Você está na página 1de 1199

Censo da população infantojuvenil

acolhida no Estado do Rio de Janeiro

Data de corte: 30/06/2021


Rio de Janeiro, junho de 2021
MÓDULO CRIANÇA E ADOLESCENTE (MCA)
Sistema desenvolvido pelo MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

Procurador-Geral de Justiça
Luciano Oliveira Mattos de Souza

Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias da Infância e Juventude


Rodrigo Cézar Medina da Cunha

Subcoordenadora do Centro de Apoio Operacional das Promotorias da Infância e Juventude


Fernanda Abreu Ottoni Do Amaral

Secretário de Tecnologia da Informação e de Comunicação


Daniel de Lima Haab

Catalogação na publicação - Biblioteca Clóvis Paulo da Rocha / MPRJ

Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro


Censo da população infantojuvenil acolhida no Estado do Rio de
Janeiro / Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. – Rio de
Janeiro : MPRJ, 2021.
1433 p. ; il. ; 28 cm

Anual
ISSN 2175-7798

1. Acolhimento familiar – Censo (2021). 2. Acolhimento


institucional – Censo (2021). 3. Adoção – Censo (2021). I. Título.

CDD 342.1633
CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA NO ESTADO DO RIO DE
JANEIRO

Realização: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Coordenação: Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça da Infância e Juventude matéria
não-infracional

Equipe:
Rodrigo Cézar Medina da Cunha – Promotor de Justiça Coordenador do CAOPJIJ
Fernanda Abreu Ottoni Do Amaral – Promotora de Justiça Subcoordenadora do CAOPJIJ
Renato Marques Lisbôa Filho – Analista do Ministério Público
Luana Ribeiro da Silva - Assistente Administrativo
Tassiana da Mouta Machado Falcão – Assistente Administrativo
Paulo Roberto Monteiro Oliveira – Assistente Administrativo
Melissa Souza Rodrigues Costa - estagiária
Mariana de Oliveira Lima – estagiária
Lucas das Chagas Ferreira – estagiário

Desenvolvimento da Tecnologia: Secretaria de Tecnologia da Informação e de Comunicação

Equipe:
Daniel de Lima Haab - Secretário de Tecnologia da Informação e de Comunicação
Walter D’Avila Neto – Gerência de Sistemas da Informação
Gustavo Honorato Maia - Gerência de Portal e Programação Visual
Fabiana Duarte De Amorim – PMO Projeto MCA
Carlos Arturo Valdes Vivanco – Líder Técnico do MCA e Responsável pelo Censo

Apoio Logístico: Instituto de Educação Roberto Bernardes Barroso (IERBB/MPRJ)

Capa: Gerência de Portal e Programação Visual – MP/RJ

Programação Visual: Gerência de Portal e Programação Visual – MP/RJ


AGRADECIMENTOS
A Coordenação do Censo agradece a todos os usuários do sistema, sem os quais não seria possível a manutenção do
MCA, como um sistema que efetivamente contribui para a defesa dos direitos de crianças e adolescentes acolhidos.

AGRADECIMENTOS ESPECIAIS

A Coordenação do Censo agradece, especialmente, a toda Equipe de Auditoria do MCA, Renato, Luana, Tassiana, Paulo,
Melissa, Mariana e Lucas que, incansavelmente trabalham na manutenção dos dados do MCA, a Comissão Julgadora
do XI Concurso Cultural do MCA, a Gerência de Programação Visual por toda arte gráfica desenvolvida, as Procuradoras
de Justiça Dra. Rosa Maria Xavier Gomes Carneiro, Dra. Maria Amélia Barretto Peixoto e a Promotora de Justiça Dra.
Liana Barros Cardoso de Sant’Anna, idealizadoras do sistema MCA.
ÍNDICE
1. Apresentação 10
2. Critérios adotados na organização dos dados – tabelas e gráficos do Censo 15
2.1. Aspectos gerais 15
2.2. Dos indicadores, tabelas e gráficos referentes ao censo estadual 17
2.2.a. Dos indicadores de distribuição geográfica das crianças e adolescentes acolhidos 17
2.2.b. Dos indicadores de distribuição geográfica das crianças e adolescentes acolhidos 20
2.2.c. Dos indicadores de faixa etária, sexo, e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos 22
2.2.d. Dos indicadores de deficiência e de saúde 23
2.2.e. Dos indicadores de período e motivo de acolhimento/desligamento 24
2.2.f. Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e adolescentes acolhidos 25
2.2.g. Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no Sistema de Justiça 27
3. Critérios adotados na organização dos dados – quadro evolutivo anual 29

3.1.a. Quadro evolutivo do acolhimento das crianças e adolescentes: 29
3.1.b Tabela: Evolução dos motivos de acolhimento das c/a acolhidos 29
3.2. Quadro evolutivo do desligamento das crianças e adolescentes 29

3.2.a. Tabela: Evolução do tempo de acolhimento das c/a desligados 29
3.3. Quadro evolutivo do acolhimento (em meses) das crianças e adolescentes: 30
3.3.b. Tabela: Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligados. 30
4. Municípios que não possuem crianças e adolescentes acolhidos em sua área territorial, mas que os acolhem em outros
municípios 31
5. Municípios que não possuem crianças e adolescentes acolhidos em sua área territorial ou em outros Municípios 32
6. Tabelas e Gráficos Referentes aos Município 33

6.1.a Indicadores de Responsabilidade pelas crianças e adolescentes acolhidos 33
6.1.b Demais tabelas e gráficos 34
7. Descritores dos Motivos de Acolhimento e Desligamento 35
8. Censo Estadual 44
9. Análise Gráfica dos Impactos da Pandemia COVID-19 nos Serviços de Acolhimento 79
10. Censos Municipais 91
Angra dos Reis 92 Itaboraí 441
Aperibé 109 Itaguaí 456
Araruama 125 Itaperuna 466
Armação de Búzios 142 Itatiaia 481
Barra do Piraí 159 Japeri 492
Barra Mansa 175 Macaé 504
Belford Roxo 192 Macuco 520
Bom Jardim 209 Magé 531
Bom Jesus do Itabapoana 218 Mangaratiba 548
Cabo Frio 228 Maricá 563
Cachoeiras de Macacu 241 Mendes 580
Cambuci 254 Mesquita 594
Campos dos Goytacazes 266 Miguel Pereira 607
Cantagalo 285 Miracema 619
Carapebus 294 Nilópolis 631
Cardoso Moreira 307 Niterói 643
Carmo 321 Nova Friburgo 662
Casimiro de Abreu 335 Nova Iguaçu 678
Conceição de Macabu 350 Paracambi 697
Duas Barras 362 Paraíba do Sul 709
Duque de Caxias 382 Paraty 723
Engenheiro Paulo de Frontin 399 Paty do Alferes 738
Guapimirim 412 Petrópolis 754
Pinheiral 768 Saquarema 1061
Piraí 780 Seropédica 1075
Porciúncula 792 Silva Jardim 1087
Porto Real 803 Sumidouro 1098
Queimados 815 Teresópolis 1110
Quissamã 832 Trajano de Morais 1124
Resende 847 Três Rios 1136
Rio Bonito 863 Valença 1147
Rio Claro 877 Varre-Sai 1159
Rio das Flores 888 Vassouras 1170
Rio das Ostras 900 Volta Redonda 1182
Rio de Janeiro 914
Santa Maria Madalena 934
Santo Antônio de Pádua 945
São Fidélis 957
São Francisco do Itabapoana 970
São Gonçalo 986
São João da Barra 1005
São João de Meriti 1017
São Pedro da Aldeia 1033
Sapucaia 1049
1. APRESENTAÇÃO

Decorridos dezoito meses desde o início da pandemia COVID-19, a defesa dos direitos de crianças e adolescentes
segue como um desafio para os atores do Sistema de Garantia de Direitos (SGD).

Na esteira do avanço da pandemia pelo país, a garantia do direito fundamental à convivência familiar e
comunitária, especialmente de crianças e adolescentes acolhidos, exigiu monitoramento ininterrupto por parte
do Ministério Público e dos demais órgãos do SGD, visando assegurar o fortalecimento de vínculos afetivos e o
desenvolvimento saudável daqueles que se encontram privados, temporariamente, do direito de viver em família.

Segundo dados divulgados pela Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, nos meses iniciais da pandemia em
2020, verificou-se uma redução no número de denúncias sobre violações de direitos de crianças e adolescentes no
serviço “Disque 100”, quando comparados os períodos de março a junho de 2019 e março a junho de 2020. No primeiro
período, foram registradas 29.965 denúncias e no segundo 26.416, o que importa em redução de cerca de 12% no total
de registros no país.

Contrariamente a essa tendência de queda, as denúncias noticiando violações de direitos de idosos, da


população LGBTQIAP+ e de pessoas com deficiência registrou aumento, variando de 30% a 47%, quando comparados
os períodos acima mencionados.

Os dados ora destacados nos trazem profundas reflexões sobre a subnotificação de casos de violações de
direitos de crianças e adolescentes, que é uma realidade recorrente na área da infância e juventude, a qual foi agravada
no período da pandemia.

Também merece reflexão a defesa dos direitos de crianças e adolescentes a partir da realidade que aponta
para um grande aumento da violência intrafamiliar, em função do acirramento de relações conflituosas no curso das
medidas de isolamento social, que se mostraram indispensáveis no combate à disseminação do coronavírus.

A crise econômica decorrente da pandemia trouxe o desemprego, a fome, o aumento da desigualdade social
e a desesperança, que ainda assolam grande parte da população brasileira, em um dos períodos mais gravosos e
desafiadores de nossa história.

Nesse contexto, muitas crianças e adolescentes em isolamento social foram vítimas de violações de direitos
praticadas por seus cuidadores e, em inúmeros casos, não foram vistas pelos diferentes olhares qualificados dos órgãos
da rede de proteção, na medida em que a própria convivência comunitária foi impactada pela COVID-19.

A frequência presencial à escola foi suspensa, com a implementação da modalidade de ensino totalmente
remota ou híbrida, a depender da realidade de cada local e da evolução da própria pandemia. Da mesma forma,
a ocupação dos espaços públicos restou comprometida, com restrições de acesso a atendimento pelos órgãos de
proteção e pela redução de participação em atividades de cultura e lazer.
11 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

Tais fatores contribuíram para a drástica redução do número de novos acolhimentos no ano de 2020.

Por ocasião da apresentação do 25º Censo MCA, realizamos estudo comparativo dos períodos de abril a junho
de 2019 e abril a junho de 2020, constatando a ocorrência de 1.365 acolhimentos no primeiro período e apenas 638 no
segundo, o que evidencia uma redução de mais de 50% no número de novos acolhimentos.

No entanto, com o avanço da vacinação e a flexibilização das medidas sanitárias em algumas localidades,
o número de denúncias do serviço “Disque 100” voltou a registrar crescimento, ainda que não muito significativo,
evidenciando a ampliação do escopo de proteção de crianças e adolescentes cujos direitos tenham sido violados.

O 27º Censo MCA, cujos dados foram coletados em 30 de junho de 2021, traz importantes informações sobre a
realidade de crianças e adolescentes que se encontram em serviços de acolhimento familiar e institucional no Estado
do Rio de Janeiro, demonstrando que o número total de crianças e adolescentes acolhidos, após significativa redução
ocorrida desde o primeiro censo (de 3.732 em 2008 para 1.318 em 2021), tem se mantido em patamar estável, sem
perspectivas de aumento.

No que se refere aos 10 (dez) principais motivos de acolhimento, os dados do 27º CENSO se apresentaram da
seguinte forma:

1. Negligência – representando 36,95% do total de acolhidos;

2. Abandono pelos pais ou responsáveis – representando 9,03% do total de acolhidos;

3. Situação de rua – representando 7,36% do total de acolhidos;

4. Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou adolescente - representando 6,37% do total de


acolhidos;

5. Em razão de sua conduta – representando 4,93% do total de acolhidos;

6. Transferência de outro regime de atendimento – representando 4,2% do total de acolhidos;

7. Abuso sexual/suspeita de abuso sexual – representando 4,2% do total de acolhidos;

8. Responsável impossibilitado de cuidar por motivo de doença – representando 3,72% do total de


acolhidos;

9. Guarda ou tutela para família extensa mal sucedida (a partir de 2018) - representando 3,41% do total
de acolhidos;

10. Entrega voluntária - representando 3,26% do total de acolhidos.

Merecem destaque no ranking dos principais motivos de acolhimento os casos de “Responsável impossibilitado
de cuidar por motivo de doença”, que aparece no 27º Censo com maior número de incidências, quando comparamos
a sua posição nos dois censos anteriores.
12 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

Se nos 25º e 26º Censos esse motivo oscilou entre a 11ª e 10ª posição, respectivamente, agora aparece na 8ª
colocação do ranking, possivelmente em razão do agravamento do estado de saúde dos pais ou responsáveis durante
a pandemia.

De igual forma, o motivo de acolhimento “Entrega Voluntária” tem apresentado um aumento acentuado nos
últimos censos, ocupando a 17ª posição no 25º Censo (junho de 2020); a 9ª posição no 26º Censo (dezembro de 2020)
e neste 27º Censo (junho de 2021) ocupa a 10ª posição.

Essa situação reflete um incremento das entregas voluntárias em adoção, resultando em novos casos de
acolhimento no período da pandemia, fenômeno já observado no ano de 2020, e que deve exigir de todos os atores
do sistema de garantia de direitos de crianças e adolescentes, especialmente do Sistema de Justiça, especial atenção,
a fim de que se assegure atendimento integral aos genitores, pelas redes de saúde e de assistência social, além das
necessárias orientações sobre o procedimento judicial de adoção.

Outro dado digno de nota refere-se às ações propostas em favor das crianças e adolescentes acolhidos. Ao
contrário do observado nos primeiros Censos, em que mais de 60% dos acolhidos não tinham ação proposta em
seu favor, verifica-se, a partir do 5º Censo, um significativo aumento no número de demandas judiciais propostas,
principalmente pelo Ministério Público, visando garantir o efetivo exercício do direito fundamental à convivência
familiar e comunitária de crianças e adolescentes.

Neste 27º Censo, 63% dos acolhidos possui ação judicial proposta para a defesa de seus direitos e apenas
21% prosseguem sem ações propostas e procedimentos, que certamente representam casos de acolhimentos bem
recentes, a depender de avaliação das equipes técnicas dos serviços de acolhimento, a fim de subsidiar a atuação do
Promotor de Justiça.

Quanto ao perfil das crianças e adolescentes aptos à adoção, o 27º Censo confirma que a expressiva maioria
conta com mais de 7 anos de idade. Dos 161 acolhidos nessa situação, apenas 04 acolhidos estão na faixa etária entre
0 e 6 anos, demonstrando a importância do incentivo às adoções tardias. Nesse contexto, entre 7 e 11 anos, existem 24
acolhidos aptos à adoção; na faixa dos 12 e 15 anos, são 78 acolhidos aptos à adoção e, finalmente, dos 16 aos 18 anos
incompletos, estão 55 adolescentes esperando por uma colocação em família substituta.

No que diz respeito ao tempo de acolhimento dos aptos à adoção, registre-se que cerca de 85% está acolhida
há mais de 1 ano e 6 meses; que em cerca de 5% dos casos o acolhimento perdura há mais de 1 ano e há menos de 1
ano e 6 meses, e, por fim, cerca de 15% dos aptos à adoção está acolhido há menos de 1 ano.

O 27º Censo também indica que 34 crianças e adolescentes (2%) foram acolhidos após tentativa de adoção mal
sucedida; 45 (3,5%) em virtude de guarda ou tutela para família extensa não exitosa; 37 (3%) foram acolhidos novamente
em decorrência e guarda ou tutela para terceiros mal sucedida e 21 (1,5%) retornaram a serviços de acolhimento, após
a tentativa de reintegração aos genitores.

Em virtude da alteração promovida no ECA pela Lei nº 13.509/17, o motivo de acolhimento decorrente de
entrega voluntária voltou a figurar no MCA, possibilitando a legislação que ocorra a extinção do poder familiar na
13 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

audiência prevista no artigo 166 do ECA. Tal informação é extremamente relevante para o acompanhamento da
situação de crianças e adolescentes acolhidos por esse motivo e também para a produção de dados estatísticos acerca
do tema. Dessa forma, o 27º Censo nos informa que 43 crianças foram acolhidas em decorrência de entrega voluntária
realizada por seus pais ou apenas pela genitora, perfazendo 3% do total de acolhidos no Estado.

Na seara de nossas reflexões acerca do racismo estrutural, ressaltamos o cruzamento de tabelas já existentes
com dados referentes à cor dos acolhidos, o que certamente contribuirá para a deliberação de políticas públicas e a
realização de debates sobre a questão da desigualdade racial no Estado do Rio de Janeiro.

Dados do 27º Censo indicam que 80% das crianças e adolescentes acolhidos são da raça negra, sendo certo
que 32% são de cor preta e 48% são de cor parda. No que se refere aos aptos à adoção, 40% das crianças e adolescentes
são de cor preta e 47% pardos.

Conforme noticiado anteriormente, apresentamos neste 27º Censo, em complementação ao estudo publicado
por ocasião da divulgação do 25º Censo, a análise gráfica dos impactos da pandemia COVID-19 nos serviços de
acolhimento do Estado do Rio de Janeiro.

O estudo atual analisa, comparativamente, os períodos compreendidos entre os meses de junho e dezembro
de 2020 e janeiro a junho de 2021, trazendo constatações relevantes sobre o impacto da pandemia nos serviços de
acolhimento de todo o Estado.

Dessa forma, a análise dos estudos sobre pandemia publicados pelo Ministério Público do Estado do RJ nos 25º
e 27º Censos nos permitem concluir o que se segue.

