Você está na página 1de 9

Netter Anatomia para Colorir

John T. Hansen, PhD


Professor of Neurobiology and Anatomy
Associate Dean for Admissions
University of Rochester School of Medicine and Dentistry
Rochester, New York

ARTISTAS

Ilustrações baseadas na coleção de desenhos de Frank H. Netter, MD


www.netterimages.com

Adaptadas para colorir por


Carlos A.G. Machado, MD
e
Dragonfly Media Group
3 Músculos da Parede Anterior do Abdome

Três músculos (oblíquo externo do abdome, oblíquo interno do


abdome e transverso do abdome) envolvem a parede do abdome COLORIR os três músculos nomeados, utilizando diferentes
e são continuações diretas das três camadas musculares cores para cada um deles. Inicie seu trabalho pela camada
encontradas na parede torácica, na qual repousam entre as superficial e, depois, vá para a camada profunda; observe a
costelas e abrangem os músculos intercostais. direção das fibras musculares ao colorir a imagem:
 1. Oblíquo externo do abdome
As funções dos músculos abdominais anteriores incluem:
• Comprimir a parede do abdome e aumentar a pressão intra-  2. Oblíquo interno do abdome
abdominal, especialmente ao se levantar, na ocasião da
 3. Transverso do abdome
micção, defecação e parto
• Auxiliar o diafragma durante a expiração forçada (isto ocorre
inesperadamente ao receber um “soco” na parede anterior do
abdome)
• Ajudar na flexão e na rotação do tronco
• Tensionar a parede do abdome

INSERÇÃO PROXIMAL INSERÇÃO DISTAL AÇÕES


MÚSCULO (ORIGEM) (INSERÇÃO) INERVAÇÃO PRINCIPAIS
Oblíquo externo Faces externas da 5a a 12a costelas Linha alba, tubérculo púbico e meta- Sete nervos torácicos inferiores Compressão e suporte
do abdome de anterior da crista ilíaca das vísceras abdominais;
flexão e rotação do tronco
Oblíquo interno Fáscia toracolombar, dois terços Bordas inferiores da 10a a Ramos anteriores dos seis Compressão e suporte
do abdome anteriores da crista ilíaca e metade 12a costelas, linha alba e púbis (via nervos torácicos inferiores e das vísceras abdominais;
lateral do ligamento inguinal tendão conjunto) primeiro nervo lombar flexão e rotação do tronco
Transverso do Faces internas da 7a a 12a cartilagens Linha alba com aponeurose do Ramos anteriores dos seis Compressão e suporte das
abdome costais, fáscia toracolombar, crista ilíaca músculo oblíquo interno, crista púbica nervos torácicos inferiores e vísceras abdominais
e terço lateral do ligamento inguinal e linha pectínea do púbis (via tendão primeiro nervo lombar
conjunto)
Reto do Sínfise púbica e crista púbica Processo xifoide e cartilagens Ramos anteriores dos seis Flexão do tronco e
abdome costais 5-7 nervos torácicos inferiores compressão das vísceras
abdominais

Dois músculos da linha média (reto do abdome e piramidal)


repousam dentro da bainha do reto, uma bainha tendínea composta CAMADA COMENTÁRIO
de camadas aponeuróticas dos três músculos abdominais coloridos Lâmina anterior acima Formada pelas aponeuroses fundidas dos múscu-
nos números 1-3. As camadas (lâminas) que compõem a bainha da linha arqueada los oblíquo interno e oblíquo externo do abdome
são deficientes na região abaixo da linha arqueada (no quarto Lâmina posterior acima Formada pelas aponeuroses fundidas dos
inferior) da bainha do músculo reto do abdome, onde somente a da linha arqueada músculos oblíquo interno e transverso do abdome
fáscia transversal está em contato com esse músculo. Abaixo da linha As aponeuroses dos três músculos fundem-se para
arqueada formar a lâmina anterior, com o reto do abdome
em contato somente com a fáscia transversal
COLORIR posteriormente
os músculos da linha média da parede abdominal
anterior, utilizando cores diferentes das anteriores:
 4. Reto do abdome (note as três intersecções
tendíneas) Ponto Clínico:
As hérnias, que são extravasamentos anormais de estruturas
 5. Piramidal subjacentes decorrentes de uma fraqueza na parede que as
sustenta, podem ocorrer na parede abdominal anterior. Os tipos
mais comuns incluem:
COLORIR • Hérnias umbilicais – normalmente observada em crianças com
as aponeuroses que se estendem dos músculos
até 3 anos de idade ou em adultos com mais de 40 anos de idade
para formar as camadas da bainha do reto do abdome. Utilize
• Hérnias da linha alba – ocorrem frequentemente na região
cores diferentes daquelas aplicadas nos músculos, mas preste
epigástrica, ao longo da linha alba
atenção nas relações entre estes e as aponeuroses:
• Hérnias incisionais – ocorrem em áreas que contêm cicatrizes
 1A. Aponeurose do músculo oblíquo externo do cirúrgicas abdominais prévias
abdome • Hérnias inguinais – relacionadas ao canal inguinal, na região
inguinal (onde o abdome e a coxa se encontram)
 2A. Aponeurose do músculo oblíquo interno do abdome
 3A. Aponeurose do músculo transverso do abdome

