Você está na página 1de 24

Doenças de Notificação Compulsória

• Lei 6259/75 e o Decreto 78.231/76 - Regulamenta a Lei n° 6.259, de


30 de outubro de 1975, que dispõe sobre a organização das ações de
Notificação Compulsória de Doenças Vigilância Epidemiológica, sobre o Programa Nacional de
Imunizações, estabelece normas relativas à notificação compulsória
de doenças, e dá outras providências;
• Lei 6437/77;
• Código Penal Brasileiro;
• Portaria do Ministério da Saúde de consolidação n° 4 de 2017;
Professora Fernanda Barboza • Portaria do Ministério da Saúde de consolidação n° 5 de 2017;

Doenças de Notificação Compulsória Lei 6437/77

• Decreto Legislativo nº 395/09, que aprova o texto revisado do VI - deixar, aquele que tiver o dever legal de fazê-lo, de notificar doença
Regulamento Sanitário Internacional; ou zoonose transmissível ao homem, de acordo com o que disponham as
normas legais ou regulamentares vigentes:

• Decreto nº 7.616, de 17 de novembro de 2011, que dispõe sobre a Pena: advertência e/ou multa;
declaração de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional
(ESPIN) e institui a Força Nacional do Sistema Único de Saúde (FN-
SUS)

Código Penal Brasileiro Objetivos da notificação de doenças


Capítulo III - Crimes contra a saúde pública
- Detectar casos e/ou surtos de doenças para a adoção de ações oportunas e
Omissão de notificação de doença custo-efetivas.

- Aumentar a sensibilidade na confirmação de doenças e agravos de notificação.


Art. 269 - Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja
notificação é compulsória:
- Melhorar a oportunidade no diagnóstico, tratamento, notificação e instituição
de medidas epidemiológicas de controle em caso de doenças e agravos de
Pena: detenção, de seis meses a dois anos, e multa.
notificação.
Lei 6.259/1975
Objetivos da notificação de doenças
Dispõe sobre:
- Ampliar a definição etiológica das doenças.
Organização das
- Detectar doenças emergentes e reemergentes. Programa Nacional
ações de Vigilância
de Imunizações
Epidemiológica
- Fortalecer o sistema de vigilância epidemiológica local.

- Avaliar o impacto das medidas aplicadas. Normas relativas à


notificação dá outras
compulsória de providências
doenças

Lei 6.259/1975
Notificação Compulsória de Doenças
Art. 1º O Ministério da Saúde, coordenará as ações relacionadas com o controle das
doenças transmissíveis, orientando sua execução inclusive quanto:
Art 7º São de notificação compulsória às autoridades sanitárias os casos
suspeitos ou confirmados:
à aplicação da
à vigilância ao programa de
epidemiológica
notificação
imunizações
I - de doenças que podem implicar medidas de isolamento ou
compulsória quarentena, de acordo com o Regulamento Sanitário Internacional.

II - de doenças constantes de relação elaborada pelo Ministério da Saúde,


ao atendimento de para cada Unidade da Federação, a ser atualizada periodicamente.
e à calamidade
agravos coletivos à
pública
saúde

Lei 13979/2020 Lei 13979/2020


QUARENTENA
ISOLAMENTO
restrição de atividades ou separação de pessoas suspeitas de
separação de pessoas doentes ou contaminadas, ou de bagagens, contaminação das pessoas que não estejam doentes, ou de bagagens,
meios de transporte, mercadorias ou encomendas postais afetadas, de contêineres, animais, meios de transporte ou mercadorias suspeitos de
outros, de maneira a evitar a contaminação ou a propagação do contaminação, de maneira a evitar a possível contaminação ou a
coronavírus propagação do coronavírus.
Notificação Compulsória de Doenças Lei 6259/75
Art 8º
§ 1º Na relação de doenças de que trata o inciso II deste artigo será
incluído item para casos de "agravo inusitado à saúde". É dever de todo cidadão comunicar à autoridade sanitária local a
ocorrência de fato, comprovado ou presumível, de caso de doença
transmissível, sendo obrigatória a médicos e outros profissionais de
§ 2º O Ministério da Saúde poderá exigir dos Serviços de Saúde a saúde no exercício da profissão, bem como aos responsáveis por
notificação negativa da ocorrência de doenças constantes da relação de organizações e estabelecimentos públicos e particulares de saúde e
que tratam os itens I e II deste artigo. ensino a notificação de casos suspeitos ou confirmados das doenças
relacionadas em conformidade com o artigo 7º.

Notificação compulsória Notificação compulsória


Art 9º A autoridade sanitária proporcionará as facilidades ao processo de Art 11. Recebida a notificação, a autoridade sanitária é obrigada a proceder à
notificação compulsória, para o fiel cumprimento desta Lei. investigação epidemiológica pertinente para elucidação do diagnóstico e
averiguação da disseminação da doença na população sob o risco.
Art 10. A notificação compulsória de casos de doenças tem caráter sigiloso,
obrigando nesse sentido as autoridades sanitárias que a tenham recebido.
Parágrafo único. A autoridade poderá exigir e executar investigações,
Parágrafo único. A identificação do paciente de doenças referidas neste
artigo, fora do âmbito médico sanitário, somente poderá efetivar-se, em inquéritos e levantamentos epidemiológicos junto a indivíduos e a grupos
caráter excepcional, em caso de grande risco à comunidade a juízo da populacionais determinados, sempre que julgar oportuno visando à
autoridade sanitária e com conhecimento prévio do paciente ou do seu proteção da saúde pública.
responsável.

1. (CESPE 2013) Com relação à vigilância epidemiológica e vigilância em 2. (BIO RIO 2014) Para fins de vigilância epidemiológica, a notificação
saúde, julgue o item. negativa de uma determinada doença é a:
A ficha individual de notificação é preenchida ao haver suspeita de a) não notificação por parte do médicos.
paciente com problema de saúde de notificação compulsória ou de
b) notificação da não ocorrência de casos da doença.
interesse nacional, estadual ou municipal, não devendo ser utilizada para a
realização de notificação negativa. c) notificação da não ocorrência de doenças infectocontagiosas
d) notificação de número de casos abaixo do esperado no período.
Errado e) não notificação mensal do sistema de vigilância epidemiológica.

Letra B
Critérios aplicados no processo de seleção para Critérios aplicados no processo de seleção para notificação de
notificação de doenças: doenças:

1. Magnitude:
Potencial de Vulnerabilidade -
Transcendência disponibilidade de Doenças com elevada frequência, que afetam grandes contingentes
Magnitude - disseminação -
(severidade e instrumentos
elevada frequência transmissibilidade específicos de populacionais, que se traduzem pela incidência, prevalência, mortalidade, anos
relevância)
da doença prevenção e controle potenciais de vida perdidos.

2. Potencial de disseminação:
Regulamento
Compromissos Epidemias, surtos e Expresso pela transmissibilidade da doença, possibilidade de sua disseminação
Sanitário
internacionais agravos inusitados
Internacional por vetores e demais fontes de infecção, colocando sob risco outros indivíduos
ou coletividades.

