Você está na página 1de 36

4

ULARES
.
MA
NOVO PR OG RA
Português

METAS CURRIC
FE RTA
O LUNO
ano AO A
CARLOS LETRA | MIGUEL BORGES

FICHAS DE

Avaliação
Fichas de Avaliação Diagnóstica,
Mensal, Trimestral e Final
Título
Fichas de Avaliação Diagnóstica,
Mensal, Trimestral, e Final
Português Gailivro 4.º ano
Coleção O Mundo da Carochinha

Autor
Carlos Letra
Miguel Borges

Design Gráfico
Gailivro

Ilustração
Espiral Inversa

Pré-Impressão
Gailivro

Impressão e acabamento
Taligraf – Artes Gráficas, Lda.

1.ª Edição
Março de 2013

1.ª Tiragem
12 100 exemplares

ISBN
978-989-32-0073-5-3

Depósito Legal
355 584/13

2013 Edições Gailivro


Reservados todos os direitos.
É proibida a reprodução total ou parcial desta obra
por qualquer meio (fotocópia, offset, fotografia, etc.).

Este livro encontra-se redigido


conforme o novo Acordo Ortográfico.

Uma Editora do GRUPO LEYA Lisboa


LeYa no Freeport
Morada: Avenida Euro 2004
Rua Cidade de Córdova, 2 2890-154 Alcochete
2610-038 Alfragide
Portugal LeYa na Buchholz
Rua Duque de Palmela, 4
Telefone:
1200-098 Lisboa
+351 214 272 200
LeYa no Rossio 11
Fax:
+351 214 272 201 Praça D. Pedro IV, 11
1100-199 Lisboa
E-mail:
apedagogico@gailivro.pt LeYa na Barata
Av. de Roma, 11 A
Site: 1049-047 Lisboa
www.gailivro.pt
LeYa no Rossio 23
Linha de apoio ao Professor: Praça D. Pedro IV, 23
707 258 258 1100-199 Lisboa
LIVRARIAS Porto
Aveiro LeYa na Latina
LeYa em Aveiro R. de Santa Catarina, 2-10
Centro Comercial Glicínias, Lj. 37 4000-441 Porto
3810-498 Aveiro
Queluz
Coimbra LeYa em Massamá
LeYa em Coimbra S.C. de Massamá, Lj 41,
R. Ferreira Borges, 77-79
3000-180 Coimbra Av. 25 de Abril
2745-862 Queluz
Faro
LeYa no Pátio Santarém
R. Dr. Cândido Guerreiro, 26-30 LeYa na Caminho
8000-321 Faro R. Pedro de Santarém, 41
2000-223 Santarém
Funchal
LeYa no Funchal Viseu
R. do Hospital Velho, 44 LeYa em Viseu
Sta. Maria Maior R. Formosa, 83
9060-129 Funchal 3500-135 Viseu
4
o

ULARES
.
MA
NOVO PR OG RA
Português

METAS CURRIC
TA
OFER
LUNO
ano AO A
CARLOS LETRA | MIGUEL BORGES

FICHAS DE

Avaliação
Fichas de Avaliação Diagnóstica,
Mensal, Trimestral e Final
Título
Fichas de Avaliação Diagnóstica,
Mensal, Trimestral, e Final
Português Gailivro 4.º ano
Coleção O Mundo da Carochinha

Autor
Carlos Letra
Miguel Borges

Design Gráfico
Gailivro

Ilustração
Espiral Inversa

Pré-Impressão
Gailivro

Impressão e acabamento
Taligraf – Artes Gráficas, Lda.

1.ª Edição
Março de 2013

1.ª Tiragem
12 100 exemplares

ISBN
978-989-32-0073-5-3

Depósito Legal
355 584/13

2013 Edições Gailivro


Reservados todos os direitos.
É proibida a reprodução total ou parcial desta obra
por qualquer meio (fotocópia, offset, fotografia, etc.).

Este livro encontra-se redigido


conforme o novo Acordo Ortográfico.

Uma Editora do GRUPO LEYA Lisboa


LeYa no Freeport
Morada: Avenida Euro 2004
Rua Cidade de Córdova, 2 2890-154 Alcochete
2610-038 Alfragide
Portugal LeYa na Buchholz
Rua Duque de Palmela, 4
Telefone:
1200-098 Lisboa
+351 214 272 200
LeYa no Rossio 11
Fax:
+351 214 272 201 Praça D. Pedro IV, 11
1100-199 Lisboa
E-mail:
apedagogico@gailivro.pt LeYa na Barata
Av. de Roma, 11 A
Site: 1049-047 Lisboa
www.gailivro.pt
LeYa no Rossio 23
Linha de apoio ao Professor: Praça D. Pedro IV, 23
707 258 258 1100-199 Lisboa
LIVRARIAS Porto
Aveiro LeYa na Latina
LeYa em Aveiro R. de Santa Catarina, 2-10
Centro Comercial Glicínias, Lj. 37 4000-441 Porto
3810-498 Aveiro
Queluz
Coimbra LeYa em Massamá
LeYa em Coimbra S.C. de Massamá, Lj 41,
R. Ferreira Borges, 77-79
3000-180 Coimbra Av. 25 de Abril
2745-862 Queluz
Faro
LeYa no Pátio Santarém
R. Dr. Cândido Guerreiro, 26-30 LeYa na Caminho
8000-321 Faro R. Pedro de Santarém, 41
2000-223 Santarém
Funchal
LeYa no Funchal Viseu
R. do Hospital Velho, 44 LeYa em Viseu
Sta. Maria Maior R. Formosa, 83
9060-129 Funchal 3500-135 Viseu
Ficha de avaliação diagnóstica – setembro
Português

Nome: Data:

Lê o texto com muita atenção.

