Você está na página 1de 3

Villalonga: pirata espanhol no Brasil!

por Gema Castellano

O Villalonga gosta das emoções fortes. Qual descendente direto de Cortés ou Pizarro é como
se a genética houvera reproduzido nas estruturas econômicas cromossomicas dos mais
simples piratas ou maquiavélicos conquistadores, chegou ao Brasil, depois de arrasar Perú, e
deixar seu país de origem, Espanha, no mais absoluto dos retrocessos tecnológicos e a maior
ditadura comunicativa.

Não lhe assustam as recessões econômicas que as consumidas nações latino-americanas. O rio
revolto ganância dos pescadores! E quanto mais consumidas na miséria, maior será a pressão
que pode exercer sobre Governos, trabalhadores e clientes.

O setor das telecomunicações será o motor do crescimento econômico do futuro, e contribuirá


para melhorar as condições sociais e econômicas dos brasileiros, tem afirmado. O que não me
explico é como não tem caído a cara da vergonha ao fazer tal afirmação. Em qualquer caso e
como o Brasil bem vale uma missa ou duas. Já que 160 milhões de habitantes oferecem
muitas possibilidades de especulação e fraude, tem anunciado a inversão de 3.800 milhões de
dólares em 1999, ademais dos 5.000 milhões que já leva metidos desde o mês de julho,
convertendo-se assim em dono e senhor das telecomunicações desse país – e se tem buscado
um que fale português – Antonio Baptista – economista do Banco Português de Investimento –
para que ele aplane o terreno e informe sobre a psicologia do brasileiro e a melhor forma de
roubar sem que se note demasiado.

Qual não será a importância e possibilidades de depredação desse país, que tem desejado
qualquer candidatura que não fosse desse português! Há que se falar que analisar o detalhe,
na busca de conexões que explique-nos a magia de aprendiz a magnata.

Aos brasileiros que vêem nas divisas da Telefônica uma maneira de sair da enorme pobreza
que vivem, que falar quem pense assim! Desejaria dizer-lhes e mal digo em que estes
momentos minha incapacidade de domínio para com sua légua -, que Villalonga não se
diferencia em nada dos ditadores que operam nessas terras, e em suas palavras bonitas e
frases perfeitamente desenhados. Por outras que pagam para que ensinem a dizer umas
bondades, que sua natureza jamais permitirá expressar, não são mais que demagogia rasteira
e hipócrita, que esconde uma mentalidade escravista para com os trabalhadores e usuários, e
adoece com respeito a idéia de poder econômico absoluto. Villalonga está doente de poder. E
não abandonará sua conquista nem seus acionistas a ruína e seus clientes ao
subdesenvolvimento ?

Seus trabalhadores vivem abaixo da contínua ameaça tanto do despido tanto na Espanha
como no Perú. Vigiados inclusos em suas vidas privadas e dias livres, e submetidos a umas
estruturas hierárquicas dignas do melhor estilo absolutista. Os salários são irrisórios e a
desconfiança que promove-se entre eles, é a melhor arma desse monopólio contra a união,
que é a condição indispensável para a rebelião.
Os clientes necessários da Telefônica não correm a melhor sorte. Convertida na empresa
privada sem abandonar nem a filosofia nem os privilégios de um monopólio, e apoiado em
todo o momento pelo Governo de Aznar – amigo íntimo de Villalonga, com que despacha
pessoalmente incluso saltando-se da instituição do Ministro de Fomento, que é a causa disso
se tem visto em mais de uma situação ridícula ante aos contribuintes -, suas principais
atividades são os fraudes sobre o cidadão – 20.000 milhões de pesetas anuais na concepção de
chamadas falidas, 30.000 milhões de cobranças graças a arrecadação que fazem com as
chamadas. Por meio de cartão telefônicos, 10.000 milhões que expropria do cidadão através
das chamadas em cabines com moedas, 4.000 milhões que ingressa por não fazer as
devoluções dos importes das chamadas, tarifas abusivas ao acesso da Internet, e incluso
desaparecimento dos planos de desconto que Fomento aprovou e que efetuará a uma grande
parte da comunidade internauta, com a instauração da Infovia Plus -, a aquisição de meios de
comunicação que asseguram a desinformação por parte do cidadão sobre suas verdadeiras
atividades e subterfúgio da realidade a seu favor -, Expansão, O Mundo, Atualidade
Econômica, Via Digital, Antena 3TV, etc, - e a compra de governos ditatoriais corruptos que
facilitem suas atividades especulativas nos países latino-americanos, - Perú, Brasil, Chile....,
onde Villalonga tem redescoberto El Dorado.

No que respeita a seus acionistas, a situação é perigosa. O pequeno acionista que somente
recebe a versão oficial, se mostrava até pouco encantado em pertencer na empresa espanhola
com maiores benefícios, e os grandes, seguem confiando no resultado positivo das atividades
especulativas na América Latina, ainda que o fato da negativa de toda poderosa a repartir
benefícios neste exercício, tem despertado mais de uma consciência com respeito ao excesso
do poder personal amassado por Villalonga. Em qualquer caso, e pese a que tudo parece ir
sobre rodas para a Telefônica, seu jogo de corda frouxa roçando sempre a ilegalidade e sua
falta de ética profissional, somente necessitam um pequeno sopro de justiça para que o
castelo de naipes de desmorone.

Ninguém pode discutir com Villalonga que o setor das telecomunicações será o motor do
desenvolvimento econômico do futuro, mas o que discutiremos sempre é o fato de que estas
estão controladas pelos monopólios.

A verdadeira liberalização das telecomunicações é um tema pendente que tem os governos


europeus e que deverão resolver de imediato, se não querem encontrarem-se dentro de
poucos anos com uma sociedade cada vez mais classista, caótica e de terceiro mundo.

O tema pendente e urgente das nações latino-americanas é de lograr verdadeiros sistemas


democráticos, que permitam que verdadeiras empresas inversoras estrangeiros invertam e
criem postos de trabalhos dignos, que regenerem uma sociedade pobre em outra portadora
de um certo nível aquisitivo.

Jamais tem duvidado da capacidade da América Latina para regenerar-se. De fato, a


inquietude que se sente agora nessas nações, demonstra que está a ponto de iniciar o
processo.
Villalonga parece não dar-se conta, ou quiçá crê que comprando governos corruptos pode-se
perpetuar no poder, e como sempre, se esqueça do povo. Quem é que sempre tem
conseguido trocar o estado das coisas, que a custa de muitas vidas, demasiadas vezes.

Telefônica necessita de uma metamorfose. Ao contrário, não tem nenhum futuro nem na
Espanha, e muito mesmos na América Latina, aonde uma vez já expulsaram o conquistador. E
os que não tem aprendido a história! Ou será que não a conhecem? Alerta Brasil !

http://ailatin.tripod.com/villalonga.htm