Você está na página 1de 6

..

01. Fenômenos Elétricos e Carga Elétrica e) A carga elétrica é quantizada. Ou seja, toda a carga elétrica
existente na natureza é sempre múltiplo da carga elementar

 Na mitologia grega, os raios eram uma arma utilizada pelo "e".

deus Zeus. Na mitologia nórdica, os raios e trovões indicavam


que Thor, filho de Odin, estava passando em sua carruagem 01.1 Princípio da Conservação da Carga Elétrica

puxadas por bodes e jogando seu martelo contra gigantes.


Este princípio nos diz que não é possível criar ou destruir carga
Hoje sabemos que os raios são um fenômeno de origem
elétrica. O que há é apenas transferência de carga elétrica de
elétrica, assim como diversos outros fenômenos, como por
um corpo para outro. Nesse sentido, podemos dizer que a carga
exemplo pequenos pedaços de papel serem atraídos por uma
elétrica total de um dado sistema isolado é constante.
caneta de plástico previamente atritada contra os cabelos de
uma pessoa. Sem falar em toda a nossa tecnologia que se
02. Estrutura Atômica
fundamenta no uso da eletricidade (máquinas, lâmpadas,
eletrodomésticos, etc...)
Você já deve conhecer, do seu curso de Química, o modelo
Todos esses fenômenos são uma manifestação da grande
clássico de um átomo.
quantidade de carga elétrica que nos cerca (e nos constitui).

Vamos então "definir" carga elétrica da seguinte forma:

Carga elétrica é uma característica intrínseca da


matéria, responsável pelos fenômenos de origem
elétrica.

 Vejamos algumas características da carga elétrica:

a) Existem dois tipos de carga elétrica, a carga elétrica positiva


e a carga elétrica negativa.

b) Cargas elétricas de mesmo sinal se repelem e de sinal


contrário se atraem.

 Núcleo: parte central do átomo, contendo os prótons e os


nêutrons.

 Eletrosfera: região em torno do núcleo onde ficam os elétrons.

 Prótons: partículas de carga elétrica de valor +e

 Nêutrons: partículas sem carga elétrica

 Elétrons: partículas de carga elétrica de valor -e

Logo:

 Os prótons e os elétrons se atraem.


 Um próton repele outro próton.
Princípio da Atração e Repulsão de Cargas Elétricas  Um elétron repele outro elétron.

c) A unidade de carga elétrica é o Coulomb, cujo símbolo é a


letra "C". 03. Condutores e Isolantes

d) A menor carga elétrica que existe na natureza se chama de


carga elementar ("e") e apresenta valor igual a: A construção de um circuito elétrico consiste, basicamente, em
ligar diferentes elementos (resistores, capacitores, etc...) por
e = 1,6 x 10-19 C
meio de fios metálicos. Os fios metálicos são utilizados por
serem bons condutores de eletricidade. Essa característica dos 05. Distribuição da Carga Elétrica
metais se deve ao fato de que, no interior do metal, cada átomo
perde um ou dois elétrons – os que estão nas camadas mais  Condutor elétrico eletrizado
externas e, consequentemente, mais fracamente ligados ao
núcleo atômico – que ficam vagando no interior do metal, pelos
espaços vazios entre os íons (átomos que perderam os
elétrons). É comum chamar esses elétrons de “elétrons livres”.

 Esquema da estrutura interna de um condutor

Condutor esférico Condutor esférico


eletrizado eletrizado
Molécula
negativamente positivamente
Elétron livre

 Como no interior de um condutor a carga elétrica possui uma


boa mobilidade, esta tende a se distribuir pela superfície do

Os elétrons livres apresentam um movimento aleatório, de mesmo, pois dessa forma a distância média entre as cargas é a

origem térmica, sem nenhum sentido preferencial de maior possível (lembre-se que cargas de mesmo sinal se

movimento. repelem).

 Importante salientar que em um fio metálico cerca de 70 %  Isolante elétrico eletrizado

de seu volume consiste em espaço vazio entre os íons. É nesse


espaço vazio que os elétrons livres vagam.

 Condutores de eletricidade: materiais que possuem


elétrons livres, permitindo o fluxo de carga elétrica em seu
interior.
Bastão isolante
eletrizado
 Isolantes elétricos: materiais que não possuem elétrons
postivamente
livres, não permitindo o fluxo de carga elétrica em seu interior.

