Você está na página 1de 10

Bruno Faé

A luta dos Batistas pela liberdade religiosa

Por Bruno Faé - novembro 14, 2017

Para compreender a importância dos Batistas na luta pela liberdade religiosa é preciso
conhecer o contexto no qual o grupo surgiu e se desenvolveu. A Inglaterra do século 17 tinha
uma religião oficial (Anglicana) e ambos, Igreja e Estado, estavam sob governo do Rei. Os
cidadãos deviam estar obrigatoriamente inseridos nas duas instituições. No caso da Igreja, essa
inclusão era feita por meio do batismo, logo após o nascimento. Aqueles que não batizavam os
bebês estariam negando-lhes, além da entrada no Reino de Deus, também a cidadania plena.
Ou seja, era considerado uma espécie de abuso infantil. Assim, estavam violando a lei tanto os
que não faziam parte da Igreja oficial quanto os que não praticavam o batismo infantil,
podendo receber punições como prisão, exílio ou até mesmo a morte.

Compreendendo essa situação, é possível entender por que a prática do batismo somente de
adultos esteve tão intimamente ligada à lutdopela liberdade religiosa e pela separação entre
Igreja e Estado. Nesse contexto, surgem os Batistas, em 1609, na Holanda, a partir de um
grupo de ingleses que fugira do país por pretender se separar da Igreja oficial, liderados pelo
pastor John Smith e pelo advogado Thomas Helwys (1550-1616). Logo, começou a luta dos
Batistas por liberdade.

Defesa da liberdade religiosa na Inglaterra

Em 1612, Thomas Helwys escreve uma obra intitulada Uma breve declaração do mistério da
iniquidade. O livro é o primeiro deste tipo em língua inglesa, e uma cópia foi enviada
diretamente ao rei Tiago I. Num dos trechos o autor afirma:

"Oh, rei. Não despreze o conselho dos pobres, e deixe que suas reclamações cheguem até
você. O rei é um homem mortal e não Deus. Portanto, não tem poder sobre as almas imortais
dos seus súditos, para fazer-lhes leis e ordenanças e para colocar chefes espirituais sobre eles.
[...] A religião dos homens e Deus é um assunto entre Deus e eles. O rei não deve responder
por isso. Nem pode o rei ser juiz entre Deus e os homens. Deixe que sejam hereges, turcos,
judeus ou o que seja. Não pertence ao poder terreno puni-los em nenhuma medida."

Por sua ousadia e coragem, Helwys foi preso quando retornou à Inglaterra e na prisão
permaneceu até sua morte em 1616. Mas as ideias deste Batista, tão modernas até para o
tempo presente, não puderam ser presas ou eliminadas. Elas foram uma fonte de inspiração
para diversos outros ativistas pela liberdade religiosa, dentre os quais John Murton (1585-
1626).
John Murton foi um Batista membro da igreja liderada por Thomas Helwys e esteve preso com
ele. Em 1615 e 1620 publicou, anonimamente, dois livros. Num deles, intitulado A Epístola, o
autor defende a ideia de dois reinos separados. Segundo Murton, “a autoridade terrena
pertence aos reinos terrenos, mas a autoridade espiritual pertence ao único Rei espiritual, o
Rei dos Reis”.

As obras de Murton provavelmente influenciaram a elaboração da Primeira Confissão de Fé de


Londres (1644). Na questão da liberdade religiosa, esta Confissão mostra que Batistas
Particulares e Gerais estavam unidos no pensamento. Em seu artigo 49, está disposto que:

"Devemos defender as autoridades e todas as leis civis feitas por elas, com nosso ser e com
nosso patrimônio, ainda que devamos sofrer, por razão de consciência, por não nos submeter
às suas leis eclesiásticas com as quais não estamos de acordo".

O pensamento de Helwys e Murton influenciou também um grande notável Batista na luta


pela liberdade religiosa, Roger Williams (1603-1683). E com esse personagem podemos olhar
para um outro contexto, no qual os Batistas alcançaram suas maiores vitórias: os Estados
Unidos.

Primeiras vitórias na Nova Inglaterra

Roger Williams, um pastor separatista inglês, fugiu em 1631 para a Nova Inglaterra (grupo de
colônias inglesas que futuramente se tornaria os Estados Unidos) e, rejeitando o batismo
infantil, se tornou Batista. Normalmente, as colônias tinham também uma religião oficial,
Anglicana ou Congregacional. Na cidade de Boston, Williams começa a pedir às autoridades
que parassem de policiar as crenças religiosas das pessoas. Ele defendia que o poder do
magistrado civil se estendia apenas às ações externas dos indivíduos, mas jamais deveriam
interferir nas questões internas da alma. Por sua militância, foi banido da colônia de
Massachusetts.

