Você está na página 1de 138

ISSN 1677-7042

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL • IMPRENSA NACIONAL


Ano CLIX Nº 200 Brasília - DF, sexta-feira, 22 de outubro de 2021 1
CONSTITUCIONAL AO DIREITO LÍQUIDO E CERTO. RESTRIÇÃO À PRÓPRIA EFICÁCIA DO
Sumário REMÉDIO CONSTITUCIONAL. PREVISÕES LEGAIS EIVADAS DE INCONSTITUCIONALIDADE.
Atos do Poder Judiciário........................................................................................................... 1 PARCIAL PROCEDÊNCIA DA AÇÃO.
Atos do Poder Legislativo ......................................................................................................... 1 1. O mandado de segurança é cabível apenas contra atos praticados no
desempenho de atribuições do Poder Público, consoante expressamente estabelece o art. 5º,
Presidência da República .......................................................................................................... 3
inciso LXIX, da Constituição Federal. Atos de gestão puramente comercial desempenhados por
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ............................................................ 3
entes públicos na exploração de atividade econômica se destinam à satisfação de seus
Ministério da Cidadania .......................................................................................................... 12 interesses privados, submetendo-os a regime jurídico próprio das empresas privadas.
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações ..................................................................... 18 2. No exercício do poder geral de cautela, tem o juiz a faculdade de exigir
Ministério das Comunicações ................................................................................................. 19 contracautela para o deferimento de medida liminar, quando verificada a real necessidade da
Ministério da Defesa............................................................................................................... 22 garantia em juízo, de acordo com as circunstâncias do caso concreto. Razoabilidade da medida
Ministério do Desenvolvimento Regional .............................................................................. 24 que não obsta o juízo de cognição sumária do magistrado.
Ministério da Economia .......................................................................................................... 24 3. Jurisprudência pacífica da CORTE no sentido da constitucionalidade de lei que fixa
Ministério da Educação........................................................................................................... 50 prazo decadencial para a impetração de mandado de segurança (Súmula 632/STF) e que
Ministério da Infraestrutura ................................................................................................... 57 estabelece o não cabimento de condenação em honorários de sucumbência (Súmula 512/STF).
Ministério da Justiça e Segurança Pública ............................................................................ 61 4. A cautelaridade do mandado de segurança é ínsita à proteção constitucional ao
Ministério do Meio Ambiente ................................................................................................ 67 direito líquido e certo e encontra assento na própria Constituição Federal. Em vista disso, não
Ministério de Minas e Energia ............................................................................................... 68 será possível a edição de lei ou ato normativo que vede a concessão de medida liminar na via
Ministério da Saúde ................................................................................................................ 88 mandamental, sob pena de violação à garantia de pleno acesso à jurisdição e à própria defesa
Ministério do Trabalho e Previdência.................................................................................... 97 do direito líquido e certo protegida pela Constituição. Proibições legais que representam óbices
Ministério do Turismo........................................................................................................... 102 absolutos ao poder geral de cautela.
Ministério Público da União ................................................................................................. 109 5. Ação julgada parcialmente procedente, apenas para declarar a
Tribunal de Contas da União ............................................................................................... 111 inconstitucionalidade dos arts. 7º, §2º, e 22º, §2º, da Lei 12.016/2009, reconhecendo-se a
Poder Judiciário ..................................................................................................................... 136 constitucionalidade dos arts. 1º, § 2º; 7º, III; 23 e 25 dessa mesma lei.
Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais ......................................... 137
AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 6.895 (2)
.................................. Esta edição é composta de 138 páginas ................................. ORIGEM : 6895 - SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
PROCED. : PARAÍBA
Atos do Poder Judiciário RELATORA
REQTE.(S)
: MIN. CÁRMEN LÚCIA
: PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA
INTDO.(A/S) : ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DA PARAÍBA
SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL ADV.(A/S) : SEM REPRESENTAÇÃO NOS AUTOS
PLENÁRIO Decisão: O Tribunal, por unanimidade, julgou procedente o pedido formulado na
DECISÕES ação direta para declarar a inconstitucionalidade do art. 232 da Constituição do Estado da
Ação Direta de Inconstitucionalidade e Paraíba, nos termos do voto da Relatora. O Ministro Edson Fachin acompanhou a Relatora com
Ação Declaratória de Constitucionalidade ressalvas. Plenário, Sessão Virtual de 3.9.2021 a 14.9.2021.
(Publicação determinada pela Lei nº 9.868, de 10.11.1999) EMENTA: AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. ART. 232 DA CONSTITUIÇÃO
DO ESTADO DA PARAÍBA. PROIBIÇÃO DE INSTALAÇÃO DE USINAS NUCLEARES E DEPÓSITO DE
Acórdãos REJEITOS ATÔMICOS NO TERRITÓRIO ESTADUAL. INVASÃO DE COMPETÊNCIA LEGISLATIVA DA
UNIÃO. INC. XXVI DO ART. 22 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA. PRECEDENTES DO STF. AÇÃO
AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 4.296 (1) DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE JULGADA PROCEDENTE.
ORIGEM : ADI - 114761 - SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
PROCED. : DISTRITO FEDERAL Secretaria Judiciária
RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO PATRÍCIA PEREIRA DE MOURA MARTINS
REDATOR DO Secretária
ACÓRDÃO : MIN. ALEXANDRE DE MORAES
REQTE.(S) : CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - OAB
ADV.(A/S) : MARCUS VINICIUS FURTADO COÊLHO (18958/DF, 167075/MG, 2525/PI)
ADV.(A/S) : ANA PAULA DEL VIEIRA DUQUE (51469/DF) E OUTRO(A/S) Atos do Poder Legislativo
INTDO.(A/S) : PRESIDENTE DA REPÚBLICA
PROC.(A/S)(ES) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO LEI Nº 14.229, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021
INTDO.(A/S) : CÂMARA DOS DEPUTADOS
INTDO.(A/S) : SENADO FEDERAL Altera a Lei nº 7.408, de 25 de novembro de 1985, e a
Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de
Decisão: O Tribunal, por maioria, conheceu da ação direta, vencido o Ministro Trânsito Brasileiro), para dispor sobre a fiscalização do
Nunes Marques, que conhecia parcialmente da ação. No mérito, por maioria, julgou excesso de peso dos veículos; altera a Lei nº 10.209,
parcialmente procedente o pedido para declarar a inconstitucionalidade do art. 7º, § 2º, e do
art. 22, § 2º, da Lei nº 12.016/2009, nos termos do voto do Ministro Alexandre de Moraes, de 23 de março de 2001, para dispor sobre a
Redator para o acórdão, vencidos parcialmente o Ministro Marco Aurélio (Relator), que prescrição da cobrança de multa ou indenização nos
declarava a inconstitucionalidade também do art. 1º, § 2º, da expressão "sendo facultado exigir termos que especifica; e dá outras providências.
do impetrante caução, fiança ou depósito com o objetivo de assegurar o ressarcimento a O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A
pessoa jurídica" constante do art. 7º, inc. III, do art. 23, e da expressão "e a condenação ao Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
pagamento de honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de
litigância de má-fé" constante do art. 25, todos da Lei nº 12.016/2009; o Ministro Nunes
Marques, que julgava improcedente o pedido; o Ministro Edson Fachin, que declarava a Art. 1º A Lei nº 7.408, de 25 de novembro de 1985, passa a vigorar com as
inconstitucionalidade também do art. 1º, § 2º, e da expressão constante do inc. III do art. 7º; e seguintes alterações:
os Ministros Roberto Barroso e Luiz Fux (Presidente), que julgavam parcialmente procedente o "Art. 1º ..................................................................................................................
pedido, dando interpretação conforme a Constituição ao art. 7º, § 2º, e ao art. 22, § 2º, da
mesma lei, para o fim de nele ler a seguinte cláusula implícita: "salvo para evitar o perecimento I - 5% (cinco por cento) sobre os limites de peso bruto total ou peso bruto
de direito", nos termos dos respectivos votos proferidos. Falaram: pelo requerente, a Dra. total combinado;
Bruna Santos Costa; e, pelo interessado Presidente da República, a Dra. Izabel Vinchon
Nogueira de Andrade, Secretária-Geral de Contencioso da Advocacia-Geral da União. Plenário, II - 12,5% (doze inteiros e cinco décimos por cento) sobre os limites de peso
09.06.2021 (Sessão realizada por videoconferência - Resolução 672/2020/STF). bruto transmitido por eixo de veículos à superfície das vias públicas.
EMENTA: AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. ARTS. 1º, §2º, 7º, III E §2º, Parágrafo único. (Revogado).
22, §2º, 23 E 25, DA LEI DO MANDADO DE SEGURANÇA (LEI 12.016/2009). ALEGADAS
LIMITAÇÕES À UTILIZAÇÃO DESSA AÇÃO CONSTITUCIONAL COMO INSTRUMENTO DE § 1º Os veículos ou a combinação de veículos com peso bruto total regulamentar
PROTEÇÃO DE DIREITOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS. SUPOSTA OFENSA AOS ARTS. 2º E 5º, igual ou inferior a 50 t (cinquenta toneladas) deverão ser fiscalizados apenas quanto aos
XXXV E LXIX, DA CONSTITUIÇÃO. NÃO CABIMENTO DO "WRIT" CONTRA ATOS DE GESTÃO limites de peso bruto total ou peso bruto total combinado, exceto em casos específicos
COMERCIAL DE ENTES PÚBLICOS, PRATICADOS NA EXPLORAÇÃO DE ATIVIDADE ECONÔMICA, estabelecidos pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).
ANTE A SUA NATUREZA ESSENCIALMENTE PRIVADA. EXCEPCIONALIDADE QUE DECORRE DO
PRÓPRIO TEXTO CONSTITUCIONAL. POSSIBILIDADE DE O JUIZ EXIGIR CONTRACAUTELA PARA A § 2º Os veículos ou a combinação de veículos de que trata o § 1º deste artigo
CONCESSÃO DE MEDIDA LIMINAR. MERA FACULDADE INERENTE AO PODER GERAL DE que ultrapassarem a tolerância máxima sobre o limite do peso bruto total ou do
CAUTELA DO MAGISTRADO. INOCORRÊNCIA, QUANTO A ESSE ASPECTO, DE LIMITAÇÃO AO peso bruto total combinado também serão fiscalizados quanto ao excesso de peso
JUÍZO DE COGNIÇÃO SUMÁRIA. CONSTITUCIONALIDADE DO PRAZO DECADENCIAL DO DIREITO por eixo, aplicando-se as penalidades cumulativamente, respeitadas as tolerâncias
DE IMPETRAÇÃO E DA PREVISÃO DE INVIABILIDADE DE CONDENAÇÃO AO PAGAMENTO DE máximas previstas nos incisos I e II do caput deste artigo.
HONORÁRIOS SUCUMBENCIAIS. JURISPRUDÊNCIA CONSOLIDADA DO SUPREMO TRIBUNAL
FEDERAL. PROIBIÇÃO DE CONCESSÃO DE LIMINAR EM RELAÇÃO A DETERMINADOS OBJETOS. § 3º Para fins de fiscalização de peso de veículo que transporte produtos
CONDICIONAMENTO DO PROVIMENTO CAUTELAR, NO ÂMBITO DO MANDADO DE classificados como biodiesel (B100), por meio de balança rodoviária ou de nota fiscal, é
SEGURANÇA COLETIVO, À PRÉVIA OITIVA DA PARTE CONTRÁRIA. IMPOSSIBILIDADE DE A LEI admitida a tolerância de 7,5% (sete inteiros e cinco décimos por cento) no peso bruto
CRIAR ÓBICES OU VEDAÇÕES ABSOLUTAS AO EXERCÍCIO DO PODER GERAL DE CAUTELA. total ou no peso bruto total combinado para todos os veículos não adaptados para esse
EVOLUÇÃO DO ENTENDIMENTO JURISPRUDENCIAL. CAUTELARIDADE ÍNSITA À PROTEÇÃO tipo de transporte, até seu sucateamento, na forma definida pelo Contran.

Foi publicada em 21/10/2021 a AVISO


edição extra nº 199-A do DOU.
Para acessar o conteúdo, clique aqui.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 1 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200001 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

§ 4º O Contran regulamentará o disposto no caput e no § 1º deste artigo, sem II - no caso das demais penalidades previstas no art. 256 deste Código, da
prejuízo da aplicação imediata das disposições deste artigo. conclusão do processo administrativo da penalidade que lhe der causa.
§ 5º A regulamentação prevista no § 4º deste artigo deverá considerar a § 6º-A. Para fins de aplicação do inciso I do § 6º deste artigo, no caso das
diversidade da frota do transporte rodoviário de cargas em operação e contemplar autuações que não sejam em flagrante, o prazo será contado da data do
os casos de dimensão de tolerância e de isenção na pesagem por eixo." (NR) conhecimento da infração pelo órgão de trânsito responsável pela aplicação da
penalidade, na forma definida pelo Contran.
"Art. 2º-A. O excesso de peso dos veículos será regulado por norma do Contran
a partir do encerramento do prazo de vigência desta Lei." § 7º O descumprimento dos prazos previstos no § 6º deste artigo implicará a
decadência do direito de aplicar a respectiva penalidade." (NR)
"Art. 3º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação e vigorará até o dia
30 de setembro de 2022." (NR) "Art. 285. O recurso contra a penalidade imposta nos termos do art. 282 deste
Código será interposto perante a autoridade que imputou a penalidade e terá efeito
Art. 2º A Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de Trânsito suspensivo.
Brasileiro), passa a vigorar com as seguintes alterações:
§ 1º O recurso intempestivo ou interposto por parte ilegítima não terá efeito
"Art. 20. ................................................................................................................ suspensivo.
.........................................................................................................................................
§ 2º Recebido o recurso tempestivo, a autoridade o remeterá à Jari, no prazo
XIII - realizar perícia administrativa nos locais de acidentes de trânsito." (NR) de 10 (dez) dias, contado da data de sua interposição.
"Art. 99. ................................................................................................................ § 3º (Revogado).
........................................................................................................................................ ..........................................................................................................................................
§ 4º Somente poderá haver autuação, por ocasião da pesagem do veículo, § 5º O recurso intempestivo será arquivado.
quando o veículo ou a combinação de veículos ultrapassar os limites de peso fixados,
acrescidos da respectiva tolerância. § 6º O recurso de que trata o caput deste artigo deverá ser julgado no prazo de 24
(vinte e quatro) meses, contado do recebimento do recurso pelo órgão julgador." (NR)
§ 5º O fabricante fará constar em lugar visível da estrutura do veículo e no
Renavam o limite técnico de peso por eixo, na forma definida pelo Contran." (NR) "Art. 289. O recurso de que trata o art. 288 deste Código deverá ser julgado
no prazo de 24 (vinte e quatro) meses, contado do recebimento do recurso pelo
"Art. 101. ............................................................................................................... órgão julgador:
.......................................................................................................................................... ...........................................................................................................................................
§ 4º O Contran estabelecerá os requisitos mínimos e específicos a serem Parágrafo único. No caso do inciso I do caput deste artigo:
observados pela autoridade com circunscrição sobre a via para a concessão da
autorização de que trata o caput deste artigo quando o veículo ou a combinação de I - quando houver apenas 1 (uma) Jari, o recurso será julgado por seus membros;
veículos trafegar exclusivamente em via rural não pavimentada, os quais deverão
contemplar o caráter diferenciado e regional dessas vias." (NR) II - quando necessário, novos colegiados especiais poderão ser formados, compostos
pelo Presidente da Junta que apreciou o recurso e por mais 2 (dois) Presidentes de Junta,
"Art. 131. ............................................................................................................... na forma estabelecida pelo Contran." (NR)
.........................................................................................................................................
"Art. 289-A. O não julgamento dos recursos nos prazos previstos no § 6º do art. 285
§ 4º As informações referentes às campanhas de chamamento de e no caput do art. 289 deste Código ensejará a prescrição da pretensão punitiva."
consumidores para substituição ou reparo de veículos realizadas a partir de 1º de "Art. 290-A. Os prazos processuais de que trata este Código não se suspendem,
outubro de 2019 e não atendidas no prazo de 1 (um) ano, contado da data de sua salvo por motivo de força maior devidamente comprovado, nos termos de regulamento
comunicação, deverão constar do Certificado de Licenciamento Anual. do Contran."
..........................................................................................................................................
"Art. 338-A. As competências previstas no inciso XV do caput do art. 21 e no
§ 6º O Contran regulamentará a inserção dos dados no Certificado de inciso XXII do caput do art. 24 deste Código serão atribuídas aos órgãos ou entidades
Licenciamento Anual referentes às campanhas de chamamento de consumidores descritos no caput dos referidos artigos a partir de 1º de janeiro de 2024.
para substituição ou reparo de veículos realizadas antes da data prevista no § 4º
deste artigo." (NR) Parágrafo único. Até 31 de dezembro de 2023, as competências a que se refere
o caput deste artigo serão exercidas pelos órgãos e entidades executivos de trânsito
"Art. 257. ............................................................................................................... dos Estados e do Distrito Federal."
.........................................................................................................................................
§ 8º Após o prazo previsto no § 7º deste artigo, se o infrator não tiver sido Art. 3º O Anexo I da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de
identificado, e o veículo for de propriedade de pessoa jurídica, será lavrada nova multa Trânsito Brasileiro), passa a vigorar com as alterações constantes do Anexo desta Lei.
ao proprietário do veículo, mantida a originada pela infração, cujo valor será igual a 2
(duas) vezes o da multa originária, garantidos o direito de defesa prévia e de Art. 4º O art. 8º da Lei nº 10.209, de 23 de março de 2001, passa a vigorar
interposição de recursos previstos neste Código, na forma estabelecida pelo Contran. acrescido do seguinte parágrafo único:
................................................................................................................................" (NR) "Art. 8º .................................................................................................................
"Art. 271. ............................................................................................................... Parágrafo único. Prescreve em 12 (doze) meses o prazo para cobrança das
.......................................................................................................................................... penas de multa ou da indenização a que se refere o caput deste artigo, contado da
data da realização do transporte." (NR)
§ 9º-A. Quando não for possível sanar a irregularidade no local da infração, o
veículo, desde que ofereça condições de segurança para circulação, será liberado e Art. 5º Encerrada a vigência da Lei nº 7.408, de 25 de novembro de 1985, até
entregue a condutor regularmente habilitado, mediante recolhimento do Certificado que haja regulamentação do Contran, a fiscalização de trânsito deverá observar, para fins
de Licenciamento Anual, contra a apresentação de recibo, e prazo razoável, não de autuação, as seguintes disposições:
superior a 15 (quinze) dias, será assinalado ao condutor para regularizar a situação,
o qual será considerado notificado para essa finalidade na mesma ocasião. I - deverão ser respeitadas as tolerâncias de, respectivamente, 5% (cinco por
§ 9º-B. O disposto no § 9º-A deste artigo não se aplica às infrações previstas cento) sobre os limites de peso bruto total ou peso bruto total combinado e de 12,5%
no inciso V do caput do art. 230 e no inciso VIII do caput do art. 231 deste (doze inteiros e cinco décimos por cento) sobre os limites de peso bruto transmitido por
Código. eixo de veículos à superfície das vias públicas;

§ 9º-C. Não efetuada a regularização no prazo referido no § 9º-A deste artigo, II - não poderá haver fiscalização de excesso de peso quanto ao peso bruto
será feito registro de restrição administrativa no Renavam por órgão ou entidade transmitido por eixo nos veículos ou na combinação de veículos com peso bruto total
executivos de trânsito dos Estados ou do Distrito Federal, o qual será retirado após regulamentar igual ou inferior a 50 t (cinquenta toneladas), exceto se for excedido o limite
comprovada a regularização. de peso bruto total;
§ 9º-D. O descumprimento da obrigação estabelecida no § 9º-A deste artigo III - deverá ser admitida, para veículo que transporte produtos classificados
resultará em recolhimento do veículo ao depósito, aplicando-se, nesse caso, o disposto como biodiesel (B100), a tolerância de 7,5% (sete inteiros e cinco décimos por cento) no
neste artigo. peso bruto total ou no peso bruto total combinado para todos os veículos não adaptados
................................................................................................................................" (NR) para esse tipo de transporte, até seu sucateamento;
"Art. 282. Caso a defesa prévia seja indeferida ou não seja apresentada no IV - deverá ser observado o disposto nos arts. 99 e 101 da Lei nº 9.503, de 23
prazo estabelecido, será aplicada a penalidade e expedida notificação ao proprietário de setembro de 1997 (Código de Trânsito Brasileiro), bem como em resoluções do
do veículo ou ao infrator, por remessa postal ou por qualquer outro meio Contran, naquilo que não conflitar com os incisos I, II e III deste caput.
tecnológico hábil que assegure a ciência da imposição da penalidade.
§ 1º A notificação devolvida por desatualização do endereço do proprietário do Art. 6º Revogam-se:
veículo ou por recusa em recebê-la será considerada válida para todos os efeitos.
I - os seguintes dispositivos da Lei nº 7.408, de 25 de novembro de 1985:
........................................................................................................................................
§ 6º O prazo para expedição das notificações das penalidades previstas no art. a) o parágrafo único do art. 1º; e
256 deste Código é de 180 (cento e oitenta) dias ou, se houver interposição de
defesa prévia, de 360 (trezentos e sessenta) dias, contado: b) o art. 4º; e
I - no caso das penalidades previstas nos incisos I e II do caput do art. 256 II - o § 3º do art. 285 da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de
deste Código, da data do cometimento da infração; Trânsito Brasileiro).

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 2 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200002 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Art. 7º Esta Lei entra em vigor: § 1º Caberá ao BNDES a realização dos melhores esforços na estruturação e
captação de novos financiamentos do projeto.
I - na data de sua publicação, quanto aos arts. 1º, 3º, 4º e 5º, ao inciso I do
art. 6º, às alterações do art. 2º aos arts. 131, 271 e 282 e, também no art. 2º, à inclusão § 2º A Empresa de Pesquisa Energética será ouvida em relação ao impacto ao
do art. 338-A na Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de Trânsito consumidor previamente à aprovação do preço de que trata o caput.
Brasileiro);
Art. 2º Nos termos do art. 10, § 2º, inciso III, da Lei nº 14.120, de 2021, com
II - em 1º de janeiro de 2024, quanto às alterações ao caput do art. 289 da Lei nº vistas a preservar o equilíbrio econômico-financeiro do Contrato, poderá ser realizada
9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de Trânsito Brasileiro), e quanto aos acréscimos do revisão extraordinária do preço da energia elétrica a ser homologada pela Agência Nacional
§ 6º ao art. 285 e do art. 289-A ao referido Código, todos do art. 2º desta Lei; de Energia Elétrica - ANEEL.
III - após decorridos 180 (cento e oitenta) dias de sua publicação oficial, quanto Art. 3º Nos termos do art. 10, § 4º, da Lei nº 14.120, de 2021, as reduções de
aos demais dispositivos. custos decorrentes da existência de competição em contratações de fornecedores para
conclusão do empreendimento deverão ser incorporadas de forma a reduzir o preço da
Brasília, 21 de outubro de 2021; 200º da Independência e 133º da energia elétrica produzida pela Usina Termelétrica Nuclear Angra 3.
República.
Art. 4º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
JAIR MESSIAS BOLSONARO
Anderson Gustavo Torres BENTO ALBUQUERQUE
Tarcisio Gomes de Freitas
ANEXO
Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento
Anexo I da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997.
(Código de Trânsito Brasileiro) GABINETE DA MINISTRA
"ANEXO I PORTARIA MAPA Nº 323, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021
DOS CONCEITOS E DEFINIÇÕES
........................................................................................................................................ Institui o Plano Setorial para Adaptação à Mudança
do Clima e Baixa Emissão de Carbono na
AGENTE DA AUTORIDADE DE TRÂNSITO - agente de trânsito e policial Agropecuária, com vistas ao Desenvolvimento
rodoviário federal que atuam na fiscalização, no controle e na operação de trânsito Sustentável - ABC+ para a década 2020- 2030.
e no patrulhamento, competentes para a lavratura do auto de infração e para os
procedimentos dele decorrentes, incluídos o policial militar ou os agentes referidos A MINISTRA DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no
no art. 25-A deste Código, quando designados pela autoridade de trânsito com uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II da Constituição
circunscrição sobre a via, mediante convênio, na forma prevista neste Código. Federal, tendo em vista o disposto no parágrafo único do art. 11 da Lei nº 12.187, de 29
AGENTE DE TRÂNSITO - servidor civil efetivo de carreira do órgão ou entidade de dezembro de 2009, no art. 3º, no inciso IV do art. 17, no inciso III do art. 18, nos incisos
executivos de trânsito ou rodoviário, com as atribuições de educação, operação e IV a IX e no caput do § 1º do art. 19 do Decreto nº 9.578, de 22 de novembro de 2018,
fiscalização de trânsito e de transporte no exercício regular do poder de polícia de e o que consta do Processo SEI nº 21000.086295/2021-14, resolve:
trânsito para promover a segurança viária nos termos da Constituição Federal. Art. 1º Fica instituído o Plano Setorial para Adaptação à Mudança do Clima e
.......................................................................................................................................... Baixa Emissão de Carbono na Agropecuária, com vistas ao Desenvolvimento Sustentável
(2020-2030) - ABC+.
CIRCULAÇÃO - movimentação de pessoas, animais e veículos em deslocamento, Art. 2º O ABC+ tem o objetivo geral de promover a adaptação à mudança do
conduzidos ou não, em vias públicas ou privadas abertas ao público e de uso coletivo. clima e o controle das emissões de gases de efeito estufa (GEE) na agropecuária brasileira,
......................................................................................................................................... com aumento da eficiência e resiliência dos sistemas produtivos, considerando uma gestão
integrada da paisagem rural.
PATRULHAMENTO OSTENSIVO - função exercida pela Polícia Rodoviária Federal Art. 3º Por meio do estímulo à adoção de sistemas, práticas, produtos e
com o objetivo de prevenir e reprimir infrações penais no âmbito de sua processos de produção sustentáveis, o ABC+ possui como compromissos, até 2030:
competência e de garantir obediência às normas relativas à segurança de trânsito, I - ampliar em 30 (trinta) milhões de hectares as áreas com adoção de práticas
de forma a assegurar a livre circulação e a prevenir acidentes. para Recuperação de Pastagens Degradadas (PRPD);
II - ampliar em 12,58 (doze vírgula cinquenta e oito) milhões de hectares a área
PATRULHAMENTO VIÁRIO - função exercida pelos agentes de trânsito dos com adoção de Sistema de Plantio Direto;
órgãos e entidades executivos de trânsito e rodoviário, no âmbito de suas III - ampliar em 10,10 (dez vírgula dez) milhões de hectares a área com adoção
competências, com o objetivo de garantir a segurança viária nos termos do § 10 do de Sistemas de Integração;
art. 144 da Constituição Federal. IV - ampliar em 4 (quatro) milhões de hectares a área com adoção de Florestas
................................................................................................................................" (NR) Plantadas;
V - ampliar em 13 (treze) milhões de hectares a área com adoção de
Bioinsumos;
Presidência da República Irrigados;
VI - ampliar em 3 (três) milhões de hectares a área com adoção de Sistemas
VII - ampliar em 208,40 m3 (duzentos e oito vírgula quarenta) metros cúbicos
DESPACHO DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA a adoção de Manejo de Resíduos da Produção Animal; e
VIII - ampliar em 5 (cinco) milhões os bovinos em Terminação Intensiva.
MENSAGEM § 1º O ABC+ promoverá em 72,68 (setenta e dois vírgula sessenta e oito)
milhões de hectares a diminuição da vulnerabilidade e o aumento da resiliência dos
Nº 538, de 21 de outubro de 2021. Restituição ao Congresso Nacional de autógrafos do sistemas de produção agropecuários frente à mudança do clima, a conservação dos
projeto de lei de conversão que, sancionado, se transforma na Lei nº 14.229, de 21 de recursos naturais, o aumento da biodiversidade e a estabilidade climática dos sistemas
outubro de 2021. produtivos.
§ 2º O potencial de mitigação das ações propostas no caput permitirá uma
DESPACHO DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA redução estimada de emissões de GEE, pelo setor agropecuário nacional, correspondente
a 1.110,4 (um mil cento e dez vírgula quarenta) milhões de Mg CO2eq até o ano de
MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 2030.
Art. 4º A estrutura de governança do ABC+ será composta pelo Sistema
Exposição de Motivos Integrado de Informações do Plano Setorial para Consolidação de uma Economia de Baixa
Emissão de Carbono na Agricultura (SINABC) e seu Comitê Técnico de Acompanhamento do
Nº 61, de 20 de outubro de 2021. Resolução nº 23, de 20 de outubro de 2021, do Conselho Plano Setorial para Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na
Nacional de Política Energética - CNPE. Aprovo. Em 21 de outubro de 2021. Agricultura (CTABC), instituídos pelo Decreto nº 10.606, de 22 de janeiro de 2021, e pela
Comissão Executiva Nacional do Plano Setorial para Consolidação de uma Economia de
CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE Baixa Emissão de Carbono na Agricultura (CENABC), instituída pelo Decreto nº 10.431, de
20 de julho de 2020.
RESOLUÇÃO Nº 23, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021 Art. 5º O ABC+ será disponibilizado no site do Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento.
Estabelece diretrizes para a definição do preço da Art. 6º As Metas e os Eixos Estratégicos do ABC+ deverão ser revisados a cada
energia da Usina Termelétrica Nuclear Angra 3. dois anos, contados a partir da publicação desta Portaria, por meio de Consulta Pública,
disponibilizada por período não inferior a 30 (trinta) dias.
O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA - CNPE, no Art. 7º Fica revogada a Portaria Interministerial nº 984, de 08 de outubro de
uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto no art. 2º, inciso IV, da Lei nº 9.478, de 2013, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Ministério do
6 de agosto de 1997, no art. 10 da Lei nº 14.120, de 1º de março de 2021, no art. 1º, Desenvolvimento Agrário.
inciso IV, no art. 2º, § 3º, inciso III, do Decreto nº 3.520, de 21 de junho de 2000, no art. Art. 8º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
4º, parágrafo único, do Decreto nº 10.139, de 28 de novembro de 2019, no art. 5º, inciso
III, e no art. 17, caput, do Regimento Interno do CNPE, aprovado pela Resolução CNPE nº TEREZA CRISTINA CORREA DA COSTA DIAS
14, de 24 de junho de 2019, nas deliberações da 7ª Reunião Extraordinária, realizada em
20 de outubro de 2021, e o que consta do Processo nº 48340.003363/2021-13, resolve: INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA
Art. 1º O preço da energia elétrica produzida pela Usina Termelétrica Nuclear INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 106, DE 18 DE OUTUBRO DE 2021
Angra 3 será o resultante dos estudos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico
e Social - BNDES, e considerará a viabilidade econômico-financeira do empreendimento no Define critérios e procedimentos técnicos e
prazo do Contrato de Comercialização da Energia da Usina, bem como sua financiabilidade administrativos para a consolidação de Projetos de
em condições de mercado, de acordo com os seguintes parâmetros: Assentamento de reforma agrária, sob gestão do Incra.

I - custo de capital próprio de 8,88% ao ano, em termos reais, ao longo do O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA
prazo do Contrato de Comercialização da Energia Elétrica produzida pela Usina; AGRÁRIA - INCRA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 19 do Anexo
I da Estrutura Regimental deste Instituto, aprovada pelo Decreto nº 10.252, de 20 de
II - os valores de investimento para a implantação de Angra 3, realizados a fevereiro de 2020, publicada no Diário Oficial da União - DOU de 21 de fevereiro de
partir da data-base definida no inciso V e previstos conforme o estudo contratado pela 2020, combinado com o art. 110 do Regimento Interno da Autarquia, aprovada pela
Eletrobras Termonuclear S.A. - Eletronuclear com o Banco Nacional de Desenvolvimento Portaria n° 531, de 23 de março de 2020, publicada no DOU do dia 24 seguinte, resolve
Econômico e Social - BNDES; dispor sobre os critérios e procedimentos técnicos e administrativos para a consolidação
de Projetos de Assentamento de reforma agrária, sob gestão do Incra;, resolve:
III - os dispêndios para amortização e pagamento de juros das dívidas novas e CAPÍTULO I
pré-existentes, ou sua eventual conversão, conforme modelagem a ser definida; DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES
Art. 1º Esta Instrução Normativa tem por objetivo estabelecer critérios e
IV - conversão em capital de mútuos e Adiantamentos para Futuro Aumento de procedimentos técnicos e administrativos para a consolidação de Projetos de
Capital - AFACs que constem da posição patrimonial na data-base definida no inciso V; Assentamento de reforma agrária, sob a gestão do Incra.
e Art. 2º Consolidação é o ato que declara que determinado Projeto de
Assentamento alcançou o nível de estruturação e de desenvolvimento previsto no
V - 30 de junho de 2020 como data-base dos estudos referidos no caput. Programa Nacional de Reforma Agrária - PNRA, podendo ocorrer por força de lei ou por

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 3 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200003 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

meio de ato administrativo específico, encerrando, assim, os investimentos em Art. 16. A consolidação de Projetos de Assentamentos anterior a esta
infraestrutura de atribuição do Incra. Instrução Normativa não constitui óbice para a concessão dos títulos definitivos
CAPÍTULO II pendentes que preencham os requisitos exigidos, bem como dos créditos de instalação,
DA COMPETÊNCIA desde que os beneficiários preencham os requisitos legais para a sua concessão.
Art. 3ºÀ Divisão de Desenvolvimento e de Consolidação de Projetos de Art. 17. Os termos desta Instrução Normativa não se aplicam às áreas rurais
Assentamento - SR/D compete elaborar os estudos e os atos preparatórios necessários relacionadas no art. 2º do Decreto n° 10.592, de 24 de dezembro de 2020.
para subsidiar as deliberações superiores referentes aos processos de consolidação. Art. 18. Os procedimentos previstos nesta Instrução Normativa aplicam-se aos
Art. 4º Compete aos Superintendentes Regionais submeter a proposta de processos em andamento.
consolidação do Projeto de Assentamento ao Comitê de Decisão Regional - CDR, bem Art. 19. Os casos omissos sobre a aplicação desta Instrução Normativa serão dirimidos
como dar cumprimento às decisões emanadas daquele colegiado. pela Diretoria de Desenvolvimento e Consolidação de Projetos de Assentamento - DD.
Art. 5º Cabe ao CDR, no âmbito da área de atuação da Superintendência Art. 20. Revogam-se os artigos 88 e 89 da Instrução Normativa nº 99, de 30
Regional, a deliberação sobre a consolidação de Projetos de Assentamento de reforma de dezembro de 2019.
agrária. Art. 21. Esta Instrução Normativa entra em vigor em 03 de novembro de 2021.
Parágrafo único. A competência para deliberar sobre a consolidação do
Projeto de Assentamento de reforma agrária cuja área abranja mais de uma GERALDO JOSÉ DA CÂMARA FERREIRA DE MELO FILHO
Superintendência Regional, ficará sob a responsabilidade da Superintendência à qual o
referido projeto estiver vinculado. ANEXO I
CAPÍTULO III
DA CONSOLIDAÇÃO - CRITÉRIOS E REQUISITOS MODELO DE RELATÓRIO PARA CONSOLIDAÇÃO DE PROJETO DE ASSENTAMENTO
Art. 6º A consolidação dos Projetos de Assentamento integrantes dos Relatório para Consolidação de Projeto de Assentamento
Programas de Reforma Agrária dar-se-á com a concessão de créditos de instalação e a Processo: XXXXXXXXXXXXXXX
conclusão dos investimentos, bem como com a outorga do instrumento definitivo de Assunto: Verificação dos critérios e condicionantes para consolidação do
titulação. Projeto de Assentamento XXXXXXXXX
Parágrafo único. A consolidação, quando realizada por ato administrativo, será 1 - OBJETIVO
materializada por meio de portaria do Superintendente Regional, mediante prévia O presente relatório tem por objetivo verificar os critérios e condicionantes
autorização do CDR, nos termos do art. 5º desta Instrução Normativa. para consolidação do Projeto de Assentamento XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX, situado no
Art. 7º Independentemente do cumprimento dos requisitos de concessão de Município de XXXXXXXXXXX, criado pela Portaria XXXXXX, com área de XX.XXXX ha, com
créditos de instalação e a conclusão dos investimentos, considera-se consolidado o capacidade de XX famílias.
Projeto de Assentamento após 15 (quinze) anos de sua implantação. 2 - VERIFICAÇÃO DOS CRITÉRIOS E CONDICIONANTES PARA CONSOLIDAÇÃO DO
§ 1º A Diretoria de Desenvolvimento e Consolidação de Projetos de PROJETO DE ASSENTAMENTO
Assentamento - DD identificará os Projetos de Assentamento enquadrados nos termos Os critérios e condicionantes para consolidação de Projeto de Assentamento
deste artigo e oficiará as regionais quanto a sua consolidação. XXXXXXXX foram verificados, tendo como referência o estabelecido no artigo 8º da
§ 2º A Diretoria de Desenvolvimento e Consolidação de Projetos de Instrução Normativa Nº 106 de outubro de 2021, estando relacionados no Quadro 1 e
Assentamento - DD atualizará os dados dos assentamentos, identificados nos termos identificados objetivamente como atendido ou não atendido.
deste artigo, no Sistema de Informações dos Projetos de Reforma Agrária - Sipra ou Quadro 1. Critérios e condicionantes para consolidação do Projeto de
sistema equivalente utilizado pelo Incra. Assentamento XXXXXXXX.
§ 3º A Diretoria de Desenvolvimento e Consolidação de Projetos de Item Descrição do critério ou condicionante Situação
Assentamento - DD, após aprovação pelo Conselho Diretor, providenciará a publicação da
.

1 Área do PA registrada em nome do Incra ou da União


portaria de consolidação no Diário Oficial da União - DOU e na página oficial do Incra na
.

internet. . 2 Perímetro do PA georreferenciado e certificado


§ 4º A Superintendência encaminhará cópia da publicação da portaria de . 3 Lotes individuais com os serviços de medição e de demarcação
consolidação à Prefeitura Municipal e ao estado ou Distrito Federal onde estiver topográfica ou georreferenciados
localizado o Projeto de Assentamento. . 4 Concessão de, pelo menos, uma das modalidades de crédito de
§ 5º A Superintendência Regional, por meio de decisão fundamentada, instalação para no mínimo 50% (cinquenta por cento) dos beneficiários
aprovada pela Diretoria de Desenvolvimento, poderá afastar a consolidação. do Projeto de Assentamento
Art. 8º Ressalvado o disposto no art. 7º, são requisitos para o ato de . 5 Acesso no assentamento que permita o trânsito de pessoas e o
consolidação: escoamento da produção
I - que a área esteja registrada em nome do Incra ou da União; . 6 Instalação de energia elétrica
II - que o perímetro do Projeto de Assentamento esteja georreferenciado e . 7 Abastecimento de água
certificado; 8 Início da outorga da titulação definitiva
III - que as parcelas ou lotes individuais tenham serviços de medição e de
.

demarcação ou estejam georreferenciados, onde se aplicar; Com base nos critérios e requisitos identificados no Quadro 1, verifica-se que
IV - a concessão de uma das modalidades de crédito de instalação a, no o Projeto de Assentamento XXXXXXX está apto a ser consolidado.
mínimo, 50% (cinquenta por cento) dos beneficiários do Projeto de Assentamento; OU
V - a viabilização de meios de acesso no Projeto de Assentamento que Com base nos critérios e requisitos identificados no Quadro 1, verifica-se que
permitam o trânsito de pessoas e o escoamento da produção, bem como a instalação de o Projeto de Assentamento XXXXXXX NÃO está apto a ser consolidado, sendo necessário
energia elétrica e abastecimento de água; e adotar as seguintes providências: xxxxxxxx, xxxxxxxxx, xxxxxxxxxxx para saneamento do
VI - o início da outorga da titulação definitiva. processo.
§ 1º O ato de consolidação do Projeto de Assentamento encerra a Os registros fotográficos (caso existam) do Projeto de Assentamento XXXXXXXX
disponibilização pelo Incra dos investimentos em infraestrutura, sem prejuízo da demonstram o atendimento de alguns requisitos para a sua consolidação (Figura 1).
continuidade da concessão do crédito de instalação e da outorga de títulos definitivos. Obs.: Podem ser utilizados registros fotográficos e relatórios de outros
§ 2º A liberação das cláusulas resolutivas do Título de Domínio extingue as trabalhos, como supervisão ocupacional, radis, fiscalização e recebimento de convênios,
obrigações do Incra na parcela ou lote específico, inclusive quanto à concessão de crédito aplicação de crédito instalação, etc., caso existam.
instalação, em todas as suas modalidades. Figura 1. Registros fotográficos do Projeto de Assentamento
§ 3º Para a consolidação do Projeto de Assentamento, as providências a que XXXXXXXXXXXXX.
se refere o inciso III deste artigo poderão ser viabilizadas diretamente pelos beneficiários, 3 - CONCLUSÃO
pelo Incra, por meio de parcerias com entes públicos e/ou privados, ou ainda por outros Diante do exposto, s.m.j., verifica-se que o Projeto de Assentamento
meios permitidos pelo ordenamento jurídico. XXXXXXXXXXXXX atende aos critérios e requisitos para a sua consolidação.
§ 4º Os investimentos referentes à infraestrutura a que se refere o inciso V OU
deste artigo deverão ser priorizados pelos entes federativos competentes pela sua Diante do exposto, s.m.j., verifica-se que o Projeto de Assentamento
implantação. XXXXXXXXXXXXX NÃO atende aos critérios e requisitos para a sua consolidação, devendo
§ 5º Os requisitos referidos nos incisos deste artigo devem ser verificados por ser adotadas as providências destacadas neste relatório.
relatório emitido pela SR/D, conforme modelo constante no Anexo I. Ficamos à disposição para quaisquer esclarecimentos que, porventura, se
CAPÍTULO IV façam necessários.
DOS PROCEDIMENTOS Cidade/UF, xx de xx de 202X.
Art. 9º A Superintendência Regional realizará levantamento dos Projetos de Nome e assinatura do(s) servidor(es) responsáveis pelo relatório
Assentamento de reforma agrária, com os seguintes objetivos:
I - identificar os Projetos de Assentamento aptos a serem consolidados, nos ANEXO II
termos desta Instrução Normativa; e
II - apontar pendências e propor soluções que viabilizem a consolidação dos MINUTA DE ORDEM DE SERVIÇO
Projetos de Assentamento identificados no levantamento. O(A) SUPERINTENDENTE REGIONAL DO INSTITUTO NACIONAL DE
Parágrafo único. A Superintendência Regional poderá instituir grupo de COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA NO ESTADO DO XX, nomeado por meio da
trabalho, por ordem de serviço, conforme modelo constante no Anexo II, para cumprir o Portaria/INCRA/P nº xx, de xx/xx/xxxx, publicada no Diário Oficial da União em xx/xx/xxxx,
disposto neste artigo. no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Art. 118, IX, do Regimento Interno do
Art. 10º Para a consolidação, nos termos dos incisos I e II do art. 9º desta INCRA, aprovado pela Portaria/Incra/P nº 531, de 23 de março de 2020, publicada no
Instrução Normativa, a Divisão de Desenvolvimento e de Consolidação de Projetos de D.O.U. de 24 de março de 2020, bem como pelo parágrafo único do art. 9º da Instrução
Assentamento - SR/D fará constar no processo de criação do Projeto de Assentamento os Normativa Nº 106, de outubro de 2021.
documentos relacionados no Anexo III, emitirá manifestação técnica e elaborará minutas Considerando a Instrução Normativa Nº 106, de outubro de 2021;
de resolução e de portaria de consolidação. Considerando a necessidade de consolidar os Projetos de Assentamento de
§ 1º Na manifestação técnica deve constar o relato acerca das peças reforma agrária, que já cumpriram as condições exigidas nas normas legais;
constantes nos autos, bem como análise objetiva, fundamentada e conclusiva, opinando Considerando o constante dos autos do processo nº XXXXX.XXXXXX/XXXX-XX,
ao final pela consolidação ou não do Projeto de Assentamento ou tomada de decisões resolve:
por parte da administração. Art. 1º Instituir grupo de trabalho no âmbito desta Superintendência Regional-
§ 2º Os modelos de manifestação técnica, resolução do CDR e portaria emitida XX, composto pelos seguintes servidores:
pelo Superintendente Regional constam nos Anexos IV, VI e VIII, respectivamente.
Art. 11. O Chefe da SR/D manifestará seu posicionamento de forma . NOME CARGO MATRÍCULA
fundamentada e conclusiva e, na sequência, encaminhará os autos ao Superintendente .

Regional. .

Art. 12. O Superintendente Regional submeterá a proposta de consolidação do .

Projeto de Assentamento ao CDR para deliberação.


Art. 13. Aprovada a consolidação pelo CDR, será emitida resolução autorizando Art. 2º A coordenação do grupo de trabalho ficará a cargo do(a) servidor(a)
o Superintendente Regional a expedir a respectiva portaria de consolidação. xxxxx;
Art. 14. Após a expedição da portaria de consolidação, o Superintendente Art. 3º O grupo de trabalho terá como principais atribuições:
Regional determinará a adoção das seguintes providências: I - identificar os Projetos de Assentamento aptos a serem consolidados;
I - publicação da portaria no Diário Oficial da União - DOU e na página oficial II - apontar pendências e propor soluções que viabilizem a consolidação dos
do Incra na internet; Projetos de Assentamento identificados no levantamento;
II - atualização dos dados no Sistema de Informações dos Projetos de Reforma III - instruir e analisar os processos administrativos;
Agrária - Sipra ou sistema equivalente utilizado pelo Incra; e IV - emitir manifestação técnica conclusiva para consolidar ou afastar, quando
III - encaminhamento de cópia da publicação da portaria de consolidação à for o caso;
Prefeitura Municipal e ao estado ou Distrito Federal onde estiver localizado o Projeto de V - elaborar minutas da resolução do Comitê de Decisão Regional - CDR e de
Assentamento. portaria de consolidação dos Projetos de Assentamento; e
CAPÍTULO V VI - desempenhar outras atividades compatíveis com suas atribuições,
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS previstas na Instrução Normativa Nº 106, de outubro de 2021.
Art. 15. O Incra poderá firmar acordos de cooperação técnica, convênios ou Art. 4º Determinar que o grupo de trabalho busque assessoramento jurídico
outros instrumentos congêneres com os estados, o Distrito Federal e os municípios para da Procuradoria Federal Especializada - PFE junto à esta Superintendência Regional -
viabilizar as atividades previstas nesta Instrução Normativa, inclusive para implantação de SR(00)XX, se necessário, bem como que requisite as informações técnicas necessárias às
obras de infraestrutura, visando à consolidação dos Projetos de Assentamento. Divisões desta SR para o fiel cumprimento da presente Ordem de Serviço.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 4 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200004 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Art. 5º Esta Ordem de Serviço entra em vigor na data de sua publicação. Considerando a Instrução Normativa nº 106, de outubro de 2021;
Dê ciência, publique-se e cumpra-se. Considerando a necessidade de consolidar os Projetos de Assentamento de
Cidade/UF, xx de xx de 202X. reforma agrária, que já cumpriram as condições exigidas nas normas legais;
Superintendente Regional Considerando o constante dos autos do processo nº XXXXXXXXXXXX,
resolve:
ANEXO III Art. 1º Aprovar a consolidação do Projeto de Assentamento
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.
RELAÇÃO DOS DOCUMENTOS PARA CONSOLIDAÇÃO DO PROJETO DE ASSENTAMENTO Art. 2º Autorizar Superintendente Regional do Incra da SR(00) a expedir a
A relação dos documentos para consolidação do Projeto de Assentamento respectiva Portaria de consolidação (nos casos de aprovação da consolidação).
consta a seguir: Cidade/UF, xx de xx de 2020.
1. Portaria de criação do Projeto de Assentamento e retificações; Membros do CDR
2. Matrícula e registro da área do Projeto de Assentamento em nome do Incra
ou da União; ANEXO VII
3. Planta, memorial descritivo e certidão de certificação do
georreferenciamento do perímetro do Projeto de Assentamento; MINUTA DE PORTARIA (PRESIDENTE)
4. Planta e memorial descritivo, quando for o caso, da medição e da O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA
demarcação topográfica ou do georreferenciamento dos lotes individuais; AGRÁRIA - INCRA, nomeado por meio da Portaria/INCRA/P nº xx, de xx/xx/xxxx, publicada
5. Espelho atualizado referente aos dados do Projeto de Assentamento no Diário Oficial da União em xx/xx/xxxx, no uso das atribuições que lhe são conferidas
extraído do Sipra ou de sistema equivalente utilizado pelo Incra; pelo art. 110, do Regimento Interno do INCRA, aprovado pela Portaria/Incra/P nº 531, de
6. Relação dos beneficiários titulados e não titulados do Projeto de 23 de março de 2020, publicada no D. O. U. de 24 de março de 2020, bem como pelo
Assentamento; §3º o art. 7º da Instrução Normativa nº 106, de outubro de 2021, nos termos da
7. Relação das áreas remanescentes no Projeto de Assentamento; Resolução do CDR nº XX, de XX de 20XX (nos casos de aprovação da consolidação).
8. Relatório para consolidação do Projeto de Assentamento (modelo constante
no Anexo I); e Considerando a Instrução Normativa nº 106, de outubro de 2021;
9. Manifestação técnica sobre o atendimento dos critérios e requisitos para Considerando a necessidade de consolidar os Projetos de Assentamento de
consolidação do Projeto de Assentamento (modelo constante no Anexo IV). reforma agrária, que já cumpriram as condições exigidas nas normas legais;
Considerando o constante dos autos do processo nº XXXXXXXXXXXXX,
ANEXO IV resolve:
Art. 1º Aprovar a consolidação do Projeto de Assentamento
MODELO DE MANIFESTAÇÃO TÉCNICA PARA CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS DE xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.
ASSENTAMENTO Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Manifestação técnica para consolidação de Projeto de Assentamento Cidade/UF, xx de xx de 202X.
Processo: XXXXXXXXXXXXXXX Presidente do Incra
Assunto: Verificação dos critérios e requisitos para consolidação do Projeto de
Assentamento XXXXXXXXXXX. ANEXO VIII
1 - OBJETIVO
A presente manifestação técnica tem por objetivo verificar os critérios e MINUTA DE PORTARIA (SUPERINTENDENTE)
requisitos para consolidação do Projeto de Assentamento XXXXXXXXXXX, situado no Portaria Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXXX DE 20XX.
Município de XXXXXXXXXXX, criado pela Portaria XXXXXX e consolidado pela Consolidação do Projeto de Assentamento XXXXXX.
resolução/portaria XXXXXXX, com área de XX.XXXX ha, com capacidade para XX O(A) SUPERINTENDENTE REGIONAL DO INSTITUTO NACIONAL DE
famílias. COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA no Estado XX, nomeado por meio da
2 - VERIFICAÇÃO DOS CRITÉRIOS E CONDICIONANTES PARA CONSOLIDAÇÃO DO Portaria/INCRA/P nº xx, de xx/xx/xxxx, publicada no Diário Oficial da União em xx/xx/xxxx,
PROJETO DE ASSENTAMENTO XXXXXXXXX. no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 118, XIX, do Regimento Interno
Os critérios e requisitos para consolidação do Projeto de Assentamento do INCRA, aprovado pela Portaria/Incra/P nº 531, de 23 de março de 2020, publicada no
XXXXXXXX foram verificados, tendo como referência o estabelecido no artigo e 8º da D. O. U. de 24 de março de 2020, bem como pelo parágrafo único do art. 6º da Instrução
Instrução Normativa Nº 106, de outubro de 2021, estando relacionados no Quadro 1 e Normativa nº 106, de outubro de 2021, nos termos da Resolução do CDR nº XX, de XX
identificados objetivamente como atendido ou não atendido. de 20XX (nos casos de aprovação da consolidação).
Quadro 1. Critérios e requisitos para consolidação do Projeto de Assentamento Considerando a Instrução Normativa nº 106, de outubro de 2021;
XXXXXXXX. Considerando a necessidade de consolidar os Projetos de Assentamento de
reforma agrária, que já cumpriram as condições exigidas nas normas legais;
. Item Descrição do critério ou requisito SEI Situação Considerando o constante dos autos do processo nº XXXXXXXXXXX, resolve:
. 1 a área esteja registrada em nome do Incra ou da União Art. 1º Aprovar a consolidação do Projeto de Assentamento
. 2 o perímetro do Projeto de Assentamento esteja xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.
georreferenciado e certificado Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
. 3 as parcelas ou lotes individuais tenham serviços de medição e Cidade/UF, xx de xx de 202X.
de demarcação ou georreferenciados, onde se aplicar Superintendente Regional
. 4 a concessão de uma das modalidades de crédito de instalação
a, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) dos beneficiários do INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 107, DE 18 DE OUTUBRO DE 2021
Projeto de Assentamento
5 a viabilização de meios de acesso no Projeto de Define critérios e procedimentos administrativos
para destinação de bens públicos imóveis,
.

Assentamento que permitam o trânsito de pessoas e o


escoamento da produção, bem como a instalação de energia existentes em Projetos de Assentamento de
elétrica e abastecimento de água. reforma agrária, sob o domínio do Incra ou da
. 6 o início da outorga da titulação definitiva União.
7
O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA
.

. 8 AGRÁRIA - INCRA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 19 do Anexo
I da Estrutura Regimental deste Instituto, aprovado pelo Decreto nº 10.252, de 20 de
Com base nos critérios e requisitos identificados no Quadro 1, verifica-se que fevereiro de 2020, publicado no Diário Oficial da União - DOU de 21 de fevereiro de
a consolidação do Projeto de Assentamento XXXXXXX pode ser realizada. 2020, combinado com o art. 110 do Regimento Interno da Autarquia, aprovado pela
OU Portaria n° 531, de 23 de março de 2020, resolve aprovar esta Instrução Normativa,
Com base nas informações contidas no Quadro 1, verifica-se que o Projeto de nos seguintes termos:
Assentamento XXXXXXX NÃO atendeu os critérios e requisitos para consolidação devendo, CAPÍTULO I
para saneamento do processo, serem adotadas as seguintes providências: xxxxxxxx, DOS OBJETIVOS E DAS FORMAS DE DESTINAÇÃO DOS BENS PÚBLICOS IMÓVEIS
xxxxxxxxx, xxxxxxxxxxx. Art. 1º Esta Instrução Normativa tem por objetivo estabelecer, no âmbito do
3 - CONCLUSÃO Incra, os critérios e os procedimentos para destinação provisória e definitiva de bens
Diante do exposto, s.m.j., verifica-se que o Projeto de Assentamento públicos imóveis, existentes em Projetos de Assentamento de reforma agrária ou deles
XXXXXXXXXXXXX atende os critérios e requisitos para consolidação. remanescentes, sob o domínio do Incra ou da União.
OU Art. 2º Compete às Superintendências Regionais adotar os procedimentos de
Diante do exposto, s.m.j., verifica-se que o Projeto de Assentamento instrução processual e elaboração dos documentos com vistas a atender aos pedidos
XXXXXXXXXXXXX NÃO atende os critérios e requisitos para consolidação. de destinação de bens públicos imóveis.
Ficamos à disposição para quaisquer esclarecimentos que, porventura, se Art. 3º A competência para destinação de bens públicos imóveis de Projetos
façam necessários. de Assentamento com área que abranja mais de uma Superintendência Regional, será
Cidade/UF, xx de xx de 202X. daquela que criou o Projeto de Assentamento de reforma agrária - PA.
Nome e assinatura do(s) servidor(es) responsáveis pela manifestação técnica § 1º Para fins desta Instrução Normativa, entende-se como Projeto de
Assentamento de reforma agrária - PA a unidade territorial criada e destinada ao
ANEXO V assentamento de famílias de agricultores ou trabalhadores rurais.
§ 2º Em caso de conflito de competência entre as Superintendências
MINUTA DE RESOLUÇÃO DO CONSELHO DIRETOR - CD Regionais, cabe à Diretoria de Desenvolvimento e Consolidação de Projetos de
Resolução Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXXX DE 20XX. Assentamento - DD deliberar sobre a questão.
Consolidação do Projeto de Assentamento XXXXXX. Art. 4º Compete ao Superintendente Regional do Incra, no âmbito de suas
O CONSELHO DIRETOR DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E atribuições, deliberar, fundamentadamente, sobre os pedidos de destinação de bens
REFORMA AGRÁRIA - INCRA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo públicos imóveis nos casos de Autorização de Uso e Cessão de Uso, bem como firmar
108 da Estrutura Regimental do Incra, aprovada pela Portaria/Incra/P nº 531, de 23 de os respectivos atos administrativos e instrumentos.
março de 2020, combinado com os artigos 9º e 10 da Resolução/Incra nº 436, de 29 de Art. 5º Compete ao Presidente do Incra aprovar os pedidos de destinação
junho de 2020. de bens públicos imóveis nos casos de Concessão de Uso e Doação, bem como firmar
Considerando a Instrução Normativa nº 106, de outubro de 2021, os respectivos instrumentos, cujo embasamento técnico e jurídico será de
Considerando a necessidade de consolidar os Projetos de Assentamento de responsabilidade da Superintendência Regional.
reforma agrária, que já cumpriram as condições exigidas nas normas legais; Art. 6º A destinação de bens públicos imóveis, existentes em Projetos de
Considerando o constante dos autos do processo nº XXXXXXXXXXX, resolve: Assentamento de reforma agrária ou deles remanescentes, será realizada:
Art. 1º Aprovar a consolidação do Projeto de Assentamento I - em caráter provisório, nas áreas sob domínio do Incra ou da União, por
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. meio de:
Art. 2º Autorizar o Presidente do Incra a expedir a respectiva Portaria de a) autorização de uso;
consolidação (nos casos de aprovação da consolidação). b) cessão de uso; e
Cidade/UF, xx de xx de 202X. c) concessão de uso gratuita ou onerosa.
Membros do CD II - em caráter definitivo, nas áreas sob domínio do Incra, por meio de
doação.
ANEXO VI § 1º A destinação de bens imóveis somente será possível quando atestada
pelo Incra a existência de interesse público ou social.
MINUTA DE RESOLUÇÃO DO COMITÊ DE DECISÃO REGIONAL - CDR § 2º A destinação provisória será celebrada, preferencialmente, sem prazo
Resolução Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXXX DE 20XX. determinado e sua vigência findará com sua revogação, rescisão ou resolução.
Consolidação do Projeto de Assentamento XXXXXX. § 3º O uso diverso e não autorizado do objeto imóvel da ação ensejará a
O COMITÊ DE DECISÃO REGIONAL - CDR DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO rescisão do instrumento celebrado.
INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA NO ESTADO DO CAPÍTULO II
XXXXX, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 109 da Estrutura DA AUTORIZAÇÃO E DA CESSÃO DE USO DE BENS PÚBLICOS IMÓVEIS
Regimental do Incra, aprovada pela Portaria/Incra/P nº 531, de 23 de março de 2020, Art. 7º A autorização de uso de bens públicos imóveis em Projetos de
combinado com os artigos 9º e 10 da Resolução/Incra nº 436, de 29 de junho de Assentamento de reforma agrária constitui ato administrativo precário e discricionário,
2020. e poderá ser expedida à pessoa física ou jurídica para o atendimento de interesse

