Você está na página 1de 13

Projeto de vida: Mapa de Atividades para 2º ano

do Ensino Médio
Caro(a) professor(a),

A seguir, apresentamos mais um conjunto de atividades que contribuirá para a


organização do itinerário proposto para o Projeto de Vida, com o objetivo promover o
fortalecimento das questões que abarcam a investigação do contexto, em um processo
de ampliação de referências e conhecimentos, para que o jovem possa compreender as
perspectivas presentes e projetos o futuro, ampliando e consolidando a perspectiva de
criação de seu projeto de vida..

Mais uma vez, indicamos que é importante adequar às atividades propostas ao tempo
disponibilizado para as mesmas, posto que, a depender do ritmo e participação da turma,
algumas podem levar mais ou menos tempo que o previsto.

De forma geral, recomenda-se a realização da atividade 5 “Meus desafios em quadrinhos”


antes do preenchimento do instrumental dos Diálogos Socioemocionais. As outras
atividades devem ser desenvolvidas de acordo com disponibilidade e adequação ao
contexto e às particularidades de cada turma.

Nome Resumo Duração Página


prevista
Atividade 4 Debate regrado sobre os impactos das redes
Identidade na sociais nas identidades e seus usos na escola. 2 aulas
rede!
A partir de questões, os alunos devem identificar
Atividade 5
e justificar um desafio superado ao longo de seu
2º ciclo

Meus desafios em 2 aulas


percurso escolar, transformando suas respostas
quadrinhos
em histórias em quadrinhos.
Debate envolvendo imagens e a produção de
Atividade 6 uma minipublicação sobre o respeito aos direitos 2 aulas
Mais respeito! humanos no dia a dia.

Atividade 7 Acompanhamento - 2ª rodada


Feedback- 2ª rodada 2 aulas
Diálogos
Socioemocionais

©Instituto Ayrton Senna 1


2º Ciclo

Atividade 4
Identidade na Rede
Debate regrado, sobre os impactos das redes sociais nas
Resumo
identidades e de seus usos na escola.
Possibilitar que os jovens reflitam sobre a maneira como suas
identidades são impactadas pelos modos como atuam e interagem
Objetivo
nas redes sociais, e proponham ideias para a utilização das redes
sociais para o aprendizado escolar.
Ao longo da atividade são propostas diferentes formações, com
Organização da
momentos em roda de conversa envolvendo a turma toda e de
turma
trabalho em trios.
2 aulas
Duração prevista

Para a sua mediação e presença pedagógica:


Os jovens nascidos entre os anos de 1980 e 1995, conhecidos como millenials, fazem parte da
Geração Y. Essa geração ficou assim conhecida pois, ao contrário das gerações anteriores (os
baby boomers e a geração X), eles estão totalmente inseridos no contexto das transformações
tecnológicas, participando ativamente de redes sociais e do ecossistema digital. Para eles, a
tecnologia não é algo que causa estranhamento, pelo contrário, estabelecem com ela relações
simbióticas, daí também serem apontados como “jovens ciborgues”. A geração Z (nascidos do
final da década de 90 do século XX até o ano 2000), nativos digitais, devem acentuar a
conectividade na maneira de estabelecer relações pessoais, virtuais e produtivas de maneiras
inéditas e inovadoras.

No entanto, o que seus estudantes pensam sobre redes sociais, em particular o Facebook, e
os usos que fazem dela? E o que a escola tem a ver com essas novas tecnologias? Para
trabalhar com essas e outras questões, será realizado um debate regrado, um debate de
opinião. A modalização didática desse tipo de gênero, segundo Dolz e Schneuwly, deve
envolver mais a construção coletiva de um ponto de vista sobre determinado assunto do que o
jogo de refutação e polemização. A esse respeito ver: GOMES-SANTOS, Sandoval Nonato.
Modos de apropriação do gênero debate regrado na escola: uma abordagem aplicada. DELTA
[online]. 2009, disponível em bit.ly/debateregrado. Acesso em jan. de 2018.

Desenvolvimento

1ª etapa

A proposta desta atividade é realizar um debate regrado sobre o tema “Identidade online”
e a sugestão de aquecimento é a leitura do texto abaixo ou projete-o. Provoque os/as
estudantes a descobrir qual é a dependência do jovem F.V.

