Você está na página 1de 20

NÚCLEO DE PREPARAÇÃO DE OFICIAIS DA RESERVA

GABRIEL ALEXANDRINO DE FARIAS

JOSE FRANCISCO BIAS JUNIOR

MARCOS VINICIUS VASCONCELLOS WIENDL

VITTOR EDUARDO ARAUJO DE ABREU

PROJETO INTERDISCIPLINAR:

AQUISIÇÃO DE MATERIAIS PERMANENTES E DE SISTEMA

DE SEGURANÇA ORGÂNICA

Bayeux

2021
GABRIEL ALEXANDRINO DE FARIAS

JOSE FRANCISCO BIAS JUNIOR

MARCOS VINICIUS VASCONCELLOS WIENDL

VITTOR EDUARDO ARAUJO DE ABREU

PROJETO INTERDISCIPLINAR:

AQUISIÇÃO DE MATERIAIS PERMANENTES E DE SISTEMA

DE SEGURANÇA ORGÂNICA

Trabalho de Conclusão de

Curso apresentado ao

Núcleo de Preparação de

Oficiais da Reserva como

parte dos requisitos para a

Conclusão do Curso.

Bayeux

2021
LISTA DE ABREVIATURAS

Adj – Adjunto

Art - Artigo

CCONT - Coordenação de Contabilidade

CMT - Comandante

DCONT - Diretoria de Contabilidade

NPOR – Núcleo de preparação de

oficiais da reserva

OF dia - Oficial de dia

OM - Organização Militar

RAE - Regulamento de Administração

do Exército

RISG - Regulamento Interno e dos Serviços Gerais

SALC - Seção de Aquisição, Licitações e Contratos

SCmt - Subcomandante

SEF - Secretaria de Economia e

Finanças
RESUMO

A aquisição de património e seus processos devem são essenciais para o

funcionamento da instituição. O desígnio principal desse trabalho é explicar e

levantar dados pertinentes a aquisição de materiais permanentes e do sistema de

segurança orgânico. Com isso, reforçar a importância da agilização dos

processos de aquisição de recursos, desperdícios orçamentários e o

aperfeiçoamento da segurança do aquartelamento; tendo em vista que alguns

sistemas e equipamentos, com os anos, se tornaram obsoletos.

Palavras chaves: aquisição, material permanente, recursos, segurança.


SUMÁRIO

1. Introdução................................................................................ 6

2. Aquisição de material permanente.........................................

2.1 Material Permanente.......................................................... 7

2.2 Aquisição para instituições de ensino do exército.........

12

3. Materiais de sistema de segurança orgânica........................ 13

3.1 Sala d´armas........................................................................ 15

3.2 Guarda ao quartel................................................................ 16

3.3 Paióis.................................................................................... 17

4. Conclusão.................................................................................. 18

5. Bibliografia................................................................................. 20
1. INTRODUÇÃO

Indubitavelmente, no contexto atual, a aquisição de materiais permanentes tem

ganhado nova visão no meio regimental, tendo em vista os novos investimentos

aplicados em diversas áreas da OM, entre elas, o recebimento dos blindados da

linha guarani.

Todavia, uma complexa e dinâmica logística se movimenta para a

administração dos recursos das instituições militares, primordial para o recurso

público confiado, fruto da arrecadação tributária brasileira.

Tendo isso em mente, um levantamento referente aos bens em material

permanente e segurança orgânica do 16º R C Mec foi realizada, visando o

melhoramento institucional e melhor aproveitamento dos meios disponibilizados.

Desta forma é necessário a descrição e conceituação.

Material permanente é todo artigo, equipamento ou conjunto

operacional ou administrativo que tem durabilidade prevista superior a 2

(dois) anos e que em razão de seu uso não perde sua identidade física,

nem se incorpora a outro bem. (Regulamento de Administração do Exército -

EB10-R-01.003, 1ª Edição, 2021)

Sistema de segurança orgânica: é todo material que auxilie na

segurança da instituição, como exemplos: câmeras de segurança,

concertinas, lacres, alarmes, cadeados, cercas, entre outros.

