Você está na página 1de 6

HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS é contraprestação

I – Conceito: é a remuneração pecuniária devida pelo cliente ao advogado, em contraprestação


aos serviços judiciais ou extrajudiciais por este prestados.

 Receber h.a. , mas não presta serviços = locupletamento – infração disciplinar – pena:
suspensão.
 Cobrar h.a. INJUSTIFICADAMENTE acima da tabela estabelecida pela OAB =
locupletamento – infração disciplinar – pena: suspensão.
 Receber h.a., mas presta serviços parcialmente = honorários proporcionais – exemplo
renúncia, revogação.
 Cobrar habitualmente h.a. abaixo da tabela estabelecida pela OAB = aviltamento de
honorários advocatícios – pena: censura.

II - Natureza Jurídica: a natureza dos honorários advocatícios é alimentar, com os mesmos


privilégios dos créditos oriundos da legislação do trabalho, nos termos do artigo 85, §14, do
CPC.

Tipo do crédito =

ANTES - Estatuto Advocacia -> tipo privilegiado art. 24, caput, EA.

AGORA - CPC -> nova característica -> nas ações coletivas os h.a. serão equiparados a créditos
trabalhistas. Deixou de ser privilegiado¿ Sim, por ter natureza alimentar o h.a. deveria se
equiparar a crédito trabalhista.

Resultado> execução coletiva (quadro geral dos credores) ordem de pagamento

1. Trabalhista/Alimentar -> h.a. entra neste grupo


2. Privilegiados
3. Quirografários

III – Espécies:

a) honorários convencionados: são aqueles preestabelecidos entre o advogado e o


cliente, por meio de um contrato (escrito ou verbal – incontroverso ). O contrato de
honorário escrito representa título executivo extrajudicial “T.E.E.” CONTRATO DE
HONORÁRIO SERÁ CONSIDERADO TITULO EXECUTIVO EXTRAJUDICIAL MESMO QUE
SEM ASSINATURA DE 2 TESTEMUNHAS – É uma exceção nos títulos executivos
extrajudiciais (ART. 784, III CPC), e, assim, poderá ser cobrado em ação de execução
contra o devedor, que poderá ser autônoma (art. 786, CPC), coletiva ou nos próprios
autos do processo no qual o advogado trabalhou.

OBS.: Se o contrato for verbal for controverso, não será convencionado.

Medida judicial para exigir honorários convencionados – aplica-se ao contrato escrito ->
execução. Para entrar com seu processo de cobrança de h.a. é necessário renunciar a
representação advocatícia anteriormente.
Execução coletiva -> habilitar o crédito adv nessas ações

I. Falência
II. Recuperação judicial
III. Insolvência civil
IV. Liquidação extrajudicial – exemplo bancos.

Os honorários advocatícios representam crédito com privilégio geral nos processos de falência,
recuperação judicial, insolvência civil do devedor e liquidação extrajudicial, nos moldes do que
classificou a Lei 11.101/2005.

b) honorários arbitrados judicialmente: são os honorários fixados por sentença judicial, por
conta de não ter havido convenção entre as partes, ou, ainda, de ter havido convenção verbal
e a mesma ter restado controversa. Quando não houver contrato escrito ou, ainda, quando o
contrato verbal restar controverso, o advogado deverá valer-se do arbitramento judicial de
honorários.
Os honorários arbitrados podem ser estipulados de ofício na ação, na reconvenção, no
cumprimento de sentença, na execução e nos recursos.

Cabível quando:

- não tem contrato estipulando anteriormente os honorários advocatícios – ação autônoma


para fixar os honorários adv.

- contrato verbal controverso feito com o cliente – título executivo extrajudicial T.E.E. > ação
do advogado contra o ex- cliente -> juiz nomeia perito -> perito utiliza tabela de honorários
da OAB -> sentença -> após transito em julgado, terá um titulo executivo judicial T.E.J.

C) honorários de sucumbência (ATÉ 20%): são os honorários fixados na sentença,


decorrentes do êxito do trabalho do advogado na demanda judicial. É condenada ao
pagamento dos honorários de sucumbência a parte que perdeu o processo e, ainda, a
parte executada, nas ações de execução. Serão fixados nos termos da regra definida pelo
art. 85 do Código de Processo Civil, entre um PERCENTUAL MÍNIMO DE 10% e MÁXIMO
DE 20% sobre o valor da condenação.