Em 2019, no período de março a junho houve 1.365 acolhimentos, ao passo que no mesmo período de 2020
esse número se reduziu para 638, importando em uma redução de quase 50% em números absolutos.

Como já destacado, tal redução se deve a uma multiplicidade de fatores complexos, possivelmente influenciada
pelas medidas de isolamento social e políticas públicas que estimularam a permanência de crianças e adolescentes com
suas famílias, evitando-se o ambiente coletivo das entidades de acolhimento, que incrementam o risco de contágio.

Lamentavelmente, há indicadores demonstrando que crianças e adolescentes sofreram violência intrafamiliar,


com gravidade que poderia ensejar a aplicação de medida protetiva de acolhimento. Porém muitos desses casos não
foram noticiados aos Conselhos Tutelares ou identificados pelos demais órgãos que integram o Sistema de Garantia de
Direitos, pelos motivos já expostos.

Por outro lado, o novo estudo demonstra que no período de junho a dezembro de 2020 houve 1.504 novos
acolhimentos, mantendo-se a estabilidade desse patamar no período de janeiro a junho de 2021, que registrou 1.526
ocorrências.

Dessa forma, houve um incremento de quase 150% no número de acolhimentos, se comparamos os períodos
de março a junho de 2020 e janeiro a junho de 2021, superando a média no número de acolhimentos registrada em
2019, que girava em torno de 1.300 ocorrências.
14 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

Portanto, se nos meses iniciais da pandemia em 2020 registrou-se um decréscimo de mais de 50% no
número de novos acolhimentos, em comparação a 2019, constata-se que atualmente houve a superação do patamar
anteriormente registrado, na medida em que se verificaram 1.526 acolhimentos no primeiro semestre de 2021.

No que se refere aos desligamentos de serviços de acolhimento, no estudo sobre a pandemia publicado no
25º Censo, houve o registro de 1.361 casos no período de abril a junho de 2019 e de 904 no mesmo período de 2020,
demonstrando que houve maior permanência de crianças e adolescentes em serviços de acolhimento no período de
março a junho de 2020, sendo tal resultado possivelmente influenciado pelas medidas sanitárias de isolamento social
e campanhas amplamente divulgadas na mídia, com orientação para permanência da população em suas residências.

O novo estudo sobre o impacto da pandemia demonstra que, de junho a dezembro de 2020, ocorreram 1.687
desligamentos e de janeiro a junho de 2021 ocorreram 1.520 desligamentos.

Tal panorama difere, significativamente, da realidade da pandemia nos meses iniciais de 2020, com um aumento
de quase 70% no número de desligamentos em 2021, possivelmente em razão do incremento nas reintegrações à
família nuclear e extensa ou colocações em família substituta, com o esvaziamento dos ambientes institucionais.

Decorridos mais de treze anos de existência do MCA, torna-se necessária a modernização do sistema, a fim de
contemplar as melhorias almejadas pelos usuários e permitir a utilização de plataforma mais intuitiva, em consonância
com as soluções de tecnologia atualmente ofertadas pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro para os seus
bancos de dados.

Nesse sentido, encontra-se em fase de produção o sistema MCA 2.0., que é fruto de amplo debate com os
diferentes segmentos de usuários que acessam o sistema, dentre os quais merecem destaque: serviços de acolhimento
institucional e familiar; Promotores e Procuradores de Justiça do MPRJ; Conselhos Tutelares em atuação no Estado do
RJ; equipes técnicas dos CRAAIs, servidores e assessores do MPRJ; Juízes, equipes técnicas e servidores do Tribunal de
Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

Ante o exposto, em cumprimento ao seu relevante múnus institucional na defesa intransigente do direito
de crianças e adolescentes acolhidos à convivência familiar e comunitária, o Ministério Público do Estado do Rio de
Janeiro apresenta à sociedade os dados do 27º Censo da população infantojuvenil acolhida e, em breve, disponibilizará
o sistema MCA 2.0., com diversas inovações, atendendo aos anseios dos órgãos do Sistema de Garantia de Direitos de
Crianças e Adolescentes que são usuários do sistema.

Por fim, apresentamos o 27o Censo e a análise gráfica sobre os acolhimentos durante a pandemia no formato
e-book para download, facilitando a consulta aos dados produzidos.

Rodrigo Cézar Medina da Cunha, Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro
– Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias da Infância e Juventude (Área Não-Infracional)
e Gestor do sistema Módulo Criança e Adolescente (MCA)
15 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

2. CRITÉRIOS ADOTADOS NA ORGANIZAÇÃO


DOS DADOS – TABELAS E GRÁFICOS DO CENSO

Para a perfeita compreensão das informações reproduzidas nas tabelas e gráficos que compõem o presente
diagnóstico é fundamental a leitura dos critérios que foram adotados na organização dos dados.

2.1. Aspectos Gerais:


Fonte do Censo
Os dados que compõem o presente Censo foram extraídos do Módulo Criança e Adolescente, doravante
denominado MCA, sistema eletrônico via internet criado pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, que busca
cadastrar todas as informações relativas a crianças e adolescentes inseridos em regime de acolhimento institucional e
familiar (leia-se programa família acolhedora) no Estado do Rio de Janeiro.

O sistema é alimentado pelos órgãos de proteção envolvidos com as medidas de acolhimento institucional
e familiar, bem como de colocação em família substituta, quais sejam, as entidades de acolhimento institucional e
familiar, os Conselhos Tutelares, as Promotorias de Justiça e os Juízos da Infância e Juventude.

Data de corte
A data de corte escolhida para extração dos dados do Censo foi o dia 30 de junho de 2021.

Dados das crianças e adolescentes analisados


Os dados do Censo referem-se a crianças e adolescentes em acolhimento, institucional ou familiar, no dia 30
de junho de 2021 1.

As informações foram fornecidas e/ou inseridas pelas Promotorias de Justiça, responsáveis pela fiscalização
da situação de cada criança ou adolescente acolhido, pelas entidades de acolhimento, por Conselhos Tutelares e por
outros órgãos ou entidades parceiros na alimentação do sistema.

1   Apenas a tabela referente a motivos de desligamento apresenta informações sobre crianças e adolescentes que já foram
excluídos do MCA, por terem deixado o sistema de acolhimento em virtude, por exemplo, de reintegração familiar, maioridade, colocação
em família socioafetiva, dentre outros motivos.
16 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

Dados da população do Estado do Rio de Janeiro


Os dados referentes ao número de habitantes foram extraídos do site do IBGE, e tomaram por base a última
contagem oficial da população publicada no ano de 2010, cujos resultados podem ser encontrados no site do IBGE2.

Em algumas tabelas e gráficos foi apresentado o resultado proporcional de crianças e adolescentes acolhidos,
levando-se em conta uma determinada população (de um município, de uma região, por exemplo).

Diagnóstico do Estado e dos Municípios


O Censo será apresentado em duas partes: a primeira conterá os dados consolidados de todo o Estado (Censo
estadual), e a segunda, os dados referentes aos Municípios (Censos municipais).

Cada Município que possua ou já tenha possuído (em algum momento posterior à implantação do MCA) crianças
ou adolescentes acolhidos em sua área territorial será contemplado com um censo individualizado. Na hipótese de um
Município já ter possuído acolhidos no passado, mas não mais possuí-los, o Censo contará tão-somente com a tabela
referente aos motivos de desligamento.

Os Municípios que não possuem crianças ou adolescentes inseridos em regime de acolhimento em sua
área territorial ou em outras cidades serão identificados na tabela “MUNICÍPIOS QUE NÃO POSSUEM CRIANÇAS E
ADOLESCENTES ACOLHIDOS EM SUA ÁREA TERRITORIAL OU EM OUTROS MUNICÍPIOS”.

Os que possuem infantes e jovens acolhidos apenas fora de sua área territorial serão detalhados na tabela
“MUNICÍPIOS QUE NÃO POSSUEM CRIANÇAS E ADOLESCENTES ACOLHIDOS EM SUA ÁREA TERRITORIAL, MAS
QUE OS ACOLHEM EM OUTROS MUNICÍPIOS”.

Gráficos e tabelas
As informações serão apresentadas em gráficos e tabelas, cujos critérios para elaboração serão explanados nos
itens que se seguem, visando à melhor compreensão da proposta.

Apresentação dos dados em ordem decrescente


Optou-se, na maioria das tabelas, pela apresentação dos dados em ordem decrescente de ocorrência, ou
seja, as informações serão apresentadas do maior quantitativo para o menor, de modo a facilitar a identificação das
situações mais graves.

Significado da sigla c/a


Na apresentação das tabelas foi utilizada a sigla “c/a” como abreviatura das palavras “crianças e/ou adolescentes”.

Nos termos do artigo 2º, da Lei nº 8.069 - Estatuto da Criança e do Adolescente, doravante chamado de ECA,
considera-se criança a pessoa até doze anos incompletos, e adolescente aquela entre doze e dezoito anos de idade.

2 O resultado referente ao Estado do Rio de Janeiro pode ser encontrado no seguinte endereço eletrônico: http://www.ibge.gov.
br/home/estatistica/populacao/censo2010/primeiros_resultados/populacao_por_municipio.shtm
17 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

Opção “Outros”
Algumas tabelas utilizadas para o preenchimento das fichas das crianças e adolescentes no MCA possuem
a opção “Outros”, tendo em vista a dificuldade de, em alguns casos, se listar todas as hipóteses que envolvem o
acolhimento.

É relevante destacar que a opção “outros” refere-se a dado informado, que é conhecido da rede, mas que
diante da diversidade de informações não permite tal nível de detalhamento.

Crianças e adolescentes aptos à adoção


Consideram-se aptos à adoção, os acolhidos em regime institucional ou familiar que, juridicamente, estejam
liberados para a colocação em família substituta, quais sejam, os que não se encontrem sob a égide do poder familiar,
em razão da orfandade, do desconhecimento acerca de sua filiação ou da destituição do poder familiar dos pais, esta
por sentença judicial transitada em julgado, ou aqueles cujos pais consentem com a medida.

Utilizou-se o mesmo critério adotado pelo Conselho Nacional de Justiça – CNJ, na elaboração do Cadastro
Nacional de Adoção – CNA.

Outros critérios adotados na organização das Tabelas e Gráficos


Os demais critérios adotados, por serem específicos de cada grupo de indicadores, serão detalhados nas
tabelas e gráficos próprios.

2.2. Dos indicadores, tabelas e gráficos referentes ao Censo estadual.


2.2.a. Dos indicadores de distribuição geográfica das crianças e adolescentes
acolhidos.
Tabela: Distribuição da população infantojuvenil acolhida – Total das entidades de acolhimento
institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora (CREAS), das crianças e adolescentes
inseridos nesses regimes; das crianças e adolescentes aptos à adoção; das crianças e adolescentes sem registro
civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.

A tabela informa a distribuição das crianças e adolescentes acolhidos no Estado do Rio de Janeiro em seus
Municípios de acolhimento.

A primeira parte dessa tabela traz as informações do Estado, referentes à totalidade: i) de entidades que
desenvolvem programas de acolhimento institucional, discriminando-se a informação por cada modalidade praticada3;
ii e iii) das crianças e adolescentes inseridos nos citados programas de acolhimento e seus respectivos percentuais; iv
e v) das crianças e adolescentes aptos à adoção e seus respectivos percentuais; vi) das crianças e adolescentes sem

3 Verifica-se, ainda, no Estado do Rio de Janeiro, o atendimento, em regime de acolhimento institucional, em modalidades que não
se enquadram nas previsões do ECA ou das Orientações Técnicas para os serviços de acolhimento para crianças e adolescentes expedidas
pelo CONANDA e CNAS. Para fins de visualização dessa realidade, o diagnóstico dividiu as entidades em: Acolhimento Institucional; Família
Acolhedora; Acolhimento Institucional de 2ª a 6ª; Programa Aluno Residente; e Programa Especializado no Tratamento de Dependentes
Químicos.
18 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

registro civil de nascimento; vii) das crianças e adolescentes sem visita.

A segunda parte da tabela traz as mesmas informações acima descritas, para cada Município do Estado que
tenha entidade de acolhimento institucional/família acolhedora, sendo os resultados percentuais referentes ao total
de crianças e adolescentes acolhidos no Estado.

Somente os Municípios que apresentam entidades de acolhimento institucional/família acolhedora aparecem


nessa tabela, já que nesta a referência é o local do acolhimento.

Os Municípios estão dispostos em ordem decrescente, considerando-se os resultados percentuais.

Municípios que não possuem crianças e adolescentes acolhidos nem em sua área territorial nem em outra,
serão detalhados na tabela “MUNICÍPIOS QUE NÃO POSSUEM CRIANÇAS E ADOLESCENTES ACOLHIDOS EM SUA
ÁREA TERRITORIAL OU EM OUTROS MUNICÍPIOS”.

Municípios que possuam crianças e adolescentes acolhidos apenas em outros Municípios, serão indicados na
tabela “MUNICÍPIOS QUE NÃO POSSUEM CRIANÇAS E ADOLESCENTES ACOLHIDOS EM SUA ÁREA TERRITORIAL,
MAS QUE ACOLHEM EM OUTROS MUNICÍPIOS”.

Gráfico: Distribuição Percentual da população infantojuvenil acolhida no Estado do Rio de Janeiro –


maiores incidências.

O gráfico representa os oito Municípios com maior concentração percentual de crianças e adolescentes em
situação de acolhimento, levando-se em conta a população infantojuvenil acolhida no Estado.

Tabela: Relação entre a população infantojuvenil acolhida e o número de habitantes do Município.

A tabela confronta o número de crianças e adolescentes oriundas no referido Município, com o número
total de habitantes e indica, em ordem decrescente, os Municípios que proporcionalmente apresentam as maiores
concentrações de acolhimento por dez mil habitantes.

O critério que define a responsabilidade pelo atendimento à população infantojuvenil é o da municipalização,


na forma do artigo 88, I, do ECA4 , ou seja, cabe a cada Município prestar atendimento às crianças e adolescentes
que residam em sua respectiva área territorial (munícipes), implementando políticas públicas capazes de atender às
demandas específicas de sua área.

Portanto, de acordo com o ECA, o Município responsável por pela oferta do serviço de acolhimento é aquele
do local do domicílio dos pais ou responsável legal (art. 147, I, do ECA) da criança e adolescente e, à falta destes, o do
local onde se encontre a criança ou adolescente (ART. 147, II do ECA).

Assim, fica evidenciado que é no Município em que a criança ou adolescente reside com sua família que
as estratégias de atendimento voltadas ao enfrentamento das situações que levaram ao acolhimento precisam ser
desenvolvidas, a fim de que seja viabilizado o retorno ao convívio familiar.

4 Art. 88. São diretrizes da política de atendimento:


I - municipalização do atendimento.
19 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

O domicílio dos pais ou responsáveis também determina a responsabilidade (atribuição ou competência) dos
órgãos de proteção, na forma do artigo 147 do ECA. Assim, se os pais ou responsável é domiciliado em um Município,
mas a criança ou o adolescente se encontra acolhido, excepcionalmente, em outro Município, o Conselho Tutelar, a
Promotoria de Justiça e o Juízo da Infância e da Juventude do Município de residência dos pais serão os responsáveis
pelas medidas administrativas e judiciais pertinentes para a defesa dos direitos fundamentais dos acolhidos.

Crianças e adolescentes muitas vezes são acolhidos em outras cidades, pelas mais diversas razões, tais como:
inexistência de entidade de acolhimento compatível com o perfil da criança ou adolescente no local em que reside
com os pais ou responsável; ausência ou precariedade de articulações entre os órgãos que integram o sistema de
garantia de direitos de crianças e adolescentes dificuldades para a realização de recambiamento ao Município de
origem, dentre outras.

Daí a relevância da informação em tela, para que os órgãos com atribuição avaliem a necessidade de adoção
de medidas visando manter, no Município de origem, a criança ou adolescente que necessita de acolhimento, de
modo a favorecer a preservação dos vínculos familiares, fundamental para a garantia do direito à convivência familiar.

A tabela apresenta as seguintes colunas:

• População – Corresponde ao número de habitantes do município.

• c/a acolhidos x 10.000 hab. – Corresponde ao número de c/a acolhidos do município para cada 10.000
habitantes.

• c/a acolhidos do município – Corresponde ao número de c/a acolhidos de atribuição do município,


acolhidos ou não no município. Nessa coluna se encontram todas as crianças de atribuição do município,
estejam elas acolhidas no próprio município de domicílio dos pais ou responsável não.

• c/a acolhidos no município – Corresponde ao número de c/a acolhidos em entidades do município,


independentemente da sua origem. Nessa coluna se encontram todas as crianças acolhidas no município,
cujos pais ou responsável podem ou não ser domiciliados nesse município.

• c/a acolhidos no próprio município – Corresponde ao número de c/a acolhidos em entidades do


município, de atribuição do próprio município (munícipes). Nesse caso, encontram-se as crianças acolhidas
cujos pais ou responsável são domiciliados no próprio município de acolhimento.

• c/a acolhidos de outro município – Corresponde ao número de c/a acolhidos de atribuição de outro
município, acolhidos em entidades do município.

• c/a acolhidos em outro município - Corresponde ao número de c/a acolhidos de atribuição do município,
acolhidos em entidades de outro município.

Tabela: Municípios que acolhem crianças e adolescentes de outros Municípios:


20 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

Maiores incidências em números absolutos


A tabela apresenta as 8(oito) maiores incidências, em números absolutos, de Municípios que acolhem crianças
e adolescentes de outros Municípios. Apresenta ainda o número total de crianças e adolescentes acolhidos no
Município de referência, especifica quantos acolhidos são da responsabilidade do respectivo Município e quantos são
da responsabilidade de outros Municípios, segundo a regra de competência do artigo 147, do ECA.