O Outono gosta de conviver


O Outono gosta de conviver. Por isso, ele vem na época das longas conversas e
também dos longos silêncios, de qualquer modo um tempo em que as pessoas co-
municam não só pelas palavras mas também pelo coração.
Então, pelo S. Martinho, o Outono convida os colegas para passarem o dia com
ele. O Inverno raramente aceita o convite porque tem frio e não lhe apetece sair de
casa. Mas a Primavera e o Verão nunca faltam. É tempo de festa, de comer castanhas
e provar o vinho novo e então, só porque eles saíram da porta verde e da porta
amarela, o dia acorda primaveril, com uma suave brisa matinal e ao meio-dia está
quente como se fosse agosto.
(O ano desta história foi excecional e o Inverno apareceu com o saco de estrelas
e lançou alguns cristais de neve por cima dos telhados. Ficou lindo e de manhã o
Verão derreteu-os antes de ir para casa).
O Outono, que tem predileção por bibliotecas, casacos de malha e crepúsculos
suaves, sugere sempre às pessoas que juntem estas três coisas e leiam bons livros,
dos quais se lembrarão toda a vida, sobretudo enquanto houver bibliotecas, camisolas
de malha e finais de tarde entre o dourado e o lilás.
O Outono gosta de criar uma ambiência especial, luminosa e serena, que faz as
pessoas sentirem uma certa quietude na alma.
Talvez seja por isso que os poetas gostam do outono.
Rosa Lobato de Faria, As quatro portas do céu,
2.ª edição, Edições Asa, 2001 (excerto adaptado)

1. Seleciona com X a opção que completa cada frase de acordo com o sentido do
texto.

1.1 O Outono surge na época das longas conversas e dos longos silêncios
porque…
a) gosta de sossego. b) gosta de silêncio.

c) gosta de conviver. d) gosta do S. Martinho.

1.2 No outono, as pessoas também comunicam pelas…


a) conversas e pelos silêncios. b) noites sossegadas e frias.

c) estações do ano e pelo silêncio. d) palavras e pelo coração.

2. Em que altura do ano é que o Outono convida os seus colegas a passar o dia
com ele?
Edições Gailivro
3. Quem é que aceita poucas vezes o seu convite? Porquê?

4. Assinala com X o significado da palavra predileção.


a) desgosto b) preferência c) desprezo d) prazer

5. Indica os três elementos pelos quais o Outono tem predileção.

6. Explica, por palavras tuas, porque é que os poetas gostam do outono.

7. Assinala com X, de acordo com a classe a que pertence cada palavra.


Nome Adjetivo Verbo Determinante
uma
coração
bons
gostam
primaveril

8. Preenche os quadros com palavras do texto.


Classificação de palavras quanto ao número de sílabas
Monossílabos Dissílabos Trissílabos Polissílabos

Classificação de palavras quanto à posição da sílaba tónica


Palavras agudas Palavras graves Palavras esdrúxulas

9. O que é que te sugere o outono? Responde à questão, descrevendo o que


costumas fazer num dia de outono.
Edições Gailivro
Ficha de avaliação mensal – outubro
Português

Nome: Data:

Lê o texto com muita atenção.

As vindimas
No dia combinado, logo de manhã, todos, com chapéus de palha na cabeça,
munidos de tesouras e de cestos, dirigiram-se à vinha e começaram a cortar os ca-
chos, mas a primeira vindima foi para o estômago… Quem resistia a uvas tão boas?
– Vocês, assim dão prejuízo! – disse o avô Alberto, brincalhão…
E a Joana, sorrindo:
– São tão doces! Tu não comes, avô?
E ele não se faz rogado…
A vindima é sempre uma alegria e, de certo modo, uma brincadeira, porque as
pessoas entram em competição, para verem quem consegue vindimar mais! E ma-
nifestam a sua alegria, rindo ou cantando cantigas populares. Os cestos vão sendo
despejados numa dorna, colocada num carro de bois, que um trabalhador da quinta
levará ao lagar.
A produção de vinho é só para casa e para a família.
A tradição é mantida e, assim, as uvas são pisadas por homens de calças arre-
gaçadas até acima, braços estendidos sobre os ombros dos companheiros, sem parar,
num ritmo certo, quase como se dançassem ao som das suas cantigas, uma dança
grega, com as pernas ensanguentadas de sumo… Um deles escorrega e cai. Quando
o levantam está completamente roxo… e só um banho lhe restitui a cor.
Renata Gil, Na quinta dos sabugueiros,
2.ª edição, Edições Gailivro, 2007 (excerto)

1. Qual é o assunto principal do texto?

2. Assinala com X a expressão de significado idêntico à seguinte.


«No dia combinado»
a) no dia anterior b) no dia seguinte c) no dia acordado

3. Transcreve a fala do avô Alberto.

3.1 O que o levou a dizer isso?


Edições Gailivro
4. Seleciona com X a opção que completa corretamente cada frase.
4.1 As pessoas manifestavam a sua alegria…
a) carregando as uvas para o lagar.

b) cantando cantigas populares ou rindo.

c) rindo e dançando.

d) cantando cantigas inglesas e rindo.