Os honorários sucumbenciais não admitem compensação! É DIREITO EXCLUSIVO DO


ADVOGADO. Exemplo: honorários convencionados + honorários sucumbenciais – o
advogado irá receber a cumulação desses valores, pois a sucumbência é bônus para a parte
vencedora. E se o advogado quiser compensar ou devolver¿ Ele não é impedido, pois o
dinheiro é dele. A parte que perdeu paga para o advogado da parte que ganhou!

A definição da sucumbência será:

 Na sentença – lato sensu (há decisão interlocutória que também fixa honorários
advocatícios).
 No acórdão.

Honorários no cumprimento de sentença (art. 85, §1o, CPC)


Ao advogado credor: depois de escoado o prazo para pagamento voluntário iniciado após a
intimação do advogado da parte executada, haja ou não impugnação (Súmula 517, STJ);

Ao advogado devedor: se acolhida a impugnação ao cumprimento de sentença, ao advogado


impugnante.

BASE DA DEFINIÇÃO DA SUCUMBENCIA – LEI – HÁ LIMITES MÍNIMOS E MÁXIMOS

JUSTIÇA CÍVEL – CPC – ESTIPULADA ENTRE 10 A 20% DO VALOR DA CONDENAÇÃO.

JUSTIÇA DO TRABALHO – CLT – ESTIPULADA ENTRE 5 A 15% DO VALOR DA CONDENAÇÃO.

Por tal razão o art. 48, CED possibilita ao advogado a cobrança da sucumbência de forma
destacada ou autônoma do processo.

SUCUMBÊNCIA DO ADVOGADO EMPREGADO – Em regra é direito exclusivo do advogado,


porém irá depender do empregador.

Empregado de Sociedade de Advogado = pode partilhar entre o advogado empregado e os


sócios.

Empregado de Empresa comum= sucumbência deve ser do advogado, somente.

Empregado público (servidor público)= sucumbência será do advogado, somente.


Sucumbência do advogado público forma um fundo comum – junta tudo em conta corrente e
partilha aos advogados da carreira.

Em qualquer uma das hipóteses o empregado recebe salário normalmente.

Integração do salário – sucumbência não integra o salário para fins trabalhistas ou


previdenciários.

d) honorários assistenciais – (ENTIDADES DE CLASSE) Lei nº 13.725/2018 E art. 22, p. 6 e 7,


EAOAB: são aqueles pagos a um advogado contratado por entidade sindical para prestar
assistência jurídica ao trabalhador sem condições financeiras de arcar com os custos de um
advogado. Os honorários assistenciais podem ser cumulados com os honorários arbitrados e
sucumbenciais.

 Os honorários assistenciais (entidade de classe) podem ser cumulados com os


honorários convencionados (assistidos)¿ Sim.
 Os honorários assistenciais são fixados em ações coletivas propostas pelas entidades
de classe, PAGOS POR ESTA, em substituição processual (assistidos e representados).

IV - Cobrança de honorários advocatícios: por meio de ação de execução quando há contrato


escrito, que poderá ser promovida autonomamente, ou nos próprios autos da ação em que
tenha atuado o advogado. Quando não houver contrato, o advogado deverá promover
medida para arbitrar judicialmente os honorários devidos pela prestação de serviços, e
somente após o trânsito em julgado da sentença que fixar os honorários poderá exigir o
cumprimento da sentença.
V – Cláusula “ad exitum” e"quota litis" (ATÉ 30%): advogado admitir o recebimento de
honorários fixados com base em parte da vantagem obtida pelo cliente com a demanda
judicial, estará realizando o pacto cotista, ou seja, a "quota litis". Contrato de risco em que se
arbitra ATÉ o máximo de 30% do valor recebido – limite estabelecido pela jurisprudência do
TRIBUNAL DE ÉTICA DA OAB. Para haver essa cláusula:

1. o contrato deve ser escrito


2. a cota do advogado deve ser menor do que a cota do cliente
3. o cliente deve comprovar que não tem condições de pagar os honorários advocatícios.

EXEMPLO – Ação trabalhista, prévio contrato com previsão de ‘’quota litis’’ - Depósito
surpresa: 791, CLT jus postulandi –pede emitir guia do fórum – execução no próprio processo –
juntar o contrato escrito – pedir guia separada em nome do cliente e outra em nome do
advogado.

A regra ética é que os honorários sejam pagos em razão dos serviços prestados pelo
advogado ao cliente, e não que o advogado se associe ao cliente nas causas.

