Você está na página 1de 10

52

A DINÂMICA DO ESTUDO DO COMPORTAMENTO MOTOR

Edison de Jesus MANOEL*

INTRODUÇÃO

Ao alcançar a caneta para dar início do deslocamento do braço do robô demanda uma
à elaboração do presente artigo, a minha mente está enorme capacidade computacional, isso sem
engajada em inúmeras operações, buscando e falarmos das operações referentes a apreender e
rebuscando dados na memória, concatenando idéias soltar a peça no local apropriado. Essa diferença de
para tentar estabelecer uma direção lógica e fiel ao produção computacional nos dá a dimensão de
tema que nos foi solicitado desenvolver. quanto é preciso caminhar no estudo do
Entretanto, o resultado desse processamento comportamento motor (Rosenbaum, 1991).
cognitivo jamais será conhecido se eu não for Quando nos debruçamos sobre o
capaz de realizar movimentos - falar, escrever, comportamento motor, nossas dúvidas podem
digitar - que aos olhos do leitor podem parecer tomar a forma das seguintes questões: a) Como
triviais. realizamos movimentos?; b) Como adquirimos
A capacidade para realizar novos movimentos?; c) Como o movimento
movimentos tem sido uma das capacidades evoluiu ao longo dos tempos?; d) Qual a função
humanas mais subestimadas. A prova disso pode desses movimentos? (cf. Tinbergen, 1963). A
ser encontrada no fato de que a criação de uma área busca de respostas para essas questões tem sido a
multidisciplinar com enfoque no estudo do preocupação de diferentes áreas como Psicologia
movimento corporal só se efetivou nos últimos 20 Experimental, Psicologia do Desenvolvimento,
anos. Neurologia, Fisiologia, entre outras. Mais
Movimentos como alcançar, recentemente, os pesquisadores com esses
apreender e manipular objetos, locomover-se, interesses são agrupados numa área denominada
manter diferentes posturas corporais, etc. envolvem Comportamento Motor. Essa área tem sido
operações que encerram em si suficiente desenvolvida na EEFEUSP desde de 1984 (cf.
complexidade para ocupar nossas mentes anos a Manoel, 1999a) e o nosso objetivo no presente
fio. Vejamos, por exemplo, o caso do xadrez. Essa artigo é traçar um paralelo entre essa atividade e o
atividade requer a condução de operações mentais que tem acontecido na área no cenário nacional e
de alto nível resultando em jogadas que antecipam internacional.
inúmeros eventos à frente. Hoje, encontramos
máquinas capazes de realizar essas operações,
algumas das quais são tão poderosas em suas A NATUREZA DO OBJETO DE ESTUDO
computações que podem até derrotar os maiores
mestres enxadristas. Entretanto, os avanços A essa altura é redundante colocar
tecnológicos são bem mais tímidos quando se trata que o objeto de estudo da área é o movimento
de ter uma máquina capaz de movimentar as peças corporal. Entretanto, é importante ressaltar que
do jogo de acordo com as decisões tomadas após as embora os sistemas ósseo e muscular sejam
computações. A especificação espacial e temporal extremamente importantes para que o movimento

*
Coordenador do Laboratório de Comportamento Motor da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São
Paulo.

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.13, p.52-61, dez. 1999. N.esp.
A dinâmica do estudo do comportamento motor 53