Prancha 3-12 Consulte o Netter Atlas de Anatomia Humana, 4a edição, Pranchas 250 e 252. Sistema Muscular
Músculos da Parede Anterior do Abdome 3

Músculos intercostais

4
2A
1

3
Intersecção
tendínea
3A
1A
2
Linha alba
Bainha do músculo
reto do abdome

Ligamento inguinal

5
Tendão conjunto
Tubérculo púbico

A. Dissecção média

Linha alba Pele


1A 2A 3A 4
Acima da linha arqueada

2
Fáscia transversal Lâmina posterior da
3 bainha do músculo
4 reto do abdome
1A 2A 3A Pele
Abaixo da linha arqueada

2
Fáscia transversal
3 Peritônio

B. Secção transversa da bainha do músculo reto do abdome

Netter Anatomia para Colorir Prancha 3-12


3 Músculos do Braço

O braço (região entre o ombro e o cotovelo) divide-se em dois


COLORIR os seguintes músculos, utilizando uma cor diferente
compartimentos através de um septo intermuscular de tecido
conjuntivo: para cada um deles:
• Compartimento anterior: contém músculos que, primariamente,
 1. Bíceps braquial (apresenta duas cabeças: uma
flexionam o cotovelo e/ou o ombro
longa e uma curta)
• Compartimento posterior: contém músculos que,
primariamente, estendem o cotovelo  2. Coracobraquial
Adicionalmente; o bíceps braquial é um supinador potente do
 3. Braquial
antebraço em flexão (utilizado para colocar um parafuso em um
pedaço de madeira, caso se trate de um indivíduo destro, ou  4. Tríceps braquial: apresenta três componentes;
para retirá-lo, caso se trate de um canhoto). Dentre os flexores sua cabeça medial localiza-se profundamente às
do cotovelo, o músculo braquial é o flexor mais potente, embora cabeças longa e lateral
o músculo bíceps braquial seja o grande foco de muitos fisicultu-
 5. Ancôneo: algumas vezes é agrupado com os
ristas por ser o mais visível dos dois. Os músculos dos comparti-
músculos extensores do cotovelo
mentos anterior e posterior estão resumidos na tabela a seguir.

INSERÇÃO PROXIMAL INSERÇÃO DISTAL


MÚSCULO (ORIGEM) (INSERÇÃO) INERVAÇÃO AÇÕES PRINCIPAIS
Bíceps braquial Cabeça curta: ápice do processo Tuberosidade do rádio e Nervo músculo cutâneo Supinação do antebraço em
coracoide da escápula fáscia do antebraço, através (C5, C6, C7) flexão; flexão do antebraço na
Cabeça longa: tubérculo supraglenoidal da aponeurose do m. bíceps articulação do cotovelo; fraco
braquial flexor do braço
Braquial Metade distal do úmero anterior Processo coronoide e tubero- Nervo musculocutâneo Flexiona o cotovelo com o an-
sidade da ulna (C5, C6, C7) tebraço em qualquer posição
Coracobraquial Ponta do processo coracoide da escápula Terço médio da face medial Nervo musculocutâneo Auxilia na flexão e na adução
do úmero (C5, C6, C7) do braço na articulação do
ombro
Tríceps braquial Cabeça longa: tubérculo infraglenoidal da Extremidade proximal do Nervo radial (C6, C7, C8) Extensão do cotovelo (é o
escápula olécrano da ulna e fáscia do principal extensor do cotovelo);
Cabeça lateral: úmero posterior antebraço estabiliza a cabeça do úmero
Cabeça medial: face posterior do úmero, na abdução (cabeça longa)
inferiormente ao sulco radial
Ancôneo Epicôndilo lateral do úmero Face lateral do olécrano e Nervo radial (C5, C6, C7) Auxilia o tríceps braquial na
parte superior da face extensão do cotovelo; abduz a
posterior da ulna ulna durante a pronação