Maiores incidências em números percentuais


A tabela apresenta as 8(oito) maiores incidências, proporcionalmente, de Municípios que acolhem crianças e
adolescentes de outros Municípios. Apresenta ainda o número total de crianças e adolescentes acolhidos no Município
de referência e especifica quantos acolhidos são da responsabilidade do respectivo Município e quantos são da
responsabilidade de outros Municípios, segundo a regra de competência do artigo 147, do ECA.

Tabela: Municípios que acolhem crianças e adolescentes em outros Municípios:

Maiores incidências em números absolutos


A tabela apresenta as 8(oito) maiores incidências, em números absolutos, de Municípios que acolhem crianças
e adolescentes em outros Municípios. Apresenta ainda o número total de crianças e adolescentes acolhidos do
Município de referência, e especifica quantos destes acolhidos estão no próprio Município e quantos estão em outros
Municípios, segundo a regra de competência do artigo 147, do ECA.

Maiores incidências em números percentuais


A tabela apresenta todos os casos de Municípios que acolhem a totalidades das crianças e adolescentes de sua
responsabilidade, em outros Municípios, segundo a regra de competência do artigo 147, do ECA.

Gráfico: Relação entre a população infantojuvenil acolhida e o número de habitantes do Município –


maiores incidências.

O gráfico representa os 8(oito) Municípios com maior concentração de crianças e adolescentes acolhidos em
seus territórios, por dez mil habitantes.

2.2.b. Dos indicadores de distribuição geográfica das crianças e adolescentes acolhidos.


Tabela: Distribuição da população infantojuvenil acolhida no Estado do Rio de Janeiro por região – Total
das entidades de acolhimento institucional e familiar; das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes;
das crianças e adolescentes aptos à adoção; das crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das
crianças e adolescentes sem visita.

A tabela apresenta a distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por Região Administrativa do Estado
do Rio de Janeiro e informa o número total: i) de entidades que desenvolvem programas de acolhimento institucional
e familiar; ii e iii) de crianças e adolescentes inseridos nos citados programas de acolhimento e seus respectivos
percentuais; iv e v) de crianças e adolescentes aptos à adoção e seus respectivos percentuais; vi) de crianças e
21 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

adolescentes sem registro civil de nascimento; vii) de crianças e adolescentes sem visita.

Gráfico: Distribuição percentual da população infantojuvenil acolhida no Estado do Rio de Janeiro por
Região.

O gráfico representa o resultado da relação existente entre o número de acolhidos por região administrativa e
o número de acolhidos no Estado do Rio de Janeiro.

Tabela: Relação entre a população infantojuvenil acolhida e o número de habitantes da Região.

A tabela confronta o número de crianças e adolescentes acolhidos, com o número de habitantes de cada
Região e indica as Regiões que proporcionalmente apresentam as maiores concentrações de acolhimento por dez mil
habitantes5.

A tabela apresenta as seguintes colunas:

• População – Corresponde ao número de habitantes da região.

• c/a acolhidos x 10.000 hab. – Corresponde ao número de c/a acolhidos da região para cada 10.000
habitantes.

• c/a acolhidos da região – Corresponde ao número de c/a acolhidos de atribuição da região, acolhidos ou
não na região. Nessa coluna se encontram todas as crianças de atribuição da região, estejam elas acolhidas
na própria região de domicílio dos pais ou responsável ou não.

• c/a acolhidos na região– Corresponde ao número de c/a acolhidos em entidades da região,


independentemente da sua origem. Nessa coluna se encontram todas as crianças acolhidas na região
cujos pais ou responsável podem ou não ser domiciliados nessa região.

• c/a acolhidos na própria região – Corresponde ao número de c/a acolhidos em entidades da região, de
atribuição da própria região. Nesse caso, encontram-se as crianças acolhidas cujos pais ou responsável são
domiciliados na própria região de acolhimento.

• c/a acolhidos de outra região - Corresponde ao número de c/a acolhidos de atribuição de outra região,
acolhidos em entidades da região.

• c/a acolhidos em outra região - Corresponde ao número de c/a acolhidos de atribuição da região,
acolhidos em entidades de outra região.

Gráfico: Relação entre a população infantojuvenil acolhida e o número de habitantes da Região.

O gráfico representa a concentração de crianças e adolescentes acolhidos nas regiões administrativas, por dez
mil habitantes.

5 No que se refere à atribuição de cada Região, aplica-se o mesmo entendimento da Tabela: “Relação entre a população
infantojuvenil acolhida e o número de habitantes do Município”.
22 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

2.2.c. Dos indicadores de faixa etária, sexo, etnia e escolaridade das crianças e
adolescentes acolhidos.
Tabela: Faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.

A tabela indica a quantidade de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária e o percentual que esse
quantitativo representa em relação à totalidade dos acolhidos.

Os grupamentos etários foram distribuídos de forma a retratar as diversas fases do desenvolvimento humano
que apresentam características comuns entre si.

Gráfico: Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

O gráfico representa os percentuais das incidências dos acolhimentos de crianças e adolescentes, por faixa
etária.

Gráfico: Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.

O gráfico representa o número de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária e sexo.

Tabela: Etnia e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.

A tabela indica a quantidade de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária, o percentual que esse
quantitativo representa em relação à totalidade dos acolhidos e a etnia dos acolhidos.

O critério para definição da etnia foi o mesmo utilizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)6
e os dados sistematizados na tabela correspondem às informações disponibilizadas, através do MCA, pelos serviços de
acolhimentos pelos quais onde se encontram os acolhidos.

A coluna “ignorado” corresponde às situações em que os serviços de acolhimento não preencheram o campo
de etnia da criança ou adolescente ou selecionaram a opção “ignorado” no sistema.

Gráfico: Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por etnia e faixa etária.

O gráfico representa o número de crianças e adolescentes acolhidos por etnia e faixa etária.

Tabela: Etnia e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.

A tabela indica a quantidade de crianças e adolescentes acolhidos por etnia, o percentual referente a cada uma
e o sexo.

Gráfico: Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e etnia.

O gráfico representa o número de crianças e adolescentes acolhidos por sexo e etnia.

Tabela: Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.

A tabela informa a escolaridade da população infantojuvenil acolhida e apresenta, em números absolutos e


percentuais, as crianças e os adolescentes que estudam e que não estudam.
6 https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_da_populacao/tabelas_pdf/tab3.pdf
23 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

A separação por faixa etária foi feita considerando os seguintes parâmetros: crianças de 0 a 6 anos, 7 a 11 anos,
12 a 15 anos e 16 a 18 anos incompletos.

Tabela: Faixa etária das crianças e adolescentes que não estudam.

A tabela detalha, por faixa etária, em números absolutos e proporcionais, crianças e adolescentes acolhidos
que não estão inseridos na rede regular de ensino, utilizando como parâmetro o total de acolhidos que não estuda.

Gráfico: Faixa etária (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

O gráfico representa a distribuição em números de acolhidos que não estudam, distribuindo-os por faixa etária.

Tabela: Indicadores de etnia e sexo das crianças e adolescentes que não estudam.

A tabela detalha, pelos critérios de etnia e de sexo, em números absolutos e percentuais, as crianças e
adolescentes acolhidos que não estão inseridos na rede regular de ensino, utilizando-se, como parâmetro, o total de
acolhidos que não estudam.

Gráfico: Etnia e Sexo (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

O gráfico representa a distribuição em números dos acolhidos que não estudam, distribuindo-os por etnia e
sexo.

2.2.d. Dos indicadores de deficiência e de saúde.


Tabela: Crianças e adolescentes portadores de necessidades especiais.

A tabela indica, em números absolutos e percentuais, o total de crianças e adolescentes acolhidos que são e
que não são portadores de necessidades especiais.

Tabela: Detalhamento das crianças e adolescentes portadores de necessidades especiais

A tabela apresenta o número de crianças e adolescentes acolhidos por tipo de deficiência e indica o percentual
que cada categoria representa em relação ao total dos portadores de necessidades especiais.

Tabela: Crianças e adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial

A tabela indica o número de acolhidos que necessita e que não necessita de algum tratamento especial de
saúde, e o percentual que estes quantitativos representam em relação ao universo de acolhidos.

Tabela: Doenças mais comuns

A tabela apresenta as principais incidências de doenças por crianças e adolescentes acolhidos e o percentual
que cada grupo representa em relação ao total de acolhidos que necessita de tratamento especial de saúde.

As doenças indicadas nas fichas do MCA não são, necessariamente, decorrentes de diagnóstico médico, tendo
em vista que muitas são preenchidas com base em informações recebidas quando do acolhimento.

Em razão de existirem crianças e adolescentes no MCA que sofrem de mais de uma doença relevante, a ensejar
24 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

tratamento especial de saúde, a tabela pode apresentar número de incidências de doenças maior que o número de
crianças e adolescentes que necessita do tratamento especial.

2.2.e. Dos indicadores de período e motivo de acolhimento/desligamento7


Tabela: Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar

A partir da eleição de 8 (oito) períodos de acolhimento, a tabela distribui as crianças e adolescentes acolhidos
no MCA, em 30/06/2021, e apresenta os resultados em números absolutos e percentuais.

Os períodos de acolhimento constantes da tabela foram reformulados, tendo em vista o tempo máximo de
permanência da criança ou adolescente em programa de acolhimento institucional introduzido pela Lei 15.309, de 22
de novembro de 20178 , que foi reduzido de 2 (dois) anos para 18 (dezoito) meses, salvo comprovada necessidade que
atenda ao seu superior interesse, devidamente fundamentada pela autoridade judiciária (art 19, §2º do ECA).

Gráfico: Percentual - tempo de acolhimento

O gráfico apresenta a distribuição percentual do tempo de acolhimento de das crianças e adolescentes em


30/06/2021.

Tabela: Motivo de acolhimento

A tabela elenca os motivos de acolhimento de crianças e adolescentes e apresenta o número absoluto e


percentual de acolhidos considerando o principal motivo9 , bem como a sua distribuição por sexo.

Tabela: Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram do regime de


acolhimento institucional ou familiar.

A partir da eleição de 8 (oito) períodos de desligamento, a tabela distribui as crianças e adolescentes desligados
no MCA até 30/06/2021, e apresenta os resultados em números absolutos e percentuais.

Os números apresentados na tabela referem-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não
foram acolhidos novamente até o fechamento deste Censo, ocorrido em 30/06/21.

Gráfico: Percentual - tempo de desligamento

O gráfico apresenta a distribuição percentual do tempo de desligamento de das crianças e adolescentes até

7 A medida de acolhimento tem como características a provisoriedade e a excepcionalidade. O tempo e o motivo de acolhimento
são, pois, indicadores fundamentais na garantia do direito à convivência familiar de crianças e adolescentes acolhidos. A banalização da
medida e do tempo de acolhimento representa grave violação aos direitos dos acolhidos, e contribui para o enfraquecimento dos laços
familiares. Esses dados são fundamentais para que os órgãos de proteção verifiquem a adequação da medida aos parâmetros legais em
vigor, merecendo o acolhimento especial atenção por parte dos integrantes do sistema de garantia de direitos.
8 Artigo 19 § 2º da Lei 8.069/90
§ 2o A permanência da criança e do adolescente em programa de acolhimento institucional não se prolongará por mais de 18
(dezoito meses), salvo comprovada necessidade que atenda ao seu superior interesse, devidamente fundamentada pela autoridade
judiciária.
9 Registre-se que um acolhimento pode ser ensejado por mais de um motivo, sendo, nesses casos, considerado o motivo tido
como principal.
25 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

30/06/2021.

Tabela: Motivo de desligamento

A tabela elenca os motivos de desligamento registrados no MCA desde sua implantação e indica o número
absoluto e percentual de desligamentos, por motivo, bem como a distinção por sexo.

Os dados se referem, portanto, aos acolhidos que tenham sido inseridos no sistema, que deixaram o regime de
acolhimento institucional ou familiar entre 25/05/2007 e 30/06/2021.

Cumpre registrar que em razão de o sistema visar à garantia do direito à convivência familiar de crianças e
adolescentes, os jovens de 18 anos não são incluídos nos resultados do MCA10.

2.2.f. – Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação


jurídica das crianças e adolescentes acolhidos11
Tabela: Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF)

A tabela12 apresenta o número de acolhidos que recebe e que não recebe visitas e indica, a partir desses dados,
os acolhidos que têm e que não têm proposta em seu favor ação judicial de destituição do poder familiar13.

Considerou-se “com visitas” aquelas ocorridas com a seguinte frequência: diária, semanal, quinzenal, mensal e
bimestral. Acolhidos que não recebem visita por mais de dois meses, foram incluídos na situação “sem visita” 14.

Tabela: Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita

A tabela apresenta, por faixa etária, a quantidade de acolhidos que não recebe visita, e dentre estes, em
números absolutos e percentuais, os que têm e os que não têm ação de destituição do poder familiar proposta em seu
favor.

Tabela: Detalhamento dos vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

10 A exclusão do jovem do sistema não significa, necessariamente, que não se encontram mais na entidade de acolhimento,
pois, excepcionalmente, na prática acabam ficando por algum tempo; todavia, deixam de ser acompanhados pelo Conselho Tutelar,
Promotoria de Justiça e Juízo da Infância e da Juventude, merecendo, entretanto, atenção de outros segmentos governamentais e/
ou não governamentais.
11 Dispõe o art. 101, parágrafo 1º, do ECA, que o acolhimento, institucional ou familiar, é medida provisória e excepcional, utilizável
como forma de transição para reintegração familiar ou, não sendo esta possível, para colocação em família substituta, não implicando
privação de liberdade. Os dados apresentados nesse grupo visam contribuir para que o sistema de garantia de direitos possa adotar,
em prol de cada criança ou adolescente acolhido, a medida mais adequada, visando à definição da situação jurídica destas, com vistas à
reintegração familiar ou, se isso não se mostrar possível, à colocação em família substituta.
12 A intenção de relacionar a informação referente à visitação da criança ou adolescente com as ações de destituição do poder
familiar é a de apontar o quantitativo de acolhidos cuja situação, em tese, indique abandono familiar, sem que possuam medida judicial
proposta em seu favor.
13 Dispõe a Resolução CNMP, nº 71, de 15/06/11, em seu artigo 5º: “Nos casos de crianças e adolescentes em acolhimento
institucional sem receberem qualquer visitação por período superior a 02 (dois) meses, ressalvadas as hipóteses em que haja decisão
judicial suspendendo tal visitação, o membro do Ministério Público deverá adotar as medidas que entender cabíveis para efetiva garantia
do direito à convivência familiar e comunitária dos acolhidos, promovendo, preferencialmente, gestões junto à entidade de acolhimento
e aos programas e serviços integrantes da política destinada à efetivação do direito à convivência familiar, no sentido da localização dos
pais, apuração das causas da falta de visitação e estímulo à sua realização.”
14 Até o 5º Censo, os acolhidos que recebiam visitas quadrimestrais eram considerados na situação “com visita”. Desde o 6º
Censo, visitas ocorridas em tempo superior a 2 meses, passaram a ser considerados na situação “sem visita”.
26 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

A tabela detalha os vínculos biológicos existentes entre crianças e adolescentes acolhidos e seus pais biológicos
e apresenta o resultado percentual que cada grupo representa em relação ao total de acolhidos.

A análise do campo referente à filiação, constante na ficha de cada criança acolhida, considera:

• órfão: quando filho de mãe e pai falecidos; de mãe falecida e pai desconhecido ou sem informação; ou de
pai falecido e mãe desconhecida ou sem informação;

• com pai e/ou mãe vivo(s): quando há qualquer informação na ficha do MCA acerca do(s) genitor(es), e pelo
menos deles é vivo e está no exercício do poder familiar;

• com pai e/ou mãe vivo(s), mas destituído(s) do poder familiar: quando há qualquer informação na ficha do
MCA acerca do(s) genitor(es) e exista destituição do poder familiar, com sentença transitada em julgado,
em relação ao(s) genitor(es) indicados na ficha;

• com pais desconhecidos: quando não há informação acerca de nenhum dos genitores das crianças
ou adolescentes acolhidos, independentemente da existência de registro civil de nascimento (RCN).
Eventualmente pode ser atribuída no RCN destes acolhidos filiação fictícia, que se usou denominar
de “dados de caridade”, hipóteses na qual os genitores também devem ser indicados, na ficha, como
desconhecidos.

Tabela: Crianças e Adolescentes acolhidos distribuídos por grupos fraternos.

A análise do grupo fraterno está relacionada ao campo “Referência Familiar” no MCA, adotando-se os seguintes
critérios:

• Possuem irmãos: são os acolhidos que possuem irmãos, estejam acolhidos ou não;

• Possuem irmãos acolhidos: são os acolhidos que possuem irmãos e que também estão acolhidos, estando
ou não no mesmo serviço de acolhimento;

• Com irmãos acolhidos no mesmo serviço: são os acolhidos que possuem irmãos e que também estão
acolhidos no mesmo serviço de acolhimento;

• Com irmãos na família nuclear ou extensa: são os acolhidos que possuem irmãos que se encontrem em
convivência com a família nuclear ou extensa;

• Com irmãos em família substituta: são os acolhidos que possuem irmãos que foram inseridos em família
substituta, notadamente os que foram adotados.

Gráfico: Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno (números)

O gráfico apresenta a distribuição, em números, dos grupos fraternos das crianças e adolescentes acolhidos
até 30/06/2021.

Tabela: Perfil dos aptos à adoção.


27 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

A tabela15 apresenta a relação de crianças e adolescentes acolhidos que estão aptos à adoção. Está organizada
em linhas e colunas. As linhas apresentam 6 critérios referentes à situação dos acolhidos, quais sejam: sexo, faixa etária,
tempo de acolhimento, deficiências, doenças e etnia.

As colunas apresentam 4 critérios, referentes à situação jurídica destes acolhidos, quais sejam, se são órfãos,
se têm sentença de destituição do poder familiar transitada em julgado; se os pais são desconhecidos, ou se houve
entrega voluntária.