Critérios aplicados no processo de seleção para notificação de Notificação - Critérios aplicados no processo de seleção para
doenças: notificação de doenças
3. Transcendência: Definido por um conjunto de características apresentadas por 4. Vulnerabilidade:
doenças e agravos, de acordo com sua apresentação clínica e epidemiológica, sendo Referente à disponibilidade de instrumentos específicos de prevenção e
as mais importantes:
controle, permitindo a atuação concreta e efetiva dos serviços de saúde
a) a severidade, medida por taxas de letalidade, hospitalizações e sequelas; com relação a indivíduos ou coletividades.
b) a relevância social, que subjetivamente significa o valor que a sociedade imputa
à ocorrência do evento, em termos de estigmatização dos doentes, medo, a 5. Compromissos internacionais:
indignação, quando incide em determinadas classes sociais; Firmados pelo governo brasileiro, no âmbito de organismos internacionais
c) e a relevância econômica, ou capacidade potencial de afetar o como a OPAS/OMS, que visam empreender esforços conjuntos para o
desenvolvimento, o que as caracteriza como de, mediante as restrições alcance de metas continentais ou até mundiais de controle, eliminação ou
comerciais, perdas de vidas, absenteísmo ao trabalho, custo de diagnóstico e erradicação de algumas doenças.
tratamento.

Notificação Critérios aplicados no processo de seleção para Notificação Critérios aplicados no processo de seleção para
notificação de doenças notificação de doenças

6. Regulamento Sanitário Internacional: 7. Epidemias, surtos e agravos inusitados:


as doenças que estão definidas como de notificação compulsória internacional, todas as suspeitas de epidemia ou de ocorrência de agravo inusitado devem ser
são incluídas, obrigatoriamente, nas listas nacionais de todos os países investigadas e imediatamente notificadas aos níveis hierárquicos superiores,
membros da OPAS/OMS. pelo meio mais rápido de comunicação disponível. Mecanismos próprios de
notificação devem ser instituídos, definidos de acordo com a apresentação
clínica e epidemiológica do evento.
3.(AOCP 2015) Os parâmetros para inclusão de doenças e agravos na lista
• A escolha das doenças e agravos de notificação compulsória obedece
de notificação compulsória devem obedecer alguns critérios, dentre eles: a critérios como magnitude, potencial de disseminação,
transcendência, vulnerabilidade, disponibilidade de medidas de
a) disseminação – contaminação – agravante.
controle, sendo a lista periodicamente revisada, tanto em função da
b) exposição – período de incubação – pré- disposição. situação epidemiológica da doença, como pela emergência de novos
agentes e por alterações no Regulamento Sanitário Internacional.
c) magnitude – transcendência – vulnerabilidade.
d) circulação – parâmetro – responsabilidade. Letra C • Os dados coletados sobre as doenças de notificação compulsória são
incluídos no Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN).
e) abordagem – requisito – confiabilidade.

Sinan - Sistema de Informação de Agravos de Notificação


Alimentado: notificação e investigação de casos de doenças e agravos que
constam da lista nacional de doenças de notificação compulsória.
É facultado a estados e municípios incluir outros problemas de saúde
importantes em sua região, como varicela no estado de Minas Gerais ou
difilobotríase no município de São Paulo.
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/funasa/guia_vig_epi_vol_l.pdf

Finalidade: realizar diagnóstico dinâmico da ocorrência de um evento na


população, indicar riscos aos quais as pessoas estão sujeitas, contribuir para
a identificação da realidade epidemiológica de determinada área geográfica.

Notificação de casos após confirmação

• Preconiza-se para os casos que serão notificados somente após a


confirmação como aids (menores de 13 anos e maiores de 13 anos),
esquistossomose em área não endêmica, hanseníase, gestante HIV
+, leishmaniose tegumentar americana, tuberculose, sífilis
congênita, sífilis em gestante e as doenças relacionadas a saúde do
trabalhador, a utilização da Ficha de Notificação/Investigação
específica para cada agravo.

http://portalsinan.saude.gov.br/images/documentos/Aplicativos/sinan_net/Manual_Normas_e_Rotinas_2_edicao.pdf
Unidades Sentinelas
4. (QUADRIX 2017 adaptada) A febre amarela, no Brasil, apresenta uma ocorrência
endêmica prioritária na região amazônica. No entanto, surtos da doença são Unidades de saúde sentinelas (hospitais que internam doenças infecciosas e
registrados esporadicamente quando o vírus encontra um bolsão de suscetíveis. Brasil, parasitárias) informam diariamente, aos órgãos de vigilância, os seus internamentos e
Ministério da Saúde. Caderno de Atenção Básica n.º 22 – Vigilância em Saúde: atendimentos ambulatoriais.
zoonoses. Brasília: MS, 2009. p. 46. No que diz respeito à epidemiologia dessa
patologia, julgue o item subsequente.
→ detecta-se com rapidez as doenças que necessitam de atenção hospitalar, e estão
Os casos suspeitos requerem a notificação compulsória imediata no território nacional sob vigilância epidemiológica.
e a notificação internacional quando o caso atender os critérios estabelecidos no
regulamento sanitário internacional. Exemplos: Rede de unidades sentinelas que constitui a base para a VE da
Influenza e monitoramento e detecção precoce de surtos de diarreias.
Certo

Portaria de consolidação
n°4/2017 – Doenças de
notificação compulsória

Professora Fernanda Barboza

Portaria de Consolidação do SUS nº 4 Visão Geral da Portaria de Consolidação do SUS nº 4


• Conceitos (Portaria MS/GM 204/ 2016)
• Notificação compulsória (Portaria MS/GM 1.061/2020)
• Notificação compulsória da violência contra a mulher (PRT MS/GM
2406/2004)
• Relação das epizootia de notificação compulsória e suas diretrizes
para notificação (Portaria 782/ 2017)
• Lista Nacional de Notificação Compulsória (anexo 1 do anexo V)
• Anexo 2 - Ficha de notificação de violência contra a mulher
• Anexo 3 - Doenças de notificação em animais
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0004_03_10_2017.html
Portaria de Consolidação n° 5

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0005_03_10_2017.html
Portaria n° 204/2016 (PTRC n° 4)
Art. 1º Este Anexo define a Lista Nacional de Notificação Compulsória
Conceitos importantes de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde
públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do Anexo
1 do Anexo V . (Origem: PRT MS/GM 204/2016, Art. 1º)

