Você está na página 1de 6

Ficha Formativa - preparação para o teste

Consulta as páginas do manual – da pág. 132 à 171

1. Como se deu a invasão muçulmana à Península Ibérica?

É com a batalha da Guadalete no ano 711.

2. Mostra como se iniciou o movimento da Reconquista na Península Ibérica;

-Reconquista cristã é o nome dado ao movimento cristão contra os Muçulmanos, com o objetivo de recuperar ou
reaver o território perdido para os Muçulmanos;

-Os cristãos refugiaram-se nas montanhas do Norte da Península, e pouco depois iniciaram o movimento de
recuperação do território chefiado por Pelágio.

-Em 722, os cristãos chefiados por Pelágio derrotaram os Muçulmanos na Batalha de Covadonga e criaram o Reino
das Astúrias que foi crescendo até se dividir em vários reinos.

3. Explicita por que razão se diz que os muçulmanos eram tolerantes no Al-Andaluz;

Os muçulmanos eram tolerantes no An-Andaluz porque os cristãos que se não convertessem ao islamismo era
tolerado a troco do pagamento de impostos, tal como se fazia em relação aos judeus que habitavam na Península.
Aos cristãos que estavam sobre o domínio muçulmano chamava-se Moçarabes.

4. Identifica os reinos cristãos formados durante a Reconquista.

 Reino de Leão

 Reino de Castela

 Reino de Navarra

 Reino de Aragão

5. Quem eram os Cruzados (pág.196);

Guerreiros que tomavam partes nas cruzadas, isto é, viagens militares organizadas pelos reinos cristãos da Europa
para expulsar os Muçulmanos da palestina (terra santa) e da Península Ibérica.

6. Caracteriza a relação entre o Conde D. Henrique e o (D. Afonso VI) rei de Leão e Castela, usando as palavras
“suserano” e “vassalo”;

- D. Afonso VI era o suserano (concedia proteção)


- D. Henrique seu o vassalo (recebia proteção)
D. Henrique passou a governar o Condado Portucalense ficando obrigado a obedecer e a servir o rei de Leão e
Castela (D. Afonso VI) de quem pertencia dependência.

7. Explicita como surgiu o condado portucalense, situando-o no tempo e espaço;

D. Henrique, veio de Borgonha (atual França) ajudar o rei D. Afonso VI. Pelos serviços prestados entregou-lhe em
1096 o Condado Portucalense casando-o com uma das filhas, D.Teresa.

8. Mostra como decorreu o processo de afirmação do nosso reino, após a morte de D. Henrique;

Após a morte de D. Henrique (1112) sucedeu-lhe a sua esposa, D. Teresa. Esta aliou-se com alguns nobres da Galiza.
Esta aliança provocou descontentamento em alguma nobreza do condado, que se aliaram ao filho de D. Teresa, D.
Afonso Henriques.
Os dois lados enfrentaram-se em 1128 na Batalha de S. Mamede tendo D. Afonso ganho e tornou-se Conde
Portucalense.
9. Quais as principais batalhas/conquistas travadas por D. Afonso Henriques para alargar o seu território?
- 1128 – Batalha de São Mamede
- 1139 – Batalha de Ourique – D. Afonso Henriques – passa a usar o título de rei apos a vitoria sobre os muçulmanos
em Ourique

10. Identifica os documentos marcantes para a independência do condado portucalense;

- 1143 – Tratado de Zamora - Afonso VII (rei de Leão e Castela) reconhece-lhe o título de rei de Portugal
- 1179 – Bula Manifestis Probatum – O papa reconhece D. Afonso Henriques como Rei devido ao seu esforço e
sucesso na luta contra os muçulmanos.

11. Descreve as conquistas efetuadas a partir de D. Afonso Henriques até D. Afonso III;
D. Afonso Henriques:
- Conquista de Santarém e de Lisboa – 1147
- Conquista de Évora – 1165
D. Sancho I:
- Conquista de Silves e Alvor – 1189
D. Afonso II:
- Conquista de Alcácer do Sal – 1217
D. Sancho II:
- Conquista de Cacela, Tavira e Alvor – 1239
- Conquista de Mértola – 1238
- Conquista de Beja – 1234
- Conquista de Serpa e Moura - 1232
D. Afonso III
- Conquista Faro e Silves ( todo o Algarve conquistado)

12. Salienta a importância do Tratado de Alcanises, assinado em 1297, para a afirmação do reino Portugal.
Foi importante porque com o tratado de Alcanises em 1297 poderem-se de fixar as fronteiras entre os reinos de
Portugal e Castela.