A interseção de uma linha com uma coluna fornece os resultados.

O indicador de saúde “doenças”, nesta tabela, considera somente doenças relevantes que, via de regra, são
capazes de influenciar a colocação do acolhido em família substituta, dentre as quais: anemia falciforme, câncer,
cardiopatias, dependência química (álcool ou drogas), dificuldades psicomotoras, encefalopatia, HIV positivo, síndrome
do alcoolismo fetal e transtornos mentais

2.2.g. Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no


Sistema de Justiça
Tabela: Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça

A tabela apresenta o número de crianças ou adolescentes acolhidos que possui e que não possui ações
judiciais16 voltadas à tutela de seus direitos. Os resultados são apresentados em números absolutos e percentuais.

Tabela: Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações judiciais

A tabela informa dentre o número de acolhidos que não possui processo judicial proposto em seu favor,
quantos possuem e quantos não possuem procedimento administrativo no âmbito das respectivas Promotorias de
Justiça da Infância e da Juventude.

Dentre aqueles que não possuem procedimentos administrativos, a tabela distingue os que se encontram
acolhidos há menos ou há mais de seis meses.

Os resultados são apresentados em números absolutos e percentuais.

Tabela: Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário

A tabela apresenta o número de crianças e adolescentes acolhidos que possui ações judiciais, que possui
procedimentos judiciais, e que não possui nem ação nem procedimento judicial. Os resultados são apresentados em
números absolutos e proporcionais.

Gráfico: Distribuição percentual de ações

15 O mapeamento do perfil das crianças e adolescentes aptos à adoção visa atender importantes indagações, tais como a
faixa etária dos acolhidos aptos à adoção; se eles apresentam doenças graves ou deficiências, ou há quanto tempo estão acolhidos.
16 Registre-se que desde o 5º. Censo deixaram de ser considerados como ação judicial os pedidos de aplicação de medidas
protetivas – PAMPs, os procedimentos preliminares de acolhimento, procedimentos de abrigo na esfera judicial/ PAMP e as cartas
precatórias, por não terem o condão de resolver, juridicamente, a situação de crianças e adolescentes acolhidos.
28 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

O gráfico representa a distribuição percentual dos acolhidos que possuem e que não possuem ação judicial em
curso, voltada à tutela de seus direitos, e distingue, dentre os que não possuem ação, os que se encontram acolhidos
há menos ou há mais de seis meses.

Tabela: Ações Judiciais

A tabela detalha os tipos de ações em curso nas Varas da Infância e Juventude, que versam sobre os direitos
de crianças e adolescentes acolhidos, bem como seus respectivos quantitativos. Os resultados são apresentados em
números absolutos e proporcionais, tendo como referência o total das ações propostas.

O número de ações existente na tabela “Ações Judiciais” apresenta-se maior do que o número de acolhidos
que possuem ação (constante na tabela “Panorama da situação jurídica da c/a no sistema de justiça”), uma vez que há
casos em que existe mais de uma ação proposta em favor de determinado acolhido (por exemplo: a mesma criança
pode ter uma ação de destituição de poder familiar e uma ação de adoção).

Os resultados são apresentados em números absolutos e proporcionais.


29 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

3. CRITÉRIOS ADOTADOS NA ORGANIZAÇÃO


DOS DADOS – QUADRO EVOLUTIVO ANUAL

Para a perfeita compreensão das informações reproduzidas nas tabelas é fundamental a leitura dos critérios
que foram adotados na organização dos dados.

3.1. Quadro evolutivo do acolhimento das crianças e adolescentes:


3.1.a Tabela: Evolução dos motivos de acolhimento das c/a acolhidos.
Ao contrário dos Censos MCA anteriores, o presente apresenta a média anual acumulada de crianças e
adolescentes acolhidos, em números absolutos, considerando cada motivo de acolhimento. Os dados foram colhidos
entre 01/01/2008 e 31/12/2020.

Segundo os critérios dessa tabela, dentro de um mesmo ano, a criança ou adolescente pode ter sido acolhido
e desligado em diversas ocasiões, situação que justifica o aumento e a diminuição de determinado motivo, não se
devendo, pois, relacionar o número de crianças e adolescentes acolhidos com o número de motivos de acolhimentos.

Nesse particular, devem ainda ser consideradas, estratégias municipais e/ou estadual que acabam refletindo
diretamente nas causas de acolhimento; situação, por exemplo, ocorrida em 2012 em ação da Prefeitura do Rio de
Janeiro no recolhimento de usuários de crack, onde na ocasião, tivemos 926(novecentos e vinte e seis) acolhimentos de
crianças e adolescentes por “situação de rua” e 1.600(mil e seiscentos) casos de acolhimento de crianças e adolescentes
por uso abusivo de drogas ou álcool.

Gráfico: Evolução dos motivos de acolhimento das c/a acolhidos (principais motivos)

O gráfico apresenta as 5(cinco) maiores médias anuais dos motivos de acolhimento no período de 01/01/2008
até 31/12/2021.

3.2. Quadro evolutivo do desligamento das crianças e adolescentes:


3.2.a Tabela: Evolução do tempo de acolhimento das c/a desligados.
Ao contrário dos Censos MCA anteriores, o presente apresenta a média anual acumulada dos motivos de
desligamento. Os dados foram colhidos entre 01/01/2008 e 31/12/2020.

Dentro de um mesmo ano a criança ou adolescente pode ter sido desligado e acolhido em diversas ocasiões,
situação que justifica o aumento e a diminuição de determinado motivo, não se devendo, pois, relacionar o número de
crianças e adolescentes desligados com o número de motivos de desligamentos.

Nesse particular, devem ainda ser consideradas, estratégias municipais e/ou estadual que acabam refletindo
diretamente nas causas de acolhimento/desligamento; situação, por exemplo, ocorrida em 2012 em ação da Prefeitura
30 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

do Rio de Janeiro no recolhimento de usuários de crack, onde na ocasião, tivemos 926(novecentos e vinte e seis)
acolhimentos de crianças e adolescentes por “situação de rua” e 1.600(mil e seiscentos) casos de acolhimento de
crianças e adolescentes por uso abusivo de drogas ou álcool.

Note-se que se na ocasião houve grandes acolhimentos e o inverso pode ser considerado como uma premissa
verdadeira, ainda que não proporcionalmente.

Gráfico: Evolução dos motivos de desligamento das c/a desligadas (principais motivos)

O gráfico apresenta as 5(cinco) maiores médias dos motivos de desligamento no período de 01/01/2008 até
31/12/2021.

3.3. Quadro evolutivo do acolhimento (em meses) das crianças e adolescentes:


3.3.a Tabela: Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligados.
Ao contrário dos Censos MCA anteriores, o presente apresenta a média (em meses) dos motivos de acolhimento.
Os dados foram colhidos entre 01/01/2008 e 31/12/2021.

Dentro de um mesmo ano a criança ou adolescente pode ter sido desligado e acolhido em diversas ocasiões,
situação que justifica o aumento e a diminuição de determinado motivo, não se devendo, pois, relacionar o número de
crianças e adolescentes acolhidos com o número de motivos de acolhimentos.

Nesse particular, devem ainda ser consideradas, estratégias municipais e/ou estadual que acabam refletindo
diretamente nas causas de acolhimento; situação, por exemplo, ocorrida em 2012 em ação da Prefeitura do Rio de
Janeiro no recolhimento de usuários de crack, onde na ocasião, tivemos 926(novecentos e vinte e seis) acolhimentos de
crianças e adolescentes por “situação de rua” e 1.600(mil e seiscentos) casos de acolhimento de crianças e adolescentes
por uso abusivo de drogas ou álcool.

Gráfico: Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligados (principais motivos)

O gráfico apresenta as 5(cinco) maiores médias (em meses) dos motivos de acolhimento no período de
01/01/2008 até 31/12/2021.
31 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

4. MUNICÍPIOS QUE NÃO POSSUEM CRIANÇAS E


ADOLESCENTES ACOLHIDOS EM SUA ÁREA TERRITORIAL,
MAS QUE OS ACOLHEM EM OUTROS MUNICÍPIOS

Na tabela, encontram-se os Municípios que segundo o critério do artigo 147, do ECA possuíam acolhidos
apenas fora de sua área territorial.

No Censo de cada Município, uma faixa inicial apresenta a distribuição da população infantojuvenil acolhida no
Município analisado, que indica: o quantitativo de entidades de acolhimento existentes no Município; a quantidade de
crianças e adolescentes acolhidos em sua área territorial; o percentual que o referido número representa em relação ao
total de acolhimentos no Estado; a quantidade dos que estão aptos à adoção; o percentual que a parcela da população
apta à adoção representa em relação ao total de acolhidos no Município; a quantidade de acolhidos sem registro de
nascimento; e o número daqueles que não recebem visita.
32 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

5. MUNICÍPIOS QUE NÃO POSSUEM CRIANÇAS E


ADOLESCENTES ACOLHIDOS EM SUA ÁREA TERRITORIAL,
OU EM OUTROS MUNICÍPIOS

A tabela apresenta os Municípios que na data de corte não apresentavam crianças ou adolescentes acolhidos
em sua área territorial, nem em outras cidades.
33 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

6. DAS TABELAS E GRÁFICOS REFERENTES AOS MUNICÍPIOS

A elaboração dos Censos Municipais levou em consideração o lugar do acolhimento.

Assim, cada Município que em 30/06/2021 possuía criança ou adolescente acolhido em sua área territorial será
contemplado com um Censo individualizado.

Também são contemplados com Censos individualizados os Municípios que embora não tivessem criança ou
adolescente acolhido em 30/06/2021, tenham possuído, em momento posterior à implantação do MCA, acolhidos
em sua área territorial, hipótese na qual o referido Censo contará tão-somente com a tabela referente aos motivos de
desligamento e à eventual existência de entidade de acolhimento.

Os Municípios que na data de corte não apresentavam crianças ou adolescentes acolhidos em sua área territorial,
nem em outras cidades, serão elencados na tabela “MUNICÍPIOS QUE NÃO POSSUEM CRIANÇAS E ADOLESCENTES
ACOLHIDOS EM SUA ÁREA TERRITORIAL OU EM OUTROS MUNICÍPIOS”.

De outra forma, os Municípios que segundo o critério do artigo 147, do ECA possuíam acolhidos apenas fora
de sua área territorial virão detalhados na tabela “MUNICÍPIOS QUE NÃO POSSUEM CRIANÇAS E ADOLESCENTES
ACOLHIDOS EM SUA ÁREA TERRITORIAL, MAS QUE OS ACOLHEM EM OUTROS MUNICÍPIOS”, com informação
detalhada acerca do Município em que tais acolhidos se encontram.

No Censo de cada Município, uma faixa inicial apresenta a distribuição da população infantojuvenil acolhida no
Município analisado, que indica: o quantitativo de entidades de acolhimento existentes no Município; a quantidade de
crianças e adolescentes acolhidos em sua área territorial; o percentual que o referido número representa em relação ao
total de acolhimentos no Estado; a quantidade dos que estão aptos à adoção; o percentual que a parcela da população
apta à adoção representa em relação ao total de acolhidos no Município; a quantidade de acolhidos sem registro de
nascimento; e o número daqueles que não recebem visita.

6.1.a Indicadores de Responsabilidade pelas crianças e adolescentes acolhidos


Indicadores são apresentados em duas tabelas.

A primeira contém dados indicativos do quantitativo de crianças e adolescentes acolhidos na área do


Município analisado, e leva em consideração a responsabilidade pelos acolhimentos; a segunda indica a distribuição
dos acolhidos de responsabilidade do Município analisado, que se encontram acolhidos em outros Municípios.

Em ambos os casos a responsabilidade do Município é fixada na forma determinada pelo artigo 147, do ECA.

Tabela: Origem da população infantojuvenil acolhida no Município

A tabela informa o número total de crianças e adolescentes acolhidos na área de um determinado Município e
indica, na primeira linha, o quantitativo de acolhidos que são da responsabilidade do Município analisado; nas demais,
34 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

quando existentes, o de acolhidos de responsabilidade dos outros Municípios.

A tabela indica, ainda, o percentual que cada quantitativo representa em relação ao total de acolhidos no
Município analisado.

Tabela: Distribuição da população infantojuvenil oriunda do Município analisado, acolhida pelos demais
Municípios do Estado

A tabela informa o total dos acolhidos de responsabilidade do Município analisado que estão acolhidos em
outros Municípios, e indica a localização destes.

O objetivo desta tabela é identificar Municípios que possuem acolhidos de sua responsabilidade em outra(s)
cidade(s). Se o Município não possuir crianças ou adolescentes nesta situação, a tabela não será exibida.

A incidência do acolhimento de crianças e adolescentes fora da área territorial do Município analisado pode
indicar que esse não tem desenvolvido políticas públicas capazes de atender as necessidades de seus munícipes,
impondo a seus acolhidos o deslocamento para outros Municípios.

A ocorrência dessa hipótese dificulta a manutenção ou o resgate dos vínculos familiares pois, nesses casos,
a família reside em um determinado Município, e a criança ou o adolescente está acolhido em outro, prejudicando
a atuação dos órgãos protetivos do Município de origem, que permanece responsável pelo desenvolvimento de
estratégias voltadas para o enfrentamento da situação que levou ao acolhimento, visando ao retorno desse ao convívio
familiar.

6.1.b Demais tabelas e gráficos


As demais tabelas e gráficos, relativos aos indicadores de faixa etária, sexo, escolaridade, deficiência e saúde,
acolhimento e desligamento e que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e adolescentes
acolhidos apresentam os mesmos critérios especificados nas tabelas correspondentes do Censo estadual.

Vale registrar que, com exceção da segunda tabela detalhada no item 2. 3.a., que relaciona os acolhidos de
acordo com indicadores de responsabilidade dos órgãos de proteção (critérios de competência ou atribuição), os
demais dados constantes das tabelas e gráficos são referentes aos acolhimentos pelo Município analisado.

Por fim, os Municípios que apresentaram menos de 10(dez) crianças e adolescentes acolhidos poderão não ser
contemplados com algumas tabelas, quando não houver incidência para a hipótese indicada, e/ou gráficos, quando
diante de um pequeno universo verificado.
35 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

7. DESCRITORES DOS MOTIVOS DE ACOLHIMENTO E


DESLIGAMENTO

Em 2018 o MCA através da Equipe Técnico do Centro de Apoio Operacional das Promotorias da Infância e
Juventude (MPRJ) aperfeiçoou os motivos de acolhimento e desligamento, excluindo uns, acrescentando outros e
disponibilizando aos usuários nova ferramenta de consulta descrevendo o conceito de cada um desses motivos, bem
como quando os mesmos devem ser usados.

Quantos aos motivos de acolhimento: A partir de 2018 o motivo “Devolução por tentativa de colocação
familiar mal sucedida” foi desmembrado em “Adoção mal sucedida”, “Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida” e
“Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida”.

Descritores dos motivos de acolhimento:

• Abandono pelos pais ou responsáveis

Conceito: Consiste nas situações que se constata a ausência do responsável pela criança ou adolescente no
desenvolvimento das funções de cuidado. Entende-se por abandono parcial a ausência temporária dos pais expondo
a criança ou adolescente a situações de risco. Entende-se por abandono total o afastamento do grupo familiar, ficando
as crianças sem habitação, desamparadas, expostas a várias formas de perigo (Claves - Centro Latino-Americano de
Estudos de Violência e Saúde).

• Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual

Conceito: Consiste em toda suspeita ou confirmação de ato ou jogo sexual, relação heterossexual ou
homossexual entre um ou mais adultos e uma criança ou adolescente com idade inferior a 18 anos, tendo por finalidade
estimular sexualmente a criança ou utilizá-la para obter uma estimulação sexual sobre sua pessoa ou de outra pessoa
(Azevedo e Guerra).

• Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou adolescente

Conceito: A violência física consiste em qualquer ação, única ou repetida, não acidental (ou intencional),
cometida por um agente agressor adulto (ou mais velho que a criança ou o adolescente), que lhes provoque
consequências leves ou extremas como a morte (CLAVES). A violência psicológica consiste em um conjunto
de atitudes, palavras e ações dirigidas para envergonhar, censurar e pressionar a criança ou adolescente de forma
permanente: ameaças, humilhações, gritos, injúrias, privação de amor, rejeição, etc. (CRAMI - Campinas).

• Adoção mal sucedida

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi desligada (o) do serviço de acolhimento
e colocada em família substituta por meio de adoção, mas houve retorno posterior à situação de acolhimento
institucional ou familiar.
36 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

• Calamidade Pública

Conceito: Consiste nas situações em que há o reconhecimento pelo poder público de situação anormal,
provocada por desastres, causando sérios danos à comunidade afetada, inclusive à incolumidade ou à vida de seus
integrantes (Decreto Federal N.º 895, de 16 de agosto de 1993).

• Carência de recursos materiais da família ou responsáveis

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi acolhido em função da carência de
recursos materiais de sua família ou responsável.

Justificativa: Registra-se que, de acordo com a sistemática atual, a penúria dos pais (...) não pode ser invocada
como pretexto para afastar a criança ou adolescente do convívio familiar, cabendo ao Estado (lato sensu - inclusive ao
Estado-Juiz), em cumprimento de seu dever legal e constitucional, decorrente do disposto nos arts. 3º, incisos I, III e IV,
226, caput e § 8º c/c 227, caput, da CF e artis. 4º, caput, 19, 23, parág. único, 100 caput, segunda parte e parág. único,
incisos IX e X, 101, inciso IV e 129, inciso I, do ECA, além de disposições correlatas contidas na LOAS, proporcionar-lhes
a orientação e os meios para bem cuidar de seus filhos e superar as dificuldades em que se encontram (Digiácomo &
Digiácomo, 2013, p. 27).