Conceitos importantes Conceitos importantes


Art. 2º Para fins de notificação compulsória de importância nacional, serão IV - epizootia: doença ou morte de animal ou de grupo de animais que possa
considerados os seguintes conceitos: apresentar riscos à saúde pública;
I - agravo: qualquer dano à integridade física ou mental do indivíduo, V - evento de saúde pública (ESP): situação que pode constituir potencial
provocado por circunstâncias nocivas, tais como acidentes, intoxicações por ameaça à saúde pública, como a ocorrência de surto ou epidemia, doença ou
substâncias químicas, abuso de drogas ou lesões decorrentes de violências agravo de causa desconhecida, alteração no padrão clínico epidemiológico
interpessoais, como agressões e maus tratos, e lesão autoprovocada; das doenças conhecidas, considerando o potencial de disseminação, a
magnitude, a gravidade, a severidade, a transcendência e a vulnerabilidade,
II - autoridades de saúde: o Ministério da Saúde e as Secretarias de Saúde bem como epizootias ou agravos decorrentes de desastres ou acidentes;
dos Estados, Distrito Federal e Municípios, responsáveis pela vigilância em
saúde em cada esfera de gestão do Sistema Único de Saúde (SUS); VI - notificação compulsória: comunicação obrigatória à autoridade de
saúde, realizada pelos médicos, profissionais de saúde ou responsáveis pelos
III - doença: enfermidade ou estado clínico, independente de origem ou estabelecimentos de saúde, públicos ou privados, sobre a ocorrência de
fonte, que represente ou possa representar um dano significativo para os suspeita ou confirmação de doença, agravo ou evento de saúde pública,
seres humanos; descritos no Anexo 1 do Anexo V , podendo ser imediata ou semanal;

Conceitos importantes Conceitos importantes


VII - notificação compulsória imediata (NCI): notificação compulsória IX - notificação compulsória negativa: comunicação semanal realizada
realizada em até 24 (vinte e quatro) horas, a partir do conhecimento da pelo responsável pelo estabelecimento de saúde à autoridade de
ocorrência de doença, agravo ou evento de saúde pública, pelo meio saúde, informando que na semana epidemiológica não foi identificado
de comunicação mais rápido disponível; nenhuma doença, agravo ou evento de saúde pública constante da
Lista de Notificação Compulsória; e

VIII - notificação compulsória semanal (NCS): notificação compulsória X - vigilância sentinela: modelo de vigilância realizada a partir de
realizada em até 7 (sete) dias, a partir do conhecimento da ocorrência estabelecimento de saúde estratégico para a vigilância de morbidade,
de doença ou agravo; mortalidade ou agentes etiológicos de interesse para a saúde pública,
com participação facultativa, segundo norma técnica específica
estabelecida pela Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS/MS).
Notificação compulsória
Art. 3º A notificação compulsória é obrigatória para os médicos, outros
profissionais de saúde ou responsáveis pelos serviços públicos e
privados de saúde, que prestam assistência ao paciente, em
Notificação Compulsória conformidade com o art. 8º da Lei nº 6.259, de 30 de outubro de 1975.

§ 1º A notificação compulsória será realizada diante da suspeita ou


confirmação de doença ou agravo, de acordo com o estabelecido no
Anexo 1 do Anexo V , observando-se, também, as normas técnicas
estabelecidas pela SVS/MS.

Notificação compulsória Notificação compulsória


• § 2º A comunicação de doença, agravo ou evento de saúde pública de Art. 4º A notificação compulsória imediata deve ser realizada pelo
notificação compulsória à autoridade de saúde competente também profissional de saúde ou responsável pelo serviço assistencial que prestar o
será realizada pelos responsáveis por estabelecimentos públicos ou primeiro atendimento ao paciente, em até 24 (vinte e quatro) horas desse
privados educacionais, de cuidado coletivo, além de serviços de atendimento, pelo meio mais rápido disponível.
hemoterapia, unidades laboratoriais e instituições de pesquisa.
Parágrafo Único. A autoridade de saúde que receber a notificação
• § 3º A comunicação de doença, agravo ou evento de saúde pública de compulsória imediata deverá informa-la, em até 24 (vinte e quatro) horas
notificação compulsória pode ser realizada à autoridade de saúde por desse recebimento, às demais esferas de gestão do SUS, o conhecimento de
qualquer cidadão que deles tenha conhecimento. qualquer uma das doenças ou agravos constantes no Anexo 1 do Anexo V .

Notificação compulsória Disposições finais


Art. 5º A notificação compulsória semanal será feita à Secretaria de Saúde
do Município do local de atendimento do paciente com suspeita ou Art. 7º As autoridades de saúde garantirão o sigilo das informações pessoais
confirmação de doença ou agravo de notificação compulsória. integrantes da notificação compulsória que estejam sob sua
responsabilidade.
Parágrafo Único. No Distrito Federal, a notificação será feita à Secretaria de
Saúde do Distrito Federal.
Art. 8º As autoridades de saúde garantirão a divulgação atualizada dos
dados públicos da notificação compulsória para profissionais de saúde,
Art. 6º A notificação compulsória, independente da forma como realizada, órgãos de controle social e população em geral.
também será registrada em sistema de informação em saúde e seguirá o
fluxo de compartilhamento entre as esferas de gestão do SUS estabelecido
pela SVS/MS.
Disposições finais Portaria 1.061/2020
Art. 9º A SVS/MS e as Secretarias de Saúde dos Estados, do Distrito Federal e • Revoga a Portaria nº 264, de 17 de fevereiro de 2020, e altera a Portaria de
dos Municípios divulgarão, em endereço eletrônico oficial, o número de Consolidação nº 4/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir a
telefone, fax, endereço de e-mail institucional ou formulário para notificação doença de Chagas crônica, na Lista Nacional de Notificação Compulsória de
compulsória. doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos
e privados em todo o território nacional.
Art. 10. A relação das doenças e agravos monitorados por meio da estratégia
de vigilância em unidades sentinelas e suas diretrizes constarão em ato
específico do Ministro de Estado da Saúde.

Art. 11. A relação das epizootias e suas diretrizes de notificação constarão


em ato específico do Ministro de Estado da Saúde.
Imediata SMS Imediata SMS + SES Imediata SMS + SES + MS Imediata SMS + SES + MS
Acidente de trabalho: grave, fatal e C Eventos adversos graves ou óbitos pós-vacinação / Evento de Saúde Pública (ESP) que se constitua ameaça à saúde
Botulismo pública (ver definição no Art. 2º desta portaria)
em crianças e adolescentes oqueluche
Acidente por animal peçonhento Difteria Cólera Febre Amarela
Acidente por animal Febre de Chikungunya em áreas sem transmissão + óbito
potencialmente transmissor da Doença de Chagas Aguda Dengue - Óbitos Febre do Nilo Ocidental e outras arboviroses
raiva
Febre Maculosa e outras Riquetisioses
Doenças com suspeita de disseminação Hantavirose
Leptospirose Doença Invasiva por "Haemophilus intencional: a. Antraz pneumônico b.
Influenza" Tularemia c. Varíola Influenza humana produzida por novo subtipo viral

