Você está na página 1de 11

Centro de ciências

Departamento de física
Laboratório de física experimental para engenharia
Semestre 2020.1

Prática 7 – Lei de Hooke (virtual)

Aluna: Gabriela Kogan Capeletti;


Matricula: 496336;
Curso: Engenharia de energias renováveis;
Turma: 25.A;
Professor: Francisco Nepomuceno Filho e Nildo Loiola Dias.
1

Objetivos

• Verificar a lei de Hooke;


• Determinar a constante elástica de uma mola helicoidal;
• Determinar o valor de uma massa desconhecida;
• Determinar a aceleração da gravidade.

Material

• Molas cilíndricas em espiral (Mola 1, Mola 2 e Mola 3) (equipamento virtual);


• Massas aferidas (100 g, 150 g, 200 g, 250 g e 300 g) (equipamento virtual);
• Três Massas desconhecidas (menor, média e maior) (equipamento virtual);
• Régua (equipamento virtual);
• Para a realização do experimento virtual foi utilizado o simulador:
https://phet.colorado.edu/sims/htmlmasses-and-springs-basics/latest/masses-and-
springs-basics_pt_BR.html.

Introdução

1. Lei de Hooke

A lei de Hooke é, segundo Helerbrock, a lei que determina o quanto uma força é
capaz de deformar um corpo elástico, ou uma mola.

Essa lei pode ser descrita da seguinte forma (1.0):

F = k.x (1.0)

Onde “F” é a força que atua no corpo, “k” é a sua constante elástica e “x” a
deformação sofrida por ele.

Temos ainda que, novamente de acordo com Helerbrock, que a constante elástica
determina a rigidez de uma mola, ou seja, o quanto de força é necessário para causar uma
determinada deformação na mola. Dessa forma, uma mola é “mais elástica” do que outra,
quando sua constante elástica for menor.
2

2. Associação de molas.

Podemos associar molas de duas formas: paralelamente ou em série. Segundo


Ferreto (2020), a associação de várias molas pode ser representa por uma “mola
equivalente”, de constante keq .

O valor keq em uma associação em paralelo de duas ou mais molas pode ser
determinado por (2.0):

keq = Σk (2.0)

Onde Σk representa o somatório das constantes elásticas das molas.

Já em uma associação em série de duas ou mais molas, usamos a relação (3.0):

1
keq = Σ (3.0)
𝑘

1
Onde Σ representa o somatório do inverso das constantes elásticas das molas.
𝑘

3. Determinação da gravidade.

Utilizando a Lei de Hooke podemos determinar a gravidade de um planeta. Se um


corpo de massa m for suspenso por uma mola de constante k causando uma deformação
x na mola, podemos afirmar que, pelo equilíbrio de forças é válida a relação:

m.g =k.x (4.0)

𝑘
 g = (𝑚 ).x (5.0)

A gravidade em função da constante elástica é, portanto, representada pela


equação (5.0).

Procedimento

Utilizando o link especificado em “materiais” foi selecionada a opção “lab” para


realizar os experimentos.

Procedimento 1: Determinação da constante elástica das molas.

Na tela inicial de “lab”, existe uma janela com o título “Comprimento da Mola 1”.
Foi chamada de mola 1, com constante elástica k1, a mola com o cursor dessa janela na
3

posição terceiro tracinho. Chamamos ainda de mola 2, com constante elástica k2, quando
o cursor estiver no quinto tracinho e de mola 3, com constante elástica k3, para o cursor
no sexto tracinho.

Utilizando a massa conhecida disponível no simulador, foram determinados os


valores de k1, k2 e k3. Os resultados obtidos podem ser visualizados nas tabelas 1, 2 e 3.

Os valores de kn, onde n pode ser 1, 2 ou 3, foram determinados pela seguinte


equação:

𝑃.10
kn =
𝛥𝑥

Tabela 1: Resultados “experimentais” para a MOLA 1.


MASSA (g) P (N) Δx (mm) k1 (N/cm)
100 0,98 17 0,6
150 1,47 26 0,6
200 1,96 34 0,6
250 2,45 42 0,6
300 2,94 50 0,6
XXXXX XXXXX Constante elástica média 0,6 N/cm

Tabela 2: Resultados “experimentais” para a MOLA 2.


MASSA (g) P (N) Δx (mm) k2 (N/cm)
100 0,98 13 0,8
150 1,47 20 0,7
200 1,96 26 0,8
250 2,45 32 0,8
300 2,94 38 0,8
XXXXX XXXXX Constante elástica média 0,8 N/cm

Tabela 3: Resultados “experimentais” para a MOLA 3.


MASSA (g) P (N) Δx (mm) k3 (N/cm)
100 0,98 12 0,8
150 1,47 18 0,8
4

200 1,96 23 0,9


250 2,45 28 0,9
300 2,94 34 0,9
XXXXX XXXXX Constante elástica média 0,9 N/cm

Procedimento 2: “Medidas” para a determinação das massas desconhecidas.

Os valores obtidos para as constantes elásticas foram utilizados para determinar


os valores de massa dos três pesos disponíveis na simulação.

Inicialmente foi verificado o quanto cada mola distendia para cada um dos pesos,
os resultados obtidos podem ser verificados na tabela 4.

Tabela 4: Resultados “experimentais” para determinação das massas desconhecidas.


Massa Δx mola 1 (mm) Δx mola 2 (mm) Δx mola 3 (mm)
desconhecida
Menor 11 8,5 8,0
Média 21 16 14
Maior 31 23 21

Aplicando os valores obtidos para Δx na equação mostrada a baixo, iremos


determinar as massas dos pesos.

