Você está na página 1de 19

Introdução à Gestão Financeira

1ºano - Negócios Internacionais


1ºTeste

Programa
1. Enquadramento da gestão financeira
2. Demonstrações financeiras e fluxos de caixa
3. O valor do dinheiro no tempo

1. Enquadramento da gestão financeira

As Finanças Empresariais respondem a três questões fundamentais:


1. Que investimentos de longo prazo deve a empresa escolher? (Decisão de
investimento)
2. Como devem as empresas financiar os investimentos selecionados?
(Decisão de financiamento)
3. Como devem os ativos de curto prazo ser geridos e financiados? (Gestão de curto
prazo)

Ativos reais vs Ativos Financeiros


• Os ativos reais são os essenciais à atividade operacional de uma empresa.
• Ativos financeiros: direitos sobre os ativos reais.
• Para financiar os ativos reais, a empresa emite ativos financeiros ou títulos.

1 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


O papel do gestor financeiro
O papel do gestor financeiro de uma empresa pode resumir-se a dois tipos de
responsabilidades fundamentais:

• A primeira está relacionada com as decisões de investimentos (em ativos reais) a


realizar pela empresa.
• A segunda implica a tomada de decisão relativamente às formas de obtenção
dos meios financeiros que permitirão à empresa.

✓ Responsável pelas decisões de investimento e financiamento;


✓ Responsável pelo planeamento de curto prazo;
✓ Supervisiona a contabilidade e a auditoria;
✓ Garante a saúde financeira da empresa;

Decisão de investimento:

✓ Decisão de investir em ativos reais (ativos tangíveis ou intangíveis);


✓ Critérios para avaliar decisões de investimento;
✓ Risco;
Decisão de financiamento:
Para se financiarem, as empresas precisam de emitir dívida ou aumentar o capital:
✓ Se emitirem dívida, as empresas terão de reembolsar o capital emprestado e
pagar os juros do empréstimo;
✓ Se aumentarem o capital, os detentores das ações passam a ser os proprietários
das mesmas;
A escolha entre o financiamento por dívida ou a emissão de capital chama-se
decisão de estrutura de capitais.

Objetivo da gestão financeira: no desempenho das suas responsabilidades, o gestor


financeiro tem como finalidade o aumento do valor da empresa. Desta forma, hoje,
considera-se que o objetivo principal é a maximização do valor da empresa, isto é, o
valor atualizado dos fluxos monetários que, no futuro, a empresa poderá conferir aos
titulares do seu capital.

2 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Formas de organização empresarial:
1. Empresas em nome individual;
2. Sociedades em nome coletivo/por quotas;
3. Sociedades anónimas;

Sociedades anónimas

• Quem investe?
• Quem gere a empresa? Conselho de Administração:
✓ órgão representativo dos acionistas;
✓ compete-lhe nomear os principais gestores e assegurar que a empresa é
gerida de forma a satisfazer os melhores interesses dos acionistas;
• Separação entre gestão e propriedade;
• Qual a responsabilidade dos proprietários?
• Vantagens: separação entre gestão e propriedade confere permanência à
empresa; Desvantagens: Custos de agência;

O problema de agência e controlo da empresa:

Relação de agência: Problema de agência:


✓ O principal contrata o agente para ✓ Conflito de interesses entre o
representar os seus interesses; principal e o agente;
✓ Os acionistas (principais) contratam
gestores (agentes) para gerir a
empresa;

Surgem custos de agência quando:


✓ Os gestores não se esforçam para maximizar o valor da
empresa;
✓ Os acionistas incorrem em custos para monitorizar as
atividades dos gestores;

3 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Objetivos dos gestores:
✓ Compensação financeira;
✓ Sobrevivência;
✓ Independência;
Nota: os interesses dos gestores e dos acionistas podem não estar alinhados;
Compensação financeira: os incentivos financeiros podem ser usados para alinhar os
interesses dos gestores e dos acionistas.
Controlo: ameaça de serem alvo de aquisição por parte de outra empresa pode resultar
numa melhoria significativa da gestão.