Doenças febris hemorrágicas Malária na região extra Amazônica


Tétano: a. Acidental b. Neonatal Doença Meningocócica e outras emergentes/reemergentes: a. Arenavírus Poliomielite por poliovirus selvagem
meningites b. Ebola c. Marburg d. Lassa e. Febre Peste
purpúrica brasileira
Raiva humana
Violência sexual e tentativa de Doença aguda pelo vírus Zika em Óbito com suspeita de doença pelo vírus
Síndrome da Rubéola Congênita
suicídio gestante Zika
Doenças Exantemáticas: a. Sarampo b. Rubéola
Febre Tifoide
Síndrome da Paralisia Flácida Aguda
Varicela - caso grave internado ou
óbito Síndrome Respiratória Aguda Grave associada a Coronavírus a. SARS-CoV b. MERS- CoV
Notificação semanal
Acidente de trabalho com exposição a material biológico
Dengue - Casos Notificação semanal
Doença de Chagas Crônica Intoxicação Exógena (por substâncias químicas, incluindo agrotóxicos, gases tóxicos e metais
Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ) pesados)
Doença aguda pelo vírus Zika Leishmaniose Tegumentar Americana + Leishmaniose Visceral
Malária na região amazônica
Esquistossomose
Óbito: a. Infantil b. Materno
Febre de Chikungunya
Sífilis: a. Adquirida b. Congênita c. Em gestante
Hanseníase
Toxoplasmose gestacional e congênita
Hepatites virais Tuberculose
HIV/AIDS - Infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana ou Síndrome da Imunodeficiência Violência doméstica e/ou outras violências
Adquirida
Infecção pelo HIV em gestante, parturiente ou puérpera e Criança exposta ao risco de
transmissão vertical do HIV
Origem: PRT MS/GM 782/2017
Art. 17. Este Capítulo define a relação das epizootias de notificação
compulsória e suas diretrizes para notificação em todo o território nacional.
Relação das Epizootia de Notificação
Art. 18. A comunicação de doença, agravo ou evento de saúde pública de
Compulsória e suas Diretrizes para notificação compulsória à autoridade de saúde competente será realizada por
profissionais de saúde ou responsáveis pelos serviços públicos e privados de
Notificação saúde, além de estabelecimentos públicos ou privados educacionais, unidades
laboratoriais e instituições de pesquisa.
Parágrafo Único. A comunicação de doença, agravo ou evento de saúde
pública de notificação compulsória pode ser realizada à autoridade de saúde
por qualquer cidadão que deles tenha conhecimento ou por estabelecimentos
públicos ou privados relacionados ao manejo de animais, na forma do Anexo 3
do Anexo V.

Origem: PRT MS/GM 782/2017 I. Lista das doenças de notificação compulsória imediata,
Art. 19. As autoridades de saúde garantirão a divulgação atualizada dos
com base na vigilância animal
dados públicos da notificação compulsória para profissionais de saúde,
órgãos de controle social e população em geral. 1 Febre Amarela
Art. 20. A SVS/MS, as Secretarias de Saúde dos Estados, do Distrito Federal e 2 Raiva
dos Municípios divulgarão, em endereço eletrônico oficial, o número de 3 Febre do Nilo Ocidental
telefone, fax, endereço de e-mail institucional ou formulário para notificação
compulsória. Outras arboviroses de importância em saúde pública (Encefalomielite
4
Art. 21. A SVS/MS publicará normas complementares relativas aos fluxos,
Equina do Oeste, do Leste e Venezuelana, Oropouche, Mayaro)
prazos, instrumentos, definições de casos suspeitos e confirmados, 5 Peste
funcionamento dos sistemas de informação em saúde e demais orientações
técnicas para o cumprimento e operacionalização deste Capítulo. 6 Influenza

II. Eventos de saúde pública (ESP), Epizootias de


notificação compulsória imediata:
1 Morte de primatas não humanos
2 Morte ou adoecimento de cães e gatos com sintomatologia neurológica
3 Morte de aves silvestres
4 Morte ou adoecimento de equídeos com sintomatologia neurológica
5 Morte de canídeos silvestres
6 Morte de quirópteros em áreas urbanas
7 Morte de roedores silvestres em áreas de ocorrência de peste
8 Morte de animais silvestres sem causa conhecida
Consolidação n° 5 (PRT 205/2016)
Art. 320. Esta Seção define a lista nacional de doenças e agravos, na
Consolidação n° 5 (Origem Portaria 205/2016) forma do Anexo XLIII , a serem monitorados por meio da estratégia de
vigilância em unidades sentinelas e suas diretrizes. (Origem: PRT MS/GM
205/2016, Art. 1º)
Da Lista Nacional de Doenças e Agravos a Serem
Monitorados por meio da Estratégia de Vigilância em Art. 321. Para efeito desta Seção considera-se vigilância sentinela o
Unidades Sentinelas e suas Diretrizes modelo de vigilância realizada a partir de estabelecimento de saúde
estratégico para a vigilância de morbidade, mortalidade ou agentes
etiológicos de interesse para a saúde pública, com participação
facultativa, segundo norma técnica específica estabelecida pela
Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS/MS). (Origem: PRT MS/GM
205/2016, Art. 2º)

Consolidação n° 5 (PRT 205/2016) Consolidação n° 5 (PRT 205/2016)

Art. 322. As autoridades de saúde garantirão o sigilo das informações Art. 323. As autoridades de saúde garantirão a divulgação atualizada
pessoais integrantes da notificação compulsória, que estejam sob sua dos dados públicos da notificação compulsória para profissionais de
responsabilidade, conforme preconiza a Lei nº 12.527, de 18 de saúde, órgãos de controle social e população em geral. (Origem: PRT
novembro de 2011. (Origem: PRT MS/GM 205/2016, Art. 3º) MS/GM 205/2016, Art. 4º)

Art. 324. A SVS/MS, as Secretarias de Saúde dos Estados, do Distrito


Federal e dos Municípios divulgarão, em endereço eletrônico oficial, o
número de telefone, fax, endereço de e-mail institucional ou formulário
para notificação compulsória. (Origem: PRT MS/GM 205/2016, Art. 5º)

Lista Nacional de Doenças e Agravos a serem monitorados pela Lista Nacional de Doenças e Agravos a serem monitorados pela
Estratégia de Vigilância Sentinela Estratégia de Vigilância Sentinela
DOENÇA OU AGRAVO
I. Vigilância em Saúde do Trabalhador
II. Vigilância de doenças de transmissão respiratória
• Câncer relacionado ao trabalho
• Dermatoses ocupacionais • Doença pneumocócica invasiva
• Lesões por Esforços Repetitivos/Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao • Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)
Trabalho (LER/DORT)
• Perda Auditiva Induzida por Ruído - PAIR relacionada ao trabalho • Síndrome Gripal (SG)
• Pneumoconioses relacionadas ao trabalho
• Transtornos mentais relacionados ao trabalho
Lista Nacional de Doenças e Agravos a serem monitorados pela
Lista Nacional de Doenças e Agravos a serem monitorados pela
Estratégia de Vigilância Sentinela
Estratégia de Vigilância Sentinela