ocorra, ele resulta da interação de muitos outros desenvolvimento motor. Tradicionalmente, esses
sistemas, dos quais destacamos a cognição. O fenômenos são tratados de forma distinta.
comportamento motor é um sistema complexo, Entretanto, um exame mais detalhado da natureza
constituído de inúmeros subsistemas cujas de cada processo levanta dúvidas quanto à
interações são fortes, ou seja, a partir delas surgem distinção entre esses processos. Um modo
propriedades que não são encontradas nos particular de controle motor não é estático; ele é
subsistemas isolados. Para abordarmos o influenciado pela experiência, podendo ser
comportamento motor é justo dizer que ele é mais modificado a partir dela. As modificações ocorrem
do que a soma de suas partes. Em termos com base em algo que já existe, uma estrutura
pragmáticos, isso significa que dada as estável que, por sua vez, foi objeto de outras
propriedades das partes e as leis de sua interação mudanças. Assim, controle motor, aprendizagem
não é uma tarefa trivial inferir as propriedades do motora e desenvolvimento motor estão intimamente
todo (Simon, 1996). relacionados a ponto de ser difícil distingui-los e
Sistemas complexos apresentam perigoso tratá-los de forma isolada. Para efeito de
várias características, entre elas destacamos duas: clareza, a aprendizagem motora refere-se ao
eles são não-lineares e dinâmicos (Guastello, processo em que uma dada habilidade motora é
1997). As relações entre os seus elementos são adquirida com auxílio de prática sistemática,
não-lineares porque uma mudança num elemento informações externas sobre a habilidade (instrução)
não é acompanhada de mudança proporcional em e sobre a própria execução (“feedback” extrínsico
outro elemento. Além do mais, mudanças num ou aumentado). A escala de tempo em que esse
elemento podem gerar flutuações nas interações processo ocorre é de minutos, horas, dias ou
entre os demais elementos a ponto de uma nova semanas. O desenvolvimento motor refere-se às
forma ou padrão de interação estabelecer-se mudanças em classes gerais do comportamento
(Prigogine & Stengers, 1984). A probabilidade de motor (locomoção, estabilidade e manipulação)
prever o surgimento de novos padrões a partir dos condicionadas pelo histórico de vida do indivíduo.
elementos é muito pequena. Isso nos leva à As mudanças ocorrem numa escala de tempo de
segunda característica de sistemas complexos, ou meses, anos ou décadas.
seja, a sua dinâmica. Evidentemente, a dinâmica A dinâmica do comportamento motor
expressa aqui é um pouco diferente daquela tratada implica que o mesmo se encontra num estado
pela Física. A dinâmica que nos interessa é aquela marcado por contrastes: permanente e mutável,
que denota as constantes mudanças do sistema ao consistente e variável, estável e instável (cf.
longo do tempo. A irreversibilidade dessas Manoel, 1999b; Manoel & Connolly, 1997). Ao
mudanças coloca a dimensão temporal como uma mesmo tempo em que existe a busca da
propriedade essencial desses sistemas (cf. estabilidade comportamental, seja como resultado
Prigogine, 1961). da prática imediata ou da experiência de forma
De acordo com esse pensamento, geral e a médio prazo, trata-se de uma estabilidade
podemos perguntar: Como os movimentos são temporária, pois o sistema é orientado à busca de
organizados? Quais são os mecanismos subjacentes novos estados mais complexos (Bertalanffy, 1960).
à execução motora? Questões desse tipo levam à Isso leva à necessidade de instabilidades
busca de modelos de controle motor nos quais se comportamentais, fonte essencial para a mudança
especula sobre a atuação do sistema nervoso qualitativa na organização do sistema (Manoel,
central na integração de informações aferentes e 1993; Manoel & Connolly, 1995; Tani, 1989,
eferentes na produção motora (Schmidt, 1988). 1995a).
Propriedades físicas do corpo e do ambiente no A inspeção da produção gráfica de
qual o organismo atua também fazem parte do uma criança ao longo do tempo ilustra esse
quadro a ser delineado para responder a essa processo (FIGURA 1). Aos 2,5 anos de idade
pergunta (Magill, 1995). (FIGURA 1a) os traços produzidos pela criança
Não se pode esquecer da dinâmica. são pouco diferenciados; ao mesmo tempo, a
Assim, é preciso considerar como um dado estado relação entre eles é fraca. Isso denota não só
de organização se originou e como ele muda com o limitações no domínio cognitivo para representar
tempo (cf. Connolly, 1977). Se na primeira alguma idéia, mas também dificuldades de
pergunta somos levados a pensar em controle elaboração e programação motora. A reprodução
motor, aqui pensamos em aprendizagem e gráfica ilustra um estado em que predomina a

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.13, p.52-61, dez. 1999. N.esp.
54 MANOEL, E.J.

desordem. Aos quatro anos de idade (FIGURA 1b) Finalmente, aos seis anos de idade a criança
há uma maior definição e diversificação dos traços, apresenta uma reprodução gráfica em que os traços
acompanhado de interações mais fortes entre eles, são bem definidos e integrados (FIGURA 1c). O
permitindo inclusive identificar representações estado apresentado é orientado a ordem, ainda que
gráficas similares às do alfabeto. O estado da temporariamente uma vez que sua habilidade
criança nessa etapa apresenta evidências de maior gráfica continuará a ser modificada ao longo dos
ordem em comparação a sua produção anterior, anos. Resumindo, a aquisição de habilidades
entretanto, ao se considerar as possibilidades de motoras é um processo contínuo no qual ordem e
produção futura, o seu comportamento ainda é desordem se complementam.
imaturo, com características de desordem.

H a b ilid a d es g rá fic a s d e u m a c ria n ça a o s


2,5 anos 4 anos 6 anos
2A,5 a n o s 4 anos B 6 a n oC s

FIGURA 1 - Habilidade gráfica de uma criança aos 2,5 anos, quatro anos e seis anos de idade.

O DESENVOLVIMENTO DO grupo de estudos sob a orientação do Prof.Dr. Go


LABORATÓRIO DE COMPORTAMENTO Tani. Inicialmente, esse grupo era composto por
MOTOR alunos de graduação que se interessaram pela área
de Comportamento Motor e solicitaram ao Prof.
A constituição de laboratórios de Tani que os guiasse em seus estudos. Mais tarde, o
pesquisa na área de Educação Física é grupo passou a contar com outros docentes da
relativamente recente. O Laboratório de Unidade.
Comportamento Motor (LACOM) foi formado a Ao mesmo tempo, estudantes de pós-
pouco mais de 10 anos. A sua existência pode ser graduação, oriundos de várias partes do Brasil e até
caracterizada em duas fases distintas que serão da América do Sul, iniciaram seus programas de
abordadas a seguir, de forma sucinta, posto que mestrado com o enfoque no Comportamento
esse é um tema que já foi objeto de outra Motor. Nesse processo, foram concluídas várias
publicação (Manoel, 1999 a). dissertações de mestrado que investigaram: a)
A primeira fase do LACOM vai de fatores que afetavam a aquisição de habilidades
1984 a 1988. Nesse período, o Laboratório não motoras como conhecimento de resultados (Castro,
existia oficialmente sendo constituído por um 1988; Chiviacowsky, 1993; Proença, 1989), uso do