Decidido a implementar sua visão de liberdade religiosa, Williams segue para uma região mais
ao sul e funda a colônia de Rhode Island em 1636, onde implementa um governo no qual
haveria liberdade de consciência. Desta forma, pode-se dizer que Roger Williams fundou o
primeiro lugar no mundo moderno onde cidadania e religião estavam separados, ou seja, havia
separação entre igreja e Estado.

Foi justamente em Rhode Island, em 1638, onde Williams também estabeleceria a Primeira
Igreja Batista nos Estados Unidos, na cidade de Providence.
Em 1644, Roger Williams escreveu o livro O princípio sangrento da perseguição por causa da
consciência. Usando argumentos bíblicos, ele clama por um “muro de separação” entre a
igreja e o Estado e pela tolerância para com várias denominações cristãs, incluindo o
Catolicismo, e também para com pagãos, judeus, turcos ou até mesmo anticristãos. Em um
trecho, ele afirma:

"Deus não exige que uma uniformidade religiosa seja promulgada e determinada em qualquer
estado civil. Cedo ou tarde, a uniformidade forçada será a maior ocasião da guerra civil, do
arrebatamento da consciência, da perseguição de Cristo Jesus em seus servos, da hipocrisia e
da destruição de milhões de almas".

Essa obra de Roger Williams foi posteriormente citada como fonte filosófica por John Locke,
pela Primeira Emenda à Constituição dos Estados Unidos e por vários escritos de Thomas
Jefferson.

Por seu princípio de liberdade de consciência, Rhode Island se tornou um local de refúgio para
os perseguidos de outras colônias, e assim passou a ser também alvo de ataques. Para garantir
a segurança em seu território, seus líderes recorreram ao rei da Inglaterra, Carlos II. Entra em
cena então mais um notável Batista, o pastor John Clarke (1609-1676).

Em 1653, John Clarke foi enviado por uma comissão de Rhode Island à Inglaterra para
interceder junto ao rei pelo reconhecimento formal da colônia. Ali, ele permaneceu durante
dez anos e em 1663 o rei lhes concedeu a Escritura Real, na qual estava registrado que
“nenhuma pessoa na colônia poderia ser molestada, punida, perturbada ou desacreditada por
nenhuma diferença de opinião ou em matéria de religião”. Esta Escritura Real é o primeiro
documento oficial a garantir liberdade religiosa no território dos Estados Unidos.

Conquista da liberdade religiosa nos Estados Unidos

Mas a conquista máxima dos Batistas no campo da liberdade religiosa provavelmente foi a
Primeira Emenda à Constituição dos Estados Unidos. Nessa história, o primeiro nome a ser
citado é o do pastor Isaac Backus (1724-1806), considerado o principal pregador durante o
período da Revolução Americana (luta pela independência dos Estados Unidos).

Em 1773, Backus publica um sermão sobre liberdade religiosa, com o título Um apelo ao
público para a liberdade religiosa contra as opressões dos dias de hoje, no qual afirma que:

"Deus designou dois tipos de governo no mundo, que são distintos em sua natureza, e nunca
devem ser confundidos em conjunto: um é chamado de governo civil e outro é o governo
eclesiástico. [...] Quem pois pode ouvir Cristo declarar que seu governo não é deste mundo e
ainda acreditar que essa mistura de igreja e Estado Lhe é agradável?"

Na seção 3 da obra, Backus relata os sofrimentos causados pela perseguição aos Batistas por
não aceitarem se submeter à Constituição vigente. A independência do país em relação à
Inglaterra significaria também a oportunidade de viver num país com plena liberdade religiosa.
Essa independência veio finalmente em 1776, mas a nova Constituição só foi promulgada em
1787.

Mesmo assim, por falta de consenso, os direitos individuais dos cidadãos não foram incluídos
logo de início na Constituição. E é aí que entra em cena outro Batista importante: John Leland
(1754-1841). Leland era um influente pastor no estado da Virgínia, onde os batistas
representavam uma importante parcela do eleitorado e que era também distrito do
congressista James Madison.