DOENÇA OU AGRAVO IV. Vigilância de doenças sexualmente transmissíveis


III. Vigilância de doenças de transmissão hídrica e/ou alimentar
• Síndrome do Corrimento Uretral Masculino
• Rotavírus
• Doença Diarreica Aguda
• Síndrome Hemolítica Urêmica V. Síndrome neurológica pós infecção febril exantemática

http://www.saude.gov.br/boletins-epidemiologicos http://formsus.datasus.gov.br/site/formulario.php?id_aplicacao=432
6. (Pref. Guarulhos - 2019 - VUNESP) Assinale a alternativa que está de acordo
5. (FCC 2017) De acordo com o Ministério da Saúde, os casos de sífilis com a Portaria no 204/2016 do Ministério da Saúde.
adquirida, congênita ou em gestantes, são de Notificação (A) A notificação compulsória de doenças é obrigatória para qualquer cidadão
que tenha dela conhecimento.
a) Facultativa.
(B) Epizootia é a morte de animal ou grupo de animais, por doenças adquiridas
b) Compulsória Semanal. em contato com o homem.
c) Compulsória Automática. (C) A notificação compulsória semanal, à semelhança do Distrito Federal, será
feita à Secretaria de Saúde do Estado do local de atendimento do paciente.
d) Compulsória Negativa. Letra B
(D) As autoridades de saúde garantirão que não haverá sigilo das informações
e) Seletiva. pessoais, integrantes da notificação compulsória, que estejam sob sua
responsabilidade.
(E) Fica instituído o serviço de notificação compulsória de violência contra a
mulher cuja ficha será utilizada em todo o território nacional.
Letra E

7. (CESPE 2011) Considerando que, no Brasil, existem doenças de alta 8. (CESGRANRIO 2017) Uma notificação compulsória imediata deve ocorrer num
contagiosidade e características epidemiológicas diferenciadas, sendo prazo que se inicia no momento do primeiro atendimento ao paciente e termina
algumas dessas doenças imunopreveníveis e outras, de notificação a) 24 horas após esse primeiro atendimento
compulsória, julgue o item que se segue.
b) 50 minutos após a chegada de uma ambulância
Apesar de ser uma doença altamente contagiosa, a varicela não é de
c) 12 horas após o atendimento prestado por um médico Letra A
notificação compulsória em casos isolados.
d) 30 minutos após esse primeiro atendimento
e) 36 horas após o atendimento prestado por um médico
Varicela - caso grave internado ou óbito
Certo

9. (IBFC 2017) No Brasil, são doenças de notificação compulsória imediata: 10. (IF CE 2017) São doenças de Notificação Compulsória no Brasil, exceto
a) hantavirose.
A) Síndrome da Rubéola Congênita, Sífilis adquirida, congênita e em gestante b) coqueluche.
B) Tétano, Toxoplasmose Gestacional e Congênita
c) esquistossomose.
C) Raiva Humana, Sarampo e Rubéola
D) Tuberculose, Leishmaniose Visceral e Leishmaniose Tegumentar Americana d) shigelose. Letra D
E) HIV/AIDS - Infecção pelo Vírus da Imunodefciência Humana ou Síndrome da e) leptospirose.
Imunodefciência Adquirida, Hepatites Virais e Hanseníase

Letra C
12. (CONSULPLAN TRF 2ª REGIÃO 2017) “A notificação compulsória é a
11. (UEM 2017)São consideradas doenças de notificação compulsória imediata: comunicação obrigatória à autoridade de saúde, realizada pelos médicos,
a) Varíola, Febre Amarela, Dengue, Febre Maculosa. profissionais de saúde ou responsáveis pelos estabelecimentos de saúde, públicos
b) Botulismo, Cólera, Coqueluche, Difteria, Sarampo. ou privados, sobre a ocorrência de suspeita ou confirmação de doença, agravo ou
evento de saúde pública.” (Portaria nº 204, de 17 de fevereiro de 2016.)
c) Ebola, Rubéola, Febre Tifoide, Raiva Humana, Sífilis Congênita.
Sobre a periodicidade da notificação das doenças, agravos à saúde estabelecidos
d) Tuberculose, Febre Chikungunya, Tétano Neonatal, Leptospirose.
na Lista Nacional de Notificação Compulsória, afirma-se corretamente que
e) Leishmaniose Visceral, Hepatites Virais, Poliomielite por Poliovírus Selvagem.
a) algumas doenças são de notificação mensal.
Letra C
b) todas as doenças são de notificação semanal.
Letra B c) algumas doenças são de notificação imediata e outras de notificação semanal.
d) quando se aplica, todas as notificações imediatas devem ser realizadas para o
Ministério da Saúde.

13. (NUCEPE 2017) Número de casos e mortes por febre maculosa em 2017 já se iguala a todo Considerando a Portaria GM/MS nº 204/2016, assinale a alternativa CORRETA:
o ano passado [2016], em Piracicaba
O número de casos e morte por febre maculosa nos 06 primeiros meses de 2017 em a) Trata-se de doença de notificação compulsória, o que significa afirmar que todos
Piracicaba (SP) já se iguala às ocorrências da doença na cidade em todo ano passado [2016]. os pacientes evoluem ao óbito, independente do tratamento.
Segundo dados da Prefeitura, foram 04 casos de janeiro a junho, com 02 mortes, neste ano
[2017].
b) Trata-se de doença de notificação compulsória, pois os pacientes devem ser
Na época de estiagem, a tendência é que os casos de febre sejam mais frequentes. Dois dos
doentes contraíram a bactéria (Rickettsia rickettsii) após serem picados por carrapatos no bairro obrigados a realizar o tratamento em isolamento respiratório.
Santa Rita neste ano [2017] na cidade de Piracicaba (SP).
A primeira vítima de febre maculosa, em 2017, foi uma idosa. O segundo caso ocorreu em c) Trata-se de doença de notificação compulsória, pois aparece na lista de doenças
fevereiro [2017], na lagoa bairro Santa Rita. O diagnóstico saiu em tempo de tratamento e o
que devem ser comunicadas às autoridades sanitárias mediante suspeita ou
paciente sobreviveu. Em março deste ano [2017], houve uma terceira vítima, dessa vez com
óbito. Em abril deste ano [2017], mais uma pessoa do Bairro Nova Piracicaba contraiu a febre confirmação do diagnóstico.
maculosa. Tratava-se de um pescador que também soube descrever para o médico detalhes da
rotina de lazer e que indicou a possibilidade de contaminação.
Fonte: http://www.promedmail.org/pt [adaptado].