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.13, p.52-61, dez. 1999. N.esp.
A dinâmica do estudo do comportamento motor 55

videotape (Cavariani, 1990; Jesus, 1986), prática O LACOM E A ÁREA DE ESTUDO


mental (Melo, 1993); b) Teoria de Esquema Motor COMPORTAMENTO MOTOR
(Junghahnel-Pedrinelli, 1989; Passos, 1989); c)
Desenvolvimento motor básico e aplicado (Manoel, A área de Comportamento Motor
1989; Muñoz, 1985; Sanches, 1989). congrega campos de longa tradição. Isso faz com
Como os estudos sobre o que um levantamento histórico sobre as
desenvolvimento motor e a aprendizagem motora preocupações e investigações pertinentes à ela nos
eram relativamente inéditos no Brasil, as leve pelo tempo ao século XIX, ou até antes (cf.
dissertações produzidas na primeira fase do Meijer & Roth, 1988). Por razões de espaço, não
LACOM tiveram o mérito de contribuir para a vamos repetir aqui um levantamento já realizado
introdução da área em nosso meio. Vale ressaltar das preocupações tradicionais da área para o que
que não havia um laboratório fisicamente remetemos o leitor a outro trabalho (Manoel,
constituído. A grande maioria dos estudos citados 1995a).
foi conduzida com tarefas da vida diária ou Nosso enfoque será sobre os
esportivas. Se esse aspecto prejudicou, de alguma problemas básicos que a área busca explicar. O
forma, a fidedignidade dos estudos, ele também primeiro refere-se a como explicar as regularidades
teve o mérito de proporcionar resultados com observadas num comportamento motor habilidoso.
maior validade ecológica. Assim, estamos nos referindo às seguintes
A segunda fase do LACOM se inicia questões: Como explicar a ordem expressa no
a partir de 1988 quando o Laboratório foi comportamento? Afinal, o que é adquirido?
oficialmente formado e reconhecido a nível O segundo problema refere-se a
institucional. O espaço físico destinado para sua como explicar as mudanças que o comportamento
instalação ainda demoraria a ser disponibilizado, passa de um estado em que o indivíduo é
fato que ocorreu em 1991. Graças a financiamentos imaturo/iniciante/com ausência de habilidade para
obtidos junto à Universidade em convênio com um estado em que ele é
Banco Interamericano de Desenvolvimento, foi maduro/competente/habilidoso. Em outras
possível adquirir, nessa época, uma série de palavras, a pergunta formulada é: Como ocorre a
equipamentos clássicos da área de Aprendizagem aquisição do comportamento habilidoso?
Motora. Isso propiciou a realização de estudos em A partir dos anos 70, os dois
situações de laboratório relatados em algumas problemas foram tratados de forma mais integrada
dissertações de mestrado da época. Esses trabalhos dentro da chamada abordagem orientada ao
foram realizados por alguns dos membros que processo. Nesse período, foi proposto um modelo
iniciaram o grupo de estudos em 1984 e enfocaram híbrido de controle motor auto-regulatório. Ele
o envelhecimento e a aprendizagem motora envolvia a combinação de dois modelos
(Santos, 1993), o desenvolvimento do timing tradicionais de controle: circuito aberto e circuito
antecipatório (Ferraz, 1992) e a estrutura de prática fechado (cf. Stelmach, 1976). Valendo-se desses
variada e Teoria de Esquema Motor (Freudenheim, modelos, foi um passo lógico assumir que a
1992). aprendizagem (cf. Adams, 1971; Pew, 1966;
O conjunto de contribuições da Schmidt, 1975;) e até o desenvolvimento motor (cf.
primeira fase e do período inicial da segunda fase Connolly, 1970; Keogh, 1977) caracterizavam-se
do LACOM sedimentaram o terreno para que o por mudanças nos modos de controle motor. Essa
laboratório pudesse alçar vôos mais ambiciosos a concepção estabeleceu uma agenda de investigação
partir de 1993. Esse processo que nos traz até os que revigorou a área de Comportamento Motor nos
dias atuais tem propiciado a consolidação de linhas anos 70 e 80. Entretanto, as inadequações desse
de pesquisa sintonizadas com os principais temas modelo para explicar tanto a aprendizagem como o
de investigação na área. A relação entre o que desenvolvimento motor foram apontadas ao final
investigamos e as questões centrais da área de da década de 80 (cf. Meijer & Roth, 1988; Wade &
Comportamento Motor será objeto de nossa Whiting, 1986).
apreciação a seguir. O ponto de maior controvérsia com
relação ao que é adquirido surge a partir da
colocação de que o papel das representações
mentais na organização motora seria secundário
(Kelso, 1982). Na abordagem que veio a ser

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.13, p.52-61, dez. 1999. N.esp.
56 MANOEL, E.J.