 Como no interior de um isolante a carga elétrica não possui


mobilidade, esta fica concentrada no local onde houve a
04. Condições de Eletrização de um Corpo eletrização (como no caso de uma caneta que é atritada no
cabelo, por exemplo)
 Um corpo está eletrizado positivamente quando contém uma
quantidade de carga positiva maior que a quantidade de carga  Poder das pontas
negativa, ou seja, mais prótons que elétrons.
 Considere um condutor com o formato mostrado na figura
abaixo.
 Um corpo está eletrizado negativamente quando contém uma
quantidade de carga negativa maior que a quantidade de carga
positiva, ou seja, mais elétrons que prótons.

 Se a quantidade de cargas positivas for igual a quantidade de


cargas negativas, então o corpo está eletricamente neutro.

IFRN – ZN / 2011 ............................


 Observa-se que, nesse caso, haverá uma maior concentração  O corpo que ganhou elétrons ficou com uma quantidade
de cargas elétricas nas regiões mais esbeltas do corpo. Para o maior de carga negativa que positiva, logo, ficou eletrizado
exemplo mostrado, o corpo perde a carga elétrica excedente negativamente.
para o meio externo exatamente pela região pontiaguda.
 O corpo que perdeu elétrons ficou com uma quantidade
06. Processos de Eletrização maior de carga positiva que negativa, logo, ficou eletrizado
positivamente.

06.1. Eletrização por Atrito Nota: perceba que utilizamos dois corpos isolantes elétricos.
Nesse caso, como não há elétrons livres, a carga fica localizada
 Considere dois corpos homogêneos, A e B, de materiais na área onde houve o atrito.
diferentes, ambos isolantes elétricos e inicialmente neutros.
Importante: não há transferência de prótons, pois estes estão
Como são feitos de diferentes materiais, os elétrons de suas
fixos no núcleo atômico dos átomos que constituem o corpo.
camadas mais externas estão presos ao núcleo com forças de
diferentes intensidades.
06.2 Eletrização por Contato

A B  Considere duas esferas idênticas A e B (mesmo material,


mesma forma e mesmo tamanho), ambas condutoras de
eletricidade. A esfera A está neutra e a esfera B está eletrizada
negativamente. Ambas as esferas estão apoiadas sobre
suportes isolantes e inicialmente distantes uma da outra.

 Vamos então atritar um corpo no outro, permitindo a


interação entre átomos das moléculas de suas superfícies. A B
Nesse caso, o material cujos átomos possuem maior
eletroafinidade, vai "capturar" elétrons do outro material.

Atritando
os corpos

 Agora, vamos encostar uma esfera na outra. Nesse caso, as


duas esferas vão se comportar como se fossem um único corpo.

 Ao final do processo, o corpo (B) ganha uma quantidade n de A B


elétrons enquanto o corpo (A) perde uma quantidade, também
n, de elétrons.

A B

IFRN – ZN / 2011 ............................


 Como as esferas são condutoras, possuindo elétrons livres
com grande mobilidade em seu interior, os elétrons em excesso
da esfera B vão se espalhar uniformemente pelas duas esferas.

 Ao separar as esferas, parte da carga elétrica que está


distribuída pelo conjunto fica com uma esfera e a outra parte
fica com a outra esfera. Casos as esferas sejam idênticas, cada
uma delas ficará com metade da carga elétrica total.

fig. 01 fig. 02

A B

Terra

fig. 03

06.3 Indução Elétrica

 Considere uma esfera condutora, inicialmente neutra, sobre


um suporte isolante (fig. 01). Na sequência, aproximamos um
bastão eletrizado negativamente, sem fazer contato entre o
bastão e a esfera (fig. 02).

 Perceba que o bastão provoca uma indução elétrica na


esfera, repelindo os elétrons livres para a sua extremidade
fig. 04
esquerda, provocando um excesso de elétrons desse lado e uma
falta de elétrons na extremidade direita.
 Uma aplicação interessante do processo de indução é o
 Vamos fazer agora o aterramento da esfera (fig. 03), a fim
pêndulo eletrostática, mostrado na figura abaixo:
de que os elétrons livres concentrados no lado esquerdo
"escoem" para o solo (vamos sempre considerar a Terra como
possuindo grande quantidade de elétrons livres e neutra).