• Criança acolhida com genitor menor de 18 anos

Conceito: Consiste nas situações de filhos de adolescentes que também encontram-se acolhidos sob medida
de proteção (art. 98 do ECA) e em situação de risco pessoal e social, cujas famílias ou responsável encontrem-se
temporariamente impossibilitados de cumprir sua função de cuidado e proteção (Tipificação Nacional de Serviços
Socioassistenciais).

• Em razão de sua conduta

Conceito: Consiste nas situações em que crianças e adolescentes se encontram em condições tais que por
sua conduta se colocam na situação potencial ou efetiva de violarem os deveres e os direitos de sua cidadania e da
cidadania alheia, devendo receber uma ou mais medidas de proteção (art. 98 - III ECA) (Sêda) http://www.crianca.mppr.
mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=866.

• Entrega Voluntária

Conceito: Trata-se de inovação introduzida pela Lei nº 13.509/17, que alterou o Estatuto da Criança e do
Adolescente, permitindo que o poder familiar seja extinto na audiência judicial prevista no artigo 166 do ECA, na
hipótese de concordância dos pais com a adoção.

• Exploração do trabalho infantojuvenil pelos pais ou responsáveis

Conceito: Consiste na realização de atividade laboral pela criança ou adolescente na qual um terceiro seja
beneficiado direta ou indiretamente.
37 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

Justificativa: São muitas as possibilidades de ocorrência destes casos: nas cerâmicas; nas pedreiras; na
tecelagem; nas salinas; nas carvoarias; na agropecuária; na mineração; no artesanato; no comércio ambulante (venda
de flores, de artigos de praia, de bebidas, de sorvete, de doces e salgados, etc.). Pode ocorrer, inclusive, que a criança ou
o adolescente labore em companhia dos pais, porém em favor de outrem, que é o beneficiário do trabalho de todos,
podendo-se identificar, também, situação em que haja a participação de intermediários na exploração do trabalho da
família, e que, assim, serão solidariamente responsáveis. (CNMP, 2013).

• Exploração sexual para fins de prostituição infantojuvenil

Justificativa: Consiste em toda a ação que envolve o corpo de crianças e adolescentes, seja do sexo feminino
ou masculino, para a obtenção de vantagem ou proveito sexual, baseada numa relação de poder e de exploração
comercial (Leal, 1999).

• Falta de creche ou escola em horário integral

Conceito: Consiste nas situações em que o acolhimento se deu em função da dificuldade de acesso à creche
ou escola de horário integral.

Justificativa: Vale registrar que o acolhimento “deveria ser a última opção depois de esgotadas todas as
possibilidades de manutenção da criança ou do adolescente em sua família de origem ou extensa, e quando fosse
necessário, deveria ser emergencial enquanto outras soluções estariam em curso. No entanto, ainda se abriga por
pobreza e falta de creches e escolas com horário integral que permita aos responsáveis trabalharem” (NAIFF & Monteiro,
2005) NAIFF, L.A.M; MONTEIRO,A. Medida de proteção em abrigos para adolescentes: construindo ações autônomas. O
social em Questão. Rio de Janeiro. v.14, n.14, p.71-86, 2005.

• Genitor(es) maior(es) de 18 anos abrigado(s) com o filho (Abrigo de Família)

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente é acolhido juntamente com o(s) genitor(es)
em serviços de acolhimento provisório com estrutura para acolher grupo familiar (Tipificação Nacional dos Serviços
Socioassistenciais).

• Guarda ou tutela para família extensa mal sucedida

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi desligada (o) do serviço de acolhimento
e colocada em família substituta por meio de guarda ou tutela concedida à família extensa (pessoas com vínculos de
parentesco e/ou consagüíneos tais como tios, avós, irmãos, primos, etc.), mas houve retorno posterior à situação de
acolhimento institucional ou familiar.

• Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida.

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi desligada (o) do serviço de acolhimento e
colocada em família substituta por meio de guarda ou tutela concedida a terceiros (pessoas sem vínculos de parentesco
e/ou consangüíneos), mas houve retorno posterior à situação de acolhimento institucional ou familiar.
38 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

• Negligência

Conceito: Consiste nas situações em que se priva a criança ou adolescente de algo de que ela necessita,
quando isso é essencial ao seu desenvolvimento sadio. Pode significar omissão em termos de cuidados básicos como:
privação de medicamentos, alimentos, ausência de proteção contra inclemência do meio (frio/calor) (Claves).

• Orfandade

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente perdeu o pai e/ou a mãe. Registra-se que o
acolhimento nestas situações deve ser precedido de um acurado “Estudo Diagnóstico Prévio” (Orientações Técnicas,
2009, p. 29), que possa mapear “os vínculos significativos na família extensa e análise da rede social de apoio da
criança ou adolescente e de sua família (família extensa, amigos, vizinhos, padrinhos, instituições, etc.). Este estudo é
fundamental porque “antes de considerar o encaminhamento para serviço de acolhimento como uma alternativa para
garantir sua proteção, é preciso observar se na família extensa ou comunidade há pessoas significativas que possam e
aceitem se responsabilizar por seus cuidados.” (Orientações Técnicas, 2009, p. 31).

• Reintegração aos genitores mal sucedida.

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi desligada (o) do serviço de acolhimento
para ser reintegrada (o) ao convívio de seus genitores, mas houve retorno posterior à situação de acolhimento
institucional ou familiar.

• Responsável cumprindo pena privativa de liberdade:

Conceito: Consiste nas situações em que os pais ou responsável se encontram cumprindo pena privativa de
liberdade em unidade do Sistema Penitenciário.

Justificativa: Registra-se, contudo, que o acolhimento é uma medida excepcional, devendo-se, portanto,
ser realizada uma avaliação criteriosa, denominada “Estudo diagnóstico prévio” (Orientações Técnicas, 2009, p. 29),
para que sejam mapeados, inclusive, os “vínculos significativos na família extensa e análise da rede social de apoio da
criança ou adolescente e de sua família (família extensa, amigos, vizinhos, padrinhos, instituições, etc.)” (Orientações
Técnicas, 2009, p. 30). Tal mapeamento objetiva verificar a “existência de pessoas significativas da comunidade para
a criança ou adolescente que possam vir a acolhê-los, de forma segura, no caso de necessidade de afastamento da
família de origem.” (Orientações Técnicas, 2009, p. 31). Cabe enfatizar, ainda, que a Lei 12962/2014 promoveu alterações
no Estatuto da Criança e do Adolescente, no sentido de garantir a convivência da criança ou adolescente com a mãe
e/ou o pai privado (s) de liberdade. Deste modo, o parágrafo 4º do artigo 19 indica: “Será garantida a convivência
da criança e do adolescente com a mãe ou o pai privado de liberdade, por meio de visitas periódicas promovidas
pelo responsável ou, nas hipóteses de acolhimento institucional, pela entidade responsável, independentemente de
autorização judicial”. O parágrafo 2º do artigo 23 informa: “A condenação criminal do pai ou da mãe não implicará a
destituição do poder familiar, exceto na hipótese de condenação por crime doloso, sujeito à pena de reclusão, contra
o próprio filho ou filha.”
39 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

• Responsável impossibilitado de cuidar por motivo de doença (inclusive devido ao uso abusivo de
álcool e drogas)

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi acolhido sob a justificativa de que seus
pais ou responsável se encontram impossibilitados de realizar as ações de cuidado em função de situações de doença,
inclusive as decorrentes do uso abusivo de álcool e drogas. Ressalta-se que o Marco Legal da Primeira Infância (Lei
nº 13.257 de 2016) alterou o art. 19º do ECA, retirando deste a expressão “em ambiente livre da presença de pessoas
dependentes de substâncias entorpecentes”. Isso significa que a avaliação acerca da possibilidade dos pais e/ou
responsáveis com histórico de uso abusivo de álcool e drogas cuidarem de seus filhos vai demandar a análise acurada
de cada caso concreto. Registra-se que o acolhimento é uma medida excepcional, devendo-se, portanto, ser realizada
uma avaliação criteriosa, denominada “Estudo diagnóstico prévio” (Orientações Técnicas, 2009, p. 29), para que sejam
mapeados, inclusive, os “vínculos significativos na família extensa e análise da rede social de apoio da criança ou
adolescente e de sua família (família extensa, amigos, vizinhos, padrinhos, instituições, etc.)” (Orientações Técnicas,
2009, p. 30). Tal mapeamento objetiva verificar a “existência de pessoas significativas da comunidade para a criança
ou adolescente que possam vir a acolhê-los, de forma segura, no caso de necessidade de afastamento da família de
origem.” (Orientações Técnicas, 2009, p. 31)

• Risco de vida na comunidade

Conceito: Consiste nas situações em que o acolhimento se deu em função de situações nas quais se constata a
existência de riscos à integridade física da criança e do adolescente, decorrentes de conflitos no território de moradia.
Registra-se que tais situações devem ser avaliadas de modo a garantir que não impliquem na violação do direito à
convivência familiar e comunitária. O “Estudo diagnóstico prévio” é de suma importância neste contexto, e, caso este
não seja possível em função da gravidade da situação encontrada, deve ser realizado um acurado “Estudo diagnóstico
pós-acolhimento” num prazo de até 20 dias, “ a fim de avaliar a real necessidade da medida ou a possibilidade
imediata de retorno da criança ou adolescente ao convívio familiar” (Orientações Técnicas, 2009, p. 31). Frisa-se, ainda,
a necessidade de avaliação acerca da situação para se identificar se há perfil para inclusão no Programa de Proteção a
Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte no Estado do Rio de Janeiro(PPCAAM/RJ), observando-se os critérios e
fluxos constantes no Decreto Estadual N.º 44.043, de 21/01/2013.

• Situação de Rua:

Conceito: Crianças e adolescentes com direitos violados, que utilizam logradouros públicos, áreas degradadas
como espaço de moradia ou sobrevivência, de forma permanente e/ou intermitente, em situação de vulnerabilidade
e/ou risco pessoal e social pelo rompimento ou fragilidade do cuidado e dos vínculos familiares e comunitários,
prioritariamente situação de pobreza e/ou pobreza extrema, dificuldade de acesso e/ou permanência nas políticas
públicas, sendo caracterizados por sua heterogeneidade, como gênero, orientação sexual, identidade de gênero,
diversidade étnico-racial, religiosa, geracional, territorial, de nacionalidade, de posição política, deficiência, entre
40 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

outros. (Resolução Conjunta CNAS/CONANDA N.º 01, de 15/12/2016, artigo 1º).

• Transferência de outro serviço de acolhimento institucional

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente veio transferida de outro serviço de
acolhimento institucional.

São serviços de acolhimento institucional: Abrigo Institucional, Casa Lar e República.

As transferências para ou entre Famílias Acolhedoras têm tratamento próprio no MCA.

• Transferência de outro regime de atendimento

Conceito: Consiste nas situações em que o adolescente foi acolhido após ter sido atendido nos regimes de
atendimento de semiliberdade e internação vinculadas ao sistema socioeducativo.

Justificativa: Registra-se que, de acordo com o artigo 90 do Estatuto da Criança e do Adolescente, os programas
de proteção e socioeducativos se enquadram nos seguintes regimes: orientação e apoio sócio-familiar; apoio
socioeducativo em meio aberto; colocação familiar; acolhimento institucional; prestação de serviços à comunidade;
liberdade assistida; semiliberdade; e internação.

• Transferência de/para outra Família acolhedora

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi transferido de uma família acolhedora
para outra família acolhedora, ainda que ambas as famílias residam no mesmo território. Ressalta-se que o registro
dessa ocorrência deve fornecer informações sobre a família que passa a ser responsável pelo acolhimento da criança
ou adolescente (nome do (s) acolhedor (es), endereço, telefone, pólo/território a que está vinculado, etc.)

• Uso prejudicial de drogas ou álcool pela criança ou adolescente

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente está em situação de violação de direitos em
razão do uso prejudicial de drogas ou álcool.

Quantos aos motivos de desligamento: A partir de 2018 o motivo “Colocação em família substituta” foi
desmembrado em “Adoção”, Guarda ou Tutela para terceiros” e “Guarda ou Tutela para família extensa”.

Descritores dos motivos de desligamento.

• Adoção

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi desligado do serviço de acolhimento e
colocada (o) em família substituta por meio de adoção.

• Desligamento voluntário da família (dos abrigos de família)

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente se encontra acolhido (a) com seus pais ou
responsável e o grupo familiar se desliga voluntariamente do serviço de acolhimento.
41 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

• Emancipação

Conceito: Consiste nas situações em que o adolescente é habilitado para a prática de todos os atos da vida civil
em idade inferior aos 18 (dezoito) anos completos.

Justificativa: De acordo com o artigo 5º do Código Civil: “A menoridade cessa aos dezoito anos completos,
quando a pessoa fica habilitada à prática de todos os atos da vida civil. Parágrafo Único. Cessará, para os menores,
a incapacidade: I-pela concessão dos pais, ou de um deles na falta do outro, mediante instrumento público,
independentemente de homologação judicial, ou por sentença do juiz, ouvido o tutor, se o menor tiver dezesseis anos
completos; II - pelo casamento; III- pelo exercício de emprego público efetivo; IV- pela colação de grau em curso de
ensino superior; V- pelo estabelecimento civil ou comercial, ou pela existência de relação de emprego, desde que, em
função deles, o menor com dezesseis anos completos tenha economia própria.”

• Encerrramento das atividades do serviço de acolhimento

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente é desligado do serviço de acolhimento
institucional ou familiar em função do encerramento das atividades do programa.

• Evasão

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente deixa o serviço de acolhimento sem que
haja pactuação ou autorização.

Justificativa: Registra-se que, segundo as normativas nacionais, as regras estabelecidas junto aos acolhidos
devem ser “construídas em parceria(...), para que sejam cumpridas dentro de um consenso” . Destaca-se, ainda, que
a participação dos acolhidos na vida comunitária não pode se limitar às obrigações diárias e atividades esporádicas
de lazer em que não são garantidas condições efetivas de participação no cotidiano da comunidade (conversas
com os colegas da escola na hora da saída, atividades de lazer, etc.) . Ao mesmo tempo, a ocorrência de situações de
evasão denota a necessidade de desenvolvimento de um trabalho consistente e integrado, que engloba a construção
e execução de um projeto político-pedagógico alinhado aos objetivos do acolhimento, a construção e execução
de planos de atendimento que possam garantir a individualidade, autonomia e independência dos acolhidos no
delineamento de seus projetos de vida, bem como ações de formação continuada e permanente da equipe do serviço,
e de fortalecimento da atuação em rede nos territórios. (Lemos, A.G.A.; Moraes, M.C.M.B; Alves, D.G.; Halpern, E.E.; Leite,
L.C. (2014). Evasão nas unidades de acolhimento: discutindo seus significados. Psicologia & Sociedade, 26 (3), 594-602).

• Guarda ou tutela para família extensa

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi desligado do serviço de acolhimento
e colocada (o) em família substituta por meio de guarda concedida à família extensa (pessoas com as quais mantém
vínculos consangüíneos ou de parentesco, tais como tios, avós, irmãos, primos, etc.)

• Guarda ou Tutela para terceiros


42 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi desligado do serviço de acolhimento e
colocada (o) em família substituta por meio guarda concedida a pessoas com as quais não tem vínculos consangüíneos
ou de parentesco.

• Maioridade

Conceito: Consiste nas situações em que o adolescente é desligado do serviço de acolhimento ao completar
a maioridade civil aos 18 anos.

Justificativa: De acordo com o artigo 5º do Código Civil (Lei 10.406/2002) “a menoridade cessa aos 18 anos
completos, quando a pessoa fica habilitada à prática de todos os atos da vida civil”. Registra-se que, de acordo
com as normativas nacionais, o atendimento de adolescentes “deve favorecer a construção de projetos de vida e o
fortalecimento do protagonismo, desenvolvendo gradativamente a capacidade do adolescente responsabilizar-se por
suas ações e escolhas. Visando apoiar os adolescentes acolhidos após o alcance da maioridade, devem ser organizados
serviços de acolhimento em Repúblicas, como uma forma de transição entre o serviço de acolhimento para crianças e
adolescentes e a aquisição da autonomia.” (Orientações Técnicas, 2009, p. 59).

• Óbito

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente vem a óbito durante o período de
acolhimento.

• Recambiamento ao Município de Origem

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente proveniente de outro município do Estado
do Rio de Janeiro foi desligada (o) do serviço de acolhimento para retornar ao convívio familiar e comunitário em seu
município de origem.

• Recambiamento para o Estado de Origem

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente proveniente de outros estados do país foi
desligada (o) do serviço de acolhimento para retornar ao convívio familiar e comunitário em seu estado de origem.

• Reintegração aos genitores.

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi desligado do serviço de acolhimento
para voltar ao convívio familiar e comunitário sob a responsabilidade de sua mãe e/ou de seu pai.

• Retirada da instituição sem ordem judicial

Conceito: Consiste nas situações em que o pai ou responsável retira a criança ou adolescente do serviço de
acolhimento antes da autorização judicial.

• Transferência para outro serviço de acolhimento institucional

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi transferida para outro serviço de
43 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

acolhimento institucional.

São serviços de acolhimento institucional: Abrigo Institucional, Casa Lar e República.

As transferências para ou entre Famílias Acolhedoras têm tratamento próprio no MCA.

• Transferência para outro regime de atendimento

Conceito: Consiste nas situações em que o adolescente foi desligado do serviço de acolhimento e imediatamente
encaminhado para os regimes de atendimento de semiliberdade e internação vinculadas ao sistema socioeducativo.

Justificativa: Registra-se que, de acordo com o artigo 90 do Estatuto da Criança e do Adolescente, os programas
de proteção e socioeducativos se enquadram nos seguintes regimes: orientação e apoio sócio-familiar; apoio
socioeducativo em meio aberto; colocação familiar; acolhimento institucional; prestação de serviços à comunidade;
liberdade assistida; semiliberdade; e internação.