13. Refere os progressos técnicos verificados na agricultura e transportes a partir no séc. XI e menciona as suas
consequências;

PROGRESSOS TÉCNICOS DA AGRICULTURA

Aumento das áreas de cultivo


Aumento da produção agrícola
Arroteias
Utilização de ferro nas alfaias
Moinho de vento e de água
Afolhamento trienal Técnicas de rega
OS PROGRESSOS NOS TRANSPORTES
Ferradura - Proteção dos cascos dos cavalos.
Atrelagem em fila - Facilitava a deslocação de cargas pesadas, aumentava a capacidade de transporte, melhor
aproveitamento da força
Utilização do cavalo como animal de tração.
Uso da Coelheira - colocação de uma coleira nas omoplatas facilitando a tração.
Consequência:
O aumento da produção agrícola significou o abandono da agricultura de subsistência; começaram a existir sobras

14. Menciona as inovações que contribuíram para a reanimação do comércio europeu;


- O aumento no Comercio (mercados e feiras)

- Progresso nos Transportes

- Clima de paz e maior segurança nas deslocações

- Aumento na produção agrícola

- Reaparecimento da moeda

15. Explica o que é uma Carta de Feira e o que aí se encontrava estabelecido;

Carta de Feira - Documento passado pelo rei que estabelecia as regras da feira e os direitos e deveres dos
mercadores

16. Distingue feiras de mercados;

Mercados – locais onde se compram e vendem produtos dentro de uma povoação. Aos mercados vão os habitantes
da povoação, para comprarem produtos do dia-a-dia.
Eram quinzenais ou mensais

Feiras- Locais onde encontravam produtos vindos de várias zonas, regionais, nacionais e internacionais o que
tornavam muitos habitantes de diferentes regiões.
Eram normalmente anuais

17. Identifica a origem da burguesia e as atividades praticadas por esse grupo;

A palavra burguesia deriva de burgo, modelo de pequena cidade.


A burguesia era formada por comerciantes e artesãos.
Com o crescimento do comércio e do artesanato, houve uma melhoria social da burguesia, ou seja, do grupo de
homens de negócios que viviam nas cidades, livres dos laços feudais.

18. Explica o que é um Foral e o que são Concelhos;

Foral – Documento escrito em que o rei ou um grande senhor reconhecia a um concelho as suas liberdades e
autonomia a troco de determinados impostos e obrigações.

Concelhos – Vilas ou cidades que eram governadas pelos seus próprios habitantes. Era parcelas do reino que
estavam livres das regras dos senhorios.

19. Identifica os símbolos ligados aos Concelhos e diz quem os administrava;

Um concelho era uma instituição organizada. Os seus membros pertenciam à Comunidade de vizinhos (homens
livres e maiores de idade).
Era esta que era encarregue de administrar o concelho, a partir da designação de um corpo de funcionários próprio.

Os seus símbolos de liberdade eram a Domus Municipalis (local onde se reunia a assembleia), os pelourinhos (que
representavam a justiça local), o selo local e, por vezes, a bandeira.

Nos concelhos viviam homens livres, embora por vezes também fossem habitados por mouros e judeus.
20. Refere as razões da criação dos Concelhos durante a Reconquista e identifica o rei que atribuiu o novo foral ao
Concelho de Mafra;

Razões da criação de concelhos urbanos e rurais:

-Povoar e defender zonas desabitadas ou junto à fronteira.

-Desenvolvimento económico e coleta de impostos sobre o comércio.

-Extensão do poder régio sobre as novas áreas povoadas e desenvolvidas.

D. Manuel I concedeu-lhe Foral Novo, em 1513

21. Demonstra as medidas tomadas pelos monarcas para limitar o poder do clero e da nobreza;

Os rei para evitar o abuso do poder do clero e da Nobreza criou o :

Fortalecimento do poder Régio:

- Inquirições - Funcionários reais fiscalizavam se as terras da nobreza e do clero são as mesmas entregues pelo rei.

- Confirmações – documento régio que serve para confirmar a posse das terras da nobreza e clero.

- Curia Régio – Assembleia que funciona regularmente cortes.


Assembleia extraordinária para os assuntos mais importantes do Reino

22. Identifica as principais regiões do comércio europeu;

Principais centros de comércio:

- Itália: Veneza, Génova e Florença


- França: Bruges, Feiras de Champagne
- Norte da Alemanha e Báltico: Liga Hanseática

23. Explica a atividade dos cambistas ou banqueiros;

Cambistas – Avaliavam as diversas moedas e faziam as trocas 

Letra de Câmbio – Espécie de cheque que permitia levantar numa outra cidade e numa outra moeda, a importância
que constava do documento.