14. (FCC 2011) Segundo o Ministério da Saúde, para realizar a notificação compulsória o
d) Trata-se de doença de notificação compulsória, pois aparece na lista de profissional de saúde deve levar em consideração que
doenças que devem ser comunicadas às autoridades sanitárias somente mediante a) se deve aguardar a confirmação da doença para efetuar a notificação compulsória.
confirmação do diagnóstico. b) é proibido divulgar a notificação fora do âmbito médico-sanitário, em quaisquer
circunstâncias, respeitando-se o direito de anonimato dos cidadãos.
c) é desnecessário o preenchimento dos instrumentos de coleta nos casos de
e) Não é uma doença de notificação compulsória, pois não aparece na lista de
subnotificação, enquanto o agravo não for confirmado.
doenças que devem ser comunicadas às autoridades sanitárias mediante suspeita
d) o caráter compulsório da notificação implica em responsabilidades formais para
ou confirmação do diagnóstico. todo cidadão e uma obrigação inerente para todo profissional da saúde.
e) a lista de doenças de notificação compulsória, a nível internacional e nacional, é
Letra C estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
Letra D
16. (FGV 2015) A Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde faz parte
das ações de Vigilância desenvolvidas pelo Ministério da Saúde. Sobre as disposições legais
15. (FCC 2015) Constituem agravos à saúde do trabalhador de notificação relacionadas ao processo de notificação, é correto afirmar que:
compulsória em rede de serviços sentinela específica, dentre outros,
a) as dermatoses ocupacionais e o câncer relacionado ao trabalho.
a) agravo é definido como a situação que pode constituir potencial ameaça à saúde pública,
b) a talassemia e o acidente de trabalho fatal. como a ocorrência de surto ou epidemia de causa desconhecida;
c) as lesões por esforços repetitivos e a condromalácia patelar.
d) a perda auditiva induzida por ruído e a hanseníase. b) o modelo de vigilância realizada a partir de estabelecimento de saúde estratégico para a
e) a extrofia de bexiga e o acidente com exposição a material biológico. vigilância de morbidade e mortalidade de interesse para a saúde pública é denominado
vigilância de notificação;

Letra A

Conceitos
c) a notificação compulsória realizada em até 7 (sete) dias, a partir do conhecimento da
ocorrência de doença ou agravo, é denominada notificação compulsória negativa;
AGRAVO
d) os casos de dengue, leishmaniose visceral e hepatites virais fazem parte da lista de
qualquer dano à integridade física ou mental do indivíduo, provocado
por circunstâncias nocivas, tais como acidentes, intoxicações por
doenças ou agravos de notificação compulsória imediata;
substâncias químicas, abuso de drogas ou lesões decorrentes de
violências interpessoais, como agressões e maus tratos, e lesão
e) a notificação compulsória imediata deve ser realizada pelo profissional de saúde ou autoprovocada;
responsável pelo serviço assistencial que prestar o primeiro atendimento ao paciente, em
até 24 horas desse atendimento.

Letra E

Conceitos Conceitos

NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA NEGATIVA VIGILÂNCIA SENTINELA


comunicação semanal realizada pelo responsável pelo estabelecimento modelo de vigilância realizada a partir de estabelecimento de saúde
de saúde à autoridade de saúde, informando que na semana estratégico para a vigilância de morbidade, mortalidade ou agentes
epidemiológica não foi identificado nenhuma doença, agravo ou evento etiológicos de interesse para a saúde pública, com participação
de saúde pública constante da Lista de Notificação Compulsória; e facultativa, segundo norma técnica específica estabelecida pela
Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS/MS).
17. (FCC 2011) Os sistemas de informação têm o objetivo de facilitar a formulação e
d) O encerramento das investigações dos casos suspeitos ou confirmados de
avaliação das políticas e dos planos e programas de saúde, subsidiando o processo
sarampo e rubéola deve ocorrer até o prazo máximo de 60 dias da data de
de tomada de decisões. Em relação ao SINAN, é correto afirmar:
notificação.
a) O número de doenças e agravos contemplados pelo SINAN vem diminuindo
progressivamente desde seu processo de implementação em 1993.
e) A compulsoriedade nacional da notificação vem diminuindo, expressando as
b) A notificação negativa é um instrumento de identificação da ocorrência de semelhanças regionais de perfis de morbidade.
doenças de notificação compulsória na área de abrangência.
Letra C
c) O sistema é alimentado pela notificação e investigação de casos de doenças e
agravos constantes da lista nacional de doenças de notificação compulsória.

18. (CONSULPLAN 2017) A Portaria nº 204/ 2016 define a Lista Nacional de

O caso deve ser encerrado no prazo de até 30 dias a partir do registro Notificação Compulsória nos serviços de saúde públicos e privados em todo o
território nacional, abrange doenças, agravos e eventos de saúde pública que,
tanto no Boletim de Notificação Semanal (BNS) como no Sinan. Caso o
além daqueles de natureza infecciosa, os decorrentes de natureza, EXCETO:
encerramento não aconteça em até 60 dias, o sistema encerrará
a) Autoimunes.
automaticamente esses registros, significando o fato como falho da
b) Intoxicantes. Letra A
vigilância.
c) Decorrentes de vacinação.

d) Decorrentes de atividades de trabalho.


108

19. (CESPE 2015) Acerca do Programa de Prevenção e Controle da 20. (CESPE 2013) Julgue os itens seguintes, relativos às doenças
Tuberculose, julgue o item subsequente. relacionadas ao trabalho e de notificação compulsória.
Com relação às doenças de notificação compulsória, a lei prevê que as
secretarias municipais e estaduais de saúde devem notificar e investigar os Todas as pneumoconioses de origem laboral devem ser comunicadas às
casos de doenças transmissíveis, entre as quais se inclui a tuberculose. autoridades competentes, para controle epidemiológico efetivo.

Certo
Certo
22. (FCC 2018) O Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) é
utilizado para o registro das doenças e agravos de notificação compulsória e
21. (CONSULPLAN TRF 2ª região 2017) A notificação compulsória de
A) é alimentado pela notificação e investigação de casos de doenças e agravos que
doenças, agravos e eventos de saúde pública é obrigatória, além dos constam principalmente em listas específicas de cada estado federado sobre suas
médicos, para, EXCETO: doenças de notificação compulsória.
a) Profissionais da enfermagem. B) não é facultado a municípios incluir outros problemas de saúde importantes em
sua região.
b) Responsáveis por instituições de pesquisa. C) sua utilização efetiva permite a realização do diagnóstico dinâmico da ocorrência
c) Responsáveis por estabelecimentos públicos ou privados educacionais. de um evento na população, podendo fornecer subsídios para explicações causais
dos agravos.
d) Cidadãos que tenham conhecimento da doença, agravo ou evento de D) é um instrumento pouco relevante, dada a sua restrição estrutural, para auxiliar
saúde pública. o planejamento da saúde, definir prioridades de intervenção.
E) não ajuda na disseminação e livre acesso à informação, já que seus dados são
Letra D sigilosos não podendo ser compartilhado com a comunidade.
Letra C

SINAN - Sistema de Informação de Agravos de SINAN


Notificação
• Sua utilização efetiva permite a realização do diagnóstico dinâmico da
Alimentado, principalmente, pela notificação e investigação de casos de ocorrência de um evento na população, podendo fornecer subsídios para
explicações causais dos agravos de notificação compulsória, além de vir a
doenças e agravos que constam da lista nacional de doenças de indicar riscos aos quais as pessoas estão sujeitas, contribuindo assim, para a
notificação compulsória (Portaria de Consolidação nº 4, de 28 de Setembro identificação da realidade epidemiológica de determinada área geográfica.
de 2017, anexo V - Capítulo I), mas é facultado a estados e municípios
incluir outros problemas de saúde importantes em sua região, como • O seu uso sistemático, de forma descentralizada, contribui para a
varicela no estado de Minas Gerais ou difilobotríase no município de São democratização da informação, permitindo que todos os profissionais de saúde
tenham acesso à informação e as tornem disponíveis para a comunidade.
Paulo.
• É um instrumento relevante para auxiliar o planejamento da saúde, definir
prioridades de intervenção, além de permitir que seja avaliado o impacto das
intervenções.