conhecida como Sistemas Dinâmicos, a ordem no 1999; Manoel, 1993, 1998; Manoel & Connolly,
comportamento é atribuída à interação entre 1995; Tani, Connolly & Manoel, 1998).
restrições organísmicas, ambientais e da tarefa A controvérsia representação vs.
(Newell, 1986). Essa visão tem sido preconizada sistemas dinâmicos acabou por desviar a atenção
tanto para tratar da aprendizagem motora (Zanone da área para um problema igualmente importante:
& Kelso, 1992) quanto para tratar do Como ocorre a aquisição do comportamento
desenvolvimento motor (Thelen, 1986). habilidoso? As teorias de Circuito Fechado
Foge ao escopo do presente ensaio (Adams, 1971) e de Esquema Motor (Schmidt,
entrar em maior profundidade nessa controvérsia, 1975) têm como característica principal tratar a
posto que em vários aspectos ela envolve aquisição de habilidades motoras como um
pressupostos filosóficos até certo ponto processo finito, que se encerra quando o objetivo
irreconciliáveis (Abernethy & Sparrow, 1992). de execução correta da habilidade é alcançado ou
Vários autores têm mostrado a inadequação de quando essa habilidade é estabilizada. Em outras
modelos de controle motor, nos quais a palavras, subjacente à aquisição da habilidade
representação é excluída (por exemplo, Jeannerod, estaria a formação de um estado independente de
1994; Requin, 1992; Shaffer, 1992). Em razão tempo (cf. Prigogine, 1961, veja também Manoel,
disso, começam a surgir posições defendendo uma 1993; Manoel & Connolly, 1997). Isso caracteriza
aproximação das duas visões, buscando-se assim o chamado modelo de equilíbrio pois a ênfase recai
um modelo híbrido, em que pese as diferenças sobre a estabilidade do estado e não em sua
profundas de orientação filosófica (veja por capacidade de mudança ou quebra de estabilidade.
exemplo Summers, 1992). Atualmente, há um consenso de que fenômenos
A contribuição do LACOM a essa como os envolvidos na aquisição de habilidades
discussão tem sido mostrar a relevância do caracterizam-se por quebra de estabilidade. O
princípio da complementaridade (Bohr, 1958; sistema caminha sempre em direção à maior
Pattee, 1982). Manoel (1993), Manoel & Connolly instabilidade, condição necessária para a
(1997) e Tani (1995) procuraram mostrar que emergência de estados mais complexos no sistema
modos de descrição aparentemente incompatíveis, (cf. Bertalanffy, 1960; Kauffman, 1991).
no caso o modo simbólico (informação) e o Na abordagem dos sistemas
dinâmico (energia), podem ser tratados em dinâmicos encontramos essa preocupação nos
conjunto para abordar um mesmo fenômeno, no trabalhos de Kelso e seus colaboradores (Kelso,
caso a organização no comportamento motor. 1995; Zanone & Kelso, 1992, 1997; Zanone, Kelso
Buscamos embasamento na Teoria Hierárquica de & Jekka, 1993). Entretanto, esses estudos têm
Sistemas Complexos (Nicholis, 1986; Pattee, 1973, enfocado o grau de estabilidade de um dado
1987) para propor uma alternativa ao conceito sistema no processo de aprendizagem (veja por
tradicional de representação. Nesse caso, propõe-se exemplo, Zanone & Kelso, 1997). A instabilidade é
que o comportamento é organizado a partir de um vista apenas como um desafio ao sistema adquirido
programa de ação (cf. Connolly, 1977) e não em relação à formação de um novo padrão.
hierarquicamente estruturado nos níveis A aquisição de habilidades motoras
macroscópico e microscópico. A macro-estrutura envolve não só a estabilização de estruturas, mas a
do programa é orientada a ordem e definiria o sua adaptação gerando novas estruturas. Choshi &
padrão geral de interação dos elementos do Tani (1983) propõem que a aquisição envolve duas
programa. A micro-estrutura do programa seria fases: Estabilização e Processo Adaptativo. A
orientada à desordem e comportaria os elementos primeira fase compreende os estágios já conhecidos
do programa. A macro-estrutura condiciona, mas tradicionalmente como cognitivo, associativo e
não determina o comportamento individual dos autônomo (cf. Fitts & Posner, 1967); a
elementos que estão no nível da micro-estrutura. padronização funcional levaria a um estado estável
Ao mesmo tempo, em termos da dinâmica do do sistema. A segunda fase difere do modelo de
sistema, a macro-estrutura emerge da relação dos Kelso na medida em que enfoca como o sistema se
elementos. Assim, a macro-estrutura é causa e reorganiza para realizar uma nova habilidade em
efeito da micro-estrutura (Tani, 1995a). Uma série termos estruturais. O LACOM tem realizado uma
de experimentos tem sido realizada oferecendo série de trabalhos nessa direção investigando
razoável suporte para esse modelo (Freudenheim, fatores que influenciam o processo adaptativo (por
exemplo, Tani, 1989) assim como a investigação

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.13, p.52-61, dez. 1999. N.esp.
A dinâmica do estudo do comportamento motor 57