Banqueiros – Cambistas que emprestavam dinheiro a troco do pagamento de juros

24. Justifica a importância comercial de Lisboa no séc. XIII e o apoio dado pelos monarcas a esta atividade;

Portugal, devido à sua localização geográfica, teve um papel importante na ligação entre as principais regiões de
comércio europeias.
O porto de Lisboa era um local muito concorrido por barcos e mercadores de diferentes origens.
Desenvolvimento económico, relações sociais e poder político nos séculos XIII a XIV

. Medidas de apoio ao comércio:


1. reorganização da armada portuguesa,
2. criação da Bolsa dos Mercadores e da Companhia das Naus,
3. utilização de madeiras das matas da Coroa.

Exportações: sal, peixe seco, mel, vinho, azeite, cera e cortiça.

Importações: cereais, tecidos, metais, armas, especiarias e artigos de luxo


25. Distingue os vários tipos de cultura existentes na sociedade medieval;

Cultura monástica – Clero – Saber ligado à bíblia

Cultura cortesã – Nobreza – saber ligado à poesia

Cultura popular - Povo – saber ligado aos costumes – provérbios, contos, cantigas, festas religiosas

26. Caracteriza as novas ordens religiosas mendicantes;

Os Franciscanos e os Dominicanos viviam das esmolas que mendigavam daí o nome ordens mendicantes.

As ordens mendicantes são ordens religiosas formadas por frades ou freiras, que vivem em conventos. Eles centram


a sua ação na oração, na pregação, na evangelização, no serviço aos pobres e nas obras de caridade.

A partir do século XII, as cidades europeias ficaram com uma grande desigualdade social. Era cada vez maior a
diferença: do lado dos ricos – a burguesia e o clero (que cada vez mais ia deixando a sua devoção) e do lado dos
pobres – o povo.

27. Caracteriza as Universidades medievais;

Até ao século XII, o ensino superior destinava-se à formação de novos clérigos.

A partir do século XII, fizeram-se universidades ou Estudos Gerais para os graus superiores do ensino. As primeiras
surgiram por volta do ano 1150

Eram formadas para o clero e para formar novos médicos, legistas, futuros funcionários régios, ou seja, funcionários
reais que sejam capazes de planear e executar e de fazer novas tarefas em cidades que estavam em crescimento.

28. Distingue a arte românica da arte gótica

Arte Românica – Edifícios com paredes grossas, arcos redondos, poucas e estreitas aberturas - SÉ VELHA DE
COIMBRA

Arte Gótica – Edifícios com paredes mais finas, mais altos, mais e maiores aberturas, com vitrais e arcos quebrados
(em ogiva) - MOSTEIRO DA BATALHA
1. Durante a reconquista cristã foi formado o Condado Portucalense, primeiro como parte do Reino da Galiza e
depois integrado no Reino de Leão. Afonso VI (rei de Leão e Castela) concedeu a D. Henrique (um nobre da família
dos duques de Borgonha) D. Teresa em casamento e doou-lhe o Condado Portucalense em 1096.
O conde D. Henrique durante a sua vida procurou ganhar uma autonomia cada vez maior e o mesmo fez sua mulher,
D. Teresa, que lhe sucedeu em 1112. Alguns anos depois D. Teresa começou a aliar-se com a nobreza da Galiza, o
que provocou o descontentamento de muitos nobres portucalenses e de D. Afonso Henriques (filho de D. Henrique e
D. Teresa). Iniciou-se, por isso, um período de guerra civil que veio a terminar em 1128 com a vitória de Afonso
Henriques na Batalha de S. Mamede.
Uma vez à frente do Condado, D. Afonso Henriques em 1139, depois de se ter revelado um grande chefe militar e
um político notável, obteve na Batalha de Ourique, uma grande vitória contra os Muçulmanos, sentindo-se
fortalecido, passou a usar no mesmo ano o título de rei, o que constituía a independência de Portugal.
Em 1179 o papa Alexandre III reconhece Portugal como reino independente e D. Afonso Henriques como rei de
Portugal através da Bula Manifestis Probatum.
Em 1185, morreu o primeiro rei de Portugal e só em 1249, no reinado de D. Afonso III, foi finalmente conquistada a
última parte do território algarvio, incluindo Silves e Faro.
Finalmente em 1297 com o Tratado de Alcanises, as fronteiras entre os reinos de Portugal e Castela são
estabelecidas, desta forma, Portugal tem desde há mais de setecentos anos, praticamente a mesma fronteira.
E assim conclui-se que a formação do reino de Portugal foi um processo longo e complicado, tal como a afirmação
indica.

Você também pode gostar