Nossos objetivos foram relatar os procedimentos da aquisição do

material permanente e de sistema de segurança orgânica no quartel,

visando o bom uso dos materiais com eficiência e com o gasto de

recurso moderado.
2.Aquisição de material para subunidades, vida útil e depreciação.

2.1 Material Permanente

Na maioria das instituições militares com algumas exceções, o

processo de aquisição dá-se início com a formulação de uma nota de

crédito, que é a expectativa de recursos. Com isso, uma requisição é

feita, nela conterá as informações do material por parte de quem quer

solicitar a compra, posteriormente, requisitando o material, vê-se o aval

através da nota de crédito disponibilizada para compra. As notas de

crédito já vêm identificando para que estão destinadas, sejam para

compra de material permanente, consumo, informática e etc. Quando

a mesma chega ao regimento, o comando decide, se já não estiver

esclarecido na própria nota, qual seção irá usufruir da mesma.

Feito a compra com a Nota de Crédito, a SALC, empenha a

compra, emite a Nota de Empenho que a comprovação da

capacidade que a instituição tem de pagar ao fornecedor, ou seja, é

a garantia de pagamento. De posse da NE, a seção requisitante

manda para o licitante, que vai enviar o material junto com a nota

fiscal, sendo analisado e conferido se há falhas ou defeitos. Na

inexistência de erros, a nota fiscal vai para tesouraria para

pagamento.

Todo o material tem seu devido tempo de uso, de acordo com a

SEF e a D CONT do Exército Brasileiro. Em sua cartilha de

depreciação, relata que a estimativa de vida econômica do


bem/material pode ser definida pelo Órgão Gestor no momento de

sua aquisição, conforme alguns aspectos:

A. O tempo pelo qual o material manterá a sua capacidade para gerar

benefícios para a instituição;

B. Os aspectos técnicos referentes ao desgaste físico e

obsolescência do bem. Exemplo: a utilização ininterrupta do bem

pode abreviar a sua vida útil;

C. O tempo de vida útil de um bem que possui a sua utilização ou

exploração limitada temporalmente por lei e contrato não pode ser

superior a esse prazo, caso de software;

D. O tempo pelo qual o material manterá a sua capacidade para gerar

benefícios para a instituição;

E. Os aspectos técnicos referentes ao desgaste físico e

obsolescência do bem. Exemplo: a utilização ininterrupta do bem

pode abreviar a sua vida útil;

F. O tempo pelo qual o material manterá a sua capacidade para gerar

benefícios para a instituição;

G. Os aspectos técnicos referentes ao desgaste físico e

obsolescência do bem. Exemplo: a utilização ininterrupta do bem

pode abreviar a sua vida útil;

H. O tempo de vida útil de um bem que possui a sua utilização ou

exploração limitada temporalmente por lei e contrato não pode ser

superior a esse prazo, caso de software;

Ao final da vida útil do material, deverá ser feita a reavaliação

do material, caso permaneça em bom estado ele mantém-se em


utilização, podendo ser alterada sua vida útil ou em caso de

potencialização ou modernização, deverá haver nova medição do

tempo útil. Também pode ocorrer a depreciação do produto que é o

declínio do potencial do serviço disponibilizado pelo material, das

seguintes formas:

a. Deterioração física;

b. Desgaste com uso;

c. Obsolescência.

Para conhecimento da vida útil de cada material, encontramos

a tabela estabelecida pela D CONT.

De outra forma, o Órgão Gestor pode levantar o tempo útil do

material e valor diferente da tabela que será apresentada. Tendo em

vista a forma de utilização e aquisição do mesmo; devendo ser

enviada tal necessidade com antecedência de até 90 dias, para que

possa fazer nota explicativa para a CCONT.