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 5 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200005 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

público ou social, passível de revogação a qualquer tempo, de acordo com a I - houver o descumprimento, pelo donatário, da finalidade prevista no
conveniência e oportunidade da administração pública. termo de doação; ou
Art. 8º A cessão de uso de bens públicos imóveis em Projetos de II - cessarem as razões que justificaram a doação, sendo vedada a alienação
Assentamento de reforma agrária constitui ato administrativo precário e discricionário, do bem público imóvel pelo donatário.
e poderá ser expedida em favor do órgão ou entidade pública, em regime de Art. 18. Quando não for possível a imediata doação, o Incra poderá expedir
colaboração, para a realização de serviço público ou outra atividade de interesse previamente o instrumento de cessão de uso, nos termos desta Instrução Normativa,
público ou social, passível de revogação a qualquer tempo, de acordo com a até que se conclua o processo de doação.
conveniência e oportunidade da administração pública. CAPÍTULO V
Art. 9º Quando se tratar de imóvel com benfeitorias edificadas pelo Incra, DO PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO
será imprescindível a elaboração de relatório descritivo ou de avaliação previamente à Art. 19. Os interessados na destinação dos bens públicos imóveis deverão
protocolizar, nas Superintendências Regionais, requerimento fundamentado, conforme
autorização e à cessão, que ateste as condições das construções para fins de entrega
modelo constante no Anexo I desta Instrução Normativa, em meio físico ou digital,
e posterior recebimento dos bens.
indicando expressamente o imóvel de interesse, o objetivo do uso e a forma da
Parágrafo único. Para os fins desta Instrução Normativa, são consideradas destinação, juntando ao requerimento os documentos listados no Anexo II para cada
benfeitorias as obras ou serviços realizados no bem público imóvel, com o intuito de tipo de destinação.
aproveitá-lo, conservá-lo, melhorá-lo ou embelezá-lo, nele incorporados Art. 20. O processo administrativo será encaminhado ao Chefe da Divisão de
permanentemente pelo homem, que não podem ser retirados sem destruição, fratura Desenvolvimento e Consolidação no âmbito da Superintendência Regional (SR/D), que
ou dano. o despachará a um servidor ou grupo de trabalho, designado por ordem de serviço,
Art. 10º A autorização e a cessão de uso serão expedidas preferencialmente conforme minuta constante no Anexo III, para análise e providências.
sem prazo determinado, podendo ser revogadas a qualquer momento. Art. 21. O servidor ou o grupo de trabalho analisará os documentos
§ 1º As despesas relativas ao uso do bem público, tais com energia elétrica, apresentados pelo requerente, elaborará o relatório descritivo ou de avaliação prévia
serviço de telefonia, manutenção predial, água e esgoto, serão suportadas pelo e expedirá manifestação técnica sobre o pedido, conforme Anexos IV, V e VI,
autorizatário e pelo cessionário. respectivamente, apontando as necessidades de complementação ou sugerindo o
§ 2º Revogada a autorização ou a cessão de uso, a restituição do imóvel deferimento ou indeferimento do requerimento.
deverá se dar em condição igual ou superior à da época da destinação, sem quaisquer § 1º O relatório descritivo deverá ser elaborado por servidor do Incra ou de
ônus para a administração pública. ente parceiro, devendo contemplar as características e a situação atual do imóvel.
CAPÍTULO III § 2º O relatório de avaliação prévia será feito por servidor do Incra ou de
DA CONCESSÃO DE USO DE BENS PÚBLICOS IMÓVEIS ente parceiro, devidamente habilitado, e deverá conter a avaliação da terra nua e das
Art. 11. A concessão de uso de bens públicos imóveis em Projetos de benfeitorias do imóvel.
Assentamento de reforma agrária, onerosa ou gratuita, é discricionária, possui natureza § 3º Para fins de autorização e cessão de uso poderá ser utilizado relatório
contratual e poderá ser outorgada à pessoa jurídica de direito privado, para a execução descritivo e, para concessão de uso gratuita ou onerosa e doação, deverá ser utilizado
de atividade reconhecida como de interesse público, social ou econômico com obrigatoriamente o relatório de avaliação.
Art. 22. O Chefe da Divisão de Desenvolvimento e Consolidação (SR/D)
obrigações recíprocas e passível de rescisão em caso de descumprimento.
encaminhará o processo ao Chefe da Divisão de Governança Fundiária (SR/F), para
§ 1º A concessão de uso de bens públicos imóveis será celebrada por
manifestação sobre a localização, o domínio, a matrícula, a certificação ou outra
contrato administrativo e deverá ser precedida de licitação, salvo nas hipóteses de característica de interesse, devendo ser acrescentadas outras informações julgadas
contratação direta admitidas na legislação. necessárias para a tomada de decisão.
§ 2º Caberá ao Superintendente Regional atestar nos autos a inviabilidade Parágrafo único. O disposto neste artigo não se aplica aos casos de
de competição que configura a excepcional hipótese de inexigibilidade de licitação ou autorização e cessão de uso quando não houver dúvida sobre a localização do
os motivos que justificam a sua dispensa. imóvel.
§ 3º A minuta de edital de licitação, quando for o caso, e do contrato de Art. 23. O Chefe da SR/D manifestará seu posicionamento de forma
concessão de uso de bem imóvel, serão objetos de análise prévia pela Procuradoria fundamentada e conclusiva, apontando o interesse público ou social da destinação do
Federal Especializada - PFE. bem público imóvel, bem como a sua conveniência e oportunidade, e encaminhará ao
§ 4º Quando se tratar de imóveis com benfeitorias edificadas pelo Incra, Superintendente Regional para deliberação.
será imprescindível a elaboração de relatório descritivo ou de avaliação, que ateste as Art. 24. O Superintendente Regional, subsidiado pelas manifestações da
condições das construções para fins de entrega e posterior recebimento dos bens. SR/D e da SR/F, encaminhará o processo à PFE, conforme o caso, e manifestar-se-á,
Art. 12. A concessão de uso deverá ser expedida com prazo determinado, fundamentadamente, sobre a destinação do bem público imóvel.
de até 10 (dez) anos, renováveis a critério do Incra, com obrigações recíprocas para § 1º Nos casos de doação e de concessão de uso é obrigatória a análise
as partes, e será extinta: jurídica da PFE, que subsidiará manifestação do Superintendente Regional com vistas à
I - pelo encerramento do prazo; decisão pelo Presidente do Incra.
II - pela celebração de instrumento de doação, se for o caso; e § 2º A PFE poderá ser instada a se manifestar a qualquer tempo, em caso
III - pela rescisão contratual. de dúvida jurídica devidamente delimitada.
§ 1º Cessada a concessão de uso em áreas de Projeto de Assentamento de § 3º Nos casos de cessão de uso a assinatura dos respectivos termos fica
reforma agrária, o imóvel deverá ser restituído imediatamente ao Incra. condicionada a autorização por parte do Comitê de Decisão Regional.
§ 4º Nos casos de concessão de uso e de doação, a assinatura dos
§ 2º As despesas relativas ao uso do bem público, tais como energia
respectivos termos fica condicionada a autorização por parte do Conselho Diretor.
elétrica, serviço de telefonia, manutenção predial, água e esgoto serão suportadas pela Art. 25. Constatada a necessidade de destinar bem público imóvel existente
concessionária. ou remanescente em Projetos de Assentamento de reforma agrária, em que não exista
§ 3º A restituição do imóvel deverá ser dar em condição igual ou superior requerimento formalizado, a Superintendência Regional realizará consulta oficial à
à da época da concessão de uso, sem quaisquer ônus para a administração pública. Secretaria do Patrimônio da União - SPU, bem como a entes federativos em que
Art. 13. A concessão de uso gratuita será realizada quando a atividade a ser estiver situado o bem.
desenvolvida no bem público imóvel for definida pelo Incra como de interesse público, § 1º A destinação resultante da consulta prevista no caput deste artigo
social ou econômico. seguirá, obrigatoriamente, os procedimentos cabíveis nesta Instrução Normativa.
Art. 14. A concessão de uso onerosa será realizada quando se pretender § 2º Havendo mais de um órgão ou ente federativo interessado no bem
realizar, no bem público imóvel, atividade lucrativa, de indústria e comércio, por ente público imóvel, terá prioridade aquele cuja proposta, a juízo do Incra, for mais benéfica
público ou privado, em que haja contrapartida do concessionário. à Autarquia agrária.
§ 1º A concessão de uso onerosa de que trata esta Instrução Normativa não § 3º Não havendo interesse de órgãos e entes federativos no bem público
inclui os empreendimentos anuídos pelo Incra disciplinados em regramento imóvel, o Incra realizará certame licitatório, nos termos da legislação de regência.
específico. CAPÍTULO VI
§ 2º O valor da contrapartida do concessionário pela utilização do bem DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
público imóvel será definido, em cada caso, após a realização de pesquisa de mercado, Art. 26. A autorização de uso, a cessão de uso e a concessão de uso de
devendo ser recolhido por meio de Guia de Recolhimento da União - GRU. bem público poderão ser realizadas mesmo que as áreas dos imóveis ainda não
CAPÍTULO IV estejam registradas em nome do Incra ou da União.
DA DOAÇÃO DE BENS PÚBLICOS IMÓVEIS Art. 27. Os modelos de autorização de uso (Anexo VII), de cessão de uso
Art. 15. Em caráter definitivo, poderão ser doados bens públicos imóveis (Anexo VIII), de concessão de uso gratuita (Anexo IX) e de título de doação (Anexo X)
remanescentes de Projetos de Assentamento, sob o domínio pleno do Incra. de bem público imóvel, constantes desta Instrução Normativa, serão de uso obrigatório
na instrução dos processos correspondentes.
§ 1º A doação de bens públicos a que se refere o caput será feita
§ 1º Fica dispensada a análise jurídica prévia dos modelos de instrumentos
exclusivamente para estados, Distrito Federal, municípios e entidades da Administração que compõem os anexos desta Instrução Normativa.
Pública indireta, independentemente de licitação, para a utilização de seus serviços ou § 2º Os extratos dos atos de autorização, cessão de uso, do contrato de
para as atividades ou obras reconhecidas como de interesse público ou social. concessão de uso e do título de doação deverão ser publicados no Diário Oficial da
§ 2º A doação de bens públicos a que se refere o caput, será precedida de União - DOU e no sítio eletrônico do Incra.
avaliação prévia, consulta à Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da Art. 28. Os bens públicos imóveis doados deverão ser destacados do
União da Secretaria Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados - SPU patrimônio do Incra, assim como as benfeitoras neles existentes, devendo o processo
sobre eventual interesse no imóvel objeto da doação, desde que comprovado que o ser encaminhado à Divisão Operacional - SR/O, para fins de baixa patrimonial e
imóvel tenha sido destinado à implantação de infraestrutura de interesse público ou contábil.
social e com manifestação técnica a respeito. Art. 29. Celebrado o instrumento de doação, uma cópia da planta e do
§ 3º Os assentados no Projeto de Assentamento serão previamente memorial descritivo ou o código do bem público imóvel constante no Sistema de
consultados sobre a doação. Gestão Fundiária - SIGEF deverá compor o livro fundiário digital.
§ 4º A doação de bens públicos imóveis a que se refere o caput, deve ser Art. 30. Os processos de doação e o livro fundiário digital deverão estar
priorizada em detrimento dos instrumentos de destinação provisória, especialmente relacionados no Sistema Eletrônico de Informação - SEI ao processo de criação do
quando se tratar de Projetos de Assentamento em fase de consolidação. Projeto de Assentamento de reforma agrária.
§ 5º Para que seja efetuada a doação, os bens públicos imóveis Art. 31. O título de doação deverá ser protocolado para registro pelo
remanescentes de Projetos de Assentamento deverão estar devidamente matriculados, donatário na matrícula do bem público doado, nos 30 (trinta) dias subsequentes à data
certificados e registrados em nome do Incra. de sua expedição.
§ 6º Em Projetos de Assentamento de reforma agrária localizados em faixa Art. 32. Os procedimentos previstos nesta Instrução Normativa aplicam-se
de fronteira, a doação do bem público imóvel deverá ser precedida do assentimento aos processos já em andamento.
prévio do Conselho de Defesa Nacional - CDN, nos termos da legislação vigente. Art. 33. Nos casos em que a Superintendência Regional identifique a
existência de uso do bem público imóvel não autorizado previamente pelo Incra,
§ 7º Nos casos em que houver o assentimento prévio do CDN para fins de
deverá realizar notificação ao responsável, para regularização, quando possível, ou para
titulação definitiva no Projeto de Assentamento, fica dispensada nova solicitação para desocupação, nos termos da lei.
fins de doação de bens públicos imóveis. Art. 34. Os casos omissos relativos à aplicação desta Instrução Normativa
Art. 16. A avaliação do bem público imóvel a ser doado será realizada com serão dirimidos pela Diretoria de Desenvolvimento e Consolidação de Projetos de
base na Planilha de Preço Referencial - PPR vigente, dispensada a vistoria quando não Assentamento - DD.
houver benfeitorias edificadas pelo Incra. Art. 35. Revoga-se a Norma de Execução nº 33, de 14 de julho de 2003.
Art. 17. A doação será sempre com encargo, devendo o bem público imóvel Art. 36. Esta Instrução Normativa entra em vigor em 03 de novembro de
ser utilizado pelo donatário para a finalidade prevista no termo de doação. 2021.
Parágrafo único. O bem público imóvel doado será revertido ao Incra
quando: GERALDO JOSÉ DA CÂMARA FERREIRA DE MELO FILHO

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 6 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200006 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

ANEXO I
MODELO DE REQUERIMENTO DO INTERESSADO
TIMBRE DO ÓRGÃO/ENTIDADE, SE HOUVER
OFÍCIO XXXXXXXXXXXXXX
Cidade/UF, xx de xx de 202X.
À(o) Senhor(a)
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
Superintendente Regional do Incra no XXXXXX
Assunto: Destinação de bem público imóvel
Senhor(a) Superintendente,
Com os nossos cordiais cumprimentos, trata o presente da solicitação de (informar qual forma de destinação: autorização de uso, concessão de uso gratuita, concessão de uso
onerosa e doação) do bem público imóvel (descrever sucintamente o imóvel com as benfeitorias edificadas pelo INCRA, se houver), que está localizado (indicar o endereço).
O imóvel e suas benfeitorias (se houver) serão utilizados com a finalidade de (indicar expressamente a finalidade do uso do imóvel, em atendimento ao interesse público, se
solicitado por ente público; e ao interesse público ou social, se solicitado por ente privado).
Para tanto, seguem anexos os documentos relacionados no Anexo II da Instrução Normativa Incra nº 107, de outubro de 2021, conforme descritos abaixo:
Constituição do Estado ou Lei Orgânica do Distrito Federal ou Municípios vigentes;
Inscrição no CNPJ;
Contrato ou Estatuto Social;
Ata de criação e da atual diretoria da organização, em caso de associação, cooperativa ou outra forma de organização social;
Plano de Ordenamento Territorial Municipal, quando houver, nos casos de expansão urbana (plano diretor), para os municípios;
Documentos comprobatórios da regularidade jurídica e fiscal atualizados;
Documentação pessoal do requerente (carteira de identidade, CPF, comprovante de endereço, diploma e termo de posse, se Prefeito ou Governador);
Croqui do imóvel requerido;
Peças técnicas de demarcação, medição, georreferenciamento (planta e memorial descritivo, se houver) do imóvel.
Acrescentar outras informações de julgar relevante.
Nesses Termos,
Pede Deferimento.
Atenciosamente,
Nome e assinatura do representante legal
ANEXO II
RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA INSTRUMENTOS DE DESTINAÇÃO DE BENS PÚBLICOS IMÓVEIS
A relação dos documentos a serem apresentados pelos interessados na destinação do bem público imóvel e para instrução processual estão contidos nos Quadros 1 e 2,
respectivamente.
Quadro 1. Relação dos documentos a serem apresentados pelos interessados na destinação do bem público imóvel
. ITEM DOCUMENTO Autorização de Uso Cessão de Uso Concessão de Uso Doação
. 1 Requerimento fundamentado, indicando expressamente o imóvel de interesse, o objetivo do X x x x
uso e a forma da destinação.
. 2 Constituição do Estado ou Lei Orgânica do Distrito Federal ou Municípios vigentes. x x x
. 3 Inscrição no CNPJ. X x x x
. 4 Contrato ou Estatuto Social. X x x x
. 5 Ata de criação e da atual diretoria da organização, em caso de associação, cooperativa ou X x x
outra forma de organização social.
. 6 Plano de Ordenamento Territorial Municipal, quando houver, nos casos de expansão urbana x x x
(plano diretor), para os municípios.
. 7 Documentos comprobatórios da regularidade jurídica e fiscal atualizados. X x x x
. 8 Documentação pessoal do requerente (carteira de identidade, CPF, comprovante de endereço, X x x x
diploma e termo de posse, se Prefeito ou Governador).
. 9 Croqui do imóvel requerido. X x
. 10 Peças técnicas de demarcação, medição, georreferenciamento (planta e memorial descritivo, x x x
se houver) do imóvel.

Quadro 2. Relação dos documentos para instrução processual


. Item Documento Autorização de Uso Cessão de Uso Concessão de Uso Doação Responsável
. 1 Requerimento fundamentado, indicando expressamente o imóvel de interesse, x x X x Requerente
o objetivo do uso e a forma da destinação.
. 2 Constituição do Estado ou Lei Orgânica do Distrito Federal ou Municípios x X x Requerente
vigentes.
. 3 Inscrição no CNPJ. x x X x Requerente
. 4 Contrato ou Estatuto Social. x x X x Requerente
. 5 Ata de criação e da atual diretoria da organização, em caso de associação, x X x Requerente
cooperativa ou outra forma de organização social.
. 6 Plano de Ordenamento Territorial Municipal, quando houver, nos casos de x X x Requerente
expansão urbana (plano diretor), para os municípios.
. 7 Documentos comprobatórios da regularidade jurídica e fiscal atualizados. x x X x Requerente
. 8 Documentação pessoal do requerente (carteira de identidade, CPF, x x X x Requerente
comprovante de endereço, diploma e termo de posse, se Prefeito ou
Governador).
. 9 Croqui do imóvel requerido. x x Requerente
. 10 Peças técnicas de demarcação, medição, georreferenciamento (planta e x X x Requerente
memorial descritivo) do imóvel.
. 11 Portaria de criação do assentamento. x X x INCRA SR
. 12 Relação dos beneficiários do Projeto de Assentamento. X x INCRA SR
. 13 Cadastro Ambiental Rural - CAR do perímetro e Lote CAR, se houver. X x INCRA SR
. 14 Georreferenciamento e Certificação do perímetro do assentamento, quando X x INCRA SR
houver.
. 15 Certidão de Registro do imóvel. X x INCRA SR
. 16 Relatório descritivo do imóvel. x x X x Requerente, ente parceiro
ou INCRA SR
. 17 Relatório de avaliação do imóvel. X x Requerente, ente parceiro
ou INCRA SR
. 18 Validação das peças técnicas: localização, domínio, matrícula, certificação e/ou x x X x INCRA SR
outra característica de interesse, se couber.
. 19 Assentimento prévio do Conselho de Defesa Nacional - CDN. x INCRA SR
. 20 Manifestação técnica (Anexo IV).
. 21 Ata do CDR. X x INCRA SR
. 22 Resolução do CDR. X x INCRA SR
. 23 Ata do CD. X x INCRA Sede
. 24 Resolução do CD. X x INCRA Sede
. 25 Minuta do Instrumento de destinação. x x X x INCRA SR

ANEXO III
MINUTA DE ORDEM DE SERVIÇO
O(A) SUPERINTENDENTE REGIONAL DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA no Estado do xx, nomeado por meio da Portaria/INCRA/P nº xx,
de xx/xx/xxxx, publicada no Diário Oficial da União em xx/xx/xxxx, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 118, IX, do Regimento Interno do INCRA, aprovado pela
Portaria/Incra/P nº 531, de 23 de março de 2020, publicada no D. O. U. de 24 de março de 2020, bem como pelo art. 18 da Instrução Normativa Nº 107, de outubro de 2021,
Considerando a Instrução Normativa Nº 107, de outubro de 2021.
Considerando a necessidade de destinar bens públicos imóveis, existentes em Projetos de Assentamento de reforma agrária, sob o domínio do INCRA ou da União;
Considerando a necessidade de eficiência e eficácia no desempenho das atividades a serem desenvolvidas, resolve:
Art. 1º Nomear servidor/Instituir grupo de trabalho no âmbito desta Superintendência Regional-XX, composto pelos seguintes servidores:
. NOME CARGO MATRÍCULA
.

Art. 2º A Coordenação do grupo de trabalho ficará a cargo do(a) servidor(a) xx (se houver grupo de trabalho);
Art. 3º O servidor/grupo de trabalho terá como principais atribuições:

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 7 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200007 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

I - instruir e analisar o processo administrativo;


II - elaborar relatório ou avaliação, devidamente datado e assinado;
III - emitir manifestação técnica;
IV - elaborar minuta do instrumento de destinação;
V - inserir uma cópia do instrumento de doação no Livro Fundiário Digital, juntamente com uma cópia da planta e do memorial descritivo ou o código do imóvel constante no
SIGEF;
VI - relacionar no SEI os processos de doação e o Livro Fundiário Digital ao processo de criação do Projeto de Assentamento;
VII - encaminhar o processo de doação à Divisão Operacional - SR(00)O para baixa patrimonial e contábil;
VIII - identificar os requerimentos e processos em trâmites de destinação existentes na Superintendência Regional;
IX - identificar e relacionar os bens imóveis em Projetos de Assentamento de reforma agrária, passíveis de destinação, em processo específico no SEI, e dar ciência ao Chefe da
SR(00)D e ao Superintendente Regional; e
X - Desempenhar outras atividades compatíveis com suas atribuições, previstas na Instrução Normativa nº 107, de outubro de 2021.
Art. 4º Determinar as Divisões e solicitar à Procuradoria Federal Especializada - PFE que prestem todo o apoio necessário ao fiel cumprimento da presente Ordem de
Serviço.
Art. 5º Esta Ordem de Serviço entra em vigor na data de sua publicação.
Dê ciência, publique-se e cumpra-se.
Cidade/UF, xx de xx de 202X.
Superintendente Regional
ANEXO IV
MODELO DE RELATÓRIO DESCRITIVO DE BEM PÚBLICO IMÓVEL
RELATÓRIO DESCRITIVO DA SITUAÇÃO ATUAL DO IMÓVEL
INTERESSADO: XXXXXXXXXXXXXXX.
Assunto: Situação atual de imóvel para Autorização de Uso/Permissão de Uso/Concessão de Uso Gratuita/Concessão de Uso Onerosa/Doação.
1 - CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVOS
O presente relatório descritivo trata da área de terra denominada XXXXXXXXXX, situada no PA XXXXXXXXX, com o objetivo de apontar as condições/situação em que se encontra
a área e benfeitorias (se houver) do imóvel em questão, requisito(s) necessário(s) à instrução do processo de autorização de uso/cessão e posterior recebimento dos bens, conforme o
disposto na Instrução Normativa Nº 107, de outubro de 2021.
2 - IDENTIFICAÇÃO DO IMÓVEL
As informações principais do imóvel em questão estão descritas no Quadro 1.
Quadro 1. Informações principais do imóvel.
. Gleba/Projeto Área Requerida Município Área (ha)
.

Além disso, o imóvel possui as seguintes benfeitorias edificadas pelo INCRA: xxxxxxxxx, xxxxxxxx, xxxxxxx, xxxxxxxxx, conforme registros fotográficos constantes na Figura 1 (se
houver).
Figura 1. Registros fotográficos das benfeitorias existentes no imóvel
3 - DESCRIÇÃO do imóvel
Descrever o imóvel, apontando as condições em que se encontram e a situação do atual dos bens.
4 - CONCLUSÃO
A situação atual e as condições em que se encontram o imóvel e suas benfeitorias (se houver) foram descritas neste relatório, para fins de destinação provisória ao requerente
e posterior recebimento pelo Incra, o pedido atende ao interesse público ou social e, portanto, sugerimos, s.m.j., a celebração da (autorização de uso/cessão de uso).
OU
A situação atual e as condições em que se encontram o imóvel e suas benfeitorias (se houver) foram descritas neste relatório, todavia, NÃO atende aos requisitos para destinação
provisória, constantes na Instrução Normativa XX, de XXXXXXXX de 2021, e/ou o pedido não atende ao interesse público ou social e, portanto, sugerimos, s.m.j., o indeferimento do pedido
de (autorização de uso/cessão de uso).
Cidade/UF, xx de xx de 20xx.
Nome e assinatura do(s) servidor(es) responsáveis pelo relatório
ANEXO V
MODELO DE RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE BEM PÚBLICO IMÓVEL
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMÓVEL
INTERESSADO: XXXXXXXXXXXXXXX.
Assunto: Avaliação de bem público imóvel para concessão de uso/doação
1 - CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVOS
O presente relatório trata da avaliação da área de terra denominada XXXXXXXXXX, situada no PA XXXXXXXXX, com o objetivo de determinação do valor da terra nua (VTN) e de
benfeitorias (se for o caso) do imóvel em questão, requisito(s) necessário(s) à instrução do processo de Concessão de Uso Onerosa/Doação para a XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX, conforme o
disposto na Instrução Normativa Nº 107, de outubro de 2021.
2 - IDENTIFICAÇÃO DO IMÓVEL
As informações principais do imóvel em questão estão descritas no Quadro 1.
Quadro 1. Informações principais do imóvel.
. Gleba/Projeto Área Requerida Município Área (ha)
. XXXXXXX XXXXXX XXXXXX XXXX

Além disso, o imóvel possui as seguintes benfeitorias edificadas pelo INCRA: xxxxxxxxx, xxxxxxxx, xxxxxxx, xxxxxxxxx, conforme registros fotográficos constantes na Figura 1 (se
houver).
Figura 1. Registros fotográficos das benfeitorias existentes no imóvel (se houver).
3 - AVALIAÇÃO DO IMÓVEL
O valor da terra nua por hectare (VTN/ha) da área em questão foi determinado com base nos valores mínimos da Planilha de Preço Referencial - PPR de Terras e Imóveis Rurais
do INCRA no Estado do XXXXXX (ano), conforme recorte constante na Figura 2, de acordo com o artigo 26, parágrafo 4º, da Lei 11.952/2009 e com base a Instrução Normativa Nº 107, de
outubro de 2021, sendo avaliada em R$ XX.XXX,XX (Quadro 2).
Figura 2. Recorte com os valores utilizados da Planilha de Preço Referencial - PPR de Terras e Imóveis Rurais do INCRA no Estado do XXXX (ANO).
Fonte: inserir o link do local onde a PPR foi publicada.
Quadro 2. Determinação do valor da terra nua
. Gleba/Projeto Imóvel Avaliado Área (ha) VTN / ha (R$)* Valor total (R$)
. XXXXX XXXXX XXXX XXX XXX
. TOTAL

* VTN/ha obtido a partir do valor mínimo da Planilha de Preço referencial - PPR para a região.
Considerando que no imóvel não existem benfeitorias implantadas ou edificadas pelo INCRA, a avaliação recaiu somente sobre a terra nua.
OU
As benfeitorias edificadas pelo INCRA foram avaliadas de acordo com os "valores de aquisição/contratação pela Autarquia" ... ou ... "valores dos bens praticados na região", bem
como tomando-se como referência o prazo de vida útil e a taxa anual de depreciação definido pela Receita Federal do Brasil (link da referência da Receita Federal), conforme constam no
Quadro 3.
Quadro 3. Valor da avaliação das benfeitorias edificadas pelo Incra existentes no imóvel
. Benfeitoria Valor inicial/novo(a) Vida útil (anos) Valor da depreciação Valor da benfeitoria (R$)
. XXXXX R$ XXXXX XX,XXX XXX,XX XX.XXX,XX
. XXXXX R$ XXXXX XX,XXX XXX,XX XX.XXX,XX
. XXXXXX R$ XXXXX XX,XXX XXX,XX XX.XXX,XX
. TOTAL

4 - CONCLUSÃO
Considerando o atendimento do pedido ao interesse público ou social, com base na metodologia utilizada nesta avaliação, conclui-se para o referido imóvel o valor de R$
XX.XXX,XX (XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX), sendo R$ XX.XXX,XX (XXXXXXXXXXXXXXXXXXX) referente à terra nua e R$ XX.XXX,XX (XXXXXXXXXXXXXXXXXXX) às benfeitorias edificadas pelo Incra
e, portanto, sugerimos, s.m.j., a celebração da (concessão de uso gratuita/concessão de uso onerosa/doação).
OU
Considerando o atendimento do pedido ao interesse público ou social, com base na metodologia utilizada nesta avaliação, conclui-se para o referido imóvel o valor de R$
XX.XXX,XX (XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX), sendo R$ XX.XXX,XX (XXXXXXXXXXXXXXXXXXX) referente à terra nua e R$ XX.XXX,XX (XXXXXXXXXXXXXXXXXXX) às benfeitorias edificadas pelo Incra.
Todavia, o pedido NÃO atende ao previsto na Instrução Normativa Nº 107, de outubro de 2021, motivo pelo qual sugerimos, s.m.j., o indeferimento da (concessão de uso gratuita/concessão
de uso onerosa/doação) do bem público imóvel.
Cidade/UF, xx de xx de 20xx.
Nome e assinatura do(s) servidor(es) responsáveis pela avaliação
ANEXO VI
MODELO DE MANIFESTAÇÃO TÉCNICA PARA DESTINAÇÃO DE BEM PÚBLICO IMÓVEL
INTERESSADO: XXXXXXXXX
ASSUNTO: Manifestação técnica sobre o requerimento de destinação de bem público imóvel localizado em Projeto de Assentamento de reforma agrária
Senhor Chefe,
Trata-se da análise e instrução do processo de destinação de bem público imóvel existente em Projeto de Assentamento de reforma agrária, por meio de (autorização, cessão,
concessão ou doação), requerido por xxxxxxxxxxxxxxxxx, com área de xx,xxxx hectares, localizado no Projeto de Assentamento xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, Município de xxxxxxxxxxxxx/xx,
conforme documentos constantes nestes autos.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 8 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200008 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL
O presente parecer está fundamentado na Instrução Normativa Nº 107, de outubro de 2021, que define critérios e procedimentos administrativos para destinação de bens
públicos imóveis, existentes em Projetos de Assentamento de reforma agrária, sob o domínio do INCRA ou da União.
ANÁLISE DO PEDIDO
Abaixo, no Quadro 1, estão descritas todas as peças e documentos necessários, com seu acesso ao SEI e informação da sua situação (atendido, não atendido ou não se aplica),
utilizados como referência para proceder a análise do pedido de destinação do bem público imóvel localizado no PA xxxxxxx.
Quadro 1. Análise das peças e documentos objeto do pedido de destinação de bem público imóvel localizado no Projeto de Assentamento xxxxxxxxxxx.

. ITEM DOCUMENTO SEI SITUAÇÃO


. 1 Requerimento fundamentado, indicando expressamente o imóvel de interesse, o objetivo do uso e a forma da destinação.
. 2 Constituição do Estado ou Lei Orgânica do Distrito Federal ou Municípios vigentes.
. 3 Inscrição no CNPJ.
. 4 Contrato ou Estatuto Social.
. 5 Ata de criação e da atual diretoria da organização, em caso de associação, cooperativa ou outra forma de organização social.
. 6 Plano de Ordenamento Territorial Municipal, quando houver, nos casos de expansão urbana (plano diretor), para os municípios.
. 7 Documentos comprobatórios da regularidade jurídica e fiscal atualizados.
. 8 Documentação pessoal do requerente (carteira de identidade, CPF, comprovante de endereço, diploma e termo de posse, se Prefeito ou Governador).
. 9 Croqui do imóvel requerido.
. 10 Peças técnicas de demarcação, medição, georreferenciamento (planta e memorial descritivo) do imóvel.
. 11 Portaria de criação do assentamento.
. 12 Relação dos beneficiários do Projeto de Assentamento.
. 13 Cadastro Ambiental Rural - CAR do perímetro e Lote CAR, se houver.
. 14 Georreferenciamento e Certificação do perímetro do assentamento, quando houver.
. 15 Certidão de Registro do imóvel.
. 16 Relatório descritivo do imóvel.
. 17 Relatório de avaliação do imóvel.
. 18 Validação das peças técnicas: localização, domínio, matrícula, certificação e/ou outra característica de interesse, se couber.
. 19 Assentimento prévio do Conselho de Defesa Nacional - CDN.
. 20 Ata do CDR.
. 21 Resolução do CDR.
. 22 Minuta do instrumento de destinação.

O Projeto de Assentamento está localizado no município de xxxxxxxxxxxxx/xx, que tem o valor mínimo estabelecido em Planilha de Preço Referencial vigente, nos termos do
relatório de avaliação do imóvel (SEI nº xxx), de R$ xxxx,xx (xxxxxxxx) por hectare.
Verificou-se que é dispensado o assentimento prévio do Conselho de Defesa Nacional - CDN, por: se tratar de área localizada fora da faixa de fronteira;
OU
por já possuir assentimento para o assentamento para fins de titulação definitiva;
OU
É necessário solicitar o assentimento prévio do Conselho de Defesa Nacional - CDN, por se tratar de área inserida na faixa de fronteira.
Atesta-se, por fim, conforme análise, que no processo em referência fica dispensada de análise e emissão de parecer jurídico, nos termos da Instrução Normativa Nº 107, de
outubro de 2021.
OU
Verifica-se que, para o caso em tela, é necessário remeter o processo à PFE para emissão de parecer jurídico.
Sendo assim, com base nestes autos, são necessárias a adoção das seguintes providências:
I - encaminhar o processo ao Chefe da SR/F, para manifestação sobre a localização, o domínio, a matrícula, a certificação e/ou outra característica de interesse, devendo estes
acrescentarem outras informações que julgarem necessárias para a tomada de decisão;
II - elaborar minuta de ofício à Diretoria de Desenvolvimento e Consolidação de Projetos de Assentamentos - DD, solicitando assentimento prévio do Conselho de Defesa Nacional
- CDN;
III - remeter os autos à PFE para emissão de parecer jurídico;
IV - emitir instrumento de destinação do bem público imóvel, conforme minuta (SEI nº xxx);
V - xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx...
CONCLUSÃO
Realizada a análise, considerando o atendimento do pedido ao interesse público ou social, é possível concluir que a documentação apensada nestes autos atende aos requisitos
e/ou às condições para fins de destinação, motivo pelo qual sugerimos, s.m.j., a destinação do bem público imóvel, conforme pleiteado pelo requerente.
OU
Realizada a análise, considerando o atendimento do pedido ao interesse público ou social, é possível concluir que a documentação apensada aos autos NÃO atende aos requisitos
e/ou às condições para fins de destinação, estando pendente de comprovação o previsto no(s) iten(s) xxxxxxx do Quadro 1, motivo pelo qual sugerimos, s.m.j., solicitar complementação
da documentação ou informações, e, por conseguinte, submeter a nova análise deste servidor/grupo de trabalho.
OU
Conforme demonstrado acima, o processo encontra-se devidamente instruído. Assim, se sugere o DEFERIMENTO / INDEFERIMENTO / COMPLEMENTAÇÃO DE DOCUMENTOS E/OU
INFORMAÇÕES, para a emissão / celebração do instrumento de destinação do bem imóvel, conforme proposto.
Dessa forma, remete-se o presente processo ao Chefe da Divisão de Desenvolvimento e Consolidação de Projetos de Assentamento - SR/D para, se de acordo, para manifestação
conclusiva ou demais providências que se aplicarem, com vistas ao Superintendente Regional.
[Assinatura eletrônica]
ANEXO VII A presente Autorização de Uso pode ser revogada a qualquer tempo, em caso
de descumprimento, ou de acordo com a conveniência e oportunidade desta Autarquia
MODELO DE AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PÚBLICO IMÓVEL Federal, após notificação do(a) autorizatário(a).
AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PÚBLICO IMÓVEL Cidade/UF, xx de xx de 202xx.
O(A) SUPERINTENDENTE REGIONAL DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO Assinatura do Superintendente Regional
E REFORMA AGRÁRIA NO ESTADO DO XXXXX, nomeado por meio da Portaria/INCRA/P nº Ciência do(a) autorizatário(a)
xx, de xx/xx/xxxx, publicada no Diário Oficial da União em xx/xx/xxxx, no uso de suas Testemunha 1 _____________________________________________________
atribuições legais e regulamentares, em especial o disposto no art. 118, incisos XI e XIX, Nome: _____________________ CPF: _____________ RG:________________
do Regimento Interno da INCRA, aprovado pela Portaria nº 531, de 23 de março de 2020, Testemunha 2 _____________________________________________________
publicada no D. O. U. de 24 de março de 2020, bem como a Instrução Normativa Nº 107, Nome: _______________________ CPF: ______________ RG:_____________
de outubro de 2021, e considerando ainda o teor do Processo nº XXXX, resolve:
AUTORIZAR O USO do bem imóvel localizado (descrever os dados principais do ANEXO VIII
imóvel), de propriedade do Incra (ou posse, conforme o caso) ou da União (quando for o
caso), à XXXXXX (nome, CNPJ ou CPF), representado(a) por (se pessoa jurídica digite CESSÃO DE USO
nome, CPF, RG, órgão expedidor, endereço de domicílio), conforme as seguintes O(A) SUPERINTENDENTE REGIONAL DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO
condições: E REFORMA AGRÁRIA NO ESTADO DO XXXXX, nomeado por meio da Portaria/INCRA/P nº
CLÁUSULA PRIMEIRA: DA PRECARIEDADE E DA REVOGABILIDADE xx, de xx/xx/xxxx, publicada no Diário Oficial da União em xx/xx/xxxx, no uso de suas
A presente autorização de uso de bem público é de natureza unilateral, atribuições legais e regulamentares, em especial o disposto no art. 118, incisos XI e XIX,
precária e discricionária, podendo ser revogada a qualquer tempo pelo Incra, por razões do Regimento Interno da INCRA, aprovado pela Portaria nº 531, de 23 de março de 2020,
de conveniência e oportunidade, sem direito à indenização por parte do autorizatário. publicada no D. O. U. de 24 de março de 2020, bem como a Instrução Normativa Nº 107,
CLÁUSULA SEGUNDA: DA DESTINAÇÃO E DO USO DO BEM PÚBLICO IMÓVEL de outubro de 2021, e considerando ainda o teor do Processo nº XXXX, resolve:
O imóvel descrito deverá ser utilizado exclusivamente para xxxxxxx (descrever CEDER O USO do bem imóvel localizado (descrever os dados principais do
a finalidade para a qual o imóvel será utilizado). imóvel), de propriedade do Incra (ou posse, conforme o caso) ou da União (se for o caso)
CLÁUSULA TERCEIRA: DOS DEVERES DO AUTORIZATÁRIO à XXXXX (digite aqui os dados do órgão ou entidade cessionária], representado(a) por
I - observar fielmente a destinação para a qual foi autorizado o uso do bem, (dados da autoridade que representa o órgão ou entidade: nome, CPF, RG, órgão
zelando e mantendo o imóvel sob sua guarda e responsabilidade, sendo-lhe vedado ceder expedidor e endereço de domicílio), conforme as seguintes condições:
seu uso a terceiro, a qualquer título; CLÁUSULA PRIMEIRA: DA PRECARIEDADE E DA REVOGABILIDADE
II - responder perante o poder público e arcar com todas as despesas A presente Cessão de Uso de bem público é de natureza unilateral, precária e
decorrentes desta Autorização de Uso, responsabilizando-se também, pelas despesas com discricionária, podendo ser revogada a qualquer tempo pelo Incra, por razões de
energia elétrica, serviço de telefonia, manutenção predial, água e esgoto, entre outros, conveniência e oportunidade, sem direito à indenização por parte do cessionário.
conforme o caso; CLÁUSULA SEGUNDA: DA DESTINAÇÃO E DO USO DO BEM PÚBLICO IMÓVEL
III - observar as normas ambientais, preservando os recursos naturais do O imóvel descrito deverá ser utilizado exclusivamente para XXXX (descrever a
imóvel, as áreas de preservação permanente e de reserva legal, vedada a utilização destas finalidade para a qual o imóvel será utilizado).
últimas, mesmo mediante manejo sustentável; CLÁUSULA TERCEIRA: DOS DEVERES DO CESSIONÁRIO
IV - não edificar quaisquer benfeitorias e/ou reformar o bem ora cedido, sem I - observar fielmente a destinação para a qual foi cedido o uso do bem,
a prévia e expressa anuência do Incra; zelando e mantendo o imóvel sob sua guarda e responsabilidade, sendo-lhe vedado ceder
V - obter licenças, anuências e demais autorizações para utilização do imóvel, seu uso a terceiro, a qualquer título;
nos termos da legislação vigente; e II - responder perante o poder público e arcar com todas as despesas
VI - devolver o imóvel ao Incra, no prazo de 10 (dez) dias, após a revogação decorrentes desta cessão de uso, responsabilizando-se também, pelas despesas com
desta Autorização de Uso, em condição igual ou superior, sob pena de responsabilização energia elétrica, serviço de telefonia, manutenção predial, água e esgoto, entre outros,
nas esferas administrativa, cível e penal, conforme o caso. conforme o caso.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 9 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200009 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

III - observar as normas ambientais, preservando os recursos naturais do 6.1.3 rescisão.


imóvel, as áreas de preservação permanente e de reserva legal, vedada a utilização destas 7. CLÁUSULA SÉTIMA - DA RESCISÃO
últimas, mesmo mediante manejo sustentável; 7.1 O presente instrumento poderá ser rescindido, de forma justificada e
IV - não edificar quaisquer benfeitorias e/ou reformar o bem sem prévia e fundamentada, a qualquer tempo, por qualquer um dos contratantes, desde que estejam
expressa anuência do Incra; em dia com as obrigações ora assumidas, sem que a CONCESSIONÁRIA tenha qualquer
V - obter licenças, anuências e demais autorizações para utilização do imóvel, direito de indenização, mediante comunicação formal, com aviso prévio de, no mínimo, 30
nos termos da legislação vigente; e (trinta) dias, nas seguintes situações:
VI - devolver o imóvel ao Incra, no prazo de 10 (dez) dias, após a revogação 7.1.1 for dada utilização diversa para a área concedida da que foi destinada,
da presente cessão de uso, em condição igual ou superior, sob pena de responsabilização nos termos deste contrato;
nas esferas administrativa, cível e penal, conforme o caso. 7.1.2 ocorrer renúncia à concessão ou se a CONCESSIONÁRIA deixar de exercer
A presente Cessão de Uso pode ser revogada a qualquer tempo, em caso de suas atividades específicas ou, ainda, na hipótese de sua extinção, liquidação ou
descumprimento, ou de acordo com a conveniência e oportunidade desta Autarquia falência;
Federal, após notificação do(a) cessionário(a). 7.1.3 houver, em qualquer época, necessidade do CONCEDENTE dispor, para
Cidade/UF, xx de xx de 202xx. seu uso, da área vinculada a este contrato;
Assinatura do(a) Superintendente Regional 7.1.4 ocorrência de caso fortuito ou de força maior, regularmente comprovado,
Ciência do(a) Cessionário(a) impeditivo da execução do objeto
Testemunha 1 _____________________________________________________ 8. CLÁUSULA OITAVA - DAS OMISSÕES
Nome: ______________________ CPF: ____________ RG:________________ 8.1 Os casos omissos ao presente contrato serão resolvidos com base nas
Testemunha 2 _____________________________________________________ normas internas do INCRA que tratam sobre o tema e em outras normas aplicáveis à
Nome: _________________________ CPF: ____________ RG:_____________ concessão de uso de bem público imóvel.
9. CLÁUSULA NONA - DA PUBLICAÇÃO
ANEXO IX 9.1 Como condição indispensável para sua eficácia, o presente contrato será
CONTRATO DE CONCESSÃO DE USO GRATUITA DE BEM PÚBLICO IMÓVEL publicado em Boletim Interno do INCRA e na página da CONCEDENTE na internet.
10. CLÁUSULA DÉCIMA - DO FORO
. Contrato de concessão de uso gratuita de bem público imóvel, que o 10.1 Fica eleito o foro da Justiça Federal, Seção Judiciária da (Capital do Estado
Incra/SR(00)XX celebra com a XXXXX. de localização do bem), para dirimir quaisquer dúvidas oriundas do presente instrumento
contratual.
O INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA, 10.2 E, por estarem assim justos e contratados, firmam o presente instrumento
Autarquia Federal criada pelo Decreto-Lei n° 1.110, de 09 de julho de 1970, alterado pela de concessão de uso de bem público, de forma presencial ou eletrônica, em duas vias de
Lei n° 7.231, de 23 de outubro de 1984, com sede em Brasília - DF, inscrito no CNPJ/MF igual teor, juntamente com 2 (duas) testemunhas.
nº 00375.972/0001-60, neste ato representado pelo Presidente, Sr(ª) xxxxxxxxxxx, Cidade/UF, xx de xx de 202xx.
nomeado por meio da Portaria n°. xxxx, de xx de xxxxxxx de 20xx, publicada no Diário Assinatura do Presidente do Incra
Oficial da União em xx de xxxxx de 20xx, portador do registro geral nº xxxx e CPF nº xxxx, CONCEDENTE
residente e domiciliado em xxxxx, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, em Assinatura do(a) representante legal da concessionária
especial o disposto no art. 110, incisos I e IV, do Regimento Interno da INCRA, aprovado Cargo/função
pela Portaria nº 531, de 23 de março de 2020, publicada no D. O. U. de 24 de março de CONCESSIONÁRIA
2020, bem como a Instrução Normativa Nº 107, de outubro de 2021, doravante Testemunha 1 ____________________________________________________
simplesmente denominado CONCEDENTE; e a XXXXXXXXX, pessoa jurídica de direito Nome: ________________________ CPF: ______________ RG:____________
privado, com sede em xxxxxx, no endereço xxxxxx xxxxxx, inscrita no CNPJ/MF nº Testemunha 2 ____________________________________________________
xxxxxxxx, neste ato representada por xxxxxxxxxxxxxxxx, portador(a) do registro geral nº Nome: _______________________ CPF: _____________ RG:______________
XXXXXXX e CPF nº XXXXX, residente e domiciliado(a) em xxxxx, doravante denominada
simplesmente CONCESSIONÁRIA; observadas as disposições constantes do art. 70 do ANEXO X
Decreto n° 59.428, de 27 de outubro de 1966 e alterações, bem como o que consta do
Processo Administrativo n°. xxxxxxxx; resolvem celebrar a presente Concessão de Uso MODELO DE TÍTULO DE DOAÇÃO DE BEM PÚBLICO IMÓVEL
Gratuita de bem público imóvel, mediante as cláusulas e condições a seguir: TÍTULO DE DOAÇÃO N°
1. CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO O INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA,
1.1. O objeto da presente concessão de uso gratuita é um bem público imóvel, Autarquia Federal criada pelo Decreto-Lei n° 1.110, de 09 de julho de 1970, alterado pela
localizado no xxxxxxxx, com área de xxxx hectares, bem como as benfeitorias nele Lei n° 7.231, de 23 de outubro de 1984, com sede em Brasília - DF, inscrito no CNPJ/MF
edificadas (citar as edificações existentes, se for o caso), no Projeto de Assentamento nº 00375.972/0001-60, neste ato representado pelo Superintendente Regional no xxxxxx,
XXXX, Município de xxxxxxxx, Estado do xxxxxx. Sr(ª) xxxxxxxxxxx, nomeado por meio da Portaria n°. xxxx, de xx de xxxxxxx de 20xx,
2. CLÁUSULA SEGUNDA - DA FINALIDADE publicada no Diário Oficial da União em xx de xxxxx de 20xx, portador do registro geral nº
2.1. O presente contrato de concessão de uso de bem público imóvel, a título xxxx e CPF nº xxxx, residente e domiciliado em xxxxx, no uso de suas atribuições legais e
gratuito, tem por finalidade (descrever a finalidade do uso), sendo vedada sua utilização regulamentares, em especial o disposto no art. 110, incisos I e IV, do Regimento Interno da
para fim diverso do acordado neste instrumento. INCRA, aprovado pela Portaria nº 531, de 23 de março de 2020, publicada no D. O. U. de
2.2. A utilização do bem público imóvel concedido para finalidade diversa da 24 de março de 2020, bem como a Instrução Normativa nº 107, de outubro de 2021 e o
prevista neste Instrumento importará na imediata reversão do bem ao CONCEDENTE. que consta do Processo Administrativo n°. xxxxxxxx, doravante simplesmente denominado
3. CLÁUSULA TERCEIRA - OBRIGAÇÕES DO CONCEDENTE DOADOR, celebra com o Município/Estado/DF XXXXXXXXX, com sede em xxxxxx, no
3.1. Conceder o uso bem público imóvel descrito na Cláusula Primeira à endereço xxxxxx xxxxxx, inscrito no CNPJ/MF nº xxxxxxxx, neste ato representado pelo
CONCESSIONÁRIA, para a finalidade indicada na Cláusula Segunda deste contrato. (Governador/Prefeito) Xxxxxxxxxxxxxxxx, portador(a) do registro geral nº XXXXXXX e CPF nº
3.2. Permitir a instalação, pela CONCESSIONÁRIA, do empreendimento ou da XXXXX, residente e domiciliado(a) em xxxxx, doravante denominada simplesmente
atividade, de acordo com as especificações constantes nos planos, programas e projetos DONATÁRIO, o presente título de doação, com força de escritura pública de bem público
aprovados pelo órgão regulador competente, incluindo as medidas de controle ambiental imóvel, mediante as seguintes cláusulas:
e de gestão de recursos naturais e exigências dos demais órgãos públicos federais, 1. CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO
estaduais, municipais ou distritais. 1.1. O objeto do presente título de doação é um bem público imóvel, localizado
Obs.: Poderão ser incluídas obrigações específicas a depender do caso em no xxxx (Detalhar as características do bem doado, localização, matrícula, confrontação e
concreto. outros dados que o identifiquem), de propriedade do Incra ou da União.
4. CLÁUSULA QUARTA - OBRIGAÇÕES DA CONCESSIONÁRIA 2. CLÁUSULA SEGUNDA - DA FINALIDADE
4.1. Observar fielmente a destinação para a qual foi cedido o uso do bem, de 2.1. O imóvel doado deverá ser utilizado pelo DONATÁRIO para (Descrever
acordo com a finalidade definida na Cláusula Segunda deste contrato, zelando e mantendo detalhadamente a finalidade da doação), sendo vedada sua utilização para fim diverso do
o imóvel sob sua guarda e responsabilidade, sendo-lhe vedado ceder seu uso a terceiro, a previsto neste instrumento.
qualquer título. 2.2 A utilização do bem público imóvel doado para finalidade diversa da
4.2. Responder perante o poder público e arcar com todas as despesas prevista nesta Cláusula importará na sua imediata reversão ao DOADOR.
decorrentes desta concessão de uso, responsabilizando-se também, pelas despesas com 2.3 Cessadas as razões que justificaram sua doação, o bem doado será
energia elétrica, serviço de telefonia, manutenção predial, água e esgoto, entre outros, revertido ao patrimônio do DOADOR, vedada sua alienação pelo DONATÁRIO.
conforme o caso. 3. CLÁUSULA TERCEIRA - DO PRAZO
4.3. Observar as normas ambientais, preservando os recursos naturais do 3.1. Por este instrumento é transferido ao DOADOR o domínio e demais direitos
imóvel, as áreas de preservação permanente e de reserva legal, vedada a utilização destas reais sobre a área doada, livre e desembaraçada de qualquer ônus, sendo fixado o prazo
últimas, mesmo mediante manejo sustentável. de 5 (cinco) anos, a contar da data de assinatura, prorrogável por igual período, para que
4.5. Respeitar as práticas para preservação e uso sustentável das áreas anuídas, sejam implementadas as ações necessárias a destinação do imóvel doado à finalidade
observando o caráter social, cultural, ambiental e o desenvolvimento econômico regional e prevista no presente título.
os direitos dos assentados do PNRA. 4. CLÁUSULA QUARTA - DOS DEVERES DO OUTORGADO
4.6. Não edificar quaisquer benfeitorias e/ou reformar o bem sem prévia e 4.1. São deveres do DONATÁRIO:
expressa anuência do Incra. 4.1.1 utilizar o bem doado exclusivamente para atendimento das finalidades
4.7. Obter licenças, anuências e demais autorizações para utilização do imóvel, descritas na Cláusula Segunda deste instrumento;
nos termos da legislação vigente. 4.1.2 permitir, a qualquer tempo, o ingresso no imóvel de representante do
4.8. Permitir que o CONCEDENTE realize as ações de fiscalização da execução INCRA, desde que devidamente credenciado, para fins de fiscalização do cumprimento do
do contrato, acolhendo as observações e exigências que por ela venham a ser feitas; objeto desta doação.
4.9. Não transferir a terceiros, por qualquer forma, nem mesmo parcialmente, 4.1.3 cumprir as normas ambientais, preservando os recursos naturais do
as obrigações assumidas. imóvel, as áreas de preservação permanente e de reserva legal, vedada a utilização destas
4.10. Restituir imediatamente o bem imóvel público ao CONCEDENTE, cessada últimas, mesmo mediante manejo sustentável.
a exploração ou rescindido o contrato. 4.1.4 protocolar o título de doação para registro na matrícula do bem público
Obs.: Poderão ser incluídas obrigações específicas a depender do caso em doado nos 30 (trinta) dias subsequentes à data de sua expedição.
concreto. 4.1.5. responsabilizar-se por todas as despesas que incidam sobre o imóvel
5. CLÁUSULA QUINTA - DO PRAZO DE VIGÊNCIA, DA PRORROGAÇÃO E DAS doado, inclusive pelas cartoriais.
ALTERAÇÕES 5. CLÁUSULA QUINTA - DA ANULAÇÃO DA DOAÇÃO
5.1. O prazo de vigência do presente contrato de concessão de uso de bem 5.1. A presente doação tornar-se-á nula, independente de interpelação judicial
público imóvel será de 10 (dez) anos, contados da data de sua assinatura, podendo ser ou extrajudicial, implicando em consequente reversão do bem público imóvel ao
prorrogado, a critério do Incra. patrimônio do DOADOR, sem direito a qualquer indenização ao DONATÁRIO, nos seguintes
5.2. A prorrogação da vigência do presente contrato deverá ser requerida pela casos:
CONCESSIONÁRIA em até 60 (sessenta) dias antes do seu vencimento, de forma 5.1.1 se for dada à área destinação diversa da prevista na Cláusula Segunda
fundamentada. deste Título;
5.3. O presente contrato poderá ser alterado, no todo ou em parte, mediante 5.1.2 se não forem implantadas as ações as ações necessárias a destinação do
termo aditivo, desde que mantido o seu objeto. imóvel doado à finalidade prevista no presente título no prazo estabelecido na Cláusula
5.4. Encerrado o prazo de vigência da concessão, o imóvel deverá ser restituído
Terceira.
imediatamente ao Incra, em condição igual ou superior a aquelas verificadas no momento
5.1.3 se houver descumprimento da legislação ambiental;
da destinação do bem, sob pena de responsabilização nas esferas administrativa, cível e
penal, conforme o caso. 6. CLÁUSULA SEXTA - DO FORO
6. CLÁUSULA SEXTA - DO ENCERRAMENTO 6.1. Fica eleito o Foro da Justiça Federal, Seção Judiciária da (Capital do Estado
6.1 O presente contrato de concessão de uso de bem público imóvel será de localização do bem), para dirimir quaisquer dúvidas originárias do presente título de
extinto por: doação.
6.1.1 advento do termo final, sem que os partícipes tenham, até então, firmado 6.2 E, por acharem justos e contratados, assinam as partes este título, por seus
aditivo para prorrogá-lo; representantes legais, juntamente com as testemunhas abaixo qualificadas, presentes a
6.1.2 consenso dos partícipes antes do advento do termo final de vigência, todo ato, que depois de lido e achado conforme, é registrado no Livro Fundiário Digital da
devendo ser devidamente justificado, fundamentado e formalizado; e Superintendência Regional no XXXX, tendo o mesmo a validade de escritura pública.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 10 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200010 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Cidade/UF, xx de xx de 202xx. SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL EM RONDÔNIA


Assinatura do(a) Presidente do Incra
DOADOR RETIFICAÇÕES
Assinatura do(a) prefeito/governador
DONATÁRIO Na Portaria/INCRA/SR-17/RO/Nº 070, de 04 de outubro de 2007, publicado no
Testemunha 1 ____________________________________________________ Diário Oficial da União - DOU nº 198, de 15 de outubro de 2007, seção 1, página 71, que
Nome: _______________________ CPF: ____________ RG:_______________ criou o PROJETO DE ASSENTAMENTO MADRE CRISTINA, código SIPRA nº RO0169000,
Testemunha 2 ____________________________________________________ localizado no município de Ariquemes/RO, onde se lê: área 899,9895 (oitocentos e noventa
Nome: ________________________ CPF: _____________ RG:_____________ e nove hectares, noventa e oito ares e noventa e cinco centiares), Leia-se: 885,1021
CONSELHO DIRETOR (oitocentos e oitenta e cinco hectares e dez ares e vinte e um centiares).
RESOLUÇÃO Nº 951, DE 18 DE OUTUBRO DE 2021 Na Portaria/INCRA/SR-17/RO/GAB/Nº 046, de 26 de Outubro de 2012,
publicado no Diário Oficial da União - DOU nº 217, de 09 de novembro de 2012, seção 1,
O CONSELHO DIRETOR DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA página 78, que criou o PROJETO DE ASSENTAMENTO RENATO NATAN, código SIPRA nº
AGRÁRIA - INCRA, Autarquia Federal criada pelo Decreto-Lei nº. 1.100, de 09 de julho de RO0226000, localizado no município de Corumbiara/RO, onde se lê: área de 290,1736
1970, alterado pela Lei nº. 7.231 de 23 de outubro de 1984, por seu Presidente, no uso das (duzentos e noventa hectares, dezessete ares e trinta e seis centiares), Leia-se: 273,4568
atribuições que lhe são conferidas pelo inciso VII do art. 19, da Estrutura Regimental (duzentos e setenta e três hectares, quarenta e cinco ares e sessenta e oito centiares).
aprovada pelo Decreto nº 10.252, de 20 de fevereiro de 2020, publicado no Diário Oficial
do dia 21 de fevereiro de 2020, combinado com o art. 110, do Regimento Interno da Na Portaria/INCRA/SR-17/RO/Nº 076, de 23 de Outubro de 2013, publicado no
Autarquia, aprovado pela Portaria/INCRA/P/Nº 531, de 23 de março de 2020, publicada no Diário Oficial da União - DOU nº 214, de 04 de novembro de 2013, seção 1, página 96, que
criou o PROJETO DE ASSENTAMENTO ALBERICO CARVALHO, código SIPRA nº RO0232000,
Diário Oficial da União do dia 24 de março de 2020, tendo em vista a decisão adotada em localizado no município de Chupinguaia/RO, onde se lê: área de 1.164,5312 ha (um mil,
sua 700ª Reunião, realizada em 21 de setembro de 2021; cento e sessenta e quatro hectares, cinquenta e três ares e doze centiares), Leia-se:
Considerando a necessidade de normatizar os procedimentos técnicos e 1.153,0974 ha (um mil cento e cinquenta e três hectares, nove ares e setenta e quatro
administrativos relacionados à consolidação de Projetos de Assentamento de reforma centiares).
agrária, de verificar os processos de consolidação já realizados e dos assentamentos que já
atingiram o prazo de quinze anos de sua implantação, bem como a necessidade de SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO TOCANTINS
consolidar aqueles que já cumpriram as condições exigidas nas normas legais e encerrar os
investimentos pelo Incra em infraestrutura básica; e RETIFICAÇÃO
Considerando as manifestações técnicas e jurídicas constantes do Processo Sei
Na Portaria INCRA SR-26/N° 084 de 06 de dezembro de 2005, publicada no
54000.082436/2020-90, que fundamentam a proposta de Instrução Normativa que D.O.U. Nº 236 de 09/12/2005, Seção 1 pág. 104, que criou o Projeto de Assentamento
estabelece critérios e procedimentos técnicos e administrativos para a consolidação de Santa Rita II, código SIPRA TO0371000, no município de Goianorte/TO, onde se lê: "...
Projetos de Assentamento de reforma agrária, sob gestão do Incra, resolve 3.233,3153 ha (três mil, duzentos e trinta e três hectares trinta e um ares e cinquenta e
Art. 1º Aprovar a Instrução Normativa Nº 106, de 18 outubro de 2021, que três centiares)", leia-se: "... 3.241,4772 ha (três mil, duzentos e quarenta e um hectares,
define critérios técnicos e administrativos para a consolidação de Projetos de quarenta e sete ares e setenta e dois centiares)".
Assentamento de reforma agrária, sob gestão do Incra.
Art. 2º Revogar os artigos 88 e 89 da Instrução Normativa nº 99, de dezembro
de 2019.
Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

GERALDO JOSÉ DA CAMARA FERREIRA DE MELO FILHO


RESOLUÇÃO Nº 952, DE 18 DE OUTUBRO DE 2021

O CONSELHO DIRETOR DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA


AGRÁRIA - INCRA, Autarquia Federal criada pelo Decreto-Lei nº. 1.100, de 09 de julho de
1970, alterado pela Lei nº. 7.231 de 23 de outubro de 1984, por seu Presidente, no uso das
atribuições que lhe são conferidas pelo inciso VII do art. 19, da Estrutura Regimental
aprovada pelo Decreto nº 10.252, de 20 de fevereiro de 2020, publicado no Diário Oficial
do dia 21 de fevereiro de 2020, combinado com o art. 110, do Regimento Interno da
Autarquia, aprovado pela Portaria/INCRA/P/Nº 531, de 23 de março de 2020, publicada no
Diário Oficial da União do dia 24 de março de 2020, tendo em vista a decisão adotada em
sua 700ª Reunião, realizada em 21 de setembro de 2021;
Considerando a necessidade de atualização da Norma de Execução Incra nº 33,
de 14 de julho de 2003, em virtude da publicação do Decreto 10.139, de 28 de novembro
de 2019, que dispõe sobre a revisão e a consolidação dos atos normativos;
Considerando as manifestações técnicas e jurídicas constantes do Processo Sei
54000.118831/2020-18, que fundamentam a proposta de Instrução Normativa que define
os critérios e os procedimentos administrativos para destinação provisória e definitiva de
bens públicos imóveis, dos Projetos de Assentamento de reforma agrária, sob o domínio do
Incra ou da União, resolve
Art. 1º Aprovar a Instrução Normativa Nº 107, de 18 outubro de 2021, que
define critérios e procedimentos administrativos para destinação de bens públicos imóveis,
existentes em Projetos de Assentamento de reforma agrária, sob o domínio do Incra ou da
União.
Art. 2º Revogar a Norma de Execução nº 33, de 14 de julho de 2003.
Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

GERALDO JOSÉ DA CAMARA FERREIRA DE MELO FILHO


SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL EM MATO GROSSO
RETIFICAÇÃO

Na Portaria INCRA/SR-13/Nº 057/99 de 20 de ABRIL de 1.999, publicada no


Diário Oficial da União n 97, Seção 1, pág. 10 de 24/05/1999, que criou o Projeto de
Assentamento PALOMA, código SIPRA MT0312000, localizado no município de Brasnorte-
MT, onde se lê: ... com área de 9.051,1395 ha. (nove mil e cinquenta e um hectares, treze
ares e noventa e vinte e três centiares) , leia-se: ... com área de 8.541,2223 ha (oito mil
quinhentos e quarenta e um hectares, vinte e dois ares e nove centiares), onde se lê ...
capacidade de 190 (cento e noventa) unidades agrícolas familiares, leia-se ... capacidade de
85 (oitenta e cinco) unidades agrícolas familiares.
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL EM MINAS GERAIS
RETIFICAÇÃO

Na PORTARIA INCRA/SR-06/Nº 066 de 27 DE NOVEMBRO DE 2014, que cria o


Projeto de Assentamento Belo Monte, situado no município de Jampruca/MG, código
SIPRA MG0325000, publicada no D.O.U nº 241 de 12/12/2014, seção 1, páginas 118-119,
onde se lê: ... "16 (dezesseis) famílias"..., leia-se: "21 (vinte e uma) famílias", por
deliberação do Comitê de Decisão Regional da SR(06), conforme RESOLUÇÃO Nº 932, de 30
DE SETEMBRO DE 2021, que aprovou a redefinição da capacidade de assentamento para o
PA Belo Monte para 21 famílias.
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL EM PERNAMBUCO
RETIFICAÇÃO

Na Portaria INCRA/SR(29)MSF/GAB/Nº 01, de 15 de janeiro de 2001, publicada


no D.O.U. nº 14, de 19/01/2001, página 12, Seção 1, que criou o Projeto de Assentamento
Mandacarú, onde se lê: "... com área de 481,6786 ha (quatrocentos e oitenta e um
hectares, sessenta e sete ares e oitenta e seis centiares)...", leia-se: "... com área de
482,9091 ha (quatrocentos e oitenta e dois hectares, noventa ares e noventa e um
centiares)...".
RETIFICAÇÃO

Na Portaria INCRA/SR(29)MSF/GAB/Nº 16, de 13 de julho de 2005, publicada no


D.O.U. nº 137, de 19/07/2005, página 63, Seção 1, que criou o Projeto de Assentamento
Terras da Liberdade, onde se lê: "... com área de 1.656,1725 ha (hum mil, seiscentos e
cinquenta e sei hectares, dezessete ares e vinte e cinco centiares)...", leia-se: "... com área
de 1.692,5676 ha (hum mil, seiscentos e noventa e dois hectares, cinquenta e seis ares e
setenta e seis centiares)...".