do processo adaptativo em si (Benda, Côrrea & interferência contextual (Meira Junior & Tani,
Tani, 1998; Manoel, 1992; Manoel, 1993; Manoel 1999a). Nessa perspectiva, a relação entre o
& Connolly, 1995; Tani, Connolly & Manoel, conhecimento e a habilidade motora também tem
1996, 1997). Dentro dessa perspectiva, temos visto sido objeto de investigação. Uma linha de
a aquisição de habilidades como um processo em investigação tem enfocado as estratégias de
que há no sistema um ciclo de instabilidade- planejamento de uma habilidade manipulativa
estabilidade-instabilidade. (Moreira & Manoel, 1998). A preocupação é
Fatores geralmente tratados como verificar como indivíduos em diferentes estados de
negativos nos modelos tradicionais de desenvolvimento escolhem planos de ação dado
aprendizagem, como variabilidade de resposta, diferentes restrições biomêcanicas na conclusão da
ruído, erros de “performance”, “feedback” positivo, tarefa. Abordando um aspecto ainda mais
ganham nova interpretação. Eles passam a se macroscópico, Dantas (1997, 1999) tem procurado
constituir em variáveis que, quando manipuladas, estabelecer meios de investigação visando verificar
podem exercer papel crucial na formação de até que ponto a habilidade motora resulta de um
habilidades cada vez mais complexas. conhecimento passível de declaração sobre essa
A preocupação com a dinâmica de atividade.
aquisição do comportamento levou a um novo Com base no pano de fundo que tem
direcionamento da linha de pesquisa “Análise de orientado as linhas de pesquisa do LACOM, temos
padrões fundamentais de movimento”. Partiu-se de conduzido investigações que não se encaixam na
uma discussão sobre a inadequação do conceito de pesquisa básica tradicional ou na chamada pesquisa
padrão maduro dos movimentos fundamentais. aplicada. Trata-se do que Tani (1992) denominou
Basicamente, buscou-se mostrar que deveria haver de pesquisa integrativa, na qual hipóteses
uma preocupação em se identificar na criança o originadas em pesquisas básicas são testadas numa
estado estável de seus movimentos fundamentais situação real de ensino-aprendizagem. A nossa
(Manoel, 1994). Além disso, esse estado estável linha de pesquisa denominada “Processo ensino-
seria temporário na medida em que ele anteciparia aprendizagem de habilidades motoras” é “sui
a aquisição de movimentos mais complexos e generis” pois ela sacrifica a fidedignidade dos
específicos (cf. Tani, Manoel, Kokubun & Proença, estudos em favor da validade ecológica. Vários
1988). A aquisição desses padrões é vista como um estudos têm sido realizados envolvendo a
processo em que existe co-ação de vários fatores investigação de fatores ligados à instrução (Públio,
internos e externos (cf. Manoel, 1998). Os estágios Tani & Manoel, 1995), tipo de prática (Públio &
tradicionais são interpretados como modos de Tani, 1993) e estrutura da prática variada (Meira
coordenação condicionados por programas de ação Junior, 1999b; Ugrinowitsch, 1997) e
em conjunto com restrições ambientais e da tarefa estabelecimento de metas (Freudenheim & Tani,
(Manoel & Oliveira, 1999). Além disso, temos 1998). As pesquisas desse tipo propiciam um teste
buscado investigar como padrões fundamentais de da robustez de teorias referentes ao comportamento
movimento são modificados quando a combinação motor. A nossa preocupação é investir cada vez
desses padrões é requerida. Embora os modelos de mais nesse tipo de pesquisa seguindo uma
seqüência de desenvolvimento motor estabeleçam a orientação sistêmica, ou seja, buscando verificar o
existência de uma fase de combinação de efeito de variações no padrão de interação de
movimentos fundamentais, nós não sabemos nada variáveis independentes num ambiente complexo.
sobre como esse processo ocorre (Gimenez & Como as situações de investigação são extraídas da
Manoel, 1997). prática da Educação Física, esse tipo de estudo
Outras linhas de pesquisa têm estabelece um vínculo importante com a profissão.
enfocado o papel de fatores que afetam a aquisição A pesquisa de ensino-aprendizagem pode
de habilidades motoras. A perspectiva adotada no constituir-se numa resposta concreta e eficaz para o
LACOM tem sido conduzir estudos críticos às problema perene da dicotomia teoria vs. prática.
abordagens tradicionais. Isso foi feito em relação
ao estudo do efeito da freqüência de CR em relação
ao estudo de desenvolvimento (Chiviacowsky &
Tani, 1993), aos diferentes regimes de prática
variada em comparação à constante (Corrêa, Benda
& Tani, 1998a) ou da permanência do efeito da

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.13, p.52-61, dez. 1999. N.esp.
58 MANOEL, E.J.

CONSIDERAÇÕES FINAIS BOHR, N. Física atômica e conhecimento humano:


ensaios 1932-1957. Rio de Janeiro, Contraponto,
Cada área de investigação segue seus 1958/1995.
paradigmas, tem seu “modus operandi”. A área de CASTRO, I.J. Efeitos da freqüência relativa de
feedback extrínseco na aprendizagem de uma
Comportamento Motor tem como característica
habilidade motora simples. São Paulo, 1988.
uma grande preocupação com as questões: o que Dissertação (Mestrado) – Escola de Educação Física,
investigar, como investigar, por que e para que Universidade de São Paulo.
investigar (Manoel, 1995b; Tani, 1995b). A CAVARIANI, E. Efeitos da apresentação de feedback
abordagem dessas questões tem sido com o intuito através do video-tape na aprendizagem de uma
de buscar um equilíbrio para evitar a ênfase habilidade motora. São Paulo, 1990. Dissertação
exacerbada em uma delas. Como cita Tani (1995b) (Mestrado) - Escola de Educação Física,
trata-se de estabelecer prioridades quanto ao eixo Universidade de São Paulo.
temporal na formação do próprio pesquisador. CHIVIACOWSKY, S. Efeitos da freqüência do
O estabelecimento do problema de conhecimento de resultados na aprendizagem de
uma habilidade motora em crianças. São Paulo,
pesquisa sempre ganha atenção especial nas
1993. Dissertação (Mestrado) - Escola de Educação
discussões de Comportamento Motor. Isso faz com Física, Universidade de São Paulo.
que a metodologia seja orientada ao problema e CHIVIACOWSKY, S.; TANI, G. Efeitos da freqüência
não vice-versa, como acontece em outras áreas. Por do conhecimento de resultados na aprendizagem de
estar situada num nível de análise intermediário, uma habilidade motora em crianças. Revista
entre níveis mais microscópicos (biofísico) e Paulista de Educação Física, v.7, n.1, p.45-57,
macroscópicos (sócio-cultural), a área de 1993.
Comportamento Motor vê-se obrigada a “o lhar CHOSHI, K.; TANI, G. Stable system and adaptive
para cima e para baixo” com muita freqüência. system in motor learning. In: JAPANESE
ASSOCIATION OF BIOMECHANICS. The
Esse exercício nos leva a pensar em Koestler e sua
science of movement V. Tokyo, Kyorin, 1983.
proposição da relatividade das entidades (hólons) CONNOLLY, K.J. The nature of motor skill
que são parte e todo, ao mesmo tempo (Koestler, development. Journal of Human Movement
1967). Studies, v.3, p.128-43, 1977.
O grande desafio do LACOM é fazer _____. Skill development: problems and plans. In:
com que suas pesquisas traduzam essa relatividade, CONNOLLY, K.J., ed. Mechanisms of motor skill
onde o conhecimento seja integrativo para com development. London, Academic Press, 1970.
aqueles gerados nos níveis imediatamente CORRÊA, U.C.; BENDA, R.N.; TANI, G.
inferiores e seja válido em referência aos níveis Variabilidade de prática e processo adaptativo em
imediatamente superiores. aprendizagem motora. In: ENCONTRO
BRASILEIRO-INTERNACIONAL DE CIÊNCIA
COGNITIVA, 3., Campinas, 1998. Anais.
Campinas, UNICAMP, 1998a. p.24-5.
_____. Variabilidade de prática e processo adaptativo
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS na aprendizagem do arremesso de dardo. In:
SEMINÁRIO DE COMPORTAMENTO MOTOR,
ABERNETHY, B.; SPARROW, W. The rise and fall of São Paulo, 1998. Anais. São Paulo,
dominant paradigms in motor behavior research. In: EEFEUSP/LACOM, , 1998b. p.32.
SUMMERS, J.J., ed. Approaches to the study of DANTAS, L.E.P.T.B. Conhecimento no desempenho
motor control and learning. Amsterdam, North de habilidades motoras. São Paulo, EEFEUSP,
Holland, 1992. 1999. (Relatório Técnico - Laboratório de
ADAMS, J. A closed loop theory of motor learning. Comportamento Motor).
Journal of Motor Behavior, v.3, p.111-50, 1971. _____. Questões para o estudo do conhecimento na
BENDA, R.N.; CÔRREA, U.C.; LUSTOSA DE habilidade motora. In: ENCONTRO BRASILEIRO
OLIVEIRA, D.; TANI, G. Variabilidade e processo INTERNACIONAL DE CIÊNCIA COGNITIVA, 3.,
adaptativo na aprendizagem de tarefa de controle da Campinas, 1997. Anais. Campinas, UNICAMP,
força de preensão manual. Percepção e Ação, 1998. 1997.
[no prelo]. FERRAZ, O.L. Desenvolvimento do timing
BERTALANFFY, L. von Comments on professor antecipatório em crianças. São Paulo, 1992.
Piaget´s paper. In: TANNER, J.M.;. INHELDER, Dissertação (Mestrado) - Escola de Educação Física,
B., eds. Discussions on child development. Universidade de São Paulo.
London, Tavistock, 1960. v.4.