- EXTRATO TABELA DE VIDA ÚTIL

Vida Valor
Conta Título útil residu
(mes al
es)
12.311.01.01 180 10%
Aparelhos de medição e orientação

12.311.01.02 120 20%

Aparelhos e equipamentos de comunicação


12.311.01.03 Aparelhos, equipamentos e utensílios 180 20%

médicos, odontológicos,

laboratoriais e hospitalares
12.311.01.04 120 10%

Aparelhos e equipamentos para esportes e

diversões
12.311.01.05 120 10%
Equipamentos de proteção, segurança

socorro
12.311.01.06 240 10%

Máquinas e equipamentos de natureza

industrial
12.311.01.07 120 10%

Máquinas e equipamentos energéticos


12.311.01.08 180 10%

Máquinas e equipamentos gráficos


12.311.01.09 120 10%

Máquinas, ferramentas e utensílios de oficina


12.311.01.10 60 10%
Equipamento de montaria
12.311.01.11 120 10%

Equipamentos e material sigiloso e

reservado
12.311.01.12 60 10%
Equipamentos, peças e acessórios p/

automóveis
12.311.01.13 180 10%

Equipamentos, peças e acessórios

marítimos
12.311.01.14 360 10%
Equipamentos, peças e acessórios

aeronáuticos
12.311.01.15 360 10%

Equipamentos, peças e acessórios de

proteção ao voo
12.311.01.16 180 10%

Equipamentos de mergulho e salvamento


12.311.01.18 240 10%

Equipamentos de manobras e

patrulhamento
2.2 Aquisição para instituições de ensino do exército

Sobretudo, um levantamento sobre os materiais em posse do

NPOR foi realizado, visando demonstrar a posse dos recursos bem

investidos em instituições de ensino, que dentre as subunidades possui

uma subordinação direta a DESMIL. Segundo o RAE (2021), o

comandante da SU determinará, pelo menos semestralmente, a

conferência quantitativa e qualitativa do material carga sob sua

responsabilidade, para isso, uma parcela do material foi escolhida para

exemplificar a dependência de material, e um extrato do Planejamento

orçamentário anual.

EXTRATO DA RELAÇÃO DE MATERIAL CARGA DA DEPENDÊNCIA 16º R C


Mec / NÚCLEO DE PREPARAÇÃO DE OFICIAIS DA RESERVA

MATERIAL PERMANENTE
Nome material
Nome material Valor Unitário Valor
Quanti Total
dade
BUSSOLA INDIVIDUAL / MARCA SILVA, TIPO 6 18,86 113,16
4/54
RASTREADOR SATELITAL PARA 3 1.399,00 4.197,00
NAVEGAÇÃO (GPS) / MARCA: GARMIN;
MODELO: ETREX 3O; TIPO: PORTÁTIL;
EMPREGO: TERRESTRE
BÚSSOLA / T.O. DC455 20 18,00 360,00
BUSSOLA AF-X1 MAPA /. 32 23,38 748,16
RÁDIO TALK ABOUT / T200 9 320,00 2.880,00
CAPACETE BALÍSTICO / -COR: VERDE OLIVA 10 230,03 2.300,30
-TAMANHO: M -MODELO: PASGT -NÍVEL DE
PROTEÇÃO: IIIA -PESO: 1.4 KG
CAPACETE BALÍSTICO / -COR: VERDE OLIVA 10 230,03 2.300,30
-TAMANHO: G -MODELO: PASGT -NÍVEL DE
PROTEÇÃO: IIIA -PESO: 1.5 KG
COFRE DE AÇO ELETRÔNICO / MARCA 1 798,99 798,99
SAFEPLUS / MED 72X40X40
EXTINTOR ABC / 6 KG INDUSTRIAL (NÃO 1 80,00 80,00
AUTOMOTIVO)
3.Materiais de sistema de segurança orgânica

O termo segurança orgânica foi criado para designar a contratação de

um segurança por uma empresa de forma direta. Ou seja, a segurança fica sob

responsabilidade da própria empresa e não de uma terceirizada. Isso significa

que quem deseja usufruir deste serviço e não deseja fazê-lo de forma

terceirizada precisa contratar um profissional. Que em regime CLT, fará parte

do quadro de funcionários daquela empresa.