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 11 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200011 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Cidade: Campinas UF: SP


Ministério da Cidadania Valor autorizado para captação: R$ 129.616,34
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3141 DV: 0 Conta Corrente (Captação)
SECRETARIA ESPECIAL DO ESPORTE vinculada nº 26570-5
Período de Captação até: 14/10/2023
SECRETARIA NACIONAL DE INCENTIVO E FOMENTO AO ESPORTE
COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO 8- Processo: 71000.067245/2021-06
Proponente: ABBA- Associação Beneficente da Boa Amizade
DA LEI FEDERAL DE INCENTIVO AO ESPORTE Título: Festival de futebol da ABBA
COMISSÃO TÉCNICA Registro: 2102329
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
DELIBERAÇÃO Nº 1.480, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021 CNPJ: 68.006.238/0001-68
Cidade: Campinas UF: SP
Dá publicidade aos projetos desportivos, Valor autorizado para captação: R$ 245.007,99
relacionados no anexo I, aprovados na reunião Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3141 DV: 0 Conta Corrente (Captação)
ordinária realizada em 14/10/2021. vinculada nº 26571-3
Período de Captação até: 14/10/2023
A COMISSÃO TÉCNICA VINCULADA AO MINISTÉRIO DA CIDADANIA (Secretaria
Especial do Esporte - Decreto 9.674 de 02 de janeiro de 2019) de que trata a Lei nº 9- Processo: 71000.064352/2021-74
11.438 de 29 de dezembro de 2006, instituída pela Portaria nº 357, de 20 de fevereiro Proponente: Associação Educacional de Desenvolvimento Esportivo Cultural
de 2019, considerando: Título: Energia Que Se Move
a) a aprovação dos projetos desportivos, relacionados no anexo I, aprovados Registro: 2102060
na reunião ordinária realizada em 14/10/2021. Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
b) a comprovação pelo proponente de projeto desportivo aprovado, das CNPJ: 08.707.709/0001-33
respectivas regularidades fiscais e tributárias nas esferas federal, estadual e municipal, Cidade: Uberlândia UF: MG
nos termos do parágrafo único do art. 27 do Decreto nº 6.180 de 03 de agosto de Valor autorizado para captação: R$ 107.707,72
2007 decide: Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2918 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
Art. 1º Tornar pública, para os efeitos da Lei nº 11.438 de 2006 e do vinculada nº 96679-7
Decreto nº 6.180 de 2007, a aprovação do projeto desportivo relacionado no anexo Período de Captação até: 14/10/2023
I.
Art. 2º Autorizar a captação de recursos, nos termos e prazos expressos, 10- Processo: 71000.064414/2021-48
mediante doações ou patrocínios, para o projeto desportivo relacionado no anexo I. Proponente: Associação Esportiva Lona Voleibol
Art. 3º Esta deliberação entra em vigor na data de sua publicação. Título: Formando Profissionais Através do Voleibol
Registro: 2102098
DIEGO FERREIRA TONIETTI Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
Presidente da Comissão
CNPJ: 35.195.902/0001-05
ANEXO I Cidade: Aparecida de Goiânia UF: GO
Valor autorizado para captação: R$ 214.452,36
1- Processo: 71000.064186/2021-14 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1610 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
Proponente: Associação Atlética Esportiva Manaus vinculada nº 137643-8
Título: Criando Sonhos Período de Captação até: 14/10/2023
Registro: 2101971
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação 11- Processo: 71000.067264/2021-24
CNPJ: 24.348.346/0001-43 Proponente: Associação Educacional, Esportiva e Social do Brasil - AEESB
Cidade: Manaus UF: AM Título: Escola de Esportes Montes Claros
Valor autorizado para captação: R$ 1.022.728,90 Registro: 2102350
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1862 DV: 7 Conta Corrente (Captação) Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
vinculada nº 71136-5 CNPJ: 20.767.192/0001-73
Período de Captação até: 14/10/2023 Cidade: Montes Claros UF: MG
Valor autorizado para captação: R$ 634.679,59
2- Processo: 71000.064412/2021-59 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3209 DV: 3 Conta Corrente (Captação)
Proponente: Associação Aventura Especial vinculada nº 40244-3
Título: Bruno Baptista na Stock Car - Ano II Período de Captação até: 14/10/2023
Registro: 2102097
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento 12- Processo: 71000.063815/2021-81
CNPJ: 06.119.406/0001-74 Proponente: Associação Hien Kan Karate
Cidade: São Paulo UF: SP Título: Karatê pela Cidadania
Valor autorizado para captação: R$ 3.442.756,70 Registro: 2101846
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1203 DV: 3 Conta Corrente (Captação) Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
vinculada nº 35361-2 CNPJ: 10.809.826/0001-50
Período de Captação até: 14/10/2023 Cidade: Manaus UF: AM
Valor autorizado para captação: R$ 1.532.870,92
3- Processo: 71000.062869/2021-29 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1219 DV: X Conta Corrente (Captação)
Proponente: Ajudôu vinculada nº 56780-9
Título: Mais Esporte Período de Captação até: 14/10/2023
Registro: 2101494
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional 13- Processo: 71000.063047/2021-65
CNPJ: 05.444.603/0001-04 Proponente: Associação Hurra
Cidade: Timóteo UF: MG Título: Rugby Pela Igualdade
Valor autorizado para captação: R$ 1.348.647,92 Registro: 2101659
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2877 DV: 0 Conta Corrente (Captação)
vinculada nº 40371-7 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
Período de Captação até: 14/10/2023 CNPJ: 10.696.215/0001-42
Cidade: São Paulo UF: SP
4- Processo: 71000.063791/2021-60 Valor autorizado para captação: R$ 898.641,45
Proponente: Ame Sports - Associacao Esportiva Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1526 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
Título: Formando Campeões vinculada nº 29100-5
Registro: 2101830 Período de Captação até: 14/10/2023
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
CNPJ: 07.520.652/0001-04 14- Processo: 71000.063041/2021-98
Cidade: Timóteo UF: MG Proponente: Associação Inter Esportes
Valor autorizado para captação: R$ 497.658,37 Título: Projeto de Pesquisa: o Ambiente de Desenvolvimento de Alunos Brasileiros na
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2864 DV: 6 Conta Corrente (Captação) Iniciação ao Judô
vinculada nº 63166-3 Registro: 2101649
Período de Captação até: 14/10/2023 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
CNPJ: 33.578.580/0001-58
5- Processo: 71000.063790/2021-15 Cidade: Sete Lagoas UF: MG
Proponente: Ame Sports - Associacao Esportiva Valor autorizado para captação: R$ 31.730,72
Título: Fair Play Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3211 DV: 5 Conta Corrente (Captação)
Registro: 2101828 vinculada nº 33307-7
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional Período de Captação até: 14/10/2023
CNPJ: 07.520.652/0001-04
Cidade: Timóteo UF: MG 15- Processo: 71000.063750/2021-73
Valor autorizado para captação: R$ 497.743,62 Proponente: Associação Joaçaba Esporte e Cultura
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2864 DV: 6 Conta Corrente (Captação) Título: Escolinhas Joaçaba Futsal
vinculada nº 63165-5 Registro: 2101794
Período de Captação até: 14/10/2023 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
CNPJ: 06.066.796/0001-61
6- Processo: 71000.066828/2021-10 Cidade: Joaçaba UF: SC
Proponente: Automóvel Kart Clube de Brusque Valor autorizado para captação: R$ 172.794,16
Título: Pit Lane Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0137 DV: 6 Conta Corrente (Captação)
Registro: 2102207 vinculada nº 39627-3
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Período de Captação até: 14/10/2023
CNPJ: 00.608.341/0001-44
Cidade: Brusque UF: SC 16- Processo: 71000.064183/2021-72
Valor autorizado para captação: R$ 874.524,00 Proponente: Associação Nacional de Desenvolvimento Esporte e Educação
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 5233 DV: 7 Conta Corrente (Captação) Título: 2101968
vinculada nº 15103-3 Registro: Karate-do para o Desenvolvimento Social
Período de Captação até: 14/10/2023 Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
CNPJ: 08.488.961/0001-07
7- Processo: 71000.067271/2021-26 Cidade: Santos UF: SP
Proponente: ABBA- Associação Beneficente da Boa Amizade
Título: Desafio Pulo das Patas I Valor autorizado para captação: R$ 385.463,65
Registro: 2102354 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2896 DV: 7 Conta Corrente (Captação)
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação vinculada nº 47757-5
CNPJ: 68.006.238/0001-68 Período de Captação até: 14/10/2023

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 12 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200012 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

17- Processo: 71000.068418/2021-03 27- Processo: 71000.062911/2021-10


Proponente: Associação Motorsports Brasil Proponente: Associação Pedala Brasil de Ciclismo - APBC
Título: Endurance Race II Título: Passeio Ciclístico EcoBike I ano II
Registro: 2102484 Registro: 2101541
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
CNPJ: 12.826.436/0001-13 CNPJ: 18.475.983.0001-88
Cidade: São Paulo UF: SP Cidade: Americana UF: SP
Valor autorizado para captação: R$ 2.488.527,76 Valor autorizado para captação: R$ 218.028,24
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3159 DV: 3 Conta Corrente (Captação) Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2807 DV: X Conta Corrente (Captação)
vinculada nº 25748-6 vinculada nº 56096-0
Período de Captação até: 14/10/2023 Período de Captação até: 14/10/2023
18- Processo: 71000.064351/2021-20
Proponente: Associação Motorsports Brasil 28- Processo: 71000.064379/2021-67
Título: Endurance Race I Proponente: Associação Racing
Registro: 2102059 Título: 100% Amigos Rally Team
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Registro: 2102071
CNPJ: 12.826.436/0001-13 Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
Cidade: São Paulo UF: SP CNPJ: 13.279.601/0001-27
Valor autorizado para captação: R$ 1.201.159,60 Cidade: Piedade UF: SP
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3159 DV: 3 Conta Corrente (Captação) Valor autorizado para captação: R$ 479.577,00
vinculada nº 25687-0 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0964 DV: 4 Conta Corrente (Captação)
Período de Captação até: 14/10/2023 vinculada nº 28625-7
Período de Captação até: 14/10/2023
19- Processo: 71000.064303/2021-31
Proponente: Associação Motorsports Brasil 29- Processo: 71000.063749/2021-49
Título: Sport Race II Proponente: Associação Racing
Registro: 2102022 Título: Brutus Racing
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Registro: 2101793
CNPJ: 12.826.436/0001-13 Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
Cidade: São Paulo UF: SP CNPJ: 13.279.601/0001-27
Valor autorizado para captação: R$ 3.009.513,40 Cidade: Piedade UF: SP
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3159 DV: 3 Conta Corrente (Captação) Valor autorizado para captação: R$ 1.575.000,00
vinculada nº 25688-9
Período de Captação até: 14/10/2023 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0964 DV: 4 Conta Corrente (Captação)
vinculada nº 28623-0
20- Processo: 71000.064302/2021-97 Período de Captação até: 14/10/2023
Proponente: Associação Motorsports Brasil
Título: Sport Race I 30- Processo: 71000.063491/2021-81
Registro: 2102019 Proponente: Associação Racing
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Título: Racing Over The Limit
CNPJ: 12.826.436/0001-13 Registro: 2101771
Cidade: São Paulo UF: SP Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
Valor autorizado para captação: R$ 3.009.513,40 CNPJ: 13.279.601/0001-27
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3159 DV: 3 Conta Corrente (Captação) Cidade: Piedade UF: SP
vinculada nº 25689-7 Valor autorizado para captação: R$ 2.751.382,18
Período de Captação até: 14/10/2023 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0964 DV: 4 Conta Corrente (Captação)
vinculada nº 28624-9
21- Processo: 71000.068420/2021-74 Período de Captação até: 14/10/2023
Proponente: Associação Mountain Bike BH de Ciclismo
Título: Copa Internacional de Mountain Bike para Todos 31- Processo: 71000.063989/2021-43
Registro: 2102495 Proponente: Associação Recreativa e Cultural Amigos do Futebol Tubaronense
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Título: Escolinha de Judô AMFUT
CNPJ: 09.222.540/0001-94 Registro: 2101884
Cidade: Belo Horizonte UF: MG Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
Valor autorizado para captação: R$ 4.310.848,54
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3308 DV: 1 Conta Corrente (Captação) CNPJ: 27.847.678/0001-60
vinculada nº 7061-0 Cidade: Tubarão UF: SC
Período de Captação até: 14/10/2023 Valor autorizado para captação: R$ 184.336,77
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0201 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
22- Processo: 71000.064668/2021-66 vinculada nº 67641-1
Proponente: Associação Mountain Bike BH de Ciclismo Período de Captação até: 14/10/2023
Título: Campeonato Júnior e Sub 23 de Mountain Bike
Registro: 2102181 32- Processo: 71000.063971/2021-41
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Proponente: Associação Recreativa e Cultural Amigos do Futebol Tubaronense
CNPJ: 09.222.540/0001-94 Título: Escolinha de Handbol AMFUT
Cidade: Belo Horizonte UF: MG Registro: 2101868
Valor autorizado para captação: R$ 197.536,17 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1879 DV: 1 Conta Corrente (Captação) CNPJ: 27.847.678/0001-60
vinculada nº 9369-6 Cidade: Tubarão UF: SC
Período de Captação até: 14/10/2023 Valor autorizado para captação: R$ 160.963,31
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0201 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
23- Processo: 71000.063816/2021-25 vinculada nº 67573-3
Proponente: Associação Maringaense de Handebol Período de Captação até: 14/10/2023
Título: Handebol Feminino Maringá
Registro: 2101847 33- Processo: 71000.063962/2021-51
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Proponente: Associação Recreativa e Cultural Amigos do Futebol Tubaronense
CNPJ: 01.837.660/0001-94 Título: Escolinha de Basquete AMFUT
Cidade: Maringá UF: PR
Valor autorizado para captação: R$ 348.902,40 Registro: 2101858
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0352 DV: 2 Conta Corrente (Captação) Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
vinculada nº 13372-7 CNPJ: 27.847.678/0001-60
Período de Captação até: 14/10/2023 Cidade: Tubarão UF: SC
Valor autorizado para captação: R$ 150.522,31
24- Processo: 71000.063988/2021-07 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0201 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
Proponente: Associação Passo Fundo Futsal vinculada nº 67572-5
Título: Passo Fundo Futsal - RS - Ano 1 - Paixão por Futsal Período de Captação até: 14/10/2023
Registro: 2101883
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento 34- Processo: 71000.062967/2021-66
CNPJ: 21.948.796/0001-89 Proponente: Associação Recreativa Eclypse
Cidade: Passo Fundo UF: RS Título: Eclypse Futebol 1
Valor autorizado para captação: R$ 1.332.939,30 Registro: 2101595
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3534 DV: 3 Conta Corrente (Captação) Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
vinculada nº 242211-X CNPJ: 27.206.885/0001-36
Período de Captação até: 14/10/2023 Cidade: Dois Vizinhos UF: PR
Valor autorizado para captação: R$ 358.276,80
25- Processo: 71000.062917/2021-89 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0919 DV: 9 Conta Corrente (Captação)
Proponente: Associação Pedala Brasil de Ciclismo - APBC vinculada nº 63178-7
Título: Passeio Ciclístico EcoBike III Ano II Período de Captação até: 14/10/2023
Registro: 2101546
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação 35- Processo: 71000.062966/2021-11
CNPJ: 18.475.983.0001-88 Proponente: Associação Recreativa Eclypse
Cidade: Americana UF: SP Título: Esporte Vincíus de Moraes
Valor autorizado para captação: R$ 218.028,24 Registro: 2101593
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2807 DV: X Conta Corrente (Captação) Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
vinculada nº 56098-7 CNPJ: 27.206.885/0001-36
Período de Captação até: 14/10/2023 Cidade: Dois Vizinhos UF: PR
Valor autorizado para captação: R$ 203.844,74
26- Processo: 71000.062915/2021-90 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0919 DV: 9 Conta Corrente (Captação)
Proponente: Associação Pedala Brasil de Ciclismo - APBC vinculada nº 63177-9
Título: Passeio Ciclístico EcoBike II Ano II Período de Captação até: 14/10/2023
Registro: 2101546
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação 36- Processo: 71000.062965/2021-77
CNPJ: 18.475.983.0001-88 Proponente: Associação Recreativa Eclypse
Cidade: Americana UF: SP Título: Esporte Leonardo da Vinci
Valor autorizado para captação: R$ 218.028,24 Registro: 2101591
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2807 DV: X Conta Corrente (Captação) Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
vinculada nº 56097-9 CNPJ: 27.206.885/0001-36
Período de Captação até: 14/10/2023 Cidade: Dois Vizinhos UF: PR

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 13 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200013 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Valor autorizado para captação: R$ 225.942,29 46- Processo: 71000.064005/2021-41


Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0919 DV: 9 Conta Corrente (Captação) Proponente: Confederação Brasileira de Judô
vinculada nº 63176-0 Título: Eventos da Confederação Brasileira de Judô
Período de Captação até: 14/10/2023 Registro: 2101904
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
37- Processo: 71000.064451/2021-56 CNPJ: 42.136.804/0001-62
Proponente: Associação Sócio Educativa de Esporte e Lazer Cidade: Rio de Janeiro UF: RJ
Título: Santos Surf Festival Valor autorizado para captação: R$ 2.668.347,65
Registro: 2102129 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0183 DV: X Conta Corrente (Captação)
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento vinculada nº 39925-6
CNPJ: 23.056.251/0001-93 Período de Captação até: 14/10/2023
Cidade: Santos UF: SP
Valor autorizado para captação: R$ 968.477,06 47- Processo: 71000.066596/2021-91
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2985 DV: 8 Conta Corrente (Captação) Proponente: Confederação Brasileira de Futebol Freestyle
vinculada nº 30663-0 Título: Plano Anual de Atividades - Confederação Brasileira de Futebol Freestyle - Ano III
Período de Captação até: 14/10/2023 Registro: 2102203
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
38- Processo: 71000.063811/2021-01 CNPJ: 13.487.671/0001-70
Proponente: Associação Sócio Educativa de Esporte e Lazer Cidade: Curitiba UF: PR
Título: Social Skate SA Valor autorizado para captação: R$ 1.952.996,00
Registro: 2101844 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1622 DV: 5 Conta Corrente (Captação)
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação vinculada nº 22620-3
CNPJ: 23.056.251/0001-93 Período de Captação até: 14/10/2023
Cidade: Santos UF: SP
48- Processo: 71000.067305/2021-82
Valor autorizado para captação: R$ 492.799,20 Proponente: Confederação Brasileira de Desportos no Gelo
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2985 DV: 8 Conta Corrente (Captação) Título: Campeonatos Brasileiros de Desportos no Gelo I
vinculada nº 30562-6 Registro: 2102390
Período de Captação até: 14/10/2023 Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
CNPJ: 01.195.713/0001-10
39- Processo: 71000.067377/2021-20 Cidade: São Paulo UF: SP
Proponente: Associação Mountain Bike BH de Ciclismo Valor autorizado para captação: R$ 559.653,75
Título: Somando Pontos no Mountain Bike Feminino Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1516 DV: 4 Conta Corrente (Captação)
Registro: 2102465 vinculada nº 30980-X
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Período de Captação até: 14/10/2023
CNPJ: 09.222.540/0001-94
Cidade: Belo Horizonte UF: MG 49- Processo: 71000.067303/2021-93
Valor autorizado para captação: R$ 1.832.095,56 Proponente: Centro de Orientação e Serviços à Comunidade
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3308 DV: 1 Conta Corrente (Captação) Título: O que tem na Vila? Descobrindo vivências, saberes e realidades!
vinculada nº 7062-9 Registro: 2102388
Período de Captação até: 14/10/2023 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
CNPJ: 72.195.399/0001-14
40- Processo: 71000.068431/2021-54 Cidade: Tatuí UF: SP
Proponente: Associação Walking Football Brasil Valor autorizado para captação: R$ 154.113,10
Título: Projeto Walking Football - Futebol Caminhando 60+ por WFB - Núcleo Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 6505 DV: 6 Conta Corrente (Captação)
Guarulhos vinculada nº 37408-3
Registro: 2102515 Período de Captação até: 14/10/2023
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
CNPJ: 33.269.686/0001-70 50- Processo: 71000.062991/2021-03
Cidade: São Paulo UF: SP Proponente: Centro de Desenvolvimento Esportivo e Social - Cedesbra
Valor autorizado para captação: R$ 363.614,44 Título: Esporte Reciclando o Futuro
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 7003 DV: 3 Conta Corrente (Captação) Registro: 2101621
vinculada nº 9932-5 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
Período de Captação até: 14/10/2023 CNPJ: 23.920.830/0001-32
Cidade: Belo Horizonte UF: MG
41- Processo: 71000.067282/2021-14 Valor autorizado para captação: R$ 2.061.559,71
Proponente: Associação Walking Football Brasil Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3857 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
Título: Projeto Walking Football - Futebol Caminhando 60+ por WFB - Núcleo Cajamar vinculada nº 36730-3
e Jundiaí Período de Captação até: 14/10/2023
Registro: 2102366
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação DELIBERAÇÃO Nº 1.481, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021
CNPJ: 33.269.686/0001-70
Cidade: São Paulo UF: SP Dá publicidade aos projetos desportivos,
Valor autorizado para captação: R$ 668.554,90 relacionados no anexo I, aprovados na reunião
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 7003 DV: 3 Conta Corrente (Captação) ordinária realizada em 14/10/2021.
vinculada nº 9931-7
Período de Captação até: 14/10/2023 A COMISSÃO TÉCNICA VINCULADA AO MINISTÉRIO DA CIDADANIA (Secretaria
Especial do Esporte - Decreto 9.674 de 02 de janeiro de 2019) de que trata a Lei nº
42- Processo: 71000.062959/2021-10 11.438 de 29 de dezembro de 2006, instituída pela Portaria nº 357, de 20 de fevereiro
Proponente: Associação Walking Football Brasil de 2019, considerando:
Título: Projeto Walking Football - Futebol Caminhando 60+ por WFB a) a aprovação dos projetos desportivos, relacionados no anexo I, aprovados
Registro: 2101583 na reunião ordinária realizada em 14/10/2021.
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação b) a comprovação pelo proponente de projeto desportivo aprovado, das
CNPJ: 33.269.686/0001-70 respectivas regularidades fiscais e tributárias nas esferas federal, estadual e municipal,
Cidade: São Paulo UF: SP nos termos do parágrafo único do art. 27 do Decreto nº 6.180 de 03 de agosto de
Valor autorizado para captação: R$ 739.331,60 2007 decide:
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 7003 DV: 3 Conta Corrente (Captação) Art. 1º Tornar pública, para os efeitos da Lei nº 11.438 de 2006 e do
vinculada nº 9914-7 Decreto nº 6.180 de 2007, a aprovação do projeto desportivo relacionado no anexo
Período de Captação até: 14/10/2023 I.
Art. 2º Autorizar a captação de recursos, nos termos e prazos expressos,
43- Processo: 71000.062946/2021-41 mediante doações ou patrocínios, para o projeto desportivo relacionado no anexo I.
Proponente: Assoc. Medianeirense de Atend. espec., Reabilitação e Assist. a Criança e Art. 3º Esta deliberação entra em vigor na data de sua publicação.
ao Adolescente
Título: Inclusão Esportiva AMOA DIEGO FERREIRA TONIETTI
Registro: 2101573 Presidente da Comissão
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
CNPJ: 07.736.225/0001-50 ANEXO I
Cidade: Medianeira UF: PR
Valor autorizado para captação: R$ 228.272,34 1 - Processo: 71000.068419/2021-40
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0735 DV: 8 Conta Corrente (Captação) Proponente: De Peito Aberto Incentivo ao Esporte, Cultura e Lazer
vinculada nº 53953-8 Título: 2ª Copinha de Esporte Escolar
Período de Captação até: 14/10/2023 SLI: 2102488
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
44- Processo: 71000.064673/2021-79 CNPJ: 07.952.460/0001-69
Proponente: Bandeirantes Rugby Club Cidade: Belo Horizonte UF: MG
Título: Band Rugby: Programa de Alto Rendimento - Desenvolvimento Técnico e Valor autorizado para captação: R$ 847.961,00
Coletivo Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1585 DV: 7 Conta Corrente (Captação)
Registro: 2102186 vinculada nº 31261-4
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Período de Captação até: 14/10/2021
CNPJ: 03.105.144/0001-09
Cidade: São Paulo UF: SP 2 - Processo: 71000.064314/2021-11
Valor autorizado para captação: R$ 637.175,06 Proponente: De Peito Aberto Incentivo ao Esporte, Cultura e Lazer
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1197 DV: 5 Conta Corrente (Captação) Título: Esporte na Cidade Ano XII
vinculada nº 110515-9 SLI: 2102031
Período de Captação até: 14/10/2023 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
CNPJ: 07.952.460/0001-69
Cidade: Belo Horizonte UF: MG
45- Processo: 71000.062987/2021-37 Valor autorizado para captação: R$ 3.093.184,06
Proponente: Confederação Brasileira de Judô Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1585 DV: 7 Conta Corrente (Captação)
Título: Preparação das Seleções de Base vinculada nº 31249-5
Registro: 2101618 Período de Captação até: 14/10/2021
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
CNPJ: 42.136.804/0001-62 3 - Processo: 71000.063757/2021-95
Cidade: Rio de Janeiro UF: RJ Proponente: Duas Rodas Associação Recreativa
Valor autorizado para captação: R$ 1.355.995,25 Título: Escolinha de Tênis DRAR
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0183 DV: X Conta Corrente (Captação) SLI: 2101803
vinculada nº 39924-8 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
Período de Captação até: 14/10/2023 CNPJ: 83.151.282/0001-55

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 14 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200014 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Cidade: Jaraguá do Sul UF: SC 13 - Processo: 71000.067353/2021-71


Valor autorizado para captação: R$ 176.579,75 Proponente: Instituto Carioca de Tenis
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0405 DV: 7 Conta Corrente (Captação) Título: Rio Open 2023
vinculada nº 72169-7 SLI: 2102437
Período de Captação até: 14/10/2021 Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
CNPJ: 12.705.316/0001-68
4 - Processo: 71000.067369/2021-83 Cidade: Rio de Janeiro UF: RJ
Proponente: Escolinha Naja Marcial Valor autorizado para captação: R$ 4.999.754,19
Título: Escolinha Naja Marcial - Revelando Talentos no Voleibol - Ano 2 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2795 DV: 2 Conta Corrente (Captação)
SLI: 2102453 vinculada nº 98963-0
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Período de Captação até: 14/10/2021
CNPJ: 73.691.461/0001-21
Cidade: Xanxerê UF: SC 14 - Processo: 71000.066845/2021-49
Valor autorizado para captação: R$ 217.592,83 Proponente: Instituto Cesar Cielo
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0586 DV: X Conta Corrente (Captação) Título: Programa de Clínicas de Natação de Base 2
vinculada nº 50412-2 SLI: 2102228
Período de Captação até: 14/10/2021 Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
CNPJ: 12.323.740/0001-48
5 - Processo: 71000.067309/2021-61 Cidade: Santa Bárbara D'Oeste UF: SP
Proponente: Empodera - Transformação Social pelo Esporte Valor autorizado para captação: R$ 302.089,24
Título: Pretas em Campo - Ano II Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0459 DV: 6 Conta Corrente (Captação)
SLI: 2102393 vinculada nº 55889-3
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional Período de Captação até: 14/10/2021
CNPJ: 27.501.933/0001-19
Cidade: Rio de Janeiro UF: RS 15 - Processo: 71000.063176/2021-53
Valor autorizado para captação: R$ 1.148.979,74 Proponente: Instituto Cidadania Atraves do Esporte
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0087 DV: 6 Conta Corrente (Captação) Título: Elas no Futebol
vinculada nº 51695-3 SLI: 2101680
Período de Captação até: 14/10/2021 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
CNPJ: 09.359.439/0001-80
6 - Processo: 71000.063752/2021-62 Cidade: São Paulo UF: SP
Proponente: Esporte Clube Ginástico Valor autorizado para captação: R$ 445.408,44
Título: Ginástico Formador de Talentos II Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 6998 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
SLI: 2101798 vinculada nº 10444-2
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Período de Captação até: 14/10/2021
CNPJ: 16.641.235/0001-00
Cidade: Belo Horizonte UF: MG 16 - Processo: 71000.066840/2021-16
Valor autorizado para captação: R$ 2.368.264,84 Proponente: Instituto Compartilhar
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1585 DV: 7 Conta Corrente (Captação) Título: Vôlei em Rede - Núcleos Lagoa Santa/MG Ano III
vinculada nº 31244-4 SLI: 2102221
Período de Captação até: 14/10/2021 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
CNPJ: 05.640.208/0001-99
7 - Processo: 71000.063216/2021-67 Cidade: Curitiba UF: PR
Proponente: Federação Baiana de Judô Valor autorizado para captação: R$ 220.397,54
Título: Caravana do Judô Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3007 DV: 4 Conta Corrente (Captação)
SLI: 2101718 vinculada nº 42743-8
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação Período de Captação até: 14/10/2021
CNPJ: 14.208.243/0001-24
Cidade: Salvador UF: BA 17 - Processo: 71000.062995/2021-83
Valor autorizado para captação: R$ 431.149,46 Proponente: Instituto de Desenvolvimento de Atividades Físicas e Esportivas
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2967 DV: X Conta Corrente (Captação) Título: Canoa Praia do Janga
vinculada nº 23429-X SLI: 2101629
Período de Captação até: 14/10/2021 Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
CNPJ: 17.860.546/0001-15
8 - Processo: 71000.067920/2021-99 Cidade: Recife UF: PE
Proponente: Federação de Atletismo do Paraná Valor autorizado para captação: R$ 316.865,89
Título: Clínica e Festival de Miniatletismo Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 4274 DV: 9 Conta Corrente (Captação)
SLI: 2102513 vinculada nº 24566-6
Período de Captação até: 14/10/2021
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
CNPJ: 76.031.467/0001-60 18 - Processo: 71000.062969/2021-55
Cidade: Curitiba UF: PR Proponente: Instituto de Formação Esportiva e Social - INFES
Valor autorizado para captação: R$ 256.960,57 Título: Olimpíadas que transformam
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2926 DV: 2 Conta Corrente (Captação) SLI: 2101598
vinculada nº 36539-4 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
Período de Captação até: 14/10/2021 CNPJ: 26.257.107/0001-03
Cidade: Belo Horizonte UF: MG
9 - Processo: 71000.067323/2021-64 Valor autorizado para captação: R$ 3.391.938,68
Proponente: Fundação de Apoio ao Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3857 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
de São Paulo vinculada nº 36731-1
Título: 1ª Corrida Sub Tenente Assis Degrossoli Filho Período de Captação até: 14/10/2021
SLI: 2102399
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação 19 - Processo: 71000.068427/2021-96
CNPJ: 18.941.844/0001-00 Proponente: Instituto Edson Luciano Ribeiro
Cidade: São Paulo UF: SP Título: Projeto Olímpico - Correndo para Vencer
Valor autorizado para captação: R$ 120.433,66 SLI: 2102506
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 6501 DV: 3 Conta Corrente (Captação) Manifestação Desportiva: Desporto de
vinculada nº 21382-9 CNPJ: 11.078.001/0001-75
Período de Captação até: 14/10/2021 Cidade: São Joaquim da Barra UF: SP
Valor autorizado para captação: R$ 3.323.366,52
10 - Processo: 71000.062868/2021-84 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0873 DV: 7 Conta Corrente (Captação)
Proponente: Instituto Anderson Varejão vinculada nº 32339-X
Título: Projeto Ídolo Social - Unidade 6 Período de Captação até: 14/10/2021
SLI: 2101492
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional 20 - Processo: 71000.063178/2021-42
CNPJ: 12.398.403/0001-10 Proponente: Instituto Emerson Sheik
Cidade: Vitória UF: ES Título: Esporte para Todos
Valor autorizado para captação: R$ 1.042.900,93 SLI: 2101682
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0053 DV: 1 Conta Corrente (Captação) Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
vinculada nº 96967-2 CNPJ: 01.501.819/0001-03
Período de Captação até: 14/10/2021 Cidade: Rio de Janeiro UF: RJ
Valor autorizado para captação: R$ 3.663.283,93
11 - Processo: 71000.066863/2021-21 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3836 DV: 9 Conta Corrente (Captação)
Proponente: Instituto Brasileiro de Excelência no Esporte & Cultura vinculada nº 22528-2
Título: Centro de Desenvolvimento Esportivo Avante Brasil Período de Captação até: 14/10/2021
SLI: 2102248
Manifestação Desportiva: Desporto de Educacional 21 - Processo: 71000.067172/2021-44
CNPJ: 15.399.863/0001-50 Proponente: Instituto Emerson Sheik
Cidade: Belo Horizonte UF: MG Título: Esporte para Todos
Valor autorizado para captação: R$ 1.405.556,36 SLI: 2102262
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1632 DV: 2 Conta Corrente (Captação) Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
vinculada nº 71438-0 CNPJ: 01.501.819/0001-03
Período de Captação até: 14/10/2021 Cidade: Rio de Janeiro UF: RJ
Valor autorizado para captação: R$ 3.663.692,02
12 - Processo: 71000.063986/2021-18 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3836 DV: 9 Conta Corrente (Captação)
Proponente: Instituto Brazolin vinculada nº 22629-7
Título: Basquete do Povo Período de Captação até: 14/10/2021
SLI: 2101880
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional 22 - Processo: 71000.063095/2021-53
CNPJ: 12.153.589/0001-47 Proponente: Instituto Fausto Giannecchini - Esporte e Educação
Cidade: São Bernardo do Campo UF: SP Título: A Bola é Nossa
Valor autorizado para captação: R$ 2.136.927,24 SLI: 2101670
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 5969 DV: 2 Conta Corrente (Captação) Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
vinculada nº 8893-5 CNPJ: 10.977.391/0001-52
Período de Captação até: 14/10/2021 Cidade: Franca UF: SP

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 15 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200015 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Valor autorizado para captação: R$ 487.844,28 Cidade: Rio de Janeiro UF: RJ


Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0053 DV: 1 Conta Corrente (Captação) Valor autorizado para captação: R$ 2.038.685,10
vinculada nº 96968-0 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1253 DV: X Conta Corrente (Captação) vinculada
Período de Captação até: 14/10/2021 nº 42115-4
Período de Captação até: 14/10/2021
23 - Processo: 71000.063773/2021-88
Proponente: Instituto Fausto Giannecchini - Esporte e Educação 33 - Processo: 71000.064122/2021-13
Título: Basquete: Assistência Sobre Rodas Proponente: Instituto Jeferson Bizotto
SLI: 2101816 Título: Jogando pela Vida
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação SLI: 2101910
CNPJ: 10.977.391/0001-52
Cidade: Franca UF: SP Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
Valor autorizado para captação: R$ 555.449,20 CNPJ: 18.303.706/0001-98
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0053 DV: 1 Conta Corrente (Captação) Cidade: Francisco Beltrão UF: PR
vinculada nº 96970-2 Valor autorizado para captação: R$ 1.406.573,16
Período de Captação até: 14/10/2021 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0616 DV: 5 Conta Corrente (Captação) vinculada
nº 84826-3
24 - Processo: 71000.063195/2021-80 Período de Captação até: 14/10/2021
Proponente: Instituto Fausto Giannecchini - Esporte e Educação
Título: Bola ao Cesto 34 - Processo: 71000.068122/2021-84
SLI: 2101702 Proponente: Instituto Mirtillo Trombini
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional Título: ITM - Sprint Race
CNPJ: 10.977.391/0001-52 SLI: 2102529
Cidade: Franca UF: SP Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
Valor autorizado para captação: R$ 487.844,28 CNPJ: 07.772.834/0001-64
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0053 DV: 1 Conta Corrente (Captação) vinculada Cidade: Morretes UF: PR
nº 96969-9 Valor autorizado para captação: R$ 604.687,65
Período de Captação até: 14/10/2021 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1534 DV: 2 Conta Corrente (Captação) vinculada
nº 40355-5
25 - Processo: 71000.064651/2021-17 Período de Captação até: 14/10/2021
Proponente: Instituto Galo
Título: Escola do Futuro - Belo Horizonte 35 - Processo: 71000.067329/2021-31
SLI: 2102163 Proponente: Instituto Mirtillo Trombini
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional Título: Kart Futuro 4
CNPJ: 35.777.212/0001-64 SLI: 2102402
Cidade: Belo Horizonte UF: MG Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
Valor autorizado para captação: R$ CNPJ: 07.772.834/0001-64
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3294 DV: 8 Conta Corrente (Captação) vinculada Cidade: Morretes UF: PR
nº 25821-0 Valor autorizado para captação: R$ 267.057,00
Período de Captação até: 14/10/2021 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1534 DV: 2 Conta Corrente (Captação) vinculada
nº 40351-2
26 - Processo: 71000.064666/2021-77 Período de Captação até: 14/10/2021
Proponente: Instituto Galo
Título: Escola do Futuro - Brumadinho 36 - Processo: 71000.064142/2021-86
SLI: 2102179 Proponente: Instituto Nacional de Esporte, Educação e Cultura - INEEC
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional Título: Skate Vale Ouro
CNPJ: 35.777.212/0001-64 SLI: 2101931
Cidade: Belo Horizonte UF: MG Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
Valor autorizado para captação: R$ 495.117,92 CNPJ: 22.644.322/0001-06
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3294 DV: 8 Conta Corrente (Captação) vinculada Cidade: São Paulo UF: SP
nº 25828-8 Valor autorizado para captação: R$ 1.697.148,15
Período de Captação até: 14/10/2021 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3857 DV: 1 Conta Corrente (Captação) vinculada
nº 36740-0
27 - Processo: 71000.064661/2021-44 Período de Captação até: 14/10/2021
Proponente: Instituto Galo
Título: Escola do Futuro - Crucilândia 37 - Processo: 71000.064660/2021-08
SLI: 2102170 Proponente: Instituto Nacional Pedra 90
Manifestação Desportiva: Desporto de Educacional Título: Nação Jiu Jitsu
CNPJ: 35.777.212/0001-64 SLI: 2102168
Cidade: Belo Horizonte UF: MG Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
Valor autorizado para captação: R$ 495.117,92 CNPJ: 12.611.821/0001-43
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3394 DV: 8 Conta Corrente (Captação) vinculada Cidade: São Paulo UF: SP
nº 25824-5 Valor autorizado para captação: R$ 1.784.758,50
Período de Captação até: 14/10/2021 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1817 DV: 1 Conta Corrente (Captação) vinculada
nº 26937-9
28 - Processo: 71000.064664/2021-88 Período de Captação até: 14/10/2021
Proponente: Instituto Galo
Título: Escola do Futuro - Itaúna 38 - Processo: 71000.063771/2021-99
SLI: 2102175 Proponente: Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional Título: Karatê Taekwondo - Inclusão na Faixa
CNPJ: 35.777.212/0001-64 SLI: 2101813
Cidade: Belo Horizonte UF: MG Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
Valor autorizado para captação: R$ 495.117,92 CNPJ: 08.745.680/0001-84
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3394 DV: 8 Conta Corrente (Captação) vinculada Cidade: São Paulo UF: SP
nº 25827-X Valor autorizado para captação: R$ 1.002.757,18
Período de Captação até: 14/10/2021 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 6998 DV: 1 Conta Corrente (Captação) vinculada
nº 10462-0
29 - Processo: 71000.064644/2021-15 Período de Captação até: 14/10/2021
Proponente: Instituto Galo
Título: Escola do Futuro - Rio Acima
SLI: 2102157 39 - Processo: 71000.064291/2021-45
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional Proponente: Instituto Osvaldo de Rosis
CNPJ: 35.777.212/0001-64 Título: Basquete Para Todos
Cidade: Belo Horizonte UF: MG SLI: 2102012
Valor autorizado para captação: R$ 495.117,92 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3294 DV: 8 Conta Corrente (Captação) vinculada CNPJ: 03.134.104/0001-87
nº 25819-9 Cidade: Santos UF: SP
Período de Captação até: 14/10/2021 Valor autorizado para captação: R$ 388.228,07
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0004 DV: 3 Conta Corrente (Captação) vinculada
30 - Processo: 71000.064656/2021-31 nº 99243-7
Proponente: Instituto Galo Período de Captação até: 14/10/2021
Título: Escola do Futuro - São Domingos do Prata
SLI: 2102167 40 - Processo: 71000.064278/2021-96
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional Proponente: Instituto Para o Desenvolvimento do Esporte e da Cultura - IDEC
CNPJ: 35.777.212/0001-64 Título: Brasil Surf Tour - Gigantes por Natureza
Cidade: Belo Horizonte UF: MG SLI: 2102000
Valor autorizado para captação: R$ 495.117,92 Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3294 DV: 8 Conta Corrente (Captação) vinculada CNPJ: 01.688.611/0001-37
nº 25823-7 Cidade: Rio de Janeiro UF: RJ
Período de Captação até: 14/10/2021 Valor autorizado para captação: R$ 4.431.323,24
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1253 DV: X Conta Corrente (Captação) vinculada
31 - Processo: 71000.063997/2021-90 nº 42099-9
Proponente: Instituto Geração 4 Período de Captação até: 14/10/2021
Título: Gerando Mais Que Futebol IV
SLI: 2101895 41 - Processo: 71000.064202/2021-61
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação Proponente: Instituto Para o Desenvolvimento do Esporte e da Cultura - IDEC
CNPJ: 14.390.824/0001-20 Título: Container do Esporte II
Cidade: Recife UF: PE SLI: 2101983
Valor autorizado para captação: R$ 407.572,00 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1245 DV: 9 Conta Corrente (Captação) vinculada CNPJ: 01.688.611/0001-37
nº 84117-X Cidade: Rio de Janeiro UF: RJ
Período de Captação até: 14/10/2021 Valor autorizado para captação: R$ 2.486.539,56
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1253 DV: X Conta Corrente (Captação) vinculada
32 - Processo: 71000.067330/2021-66 nº 42100-6
Proponente: Instituto Irmãos Nogueira Período de Captação até: 14/10/2021
Título: Escola da Vida - Vitória
SLI: 2102403 42 - Processo: 71000.062976/2021-57
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação Proponente: Instituto Para o Desenvolvimento do Esporte e da Cultura - IDEC
CNPJ: 11.880.632/0001-03 Título: Educa Esporte

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 16 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200016 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

SLI: 2101611 CNPJ: 32.964.434/0001-06


Manifestação Desportiva: Desporto Educacional Cidade: Recife UF: PE
CNPJ: 01.688.611/0001-37 Valor autorizado para captação: R$ 320.000,00
Cidade: Rio de Janeiro UF: RJ Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1245 DV: 9 Conta Corrente (Captação)
Valor autorizado para captação: R$ 4.563.613,36
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1253 DV: X Conta Corrente (Captação) vinculada vinculada nº 84116-1
nº Período de Captação até: 14/10/2021
Período de Captação até: 14/10/2021
53 - Processo: 71000.066846/2021-93
43 - Processo: 71000.063045/2021-76 Proponente: Instituto Três Colinas de Esporte - Educação e Cultura
Proponente: Instituto Paulista do Desporto Amador Título: Eu Vivo Futebol
Título: Circuito Trail Girls
SLI: 2101655 SLI: 2102229
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
CNPJ: 09.341.898/0001-36 CNPJ: 13.486.773/0001-71
Cidade: Guarulhos UF: SP Cidade: Franca UF: SP
Valor autorizado para captação: R$ 787.621,65 Valor autorizado para captação: R$ 227.937,83
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 5661 DV: 8 Conta Corrente (Captação) vinculada Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0053 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
nº 15027-4
Período de Captação até: 14/10/2021 vinculada nº 97084-0
Período de Captação até: 14/10/2021
44 - Processo: 71000.066854/2021-30
Proponente: Instituto Ramacrisna 54 - Processo: 71000.064421/2021-40
Título: Xeque Mate Proponente: Instituto Xterra
SLI: 2102238 Título: Treino Uphill Marathon 2022
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional SLI: 2102104
CNPJ: 17.283.532/0001-86
Cidade: Betim UF: MG Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
Valor autorizado para captação: R$ 551.322,97 CNPJ: 12.300.465/0001-47
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0750 DV: 1 Conta Corrente (Captação) vinculada Cidade: Rio de Janeiro UF: RJ
nº 125957-1 Valor autorizado para captação: R$ 862.006,55
Período de Captação até: 14/10/2021 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0289 DV: 5 Conta Corrente (Captação)
45 - Processo: 71000.062889/2021-08 vinculada nº 31369-6
Proponente: Instituto Sports Período de Captação até: 14/10/2021
Título: Ano II - Copa Feminina de Tênis
SLI: 2101514 55 - Processo: 71000.067285/2021-40
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Proponente: Kart Clube Granja Viana
CNPJ: 10.698.782/0001-38 Título: Time KGV - Rally UTV - Ano 2
Cidade: São Paulo UF: SP SLI: 2102370
Valor autorizado para captação: R$ 1.864.582,65
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1896 DV: 1 Conta Corrente (Captação) vinculada Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
nº 19394-1 CNPJ: 09.093.751/0001-74
Período de Captação até: 14/10/2021 Cidade: Cotia UF: SP
Valor autorizado para captação: R$ 3.505.663,31
46 - Processo: 71000.062891/2021-79 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2962 DV: 9 Conta Corrente (Captação)
Proponente: Instituto Sports vinculada nº 25654-4
Título: Ano III - Brasil Tennis Cup
SLI: 2101519 Período de Captação até: 14/10/2021
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento
CNPJ: 10.698.782/0001-38 56 - Processo: 71000.063054/2021-67
Cidade: São Paulo UF: SP Proponente: Minas Tênis Clube
Valor autorizado para captação: R$ 1.948.724,57 Título: O Esporte como Ferramenta de Inclusão Social
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1896 DV: 1 Conta Corrente (Captação) vinculada SLI: 2101665
nº 19395-X
Período de Captação até: 14/10/2021 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
47 - Processo: 71000.063788/2021-46 CNPJ: 17.217.951/0001-10
Proponente: Instituto Sports Cidade: Belo Horizonte UF: MG
Título: Ano IV - Brasil Tennis Classic Valor autorizado para captação: R$ 687.856,18
SLI: 2101826 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3392 DV: 8 Conta Corrente (Captação)
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento vinculada nº 7404-7
CNPJ: 10.698.782/0001-38 Período de Captação até: 14/10/2021
Cidade: São Paulo UF: SP
Valor autorizado para captação: R$ 1.943.556,47 57 - Processo: 71000.063966/2021-39
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1896 DV: 1 Conta Corrente (Captação) Proponente: Município de Chapecó
vinculada nº 19400-X Título: Programa Atleta do Futuro
Período de Captação até: 14/10/2021 SLI: 2101862
48 - Processo: 71000.062897/2021-46 Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
Proponente: Instituto Sports CNPJ: 83.021.808/0001-82
Título: Brasil Tennis Challenger Cidade: Chapecó UF: SC
SLI: 101529 Valor autorizado para captação: R$ 29.308,18
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0321 DV: 2 Conta Corrente (Captação)
CNPJ: 10.698.782/0001-38 vinculada nº 115803-1
Cidade: São Paulo UF: SP Período de Captação até: 14/10/2021
Valor autorizado para captação: R$ 2.042.778,26
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1896 DV: 1 Conta Corrente (Captação) 58 - Processo: 71000.067338/2021-22
vinculada nº 19397-6 Proponente: Pinheiros Futebol Clube
Período de Captação até: 14/10/2021 Título: Preparando Seu Filho Para o Futuro
SLI: 2102418
49 - Processo: 71000.062896/2021-00 Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
Proponente: Instituto Sports
Título: Campeonato Internacional de Tênis Feminino CNPJ: 27.344.910/0001-48
SLI: 2101527 Cidade: Pinheiros UF: ES
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Valor autorizado para captação: R$ 1.198.112,72
CNPJ: 10.698.782/0001-38 Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2451 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
Cidade: São Paulo UF: SP vinculada nº 20783-7
Valor autorizado para captação: R$ 1.662.435,94 Período de Captação até: 14/10/2021
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1896 DV: 1 Conta Corrente (Captação)
vinculada nº 19396-8 RETIFICAÇÕES
Período de Captação até: 14/10/2021
Processo Nº 71000.064431/2021-85
50 - Processo: 71000.067225/2021-27 No Diário Oficial da União nº 198, de 20 de outubro de 2021, na Seção 1,
Proponente: Instituto Theóphilo Petrycoski página 42 que publicou a DELIBERAÇÃO Nº 1479/2021, ANEXO I, onde se lê: CNPJ:
Título: Projeto Vôlei Futuro ANO II
SLI: 2102308 22.660.1003/0001-10, leia-se: CNPJ: 22.660.103/0001-10.
Manifestação Desportiva: Desporto Educacional
CNPJ: 13.470.735/0001-20 Processo Nº 71000.063099/2021-31
Cidade: Pato Branco UF: PR No Diário Oficial da União nº 198, de 20 de outubro de 2021, na Seção 1,
Valor autorizado para captação: R$ 137.227,00 página 42 que publicou a DELIBERAÇÃO Nº 1479/2021, ANEXO I, onde se lê: CNPJ:
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0495 DV: 2 Conta Corrente (Captação) 22.660.1003/0001-10, leia-se: CNPJ: 22.660.103/0001-10.
vinculada nº 87769-7
Período de Captação até: 14/10/2021 Processo Nº 71000.068436/2021-87
No Diário Oficial da União nº 198, de 20 de outubro de 2021, na Seção 1,
51 - Processo: 71000.067246/2021-42 página 43 que publicou a DELIBERAÇÃO Nº 1479/2021, ANEXO I, onde se lê: Dados
Proponente: Instituto Todos Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2822 DV: 2 Conta Corrente (Bloqueada)
Título: Todos - Pernambuco Campeão vinculada nº 36287-5, leia-se: Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 2822 DV:
SLI: 2102332 3 Conta Corrente (Bloqueada) vinculada nº 36287-5.
Manifestação Desportiva: Desporto de Participação
CNPJ: 32.964.434/0001-06 Processo Nº 71000.067203/2021-67
Cidade: Recife UF: PE No Diário Oficial da União nº 198, de 20 de outubro de 2021, na Seção 1,
Valor autorizado para captação: R$ 340.360,00 página 43 que publicou a DELIBERAÇÃO Nº 1479/2021, ANEXO I, onde se lê: Título:
Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1245 DV: 9 Conta Corrente (Captação)
vinculada nº 84200-1 Olímpico - Veleiros do Sul, leia-se: Título: Projeto Olímpico - Veleiros do Sul.
Período de Captação até: 14/10/2021
Processo Nº 71000.061640/2021-77
52 - Processo: 71000.063396/2021-87 No Diário Oficial da União nº 185, de 29 de setembro de 2021, na Seção
Proponente: Instituto Todos 1, página 57 que publicou a DELIBERAÇÃO Nº 1474/2021, ANEXO I, onde se lê: Dados
Título: Todos por Pernambuco - Futsal e Handebol Ano 2 Bancários: Banco do Brasil Agência nº 4065 DV: 7 Conta Corrente (Captação) vinculada
SLI: 2101732 nº 25889-X, leia-se: Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0799 DV: 4 Conta
Manifestação Desportiva: Desporto de Rendimento Corrente (Bloqueada) vinculada nº 63772-6.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 17 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200017 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Processo Nº 71000.060241/2021-99 Processo no: 01245.001129/2020-87; Requerente: GENTROS PESQUISA E


No Diário Oficial da União nº 175, de 15 de setembro de 2021, na Seção DESENVOLVIMENTO LTDA; CQB: 291/09; Assunto: Relatório Anual 2019; Decisão:
1, página 155 que publicou a DELIBERAÇÃO Nº 1470/2021, ANEXO I, onde se lê: Dados Deferido
Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3515 DV: 5 Conta Corrente (Captação) vinculada Processo no: 01250.002890/2020-67; Requerente: Universidade Estadual
nº 36140-2, leia-se: Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 3015 DV: 5 Conta Paulista-Unesp-São José do Rio Preto Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas -
Corrente (Captação) vinculada nº 36140-2. Ibilce; CQB: 141/01; Assunto: Relatório Anual 2019; Decisão: Deferido
Processo no: 01245.005451/2021-66; Requerente: Universidade Federal do
Processo Nº 71000.038259/2021-12 Espírito Santo - UFES; CQB: 265/08; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido
No Diário Oficial da União nº 182, de 24 de setembro de 2021, na Seção Processo no: 01245.005614/2021-19; Requerente: Universidade de Passo Fundo
- UFP; CQB: 272/08; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido
1, página 17 que publicou a DELIBERAÇÃO Nº 1473/2021, ANEXO I, onde se lê: Dados Processo no: 01245.007298/2021-10; Requerente: Embrapa Agrobiologia; CQB:
Bancários: Banco do Brasil Agência nº 0433 DV: 2 Conta Corrente (Captação) vinculada 010/97; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido
nº 82732-0, leia-se: Dados Bancários: Banco do Brasil Agência nº 1041 DV: 3 Conta Processo no: 01245.05452/2021-19; Requerente: Instituto Agronômico de
Corrente (Captação) vinculada nº 88688-2. Campinas - IAC; CQB: 065/98; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido
Processo no: 01245.007332/2021-48; Requerente: Herbae Consultoria e Projetos
Processo Nº 71000.068424/2021-52 Agrícolas LTDA; CQB: 420/16; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido
No Diário Oficial da União nº 198, de 20 de outubro de 2021, na Seção 1, Processo no: 01245.008011/2021-61; Requerente: Basf S.A.; CQB: 031/97;
página 37 que publicou a DELIBERAÇÃO Nº 1478/2021, ANEXO I, onde se lê: CNPJ: Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido (Confidencial)
5.137.372/0001-31, leia-se: CNPJ: 15.137.372/0001-31. Processo no: 01245.005757/2021-12; Requerente: GDM - Genética do Brasil
Ltda.; CQB: 367/13; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido (Confidencial)
Processo Nº 71000.062904/2021-18 Processo no: 01245.008445/2021-61; Requerente: Fundação Centro de
No Diário Oficial da União nº 198, de 20 de outubro de 2021, na Seção 1, Experimentação e Pesquisa - Fecotrigo; CQB: 208/04; Assunto: Relatório Anual 2020;
página 37 que publicou a DELIBERAÇÃO Nº 1478/2021, ANEXO I, onde se lê: CNPJ: Decisão: Deferido
5.137.372/0001-31, leia-se: CNPJ: 15.137.372/0001-31. A CTNBio esclarece que este extrato não exime a requerente do cumprimento
das demais legislações vigentes no país, aplicáveis ao objeto do requerimento.
Processo Nº 71000.059284/2021-21 A CTNBio informa que de acordo com o parágrafo 5º do artigo 38 do
No Diário Oficial da União nº 198, de 20 de outubro de 2021, na Seção 1, Regimento interno da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança e instruído pelas
página 38 que publicou a DELIBERAÇÃO Nº 1478/2021, ANEXO I, onde se lê: NOTAS TÉCNICAS Nº 64/2020/SEI-CTNBio - Membros, Nº 78/2020/SEI-CTNBio - Membros e
Manifestação Desportiva: Desporto de, leia-se: Manifestação Desportiva: Desporto de Nº 67/2020/SEI-CTNBio - Membros, referente aos processos 01245.011305/2021-70,
01245.008011/2021-61 e 01245.005757/2021-12, respectivamente, da Secretaria Executiva
Rendimento. da CTNBio. O Presidente da CTNBio aprovou solicitação de sigilo para as informações
contidas no "Apêndices Confidenciais" dos referidos processos.
Processo Nº 71000.039118/2021-17 A íntegra deste Parecer Técnico consta do processo arquivado na CTNBio.
No Diário Oficial da União nº 198, de 20 de outubro de 2021, na Seção 1, Informações complementares ou solicitações de maiores informações sobre o processo,
página 37 que publicou a DELIBERAÇÃO Nº 1478/2021, ANEXO I, onde se lê: deverão ser encaminhadas, via Sistema de Informação ao Cidadão - SIC, por meio da
Manifestação Desportiva: Desporto de, leia-se: Manifestação Desportiva: Desporto de página eletrônica do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.
Rendimento.
PAULO AUGUSTO VIANNA BARROSO
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações
SECRETARIA DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO
COMISSÃO TÉCNICA NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA PORTARIA SEMPI/MCTI Nº 5.226, DE 18 DE OUTUBRO DE 2021
EXTRATO DE PARECER TÉCNICO Nº 7.760/2021 Habilitação à fruição do crédito financeiro de que
tratam o art. 4º da Lei nº 8.248, de 23 de outubro de
O Presidente da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança - CTNBio, no uso 1991 e os arts. 2º, 3º e 4º da Lei nº 13.969, de 26 de
de suas atribuições e de acordo com o artigo 14, inciso XIX, da Lei 11.105/05 e do Art. 5º, dezembro de 2019.
inciso XIX do Decreto 5.591/05, torna público que na 245ª Reunião Ordinária, ocorrida em
07/10/2021, a CTNBio apreciou e emitiu parecer técnico para os seguintes processos: O SECRETÁRIO DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO DO MINISTÉRIO DA
Processo no: 01250.015844/2020-28 ; Requerente: Raizen Biotecnologia S.A.; CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÕES SUBSTITUTO, no uso da atribuição conferida pelo
CQB: 270/08; Assunto: Relatório Anual 2019; Decisão: Deferido parágrafo único do art. 6º do Decreto nº 10.356, de 20 de maio de 2020, tendo em vista
Processo no: 01245.008004/2021-69; Requerente: Centro de Pesquisa Gonçalo o disposto nos arts. 4º e 9º deste Decreto, e considerando o que consta no Processo MCTI
Moniz (FIOCRUZ); CQB: 111/99; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido nº 01245.010756/2020-17, de 5 de novembro de 2020, resolve:
Processo no: 01245.006003/2021-80; Requerente: Centro de Ciências da Saúde O SECRETÁRIO DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO DO MINISTÉRIO DA
(Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ); CQB: 307/10; Assunto: Relatório Anual CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÕES SUBSTITUTO, no uso da atribuição conferida pelo
2020; Decisão: Deferido parágrafo único do art. 6º do Decreto nº 10.356, de 20 de maio de 2020, tendo em vista
Processo no: 01245.007980/2021-02; Requerente: Instituto Carlos Chagas - ICC o disposto nos arts. 4º e 9º deste Decreto, e considerando o que consta no Processo MCTI
/ Fiocruz - PR; CQB: 313/10; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido nº 01245.010756/2020-17, de 5 de novembro de 2020, resolve:
Processo no: 01245.011305/2021-70; Requerente: Instituto de Tecnologia em Art. 1º Habilitar a pessoa jurídica OIW Indústria Eletrônica S.A., inscrita no
Imunobiológicos - Bio Manguinhos (FIOCRUZ); CQB: 110/99; Assunto: Relatório Anual 2020; Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica do Ministério da Economia - CNPJ/ME sob o
Decisão: Deferido (Confidencial) nº 07.212.549/0006-01, à fruição do crédito financeiro de que tratam o art. 4º da Lei nº
Processo no: 01245.008627/2021-31; Requerente: Instituto de Pesquisas 8.248, de 23 de outubro de 1991, os arts. 2º, 3º e 4º da Lei nº 13.969, de 26 de dezembro
Tecnológicas - IPT; CQB: 055/98; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido de 2019, e o Decreto nº 10.356, de 20 de maio de 2020.
Processo no: 01245.010733/2021-85; Requerente: Ajinomoto do Brasil Indústria § 1º Cadastrar o estabelecimento fabril da pessoa jurídica identificada no caput,
e Comércio LTDA.; CQB: 104/99; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido CNPJ/ME nº 07.212.549/0006-01, responsável pela fabricação do(s) seguinte(s) bem(ns) de
Processo no: 01245.009373/2021-79; Requerente: Faculdade de Ciências tecnologias da informação e comunicação:
Farmacêuticas (Universidade Estadual Paulista - UNESP - Araraquara); CQB: 109/99; I - Distribuidor de conexões para redes (HUB);
Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido II - Roteador digital, para rede sem fio; e
Processo no: 01245.009191/2021-06; Requerente: Universidade Estadual de III - Modem para rede de fibra óptica.
Maringá - UEM; CQB: 147/01; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido § 2º O bem e os respectivos modelos devem cumprir o processo produtivo
Processo no: 01245.007852/2021-51; Requerente: Fundação de Medicina básico.
Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado; CQB: 229/06; Assunto: Relatório Anual 2020; § 3º Os modelos devem ser cadastrados pela pessoa jurídica e constar no
Decisão: Deferido processo MCTI nº 01245.010756/2020-17, de 5 de novembro de 2020.
Processo no: 01245.008682/2021-21; Requerente: Quatro G LTDA Pesquisa e Art. 2º A pessoa jurídica habilitada fará jus ao crédito financeiro de que trata a
Desenvolvimento; CQB: 235/06; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido Seção I do Capítulo V do Decreto nº 10.356, de 2020, que vigorará até 31 de dezembro de
Processo no: 01245.008669/2021-72; Requerente: Instituto Dante Pazzanese de 2029.
Cardiologia - IDPC; CQB: 293/10; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido Parágrafo único. A pessoa jurídica habilitada, além de cumprir o processo
Processo no: 01245.013762/2021-07; Requerente: Hospital do Câncer de produtivo básico, deverá investir, anualmente, no País, em atividades de pesquisa,
Barretos; CQB: 330/11; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido desenvolvimento e inovação, no setor de tecnologias da informação e comunicação, o
Processo no: 01245.008743/2021-51; Requerente: Instituto de Ensino e Pesquisa percentual mínimo de 4% sobre a base de cálculo formada pelo faturamento bruto no
da Santa Casa de Belo Horizonte / IEP - SCBH; CQB: 331/11; Assunto: Relatório Anual 2020; mercado interno, decorrente da comercialização do(s) bem(ns) relacionado(s) no art. 1º.
Decisão: Deferido Art. 3º O crédito financeiro decorrente dos benefícios referidos no art. 4º da Lei
Processo no: 01245.008638/2021-11; Requerente: DSMA - Desenvolvimento nº 8.248, de 1991, constitui, para todos os efeitos, compensação integral em substituição
Sustentável e Monitoramento Ambiental; CQB: 348/12; Assunto: Relatório Anual 2020; aos incentivos extintos pela revogação dos §§ 1º-A, 1º-D, 1º-E, 1º-F, 5º e 7º do art. 4º da
referida Lei.
Decisão: Deferido
Processo no: 01245.012784/2021-41; Requerente: Centro de Estudos e JOSÉ GUSTAVO SAMPAIO GONTIJO
Pesquisas em Moléstias Infecciosas - Centro de Pesquisas Clínicas de Natal; CQB: 415/16;
Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido PORTARIA SEMPI/MCTI Nº 5.227, DE 19 DE OUTUBRO DE 2021
Processo no: 01245.011792/2021-71; Requerente: Bionovis S.A. - Companhia
Brasileira de Biotecnologia Farmacêutica; CQB: 455/18; Assunto: Relatório Anual 2020; Reconhece investimentos em atividades de pesquisa,
Decisão: Deferido desenvolvimento e inovação (PD&I) decorrentes de
Processo no: 01245.011633/2021-76; Requerente: Hospital Geral de Nova tecnologias desenvolvidas no País, de acordo com o
Iguaçu; CQB: 476/19; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido Decreto nº 10.356, de 20 de maio de 2020, e a
Processo no: 01245.009196/2021-21; Requerente: Serviço de Infectologia e Portaria MCTI nº 4.514, de 2 de março de 2021, e
Controle de Infecção Hospitalar de Curitiba - Centro Médico São Francisco; CQB: 477/19; reconhece a condição de bens e produtos
Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido desenvolvidos no País, de acordo com a Portaria
Processo no: 01245.009389/2021-81; Requerente: CTI Clinical Brasil Serviços de MCT nº 950, de 12 de dezembro de 2006.
Pesquisas Clínicas e Comércio Ltda.; CQB: 504/20; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão:
Deferido O SECRETÁRIO DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO DO MINISTÉRIO DA
Processo no: 01245.012994/2021-30; Requerente: Hospital Nossa Senhora da CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÕES SUBSTITUTO, no uso da competência delegada pela
Conceição S.A./ Grupo Hospitalar Conceição; CQB: 513/20; Assunto: Relatório Anual 2020; Portaria MCTI nº 4.584, de 24 de março de 2021, considerando as atribuições previstas na
Decisão: Deferido Portaria MCTI nº 4.514, de 02 de março de 2021, e na Portaria MCT nº 950, de 12 de
Processo no: 01245.008420/2021-67; Requerente: Sociedade Literária e Criativa dezembro de 2006, tendo em vista o Decreto nº 10.356, de 20 de maio de 2020, e o
Santo Agostinho - Hospital São José; CQB: 515/20; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Decreto nº 5.906, de 26 de setembro de 2006, e conforme consta no Processo MCTI nº
Deferido 01245.002813/2021-67, resolve:
Processo no: 01245.010495/2021-16; Requerente: Merck Sharp & Dohme Art. 1º Reconhecer que os produtos e respectivos modelos abaixo descritos,
Farmacêutica Ltda.; CQB:540/20; Assunto: Relatório Anual 2020; Decisão: Deferido desenvolvidos pela empresa ADVANCE TECNOLOGIA EIRELI, inscrita no Cadastro Nacional
Processos no: 01245.005485/2020-70 (RA 2006), 01245.005486/2020-14 (RA da Pessoa Jurídica - CNPJ sob o nº 01.684.800/0001-31, atendem às condições de bens de
2007), 01245.005487/2020-69 (RA 2008), 01245.005488/2020-11 (RA 2009), informática ou automação desenvolvidos no País, nos termos da Portaria MCT nº 950, de
01245.005489/2020-58 (RA 2010), 01245.005490/2020-82 (RA 2011), 01245.005492/2020- 12 de dezembro de 2006, e resultam de investimentos em atividades de pesquisa,
71 (RA 2012), 01245.005493/2020-16 (2013); Requerente: Escola de Veterinária - desenvolvimento e inovação (PD&I) decorrentes de tecnologias desenvolvidas no País, nos
Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG; CQB: 178/02; Assunto: Relatório Anual termos da Portaria MCTI nº 4.514, de 2 de março de 2021:
2006, 2007, 2008, 2009, 2010, 2011, 2012, 2013; Decisão: Deferido I - APARELHO PARA CONEXÃO DE CENTRAL DE COMUTAÇÃO PRIVADA À REDE
Processo no: 01245.002045/2021-41; Requerente: CJ do Brasil Indústria e CELULAR, modelos: PINÁCULO AUTONOMUS 3G, PINÁCULO SIP RACK 3G, PINÁCULO SIP2-
Comércio de Produtos Alimentícios LTDA; CQB: 332/11; Assunto: Relatório Anual 2019; 3G, PINÁCULO MP-TR 3G, PINÁCULO MC-1R 3G, PINÁCULO VIRTUA-R 3G e PINÁCULO
Decisão: Deferido VIRTUA-R; e