 Observe que vários elétrons da esfera descem para o solo,


Fio
deixando-a com carga positiva. Eliminando o aterramento e
afastando em seguida o bastão, obtemos uma esfera eletrizada
positivamente (fig. 04). Suporte Bastão

Esfera
Leve

Base

IFRN – ZN / 2011 ............................


 Nesse caso, devido ao processo de indução elétrica, a força  Modelo pictórico de um isolante polarizado:
de atração entre as cargas negativas do bastão e positivas da
esfera será maior que a força de repulsão entre as cargas
negativas do bastão e negativas da esfera, uma vez que a
distância entre as cargas de sinais contrários (considerando o
Bastão
bastão e a esfera) é menor que a distância entre as cargas de eletrizado
mesmo sinal (também considerando o bastão e a esfera). negativamente

 Observe que a esfera continua neutra.

d1
 Neste exemplo, uma vez que as moléculas do corpo estão
polarizadas, o corpo se comporta como se houvesse uma
predominância de cargas positivas à direita e de cargas
negativas à esquerda.

 Um bom exemplo do efeito da polarização está mostrado no


d2
exemplo abaixo, no qual um bastão eletrizado pode desviar a
trajetória de um filete de água.
 Devido ao processo de indução elétrica, é possível que um
corpo eletrizado exerça uma força elétrica de atração em um
condutor neutro. Torneira
 Veremos posteriormente que a força elétrica é inversamente
proporcional ao quadrado da distância entre os corpos
eletrizados.
Bastão
06.4 Polarização de um Isolante Eletrizado
 Algumas moléculas, embora eletricamente neutras, não
Filete
apresentam suas cargas elétricas distribuídas de forma
de
simétrica. Estas moléculas (como as da água, por exemplo),
água
podem ser alinhadas, ou polarizadas, devido a ação de um
indutor.
07. Eletroscópio de Folhas
Isso quer dizer que um corpo isolante, ou seja, sem elétrons
livres, pode sofrer uma polarização.
Um equipamento simples de fazer e muito eficiente quando se

 Modelo pictórico de um isolante não polarizado: quer detectar a presença de cargas elétricas é o eletroscópio de
folhas, cujo funcionamento se baseia no processo de indução
elétrica.

Este equipamento consta de uma esfera condutora ligada a uma


haste também condutora. Na ponta desta haste existe duas
folhas de material condutor, com liberdade de movimento de
giro (ver figura 2). Aproximando-se um bastão eletrizado ocorre
uma indução elétrica no sistema esfera, haste e folhas, o que
ocasiona o afastamento das folhas, uma vez que ambas ficam
carregadas com cargas elétricas de mesmo sinal.

IFRN – ZN / 2011 ............................


 Se as partículas possuem cargas elétricas de mesmo sinal,
os corpos se repelem e se possuem cargas elétricas de sinais
contrários, os corpos se atraem.

Figura 1 Figura 2

08. Lei de Coulomb

Considere duas partículas puntiformes (suas dimensões são


 Como exemplificação, observe que duas partículas com
desprezíveis no contexto adotado) A e B, eletrizadas com cargas
cargas elétricas de 1 C cada uma, distantes 1 m uma da outra,
de módulos q1 e q2 respectivamente, distantes uma da outra
estarão sujeitas a ação de uma força elétrica de módulo:
um valor d.

Fe = 9.000.000.000 N
A

Observa-se que o módulo da força elétrica entre estas


partículas obedece a lei do inverso do quadrado, sendo
expressa pelo seguinte modelo matemático:

Onde k é uma constante de proporcionalidade que depende do


meio no qual as partículas q1 e q2 estão imersas. No vácuo, esta
constante apresenta valor aproximadamente igual a:

K = 9 x 109 N.m2/C2.

08.1 O Vetor Força Elétrica ⃗

 O vetor força elétrica tem a mesma direção da reta que


passa pelas partículas puntiformes.

 Pela 3° Lei de Newton (Princípio da Ação e Reação) as forças


elétricas que atuam em cada partícula possuem a mesma
direção, o mesmo módulo e sentidos contrários.

IFRN – ZN / 2011 ............................