23. (UFG 2018) A notificação às autoridades de saúde dos itens presentes na


Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de
saúde pública,
A) é privativa do médico responsável pelo atendimento, a fim de evitar a
quebra de sigilo profissional.
B) é realizada semanalmente, pois se trata de um dado destinado ao controle
estatístico de longo prazo.
C) deve ser realizada para os casos confirmados com o intuito de não gerar
dados falsos que dificultem a análise de cada situação.
D) é obrigatória para estabelecimentos de saúde pública e privada, inclusive
instituições educacionais, de cuidado coletivo, serviços de hemoterapia,
unidades laboratoriais e instituições de pesquisa.
Letra D
18. (FGV 2015) A Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde faz parte
das ações de Vigilância desenvolvidas pelo Ministério da Saúde. Sobre as disposições legais c) a notificação compulsória realizada em até 7 (sete) dias, a partir do conhecimento da
relacionadas ao processo de notificação, é correto afirmar que: ocorrência de doença ou agravo, é denominada notificação compulsória negativa;

a) agravo é definido como a situação que pode constituir potencial ameaça à saúde pública, d) os casos de dengue, leishmaniose visceral e hepatites virais fazem parte da lista de
como a ocorrência de surto ou epidemia de causa desconhecida; doenças ou agravos de notificação compulsória imediata;

b) o modelo de vigilância realizada a partir de estabelecimento de saúde estratégico para a e) a notificação compulsória imediata deve ser realizada pelo profissional de saúde ou
vigilância de morbidade e mortalidade de interesse para a saúde pública é denominado responsável pelo serviço assistencial que prestar o primeiro atendimento ao paciente, em
vigilância de notificação; até 24 horas desse atendimento.

Letra E

19. (FCC 2011) Os sistemas de informação têm o objetivo de facilitar a formulação e


d) O encerramento das investigações dos casos suspeitos ou confirmados de
avaliação das políticas e dos planos e programas de saúde, subsidiando o processo
sarampo e rubéola deve ocorrer até o prazo máximo de 60 dias da data de
de tomada de decisões. Em relação ao SINAN, é correto afirmar:
notificação.
a) O número de doenças e agravos contemplados pelo SINAN vem diminuindo
progressivamente desde seu processo de implementação em 1993.
e) A compulsoriedade nacional da notificação vem diminuindo, expressando as
b) A notificação negativa é um instrumento de identificação da ocorrência de semelhanças regionais de perfis de morbidade.
doenças de notificação compulsória na área de abrangência.
Letra C

c) O sistema é alimentado pela notificação e investigação de casos de doenças e


agravos constantes da lista nacional de doenças de notificação compulsória.

20. (CONSULPLAN 2017) A Portaria nº 204/ 2016 define a Lista Nacional de

O caso deve ser encerrado no prazo de até 30 dias a partir do registro Notificação Compulsória nos serviços de saúde públicos e privados em todo o
território nacional, abrange doenças, agravos e eventos de saúde pública que,
tanto no Boletim de Notificação Semanal (BNS) como no Sinan. Caso o
além daqueles de natureza infecciosa, os decorrentes de natureza, EXCETO:
encerramento não aconteça em até 60 dias, o sistema encerrará
a) Autoimunes.
automaticamente esses registros, significando o fato como falho da
b) Intoxicantes. Letra A
vigilância.
c) Decorrentes de vacinação.

d) Decorrentes de atividades de trabalho.


102
21. (CESPE 2015) Acerca do Programa de Prevenção e Controle da Tuberculose, julgue
22. (CESPE 2013) Julgue os itens seguintes, relativos às doenças relacionadas ao
o item subsequente.
trabalho e de notificação compulsória.
Com relação às doenças de notificação compulsória, a lei prevê que as secretarias
municipais e estaduais de saúde devem notificar e investigar os casos de doenças
Todas as pneumoconioses de origem laboral devem ser comunicadas às autoridades
transmissíveis, entre as quais se inclui a tuberculose.
competentes, para controle epidemiológico efetivo.

Certo
Certo

23. (CONSULPLAN TRF 2ª região 2017) A notificação compulsória de


• § 2º A comunicação de doença, agravo ou evento de saúde pública de
doenças, agravos e eventos de saúde pública é obrigatória, além dos
notificação compulsória à autoridade de saúde competente também será
médicos, para, EXCETO:
realizada pelos responsáveis por estabelecimentos públicos ou privados
a) Profissionais da enfermagem. educacionais, de cuidado coletivo, além de serviços de hemoterapia,
b) Responsáveis por instituições de pesquisa. unidades laboratoriais e instituições de pesquisa.
c) Responsáveis por estabelecimentos públicos ou privados educacionais.
d) Cidadãos que tenham conhecimento da doença, agravo ou evento de • § 3º A comunicação de doença, agravo ou evento de saúde pública de
saúde pública. notificação compulsória pode ser realizada à autoridade de saúde por
qualquer cidadão que deles tenha conhecimento.
Letra D