Havia o anseio para que Leland concorresse à vaga de Madison no Congresso, o que levou esse
pai fundador a fazer uma visita ao pastor em sua casa. Na reunião entre eles, ficou acordado
que Leland não concorreria à vaga de Madison, e esse, por seu turno, se comprometeria a
apoiar a luta dos Batistas pela liberdade religiosa. Madison, considerado o “Pai da Constituição
Americana”, então apresentou a proposta da Carta de Direitos (1792), documento pelo qual
são chamadas as dez primeiras emendas à Constituição dos EUA. A primeira dessas dez
emendas dispõe que:

"O Congresso não legislará no sentido de estabelecer uma religião, ou proibindo o livre
exercício dos cultos; ou cerceando a liberdade de palavra, ou de imprensa, ou o direito do
povo de se reunir pacificamente, e de dirigir ao Governo petições para a reparação de seus
agravos."

Em 1802, Leland ainda foi convidado para pregar numa sessão conjunta do Congresso, com a
presença do presidente Thomas Jefferson, onde mais uma vez defendeu a liberdade religiosa.

Contribuição para a liberdade religiosa no Brasil

Quando os primeiros Batistas da Convenção do Sul dos Estados Unidos, além dos Batistas
poloneses e letos, chegaram ao Brasil, nosso país ainda era uma monarquia e a Igreja e o
Estado estavam unidos. Vigorava a Constituição de 1824 que estabeleceu a Igreja Católica
como religião oficial. As outras religiões eram permitidas no “culto doméstico”. Ou seja, as
igrejas evangélicas não podiam realizar cultos públicos. Além disso, seus praticantes não
podiam ser eleitores. Na prática, especialmente nas regiões interioranas do país, havia
agressiva perseguição aos protestantes.
Os historiadores da vida dos primeiros missionários americanos no Brasil contam que um dos
principais republicanos, Aristides Lobo, visitou o missionário William Buck Bagby no dia
anterior à proclamação da República, que ocorreu em 15 de novembro de 1889, ocasião na
qual conversaram sobre a liberdade religiosa nos Estados Unidos. Lobo, então, saiu desse
encontro com uma cópia da Constituição Americana, fornecida pelo missionário Bagby.

A separação da igreja e do Estado já era um anseio dos republicanos, mas esse encontro com o
missionário Batista teria contribuído para sua garantia expressa na nova Constituição, de 1891.
Sobre a liberdade religiosa, a Constituição Republicana estabelecia o seguinte:

Art. 11 - É vedado aos Estados, como à União: [...] 2º) estabelecer, subvencionar ou embaraçar
o exercício de cultos religiosos;

Art. 72 - A Constituição assegura a brasileiros e a estrangeiros residentes no país a


inviolabilidade dos direitos concernentes à liberdade, à segurança individual e à propriedade,
nos termos seguintes:

§ 3º Todos os indivíduos e confissões religiosas podem exercer pública e livremente o seu


culto, associando-se para esse fim e adquirindo bens, observadas as disposições do direito
comum.

§ 5º Os cemitérios terão caráter secular e serão administrados pela autoridade municipal,


ficando livre a todos os cultos religiosos a pratica dos respectivos ritos em relação aos seus
crentes, desde que não ofendam a moral publica e as leis.

Mesmo com a proclamação da República, a perseguição aos Batistas, e a outros evangélicos,


continuou, com insultos, depredações e espancamentos. Mas nossos irmãos do passado
resistiram bravamente, denunciaram os abusos, cobraram das autoridades e exigiram o direito
de que cada um viva sua fé de acordo com a própria consciência. Assim, pode-se dizer que os
Batistas também tiveram participação na busca pela liberdade religiosa e pela separação entre
igreja e Estado no Brasil.

Conclusão

Diante desses relatos, que são apenas um pequeno resumo, podemos dizer que os Batistas
foram protagonistas e construíram uma linda história na luta e na conquista da liberdade
religiosa. Escreveram a primeira obra em língua inglesa sobre o tema, fundaram o primeiro
Estado do mundo moderno onde havia separação entre igreja e governo civil, conseguiram o
primeiro documento que garantia liberdade de consciência no território da Nova Inglaterra,
pregaram para presidentes e autoridades e tiveram envolvimento direto na inserção da
liberdade religiosa na Constituição dos Estados Unidos, maior democracia do mundo.
Conhecer essa história nos ajuda primeiro a valorizar o esforço e o sacrifício de irmãos do
passado que arriscaram suas vidas, foram exilados, presos e até mortos por defender a
liberdade de servir a Deus de acordo com sua consciência. Nos ajuda também a continuar
lutando por nossos próprios direitos atualmente. Eventualmente, o Estado e outros grupos
sociais tentam interferir na liberdade religiosa, ameaçando, por exemplo, pautar sobre quais
temas os pastores podem pregar. A igreja deve estar vigilante e defender a liberdade de
proclamar sua fé, conforme sua consciência, evidentemente sem ser intolerante com quem
quer que seja.