A Empresa e os Mercados Financeiros

Mercados Financeiros:
✓ Mercado primário: emissão de ativos financeiros pela primeira vez;
✓ Mercado secundário: compra e venda de títulos emitidos anteriormente;
✓ Mercado monetário: curto prazo, dívida;
✓ Mercado de capitais: longo prazo, dívida e capital próprio;

4 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


2. Demonstrações financeiras e fluxos de caixa

Balanço: reflete a posição financeira de uma empresa num dado momento do tempo.
Igualdade do balanço: ativo = passivo + capital próprio
O Ativo representa os investimentos feitos pela empresa e o Passivo e Capital Próprio o
modo como os investimentos são financiados.

ATIVO PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO


Ativo Corrente
• Ativos fixos tangíveis Capital Próprio
• Ativos intangíveis
Passivo
Ativo Não Corrente • Passivo não corrente
• Inventários • Passivo corrente
• Contas a receber
• Caixa e equivalentes

Ativo: recursos que resultaram de investimentos passados, e do qual se esperam


benefícios económicos e financeiros futuros.
✓ Ativo não corrente: elementos tangíveis e intangíveis destinados a servir de
modo durável a atividade da empresa.
✓ Ativo corrente: são as necessidades do ciclo de exploração da empresa.

Passivo: fontes de financiamento que resultam em obrigações/compromissos para a


empresa.
✓ Passivo corrente e não corrente: recurso a entidades fornecedores externas à
empresa.
• Longo prazo: empréstimos bancários, empréstimos obrigacionistas;
• Curto prazo: fornecedores, contas correntes, …;

Capital Próprio: fonte de financiamento com direitos residuais e eventuais sobre os


fluxos de caixa gerados por parte dos detentores de capital da empresa.

5 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


O Balanço apresenta ainda três considerações importantes:
✓ Liquidez
✓ Dívida vs Capital Próprio
✓ Valor vs Custo

modo como os investimentos são financiados.

Liquidez: refere-se à facilidade e rapidez com que os ativos podem ser convertidos em
dinheiro, sem perda significativa de valor.

• Os Ativos Correntes são os mais líquidos: Inventários (Mercadorias, Matérias-


primas), Contas a Receber, Caixa e equivalentes;
• Os Ativos Fixos tangíveis e intangíveis são os menos líquidos da empresa;

ATIVO PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO

Grau de exigibilidade
Ativo Corrente Quanto mais ativos líquidos
Grau de liquidez

• Ativos fixos tangíveis Capital Próprio


a empresa possuir, menor é
• Ativos intangíveis
Passivo a probabilidade de não ter
Ativo Não Corrente • Passivo não corrente meios para efetuar
• Inventários • Passivo corrente
pagamentos de curto prazo.
• Contas a receber
• Caixa e equivalentes

Dívida: representa obrigações da empresa que requerem uma saída de caixa dentro de
um determinado período de tempo.
Capital: diferença entre ativos e passivos sob a qual os detentores do capital da
empresa têm um direito residual.
Valor: é o valor de mercado ou valor justo, isto é, o preço ao qual os ativos poderiam
ser vendidos no mercado.
✓ Desde 2005, todos as empresas cotadas na UE são obrigadas a usar o IFRS
(Internacional Financial Reporting Standards). De acordo com o IFRS, os ativos
são registados teoricamente ao seu valor de mercado ou valor justo.
Custo: custo de aquisição ou custo histórico, isto é, quando os ativos estão registados
de acordo com o seu valor contabilístico.
✓ As regras contabilísticas com que reportam os valores dos ativos diferem de país
para país.
Valor contabilístico
Exemplo (valor vs custo):
Uma empresa emitiu ações no valor de 5€/cada no dia 31/06/N. No dia 1/08/N,
estas ações estão a ser transacionadas em Bolsa a 8€/cada.

6 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Valor de mercado
(cont.) O valor de mercado difere do valor contabilístico porque reflete expectativas
de crescimento e resultados futuros.

Demonstração dos resultados: mede o desempenho financeiro ao longo de um período


de tempo específico.