“O período de preparação foi bem fácil e legal. Foi aquele momento em que a gente acha que vai ser
muito bom e fácil. Mas quando começou fiquei desnorteado. Admito: me tornei muito dependente da
internet, não consigo mais ficar um dia sem. Eu não consegui dessa vez, mas vou ver se tento de novo
qualquer dia”
F.V., 17 anos

©Instituto Ayrton Senna 2


Provavelmente, alguém dirá, logo de cara, que é a internet. Conte que o depoimento faz
parte da experiência a qual um grupo de jovens estudantes cariocas se submeteu: ficar
sete dias sem internet. Mobilize a turma a pensar no que significa ficar sete dias
desconectado e se eles próprios conseguiriam, do que mais sentiriam falta etc. Exiba os
vídeos com o registro das expectativas dos participantes antes da experiência,
disponíveis em: bit.ly/oqueaconteceria e bit.ly/antes7dias

2ª etapa

Qual é a relação que seus estudantes possuem com a internet, particularmente com o
Facebook? Fomente a discussão entre a turma.

Para seu conhecimento e reflexão, recomendamos o trecho da entrevista em que o sociólogo


Zygmunt Baumam discute as relações de amizade no Facebook, disponível em:
bit.ly/amizadesdefacebook

A proposta a seguir é assistir ao vídeo: “Vítimas do Facebook” (Facebook Follies, 53’20”,


Canadá, 2011), que como o nome diz, propõe uma reflexão sobre os perigos que rondam
a rede. Aproveite para esclarecer que o documentário trará alguns temas importantes
para alimentar o debate que farão. Diga que você exibirá apenas um trecho, podendo
disponibilizar o endereço na web para que eles possam assistir ao documentário na
íntegra.

Durante a exibição, convide a turma para anotar os conceitos e fatos que acharem mais
significativos.

Sugerimos a exibição do seguinte trecho do documentário: do início até 13’28’’.


Disponível em bit.ly/vitimasdofacebook

3ª etapa

Antes de iniciar o debate sobre o tema, sugerimos a exibição de outro vídeo, que agora
tratará do uso das redes sociais na escola. Peça que os/as estudantes continuem
tomando nota do que consideram mais significativo, para que o debate ganhe força.
Exiba, na íntegra, o vídeo documentário: “Uma escola entre redes sociais” (22’28’’),
disponível em bit.ly/escolaeredes.

Após assistirem aos vídeos, oriente a turma que se organize em trios para discutirem
suas opiniões. As perguntas disparadoras abaixo podem auxiliar no debate:

 As redes sociais trazem para o âmbito público o que costumava ser particular. Qual é o limite
entre a exposição e a intimidade?
 Como a escola poderia usar as redes sociais a favor da educação? Deem exemplos do que
poderia ser feito.

4ª etapa

Para iniciar o debate regrado, convide a turma para se organizar em roda de conversa e
explique as regras de funcionamento:

 Todos poderão falar e apresentar seus pontos de vista. Para isso, devem pedir a
palavra, levantando a mão. O professor ficará atento para garantir que as
inscrições sejam cumpridas.

©Instituto Ayrton Senna 3


 O objetivo não é chegar a um consenso, esse não é um exercício para aferir quem
tem razão, quem está certo ou está errado, e sim buscar construir juntos um
grande caleidoscópio de pontos de vista sobre o tema. Para isso, é imprescindível
ouvir com atenção os colegas e respeitar as diferentes opiniões. Saber ouvir é tão
importante quanto saber falar.
 Durante a mediação do debate, cuide para que diferentes jovens possam
participar, evitando que o debate seja localizado entre as mesmas pessoas.
 Durante o debate, eles podem citar trechos dos vídeos que assistiram ou dar
exemplos que vivenciaram para dar sustentação aos argumentos.

5ª etapa

O debate deve finalizar com uma rápida avaliação pelos alunos da dinâmica da atividade,
bem como das questões que eles avaliam que seguirão refletindo e conversando em
outros tempos e lugares.

Estimule a turma a refletir sobre quais competências socioemocionais lançaram mão para
a realização da atividade. Em que outros momentos, de sua aula ou de outros
professores, a turma tem utilizado essas competências? Eles percebem algum
desenvolvimento desde as atividades realizadas no primeiro ciclo? O que mudou?

Durante as discussões, é importante que você também apresente seu ponto de vista
quanto ao desenvolvimento da turma. Convide a turma para registrar os debates do dia
em suas Agendas.