4.2 A produção do vinho é para…


a) consumir em casa e para vender. b) consumir apenas em casa.

c) consumo da casa e restante família. d) vender para o estrangeiro.

5. Copia do texto…
a) um nome próprio.
b) um nome comum coletivo.

6. Escreve o plural de…


a) homem. – b) fácil. – c) avental. –

7. Faz a divisão silábica das palavras do quadro e classifica-as quanto ao número


de sílabas.

Divisão silábica Classificação


carro
prejuízo
num
produção

8. Através de um pequeno texto, escreve um convite para que os vizinhos e


familiares participem num dia de vindima.
Edições Gailivro
Ficha de avaliação mensal – novembro
Português

Nome: Data:

Lê o texto com atenção.

Com a mão de ferro mandou


neste país sem parar
durante quase meio século
sem ninguém poder falar.

Queria ele um Portugal


pobrezinho mas honrado,
entesourando o tostão
num cofre bem vigiado.

E foi assim que em abril


um grupo de capitães
devolveu filhos soldados
aos braços de suas mães.

Foi a guerra que acabou


e voltou a liberdade
para pôr cravos de esperança
nos canteiros da cidade.
José Jorge Letria, Portugal para miúdos,
2.ª edição, Texto Editores, 2012 (adaptado)

1. Quantas estrofes tem este poema?

1.1 E quantos versos?

2. Seleciona com X a forma como a rima ocorre em cada estrofe deste poema.
a) 1.o e 3.o versos b) 1.o e 4.o versos

c) 2.o e 3.o versos d) 2.o e 4.o versos

3. A que época reporta o texto que leste? Justifica a tua resposta com dois versos
do texto.
Edições Gailivro
4. Assinala com X o significado da palavra «entesourando».
a) ganhando b) guardando c) distribuindo d) perdendo

5. Quem foi que devolveu os filhos aos braços das mães?

6. Explica, por palavras tuas, os últimos dois versos deste poema.

7. Escreve, no devido lugar, um título para o poema.

8. Assinala com X a palavra que tem significado contrário à palavra sublinhada:


Pobrezinho mas honrado.
a) aborrecido b) distraído c) satisfeito d) honesto

9. Completa o quadro, fazendo variar o grau dos nomes.


Grau normal Grau aumentativo Grau diminutivo
pobrezinho
mão
cabeçona

10. Circunda, nas frases, os adjetivos numerais.


a) Os capitães acabaram com a guerra em primeiro lugar.
b) A segunda medida foi implementar a liberdade.

11. Imagina que conhecias um dos capitães que liderou o movimento do 25 de abril.
Escreve-lhe uma carta na qual lhe explicas a importância que tem para ti a
liberdade.
Edições Gailivro
Ficha de avaliação trimestral – dezembro
Português

Nome: Data:

Lê atentamente o texto.

O amigo
Joana estava encarrapitada no muro. E passou pela rua um garoto. Estava todo
vestido de remendos e os seus olhos brilhavam como duas estrelas. Caminhava de-
vagar pela beira do passeio sorrindo às folhas do outono. O coração de Joana deu
um pulo na garganta.
– Ah! – disse ela.
E pensou:
«Parece um amigo. É exatamente igual a um amigo.»
E do alto do muro chamou-o:
– Bom dia!
O garoto voltou a cabeça, sorriu e respondeu:
– Bom dia!
Ficaram os dois um momento calados.
Depois Joana perguntou:
– Como é que te chamas?
– Manuel – respondeu o garoto.
– Eu chamo-me Joana.
E de novo entre os dois, leve e aéreo, passou um silêncio. Ouviu-se tocar ao
longe o sino de uma quinta. Até que o garoto disse:
– O teu jardim é muito bonito.
– É, vem ver.
Joana desceu do muro e foi abrir o portão.
E foram os dois pelo jardim fora. O rapazinho olhava uma por uma cada coisa.
Joana mostrou-lhe o tanque e os peixes vermelhos. Mostrou-lhe o pomar, as laran-
jeiras e a horta. E chamou os cães para ele os conhecer. E mostrou-lhe a casa da
lenha onde dormia um gato. E mostrou-lhe todas as árvores e as relvas e as flores.
– É lindo, é lindo – dizia o rapazinho gravemente.
– Aqui – disse Joana – é o cedro. É aqui que eu brinco.
E sentaram-se sob a sombra redonda do cedro.
A luz da manhã rodeava o jardim: tudo estava cheio de paz e de frescura. Às
vezes do alto de uma tília caía uma folha amarela que dava voltas no ar.
Joana foi buscar pedras, paus e musgo e começaram os dois a construir a casa
do rei dos anões.
Brincaram assim durante muito tempo.
Sophia de Mello Breyner Andresen, A noite de Natal,
1.ª edição, Figueirinhas, 1989 (excerto adaptado)
Edições Gailivro

1. Identifica as personagens do texto.


2. Onde estava a Joana quando viu o garoto?

3. Como estava vestido o garoto?

4. Explica o sentido da seguinte frase:


«O coração da Joana deu um pulo na garganta.»

5. Com que se parecia o rapaz?

6. Identifica a quem pertence a seguinte afirmação:


«O teu jardim é bonito.»

