Você está na página 1de 3

GUARDIÃS DAS SEMENTES

IANNY MARIA DA CONCEIÇÃO


TURMA DE AGROECOLOGIA – PRONERA
REGISTRO DE CAMPO REALIZADA EM 2016

Comunidades – Pau de Leite (Mirandiba-PE); Riacho do Urubu


(Ouricuri-PE).

OBJETIVO:
mapear comunidades tradicionais que faziam o uso exclusivo de sementes
crioulas e que, principalmente, teriam mulheres como guardiãs dessas sementes

O CAMPO

Durante o campo foram inaugurados dois bancos de sementes – um no


município de Mirandiba, comunidade PAU DE LEITE, e o outro em Ouricuri
comunidade RIACHO DO URUBU. Ambos com grande importância para a região e
para comunidade rural.

As mulheres, principalmente, foram as maiores responsáveis por recolherem


e armazenarem as sementes que deram origem aos bancos de sementes,
denominados de “CASA DAS SEMENTES”.

A “GUARDIÃ DAS SEMENTES”, mulher responsável por catalogar, separar


e plantar essas sementes durante o inverno, época de chuvas, é peça fundamental
pra conduzir o banco de sementes e repassar as sementes para a comunidade,
reproduzindo, não somente as sementes crioulas, mas também todo o processo
histórico dos seus antepassados.

RELATO DE UMA DAS GUARDIÃS DAS SEMENTES

“No processo de capitalismo e de grandes produções no qual vivemos, as


grandes indústrias de melhoramentos genéticos têm disponibilizado em grande
massa sementes transgênicas (sementes modificadas geneticamente), sementes
que as grandes empresas pregam serem mais resistentes a pragas. Porém essas
mesmas já vêm com ‘receita pronta’, agrotóxicos de última geração e a promessa de
um fruto grande padronização.

E assim, começou a perda da cultura das sementes crioulas (sementes que


proporcionam uma grande variedade genética). Por ser uma semente mais frágil e
sem padronização, começou a ser esquecida pelo mercado e veio uma grande
preocupação nossa, de nós mulheres agricultoras, das comunidades e dos
movimentos camponeses.”

Durante o processo de pesquisa pode-se notar outras preocupações.


No geral, são elas:
❖ Como preservar essa cultura da diversidade das sementes.
❖ Como lutar contra essas políticas que só beneficiam grandes
produtores.
❖ Mostrar para os pequenos produtores que o cultivo e o consumo
dessas sementes transgênicas não fazem bem a saúde, e muito menos ao meio
ambiente.

RESULTADOS:

- Ficou evidente que as mulheres se importam com um todo, não só com a


atual comunidade mas também com as gerações futuras.

- Diferente da perspectiva do agronegócio – que tem uma relação predatória


com aa terra, que a transforma num meio de exploração e produção de lucro, e seus
recursos naturais como mercadorias – foi identificado entre as mulheres uma
perspectiva de cuidado, respeito e manejo que respeitam o meio ambiente.

- A forma com que elas compreendem a real importância do cultivo das


sementes crioulas foi bem gratificante para a pesquisa, a forma como elas se
colocam como chefes nesse processo só reforça o pensamento de que “ a terra é
mãe , a terra é mulher”

QUESTIONÁRIO APLICADO NO PROCESSO DE PESQUISA

Durante a nossa pesquisa foi aplicado um pequeno questionário com três perguntas,
para um grupo de dez mulheres. Todas são moradoras e beneficiaras da “CASA
DAS SEMENTES”.

Todas responderam as mesmas perguntas; suas idades variam entre19 e 60 anos;


todas fazem parte de movimentos sindicais e camponeses e desenvolvem um papel
importante e de liderança dentro das suas comunidades.

As três perguntas são as seguintes:


● Como começou o processo da casa das sementes?

AGRICULTORA1: foi um processo muito difícil, primeiro fomos chamadas de doidas


por estar juntando semente de tudo que víamos, muitos maridos ficaram até de mal
com a gente porque fomos ter um conto direto com outros agricultores. Foi difícil,
mas no fim está sendo muito gratificante.

● Qual a importância das sementes crioulas para vocês?


AGRICULTORA 2: É de grande importância saber que nossos filhos estão comendo
bem, que não é nada envenenado, já é bem gratificante. Sem falar da preservação
de toda uma cultura, do manejo artesanal, de pegar na inchada e ver todo o
processo de nascimento até chegar na nossa mesa.

● O que é ser uma guardiã de sementes?

AGRICULTORA3: O nome já diz tudo, a gente não tem a obrigação apenas de


guardar. Temos a obrigação de cuidar, não só das sementes, mas também da nossa
gente. Tudo começa pela terra, ela é tudo pra gente, a terra também é uma mãe, se
doa toda hora pra seus filhos, por isso a importância de cuidar dela, e não podemos
ofertar qualquer coisa a nossa mãe.

APOIO:

Você também pode gostar