Você está na página 1de 5

NOTAS DA AULA Nº01 – Manufatura de Soldagem

NOÇÕES DE ELETRICIDADE APLICADA A SOLDAGEM

1 – Corrente elétrica

Dá-se o nome de corrente elétrica ao movimento ordenado de cargas elétricas de um corpo.

Há dois tipos de corrente elétrica: contínua e alternada.

a) Corrente contínua ( = )

É aquela que circula sempre no mesmo sentido. A fonte fornecedora de corrente (gerador de
solda ou bateria) mantém constante sua polaridade, ou seja, o borne será sempre negativo e o
borne será sempre positivo;

Corrente alternada (- ~)

É aquela que passa através de um corpo sofrendo inversão de sentido em intervalos regulares
de tempo, caminhando primeiro num sentido e depois no outro.

Cada borne ora será negativo, ora será positivo.

Fig. 01

1.1 – Intensidade da corrente elétrica

A corrente elétrica, seja ela alternada ou contínua, pode ter sua intensidade medida. Para
medir a intensidade da corrente, usa-se a unidade de medida chamada ampére, que é
representado pela letra A. Portanto é correto dizer que, num determinado instante, a
intensidade da corrente circulante pelo eletrodo e de 200 A.

1.2 – Tensões elétrica

Já foi visto que corrente elétrico é um movimento ordenado de cargas elétricas através de um
corpo. Essas cargas, porém, não se movem sem que haja uma força atuando sobre elas,
fazendo-as circularem. A essa força atuante, dá-se o nome de tensão elétrica. Portanto, tensão
elétrica é a força que movimenta as cargas elétricas através de um corpo e que tem, como
unidade de medida, o volt, que é representado pela letra V.

Fig. 02

Página 1
NOTAS DA AULA Nº01 – Manufatura de Soldagem

1.3 Resistência elétrica

É a dificuldade que um corpo oferece à passagem da corrente elétrica. Sua unidade de medida
é o ohm, que é representado pela letra grega Ω . Ao atravessar um corpo, a corrente elétrica
encontra dificuldade e gera calor. Esse calor pode ser desejável, como é o caso do chuveiro
elétrico, ou indesejável, como no caso de um mau contato numa conexão elétrica. Na
soldagem elétrica, deve-se evitar o aquecimento indesejável em :

a) Mau contato entre o grampo-terra e a massa;


b) Mau contato entre o cabo elétrico e o porta-eletrodo;
c) Mau contato entre terminais do cabo elétrico e os bornes da máquina;
d) Cabos elétricos danificados;
e) Grampo-terra danificado.

Observação: Ao fazer uma conexão elétrica, deve-se ter o cuidado de executá-la


corretamente, para que não ocorra mau contato e consequente perda de energia elétrica,
gerando aquecimento indesejável.

1.4 - Materiais condutores

São corpos que permitem a passagem da corrente elétrica com relativa facilidade. Os mais
usados são o cobre e o alumínio.

1.5 - Materiais isolantes

São corpos que, dentro de uma determinada faixa de tensão, não permitem a passagem
da corrente elétrica. Os mais usados são a borracha, a mica, a porcelana e a baquelita.

1.6 - Arco elétrico

É a passagem da corrente elétrica de um polo (peça) para outro (eletrodo), desde que seja
mantido entre eles um afastamento conveniente. Esse afastamento, chamado de
comprimento do arco, deve ter aproximadamente o diâmetro do núcleo do eletrodo.

1. Definição de Soldagem

Um grande número de diferentes processos utilizados na fabricação e recuperação de


peças, equipamentos e estruturas é abrangido pelo termo SOLDAGEM. Classicamente, a
soldagem é considerada como um método de união, porém, muitos processos de soldagem ou
variações destes são usados para a deposição de material sobre uma superfície, visando a
recuperação de peças desgastadas ou para a formação de um revestimento com
características especiais.

