o do eficaz, essas regras, estabelecem
sistema pelo qual as empresas e
normas que são estipuladas para
demais organizações são dirigi-
das, monitoradas e incentiva- que comportamentos indesejáveis
das, envolvendo os relaciona- não ocorram por parte dos adminis-
mentos entre sócios, conselho
de administração, diretoria, ór-
tradores e que os mesmos permane-
gãos de fiscalização e controle e çam na condução de suas decisões.
demais partes interessadas. As Nesse mesmo contexto é fun-
boas práticas de governança
corporativa convertem princí-
damental o papel da auditoria que
pios básicos em recomendações visa estabelecer regras e também
objetivas, alinhando interesses supervisionar o seu cumprimento,
com a finalidade de preservar e
otimizar o valor econômico de
monitorando o comportamento e
longo prazo da organização, fa- ações de seus administradores. Den-
cilitando seu acesso a recursos e tro dessas organizações há também
contribuindo para a qualidade
da gestão da organização, sua restrições de autonomia, onde as
longevidade e o bem comum. atuações dos administradores são
”(IBGC, 2015, p. 20). limitadas e precisam ser submetidas
as autoridades maiores da empresa.
Para que os interesses da ad- O ponto de equilíbrio para
ministração estejam sempre alinha- essas regras é essencial, pois as re-
dos com os interesses dos donos do gras não podem prejudicar os ad-
negócio propriamente dito, é neces- ministradores da empresa, por isso é
sário que a governança corporativa necessário ter cuidado para que
tenha como função direcionar uma ferramentas usadas como regras não
empresa para alcançar seus objeti- ultrapassem os limites de controle e
vos e resultados. ocasionem prejuízos como uma
Toda organização precisa de governança forte em que o adminis-
pessoas que conduzam os seus pro- trador não consiga exercer o seu pa-
cessos e para isso é necessário um pel de autonomia em suas decisões

22
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

ou uma governança fraca em que objetiva os seus valores e prin-


muitos administradores buscam cípios, visando garantir a sus-
seus próprios interesses e não exerça tentabilidade da empresa de
forma ética.
sua função de forma competente.
De acordo SILVEIRA (2010),
Princípios Básicos da Go- existem dois potenciais principais
vernança Corporativa que trazem benefícios para uma boa
governança que podem acarretar a
Conforme a 4ª edição do có- empresa, que são:
digo de boas práticas de governança
 Benefícios externos: que estão
corporativa, publicado pela IBGC relacionados a uma facilidade
em 2009, existem quatro princípios maior de captação de recursos
básicos de governança corporativa: e uma maior redução de capi-
 Princípio da transparência: tal da empresa a seus asso-
Disponibilizar para todos den- ciados.
tro da empresa informações  Benefícios internos: Que estão
que lhe sejam úteis e que se- vinculados ao processo de de-
jam de seus interesses, favore- cisão da alta gestão da em-
cendo um clima de confiança presa e seu aprimoramento.
por parte de seus membros.
 Princípio da equidade: Dar um Mecanismos de Governança
tratamento justo e isonômico a
todos os colaboradores da em- Para que um sistema de go-
presa e demais partes interes- vernança aconteça de forma eficien-
sadas, não aceitando nenhum
te, é necessário que mecanismo in-
tipo de discriminação, mas de-
fender os interesses e necessi- ternos e externos estejam alinhados
dades de todos dentro de for- para melhores decisões de seus
ma igualitária. acionistas.
 Princípio da prestação de con- Mecanismos internos:
tas: Todos relacionados à go-  Conselho de administração: O
vernança e que exercem as conselho representa os inte-
atividades da empresa devem resses de os acionistas da em-
prestar conta de suas ações e presa e responsável por moni-
omissões e consequências de- torar e supervisionar a direto-
las, exercendo seus papeis com ria executiva e para isso sua
responsabilidade e diligência. atuação deve ser de forma
 Princípio da responsabilidade íntegra e independente.
corporativa: Respeitar as leis e  Sistema de remuneração: Ali-
ter definido de forma clara e nha os interesses da empresa

