Você está na página 1de 11

A Psicanálise

E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA

Educação
Fundamentos Psicológicos
da Educação
Ana Gondra, Luís Gustavo, Wictor Matheus
O Filme

 Sigmund Freud nasceu em 1856 na Antiga


Morávia, atual República Checa e faleceu em
Londres em 1939

 Data de lançamento: 12 de dezembro de 1962


(EUA)

 Diretor: John Huston

 Sigmund Freud (Montgomery Clift)

 Cecily Koertner (Susannah York)


A Obra: Parte I
 Introdução da Obra: “Três Grandes Golpes
afetaram nossa vaidade”

 Viena, 1885. “Histeria é sinônimo de Mentira” (Dr.


Meynert)

 Intercâmbio para a França, estudo sobre


hipnotismo sob orientações do Dr. Charcot

 As identificações de Freud e Breuer

 Apresentação do caso de Cecily e a explicação


de Breuer negando a divisão das mentes no
estágio inconsciente

 “Deixe a noite o que a ela pertence”


 O filho do capitão e o primeiro contato de Freud
A Obra: com…

Parte II  “traia-nos, precisamos de um traidor”

 Desenvolvimento do caso de Cecily

 A ineficácia do Hipnotismo

 “Como você pode se interessar por isso?” (Martha


Freud)

 O engano de Freud influenciado por uma má


interpretação do seu sonho

 O caso de Cecily nas mãos de Freud, a eficácia


do método catártico e a conclusão da sua teoria.
Método Psicanalítico

 Associação Livre: Consiste no encorajamento


da exteriorização dos problemas dos pacientes,
que estariam confortáveis no divã.

 Desenvolvido entre 1892 e 1898, por Sigmund


Freud(1856-1939)
Teoria topográfica psíquica

 Primeira Tópica
Consciência

Pré-Consciência

Inconsciência

 Segunda Tópica

Id

Ego

Superego
Fases do Desenvolvimento
Período de
Fase Oral Fase Anal Fase Fálica Fase Genital
Latência

• O bebê sente • Fase confusa, • Onde • Majoritariamente • O retorno da


prazer onde o indivíduo percebem a dedicado ao energia sexual
oralmente e aprende o diferença dos desenvolvimento atrelada aos
se satisfaz ao controle sobre o órgãos genitais, cognitivo. órgãos genitais,
se alimentar esfíncter e ocorrendo a Ambos os
sugando os recebe elogios inveja do gêneros estão
alimentos, por parte de falo(no caso de conscientes de
também seus não o suas
explora o seu responsáveis, possuírem) e de identidades
mundo entretanto, serem sexuais e em
através da via acha confuso a castrados(caso busca da
oral. relação de nojo possuam). Esta realização de
que os adultos fase também é seus prazeres
têm aos conhecida pelo sexuais.
impulsos “Complexo de
fisiológicos. Édipo”.
A Psicanálise e algumas consequências
práticas para a Educação

 Pode haver uma educação analítica ou uma educação que se inspire no


método psicanalítico?

 Freud não escreveu textos que abordam propriamente o fenômeno da


pedagogia ou da educação. A educação não foi seu objeto de estudo.

 Os determinantes psíquicos que levam o sujeito a ser “um desejante do


saber”.

 A mola propulsora do desenvolvimento intelectual é sexual.

 O campo da transferência: o professor como um objeto do interesse do


aluno. A influência do professor sobre os alunos.
 A neutralidade do analista versus a neutralidade do
educador. O professor e seu papel como
orientador.
 Os efeitos do inconsciente do outro não podem ser
previstos. A previsão é importante na construção de
uma metodologia-pedagógica. Por isso, não pode
haver uma metodologia pedagógica-psicanalítica.
 A ideias freudianas sugerem uma ética que não
pode ser oferecida como um catálogo de
instruções.
 A psicanálise orienta o educador no caminho de
reconhecer os limites do processo pedagógico.
 educador deveria agir de forma menos obcecada
ou neurótica pela imposição de seus pontos de
vista, suas verdades, seus valores morais.
 Anula-se o mestre, como uma autoridade superior,
de saber incontestável e detentor de dispositivos de
rigorosa disciplina.
 O professor precisa compreender que a assimilação
dos conteúdos obedece a disposições
inconscientes favoráveis.
 O fracasso do professor e do aluno pode se dar
devido a fenômenos interpessoais, transferenciais
do que a problemas metodológicos, envolvendo o
material de ensino.
“Antes de Sigmund Freud, o homem acreditava que o que
dizia e fazia era um produto da sua vontade consciente. Mas,
o grande psicólogo demonstrou a existência de outra parte
de nossas mentes que funciona no mais obscuro segredo e
que pode até comandar nossas vidas. Esta é a história de Freud
Numa região tão escura quanto o próprio inferno, o inconsciente
Humano, e de como ele o iluminou.”
Além da Alma, 1962.

CUNHA, M.V. Freud: A psicanálise e Educação. In:


Psicologia da Educação. Rio de Janeiro: Editora
Lamparina, 2008.

SYLVIA, de Chiaro. A psicanálise e suas (im)possíveis


relações com a Educação. In: Fundamentos
Psicológicos do Ensino e da Aprendizagem. Orga.
Carlos Eduardo Monteiro e Sylvia de Chiaro. Recife:
Editora Universitária UFPE, 2012.

Você também pode gostar