Página 2
NOTAS DA AULA Nº01 – Manufatura de Soldagem

Algumas definições de soldagem são:

 "Operação que visa obter a união de duas ou mais peças, assegurando, na junta soldada, a
continuidade de propriedades físicas, químicas e metalúrgicas".
 "Operação que visa obter a coalescência localizada produzida pelo aquecimento até uma
temperatura adequada, com ou sem a aplicação de pressão e de metal de adição."
(Definição a adotada pela AWS - American Welding Society).
 “Processo de união de materiais baseado no estabelecimento, na região de contato entre
os materiais sendo unidos, de forças de ligação química de natureza similar às atuantes
no interior dos próprios materiais.”
A figura 1.2 mostra as variáveis envolvidas no processo de soldagem, observa-se que para ter
um bom resultado no processo deve se levar muito em conta principalmente o tipo de
processo utilizado, o material e a sequência de realização da solda.

Fig. 1.2- Varáveis nos processos de soldagem.

2. Formação de uma junta soldada

De uma forma simplificada, uma peça metálica é formada por um grande número de
átomos dispostos em um arranjo espacial característico (estrutura cristalina). Átomos
localizados no interior desta estrutura são cercados por um número de vizinhos mais
próximos, posicionados a uma distância r0, na qual a energia do sistema é mínima, como
mostra a figura 2.1.

Nesta situação, cada átomo está em sua condição de energia mínima, não tendendo a
se ligar com nenhum átomo extra. Na superfície do sólido, contudo, esta situação não se
mantém, pois os átomos estão ligados a menos vizinhos, possuindo, portanto um maior nível
de energia do que os átomos no seu interior. Esta energia pode se reduzida quando os átomos
superficiais se ligam a outros. Assim, aproximando-se duas peças metálicas a uma distância
suficientemente pequena para a formação de uma ligação permanente, uma solda entre as
peças seria formada, como ilustrado na figura 2.2. Este tipo de efeito pode ser obtido, por
exemplo, colocando-se em contato íntimo dois blocos de gelo. Entretanto, sabe-se que isto
não ocorre para duas peças metálicas, exceto em condições muito especiais. A explicação para

Página 3
NOTAS DA AULA Nº01 – Manufatura de Soldagem

isto está na existência de obstáculos que impedem uma aproximação efetiva das superfícies
até distâncias da ordem de r0. Estes obstáculos podem ser de dois tipos básicos:

 As superfícies metálicas, mesmo as mais polidas, apresentam uma grande rugosidade


em escala microscópica e sub-microscópica (figura 2.3).

Mesmo uma superfície com um acabamento cuidadoso apresenta irregularidades da ordem de


50nm de altura, cerca de 200 camadas atômicas. Isto impede uma aproximação efetiva das
superfícies, o que ocorre apenas em alguns poucos pontos de contato, de modo que o número
de ligações formadas é insuficiente para garantir qualquer resistência para a junta.

Figura 2.3 - Representação esquemática da superfície metálica limpa.

Página 4
NOTAS DA AULA Nº01 – Manufatura de Soldagem

Nome : ______________________________________________Data:___________Sem._____

Questões:

1) No que consiste a definição de soldagem quanto à recuperação de peças?


2) Qual a diferença entre materiais condutores e isolantes?
3) Quais as varáveis envolvidas no processo de soldagem e o que devemos levar em
consideração para se obter um bom resultado?
4) Ao fazer uma conexão elétrica, quais os cuidados que devemos ter ao executá-la?
5) Quais são os obstáculos que impedem uma aproximação efetiva das superfícies na
soldagem?
6) Na soldagem quais as considerações mínimas que devemos observar?
7) Cite duas vantagens e desvantagens da solda e justifique a resposta.
8) Como é realizada a soldagem por pressão
9) Quais os dois grupos principais de processos de soldagem?
10) Quais as principais fontes de calor utilizadas nos processos de soldagem?

Página 5

Você também pode gostar