• Transferência de/para outra Família acolhedora

Conceito: Consiste nas situações em que a criança ou adolescente foi transferido de uma família acolhedora
para outra família acolhedora, ainda que ambas as famílias residam no mesmo território. Ressalta-se que o registro
dessa ocorrência deve fornecer informações sobre a família que passa a ser responsável pelo acolhimento da criança
ou adolescente (nome do (s) acolhedor (es), endereço, telefone, pólo/território a que está vinculado, etc.)
7. CENSO ESTADUAL
45 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2


número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Município de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
Rio de Janeiro 44 437 33,16 64 4,86 12 210

Campos dos Goytacazes 9 98 7,44 21 1,59 0 45

Nova Iguaçu 8 60 4,55 11 0,83 0 38

São Gonçalo 5 51 3,87 7 0,53 7 41

Niterói 7 44 3,34 8 0,61 0 32

Duque de Caxias 7 30 2,28 7 0,53 4 26

Queimados 2 24 1,82 1 0,08 0 17

Belford Roxo 3 23 1,75 2 0,15 1 17

Volta Redonda 4 22 1,67 2 0,15 0 6

São João de Meriti 3 22 1,67 1 0,08 1 17

Magé 1 22 1,67 3 0,23 0 7

Guapimirim 2 19 1,44 0 0,00 0 4

Petrópolis 4 17 1,29 0 0,00 0 8

Angra dos Reis 1 17 1,29 1 0,08 0 11

Resende 3 15 1,14 0 0,00 0 6

Araruama 2 15 1,14 0 0,00 0 13

Nilópolis 2 14 1,06 0 0,00 0 4

Seropédica 1 14 1,06 0 0,00 1 3

São Pedro da Aldeia 2 13 0,99 1 0,08 1 11

Barra Mansa 1 13 0,99 0 0,00 0 3

São Fidélis 1 13 0,99 0 0,00 0 1

Itaboraí 1 12 0,91 0 0,00 0 8

Barra do Piraí 2 11 0,83 1 0,08 0 7

Nova Friburgo 1 11 0,83 2 0,15 0 6

Paraty 1 11 0,83 0 0,00 0 5

Maricá 2 10 0,76 4 0,30 0 10

Mangaratiba 1 10 0,76 0 0,00 1 1

Paty do Alferes 1 10 0,76 0 0,00 0 2

Quissamã 1 10 0,76 1 0,08 0 1

Itaguaí 3 9 0,68 1 0,08 0 3

Carmo 2 9 0,68 1 0,08 0 4


Barra Mansa 1 13 0,99 0 0,00 0 3

São Fidélis 1 13 0,99 0 0,00 0 1

Itaboraí 1 12 0,91 0 0,00 0 8


46 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O
Barra do Piraí 2 11 0,83 1 0,08 0 7

Nova Friburgo 2 7 º C E N 1S O D A 11
P O P U L A0,83
Ç Ã O I N F2A N T O J0,15
U V E N I L 0 A C O L H6 I D A

Paraty 1 11 0,83 0 0,00 0 5


3 ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Maricá 2 10 0,76 4 0,30 0 10
número
Mangaratiba 1 número
10 de % de0,76c/a no aptos
0 à % aptos0,00 à Sem
1 Sem
1
Município de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
Paty do Alferes
entidades
2 7 º C E N 1S O D A 10
P O P U L A0,76
Ç Ã O I N F0 A N T O J0,00
U V E N I L0 A C O L H
2
IDA
Casimiro de Abreu 1 9 0,68 1 0,08 0 8
Quissamã 1 10 0,76 1 0,08 0 1
Macaé 3 3 8 0,61E S T A D1 O D O 0,08
R I O D E0 J A N E3I R O
Itaguaí 3 9 0,68 1 0,08 0 3
Itaperuna
Carmo número
1
2
8
9
0,61
0,68
0
1 à
0,00
0,08 à
0
0 4
1
número de % de c/a no aptos % aptos Sem Sem
Município de
Rio das Ostras
Teresópolis
1
2 c/a
8
9 Estado
0,61
0,68 adoção
1
1 adoção
0,08
0,08 RCN
0
0 Visita
6
8
entidades
Saquarema 1 8 0,61 2 0,15 0 5
Casimiro de Abreu 1 9 0,68 1 0,08 0 8
Data de referência: 30/06/2021
Cabo Frio 2 7 0,53 0 0,00 0 2
Macaé 3 8 0,61 1 0,08 0 3
Paraíba do Sul 2 7 0,53 3 0,23 0 2
Itaperuna 1 8 0,61 0 0,00 0 1
Cardoso Moreira 1 7 0,53 1 0,08 0 5
Rio das Ostras 1 8 0,61 1 0,08 0 6
Mendes 1 7 0,53 1 0,08 0 2
Saquarema 1 8 0,61 2 0,15 0 5
Mesquita 1 7 0,53 0 0,00 0 6
Cabo Frio 2 7 0,53 0 0,00 0 2
Miracema 1 7 0,53 0 0,00 0 2
Paraíba do Sul 2 7 0,53 3 0,23 0 2
Pinheiral 1 7 0,53 0 0,00 0 2
Cardoso Moreira 1 7 0,53 1 0,08 0 5
Rio das Flores 1 7 0,53 0 0,00 0 3
Mendes 1 7 0,53 1 0,08 0 2
Sumidouro 1 7 0,53 0 0,00 0 2
Mesquita 1 7 0,53 0 0,00 0 6
Bom Jesus do Itabapoana 1 6 0,46 0 0,00 0 2
Miracema 1 7 0,53 0 0,00 0 2
Rio Bonito 1 6 0,46 1 0,08 0 5
Pinheiral 1 7 0,53 0 0,00 0 2
São Francisco de Itabapoana 1 6 0,46 0 0,00 0 4
Rio das Flores 1 7 0,53 0 0,00 0 3
Sapucaia 1 6 0,46 0 0,00 0 5
Sumidouro 1 7 0,53 0 0,00 0 2
Porciúncula 2 5 0,38 0 0,00 0 4
Bom Jesus do Itabapoana 1 6 0,46 0 0,00 0 2
Armação dos Búzios 1 5 0,38 0 0,00 0 3
Rio Bonito 1 6 0,46 1 0,08 0 5
Cachoeiras de Macacu 1 5 0,38 0 0,00 0 2
São Francisco de Itabapoana 1 6 0,46 0 0,00 0 4
Cantagalo 1 5 0,38 0 0,00 0 0
Sapucaia 1 6 0,46 0 0,00 0 5
Miguel Pereira 1 5 0,38 0 0,00 0 1
Porciúncula 2 5 0,38 0 0,00 0 4
Piraí 1 5 0,38 0 0,00 0 2
Armação dos Búzios 1 5 0,38 0 0,00 0 3
Santa Maria Madalena 1 5 0,38 0 0,00 0 4
Cachoeiras de Macacu 1 5 0,38 0 0,00 0 2
Silva Jardim 2 4 0,30 0 0,00 0 2
Cantagalo 1 5 0,38 0 0,00 0 0
Carapebus 1 4 0,30 1 0,08 0 0
Miguel Pereira 1 5 0,38 0 0,00 0 1
Japeri 1 4 0,30 0 0,00 0 2
Piraí 1 5 0,38 0 0,00 0 2
Macuco 1 4 0,30 0 0,00 0 1
Santa Maria Madalena 1 5 0,38 0 0,00 0 4
Três Rios 1 4 0,30 0 0,00 0 4
Silva Jardim 2 4 0,30 0 0,00 0 2
Cambuci 1 3 0,23 0 0,00 0 1
São Francisco de Itabapoana 1 6 0,46 0 0,00 0 4

Sapucaia 1 6 0,46 0 0,00 0 5

Porciúncula 47 C E N S O D A 2
P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O 5J U V E N I L A 0,38
C O L H I D A N 0
O E S T A D O0,00
D O R I O D E0 J A N E I R O4

Armação dos Búzios 2 7 º C E N 1S O D A P5 O P U L A0,38


Ç Ã O I N F0A N T O J0,00
U V E N I L 0 A C O L H3 I D A
Cachoeiras de Macacu 1 5 0,38 0 0,00 0 2
3 ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Cantagalo 1 5 0,38 0 0,00 0 0
número
Miguel Pereira 1 número
5 de % de0,38
c/a no aptos
0 à % aptos
0,00 à Sem
0 Sem
1
Município de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
Piraí entidades
1 5 0,38 0 0,00 0 2

Casimiro de Abreu
Santa Maria Madalena 11 95 0,68
0,38 10 0,08
0,00 00 84

Macaé
Silva Jardim 32 84 0,61
0,30 10 0,08
0,00 00 32

Itaperuna
Carapebus 11 84 0,61
0,30 01 0,00
0,08 00 10

Rio das Ostras 1 8 0,61 1 0,08 00 62


2Japeri
7 º C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O 1 I N F A N T4 O J U V E 0,30
N I L A C O0L H I D A 0,00
Saquarema
Macuco 11 84 0,61
0,30 20 0,15
0,00 00 51
ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4
Cabo Frio
Três Rios 21 74 0,53
0,30 00 0,00
0,00 00 24

Paraíba
Cambucido Sul número
21 73 0,53 30 0,23 0 2
número de % de0,23
c/a no aptos à 0,00 à
% aptos 0
Sem Sem1
Município de
Cardoso Moreira 11 c/a
73 Estado
0,53 adoção
10 adoção
0,08 RCN
00 Visita
51
Conceição de Macabu entidades 0,23 0,00

Mendes
Engenheiro Paulo de Frontin 1
1 7
3 0,53
0,23 1
3 0,08
0,23 0
0 2
0
Data de referência: 30/06/2021
Mesquita
Itatiaia 1
1 7
3 0,53
0,23 0
0 0,00
0,00 0
0 6
0

Miracema
Rio Claro 1
1 7
3 0,53
0,23 0
0 0,00
0,00 0
0 2
0

Pinheiral
Santo Antônio de Pádua 1
1 7
3 0,53
0,23 0
0 0,00
0,00 0
0 2
1

Rio
Sãodas Flores
João da Barra 1
1 7
3 0,53
0,23 0
1 0,00
0,08 0
0 3
2

Sumidouro
Valença 1
1 7
3 0,53
0,23 0
1 0,00
0,08 0
0 2
1

Bom Jesus do Itabapoana


Itaocara 1
1 6
2 0,46
0,15 0
0 0,00
0,00 0
0 2
2

Rio Bonito
Porto Real 1
1 6
2 0,46
0,15 1
1 0,08
0,08 0
0 5
1

São
São Francisco
Sebastião de
do Itabapoana
Alto 1
1 6
2 0,46
0,15 0
0 0,00
0,00 0
0 4
2

Sapucaia
Trajano de Moraes 1
1 6
2 0,46
0,15 0
1 0,00
0,08 0
0 5
0

Porciúncula
Vassouras 2
1 5
2 0,38
0,15 0
1 0,00
0,08 0
0 4
2

Armação
Varre-Sai dos Búzios 1
2 5
1 0,38
0,08 0
0 0,00
0,00 0
0 3
0

Cachoeiras
Aperibé de Macacu 1
1 5
1 0,38
0,08 0
1 0,00
0,08 0
0 2
1

Cantagalo
Bom Jardim 1
1 5
1 0,38
0,08 0
0 0,00
0,00 0
0 0
0

Miguel Pereira
Cordeiro 1
1 5
1 0,38
0,08 0
0 0,00
0,00 0
0 1
0

Piraí
Duas Barras 1
1 5
1 0,38
0,08 0
0 0,00
0,00 0
0 2
1

Santa Maria Madalena


Paracambi 1
1 5
1 0,38
0,08 0
0 0,00
0,00 0
0 4
1

Silva Jardim
Natividade 2
2 4
0 0,30
0,00 0
0 0,00
0,00 0
0 2
0

Carapebus
Arraial do Cabo 1
1 4
0 0,30
0,00 1
0 0,08
0,00 0
0 0
0

Japeri
Laje do Muriaé 1
1 4
0 0,30
0,00 0
0 0,00
0,00 0
0 2
0

Macuco 1 4 0,30 0 0,00 0 1


Distribuição percentual da população infantojuvenil acolhida no Estado do Rio de Janeiro
Três Rios 1 4 0,30 0 0,00 0 4
maiores incidências.
Cambuci 1 3 0,23 0 0,00 0 1
Cordeiro 1 1 0,08 0 0,00 0 0

Duas Barras 1 1 0,08 0 0,00 0 1

Paracambi 1 1 0,08 0 0,00 0 1

Natividade 48 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O
2 I N F A N T O 0J U V E N I L A0,00
C O L H I D A N0
O E S T A D O0,00
D O R I O D 0
E J A N E I R O0

Arraial do Cabo 1 0 0,00 0 0,00 0 0

Laje do Muriaé 1 0 0,00 0 0,00 0 0

Distribuição percentual da população infantojuvenil acolhida no Estado do Rio de Janeiro


maiores incidências.

Data de referência: 30/06/2021


49 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Relação entre a população infantojuvenil acolhida e o nº de habitantes do Município.


Legendas
População Número de habitantes do município
c/a acolhidos x 10.000 hab Número de c/a acolhidos do município para cada 10.000 habitantes
c/a acolhidos do município Número de c/a acolhidos de atribuição do município, acolhidos ou não no município
c/a acolhidos no município Número de c/a acolhidos em entidades do município, independentemente da sua origem
c/a acolhidos no próprio município Número de c/a acolhidos em entidades do município, de atribuição do próprio município (munícipes)
c/a acolhidos de outro município Número de c/a acolhidos de atribuição de outro município, acolhidos em entidades do município
c/a acolhidos em outro município Número de c/a acolhidos de atribuição do município, acolhidos em entidades de outro município

c/a c/a c/a


c/a acolhidos
c/a acolhidos c/a acolhidos acolhidos acolhidos acolhidos
Município População
x 10.000 hab do município no
no próprio
de outro em outro
município
município município município

Rio das Flores 8.561 7,009 6 7 6 1 0

São Sebastião do Alto 7.003 5,712 4 2 1 1 3

Sumidouro 14.900 5,369 8 7 7 0 1

Santa Maria Madalena 10.321 4,844 5 5 5 0 0

Carmo 17.434 4,589 8 9 8 1 0

Paty do Alferes 26.359 4,173 11 10 10 0 1

Guapimirim 51.483 3,885 20 19 19 0 1

São Fidélis 37.543 3,729 14 13 13 0 1

Sapucaia 17.525 3,424 6 6 6 0 0

Mendes 17.935 3,345 6 7 6 1 0

Mangaratiba 36.456 3,292 12 10 10 0 2

Cardoso Moreira 12.600 3,175 4 7 4 3 0

Pinheiral 22.719 3,081 7 7 7 0 0

Cantagalo 19.830 3,026 6 5 5 0 1

Carapebus 13.359 2,994 4 4 4 0 0

Quissamã 20.242 2,964 6 10 6 4 0

Paraty 37.533 2,931 11 11 11 0 0

Porciúncula 17.760 2,815 5 5 5 0 0

Miguel Pereira 24.642 2,435 6 5 5 0 1

Engenheiro Paulo de Frontin 13.237 2,266 3 3 3 0 0

Miracema 26.843 2,235 6 7 6 1 0

Campos dos Goytacazes 463.731 2,049 95 98 91 7 4

Cambuci 14.827 2,023 3 3 3 0 0

Casimiro de Abreu 35.347 1,980 7 9 7 2 0


Carapebus 13.359 2,994 4 4 4 0 0

Quissamã 20.242 2,964 6 10 6 4 0

Paraty 50 C E N S O D A 37.533
P O P U L A Ç Ã O I N F A N T2,931
O J U V E N I L A 11
C O L H I D A N11
O E S T A D O 11D O R I O D 0
E J A N E I R O0

Porciúncula 2 7 º C E17.760
N S O D A 2,815
P O P U L A Ç5 Ã O I N F5A N T O J U
5 V E N I L0 A C O L H
0IDA

Miguel Pereira 24.642 2,435 6


3 E S T A D5O D O R
5
I O D E0 J A N E 1I R O
Engenheiro Paulo de Frontin 13.237 2,266 3 3 3 0 0
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Município
Miracema de
26.843 2,235 6 7 6 1 0
à O I N F A N c/a
2 7 º C E N S O D A P O P U L A Çentidades T O J U V Estado
E N I L A Cadoção
O L H I D adoção
A RCN Visita
Campos dos Goytacazes 463.731 2,049 95 98 91 7 4
ECasimiro
S T AdeDAbreu
O D O R I O D E J A N E1 I R O 9 0,68 1 0,08 0 8
6
Cambuci 14.827 2,023 3 3 3 0 0
Macaé 3 8 0,61 1 0,08 0 3
c/a c/a c/a
Casimiro de Abreu 35.347 1,980 7 9 c/a acolhidos
7 2 0
c/a acolhidos c/a acolhidos acolhidos acolhidos acolhidos
Município
Itaperuna População
1 8 0,61
x 10.000 hab do município
0
no
0,00
no próprio 0
de outro
1
em outro
Trajano de Moraes 10.289 1,944 2 2 município
2 0 0
município município município
Rio das Ostras 1 8 0,61 1 0,08 0 6
Piraí 26.314 1,900 5 5 5 0 0
Saquarema 1 8 0,61 2 0,15 0 5
Data de referência: 30/06/2021
Macuco 5.269 1,898 1 4 1 3 0
Cabo Frio 2 7 0,53 0 0,00 0 2
Silva Jardim 21.349 1,874 4 4 4 0 0
Paraíba do Sul 2 7 0,53 3 0,23 0 2
Seropédica 78.186 1,791 14 14 14 0 0
Cardoso Moreira 1 7 0,53 1 0,08 0 5