Materiais de sistema de segurança orgânica são todos aqueles

utilizados a fim de garantir toda segurança patrimonial da instituição.

 A segurança orgânica é composta pelos seguintes grupos de medidas:

Segurança das áreas e instalações;

 Segurança de materiais;

 Segurança de recursos humanos;

 Segurança da informação, que se desdobra em:

 Segurança da informação nos meios de tecnologia da informação;

 Segurança da informação de pessoas;

 Segurança da informação na documentação; e

 Segurança da informação nas áreas e instalações.

Fonte: https://www.trt13.jus.br
Tendo em vista que, uma organização militar é um local que possui

uma forte quantidade de armamentos, munições, pólvora e explosivos,

contendo pontos críticos, como sala d'armas e paióis. Em uma

observação no 16° Regimento de Cavalaria Mecanizado, encontramos

algumas deficiências quanto a segurança desses pontos sensíveis, e

levantamos alguns pontos de melhoria, observando que, por mais que

seja pouco o recurso para tais atividades, a perca desses materiais por

descuido na segurança pode ser muito maior que o investimento em

segurança. Para isso, focamos nas salas d'armas, paióis e guarda do

quartel, visando encontrar oportunidades de melhorias.


3.1 Salas D'armas

As salas d'armas são os locais de armazenamento de todos os tipos de

armamentos do quartel, como os fuzis de 7,62mm e as pistolas 9mm. Dessa

forma, se fortalece a importância de um excelente sistema de segurança em

total funcionamento.

Após uma verificação, verificamos a presença dos seguintes materiais no

quesito quesito segurança:

- Cabides numerados para fuzis

- Sensores de movimento

- Câmeras internas e externas

- Sistema de alarme

- Lacres na porta

- Refletor na entrada da sala d'armas

Após verificarmos de perto a segurança do ambiente, percebemos a

necessidade de algumas melhorias: O acesso da sala d'armas deve ter mais

controle, o sistema de monitoramento da sala d’armas está ligado à sala do

Sgt de dia, porém, deveria ter uma integração direta com a guarda e OF Dia,

como também, o sistema de alarmes


3.2 Guarda do Quartel

A Guarda do Quartel tem as principais finalidades:

I - Manter a segurança do quartel;

II - manter os presos e detidos nos locais determinados, não

permitindo que os primeiros saiam das prisões, nem os últimos do

quartel, salvo mediante ordem de autoridade competente;

III - impedir a saída de praças que não estejam convenientemente

fardadas, só permitindo a sua saída em trajes civis quando

portadoras de competente autorização e, neste caso,

convenientemente trajadas; Art.: 208 – RISG. (BRASIL, 2003)

Na análise do corrente ano, o sistema de guarda ao aquartelamento tem

recebido novos investimentos, visando a maior segurança dos militares residentes

e dos envolvidos da segurança direta, dentre esses investimentos temos a

instalação de alarmes sonoros nas guaritas, cercas em volta das subunidades e a

melhora da iluminação nos pontos sensíveis de observação.

Outro ponto a ser levantado é maior frequência da limpeza dos campos de tiro à

retaguarda da OM, melhorando a visualização do sentinela da hora, que aliado a

melhor iluminação.