7. Seleciona com X as opções corretas de acordo com o sentido do texto.


A Joana mostrou ao Manuel…
a) as árvores. b) os carros. c) as laranjeiras.

d) as bonecas. e) o pomar. f) a horta.

g) a relva. h) as flores i) a casa das máquinas.

8. O Manuel gostou do que viu? Justifica a tua resposta com uma expressão do
texto.

9. Onde costumava brincar a Joana?

10. Rodeia as opções corretas de acordo com o texto.


A Joana foi buscar…
a) paus. b) brinquedos. c) musgo. d) anões.
e) mantas. f) pedras. g) livros. h) jornal.

10.1 Para que iam servir esses objetos?


Edições Gailivro
11. Na tua opinião, a Joana estava ansiosa por arranjar um amigo? Justifica a tua
resposta.

12. Circunda os adjetivos qualificativos nas frases que se seguem:


a) O teu jardim é muito bonito.
b) E sentaram-se sob a sombra redonda do cedro.

13. Escreve frases com o adjetivo bonito nos graus indicados. Observa o exemplo.

Graus do adjetivo Frases


Normal
Comparativo de superioridade
Comparativo de inferioridade
Comparativo de igualdade
Superlativo absoluto analítico O teu jardim é muito bonito.
Superlativo absoluto sintético
Superlativo relativo de superioridade
Superlativo relativo de inferioridade

14. Escreve outros adjetivos que possam qualificar o jardim da Joana.

15. Copia o sujeito e o predicado das frases seguintes.


a) A Joana desceu do muro.
Sujeito – Predicado –
b) Eles passeavam pelo jardim.
Sujeito – Predicado –
c) Eu brinco aqui.
Sujeito – Predicado –

16. Copia do texto…


a) dois nomes próprios.
b) dois nomes comuns.
Edições Gailivro

c) um nome comum coletivo.


d) um verbo da primeira conjugação.
17. Escreve os nomes comuns coletivos que designam…
a) um conjunto de peixes.
b) um conjunto de cães.
c) um conjunto de pássaros.
d) um conjunto de árvores de fruto.

18. Preenche o crucigrama com o diminutivo dos nomes.


A porta E
B boca D
C folha C F

D amigo
A
E casa
F palácio

19. Escreve uma mensagem de correio eletrónico aos teus amigos a desejar Boas
Festas. Deves começar com uma ou duas frases sobre a quadra natalícia e só
depois formular os teus votos. Escreve o texto no espaço próprio.

Edições Gailivro
Ficha de avaliação mensal – janeiro
Português

Nome: Data:

Lê o texto com atenção.

Golo
Os meninos
Que jogam à bola na minha rua
Jogam com o Sol
E os pés dos meninos
São pés de alegria e de vento
A baliza uma nuvem tonta
À toa
Na luz do dia
E eu olho os meninos e a bola
Que voa
E oiço os meninos a gritar: Go…o…lo!
E não há perder nem ganhar
Só perde quem os olhos dos meninos
Não puder olhar
Matilde Rosa Araújo, Mistérios,
1.ª edição, Livros Horizonte, 1988

1. A que tipologia textual pertence este texto? Seleciona com X a resposta correta.
a) Narrativo. b) Poesia. c) Banda desenhada.

2. Qual é o tema principal deste texto?

3. O que estão os meninos a jogar?

3.1 Onde é que o fazem?

4. Relaciona corretamente:
bola • • alegria e vento
Edições Gailivro

pés • • nuvem tonta

baliza • • sol
5. Explica, por palavras tuas, o significado dos seguintes versos:
A baliza uma nuvem tonta
À toa

6. Quem são, na tua opinião, aqueles que não conseguem ver os olhos dos meninos?
Justifica a tua resposta.

7. Das palavras seguintes, assinala com X as que são complexas.


a) golo b) goleador c) bola d) bolinha

8. Preenche o quadro com os elementos que formam as palavras esvoaçar e


estontear.
Radical Prefixo + radical Radical + sufixo

9. Lê a frase e substitui as palavras sublinhadas pelo pronome correspondente.


Os meninos jogam à bola.

10. Organiza a família de palavras de…


a) golo. –
b) olho. –

11. Relaciona corretamente:


Eles jogam à bola. • • Forma verbal no tempo futuro.

Eles jogarão à bola. • • Forma verbal no tempo pretérito perfeito.

Eles jogavam à bola. • • Forma verbal no tempo presente.

Eles jogaram à bola. • • Forma verbal no tempo pretérito imperfeito.

12. Escreve uma quadra (grupo de quatro versos) sobre o teu desporto favorito.
Edições Gailivro
Ficha de avaliação mensal – fevereiro
Português

Nome: Data:

Lê com atenção as seguintes informações que constam num panfleto do Oceanário


de Lisboa:

C. S. I. – CIÊNCIA SOB INVESTIGAÇÃO


Os olhos querem-se bem abertos e a atenção dirigida
a todos os pormenores. Estranhos acontecimentos
intrigam os pequenos investigadores. A resolução do
mistério que ensombra o Oceanário estará a seu
cargo. Enquanto isso não acontece, descobrem os
segredos dos oceanos e dos seres que os habitam.

O dia será uma verdadeira aventura!

Datas: Fins de semana e feriados.