✓ Definição contabilística de resultado: resultado = rendimentos - gastos

RENDIMENTOS E GASTOS

- Vendas e serviços prestados;


- Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas;
- Outros custos (Fornecimentos e serviços externos, Gastos com o pessoal etc.)
Resultado antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos

- Depreciações;
Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos)

- Gastos de financiamento (líquidos);


Resultado antes de impostos

- Imposto sobre o rendimento do período;


Resultado líquido do período

A demonstração dos resultados tem três considerações importantes:


✓ Items que não são caixa;
✓ Tempo;
✓ Custos;

Items que não são caixa: são despesas que não afetam as entradas e saídas de caixa.
Exemplo: as depreciações (nenhuma empresa passa cheques para pagar
depreciações, por isso, o resultado líquido não é caixa)

7 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Tempo e Custos:
✓ No curto prazo, alguns equipamentos, recursos, compromissos da empresa são
fixos, mas a empresa pode variar inputs como o trabalho e as matérias primas;
✓ Os contabilistas não fazem distinção entre custos fixos e custos variáveis. Pelo
contrário, os custos contabilísticos são classificados como custos do produto ou
custos do período;

Fundo de maneio: Ativo Corrente – Passivo Corrente

✓ Um FM positivo significa que haverá suficiente para pagar as dívidas de curto


prazo;
✓ Normalmente cresce com a atividade da empresa;
✓ A empresa pode sentir necessidade, de um ano para o outro, de investir ou
desinvestir em fundo de maneio. Importa estimar as variações no Fundo de
Maneio;

Fluxos de caixa:
✓ Em finanças, a mais importante informação extraída das demonstrações
financeiras é o fluxo de caixa (cash flow) gerado pela empresa;
✓ Quando se avalia um investimento/empresa avalia-se, principalmente, a
capacidade desse ativo/empresa gerar fluxos de caixa;
✓ Possui três considerações importantes:
• Fluxo de caixa operacional;
• Fluxo de caixa não é o mesmo que Lucro;
• Fluxo de caixa livre;

Fluxos de Fluxos de Fluxos de caixa


caixa gerado = caixa para os + para os
pelos ativos credores acionistas

8 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Fluxos de caixa operacionais
+
Fluxos de caixa Fluxos de caixa de
=
gerados pelos investimento
ativos +
Variação do Fundo de Maneio

3. O valor do dinheiro no tempo


✓ Valor atual e valor futuro
✓ Períodos de capitalização
✓ Rendas finitas e perpétuas
✓ Tipos e amortização de empréstimos

Valor Futuro (VF ou Cn): valor acumulado de um capital, no momento n (incrementado


com juros);
Valor daqui a um período

Valor atual Taxa de juro

Taxa de juro (r):


✓ Taxa de atualização
✓ Custo de capital
✓ Custo de oportunidade do capital

9 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Valor atual (VA ou C0): valor hoje (momento 0). Inversamente, conhecendo o valor
futuro, posso calcular o valor atual equivalente:

Exemplo 1:
O Manuel Silva está a tentar vender um terreno. Ontem foram-lhe oferecidos 10.000€
pela propriedade. Estava prestes a aceitar a proposta quando outro comprador lhe
ofereceu 11.424€. Contudo, esta segunda proposta seria paga daqui a um ano.
O Manuel confia que os dois compradores são financeiramente solventes e que,
portanto, não há receio de falharem os pagamentos. Qual das propostas deve o Manuel
escolher?

✓ Se o Manuel depositar 10.000€ no banco a uma taxa de juro de 12%, ao fim do


ano vai obter: 10.000 x 1,12 = 11.200€. Logo, a oferta do segundo comprador é
melhor (11.424€)
✓ Em alternativa, transformando o valor futuro (11.424€) para o valor atual, tem-
se que: C0 = 11.424 / 1.12 = 10.200€. Logo, comparando com 10.000€, a
segunda oferta continua a ser a melhor.
✓ Assim, ambas as abordagens conduzem à mesma decisão.

Exemplo 2:
Maria Rodrigues, uma analista financeira de uma empresa líder do mercado imobiliário,
pondera recomendar o investimento num terreno que custa 85.000€. Ela está certa de
que, no próximo ano, o terreno valerá 91.000€, um ganho garantido de 6.000€.
Dado que a taxa de juro garantida num banco é de 10%, deve a empresa investir na
venda do terreno?
✓ A uma taxa de juro de 10%, no fim do ano, o valor do terreno será:
85.000 x 1,1 = 93.500€. Logo, esta oferta releva-se melhor do que a segunda
(91.000€) e, por isso, a empresa não deve investir na venda do terreno.