Observe as ideias que a turma trouxe para o uso das redes sociais na educação. Algumas delas, talvez,
você consiga colocar em prática, como por exemplo, a criação de um grupo fechado no Facebook com
todos os estudantes da turma. Este grupo ou “sala de aula virtual” pode ter usos como: organizar tarefas
e fazer lembretes; apoio de registro pelos jovens das questões de suas aulas; fórum de discussão
permanente; divulgação de filmes, eventos e outros temas de interesse cultural e educativo etc. Avalie
sua disponibilidade para fazer a gestão desse grupo e, se possível, convide colegas e a própria turma
para lhe auxiliar nesse processo

©Instituto Ayrton Senna 4


Atividade 5
Meu desafio em quadrinhos
A partir de questões, os alunos devem identificar e justificar um desafio
Resumo superado ao longo de seu percurso escolar, transformando suas
respostas em histórias em quadrinhos
Incentivar a reflexão sobre o percurso escolar dos estudantes,
Objetivo
especialmente no que diz respeito às dificuldades superadas no trajeto.
Ao longo da atividade são propostas diferentes formações, com
Organização da
momentos em roda de conversa envolvendo a turma toda e trabalho
turma
individual.
Duração prevista 2 aulas

A importância de compartilhar

Quando uma atividade é demandada aos estudantes, ela envolve uma série de expectativas e
orientações que contribuem para formular um passo a passo para a sua execução.
As regras funcionam como guias de um percurso, mas não resultam nos mesmos produtos, que
costumam ser bem diversos. Por isso é tão importante compartilhá-los com os orientandos,
evidenciando para os alunos diferenças e semelhanças entre seus trabalhos e a pluralidade de
produções que uma mesma proposta pode gerar.
Ao compartilhar, o aluno também exercita um modo de se portar em público e de encadear suas
ideias, pois precisa escolher bem as palavras com as quais vai explicar sua produção. Assim, se
abre ao olhar do outro, às possíveis dúvidas e questões colocadas pelas colegas e professores, que
podem enriquecer seu o trabalho.

Desenvolvimento

1ª etapa
O percurso escolar da maioria dos estudantes apresenta altos e baixos, seja em relação
ao aprendizado e desempenho nas disciplinas, à adequação a regras e normas que
conformam seu papel de aluno ou à convivência com colegas, professores ou
funcionários da escola. O mesmo se aplica à trajetória das pessoas na vida pessoal e
profissional.

Os jovens precisam aprender a lidar com obstáculos de modo confiante. O que se propõe
a eles é um olhar retrospectivo sobre o próprio percurso escolar, buscando identificar
alguma situação desafiadora que tenham enfrentado com sucesso e o resultado positivo
que alcançaram. Não se trata de pensar no que deu errado, mas no que deu certo. Para
compartilhar a experiência com os colegas, a sugestão é que cada aluno crie uma
narrativa visual, como uma história em quadrinhos.

2ª etapa
.
Em seguida, peça que os alunos apresentem alguns exemplos de resiliência que eles
conheçam, orientando-os a pensarem em personagens de desenhos, filmes e novelas,
que são ótimos para ilustrar o conceito (essa orientação é importante quando se trata de
discutir resiliência, pois exemplos de cunho pessoal e familiar podem vir à tona e não
seriam apropriados para a atividade).

©Instituto Ayrton Senna 5


Exiba depois o vídeo No time for nuts (Sem tempo para nozes), disponível no link bit.ly/no-
time-for-nuts.

3ª etapa

Proponha a reflexão sobre o percurso escolar e a produção da história em quadrinho,


primeiro solicitando aos alunos que se lembrem de uma situação desafiadora que tenham
enfrentado e superado na vida escolar. Apresente depois a ideia de cada um contar essa
lembrança na forma de uma história em quadrinhos (nesta etapa da atividade, é
importante destacar, novamente, que o desafio deve estar intimamente relacionado às
atividades escolares, sem trazer questões familiares).

As questões propostas abaixo podem ajudar no resgate dessas situações:

 Por que era um desafio para mim?


 Como consegui superá-lo?
 Qual foi o resultado positivo disso para minha vida?

4ª etapa

Em seguida, oriente os alunos a transformarem a experiência recordada em uma narrativa


visual, com desenhos e textos, que é a característica básica das histórias em quadrinhos,
e distribua a eles o material necessário, passando estas instruções:

 Dividir a folha A4 em quatro quadros, de modo que as ilustrações não fiquem muito
pequenas e possam ser visualizadas por todos na rodada de compartilhamento.
As histórias poderão ter de quatro a doze quadros;
 Elaborar um breve roteiro antes de iniciarem os desenhos, o que ajuda a organizar
as ideias, a prever quantos quadros serão necessários para contar a história e
também a definir qual será o conteúdo de cada quadro;
 Formular algumas perguntas básicas para estruturar o roteiro e construir uma
história com começo, meio e fim: Quem são os personagens? O que aconteceu?
Por quê? Como a situação se desdobrou? Quando e onde ocorreu?

