Você está na página 1de 4

ATIVIDADE DE PROJETO INTEGRADOR - DIREITO CONSTITUCIONAL -

(PROFESSOR: GABRIEL GOMES CANÊDO).


ALUNO: PEDRO LUCAS DE DEUS PEREIRA

1. (EXAME UNIFICADO OAB) O Deputado Federal "G", de matriz política


conservadora, proferiu, em sessão realizada na Câmara dos Deputados, pesado discurso
contra o reconhecimento legal do direito de diversas minorias. Sentindo-se lesados,
representantes de diversas minorias vão a público para manifestar sua indignação. A
partir da hipótese sugerida, pergunta-se:
a) O Deputado "G" pode ser condenado, civil ou penalmente, pelo discurso ofensivo que
proferiu no plenário? E se proferir tal discurso durante entrevista televisiva, fora do
ambiente da Câmara dos Deputados? Responda fundamentadamente.
Conforme previsto na Constituição, aos Deputados é garantida a imunidade material, civil e
penal, pela qual os parlamentares federais são invioláveis e irresponsáveis pelas suas opiniões
e votos quando o fazem na qualidade de agentes políticos previsto no artigo 53, caput, da
Constituição: “os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de
suas opiniões, palavras e votos.” Sendo assim, que tal deputado não pode ser condenado pelo
discurso realizado de forma ofensiva. Devendo de tal forma ser indicado que a imunidade
material pode se estender para os discursos feitos fora do ambiente do Congresso Federal,
desde feito mediante o exercício do mandato parlamentar, ou seja, somente enquanto agente
político, fora desse meio ele poderá responder pelo discurso de ódio.

b) Os vereadores possuem a chamada imunidade material? Em que condições


territoriais?
A garantia constitucional de uma imunidade material também alcança os vereadores, para
excluir a responsabilidade civil e penal do membro do Poder Legislativo municipal desde que
seja realizada de forma eventual resultantes de manifestações, orais ou escritas, desde que
motivadas pelo desempenho do mandato prática in officio ou externadas chamado de prática
propter officium.

2. (EXAME UNIFICADO OAB) Lei do Município YY, de iniciativa da Câmara dos


Vereadores, estipulou novo plano de carreira para a categoria de professores
municipais, impondo remunerações escalonadas, fixando pisos mínimos e vinculando a
remuneração global ao percebido por servidores do Poder Legislativo local. Com base
no caso proposto, responda ao item a seguir, empregando os argumentos jurídicos
apropriados e a fundamentação legal pertinente ao caso. Observadas as regras
constitucionais, há vício na referida lei?

Existe vício de iniciativa, observando as normas constitucionais, conforme expresso no Art.


61, § 1º, II, letras a) e c), da CF, que atribui ao Chefe do Poder Executivo a iniciativa quanto
ao tema servidores públicos, norma que, por simetria, deve ser observada pelos Estados e
Municípios.

3. (EXAME UNIFICADO OAB) Determinado Ministério apresentou desempenho


considerado insuficiente pela imprensa e pela opinião pública, havendo sério
questionamento quanto aos gastos públicos destinados para a sua manutenção. Dessa
forma, um Senador pelo Estado Y apresentou um projeto de lei no sentido de extinguir
este Ministério. Tal projeto foi votado em plenário em um dia em que 32 (trinta e dois)
dos 81 (oitenta e um) senadores estavam presentes, sendo aprovado pelo voto da maioria
dos presentes e encaminhado à Câmara dos Deputados. Contando com forte apoio
popular, a proposta legislativa foi aprovada pela maioria absoluta dos deputados
federais e encaminhada ao Presidente da República, que a sancionou doze dias úteis
depois de tê-la recebido, determinando sua imediata publicação no Diário Oficial da
União. Uma semana após a publicação da lei na imprensa oficial, a CONAMP
(Associação Nacional dos Membros do Ministério Público) ajuizou uma ação
declaratória de constitucionalidade em que pleiteava a declaração de conformidade da
nova norma legal com a Constituição. Responda justificadamente ao questionamento a
seguir, empregando os argumentos jurídicos apropriados e apresentando a
fundamentação legal pertinente ao caso. Há algum vício que fulmine a
constitucionalidade da norma em questão?
A norma possui vícios a fulminar a sua constitucionalidade conforme exemplificado na
questão. Todavia o Projeto de lei que visa extinguir Ministério é de iniciativa privativa do
Presidente da República previsto no Art. 61, § 1°, II, “e” da CF, ocorrendo um vício de
iniciativa, já que o mesmo não poderia ter sido apresentado por um senador.
Tal problemática ainda aponta um vício na votação do projeto no Senado Federal, que deve
ser exigido conforme o Art. 47 da Constituição necessitando de uma presença de maioria
absoluta dos membros da Casa Legislativa para a votação de tal projeto de lei.
4. (EXAME UNIFICADO OAB) No mês de março, um projeto de emenda constitucional
foi rejeitado logo no primeiro turno de votação, realizado na Câmara dos Deputados.
Em agosto do mesmo ano, esse projeto de emenda foi novamente posto em votação na
Câmara dos Deputados. Na sequência, determinado Deputado Federal, contrário ao
projeto de emenda e decidido a impedir sua tramitação, afirmou que iria acessar o
Poder Judiciário. Discorra, com base no texto constitucional, sobre a possibilidade de a
proposta de emenda constitucional ser apresentada na mesma sessão legislativa em que
foi rejeitada.
Conforme o controle de constitucionalidade existe uma possibilidade de o Poder Judiciário
controlar a constitucionalidade de tal processo legislativo do projeto de emenda
constitucional. Mas no caso em citado acima pode ser verificado no Art. 57 da CF, que deve
ser compreendido por um período de aproximadamente um ano. O controle feito no caso em
tela mostra-se viável em função da violação da limitação procedimental constante no art. 60,
parágrafo 5º da CF:“A matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por
prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa.”
Sendo previsto constitucionalmente como princípio da irrepetibilidade, que tem como
premissa a preservação da revisão de posicionamentos já tomados em votações nos processos
realizados em reuniões do poder legislativo.

5. (EXAME UNIFICADO OAB) O Prefeito do Município WK apresenta projeto de lei


que outorga reajustes a determinadas categorias de servidores públicos, que veio a
sofrer emendas pelos parlamentares ampliando os benefícios para outras categorias não
acolhidas no projeto do Chefe do Executivo, com aumento de despesas, em
previsibilidade orçamentária. A Constituição Estadual prescreve que nessa matéria a
iniciativa é exclusiva do Chefe do Executivo, repetindo normas da Constituição Federal.
A lei foi votada por maioria e sancionada pelo Prefeito. Pergunta-se: a emenda
parlamentar ao projeto de lei seria possível? Responda fundamentadamente.
Não, nas leis de iniciativa exclusiva ou privativa do Chefe do Poder Executivo previstas no
art. 61, §1º, II, “a”, da CF não pode ocorrer emenda parlamentar que gere aumento de
despesas. Com a finalidade assegurar e estender as garantias já previstas constitucionalmente
aos entes da união, pois tal emenda viola a própria constituição, devendo visar a coesão do
sistema federativo aplicado no Brasil, conforme o chamado princípio da simetria.