107

24. (COMPERVE 2018) A Portaria Nº 204, de 17 de fevereiro de 2016, do Ministério 25. (AOCP 2018) O enfermeiro deve estar atento a algumas doenças que
da Saúde, define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e são de notificação compulsória, a fim de que se possa ter um controle e
eventos de saúde pública. A notificação compulsória é a comunicação obrigatória à rastreamento adequado dessas doenças. Referente ao exposto, são
autoridade de saúde, realizada pelos médicos, profissionais de saúde ou
responsáveis pelos estabelecimentos de saúde, podendo ser imediata ou semanal. doenças de notificação compulsória:
De acordo com essa Portaria, a notificação compulsória A) Hanseníase e Giardíase.
A) semanal deve ser realizada em até 08 dias, a partir do conhecimento da suspeita B) Tuberculose e Lúpus.
de doença ou agravo.
C) Hantavirose e Hanseníase. Letra C
B) imediata deve ser realizada em até 08 horas, a partir da ocorrência da doença ou
agravo, pelo meio de comunicação disponível. D) Hepatite A e Giardíase.
C) semanal deve ser realizada em até 7 dias, a partir do conhecimento da ocorrência
de doença ou agravo. E) Sífilis e Herpes labial.
D) imediata deve ser realizada em até 12 horas, a partir da suspeita da doença ou
agravo, pelo meio de comunicação mais rápido.
Letra C
26. (COTEC 2019) Notificação compulsória é um registro que obriga e
universaliza as notificações, visando ao rápido controle de eventos que 27. (FCC 2018) Compõe a Lista de Notificação Compulsória:
requerem pronta intervenção. As doenças são selecionadas através de A) Síndrome da Paralisia Flácida Aguda.
determinados critérios como: magnitude, potencial de disseminação,
transcedência, vulnerabilidade, disponibilidade de medidas de controle, B) Diabetes Mellitus tipo I.
compromisso internacional com programas de erradicação etc. São doenças C) Doença de Alzheimer.
de notificação compulsória no Brasil, EXCETO: D) Síndrome de Down. Letra A
A) Coqueluche. E) Síndrome de Asperger.
B) Esquistossomose. Letra C
C) Shigelose.
D) Hantavirose.

28. (FCC 2018) O Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) é


utilizado para o registro das doenças e agravos de notificação compulsória e SINAN
A) é alimentado pela notificação e investigação de casos de doenças e agravos que
constam principalmente em listas específicas de cada estado federado sobre suas
doenças de notificação compulsória. • O Sistema de Informação de Agravos de Notificação - Sinan é
B) não é facultado a municípios incluir outros problemas de saúde importantes em
alimentado, principalmente, pela notificação e investigação de casos de
sua região. doenças e agravos que constam da lista nacional de doenças de
C) sua utilização efetiva permite a realização do diagnóstico dinâmico da ocorrência
notificação compulsória (Portaria de Consolidação nº 4, de 28 de
de um evento na população, podendo fornecer subsídios para explicações causais Setembro de 2017, anexo V - Capítulo I), mas é facultado a estados e
dos agravos. municípios incluir outros problemas de saúde importantes em sua
D) é um instrumento pouco relevante, dada a sua restrição estrutural, para auxiliar região, como varicela no estado de Minas Gerais ou difilobotríase no
o planejamento da saúde, definir prioridades de intervenção. município de São Paulo.
E) não ajuda na disseminação e livre acesso à informação, já que seus dados são
sigilosos não podendo ser compartilhado com a comunidade.
Letra C

SINAN 29. (UFG 2018) A notificação às autoridades de saúde dos itens presentes na
Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de
saúde pública,
• Sua utilização efetiva permite a realização do diagnóstico dinâmico da
ocorrência de um evento na população, podendo fornecer subsídios para A) é privativa do médico responsável pelo atendimento, a fim de evitar a
explicações causais dos agravos de notificação compulsória, além de vir a quebra de sigilo profissional.
indicar riscos aos quais as pessoas estão sujeitas, contribuindo assim, para a B) é realizada semanalmente, pois se trata de um dado destinado ao controle
identificação da realidade epidemiológica de determinada área geográfica. O estatístico de longo prazo.
seu uso sistemático, de forma descentralizada, contribui para a
democratização da informação, permitindo que todos os profissionais de C) deve ser realizada para os casos confirmados com o intuito de não gerar
saúde tenham acesso à informação e as tornem disponíveis para a dados falsos que dificultem a análise de cada situação.
comunidade. D) é obrigatória para estabelecimentos de saúde pública e privada, inclusive
instituições educacionais, de cuidado coletivo, serviços de hemoterapia,
• É um instrumento relevante para auxiliar o planejamento da saúde, definir unidades laboratoriais e instituições de pesquisa.
prioridades de intervenção, além de permitir que seja avaliado o impacto das Letra D
intervenções.
30. (IADES 2019) Conforme a Portaria n° 04/2016 do Ministério da Saúde, que
define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos 31. (CESGRANRIO 2018) A Notificação Compulsória é obrigatória a todos os
de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território profissionais de saúde, bem como aos responsáveis por organizações ou
nacional, assinale a alternativa que apresenta apenas doenças ou agravos de estabelecimentos públicos ou particulares de saúde e de ensino.
notificação compulsória semanal. Segundo a Lista Nacional de Notificação Compulsória, um atendimento que deverá
A) Acidente de trabalho com exposição a material biológico, acidente por animal ser reportado ao(s) órgão(s) competente(s) em, no máximo, 24 horas é
peçonhento, esquistossomose. A) acidente de trabalho com exposição a material biológico
B) Acidente de trabalho com exposição a material biológico, acidente por animal B) doença aguda pelo vírus Zica
peçonhento, tuberculose.
C) Acidente por animal peçonhento, esquistossomose, tuberculose. C) infecção pelo HIV em gestante
D) Acidente de trabalho com exposição a material biológico, esquistossomose, D) leishmaniose visceral
tuberculose. E) violência sexual Letra E
E) Acidente por animal peçonhento, esquistossomose, hantavirose.

Letra D

32. (COMPERVE 2019) A Portaria nº 204, de 17 de fevereiro de 2016, do Ministério da Saúde, 33. (IADES 2019) A Portaria n° 04/2016 do Ministério da Saúde define a Lista Nacional de
define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de
pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, e dá outras
providências. Quanto à notificação compulsória imediata, a Portaria estabelece: saúde públicos e privados em todo o território nacional. Acerca dessa Portaria, assinale a
alternativa que indica apenas doenças ou agravos de notificação compulsória imediata.
A) precisa ser realizada o mais breve possível, em até 12 horas do atendimento, pelo profissional
de saúde capacitado em notificação e investigação ou pelo gestor do serviço assistencial, por meio A) Febre amarela, tétano (acidental e neonatal), difteria, doença invasiva por Haemophilus
telefônico. influenza.
B) necessita de confirmação laboratorial para ser realizada pelo profissional de saúde que receber
o resultado do exame do paciente, em até 36 horas desse atendimento, pelo meio mais rápido B) HIV/Aids, hepatites virais, febre amarela, sífilis (adquirida, congênita e em gestante).
disponível. C) Febre amarela, sífilis (adquirida, congênita e em gestante), febre de Chikungunya,
C) deve ser realizada pelo profissional de saúde ou responsável pelo serviço assistencial que difteria.
prestar o primeiro atendimento ao paciente, em até 24 horas desse atendimento, pelo meio mais
rápido disponível. D) Febre amarela, febre de Chikungunya, difteria, doença invasiva por Haemophilus
D) compete ao profissional de saúde que prestar atendimento ao paciente que receber os influenza.
resultados de exames laboratoriais, notificar o agravo ou doença em até 24 horas após esse E) HIV/Aids, hepatites virais, febre amarela, tétano (acidental e neonatal).
atendimento, por meio eletrônico.

Letra C Letra A

Motivação e foco no sucesso!

OBRIGADA!
Fernanda barboza

Você também pode gostar