Você está na página 1de 4

Variáveis aleatórias multidimensionais

Variáveis aleatórias multidimensionais: servem para casos onde preciso analisar mais de uma
variável aleatória ao mesmo tempo. Ex.: Salário, escolaridade, numero de filhos e idade de um
indivíduo.

Lembrando que o ômega Ω é o espaço amostral, ou seja, o conjunto de todas as saídas


possíveis de um experimento, exemplo: Se o experimento foi um lançamento de um dado o
ômega será o valor de 1 a 6. E o “w” é o elemento desse espaço amostral, além disso o X é o
conjunto de funções associadas a esses elementos e esse conjunto damos o nome de vetor
aleatório.

Em azul, temos o caso unidimensional, onde um elemento w do espaço amostral está


associado a apenas um valor da reta real. Já em vermelho, temos um elemento w do espaço
real que está associado a 2 variáveis aleatórias no plano real.
Discreto = valores contáveis, por exemplo: número de filhos de uma pessoa e numero de anos
que ela trabalha em uma empresa, ou 2 valores da saída de um dado, etc... Continuo = valores
reais, por exemplo: temperatura e pressão, nível de ureia e nível de glicose de um paciente,
etc.

o primeiro ponto diz que o valor tem que estar entre 0 e 1 e o segundo ponto diz que o
somatório das probabilidades tem que ser 1.
Mesma coisa que o slide anterior só que aqui é para o caso continuo. Em azul, como era para o
caso unidimensional (área embaixo de uma curva) e em vermelho, para o caso bidimensional
(volume embaixo de uma curva).

Caso de variável aleatória discreta, nesse caso ele representou como 0 quando retiramos uma
bola vermelha e 1 uma bola branca. Então, ele monta o quadro com todas a distribuição de
probabilidade (todas os possíveis acontecimentos). Depois disso, ele calculou a probabilidade
de tirar 2 bolas vermelhas que é P(X1=0, X2=0) = (8/13).(7/12) = (56/156) -> (8/13) =
probabilidade de tirar uma bola vermelha de inicio e (7/12) = probabilidade de tirar uma bola
vermelha já tendo retirado uma vermelha. Esse raciocínio segue para o cálculo das outras
probabilidades.
Para ser uma fdp conjunta tem que satisfazer as 2 condições que vimos antes. I) ela satisfaz,
pois é sempre positiva dentro dos intervalos. II) fazendo a integral que vemos ai no vídeo,
vemos que o resultado é = 1, logo ela também satisfaz essa condição, logo temos ai uma fdp
conjunta.

para calcular o que pede o item B, montamos a integral como é vista ali em azul, pois
queremos x <= ½ e y >= 1, logo a integral de x vai de (-inf a ½ ) e a integral de y vai de (1 até
inf). Porém, como o intervalo de x vai de 0 até 1, então temos que o intervalo da integral vai de
(0 até ½ ) e como o intervalo de y vai de 0 até 2 o intervalo vai se (1 até 2), como podemos ver
em vermelho, depois disso vamos apenas fazer as contas e chegar no resultado que é a
probabilidade pedida.

Você também pode gostar