Horário: Das 10h00 às 17h00.
Acompanhamento do grupo: Cada grupo será acompanhado por dois educadores marinhos.
Idades: Dos 8 aos 14 anos.
Preços (IVA incluído): 40 € por participante (inclui entrada na exposição permanente do Ocean-
ário, atividades, materiais, almoço, lanche e seguro).
Condições: Este programa realiza-se apenas se reunido o número mínimo de 10 crianças e para
um máximo de 16. O programa pode ser alterado caso a idade e/ou desenvolvimento do grupo
assim o determinem.
Pagamento: Deverá ser efetuado com uma semana de antecedência, por cheque, multibanco ou
dinheiro. Aceitam-se cancelamentos até uma semana antes do programa. O dinheiro poderá ser
devolvido ou poderá ser feita nova inscrição para outra data.

Informações e inscrições: 218 917 002; reservas@oceanario.pt

www.oceanario.pt/docs/7913454582531CSI_Oceanario%20de%20Lisboa_2012.pdf
(consultado a 28 de janeiro de 2013)

1. Seleciona com X a opção que está de acordo com o texto.


Quem participar nesta aventura de descoberta deve ter os olhos…
a) bem abertos, mas não precisa de observar os pormenores.

b) bem abertos e atenção a todos os pormenores.


Edições Gailivro

c) muito brilhantes e prestar atenção a tudo.

d) engraçados e pouca atenção a todos os pormenores.


2. Em que dias e em que horário se pode realizar esta aventura?

3. Quem acompanhará cada grupo?

4. Completa:
Os participantes têm de ter entre a anos e o preço é de €.

5. Rodeia a forma de pagamento que se pode efetuar pelo bilhete.


a) selos do correio b) cheque c) dinheiro d) multibanco

6. Preenche o quadro com verbos retirados do texto.

1.a conjugação 2.a conjugação 3.a conjugação

7. Reescreve a frase abaixo nos tempos indicados do modo indicativo.


A resolução do mistério estará a seu cargo.
a) pretérito imperfeito:
b) presente:
c) pretérito perfeito:

8. Explica como foi formada a palavra ensombra.

9. «Estranhos acontecimentos intrigam os pequenos investigadores.»


Imagina que és um investigador que é chamado a investigar uma estranha
ocorrência com um peixe que perdeu a cor e se tornou invisível. Descreve o que
terá acontecido ao peixe e resolve o enigma.
Edições Gailivro
Ficha de avaliação trimestral – março
Português

Nome: Data:

Lê o texto com atenção.

Estava uma flor bordada num saco de guardanapo a olhar para uma flor pintada
numa jarra de porcelana. E vice-versa.
A flor bordada queria meter conversa com a flor pintada. E vice-versa.
Entretanto, a flor bordada pensava: «Sou mais bonita do que ela.» E vice-versa.
Até que a flor bordada resolveu dizer precisamente o contrário do que pensava:
– Nunca vi flor mais bonita do que tu.
A flor da jarra retorquiu, no mesmo tom:
– Tu, sim, és a mais bonita. Uma perfeita imitação.
Neste ponto, a conversa estragou-se.
– Imitação? – estranhou a flor do saco de guardanapo. – Imitação de quê?
– Imitação de uma flor verdadeira – respondeu a flor pintada na jarra.
– Ora essa! Eu sou uma flor incomparável, uma flor bordada, verdadeiramente
bordada com toda a verdade da arte.
Agora, enfim, estava a dizer o que pensava. Não lhe ficou atrás a outra flor:
– Verdadeira obra de arte sou eu. Não há flor pintada mais autêntica, pode crer.
Argumentaram, discutiram, zangaram-se. Perderam a elegância do trato.
Passaram a dizer mais do que pensavam:
– Você é uma reles imitação – dizia a flor pintada.
– E você é uma falsificação barata – dizia a flor bordada.
Nisto, mãos femininas vieram colocar uma flor na jarra, até então vazia.
– Qual é o tema da discussão? – quis saber a recém-vinda, debruçada da jarra.
Puseram-na a par da disputa e logo a nova flor, que era dotada de um caule es-
guio, folhagem vaporosa e pétalas gentis, rodopiou na jarra de porcelana, para dizer,
num risinho de superioridade:
– Não sejam ridículas e olhem para mim. Haverá flor mais encantadora e mais
verdadeira do que eu?
As duas outras calaram-se. Afinal, a flor de folhas frágeis, que qualquer corrente
de ar agitava, a flor de longa haste, mergulhada na jarra, é que tinha razão.
Aqui para nós e em segredo, diremos que também não tinha razão nenhuma.
Pois se ela era apenas uma simples flor de papel...
António Torrado, São flores,
http://www.historiadodia.pt/pt/historias/01/08/historia.aspx
(consultado a 11 de janeiro de 2013)

1. Inventa e escreve um título para o texto no devido local.


2. Identifica duas partes distintas do texto, com base nas personagens que intervêm
na ação e preenche a tabela.
Personagens
Edições Gailivro

Parte 1
Parte 2
3. Onde estava cada uma das flores que surgem na parte 1?

4. Preenche o esquema, de acordo com a ação desenvolvida no texto.


Introdução:

Desenvolvimento:

Conclusão:

5. Qual o significado da expressão «vice-versa»? Escolhe a opção correta com X.


a) De igual modo. b) De sentido inverso. c) Simultaneamente.