Requisitos:

a) que o pagamento dos honorários seja feito sempre em pecúnia, entretanto, se não for
pago em pecúnia, em razão de falta de condições financeiras do cliente, o que se
admite em caráter de exceção, que conste no contrato escrito tal cláusula, informando
a dificuldade financeira do cliente;

b) que fique expressa no contrato a "quota litis", com o percentual previamente


combinado entre as partes;

c) que mesmo quando acrescido dos honorários de sucumbência, a vantagem do


advogado não seja maior do que a vantagem do cliente;

d) que o advogado assuma o custeio integral da demanda, em razão do pacto que


entabulou com o cliente*.

VI) ADVOCACIA PRO BONO – art. 30, CED.

Prestação gratuita, eventual e voluntária em favor de:

a) Instituições sociais sem fins econômicos e aos seus assistidos, sempre que não dispuserem
de recursos para contratação profissional;

b) Pessoas naturais que não dispuserem de recursos para contratação profissional.

FORMA DE PAGAMENTO DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS

 1/3 início do serviço + 1/3 até decisão de 1º instância/sentença + 1/3 final do processo
ou trânsito em julgado – salvo, se não for combinado anteriormente pela parte e pelo
advogado.
 O titular dos honorários advocatícios é o advogado, entretanto este poderá permitir
que a sociedade de advogados realize a execução.
 Se a sentença for omissa quanto aos honorários advocatícios poderá haver ação
autônoma para cobrança e fixação destes.
 Na justiça do trabalho é devido h.a. quando o autor postular em causa própria.
 O beneficiário de justiça gratuita também poderá ser condenado ao pagamento do h.a.
embora fique sob condição suspensiva de 2 anos.
 Devido em face da fazenda pública e na reconvenção.
 Sucumbência parcialmente recíproca – h.a. não podem ser compensados

Prescreve em 5 anos a ação de cobrança de honorários de advogado.

FIXAÇÃO DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS

Os honorários devem ser fixados atendendo aos seguintes elementos:

a) A relevância, o vulto, a complexidade e a dificuldade das questões versadas;

b) O trabalho e o tempo necessário;

c) A possibilidade de ficar o advogado impedido de intervir em outros casos, ou de se desavir


com outros clientes ou terceiros;

d) O valor da causa, a condição econômica do cliente e o proveito para ele resultante do


serviço profissional;

e) O caráter da intervenção, conforme se trate de serviço a cliente eventual, frequente ou


constante;

f) O lugar da prestação dos serviços;

g) A competência profissional;

h) A praxe do foro sobre trabalhos análogos.

REGRAS GERAIS

- A contratação dos serviços do advogado deve ser feita, preferencialmente, por escrito.

- É possível advogar sem contrato, entretanto não é recomendado.

- O contrato não requer forma especial.

- É proibida a diminuição dos honorários contratados em decorrência da solução do litígio por


qualquer mecanismo adequado de solução extrajudicial.

- Ações contra a fazenda pública o pagamento dos honorários será em forma de precatórios
(art. 100 da Constituição da República Federativa do Brasil) Obs.: Súmula Vinculante 47/STF.

PRESCRIÇÃO DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS – 5 ANOS


- A prescrição para cobrança de honorários advocatícios é de 5 anos (art. 25 do Estatuto),
contados a partir:

1) se houver contrato, do vencimento deste;

2) da transação (ACORDO) ou da desistência;

3) do trânsito em julgado da decisão que fixar os honorários;

4) da conclusão de serviço extrajudicial;

5) da renúncia ou da revogação de mandato.

PRESTAÇÃO DE CONTAS DO ADVOGADO PARA COM O CLIENTE:

Com relação à ação mencionada no art. 25-A do Estatuto, que diz respeito à prestação de
contas do advogado ao cliente, o prazo prescricional é o mesmo (5 anos).

O Código Civil também prevê, em seu art. 206, § 5º, II, que prescreve em cinco anos: “a
pretensão dos profissionais liberais em geral, procuradores judiciais, curadores e professores
pelos seus honorários, contado o prazo da conclusão dos serviços, da cessação dos respectivos
contratos ou mandato”.

RECEBIMENTO DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS - FORMA DE RECEBIMENTO

Duplicata – não permitida, é proibida – protesto proibido.

Debênture - não permitida, é proibida – protesto proibido.

Fatura – permitida, desde que solicitada pelo cliente – protesto proibido!*

Cheque – permitida – protesto permitido, depois de esgotadas as tentativas amigáveis.**

Nota promissória – permitida – protesto permitido, depois de esgotadas as tentativas


amigáveis.**

Cartão de crédito – permitida, desde que os custos da operação sejam do advogado –


protesto não se aplica.

Você também pode gostar