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.13, p.52-61, dez. 1999. N.esp.
A dinâmica do estudo do comportamento motor 59
FITTS, P.; POSNER, M. Human performance. MANOEL, E.J. Adaptive control and variability in
Belmont, Brook/Cole, 1967. the development of skilled actions. Sheffield,
FREUDENHEIM, A.M. Formação de esquema motor 1993. Tese (Doutorado) - University of Sheffield.
em crianças numa tarefa que envolve timing _____. Aprendizagem motora: o processo de aquisição
coincidente. São Paulo, 1992. Dissertação de ações habilidosas. In: NETO, A.F.; GOELLNER,
(Mestrado) - Escola de Educação Física, S.; BRACHT, V., eds. As ciências do esporte no
Universidade de São Paulo. Brasil. Campinas, Editores Associados, 1995a.
FREUDENHEIM, A.M. Organização hierárquica de _____. A árvore e a chama: a formação de um
um programa de ação e a estabilização de laboratório. São Paulo, 1999a. (Texto comemorativo
habilidades motoras. São Paulo, 1999. Tese aos 10 anos do Laboratório de Comportamento).
(Doutorado) – Escola de Educação Física e Esporte, [Digitado]
Universidade de São Paulo [no prelo]. _____. Aspectos macroscópicos e microscópicos da
FREUDENHEIM, A.M.; TANI, G. Efeitos do formação de pesquisadores e o estudo do
estabelecimento de meta na aquisição de uma comportamento motor humano. Caderno
habilidade de sustentação no meio líquido em Documentos, n.1, p.1-9, 1995b.
crianças. Revista da Associação dos Professores de _____. Controles ótimo e adaptativo na aquisição de
Educação Física de Londrina, v.13, n.1, p.5-11, habilidades motoras seriadas. Revista Paulista de
1998. Educação Física, v.6, n.2, p.3-20, 1992.
GIMENEZ, R.; MANOEL, E.J. Desenvolvimento motor _____. Desenvolvimento motor: implicações para a
de indivíduos portadores de deficiência mental: A educação física escolar I. Revista Paulista de
combinação de habilidades motoras correr e Educação Física, v.8, n.1, p.82-97, 1994.
arremessar. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO _____. Desenvolvimento do comportamento motor
CIENTÍFICA, 4./SIMPÓSIO DE PÓS- humano: uma abordagem sistêmica. São Paulo,
GRADUAÇÃO, 2.; São Paulo, 1997. Anais. São 1989. Dissertação (Mestrado) - Escola de Educação
Paulo, Escola de Educação Física e Esporte da Física, Universidade de São Paulo.
Universidade de São Paulo, 1997. p.97. _____. Desenvolvimento motor: padrões em mudança,
GUASTELLO, R. An introduction to non-linear complexidade crescente. Revista Paulista de
dynamics psychology and lifesciences. Non-linear Educação Física, 1999b. [no prelo].
dynamics Psychology and Lifesciences, v.1, n.1, _____. Modularização, organização hierárquica e
p.1-6, 1997. variabilidade na aquisição de habilidades motoras.
JEANNEROD, M. The representing brain: neural São Paulo, 1998. 84p. Tese (Livre Docência)-
correlates to intention and imagery. Behavioral and Escola de Educação Física e Esporte, Universidade
Brain Sciences, v.17, n.2, p.187-245, 1994. de São Paulo.
JESUS, J.F. O efeito do feedback extrínseco fornecido MANOEL, E.J.; CONNOLLY, K.J. Variability and the
através do videotape na aprendizagem de uma development of skilled actions. International
habilidade motora do volibol. São Paulo, 1986. Journal of Psychophysiology, v.19, p.129-47, 1995.
Dissertação (Mestrado) - Escola de Educação Física, _____. Variability and stability in the development of
Universidade de São Paulo. skilled actions. In: CONNOLLY, K.J.;
JUNGHÄHNEL-PEDRINELLI, V. Formação de FORSSBERG, H., eds. Neurophysiology and
esquema motor em crianças portadoras de neuropsychology of motor development. London,
Síndrome de Down. São Paulo, 1989. Dissertação MacKeith Press/Cambridge University Press, 1997.
(Mestrado) - Escola de Educação Física, MANOEL, E.J.; OLIVEIRA, J.A. Motor developmental
Universidade de São Paulo. status and task constraint in ovearm throwing. 1999.
KAUFFMAN, S. Antichaos and adaptation. Scientific [Artigo submetido à publicação].
American, v.265, n.2, p.78-84, 1991. MEIJER, O.; ROTH, K., eds. Complex movement
KELSO, J.A.S. Dynamic patterns. Cambridge, The behaviour: the motor-action controversy.
MIT Press, 1995. Amsterdam, North Holland, 1988.
_____. The process approach to the understanding of MEIRA JUNIOR, C. Interferência contextual e a
human motor behavior: an introduction. In: KELSO, aprendizagem de uma habilidade motora do
J.A.S., ed. Human motor behavior: an voleibol: efeito duradouro, temporário ou não
introduction. Hillsdale, Lawrence Erlbaum, 1982. existente? São Paulo, 1999b. Dissertação
KEOGH, J. The study of movement skill development. (Mestrado) – Escola de Educação Física e Esporte,
Quest, v.28, p.76-88, 1997. Universidade de São Paulo. [no prelo].
KOESTLER, A. The ghost in the machine. London, MEIRA JUNIOR, C.; TANI, G. Contextual interference
Hutchinson, 1967. in motor skill aquisition: lasting, temporary or non-
MAGILL, R. Motor learning: concepts and existent effect? 1999. [Artigo submetido à
applications. Dubuque, Brown & Benchmark, 1995. publicação]

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.13, p.52-61, dez. 1999. N.esp.
60 MANOEL, E.J.