5.1 Com base na resposta anterior, explica porque é que essa expressão é
repetida constantemente no texto.

6. Assinala com V (verdadeiro) ou F (falso) de acordo com o sentido do texto.


a) Só a flor bordada queria meter conversa com a flor pintada.

b) Ambas as flores queriam conversar uma com a outra.

c) A flor pintada pensava que a outra era mais bonita do que ela.

d) A flor bordada pensava que era a mais bonita.

e) Ambas as flores se consideravam mais bonitas do que a outra.

7. Lê a frase: «Nunca vi flor mais bonita do que tu.»


7.1 Qual das flores fez esta afirmação?

7.2 Quando disse isso, ela estava a ser sincera? Porquê?


Edições Gailivro
8. As flores acabaram por se aborrecer uma com a outra. Porquê?

9. Relaciona as falas com as personagens, de acordo com o sentido do texto.


– E você é uma falsificação barata. •
– Eu sou uma flor incomparável. • • Flor bordada

– Imitação de quê? • • Flor pintada

– Você é uma reles imitação. •


10. Para a flor que foi colocada na jarra, quem era a mais bonita?

11. Na tua opinião, alguma das flores tinha razão? Porquê?

12. Lê a frase:
«A flor bordada pensou que era mais bonita do que a flor pintada.»

12.1 Identifica o adjetivo e o grau em que se encontra.

13. Sublinha os determinantes nas frases e preenche o quadro abaixo, assinalando


com X.
A Uma flor estava bordada. B A flor pintada não era autêntica.
C As flores eram vaidosas. D Ela tinha um pensamento.

Determinante artigo definido Determinante artigo indefinido

frase masculino feminino singular plural masculino feminino singular plural

C
Edições Gailivro

D
14. Reescreve as frases seguintes, substituindo as palavras sublinhadas pelos seus
antónimos.

a) És uma imitação de uma flor verdadeira.

b) Você é uma reles imitação.

15. Sublinha o sujeito e rodeia o predicado da frase:


As flores insultaram-se.

16. Lê as frases:
A O meu bordado é uma arte.
B Esta jarra é minha e aquela é a tua.

16.1 Copia…
a) da frase A um determinante possessivo.
b) da frase B dois pronomes possessivos.
c) da frase B um pronome demonstrativo.

17. Imagina que desempenhavas o papel das flores desta história. Se quisesses
convencer alguém de que eras a flor mais autêntica que existe, que argumentos
apresentarias? Escreve um pequeno texto com os argumentos que cada flor
poderia apresentar. Não te esqueças de usar sempre o mesmo tempo verbal e
adjetivos a qualificar algumas características das flores.

A Flor bordada num saco de guardanapo:

B Flor pintada numa jarra de porcelana:

C Flor de papel colocada na jarra:


Edições Gailivro
Ficha de avaliação mensal – abril
Português

Nome: Data:

Lê o texto com atenção.

Uma raposa esfomeada encontrou, num buraco de uma azinheira, pedaços de


carne e pão que uns pastores ali tinham escondido. Enfiando-se no buraco, a raposa
tudo comeu e, se mais houvesse, mais comia.
Tanto comeu, tanto engoliu, que a sua barriga ficou muito volumosa e, quando
quis sair do buraco da azinheira, não foi capaz.
Gemia e lamentava a sua sorte quando ouviu uma voz que lhe perguntou:
– Porque gemes, irmã?
Quem assim falava era uma outra raposa que por ali aparecera.
Metida no buraco da azinheira, a raposa, com uma pança imensa, contou o que
já sabemos.
Respondeu-lhe a raposa, antes de seguir caminho:
– Não te preocupes, irmã. Espera até voltares a ter a barriga vazia. Vais ver que
sais desse buraco sem dificuldade.
E assim aconteceu.
António Mota, Fábulas de Esopo,
1.ª edição, Edições Gailivro, 2004 (excerto)

1. Quem são as personagens deste texto?

2. Seleciona com X a opção que completa cada frase de acordo com o sentido do
texto.

2.1 Uma azinheira é…


a) um casebre que serve de armazém.

b) um muro muito alto.

c) uma árvore.

d) um vale muito profundo.

2.2 Uns pastores tinham escondido, num buraco de uma azinheira,…


a) pedaços de peixe e pão.

b) pedaços de carne e pão.

c) pedaços de chouriço e pão.


Edições Gailivro

d) pedaços de presunto e bocados de pão.


3. Porque foi que a barriga da raposa ficou com tão grande volume? Justifica com
uma frase do texto.

4. Quando a raposa contou o que se tinha passado à outra raposa, qual foi a
solução que ela encontrou?

4.1 Na tua opinião, foi a solução mais correta? Porquê?

5. Escreve uma frase sobre esta história em que uses um quantificador numeral.

6. Sublinha no texto duas preposições e copia-as.

7. Copia do texto uma frase do tipo…


a) declarativo. –
b) interrogativo. –

7.1 Escreve uma frase do tipo imperativo, que se relacione com o texto.

8. Inventa um título para a história do texto e escreve-o no local correto.


8.1 Justifica a escolha do título que escreveste.

9. Todas as fábulas terminam com uma lição que nos ajuda a distinguir entre o
bem e o mal (moral da história). Explica a lição da história que leste.
Edições Gailivro
Ficha de avaliação mensal – maio
Português

Nome: Data:

Lê o texto com atenção:

Fernando Pessoa nunca se casou nem teve filhos. Gostava tanto da vida livre de
escritor, dedicava tanto tempo à sua poesia que preferiu ficar solteiro. Mas a família
foi crescendo com o casamento da irmã e o nascimento dos sobrinhos. Foi a pensar
na sobrinha Manuela, a quem ele chamava Mimi, que ele escreveu o poema do me-
nino que tinha caracóis no cabelo.