Rio Claro
Mendes 17.425
1 1,722
7 3
0,53 31 3
0,08 00 02

Paraíba
Mesquitado Sul 41.084
1 1,704
7 7
0,53 70 7
0,00 00 06

Bom Jesus do Itabapoana


Miracema 35.411
1 1,694
7 6
0,53 60 6
0,00 0 02

São Francisco de Itabapoana


Pinheiral 41.354
1 1,693
7 7
0,53 60 6
0,00 0 12

Rio das Flores


Queimados 1
137.962 7
1,667 0,53
23 0
24 0,00
23 10 03

Sumidouro
Italva 1
14.063 7
1,422 0,53
2 00 0,00
0 00 22

Bom Jesusde
Conceição doMacabu
Itabapoana 1
21.211 6
1,414 0,46
3 30 0,00
3 00 02

Rio Bonito
Saquarema 1
74.234 6
1,347 0,46
10 81 0,08
8 00 25

São Francisco de Itabapoana 1 6 0,46 0 0,00 0 4


Araruama 112.008 1,339 15 15 15 0 0
Sapucaia 1 6 0,46 0 0,00 0 5
São João da Barra 32.747 1,221 4 3 2 1 2
Porciúncula 2 5 0,38 0 0,00 0 4
Porto Real 16.592 1,205 2 2 2 0 0
Armação dos Búzios 1 5 0,38 0 0,00 0 3
Resende 119.769 1,085 13 15 12 3 1
Cachoeiras de Macacu 1 5 0,38 0 0,00 0 2
Arraial do Cabo 27.715 1,082 3 0 0 0 3
Cantagalo 1 5 0,38 0 0,00 0 0
Angra dos Reis 169.511 1,062 18 17 17 0 1
Miguel Pereira 1 5 0,38 0 0,00 0 1
Barra do Piraí 94.778 1,055 10 11 10 1 0
Piraí 1 5 0,38 0 0,00 0 2
Varre-Sai 9.475 1,055 1 1 1 0 0
Santa Maria Madalena 1 5 0,38 0 0,00 0 4
Itatiaia 28.783 1,042 3 3 3 0 0
Silva Jardim 2 4 0,30 0 0,00 0 2
São Pedro da Aldeia 87.875 1,024 9 13 9 4 0
Carapebus 1 4 0,30 1 0,08 0 0
Aperibé 10.213 0,979 1 1 1 0 0
Japeri 1 4 0,30 0 0,00 0 2
Magé 227.322 0,968 22 22 22 0 0
Macuco 1 4 0,30 0 0,00 0 1

Rio
Trêsdas Ostras
Rios 105.676
1 0,946
4 10
0,30 80 8
0,00 00 24

Itaperuna
Cambuci 95.841
1 0,939
3 9
0,23 80 8
0,00 00 11
Arraial do Cabo 27.715 1,082 3 0 0 0 3

Angra dos Reis 169.511 1,062 18 17 17 0 1

Barra do Piraí 94.778 1,055 10 11 10 1 0


51 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O
Varre-Sai 9.475 1,055 1 1 1 0 0
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Itatiaia 28.783 1,042 3 3 3 0 0

São Pedro da Aldeia 3 87.875 1,024 9


E S T A D13O D O R
9
I O D E4 J A N E 0I R O

Aperibé número
10.213 0,979 1 1 1 0 0
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Município de
Magé 227.322 c/a
0,968 Estado
22 adoção
22 adoção
22 RCN
0 Visita
0
entidades
Rio das Ostras
Casimiro de Abreu 105.676
1 0,946
9 10
0,68 8
1 8
0,08 0 2
8

Itaperuna
Macaé 95.841
3 0,939
8 9
0,61 8
1 8
0,08 0 1
3
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Itaperuna
Duas Barras 1
10.930 8
0,915 0,61
1 0
1 0,00
1 0 1
0

Rio das Ostras


Nilópolis 7 1
157.425 8
0,889
E
0,61
14
S T A D14
1O D O 0,08
R I O D E00 J A N E60I R O
14

Saquarema 1 8 0,61 c/a


2 0,15 c/a
0 c/a
5
Itaocara 22.899 0,873 2 2 2
c/a acolhidos 0 0
c/a acolhidos c/a acolhidos acolhidos acolhidos acolhidos
Município População
x 10.000
no próprio
Cabo Frio
Volta Redonda 2
257.803 7 hab do município
0,853 0,53
22
no
0
22 0,00
município
21
de outro
0
1
em outro
2
1
município município município
Paraíba do Sul 2 7 0,53 3 0,23 0 2
Santo Antônio de Pádua 40.589 0,739 3 3 3 0 0
Cardoso Moreira 1 7 0,53 1 0,08 0 5
Niterói
Data de referência: 30/06/2021 487.562 0,738 36 44 35 9 1
Mendes 1 7 0,53 1 0,08 0 2
Cachoeiras de Macacu 54.273 0,737 4 5 4 1 0
Mesquita 1 7 0,53 0 0,00 0 6
Nova Iguaçu 796.257 0,728 58 60 53 7 5
Miracema 1 7 0,53 0 0,00 0 2
Rio Bonito 55.551 0,720 4 6 3 3 1
Pinheiral 1 7 0,53 0 0,00 0 2
Maricá 127.461 0,706 9 10 9 1 0
Rio das Flores 1 7 0,53 0 0,00 0 3
Rio de Janeiro 6.320.446 0,688 435 437 417 20 18
Sumidouro 1 7 0,53 0 0,00 0 2
Nova Friburgo 182.082 0,659 12 11 11 0 1
Bom Jesus do Itabapoana 1 6 0,46 0 0,00 0 2
Tanguá 30.732 0,651 2 0 0 0 2
Rio Bonito 1 6 0,46 1 0,08 0 5
Itaguaí 109.091 0,642 7 9 7 2 0
São Francisco de Itabapoana 1 6 0,46 0 0,00 0 4
Japeri 95.492 0,628 6 4 4 0 2
Sapucaia 1 6 0,46 0 0,00 0 5

Barra Mansa
Porciúncula 177.813
2 0,619
5 11
0,38 13
0 11
0,00 2
0 0
4

Itaboraí dos Búzios


Armação 218.008
1 0,596
5 13
0,38 12
0 11
0,00 1
0 2
3

Vassouras de Macacu
Cachoeiras 34.410
1 0,581
5 2
0,38 2
0 2
0,00 0 0
2

Belford Roxo
Cantagalo 469.332
1 0,554
5 26
0,38 23
0 23
0,00 0 3
0

Miguel Pereira
Teresópolis 1
163.746 5
0,550 0,38
9 0
9 0,00
9 0 1
0

Piraí
São João de Meriti 1
458.673 5
0,545 0,38
25 0
22 0,00
21 0
1 2
4

Santa Maria Madalena


Petrópolis 1
295.917 5
0,541 0,38
16 0
17 0,00
16 0
1 4
0

Silva Jardim
Mesquita 2
168.376 4
0,535 0,30
9 0
7 0,00
2 0
5 2
7

Carapebus 1 4 0,30 1 0,08 0 0


São Gonçalo 999.728 0,520 52 51 49 2 3
Japeri 1 4 0,30 0 0,00 0 2
Três Rios 77.432 0,517 4 4 4 0 0
Macuco 1 4 0,30 0 0,00 0 1
Cordeiro 20.430 0,489 1 1 1 0 0
Três Rios 1 4 0,30 0 0,00 0 4
Macaé 206.728 0,484 10 8 8 0 2
Cambuci 1 3 0,23 0 0,00 0 1
Duque de Caxias 855.048 0,468 40 30 28 2 12
Vassouras 34.410 0,581 2 2 2 0 0

Belford Roxo 469.332 0,554 26 23 23 0 3

Teresópolis
52 C E N S O D A
163.746
P O P U L A Ç Ã O
0,550
I N F A N T O J U V E N I L
9
A C O L H I D A
9
N O E S T A D O
9
D O R I O
0
D E
0
J A N E I R O

São João de Meriti


2 7 º C E458.673
N S O D A 0,545
P O P U L A 25
Ç Ã O I N F22A N T O J 21
U V E N I L 1 A C O L H4 I D A
Petrópolis 295.917 0,541 16 17 16 1 0
3 ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Mesquita 168.376 0,535 9 7 2 5 7
número
São Gonçalo 999.728 número
0,520 de % de52
c/a no aptos
51 à % aptos
49 à Sem
2 Sem
3
Município de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
Três Rios entidades
77.432 0,517 4 4 4 0 0

Casimiro de Abreu 1 9 0,68 1 0,08 0 8


Cordeiro 20.430 0,489 1 1 1 0 0
Macaé 3 8 0,61 1 0,08 0 3
Macaé 206.728 0,484 10 8 8 0 2
Itaperuna 1 8 0,61 0 0,00 0 1
Duque de Caxias 855.048 0,468 40 30 28 2 12
Rio das Ostras 1 8 0,61 1 0,08 0 6
Iguaba Grande 22.851 0,438 1 0 0 0 1
Saquarema 1 8 0,61 2 0,15 0 5
Paracambi 47.124 0,424 2 1 1 0 1
2Cabo
7 º Frio
CENS O DA POPUL A Ç Ã O 2 I N F A N T7 O J U V E 0,53
N I L A C O0L H I D A 0,00 0 2
Valença 71.843 0,418 3 3 3 0 0
Paraíba do Sul 2 7 0,53 3 0,23 0 2
EBom
S Jardim
TADO DO RIO DE JAN E I R O 0,395
25.333 1 1 1 0 0 8
Cardoso Moreira 1 7 0,53 1 0,08 0 5
Cabo Frio 186.227 0,376 7 c/a
7 7 c/a
0 c/a
0
c/a acolhidos
Mendes 1 c/a acolhidos
7 c/a acolhidos
0,53 acolhidos
1 0,08 acolhidos
0 acolhidos
2
Município População
x 10.000 hab do município no
no próprio
de outro em outro
Armação dos Búzios 27.560 0,363 1 5 1
município 4 0
Mesquita 1 7 0,53 município
0 0,00 município
0 município
6

Areal
Miracema 11.423
1 0,000
7 0
0,53 0
0 0
0,00 0
0 0
2
Data de referência:
Comendador 30/06/2021
Levy Gasparian 8.180 0,000 0 0 0 0 0
Pinheiral 1 7 0,53 0 0,00 0 2

Laje do Muriaé
Rio das Flores 7.487
1 0,000
7 0
0,53 0
0 0
0,00 0
0 0
3

Natividade
Sumidouro 15.082
1 0,000
7 0
0,53 0 0
0,00 0 0
2

Bom Jesus do Itabapoana


Quatis 1
12.793 6
0,000 0,46
0 0 0,00
0 0 2
0

Rio Bonito
São José de Ubá 1
7.003 6
0,000 0,46
0 1
0 0,08
0 0 5
0

São José
São Francisco de Itabapoana
do Vale do Rio Preto 1
20.251 6
0,000 0,46
0 0
0 0,00
0 0
0 4
0

Sapucaia 1 6 0,46 0 0,00 0 5


Relação entre a população infantojuvenil acolhida e o nº de habitantes do Município –
Porciúncula 2 5 0,38 0 0,00 0 4
maiores incidências.
Armação dos Búzios 1 5 0,38 0 0,00 0 3

Cachoeiras de Macacu 1 5 0,38 0 0,00 0 2

Cantagalo 1 5 0,38 0 0,00 0 0

Miguel Pereira 1 5 0,38 0 0,00 0 1

Piraí 1 5 0,38 0 0,00 0 2

Santa Maria Madalena 1 5 0,38 0 0,00 0 4

Silva Jardim 2 4 0,30 0 0,00 0 2

Carapebus 1 4 0,30 1 0,08 0 0

Japeri 1 4 0,30 0 0,00 0 2

Macuco 1 4 0,30 0 0,00 0 1

Três Rios 1 4 0,30 0 0,00 0 4

Cambuci 1 3 0,23 0 0,00 0 1


53 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Municípios que acolhem crianças e adolescentes de outros Municípios


Maiores incidências em números absolutos.
c/a c/a c/a
c/a acolhidos
c/a acolhidos c/a acolhidos acolhidos acolhidos acolhidos
Município População
x 10.000 hab do município no
no próprio
de outro em outro
município
município município município

Rio de Janeiro 6.320.446 4,58 435 437 417 20 18

Niterói 487.562 20,45 36 44 35 9 1

Nova Iguaçu 796.257 11,67 58 60 53 7 5

Campos dos Goytacazes 463.731 7,14 95 98 91 7 4

Mesquita 168.376 71,43 9 7 2 5 7

Armação dos Búzios 27.560 80,00 1 5 1 4 0

Quissamã 20.242 40,00 6 10 6 4 0

São Pedro da Aldeia 87.875 30,77 9 13 9 4 0

Municípios que acolhem crianças e adolescentes de outros Municípios


Maiores incidências em números percentuais.
% de c/a c/a c/a c/a
c/a acolhidos
acolhidos de c/a acolhidos acolhidos acolhidos acolhidos
Município População
outro do município no
no próprio
de outro em outro
município
município município município município

Armação dos Búzios 27.560 80,00 1 5 1 4 0

Macuco 5.269 75,00 1 4 1 3 0

Mesquita 168.376 71,43 9 7 2 5 7

Rio Bonito 55.551 50,00 4 6 3 3 1

São Sebastião do Alto 7.003 50,00 4 2 1 1 3

Cardoso Moreira 12.600 42,86 4 7 4 3 0

Quissamã 20.242 40,00 6 10 6 4 0

São João da Barra 32.747 33,33 4 3 2 1 2


54 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 10


Municípios que acolhem crianças e adolescentes em outros Municípios
Maiores incidências em números absolutos.
c/a c/a c/a
c/a acolhidos
c/a acolhidos c/a acolhidos acolhidos acolhidos acolhidos
Município População
x 10.000 hab do município no
no próprio
de outro em outro
município
município município município

Rio de Janeiro 6.320.446 4,14 435 437 417 20 18

Duque de Caxias 855.048 30,00 40 30 28 2 12

Mesquita 168.376 77,78 9 7 2 5 7

Nova Iguaçu 796.257 8,62 58 60 53 7 5

São João de Meriti 458.673 16,00 25 22 21 1 4

Campos dos Goytacazes 463.731 4,21 95 98 91 7 4

Arraial do Cabo 27.715 100,00 3 0 0 0 3

São Sebastião do Alto 7.003 75,00 4 2 1 1 3

Municípios que acolhem crianças e adolescentes em outros Municípios


Maiores incidências em números percentuais.
% de c/a c/a c/a c/a
c/a acolhidos
acolhidos em c/a acolhidos acolhidos acolhidos acolhidos
Município População
outro do município no
no próprio
de outro em outro
município
município município município município

Arraial do Cabo 27.715 100,00 3 0 0 0 3

Italva 14.063 100,00 2 0 0 0 2

Tanguá 30.732 100,00 2 0 0 0 2

Iguaba Grande 22.851 100,00 1 0 0 0 1

Mesquita 168.376 77,78 9 7 2 5 7

São Sebastião do Alto 7.003 75,00 4 2 1 1 3

São João da Barra 32.747 50,00 4 3 2 1 2

Paracambi 47.124 50,00 2 1 1 0 1


55 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

11 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Distribuição da população infantojuvenil acolhida por Região


número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Todo o Estado de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
ESTADO DO RIO DE JANEIRO 189 1.318 100,00 161 12,22 28 681

número
número de % de c/a na aptos à % aptos à Sem Sem
Região de
c/a Região adoção adoção RCN Visita
entidades
Região Metropolitana 89 797 60,47 108 8,19 26 442

Região Norte Fluminense 19 147 11,15 23 1,75 0 60

Região do Médio Paraíba 17 85 6,45 5 0,38 0 26

Região das Baixadas Litorâneas 17 84 6,37 10 0,76 1 62

Região Serrana 18 74 5,61 5 0,38 0 37

Região da Costa Verde 6 48 3,64 2 0,15 1 20

Região Centro Sul Fluminense 9 45 3,41 7 0,53 0 20

Região Noroeste Fluminense 14 38 2,88 1 0,08 0 14

Distribuição percentual da população infantojuvenil acolhida no Estado do Rio de Janeiro


por Região, maiores incidências.
56 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 12


Relação entre a população infantojuvenil acolhida e o nº de habitantes da Região.
Legendas
População Número de habitantes da região
c/a acolhidos x 10.000 hab Número de c/a acolhidos da região para cada 10.000 habitantes
c/a acolhidos da região Número de c/a acolhidos de atribuição da região, acolhidos ou não na região
c/a acolhidos na região Número de c/a acolhidos em entidades da região, independentemente da sua origem
c/a acolhidos na própria região Número de c/a acolhidos em entidades da região, de atribuição da própria região.
c/a acolhidos de outra região Número de c/a acolhidos de atribuição de outra região, acolhidos em entidades da região
c/a acolhidos em outra região Número de c/a acolhidos de atribuição da região, acolhidos em entidades de outra região
c/a c/a
c/a c/a acolhidos
c/a acolhidos c/a acolhidos acolhidos acolhidos
Região População
x 10.000 hab da região
acolhidos na própria
de outra em outra
na região região
região região

Norte Fluminense 849.515 1,789 152 147 145 2 7

Centro Sul Fluminense 272.227 1,616 44 45 43 2 1

Costa Verde 352.591 1,333 47 48 47 1 0

Noroeste Fluminense 317.493 1,134 36 38 35 3 1

Médio Paraíba 855.193 1,064 91 85 85 0 6

Baixadas Litorâneas 938.127 0,959 90 84 82 2 8

Serrana 803.735 0,921 74 74 73 1 1

Metropolitana 11.599.156 0,676 784 797 778 19 6

Relação entre a população infantojuvenil acolhida e o nº de habitantes da Região.