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 18 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200018 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

II - CIRCUITO IMPRESSO COM COMPONENTES ELÉTRICOS E ELETRÔNICOS, Art. 2º A execução do serviço de radiodifusão, cuja permissão é renovada
MONTADOS, PARA APARELHO DE CONEXÃO DE CENTRAL DE COMUTAÇÃO PRIVADA A REDE por esta Portaria reger-se-á pelo Código Brasileiro de Telecomunicações, leis
CELULAR, modelos: PINÁCULO SIP4-3G PLACA e PINÁCULO SIP2-3G PLACA.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. subsequentes e seus regulamentos.
Art. 3º Este ato somente produzirá efeitos legais após deliberação do
JOSÉ GUSTAVO SAMPAIO GONTIJO Congresso Nacional, nos termos do § 3º do art. 223 da Constituição Federal.
PORTARIA SEMPI/MCTI Nº 5.228, DE 19 DE OUTUBRO DE 2021 Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

Reconhece investimentos em atividades de pesquisa, FÁBIO FARIA


desenvolvimento e inovação (PD&I) decorrentes de
tecnologias desenvolvidas no País, de acordo com o PORTARIA MCOM Nº 3.577, DE 10 DE SETEMBRO DE 2021
Decreto nº 10.356, de 20 de maio de 2020, e a
Portaria MCTI nº 4.514, de 2 de março de 2021, e O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso da atribuição que lhe
reconhece a condição de bens e produtos confere o art. 87, parágrafo único, inciso IV, da Constituição Federal, em conformidade
desenvolvidos no País, de acordo com a Portaria
MCT nº 950, de 12 de dezembro de 2006. com o disposto no artigo 38, alínea "c", da Lei n.º 4.117, de 27 de agosto de 1962,
o disposto no artigo 90, inciso I do Regulamento dos Serviços de Radiodifusão,
O SECRETÁRIO DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO DO MINISTÉRIO DA aprovado pelo Decreto n.º 52.795, de 31 de outubro de 1963, e tendo em vista o que
CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÕES SUBSTITUTO, no uso da competência delegada pela
Portaria MCTI nº 4.584, de 24 de março de 2021, considerando as atribuições previstas na consta do Processo Administrativo nº 53000.008834/2012-71, invocando as razões
Portaria MCTI nº 4.514, de 02 de março de 2021, e na Portaria MCT nº 950, de 12 de presentes na Nota Técnica n.º 8847/2021/SEI-MCOM e na Nota Técnica nº
dezembro de 2006, tendo em vista o Decreto nº 10.356, de 20 de maio de 2020, e o 10757/2021/SEI-MCOM, chancelada pelo Parecer Jurídico nº 00316/2021/CONJUR-
Decreto nº 5.906, de 26 de setembro de 2006, e conforme consta no Processo MCTI nº MCOM/CGU/AGU, resolve:
01245.010117/2021-24, resolve: Art. 1º Transferir a concessão outorgada à Frequência Brasileira de
Art. 1º Reconhecer que os produtos e respectivos modelos abaixo descritos,
desenvolvidos pela empresa RGT ELETRÔNICA EIRELI, inscrita no Cadastro Nacional da Comunicações Ltda., inscrita no C.N.P.J. nº 03.829.194/0001-20, por meio Decreto de
Pessoa Jurídica - CNPJ sob o nº 05.943.957/0001-95, atendem às condições de bens de 15 de abril de 2002, publicado em 16 de abril de 2002, aprovado pelo Decreto
informática ou automação desenvolvidos no País, nos termos da Portaria MCT nº 950, de Legislativo nº 102, de 2005, publicado em 03 de março de 2005, para a Rádio
12 de dezembro de 2006, e resultam de investimentos em atividades de pesquisa, Frequência News Ltda., inscrita no C.N.P.J. nº 10.929.470/0001-98, para executar, sem
desenvolvimento e inovação (PD&I) decorrentes de tecnologias desenvolvidas no País, nos
termos da Portaria MCTI nº 4.514, de 2 de março de 2021: direito de exclusividade, o serviço de radiodifusão sonora em onda média, no
- APARELHO PARA REGULAGEM DA INTENSIDADE LUMINOSA, BASEADO EM município de Garopaba, estado de Santa Catarina.
TÉCNICA DIGITAL, modelo: DIMMER DIGITAL LED DC - DLD. Art. 2º Os quadros societário e diretivo da cessionária, após a operação
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. realizada, ficarão assim constituídos:
JOSÉ GUSTAVO SAMPAIO GONTIJO . NOME COTAS VALOR - R$
PORTARIA SEMPI/MCTI Nº 5.230, DE 10 DE OUTUBRO DE 2021 . Guilherme Santos Souza 9.000 9.000,00
. Claudete Maria dos Santos Souza 21.000 21.000,00
Indefere pleito de habilitação à fruição dos . TOTAL 30.000 30.000,00
incentivos de que tratam a Lei nº 8.248, de 23 de
outubro de 1991, e a Lei nº 13.969, de 26 de
dezembro de 2019. . NOME CARGO
O SECRETÁRIO DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO DO MINISTÉRIO DA . Guilherme Santos Souza Administrador
CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÕES SUBSTITUTO, no uso da atribuição que lhe é conferida . Claudete Maria dos Santos Souza Administradora
pelo parágrafo único do art. 6º do Decreto nº 10.356, de 20 de maio de 2020, e tendo em
vista os arts. 4º e 9º da Lei nº 8.248, de 23 de outubro de 1991, os arts. 4º e 9º da Lei Art. 3º A execução do serviço de radiodifusão, cuja outorga é transferida
nº 13.969, de 26 de dezembro de 2019, os arts. 4º, 5º e 9º do Decreto nº 10.356, de 2020,
e considerando o que consta no Processo MCTI nº 01250.053667/2019-44, resolve: por esta Portaria, reger-se-á de acordo com o Código Brasileiro de Telecomunicações,
Art. 1º Fica indeferido o pleito de habilitação da empresa CONSTANTA leis subsequentes e seus regulamentos.
INDUSTRIAL LTDA., inscrita no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica do Ministério da Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Economia - CNPJ/ME sob o nº 02.358.783/0001-05, referente ao produto "Produto
eletrônico montado multicheiros". FÁBIO FARIA
Art. 2º A Portaria SDIC/ME nº 10.986, de 19 de novembro de 2019, que
concedeu a habilitação provisória torna-se sem efeito, em decorrência do indeferimento do
pleito de habilitação definitiva, na forma de seu art. 5º e do § 4º do art. 23-A do Decreto PORTARIA MCOM Nº 3.593, DE 11 DE SETEMBRO DE 2021
nº 5.906, de 2006.
Art. 3º A empresa deverá recolher, no prazo de dez dias do indeferimento do O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso da atribuição que lhe
pleito, os tributos relativos ao benefício fiscal fruído, com os acréscimos legais e confere o art. 87, parágrafo único, inciso IV, da Constituição Federal, considerando o
penalidades aplicáveis para recolhimento espontâneo, assim como pagar o crédito disposto no art. 6º, parágrafo único, da Lei nº 9.612, de 19 de fevereiro de 1998, e
financeiro ressarcido ou utilizado como objeto de compensação de débitos tributários, tendo em vista o que consta do processo nº 01250.080292/2017-23, invocando as
inclusive os juros e multas, na forma da lei. razões presentes na Nota Técnica nº 9841/2021/SEI-MCOM (SEI nº 7994130), com
Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
aplicação do Parecer Referencial nº 1578/2016/CONJUR-MCTIC/CGU/AGU (SEI nº
JOSÉ GUSTAVO SAMPAIO GONTIJO 7945241), emitido pela Consultoria Jurídica deste Órgão, resolve:
Art. 1º Renovar pelo prazo de dez anos, a partir de 04 de setembro de
CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 2018, a autorização outorgada à Associação de Difusão Comunitária Barraconense,
CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO inscrita no CNPJ nº 04.815.836/0001-03, para executar, sem direito de exclusividade, o
Serviço de Radiodifusão Comunitária no município de Barracão, estado do Rio Grande
DIRETORIA DE GESTÃO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO do Sul.
DESPACHO DE 21 DE OUTUBRO DE 2021 Parágrafo único. A autorização reger-se-á pela Lei nº 9.612, de 19 de
fevereiro de 1998, leis subsequentes, seus regulamentos e normas complementares.
42ª - Relação de pesquisadores credenciados à importação - Lei 8.010/1990 - PORTAL GOV.BR Art. 2º Este ato somente produzirá efeitos legais após deliberação do
Congresso Nacional, nos termos do § 3º do art. 223 da Constituição Federal.
. CREDENCIAMENTO NOME CPF VENCIMENTO Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
. 920.002748/2021 Iure Borges De Moura Aquino ***.980.048-** 21/10/2026
FÁBIO FARIA
. 920.002749/2021 Claudemir Marcos Radetsk ***.249.379-** 21/10/2026
. 920.002753/2021 Joseneusa Brilhante Rodrigues ***.547.671-** 21/10/2026 PORTARIA MCOM Nº 3.659, DE 28 DE SETEMBRO DE 2021
. 920.002757/2021 Rodrigo Sanchotene Silva ***.392.240-** 21/10/2026
920.002761/2021 Patricia Melchionna Albuquerque ***.715.490-** 21/10/2026 O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, SUBSTITUTO EVENTUAL,
designado por Decreto de 23 de setembro de 2021, publicado no DOU de 24 de
.

920.002766/2021 Elder Yokoyama ***.900.618-** 21/10/2026


setembro de 2021, no uso das suas atribuições, observado o disposto no Decreto n°
.

. 920.002771/2021 Renato Porfirio Ishii ***.604.141-** 21/10/2026 5.371, de 17 de fevereiro de 2005, e alterações, e o disposto no artigo 18 da Portaria
. 920.002789/2021 Jose Luiz De Souza Lopes ***.473.768-** 21/10/2026 n° 141, de 22 de julho de 2020, publicada no Diário Oficial da União em 24/07/2020,
920.002796/2021 Luciano Farias De Almeida ***.745.504-** 21/10/2026 bem como o que consta do Processo n° 01250.005041/2019-21, resolve:
Art. 1° Outorgar autorização à TVSBT CANAL 3 DE NOVA FRIBURGO LTDA,
.

920.002846/2021 Elder Vicente De Paulo Sobrinho ***.386.926-** 21/10/2026


pessoa jurídica inscrita no CNPJ sob o nº 29.341.120/0001-34, para executar, por prazo
.

. 920.002870/2021 Diego Leonel Cadette Dutra ***.083.907-** 21/10/2026 indeterminado, o serviço de retransmissão de televisão, ancilar ao serviço de
. 920.002871/2021 Yutao Xing ***.744.747-** 21/10/2026 radiodifusão de sons e imagens, com utilização do canal 23 (vinte e três), em caráter
primário e com tecnologia digital, no município de Araruama, estado do Rio de
THALES MARÇAL VIEIRA NETTO Janeiro.
Art. 2° A autorização ora outorgada tem caráter precário e objetiva-se a
Ministério das Comunicações retransmitir os sinais provenientes da TVSBT CANAL 3 DE NOVA FRIBURGO LTDA,
pessoa jurídica concessionária do serviço de radiodifusão de sons e imagens, inscrita no
GABINETE DO MINISTRO CNPJ sob o nº 29.341.120/0001-34, cuja outorga foi deferida por meio do Decreto nº
83.094, de 26 de janeiro de 1979, publicado no Diário Oficial da União de 29 de
PORTARIA MCOM Nº 3.570, DE 9 DE SETEMBRO DE 2021 janeiro de 1979, para execução do serviço no município de Nova Friburgo, estado do
Rio de Janeiro.
O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso da atribuição que lhe Art. 3° A presente autorização reger-se-á pelas disposições do citado
confere o art. 87, parágrafo único, inciso IV, da Constituição Federal, e tendo em vista
o que consta do Processo Administrativo nº 01250.007038/2020-86, invocando as Decreto e demais normas específicas.
razões presentes na Nota Técnica nº 9981/2021/SEI-MCOM, chancelada pelo Parecer Art. 4° Para fins de execução do referido serviço deverão ser observado os
Jurídico n.º 00350/2021/CONJUR-MCOM/CGU/AGU, resolve: prazos para a obtenção da autorização de uso de radiofrequência junto à Anatel e
Art. 1º Renovar, de acordo com o art. 33, § 3º, da Lei no 4.117, de 27 de solicitação do licenciamento da estação, estabelecidos no artigo 24 do Decreto n°
agosto de 1962, por dez anos, a partir de 1º abril de 2020, a permissão outorgada à 5.371, de 17 de fevereiro de 2005, alterado pelo Decreto n° 10.405, de 25 de junho
RÁDIO E TV MAÍRA LTDA (CNPJ nº 63.752.505/0001-22), nos termos da Portaria n.º
276, datada em 14 de junho de 2005, publicada em 17 de junho de 2005, chancelada de 2020.
Decreto Legislativo n.º n.º 194, de 2009, publicado em 22 de maio de 2009, para Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
executar, sem direito de exclusividade, o serviço de radiodifusão sonora em frequência
modulada, no Município de Manoel Urbano, Estado do Acre. MAXIMILIANO SALVADORI MARTINHÃO

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 19 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200019 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

DESPACHO Nº 276, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021

O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso de suas atribuições, resolve acolher o disposto na NOTA TÉCNICA Nº 4796/2021/SEI-MCOM e no PARECER nº
275/2021/CONJUR-MCOM/CGU/AGU, constante do processo nº 53900.055657/2015-11, de sorte a:
a) anular o EDITAL Nº 279/2018/SEI-MCTIC, de 25 de janeiro de 2019, publicado no Diário Oficial da União de 29 de janeiro de 2019, bem como todos os atos subsequentes dele
decorrentes; e
b) neste mesmo ato, em razão do indeferimento/Desclassificação das participantes do certame, declarar frustrado o processo de seleção para outorga do serviço de radiodifusão
sonora em frequência modulada, com fins exclusivamente educativos, na localidade de Careiro/AM, por meio do canal 290E, constante do Edital nº 78, de 23 de outubro de 2015, publicado
no Diário Oficial da União de 26 de outubro de 2015, de acordo com o resultado final constante do Anexo deste, nos termos da legislação vigente e das normas estabelecidas pela Portaria
nº 4.335/2015/SEI-MC, de 17 de setembro de 2015, publicada no Diário Oficial da União de 21/09/2015 e Portaria nº 3.238 de 20 de junho de 2018, publicada no Diário Oficial da União
de 21 de junho de 2018.
Encaminhem-se todos os processos dessa seleção ao Setor de Arquivo, considerando a conclusão do procedimento.

FÁBIO FARIA

ANEXO

. ENTIDADE TIPO PROCESSO CLASSIFICAÇÃO IES CONVENIADA IGC PROPOSTA SITUAÇÃO (quanto à apresentação de recurso/documentação referente
às Notas Técnicas nº 10288/2020 e 6363/2020).

. FUNDAÇÃO EVANGÉLICA TRINDADE Fundação de Direito Privado 53900.076856/2015-63 Instituto Presbiteriano 2,944 Indeferida Não apresentou.
Mackenzie (São Paulo)

. 1º Lugar

. FUNDAÇÃO BOAS NOVAS Fundação de Direito Privado 53900.062534/2015-37 2º Lugar Faculdade Boas Novas de 2,731 Indeferida Apresentou recurso referente à Nota Técnica nº 6363/2020. Indeferido,
Ciências Teológicas, Sociais e conforme NOTA TÉCNICA Nº 4643/2021 (SEI nº 7045377) e Despacho de
Biotecnológicas Decisão nº 261/2021 (SEI nº 7075394)

. FUNDAÇÃO DE COMUNICAÇÃO, CULTURA E Fundação de Direito Privado 53900.076180/2015-16 3º Lugar - Sem IGC Indeferida Fundação privada, sem sede na localidade.
CIDADANIA PE. ALÍPIO RODRIGUES

. O e-mail de comunicação da necessidade de complementação de


documentação, foi devolvido.

. (A Portaria nº 3399/2018, publicada em 09/07/2018, em seu art. 20


caput e incisos I e VII e parágrafo único §1º; e art.

. 27, determina que é de inteira responsabilidade do usuário manter seu


dados atualizados no MCTIC)

. FUNDAÇÃO CULTURAL PORTAL DA Fundação de Direito Privado 53900.001981/2016-09 - - - Desclassificada Natureza Jurídica de Associação Privada, constituída há menos de um ano
COMUNICAÇÃO do Edital

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 9.352, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021


CONSELHO DIRETOR Processo nº 53516.010839/2021-45.
Expede à ALBERTUS FREDERIK WOLTERS, CPF nº ***.113.379-**, autorização
ATO Nº 9.307, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021 para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Restrito, por prazo
indeterminado, sem caráter de exclusividade, e tendo como área de prestação de serviço
Processo nº 53500.023357/2021-24. todo o território nacional.
Confere à VIASAT INCORPORATED's, empresa constituída sob as leis do Reino
Unido, o Direito de Exploração, no Brasil, do satélite estrangeiro ViaSat-3 (89W), ocupando CELSO FRANCISCO ZEMANN
a posição orbital 89°O, pelo prazo de 15 (quinze) anos, e autoriza o uso de Gerente
radiofrequências associadas ao direito. O representante legal da VIASAT INCORPORATED's
no Brasil, no que se refere ao satélite ViaSat-3 (89W), será a VIASAT BRASIL PARTICIPAÇÕES ATO Nº 9.354, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021
LTDA., CNPJ nº 24.626.589/0001-04, empresa constituída sob as leis brasileiras, com sede
e administração no País. Processo nº 53528.003018/2021-13.
Transfere a autorização para exploração do Serviço Limitado Privado de
LEONARDO EULER DE MORAIS titularidade da SEVEG VIGILANCIA E SEGURANCA EIRELI, CNPJ nº 28.300.446/0002-31, para
Presidente do Conselho a SEVEG VIGILANCIA E SEGURANCA EIRELI, CNPJ nº 28.300.446/0003-12, bem como a
outorga de autorização de uso de radiofrequências associada à autorização para execução
ATO Nº 9.308, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021 do serviço.
Processo nº 53500.023357/2021-24. CELSO FRANCISCO ZEMANN
Confere à VIASAT SATELLITE HOLDINGS, LTD., empresa constituída sob as leis do Gerente
Reino Unido, o Direito de Exploração, no Brasil, do satélite estrangeiro ViaSat-3 (89W),
ocupando a posição orbital 89°O, pelo prazo de 15 (quinze) anos, e autoriza o uso de GERÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE SÃO PAULO
radiofrequências associadas ao direito. O representante legal da VIASAT SATELLITE
HOLDINGS, LTD. no Brasil, no que se refere ao satélite ViaSat-3 (89W), será a VIASAT ATO Nº 7.906, DE 22 DE SETEMBRO DE 2021
BRASIL PARTICIPAÇÕES LTDA., CNPJ nº 24.626.589/0001-04, empresa constituída sob as leis
brasileiras, com sede e administração no País. Processo nº 53504.005371/2021-14.
Expede autorização ao Marco Antonio Faria 05823384840, CNPJ nº
LEONARDO EULER DE MORAIS 36.300.362/0001-45, para explorar o Serviço de Interesse Restrito, por prazo
Presidente do Conselho indeterminado, sem caráter de exclusividade e tendo como área de prestação de serviço
todo o território nacional.
SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO
MARCELO AUGUSTO SCACABAROZI
GERÊNCIA REGIONAL NOS ESTADOS DO PARANÁ E SANTA CATARINA Gerente
ATOS DE 5 DE OUTUBRO DE 2021 ATO Nº 7.908, DE 22 DE SETEMBRO DE 2021
Extinguir, por cassação, a autorização no Serviço de Interesse Restrito Processo nº 53504.005381/2021-41.
outorgada aos abaixo identificados, por perdas das condições indispensáveis à manutenção Expede autorização ao Wagner da Silva Mobel, CPF nº ***.460.948-**, para
da autorização: explorar o Serviço de Interesse Restrito, por prazo indeterminado, sem caráter de
exclusividade e tendo como área de prestação de serviço todo o território nacional.
Nº 8.810 - Processo nº 53516.010810/2021-63: UBALDO PROPST, CPF nº ***.112.799-**.
MARCELO AUGUSTO SCACABAROZI
Nº 8.823 - Processo nº 53516.010809/2021-39: ANTONIO CARLOS DE CARVALHO, CPF nº Gerente
***.030.379-**.
GERÊNCIA REGIONAL NOS ESTADOS
CELSO FRANCISCO ZEMANN DE PERNAMBUCO, PARAÍBA E ALAGOAS
Gerente
ATO Nº 9.287, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021
ATO Nº 9.277, DE 19 DE OUTUBRO DE 2021

Processo nº 53520.001436/2021-46. Outorga uso de radiofrequência à SECRETARIA DE SAÚDE, CNPJ:


Expede autorização à Paulo Roberto Funke, CPF nº ***.867.099-**, para 08.806.754/0001-45, para exploração do Serviço Limitado Privado.
explorar o Serviço de Interesse Restrito, por prazo indeterminado, sem caráter de
exclusividade, em âmbito nacional e internacional e tendo como área de prestação de THIAGO CARDOSO HENRIQUES BOTELHO
serviço todo o território nacional.
Gerente
CELSO FRANCISCO ZEMANN GERÊNCIA REGIONAL NOS ESTADOS DO PARÁ, MARANHÃO E AMAPÁ
Gerente
ATO Nº 9.281, DE 19 DE OUTUBRO DE 2021
ATO Nº 9.297, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021
Declarar extinta, por renúncia, a partir de 19 de outubro de 2021, a
Processo nº 53520.001439/2021-80. autorização à FUNDACAO DE TELECOMUNICACOES DO PARA, CNPJ 05.441.704/0001-13,
Expede autorização à Navi Aviation Ltda, CNPJ nº 43.427.716/0001-82, para
por intermédio do Ato nº 623, de 03/02/2021, publicado no Boletim de Serviço
explorar o Serviço de Interesse Restrito, por prazo indeterminado, sem caráter de
exclusividade, em âmbito nacional e internacional e tendo como área de prestação de Eletrônico de 04/02/2021, para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse
serviço todo o território nacional. Restrito.

CELSO FRANCISCO ZEMANN CARNOT LUIZ BRAUN GUIMARÃES


Gerente Gerente

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 20 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200020 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

SUPERINTENDÊNCIA DE OUTORGA E RECURSOS À PRESTAÇÃO Nº 7.571 - Processo nº 53500.066501/2021-17.


Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à RADIO SISAL DE CONCEICAO
GERÊNCIA DE OUTORGA E LICENCIAMENTO DE ESTAÇÕES DO COITE S/A, CNPJ 14.749.576/0001-60, executante do Serviço de Radiodifusão Sonora
em Frequência Modulada, na localidade de Conceição do Coité/BA.
ATO Nº 7.261, DE 7 DE SETEMBRO DE 2021
RENATO SALES BIZERRA AGUIAR
Processo nº 53500.059302/2021-52. Gerente
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à CAMARA DOS DEPUTADOS,
CNPJ 00.530.352/0001-59, executante do Serviço de Geradora de Radiodifusão de Sons e ATO Nº 7.739, DE 21 DE SETEMBRO DE 2021
Imagens - Digital, na localidade de São José dos Campos/SP.
Processo nº 53500.058836/2021-61.
RENATO SALES BIZERRA AGUIAR Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à TELEVISÃO URUGUAIANA
Gerente LTDA, CNPJ 87.519.237/0001-61, executante do Serviço de Retransmissão de Radiodifusão
de Sons e Imagens, na localidade de Manoel Viana/RS.
ATOS DE 9 DE SETEMBRO DE 2021
RENATO SALES BIZERRA AGUIAR
Nº 7.295 - Processo nº 553500.064842/2021-58. Gerente
Declara extinta, por renúncia, a partir de 08/09/2021, a autorização outorgada
a USE FIBER INTERNET BANDA LARGA EIRELI, CNPJ/MF nº 36.575.510/0001-34, por ATOS DE 14 DE OUTUBRO DE 2021
intermédio do Ato nº 6388, de 23/10/2020, publicado no DOU de 04/11/2020, para
explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Coletivo e de Interesse Restrito, por Nº 9.129 - Processo nº 53500.073346/2021-95.
prazo indeterminado, em todo o território nacional. Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à FUNDACAO RANCHARIENSE,
CNPJ 09.645.008/0001-80, executante do Serviço de Radiodifusão Sonora em Frequência
Nº 7.329 - Processo nº 53500.064463/2021-68. Modulada, na localidade de Itatiba/SP.
Declara extinta, por renúncia, a partir de 06/09/2020, a autorização outorgada
a MARCONI FRANCISCO BEZERRA - ME, CNPJ nº 07.474.839/0001-00, por intermédio do Nº 9.135 - Processo n° 53500.052307/2021-54.
Ato nº 4.334, de 13/08/2020, para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Outorga autorização de uso de radiofrequência(s) à GRS DO BRASIL
Coletivo e de Interesse Restrito, por prazo indeterminado, em todo o território nacional. TELECOMUNICAÇÕES EIRELI - EPP, CNPJ nº 02.487.043/0001-79, associada à autorização
para execução do Serviço Limitado Especializado.
RENATO SALES BIZERRA AGUIAR
Gerente RENATO SALES BIZERRA AGUIAR
Gerente
ATO Nº 7.425, DE 14 DE SETEMBRO DE 2021 ATOS DE 18 DE OUTUBRO DE 2021
Processo nº 53500.063244/2021-61. Nº 9.229 - Processo nº 53500.075009/2021-32.
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à TV SERRA DOURADA LTDA, Declara extinta, por renúncia, a partir de 15/10/2021, a autorização outorgada
CNPJ 01.061.837/0001-03, executante do Serviço de Retransmissão de Radiodifusão de a Entre Rios Servicos de Informatica Eireli, CNPJ/MF nº 23.781.564/0001-04, por
Sons e Imagens, na localidade de Indiara/GO. intermédio do Ato nº 4334, de 13/08/2020, para explorar Serviços de Telecomunicações de
Interesse Coletivo e de Interesse Restrito, por prazo indeterminado, em todo o território
RENATO SALES BIZERRA AGUIAR nacional.
Gerente
ATOS DE 15 DE SETEMBRO DE 2021 Nº 9.230 - Processo nº 53500.060206/2020-76.
Declara extinta, por renúncia, a partir de 15/10/2021, a autorização outorgada
Nº 7522 - Processo nº 53500.064802/2021-14. a JKR SERVICOS DE INTERNET E COMUNICACAO LTDA, CNPJ/MF nº 31.072.365/0001-55, por
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à F S M COMUNICACAO LTDA intermédio do Ato nº 7431, de 03/12/2020, publicado no DOU de 10/12/2020, para
- EPP, CNPJ 10.319.151/0001-60, executante do Serviço de Retransmissão de Radiodifusão explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Coletivo e de Interesse Restrito, por
de Sons e Imagens, na localidade de Patos/PB. prazo indeterminado, em todo o território nacional.

Nº 7.525 - Processo nº 53500.064825/2021-11. Nº 9.231 - Processo nº 53500.075030/2021-38.


Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à F S M COMUNICACAO LTDA Declara extinta, por renúncia, a partir de 15/10/2021, a autorização outorgada
- EPP, CNPJ 10.319.151/0001-60, executante do Serviço de Retransmissão de Radiodifusão a Dvoranem e Fernandes Ltda, CNPJ/MF nº 11.034.615/0001-55, por intermédio do Ato nº
de Sons e Imagens, na localidade de Sousa/PB. 4334, de 13/08/2020, para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Coletivo e
de Interesse Restrito, por prazo indeterminado, em todo o território nacional.
Nº 7.528 - Processo nº 53500.064922/2021-11.
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à F S M COMUNICACAO LTDA Nº 9.232 - Processo nº 53500.075066/2021-11.
- EPP, CNPJ 10.319.151/0001-60, executante do Serviço de Retransmissão de Radiodifusão Declara extinta, por renúncia, a partir de 15/10/2021, a autorização outorgada
de Sons e Imagens, na localidade de Piranhas/AL. a DATACI - Companhia de Tecnologia da Informacao de Cachoeiro de Itapemirim - em
Liquidacao, CNPJ/MF nº 31.720.485/0001-11, por intermédio do Ato nº 4334, de
Nº 7.531 - Processo nº 53500.064991/2021-17. 13/08/2020, para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Coletivo e de
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à NOSSO LAR SERVIÇOS DE Interesse Restrito, por prazo indeterminado, em todo o território nacional.
RADIODIFUSÃO LTDA-ME, CNPJ 08.777.397/0001-34, executante do Serviço de
Retransmissão de Radiodifusão de Sons e Imagens, na localidade de Bananeiras/PB. RENATO SALES BIZERRA AGUIAR
Gerente
Nº 7.535 - Processo nº 53500.065113/2021-19. ATOS DE 19 DE OUTUBRO DE 2021
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à SF SERVICOS DE
COMUNICACOES LTDA - ME, CNPJ 08.777.375/0001-74, executante do Serviço de Nº 9.252 - Processo nº 53500.074842/2021-66.
Retransmissão de Radiodifusão de Sons e Imagens, na localidade de Matriz de Expede autorização à Mais Net Telecom Ltda, CNPJ/MF nº 43.272.893/0001-37,
Camaragibe/AL. para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Coletivo e de Interesse Restrito,
por prazo indeterminado, em todo o território nacional.
Nº 7.536 - Processo nº 53500.065118/2021-41.
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à SF SERVICOS DE Nº 9.255 - Processo nº 53500.074811/2021-13.
COMUNICACOES LTDA - ME, CNPJ 08.777.375/0001-74, executante do Serviço de Expede autorização à Br Shield Comunicacao do Brasil Ltda, CNPJ/MF nº
Retransmissão de Radiodifusão de Sons e Imagens, na localidade de São Luís do
Quitunde/AL. 20.208.775/0001-64, para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Coletivo e
de Interesse Restrito, por prazo indeterminado, em todo o território nacional.
Nº 7.537 - Processo nº 53500.065124/2021-07.
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à SF SERVICOS DE Nº 9.256 - Processo nº 53500.073281/2021-88.
COMUNICACOES LTDA - ME, CNPJ 08.777.375/0001-74, executante do Serviço de Expede autorização à Amtelecomunicacoes Suporte e Manutencao Ltda,
Retransmissão de Radiodifusão de Sons e Imagens, na localidade de Paranaguá/PR. CNPJ/MF nº 42.954.944/0001-48, para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse
Coletivo e de Interesse Restrito, por prazo indeterminado, em todo o território nacional.
Nº 7.538 - Processo nº 53500.065882/2021-17.
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à SF SERVICOS DE Nº 9.268 - Processo nº 53500.071254/2021-71.
COMUNICACOES LTDA - ME, CNPJ 08.777.375/0001-74, executante do Serviço de Expede autorização à Norte Servicos de Telecomunicacoes Ltda, CNPJ/MF nº
Retransmissão de Radiodifusão de Sons e Imagens, na localidade de Nova Serrana/MG. 38.370.091/0001-20, para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Coletivo e
de Interesse Restrito, por prazo indeterminado, em todo o território nacional.
Nº 7.539 - Processo nº 53500.065887/2021-40.
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à SF SERVICOS DE Nº 9.270 - Processo nº 53500.067429/2021-45.
COMUNICACOES LTDA - ME, CNPJ 08.777.375/0001-74, executante do Serviço de Expede autorização à Hvfb Telecomunicacoes e Informatica Eireli, CNPJ/MF nº
Retransmissão de Radiodifusão de Sons e Imagens, na localidade de Castro/PR. 26.756.640/0001-10, para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Coletivo e
de Interesse Restrito, por prazo indeterminado, em todo o território nacional.
Nº 7.540 - Processo nº 53500.065892/2021-52.
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à SF SERVICOS DE Nº 9.272 - Processo nº 53500.066930/2021-94.
COMUNICACOES LTDA - ME, CNPJ 08.777.375/0001-74, executante do Serviço de Expede autorização à Predict Systems Servicos de Tecnologia da Informacao
Retransmissão de Radiodifusão de Sons e Imagens, na localidade de Ingá/PB. Ltda, CNPJ/MF nº 28.151.687/0001-85, para explorar Serviços de Telecomunicações de
Interesse Coletivo e de Interesse Restrito, por prazo indeterminado, em todo o território
RENATO SALES BIZERRA AGUIAR nacional.
Gerente
Nº 9.274 - Processo nº 53500.065978/2021-85.
ATOS DE 16 DE SETEMBRO DE 2021
Expede autorização à Rema Participacoes Empresarial Ltda, CNPJ nº
42.741.838/0001-86, para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Restrito, por
Nº 7.565 - Processo nº 53500.063235/2021-71. prazo indeterminado, em todo o território nacional.
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à FUNDACAO SECULO VINTE E
UM, CNPJ 59.016.873/0001-35, executante do Serviço de Retransmissão de Radiodifusão Nº 9.275 - Processo nº 53500.074932/2021-57.
de Sons e Imagens, na localidade de Araxá/MG. Expede autorização à GDS HOLDING DE PARTICIPAÇÕES S.A., CNPJ nº
29.133.744/0001-66, para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Restrito, por
Nº 7.566 - Processo nº 53500.063240/2021-83. prazo indeterminado, em todo o território nacional.
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à FUNDACAO SECULO VINTE E RENATO SALES BIZERRA AGUIAR
UM, CNPJ 59.016.873/0001-35, executante do Serviço de Retransmissão de Radiodifusão Gerente
de Sons e Imagens, na localidade de Raul Soares/MG.
ATOS DE 20 DE OUTUBRO DE 2021
Nº 7.567 - Processo nº 53500.065853/2021-55.
Outorga Autorização de Uso de Radiofrequência à EMPRESA DE TELEVISAO Nº 9.296 - Autoriza NOKIA SOLUTIONS AND NETWORKS DO BRASIL TELECOMUNICACOES
JOAO PESSOA LTDA, CNPJ 24.294.209/0001-73, executante do Serviço de Geradora de LTDA, CNPJ nº 01.108.177/0034-37, a realizar operação temporária de equipamentos de
Radiodifusão de Sons e Imagens - Digital, na localidade de João Pessoa/PB. radiocomunicação, na cidade de São Paulo/SP, no período de 04/11/2021 a 03/12/2021.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 21 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200021 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Nº 9.302 - Processo nº 53500.072181/2021-34. Parágrafo único. O cumprimento, pelo participante, de metas superiores
Expede autorização à Galex Solucoes Eireli, CNPJ/MF nº 37.808.001/0001-77, àquelas previamente estabelecidas não configura a realização de serviços extraordinários,
para explorar Serviços de Telecomunicações de Interesse Coletivo e de Interesse Restrito, vedada aos participantes do programa de gestão.
por prazo indeterminado, em todo o território nacional. Art. 5º O dirigente da unidade interessada em executar atividades em programa
de gestão deverá editar ato normativo que estabeleça os procedimentos gerais de como
RENATO SALES BIZERRA AGUIAR será instituído o programa na respectiva unidade, que deverá conter:
Gerente I - a tabela de atividades com as informações de que trata o § 2º do art. 26 da
Instrução Normativa nº 65, de 2020;
Ministério da Defesa II - os regimes de execução passíveis de adoção no programa de gestão;
III - as hipóteses de vedação à participação, quando houver, bem como as de
desligamento do participante do programa de gestão, nos termos dos arts. 18 e 19 da
GABINETE DO MINISTRO Instrução Normativa nº 65, de 2020;
PORTARIA GM-MD Nº 4.305, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021 IV - os resultados e benefícios esperados para a instituição;
V - o percentual mínimo ou máximo de participantes em cada unidade, bem
Autoriza e dispõe sobre a implementação de programa como a necessidade de fixação de tempo mínimo de desempenho das atividades na
de gestão, em regime de teletrabalho, no âmbito da unidade, quando for o caso;
administração central do Ministério da Defesa, da VI - o percentual mínimo e máximo de produtividade adicional dos
Escola Superior de Guerra, da Escola Superior de participantes em teletrabalho em relação às atividades presenciais, caso a unidade opte
Defesa e do Hospital das Forças Armadas. por essa fixação;
VII - termo de ciência e responsabilidade que será assinado pelo participante do
O MINISTRO DE ESTADO DA DEFESA, no uso das atribuições que lhe são programa de gestão e pela chefia imediata;
conferidas pelo art. 87, parágrafo único, incisos I e II, da Constituição, considerando o VIII - prazo de antecedência mínima de convocação para comparecimento
disposto no art. 6º, § 6º, do Decreto nº 1.590, de 1º de agosto de 1995, e na Instrução pessoal do participante à unidade, quando houver interesse fundamentado da
Normativa nº 65, de 30 de julho de 2020, da Secretaria de Gestão e Desempenho de Administração ou pendência que não possa ser solucionada por meios telemáticos ou
Pessoal do Ministério da Economia, e tendo em vista o que consta no Processo informatizados; e
Administrativo nº 60500.000066/2020-42, resolve: IX - o processo de execução do programa de gestão na unidade, conforme
Art. 1º Esta Portaria autoriza e dispõe sobre a implementação do programa de diretrizes estabelecidas na Seção III, Capítulo II, da Instrução Normativa nº 65, de 2020.
gestão, em regime de teletrabalho, aplicável a servidores, empregados e contratados por § 1º Os procedimentos gerais serão publicados pelo dirigente da unidade,
tempo determinado, com base na Lei nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, no âmbito da autoridade de nível não inferior a Secretário, ou equivalente.
administração central do Ministério da Defesa, da Escola Superior de Guerra, da Escola § 2º Caberá à Secretaria-Geral a publicação dos procedimentos gerais das
Superior de Defesa e do Hospital das Forças Armadas. unidades de assistência direta e imediata ao Ministro de Estado da Defesa.
§ 1º Para efeito do caput, a adoção do teletrabalho dar-se-á em caráter § 3º Os procedimentos gerais do Hospital das Forças Armadas serão publicados
excepcional e observará as regras e condicionantes previstas na Instrução Normativa nº 65, pela Secretaria de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto.
de 30 de julho de 2020, da Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério § 4º O ato normativo de que trata o caput deverá ser publicado em Diário
da Economia. Oficial da União e divulgado no sítio eletrônico do Ministério da Defesa e do respectivo
§ 2º O regime de teletrabalho de que trata esta Portaria não será aplicado: órgão.
I - no âmbito das seguintes unidades e funções do Gabinete do Ministro de § 5º A tabela de atividades de que trata o inciso I do caput será elaborada por
Estado da Defesa, observada a necessidade do serviço: ocupante de cargo de Diretor, ou equivalente, admitida a delegação a ocupante de cargo
a) Assessoria de Atos e Procedimentos; de Gerente ou Coordenador-Geral, e aprovada pelo dirigente da unidade à qual esteja
b) Assessoria de Cerimonial; imediatamente subordinado.
c) Assessoria de Comunicação Social; Art. 6º Decorridos seis meses da publicação da norma de procedimentos gerais,
d) Assessoria Parlamentar; o dirigente da unidade encaminhará o relatório de ambientação, previsto no art. 15 da
e) setor de ajudantes de ordens do Ministro de Estado da Defesa; Instrução Normativa nº 65, de 2020, à Secretaria-Geral, para acompanhamento
f) Serviço de Apoio Administrativo; e institucional, e à Secretaria de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto, que se manifestarão no
g) Setor de Segurança Pessoal do Ministro de Estado da Defesa; prazo de trinta dias a contar do recebimento.
II - no âmbito do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, observadas as Art. 7º As unidades participantes do programa de gestão deverão elaborar,
especificidades do serviço; anualmente, até o dia 30 de setembro, relatório gerencial, nos termos do art. 17 da
III - a militares da ativa, em razão do regime jurídico próprio a que estão Instrução Normativa nº 65, de 2020, que será submetido à avaliação da Secretaria-
submetidos; e Geral.
IV - a militares prestadores de tarefa por tempo certo, observada a aplicação de Parágrafo único. A Secretaria-Geral encaminhará o relatório gerencial
regramento próprio para o desempenho de suas atividades. consolidado à Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia,
Art. 2º A adesão ao programa de gestão de que trata esta Portaria não poderá anualmente, até o dia 30 de novembro.
ultrapassar a cinquenta por cento do número de servidores, empregados públicos ou Art. 8º As unidades participantes do programa de gestão deverão utilizar
contratados por tempo determinado existentes em cada um dos órgãos ou unidades dos sistema informatizado apropriado como ferramenta de apoio tecnológico para
órgãos de que trata o art. 1º. acompanhamento e controle do cumprimento de metas e alcance de resultados.
§ 1º Não poderão participar do programa de gestão, em regime de Parágrafo único. O Departamento de Tecnologia da Informação e Comunicação
teletrabalho, os servidores ocupantes de cargo em comissão ou função de confiança do Ministério da Defesa prestará o suporte necessário à implementação e à sustentação do
equivalente ou superior ao nível 4 do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - sistema informatizado previsto no caput, observadas as regras aplicáveis a informações
DAS. sigilosas, de acesso restrito e de proteção a dados pessoais.
§ 2º Terão preferência para deferimento da participação no programa de Art. 9º A adesão ao programa de gestão, em regime de teletrabalho, implica
gestão, em regime de teletrabalho, os servidores, empregados e contratados por tempo que os servidores, empregados ou contratados por tempo determinado participantes:
determinado que se enquadrarem em ao menos uma das seguintes situações, sem prejuízo I - reúnam condições técnicas para trabalhar a distância, sem comprometer as
da observância aos demais requisitos: normas de segurança e medicina do trabalho, a integridade documental e a segurança de
I - portador de doença crônica ou limitante, ou que tenha cônjuge ou dados e informações afetas à sua área de atuação; e
dependente nessa condição, conforme laudo médico; e II - providenciem, às suas expensas, os meios tecnológicos e as estruturas físicas
II - gestante ou lactante, em caso de o trabalho presencial não ser que permitam a adequada realização de teletrabalho.
recomendado por laudo médico. Art. 10. A participação no programa de gestão, em regime de teletrabalho:
§ 3º Aos servidores em exercício descentralizado no âmbito dos órgãos de que I - não altera as parcelas remuneratórias permanentes a que faz jus o
trata o art. 1º serão aplicadas as regras dos respectivos órgãos de origem. servidor;
Art. 3º Para fins desta Portaria, considera-se: II - impede o pagamento de adicionais ocupacionais de insalubridade,
I - programa de gestão: ferramenta de gestão autorizada em ato normativo de periculosidade, irradiação ionizante e gratificação por atividades com Raios X ou
Ministro de Estado e respaldada pela norma de procedimentos gerais, que disciplina o substâncias radioativas, ou quaisquer outras relacionadas à atividade presencial;
exercício de atividades em que os resultados possam ser efetivamente mensurados, cuja III - não prejudica a percepção do auxílio-alimentação; e
execução possa ser realizada pelos participantes; IV - permite o recebimento de auxílio-transporte em caso de necessidade de
II - atividade: conjunto de ações específicas a serem realizadas de forma deslocamento ao local de trabalho.
individual e supervisionada pela chefia imediata, visando entregas no âmbito de projetos e Art. 11. Os órgãos do Ministério da Defesa ou as entidades a ele vinculadas que
processos de trabalho institucionais;
III - entrega: resultado do esforço empreendido na execução de uma atividade já dispuserem de normas sobre programa de gestão deverão adequá-las ao disposto na
sendo definida no planejamento e com data prevista de conclusão; Instrução Normativa nº 65, de 2020, ou solicitar sua revalidação à Secretaria de Gestão e
IV - unidade: setor de nível não inferior ao de Secretaria no âmbito dos Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia, mediante apresentação de
Ministérios, ou equivalente nas autarquias e fundações públicas; justificativas fundamentadas.
V - dirigente da unidade: autoridade máxima da unidade, correspondente a, no Parágrafo único. O pedido de revalidação, com as respectivas justificativas,
mínimo, Secretário ou equivalente; deverá ser encaminhado à Secretaria de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto, para avaliação
VI - chefe imediato: autoridade imediatamente superior ao participante; e posterior encaminhamento ao órgão central do Sistema de Pessoal Civil da Administração
VII - teletrabalho: modalidade de trabalho em que o cumprimento da jornada Federal.
regular pelo participante pode ser realizado fora das dependências físicas do órgão, em Art. 12. No âmbito da administração central do Ministério da Defesa, caberá à
regime de execução parcial ou integral, de forma remota e com a utilização de recursos Secretaria de Orçamento e Organização Institucional, por meio do Departamento de
tecnológicos, para a execução de atividades que sejam passíveis de controle e que Administração Interna, a adoção das medidas de coordenação e execução de que trata esta
possuam metas, prazos e entregas previamente definidos e, ainda, que não configurem Portaria, sem prejuízo da atuação da Secretaria de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto.
trabalho externo, dispensado do controle de frequência; Parágrafo único. As medidas de que trata o caput incluem a orientação aos
VIII - regime de execução parcial: quando a forma de teletrabalho a que está demais órgãos da estrutura regimental do Ministério da Defesa quanto à adoção, em suas
submetido o participante restringe-se a um cronograma específico, dispensado do controle respectivas áreas de atuação, do programa de gestão em regime de teletrabalho.
de frequência exclusivamente nos dias em que a atividade laboral seja executada Art. 13. Ato do Ministro de Estado da Defesa poderá suspender,
remotamente, nos termos desta Portaria; excepcionalmente, o programa de gestão de que trata esta Portaria, bem como alterar ou
IX - regime de execução integral: quando a forma de teletrabalho a que está revogar a respectiva norma de procedimentos gerais, por razões técnicas ou de
submetido o participante compreende a totalidade da sua jornada de trabalho, dispensado conveniência e oportunidade, devidamente fundamentadas.
do controle de frequência, nos termos desta Portaria; Art. 14. A critério dos dirigentes das unidades de exercício dos servidores e
X - trabalho externo: atividades que, em razão da sua natureza, da natureza do observadas as disposições da Instrução Normativa nº 65, de 2020, da Secretaria de Gestão
cargo ou das atribuições da unidade que as desempenha, são desenvolvidas externamente e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia, e desta Portaria, poderão participar
às dependências do órgão ou entidade e cujo local de realização é definido em função do do programa de gestão de que trata o art. 3º, inciso I, servidores públicos, empregados
seu objeto; públicos e contratados temporários que se encontrem em regime de trabalho
XI - área de gestão de pessoas: unidade administrativa integrante da estrutura presencial.
organizacional de Ministério, de autarquia ou de fundação pública competente para Parágrafo único. O disposto no caput tem a finalidade de:
implementação da política de pessoal; I - medir objetivamente o desempenho funcional com base em metas e alcance
XII - área responsável pelo acompanhamento de resultados institucionais: de resultados; e
unidade administrativa integrante da estrutura organizacional de Ministério, de autarquia II - mapear a possibilidade de ingresso de novos servidores em regime de
ou de fundação pública que tenha competência relativa à gestão estratégica e à avaliação teletrabalho.
de resultados.; Art. 15. O regime de teletrabalho de que trata esta Portaria não se confunde
XIII - autoridade superior: titular de cargo hierarquicamente superior ao chefe com o de trabalho remoto, de natureza contingencial e episódica, previsto em normas
de unidade e ao chefe imediato; e específicas, observados os condicionantes de excepcional interesse público.
XIV - chefe de unidade: titular de cargo superior direto ao chefe imediato do Art. 16. Os órgãos integrantes da administração central do Ministério da
participante. Defesa, da Escola Superior de Guerra, da Escola Superior de Defesa e do Hospital das
Parágrafo único. A dispensa do controle de frequência de que tratam os incisos Forças Armadas devem orientar as suas ações para gradativamente aprimorar modelos de
VII, VIII e IX do caput, não transfere para a União ônus ou responsabilidades decorrentes projetos e processos de trabalho em que os correspondentes recursos humanos possam
da realização de trabalho noturno, em ambientes insalubres ou de periculosidade. ter atividades e resultados mensuráveis, independentemente da adesão ao regime de
Art. 4º A adoção do teletrabalho no âmbito dos órgãos de que trata o art. 1º teletrabalho de que trata esta Portaria.
está condicionada ao aumento da produtividade de, no mínimo, dez por cento nas Art. 17. Os casos omissos decorrentes da execução desta Portaria serão
atividades a serem desempenhadas nessa modalidade, em cada unidade. decididos pelo Secretário-Geral do Ministério da Defesa.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 22 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200022 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Art. 18. Fica revogada a Portaria Normativa nº 39/GM-MD, de 16 de abril de


2020, publicada no Diário Oficial da União nº 89, Seção 1, página 21, de 12 de maio de COMANDO DO EXÉRCITO
2020. GABINETE DO COMANDANTE
Art. 19. Esta Portaria entra em vigor em 3 de novembro de 2021.
DESPACHO Nº 417, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021
WALTER SOUZA BRAGA NETTO
Reversão de fração de bem imóvel Próprio Nacional
PORTARIA GM-MD Nº 4.311, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021 sob Administração do Comando do Exército à
Secretaria de Coordenação e Governança do
Dispõe sobre o Comitê de Monitoramento da Patrimônio da União, por intermédio da
Estratégia (CME) no âmbito do Setor de Defesa. Superintendência do Patrimônio da União no Estado
do Amapá, para posterior transferência, sob as
formas admitidas na legislação vigente, ao Estado do
O MINISTRO DE ESTADO DA DEFESA, no uso das atribuições que lhe confere Amapá, a fim de duplicação da rodovia estadual
o art. 87, parágrafo único, incisos I e II, da Constituição, observado o disposto no Duca Serra (AP-020), situada em Macapá-AP.
Decreto nº 9.628, de 26 de dezembro de 2018, em conformidade com o previsto no
art. 5º do Anexo da Resolução CONSUG-MD nº 8, de 16 de junho de 2021, e 1. Processo originário do Comando da 8ª Região Militar (Cmdo 8ª RM),
considerando o que consta do Processo Administrativo nº 60006.000157/2021-40, propondo a reversão à Superintendência do Patrimônio da União no Estado do Amapá
resolve: (SPU/AP), de fração com área de 42.020,45 m² (quarenta e dois mil e vinte metros
Art. 1º Esta Portaria dispõe sobre o Comitê de Monitoramento da Estratégia quadrados e quarenta e cinco decímetros quadrados) do bem imóvel próprio nacional
(CME) no âmbito do Setor de Defesa, instância de apoio à governança setorial, que cadastrado no Comando do Exército como AP 08-0015, situado na Avenida Duque de
tem por finalidade auxiliar o Conselho Superior de Governança do Ministério da Defesa Caxias, s/nº, Rodovia 156 - Área E, Bairro Santa Rita, Macapá-AP, de Registro Imobiliário
(CONSUG/MD) no processo de acompanhamento da implementação do Planejamento Patrimonial de utilização nº 0605.00036.500-8, registrado em 22 de julho de 1975, sob a
matrícula nº 1.329, no Livro nº 4-E - Registros Diversos, à folha 6, do Cartório de Registro
Estratégico Setorial de Defesa (PESD).
de Imóveis da Comarca de Macapá - 2ª Circunscrição, a fim de duplicação da rodovia
Parágrafo Único. O acompanhamento de que trata o caput não engloba o
estadual Duca Serra (AP - 020), situada em Macapá-AP.
monitoramento e a avaliação da implementação dos planejamentos estratégicos das 2. Considerando que:
Forças Singulares e do Plano de Gestão do Ministério da Defesa. a. a manifestação expressa do Chefe do poder executivo estadual do Amapá ao
Art. 2º Ao CME compete: Ministro da Defesa, contida no Ofício nº 029/CG, de 14 de abril de 2021, formalizando o
I - estabelecer a metodologia a ser empregada e coordenar o processo de interesse na fração do bem imóvel, especificamente para a duplicação da rodovia estadual
coleta de dados e informações, a fim de permitir o monitoramento seletivo dos Duca Serra (AP-020), situada em Macapá-AP;
resultados alcançados na implementação do PESD; b. a medida compensatória pela disponibilização da fração do bem imóvel
II - coordenar os trabalhos de construção, interpretação e análise dos requerido, em que o Chefe do executivo estadual se compromete a executar os trabalhos
indicadores estratégicos e de formação da sua base histórica; de relocação das cercas e mourões, rede elétrica e caixa d´água existentes no interior da
III - auxiliar o CONSUG/MD no processo de estabelecimento de indicadores fração objeto de interesse; adequações necessárias na ampliação da rodovia, construção de
e metas a serem utilizados no acompanhamento do PESD; acesso ao aquartelamento e outras necessárias à organização militar (OM);
IV - realizar Reuniões de Monitoramento da Estratégia (RME) com o objetivo c. que a fração do bem imóvel objeto de interesse daquele ente estadual será
de proceder a avaliação preliminar da implementação do PESD; utilizada na duplicação da rodovia estadual, contribuindo para o melhoramento da
V - consolidar dados sobre a efetividade dos resultados dos programas e mobilidade urbana, constituindo-se em interesse de utilidade pública;
projetos integrantes do Portfólio de Projetos Estratégicos de Defesa (PPED) para o d. que o Comando do Exército pode disponibilizar a fração do bem imóvel
atingimento dos Objetivos Setoriais de Defesa (OSD); requerido por aquele ente estadual sem que haja prejuízo de natureza patrimonial ou na
VI - levantar possíveis medidas de ajustes na implementação do PESD, a vida vegetativa da OM que a tem sob responsabilidade;
e. para o caso ora em comento, não subsiste interesse do Comando do Exército
serem submetidas ao CONSUG/MD, em virtude do processo de avaliação ou para
em manter sob sua administração a fração pretendida do bem imóvel acima citado,
propiciar melhores condições para gerenciar possíveis riscos estratégicos visualizados;
possibilitando a sua reversão à SPU/AP para posterior transferência, sob as formas
VII - propor dados para compor o relatório prévio da Reunião de Avaliação admitidas na legislação vigente, ao Estado do Amapá, para a finalidade a que se destina;
da Estratégia (RAE), conforme estabelecido no art. 8º, inciso III, da Resolução e
CONSUG/MD nº 8, de 16 de junho de 2021; f. os pareceres favoráveis do Estado-Maior do Exército (EME), do Comando
VIII - promover o intercâmbio de informações de interesse comum Militar do Norte (CMN), do Departamento de Engenharia e Construção (DEC) e o contido
relacionadas ao processo de planejamento estratégico; no art. 14, das Instruções Gerais Sobre Desincorporação de Bens Imóveis do Acervo
IX - aprovar seu regimento interno e os atos necessários ao seu Imobiliário sob Jurisdição do Exército (IG 50-02), aprovadas pela Portaria do Comandante
funcionamento; e do Exército nº 468, de 30 de agosto de 2000, exaro o seguinte;
X - aprovar o calendário de reuniões ordinárias. Despacho:
Art. 3º O CME será composto pelos seguintes membros: 1) Autorizo, no que concerne à aplicabilidade dos art. 77 e § 4º do art. 79 do
I - do Ministério da Defesa: Decreto-Lei nº 9.760, de 5 de setembro de 1946, a reversão à SPU/AP, da fração com área
a) Chefe da ASPLAN, que o presidirá; acima mencionada, por terem cessados os motivos de sua aplicabilidade em serviço
b) um representante da ASPLAN; público (atividades militares e complementares), de forma a possibilitar sua transferência,
c) um representante do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas de acordo com a legislação vigente, ao Estado do Amapá, para a finalidade a que se
(EMCFA); e destina.
d) um representante da Secretaria-Geral do Ministério da Defesa (SG); 2) Encaminhe-se o presente Despacho ao DEC para conhecimento e remessa à
II - do Comando da Marinha: um representante do Estado-Maior da 8ª Região Militar (8ª RM), a fim de seu cumprimento.
3) O Comando da 8ª Região Militar (Cmdo 8ª RM) adote as seguintes
Armada;
providências:
III - do Comando do Exército: um representante do Estado-Maior do a) realizar a instrução do processo administrativo desincorporativo da fração do
Exército; e bem ora revertido com adição deste instrumento;
IV - do Comando da Aeronáutica: um representante do Estado-Maior da b) elaborar o termo de devolução, o Laudo de Vistoria e a Nota de Lançamento
Aeronáutica. no Sistema de Gerenciamento dos Imóveis de Uso Especial da União (SPIUnet) contendo a
§ 1º O Presidente do CME será substituído em suas faltas e impedimentos transferência de administração da fração do bem imóvel da Unidade Gestora (UG) Cmdo 8ª
legais pelo representante de maior precedência hierárquica presente à reunião. RM para a UG da SPU/AP;
§ 2º Cada membro do CME terá um suplente, que o substituirá em suas c) encaminhar o processo à SPU/AP, visando à efetivação dos atos
ausências e impedimentos. administrativos subsequentes, entre os quais o apostilamento no termo de afetação
§ 3º Os membros do CME, titular e suplente, serão indicados pelas Forças correspondente, constando as modificações ocorridas;
Singulares e pelos órgãos do Ministério da Defesa, conforme cada caso, e designados d) disponibilizar documentação comprobatória desses atos à Diretoria de
em ato do Ministro de Estado da Defesa. Patrimônio Imobiliário e Meio Ambiente (DPIMA) para acompanhamento, controle e
§ 4º Cada membro do CME poderá ser acompanhado por até dois adoção das medidas necessárias à atualização cadastral; e
assessores por ocasião das reuniões do Comitê. e) notificar o Sr Governador do Estado do Amapá acerca da autorização ora
§ 5º O Presidente do CME poderá autorizar, além dos dois assessores, a concedida, bem como informar o número do protocolo atribuído por aquela
participação nas reuniões, de militares ou civis que, em razão de conhecimento técnico Superintendência, a fim de acompanhamento e controle.
ou das entidades que representem, possam contribuir com os trabalhos do 4) O EME, o CMN e a 8ª RM tomem conhecimento e adotem as providências
decorrentes.
colegiado.
Art. 4º O CME reunir-se-á ordinariamente pelo menos duas vezes por ano, Gen Ex PAULO SÉRGIO NOGUEIRA DE OLIVEIRA
com um quórum mínimo de cinco membros, e as decisões serão tomadas por Comandante do Exército
consenso, observadas as disposições de seu regimento interno.
§ 1º Por convocação do Presidente do CME poderão ocorrer reuniões COMANDO DA MARINHA
extraordinárias. SECRETARIA-GERAL
§ 2º As pautas das reuniões do colegiado serão enviadas para os órgãos
que possuem representação no CME com antecedência mínima de trinta dias para as DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO
reuniões ordinárias e sete dias para as reuniões extraordinárias. PORTARIA Nº 103/DADM, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021
§ 3º Os membros do CME que se encontrarem no Distrito Federal reunir-
se-ão presencialmente e aqueles que se encontrarem em outros entes federativos Alteração de dados cadastrais de Organização Militar
poderão participar da reunião por meio de videoconferência. (OM) no cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ).
Art. 5º A ASPLAN exercerá a função de Secretaria-Executiva do CME e
O DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO DA MARINHA, no uso de suas
prestará o apoio administrativo às atividades do Comitê.
atribuições legais e com fundamento no art. 13 da Instrução Normativa nº
Art. 6º As reuniões do CME darão origem a relatórios que conterão os
1.863, de 27 de dezembro de 2018, da Receita Federal do Brasil (RFB),
resultados e conclusões dos trabalhos do Comitê, bem como sugestões de medidas a
resolve:
serem propostas em função das competências descritas no art. 2º.
Art. 1º Alterar o Código e Descrição da Atividade Econômica Principal
Parágrafo único. Os relatórios de que trata o caput serão encaminhados às
(CNAE -Fiscal Principal 84.22-1/00 - Defesa) para Código e Descrição da
Forças Singulares, ao EMCFA e à SG.
Art. 7º A divulgação de discussões em curso no âmbito do CME será restrita Atividade Econômica Principal (CNAE - Fiscal Principal 64.99-9/04 - Caixas de
às estruturas hierárquicas e de comando dos membros do Comitê por se tratar de Financiamento de Corporações) e Descrição de Natureza Jurídica de 101-5 -
debates preparatórios às deliberações do CONSUG/MD. Órgão Público do Poder Executivo Federal para 110-4 - Autarquia Federal, no
Art. 8º A participação no CME será considerada prestação de serviço público CNPJ nº 03.332.937/0001-52 pertencente à Caixa de Construções de Casas para
relevante, não remunerada. o Pessoal da Marinha.
Art. 9º Esta Portaria entra em vigor em 3 de novembro de 2021. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

WALTER SOUZA BRAGA NETTO C Alte (IM) LEONARDO DIAS DE ASSUMPÇÃO

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 23 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200023 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Ministério do Desenvolvimento Regional ATO Nº 2.073, DE 19 DE OUTUBRO DE 2021

O SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO DE USOS DE RECURSOS HÍDRICOS da


SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO - ANA, torna público que, no
exercício da competência delegada pelo art. 3º, inciso I, da Resolução ANA nº 26, de
PORTARIA Nº 2.661, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021 8/5/2020, nos termos do art. 12, V, da Lei nº 9.984, de 17/06/2000, com fundamento na
Resolução ANA nº 1.938 de 30/10/2017, resolveu:
A UNIÃO, por intermédio do MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, Revogar, a partir de 8 de outubro de 2021, a outorga emitida a Rubenilson de
neste ato representado pelo SECRETÁRIO NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL, Amorim Moura, CPF nº 985.893.775-04, por meio da Resolução nº 1.476, de 7 de
nomeado pela Portaria n. 830, de 25 de janeiro de 2019, publicada no DOU, de 25 de dezembro de 2016, publicada no DOU em 12 de dezembro de 2016, seção 1, pág. 125,
janeiro de 2019, Seção II, Edição Extra A, consoante delegação de competência conferida para aquicultura
pela Portaria n. 730, de 25 de março de 2020, publicada no DOU, de 26 de março de 2020, (piscicultura em tanques-rede) no Reservatório da UHE Apolônio Sales/Moxotó,
Seção 1, e tendo em vista o disposto na Lei nº 12.340, de 01 de dezembro de 2010, na Lei Município de Glória, Estado da Bahia, por motivo de desistência do cessionário.
nº 12.608, de 10 de abril de 2012 e no Decreto nº 7.257, de 04 de agosto de 2010, O inteiro teor da Revogação de Outorga, bem como as demais informações
resolve: pertinentes estão disponíveis no site www.gov.br/ana.
Art. 1° Prorrogar o prazo de execução das ações de recuperação, previsto no
art. 4° da Portaria n. 35, de 16 de fevereiro de 2016, constante no processo administrativo PATRICK THOMAS
nº 59050.001126/2014-62, que autorizou o empenho e a transferência de recursos ao
Município de Santa Terezinha - SC, para ações de Defesa Civil até 21/04/2022.
Art. 2° Ficam ratificados os demais dispositivos da Portaria acima citada, não
Ministério da Economia
alterados por esta.
Art. 3° Esta Portaria entra em vigor na data de sua assinatura. SECRETARIA ESPECIAL DE COMÉRCIO
EXTERIOR E ASSUNTOS INTERNACIONAIS
ALEXANDRE LUCAS ALVES
SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR
AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO INSTRUÇÃO NORMATIVA SECEX Nº 2, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021
SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DE USOS DE RECURSOS HÍDRICOS
Dispõe sobre as adaptações necessárias aos
ATOS DE 19 DE OUTUBRO DE 2021 procedimentos das investigações de defesa comercial
e das avaliações de interesse público conduzidas pela
O SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO DE USOS DE RECURSOS HÍDRICOS DA Subsecretaria de Defesa Comercial e Interesse
AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO - ANA, torna público que, no exercício Público, em decorrência da pandemia do novo
da competência delegada pelo art. 3º, inciso I, da Resolução ANA nº 26, de 8/5/2020, nos coronavírus (COVID-19).
termos do art. 12, V, da Lei nº 9.984, de 17/06/2000, com fundamento nas Resoluções ANA nº
1.938 e 1.939, de 30/10/2017, resolveu emitir as outorgas de direito de uso de recursos O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR, DA SECRETARIA ESPECIAL DE
hídricos a: COMÉRCIO EXTERIOR E ASSUNTOS INTERNACIONAIS NO MINISTÉRIO DA ECONOMIA, no
uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo inciso VIII do art. 91 do Anexo I ao
Nº 2.037 - LUCIANO MAFFRA DE VASCONCELLOS, rio São Bartolomeu, Município de Decreto nº 9.745, de 8 de abril de 2019, resolve:
Luziânia/GO, irrigação. Art. 1º Devido à pandemia do COVID-19, a Subsecretaria de Defesa Comercial e
Interesse Público da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia - SDCOM
Nº 2.038 - JOSÉ LUIZ DA SILVA, UHE Paulo Afonso IV/UHE Apolônio Sales, Município de Delmiro decidiu suspender, por prazo indeterminado, a realização dos procedimentos de verificação
Gouveira/AL, irrigação.
in loco.
Nº 2.039 - ADERALDO QUIRINO DA ROCHA, UHE Paulo Afonso IV/UHE Apolônio Sales, Art. 2º Dada a permanência da impossibilidade de realização dos
Município de Delmiro Gouveira/AL, irrigação. procedimentos de verificação in loco, a SDCOM prosseguirá, excepcionalmente, apenas
com a análise detalhada de todas as informações submetidas pelas partes interessadas no
Nº 2.040 - MARCELO ANTONIO CORTE, rio Moji-Guaçu, Município de Mogi-Guaçu/SP, irrigação. âmbito das investigações de defesa comercial e das avaliações de interesse público,
buscando verificar sua correção com base na análise cruzada das informações protocoladas
Nº 2.041 - PEDRO ALCANTARA SOUZA NETO, rio Jequitinhonha, Município de Jacinto/MG, irrigação. por cada parte interessada com aquelas submetidas pelas demais partes, bem como com
informações constantes de outras fontes disponíveis à Subsecretaria, se possível e quando
Nº 2.042 - AURELIO DE ASSIS SILVA, rio São Francisco, Município de Santa Maria da Boa aplicável.
Vista/PE, irrigação. Art. 3º A fim de validar as informações apresentadas, a SDCOM poderá enviar
ofício de solicitação de elementos de prova às partes interessadas.
Nº 2.043 - TAMBARA AGROPECUARIA EIRELI, UHE Jurumirim, Município de Angatuba/SP, irrigação. § 1º Por meio do ofício a que se refere o caput, a SDCOM poderá solicitar
informações complementares adicionais às previstas no §2º do art. 41 e no §2º do art. 50
Nº 2.044 - MELQUE DE SOUSA MACHADO, rio São Francisco, Município de Juazeiro/BA, irrigação. do Decreto nº 8.058, de 26 de julho de 2013, e elementos de prova, nos termos do art.
179 do citado decreto, tais como amostras de notas fiscais, documentos contábeis,
Nº 2.045 - LUIZ RENATO DA SILVA, rio São Francisco, Município de Santa Maria da Boa Vista/PE, comprovantes de pagamentos e detalhamentos de despesas específicas
irrigação. § 2º Após o envio do ofício a que faz referência o caput, não serão admitidas
alterações dos dados a serem verificados, à exceção de esclarecimentos com relação às
Nº 2.046 - JOAO LAURO AIRES CAVALCANTE, UHE Luis Eduardo Magalhães, Município de Porto informações previamente apresentadas pelas partes, conforme disposto nos §§ 5º e 7º do
Nacional/TO, irrigação. art. 175 do Decreto nº 8.058, de 2013.
§ 3º Os esclarecimentos com relação a informações previamente apresentados
Nº 2.047 - JOSE RICARDO ROSA TEMOTEO DOS SANTOS, rio Doce, Município de Baixo pelas partes deverão ser apresentados acompanhadas de explicações pormenorizadas.
Guandu/ES, irrigação. § 4º O prazo para o protocolo de resposta ao ofício de solicitação de elementos
de prova será de 10 (dez) dias contados da data da ciência da solicitação, prorrogáveis uma
Nº 2.048 - LUZINEIDE MARIA DE JESUS, rio São Francisco, Município de Juazeiro/BA, irrigação. vez por até 10 (dez) dias a depender dos prazos do processo e mediante solicitação
devidamente fundamentada.
Nº 2.049 - CLENILSON FERREIRA DE SOUZA, rio São Francisco, Município de Petrolina/PE, irrigação. Art. 4º As partes interessadas poderão solicitar reunião para esclarecer dúvidas
quanto ao teor do ofício de solicitação de elementos de prova.
Nº 2.050 - RICARDO PEREIRA AMANDO MENEZES, rio São Francisco, Município de Orocó/PE, § 1º A realização da reunião a que faz referência o caput dependerá da
irrigação. disponibilidade dos técnicos da SDCOM.
Nº 2.051 - ZEILTON NASCIMENTO DA SILVA, rio São Francisco, Município de Juazeiro/BA, irrigação. § 2º A parte interessada deverá indicar na solicitação os itens do ofício em
relação aos quais há necessidade de esclarecimento.
Nº 2.052 - ROZANIA FERREIRA DE SOUZA XAVIER, rio São Francisco, Município de Juazeiro/BA, § 3º A realização da reunião a que se refere o caput não justificará a
irrigação. prorrogação do prazo previsto no §4º do art. 3º.
Art. 5º É imprescindível que as partes interessadas submetam suas informações
Nº 2.053 - ESTER FERREIRA DOS SANTOS, rio São Francisco, Município de Juazeiro/BA, irrigação. da forma mais completa, clara e precisa possível, atendendo a todos os requisitos e
solicitações de dados constantes dos questionários e de outras comunicações enviados
Nº 2.054 - MARIA JOSE FERREIRA DA SILVA, rio São Francisco, Município de Juazeiro/BA, irrigação. pela SDCOM.
Parágrafo único. As informações apresentadas pelas partes interessadas devem
Nº 2.055 - RODRIGO BUENO MASCARENHAS, rio São Francisco, Município de Buritizeiro/MG, estar acompanhadas de suas respectivas comprovações, justificativas, fontes e
irrigação. metodologias utilizadas, bem como das planilhas e documentos auxiliares que
eventualmente tenham sido utilizadas na elaboração dessas informações.
Nº 2.056 - EDENILDO DA SILVA MARTINS, UHE Luiz Gonzaga, Município de Rodelas/BA, irrigação. Art. 6º Se a resposta da parte interessada ao ofício de solicitação de elementos
de prova for protocolada no prazo previsto no §4º do art. 3º e se não for identificada a
Nº 2.057 - ISLANDERSON NUNES FERREIRA, rio São Francisco, Município de Juazeiro/BA, irrigação. necessidade de esclarecimentos adicionais, a SDCOM registrará no processo o
encerramento do procedimento de verificação.
Nº 2.058 - RAFAEL DOS SANTOS SILVA FARIA, rio Paranaíba, Município de Coromandel/MG, irrigação. Art. 7º Caso sejam necessários esclarecimentos adicionais após o recebimento
das respostas ao ofício de solicitação de elementos de prova, a SDCOM enviará ofício
Nº 2.059 - SEVERINO MANOEL DA SILVA, rio São Francisco, Município de Curaçá/BA, irrigação. solicitando reunião de esclarecimentos com a parte interessada, o qual conterá indicação
dos assuntos a serem tratados na reunião.
Nº 2.060 - JOSÉ VALMERIO DA SILVA GOMES, rio São Francisco, Município de Petrolina/PE, irrigação. § 1º O objetivo da reunião prevista no caput se limita à apresentação pela
parte interessada de esclarecimentos adicionais às informações submetidas em resposta ao
Nº 2.061 - ERNANDO MANOEL DE OLIVEIRA, rio São Francisco, Município de Petrolina/PE, irrigação. ofício de solicitação de elementos de prova, não sendo permitida a apresentação de novas
informações nem a alteração das informações previamente protocoladas pela parte em
Nº 2.062 - VALMI FERREIRA CALADO, rio do Sal, Município de Padre Bernardo/GO, irrigação. questão.
§ 2º Os esclarecimentos adicionais apresentados pela parte interessada durante
Nº 2.063 - JOSE CARLOS LEITE DE SOUZA, UHE Luiz Gonzaga, Município de Itacuruba/PE, irrigação. a reunião somente serão considerados pela SDCOM caso sejam reproduzidos por escrito e
protocolados nos autos do processo no prazo de 2 (dois) dias úteis após a realização da
Nº 2.064 - FRANCISCO EDUARDO DE ASSUNÇÃO RESENDE, rio São Francisco, Município de reunião e deverão limitar-se aos esclarecimentos apresentados na referida reunião.
Moema/MG, irrigação. Art. 8º Os esclarecimentos adicionais protocolados pela parte interessada, nos
termos do §2º do art. 7º serão analisados pela SDCOM.
Nº 2.065 - JOSÉ ANTÔNIO FERREIRA LOIOLA, rio Jequitinhonha, Município de Itinga/MG, irrigação. Parágrafo único. Caso tais esclarecimentos sejam considerados satisfatórios, a
SDCOM incluirá no processo registro de encerramento do procedimento de verificação.
Nº 2.066 - JOSE EUGENIO SOARES, rio São Francisco, Município de Bom Despacho/MG, irrigação. Art. 9º Caso a SDCOM observe que as informações apresentadas por
Nº 2.067 - IRENI PEREIRA DE SOUSA, rio Jequitinhonha, Município de Itaobim/MG, irrigação. peticionárias demandem informações complementares, correções ou ajustes significativos,
as respectivas petições poderão ser indeferidas, nos termos do § 2º do art. 42 do Decreto
Nº 2.068 - CLÁUDIO ROBERTO ALVES DOS REIS, rio Santa Teresa, Município de Talismã/TO, irrigação. nº 8.058, de 2013. Da mesma forma, caso a SDCOM constate que os dados e informações
apresentados pela peticionária não permitam a comprovação da existência de dano à
Nº 2.069 - CLÁUDIO ROBERTO ALVES DOS REIS, rio Santa Teresa, Município de Talismã/TO, irrigação. indústria doméstica causado por prática desleal de comércio, o correspondente processo
administrativo poderá ser encerrado, nos termos do inciso I do art. 74 do citado
Nº 2.070 - CLÁUDIO ROBERTO ALVES DOS REIS, rio Santa Teresa, Município de Talismã/TO, irrigação. decreto.
O inteiro teor das Outorgas, bem como as demais informações pertinentes está Art. 10. Caso a SDCOM verifique que as demais partes interessadas negaram
disponível no site www.gov.br/ana. acesso a informação necessária, não a forneceram tempestivamente, criaram obstáculos à
investigação ou não apresentaram os dados e as informações solicitados pela
PATRICK THOMAS Subsecretaria, devidamente acompanhados dos respectivos elementos de prova, será

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 24 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200024 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

enviado ofício à parte interessada informando que as determinações poderão ser total ou Parágrafo único. As transferências de que tratam o inciso III do caput deste
parcialmente elaboradas com base na melhor informação disponível, nos termos dos arts. artigo deverão ser feitas preferencialmente em nome da mulher, conforme o disposto
179 a 184 do Decreto nº 8.058, de 2013.
Art. 11. As mudanças temporárias de procedimentos apresentadas nesta no art. 10, XI, da Lei 13.465/2017.
Instrução Normativa aplicar-se-ão, no que couber, a avaliações de interesse público e a Art. 4º A concessão tornar-se-á nula, independentemente de ato especial,
investigações de subsídios e de salvaguardas globais ou bilaterais conduzidas pelo Brasil.
Art. 12. Fica revogada a Instrução Normativa nº 01, de 17 de agosto de 2020, sem direito do concessionário a qualquer indenização, inclusive por benfeitorias
da Secretaria de Comércio Exterior. realizadas, se descumprido o estabelecido nos arts. 2º e 3º desta Portaria ou, ainda,
se ocorrer inadimplemento de cláusula contratual.
LUCAS FERRAZ
Art. 5º A presente concessão não exime o concessionário de obter todos os
SECRETARIA ESPECIAL DE DESESTATIZAÇÃO, licenciamentos, autorizações e alvarás necessários à implantação e execução do
DESINVESTIMENTO E MERCADOS projeto, bem como de observar rigorosamente a legislação e os respectivos
SECRETARIA DE COORDENAÇÃO regulamentos das autoridades competentes e dos órgãos ambientais.
E GOVERNANÇA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO Art. 6º Responderá o concessionário, judicial e extrajudicialmente, por
PORTARIA SPU/ME Nº 12.339, DE 18 DE OUTUBRO DE 2021 quaisquer reivindicações que venham a ser efetuadas por terceiros, concernentes ao
imóvel de que trata esta Portaria, inclusive por benfeitorias nele existentes.
A SECRETÁRIA DE COORDENAÇÃO E GOVERNANÇA DO PATRIMÔNIO DA Art. 7º Os direitos e obrigações mencionados nesta Portaria não excluem
UNIÃO, DA SECRETARIA ESPECIAL DE DESESTATIZAÇÃO, DESINVESTIMENTO E
MERCADOS, DO MINISTÉRIO ECONOMIA, no uso da competência que lhe foi outros, explícita ou implicitamente decorrentes do contrato de cessão e da legislação
subdelegada pelo art. 1º, inciso I, da Portaria MP nº 54, de 22 de fevereiro de 2016, pertinente.
tendo em vista o disposto no tendo em vista o disposto no art. 18, inciso I e § 1º,
da Lei nº 9.636, e no art. 17, inciso I, alínea "f", da Lei nº 8.666, de 21 de junho de Art. 8º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
1993, assim como nos elementos que integram o Processo Administrativo nº
10154.121566/2019-92, e tendo em vista a deliberação pelo GE-DESUP-1, criado pela FABIANA MAGALHÃES ALMEIDA RODOPOULOS
Portaria SEDDM/ME nº 8.370, de 9 de julho de 2021, constante de Ata de Reunião de
10 de setembro de 2021, objeto do Processo Administrativo SEI nº 19739.122240/2021- PORTARIA SPU/ME Nº 12.423, DE 19 DE OUTUBRO DE 2021
09, resolve:
Art. 1ºAutorizar a Cessão sob regime de Concessão de Direito Real de Uso
Gratuito Resolúvel, ao Município de Aracaju, no Estado de Sergipe, do imóvel urbano A SECRETÁRIA DE COORDENAÇÃO E GOVERNANÇA DO PATRIMÔNIO DA
da União, classificado como Terreno de Marinha com Acrescido, inscrito sob o RIP n° UNIÃO, DA SECRETARIA ESPECIAL DE DESESTATIZAÇÃO E DESINVESTIMENTO E
3105 0122413-70, com área de 122.718,39 m², situado à Avenida Paulo Figueiredo MERCADOS DO MINISTÉRIO DA ECONOMIA, no uso da competência que lhe foi
Barreto, S/N, Bairro Lamarão, naquele Município, matrícula nº 28.535, livro 2, subdelegada pelo art. 1º, inciso I da Portaria nº 54, de 22 de fevereiro de 2016, tendo
registrado no Cartório do 11º Ofício de Registro de Imóveis da Comarca de Aracaju. em vista o disposto no art. 31, inciso V, § 5°, da Lei nº 9.636, de 15 de maio de 1998,
Art. 2º A cessão a que se refere o art. 1º destina o imóvel à provisão e no art. 17, inciso I, alínea "f", da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, assim como
habitacional em benefício de, aproximadamente, 643 (seiscentas e quarenta e três) os elementos que integram o Processo nº 04926.201337/2015-46, deliberado pelo
famílias de baixa renda. Grupo Especial de Destinação Supervisionada - GE-DESUP 1-REF, por meio da Ata de
§1º O prazo para a Concessão aos beneficiários finais é indeterminado. Reunião de 05 de outubro de 2021 (Processo SEI nº 19739.132961/2021-19),
§2º O prazo para a conclusão das obras e para a respectiva titulação dos resolve:
beneficiários finais dos projetos de provisão habitacional é de 5 (cinco) anos, contado Art. 1º Autorizar a doação a Sra. Rosilene Mendes Pereira Januário e ao Sr.
da assinatura do respectivo contrato, prorrogável por igual período, a critério da Ailton Domingos Januário do imóvel de propriedade da União, oriundo do extinto
União. Departamento Nacional de Estradas de Rodagem - DNER, classificado como dominial,
Art. 3º Fica o concessionário obrigado a: localizado à Rua dos Operários nº 60-B, Vila Isa, parte do lote nº 19 da quadra nº 06,
I - administrar, guardar, zelar, fiscalizar e controlar o imóvel cedido devendo Município de Governador Valadares, Estado de Minas Gerais, com área de 120,68 m²,
conservá-lo, tomando as providências administrativas e judiciais para tal fim; e devidamente registrado no 2º Ofício do Serviço de Registro de Imóveis da Comarca
II - assegurar que ao imóvel não seja dada destinação diversa da finalidade de Governador Valadares/MG, sob a Matrícula n° 39.293, Livro n° 2.
social que motiva a cessão, nos termos da cláusula segunda; Art. 2º A doação a que se refere o art. 1º destina-se à regularização
III - transferir gratuitamente o direito real de uso e as obrigações relativas
às parcelas do imóvel descrito e caracterizado no art. 1º aos beneficiários do projeto fundiária de interesse social, com a finalidade específica de reconhecimento do direito
de provisão habitacional, conforme art. 7º, os quais devem atender aos seguintes à moradia aos ocupantes do imóvel, que devem comprovar renda familiar não superior
requisitos exigidos no art. 31, § 5°, da Lei n° 9.636/1998: possuir renda familiar mensal a cinco salários-mínimos e não serem proprietários de outro imóvel urbano ou
não superior a 5 (cinco) salários mínimos e não ser proprietário de outro imóvel rural.
urbano ou rural; Art. 3º Ficam os beneficiários impedidos de alienarem o imóvel por um
IV - proceder ao registro da presente Cessão, na matrícula do imóvel, no período de 5 (cinco) anos, a contar da data da assinatura do contrato de doação, o que
cartório competente, nos termos da Lei nº 6.015/1973; deverá estar expresso em cláusula contratual.
V - permitir que a União tenha livre acesso ao imóvel para que realize Art. 4º A doação tornar-se-á nula, independentemente de ato especial, sem
fiscalizações periódicas; direito dos donatários a qualquer indenização, inclusive por benfeitorias realizadas, se
VI - manter cadastro municipal atualizado da área supramencionada. descumprido o estabelecido no arts. 2º e 3º desta Portaria ou, ainda, se ocorrer
VII - providenciar em todo material de divulgação, incluindo a inserção de inadimplemento de cláusula contratual.
placas no imóvel, a informação de que o projeto de provisão habitacional ocorreu em Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
área da União, com o apoio do Governo Federal, conforme disposto no art. 18, da
Portaria nº 2826, de 31 de janeiro de 2020. FABIANA MAGALHÃES ALMEIDA RODOPOULOS
PORTARIA SPU/ME Nº 12.512, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021

A SECRETÁRIA DE COORDENAÇÃO E GOVERNANÇA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO, DA SECRETARIA ESPECIAL DE DESESTATIZAÇÃO, DESINVESTIMENTO E MERCADOS, DO MINISTÉRIO
DA ECONOMIA, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 1º, inciso I, e art. 3-A da Portaria MP nº 54, de 22 de fevereiro de 2016, tendo em vista o disposto no artigo 23
da Lei nº 9.636, de 15 de maio de 1998, e considerando a ata de reunião (SEI 19531496), realizada em 19 de outubro de 2021, conforme previsto no art. 10-A do Anexo I da Portaria Nº
8729, de 20 de julho de 2021, com alteração dada pela Portaria SPU/ME Nº 11.067, de 9 de setembro de 2021, resolve:
Art. 1º Autorizar a alienação onerosa dos bens a seguir discriminados, mediante venda, precedida de licitação, na modalidade concorrência pública eletrônica, nos termos das
Leis nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e nº 9.636, de 15 de maio de 1998, observando-se, no que couber, o disposto na Lei nº 13.240, de 30 de dezembro de 2015, e nas demais normas
aplicáveis:

. Item UF Município Logradouro Matrícula Cartório Descrição Área


. 1 CE Paracuru Rua Olavo Barroso s/n, Lotes 08, 09 , 27, 28, 29, 30 e 31 - 3.039 2º Ofício de Registro de Imóveis Terreno 3.185 m²
Quadra 58, Parque Novo Paracuru
. 2 DF Brasília SQN 112 Bloco K, Apartamento 501, Asa Norte 47.445 2º Ofício de Registro de Imóveis do DF Apartamento 131,79 m²
. 3 RR Boa Vista Rua Capitão Castro Mendes S/N, Quadra 377, Lote 439, Paraviana 14.463 Registro de Imóveis de Boa vista Terreno 480 m²
. 4 RR Caracaraí Avenida Senador Hélio Campos, Quadra 15 lote 04, São Francisco 3.330 Ofício Único da Comarca de Caracaraí Terreno 450 m²
. 5 RR Caracaraí Avenida Senador Hélio Campos, Quadra 15 lote 05, São Francisco 3.331 Ofício Único da Comarca de Caracaraí Terreno 450 m²
. 6 TO Araguaína Rua das Palmeiras 112, Setor Central 22.306 Registro de Imóveis de Araguaína Casa Terreno:
388,50 m²
Edificação:
168,63 m²

Art. 2º Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação.

FABIANA MAGALHÃES ALMEIDA RODOPOULOS

SECRETARIA ESPECIAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Art. 2º As unidades da RFB devem observar, no que couber, o disposto na
Instrução Normativa SGP/SEDGG/ME nº 90, de 2021, e no Protocolo de Retorno Seguro ao
PORTARIA RFB Nº 74, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021 Trabalho Presencial emitido pelo Ministério da Economia.
Parágrafo único. O protocolo citado no caput está disponível no espaço do
Estabelece procedimentos gerais para o retorno servidor na Intranet da RFB.
gradual e seguro de servidores e empregados Art. 3º Cabe aos titulares de unidades da RFB adotar as providências para
públicos em exercício na Secretaria Especial da adequação de instalações e ambientes para retorno gradual e seguro ao trabalho em modo
Receita Federal do Brasil às atividades presenciais. presencial dos servidores e empregados públicos em exercício nas respectivas unidades.
Art. 4º Devem retornar a suas atividades na modalidade presencial:
O SECRETÁRIO ESPECIAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso das I - até a data de 30 de novembro de 2021, os servidores e empregados públicos
atribuições que lhe conferem o art. 180 do Anexo I do Decreto nº 9.745, de 8 de abril de que estejam registrando sua frequência no código 00387 (trabalho remoto - Covid - 19) ou
2019, o inciso III do art. 350 do Regimento Interno da Secretaria Especial da Receita que estejam com a frequência abonada no código 00388 (afastamento - Covid - 19), em
Federal do Brasil, aprovado pela Portaria ME nº 284, de 27 de julho de 2020; e tendo em razão da oportunidade e conveniência de que trata o art. 1º da Portaria RFB nº 547, de 20
vista o disposto no inciso XXII do art. 37 da Constituição Federal, no art. 3º do Decreto nº de março de 2020; e
II - até a data de 31 de dezembro de 2021, todos os demais servidores e
10.282, de 20 de março de 2020, na Portaria ME nº 96, de 17 de março de 2020, e na empregados públicos em exercício na RFB.
Instrução Normativa SGP/SEDGG/ME nº 90, de 28 de setembro de 2021, resolve: Parágrafo único. As demais modalidades de cumprimento da jornada de
Art. 1º Esta Portaria estabelece procedimentos gerais para o retorno gradual e trabalho, em especial as decorrentes das Portarias RFB nº 2.383, de 13 de julho de 2017,
seguro de servidores e empregados públicos em exercício na Secretaria Especial da Receita e nº 68, de 27 de setembro de 2021, e do art. 6º do Decreto nº 1.590, de 10 de agosto
Federal do Brasil (RFB) às atividades presenciais. de 1995, seguirão o disposto nas respectivas normas.
Parágrafo único. As atividades da RFB são consideradas essenciais ao Art. 5º O disposto nesta Portaria aplica-se, no que couber, ao estagiário em
funcionamento do Estado, caso em que não se aplica o disposto nos incisos I e II do caput exercício na RFB.
do art. 4º da Instrução Normativa SGP/SEDGG/ME nº 90, de 28 de setembro de 2021, nos Art. 6º Cabe ao Subsecretário de Gestão Corporativa da Receita Federal do
termos do § 3º do art. 4º da retromencionada Instrução Normativa. Brasil decidir sobre eventuais casos omissos.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 25 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200025 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Art. 7º Ficam revogados, a partir de 31 de dezembro de 2021, os seguintes atos . N° DA PORTARIA DE APROVAÇÃO DO PROJETO Portaria SPDE-MME nº 327 de 03/11/2017 - DOU 06/11/2017,
normativos: . N° ADE DE HABILTAÇÃO DO PROJETO ADE RFB-DERAT SP n°253 de 28/03/2018- DOU 06/04/2018
I - Portaria RFB nº 547, de 20 de março de 2020; SETOR DE INFRAESTRUTURA FAVORECIDO ENERGIA
II - Portaria RFB nº 696, de 9 de abril de 2020;
.

III - Portaria RFB nº 1.086, de 29 de junho de 2020; e . PRAZO DA OBRA PORTARIA MME De 11/08/2017 a 11/08/2022.
IV - Portaria RFB nº 4.586, de 21 de outubro de 2020.
Art. 8º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial Art. 2º A presente habilitação poderá ser cancelada "ex officio" pela Autoridade
da União. Fiscal em caso de inobservância, por parte da beneficiária, de quaisquer dos requisitos que
condicionaram a concessão do regime (Decreto nº 6.11, de 2007, art. 10, inciso II).
JOSÉ BARROSO TOSTES NETO Art. 3º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM MONTES CLAROS publicação no Diário Oficial da União.

RETIFICAÇÃO FILIPE ARAUJO FLORENCIO

No ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO RFB Nº 6, DE 20 DE setembro DE 2021, SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA 7ª REGIÃO FISCAL
publicado no Diário Oficial da União nº 180, de 22 de setembro de 2021, seção 1, página ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL
35, no anexo II:
Onde se lê:
NO PORTO DO RIO DE JANEIRO
PORTARIA ALF/RJO Nº 12, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021
. Código TIPI DESCRIÇÃO ALÍQUOTA (%)
. 8521.90.00 - Outros 15 Disciplina os procedimentos relacionados à
Ex 01 - Aparelho de gravação ou reprodução, e edição, 0 verificação remota de mercadorias por meio de
imagens, na importação, na exportação e no trânsito
.

de imagem e som de televisão em disco rígido, por meio


magnético, óptico ou optomagnético aduaneiro de mercadorias nos casos que especifica,
e dá outras providências
. Ex 02 - Aparelhos de reprodução de imagem e som em 25
disco por meio óptico ou optomagnético O DELEGADO DA ALFÂNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DO PORTO DO
RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe conferem os arts. 360, 364 e 365 do
Leia-se: Regimento Interno da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, aprovado pela
Portaria ME nº 284/2020, considerando o disposto na IN SRF nº 205, de 25 de setembro
. Código TIPI DESCRIÇÃO ALÍQUOTA (%) de 2002; na Instrução Normativa SRF nº 680, de 2006; na Instrução Normativa SRF nº 28,
8521.90.00 - Outros 15 de 1994; na Instrução Normativa RFB nº 1.702, de 2017; e na Instrução Normativa SRF nº
248, de 25 de novembro de 2002, resolve:
.

. Ex 01 - Aparelhos de reprodução de imagem e som em 25 Art. 1º O agendamento de posicionamento de cargas; a verificação física de
disco por meio óptico ou optomagnético mercadorias no curso da conferência aduaneira do despacho de importação, exportação e
. 8543.70.39 Outros 10 regime aduaneiro especial de trânsito aduaneiro; e a verificação de integridade no trânsito
Ex 01 - Gravador-reprodutor e editor de imagem e som, 5 aduaneiro nos recintos alfandegados situados na circunscrição da Alfândega da Receita
Federal do Brasil no Porto do Rio de Janeiro - ALF/RJO realizar-se-ão de acordo com os
.

em discos, por meio magnético, óptico ou


optomagnético procedimentos estabelecidos nesta Portaria.
Ex 02 - Aparelho de gravação ou reprodução, e edição, 0 Parágrafo único. O disposto nesta Portaria aplica-se também, no que
couber:
.

de imagem e som de televisão em disco rígido, por meio


magnético, óptico ou optomagnético I - aos Recintos Especiais para Despacho Aduaneiro de Exportação - REDEX
situados na circunscrição da ALF/RJO;
II - aos recintos alfandegados e REDEX objeto de competência regimental
SUBSECRETARIA-GERAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL compartilhada relativamente ao controle aduaneiro, nos termos do artigo 1º, da Portaria
SRRF07 nº 887, de 19 de outubro de 2020, com a redação dada pela Portaria SRRF07 n°
COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA INTERNA 128, de 17 de agosto de 2021, ou norma que a suceda.
Art. 2º O agendamento de posicionamento de cargas para verificação da
PORTARIA AUDIT Nº 32, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021 mercadoria será determinado pelo Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil responsável
pela mesma, ou o Analista-Tributário da Receita Federal do Brasil que atuar sob sua
Dá publicidade ao relatório de acompanhamento do supervisão, que estabelecerá o dia e a hora em que a carga deverá estar disponível para
terceiro trimestre de 2021, referente à atividade conferência, devendo o importador, o exportador ou o transportador, conforme se trate,
supervisionada por esta Unidade, do Programa de respectivamente, de despacho aduaneiro de importação, de exportação ou de trânsito
Gestão de que trata o § 6º do art. 6º do Decreto nº informar o agendamento ao depositário.
1.590, de 10 de agosto de 1995, na modalidade de § 1º O Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil ou o Analista-Tributário da
Teletrabalho. Receita Federal do Brasil que atuar sob sua designação, responsável pela verificação física,
deverá realizar a conferência, preferencialmente, de forma remota ou presencialmente,
O COORDENADOR-GERAL DE AUDITORIA INTERNA E GESTÃO DE RISCOS DA
RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso II do art. 358 nos termos desta Portaria, no horário previamente agendado ou, em casos justificados,
do Regimento Interno da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, aprovado pela em nova data por ele fixada, em prazo não superior a dois dias úteis.
Portaria ME nº 284, de 27 de julho de 2020, e o inciso VIII do art. 23 da Portaria RFB nº § 2º O agendamento de posicionamento da carga autoriza o depositário a
2.383, de 13 de julho de 2017, considerando o disposto no § 6º do art. 6º do Decreto nº proceder, para melhor operacionalização dos trabalhos, à abertura da unidade de carga e
1.590, de 10 de agosto de 1995, na Portaria MF nº 196, de 14 de junho de 2016, na ao posicionamento das mercadorias para verificação, a menos que haja expressa
Portaria RFB nº 2.383, de 13 de julho de 2017, e no inciso II do art. 2º da Portaria RFB nº manifestação da fiscalização aduaneira em sentido contrário.
696, de 9 de abril de 2020, resolve: § 3º A própria fiscalização aduaneira poderá determinar o posicionamento da
Art. 1º Dar publicidade ao relatório de acompanhamento do terceiro trimestre carga para verificação diretamente ao recinto alfandegado.
de 2021, referente à atividade supervisionada por esta Unidade, do Programa de Gestão de § 4º Na hipótese do § 3°, o servidor dará ciência ao interessado (importador,
que trata o § 6º do art. 6º do Decreto nº 1.590, de 10 de agosto de 1995, na modalidade exportador ou transportador), pelo Portal Único de Comércio Exterior ou por qualquer
de Teletrabalho, na forma do Anexo Único desta Portaria. outro meio previsto na legislação, do dia e horário em que será realizada a verificação
Parágrafo único. Os resultados individualizados por servidor serão divulgados no física.
Boletim de Serviço da RFB. § 5º Na ausência do interessado (importador, exportador ou transportador) ou
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação na Seção 2 do de seu representante na data e horário previstos para a conferência, o servidor
Diário Oficial da União. responsável pelo procedimento procederá à verificação física na presença do depositário
ou de seu preposto, que, nesse caso, representará o interessado, inclusive para firmar
APARECIDO XAVIER DE FRANÇA termo que verse sobre a quantificação, a descrição e a identificação da mercadoria.
§ 6º Prescinde de agendamento e da presença do importador ou seu
ANEXO ÚNICO representante legal a verificação física de mercadoria com indícios ou constatação de
infração punível com a penalidade de perdimento; objeto de ação judicial ou se tratar de
produtos perigosos ou controlados, nos termos do art. 32 da IN SRF nº 680, de 2006, cuja
ATIVIDADE META RESULTADO conferência será realizada pelo Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil responsável pelo
procedimento, ou pelo Analista-Tributário da Receita Federal do Brasil que atuar sob sua
.

. REALIZAR AUDITORIA INTERNA 1,00 1,18 supervisão, na presença do depositário ou de seus prepostos.
§ 7º O depositário poderá solicitar o reagendamento quando, justificadamente,
não puder disponibilizar a mercadoria para verificação na data fixada pelo servidor
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA 6ª REGIÃO FISCAL responsável pelo procedimento;
§ 8º O agendamento para verificação da integridade dos elementos de
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO DRF/MG Nº 350, DE 13 DE OUTUBRO DE 2021 segurança nos casos de trânsito aduaneiro previstos na IN RFB nº 248, de 2002,
Declara, a pessoa jurídica que menciona, coabilitada obedecerão, no que couber, ao disposto neste artigo
para operar no Regime Especial de Incentivos para o Art. 3º A verificação física de mercadorias no curso do despacho de importação
Desenvolvimento da Infraestrutura - REIDI, de que e de exportação no âmbito da ALF/RJO será realizada preferencialmente de forma remota,
trata a Instrução Normativa RFB nº 1911 de por meio de imagens transmitidas exclusivamente em tempo real e observadas as
11/10/2019. disposições estabelecidas nesta Portaria.
§ 1º Os recintos de que trata o art. 1º e os incisos I e II, do parágrafo único
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM MONTES CLAROS-MG no uso do mesmo, devem estar aptos à realização de conferência física remota conforme as
de suas atribuições que lhe são conferidas pelo artigo art. 1º e Anexo I da Portaria SRRF06 especificações e prazos estabelecidos nesta Portaria.
n°334 de 28/07/2020 e no art. 303 do Regimento Interno da Secretaria Especial da Receita § 2º O procedimento previsto no caput aplica-se, também:
Federal do Brasil aprovado pela Portaria ME nº 284 de 27/07/ 2020 publicada no DOU- a) à verificação de mercadoria pelo importador, a seu pedido, antes do início
30/07/ 2020, e tendo em vista o disposto nos arts.586°/587° da IN RFB nº1.911/2019-DOU do despacho aduaneiro de importação, nos termos do artigo 10, da IN SRF nº 680, de
de 15/10/2019 e, considerando o que consta do processo no processo n°. 2006.
13031.582718/2021-29, declara: b) à verificação física da carga na conferência para trânsito aduaneiro, nos
Art. 1º .COABILITADA a pessoa jurídica GREEN BRASIL EIRELI inscrita no CNPJ n° termos da IN SRF nº 205, de 25 de setembro de 2002; e
10.598.644/0001-87 , para operar no Regime Especial de Incentivos para o c) à verificação dos elementos de segurança e início do trânsito aduaneiro em
Desenvolvimento da Infraestrutura (REIDI), instituído pela Lei nº 11.488/ 2007 e recintos alfandegados situados na zona primária ou secundária da circunscrição da
regulamentado pelo Decreto nº 6.144/ 2007, consoante o disposto no art. 587, da ALF/RJO.
Instrução Normativa RFB nº 1.911/2019 Art. 4º A verificação física a que se refere o art. 3º será realizada
A coabilitação aqui concedida fica vinculada ao projeto aprovado pela Portaria exclusivamente por Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil ou por Analista Tributário
SPDE-MME nº 327 de 03/11/2017 - DOU 06/11/2017, que aprovou o Projeto de da Receita Federal do Brasil sob a supervisão do Auditor-Fiscal responsável pelo despacho,
Transmissão de Energia Elétrica, relativo ao Lote 19 do Leilão n°05/2016- Contrato de mediante agendamento prévio nos termos do artigo 2º.
Concessão no 37/2017-ANEEL, DE 11/08/2017 habilitado ao REIDI pelo ADE RFB-DERAT SP § 1º Caberá ao Auditor-Fiscal responsável pelo despacho determinar:
n°253 de 28/03/2018- DOU 06/04/2018 de titularidade de TSM - Transmissora Serra da a) se a verificação física será executada presencial ou remotamente;
Mantiqueira S.A.CNPJ sob o n° 28.008.699/0001-55 . b) a abrangência da verificação, se parcial ou integral; e
c) a prospecção de informações no curso da conferência visando a permitir a
. NOME DA PESSOA JURIDICA GREEN BRASIL EIRELI verificação da exatidão da descrição da mercadoria consignada nos documentos instrutivos
. N° DE INSCRIÇÃO NO CNPJ 10.598.644/0001-87 do despacho, a confirmação da correta classificação fiscal, a origem da mercadoria, estado
. NOME DO PROJETO Projeto de Transmissão de Energia Elétrica, relativo ao Lote 19 do Leilão n°05/2016- de novo ou usado da mesma, a adequação às normas técnicas aplicáveis, indícios de
Contrato de Concessão no 37/2017-ANEEL, DE 11/08/2017 interposição e outras informações relevantes conforme o caso.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 26 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200026 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

§ 2º A opção pela verificação de que trata o art. 3º será formalmente IV - a abertura e o fechamento das unidades de cargas;
cientificada ao importador ou ao exportador, mediante notificação específica no V - a manipulação das mercadorias na bancada ou fora dela; e
PUCOMEX, e ao beneficiário do trânsito aduaneiro, contendo o dia e o horário da VI - quaisquer gravações, marcações ou detalhes de mercadorias requisitados
realização do procedimento. pela autoridade aduaneira que presidir o despacho ou servidor por ela designado.
§ 3º É obrigatória a elaboração do pertinente Relatório de Verificação Física § 1º As imagens obtidas pelas câmeras e equipamentos móveis de que trata o
(RVF), por meio da funcionalidade própria no Portal Único de Comércio Exterior artigo 7º devem permanecer armazenadas e à disposição da fiscalização aduaneira por, no
(PUCOMEX), ainda que a conferência seja realizada de forma remota. mínimo, 365 (trezentos e sessenta e cinco) dias.
§ 4º É obrigatória a complementação do RVF, independente da forma da Art. 9º São atribuições do recinto alfandegado:
conferência, por relatório gerado com imagens do procedimento de conferência das I - manter uma equipe adequada de funcionários na área de verificação, na
mercadorias com as seguintes características: data e hora agendadas para o procedimento, visando a proceder à captação e transmissão
I - registros fotográficos do posicionamento da unidade de carga, rompimento das imagens;
do lacre, abertura de portas e desova obtidos junto ao depositário; II - informar um número de telefone móvel para ser utilizado em comunicação
II - registro fotográfico de todos os itens objeto da conferência física; com a fiscalização aduaneira;
III - registro fotográfico de todas as dimensões da embalagem secundária e da III - fotografar frontalmente as unidades de carga imediatamente antes e após
embalagem primária procurando registrar rótulos, códigos de barra, selos ou outras sua abertura, nos casos de mercadoria conteinerizada;
informações relevantes; IV - efetuar outros registros fotográficos que eventualmente sejam requeridos
IV - utilização de fundo branco horizontal e vertical, que será disponibilizado pela fiscalização;
pelo depositário, para permitir a captação de imagem de cada item com nitidez, sem V - organizar as mercadorias para conferência física da seguinte forma:
interferência de objetos ao fundo, destacando o objeto fotografado; e a) agrupar e ordenar os itens conforme descrição contida no documento de
V - captação das imagens de todas as dimensões do item, sua etiqueta, código despacho e packing list, formando lote de caixas contendo o mesmo item;
de barra, serial number, part number, se houver, características e outras informações b) retirar, pelo menos, uma unidade de cada item descrito no documento de
relevantes. despacho da embalagem secundária, bem como retirá-lo da embalagem primária
§ 5º O depositário será comunicado da realização da verificação física remota, colocando-o sobre o lote do item para possibilitar a captação da sua imagem pelas
devendo, com antecedência, posicionar a carga na forma solicitada pelo responsável pela câmeras; e
verificação ou solicitar o reagendamento quando, justificadamente, não puder c) disponibilizar recurso que proporcione fundo branco horizontal e vertical
disponibilizar a mercadoria para verificação. proporcional ao tamanho da mercadoria a ser fotografada visando a possibilitar o registro
§ 6º O servidor encarregado da verificação física remota deverá fazer constar fotográfico de cada item sob conferência com nitidez e sem interferência de objetos no
no Relatório de Verificação Física (RVF) que o procedimento foi realizado nos termos desta ambiente;
Portaria, anexando a lista de presença e identificando nominalmente os participantes Art. 10. Os procedimentos referentes à verificação de integridade dos
presenciais e seus respectivos papéis. elementos de segurança, aposição de lacres ou outros elementos de segurança e demais
§ 7º A opção pela realização da verificação remota não impede o servidor procedimentos previstos na IN SRF nº 248, de 2002 que requeiram presença fiscal, nos
responsável pela sua condução de, sempre que julgar necessário, dirigir-se pessoalmente recintos situados na zona primária ou zona secundária da circunscrição da ALF/RJO, serão
ao recinto aduaneiro a fim de dirimir dúvidas sobre a quantificação ou identificação das realizados preferencialmente de forma remota, nos termos desta Portaria.
mercadorias, facultado o acompanhamento de representante do importador, exportador § 1º Os procedimentos previstos no caput serão realizados por Auditor-Fiscal
ou depositário. da Receita Federal do Brasil ou por Analista-Tributário da Receita Federal do Brasil,
Art. 5º O importador, o exportador e o transportador, conforme se trate, localizados no Serviço de Controle de Intervenientes, Carga e Trânsito Aduaneiro - SECIT
respectivamente, de despacho aduaneiro de importação, de exportação ou de trânsito, da ALF/RJO, a critério da Chefia deste Serviço
poderão acompanhar a verificação da mercadoria pela modalidade remota, § 2º Os requisitos referentes às áreas de conferência, sistema de
presencialmente no recinto ou simultaneamente nas duas formas. monitoramento e vigilância e os procedimentos que regem a verificação remota previstos
Art. 6º A verificação física remota a que se referem as alíneas "a", "b" e "c ", nesta Portaria aplicam-se, no que couber, aos casos previstos no caput;
do § 2º do art. 3º e seu caput deve ser realizada, preferencialmente, por meio da § 3º Compete à Chefia do SECIT verificar o atendimento dos requisitos
plataforma de comunicação Microsoft Teams (MS Teams), plataforma esta já utilizada no previstos nesta Portaria nas áreas destinadas à realização dos procedimentos previstos no
âmbito da Receita Federal do Brasil. caput, podendo dispensar requisitos nela previstos cuja exigência se mostre incompatível
§ 1º Caberá ao servidor da RFB responsável pela conferência física remota, a com a natureza da carga ou do tipo de mercadoria submetida ao regime aduaneiro
cada evento, adotar os procedimentos necessários com antecedência para viabilizar a especial de trânsito
conexão dos participantes, criando uma equipe no referido aplicativo, correspondente a Art. 11. A coleta de amostras solicitadas pela fiscalização aduaneira, nos
cada despacho de importação, exportação ou procedimento de trânsito aduaneiro termos da IN RFB nº 1063, de 2010, quando não haja necessidade, em decorrência de sua
enviando convocação prévia aos interessados com o respectivo link de acesso, natureza e potencial insalubridade ou periculosidade, de atuação de técnico especializado,
assegurando-se de que todos os envolvidos recebam a convocação. deverá ser realizada por colaborador do recinto alfandegado no curso da verificação física
§ 2º O MS Teams deverá ser configurado de forma a preservar o sigilo e a da mercadoria.
privacidade das comunicações e dos dados, os quais deverão ser gravados na própria § 1º As amostras de que trata o caput deverão, também no curso da
plataforma pelo servidor da RFB responsável pela verificação física e permanecer verificação da mercadoria e diante das câmeras de filmagem, ser embaladas e seladas
disponíveis por, no mínimo, 180 (cento e oitenta) dias. com lacre, que deverá ser fotografado no ato de sua aplicação.
§ 3º No caso de indisponibilidade da plataforma de comunicação na data e § 2º Serão encaminhadas para o Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil
horário agendados para a verificação remota, esta será reagendada, comunicando a nova responsável pelo despacho que dará prosseguimento ao rito previsto na IN RFB nº 1063,
data a todos os interessados. de 2010.
§ 4º Deverá participar da conferência física remota, pelo menos, um Art. 12. Os termos de retenção formalizados no curso da verificação física
representante do recinto alfandegado portando dispositivo móvel conectado ao MS deverão ser lavrados e assinados por Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil e pelo fiel
Teams, visando a obter as imagens aproximadas dos itens objeto da conferência, visando depositário do recinto alfandegado.
a captar detalhes dos mesmos, para possibilitar a precisa identificação das mercadorias. Parágrafo único. Será emitida, para ciência do interessado, uma via do termo
§ 5º O servidor responsável pela conferência remota deverá assegurar-se de de retenção, que deverá ser anexada ao dossiê da respectiva declaração ou, se for o caso,
que haja no conjunto de imagens geradas no decorrer da videochamada o registro ao dossiê de acompanhamento da ação fiscal e serão encaminhadas ao AFRFB responsável
fotográfico de, pelo menos, uma unidade de cada item relacionado no documento de pelo despacho.
despacho que deverá instruir o relatório de que trata o § 4º, do art. 4º Art. 13. O Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil ou Analista-Tributário da
Art. 7º As áreas dos recintos destinadas à verificação remota deverão possuir, Receita Federal do Brasil responsáveis pela verificação remota de mercadorias poderão
sem prejuízo dos requisitos previstos na Portaria RFB nº 3.518/2011: estar fisicamente localizados em qualquer dos recintos mencionados no artigo 1º e nos
I - sinalização de área de verificação de cargas com perfeita e clara incisos I e II, do parágrafo único do referido artigo, nos edifícios-sede da ALF/RJO ou das
demarcação; unidades que com ela compartilhem competência relativa ao controle aduaneiro ou
II - deverão dispor de segregação visando a separar com segurança as submetidos ao regime de teletrabalho, na forma prevista pela legislação, desde que as
mercadorias desovadas de diferentes unidades de carga e devem estar identificadas com condições tecnológicas sejam adequadas e não acarretem prejuízo ao controle
plaqueta que contenha a indicação do número do documento de despacho, número do aduaneiro.
contêiner e número do CE-MERCANTE; Art. 14. Compete ao AFRFB responsável pelo despacho aduaneiro flexibilizar os
III - controle de iluminação que evite prejuízos à captação de imagens das requisitos previstos nesta Portaria cuja exigência se mostre incompatível com a natureza
mercadorias em toda a sua extensão; da carga ou o tipo de mercadoria submetida ao despacho, de forma fundamentada no
IV - sistema de monitoramento, com câmeras de resolução igual ou superior a RVF.
1280 x 720 pixels, desde que garantam a perfeita visualização das imagens, dotadas de Art. 15. Compete aos AFRFB e ATRFB que atuam na conferência remota
zoom óptico e instaladas a uma distância não superior a 6 (seis) metros da área de comunicar o descumprimento dos requisitos previstos nesta Portaria à Comissão de
verificação, composto minimamente por: Alfandegamento da ALF/RJO que adotará as providências cabíveis para aplicação das
a) câmeras fixas em quantidade e posições que possibilitem a cobertura de sanções cabíveis.
toda a área de verificação; Art. 16. As normas estabelecidas nesta Portaria são consideradas obrigações
b) 1 (uma) câmera fixa posicionada em frente à unidade de carga de modo a relativas ao controle aduaneiro, cujo descumprimento caracterizará infração, nos termos
permitir sua visualização completa e, para cargas conteinerizadas, viabilizar a visualização do artigo 76, da Lei nº 10.833, de 2003 e Decreto nº 6.759, de 2.009.
até o fundo da unidade de carga; Art. 17. Fica revogado o inciso III, do artigo 5º, da Portaria ALF/RJO nº 19, de
c) 1 (uma) câmera móvel, portada por conferente e dotada de função ou 21 de fevereiro de 2020.
equipamento de estabilização, que possibilite o direcionamento para o elemento de Art. 18. Esta Portaria entra em vigor na data da sua publicação no Diário
segurança aplicado ou a ser aplicado à unidade de carga, capaz de registrar com nitidez Oficial da União, produzindo efeitos:
o seu rompimento ou a sua afixação, que possibilite o direcionamento para a mercadoria I - a partir de 1º de dezembro de 2021 em relação aos recintos mencionados
e que permita sua perfeita identificação; no caput do artigo 1º;
d) câmera móvel instalada nas empilhadeiras para registrar todo o II - a partir de 2 de janeiro de 2022 em relação os recintos mencionados nos
procedimento de desova das mercadorias; incisos I e II, do parágrafo único do art. 1º.
V - dispositivo móvel ou aparelho de comunicação de imagens e sons, dotado
de aplicativo plataforma de comunicação Microsoft Teams (MS Teams) portado pelo PEDRO ANTÔNIO PEREIRA THIAGO
conferente e utilizado para atender às orientações do responsável pela verificação
remota; DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM NITERÓI
VI - 1 (uma) bancada para verificação de cargas soltas ou de pequeno e médio
porte retiradas das unidades de carga e que não possam ser identificadas pelas câmeras ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO DRF/NIT Nº 169, DE 13 DE OUTUBRO DE 2021
fixas da área de verificação; e
VII - 1 (uma) balança destinada à pesagem de pequenos volumes, instalada na Declara nulo o Ato Declaratório Executivo emitido à pessoa
bancada de que trata o inciso anterior no momento da verificação física. jurídica que menciona, referente à Habilitação para operar
§ 1º A bancada de que trata o inc. VI deverá estar instalada em local no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento
demarcado que permita o perfeito enquadramento das mercadorias pelas câmeras de da Infra-Estrutura (REIDI) de que trata a Instrução
monitoramento. Normativa SRF Nº 1.911/2019, no caso em que especifica.
§ 2º O recinto alfandegado poderá optar por equipamentos móveis, que
auxiliem as câmeras fixas, tanto na área interna quanto externa de verificação, desde que A DELEGADA-ADJUNTA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL em NITERÓI, no exercício das
sejam mantidas a qualidade das imagens e as especificações contidas neste ato. atribuições regimentais definidas pelo inciso III do Art. 360 do Regimento Interno da Secretaria
§ 3º nas áreas a que se refere o caput ficam proibidos o trânsito de pessoas Especial da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF n° 284, de 27 de julho de 2020,
e veículos que não estejam envolvidos diretamente nos procedimentos de desova e tendo em vista o disposto no caput do Art. 583 da Instrução Normativa nº 1.911, de 11 de outubro de
conferência, a movimentação de outras cargas durante a verificação das mercadorias e a 2019, publicada no D.O.U. de 15 de outubro de 2019, considerando o que consta do processo
permanência de qualquer equipamento ou objeto que possa obstruir o campo de 13113.000975/2021-45 e que a pessoa jurídica é jurisdicionada por outra unidade da Secretaria
cobertura das câmeras nelas instaladas. Especial da Receita Federal, declara:
§ 4º Toda a mercadoria desovada de uma mesma unidade carga deve ser Art. 1º A Nulidade de pleno direito, desde a data de sua publicação, sem a produção de
posicionada agrupada em uma mesma área para permitir a captação das imagens quaisquer efeitos jurídicos, do Ato Declaratório Executivo DRF/NIT Nº 163, emitido em 06 de outubro
simultaneamente de todo o conteúdo desovado. de 2021, para a postulante VALE S.A. CNPJ Nº: 33.592.510/0001-54, referente ao projeto de
Art. 8º Devem ser registrados pelas câmeras instaladas no recinto: Duplicação da Estrada de Ferro Carajás/trecho Terra Indígena Mãe Maria.
I - toda a movimentação das unidades de carga ou volumes; Art. 2º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua publicação.
II - o posicionamento das unidades de carga ou volumes;
III - o rompimento ou a afixação de lacres; RENATA DUARTE TEIXEIRA

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 27 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200027 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO DRF/NIT Nº 170, DE 14 DE OUTUBRO DE 2021 Art 4º Diante do exposto, fica cancelada a co-habilitação ao REIDI, fazendo
cessar os efeitos do Ato Declaratório Executivo/DRF-RJ1 n° 161, de 06/05/2015, publicado
Concede habilitação ao Regime Especial Tributário no DOU de 12/05/2015.
para a Indústria de Defesa - RETID à empresa que Art. 5º Este Ato Declaratório entra em vigor na data de sua publicação no
menciona. Diário Oficial da União.

O DELEGADO DA DELEGACIA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM NITERÓI, no uso RENATA DUARTE TEIXEIRA
da atribuição que lhe confere o art. 360 do Regimento Interno da Secretaria Especial da
Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria ME nº 284, de 27 de julho de 2020, e SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA 8ª REGIÃO FISCAL
tendo em vista o disposto no art. 18 da IN RFB nº 1.454, de 25 de fevereiro de 2014, e o DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM SOROCABA
que consta do processo administrativo nº 13031.380563/2021-98, declara:
Art. 1º Habilitada ao Regime Especial Tributário para a Indústria de Defesa ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 342, DE 19 DE OUTUBRO DE 2021
(RETID) a pessoa jurídica: EMPRESA BRASILEIRA DE SOLDA ELÉTRICA AS - EM RECUPERAÇÃO
JUDICIAL, CNPJ nº 33.220.880/0001-60. Habilita ao Regime Especial de Incentivos para
Art. 2º No caso de suspensão da exigência do IPI, o estabelecimento industrial o Desenvolvimento da Infra-Estrutura (REIDI)
ou equiparado que der saída do produto deve fazer constar na nota fiscal a expressão
"Saída com suspensão da exigência do IPI" e o número deste Ato Declaratório, vedado o O AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, considerando o
registro do imposto nas referidas notas. disposto na Lei nº 11.488, de 15 de junho de 2007, no Decreto nº 6.144, de 3
Art. 3º No caso de suspensão da exigência da Contribuição para o PIS/Pasep e de julho de 2007, na Instrução Normativa RFB nº 758, de 25 de julho de 2007,
da Cofins, a pessoa jurídica vendedora deve fazer constar na nota fiscal a expressão na Portaria SRRF08 n° 452, de 10 de junho de 2020, na Portaria DRF/SOR nº 19,
"Venda de bens efetuada com suspensão da exigência da Contribuição para o PIS/Pasep e de 15 de junho 2020 e no processo administrativo nº 13032.746723/2021-66,
da Cofins", conforme o caso, e o número deste Ato Declaratório. declara:
Art. 4º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua Art. 1º Habilitada ao Regime Especial de Incentivos para o
publicação no Diário Oficial da União, sendo válido até 22 de março de 2032. Desenvolvimento da Infraestrutura (REIDI) a pessoa jurídica MEZ 5 ENERGIA S A,
inscrita no cadastro CNPJ sob o nº 40.215.231/0001-37.
RICARDO ROMANINI ALCHAAR Art. 2º A referida habilitação é específica ao projeto de transmissão de
energia elétrica, correspondente aos Lotes 4 e 5 do Leilão nº 01/2020-ANEEL
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO DRF/NIT Nº 171, DE 14 DE OUTUBRO DE 2021 (Contrato de Concessão nº 3/2021-ANEEL, de 31 de março de 2021), aprovado
pela Portaria MME nº 823, de 29/07/2021, destinada ao setor de energia.
Concede, à pessoa jurídica que menciona, habilitação Matrícula CEI nº 90.006.31853/77.
para operar no Regime Especial de Incentivos para o Art. 3º No período de 5 (cinco) anos contados da data de publicação
Desenvolvimento da Infra-Estrutura (REIDI) de que deste Ato Declaratório Executivo, a pessoa jurídica identificada no art. 1º poderá
trata a Instrução Normativa RFB nº 1.911/2019. adquirir, locar e importar bens e adquirir e importar serviços com suspensão da
Contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS, para incorporação ou utilização em
A DELEGADA-ADJUNTA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL em NITERÓI, no obra de infraestrutura vinculada ao projeto identificado no art. 2°.
exercício das atribuições regimentais definidas pelo inciso III do Art. nº 360 do Regimento Art. 4º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua
Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria ME Nº 284, de publicação no Diário Oficial da União.
27/07/2020, tendo em vista o disposto no Artigo 587, da Instrução Normativa nº 1.911, de
11 de outubro de 2019, publicada no D.O.U. de 15 de outubro de 2019 e considerando o CARLOS RENAN FERREIRA RIBEIRO
que consta do 13031.673746/2021-54 resolve:
Art. 1º. Habilitar a empresa abaixo identificada para operar no Regime Especial ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 343, DE 19 DE OUTUBRO DE 2021
de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura (REIDI), instituído pela Lei nº
11.488/2007 e regulamentado pelo Decreto nº 6.144/2007 com suas alterações, nos exatos Habilita ao Regime Especial de Incentivos para
termos da Portaria Nº 840 de 10/08/2021 do Ministério de Minas e Energia. o Desenvolvimento da Infra-Estrutura (REIDI)
Empresa : TRANSMISSORA ALIANÇA DE ENERGIA ELÉTRICA S A
CNPJ nº : 07.859.971/0001-30 O AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, considerando o
CNO nº : Não possui disposto na Lei nº 11.488, de 15 de junho de 2007, no Decreto nº 6.144, de 3
Nome do Projeto : Reforços em Instalação de Transmissão/ Subestação de de julho de 2007, na Instrução Normativa RFB nº 758, de 25 de julho de 2007,
Sapeaçu na Portaria SRRF08 n° 452, de 10 de junho de 2020, na Portaria DRF/SOR nº 19,
Setor de Infraestrutura: Energia Elétrica de 15 de junho 2020 e no processo administrativo nº 13032.764016/2021-51,
Prazo estimado para execução: de abril de 2019 a abril de 2022. declara:
Art. 2º O benefício do REIDI poderá ser usufruído nas aquisições e importações Art. 1º Habilitada ao Regime Especial de Incentivos para o
realizadas no período de 05 (cinco) anos contados da data da habilitação da pessoa jurídica Desenvolvimento da Infraestrutura (REIDI) a pessoa jurídica MEZ 6 ENERGIA S A,
titular do projeto de infraestrutura (Lei nº 11.488/2007, art. 5º). inscrita no cadastro CNPJ sob o nº 40.215.276/0001-01.
Art. 3º A presente habilitação poderá ser cancelada "ex officio" pela Autoridade Art. 2º A referida habilitação é específica ao projeto de transmissão de
Fiscal em caso de inobservância, por parte da beneficiária, de quaisquer dos requisitos que energia elétrica, correspondente ao Lote 3 do Leilão nº 01/2020-ANEEL (Contrato
condicionaram a concessão do regime. de Concessão nº 2/2021-ANEEL, de 31 de março de 2021), aprovado pela
Art. 4º. Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua Portaria MME nº 804, de 19/07/2021, destinada ao setor de energia. Matrícula
publicação no Diário Oficial da União - D.O.U. CEI nº 90.007.54553/74.
Art. 3º No período de 5 (cinco) anos contados da data de publicação
RENATA DUARTE TEIXEIRA deste Ato Declaratório Executivo, a pessoa jurídica identificada no art. 1º poderá
adquirir, locar e importar bens e adquirir e importar serviços com suspensão da
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO DRF/NIT Nº 173, DE 15 DE OUTUBRO DE 2021 Contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS, para incorporação ou utilização em
obra de infraestrutura vinculada ao projeto identificado no art. 2°.
Concede, à pessoa jurídica que menciona, habilitação Art. 4º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua
para operar no Regime Especial de Incentivos para o publicação no Diário Oficial da União.
Desenvolvimento da Infra-Estrutura (REIDI) de que
trata a Instrução Normativa RFB nº 1.911/2019. CARLOS RENAN FERREIRA RIBEIRO
A DELEGADA-ADJUNTA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL em NITERÓI, no
exercício das atribuições regimentais definidas pelo inciso III do Art. nº 360 do Regimento ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 345, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021
Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria ME Nº 284, de
27/07/2020, tendo em vista o disposto no Artigo 587, da Instrução Normativa nº 1.911, de Aprova o fornecimento de selos de controle do
11 de outubro de 2019, publicada no D.O.U. de 15 de outubro de 2019 e considerando o tipo uísque/amarelo para selagem no
que consta do 13113.008152/2021-68 resolve: exterior.
Art. 1º. Habilitar a empresa abaixo identificada para operar no Regime Especial
de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura (REIDI), instituído pela Lei nº O AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da
11.488/2007 e regulamentado pelo Decreto nº 6.144/2007 com suas alterações, nos exatos competência delegada pelo § 1º do artigo 5º da Portaria DRF/SOR nº 38, de 07
termos da Portaria SPE/Nº 849 de 20/08/2021 do Ministério de Minas e Energia. de outubro de 2020, publicada no DOU de 13 de outubro de 2020, considerando
Empresa : SERRA DA MESA TRANSMISSORA DE ENERGIA S A o disposto no artigo 51 da Instrução Normativa RFB nº 1.432, de 26 de
CNPJ nº : 07.762.066/0001-68 dezembro de 2013, na Portaria SRRF08 n° 53, de 17 de maio de 2021, e no
CNO nº : Não possui processo nº 13075.029808/2021-80, aprova:
Nome do Projeto : Reforços na Subestação Luziânia Art. 1º O fornecimento de 10.200 (dez mil e duzentos) selos de
Prazo estimado para execução: de maio de 2021 e maio de 2023 controle, tipo uísque/amarelo, ao estabelecimento AURORA BEBIDAS E
Art. 2º O benefício do REIDI poderá ser usufruído nas aquisições e importações ALIMENTOS FINOS LTDA, CNPJ nº 61.296.646/0001-52, localizado na Rodovia
realizadas no período de 05 (cinco) anos contados da data da habilitação da pessoa jurídica Anhanguera, Km 15 - Bairro Pirituba, São Paulo / SP, inscrito no Registro Especial
titular do projeto de infraestrutura (Lei nº 11.488/2007, art. 5º). nº 08190/0003, para selagem no exterior dos produtos descritos abaixo:
Art. 3º A presente habilitação poderá ser cancelada "ex officio" pela Autoridade DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS QUANTIDADE
Fiscal em caso de inobservância, por parte da beneficiária, de quaisquer dos requisitos que
.