Havia um menino Por isso ele andava


depressa, depressa
Havia um menino, pra ver se chegava
que tinha um chapéu a casa e tirava
para pôr na cabeça o tal caracol
por causa do sol. do chapéu, saindo
de lá e caindo
Em vez de um gatinho o tal caracol.
tinha um caracol.
Tinha o caracol Mas era, afinal,
dentro de um chapéu; impossível tal,
fazia-lhe cócegas nem fazia mal
no alto da cabeça. nem vê-lo, nem tê-lo:
porque o caracol
era do cabelo.

Manuela e Júdice e Pedro Proença,


O meu primeiro Fernando Pessoa, 8.ª edição, D. Quixote, 2010

1. Este texto é constituído por duas partes.


Relaciona corretamente:

• banda desenhada
1.ª parte • • texto descritivo
2.ª parte • • breve história sobre o autor
• poema
2. Porque foi que Fernando Pessoa preferiu ficar solteiro, de acordo com o texto?

3. Como é que a família de Fernando Pessoa foi crescendo?


Edições Gailivro
4. Completa, de acordo com o poema:
Para se proteger do , o menino tinha um
para pôr na .

5. Porque era que o menino tinha pressa em chegar a casa?

6. Transcreve versos do texto que justifiquem que o caracol não era um animal.

7. Relaciona corretamente:
discurso indireto • • Fernando Pessoa disse:
– Gosto muito da vida livre.

discurso direto • • Fernando Pessoa disse que


gostava muito da vida livre.

8. Sublinha na frase que se segue o advérbio de negação.


Fernando Pessoa não se casou.

9. Sublinha nas frases seguintes o advérbio de quantidade e de grau.


«Ele gostava tanto da vida.»
«Fernando Pessoa escreveu muitos poemas.»

9.1 Expande as frases anteriores, acrescentando-lhes novos elementos.

10. Recorrendo a dois significados distintos da palavra «asa», escreve um pequeno


texto em verso.
Edições Gailivro
Ficha de avaliação final – junho
Português

Nome: Data:

Lê o texto com atenção.

Adeus, escola!
Começo a escrever este diário na tarde do dia em que fui pela última vez à escola.
Toda a manhã estive um pouco nervoso, desejando que o tempo corresse de-
pressinha, para saber quem ia deixar de vez a escola primária. Embora calculasse
quem merecia passar ou repetir o ano, sabia bem, no entanto, ouvir a professora a
falar desse assunto. Apesar de sentir o coração a bater mais depressa que o costume,
participei com bastante entusiasmo na festa de despedida que resolvemos fazer. Uma
festa bonita, com muitas cantigas, teatro, anedotas e a finalizar, uma importante par-
tida de futebol, que a minha equipa perdeu por 5 – 3. Se eu não marcasse dois golos,
por acaso penáltis flagrantes, a derrota era bem pesada!
Depois de termos bebido copos e copos de água para acalmar a sede, e de ter-
mos guardado os desenhos que ao longo do ano fomos fazendo e expondo nos qua-
dros de esferovite colocados a toda a volta da sala, e de termos tudo arrumado nos
devidos lugares, dona Eugénia, a nossa professora, pegou num papel que tinha den-
tro da gaveta da secretária e disse:
– Vamos lá ouvir quem vai estudar para o 2.º Ciclo...
Ela acabou de falar e logo toda a turma foi atacada por uma longa epidemia de
tosse, um vendaval de ranger de carteira e os inevitáveis catarros que tanto gostam
de apertar as gargantas em momentos de aflição.
A professora, que era muito nova, começou então a ler o nome dos alunos que
passavam de classe. Lia devagarinho, tão devagarinho como se estivesse a saborear
a última trincadela de um chocolate. Raios! Nos ditados não era assim tão lenta…
E a alegria estoirou no meu peito quando as palavras que formavam o meu nome
foram atiradas para o ar, uma a uma, devagar, devagar, tão devagarinho:
Jorge Ribeiro dos Santos.
António Mota, O rapaz de Louredo,
5.ª edição, Edições Gailivro, 2011 (excerto adaptado, com supressões)

1. Seleciona com X a(s) opção(ões) que completa(m) cada frase de acordo com
o texto.

1.1 O texto Adeus, escola! reproduz um texto escrito…


a) numa carta. b) num postal. c) num jornal.

d) num diário. e) numa revista. f) num painel.

1.2 O narrador iniciou a escrita deste diário no mês de…


a) janeiro. b) dezembro. c) junho.

1.3 Na festa de despedida houve…


Edições Gailivro

a) cantigas. b) cinema. c) teatro.

d) palhaços. e) partida de futebol. f) anedotas.


2. Qual foi o resultado da importante partida de futebol?

3. O narrador pertencia à equipa vencedora ou vencida? Justifica a tua resposta


com uma frase do texto.

4. Seleciona com X as opções que permitem obter afirmações verdadeiras.


4.1 Antes da professora dizer quem ia estudar para o 2.o Ciclo…
a) bebemos copos e copos de água para acalmar a sede.

b) pegou num papel que tinha dentro da secretária.

c) chorou com pena de se despedir dos alunos que iam passar.

d) guardamos os desenhos que fomos fazendo ao longo do ano.

e) fomos todos juntos dar a volta à aldeia pela última vez.