5ª etapa

É importante que os estudantes compartilhem suas produções. Nesta etapa, cada aluno
pode pregar sua história na parede com fita crepe. Depois, a turma poderá circular pela
sala por alguns minutos, lendo todas as histórias produzidas pelos colegas, e depois a se
organizarem em uma roda para o fechamento da atividade com um debate.

Para fomentar a discussão, questione-os sobre a importância de enfrentar desafios para


atingir a realização escolar e profissional e busque traçar com eles relações com as
histórias em quadrinhos que respondam a essa questão.

Finalize a aula mobilizando a turma para refletir e registrar em suas Agendas sobre as
competências necessárias para enfrentamento de questões desafiadoras. Auxilie os/as
estudantes a terem visibilidade sobre como as atividades de Projeto de Vida podem
contribuir para que lancem mão de competências socioemocionais. Quais competências
precisaram acionar para desenvolver esta atividade? Quais dessas competências os/as
estudantes consideram ter mais desenvolvidas? Quais são as evidências para as
respostas dadas? Quais apresentam mais desafios?.

©Instituto Ayrton Senna 6


Atividade 6
Mais Respeito
Debate envolvendo imagens e a produção de uma minipublicação sobre
Resumo
o respeito aos direitos humanos no dia a dia.
Promover debate e reflexão acerca do respeito aos direitos humanos
Objetivo
nas relações cotidianas.
Ao longo da atividade são propostas diferentes formações, com
Organização da
momentos em roda de conversa envolvendo a turma toda e de
turma
trabalho em trios.
Duração prevista 2 aulas

Para fortalecer a sua mediação e presença pedagógica

Esta atividade é composta por uma série de etapas que estão conectadas e que, em boa medida, são
interdependentes. Tudo começa com um exercício de análise de imagens, seguido por uma conversa e
pela produção de uma minipublicação, sendo que a temática que perpassa tudo isso é a do respeito e
da cidadania. São etapas simples, mas todas devem ser cumpridas para que o objetivo final seja
alcançado. Afinal de contas, o que está em jogo aqui é a produção de um material oriundo de uma rica
e complexa discussão coletiva. Por isso, para que nenhuma etapa seja prejudicada, é importante ter foco
e determinação no trabalho e cumprir os tempos estipulados. Assim, a atividade pode ser completada
sem desfalques da proposta inicial.

Para esta aula, será preciso providenciar cópias do texto Direitos Humanos (Anexo 3, ao final
deste material).

Desenvolvimento

1ª etapa
Organize os alunos em trios, distribua cópias do Anexo 1 e convide-os a realizar as ações
do dia de forma autônoma.

 Circule entre os trios durante a atividade, esclarecendo dúvidas, estimulando o


envolvimento de todos e lançando questões para reflexão e debate.
 Ajude os alunos a realizar o desafio proposto a eles: a criação de uma
minipublicação. A ideia é que seja simples, mas fruto de uma reflexão rica e de
um esforço coletivo.

2ª etapa

Para finalizar, reúna os estudantes em uma roda de conversas e peça que eles apontem
o que aprenderam na atividade de hoje, quais foram os principais desafios para a
construção da minipublicação e como eles fizeram para superá-los. Faça também uma
breve avaliação dos jovens, apontando as competências que eles mobilizaram para a
realização da atividade.

©Instituto Ayrton Senna 7


Atividade 7
Diálogos Socioemocionais – acompanhamento
do desenvolvimento das competências
Aplicação da 1ª rodada dos Diálogos Socioemocionais e Feedback do
Resumo
professor
Autoavaliação do desenvolvimento das competências socioemocionais
Objetivo
selecionas pelos jovens e pelos professores
Organização da Roda de conversa e trabalho individual
turma
Duração prevista 2 aulas

Para fortalecer a sua mediação e presença pedagógica:

Ao aplicar as rubricas do Diálogos Socioemocionais referentes às competências


socioemocionais que serão trabalhadas em sua rede de ensino, será possível observar em que
degrau os estudantes e você enxergam o nível de desenvolvimento do estudante nelas, bem
como acompanhar o progresso do desenvolvimento dessas competências por meio dessas
rubricas bimestralmente, por exemplo.

Por esta razão, a proposta é que você também preencha o instrumento que será disponibilizado
por sua rede de ensino, e o utilize como uma das referências para o planejamento do feedback
à sua turma.

O momento de autoavaliação e feedback para a definição das competências socioemocionais


que farão parte do projeto de desenvolvimento do aluno é fundamental para que professor e
estudantes possam traçar as metas e objetivos do Projeto de Vida.