Ponto Clínico:
Pode ocorrer ruptura do músculo bíceps braquial no seu tendão proximal
ou, mais raramente, no ventre muscular. O tendão do bíceps braquial
apresenta o maior índice de ruptura espontânea de todos os tendões do
corpo. Essa condição é mais comum em pessoas acima dos 40 anos de
idade, estando associada às lesões do manguito rotador; também é comum
em levantadores de peso. A ruptura do tendão da cabeça longa do músculo
bíceps braquial é mais comum.

Prancha 3-19 Consulte o Netter Atlas de Anatomia Humana, 4a edição, Pranchas 431, 432 e 435. Sistema Muscular
Músculos do Braço 3
Processo coracoide
Músculo deltoide
(rebatido) Músculo
subescapular

2
Músculo redondo
maior
Músculo latíssimo
1 do dorso

1
3
2
Úmero
Epicôndilo Deltoide
lateral do úmero
Epicôndilo medial
do úmero 4

Rádio 1 Músculo
Ulna redondo
maior
3
A. Camada superficial B. Camada profunda Septo
intermuscular
lateral
Músculo deltoide
(seccionado e rebatido)
4
Septo
intermuscular
1
medial
3

Músculo
redondo menor 4
Úmero
Músculo
redondo maior

4
C. Secção transversa
4

Olécrano
da ulna
Olécrano
da ulna

E. Camada profunda
D. Camada superficial

Netter Anatomia para Colorir Prancha 3-19


3 Músculos Anteriores da Coxa

Um septo intermuscular de tecido conjuntivo divide a coxa em


COLORIR os seguintes músculos, utilizando uma cor diferente
três compartimentos musculares distintos. Os músculos do
compartimento anterior são motores primários da extensão do para cada um deles:
joelho, embora diversos músculos cruzem tanto o quadril como
 1. Psoas maior
o joelho, agindo em ambas as articulações. Adicionalmente, dois
músculos da parede abdominal posterior, o psoas maior e o ilíaco  2. Ilíaco: psoas maior e ilíaco se fundem para formar o
(iliopsoas), passam pela região superior da coxa e são os mais músculo iliopsoas
potentes flexores da articulação do quadril (Prancha 3-14). Os
 3. Tensor da fáscia lata
músculos anteriores da coxa estão resumidos na tabela a seguir.
 4. Sartório: o termo “sartório” refere-se a um
costureiro que cruza suas pernas para coser,
flexionando o quadril e o joelho simultaneamente;
esta é a ação do músculo sartório
 5. Reto femoral: os músculos numerados de 5-8 nesta
lista compreendem o grupo do quadríceps femoral;
todos eles se fundem para formar o tendão do
músculo quadríceps femoral, que é contínuo com o
tendão da patela
 6. Vasto lateral
 7. Vasto medial

 8. Vasto intermédio

INSERÇÃO PROXIMAL INSERÇÃO DISTAL


MÚSCULO (ORIGEM) (INSERÇÃO) INERVAÇÃO AÇÕES PRINCIPAIS
Tensor da fáscia lata Espinha ilíaca anterossuperior e Trato iliotibial, que se insere no Nervo glúteo superior Abdução, rotação medial e flexão
região anterior da crista ilíaca côndilo lateral da tíbia (L4-S1) da coxa na articulação do quadril;
ajuda a manter o joelho estendido
Sartório Espinha ilíaca anterossuperior e parte Parte superior da face medial Nervo femoral (L2-L4) Flexão, abdução e rotação lateral
superior da incisura abaixo da mesma da tíbia da coxa na articulação do quadril;
flexiona a articulação do joelho
Quadríceps Femoral
Reto femoral Espinha ilíaca anteroinferior e ílio Base da patela e através do liga- Nervo femoral (L2-L4) Estende a perna na articulação
(superiormente ao acetábulo) mento da patela na tuberosidade do joelho; o reto femoral também
da tíbia estabiliza a articulação do quadril
e ajuda o iliopsoas a flexionar a
coxa na articulação do quadril
Vasto lateral Trocanter maior e lábio lateral da Base da patela e através do liga- Nervo femoral (L2-L4) Estende a perna na articulação
linha áspera do fêmur mento da patela na tuberosidade do joelho
da tíbia
Vasto medial Linha intertrocantérica e lábio medial Base da patela e através do liga- Nervo femoral (L2-L4) Estende a perna na articulação
da linha áspera do fêmur mento da patela na tuberosidade do joelho
da tíbia
Vasto intermédio Faces anterior e lateral da diáfise do Base da patela e através do Nervo femoral (L2-L4) Estende a perna na articulação
fêmur ligamento da patela na do joelho
tuberosidade da tíbia