10 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


✓ Em alternativa, transformando o valor futuro (91.000€) no valor atual, tem-se
que: C0 = 91.000 / 1,1 = 82.727,27€. Prevalece a primeira oferta.
✓ Frequentemente, é necessário calcular o benefício ou custo incremental de
realizar um investimento. Neste caso:

No caso de um período, o VAL (Valor Atual Líquido) é dado por:

VAL = - Investimento + VA

Juros simples: o juro produzido em cada período é pago (sai do processo);

Regime simples: o juro é retirado do


processo em cada período, sendo o juro
pago (entregue) em cada período;

Juros compostos: o juro formado em cada período é acumulado ao capital, entrando


para o processo de capitalização (“Juros sobre Juros”);

Regime composto: o juro formado


em cada período é acumulado ao
capital entrando para o processo
de capitalização;

Processo de capitalização:
✓ Em regime composto, a fórmula geral para o cálculo do valor futuro é:

✓ A fórmula geral para o cálculo do valor atual é:

11 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Capitalização Simples vs Capitalização Composta

Exemplo 1: Exemplo 2:
A Sofia depositou 500€ numa conta de poupança. A O António ganhou recentemente 10.000€
conta paga juros de 7%, com capitalização anual. na lotaria e depositou esse montante numa
Quanto terá a Sofia em 3 anos? conta bancária. Ao fim de cinco anos,
levantou 16.105€. Qual é a taxa de juro em
vigor?

Exemplo 3:
O Adão receberá 10.000€ daqui a 3 anos. Considerando
uma taxa de juro 8%, qual o valor atual desse fluxo de
caixa futuro?

Nota:
✓ As expressões Valor Atual e Valor Futuro também poderão ser utilizados em
contextos onde existem múltiplos fluxos de caixa e múltiplos períodos.

12 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


VAL (Valor Atual Líquido): fórmula geral

Períodos de capitalização:
✓ Por vezes os juros são pagos com mais frequência do que uma vez por ano.
Desta forma, conclui-se que nem sempre o período de capitalização coincide
com o período de referência da taxa de juro. Vejamos o seguinte exemplo:
1. Um depósito de 100€ é remunerado à taxa anual de 10%, com capitalização
semestral.
Qual é a taxa semestral equivalente à taxa anual de 10%?

Não são equivalentes

Qual é a taxa anual equivalente à taxa semestral de 5%?

5% ao semestre e 10,25%
ao ano são equivalentes

13 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Relação de equivalência: assumindo que a capitalização se faz m vezes ao ano, a relação
de equivalência estabelece que:

Donde, a taxa anual efetiva:

Donde, a taxa subanual efetiva:

Taxa Anual Nominal (TAN):


✓ Não preside efetivamente à formação de juros;
✓ É uma taxa proporcional;
Exemplo:
✓ TAN = taxa subanual x m;
✓ Taxa subanual = TAN / m; Se a taxa de juro anual nominal for de 8%
e a capitalização for trimestral, qual é a
Taxa Anual Efetiva (TAE): taxa anual efetiva?

✓ Estabelecida através da
relação de equivalência;

Capitalização em subperíodos do ano: assumindo que a capitalização se faz m vezes ao


ano, o capital acumulado ao fim do ano é:

A taxa de juro anual nominal é a


taxa anual que ignora a
capitalização dos juros;

Capitalização ao longo de vários anos: a capitalização de um investimento m vezes por


anos durante T anos produz um valor futuro de:

14 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Taxa Anual Efetiva Global (TAEG):
✓ Muitos empréstimos têm comissões iniciais e finais relacionadas com despesas
administrativas e afins;
✓ Na UE, todos os empréstimos devem anunciar a taxa anual efetiva que inclui
todos os custos e não apenas os juros;

Capitalização Contínua:
✓ Quanto maior o m, mais vezes se faz a capitalização em cada ano. Podemos
imaginar uma situação em que a taxa de juro tem capitalização contínua. Neste
caso, m é infinito.

Considerando uma taxa nominal de 10%, a tabela seguinte mostra a taxa anual efetiva
que resulta de um maior número de capitalizações em cada ano:

A taxa de juro vai


aumentando, mas
este aumento tende
cada vez a ser menor

Exemplo:
A Belinda investiu 1000€ durante 2 anos num depósito remunerado a uma taxa de
capitalização contínua de 10%. Qual o valor final do depósito ao fim de 2 anos?

