Você está na página 1de 14

MODELOS DE ORGANIZAÇÃO

DO TRABALHO NA PRODUÇÃO

1. TAYLORISMO
2. FORDISMO
Linha de montagem. Produção em Massa.
3. OHNOÍSMO
4. SOCIOTÉCNICA
Fordismo
„ Além da busca da racionalização do trabalho em
moldes tayloristas, o paradigma fordista incorpora a
MÁQUINA como elemento central
¾ Máquina não só aumenta a capacidade de trabalho
humano como também determina seu ritmo
„ Sistema de produção associado à figura do seu
inspirador, o fabricante de automóveis norte-
americano Henry Ford
„ Na década de 1920, pôs em prática os princípios de
racionalização do trabalho emanados do taylorismo
e lhes associou o trabalho em seqüência contínua
ou trabalho em cadeia.
HENRY FORD (1863 – 1947)
„ 1896 – foi às ruas o quadriciclo de
Ford (primeiro carro de Ford) –
produzido artesanalmente
„ 1903 – Ford produziu industrialmente
o primeiro carro
¾ Modelo A
¾ Vendeu 1708 unidades
„ 1908 – Modelo T da Ford
¾ Modelo sem variações
¾ Menor preço do mercado
¾ Mais de 15 milhões de unidades vendidos
HENRY FORD (1863 – 1947)

„ 1913 - Linha de montagem móvel


¾ produtos a serem montados fluíam entre estações de
trabalho estáticas, indo de encontro aos montadores
¾ Índices de produtividade cresceram drasticamente

„ Fundamentou-se nos princípios da administração


científica de Taylor:
¾ Divisão do trabalho
¾ Escolha do trabalhador certo para o trabalho
„ Peças e componentes intercambiáveis
„ Padronização dos produtos
„ Até meados dos anos 20, a Ford dominava o grande
mercado de automóveis.
HENRY FORD – princípios

1. Evitar que o trabalhador dê passos supérfluos


2. Evitar que o trabalhador se canse desnecessariamente
¾ facilitar o acesso às peças e ferramentas
¾ peças devem chegar no ponto da montagem
¾ operações devem ser dispostas em seqüência natural
„ Resultado:
¾ economia de aptidões mentais e redução ao mínimo dos
movimentos do operário para que, sendo possível, ele sempre
faça o mesmo movimento ao executar a mesma operação.
¾ Resultado da aplicação destes princípios: redução do
tempo de montagem do chassi de 12 h e 48 min para 1 h e 33
min.
„ Salário aumenta conforme a produção
„ Recrutamento e treinamento
Ford e a criação da Produção em Massa

„ Produção de somente 1 modelo de automóvel


(“T” preto)
¾ especialização extrema da mão de obra e de
máquinas
¾ ocupação eficiente da mão de obra e dos
equipamentos (para diminuir a ociosidade)
„ Menor tempo de preparação de máquinas.
„ Máquinas alinhadas em seqüência lógica de uso.
„ Estrutura das empresas – Funcional e Verticalizada
¾ para evitar quebras de fluxo
A Linha de Montagem: a inovação fordista

„ O ritmo é fixo e dado pela máquina:


¾ Homem passou a ser quase um
componente da máquina
¾ Movimentos mecanicamente, sem
interferência da sua mente, guardando
perfeita harmonia com o conjunto da linha
de montagem.
¾ Repetição indefinida de movimentos
padronizados
A Linha de Montagem: a inovação fordista

‰ Parcelamento/simplificação do trabalho
¾ Trabalhos foram levados à mais extrema simplificação
¾ “... uns 43% dos serviços não requerem mais do que 1 dia
de aprendizagem; 36% requerem de 1 até 8 dias; 6% de 1
a 2 semanas; 14% de um 1 a 12 meses; 1% de 1 a 6
anos”.

‰ Resultado da simplificação do trabalho:


¾ Compreensão de que não era necessário todo o
potencial humano para a realização dos trabalhos
¾ Emprego de pessoas com defeitos físicos ou
condições inferiores às normais.
A Linha de Montagem
„ Concentrar no menor espaço de tempo aquela parte
do trabalho que realmente transforma e valoriza a
mercadoria.
„ A linha de montagem elimina os tempos mortos,
convertendo-os em tempo de trabalho produtivo
¾ As peças deslocavam-se automaticamente e
ininterruptamente, suprindo o trabalho de todos os homens da
produção, sem esperas nem paradas.
„ Instrumento de intensificação do trabalho
¾ Utilização mais intensa de equipamentos, instrumentos e
instalações.
„ A linha facilita o controle sobre os funcionários.
A Linha de Montagem
Resultados da linha de montagem:
„ Desqualificação operária e a intensificação do
trabalho
¾ Perda de habilidades genéricas manuais dos operários
„ Aumento da produtividade
¾ Inovações tecnológicas
„ Barateamento do automóvel
„ Transformação do automóvel num bem de consumo
em massa
„ Produção em série de mercadorias padronizadas
A Linha de Montagem

„ Inovações tecnológicas da indústria mecânica


(aprimoramento das máquinas operatrizes)
¾ Produção em grande escala de peças intercambiáveis
„ Produção de peças dentro de rígidos padrões
¾ Esforço de padronização dos métodos, máquinas e
instrumentos
¾ Facilidade do controle dos processos
¾ Intercambialidade dos homens e máquinas
„ “Um homem que trabalha na rede de montagem de Detroit
deve poder ocupar instantaneamente o lugar correspondente
na de Yokohama ou São Paulo.”
Comparação:
tempos de montagem (minutos)

Produção artesanal Produção em massa


(outono 1913) (primavera 1914)
Motor 594 226
Eixo 150 26.5
Componentes 750 93
principais de um
veículo
Fonte: Womack et al, 1997.
Efeitos do Fordismo sobre os salários:

„ Como o ritmo é determinado pela máquina, o


funcionário não pode produzir a mais (como no
Taylorismo);
„ Salário “justo” para garantir a concordância com
as novas normas, a sobrevivência e “reprodução”
do trabalhador;
„ Intensificação do trabalho causava mais
absenteísmo e turnover ;
¾ em 1913: para efetivo de 15.000 trabalhadores,
53.000 pessoas foram contratadas
Efeitos do Fordismo sobre os salários:

„ Medidas tomadas para diminuir absenteísmo:


¾ política de remuneração “5 dollars day”
¾ redução da jornada de trabalho para 8 horas