23
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

dos executivos com os acionis- lamentam fluxos de caixas aos


tas por meio da vinculação da credores e acionistas, no en-
remuneração e o desempenho, tanto os financiamentos facili-
reduzindo os custos de agên- tam os recursos permanentes
cia. e temporários.
 Concentração acionária: O
agente concentrador de prio- A governança corporativa tem
ridade gera uma cobrança e ganhando anuência pelas organiza-
monitoramento maior de de- ções através de sua capacidade de
sempenho dos executivos, po-
gerir e atribuir capacidades para as
dendo resultar em prejuízos
para os acionistas minoritá- organizações que por meio de nor-
rios. mas conduz um comportamento
transparente previsível para a ges-
Mecanismos externos: tão, responsabilizando o desempe-
 Proteção legal aos investido- nho econômico e financeiro gerado
res: Os danos causados em por ela.
ambiente que protegem seus Dentro desse contexto a gover-
investidores são menores, pois nança corporativa é um conjunto de
as situações de conflitos de in-
mecanismos usados pelas organiza-
teresses causam prejuízos aos
seus investidores. ções com o objetivo de alinhar todas
 Possibilidade de aquisição as expectativas e ações das partes
hostil e grau de competição no envolvidas nos interesses da empre-
mercado: O receio de perder o sa, não restringindo somente aos
emprego tornam os executivos seus acionistas e gestores, mas in-
disciplinados e alinhados com cluindo financiadores, fornecedores
os interesses da empresa.
e credores.
 Fiscalização dos agentes de
Atualizando os modelos e as
mercado: Promove maior
transparência para a empresa, formas de suas atuações dentro des-
aumentando a pressão entre sas corporações, para que mais in-
os executivos para que deci- vestimentos tanto internos quanto
sões sejam tomadas de forma a externos sejam atraídos, a fim de
aumentar o valor da empresa promover a movimentação da ativi-
visando seus próprios interes-
dade econômica da empresa e do
ses.
pais.
 Estrutura de capitais: Propor-
ciona o equilíbrio de decisões,
investimentos e endividamen-
tos visando diminuir o risco de
falência, ou seja, dividas regu-

24
25
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

5. Vantagem Competitiva

Fonte: Suno5

O mundo dos negócios está ofe-


recendo novas oportunidades
de mudança em sua forma de reali-
Antes o que era considerado
inovador, hoje já se encontra defa-
sado e para penetrar nesses diferen-
zação e planejamento, por meio de tes segmentos do mercado e desen-
recursos utilizados para melhor volver habilidades frente a isso é ne-
atendimento e relacionamentos com cessário fazer o uso da ferramenta
seus clientes, funcionários, fornece- da vantagem competitiva.
dores e acionistas, ou seja, tudo Segundo Lee e Choi (2003), o
aquilo que engloba uma organiza- desempenho organizacional é defi-
ção. nido pelo grau em que as empresas
O grande desafio tem sido a tem de atingirem seus objetivos de
busca por tecnologias de mercado e negócios. Podendo ser medido por
em como esse gerenciamento será termos de aprendizagem organizaci-
integrado dentro da empresa e quais onal, rentabilidade e também pelos
os métodos usados para esse pro- benefícios financeiros da gestão do
cesso. conhecimento.