𝑘𝑛⋅𝛥𝑥
M= . 1000
10.9,8

Os valores obtidos podem ser visualizados na tabela 5.

Tabela 5: Determinação das massas desconhecidas.


Massa Massa Massa
Massa desconhecida desconhecida desconhecida Massa
desconhe- determinada determinada determinada desconhecida
cida com a mola 1 com a mola 2 com a mola 3 média(g)
(g) (g) (g)
Menor 67 69 73 70
Média 1,3.10 1,3.10 1,3.10 1,3.10
5

Maior 1,9.10 1,9.10 1,9.10 1,9.10

Procedimento 3: “Medidas” para a determinação da aceleração da gravidade.

Tendo determinado os valores das constantes elásticas, iremos agora determinar o


valor da gravidade no “planeta X”.

Utilizando a massa conhecida e a mola 2, obtemos os resultados explicitados na


tabela 6. O valor da gravidade foi calculado pela seguinte equação:

𝑘2.Δx
g’ =
𝑚.0,01

Tabela 6: Resultados “experimentais” para o “Planeta X.


MASSA (g) Δx mola 2 (mm) g' PLANETA X (m/s²)
100 19 15
150 27 14
200 36 14
250 45 14
300 54 14
VALOR MÉDIO DA ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE 14 m/s2

Questionário

1) Represente em uma mesma folha, os gráficos de F versus x (para as 3 molas) colocando


as forças nas ordenadas e os alongamentos nas abscissas.
6

2) Determine, pelo gráfico da questão 1, a constante elástica de cada mola (1, 2 e 3).

Fazendo a regressão linear pelo programa QtiPlot, obtemos as seguintes equações


descrevendo cada reta:

Mola 1: y = 0,06x – 0,06


7

Mola 2: y = 0,08x – 0,07

Mola 3: y = 0,09x – 0,12

Podemos dizer que a constante é igual ao coeficiente angular vezes 10 (a


multiplicação é necessária para converter os mm para cm), portanto k1 = 0,6 N/cm, k2 =
0,8 N/cm e k3 = 0,9 N/cm.

3) Qual das molas (1, 2 ou 3) é a mais elástica? Justifique.

A mola 1 possui a menor constante elástica, por isso sofre deformações de forma
mais fácil e é a mais elástica.

4) Construa o gráfico de x (elongação) versus m (massa), colocando as elongações nas


ordenadas e as massas nas abscissas.

5) O que representa o coeficiente angular do gráfico da questão anterior? Justifique.

Para que exista equilíbrio no sistema estudado, temos que:


8

𝑔
k.x = m.g  x = ( 𝑘 ).m

Logo, podemos afirmar que o coeficiente angular é igual a razão da gravidade pela
constante elástica.

6) Um astronauta colheu uma pedra na Lua e a suspendeu por uma mola. Observou que
a mola distendeu de X1. Ao retornar para a Terra, suspendeu novamente a pedra na
mesma mola e observou que a mola distendeu X2. Mostre como determinar a aceleração
da gravidade da Lua a partir desses dados e da aceleração da gravidade na Terra, sem
conhecer a constante elástica da mola.

g = gravidade da Terra, g’ = gravidade da lua, k = constante elástica da mola, m = massa


da pedra.

1. Equilíbrio de forças na Terra:


𝑔
k.X2 = g.m  k = ( 𝑋2 ).m

2. Equilíbrio de forças na lua:

k.X1 = g’.m
𝑔
( ).m.X1 = g’.m
𝑋2

𝑋1
 g’ = g. ( )
𝑋2

7) Considerando que você dispõe de duas Molas 2 (como definida no procedimento 1.7).
Calcule a constante elástica equivalente resultante da associação dessas duas molas
associadas em série. Utilize a constante elástica média obtida na Tabela 7.2.

Se as molas estiverem em série, temos que:

1 1 1
= 𝑘2 + 𝑘2
𝑘

k = 2k2

k = 2.0,8

k=1,6 N/cm
9

8) Considerando que você dispõe de duas Molas 3 (como definida no procedimento 1.7).
Calcule a constante elástica equivalente resultante da associação dessas duas molas
associadas em paralelo. Utilize a constante elástica média obtida na Tabela 7.3.

Se as molas estão em paralelo, temos que:

k = k3 + k3

k = 2.k3

k = 2.0,9

k = 1,8 N/cm

Conclusão

De acordo com os resultados obtidos nas tabelas 1, 2 e 3, podemos afirmar que


quanto maior a força aplicada na mola, maior será sua deformação. O que comprava a Lei
de Hooke.

No procedimento 1 foi possível determinar com boa precisão os valores das


constantes elásticas das 3 molas. Os resultados obtidos foram utilizados no procedimento
3 para determinar, novamente com uma boa precisão, os valores de massa dos 3 corpos
disponíveis. Já no procedimento 3, os resultados do procedimento 1 foram novamente
utilizados, dessa vez para determinar a gravidade do “planeta X”, que também apresentou
resultados de precisão desejável.

As pequenas discrepâncias ocorridas entre algumas medições atribuem-se a erros


de medida humanos, essas divergências, porém, não interferem no resultado final.

Dessa forma, podemos concluir que os objetivos da prática foram atingidos.


10

Referências

HELERBROCK, Rafael. "Lei de Hooke"; Brasil Escola, [s.d.]. Disponível em:


https://brasilescola.uol.com.br/fisica/lei-de-hooke.htm. Acesso em 30 de setembro de
2020.

FERRETO. “Associação de molas”; Blog professor Ferreto, 29 de abril de 2020.


Disponível em: https://blog.professorferretto.com.br/associacao-de-molas/. Acesso em
30 de setembro de 2020.

Você também pode gostar