4.2 Mal a professora anunciou que ia dizer quem passava de ano…


a) toda a turma começou a rir muito alto.

b) toda a turma começou a tossir imenso.

c) ouviram-se as carteiras a ranger.

d) toda a turma fez silêncio.

5. Numera as frases de 1 a 6 pela ordem de acontecimentos que surgem no texto.


Participou com bastante entusiasmo na festa de despedida.

A professora pegou num papel que tinha numa gaveta.

Supunha quem merecia passar ou repetir o ano.

Toda a manhã esteve um pouco nervoso.

A turma foi atacada por uma epidemia de tosse.

Sentiu o coração a bater mais depressa.

6. Explica, por palavras tuas, o significado da seguinte expressão.


«A alegria estoirou do meu peito apertado...»
Edições Gailivro
7. Na tua opinião, o narrador teve algum motivo para se sentir alegre? Porquê?

8. Preenche a tabela, assinalando com X, de acordo com o exemplo.


Monossílabo Dissílabo Trissílabo Polissílabo
fui X
desejando
nervoso
devagarinho
tarde

9. Completa a tabela seguinte, de acordo com o exemplo.


Sílabas Sílaba Classificação quanto à posição
Palavras
átonas tónica da sílaba tónica
última ti • ma úl esdrúxula
diário
desejando
devagar
importante

10. Escreve o determinante artigo indefinido que corresponde a cada palavra.


manhã desenhos carteiras aluno

11. Forma o plural das seguintes palavras:


vendaval – anzol –
coração – penálti –
fiel – jornal –

12. Seleciona com X as palavras que pertencem à família de papel.


a) papelaria b) papelada c) capelão

d) papeleira e) livraria f) papelão

13. Escreve as palavras destacadas a cinzento nos respetivos lugares.


A A professora ia para uma escola nova.
B O papel estava numa gaveta muito velha.
Frases Nomes Adjetivos Verbos
Edições Gailivro

A
B
14. Procura e rodeia, na sopa de letras, na horizontal e na vertical, os antónimos das
palavras indicadas.

L A R G A R R I D E T G H
última
Q S R T S X P L A L T O L
pouco
depressa C S E H I O A Ç L N I U Ç
derrota O T D F D E V A G A R S V
nova M A T V B L I T R A S S E
não E B R E A N T E S T M O L
acabou Ç V A S F G Ó C A V S I H
pegar O I O T R P R I M E I R A
depois
U Z J F M U I T O P M S D
início
X A S E R H A N T U Q U C
baixo
F I M O L P E I H J A E M

15. Indica a que classe de palavras pertence cada uma das palavras sublinhadas
nas seguintes frases:
A Este é o teu diário e aquele é o meu.
B Aquela bola é minha. A tua é esta.

A –

B –

16. Classifica as palavras da frase, de acordo com o exemplo.


A professora pegou um papel pequeno.
A – Determinante artigo definido, do género feminino e número singular.
professora –
pegou –
um –
papel –
pequeno –

17. Observa a frase:


Ela acabou de falar e logo toda a turma tossiu.
17.1 Sublinha um pronome pessoal.
Edições Gailivro

17.2 Qual o nome que está a substituir?


18. Reescreve as frases que se seguem, substituindo as palavras sublinhadas por
um pronome pessoal.
Eu e os meus colegas jogamos muito bem.

Tu, o Carlos e o Pedro também passais de ano.

19. Relaciona as formas verbais com a conjugação a que pertencem.


resolvemos •
desejou • • 1.ª conjugação
participei • • 2.ª conjugação
perdeu • • 3.ª conjugação
partiram •
20. Faz a expansão da frase que se segue.
O rapaz estava nervoso.

21. Lê a frase e completa:


A professora levava uma blusa lindíssima.
O sujeito da frase é e o predicado é
.
O verbo encontra-se no tempo
do modo na pessoa do número
.

22. A banda desenhada associa desenhos e palavras para contar uma história.

22.1 Começa por relembrar as características da banda desenhada, relacionando


corretamente:

prancha • • página completa de BD

balões • • cada quadrado que compõe uma BD

vinheta • • conjunto de quadrados alinhados horizontalmente

• •
Edições Gailivro

tira informações sobre espaço e tempo

legendas • • falas e pensamentos das personagens


25.2 Observa as imagens da BD e preenche os espaços vazios (legendas,
balões de fala e de pensamentos) e constrói a história de um grupo de
amigos que resolvem ir acampar nas férias para junto do habitat do
Lobo-Ibérico.

Nunca
mais chegamos ao
acampamento!

Não Na manhã seguinte…


tenham
receio. Julgamos que
o lobo que viram
é fêmea.
Não vai
acreditar no que
vimos... Vamos
agora procurá-la.
Querem vir?

Junto ao covil da loba.


Edições Gailivro
Este caderno de Fichas de Avaliação Diagnóstica, Mensal,
Trimestral e Final é uma oferta com o manual Português
Gailivro 4.º ano e não pode ser comercializado
separadamente.
Este caderno de Fichas de Avaliação Diagnóstica, Mensal,
Trimestral e Final é uma oferta com o manual Português
Gailivro 4.º ano e não pode ser comercializado
separadamente.

Você também pode gostar