Mas, talvez a principal lição que esses Batistas do passado tenham a nos ensinar nesse aspecto
é que ninguém pode ser inserido no Reino de Deus pela força. Há pouco tempo, circulou na
Internet um vídeo no qual traficantes obrigavam uma mãe-de-santo a quebrar seu local de
culto e a expulsavam da comunidade, tudo isso “em nome de Jesus”. Jesus jamais aprovaria
isso. O Senhor não obrigava ninguém a segui-Lo. Ele disse que “se alguém quiser” andar com
Ele, deve negar a si mesmo, tomar a cada dia a sua cruz e segui-Lo.

Nós Batistas devemos ser os primeiros a defender o direito das pessoas de viverem a religião
de acordo com sua própria consciência. Conforme nos ensinaram Thomas Helwys e Roger
Williams, Deus nunca quis que o Evangelho fosse estabelecido pelo Estado ou pela força. Deus
nunca quis fundar um “país cristão”. Cristo quer reinar nos corações das pessoas e seu Reino
não tem aparência exterior. Ele quer que as pessoas se arrependam e sejam conquistadas pelo
amor e pelo Seu Espírito, e não pela lei ou pelas armas. Deixe que sejam hereges. Isso vai nos
lembrar de nossa responsabilidade em espalhar a mensagem do Evangelho. Não basta ser o
Cristianismo a “religião oficial” em qualquer lugar para que Jesus fique satisfeito. Ele só ficará
satisfeito quando cumprirmos com empenho e fidelidade a Sua ordem: ide, pregai e fazei
discípulos em todas as nações.

FONTES:

First Freedom: The Baptist Perspective on Religious Liberty (Thomas White)

Baptists in America: a history (Thomas S. Kidd)

The Baptist story: from english sect to global movement (Anthony L. Chute)

História dos Batistas no Brasil até 1906 (A. R. Crabtree)

Os Bagby no Brasil (Helen Bagby Harrison)

http://www.reformedreader.org

https://en.wikipedia.org

https://erlc.com
Comentários

Zazá Barroso15 de novembro de 2017 06:24

Muito bom o artigo, parabéns!

Sou Batista da Convenção Batista Brasileira e aluna da graduação de História faz bem saber
detalhes tão importante das nossas raízes!

RESPONDER

Bruno Luis de Castro15 de novembro de 2017 09:14

sensacional

RESPONDER

Cyro Ravali15 de novembro de 2017 11:26

Sou Batista da IBEL...Londrina Pr...e gostei mui

to do artigo....

RESPONDER

Unknown19 de maio de 2019 08:50

Imagine que hoje, repitamos a coragem dos nossos antepassados.

Isto daria muito sentido ao nosso testemunho, para espalharmos bem as verdades do
evangelho de Cristo Jesus, com a coragem e a segurança que o Senhor nos concede, enquanto
Lhe sejamos fiéis, custe o que custar.

A história e mestra por excelência. labora em grave erra quem ignora as suas lições. Vivê-la
com saber e sabor é garantia de vitória das verdades eternas.

Glórias sejam dadas ao nosso Rei Eterno, Salvador da nossa alma e Senhor de nossa vida.

Pastor José Vieira Rocha, 83 anos. Nascido num lar Batista, Pastor há mais de 40 anos.

RESPONDER
JAMIERSON OLIVEIRA19 de maio de 2019 11:26

Sou pastor batista da Convenção Independente (CIBI)

RESPONDER

Unknown19 de maio de 2019 12:01

Amém!

RESPONDER

Unknown20 de maio de 2019 08:04

Parabéns é tremendo a história dos Batistas sou um Batista também

RESPONDER

Unknown21 de maio de 2019 09:02

Deus cumpre os seus propósitos, usando homens que estão nas suas mãos.

Glórias a Deus!!!

RESPONDER

Joversi21 de maio de 2019 10:21

Ótimo artigo. Obrigado por compartilhar.