5 Retirado em https://www.sunoresearch.com.br/artigos/vantagem-competitiva/

26
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

A formulação de um produto/ A vantagem competitiva neu-


serviço e sua comercialização não traliza a ação da concorrência em
pode visar somente o mercado da seu segmento de mercado, ela é o di-
empresa e sim os concorrentes como ferencial e uma empresa em sua efi-
um todo e seu meio de atuação, es- ciência operacional, oferecendo me-
tratégias, formas e técnicas de de- lhores serviços, produtos e preços
sempenho. para seus clientes.
Essa mudança guiada pela glo- Para Porter (1985) a vantagem
balização tende a usar a cada dia competitiva é definida como:
mais a tecnologia da informação, re-
organizando a estrutura organizaci- “A vantagem competitiva surge,
fundamentalmente, do valor
onal para uma economia baseada na
que uma empresa é capaz de
era da informação onde sua fonte de criar para seus compradores,
riqueza é o conhecimento e a comu- valor este que excede o custo da
empresa em criá-lo. Valor é o
nicação, dando mais importância a que os compradores estão dis-
recursos tecnológicos e substituindo postos a pagar, e valor superior
o trabalho físico. provém da oferta de preços in-
feriores aos dos concorrentes
A efetividade de uma empresa para benefícios equivalentes ou
se dá pelo grau em que seus objeti- o fornecimento de benefícios
vos são realizados, onde as percep- únicos que mais do que com-
pensam um preço superior.
ções de seus membros são avaliadas, Existem dois tipos básicos de
bem como sua rentabilidade, a taxa vantagem competitiva: lide-
de crescimento, participação de rança de custos e diferencia-
ção”.
mercado e sua capacidade de inova-
ção mediante a seus concorrentes.
Mesmo que empresa tenha efi-
A capacidade de desenvolvi-
ciência em sua atuação, ela precisa
mento contribui e muito para o de-
buscar sempre se superar, pois toda
sempenho das organizações e essa
empresa tem suas próprias limita-
capacidade se torna uma vantagem
ções e o mercado competitivo não
competitiva, por meio dos esforços
oferece proteções, portanto a supe-
em aperfeiçoamento, coordenação
ração é algo indispensável para a
rápida, inovação, habilidade em an-
continua operação empresarial.
tecipar situações de surpresa, res-
O referencial de uma empresa
posta rápidas a mudanças e a redu-
é sua vantagem competitiva, a forma
ção de insistências em ideias e infor-
com que suas ações e atividades a
mações erradas.

27
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

posiciona à frente dos seus concor- comprador, essas fontes alternati-


rentes reduzindo sua capacidade de vas ameaçam mercado, pois o au-
agir, para se colocar em evidencia. mento da disponibilidade de um
O diferencial pode estar relaci- produto ou serviço tende a desva-
onado a marca, produtos, serviços, lorizar o seu preço, quando a me-
marketing, atendimento, preço, cul- lhora significativa para o cliente
tura, público-alvo e etc. a busca por seja um preço inferior.
essa vantagem tende a ser constante, III. Poder de barganha dos com-
pois a posição privilegiada de uma pradores: Os compradores são di-
empresa é instável e as mudanças ferentes entre si e seu poder de
ocorrentes não são limitantes. barganha aumenta o seguinte:
 Compram por atacado e em
Cinco Forças Competitivas grandes volumes exigindo pre-
ções menores nas unidades
comparada há uma loja de
Segundo Michael Porte
grande porte que se opõe há
(1985), as cinco forças competitivas uma loja de pequeno porte que
permitem que as empresas lidem não oferece o mesmo a seus
com o sucesso através do uso dessas compradores.
cinco forças, assegurando que o re-  Interesse significativo em eco-
torno e a vantagem dado a elas será nomizar, quando o item com-
superior a seus investimentos e um prado reduz os custos totais,
desempenho superior dos seus con- no caso de empresas de grande
porte que precisam de um de-
correntes. terminado produto a econo-
I. Ameaça de novos concorren- mia no custo é um grande dife-
tes: A dificuldade em começar um rencial
novo negócio, traz consigo obstá-  A facilidade com que um pro-
culos para a entrada no mercado e duto é ofertado, permite mais
se essa entrada for dificultada me- fornecedores e promove uma
nor será a concorrência, facili- competição entre eles, afim de
melhorar o negócio e reduzir o
tando uma maior possibilidade de
preço.
lucros a longo prazo para aquelas  Custos de trocas onde uma
que já estão em pleno funciona- marca é trocada por outra que
mento. não envolve custo, nesse caso
II. Pressão de produtos substitu- pode haver troca de produtos
tos: A facilidade da substituição ou serviços que façam diferen-
do produto ou serviço por parte do ça dentro da empresa e seu
custo pode ser um pouco