É muito importante que o feedback fornecido pelo professor aos estudantes após o uso das
rubricas estimule os estudantes a continuarem progredindo no desenvolvimento da competência
e quanto mais pertinente, claro e assertivo for o feedback, melhor pode ser a qualidade do
processo de aprendizagem.

Desenvolvimento

1ª etapa
Acompanhamento 2ª rodada- Aplicação das rubricas
Receba a turma em roda de conversa e verifique se todos estão prontos para a segunda
rodada autoavaliação dos Diálogos Socioemocionais. Caso a turma apresente alguma
dúvida ou questão, acolha e responda.

É importante que a turma perceba que o preenchimento das rubricas faz parte de um
processo amplo de aprendizagem de competências socioemocionais. Contribua para que
essa informação fique clara para a turma, destacando que todas as vezes que dialogam
sobre como estão desenvolvendo competências durante as atividades também é um
processo avaliativo. O preenchimento das rubricas é, neste sentido, o momento de
registrar as reflexões sobre o aprendizado das competências em instrumento específico.

2 ª etapa

©Instituto Ayrton Senna 8


Distribua o instrumental das rubricas (ou acessem o link para a avaliação), e peça para
que os estudantes reflitam um pouco sobre si mesmos, antes de responder a cada
pergunta.

Acompanhamento - 2ª Rodada: Feedback Coletivo

1ª etapa

Responda você também instrumental sobre cada aluno. Atente-se às características que
os jovens tenham demonstrado durante suas aulas, aos momentos em que você os
observou nos trabalhos em time ou no intervalo entre as aulas. Resgatar memórias de
exemplos práticos sobre cada estudante será fundamental para que você faça a
autoavaliação de forma criteriosa.

2ª etapa

Oriente a turma para que se organizem em roda de conversa e explique a atividade. Fique
atento para perceber se há incômodo por parte de algum jovem e reforce o propósito do
feedback coletivo.

Diga à turma que você também preencheu o instrumental e que o objetivo é, após a
conversa que terão, os jovens definirem quais competências serão foco de seu
aprendizado ao longo do ano. É importante que os estudantes tenham clareza de que
desenvolverão outras competências, além das escolhidas, mas que essas serão a
centralidade das metas de aprendizagem e de seus projetos de vida do ano.

©Instituto Ayrton Senna 9


Anexos

Anexo 3

DIREITOS HUMANOS
LIMA, Renato. Disponível em: http://petisco2.org/pockets/. Acesso em: out. 2017.

Nosso tema de hoje é o respeito aos direitos humanos. Não vamos explicar o tema a
vocês, alunos. Trouxemos apenas algumas imagens4, para que debatam (as imagens
estão nas próximas páginas). Para isso, a turma deverá dividir-se em trios. A tarefa de
cada trio é indicar, abaixo das imagens, que situações de desrespeito aos direitos estão
sendo criticadas. Também pedimos que vocês produzam, no quadro ao lado de cada
imagem, uma outra (pode ser desenho, colagem, história em quadrinhos ou charge) ou
um breve texto que faça uma crítica relacionada à mesma questão.

Vocês terão 20 minutos para essa atividade.


Depois, é hora de compartilhar a reflexão e os resultados com os outros trios. Para isso,
todos se reunirão numa roda. Um representante de cada trio vai mostrar o que o grupo
produziu e contar como foi a discussão.

Esse compartilhamento vai durar 15 minutos.


Em seguida, vocês vão se organizar da forma que julgarem mais adequada para produzir
uma pequena revista artesanal, de oito páginas (contando com a capa), sobre o tema:
Mais respeito! Cada página deverá ter o tamanho de meia folha A4. Sugerimos, também,
o seguinte conteúdo por página:
- Capa.
- Páginas 2 e 3: texto de dois parágrafos que responda à pergunta “Direitos
humanos:
e eu com isso?”.
- Páginas 4 e 5: Imagens sobre o tema. Selecionar entre as que vocês produziram
na
primeira parte do encontro de hoje.
- Páginas 6 e 7: Enquete (entre os alunos da turma). Um aluno vai recolher uma
frase de cada colega que responda à pergunta: “Para você, o que é respeito?”.
- Página 8: Nome das pessoas que realizaram essa minipublicação, indicando
quem fez o quê.

Vocês terão 35 minutos para criar a revista artesanal. Em seguida, para finalizar,
reúnam-se novamente em roda e discutam o que aprenderam com as atividades desse
encontro.

©Instituto Ayrton Senna 10


©Instituto Ayrton Senna 11
©Instituto Ayrton Senna 12
©Instituto Ayrton Senna 13

Você também pode gostar