Highland Park 12 Tipo: Uísque. Fabricante: Highland Park 300 garrafas


condicionaram a concessão do regime.
.

anos Distillery - Reino Unido.


Art. 4º. Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua Acondicionamento: 50 caixas com 06
publicação no Diário Oficial da União - D.O.U. garrafas de 700 ml.
RENATA DUARTE TEIXEIRA . Highland Park 18 Tipo: Uísque. Fabricante: Highland Park 360 garrafas
anos Distillery - Reino Unido.
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO DRF/NIT Nº 174, DE 18 DE OUTUBRO DE 2021 Acondicionamento: 60 caixas com 06
garrafas de 700 ml.
CANCELA, DE OFÍCIO, a CO-HABILITAÇÃO da pessoa . The Famous Grouse Tipo: Uísque. Fabricante: Edrington 7.140 garrafas
jurídica que menciona, para operar no Regime Distillers Ltd - Reino Unido.
Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Acondicionamento: 595 caixas com 12
Infra-Estrutura (REIDI) de que trata a Instrução garrafas de 750 ml.
Normativa RFB nº 1911/2019. . The Famous Grouse Tipo: Uísque. Fabricante: Edrington 2.400 garrafas
Smoky Black Distillers Ltd - Reino Unido.
A DELEGADA ADJUNTA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL em NITERÓI, no uso Acondicionamento: 200 caixas com 12
da(s) atribuição (ões) que lhe confere o inciso III do art. 360 do Regimento Interno da garrafas de 750 ml.
Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria ME nº 284, de 27 TOTAL 10.200
de julho de 2020, e tendo em vista o Despacho Decisório nº 1.335/EBEN-DEVAT07/DRF/NIT, garrafas
emitido no processo nº 12448.720034/2014-58 resolve:
Art. 1º Cancelar, de ofício, a CO-HABILITAÇÃO da beneficiária HELPORT
CONSTRUÇÕES DO BRASIL S A, CNPJ nº 05.877.218/0001-42, com base no Art. 1º, Art 2º O estabelecimento interessado deverá cumprir as obrigações
parágrafo único, da Lei nº 11.488 2007, Art. 10, inciso II, do Decreto nº 6.144/2007 que a citadas na Instrução Normativa RFB nº 1.432, de 26 de dezembro de 2013,
regulamentou, e em consonância com o Art. 588 da IN RFB 1.911/2019. principalmente a de efetuar o pagamento dos selos e retirá-los no prazo de 15
Art. 2º O cancelamento da co-habilitação será retroativo a 01 de fevereiro de (quinze dias) a contar da data de publicação deste ADE, sob pena de ficar sem
2018. efeito a autorização para a importação.
Art. 3º Este ato determina que a postulante somente poderá solicitar nova Art. 3º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data da sua
habilitação/co-habilitação após o prazo de 2(dois) anos contado da data de publicação publicação no Diário Oficial da União.
deste ADE de cancelamento de ofício.
EMÍLIO CLÁUDIO DE OLIVEIRA TIEPPO

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 28 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200028 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA 9ª REGIÃO FISCAL ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 34, DE 18 DE OUTUBRO DE 2021
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CURITIBA Concede regime especial de substituição tributária
EQUIPE DE GESTÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO E DO DIREITO CREDITÓRIO 4 do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 182, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021 O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DA 10ª REGIÃO FISCAL,
no uso das atribuições que lhe conferem o inciso I do art. 359 do Regimento Interno da
Concede cancelamento da coabilitação ao Regime Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria ME nº 284, de 27
Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da de julho de 2020, tendo em vista o disposto no art. 3º da Instrução Normativa RFB nº
Infra-Estrutura (Reidi) à empresa que menciona. 1.081, de 4 de novembro de 2010, e de acordo com os elementos constantes do processo
nº 13033.541177/2021-69, resolve:
A AUDITORA-FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL em exercício na Equipe de Art. 1º Fica concedido o Regime Especial de Substituição Tributária do Imposto
Gestão do Crédito Tributário e do Direito Creditório 4 da Delegacia da Receita Federal do sobre Produtos Industrializados (IPI), de que trata a Instrução Normativa RFB nº 1.081, de
Brasil em Curitiba, no uso das atribuições que lhe conferem a alínea "b" do inciso I do art. 4 de novembro de 2010, sendo identificado na condição de contribuinte SUBSTITUTO o
6º da Lei nº 10.593, de 6 de dezembro de 2002 (Redação dada pela Lei nº 11.457, de estabelecimento da empresa IDP INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS ELÉTRICOS
2007), o inciso IV do art. 303 do Regimento Interno da Secretaria Especial da Receita EIRELI, inscrito no CNPJ sob nº 30.499.914/0001-00, e na condição de contribuinte
Federal do Brasil, aprovado pela Portaria ME nº 284, de 27 de julho de 2020, os arts. 1º SUBSTITUÍDO o estabelecimento da empresa DACARTO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE
e 7º da Portaria SRRF09 nº 482, de 30 de julho de 2020, e o art. 10 da Portaria RFB nº 20, PLÁSTICOS LTDA, inscrito no CNPJ sob nº 62.143.847/0001-82.
de 05 de abril de 2021, tendo em vista o disposto nos artigos 9º e 10 do Decreto nº 6.144, Art. 2º O regime especial aplica-se, exclusivamente, aos produtos abaixo
de 3 de julho de 2007, e o que consta do processo nº 13033.637288/2021-70, declara: relacionados, os quais serão remetidos com suspensão do IPI pelo contribuinte
Art. 1º Concedido o cancelamento da coabilitação ao Regime Especial de SUBSTITUÍDO ao contribuinte SUBSTITUTO.
Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura (Reidi), para a pessoa jurídica
GRANTEL ENGENHARIA LTDA, CNPJ 81.732.042/0001-19, relativa à execução de obras de Descrição Do Produto Código/Tipi Alíquota
infraestrutura no projeto de transmissão de energia elétrica, correspondente ao Lote E do
.

Leilão nº 13/2015-ANEEL (Contrato de Concessão nº 11/2016-ANEEL, de 29/09/2016), . Composto PVC = Polímeros de cloreto de vinila ou de outras 39.04.21.00 5%
matriculado no CEI sob nº 51.240.27168/79, de titularidade da pessoa jurídica ETB - olefinas halogenadas, em formas primárias - Não plastificadas
EMPRESA DE TRANSMISSÃO BAIANA S.A. (atual denominação da BJL SPE TRANSMISSORA
DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.), CNPJ 24.870.961/0001-15, e aprovado para enquadramento no Parágrafo único. O contribuinte SUBSTITUTO assume a condição de responsável
regime pela Portaria SPE nº 37, de 20 de fevereiro de 2017, do Ministério de Estado de tributário relativamente ao IPI devido nas operações realizadas com o contribuinte
Minas e Energia, publicado no DOU de 21/02/2017, Seção 1, Pág. 50. SUBSTITUÍDO.
Art. 2º Cancelados todos os efeitos do Ato Declaratório Executivo nº 134, de 15 Art. 3º Na Nota Fiscal de saída do contribuinte SUBSTITUÍDO deverá constar a
de junho de 2020, da Superintendência da Receita Federal do Brasil da 9ª Região Fiscal, expressão "Saída com suspensão do IPI - ADE SRRF10 nº 34, de 18 de outubro de 2021,
publicado no DOU de 16/06/2020, Seção 1, Págs. 14/15, através do qual fora concedida a publicado no D.O.U de dd.mm.aaaa", onde "dd.mm.aaaa" corresponde à data da
coabilitação ao regime, no curso do processo nº 19985.720819/2020-31. publicação deste ato no Diário Oficial da União.
Art. 3º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua § 1º Fica vedado o destaque do valor do imposto suspenso, devendo este
publicação no Diário Oficial da União - DOU, ressalvados os efeitos tributários posteriores constar da Nota Fiscal referida no caput apenas no campo "Informações
a 03/08/2021. Complementares".
§ 2º O valor do IPI suspenso não poderá ser utilizado como crédito do
TAÍS BRITO SANTANA imposto.
Art. 4º Os produtos constantes do art. 2º serão recebidos pelo SUBSTITUTO
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA 10ª REGIÃO FISCAL com suspensão do IPI e utilizados para a industrialização ou revenda, no caso de substituto
equiparado a industrial, dos produtos a seguir relacionados:
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 33, DE 18 DE OUTUBRO DE 2021

Concede regime especial de substituição tributária . Descrição Do Produto Código/Tipi Alíquota


do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). . Eletrodutos de PVC flexível corrugados 39.17.23.00 0%
O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DA 10ª REGIÃO FISCAL, Art. 5º Este Ato Declaratório Executivo não convalida a classificação fiscal, bem
no uso das atribuições que lhe conferem o inciso I do art. 359 do Regimento Interno da como a correspondente alíquota, dos produtos mencionados nos arts. 2º e 4º.
Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria ME nº 284, de 27 Art. 6º O regime especial de que trata este Ato Declaratório Executivo produzirá
de julho de 2020, tendo em vista o disposto no art. 3º da Instrução Normativa RFB nº efeitos por um prazo de 3 (três) anos a partir da data de sua publicação no Diário Oficial
1.081, de 4 de novembro de 2010, e de acordo com os elementos constantes do processo da União, podendo a Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil alterá-lo, de ofício ou
nº 13033.544732/2021-12, resolve: a pedido, cancelá-lo, a pedido, ou, ainda, cassá-lo, nas hipóteses previstas no art. 10 da
Art. 1º Fica concedido o Regime Especial de Substituição Tributária do Imposto Instrução Normativa RFB nº 1.081, de 2010.
sobre Produtos Industrializados (IPI), de que trata a Instrução Normativa RFB nº 1.081, de Art. 7º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua
4 de novembro de 2010, sendo identificado na condição de contribuinte SUBSTITUTO o publicação no Diário Oficial da União.
estabelecimento da empresa IDP INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS ELÉTRICOS
EIRELI, inscrito no CNPJ sob nº 30.499.914/0001-00, e na condição de contribuinte LUIZ BERNARDI
SUBSTITUÍDO o estabelecimento da empresa NOVAPOL PLÁSTICOS LTDA, inscrito no CNPJ
sob nº 07.600.033/0001-11. ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 35, DE 18 DE OUTUBRO DE 2021
Art. 2º O regime especial aplica-se, exclusivamente, aos produtos abaixo
relacionados, os quais serão remetidos com suspensão do IPI pelo contribuinte Concede regime especial de substituição tributária
SUBSTITUÍDO ao contribuinte SUBSTITUTO. do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).
Descrição Do Produto Código/Tipi Alíquota
O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DA 10ª REGIÃO FISCAL,
.

. Resina Cristalan 1847 TR 00 00 39.07.94.00 5% no uso das atribuições que lhe conferem o inciso I do art. 359 do Regimento Interno da
. Resina Cristalan 1847 TR 00 04 39.07.94.00 5% Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria ME nº 284, de 27
. Resina Cristalan 1847 TR 00 08 39.07.94.00 5% de julho de 2020, tendo em vista o disposto no art. 3º da Instrução Normativa RFB nº
. Resina Cristalan L120 TR 00 00 39.07.91.00 5% 1.081, de 4 de novembro de 2010, e de acordo com os elementos constantes do processo
. Resina Cristalan L120 TR 00 01 39.07.91.00 5% nº 13033.541997/2021-51, resolve:
Resina Cristalan L120 TR 00 07 39.07.91.00 5% Art. 1º Fica concedido o Regime Especial de Substituição Tributária do Imposto
sobre Produtos Industrializados (IPI), de que trata a Instrução Normativa RFB nº 1.081, de
.

Resina Cristalan L120 TR 00 56 39.07.91.00 5%


4 de novembro de 2010, sendo identificado na condição de contribuinte SUBSTITUTO o
.

Resina Cristalan L130 TR 00 00 39.07.91.00 5%


estabelecimento da empresa IDP INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS ELÉTRICOS
.

. Resina Cristalan L130 TR 00 01 39.07.91.00 5% EIRELI, inscrito no CNPJ sob nº 30.499.914/0001-00, e na condição de contribuinte
. Resina Cristalan P500 TR 00 00 39.07.91.00 5% SUBSTITUÍDO o estabelecimento da empresa KARINA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE
. Resina Cristalan P500 TR 00 02 39.07.91.00 5% PLÁSTICOS LTDA, inscrito no CNPJ sob nº 51.254.159/0001-73.
. Resina Cristalan P500 TR 00 03 39.07.91.00 5% Art. 2º O regime especial aplica-se, exclusivamente, aos produtos abaixo
. Resina Cristalan ISO 1870 TN 00 00 39.07.91.00 5% relacionados, os quais serão remetidos com suspensão do IPI pelo contribuinte
. Resina Cristalan ISO 1870 TN 00 02 39.07.91.00 5% SUBSTITUÍDO ao contribuinte SUBSTITUTO.
Resina Cristalan ISO 1870 TN 00 08 39.07.91.00 5%
Descrição Do Produto Código/Tipi Alíquota
.

Parágrafo único. O contribuinte SUBSTITUTO assume a condição de responsável . Composto PVC = Polímeros de cloreto de vinila ou de 39.04.21.00 5%
tributário relativamente ao IPI devido nas operações realizadas com o contribuinte outras olefinas halogenadas, em formas primárias -
SUBSTITUÍDO. Outros poli (cloreto de vinila) - não plastificados
Art. 3º Na Nota Fiscal de saída do contribuinte SUBSTITUÍDO deverá constar a
expressão "Saída com suspensão do IPI - ADE SRRF10 nº 33, de 18 de outubro de 2021, Parágrafo único. O contribuinte SUBSTITUTO assume a condição de responsável
publicado no D.O.U de dd.mm.aaaa", onde "dd.mm.aaaa" corresponde à data da tributário relativamente ao IPI devido nas operações realizadas com o contribuinte
publicação deste ato no Diário Oficial da União. SUBSTITUÍDO.
§ 1º Fica vedado o destaque do valor do imposto suspenso, devendo este Art. 3º Na Nota Fiscal de saída do contribuinte SUBSTITUÍDO deverá constar a
constar da Nota Fiscal referida no caput apenas no campo "Informações expressão "Saída com suspensão do IPI - ADE SRRF10 nº 35, de 18 de outubro de 2021,
Complementares". publicado no D.O.U de dd.mm.aaaa", onde "dd.mm.aaaa" corresponde à data da
§ 2º O valor do IPI suspenso não poderá ser utilizado como crédito do publicação deste ato no Diário Oficial da União.
imposto. § 1º Fica vedado o destaque do valor do imposto suspenso, devendo este
Art. 4º Os produtos constantes do art. 2º serão recebidos pelo SUBSTITUTO constar da Nota Fiscal referida no caput apenas no campo "Informações
com suspensão do IPI e utilizados para a industrialização ou revenda, no caso de substituto Complementares".
equiparado a industrial, dos produtos a seguir relacionados: § 2º O valor do IPI suspenso não poderá ser utilizado como crédito do
imposto.
. Descrição Do Produto Código/Tipi Alíquota Art. 4º Os produtos constantes do art. 2º serão recebidos pelo SUBSTITUTO
. Tubos PRFV 39.17.29.00 0% com suspensão do IPI e utilizados para a industrialização ou revenda, no caso de substituto
. Tubos RPVC 39.17.29.00 0% equiparado a industrial, dos produtos a seguir relacionados:
Poste PRFV 39.17.29.00 0%
Descrição Do Produto Código/Tipi Alíquota
.

. Poste RPVC 39.17.29.00 0% .

. Cruzetas 39.17.29.00 0% . Eletrodutos de PVC flexível corrugados 39.17.23.00 0%

Art. 5º Este Ato Declaratório Executivo não convalida a classificação fiscal, bem Art. 5º Este Ato Declaratório Executivo não convalida a classificação fiscal, bem
como a correspondente alíquota, dos produtos mencionados nos arts. 2º e 4º. como a correspondente alíquota, dos produtos mencionados nos arts. 2º e 4º.
Art. 6º O regime especial de que trata este Ato Declaratório Executivo produzirá Art. 6º O regime especial de que trata este Ato Declaratório Executivo produzirá
efeitos por um prazo de 3 (três) anos a partir da data de sua publicação no Diário Oficial efeitos por um prazo de 3 (três) anos a partir da data de sua publicação no Diário Oficial
da União, podendo a Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil alterá-lo, de ofício ou da União, podendo a Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil alterá-lo, de ofício ou
a pedido, cancelá-lo, a pedido, ou, ainda, cassá-lo, nas hipóteses previstas no art. 10 da a pedido, cancelá-lo, a pedido, ou, ainda, cassá-lo, nas hipóteses previstas no art. 10 da
Instrução Normativa RFB nº 1.081, de 2010. Instrução Normativa RFB nº 1.081, de 2010.
Art. 7º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua Art. 7º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na data de sua
publicação no Diário Oficial da União. publicação no Diário Oficial da União.

LUIZ BERNARDI LUIZ BERNARDI

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 29 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200029 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Rocha, Rio Grande do Norte - Carlos Eduardo Xavier, Rio Grande do Sul - Ricardo Neves
SECRETARIA ESPECIAL DO TESOURO E ORÇAMENTO Pereira, Rondônia - Luis Fernando Pereira da Silva, Roraima - Marcos Jorge de Lima, Santa
CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA Catarina - Paulo Eli, São Paulo - Tomás Bruginski de Paula, Sergipe - Silvana Maria Lisboa
Lima, Tocantins - Marco Antônio da Silva Menezes.
SECRETARIA EXECUTIVA
CONVÊNIO ICMS Nº 188, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021
ATO DECLARATÓRIO Nº 26, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021
Autoriza o Estado do Rio Grande do Sul a dispensar juros e multa de ICMS
Ratifica Convênios ICMS aprovados na 182ª Reunião incidentes nas operações com pão de alho, nos casos em que especifica.
Ordinária do CONFAZ, realizada no dia 1°.10.2021 e O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, na sua 338ª Reunião
publicados no DOU no dia 04.10.21. Extraordinária, realizada em Brasília, DF, no dia 20 de outubro de 2021, tendo em vista o
disposto na Lei Complementar nº 24, de 07 de janeiro de 1975, resolve celebrar o seguinte
O Diretor da Secretaria-Executiva do Conselho Nacional de Política Fazendária - CONVÊNIO
CONFAZ, com fulcro no art. 5º da Lei Complementar nº 24, de 07 de janeiro de 1975, no Cláusula primeira O Estado do Rio Grande do Sul fica autorizado a dispensar o
uso das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso X do art. 5º e pelo parágrafo único pagamento de juros e de multa sobre os créditos tributários do Imposto sobre Operações
do art. 37 do Regimento desse Conselho, declara ratificados os Convênios ICMS a seguir relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte
identificados, celebrados na 182ª Reunião Ordinária do CONFAZ, realizada no dia 1° de Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, constituídos ou não, inscritos ou
outubro de 2021: não em Dívida Ativa, inclusive ajuizados, decorrentes da diferença entre a alíquota de 12%
CONVÊNIO ICMS nº 146/21 - Autoriza a concessão de redução da base de (doze porcento) e a alíquota modal do Estado, relacionados a operações com pão de alho,
cálculo do ICMS no fornecimento de refeição promovido por bares, restaurantes e desde que os fatos geradores tenham ocorrido até 31 de dezembro de 2020.
estabelecimentos similares; Parágrafo único. O Estado do Rio Grande do Sul estabelecerá a forma e as
CONVÊNIO ICMS nº 147/21 - Dispõe sobre a adesão de Alagoas, Amazonas, condições para a dispensa de que trata esta cláusula.
Piauí, Rio Grande do Sul Roraima e Santa Catarina e altera o Convênio ICMS nº 102/21, que Cláusula segunda Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua
autoriza as unidades federadas que menciona a conceder isenção do ICMS nas saídas ratificação nacional no Diário Oficial da União.
internas promovidas por produtores enquadrados na agricultura familiar ou na Presidente do CONFAZ - Bruno Funchal, em exercício; Acre - Breno Geovane
agroindústria familiar, bem como crédito presumido nas entradas de produtos fornecidos Azevedo Caetano, Alagoas - George André Palermo Santoro, Amazonas - Felipe Crespo
por agroindústria familiar, nas condições que especifica; Ferreira, Bahia - João Batista Aslan Ribeiro, Ceará - Fernanda Mara de Oliveira Macedo
CONVÊNIO ICMS nº 148/21 - Dispõe sobre a adesão dos Estados do Maranhão Carneiro Pacobahyba, Distrito Federal - Marcelo Ribeiro Alvim, Espírito Santo - Marcelo
e Rio Grande do Sul e altera o Convênio ICMS nº 3/17, que autoriza as unidades federadas Martins Altoé, Goiás - Cristiane Alkmin Junqueira Schmidt, Maranhão - Magno Vasconcelos
que menciona a instituir Programa de Fomento às Empresas Prestadoras de Serviço de Pereira, Mato Grosso - Fábio Fernandes Pimenta, Mato Grosso do Sul - Lauri Luiz Kener,
Comunicação Multimídia que migrarem do Simples Nacional para o Regime Normal, Minas Gerais - Luiz Cláudio Fernandes Lourenço Gomes, Pará - Eli Sósinho Ribeiro, Paraíba -
concedendo redução de base de cálculo do ICMS nas prestações internas de serviços de Bruno Frade, Paraná - Renê de Oliveira Garcia Junior, Pernambuco - Décio José Padilha da
comunicação a que se refere; Cruz, Piauí - Maria das Graças Moraes Moreira Ramos, Rio de Janeiro - Luiz Cezar Moretzsohn
CONVÊNIO ICMS nº 149/21 - Autoriza as unidades federadas que menciona a Rocha, Rio Grande do Norte - Carlos Eduardo Xavier, Rio Grande do Sul - Ricardo Neves
conceder crédito presumido do ICMS no fomento à internet rural; Pereira, Rondônia - Luis Fernando Pereira da Silva, Roraima - Marcos Jorge de Lima, Santa
CONVÊNIO ICMS nº 150/21 - Dispõe sobre a adesão do Estado de Pernambuco Catarina - Paulo Eli, São Paulo - Tomás Bruginski de Paula, Sergipe - Silvana Maria Lisboa
e altera o Convênio ICMS nº 19/18, que autoriza as unidades federadas que menciona a Lima, Tocantins - Marco Antônio da Silva Menezes.
conceder redução na base de cálculo do ICMS nas prestações de serviços de
comunicação; CONVÊNIO ICMS Nº 189, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021
CONVÊNIO ICMS Nº 151/21 - Autoriza as unidades federadas que menciona a
conceder isenção do ICMS nas operações com máquinas, equipamentos, aparelhos e Dispõe sobre a adesão de São Paulo e altera o Convênio ICMS nº 31/06, que
componentes para a geração de energia elétrica a partir do biogás; autoriza os Estados do Ceará, Paraná e Rio Grande do Sul e o Distrito Federal a conceder
CONVÊNIO ICMS nº 152/21 - Revigora e prorroga o Convênio ICMS 88/19, que isenção de ICMS nas operações com cimento asfáltico de petróleo, denominado "asfalto
autoriza o Estado de Mato Grosso a conceder isenção do ICMS incidente sobre o consumo ecológico" ou "asfalto de borracha".
de energia elétrica do Hospital de Câncer de Mato Grosso; O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, na sua 338ª Reunião
CONVÊNIO ICMS nº 153/21 - Altera o Convênio ICMS nº 19/16, que autoriza a Extraordinária, realizada em Brasília, DF, no dia 20 de outubro de 2021, tendo em vista o
concessão de isenção do ICMS incidente no fornecimento de energia elétrica a hospitais disposto na Lei Complementar nº 24, de 07 de janeiro de 1975, resolve celebrar o seguinte
filantrópicos, desde que classificados como entidade beneficente de assistência social, nos CONVÊNIO
termos da Lei n° 12.101, de 27 de novembro de 2009; Cláusula primeira O Estado de São Paulo fica incluído nas disposições do
CONVÊNIO ICMS nº 154/21 - Altera o Convênio ICMS nº 71/21, que autoriza as Convênio ICMS nº 31, de 07 de julho de 2006.
unidades federadas que menciona a conceder isenção do ICMS nas operações de Cláusula segunda Os dispositivos a seguir indicados do Convênio ICMS nº 31/06
importação dos equipamentos especificados por empresas operadoras portuárias; passam a vigorar com as seguintes redações:
CONVÊNIO ICMS º 155/21 - Autoriza o Estado do Pará a reduzir juros e multas I - a ementa:
de débitos fiscais relacionados com o ICM e o ICMS; "Autoriza as unidades federadas que menciona a conceder isenção de ICMS nas
CONVÊNIO ICMS º 156/21 - Autoriza o Estado de Alagoas a conceder anistia da operações com cimento asfáltico de petróleo, denominado "asfalto ecológico" ou "asfalto de
multa decorrente da retificação e da entrega fora do prazo dos arquivos concernentes às borracha".";
Declarações de Atividade do Contribuinte - DAC; II - a cláusula primeira:
CONVÊNIO ICMS º 157/21 - Altera o Convênio ICMS nº 10/02, que concede "Cláusula primeira Ficam os Estados do Ceará, Paraná, Rio Grande do Sul e São
isenção do ICMS a operações com medicamento destinado ao tratamento dos portadores Paulo e o Distrito Federal autorizados a conceder isenção do Imposto sobre Operações
do vírus da AIDS; relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte
CONVÊNIO ICMS º 158/21 - Altera o Convênio ICMS nº 87/02, que concede Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS - nas operações com cimento
isenção do ICMS nas operações com fármacos e medicamentos destinados a órgãos da asfáltico de petróleo constituído de no mínimo 15% (quinze por cento) e no máximo 25%
Administração Pública Direta Federal, Estadual e Municipal; (vinte e cinco por cento) de borracha moída de pneus usados, produto classificado no código
CONVÊNIO ICMS º 159/21 - Autoriza as unidades federadas que menciona a 2713.20.00 da Nomenclatura Comum do Mercosul - NCM.";
conceder redução de base de cálculo nas operações interestaduais com sardinha e atum II - a cláusula primeira-A:
enlatados; "Cláusula primeira-A Ficam os Estados do Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo
CONVÊNIO ICMS º 160/21 - Altera o Convênio ICMS nº 79/20, que autoriza as autorizados a isentar a parcela do ICMS diferido que exceder a 12% (doze por cento) relativa
às operações internas com cimento asfáltico de petróleo, classificado no código nº
unidades federadas que menciona a dispensar ou reduzir juros, multas e demais 2713.20.00 da NCM, quando destinado à produção da mercadoria de que trata a cláusula
acréscimos legais, mediante quitação ou parcelamento de débitos fiscais relacionados com primeira deste convênio, em face do encerramento do diferimento.".
o ICM e o ICMS, inclusive os decorrentes da situação de emergência em saúde pública Cláusula terceira Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua
causada pela pandemia do novo Coronavírus (COVID-19) na forma que especifica; ratificação nacional no Diário Oficial da União, produzindo efeitos a partir do primeiro dia do
CONVÊNIO ICMS º 161/21 - Altera o Convênio ICMS nº 38/12, que concede primeiro mês subsequente ao da ratificação.
isenção do ICMS nas saídas de veículos destinados a pessoas com deficiência física, visual, Presidente do CONFAZ - Bruno Funchal, em exercício; Acre - Breno Geovane
mental ou autista. Azevedo Caetano, Alagoas - George André Palermo Santoro, Amazonas - Felipe Crespo
Ferreira, Bahia - João Batista Aslan Ribeiro, Ceará - Fernanda Mara de Oliveira Macedo
CARLOS HENRIQUE DE AZEVEDO OLIVEIRA Carneiro Pacobahyba, Distrito Federal - Marcelo Ribeiro Alvim, Espírito Santo - Marcelo
Martins Altoé, Goiás - Cristiane Alkmin Junqueira Schmidt, Maranhão - Magno Vasconcelos
DESPACHO Nº 75, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021 Pereira, Mato Grosso - Fábio Fernandes Pimenta, Mato Grosso do Sul - Lauri Luiz Kener,
Minas Gerais - Luiz Cláudio Fernandes Lourenço Gomes, Pará - Eli Sósinho Ribeiro, Paraíba -
Publica Convênios ICMS aprovados na 338ª Reunião Bruno Frade, Paraná - Renê de Oliveira Garcia Junior, Pernambuco - Décio José Padilha da
Extraordinária do CONFAZ, realizada no dia Cruz, Piauí - Maria das Graças Moraes Moreira Ramos, Rio de Janeiro - Luiz Cezar Moretzsohn
20.10.2021. Rocha, Rio Grande do Norte - Carlos Eduardo Xavier, Rio Grande do Sul - Ricardo Neves
O Diretor da Secretaria-Executiva do Conselho Nacional de Política Fazendária - Pereira, Rondônia - Luis Fernando Pereira da Silva, Roraima - Marcos Jorge de Lima, Santa
CONFAZ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso IX, do art. 5º do Regimento Catarina - Paulo Eli, São Paulo - Tomás Bruginski de Paula, Sergipe - Silvana Maria Lisboa
desse Conselho, e em cumprimento ao disposto nos artigos 35, 39 e 40 desse mesmo Lima, Tocantins - Marco Antônio da Silva Menezes.
diploma, torna público que na 338ª Reunião Extraordinária do CONFAZ, realizada no dia 20
de outubro de 2021, foram celebrados os seguintes atos normativos: CONVÊNIO ICMS Nº 190, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021
Revigora e altera o Convênio ICMS nº 155/19, que autoriza as unidades federadas
CONVÊNIO ICMS Nº 187, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021 que menciona a instituir programa de anistia de débitos fiscais relativos ao ICMS na forma
Concede isenção do ICMS nas operações com mercadorias destinadas a órgãos da que especifica.
Administração Pública Direta Federal, Estadual e Municipal. O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, na sua 338ª Reunião
O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, na sua 338ª Reunião Extraordinária, realizada em Brasília, DF, no dia 20 de outubro de 2021, tendo em vista o
Extraordinária, realizada em Brasília, DF, no dia 20 de outubro de 2021, tendo em vista o disposto na Lei Complementar nº 24, de 07 de janeiro de 1975, resolve celebrar o seguinte
disposto na Lei Complementar nº 24, de 07 de janeiro de 1975, resolve celebrar o seguinte CONVÊNIO
CONVÊNIO Cláusula primeira Fica revigorado o Convênio ICMS nº 155, de 10 de outubro de
Cláusula primeira Os Estados e o Distrito Federal ficam autorizados a isentar do 2019.
Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Cláusula segunda Os dispositivos a seguir indicados do Convênio ICMS nº 155/19
Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS - as passam a vigorar com as seguintes redações:
operações realizadas com absorventes íntimos femininos, internos e externos, tampões I - o "caput" da cláusula primeira:
higiênicos, coletores e discos menstruais, calcinhas absorventes e panos absorventes íntimos, "Cláusula primeira Fica o Distrito Federal autorizado a instituir programa de
NCM 9619.00.00, destinados a órgãos da Administração Pública Direta e Indireta Federal, remissão parcial de débitos fiscais e de anistia parcial de suas multas e juros relacionados
Estadual e Municipal e a suas fundações públicas. com o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de
Parágrafo único. As unidades federadas ficam autorizadas a não exigir o estorno Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS - e com o
do crédito fiscal previsto no art. 21 da Lei Complementar nº 87, de 13 de setembro de 1996, Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias - ICM, constituídos ou não,
nas operações de que trata este convênio. inscritos ou não em dívida ativa, ajuizados ou não, de débitos cujos fatos geradores
Cláusula segunda Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua ocorreram até 31 de dezembro de 2020, doravante denominado REFIS-DF 2020, vedada a
ratificação nacional no Diário Oficial da União. restituição ou a compensação de importâncias já pagas, observadas as condições e limites
Presidente do CONFAZ - Bruno Funchal, em exercício; Acre - Breno Geovane estabelecidos neste convênio.";
Azevedo Caetano, Alagoas - George André Palermo Santoro, Amazonas - Felipe Crespo II - o § 1º da cláusula quarta:
Ferreira, Bahia - João Batista Aslan Ribeiro, Ceará - Fernanda Mara de Oliveira Macedo "§ 1º A adesão a que se refere o "caput" desta cláusula deve ser feita de 10 de
Carneiro Pacobahyba, Distrito Federal - Marcelo Ribeiro Alvim, Espírito Santo - Marcelo janeiro de 2022 até 31 de março de 2022.".
Martins Altoé, Goiás - Cristiane Alkmin Junqueira Schmidt, Maranhão - Magno Vasconcelos Cláusula terceira Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua
Pereira, Mato Grosso - Fábio Fernandes Pimenta, Mato Grosso do Sul - Lauri Luiz Kener, ratificação nacional no Diário Oficial da União.
Minas Gerais - Luiz Cláudio Fernandes Lourenço Gomes, Pará - Eli Sósinho Ribeiro, Paraíba - Presidente do CONFAZ - Bruno Funchal, em exercício; Acre - Breno Geovane
Bruno Frade, Paraná - Renê de Oliveira Garcia Junior, Pernambuco - Décio José Padilha da Azevedo Caetano, Alagoas - George André Palermo Santoro, Amazonas - Felipe Crespo
Cruz, Piauí - Maria das Graças Moraes Moreira Ramos, Rio de Janeiro - Luiz Cezar Moretzsohn Ferreira, Bahia - João Batista Aslan Ribeiro, Ceará - Fernanda Mara de Oliveira Macedo

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 30 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200030 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Carneiro Pacobahyba, Distrito Federal - Marcelo Ribeiro Alvim, Espírito Santo - Marcelo Cláusula segunda Fica restabelecido o prazo final de vigência do Convênio ICMS
Martins Altoé, Goiás - Cristiane Alkmin Junqueira Schmidt, Maranhão - Magno Vasconcelos nº 64, de 30 de julho de 2020, prorrogado para 31 de março de 2022, pelo Convênio ICMS nº
Pereira, Mato Grosso - Fábio Fernandes Pimenta, Mato Grosso do Sul - Lauri Luiz Kener, 28, de 12 de março de 2021.
Minas Gerais - Luiz Cláudio Fernandes Lourenço Gomes, Pará - Eli Sósinho Ribeiro, Paraíba - Cláusula terceira Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua
Bruno Frade, Paraná - Renê de Oliveira Garcia Junior, Pernambuco - Décio José Padilha da ratificação nacional no Diário Oficial da União.
Cruz, Piauí - Maria das Graças Moraes Moreira Ramos, Rio de Janeiro - Luiz Cezar Moretzsohn Presidente do CONFAZ - Bruno Funchal, em exercício; Acre - Breno Geovane
Rocha, Rio Grande do Norte - Carlos Eduardo Xavier, Rio Grande do Sul - Ricardo Neves
Azevedo Caetano, Alagoas - George André Palermo Santoro, Amazonas - Felipe Crespo
Pereira, Rondônia - Luis Fernando Pereira da Silva, Roraima - Marcos Jorge de Lima, Santa
Catarina - Paulo Eli, São Paulo - Tomás Bruginski de Paula, Sergipe - Silvana Maria Lisboa Ferreira, Bahia - João Batista Aslan Ribeiro, Ceará - Fernanda Mara de Oliveira Macedo
Lima, Tocantins - Marco Antônio da Silva Menezes. Carneiro Pacobahyba, Distrito Federal - Marcelo Ribeiro Alvim, Espírito Santo - Marcelo
Martins Altoé, Goiás - Cristiane Alkmin Junqueira Schmidt, Maranhão - Magno Vasconcelos
CONVÊNIO ICMS Nº 191, DE 20 DE OUTUBRO DE 2021 Pereira, Mato Grosso - Fábio Fernandes Pimenta, Mato Grosso do Sul - Lauri Luiz Kener,
Minas Gerais - Luiz Cláudio Fernandes Lourenço Gomes, Pará - Eli Sósinho Ribeiro, Paraíba -
Revoga inciso do Convênio ICMS nº 178/21, que prorroga as disposições de Bruno Frade, Paraná - Renê de Oliveira Garcia Junior, Pernambuco - Décio José Padilha da
convênios ICMS que dispõem sobre benefícios fiscais e restabelece o prazo final e vigência do
Cruz, Piauí - Maria das Graças Moraes Moreira Ramos, Rio de Janeiro - Luiz Cezar Moretzsohn
Convênio ICMS nº 64/20, prorrogado pelo Convênio ICMS nº 28/21.
O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, na sua 338ª Reunião Rocha, Rio Grande do Norte - Carlos Eduardo Xavier, Rio Grande do Sul - Ricardo Neves
Extraordinária, realizada em Brasília, no dia 20 de outubro de 2021, tendo em vista o Pereira, Rondônia - Luis Fernando Pereira da Silva, Roraima - Marcos Jorge de Lima, Santa
disposto na Lei Complementar nº 24, de 07 de janeiro de 1975, resolve celebrar o seguinte Catarina - Paulo Eli, São Paulo - Tomás Bruginski de Paula, Sergipe - Silvana Maria Lisboa
CONVÊNIO Lima, Tocantins - Marco Antônio da Silva Menezes.
Cláusula primeira O inciso CCXXIX da cláusula primeira do Convênio ICMS nº 178,
de 1º de outubro de 2021, fica revogado. CARLOS HENRIQUE DE AZEVEDO OLIVEIRA
SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL
PORTARIA SOF/ME Nº 12.487, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021

O SECRETÁRIO DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 44, § 1º, inciso III, alínea "a", da Lei nº 14.116, de 31 de dezembro de 2020, e
Considerando a frustração na arrecadação de parte de recursos da fonte 50 - Recursos Próprios Primários de Livre Aplicação e a viabilidade de aproveitamento do excesso de
arrecadação da fonte 63 - Recursos Próprios Decorrentes da Alienação de Bens e Direitos do Patrimônio Público com vistas à execução da ação "Desenvolvimento Sustentável da Cadeia
Produtiva do Cacau", na Administração Direta do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
Considerando a possibilidade de maximização da utilização do superávit financeiro apurado no balanço patrimonial do exercício de 2020, relativo à fonte 81 - Recursos de
Convênios, para o atendimento da ação "Pesquisa e Desenvolvimento de Tecnologias para a Agropecuária", na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA;
Considerando a viabilidade de otimização do uso do excesso de arrecadação da fonte 29 - Recursos de Concessões e Permissões na realização da ação "Construção, Reforma e
Reaparelhamento de Aeroportos e Aeródromos de Interesse Regional", no Fundo Nacional de Aviação Civil - FNAC; bem como o aproveitamento de recursos da fonte 00, que ora financia
a mencionada ação, para a implementação da ação "Administração da Unidade", na Empresa de Planejamento e Logística S.A. - EPL;
Considerando a projeção da baixa arrecadação da fonte 50 e a oportunidade de aproveitamento da fonte 00, que ora custeia a ação "Capacitação de Servidores Públicos Federais
em Processo de Qualificação e Requalificação", para a consecução da ação "Funcionamento de Espaços e Equipamentos Culturais", no Instituto Brasileiro de Museus; e
Considerando a necessidade de regularizar a inversão no uso das fontes 56 - Contribuição do Servidor para o Plano de Seguridade Social do Servidor Público e 69 - Contribuição
Patronal para o Plano de Seguridade Social do Servidor Público, além da possibilidade de utilização do superávit financeiro apurado no balanço patrimonial de 2020, referente à fonte 00,
para a execução da ação "Aposentadorias e Pensões Civis da União", em diversas unidades do Poder Executivo, resolve:
Art. 1º Modificar, na forma dos Anexos I e II desta Portaria, as fontes de recursos constantes de programações da Lei nº 14.144, de 22 de abril de 2021, no que concerne aos
Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; da Economia; da Educação; da Justiça e Segurança Pública; da Saúde; da Infraestrutura; do Desenvolvimento Regional; e do
Turismo.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

ARIOSTO ANTUNES CULAU

ANEXO I

ÓRGÃO: 22000 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento


UNIDADE: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Administração Direta
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
1031 Agropecuária Sustentável 100.007
ATIVIDADES
20 608 1031 20ZY Desenvolvimento Sustentável da Cadeia Produtiva do Cacau 100.007
20 608 1031 20ZY 0001 Desenvolvimento Sustentável da Cadeia Produtiva do Cacau - 100.007
Nacional
F 4 2 90 0 163 100.007
TOTAL - FISCAL 100.007
TOTAL - SEGURIDADE 0
TOTAL - GERAL 100.007

ÓRGÃO: 22000 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento


UNIDADE: 22202 - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
2203 Pesquisa e Inovação Agropecuária 2.204.860
ATIVIDADES
20 572 2203 20Y6 Pesquisa e Desenvolvimento de Tecnologias para a 2.204.860
Agropecuária
20 572 2203 20Y6 0001 Pesquisa e Desenvolvimento de Tecnologias para a Agropecuária 2.204.860
- Nacional
F 3 2 90 0 381 2.204.860
TOTAL - FISCAL 2.204.860
TOTAL - SEGURIDADE 0
TOTAL - GERAL 2.204.860

ÓRGÃO: 25000 - Ministério da Economia


UNIDADE: 25303 - Instituto Nacional do Seguro Social
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 100.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 100.000.000
09 272 0032 0181 0001 Aposentadorias e Pensões Civis da União - Nacional 100.000.000
S 1 1 90 0 300 100.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 100.000.000
TOTAL - GERAL 100.000.000

ÓRGÃO: 26000 - Ministério da Educação


UNIDADE: 26201 - Colégio Pedro II
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 26.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 26.000.000
09 272 0032 0181 0033 Aposentadorias e Pensões Civis da União - No Estado do Rio de 26.000.000
Janeiro
S 1 1 90 0 300 26.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 26.000.000
TOTAL - GERAL 26.000.000

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 31 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200031 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

ÓRGÃO: 26000 - Ministério da Educação


UNIDADE: 26238 - Universidade Federal de Minas Gerais
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 28.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 28.000.000
09 272 0032 0181 0031 Aposentadorias e Pensões Civis da União - No Estado de Minas 28.000.000
Gerais
S 1 1 90 0 300 28.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 28.000.000
TOTAL - GERAL 28.000.000

ÓRGÃO: 26000 - Ministério da Educação


UNIDADE: 26240 - Universidade Federal da Paraíba
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 50.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 50.000.000
09 272 0032 0181 0025 Aposentadorias e Pensões Civis da União - No Estado da 50.000.000
Paraíba
S 1 1 90 0 300 50.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 50.000.000
TOTAL - GERAL 50.000.000

ÓRGÃO: 26000 - Ministério da Educação


UNIDADE: 26245 - Universidade Federal do Rio de Janeiro
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 30.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 30.000.000
09 272 0032 0181 0033 Aposentadorias e Pensões Civis da União - No Estado do Rio de 30.000.000
Janeiro
S 1 1 90 0 300 30.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 30.000.000
TOTAL - GERAL 30.000.000

ÓRGÃO: 30000 - Ministério da Justiça e Segurança Pública


UNIDADE: 30108 - Departamento de Polícia Federal
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 60.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 60.000.000
09 272 0032 0181 0001 Aposentadorias e Pensões Civis da União - Nacional 60.000.000
S 1 1 90 0 300 60.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 60.000.000
TOTAL - GERAL 60.000.000

ÓRGÃO: 36000 - Ministério da Saúde


UNIDADE: 36901 - Fundo Nacional de Saúde
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 50.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 50.000.000
09 272 0032 0181 0053 Aposentadorias e Pensões Civis da União - No Distrito Federal 50.000.000
S 1 1 90 0 300 50.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 50.000.000
TOTAL - GERAL 50.000.000

ÓRGÃO: 39000 - Ministério da Infraestrutura


UNIDADE: 39253 - Empresa de Planejamento e Logística S.A. - EPL
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 4.700.000
ATIVIDADES
26 122 0032 2000 Administração da Unidade 4.700.000
26 122 0032 2000 0001 Administração da Unidade - Nacional 4.700.000
F 3 2 90 0 100 4.700.000
TOTAL - FISCAL 4.700.000
TOTAL - SEGURIDADE 0
TOTAL - GERAL 4.700.000

ÓRGÃO: 39000 - Ministério da Infraestrutura


UNIDADE: 39902 - Fundo Nacional de Aviação Civil - FNAC
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
3004 Aviação Civil 4.700.000
PROJETOS
26 781 3004 14UB Construção, Reforma e Reaparelhamento de Aeroportos e 4.700.000
Aeródromos de Interesse Regional
26 781 3004 14UB 0001 Construção, Reforma e Reaparelhamento de Aeroportos e 4.700.000
Aeródromos de Interesse Regional - Nacional
F 4 2 90 0 129 4.700.000
TOTAL - FISCAL 4.700.000
TOTAL - SEGURIDADE 0
TOTAL - GERAL 4.700.000

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 32 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200032 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

ÓRGÃO: 53000 - Ministério do Desenvolvimento Regional


UNIDADE: 53204 - Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - DNOCS
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 40.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 40.000.000
09 272 0032 0181 0001 Aposentadorias e Pensões Civis da União - Nacional 40.000.000
S 1 1 90 0 300 40.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 40.000.000
TOTAL - GERAL 40.000.000

ÓRGÃO: 54000 - Ministério do Turismo


UNIDADE: 54208 - Instituto Brasileiro de Museus
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 163.552
ATIVIDADES
13 128 0032 4572 Capacitação de Servidores Públicos Federais em Processo de 163.552
Qualificação e Requalificação
13 128 0032 4572 0001 Capacitação de Servidores Públicos Federais em Processo de 163.552
Qualificação e Requalificação - Nacional
F 3 2 90 0 150 163.552
5025 Cultura 163.552
ATIVIDADES
13 392 5025 211F Funcionamento de Espaços e Equipamentos Culturais 163.552
13 392 5025 211F 0001 Funcionamento de Espaços e Equipamentos Culturais - Nacional 163.552
F 3 2 90 0 100 163.552
TOTAL - FISCAL 327.104
TOTAL - SEGURIDADE 0
TOTAL - GERAL 327.104

ANEXO II
ÓRGÃO: 22000 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

UNIDADE: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Administração Direta


ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
1031 Agropecuária Sustentável 100.007
ATIVIDADES
20 608 1031 20ZY Desenvolvimento Sustentável da Cadeia Produtiva do Cacau 100.007
20 608 1031 20ZY 0001 Desenvolvimento Sustentável da Cadeia Produtiva do Cacau - 100.007
Nacional
F 4 2 90 0 150 100.007
TOTAL - FISCAL 100.007
TOTAL - SEGURIDADE 0
TOTAL - GERAL 100.007

ÓRGÃO: 22000 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento


UNIDADE: 22202 - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
2203 Pesquisa e Inovação Agropecuária 2.204.860
ATIVIDADES
20 572 2203 20Y6 Pesquisa e Desenvolvimento de Tecnologias para a 2.204.860
Agropecuária
20 572 2203 20Y6 0001 Pesquisa e Desenvolvimento de Tecnologias para a Agropecuária 2.204.860
- Nacional
F 3 2 90 0 350 2.204.860
TOTAL - FISCAL 2.204.860
TOTAL - SEGURIDADE 0
TOTAL - GERAL 2.204.860

ÓRGÃO: 25000 - Ministério da Economia


UNIDADE: 25303 - Instituto Nacional do Seguro Social
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 100.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 100.000.000
09 272 0032 0181 0001 Aposentadorias e Pensões Civis da União - Nacional 100.000.000
S 1 1 90 0 156 70.000.000
S 1 1 90 0 169 30.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 100.000.000
TOTAL - GERAL 100.000.000

ÓRGÃO: 26000 - Ministério da Educação


UNIDADE: 26201 - Colégio Pedro II
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 26.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 26.000.000
09 272 0032 0181 0033 Aposentadorias e Pensões Civis da União - No Estado do Rio de 26.000.000
Janeiro
S 1 1 90 0 169 26.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 26.000.000
TOTAL - GERAL 26.000.000

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 33 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200033 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

ÓRGÃO: 26000 - Ministério da Educação


UNIDADE: 26238 - Universidade Federal de Minas Gerais
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 28.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 28.000.000
09 272 0032 0181 0031 Aposentadorias e Pensões Civis da União - No Estado de Minas 28.000.000
Gerais
S 1 1 90 0 169 28.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 28.000.000
TOTAL - GERAL 28.000.000

ÓRGÃO: 26000 - Ministério da Educação


UNIDADE: 26240 - Universidade Federal da Paraíba
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 50.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 50.000.000
09 272 0032 0181 0025 Aposentadorias e Pensões Civis da União - No Estado da 50.000.000
Paraíba
S 1 1 90 0 169 50.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 50.000.000
TOTAL - GERAL 50.000.000

ÓRGÃO: 26000 - Ministério da Educação


UNIDADE: 26245 - Universidade Federal do Rio de Janeiro
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 30.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 30.000.000
09 272 0032 0181 0033 Aposentadorias e Pensões Civis da União - No Estado do Rio de 30.000.000
Janeiro
S 1 1 90 0 156 30.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 30.000.000
TOTAL - GERAL 30.000.000

ÓRGÃO: 30000 - Ministério da Justiça e Segurança Pública


UNIDADE: 30108 - Departamento de Polícia Federal
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 60.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 60.000.000
09 272 0032 0181 0001 Aposentadorias e Pensões Civis da União - Nacional 60.000.000
S 1 1 90 0 169 60.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 60.000.000
TOTAL - GERAL 60.000.000

ÓRGÃO: 36000 - Ministério da Saúde


UNIDADE: 36901 - Fundo Nacional de Saúde
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 50.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 50.000.000
09 272 0032 0181 0053 Aposentadorias e Pensões Civis da União - No Distrito Federal 50.000.000
S 1 1 90 0 169 50.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 50.000.000
TOTAL - GERAL 50.000.000

ÓRGÃO: 39000 - Ministério da Infraestrutura


UNIDADE: 39253 - Empresa de Planejamento e Logística S.A. - EPL
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 4.700.000
ATIVIDADES
26 122 0032 2000 Administração da Unidade 4.700.000
26 122 0032 2000 0001 Administração da Unidade - Nacional 4.700.000
F 3 2 90 0 380 4.700.000
TOTAL - FISCAL 4.700.000
TOTAL - SEGURIDADE 0
TOTAL - GERAL 4.700.000

ÓRGÃO: 39000 - Ministério da Infraestrutura


UNIDADE: 39902 - Fundo Nacional de Aviação Civil - FNAC
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
3004 Aviação Civil 4.700.000
PROJETOS
26 781 3004 14UB Construção, Reforma e Reaparelhamento de Aeroportos e 4.700.000
Aeródromos de Interesse Regional

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 34 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200034 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

26 781 3004 14UB 0001 Construção, Reforma e Reaparelhamento de Aeroportos e 4.700.000


Aeródromos de Interesse Regional - Nacional
F 4 2 90 0 100 4.700.000
TOTAL - FISCAL 4.700.000
TOTAL - SEGURIDADE 0
TOTAL - GERAL 4.700.000

ÓRGÃO: 53000 - Ministério do Desenvolvimento Regional


UNIDADE: 53204 - Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - DNOCS
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 40.000.000
OPERAÇÕES ESPECIAIS
09 272 0032 0181 Aposentadorias e Pensões Civis da União 40.000.000
09 272 0032 0181 0001 Aposentadorias e Pensões Civis da União - Nacional 40.000.000
S 1 1 90 0 169 40.000.000
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 40.000.000
TOTAL - GERAL 40.000.000

ÓRGÃO: 54000 - Ministério do Turismo


UNIDADE: 54208 - Instituto Brasileiro de Museus
ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
0032 Programa de Gestão e Manutenção do Poder Executivo 163.552
ATIVIDADES
13 128 0032 4572 Capacitação de Servidores Públicos Federais em Processo de 163.552
Qualificação e Requalificação
13 128 0032 4572 0001 Capacitação de Servidores Públicos Federais em Processo de 163.552
Qualificação e Requalificação - Nacional
F 3 2 90 0 100 163.552
5025 Cultura 163.552
ATIVIDADES
13 392 5025 211F Funcionamento de Espaços e Equipamentos Culturais 163.552
13 392 5025 211F 0001 Funcionamento de Espaços e Equipamentos Culturais - Nacional 163.552
F 3 2 90 0 150 163.552
TOTAL - FISCAL 327.104
TOTAL - SEGURIDADE 0
TOTAL - GERAL 327.104
PORTARIA SOF/ME Nº 12.493, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021

O SECRETÁRIO DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 44, § 1º, inciso III, alínea "f", da Lei nº 14.116, de 31 de dezembro de 2020, e
Considerando a necessidade de ajuste nas codificações orçamentárias, relativas à ação 20R9 - "Redução da Demanda de Drogas", a fim de expressar o aspecto institucional do
gasto, além do alinhamento finalístico da referida programação com a política de assistência social, na Administração Direta do Ministério da Cidadania;
Considerando a Nota Técnica nº 3/2021, de 10 de setembro de 2021, da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Governança daquele Ministério, a qual informa que a citada
ação se enquadra na esfera orçamentária "seguridade social", em consonância com o caput do art. 194 da Constituição Federal, que estabelece: "a seguridade social compreende um
conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social"; e
Considerando que a PORTARIA SOF/ME Nº 11.830, DE 1º DE OUTUBRO DE 2021, ajustou as codificações orçamentárias em comento no que se refere à programação da referida
ação correspondente ao Identificador de Resultado Primário - RP 2 - "Primária discricionária, considerada no cálculo do RP", restando as correlatas ao RP 7 - "Primária discricionária,
decorrente de emendas de bancada estadual, considerada no cálculo do RP", objeto da presente portaria, resolve:
Art. 1º Modificar a esfera orçamentária, a função e a subfunção da programação, decorrente de emenda de bancada estadual, constante do Anexo II (Redução) na forma do
Anexo I (Acréscimo) desta Portaria, no que concerne ao Ministério da Cidadania.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

ARIOSTO ANTUNES CULAU

ANEXO I

ÓRGÃO: 55000 - Ministério da Cidadania


UNIDADE: 55101 - Ministério da Cidadania - Administração Direta
ANEXO I Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( ACRÉSCIMO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
5032 Rede de Suporte Social ao Dependente Químico: Cuidados, Prevenção e Reinserção Social 24.585.531
Atividades
08 244 5032 20R9 Redução da Demanda de Drogas 24.585.531
08 244 5032 20R9 0053 Redução da Demanda de Drogas - No Distrito Federal 24.585.531
S 3 7 50 0 100 2.634.580
S 3 7 50 0 188 21.950.951
TOTAL - FISCAL 0
TOTAL - SEGURIDADE 24.585.531
TOTAL - GERAL 24.585.531

ANEXO II
ÓRGÃO: 55000 - Ministério da Cidadania

UNIDADE: 55101 - Ministério da Cidadania - Administração Direta


ANEXO II Outras Alterações Orçamentárias
PROGRAMA DE TRABALHO ( REDUÇÃO ) Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00
FUNCIONAL PROGRAMÁTICA PROGRAMA/AÇÃO/LOCALIZADOR/PRODUTO ESF GND RP MOD IU FTE VALOR
5032 Rede de Suporte Social ao Dependente Químico: Cuidados, Prevenção e Reinserção Social 24.585.531
Atividades
14 422 5032 20R9 Redução da Demanda de Drogas 24.585.531
14 422 5032 20R9 0053 Redução da Demanda de Drogas - No Distrito Federal 24.585.531
F 3 7 50 0 100 2.634.580
F 3 7 50 0 188 21.950.951
TOTAL - FISCAL 24.585.531
TOTAL - SEGURIDADE 0
TOTAL - GERAL 24.585.531

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 35 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200035 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Objeto e âmbito de aplicação


BANCO CENTRAL DO BRASIL Art. 1º Fica aprovado o Regulamento Consolidado para Reforma de Pneus,
RESOLUÇÃO CMN Nº 4.954, DE 21 DE OUTUBRO DE 2021 na forma do Regulamento Técnico da Qualidade, dos Requisitos de Avaliação da
Conformidade e das Especificações para o Selo de Identificação da Conformidade,
Ajusta normas para os financiamentos ao amparo fixados, respectivamente, nos Anexos I, II e III desta Portaria.
do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira Art. 2º O Regulamento Técnico da Qualidade, estabelecido no Anexo I,
(Funcafé). determina os requisitos, de cumprimento obrigatório, referentes à adequação da
reforma de pneus.
O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de Art. 3º Os fornecedores de serviço de reforma de pneus deverão atender
dezembro de 1964, torna público que o Conselho Monetário Nacional, em sessão integralmente ao disposto no presente Regulamento.
Art. 4º A reforma de pneus, objeto deste Regulamento, deverá ser realizada,
realizada em 21 de outubro de 2021, tendo em vista as disposições do art. 4º, inciso de forma que o pneu reformado não ofereça riscos que comprometam a segurança dos
VI, da Lei nº 4.595, de 1964, dos arts. 4º e 14 da Lei nº 4.829, de 5 de novembro usuários, independentemente do atendimento integral aos requisitos ora publicados.
de 1965, do parágrafo único do art. 4º do Decreto nº 94.874, de 15 de setembro de § 1º Aplica-se o presente Regulamento à reforma de pneus para
1987, e do art. 6º da Lei nº 10.186, de 12 de fevereiro de 2001, resolveu: automóveis, camionetas, caminhonetes, veículos comerciais, comerciais leves e seus
Art. 1º A Seção 7 (Crédito para Recuperação de Cafezais Danificados) do rebocados.
Capítulo 9 (Fundo de Defesa da Economia Cafeeira - Funcafé) do Manual de Crédito § 2º Encontram-se excluídos do cumprimento das disposições previstas
Rural (MCR) passa a vigorar com a seguinte alteração: neste Regulamento:
"2 - Admite-se, até 30 de junho de 2022, a utilização do Crédito para I - a reforma de pneus destinados exclusivamente a uso em máquinas
agrícolas e industriais; e
Recuperação de Cafezais Danificados, observadas as seguintes condições específicas: II - a reforma de pneus destinados exclusivamente a uso em veículos que
a) limite de crédito por produtor, para a área de lavouras submetidas ao trafegam fora de vias públicas.
procedimento de: Art. 5º Fica proibido o serviço de reforma de pneus destinados ao uso em
I - decote: R$300.000,00 (trezentos mil reais), limitado a R$6.000,00 (seis vias públicas para ciclomotores, motonetas, motocicletas e triciclos, para fins de
mil reais) por hectare; atendimento ao estabelecido na Resolução Contran nº 158, de 2004.
II - esqueletamento: R$750.000,00 (setecentos e cinquenta mil reais), Art. 6º Fica proibida a importação de pneumáticos recauchutados e usados,
limitado a R$15.000,00 (quinze mil reais) por hectare; seja como bem de consumo, seja como matéria-prima, para fins de atendimento ao
III - recepa: R$750.000,00 (setecentos e cinquenta mil reais), limitado a estabelecido no Portaria DECEX nº 8, de 1991.
Art. 7º A cadeia produtiva de reforma de pneus fica sujeita às seguintes
R$18.000,00 (dezoito mil reais) por hectare; obrigações e responsabilidades:
IV - arranquio: R$750.000,00 (setecentos e cinquenta mil reais), limitado a I - o fornecedor de reforma de pneus deve realizar a reforma de pneus, a
R$25.000,00 (vinte e cinco mil reais) por hectare; título gratuito ou oneroso, conforme o disposto neste Regulamento;
b) o limite de que trata a alínea "a" pode abranger a área de mais de uma II - os demais entes da cadeia produtiva e de fornecimento de pneus
propriedade; reformados, incluindo o comércio em estabelecimentos físicos ou virtuais, devem
c) reembolso, a partir da data da contratação do financiamento para manter a integridade do produto, das suas marcações obrigatórias, preservando o
lavouras submetidas ao procedimento de: atendimento aos requisitos deste Regulamento.
I - decote: até 2 (dois) anos, incluído até 1 (um) ano de carência; Parágrafo único. Caso um ente exerça mais de uma função na cadeia
produtiva e de fornecimento, entre as anteriormente listadas, suas responsabilidades
II - esqueletamento: até 3 (três) anos, incluídos até 2 (dois) anos de são acumuladas.
carência; Exigências Pré-Mercado
III - recepa: em até 6 (seis) anos, incluídos até 3 (três) anos de carência, Art. 8º A reforma de pneus, realizada em território nacional, a título
com pagamento em até 3 (três) parcelas anuais; gratuito ou oneroso, deve ser submetida, compulsoriamente, à avaliação da
IV - arranquio: até 8 (oito) anos, incluídos até 3 (três) anos de carência, conformidade, por meio do mecanismo de declaração da conformidade do fornecedor,
com pagamento em até 5 (cinco) parcelas anuais; observado os termos deste Regulamento.
d) o orçamento deverá ser acompanhado de laudo técnico de profissional § 1º Os Requisitos de Avaliação da Conformidade para Reforma de Pneus
agrícola habilitado; estão fixados no Anexo II desta Portaria.
§ 2º A declaração do fornecedor não exime o fornecedor da
e) deve ser observado o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) ou, responsabilidade exclusiva pela adequação do serviço de reforma e pela segurança do
caso a lavoura de café esteja localizada em município não incluído no Zarc, o laudo produto.
técnico deve indicar sua adequação às condições específicas do agroecossistema em Art. 9º Após a declaração do fornecedor, os fornecedores do serviço em
que esteja situada; território nacional, a título gratuito ou oneroso, devem ser registrados no Inmetro,
f) devem ser observadas as condições do item 1 que não conflitarem com considerando a Portaria Inmetro nº 258, de 6 de agosto de 2020, ou substitutiva.
as disposições deste item, vedado ao mesmo beneficiário a contratação cumulativa de § 1º A obtenção do registro é condicionante para a prestação do serviço em
crédito nas condições dos itens 1 e 2." (NR) território nacional e para autorização do uso do Selo de Identificação da Conformidade
Art. 2º A Seção 8 (Direcionamento de Recursos) do Capítulo 9 (Fundo de nos pneus reformados a serem disponibilizados no mercado nacional.
§ 2º O modelo de Selo de Identificação da Conformidade aplicável para
Defesa da Economia Cafeeira - Funcafé) do MCR, passa a vigorar com a seguinte reforma de pneus, encontra-se no Anexo III desta Portaria.
alteração: Vigilância de Mercado
"1 - ................................................................................ Art. 10. A reforma de pneus e o pneu reformado, objetos deste
....................................................................................... Regulamento, estão sujeitos, em todo o território nacional, às ações de vigilância de
f) Seção Crédito para Recuperação de Cafezais Danificados: mercado executadas pelo Inmetro e entidades de direito público a ele vinculadas por
R$1.318.582.400,00 (um bilhão, trezentos e dezoito milhões, quinhentos e oitenta e convênio de delegação.
dois mil e quatrocentos reais)." (NR) Art. 11. Constitui infração a ação ou omissão contrária ao disposto nesta
Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Portaria, podendo ensejar as penalidades previstas na Lei nº 9.933, de 1999.
Art. 12. O fornecedor, quando submetido a ações de vigilância de mercado,
deverá prestar ao Inmetro, quando solicitado, as informações requeridas em um prazo
ROBERTO DE OLIVEIRA CAMPOS NETO máximo de 15 dias.
Presidente do Banco Central do Brasil Prazos e disposições transitórias
Art. 13. A partir de 36 (trinta e seis) meses, contados da data de vigência
COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS desta Portaria, os fornecedores de reforma de pneus devem comercializar, no mercado
nacional, somente pneus reformados em atendimento ao layout do Selo de
SUPERINTENDÊNCIA-GERAL Identificação da Conformidade, conforme previsto no Anexo III desta Portaria.
Art. 14. A publicação desta Portaria não implica na necessidade de que seja
SUPERINTENDÊNCIA DE SUPERVISÃO DE INVESTIDORES INSTITUCIONAIS iniciado novo processo de avaliação da conformidade com base nos requisitos ora
GERÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DE INVESTIDORES INSTITUCIONAIS consolidados.
Parágrafo único. A Declaração do Fornecedor deverá fazer referência à
ATOS DECLARATÓRIOS CVM DE 21 DE OUTUBRO DE 2021 Portaria ora publicada, na próxima etapa de avaliação.
Cláusula de revogação
Nº 19.186 - O Gerente de Acompanhamento de Investidores Institucionais da Art. 15. Ficam revogados, na data de vigência desta Portaria:
Comissão de Valores Mobiliários, no uso da competência dada pela Resolução I - Portaria Inmetro nº 554 de 29 de outubro de 2015, publicada no Diário
CVM nº 24, de 5 de março de 2021, autoriza a VITA PARTNERS CONSULTORIA Oficial da União de 3, de novembro de 2015, seção 1, páginas 20 a 21; e
E INVESTIMENTOS LTDA., CNPJ nº 26.753.773, a prestar os serviços de II - inciso XXI do art. 18 e inciso VII do art. 19 da Portaria Inmetro n° 258,
Administrador de Carteira de Valores Mobiliários previstos na Resolução CVM de 6 de agosto de 2020, publicada no Diário Oficial da União de 7 de agosto de 2020,
nº 21, de 25 de fevereiro de 2021. seção 1, página 25.
Art. 16. Esta Portaria entra em vigor em 1º de novembro de 2021,
Nº 19.187 - O Gerente de Acompanhamento de Investidores Institucionais da conforme o art. 4º do Decreto nº 10.139, de 2019.
Comissão de Valores Mobiliários, no uso da competência dada pela Resolução
CVM nº 24, de 5 de março de 2021, cancela, por decisão administrativa, a PERICELES JOSE VIEIRA VIANNA
autorização concedida a ECONOMETRICA CONSULTORIA EM INVESTIMENTOS
LTDA., CNPJ nº 10.997.347, para prestar os serviços de Consultor de Valores ANEXO I
Mobiliários, previstos na Resolução CVM nº 19, de 25 de fevereiro de 2021.
REGULAMENTO TÉCNICO DA QUALIDADE PARA REFORMA DE PNEUS
Nº 19.188 - O Gerente de Acompanhamento de Investidores Institucionais da Comissão de 1. OBJETIVO
Valores Mobiliários, no uso da competência dada pela Resolução CVM nº 24, de 5 de março Estabelecer requisitos obrigatórios para reforma de pneus para automóveis,
de 2021, cancela, por decisão administrativa, a autorização concedida a SKYLLA CONSULTORIA camionetas, caminhonetes, veículos comerciais, comerciais leves e seus rebocados, a
DE INVESTIMENTOS LTDA., CNPJ nº 25.007.187, para prestar os serviços de Consultor de serem atendidos por toda cadeia fornecedora do serviço no mercado nacional.
Valores Mobiliários, previstos na Resolução CVM nº 19, de 25 de fevereiro de 2021. 2. SIGLAS
ALAPA Associação Latino Americana de Pneus e Aros
ARTUR PEREIRA DE SOUZA
.