RESPONDER

Omegle22 de maio de 2019 10:26

Sou Batista Nacional, a história doa Baristas pela Liberdade é inspiradora!!! Graça!!!

RESPONDER
José Thomas |Niedhardt24 de maio de 2019 11:42

A História é linda, só que vivendo nos "últimos Tempos "VERIFICANDO novas curvas, e
conceitos

que vão modificando as bases antigas, tal que ''Novas Igrejas Modernas' produzem seus Novos
Membros!. Enquanto Jesus (Yeshua haMashiach Ben David) não voltar AO CENTRO, O Centro

tem Religiosidade (só haverra prédio e profissão vazias)...

RESPONDER

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Arminianismo e Calvinismo entre os Batistas: Passado, Presente e Futuro

Por Bruno Faé - novembro 01, 2017

Imagem

O objetivo desse pequeno artigo não é responder à pergunta sobre em que aspectos as
correntes teológicas, Arminianismo e Calvinismo, estão ou não de acordo com as Escrituras.
Não que isso seja irrelevante; na verdade é muito importante. Mas sobre esse assunto já existe
material vasto disponível e talvez eu não tenha nada novo a acrescentar. Meu alvo é mostrar
como essas duas abordagens estiveram presentes na história dos Batistas e propor de que
forma os batistas atuais poderiam lidar com elas para promover a edificação da igreja, a
fidelidade à ordem de Cristo e consequentemente a glória de Deus.

Considerando a narrativa mais historicamente documentada sobre a origem dos batistas, o


grupo surge em 1609 na Holanda, tendo como líderes o pastor John Smith e o advogado
Thomas Hewlys. Apesar de terem saído do movimento Puritano Separatista inglês, rejeitaram
o Calvinismo e, talvez por influência dos Menonitas (um ramo dos Anabatistas), adotaram uma
soteriologia Arminiana.

Na Curta Confi…

LEIA MAIS

Os Batistas e a celebração dos 500 anos da Reforma

Por Bruno Faé - outubro 31, 2017

Imagem

Quanto mais se aproxima o dia 31 de outubro deste ano, mais se multiplicam os anúncios de
eventos, realizados em seminários e igrejas Batistas do Brasil, para celebrar os 500 anos da
Reforma Protestante, cujo estopim foi a publicação das 95 Teses de Martin Lutero (1483-
1546), em 1517. Além das honras prestadas ao corajoso monge agostiniano, muitas
reverências são feitas também ao maior sistematizador da Reforma, João Calvino (1509-1564).
Entretanto, é necessário que os Batistas, ao relembrar o surgimento das ideias que ajudaram a
formar suas bases teológicas e eclesiásticas, o façam com visão abrangente, sob pena de não
reconhecer nelas seus próprios princípios fundamentais.

Evidentemente, em primeiro lugar, os Batistas precisam reconhecer sua dívida para com
Lutero, de quem assumiram os princípios da salvação somente pela graça, mediante a fé, da
Escritura como única fonte de autoridade e do sacerdócio universal dos crentes. Entretanto,
Lutero e Calvino ainda defendiam o batismo e a…

LEIA MAIS

O chamado da vida profissional

Por Bruno Faé - novembro 09, 2017

Imagem

A vida profissional é um aspecto presente na vida de quase todo ser humano e com os cristãos
não é diferente. Mas, como lidar com isso? Por que e para que trabalhamos? Como lidar com o
“sucesso” ou o “fracasso” na carreira? Como Deus se relaciona com nossa vida profissional?
Essas são algumas perguntas que pretendemos responder neste pequeno artigo.

Através do trabalho expressamos nossa identidade

A primeira verdade que precisa ficar clara é que o trabalho faz parte do propósito inicial de
Deus para o ser humano. Nós trabalhamos porque fomos criados à imagem e semelhança de
Deus. Isto é, assim como Deus trabalha (Isaías 64.4; João 5.17), nós trabalhamos também. Veja
que Adão foi criado para trabalhar, cultivar o jardim do Éden e dar nomes aos animais (Gênesis
2.15,19-20). Veja também que o que os salvos farão no céu junto com Deus é servir, ou seja,
trabalhar (Apocalipse 7.15). O trabalho expressa nossa identidade como criados à imagem e
semelhança de Deus porque nos permite exercer c…

LEIA MAIS

Tecnologia do Blogger

Imagens de tema por sndr

Marcadores

Denunciar abuso

Você também pode gostar