Ponto Clínico:
Uma leve batida no tendão da patela com um martelo de reflexo indica o
reflexo patelar, o qual leva o joelho flexionado a estender-se para cima (em
extensão). Esta manobra testa a integridade do músculo e sua inervação
pelo nervo femoral.

Prancha 3-27 Consulte o Netter Atlas de Anatomia Humana, 4a edição, Pranchas 492, 493 e 496. Sistema Muscular
Músculos Anteriores da Coxa 3

Nota: as setas indicam


as direções das ações
do músculo iliopsoas

Adutores 1

A. Músculo iliopsoas
3

Patela

Ligamento da patela Tendão do


Patela m. sartório
(seccionado)
Ligamento da patela
Tuberosidade da tíbia
Tuberosidade da tíbia

B. Vista anterior C. Vista anterior, dissecção profunda

Netter Anatomia para Colorir Prancha 3-27


3 Músculos Posteriores da Coxa

Um septo intermuscular de tecido conjuntivo divide a coxa em A cabeça curta do bíceps femoral não faz parte dos músculos do
três compartimentos musculares distintos. Os músculos do jarrete, agindo primariamente na flexão do joelho. Esses múscu-
compartimento posterior são motores primários da extensão do los estão resumidos na tabela a seguir.
quadril e da flexão do joelho. Dentre os quatro músculos deste
compartimento, três músculos formam o “jarrete”: todos esses
músculos originam-se no túber isquiático e tanto estendem o
Ponto Clínico:
quadril como flexionam o joelho. Os músculos posteriores da coxa cruzam duas articulações, promovendo a
extensão do quadril e a flexão do joelho. Por isso é tão importante aquecer
e alongar esses músculos antes de um exercício vigoroso, garantindo um
COLORIR os seguintes músculos, usando uma cor diferente para cada fluxo sanguíneo adequado no tecido muscular e ativando as unidades das
fibras musculares.
músculo:
 1. Músculo semitendíneo
 2. Músculo semimembranáceo
 3. Músculo bíceps femoral, cabeça curta (não um
músculo do jarrete)
 4. Músculo bíceps femoral, cabeça longa

INSERÇÃO PROXIMAL INSERÇÃO DISTAL


MÚSCULO (ORIGEM) (INSERÇÃO) INERVAÇÃO AÇÕES PRINCIPAIS
Semitendíneo Túber isquiático Face medial da parte supe- Nervo tibial ramo do nervo Estende a coxa na articulação do
rior da tíbia isquiático (L2-S2) quadril e faz rotação medial da
mesma; com o quadril e o joelho
flexionados, estende o tronco
Semi- Túber isquiático Parte posterior do côndilo Nervo tibial ramo do nervo Estende a coxa na articulação do
membranáceo medial da tíbia isquiático (L5-S2) quadril e faz rotação medial da
mesma; com o quadril e o joelho
flexionados, estende o tronco
Bíceps femoral Cabeça longa: túber isquiático Porção lateral da cabeça da Cabeça longa: Nervo tibial Flexão e rotação lateral do joelho;
Cabeça curta: linha áspera e linha fíbula; tendão (dividido, neste ramo do nervo isquiático extensão do joelho (p.ex., no início da
supracondilar lateral do fêmur local, pelo ligamento colateral (L5-S2) marcha [cabeça longa])
fibular do joelho) Cabeça curta: nervo fibular
comum ramo do nervo isquiá-
tico (L5-S2)

Prancha 3-26 Consulte o Netter Atlas de Anatomia Humana, 4a edição, Prancha 495. Sistema Muscular
Músculos Posteriores da Coxa 3

Glúteo máximo

Túber isquiático

Músculo adutor magno

Trato iliotibial

Músculo grácil

3
4

A. Vista posterior, dissecção superficial B. Vista posterior, dissecção profunda

Netter Anatomia para Colorir Prancha 3-26

Você também pode gostar