. RPM Rotação por minuto


. TWI Indicadores de desgaste da banda de rodagem

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA 3. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES


PORTARIA Nº 433, DE 15 DE OUTUBRO DE 2021 . ABNT NBR NM 225:2000 Critérios mínimos de seleção de pneus para reforma e reparação - Inspeção
e Identificação
Aprova o Regulamento Técnico da Qualidade e os . ABNT NBR NM 224:2003 Conjunto pneumático - Terminologia
Requisitos de Avaliação da Conformidade para . ABNT NBR 5531:1990 Veículos rodoviários - Rodagem
Reforma de Pneus - Consolidado. . ABNT NBR 13776:2006 Veículos rodoviários automotores, seus rebocados e combinados -
Classificação
O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E Manual Técnico ALAPA Manual de Normas Técnicas da Associação Latino Americana de Pneus
TECNOLOGIA - INMETRO, SUBSTITUTO, no exercício da competência que lhe foi
.

outorgada pelos artigos 4º, § 2º, da Lei nº 5.966, de 11 de dezembro de 1973, e 3º,
incisos I e IV, da Lei nº 9.933, de 20 de dezembro de 1999, combinado com o disposto 4. DEFINIÇÕES
nos artigos 18, inciso V, do Anexo I ao Decreto nº 6.275, de 28 de novembro de 2007, Para efeito deste RTQ são adotadas as definições a seguir, complementadas
e 105, inciso V, do Anexo à Portaria nº 2, de 4 de janeiro de 2017, do então pelas definições contidas nos documentos listados no item 3 deste RTQ.
Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, considerando o que determina o 4.1 Altura da seção do pneu
Decreto nº 10.139, de 28 de novembro de 2019, e o que consta no Processo SEI nº Medida correspondente à metade da diferença entre o diâmetro externo e
0052600.011873/2020-34, resolve: o diâmetro interno do pneu.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 36 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200036 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

4.2 Aro de medição ou de montagem 4.25 Largura da seção do pneu


Aro utilizado no conjunto de ensaio para a realização dos ensaios Largura do pneu, montado no aro de medição, inflado à pressão de
contemplados por este RTQ e conforme indicações das tabelas apresentadas no Manual medição, sem carga, e sem incluir as barras de proteção ou decorativas e as
Técnico ALAPA. inscrições.
4.3 Aro do talão 4.26 Largura total da seção do pneu
Elemento metálico interno do talão. Largura da seção do pneu incluindo as barras de proteção ou decorativas e
4.4 Avarias as inscrições.
São os danos possíveis que podem ocorrer quando o pneu é submetido aos 4.27 Largura do aro
ensaios dinâmicos (ensaio de velocidade sob carga). Medida correspondente à menor distância entre os flanges do aro, nas
4.4.1 Arrancamentos quais se apoiam os talões do pneu lateralmente.
Desprendimento de partes da borracha da banda de rodagem ou dos 4.28 Limite de velocidade
flancos. Velocidade máxima a qual o pneu pode ser submetido em condições
4.4.2 Emenda aberta normais de uso, representada pelo seu índice de velocidade.
Qualquer separação nas junções da banda de rodagem, dos ombros, dos 4.29 Lona
flancos, das lonas, ou da camada de borracha no interior do pneu. Camada de fios, constituída de aço e poliamidas, impregnados com
4.4.3 Falha no conserto (reparo ou manchão) elastômeros.
Descolamento, desagregação ou rachadura dos componentes do conserto 4.30 Manchão
e/ou entre o conserto e a carcaça. Elemento plano, de tamanho e formas variadas, composto de lonas
4.4.4 Falha nos materiais de reforma revestidas de elastômeros, destinado ao conserto de danos (avarias) que comprometam
Descolamento, desagregação ou rachadura dos componentes dos materiais a estrutura resistente dos pneus.
de reforma aplicados sobre o pneu reformado, durante o processo de reforma. 4.31 Ombros
4.4.5 Rachadura Parte externa da banda de rodagem nas intercessões com os flancos.
Quebras na borracha da banda de rodagem, dos flancos, dos talões ou da 4.32 Pneu reformado
camada interna do pneu. Pneu usado, que passou por um dos seguintes processos para reutilização
4.4.6 Ruptura de cabos de sua carcaça: recapagem, recauchutagem ou remoldagem.
Rompimento dos cabos. 4.33 Pressão de ensaios
4.4.7 Separação do talão Pressão à qual o pneu deve ser inflado para a realização dos ensaios
Descolamento ou desagregação entre componentes na área do talão. previstos neste RTQ.
4.4.8 Separação no flanco 4.34 Pressão de medição
Separação entre componentes na área do flanco. Pressão à qual o pneu deve ser inflado, indicada para cada tamanho e
4.4.9 Separação nos cabos capacidade de carga.
Separação entre os materiais que envolvem os cabos. 4.35 Pressão máxima
4.4.10 Separação entre lonas Pressão máxima admitida para cada pneu.
Qualquer descolamento entre lonas adjacentes. 4.36 Recapagem
4.4.11 Separação na banda de rodagem Processo pelo qual um pneu é reformado pela substituição de sua banda de
Descolamento total ou parcial entre a banda de rodagem e lonas ou entre rodagem.
a banda de rodagem e a carcaça do pneu. 4.37 Recauchutagem
4.5 Banda de rodagem Processo pelo qual um pneu é reformado pela substituição de sua banda de
Parte do pneu que entra em contato com o solo, constituída de rodagem e dos seus ombros.
elastômeros, com forma e desenho definidos. 4.38 Remoldagem
4.6 Borracha de reparação Processo pelo qual um pneu é reformado pela substituição de sua banda de
Composto de elastômeros, não vulcanizado, destinado à reparação de danos rodagem, dos seus ombros e de toda superfície de seus flancos. Este processo também
(avarias) que comprometam a estrutura resistente dos pneus. é conhecido como recauchutagem de talão a talão.
4.7 Capacidade de carga 4.39 Relação nominal de aspecto ou série
Carga máxima que o pneu pode suportar, na sua condição nominal de Relação percentual entre a altura da seção e a largura nominal da seção do
utilização. pneu.
4.8 Carcaça 4.40 Reparo de borracha
Estrutura resistente do pneu, constituída de uma ou mais camadas Composto de elastômeros, vulcanizado, dotado de uma base plana solidária
sobrepostas de lonas. a uma haste cilíndrica centrada, de tamanhos variados, destinado à reparação de furos
4.9 Carga máxima no pneu.
Carga suportada pelo pneu, quando inflado à pressão máxima para ele 4.41 Selante
permitida, para uso normal em vias públicas. Solução de borracha utilizada para impermeabilização na área da aplicação
4.10 Cimento vulcanizante do reparo ou manchão.
Solução de borracha contendo agentes de reticulação, utilizado para 4.42 Separação de cordonéis
promover a adesão entre os materiais empregados na reparação dos pneus. Soltura entre os cordonéis e os compostos de elastômeros adjacentes.
4.11 Código de velocidade 4.43 Talão
Símbolo que representa um limite de velocidade para o pneu. Pode ser Parte do pneu constituída de fios de aço, em forma de anéis, recobertas de
identificado por letras e/ou números ou simplesmente por um "-". lonas e elastômeros, que atribui forma apropriada para o correto assentamento do
4.12 Cola pneu no aro.
Solução de borracha utilizada para promover a adesão entre os diversos 4.44 Tipos de pneus
materiais empregados na reforma e/ou reparação dos pneus. 4.44.1 Pneu com câmara
4.13 Conjunto de ensaio Pneu projetado para uso com câmara de ar.
Conjunto de elementos destinado à realização de ensaios nos pneus, 4.44.2 Pneu inservível
composto no mínimo de: Pneu que apresente danos irreparáveis em sua estrutura.
a) pneu a ser ensaiado; 4.44.3 Pneu novo
b) aro de medição ou de montagem; e Pneu que não sofreu qualquer uso, nem foi submetido a qualquer tipo de
c) câmara do ar, válvula e protetor, se exigidos, conforme utilização do reforma e não apresenta sinais de envelhecimento nem deteriorações de qualquer
pneu. origem.
4.14 Conjunto pneumático 4.44.4 Pneu para competição
Aquele constituído por um pneu, dotado de válvula, montado sobre um aro Pneu destinado para uso exclusivo em competições.
com dimensões determinadas, com ou sem câmara e inflado a uma pressão superior 4.44.5 Pneu para lama ou neve
à atmosférica, composto ou não por uma câmara de ar e um protetor, quando Pneu especial com banda de rodagem especial para uso em solos
tecnicamente exigidos. inconsistentes.
4.15 Cordonel 4.44.6 Pneu para uso agrícola
Elemento metálico ou têxtil, retorcido, que constitui a estrutura do pneu e Pneu com banda de rodagem especial para utilização fora de vias
dá resistência às lonas ou cintas. públicas.
4.16 Diâmetro externo do pneu 4.44.7 Pneu para uso em veículo de coleção
Diâmetro do pneu montado no aro de medição, inflado à pressão de Pneus que são empregados apenas em veículos antigos e mesmo tendo sido
medição sem carga. fabricados há mais de trinta anos, conservam suas características originais de
4.17 Diâmetro interno do pneu ou diâmetro dos talões ou diâmetro de fabricação e possuem valor histórico próprio.
assentamento 4.44.8 Pneu para uso misto
Diâmetro medido na circunferência interna dos talões, que corresponde ao Pneu especial para utilização em veículos que trafeguem alternadamente em
diâmetro interno do pneu do aro, medido na região de apoio ou de assentamento dos estradas pavimentadas ou não.
talões. 4.44.9 Pneu para velocidade restrita
4.18 Dimensão do pneu Pneu especial que respeita os limites de velocidade diferenciados em função
Conjunto composto pela medida da largura nominal do pneu, seguido ou de sua aplicação.
não da indicação da sua série, e da medida de seu aro de montagem. 4.44.10 Pneu reforçado
4.19 Estrutura do pneu Pneu cuja carcaça é mais resistente do que a de um pneu normal
Indica a forma de construção e a disposição das lonas da carcaça do pneu, equivalente, assim, podendo suportar mais carga.
tais como estrutura diagonal, estrutura diagonal cintada e estrutura radial. 4.44.11 Pneu sem câmara
4.20 Flanco Pneu projetado para uso sem câmara de ar.
Parte do pneu compreendida entre os limites da banda de rodagem e o 4.44.12 Pneu temporário
talão. Pneu para uso somente em substituição temporária do pneu especificado
4.21 Indicador de desgaste da banda de rodagem para o veículo.
Saliência disposta no fundo das cavidades da banda de rodagem que 4.44.13 Pneu usado
permite, em exame visual, avaliar se o pneu atingiu limite de desgaste previsto por Pneu que foi submetido a qualquer tipo de uso e/ou desgaste.
lei. 5. Requisitos específicos para pneus reformados destinados a veículos
4.22 Índice de carga comerciais, comerciais leves e seus rebocados.
Código numérico que indica a carga máxima que um pneu pode 5.1 Marcações
suportar. 5.1.1 Em cada unidade de pneu reformado devem ser identificadas as suas
4.23 Índice de velocidade especificações técnicas e as de rastreabilidade, gravadas em alto relevo ou através da
Símbolo alfabético que indica a velocidade máxima a qual o pneu pode ser aplicação de etiqueta vulcanizada, de forma legível e indelével, no flanco do pneu.
submetido quando associada ao seu índice de carga. 5.1.2 Eventuais marcações gravadas em baixo relevo não podem ultrapassar
4.24 Largura nominal da seção do pneu a profundidade máxima de 1,0 mm, sendo tais informações responsabilidade do
Largura da seção do pneu, indicada na designação do tamanho do pneu. fornecedor.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 37 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200037 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

5.1.3 Nos processos de recapagem e recauchutagem, devem ser mantidas as 5.6.2 Quando submetido a esforços de velocidade sob carga, a medição do
marcações originais do pneu. diâmetro externo do pneu não deve exceder 3,5% do valor original do diâmetro
5.1.4 No processo de remoldagem, novas marcações devem ser aplicadas, declarado.
pelo reformador, de acordo com os subitens de 5.2 a 5.5 deste RTQ. 5.7 Requisitos técnicos para aproveitamento de pneus e para emprego de
5.1.5 Nos pneus reformados pelo processo de recauchutagem e recapagem, materiais para reforma
as marcações poderão estar localizadas no ombro do pneu, porém, estas devem 5.7.1 O número máximo de consertos e reparos para que um pneu possa ser
permanecer legíveis após o uso do pneu. reformado deve ser de acordo com o estabelecido na norma técnica ABNT NBR NM
5.1.6 Deve ser raspado qualquer Selo de Identificação da Conformidade 225:2000, juntamente com o disposto na Tabela 1, ou pelas especificações do fabricante
anteriormente aposto. do reparo evidenciadas com documentação (boletim técnico) quanto ao método de
5.2 Identificação aplicação, aos limites de utilização e às instruções para a correta aplicação destes
O pneu reformado deve conter gravadas em suas laterais ou flancos as reparos. Em ambos os procedimentos deve ser evidenciado que o fornecedor é
marcas de identificação estabelecidas a seguir: responsável pela correta aplicação dos materiais de reparação e que garanta a reparação
5.2.1 A identificação da marca e denominação registrada do fornecedor sem apresentar defeitos que possam prejudicar a vida útil do pneu.
deve ter uma altura mínima de 10,0 mm, em pelo menos um dos flancos. 5.7.1.1 A Tabela 2 define as dimensões máximas admissíveis de avarias e
5.2.2 A identificação do CNPJ do fornecedor deve ter uma altura mínima de lesões reparáveis nas áreas dos talões, flancos e ombros, medidas pelo lado interno do
4,0 mm, em pelo menos um dos flancos. pneu, a serem efetuadas com manchões.
5.2.3 A identificação da designação da dimensão do pneu deve ter uma Tabela 1 - Número e dimensões de reparos de furos de prego na área de
altura mínima de 6,0 mm, em ambos os flancos do pneu. As possíveis formas de
banda de rodagem reparáveis com reparos de borracha ou manchões
designação de dimensão estão estabelecidas nas tabelas apresentadas no Manual
Técnico ALAPA. . Tipo de pneu Número de consertos Diâmetro máximo
mm**
1_MECON_13936970_001

. Diagonal para automóveis* 3 6


. Radial para automóveis com código de velocidade menor ou 2 6
igual a 190 km/h (T)
. Radial para automóveis com código de velocidade superior a 1 6
190 km/h (H; V; W; Z)
. Diagonal e radial para camionetas, seus derivados e 4 8
rebocados
. Diagonal e radial para caminhões, ônibus e seus 6 8
rebocados

Fonte: Sobreposição do gráfico da Tabela 2 e das Tabelas 1 e 2 da norma


técnica ABNT NBR NM 225:2000.
5.2.4 A identificação do tipo de estrutura ou de construção do pneu deve ter
uma altura mínima de 6,0 mm, em ambos os flancos do pneu, conforme segue: *Incluindo seus derivados e rebocados
a) para os pneus de estrutura diagonal deve ser utilizada a simbologia "-" ou a ** Diâmetro máximo após a preparação do dano para conserto
letra "D" situada antes da indicação do diâmetro do aro;
b) para os pneus de estrutura radial, a letra "R" situada antes da indicação do Nota 1: O conserto utilizado somente borracha de reparação ou manchões,
diâmetro do aro e, eventualmente, a palavra "RADIAL". só pode ser empregado simultaneamente ao processo de reforma.
5.2.5 A identificação para pneus projetados para uso sem câmara deve ser Nota 2: Os reparos de furo de prego não podem sobrepor-se entre si ou aos
empregada a sigla "SEM CÂMARA" e/ou "TUBELESS", em pelo menos um dos flancos, com
altura mínima de 4,0 mm. manchões.
5.2.6 A identificação para pneus destinados a veículos comerciais leves deve ser
1_MECON_13936970_003

utilizada a sigla "C" ou "LT" junto à identificação da designação do pneu, conforme


estabelecido no Manual Técnico ALAPA, em ambos os flancos, com altura mínima de fonte
de 6,0 mm.
5.2.7 A identificação para a pressão máxima especificada para a carga máxima
admissível do pneu indicada pelo fabricante deve ser exibida em pelo menos um dos
flancos, com altura mínima de 2,0 mm.
5.2.8 A identificação para o caso de pneus com desenho de banda de rodagem
com sentido de rotação deve ser empregada uma seta indicando sentido correto no flanco
externo.
5.2.9 A identificação do processo de reforma do pneu deve estar de acordo
com o processo empregado, sendo a expressão "RECAUCHUTADO" ou "RECAPADO" ou
"REMOLDADO", ou simplesmente "REFORMADO", com altura mínima de 10,0 mm, em
ambos os flancos.
5.2.10 A identificação da data original de fabricação do pneu deve ser exibida
em pelo menos num dos flancos.
5.2.11 A identificação da data da reforma deve ser indicada mediante um grupo
de quatro algarismos, com uma altura mínima de 6,0 mm. Os dois primeiros indicam
cronologicamente a semana e os dois últimos o ano da reforma, em pelo menos um dos
flancos.
5.2.12 A identificação da indicação da quantidade de reformas a que já foi
submetido o pneu deve ser feita por meio de barras verticais e sucessivas, em baixo
relevo, com altura mínima de 10,0 mm, apostas ao lado da data original de fabricação do
pneu.
5.3 Indicadores de capacidade de carga
Os indicadores de capacidade de carga correspondem à carga que o pneu deve
suportar quando montado em um veículo e utilizado em conformidade com as
especificações estabelecidas pelo fabricante do pneu, podendo ser expresso pelo:
a) Índice de carga, que é o número que determina a capacidade de carga a que
o pneu pode ser submetido, conforme indicado no Manual Técnico da ALAPA, estando
associado a um determinado índice de velocidade e devendo estar marcado em ambos os
flancos;
b) Seu equivalente em quantidade de lonas, conforme indicado no Manual
Técnico da ALAPA, definido por uma das seguintes expressões: "cap. lonas", "cap. carga",
"lonas cap.", "cap. telas", "ply rating", "PR", "load range" ou "load capacity", associadas ao
tamanho do pneu.
5.4 Símbolo de índice de velocidade
Também chamado "categoria de velocidade" ou "código de velocidade", o
índice de velocidade deve estar marcado em ambos os flancos do pneu reformado,
conforme Manual Técnico da ALAPA, indicando a velocidade máxima permitida para o
pneu.
5.5 Indicadores de desgaste da banda de rodagem
5.5.1 Os indicadores de desgaste da banda de rodagem devem advertir
visualmente quando as profundidades das cavidades correspondentes da banda de
rodagem estiverem reduzidas a 1,6 mm, com tolerância de + 0,6mm.
1_MECON_13936970_002

5.5.3 A banda de rodagem deve incluir, pelo menos, seis filas transversais de
indicadores de desgaste, dispostas aproximadamente a intervalos iguais e situadas nas
cavidades em sua zona central, cobrindo aproximadamente ¾ (três quartos) da largura
da mesma. Os indicadores de desgaste devem ser colocados de maneira a não serem NP - não permitido
confundidos com saliências de borracha entre os blocos da banda de rodagem. Nota 1: Os dados não passantes em pneus diagonais de caminhões e ônibus
5.5.4 No caso de pneus de dimensões adequadas para montagem em aros de exigem a aplicação de manchão quando o dano exceder a 30 mm, atingindo 3 ou mais
diâmetro nominal inferior ou igual a 12" (304,8 mm), se aceitará quatro filas de lonas da carcaça.
indicadores de desgaste da banda de rodagem. Nota 2: Os danos não passantes em pneus diagonais de camionetas de uso
5.6 Requisitos do pneu sob esforços de velocidade sob carga misto e seus rebocados leves exigem a aplicação de manchão sempre que o dano exceder
5.6.1 O pneu reformado quando submetido a esforços de velocidade sob
carga não pode apresentar qualquer das seguintes avarias: arrancamento, emenda a 30 mm, atingindo 2 ou mais lonas da carcaça.
aberta, falha no conserto (reparo ou manchão), falha no material de reforma, rachadura, Nota 3: A distância mínima entre dois manchões vizinhos deve respeitar um
ruptura de cabos, separação de cabos, separação do talão, separação dos flancos, ângulo mínimo de 45° (equivalente a 1/8 da circunferência inteira do pneu) medido entre
separação entre lonas e separação na banda de rodagem. suas linhas de centro. 1_MECON_13936970_004

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 38 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200038 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

. N 140
. P 150
. Q 160

. R 170
. S 180
. T 190
. U 200
. H 210
. V 240
. W 270
. Y 300

Nota: símbolo de velocidade (-) para pneus com limite de velocidade em


150 km/h.
6.1.1.3 O pneu reformado deve ser identificado com a palavra
"REFORÇADO" com altura mínima de 6,0 mm, se o pneu a ser reformado indicar que
a sua estrutura é reforçada.
6.1.1.4 O pneu reformado deve conter a expressão "M+S" (ou "M&S"),
quando se tratar de pneu para lama ou neve, com altura mínima de 4,0 mm.
6.1.1.5 Deve ser raspado qualquer Selo de Identificação da Conformidade
anteriormente aposto.
6.1.2 Marcação de identificação em pelo menos um dos flancos
Todo pneu reformado deve conter gravadas em pelo menos um dos seus
flancos as seguintes marcas de identificação:
6.1.2.1 Marca e a denominação registrada do fornecedor, com altura
mínima de 2,0 mm.
6.1.2.2 CNPJ do fornecedor, com altura mínima de 2,0 mm.
6.1.2.3 Expressão "SEM CÂMARA", quando se tratar de pneu projetado para
uso sem câmara, com altura mínima 4,0 mm.
6.1.2.4 Data de reforma, mediante um grupo de quatro números, com
altura mínima de 4,0 mm. Os dois primeiros indicam cronologicamente a semana de
reforma e os dois últimos indicam o ano.
Nota: o código supracitado pode abranger um período de produção que vai
da primeira semana mais três, exemplificando: a marcação "2503" indica um pneu que
foi reformado entre as semanas 25 e 28 do ano de 2003.
6.2 Indicadores de desgaste da banda de rodagem
6.2.1 A banda de rodagem do pneu reformado deve incluir, no mínimo, seis
filas transversais de indicadores de desgaste, com altura mínima de 1,6 mm, com
tolerância de + 0,6 mm e - 0,0 mm, situadas nas cavidades de sua zona central que
cobre aproximadamente ¾ (três quartos) da largura da mesma. Os indicadores de
desgaste devem ser identificados de maneira a não serem confundidos com saliências
de borracha entre os sulcos da banda de rodagem. 1_MECON_13936970_005

5.7.2 Quando o procedimento de reparação for de acordo com as


especificações do fabricante dos reparos ou do fornecedor de materiais de reparação,
o procedimento de reparação deve conter, no mínimo, os seguintes critérios quanto à
aplicação e utilização destes reparos:
a) o método, ou métodos, de aplicação e estocagem; 6.2.3 No caso de pneus de dimensões adequadas para montagem em aros de
b) os limites dos danos que os materiais de reparação podem suportar; diâmetro interno do pneu inferior ou igual a 304,8 mm (12") é permitida a aplicação de
c) a garantia de que os manchões para os pneus, se corretamente aplicados quatro filas de indicadores de desgaste da banda de rodagem.
na reparação da carcaça, estejam adaptados às especificações; 6.3 Indicadores do Índice de Carga
d) os limites e quantidades de danos que a carcaça pode suportar; 6.3.1 O pneu reformado deve ser marcado com seu índice de carga. Este índice
e) a garantia de que todos os materiais de reparação estejam adaptados aos não deve ser inferior a 2 (dois) pontos de sua designação original, conforme a Tabela 5.
serviços previstos. 6.3.2 Não pode ser definido para o pneu reformado o índice de carga
5.7.3 O fornecedor da reforma de pneus deve possuir em seu Sistema de superior ao índice de carga de sua designação original.
Gestão da Qualidade um procedimento de avaliação da qualidade dos materiais 6.4 Indicadores do Índice de Velocidade
empregados na reforma de pneus, consistindo em auditorias de segunda parte ou 6.4.1 O pneu reformado deve ser marcado com seu índice de velocidade. Este
realização de ensaios, que poderão ser realizados pelo próprio fornecedor dos índice não pode ser inferior a 20% de sua designação original, conforme indicado na Tabela
respectivos materiais, ou por outra parte. 4.
5.7.4 Não é permitida a utilização de materiais usados ou recondicionados, 6.4.2 Deve ser utilizado arredondamento matemático para o valor mais
empregados na reforma de pneus, para fins de atendimento aos requisitos próximo, para maior ou para menor, de acordo com a Tabela 4.
estabelecidos neste Regulamento. Tabela 5 - Índices de carga (IC).
6. Requisitos específicos para pneus reformados destinados a automóveis,
camionetas, caminhonetes e seus rebocados. . IC kg IC kg IC kg IC kg IC kg IC kg IC kg
6.1 Marcações . 0 45 40 140 80 450 120 1.400 160 4.500 200 14.000 240 45.000
Cada unidade de pneu após reformado deve apresentar as informações . 1 46,2 41 145 81 462 121 1.450 161 4.625 201 14.500 241 46.250
abaixo relacionadas, afixadas de forma indelével e legível, estampadas em alto relevo 2 47,5 42 150 82 475 122 1.500 162 4.750 202 15.000 242 47.500
no pneu, ou através da aplicação de etiqueta vulcanizada, localizada de forma visível
.

3 48,7 43 155 83 487 123 1.550 163 4.875 203 15.500 243 48.750
e legível, na lateral ou laterais.
.

4 50 44 160 84 500 124 1.600 164 5.000 204 16.000 244 50.000
6.1.1 Marcação de identificação em ambos os flancos
.

5 51,5 45 165 85 515 125 1.650 165 5.150 205 16.500 245 51.500
6.1.1.1 O pneu reformado deve conter gravada em seus flancos a expressão
.

"RECAUCHUTADO", "RECAPADO" ou "REMOLDADO", com altura mínima de 4,0 mm. . 6 53 46 170 86 530 126 1.700 166 5.300 206 17.000 246 53.000
6.1.1.2 O pneu reformado deve conter com altura mínima de 6,0 mm: . 7 54,5 47 175 87 545 127 1.750 167 5.450 207 17.500 247 54.500
a) a designação da dimensão do pneu, conforme indicado nas tabelas . 8 56 48 180 88 560 128 1.800 168 5.600 208 18.000 248 56.000
dispostas do Manual da ALAPA; . 9 58 49 185 89 580 129 1.850 169 5.800 209 18.500 249 58.000
b) a capacidade de carga, de acordo com a Tabela 3. . 10 60 50 190 90 600 130 1.900 170 6.000 210 19.000 250 60.000
c) o limite de velocidade, de acordo com a Tabela 4. 11 61,5 51 195 91 615 131 1.950 171 6.150 211 19.500 251 61.500
Tabela 3 - Variação de carga em função da velocidade para pneus
.

12 63 52 200 92 630 132 2000 172 6.300 212 20.000 252 63.000
reformados com índice de velocidade V, W e Y.
.

. 13 65 53 206 93 650 133 2.060 173 6.500 213 20.600 253 65.000
. PORCENTAGEM DA CAPACIDADE DE CARGA (%) . 14 67 54 212 94 670 134 2.120 174 6.700 214 21.200 254 67.000
. VELOCIDADE MÁXIMA SÍMBOLO DE SÍMBOLO DE SÍMBOLO DE . 15 69 55 218 95 690 135 2.180 175 6.900 215 21.800 255 69.000
DO VEÍCULO (km/h) VELOCIDADE "V" VELOCIDADE "W" VELOCIDADE "Y" . 16 71 56 224 96 710 136 2.240 176 7.100 216 22.400 256 71.000
. 210 80 80 80 . 17 73 57 230 97 730 137 2.300 77 7.300 217 23.000 257 73.000
. 220 77 80 80 . 18 75 58 236 98 750 138 2.360 178 7.500 218 23.600 258 75.000
. 230 75 80 80 . 19 77,5 59 243 99 775 139 2.430 179 7.750 219 24.300 259 77.500
. 240 73 80 80 . 20 80 60 250 100 800 140 2.500 180 8.000 220 25.000 260 80.000
. 250 - 76 80 . 21 82,5 61 257 101 825 141 2.575 181 8.250 221 25.750 261 82.500
. 260 - 72 80 . 22 85 62 265 102 850 142 2.650 182 8.500 222 26.500 262 85.000
. 270 - 68 80 . 23 87,5 63 272 103 875 143 2.725 183 8.750 223 27.250 263 87.500
. 280 76 . 24 90 64 280 104 900 144 2.800 184 9.000 224 28.000 264 90.000
. 290 72 . 25 92,5 65 290 405 925 145 2.900 185 9.250 225 29.000 265 92.500
. 300 68 . 26 95 66 300 106 950 146 3.000 186 9.500 226 30.000 266 95.000
. 27 97,5 67 307 107 975 147 3.075 187 9.750 227 30.750 267 97.500
Nota: para pneu com velocidade acima de 240 km/h, sem marcação do . 28 100 68 315 108 1.000 148 3.150 188 10.000 228 31.500 268 100.000
símbolo de velocidade, a carga de ensaio deverá seguir os procedimentos de ensaio do 29 103 69 325 109 1.030 149 3.250 189 10.300 229 32.500 269 103.000
próprio fabricante.
.

30 106 70 335 110 1.060 150 3.350 190 10.600 230 33.500 270 106.000
Tabela 4 - Índice de velocidade.
.

. 31 109 71 345 111 1.090 151 3.450 191 10.900 231 34.500 271 109.000
. SÍMBOLO DE CATEGORIA DE VELOCIDADE CORRESPONDENTE (km/h) . 32 112 72 355 112 1.120 152 3.550 192 11.200 232 35.500 272 112.000
VELOCIDADE . 33 115 73 365 113 1.150 153 3.650 193 11.500 233 36.500 273 115.000
. F 80 . 34 118 74 375 114 1.180 154 3.750 194 11.800 234 37.500 274 118.000
. G 90 . 35 121 75 387 115 1.215 155 3.875 195 12.150 235 38.750 275 121.000
. J 100 . 36 125 76 400 116 1.250 156 4.000 196 12.500 236 40.000 276 125.000
. K 110 . 37 128 77 412 117 1.285 157 4.125 197 12.850 237 41.250 277 128.500
. L 120 . 38 132 78 425 118 1.320 158 4.250 198 13.200 238 42.500 278 132.000
. M 130 . 39 136 79 437 119 1.360 159 4.375 199 13.600 239 43.750 279 136.000

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 39 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200039 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

e) índice de carga;
Exemplos: f) índice de velocidade;
- índice de velocidade H (210 km/h): 210 x 20% = 168, arredondado para g) Selo de Identificação da Conformidade do Inmetro;
170km/h, correspondendo ao índice de velocidade R; h) data original de fabricação.
- índice de velocidade S (180 km/h): 180 x 20% = 144, arredondado para 140 A.1.7 Controle do processo de reforma
km/h, correspondendo ao índice de velocidade N. O forncedor deve assegurar que:
6.4.3 Não pode ser definido para o pneu reformado o índice de velocidade A.1.7.1 Todos os procedimentos escritos e instruções operacionais atualizadas,
superior ao índice de velocidade de sua designação original. encontram-se em local de fácil acesso, para o serviço de reforma de pneus de maneira
6.4.4 Pneus para velocidade acima de 240 km/h devem ser marcados com a a assegurar o atendimento a este RTQ, de acordo com a tecnologia aplicada. Como
letra "Z" inserida dentro da designação da medida. exemplo, as etapas a seguir contemplam um processo de serviço de reforma de
6.5 Requisitos técnicos para aproveitamento de pneus e para emprego de pneus:
materiais para reforma a) inspeção de recebimento;
6.5.1 O número máximo de consertos e reparos para que um pneu possa ser b) limpeza;
reformado deve ser de acordo com o estabelecido na norma técnica ABNT NBR NM c) exame de classificação;
225:2000, juntamente com o disposto na Tabela 6 (que sobrepõe o gráfico da Tabela 2 d) raspagem;
e as Tabelas 1 e 2 da norma técnica ABNT NBR NM 225:2000), ou pelas especificações e) escareação;
do fabricante do reparo evidenciadas com documentação (boletim técnico) quanto ao f) reparação;
método de aplicação, aos limites de utilização e às instruções para a correta aplicação g) aplicação de cola;
destes reparos. Em ambos os procedimentos deve ser evidenciado que o fornecedor é h) aplicação da banda de rodagem;
responsável pela correta aplicação dos materiais de reparação e que garanta a reparação i) vulcanização;
sem apresentar defeitos que possam prejudicar a vida útil do pneu. j) inspeção final.
Tabela 6 - Sobreposição do gráfico da Tabela 2 e das Tabelas 1 e 2 da norma Nota: nos procedimentos devem ser abordados: objetivo, principais etapas,
técnica ABNT NBR NM 225:2000. itens de controle, equipamentos e ferramental utilizado.
Tipo de pneu Número de Diâmetro A.1.7.2 No procedimento de raspagem, no pneu a ser reformado conste as
seguintes informações:
.

consertos máximo mm**


Diagonal para automóveis* 3 6 a) a pressão mínima e máxima;
b) especificação da textura;
.

Radial para automóveis com código de velocidade 2 6


c) raio de raspagem ou gabarito.
.

menor ou igual a 190 km/h (T)


Radial para automóveis com código de velocidade 1 6 A.1.7.3 No processo de recauchutagem e recapagem o pneu a ser reformado
tenha raspado o Selo de Identificação da Conformidade aposto pelo fabricante do pneu
.

superior a 190 km/h (H; V; W; Z)


ou pelo fornecedor do serviço da reforma de pneu anterior.
. Diagonal e radial para camionetas, seus derivados e 4 8 A.1.7.4 O procedimento de reparação obedece à norma técnica ABNT NBR
rebocados NM 225:2000 juntamente com o disposto na Tabela 6 deste RTQ (que sobrepõe o gráfico
. Diagonal e radial para caminhões, ônibus e seus 6 8 da Tabela 2 e as Tabelas 1 e 2 da norma técnica ABNT NBR NM 225:2000), ou as
rebocados especificações do fabricante do reparo evidenciadas com documentação (boletim técnico)
quanto ao método de aplicação, aos limites de utilização e às instruções para a correta
Tabela 6 - Número e dimensões de reparos de furos de prego na área de aplicação destes reparos. Em ambos os procedimentos deve ser evidenciado que o
banda de rodagem reparáveis com reparos de borracha ou manchões*** fornecedor é responsável pela correta aplicação dos materiais de reparação e que
*Incluindo seus derivados e rebocados garanta a reparação sem apresentar defeitos que possam prejudicar a vida útil do
** Diâmetro máximo após a preparação do dano para conserto pneu.
***Apenas pneus radiais de caminhões, ônibus e seus rebocados A.1.7.5 Quando o procedimento de reparação for de acordo com as
Nota 1: O conserto utilizado somente borracha de reparação ou manchões, só especificações dos fabricantes dos reparos que este fabricante ou o fornecedor de
pode ser empregado simultaneamente ao processo de reforma. materiais de reparação fornece, o procedimento de reparação contém, no mínimo, os
Nota 2: Os reparos de furo de prego não podem sobrepor-se entre si ou aos seguintes critérios quanto à aplicação e utilização destes reparos:
manchões. a) o método, ou métodos, de aplicação e estocagem;
6.5.2 Quando o procedimento de reparação for de acordo com as b) os limites dos danos que os materiais de reparação podem suportar;
especificações dos fabricantes dos reparos ou do fornecedor de materiais de reparação, c) a garantia de que os manchões para os pneus, se corretamente aplicados
o procedimento de reparação deve conter, no mínimo, os seguintes critérios quanto à na reparação da carcaça, estejam adaptados às especificações;
aplicação e utilização destes reparos: d) os limites e quantidades de danos que a carcaça pode suportar;
a) o método, ou métodos, de aplicação e estocagem; e) a garantia de que todos os materiais de reparação estejam adaptados aos
b) os limites dos danos que os materiais de reparação podem suportar;
c) a garantia de que os manchões para os pneus, se corretamente aplicados serviços previstos.
na reparação da carcaça, estejam adaptados às especificações; A.1.7.6 No procedimento para aplicação da banda de rodagem conste as
d) os limites e quantidades de danos que a carcaça pode suportar; e pressões mínimas e máximas do pneu para a aplicação destes materiais.
e) a garantia de que todos os materiais de reparação estejam adaptados aos A.1.7.7 No procedimento de vulcanização constem o tempo, a temperatura e
serviços previstos. a pressão para cada processo, respeitando as especificações dos fornecedores dos
6.5.3 Não podem ser empregados para reforma pneus com data de fabricação materiais.
superior a 7 anos. A.1.7.8 Na inspeção final, o pneu reformado que apresentar uma ou mais das
6.5.4 O fornecedor da reforma de pneus deve possuir em seu Sistema de seguintes ocorrências deve ser desqualificado para comercialização e uso:
Gestão da Qualidade um procedimento de avaliação da qualidade dos materiais - separação entre banda de rodagem e carcaça;
empregados na reforma de pneus, podendo ser uma auditoria de segunda parte ou - separação das lonas ou cinturas ou deformação da carcaça.
realização de ensaios (pelo próprio fornecedor ou por outra parte), de modo a evidenciar A.1.7.9 Quando os pneus reformados referenciados no subitem A.1.6.8
que os materiais empregados na reforma passam por avaliação e controle periódicos por pertencerem a terceiros, o fornecedor emite um laudo técnico de reprovação e inutiliza
parte do seu fornecedor. a reforma realizada no respectivo pneu.
7. Requisitos Operacionais A.1.8 Controle dos instrumentos de medição
O fornecedor deve apresentar infraestrutura, controles e documentação do O fornecedor deve evidenciar que:
processo de reforma de pneus, conforme especificado no Anexo A deste RTQ. A.1.8.1 Realiza o controle de calibração dos instrumentos de medição
ANEXO A - REQUISITOS OPERACIONAIS PARA REFORMA DE PNEUS referentes ao manômetro, termômetro e cronômetro utilizados no serviço de reforma de
A.1 Requisitos gerais pneus, por padrões rastreáveis, cujo controle deve ser registrado contendo, no mínimo,
A.1.1 O fornecedor do pneu reformado deve possuir: a identificação e a periodicidade de calibração destes instrumentos de medição,
a) responsável(is) técnico(s) pelo serviço de reforma devidamente conforme periodicidade definida pelos respectivos fabricantes.
identificado(s); Nota 1: a calibração exigida neste subitem se aplica somente para os
b) planta baixa da infraestrutura do fornecedor, contendo a localização dos instrumentos de medição utilizados e instalados nos equipamentos para vulcanização dos
equipamentos e estocagem de matéria prima utilizada para a reforma de pneus, bem pneus em autoclaves e/ou em prensas.
como o local de expedição dos pneus reformados; Nota 2: a medição do tempo nos equipamentos para vulcanização dos pneus
c) procedimento documentado, implementado e em contínua aplicação, de em autoclaves e/ou em prensas também é permitida através de cronômetro não
modo a cumprir e manter as instruções de armazenamento e uso dos insumos e instalado nestes equipamentos, desde que esteja calibrado por laboratório de calibração
materiais empregados no serviço de reforma, fornecidas pelos seus fabricantes, exceto acreditado.
do pneu a ser reformado. A.1.8.2 Os instrumentos de medição relacionados às grandezas pressão,
A.1.2 O fornecedor deve empregar os seguintes materiais utilizados para temperatura e tempo são calibrados por laboratórios de calibração acreditados.
reforma de pneus: Nota: para o processo de vulcanização por autoclave não é obrigatória a
a) banda de rodagem ("pré - moldada", "orbitiras" ou "camelback"); calibração dos manômetros instalados para medir as pressões individuais dos pneus,
b) borracha de reparação; devendo ser calibrados os manômetros de referência, instalados nas linhas principais.
c) reparo de borracha; A.1.8.3 Para o processo de vulcanização por molde, os manômetros instalados
d) manchão; na linha de vapor e os manômetros instalados da linha de ar comprimido estão
e) cimento vulcanizante; calibrados.
f) selante; A.1.9 Treinamento/Qualificação
g) cola (solução de borracha). O fornecedor deve qualificar e treinar a mão de obra direta que realiza o
Nota 1: não estão relacionados no subitem A.1.2 os acessórios empregados serviço de reforma dos pneus, mantendo os registros que evidenciem os treinamentos e
no processo de reforma. capacitações realizadas. Estes registros devem conter, no mínimo, os seguintes dados:
Nota 2: novas tecnologias devidamente comprovadas poderão ser utilizadas a) nome;
no processo de reforma, desde que o fornecedor do serviço possa comprovar o b) data de admissão;
atendimento aos requisitos de segurança para os pneus reformados com tais materiais, c) relação dos equipamentos que está qualificado a operar, com as
estabelecidos através dos ensaios constantes no Anexo A do RAC. respectivas datas de qualificação;
A.1.3 O fornecedor deve possuir em seu Sistema de Gestão da Qualidade um
procedimento de avaliação da qualidade dos materiais empregados na reforma de pneus, d) relação dos treinamentos recebidos (internos e externos), com as
podendo ser uma auditoria de segunda parte ou realização de ensaios (pelo próprio respectivas cargas horárias, quem ministrou e a data de realização;
fornecedor ou por outra parte). e) evidenciar a competência do instrutor do treinamento, que deve ter, no
A.1.4 O fornecedor não pode utilizar materiais usados ou recondicionados no mínimo, 5 (cinco) anos de experiência profissional em processos de reforma de
serviço de reforma de pneus. pneus;
A.1.5 O fornecedor deve evidenciar que os materiais relacionados no subitem f) evidências objetivas do treinamento.
A.1.2 contenham, no mínimo, as seguintes informações: A.2 Requisitos específicos para reforma de pneus para veículos comerciais,
a) prazo de validade; comerciais leves e seus rebocados
b) condições de armazenamento; No processo de reforma de pneus para veículos comerciais, comerciais leves
c) especificação dimensional; e seus rebocados, o fornecedor deve assegurar que:
d) instrução de aplicação/uso; A.2.1 Para qualquer um dos três processos de reforma de pneus (recapagem,
e) cuidados no manuseio. recauchutagem e remoldagem), é respeitada a tolerância da diminuição do índice de
Nota: os termos técnicos relativos às diversas categorias de pneus são os velocidade conforme a tabela "Símbolo de Velocidade" do Manual de Técnico da
contidos na norma ABNT NBR NM 224:2003 e os critérios mínimos de seleção de pneus ALAPA.
para reforma são os contidos na norma ABNT NBR NM 225:2000. A.2.2 Sejam utilizados dados dos Manuais Técnicos da ETRTO, TRA e da
A.1.6 Pneu para reforma JATMA, no caso de serem omissos os constantes no Manual Técnico da ALAPA.
O fornecedor deve verificar que o pneu a ser reformado contém, no mínimo, A.2.3 O novo índice de velocidade adotado, de responsabilidade do
os seguintes dados: fornecedor, esteja em conformidade com este RTQ.
a) identificação do fabricante; A.2.4 No processo de remoldagem, as devidas remarcações no pneu são
b) dimensão do pneu; realizadas: a sua dimensão, o seu tipo de construção, a sua identificação para o uso de
c) tipo de construção do pneu; câmara (tube type) ou sem câmara (tubeless), seu índice de carga, seu índice de
d) a identificação para o uso de câmara ("tube type") ou sem câmara velocidade original ou seu índice de velocidade alterado, e data original de
("tubeless"); fabricação.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 40 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200040 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

A.2.5 As marcações devem estar de acordo com os subitens de 5.1 a 5.5 do ANEXO II
RTQ para Reforma de Pneus para veículos comerciais, comerciais leves e seus
rebocados. REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA REFORMA DE PNEUS
A.2.6 São adotados os mesmos critérios para a marcação da data da reforma 1. OBJETIVO
em todos os tipos de pneus reformados. A data de reforma deve ser gravada ou Estabelecer os critérios e procedimentos de avaliação da conformidade para
impressa no Selo de Identificação da Conformidade vulcanizado no pneu e deve ser Reforma de Pneus, com foco na segurança, através do mecanismo da declaração da
composta por quatro algarismos consecutivos, com altura mínima de 6,0 mm, de acordo conformidade do fornecedor, atendendo ao Regulamento Técnico da Qualidade para Serviço
com o estipulado, onde os dois primeiros algarismos indicam a semana e os dois últimos de Reforma de Pneus, visando a propiciar a adequação do serviço e confiança ao consumidor
algarismos indicam o ano, em que o pneu foi reformado. A semana que deve ser quando do uso do produto em vias públicas.
marcada no pneu reformado deve tomar como base as 52 semanas consecutivas do ano 1.1 Agrupamento para Efeitos de Declaração de Conformidade do Fornecedor
correspondente e deve estar identificada na forma do Anexo B deste RTQ. Para efeitos da declaração de conformidade do fornecedor aplica-se o conceito de
Exemplo: A marcação "2509" indica que o pneu foi reformado entre as escopo de serviço.
semanas 25 e 28 do ano de 2009. Entende-se por escopo de serviço o local de instalação que realiza a reforma de
A.2.7 O Selo de Identificação da Conformidade não pode conter picotes de pneus de uma ou mais famílias, conforme definição estabelecida no item 4.1 e subitens 6.1.1.3
qualquer natureza. e 6.1.1.4 deste RAC.
A.2.8 Em nenhuma hipótese é admitida a elevação ou diminuição do índice 2. SIGLAS
de carga. Para fins deste RAC são adotadas as siglas a seguir, complementadas pelas siglas
A.2.9 O fornecedor mantém os registros com as designações originais do contidas nos documentos citados no item 3 deste RAC.
pneu reformado pelo processo de remoldagem para verificação das marcações e ALAPA - Associação Latino Americana de Pneus e Aros
reduções do índice de velocidade, caso houver, após a realização da reforma. ETRTO - European Tyre and Rim Technical Organisation
A.3 Critérios específicos para reforma de pneus destinados a automóveis, JATMA - Japan Automobile Tyre Manufacturers Association
camionetas, caminhonetes e seus rebocados RGDF - Requisitos Gerais para Declaração da Conformidade do Fornecedor
Na reforma de pneus destinados a automóveis, camionetas, caminhonetes e TRA - Tire and Rim Association of America
seus rebocados, o fornecedor deve assegurar que: TWI - Indicadores de desgaste da banda de rodagem
A.3.1 Para qualquer um dos três processos de reforma de pneus (recapagem, 3. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES
recauchutagem e remoldagem), a diminuição tolerada do índice de carga e do índice de Para fins deste RAC são adotados os documentos complementares a seguir e
velocidade está em conformidade com os subitens 6.3 e 6.4 do RTQ para Reforma de aqueles contidos no RGDF Serviços.
Pneus. Portaria Inmetro nº 278, de 2021 Aprova os Requisitos Gerais para Declaração da Conformidade do
A.3.2 Não havendo alterações das designações originais do pneu reformado,
.

Fornecedor de Serviços - RGDF Serviços


para os processos de recapagem e de recauchutagem, estas podem ser mantidas e, caso
ABNT NBR NM 225:2000 Critérios mínimos de seleção de pneus para reforma e reparação -
tenham sido diminuídas, devem ser raspadas e remarcadas de acordo com as novas .

designações. Inspeção e Identificação


A.3.3 Os registros das marcações originais para fins de rastreabilidade são . ABNT NBR NM 224:2003 Conjunto pneumático - Terminologia
mantidos.
A.3.4 O fornecedor mantém os registros com as designações originais do 4. DEFINIÇÕES
pneu reformado pelo processo de remoldagem para verificação das marcações e Para fins deste RAC, são adotadas as definições a seguir e aquelas contidas nos
reduções dos índices, caso houver, após a realização da reforma. documentos complementares citados no item 3 deste RAC.
A.3.5 As marcações estão de acordo com os subitens 6.1 a 6.4 do RTQ para 4.1 Família para efeitos de ensaios
Reforma de Pneus. Conjunto de pneus reformados de estruturas diferentes, identificados de acordo
A.3.6 O fornecedor adota os mesmos critérios para a marcação da data da com os subitens a seguir.
reforma em todos os tipos de pneus reformados. A data de reforma deve ser gravada 4.1.1 Famílias para reforma em pneus destinados a veículos comerciais, comerciais
ou impressa no Selo de Identificação da Conformidade vulcanizado no pneu e deve ser leves e seus rebocados
composta por quatro algarismos consecutivos, com altura mínima de 4,0 mm, onde os São consideradas duas famílias para reforma em pneus destinados a veículos
dois primeiros algarismos indicam a semana e os dois últimos algarismos indicam o ano, comerciais, comerciais leves e seus rebocados:
em que o pneu foi reformado. A semana que deve ser marcada no pneu reformado deve a) Família A: pneus cujo índice de carga é > 122;
tomar como base as 52 semanas consecutivas do ano correspondente e deve estar b) Família B: pneus cujo índice de carga é < 121.
identificada na forma do Anexo B deste RTQ. Exemplo: A marcação "2509" indica que o 4.1.2 Famílias para reforma de pneus destinados a automóveis, camionetas,
pneu foi reformado entre as semanas 25 e 28 do ano de 2009. caminhonetes e seus rebocados
A.3.7 Não podem ser reformados pneus com data de fabricação superior a São consideradas três famílias para reforma de pneus destinados a automóveis,
sete anos, conforme estabelecido no subitem 6.5.4 do RTQ para Reforma de Pneus.
1_MECON_13936970_006

camionetas, caminhonetes e seus rebocados, de acordo com o índice de velocidade, conforme


segue:
a) Família C: índice de velocidade "R" e índices de velocidades inferiores;
b) Família D: índices de velocidade "S" e "T";
c) Família E: índice de velocidade "U" e índices de velocidades superiores.
5. MECANISMO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE
Este RAC utiliza o mecanismo de Declaração da Conformidade do Fornecedor.
6. ETAPAS DA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE
6.1 Avaliação Inicial
A etapa de avaliação inicial deve seguir os critérios estabelecidos no RGDF
Serviços.
6.1.1 Apresentação da Declaração da Conformidade do Fornecedor
6.1.1.1 A declaração da conformidade do fornecedor de serviço deve ser
apresentada conforme estabelecido no RGDF Serviços.
6.1.1.2 Além dos documentos previstos no RGDF Serviços devem ser apresentados
pelo fornecedor o(s) relatório(s) de ensaios contemplados no Anexo A deste RAC de acordo
com os requisitos estabelecidos pelo RTQ para Reforma de Pneus, realizados em até 06 (seis)
meses da data da solicitação, na(s) família(s) descrita(s) no subitem 4.1 deste RAC e de acordo
com os subitens 6.1.1.3 e 6.1.1.4 deste RAC.
6.1.1.3 O fornecedor deve fazer a opção da(s) família (s) para o(s) qual(is) pretende
apresentar a Declaração. O Escopo do Serviço de Reforma pode abranger uma das seguintes
formas:
- Reforma de pneus para veículos comerciais, comerciais leves e seus rebocados -
Família(s) A e/ou B;
- Reforma de pneus para automóveis, camionetas, caminhonetes e seus rebocados
- Família(s) C e/ou D e/ou E;
- Reforma de pneus para automóveis, camionetas, caminhonetes, veículos
comerciais, comerciais leves e seus rebocados - Família(s) "A e/ou B e/ou C e/ou D e/ou E.
6.1.1.3.1 Cada família para o escopo desejado deve observar o disposto no item 4.1
deste RAC.
6.1.1.4 A Declaração pode contemplar mais de uma família, de acordo com o
subitem 4.1 deste RAC.
6.1.2 Análise da Solicitação e da Conformidade da Documentação
A análise da solicitação e da conformidade da documentação deve seguir conforme
estabelecido no RGDF Serviços.
6.1.3 Verificação de Acompanhamento Inicial
A verificação de acompanhamento inicial deve seguir conforme estabelecido no
RGDF Serviços.
Durante a verificação de acompanhamento inicial da infraestrutura do fornecedor,
o representante do órgão delegado deve evidenciar o atendimento ao Anexo A do RTQ.
6.1.4 Tratamento de não conformidades na etapa de Avaliação Inicial
Os critérios para tratamento de não conformidades na etapa de avaliação inicial
devem seguir conforme estabelecido no RGDF Serviços.
6.1.5 Validação da Declaração da Conformidade do Fornecedor
Os critérios para validação da Declaração da Conformidade do Fornecedor devem
seguir conforme estabelecido no RGDF Serviços.
6.1.6 Validade da Declaração da Conformidade do Fornecedor
6.1.6.1 A Declaração da Conformidade do Fornecedor tem validade de 04 (quatro)
anos.
6.1.6.2 A inclusão de uma nova família na Declaração da Conformidade do
Fornecedor poderá ser feita, a qualquer tempo, na mesma declaração (sob a forma de revisão),
mantendo-se a validade original da declaração da conformidade, que deverá conter a
informação da data de inclusão da(s) nova(s) família(s) e ser acompanhada do(s) relatório(s) de
ensaio da(s) família(s) incluída(s), conforme subitem 6.1.1.2.
6.2 Avaliação de Manutenção
Após a concessão da Declaração do Fornecedor, é de responsabilidade do mesmo
manter as condições técnico-organizacionais que deram origem à declaração da conformidade
inicial.
A avaliação de manutenção deve ser realizada anualmente, de acordo com os
requisitos estabelecidos no RGDF Serviços.
6.2.1 Verificação de Acompanhamento de Manutenção
6.2.1.1 Verificação de Acompanhamento de Manutenção deve seguir conforme o
estabelecido no RGDF Serviços. A Verificação quanto ao atendimento dos requisitos previstos
neste RAC e no RTQ deve ser realizada pelo Fornecedor conforme a seguir.
6.2.1.2 O Fornecedor deve realizar, a cada 12 (doze) meses, a auto verificação do
serviço, quanto ao atendimento dos requisitos especificados, por meio do preenchimento da
Lista de Autoverificação - LAV, estabelecida no Anexo B deste RAC.
6.2.1.3 O fornecedor deve realizar os ensaios previstos no Anexo A deste RAC, a
cada 12 (doze) meses.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 41 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200041 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

6.2.2 Tratamento de não conformidades na Avaliação de Manutenção A.4.2.2 Realização do ensaio


Os critérios para o tratamento de não conformidades na avaliação de manutenção A.4.2.2.1 Montar o conjunto de ensaio na máquina de ensaio de velocidade sob
devem seguir os requisitos estabelecidos no RGDF Serviços. carga.
6.3 Avaliação de Renovação A.4.2.2.2 Aplicar uma carga expressa em percentual da carga correspondente
A avaliação de renovação deve ser programada pelo Fornecedor, a cada 4 (quatro) ao índice de carga gravado no flanco do pneu, em conformidade com o índice de
anos, conforme estabelecido no RGDF Serviços. velocidade, de acordo com os subitens A.4.2.2.3 ou A.4.2.2.4.
7. ENCERRAMENTO DA DECLARAÇÃO DA CONFORMIDADE DO FORNECEDOR A.4.2.2.3 Programa de ensaio de velocidade sob carga para os pneus que
Os critérios para encerramento da declaração da conformidade do fornecedor pertencem, no mínimo, ao índice de velocidade "Q".
devem seguir os requisitos estabelecidos pelo RGDF Serviços. A.4.2.2.3.1 Este programa é aplicável aos seguintes pneus:
8. SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE a) pneus cujo índice de velocidade seja superior a "P";
O pneu reformado deve conter o Selo de Identificação da Conformidade, que deve b) todos os pneus cujo índice de carga, em montagem simples, seja no máximo
seguir os requisitos estabelecidos pelo RGDF Serviços e o estabelecido no Anexo III de 121;
9. AUTORIZAÇÃO PARA USO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE c) pneus que ostentem a sigla "C" ou "LT" em sua designação, incluindo o índice
Os critérios para autorização para uso do Selo de Identificação da Conformidade de capacidade de carga superior a 121.
devem seguir os requisitos estabelecidos pelo RGDF Serviços.
1_MECON_13936970_009

10. RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES


Os critérios para responsabilidades e obrigações devem seguir os requisitos
estabelecidos pelo RGDF Serviços.
11. ACOMPANHAMENTO NO MERCADO
Os critérios para acompanhamento no mercado devem seguir os requisitos
estabelecidos pelo RGDF Serviços.
12. DENÚNCIAS, RECLAMAÇÕES E SUGESTÕES
Os critérios para denúncias, reclamações e sugestões devem seguir os requisitos A.4.2.2.3.3 A velocidade inicial de ensaio deve ser correspondente ao símbolo
estabelecidos pelo RGDF Serviços. de índice de velocidade menos 20 km/h, respeitando os tempos para atingir a velocidade
ANEXO A - ENSAIOS e de duração conforme Tabela 2.
A.1 Ensaios Iniciais A.4.2.2.3.4 A velocidade da segunda fase de ensaio deve ser correspondente ao
Os ensaios iniciais devem ser realizados segundo os critérios estabelecidos no RGDF símbolo de índice de velocidade menos 10 km/h, respeitando os tempos para atingir a
Serviços. velocidade e de duração conforme Tabela 2.
A.1.1 Os ensaios devem ser realizados por família, de acordo com os requisitos Tabela 2 - Tempos para atingir a velocidade e de duração dos ensaios de velocidade
estabelecidos nos itens A.4 e A.5 deste Anexo A, e de acordo com a respectiva família descrita sob carga para os pneus que pertencem, no mínimo, ao índice de velocidade "Q".
no subitem 4.1 deste RAC, considerando:
- o índice de carga mais crítico dentre os modelos constituintes da família de pneus Velocidade Inicial Velocidade 2ª fase Velocidade Final
destinados a automóveis, camionetas, caminhonetes e seus rebocados;
.

- o índice de velocidade mais crítico dentre os modelos constituintes da família de . Tempo para atingir a velocidade 10 min 0 min 0 min
pneus destinados a automóveis, camionetas, caminhonetes e seus rebocados. Duração 10 min 10 min 30 min
A.1.1.2 Os ensaios devem ser realizados em uma amostra de prova. No caso de
.

reprovação desta amostra, o ensaio deve ser repetido até que as amostras sejam aprovadas. Os
ensaios devem ser realiados em laboratório selecionado conforme o item A3 deste Anexo. A.4.2.2.3.5 A velocidade final de ensaio deve ser correspondente ao símbolo de
A.1.1.3 Previamente aos ensaios, os laboratórios devem inspecionar se as amostras índice de velocidade, respeitando os tempos para atingir a velocidade e de duração
contém as seguintes informações gravadas no pneu reformado: conforme Tabela 2 deste Anexo.
a) designação do pneu; A.4.2.2.3.6 O ensaio de velocidade sob carga deve ter uma duração total de 1
b) índice de carga ou equivalente; hora.
c) índice de velocidade (exceto para pneus diagonais); A.4.2.2.3.7 Durante toda a duração do ensaio, a pressão do pneu não deve ser
d) indicadores de desgaste da banda de rodagem (TWI) com altura mínima de 1,6 corrigida e a carga deve ser mantida constante ao longo de cada patamar especificado no
mm, com tolerância de + 0,6 mm, e com no mínimo 6 (seis) filas transversais de indicadores, programa de ensaio.
exceto para pneus de diâmetro interno inferior ou igual a 304,8 mm (12"), que devem ter no
1_MECON_13936970_010

mínimo 4 (filas) de indicadores.


A.1.2. A amostragem deve ser realizada por família, de acordo com o subitem 4.1
deste RAC e segundo os critérios estabelecidos no RGDF Serviços.
A.2 Ensaios de Manutenção
Os ensaios de manutenção devem ser realizados segundo os critérios estabelecidos
no RGDF Serviços.
A.2.1.1 Anualmente, os ensaios devem ser realizados por família, de acordo com os
requisitos estabelecidos pelo RTQ para Reforma de Pneus e de acordo com a respectiva família
descrita no subitem 4.1 deste RAC, considerando:
- o índice de carga mais crítico dentre os modelos constituintes da referida família A.4.2.2.4 Programa para todos os outros tipos de pneus que não estão
de pneus destinados a automóveis, camionetas, caminhonetes e seus rebocados; contemplados no subitem 6.3.2.2.3.
- o índice de velocidade mais crítico dentre os modelos constituintes da referida A.4.2.2.4.1 O ensaio de velocidade sob carga deve ter uma duração total
família de pneus destinados a automóveis, camionetas, caminhonetes e seus rebocados. conforme Tabela 3 deste Anexo.
A.2.1.2 Devem ser observadas as demais condições previstas no item A1 deste A.4.2.2.4.2 Durante toda a duração do ensaio, a pressão do pneu não deve ser
Anexo. corrigida e a carga deve ser mantida constante ao longo de cada patamar especificado no
A.3 Definição de Laboratórios programa de ensaio. 1_MECON_13936970_011

A definição de laboratórios deve seguir conforme os requisitos estabelecidos no


1_MECON_13936970_012

RGDF Serviços. 1_MECON_13936970_007

A.4.1.3 Critérios de aceitação/rejeição do ensaio


A.4.1.3.1 As dimensões dos pneus devem estar de acordo com os valores
indicados nas tabelas do Manual Técnico ALAPA, admitindo as tolerâncias dimensionais
conforme Tabela 1.
Tabela 1 - Tolerâncias dimensionais de acordo com os tipos de estrutura.