28
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

maior, como por exemplo um  Não depende do comprador


computador Windows por um para efetuar uma boa parte de
sistema da Apple. suas vendas
 Baixos lucros, quanto menor  Os produtos oferecidos pelo
for a lucratividade da empresa, fornecedor ao comprador são
maior serão as buscas por pre- de grande importância para
ções menores. seu negócio.
 Fabricação interna de um pro-  Os produtos que são forneci-
duto facilita o poder de barga- dos ao comprador são únicos,
nha, isso vale para montado- portanto um produto substi-
res e fabricantes de automó- tuto pode ter um custo maior
veis, que muitas vezes por não ou ser problemático para o
querer comprar peças por um comprador.
valor menor, optam pela sua  Os fornecedores se impõem,
fabricação. podendo se tornar concorren-
 Preocupação maior com quali- te do comprador por meio dos
dade de produto a ser adqui- recursos e produtos vendidos
rido do que os custos desse para ele com os riscos de fabri-
produto. car aquilo que o comprador
 Ter informações sobre o pro- produz.
duto e serviço a ser negociado,
as pesquisas de custos e quali- V. Rivalidade entre os concorren-
dade proporcionam um me- tes: O nível de rivalidade pode ser
lhor negócio.
mais intenso em setores com as
seguintes condições:
IV. Poder de barganha dos forne-
 Quando as empresas são de
cedores: o poder de barganha dos
grande ou pequeno porte e
fornecedores é similar aos dos seus recursos oferecidos são
compradores, porém são podero- iguais. Quando os setores são
sos quando as seguintes condições concentrados ou dominado
existem: por mais de uma empresa.
 Concentram no setor em que Quando empresas e concor-
vendem e são dominados pela rentes são similares e essa
empresa, que não se agrupará competitividade tende a fazer
com intuito de receber melho- com que uma delas reduzam
res preços e qualidades. seus custos como forma de
 Não precisam lutar contra vantagem.
produtos substitutos que são  Quando o crescimento do é
vendidos ao setor, deixando o lento ou não existe, muitas
comprador sem opções. empresas que são rivais entre

29
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

si, optam por roubar os negó-  Um jogo existente permite


cios de seus concorrentes. com que um produto ou ser-
 Quando os custos fixos são al- viço seja conquistado pelos cli-
tos em relação ao produto final entes, disponibilizando de
e sua fabricação a produção tempo para que esse seja ofe-
precisa ser mais rápida para recido e aceito pelos seus com-
manter os custos unitários bai- pradores.
xo, lembrando que são os cus-  Barreiras de saídas criadas pe-
tos fixos estão relacionados la empresa permite que a mes-
com remunerações e salários ma continue na concorrência
dos gestores. mesmo se o negócio não se
 Altos custos de armazenagem torna mais lucrativo, desistir
e estoques de produtos, a re- dele implica muitas barreiras e
dução dos preços dos mesmos a mesma optam por permane-
se faz necessário para o giro de cer, como é o caso de equipa-
estoque. mentos caros e difíceis de des-
 Restrições de tempo para que fazer, ou acordo trabalhista de
um produto seja vendido, altos custos e etc.
pressão e desconfortos para
que essas vendas aconteçam, A vantagem competitiva defi-
mesmo que muitas delas se- ne o desempenho da empresa, ela
jam feitas com um grande nú- adota mecanismos que sejam vanta-
mero de descontos.
josos para ela e seus clientes, deter-
 Concorrência acirrada em prol
de preços e serviços de como- minando o valor de custo, preço e
didade, onde os compradores qual a melhor forma de barganha
têm mais de uma opção e baixo entre seus fornecedores, vendedores
custo de troca por marca ou e compradores e qual o valor mais
fornecedor. apropriado para ambos.
 Uma fabricação maior do que Ela pode mudar o rumo da em-
o mercado pode receber, fa- presa e sua evolução, a vantagem
zendo com que reduzindo os
preções e aumentam a concor- competitiva pode não ser a longo
rência. prazo, mas permite que seja atendi-
 Ambiente competitivo com- da as exigências básicas do mercado
plexos onde seus concorrentes e clientes, fornecedores e colabora-
possuem diferentes estraté- dores visando o melhor atendimento
gias personalidade e origem, e uma constante inovação.
fazendo com as metas e objeti-
vos traçados pela empresa se-
jam também diferentes das
demais.