15 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


✓ Rendas finitas e perpétuas

Renda de termos constantes / anuidade: uma sequência (finita) de fluxos de caixa


constantes que se vencem em períodos equidistantes no tempo;
Perpetuidade: uma sequência infinita de fluxos de caixa constantes que se vencem em
períodos equidistantes no tempo;

Renda postcipada: o primeiro pagamento ocorre no final do período;

Valor atual de uma renda postcipada: Valor futuro de uma renda postcipada:

Por exemplo:
Por exemplo:
1. O António está a pagar para a sua reforma. Se
1. O Tiago adquiriu um carro em prestações,
depositar 3.000€ todos os anos, a uma taxa de
acordando pagar 300€ por mês durante 4 anos. Se o
juro de 6% ao ano, quanto disporá ao fim de 30
custo de oportunidade de capital for de 0,5% ao mês,
anos?
qual o custo do automóvel?

2. A Mariana acabou de ganhar uma lotaria, que lhe


pagará um prémio de 50.000€ por ano durante 20
anos. O primeiro pagamento será feito daqui a um
ano. Os organizadores da lotaria publicitam que o
prémio é de 1 milhão porque 50.000€ x 20 = 1 milhão.
Se a taxa de juro é de 8%, qual é o verdadeiro valor do
prémio?

16 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Exemplo:
Perpetuidade: Considere uma obrigação que paga 100€
por ano perpetuamente. Se a taxa de
juro é de 8%, qual é o valor da
obrigação?

Suponha que a taxa de juro cai para 6%.


Qual passa a ser o valor da obrigação?

Questões particulares:
✓ Renda diferida
✓ Renda antecipada
✓ Renda infrequente

1. Renda diferida 2. Renda antecipada

A Ana vai receber uma anuidade de 500€ durante A Mariana acabou de ganhar um prémio que lhe
4 anos com início no final do 6ºano. Se a taxa de pagará 50.000€ por ano durante 20 anos. Assuma
juro for de 10%, qual é o valor desta anuidade? que o primeiro pagamento ocorre imediatamente
e que a taxa de atualização é de 8%. Qual o valor
do prémio?

3. Renda infrequente
O Ricardo recebe uma anuidade de 450€, paga a cada dois anos. A anuidade dura 20
anos. O primeiro pagamento ocorre na data 2, isto é, daqui a 2 anos. A taxa de juro
anual é de 6%. Qual o valor da anuidade?
1º Calcular a taxa de juro bianual:
2º Calcular o valor atual da anuidade de 450€ ao longo de 10 períodos, com uma taxa
de juro de 12,36% por período:

17 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Nota:
✓ Caso o período da renda seja diferente do período da taxa, calcular a taxa
efetiva para o período da renda, usando a relação de equivalência (se for dada
uma taxa efetiva) ou proporcionalidade (se for dada uma taxa anual nominal);

Amortização de Empréstimos:
✓ Reembolso de uma só vez
▪ O juro é pago período a período;
▪ O juro é acumulado ao capital;
✓ Reembolso periódico
▪ Pagamentos constantes (Sistema Francês);
▪ Reembolsos constantes;

Sistemas de amortização com reembolsos periódicos:

• Cada pagamento representa-se por:

Juro periódico Quota de reembolso periódico

• A parcela do juro periódico (Jk) é sempre decrescente:


• Quanto a Ck e Mk: depende do sistema de amortização.

Pagamentos constantes (Sistema Francês): Quotas de Reembolsos Constantes:

18 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA


Exemplo:
Considere um empréstimo de 5000€, a amortizar em 5 pagamentos anuais constantes e
postcipados e juro à taxa anual de 9%.

- Determine o valor de cada prestação.


- Elabore o quadro de amortização, relativo a este empréstimo.

Considerando os dados do exemplo anterior, se em vez de os pagamentos serem feitos


através de prestações constantes, fossem prestações decrescentes (com reembolsos
constantes)?

- Elabore o quadro de amortização relativo a este empréstimo.


Reembolso em cada ano: M = 5000/5 = 1000

19 INTRODUÇÃO À GESTÃO FINANCEIRA

Você também pode gostar