. Tipo de Estrutura Largura Mínima Total da Seção Largura Máxima Total de Seção
. Todas - 4% da coluna "novo" + 8% da coluna "serviço"
. Tipo de Estrutura Diâmetro Mínimo Total Diâmetro Máximo Total
. Todas - 2% da coluna "novo" + 2% da coluna "serviço"

A.4.1.3.2 A largura total da seção de pneus que contemplam nervuras ou


cordões de proteção pode ser superada em 8,0 mm dos valores máximos acima citados.
1_MECON_13936970_008

A.4.2.3 Critérios de aceitação/rejeição do ensaio


A.4.2.3.1 Após ter sido submetido ao ensaio de velocidade sob carga, o
pneu não pode apresentar nenhuma das seguintes avarias: arrancamento, emenda
aberta, falha no conserto (reparo ou manchão), falha no material de reforma,
rachadura, ruptura de cabos, separação de cabos, separação do talão, separação dos
flancos, separação entre lonas e separação na banda de rodagem.
A.4.2.3.2 A medição do diâmetro externo do pneu deve ser realizada, no
mínimo, após seis horas do término do ensaio de velocidade sob carga. O valor medido
não deve exceder 3,5% do valor medido do diâmetro externo antes do ensaio.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 42 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200042 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

A.4.2.3.3 No caso de pneus que apresentem mais de uma indicação de


índice de carga e de velocidade, o ensaio deve ser realizado com o maior índice de
carga e seu índice de velocidade correspondente.
A.4.2.4 Informações auxiliares
A.4.2.4.1 As Tabelas 4 e 5 trazem informações auxiliares para a realização
dos ensaios de velocidade sob carga.
Tabela 4 - Equivalência de rotações (RPM) entre rodas de máquinas de
ensaio de velocidade sob carga para diâmetros de 1,7 m e 2,0 m.
. Velocidade do Pneu Roda com diâmetro de 2,0 m Roda com diâmetro de 1,7 m
(km/h) (RPM) (RPM)
. 300 796 937
. 270 716 843
. 260 690 811
. 250 663 780
. 240 647 749
. 230 610 718
. 220 584 687 Tabela 7 - Pressão de inflação para verificação dimensional.
. 210 557 655
. 200 531 624 . TIPO DE ESTRUTURA CAPACIDADE DE CARGA PRESSÃO INFLAÇÃO (kPa)
. 190 504 593 . CATEGORIA DE VELOCIDADE
180 477 562
(-), I, M, N, P Q, R, S T, U, H, V
.

170 451 531


.

. 160 424 499 . DIAGONAL B 170 200


. 150 399 468 . C 210 240 260
. 140 371 437 D 250 280 300
130 345 406
.

DIAGONAL CINTADA TODAS 170


.

120 318 374


.

. 110 292 343 . RADIAL NORMAL 180


. 100 265 312 . REFORÇADA 230
. 90 239 281 TEMPORÁRIO (TIPO "T") TODAS 420
80 212 250
.

A.5.2 Ensaio de velocidade sob carga


Tabela 5 - Unidades de pressão. A.5.2.1 Preparação do conjunto de ensaio
O conjunto de ensaio deve:
. kPa bar lb/pol² (psi) kg/cm² a) conter um aro com as dimensões indicadas nas tabelas dispostas do Manual
100 1,0 15 1,0 Técnico ALAPA;
b) conter uma válvula, quando utilizado para ensaiar pneus do tipo sem câmara
.

150 1,5 22 1,5


de ar, ou incluir a câmara de ar e o protetor (caso seja requerido), quando utilizado para
.

200 2,0 29 2,0


ensaiar pneu do tipo com câmara de ar;
.

. 250 2,5 36 2,6 c) não sofrer deformações do aro e não permitir perda de ar quando
. 300 3,0 44 3,1 montado.
. 350 3,5 51 3,6 A.5.2.2 Realização do ensaio
. 400 4,0 58 4,1 A.5.2.2.1 Montar o pneu no aro de medição especificado pelo construtor, em
450 4,5 65 4,6 conformidade com as tabelas dispostas do Manual Técnico ALAPA.
A.5.2.2.2 Inflar o pneu à pressão indicada na Tabela 8 deste Anexo
.

. 500 5,0 73 5,1 1_MECON_13936970_014

. 550 5,5 80 5,6


. 600 6,0 87 6,1
. 650 6,5 94 6,6
. 700 7,0 102 7,1
. 750 7,5 109 7,7
. 800 8,0 116 8,2
. 850 8,5 123 8,7
. 900 9,0 131 9,2
. 950 9,5 138 9,7
. 1000 10,0 145 10,2
. 1050 10,5 152 10,7

A.5 Ensaios para pneus reformados destinados a automóveis, camionetas, A.5.2.2.7 A carga com que o pneu é forçado contra a roda cilíndrica da máquina de
caminhonetes e seus rebocados. ensaio deve ser constante e igual a 80 % da carga por pneu mencionada nas tabelas dispostas
do Manual Técnico ALAPA. Para pneus com símbolo de velocidade "V", "W" e "Y", as cargas
A.5.1 Ensaio dimensional máximas com que o pneu é forçado contra a roda cilíndrica devem obedecer aos valores
A.5.1.1 Preparação do conjunto de ensaio percentuais estabelecidos na Tabela 2 do RTQ.
O conjunto de ensaio deve: A.5.2.2.8 O ensaio deve ser conduzido sem interrupção, verificando-se o
a) conter um aro com as dimensões indicadas nas tabelas dispostas do seguinte:
a) elevar a velocidade periférica da roda cilíndrica da máquina de ensaio de zero à
Manual Técnico ALAPA; velocidade inicial, em 10 minutos;
b) conter uma válvula, quando utilizado para ensaiar pneus do tipo sem b) a velocidade periférica inicial da roda cilíndrica deve ser igual à velocidade
câmara de ar, ou incluir a câmara de ar e o protetor (caso seja requerido), quando máxima permitida pelo índice de velocidade à qual o pneu pertence, diminuída de 40 km/h, no
utilizado para ensaiar pneu do tipo com câmara de ar; e caso de rodas cilíndricas de 1,7 m - no caso de roda cilíndrica de 2,0 m, a velocidade máxima
permitida pelo índice de velocidade à qual o pneu pertence, diminuída de 30 km/h;
c) não sofrer deformações do aro e não permitir perda de ar quando c) a velocidade periférica da roda cilíndrica deve ser aumentada, sucessivamente
montado. com incrementos de 10 km/h até atingir a velocidade periférica final - cada patamar de
A.5.1.2 Realização do ensaio velocidade deve ter a duração de 10 minutos;
A.5.1.2.1 Montar o pneu no aro de medição especificado pelo construtor, d) a velocidade periférica final da roda cilíndrica deve ser igual à velocidade máxima
permitida pelo índice de velocidade à qual o pneu pertence, diminuída de 10 km/h - no caso de
em conformidade com as tabelas dispostas do Manual Técnico ALAPA. rodas cilíndricas com 1,7 m, ou igual à velocidade máxima, no caso de roda cilíndrica de 2,0
A.5.1.2.2 Inflar o pneu a uma pressão compreendida entre 300 kPa e 350 m;
kPa. e) a velocidade periférica final da roda cilíndrica deve ser mantida durante 20
A.5.1.2.3 Adequar a pressão de inflação, conforme a Tabela 7 deste minutos, após o que, o ensaio se dá como terminado;
f) no caso de pneus para velocidade máxima de 300 km/h (símbolo de velocidade
Anexo "Y"), a duração do ensaio no patamar inicial deverá ser de 20 minutos, enquanto que a duração
A.5.1.2.4 Manter o pneu montado no aro à temperatura ambiente, que do ensaio na velocidade final deve ser de 10 minutos.
deve ser controlada em (25 + 5)ºC ou (38 + 3)ºC durante pelo menos 24 h. A.5.2.3 Critérios de aceitação/rejeição
A.5.1.2.5 Após este período, reajustar a pressão de inflação ao valor A.5.2.3.1 O diâmetro externo do pneu, medido no máximo 6 horas após o término
indicado no subitem A.5.1.2.3. deste ensaio, não pode exceder em mais de 3,5% o diâmetro externo medido antes do
ensaio.
A.5.1.2.6 Medir a largura total em 6 pontos equidistantes, sendo que a A.5.2.3.2 O pneu reformado ensaiado durante 1 hora conforme subitem A.5.2.2
largura total da seção do pneu pode ser superada no valor correspondente à espessura não pode apresentar falhas como as descritas a seguir:
das decorações e das barras de proteção, em somente um dos flancos do pneu. a) separação da banda de rodagem;
Considerar como largura total o máximo valor encontrado. b) separação das lonas;
c) separação de cordonéis;
A.5.1.2.7 Determinar o diâmetro externo, medindo o perímetro máximo e d) separação do flanco;
dividindo este valor por p (3,1416). e) separação do talão;
A.5.1.2.8 Pneus que tenham desenho e que são impossibilitados de medir o f) rachaduras;
diâmetro em seu centro de seção devem ter seu diâmetro levantado nas laterais g) emendas abertas;
h) arrancamento; ou
imediatas, sendo tomada como referência a média destas duas medidas. i) cordonéis partidos.
A.5.1.3 Critérios de aceitação/rejeição Tabela 8 - Pressão de inflação para ensaio de velocidade sob carga.
A.5.1.3.1 Após a reforma, as dimensões máximas do pneu devem estar de
PRESSÃO DE INFLAÇÃO (kPa)
acordo com as determinações da coluna "serviço" das tabelas dispostas do Manual
.

PNEU CAPACIDADE DE CARGA SÍMBOLO DE VELOCIDADE


Técnico ALAPA.
.

. (-), I, M, N, P Q, R, S, T, U, H V W/Y
A.5.1.3.2 Após a reforma, as dimensões mínimas do pneu devem estar de . DIAGONAIS B 230 260 280 300 -
acordo com a coluna "novo" das tabelas dispostas do Manual Técnico ALAPA, . C 270 300 320 340 -
aplicando-se as tolerâncias indicadas na Tabela 6 deste Anexo. . D 300 330 350 370 -
A.5.1.4 Informações auxiliares . DIAGONAIS CINTADOS (BIAS BELTED) TODAS - 260 280 - -
As Tabelas 6 e 7 trazem informações auxiliares para a realização dos ensaios . RADIAIS TODAS 240 260 280 300 320
RADIAIS REFORÇADOS TODAS - 300 320 340 360
de verificação dimensional. .

1_MECON_13936970_013

. TEMPORÁRIO "T" TODAS 420

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 43 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200043 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Nota: para pneu com velocidade acima de 240 km/h (ZR), sem marcação do
símbolo de velocidade, a pressão de inflação deverá seguir os procedimentos de teste do
próprio fabricante. 1_MECON_13936970_015

1_MECON_13936970_016

1_MECON_13936970_017

1_MECON_13936970_018

1_MECON_13936970_019

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 44 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200044 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

PORTARIA Nº 435, DE 19 DE OUTUBRO DE 2021

Aprova o Regulamento Técnico da Qualidade e os


Requisitos de Avaliação da Conformidade para
Tubos de Aço-Carbono para Usos Comuns e Tubos
de Aço-Carbono para Usos em Altas Temperaturas
- Consolidado.
O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E
TECNOLOGIA - INMETRO, SUBSTITUTO, no exercício da competência que lhe foi
outorgada pelos artigos 4º, § 2º, da Lei nº 5.966, de 11 de dezembro de 1973, e 3º,
incisos I e IV, da Lei nº 9.933, de 20 de dezembro de 1999, combinado com o disposto
nos artigos 18, inciso V, do Anexo I ao Decreto nº 6.275, de 28 de novembro de 2007,
e 105, inciso V, do Anexo à Portaria nº 2, de 4 de janeiro de 2017, do então
Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, considerando o que determina o
Decreto nº 10.139, de 28 de novembro de 2019, e o que consta no Processo SEI n°
0052600.001385/2021-08, resolve:
Objeto e âmbito de aplicação
Art. 1º Fica aprovado o Regulamento Consolidado para Tubos de Aço-
Carbono para Usos Comuns e Tubos de Aço-Carbono para Usos em Altas Temperaturas,
na forma do Regulamento Técnico da Qualidade, dos Requisitos de Avaliação da
Conformidade e das Especificações para o Selo de Identificação da Conformidade,
fixados, respectivamente, nos Anexos I, II e III desta Portaria.
Art. 2º O Regulamento Técnico da Qualidade, estabelecido no Anexo I desta
Portaria, determina os requisitos, de cumprimento obrigatório, referentes à segurança
do produto.
Art. 3º Os fornecedores de tubos de aço-carbono para usos comuns e tubos
de aço-carbono para usos em altas temperaturas deverão atender integralmente o
disposto no presente Regulamento.
Art. 4º Os tubos de aço-carbono para usos comuns e tubos de aço-carbono
para usos em altas temperaturas, objeto deste Regulamento, deverão ser fabricados,
importados, distribuídos e comercializados de forma a não oferecer riscos que
comprometam a segurança do usuário, independentemente do atendimento integral
aos requisitos ora publicados.
Art. 5º Aplica-se o presente Regulamento aos tubos de aço-carbono para
usos comuns e tubos de aço-carbono para usos em altas temperaturas.
§ 1º O termo "usos comuns" utilizado para os tubos de aço-carbono
descritos no caput é empregado aos tubos:
I - destinados à condução de água, gás, vapor e outros fluidos de natureza
não corrosiva ou que não têm uma aplicação específica;
II - que somente admitem a condução de fluidos em temperaturas abaixo
de 200 ºC e a pressões de até 15 MPa (ou 150 kgf/cm2), exceto para os tubos de aço-
carbono fabricados segundo a norma ABNT NBR 5580, em que a pressão máxima
admissível é de 2,5 MPa (ou 25 kgf/cm2); e
III - fabricados segundo as normas ABNT NBR 5580, ABNT NBR 5590, EN
10255, ASTM A 53 ou ASME SA 53.
§ 2º O termo "altas temperaturas" utilizado para os tubos de aço-carbono
descritos no caput, é empregado aos tubos:
ANEXO III I - destinados a usos em temperaturas acima de 200 ºC; e
II - fabricados segundo as normas ABNT NBR 6321, ASTM A 106 ou ASME
SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE SA 106.
1. O Selo de Identificação da Conformidade é composto pela marca do Inmetro § 3º Encontram-se excluídos do cumprimento das disposições previstas
e nº de Registro (contendo seis dígitos no padrão XXXXXX/ANO). neste Regulamento:
2. A identificação da conformidade deve ser aposta no produto, pelo processo I - os tubos de aço-carbono com solda helicoidal;
de vulcanização, de forma clara, indelével e não violável. II - os tubos mecânicos;
3. O Selo de Identificação da Conformidade para pneus reformados deve III - os tubos de precisão;
apresentar, no mínimo, as seguintes informações relacionadas, apostas de forma indelével IV - os tubos eletrodutos;
e legível, em alto relevo no pneu ou através da aplicação de etiqueta vulcanizada, V - os tubos de seção diferentes da redonda; e
localizada de forma visível e legível na lateral ou nas laterais: VI - os tubos feitos de material que não seja aço-carbono.
- data da reforma; Exigências Pré-Mercado
- informações do fornecedor; Art. 6º Os tubos de aço-carbono para usos comuns e tubos de aço-carbono
- razão social do fornecedor que realizou o serviço de reforma; para usos em altas temperaturas, fabricados, importados, distribuídos e comercializados
- tipo de reforma efetuada.
4. O Selo de Identificação da Conformidade não pode conter picotes de em território nacional, a título gratuito ou oneroso, devem ser submetidos,
qualquer natureza. compulsoriamente, à avaliação da conformidade, por meio do mecanismo de
1_MECON_13936970_020

certificação, observado os termos deste Regulamento.


§ 1º Os Requisitos de Avaliação da Conformidade para Tubos de Aço-
Carbono para Usos Comuns e Tubos de Aço-Carbono para Usos em Altas Temperaturas
estão fixados no Anexo II desta Portaria.
§ 2º A certificação não exime o fornecedor da responsabilidade exclusiva
pela segurança do produto.
Art. 7º Após a certificação, os tubos de aço-carbono para usos comuns e
tubos de aço-carbono para usos em altas temperaturas, fabricados, importados,
distribuídos e comercializados em território nacional, a título gratuito ou oneroso,
devem ser registrados no Inmetro, considerando a Portaria Inmetro nº 258, de 6 de
agosto de 2020, ou substitutiva.
5. Modelo do Selo de Identificação da Conformidade para pneus reformados a § 1º A obtenção do registro é condicionante para a autorização do uso do
seguir. 1_MECON_13936970_021

Selo de Identificação da Conformidade nos produtos certificados e para sua


disponibilização no mercado nacional.
§ 2º O modelo de Selo de Identificação da Conformidade aplicável para os
tubos de aço-carbono para usos comuns e tubos de aço-carbono para usos em altas
temperaturas encontra-se no Anexo III desta Portaria.
Art. 8º Os tubos de aço-carbono para usos comuns e tubos de aço-carbono
para usos em altas temperaturas abrangidos pelo Regulamento ora aprovado, estão
sujeitos ao regime de licenciamento de importação não automático, devendo o
importador obter anuência junto ao Inmetro, considerando a Portaria Inmetro nº 18,
de 14 de janeiro de 2016, ou substitutiva.
Vigilância de Mercado
Art. 9º Os tubos de aço-carbono para usos comuns e tubos de aço-carbono
para usos em altas temperaturas, objetos deste Regulamento, estão sujeitos, em todo
o território nacional, às ações de vigilância de mercado executadas pelo Inmetro e
entidades de direito público a ele vinculadas por convênio de delegação.
Art. 10. A ação ou omissão contrárias ao disposto nesta Portaria constituem
infração , podendo ensejar as penalidades previstas na Lei nº 9.933, de 1999.
Art. 11. O fornecedor, quando submetido a ações de vigilância de mercado,
deverá prestar ao Inmetro, quando solicitado, as informações requeridas em um prazo
máximo de 15 dias.
Prazos e disposições transitórias
Art. 12. A publicação desta Portaria não implica na necessidade de que seja
iniciado novo processo de certificação com base nos requisitos ora consolidados.
Parágrafo único. Os certificados já emitidos deverão ser revisados, na
próxima etapa de avaliação, para referência à Portaria ora publicada.
Cláusula de revogação
Art. 13. Ficam revogadas, na data de vigência desta Portaria, as Portarias
Inmetro:
I - nº 158, de 5 de abril de 2016, publicada no Diário Oficial da União de
6 de abril de 2016, seção 1, páginas 68 e 69; e
II - nº 246, de 3 de junho de 2016, publicada no Diário Oficial da União de
7 de junho de 2016, seção 1, página 41 e 42.
Vigência
Art. 14. Esta Portaria entra em vigor em 1º de novembro de 2021,
conforme o art. 4º do Decreto nº 10.139, de 2019.

PERICELES JOSE VIEIRA VIANNA

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 45 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200045 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

ANEXO I 5.1.4.1 A composição química do tubo de aço-carbono deve estar dentro dos
limites estabelecidos por sua norma de fabricação, quando previsto.
REGULAMENTO TÉCNICO DA QUALIDADE PARA TUBOS DE AÇO-CARBONO 5.1.4.2 Quando a composição química não for um requisito da norma de
PARA USOS COMUNS E TUBOS DE AÇO-CARBONO PARA USOS EM ALTAS fabricação, o fabricante deve assegurar que o aço empregado na fabricação dos tubos de
TEMPERATURAS aço-carbono deve ser acalmado e de baixo carbono.
1. OBJETIVO 5.1.4.3 Quando a composição química for um requisito da norma de
Este Regulamento Técnico da Qualidade estabelece os requisitos técnicos fabricação, deve ser realizada análise química conforme previsto na norma de fabricação
obrigatórios para tubos de aço-carbono para usos comuns e pelos tubos de aço- do tubo de aço-carbono. Caso esta norma não especifique, a análise química deve ser
carbono para usos em altas temperaturas, a serem atendidos por toda cadeia realizada conforme a norma ASTM A751.
fornecedora desses produtos no mercado nacional. 5.1.5 Processos de fabricação e tratamento térmico
Nota: Para simplicidade de texto, os tubos de aço-carbono para usos 5.1.5.1 Tubos de aço-carbono para usos comuns
comuns na condução de fluidos e para usos em altas temperaturas são referenciados
neste Regulamento simplesmente como "tubo(s) de aço-carbono". 5.1.5.1.1 Os tubos de aço-carbono devem ser fornecidos com ou sem solda
2. SIGLAS longitudinal, apresentando as seguintes denominações:
a) Tubo tipo E - tubos soldados longitudinalmente; e
. DN Diâmetro Nominal b) Tubo tipo S - tubos sem solda longitudinal.
. RTQ Regulamento Técnico da Qualidade 5.1.5.1.2 Para tubos de aço-carbono com solda longitudinal, a solda deve ser
produzida por alta frequência (Eletric Resistance Welding), sem deposição de material, não
3. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES sendo admitida solda transversal, soldas pontuais ou reparos por solda.
5.1.5.1.3 Os tubos de aço-carbono com solda longitudinal, quando requerido
. ABNT NBR 5580:2015 Tubos
de aço-carbono para usos comuns na por sua norma de fabricação, devem ter o cordão de solda tratado termicamente à
condução de fluidos - Especificação temperatura indicada nessa norma, ou ser processado de outra forma que assegure a não
. ABNT NBR 5590:2015, versão Tubos de aço-carbono com ou sem solda existência de martensita não revenida, comprovado por ensaio metalográfico (micrografia)
corrigida 2:2017 longitudinal, pretos ou galvanizados - Requisitos de acordo com a metodologia descrita em sua norma de fabricação ou, na falta desta, de
. ABNT NBR 6321:2020 Tubos de aço-carbono sem solda longitudinal, para acordo com as normas NBR 13285 (ou ASTM E3) e ASTM E407, definidas no item 3 deste
serviços em altas temperaturas RTQ.
. ABNT NBR 13284:1995 Preparação de corpos-de-prova para análise 5.1.5.1.4 Os tubos de aço-carbono trefilados a frio devem ser submetidos a
metalográfica - Procedimento tratamento térmico, que pode ser de alívio de tensão, recozimento subcrítico ou
. ASTM A53/A53M-12 (ASME Standard Specification for Pipe, Steel, Black and Hot- normalização, à temperatura exigida em sua norma de fabricação, de forma a aliviar as
SA53) Dipped, Zinc-Coated, Welded and Seamless tensões na estrutura interna do material ocasionadas pelo processo de trefilação.
ASTM A106/A106M-15 (ASME Standard Specification for Seamless Carbon Steel 5.1.5.1.5 Os tubos de aço-carbono sem solda longitudinal laminados a quente
devem, quando exigidos por sua norma de fabricação, também ser tratados termicamente
.

SA106) Pipe for High-Temperature Service


ASTM A370-15 Standard Test Methods and Definitions for de acordo com os requisitos estabelecidos nessa norma.
5.1.5.1.6 Os tubos de aço-carbono podem ser fornecidos em uma das
.

Mechanical Testing of Steel Products


ASTM A530/A530M-12 Standard Specification for General Requirements for seguintes maneiras: com as extremidades lisas (faceadas ou cortadas diretamente da
máquina), rosqueadas, ranhuradas ou chanfradas. Adicionalmente, os tubos tipo E podem
.

Specialized Carbon and Alloy Steel Pipe


ASTM A751-14a Standard Test Methods, Practices, and Terminology ser fornecidos com ou sem extremidade(s) expandida(s) a frio. Quando a(s) extremidade(s)
for(em) expandida(s) a frio, a expansão não pode exceder 1,5 % do diâmetro externo
.

for Chemical Analysis of Steel Products


ASTM E3-11 (2017) Standard Guide for Preparation of Metallographic especificado do tubo.
Nota: A medida do chanfro não é objeto deste RTQ.
.

Specimens
5.1.5.1.7 As roscas, dos tubos de aço-carbono que tenham extremidades
. ASTM E213-14e1 Standard Practice for Ultrasonic Testing of Metal rosqueadas, devem atender ao estabelecido em sua norma de fabricação.
Pipe and Tubing 5.1.5.1.8 Os tubos de aço-carbono de diâmetro nominal maior ou igual a 65 (2
. ASTM E309-16 Standard Practice for Eddy-Current Examination of ½) podem ser fornecidos com uma luva acoplada em uma das extremidades. Todas as
Steel Tubular Products Using Magnetic Saturation roscas sem luvas devem ser protegidas contra danos mecânicos e corrosão.
. ASTM E407-07 (2015) Standard Practice for Microetching Metals and Nota: A luva não é objeto deste RTQ.
Alloys 5.1.5.2 Tubos de aço-carbono para serviços em altas temperaturas
. ASTM E570-15 Standard Practice for Flux Leakage Examination of 5.1.5.2.1 Os tubos de aço-carbono para serviços em altas temperaturas devem
Ferromagnetic Steel Tubular Products ser fornecidos laminados a quente ou trefilados a frio. Aqueles trefilados a frio devem ser
. EN 10255:2004+A1:2007 Non-Alloy steel tubes suitable for welding and tratados termicamente após o passe final de trefila a uma temperatura de 650 °C ou mais
threading - Technical delivery conditions alta, para alívio de tensões internas provocadas pelo processo da deformação a frio.
5.1.5.2.2 As extremidades podem ser fornecidas por uma das seguintes
Nota: Para simplicidade de texto, as normas ABNT NBR 5580, ABNT NBR maneiras: chanfradas ou lisas (faceadas ou cortadas diretamente da máquina).
5590, ABNT NBR 6321, EN 10255, ASTM A 53, ASME SA 53, ASTM A 106 e ASME SA Nota: A medida do chanfro não é objeto deste RTQ.
106 serão doravante denominadas "norma(s) de fabricação". 5.1.6 Requisitos para o Revestimento protetor de zinco (galvanização), quando
4. DEFINIÇÕES aplicável
Para fins deste RTQ são adotadas as definições contidas nos documentos 5.1.6.1 Processo de galvanização
citados no item 3, acrescidas das definições a seguir: 5.1.6.1.1 Os tubos galvanizados devem ser revestidos de zinco primário nas
4.1 Corrida superfícies interna e externa, de acordo com o estabelecido em sua norma de
Material proveniente de uma única fundição de liga metálica com as fabricação.
mesmas características químicas. 5.1.6.1.1.1 A galvanização deve ser realizada pelo processo de imersão a
4.2 Jointers quente nos tubos de aço-carbono de diâmetros nominais maiores que 6 (1/8).
Dois tubos unidos por solda de topo para formar o comprimento 5.1.6.1.1.2 Os tubos de aço-carbono de diâmetro nominal 6 (1/8) não podem
especificado. ser galvanizados por imersão a quente.
4.3 Trinca
Pequena separação do material, rasa ou profunda, detectável por inspeção 5.1.6.2 Massa do revestimento de zinco
visual. Os tubos de aço-carbono devem possuir uma camada de revestimento de
4.4 Tubo zinco cuja massa atenda ao estabelecido em sua norma de fabricação, diretamente ou em
Produto siderúrgico de seção transversal redonda, quadrada, retangular, norma nesta especificada, verificada conforme metodologia estabelecida em uma delas.
triangular e outras, oca por todo o comprimento, podendo ser fabricado com ou sem 5.1.6.3 Uniformidade e aderência do revestimento protetor de zinco
solda. 5.1.6.3.1 O revestimento protetor de zinco (galvanização) deve ser uniforme e
Nota: Este RTQ se aplica somente aos tubos de seção transversal redonda, aderente, conforme determinado na norma de fabricação do tubo de aço-carbono, e
produzidos com ou sem solda longitudinal. verificado conforme metodologia especificada na mesma.
4.4.1 Tubo com solda longitudinal 5.1.6.3.2 Quando a norma de fabricação não definir, diretamente ou por meio
Tubo conformado a partir de tiras ou chapas, em equipamento apropriado, de outra norma, metodologia para verificação da aderência do revestimento protetor de
com bordas unidas através de soldagem sem deposição de material. zinco, deve ser utilizada a metodologia de ensaio de achatamento específico para
4.4.2 Tubo sem solda avaliação dessa aderência, descrita na norma ABNT NBR 5580:2015.
Tubo fabricado por um ou mais dos seguintes processos: fundição, 5.1.7 Defeitos superficiais e acabamento
centrifugação, extrusão e laminação. 5.1.7.1 Os defeitos de superfície devem ser reparados apenas por
esmerilhamento ou lixamento, desde que não penetre mais que 12,5 % da espessura
5. REQUISITOS TÉCNICOS nominal de parede e não ultrapasse a espessura mínima de parede.
5.1 Requisitos de Fabricação 5.1.7.2 Os tubos de aço-carbono com imperfeições superficiais de
5.1.1 Especificação profundidade superior a 12,5% da espessura nominal de parede, ou que possam
Os tubos de aço-carbono devem ser especificados, minimamente, por: comprometer a espessura mínima de parede, devem ser considerados defeituosos. Os
- diâmetro externo ou nominal; tubos nessas condições devem ser rejeitados ou reaproveitados sob as seguintes
- espessura e/ou schedule (quando aplicável); condições: devem ser cortadas e eliminadas as partes dos tubos que contenham tais
- classe (quando aplicável); defeitos e o tubo remanescente deve atender aos requisitos relativos ao comprimento.
- processo de fabricação; 5.1.7.2.1 Os tubos não podem ser cortados a fogo. A temperatura gerada pelo
- grau do aço (quando aplicável); esmerilhamento, lixamento ou corte não pode afetar o material e/ou o tratamento
- acabamento superficial (preto ou galvanizado); e térmico do tubo de aço-carbono.
- acabamento das extremidades. 5.1.7.2.2 Não são permitidos reparos por solda. Não são permitidas emendas
5.1.2 Dimensões, massa e tolerâncias por solda, com exceção do da condição descrita em 5.1.3.2.
5.1.2.1 Os tubos de aço-carbono devem ser de seção circular, retilíneos e de 5.1.7.3 Os tubos reparados devem ser rejeitados se a espessura, em qualquer
espessura uniforme, dentro das tolerâncias especificadas, de forma a não comprometer a ponto da superfície reparada, exceder os limites de profundidade e/ou comprometer a
sua utilização. espessura mínima, conforme estabelecido em 5.1.7.2 acima. A zona de reparo deve
5.1.2.2 O comprimento (ou faixa de comprimento), diâmetro nominal, manter o raio de curvatura na superfície do tubo.
diâmetro externo, espessura(s) nominal(is) de parede, massa nominal, bem como as 5.1.7.4 A medição da espessura deve ser feita com um instrumento mecânico
tolerâncias dimensionais dos tubos de aço-carbono, devem ser aqueles descritos ou ou por meio de método não destrutivo, com calibração e resolução adequados.
calculados conforme a sua norma de fabricação. 5.1.7.5 Para tubos com diâmetro maior que DN 20, o desvio máximo de
5.1.2.3 Devem ser averiguadas as diferenças entre a massa nominal e a massa retilineidade deve ser de 0,25% do comprimento do tubo.
real correspondente dos tubos de aço-carbono. A diferença entre as duas massas deve 5.1.7.6 Os tubos não podem apresentar marca ou amassamento maior que o
atender à tolerância ou valor estabelecido em sua norma de fabricação. definido em sua norma de fabricação. Quando esta definição não existir, deve ser
5.1.2.4 A espessura mínima de parede dos tubos de aço-carbono não pode considerado que os tubos não podem apresentar marca ou amassamento maior que 10 %
estar, em qualquer ponto do tubo, mais que 12,5 % abaixo de sua espessura nominal. do diâmetro externo do tubo ou 6,0 mm, o que for menor, medido como a distância
5.1.3 Dimensões diferentes das padronizadas mínima entre o ponto mais baixo da marca ou amassamento e o prolongamento do
5.1.3.1 Quando for permitido pela norma de fabricação, tubos de aço-carbono contorno original do tubo.
de dimensões e/ou tolerâncias diferentes daquelas definidas conforme o item 5.1.2 deste 5.1.7.7 Para tubos de aço-carbono com espessura de parede £ 3 % do
RTQ podem ser fabricados somente para atender a um pedido formal, acordado diâmetro externo, a diferença entre o maior e menor diâmetro externo medido em
previamente entre as partes. qualquer seção transversal não pode exceder a 1,5 % do diâmetro externo especificado.
5.1.3.1.1 A condição de tubo de aço-carbono com dimensão e/ou tolerância Para os tubos que não se enquadram nessa situação, a ovalização máxima permitida deve
diferente das definidas no item 5.1.2 deste RTQ deve estar explicitamente descrita na ser aquela definida em sua norma de fabricação ou, na falta desta, a variação máxima
Nota Fiscal de venda do produto ou em um certificado anexado, bem como no pedido permitida para o seu diâmetro externo.
formal desse produto. 5.1.7.8 As rebarbas interna e externa dos tubos fabricados com solda
5.1.3.2 Como regra geral, Jointers não são permitidos. Apenas serão permitidos longitudinal devem ser removidas, observando-se os limites descritos em sua norma de
Jointers para atendimento a uma solicitação formal do cliente final do tubo de aço- fabricação. Na falta destes limites, deve ser atendido o estabelecido no item 5.1.7.8.1 a
carbono, e somente para comprimentos não possíveis de serem obtidos no processo seguir.
produtivo do fornecedor. Deve ser atendido o estabelecido no item 5.1.3.1.1 deste 5.1.7.8.1 Para tubos com DN > 20 (3/4), observado o descrito no item anterior,
RTQ. a rebarba interna da solda deve ser removida. A altura da rebarba resultante do processo
5.1.3.2.1 A solda do Jointer não é objeto deste RTQ. de remoção não pode exceder, quando positiva, 0,4 mm e, quando negativa, 12,5% da
5.1.4 Composição química espessura nominal do tubo.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 46 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200046 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

5.1.8 Marcação 2. SIGLAS


5.1.8.1 Cada tubo deve ser marcado em sua superfície externa, São adotadas as siglas a seguir, complementadas pelas siglas contidas nos
longitudinalmente, de forma visível, legível e indelével, por pintura ou estencilhamento, documentos complementares citados no item 3 deste RAC.
no mínimo com o seguinte conjunto de informações: END - Ensaio Não Destrutivo
a) nome ou logomarca do fabricante; 3. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES
b) descrição da(s) norma(s) de fabricação a que o tubo atende; Para fins deste RAC, são adotados os seguintes documentos complementares,
c) tipo de tubo (E ou S), quando for tubo de aço-carbono para usos
comuns; além daqueles estabelecidos no RGCP.
d) dimensões conforme uma das seguintes opções (vide item 5.1.8.1.1 a Portaria Inmetro nº 200, de 2021 Aprova os Requisitos Gerais de Certificação de Produtos (RGCP) -
seguir):
.

Consolidado
- diâmetro nominal do tubo (NPS) e classe; ou
- diâmetro nominal do tubo (NPS) e schedule; ou . Norma ABNT NBR 5426:1985 Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
- diâmetro nominal do tubo (NPS) e espessura de parede em mm; ou
- diâmetro externo e espessura de parede, ambos em mm. 4. DEFINIÇÕES
e) grau do aço - A, B ou C, quando aplicável; Para fins deste RAC, são adotadas as definições a seguir, complementadas pelas
f) comprimento, em metros, com duas casas decimais; definições contidas nos documentos relacionados no item 3 deste RAC.
g) número da corrida do aço ou número do lote de fabricação, que forneça 4.1 Família de tubos de aço-carbono
toda a rastreabilidade do tubo; Agrupamento de modelos de tubos de aço-carbono de mesma norma de
h) a inscrição "DE 1 %", se for pedida tolerância especial para o diâmetro
externo; fabricação, de um mesmo fabricante, de uma mesma unidade fabril, de um mesmo
i) a inscrição "DI 1 %", se for pedida tolerância especial para o diâmetro processo produtivo, diferenciadas pelos aspectos descritos nos subitens 4.1.1 ou 4.1.2 e
interno; conforme o Anexo E deste RAC.
j) massa do tubo para diâmetro nominal maior que 100 (4), quando for 4.1.1 Para tubos de aço-carbono para usos comuns:
prescrição da norma de fabricação; e a) norma de fabricação;
k) para tubos tipo "S", quando a norma de fabricação exigir, devem ser b) com solda longitudinal por resistência elétrica (Electrical Resistance Welding)
adicionada(s) marcação(ções) indicada(s) na Tabela 1 a seguir: ou sem solda;
Tabela 1 - Identificação adicional dos tubos tipo S c) tipo de acabamento (com ou sem revestimento protetor de zinco); e
Ensaio hidrostático Ensaio não destrutivo (END) Marcar d) tipo de aço (grau A ou grau B), quando aplicável.
4.1.2 Para tubos de aço-carbono para usos em alta temperatura:
.

Sim Não A pressão de ensaio


a) norma de fabricação; e
.

Não Sim END


b) tipo de aço (grau A, grau B ou grau C).
.

Sim Sim A pressão de ensaio; e


4.2 Modelo de tubo de aço-carbono
.

END
Tubo de mesmo diâmetro nominal e mesmo número de schedule ou espessura
5.1.8.1.1 Para tubos de aço-carbono para usos comuns, quando a norma de de parede.
fabricação assim definir, a marcação das dimensões pode se dar somente pela sua classe, 5. MECANISMO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE
da seguinte maneira: O mecanismo de avaliação da conformidade utilizado para os objetos
- (P), para tubos da classe pesada; contemplados por este RAC é a certificação.
- (M), para tubos da classe média; e 6. ETAPAS DA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE
- (L), para tubos da classe leve. Definição do Modelo de Certificação utilizado
5.1.8.1.2 Excepcionalmente, para tubos de diâmetro igual ou inferior a DN 40 Este RAC estabelece 2 (dois) modelos de certificação distintos, cabendo ao
(1 ½), as informações requeridas em 5.1.8.1 e 5.1.8.1.1 podem ser impressas sobre fornecedor optar por um deles:
etiquetas firmemente fixadas ao amarrado, com exceção das abaixo listadas, que devem - Modelo de Certificação 5:
vir obrigatoriamente marcadas nos tubos:
a) nome ou logotipo do fabricante; Avaliação inicial consistindo de ensaios em amostras retiradas no fabricante,
b) norma de fabricação; incluindo auditoria do Sistema de Gestão da Qualidade - SGQ, seguida de avaliação de
c) grau do aço (A, B ou C), quando aplicável; e manutenção periódica através de coleta de amostra do produto no comércio, para
d) número da corrida do aço ou número do lote de fabricação, que forneça realização das atividades de avaliação da conformidade, e auditoria do SGQ.
toda a rastreabilidade do tubo. - Modelo de Certificação 1b: Ensaio de Lote.
5.1.8.2 O conjunto de informações mínimas descritas nos itens 5.1.8.1, 6.1 Certificação modelo 5
5.1.8.1.1 e 5.1.8.1.2 deste RTQ deve ser marcado sobre a superfície externa do 6.1.1 Avaliação inicial
revestimento protetor de zinco, nos tubos que possuam essa proteção. 6.1.1.1 Solicitação de certificação
5.1.8.3 O espaçamento máximo entre o conjunto de informações referidas nos 6.1.1.1.1 O fornecedor deve encaminhar uma solicitação formal ao OCP na qual
itens 5.1.8.1, 5.1.8.1.1 e 5.1.8.1.2 deste RTQ deve ser o definido na norma de fabricação devem constar, juntamente com a documentação descrita no RGCP, os seguintes
ou, quando esta definição não existir, deve ser de 1 (um) metro. documentos:
5.2 Requisitos mecânicos
5.2.1 Requisitos de resistência à tração a) Relação dos modelos que compõem a família e respectivas configurações;
O tubo de aço-carbono deve possuir a resistência à tração (mínimo limite de b) Memorial descritivo, conforme estabelecido no Anexo C deste RAC;
escoamento, mínimo limite de ruptura e mínimo alongamento percentual) estabelecida c) Opção pelo Modelo de Certificação, dentre os mencionados neste RAC; e
em sua norma de fabricação. Quando a norma de fabricação não descrever ou não definir d) Procedimento e registro de avaliação, para qualificação, de empresa(s)
a metodologia de ensaio, este deve ser realizado de acordo com a norma ASTM A370. subcontratada(s) para o processo de galvanização, quando aplicável, que contemple os
5.2.2 Requisito de dobramento requisitos do Anexo D deste RAC.
5.2.2.1 Quando estabelecido em sua norma de fabricação, o tubo de aço- 6.1.1.1.2 Os documentos supracitados devem ter sua autenticidade comprovada
carbono deve resistir ao ensaio de dobramento, sem apresentar falhas, conforme o pelo OCP com relação aos documentos originais, quando aplicável.
estabelecido nessa mesma norma. Quando a norma de fabricação não descrever ou não 6.1.1.2 Análise da solicitação e da conformidade da documentação
definir a metodologia de ensaio, este deve ser realizado de acordo com a norma ASTM Os critérios para análise da solicitação e da conformidade da documentação
A370.
5.2.2.2 As amostras para a realização deste ensaio não podem conter devem seguir o estabelecido no RGCP.
imperfeições superficiais. 6.1.1.3 Auditoria inicial do Sistema de Gestão
Nota: Quando a norma de fabricação permitir, o ensaio de dobramento pode Os critérios para auditoria inicial do Sistema de Gestão devem seguir o
ser substituído pelo ensaio de achatamento. estabelecido no RGCP.
5.2.3 Requisito de achatamento 6.1.1.3.1 O OCP deve avaliar o procedimento e registro de qualificação descrito
5.2.3.1 Quando estabelecido em sua norma de fabricação, o tubo de aço- na alínea "d" do item 6.1.1.1.1 deste RAC, quando aplicável.
carbono deve resistir ao ensaio de achatamento, sem apresentar falhas, conforme o 6.1.1.3.2 O OCP deve verificar se o fornecedor realiza ensaios de rotina
estabelecido nessa mesma norma. Quando a norma de fabricação não descrever ou não contemplando todos os ensaios previstos no Anexo B deste RAC, bem como se ele
definir a metodologia de ensaio, este deve ser realizado de acordo com a norma ASTM estabelece a frequência dos mesmos e a amostragem, de forma a garantir
A530. representatividade dos resultados em relação ao total da produção.
5.2.3.2 As amostras para realização deste ensaio não podem conter 6.1.1.3.3 O OCP deve verificar se o fornecedor avalia cada empresa
imperfeições superficiais.
5.2.4 Requisito de estanqueidade à pressão hidrostática subcontratada para o processo de galvanização, quando aplicável, conforme os requisitos
5.2.4.1 Os tubos de aço-carbono submetidos à pressão hidrostática definida estabelecidos no Anexo D deste RAC.
em sua norma de fabricação, conforme metodologia descrita nessa mesma norma, não 6.1.1.4 Plano de ensaios iniciais
podem apresentar qualquer tipo de vazamento. Quando a norma de fabricação não O plano de ensaios iniciais deve cumprir o estabelecido no RGCP.
descrever ou definir a metodologia de ensaio, este deve ser realizado de acordo com a Os ensaios devem ser realizados conforme previsto no Regulamento Técnico da
norma ASTM A530. Qualidade para o objeto, e deve contemplar as etapas descritas a seguir.
5.2.4.2 Como alternativa à pressurização hidrostática, os tubos de aço-carbono 6.1.1.4.1 Definição dos ensaios a serem realizados
tipo S podem ser avaliados pelo método eletromagnético, ultrassônico ou Eddy 6.1.1.4.1.1 Os ensaios e verificações iniciais são os estabelecidos na Tabela B.1
Current. do Anexo B deste RAC, para serem realizados nas amostras coletadas pelo OCP.
5.2.4.3 Adicionalmente à pressurização hidrostática, deve ser realizado, nos 6.1.1.4.2 Definição da amostragem
tubos de aço-carbono tipo E, também o ensaio não destrutivo pelo método
eletromagnético, ultrassônico ou Eddy Current. 6.1.1.4.2.1 A definição da amostragem deve atender às condições gerais
5.2.4.4 A pressão hidrostática mínima a ser aplicada nos tubos de aço-carbono definidas no RGCP.
deve ser a definida na norma de fabricação desse tubo. 6.1.1.4.2.2 Para todos os ensaios, a coleta de amostras e a realização dos
Nota: A submissão dos tubos de aço-carbono à pressurização hidrostática tem ensaios devem ser executadas pelo OCP conforme os critérios estabelecidos no item A.1 do
como finalidade exclusiva garantir a estanqueidade do tubo, não sendo referência para Anexo A deste RAC.
projetos e pressão de trabalho. 6.1.1.4.2.3 A coleta das amostras deve ser realizada de forma aleatória na linha
5.2.5 Requisito de avaliação de defeitos por métodos não destrutivos de produção, desde que o produto já tenha sido inspecionado e liberado pelo controle de
5.2.5.1 Requisito geral qualidade da unidade fabril (inspeção final do produto pronto), ou na área de expedição,
Quando a metodologia de ensaio não estiver descrita ou definida na norma de em produtos já disponibilizados para comercialização.
fabricação, o ensaio elétrico não destrutivo deve ser realizado de acordo com a norma 6.1.1.4.3 Definição do Laboratório
ASTM E213, ASTM E309 ou ASTM E570, definidas no item 3 deste RTQ. A definição de laboratório deve seguir as condições descritas no RGCP. Os
5.2.5.2 Avaliação para tubos tipo E
Todo o comprimento de solda dos tubos de aço-carbono tipo E deve se ensaios de rotina previstos no subitem 6.1.1.3.2 não necessitam ser feitos em laboratórios
mostrar livre de defeitos ao serem avaliados por método ultrassônico, eletromagnético ou externos e, assim sendo, não se aplicam a esses ensaios os requisitos do RGCP para seleção
Eddy Current, atendendo ao estabelecido em sua norma de fabricação, observado o de laboratórios.
descrito em 5.2.5.1 acima. 6.1.1.5 Tratamento de não conformidades na etapa de avaliação inicial
5.2.5.3 Avaliação para tubos tipo S Os critérios para tratamento de não conformidades na etapa de avaliação inicial
Observado o descrito nos itens 5.2.4.2 e 5.2.5.1 deste RTQ, os tubos de aço- devem seguir as condições descritas no RGCP e no item B.2 do Anexo B deste RAC.
carbono tipo S devem se mostrar livres de defeitos ao serem avaliados por método 6.1.1.6 Emissão do Certificado de Conformidade
ultrassônico, eletromagnético ou Eddy Current. 6.1.1.6.1 Os critérios para emissão do Certificado de Conformidade na etapa de
avaliação inicial devem seguir o estabelecido no RGCP. O Certificado de Conformidade deve
ANEXO II ter validade 3 (três) anos, contados a partir da data de sua emissão.
REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA TUBOS DE AÇO- 6.1.1.6.2 No Certificado de Conformidade, o(s) modelo(s) da família deve(m) ser
CARBONO PARA USOS COMUNS E TUBOS DE AÇO-CARBONO PARA USOS EM ALTAS notado(s) da seguinte forma:
TEMPERATURAS Marca Modelo Descrição Código de Barras (quando
1. OBJETIVO
.

(Designação Comercial (Descrição Técnica do Modelo) existente no produto)


Estabelecer os critérios e procedimentos de avaliação da conformidade para do Modelo)
tubos de aço-carbono para usos comuns e tubos de aço-carbono para usos em altas - aplicação (uso comum ou alta
temperaturas, com foco na segurança, por meio do mecanismo de certificação, atendendo
.

temperatura);
ao estabelecido no Regulamento Técnico da Qualidade, visando à prevenção de acidentes - diâmetro nominal;
quando da sua utilização. - schedule ou espessura de parede.
Nota: Para simplicidade de texto, os tubos de aço-carbono para usos comuns na
condução de fluidos e para usos em altas temperaturas são referenciados nestes Requisitos
simplesmente como "tubo(s) de aço-carbono". 6.1.2 Avaliação de Manutenção
AGRUPAMENTO PARA EFEITO DE CERTIFICAÇÃO Após a concessão do Certificado de Conformidade, o OCP deve programar
Para certificação do objeto deste RAC, aplica-se o conceito de família, conforme novas auditorias e ensaios, para constatar se as condições técnico-organizacionais que
definido no item 4.1 deste RAC. originaram a concessão inicial da certificação continuam sendo mantidas.

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 47 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200047 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

6.1.2.1 Auditoria de Manutenção 6.2.3.3 Definição do Laboratório


Os critérios para auditoria de manutenção do SGQ devem seguir os requisitos A definição do laboratório deve seguir o estabelecido no RGCP.
descritos no RGCP. 6.2.4 Emissão do Certificado de Conformidade
6.1.2.1.1 O OCP deve programar e realizar as auditorias de manutenção até o 6.2.4.1 Os critérios para emissão do Certificado de Conformidade devem seguir as
fim de cada período de 12 (doze) meses, contados a partir da emissão do Certificado de condições descritas no RGCP.
Conformidade. 6.2.4.2 No Certificado de Conformidade, o(s) modelo(s) da família devem ser
6.1.2.1.2 O OCP deve verificar, durante a auditoria, se os ensaios de rotina notados conforme descrito no item 6.1.1.6.2 deste RAC.
foram realizados pelo fabricante conforme os requisitos descritos no item 6.1.1.3.2 deste 7. TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES
RAC. Os critérios para tratamento de reclamações devem seguir as condições descritas
6.1.2.1.3 O OCP deve avaliar, ainda, o procedimento e registro de qualificação no RGCP.
descrito na alínea "d" do item 6.1.1.1.1 deste RAC, quando aplicável. 8. ATIVIDADES EXECUTADAS POR OCP ACREDITADO POR MEMBRO DO MLA DO
6.1.2.2 Plano de ensaios de Manutenção IAF
Os ensaios de manutenção devem ser realizados até o fim de cada período de Os critérios para atividades executadas por OCP acreditado por membro do MLA do
12 (doze) meses, contados a partir da emissão do Certificado de Conformidade, ou sempre IAF devem seguir os requisitos estabelecidos no RGCP.
que existirem fatos que recomendem a realização antes deste período, em amostras 9. TRANSFERÊNCIA DA CERTIFICAÇÃO
coletadas no comércio. Um plano de ensaios deve ser elaborado em conformidade ao Os critérios para transferência da certificação devem seguir os requisitos
estabelecido no RGCP. estabelecidos no RGCP.
6.1.2.2.1 Definição dos ensaios a serem realizados 10. ENCERRAMENTO DA CERTIFICAÇÃO
6.1.2.2.1.1 As verificações e ensaios de manutenção são os estabelecidos na Os critérios para encerramento da certificação devem seguir os requisitos
Tabela B.1 do Anexo B deste RAC. estabelecidos no RGCP.
6.1.2.2.1.2 A metodologia das verificações e ensaios descritos no Anexo B está 11. SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE
indicada no RTQ. Os critérios gerais para o Selo de Identificação da Conformidade estão
6.1.2.2.2 Definição da amostragem de manutenção contemplados no RGCP e no Anexo III.
6.1.2.2.2.1 A definição da amostragem deve seguir os requisitos estabelecidos 12. AUTORIZAÇÃO PARA USO DO SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE
no RGCP. Os critérios para Autorização Para Uso do Selo de Identificação da Conformidade
6.1.2.2.2.2 A amostragem de manutenção deve obedecer aos critérios devem atender às condições descritas no RGCP.
estabelecidos no item A.2 do Anexo A deste RAC. 13. RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES
6.1.2.2.3 Definição do Laboratório Os critérios para responsabilidades e obrigações devem seguir o descrito no
Os critérios para a definição do laboratório devem seguir o estabelecido no RGCP.
subitem 6.1.1.4.3. 14. ACOMPANHAMENTO NO MERCADO
6.1.2.3 Tratamento de não conformidades na etapa de avaliação de Os critérios para acompanhamento no mercado devem seguir as condições
manutenção descritas no RGCP.
Os critérios para tratamento de não conformidades na etapa de avaliação de 15. PENALIDADES
manutenção devem seguir as condições descritas no RGCP e no item B.2 do Anexo B deste Os critérios para aplicação de penalidades devem seguir as condições descritas no
RAC. RGCP.
6.1.2.4 Confirmação da Manutenção 16.DENÚNCIAS
Os critérios de confirmação da manutenção devem seguir o estabelecido no Os critérios para envio de denúncias, reclamações e sugestões devem seguir o
RGCP. disposto no RGCP.
6.1.3 Avaliação de Recertificação ANEXO A - AMOSTRAGEM PARA CERTIFICAÇÃO MODELO 5
Os critérios para a avaliação da recertificação devem seguir as condições A.1. Amostra para Ensaio Inicial
descritas no RGCP. O prazo para conclusão da recertificação é de 3 (três) anos contados da A.1.1 A amostragem inicial da família será de, no mínimo, 13 tubos de aço-carbono,
data de emissão do Certificado de Conformidade. respeitando o mínimo de um tubo para cada diâmetro fabricado. De cada tubo, deverão ser
6.2 Certificação modelo 1b retiradas 3 (três) amostras:
6.2.1 Solicitação da Certificação - 1 (uma) amostra de prova (de uma extremidade);
6.2.1.1 O fornecedor deve encaminhar uma solicitação formal ao OCP na qual - 1 (uma) amostra de contraprova (da outra extremidade); e
devem constar, juntamente com a documentação prescrita no RGCP e no item 6.1.1.1.1 - 1 (uma) amostra testemunha (do meio do tubo).
deste RAC, o número das corridas ou lote de fabricação que compõem o lote de A.1.2 Para famílias com mais de 13 diâmetros, a quantidade de tubos de aço-
certificação. carbono deve ter o total de diâmetros fabricados.
6.2.2 Análise da Solicitação e da Conformidade da Documentação A.1.3 Para famílias com menos de 13 diâmetros, o OCP deve dividir
Os critérios de Análise da Solicitação e da Conformidade da Documentação proporcionalmente os 13 tubos de aço-carbono pelo total de diâmetros do escopo. Se a divisão
devem seguir os requisitos estabelecidos no RGCP. não for exata, deve-se adicionar mais tubos até a divisão exata.
6.2.3 Plano de Ensaios A.1.4 Devem ser realizadas todas as verificações e ensaios descritos no Anexo B
Os critérios do Plano de Ensaios devem seguir os requisitos estabelecidos no deste RAC para cada tubo de aço-carbono amostrado.
RGCP. A.1.5 O comprimento de cada amostra cortada dos tubos de aço-carbono deve ser
6.2.3.1 Definição de ensaios a serem realizados o estabelecido na Tabela A.1 a seguir:
Os ensaios devem ser executados sobre amostras do produto, por família, Tabela A.1 - Tamanho da amostra dos tubos de aço-carbono
conforme especificado na Tabela 1 deste RAC.
6.2.3.2 Definição da amostragem . Diâmetro Externo Comprimento da amostra
6.2.3.2.1 Para definição da amostragem para a realização dos ensaios de . Até 60,3 mm 1,5 m
certificação por lote, deve ser utilizado o Plano de Amostragem Simples - Normal, Nível de Entre 60,3 mm e 219,1 mm 0,7 m
Inspeção II e Nível de Qualidade Aceitável - NQA de 0,40, descritos na norma ABNT NBR
.

Acima de 219,1 mm 0,3 m


5426, exceto onde indicado na Tabela 1 deste RAC.
.

6.2.3.2.2 No caso de importação fracionada, a coleta da amostra somente deve A.1.6 Exclusivamente para a certificação pelo modelo 5, se no escopo do fabricante
ser realizada após o recebimento de todo o lote de certificação. contiver tubos de aço-carbono grau A, grau B e grau C, a certificação no grau B vale também
6.2.3.2.3 O critério para aceitação ou rejeição é o definido na Norma ABNT NBR para o grau C e para o grau A. A certificação no grau C vale também para o grau B e para o grau
5426, para o nível de inspeção e NQA descritos na Tabela 1 deste RAC.
1_MECON_13936923_001

A. Porém, a certificação no grau A não vale para o grau B nem para o grau C.
A.2 Amostra para os ensaios de manutenção
A.2.1 A amostragem deve ser realizada conforme previsto no RGCP.
A.2.1.1 Quando não for possível coletar amostras de todos os diâmetros da família
no período da validade do Certificado de Conformidade, os diâmetros dos produtos não
ensaiados serão excluídos do certificado até que haja possibilidade de ensaiar, com aprovação,
os mesmos.
A.2.2 A amostra para a manutenção da certificação deve se dar de acordo com o
previsto no item A.1 deste Anexo.
A.2.3 A amostragem de manutenção deve prever um rodízio de diâmetros, de
modo que uma parte menor dos tubos de aço-carbono amostrados seja de diâmetros já
ensaiados e outra parte seja de diâmetros ainda não ensaiados.
ANEXO B - ENSAIOS E VERIFICAÇÕES PARA CERTIFICAÇÃO MODELO 5
B.1 Os ensaios e verificações de acordo com o RTQ para tubos de aço-carbono para
usos comuns e de tubos de aço-carbono para usos em altas temperaturas, devem ser
realizados de acordo com a Tabela B.1 a seguir: 1_MECON_13936923_002

Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico 48 Documento assinado digitalmente conforme MP nº 2.200-2 de 24/08/2001,
http://www.in.gov.br/autenticidade.html, pelo código 05152021102200048 que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Seção 1 ISSN 1677-7042 Nº 200, sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Onde:
1 = Avaliação efetuada em laboratório selecionado de acordo com o RGCP.
Excepcionalmente, somente para os ensaios de rotina, pode ser utilizado o laboratório
da fábrica como 1ª opção.
2 = Avaliação poderá ser realizada na própria fábrica, desde que haja a
infraestrutura adequada (profissionais capacitados, equipamentos e instrumentos
calibrados), com acompanhamento do OCP. Caso não seja possível a realização neste
local, a avaliação deverá ser realizada conforme previsto em 1.
3 = Excepcionalmente, a avaliação de defeitos por END no produto pronto
pode ser substituída pela realização de avaliação documental/verificação dos controles
do processo de fabricação e acompanhamento do ensaio realizado pelo fabricante
sobre os tubos diretamente na linha de produção.
B.2 Critério de aceitação e rejeição
B.2.1 A reprovação nos ensaios, tanto para a amostragem de prova quanto
para a amostragem de contraprova ou testemunha, se caracteriza quando ao menos 1
(um) dos ensaios descritos nas Tabela B.1 do Anexo B deste RAC, em uma única
amostra, apresentar resultado não conforme.
B.2.1.1 Os ensaios e inspeções a serem realizados na amostra de
contraprova e na amostra testemunha variam de acordo com a não conformidade
detectada na amostra de prova, conforme Tabela B.2 deste RAC.
B.2.2 Quando a não conformidade evidenciada nos ensaios/inspeções for
relativa à documentação, quanto à remoção do cordão (rebarba) de solda, acabamento,
defeitos superficiais que não comprometam a espessura mínima e/ou marcações
obrigatórias, o fornecedor, desde que seja considerada a viabilidade pelo OCP, pode
efetuar as correções necessárias e submeter novamente a família às inspeções e
ensaios.
B.2.2.1 As não conformidades nas amostras (de prova, contraprova ou
testemunha), derivada de inspeções documentais, visuais e/ou dimensionais são
reprobatórias quando ultrapassarem os limites estabelecidos nos requisitos do RTQ
vigente para o produto.
Tabela B.2 - Tabela de verificações e ensaios para a amostra de contraprova
e amostra testemunha (aplicável aos ensaios iniciais, de manutenção e de
recertificação)
. Verificações e Ensaios Verificações e Ensaios na amostra de contraprova ou
na amostra de prova testemunha
(conforme Tabela B.1) (conforme Tabela B.1)
.

. Especificação (5.1.1) - Especificação (5.1.1)


. Dimensões, massa e - Dimensões, massa e tolerância (5.1.2 e 5.1.3)
tolerância (5.1.2 e
5.1.3)
. Composição Química - Composição Química (5.1.4)
(5.1.4)
. Processos de fabricação - Processos de fabricação (5.1.5); e
(5.1.5) - Estanqueidade à pressão hidrostática ou, opcionalmente,
avaliação de defeitos por ensaio não destrutivo (para tubos
tipo "S") - (5.2.4/ 5.2.5); ou
- Estanqueidade à pressão hidrostática e avaliação de
defeitos por ensaio não destrutivo (para tubos tipo "E") -
(5.2.4);
. Tratamento térmico - Processos de fabricação (5.1.5); e
(5.1.5) - Ensaio metalográfico (micrografia)
. Revestimento protetor - Revestimento protetor de zinco (5.1.6) ANEXO III
de zinco (5.1.6)
. Defeitos superficiais e - Defeitos superficiais e acabamento (5.1.7); e SELO DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE
acabamento (5.1.7) - Dimensões, massa e tolerância (5.1.2 e 5.1.3) 1. O Selo de Identificação da Conformidade deve ser gravado de forma visível,
. Marcação (5.1.8) - Marcação (5.1.8) legível e indelével em todos os tubos de aço-carbono.
. Resistência à tração - Resistência à tração (5.2.1); e 2. O Selo de Identificação da Conformidade deve possuir altura mínima igual ou
(5.2.1) - Dobramento ou Achatamento (5.2.2 / 5.2.3) maior que 4 mm e igual ou maior que a altura das demais marcações presentes no tubo.
Dobramento - Dobramento (5.2.2); e O número de Registro no Inmetro deve estar marcado no formato XXXXXX/Ano, conforme
Figuras 1 e 2.
.

- Resistência à tração (5.2.1)


Achatamento - Achatamento (5.2.3); e 3. O Selo de Identificação da Conformidade a ser aplicado nos tubos pode ser
o de tamanho normal ou o de tamanho reduzido (excepcionalmente), respectivamente
.

- Resistência à tração (5.2.1)


Estanqueidade à pressão - Processos de fabricação (5.1.5); e mostrados nas Figuras 1 e 2 a seguir, em complemento ao requisito de marcação
estabelecido no RTQ vigente.
.

hidrostática - Estanqueidade à pressão hidrostática (5.2.4) 1_MECON_13936923_004

. Avaliação de defeitos - Processos de fabricação (5.1.5); e


por END - Avaliação de defeitos por END (5.2.5) - (*)
. (*) Nota: Excepcionalmente, a avaliação de defeitos por END no produto pronto pode
ser substituída pela realização de avaliação documental/verificação dos controles do
processo de fabricação e acompanhamento do ensaio realizado pelo fabricante sobre
os tubos diretamente na linha de produção.

ANEXO C - MEMORIAL DESCRITIVO


O Memorial Descritivo dos objetos contemplados por este RAC a ser
apresentado pelo fornecedor ao OCP deve conter, no mínimo:
a) a razão social do fabricante;
b) a razão social do fornecedor, caso este não seja o fabricante;
c) nome fantasia do fornecedor, quando aplicável;
d) o processo de fabricação simplificado;
e) a família do produto;
f) razão