30
31
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

6. Referências Bibliográficas
ALBUQUERQUE. J. S. Conhecer para Graduação em Ciências Econômicas –
competir? Uma análise da gestão do co- UNICAMP. Campinas, 2019. Disponível
nhecimento e da competitividade a partir em:
da percepção dos colaboradores de uma http://repositorio.uni-
indústria do setor alimentício situada no camp.br/bitstream/REPO-
interior da Paraíba. Unidade Acadêmica SIP/334644/1/Meira_RafaelPei-
de Administração e Contabilidade Coorde- xoto_M.pdf. Data de acesso: 21/09/2020.
nação de Estágio Supervisionado - UFCG.
Campina Grande, 2018. Disponível em: MOREIRA. P O. Empresas brasileiras: ca-
http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/ pital de giro, desempenho, gestão e valori-
bitstream/riufcg/5331/1/JULLI- zação. Faculdade De Gestão e Negócios
ANY%20SILVA%20ALBUQUER- Programa de Pós-Graduação em Adminis-
QUE%20%20TCC%20ADMINIS- tração – UFU. Uberlândia, 2017. Disponí-
TRA%C3%87%C3%83O%202018.pdf. vel em:
Data de acesso: 24/09/2020. http://reposito-
rio.ufu.br/bitstream/123456789/19908/3
FEIO. G. A estratégia competitiva de Mi- /EmpresasBrasileirasCapital.pdf. Data de
chael Porter. Disponível em: acesso: 24/09/2020.
https://www.acade-
mia.edu/12544233/A_ES- Porter, M. E. (1985). Competitive ad-
TRAT%C3%89GIA_COMPETI- vantage: creating and sustaining superior
TIVA_DE_MICHAEL_PORTER. Data de performance. New York: Free Press, Col-
acesso:25/09/2020. lier Macmillan.

Filipe Antônio FIORINI. F. A. et al. Gover- REIS. M. M., et al. Investimento empresa-
nança Corporativa: Conceitos e Aplica- rial e reflexos na gestão do capital de giro.
ções. Desenvolvimento das competências Investimento empresarial e reflexos na
frete aos desafios do amanhã – AEDB. gestão do capital de giro holos, vol. 5, pp.
Out/nov. ,2016. Disponível em: 263-282. Natal, 2017. Disponível em:
https://www.aedb.br/seget/arquivos/ar- https://www.re-
tigos16/19524178.pdf. Data de dalyc.org/pdf/4815/481554850022.pdf.
acesso:25/09/2020. Data de acesso: 24/09/2020.

JESUS.M.R. et al Governança corporativa Roberto BRAGA. R. Análise avançada do


na administração municipal: uma análise capital de giro. Caderno de Estudos nº3 –
do resultado econômico da secretaria de FIPECAFI. São Paulo, Setembro/1991.
fazenda de IJUI (RS) – brasil. Revista Ob- Disponível em:
servatório de la Economía Latinoameri- https://www.sci-
cana, abril 2018. Disponível em: elo.br/pdf/cest/n3/n3a03.pdf. Data de
https://www.eu- acesso: 24/09/2020.
med.net/rev/oel/2018/04/administra-
cao-municipal-brasil.html/ Data de SCHUPCHEKI. F. O modelo de Fleuriet
acesso:25/09/2020. aplicado em uma empresa de capital
aberto: cervejaria AMBEV. Área Temática:
MEIRA. R. P. Micro fundamentos da ma- Administração Financeira E Orçamentá-
croeconomia: da Crítica de Lucas à econo- ria. Congresso Internacional de Adminis-
mia da complexidade. Programa de Pós-

32
GESTÃO DE NEGÓCIOS E ANÁLISES FINANCEIRAS

tração. 30 de setembro a 4 de outubro,


Ponta Grossa- PR, 2019.

SILVA, Edson Cordeiro da. Governança


corporativa nas empresas: guia prático de
orientação para acionistas, investidores,
conselheiros de administração e fiscal, au-
ditores, executivos, gestores, analistas de
mercado e pesquisadores. São Paulo:
Atlas, 2012.

SILVEIRA, Alexandre Di Miceli da. Gover-


nança Corporativa no Brasil e no Mundo:
teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier,
2010.

Zouain, D. M., Ferreira, C. C., Macedo, M.


A. S., Sant’Anna, P. S., Longo, O. C., & Ba-
rone, F. M. (2011) Gestão de capital de
giro: contribuição para as micro e peque-
nas empresas no Brasil. Revista de Admi-
nistração Pública, 45(3), 863-884.

33
03
4

Você também pode gostar