MELO, J.M.C. Efeitos da prática mental em tarefas REQUIN, J. From action representation to movement
motoras de diferentes envolvimentos cognitivos. control. In: STELMACH, G.E.; REQUIN, J., eds.
São Paulo, 1993. Dissertação (Mestrado) - Escola de Tutorial in motor behavior II. Amsterdam, North
Educação Física, Universidade de São Paulo. Holland, 1992.
MOREIRA, C.R.P.; MANOEL, E.J. Planejamento de ROSENBAUM, D. Human motor control. New York,
uma habilidade manipulativa em indivíduos Academic Press, 1991.
portadores de síndrome de Down: dados SANCHES, A.B. Estágios de desenvolvimento motor
preliminares. Boletim do Laboratório de em estudantes universitários na habilidade básica
Comportamento Motor, v.5, n.3, p.2-6, 1998. arremessar. São Paulo, 1989. Dissertação
MUÑOZ, L.A.M. Desenvolvimento motor e suas (Mestrado) - Escola de Educação Física,
implicações na educação física infantil. São Paulo, Universidade de São Paulo.
1985. Dissertação (Mestrado) - Escola de Educação SANTOS, S. Tempo de reação, tempo de movimento e
Física, Universidade de São Paulo. aquisição de timing antecipatório em idosos. São
NEWELL, K. Constraints on the development of Paulo, 1993. Dissertação (Mestrado) - Escola de
coordination. In: WADE, M.; WHITING, H.T.A., Educação Física, Universidade de São Paulo.
eds. Motor development in children: aspects of SCHMIDT, R.A. Motor control and learning: a
control and coordination. Dordrecht, Martinu behavioral emphasis. Champaign, Human Kinetics,
Nijhoff, 1986. 1988.
NICHOLIS, J.S. Dynamics of hierarchical systems: an _____. A schema theory of discrete motor skill learning.
evolutionary approach. Berlin, Springer Verlag, Psychological Review, v.82, p.225-60, 1975.
1986. SHAFFER, L. Motor programming and control. In:
PASSOS, S.C.E. Efeitos da variabilidade de prática STELMACH, G.E.; REQUIN, J., eds. Tutorial in
na aprendizagem de uma habilidade motora. São motor behavior II. Amsterdam, North Holland,
Paulo, 1989. Dissertação (Mestrado) - Escola de 1992.
Educação Física, Universidade de São Paulo. SIMON, H.A. Sciences of the artificial. 3.ed.
PATTEE, H., ed. Hierarchy theory. New York, Cambridge, The MIT Press, 1996.
George Braziller, 1973. STELMACH, G.E., eds. Motor control: issues and
PATTEE, H. Instabilities and information in biological trends. New York, Academic Press, 1976.
self-organization. In: YATES, F., ed. The self- SUMMERS, J.J. Movement behaviour: a field in crisis?
organizing systems: the emergence of order. New In: J. J. SUMMERS, J.J., ed. Approaches to the
York, Plenum Press, 1987. study of motor control and learning. Amsterdam,
_____. The need for complementarity in models of North Holland, 1992.
cognitive behavior: a response to Fowler and Turvey. TANI, G. Comentário 1. Caderno Documentos, n.1,
In: WEIMER, W.; PALERMO, D., eds Cognition p.10-4, 1995b.
and the symbolic processes. Hillsdale, Lawrence _____. Contribuições da aprendizagem motora para a
Erlbaum, 1982. v.2. educação física: uma análise crítica. Revista
PEW, R. Acquisition of hierarchically control over the Paulista de Educação Física, v.6, n.2, p.65-72,
temporal organization of a skill. Journal of 1992.
Experimental Psychology, v.71, p.764-71, 1966. _____. Organização hierárquica do comportamento
PRIGOGINE, I. Introduction to thermodynamics of motor humano. São Paulo, Departamento de
irrerversible processes. New York, Interscience, Pedagogia do Movimento do Corpo Humano/Escola
1961. de Educação Física e Esporte da Universidade de
PRIGOGINE, I.; STENGERS, I. Order out of chaos. São Paulo, 1995a. (Relatório final de atividades de
New York, Bantam Books, 1984. Pós-Doutoramento).
PROENÇA, J.E. Efeitos da variação temporal do _____. Variabilidade de resposta e o processo
conhecimento de resultado na aprendizagem de adaptativo da aquisição de habilidades motoras.
uma habilidade motora discreta. São Paulo, 1989. São Paulo, 1989. 78p. Tese (Livre Docência) –
Dissertação (Mestrado) - Escola de Educação Física, Escola de Educação Física e Esporte, Universidade
Universidade de São Paulo. de São Paulo.
PÚBLIO, N.; TANI, G. Aprendizagem de habilidades TANI, G.; CONNOLLY, K.J.; MANOEL, E.J. Pattern
motoras seriadas da ginástica olímpica. Revista formation and hierarchical organization in the
Paulista de Educação Física, v.7, n.1, p.58-68, acquisition of motor skills. In: ENCONTRO
1993. BRASILEIRO INTERNACIONAL DE CIÊNCIA
PÚBLIO, N.; TANI, G.; MANOEL, E.J. Efeitos da COGNITIVA, 3., São Paulo, 1998. Anais. São
demonstração e instrução verbal na aprendizagem de Paulo, Unicamp, 1998. p.65.
habilidades motoras da ginástica olímpica. Revista
Paulista de Educação Física, v.8, n.2, p.112-26,
1995.

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.13, p.52-61, dez. 1999. N.esp.
A dinâmica do estudo do comportamento motor 61
_____. Sistema antecipatório e o processo adaptativo na UGRINOWITSCH, H. Interferência contextual:
aquisição de uma habilidade motora seriada de manipulação de programa e parâmetro na
rastreamento. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL aprendizagem da habilidade saque do voleibol.
DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 20., São Paulo, São Paulo, 1997. 92p. Dissertação (Mestrado) –
1996. Anais. São Paulo, Centro de Estudos do Escola de Educação Física e Esporte, Universidade
Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do de São Paulo.
Sul, 1996. p.91. WADE, M.G.; WHITING, H.T.A., eds. Motor
_____. Sistema antecipatório e o processo adaptativo na development in children: aspects of coordination
aquisição de uma habilidade motora seriada de and control. Dordretcht, Martinus Nijhoff, 1986.
rastreamento em função da idade. In: SIMPÓSIO ZANONE, P.; KELSO, J.A.S. Coordination dynamics
PAULISTA DE EDUCAÇÃO FÍSICA, 6., Rio of learning and transfer: collective and component
Claro, 1997. Anais. Rio Claro, Departamento de level. Journal of Experimental Psychology:
Educação Física, UNESP, 1997. p.46. Human Perception and Performance, v.23, n.5,
TANI, G.; MANOEL, E.J.; KOKUBUN, E.; PROENÇA, p.1454-80, 1997.
J.E. Educação física escolar: fundamentos de uma _____. Learning and transfer as dynamical paradigms
abordagem desenvolvimentista. São Paulo, for behavioral changes. In: STELMACH, G.E.;
EPU/EDUSP, 1988. REQUIN, J., eds. Tutorial in motor behavior II.
THELEN, E. Development of coordinated movement: Amsterdam, North Holland, 1992.
implications for early human development. In: ZANONE, P.; KELSO, J.A.S.; JEKKA, J. Concepts and
WADE, M.; WHITING, H.T.A., eds. Motor methods for a dynamical approach to behavioral
development in children: aspects of control and coordination and change. In: SAVELSBERGH,
coordination. Dordrecht, Martinu Nijhoff, 1986. G.J.P., ed. The development of coordination in
TINBERGEN, N. On aims and methods of ethology. infancy. Amsterdam, North Holland, 1993.
Zeitschrift fur Tierpsychologie, v.20, p.410-33,
1863.

ENDEREÇO: Edison de Jesus Manoel


EEFEUSP
Av. Prof. Mello Moraes, 65
05508-900 - São Paulo - SP - BRASIL

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.13, p.52-61, dez. 1999. N.esp.