Segundo Ney Juvent, O trabalho é necessário, A segurança importante, e a vida é

essencial.
3.3 Paióis

Os paióis do regimento são onde ficam armazenadas as

munições da guarnição, temos ao todo três paióis para três tipos de

reservas:

 Paiol 1: munições do calibre 7,62mm e 9mm;

 Paiol 2: munições de grosso calibre, como exemplo as

munições de calibre 12;

 Paiol 3: munições especiais, como os explosivos

Devido ao risco de incêndio ou explosões, os paióis encontram-

se em uma área afastada do regimento, e também são selados com

mais segurança, havendo refletores, câmeras e lacres em todos os

três.

Além disso o paiol do regimento se encontra próximo ao muro,

próximo a população e mata do bugio onde não há segurança e há

acesso de civis facilitando ato de vandalismo ou de roubo.


4. CONCLUSÃO

Após detalhada pesquisa no 16º regimento de cavalaria mecanizada e

manuais sobre: materiais permanentes e segurança orgânica .Chega-se a

compreensão da importância de uma gestão sólida e competente ,tanto em

uma visão económica na perspectiva dos materiais permanentes , já óptica da

segurança orgânica a proteção dos bens da guarnição ,do regimento em si e

das pessoas envolvidas .O que só é possível com o empenho das autoridades

competentes.

Em termos de material permanente é perceptível que , por ser uma

quantidade exorbitante e a entrada e saída de materiais é feita a todo

momento o controle se torna algo complicado. Acaba por ser difícil saber

quanto tem de cada material , se está em plena condição no momento e se

houve ou não manutenção. Por serem materiais com alguns anos é

necessário um cuidado maior, limpeza e conservação, além de manutenções

preventivas devido ao uso e ao tempo de utilização , levando sempre em

consideração os principais motivos de sua descarga como: inservibilidade

para o fim que se destina, não sendo susceptível de reparação ou

recuperação ,ou sejá, a manutenção preventiva é muito importante.

Podemos identificar pontos de melhorias na segurança orgânica como:

aumentar a segurança na sala d’armas, com a renovação do sistema de

monitoramento e melhoramento da iluminação de pontos escuros como

exemplo guaritas e o paiol. Um sistema de vigilância por videomonitoramento

com a modernidade da tecnologia permite que o monitoramento sejá 24 horas

e possa ser acompanhado de qualquer local, por imagens por dispositivos


móveis e a todo momento, visualizando todos pontos das instalações,

principalmente os pontos críticos.


5. BIBLIOGRAFIA

CARTILHA DE DEPRECIAÇÃO DA D CONT. 2017. Disponível em:

<https://bdex.eb.mil.br/jspui/bitstream/1/754/1/CARTILHA__DE_DEPRECIA

%C3%87%C3%83O_MAR_17_Publica%C3%A7%C3%A3o.pdf>. Acesso em:

29 set. 2021.

CARTILHA DE LANÇAMENTOS PATRIMONIAIS NO SIAFIWEB. 2020.

Disponível em: <http://www.1icfex.eb.mil.br/images/Cartilha-Patrimonio-e-

Material-de-Consumo_MAR_2020.pdf>. Acesso em: 29 set. 2021

REGULAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO. 2021. Disponível em:

<http://www.sef.eb.mil.br/images/a2/assessoria2/2021/port_1555_cex_rae.pdf>.

Acesso em: 29 set. 2021

SEGURANÇA ORGÂNICA. Disponível em:

https://www.trt13.jus.br/institucional/corregedoria/atos- gp/2020/ato_098_2020-

sgp-pso-anexo.pdf/@@download/file/ATO_098_2020%20-%20SGP20PSO-

%20ANEXO.pdf. Acesso em: 29 set. 2021

MANUAL DE ABREVIATURAS: C 21-30. Disponível em:

<https://bdex.eb.mil.br/jspui/bitstream/123456789/319/1/C-21-30.pdf>. Acesso

em: 29 set. 2021

REGULAMENTO INTERNO E DOS SERVIÇOS GERAIS. Disponível em:

<https://bdex.eb.mil.br/jspui/handle/123456789/164>. Acesso em: 29 set. 2021

Você também pode gostar