57 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

13 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes


acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

0a 6 426 32,32 206 220


7 a 11 295 22,38 121 174
12 a 15 377 28,60 189 188
16 a 18 220 16,69 90 130
Total 1.318 100,00 606 712

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


2
277 ºº C
CEEN
NSSO
O D
DC EA
AN SP
PO O
OD P UP OL
L PA
AU Ç ÃO I NN FF
FAA
AN N TO JU VL E
EA N I L AD C O LH I DA A
2 7 º C E 58
P
A U Ç
L AÃÇ O
à O I IN N
T OTJ O
U VJE U
N IV N
C OI LLH IA C
A O
N OL H
E SI TD A
D O D O R I O D E J A N E I R O
NSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
E
ESST
TAAD
DOO D
DOO R
R II O
O D
DEE JJ A
ANNE
E II R
ROO 14
ESTADO DO RIO DE JANEIRO 14
14
Cor/raça
Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.
Cor/raça e
e faixa
faixa etária
etária das
das crianças
crianças e
e adolescentes
adolescentes acolhidos.
acolhidos.
Faixa
Faixa Etária
Etária nº
nº de
de c/a
c/a %
% Branca
Branca Amarela
Amarela Preta
Preta Parda
Parda Raça
Raça Negra
Negra Indigena
Indigena Ignorado
Ignorado
Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
0
0a 6
a 6 426
426 32,32
32,32 106
106 3
3 94
94 220
220 314
314 0
0 3
3
0a 6 426 32,32 106 3 94 220 314 0 3
7
7a a 11
11 295
295 22,38
22,38 51
51 2
2 100
100 142
142 242
242 0
0 0
0
7 a 11 295 22,38 51 2 100 142 242 0 0
12
12 a 15
a 15 377
377 28,60
28,60 59
59 1
1 146
146 168
168 314
314 3
3 0
0
12 a 15 377 28,60 59 1 146 168 314 3 0
16
16 aa 18
18 220
220 16,69
16,69 41
41 0
0 77
77 101
101 178
178 1
1 0
0
16 a 18 220 16,69 41 0 77 101 178 1 0
Total
Total 1.318
1.318 100,00
100,00 257
257 6
6 417
417 631
631 1.048
1.048 4
4 3
3
Total 1.318 100,00 257 6 417 631 1.048 4 3
Distribuição
Distribuição das
das crianças
crianças e
e adolescentes
adolescentes acolhidos
acolhidos por
por cor/raça
cor/raça e
e faixa
faixa etária.
etária.
Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça
Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.
Cor/Raça e
e sexo
sexo das
das crianças
crianças e
e adolescentes
adolescentes acolhidos.
acolhidos.
Cor/raça
Cor/raça número de
número de c/a
c/a %
% feminino
feminino masculino
masculino
Cor/raça número de c/a % feminino masculino
Raça
Raça Negra
Negra 1048
1048 79,51
79,51 468
468 580
580
Raça Negra 1048 79,51 468 580
Parda
Parda 631
631 47,88
47,88 286
286 345
345
Parda 631 47,88 286 345
Preta
Preta 417
417 31,64
31,64 182
182 235
235
Preta 417 31,64 182 235
Branca
Branca 257
257 19,50
19,50 129
129 128
128
Branca 257 19,50 129 128
Amarela
Amarela 6
6 0,46
0,46 4
4 2
2
Amarela 6 0,46 4 2
Indígena
Indígena 4
4 0,30
0,30 2
2 2
2
Indígena 4 0,30 2 2
Ignorado
Ignorado 3
3 0,23
0,23 3
3 0
0
Ignorado 3 0,23 3 0
Total
Total 1.318
1.318 100,00
100,00 606
606 712
Total 1.318 100,00 606 712
712
Distribuição
Distribuição das
das crianças
crianças e
e adolescentes
adolescentes acolhidos
acolhidos por
por cor/raça
cor/raça e
e sexo.
sexo.
Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
59 15
C E N S O
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
ESTADO DO RIO DE JANEIRO
D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

15 2 7 º C E N S O D A P O P U L A Ç EÃ S
O TIAN D
FOA NDTOJR UVIO E NDI LE AJ CAONLEHI IRDO
A
Escolaridade
15 das crianças e adolescentesEacolhidos,
S T A D O por
D Ofaixa
R I Oetária.
DE JANEIRO
Escolaridade
15
Faixa etária
das crianças e%adolescentes
Estuda Eacolhidos,
Não Estuda STADO por faixaOetária.
% D O R I Total D E J A N E%I R O
Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.
Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
0 aetária
Faixa 6
Escolaridade 126crianças29,58
das
Estuda Não300
e%adolescentes 70,42
acolhidos,
Estuda 426
% por faixaTotal
etária. 100,00
%
0a 6 126 29,58 300 70,42 426 100,00
7
Faixa a 11
0 aetária
6 229
126
Estuda 77,63
29,58
% 66
Não300
Estuda 22,37
70,42
% 295
426
Total 100,00
100,00
%
7 a 11 229 77,63 66 22,37 295 100,00
12 a 15
70 aa 11
6 317
229
126 84,08
77,63
29,58 60
66
300 15,92
22,37
70,42 377
295
426 100,00
100,00
12 a 15 317 84,08 60 15,92 377 100,00
16
12 a 18
7 aa 11
15 177
317
229 80,45
84,08
77,63 43
60
66 19,55
15,92
22,37 220
377
295 100,00
100,00
16 a 18 177 80,45 43 19,55 220 100,00
Total
16
12 a 18
15 849
177
317 64,42
80,45
84,08 469
43
60 35,58
19,55
15,92 1.318
220
377 100,00
100,00
Total 849 64,42 469 35,58 1.318 100,00
16 a 18
Total 177 80,45 43 19,55 220
Faixas etárias (em 849 64,42
números) das crianças469 35,58
e adolescentes que não1.318
estudam. 100,00
Faixas
Total etárias (em 849
números) das
64,42crianças469
e adolescentes
35,58 que não1.318
estudam. 100,00
Faixas etárias (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.
Faixas etárias (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

Indicadores de cor/raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos que não estudam.
Indicadores de cor/raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos que não estudam.
Indicadores
Cor/Raça de cor/raça e sexo
número de c/a das crianças
% e adolescentes
feminino acolhidos
masculino que não estudam.
Cor/Raça
Indicadores número de c/a % feminino masculino que não estudam.
Raça Negrade cor/raça
Cor/Raça 354e sexo das75,48
crianças
número de c/a
e adolescentes
149 %
acolhidos
205
feminino masculino
Raça Negra 354 75,48 149 205
Parda
Cor/Raça
Raça Negra 230
número
354de c/a 49,04
%
75,48 99
feminino
149 131
masculino
205
Parda 230 49,04 99 131
Preta
Parda
Raça Negra 124
230
354 26,44
49,04
75,48 50
99
149 74
131
205
Preta 124 26,44 50 74
Branca
Preta
Parda 108
124
230 23,03
26,44
49,04 46
50
99 62
74
131
Branca 108 23,03 46 62
Amarela
Branca
Preta 3
108
124 0,64
23,03
26,44 3
46
50 0
62
74
Amarela 3 0,64 3 0
Ignorado
Amarela
Branca 3
3
108 0,64
0,64
23,03 3
3
46 0
0
62
Ignorado 3 0,64 3 0
Indígena
Ignorado
Amarela 1
3 0,21
0,64 0
3 1
0
Indígena 1 0,21 0 1
Total
Indígena
Ignorado 469
1
3 100,00
0,21
0,64 201
0
3 268
1
0
Total 469 100,00 201 268
Total
Indígena Cor/Raça
1 e sexo
469 das
0,21crianças e 201
100,00 adolescentes
0 1que não
268estudam.
Total
Cor/Raça e sexo das
469 e sexo das
crianças
100,00
e adolescentes que não estudam.
Cor/Raça crianças e 201
adolescentes268
que não estudam.
Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes que não estudam.

Data de referência: 30/06/2021


27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
60 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O
ESTADO DO RIO DE JANEIRO 16
ESTADO DO RIO DE JANEIRO 16
Dos indicadores de deficiência e saúde.
Dos indicadores de deficiência e saúde.
Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Apresentam deficiência número de c/a %
Sim 104 7,89
Sim 104 7,89
Não 1.214 92,11
Não 1.214 92,11
Total 1.318 100,00
Total 1.318 100,00

Detalhamento das crianças e adolescentes portadores de necessidades especiais.


Detalhamento das crianças e adolescentes portadores de necessidades especiais.
Categoria nº de c/a %
Categoria nº de c/a %
Deficiência mental 80 76,92
Deficiência mental 80 76,92
Deficiência múltipla 13 12,50
Deficiência múltipla 13 12,50
Deficiência física 8 7,69
Deficiência física 8 7,69
Deficiência auditiva/deficiência visual 3 2,88
Deficiência auditiva/deficiência visual 3 2,88
Total 104 100,00
Total 104 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.
Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Sim 426 32,32
Sim 426 32,32
Não 892 67,68
Não 892 67,68
Total 1.318 100,00
Total 1.318 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns.
Doenças mais comuns Incidência %
Doenças mais comuns Incidência %
Acompanhamento psicológico 174 32,22
Acompanhamento psicológico 174 32,22
Acompanhamento Psiquiátrico 119 22,04
Acompanhamento Psiquiátrico 119 22,04
Doenças Neurológicas 44 8,15
Doenças Neurológicas 44 8,15
Dificuldades fonoaudiológicas (tratamento fonoaudiológico) 27 5,00
Dificuldades fonoaudiológicas (tratamento fonoaudiológico) 27 5,00
Outras doenças 23 4,26
Outras doenças 23 4,26
Dificuldades psicomotoras (Tratamento fisioterápico) 22 4,07
Dificuldades psicomotoras (Tratamento fisioterápico) 22 4,07
Sífilis 16 2,96
Sífilis 16 2,96
Autismo 14 2,59
Autismo 14 2,59
Retardo mental 13 2,41
Retardo mental 13 2,41
Transtornos Mentais 10 1,85
Transtornos Mentais 10 1,85
Doenças Respiratórias 9 1,67
Doenças Respiratórias 9 1,67
Tratamento Oftalmológico 8 1,48
Tratamento Oftalmológico 8 1,48
Epilepsia 8 1,48
Epilepsia 8 1,48
Encefalopatia 5 0,93
Encefalopatia 5 0,93

Data de referência: 30/06/2021


61 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

17 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Doenças mais comuns Incidência %


HIV Positivo 5 0,93
Cardiopatias 5 0,93
Alergia 4 0,74
Microcefalia 3 0,56
DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis) 3 0,56
Diabetes 3 0,56
Doenças Dermatológicas 2 0,37
Dependência química (álcool ou drogas) 2 0,37
Desnutrição 2 0,37
Transtorno bipolar 2 0,37
Demência 2 0,37
Doenças do Aparelho Digestivo 2 0,37
Esquizofrenia 2 0,37
Exposto(a) ao HIV (ainda sem o diagnóstico definitivo) 2 0,37
Síndrome do Alcoolismo Fetal 2 0,37
Doença Renal 1 0,19
Câncer 1 0,19
Anemia 1 0,19
Hidrocefalia 1 0,19
Catarata 1 0,19
Hepatite C 1 0,19
Asma ou Bronquite 1 0,19
Total 540 100,00
62 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 18

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 482 36,57
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 166 12,59
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 146 11,08
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 243 18,44
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 98 7,44
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 64 4,86
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 94 7,13
Há mais de 10 anos 25 1,90
Total 1.318 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
63 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

19 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Negligência 487 36,95 228 259
Abandono pelos pais ou responsáveis 119 9,03 46 73
Situação de Rua 97 7,36 31 66
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
84 6,37 43 41
adolescente
Em razão de sua conduta 65 4,93 29 36
Transferência de outro regime de atendimento 53 4,02 22 31
Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 53 4,02 41 12
Responsável impossibilitado de cuidar por motivo de
49 3,72 23 26
doença
Guarda ou tutela para família extensa mal sucedida (a
45 3,41 27 18
partir de 2018)
Entrega voluntária 43 3,26 13 30
Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a partir de
37 2,81 16 21
2018)
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 34 2,58 24 10
Risco de vida na comunidade 32 2,43 4 28
Criança Acolhida com Genitora menor de 18 anos 24 1,82 11 13
Reintegração aos genitores mal sucedida (a partir de
21 1,59 10 11
2018)
Carência de recursos materiais da família ou
20 1,52 9 11
responsáveis
Conflitos no ambiente familiar (Desativado em 2018) 14 1,06 7 7
Devolução por tentativa de colocação familiar mal
14 1,06 9 5
sucedida (Desativado e Desmembrado em 2018)
Responsável cumprindo pena privativa de liberdade 6 0,46 3 3
Orfandade 6 0,46 3 3
Pais ou responsáveis dependentes químicos ou
5 0,38 1 4
alcoolistas (Desativado em 2018)
Transferência de/para outra Família acolhedora 4 0,30 3 1
Exploração do trabalho infantojuvenil pelos pais ou
2 0,15 1 1
responsáveis
Genitor(es) maior(es) de 18 anos abrigado(s) com o filho
2 0,15 1 1
(Abrigo de família)
Uso prejudicial de drogas ou álcool pela criança ou
2 0,15 1 1
adolescente
Total 1.318 100,00 606 712
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
64 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 20


Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).
Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 487 36,95 206 48,36 143 48,47 92 24,40 46 20,91

Abandono pelos pais ou responsáveis 119 9,03 52 12,21 18 6,10 25 6,63 24 10,91

Situação de Rua 97 7,36 16 3,76 17 5,76 37 9,81 27 12,27


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
84 6,37 20 4,69 21 7,12 30 7,96 13 5,91
adolescente
Em razão de sua conduta 65 4,93 0 0,00 5 1,69 27 7,16 33 15,00

Transferência de outro regime de atendimento 53 4,02 14 3,29 10 3,39 20 5,31 9 4,09

Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 53 4,02 13 3,05 11 3,73 22 5,84 7 3,18
Responsável impossibilitado de cuidar por motivo
49 3,72 26 6,10 4 1,36 13 3,45 6 2,73
de doença
Guarda ou tutela para família extensa mal
45 3,41 7 1,64 11 3,73 20 5,31 7 3,18
sucedida (a partir de 2018)
Entrega voluntária 43 3,26 19 4,46 11 3,73 8 2,12 5 2,27
Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a
37 2,81 5 1,17 10 3,39 20 5,31 2 0,91
partir de 2018)
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 34 2,58 7 1,64 15 5,08 10 2,65 2 0,91

Risco de vida na comunidade 32 2,43 1 0,23 2 0,68 16 4,24 13 5,91

Criança Acolhida com Genitora menor de 18 anos 24 1,82 24 5,63 0 0,00 0 0,00 0 0,00
Reintegração aos genitores mal sucedida (a partir
21 1,59 4 0,94 3 1,02 7 1,86 7 3,18
de 2018)
Carência de recursos materiais da família ou
20 1,52 8 1,88 6 2,03 5 1,33 1 0,45
responsáveis
Conflitos no ambiente familiar (Desativado em
14 1,06 0 0,00 2 0,68 7 1,86 5 2,27
2018)
Devolução por tentativa de colocação familiar mal
14 1,06 0 0,00 1 0,34 7 1,86 6 2,73
sucedida (Desativado e Desmembrado em 2018)
Responsável cumprindo pena privativa de
6 0,46 1 0,23 2 0,68 3 0,80 0 0,00
liberdade
Orfandade 6 0,46 0 0,00 1 0,34 4 1,06 1 0,45
Pais ou responsáveis dependentes químicos ou
5 0,38 0 0,00 1 0,34 1 0,27 3 1,36
alcoolistas (Desativado em 2018)
Transferência de/para outra Família acolhedora 4 0,30 1 0,23 0 0,00 2 0,53 1 0,45
Exploração do trabalho infantojuvenil pelos pais
2 0,15 0 0,00 1 0,34 1 0,27 0 0,00
ou responsáveis
Genitor(es) maior(es) de 18 anos abrigado(s) com
2 0,15 2 0,47 0 0,00 0 0,00 0 0,00
o filho (Abrigo de família)
Uso prejudicial de drogas ou álcool pela criança
2 0,15 0 0,00 0 0,00 0 0,00 2 0,91
ou adolescente
Total 1.318 100,00 426 100,00 295 100,00 377 100,00 220 100,00

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
65 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

21 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.


66 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 22


Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 487 206 42,30 143 29,36 92 18,89 46 9,45

Abandono pelos pais ou responsáveis 119 52 43,70 18 15,13 25 21,01 24 20,17

Situação de Rua 97 16 16,49 17 17,53 37 38,14 27 27,84


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
84 20 23,81 21 25,00 30 35,71 13 15,48
adolescente
Em razão de sua conduta 65 0 0,00 5 7,69 27 41,54 33 50,77

Transferência de outro regime de atendimento 53 14 26,42 10 18,87 20 37,74 9 16,98

Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 53 13 24,53 11 20,75 22 41,51 7 13,21


Responsável impossibilitado de cuidar por motivo
49 26 53,06 4 8,16 13 26,53 6 12,24
de doença
Guarda ou tutela para família extensa mal
45 7 15,56 11 24,44 20 44,44 7 15,56
sucedida (a partir de 2018)
Entrega voluntária 43 19 44,19 11 25,58 8 18,60 5 11,63
Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a
37 5 13,51 10 27,03 20 54,05 2 5,41
partir de 2018)
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 34 7 20,59 15 44,12 10 29,41 2 5,88

Risco de vida na comunidade 32 1 3,13 2 6,25 16 50,00 13 40,63

Criança Acolhida com Genitora menor de 18 anos 24 24 100,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00
Reintegração aos genitores mal sucedida (a partir
21 4 19,05 3 14,29 7 33,33 7 33,33
de 2018)
Carência de recursos materiais da família ou
20 8 40,00 6 30,00 5 25,00 1 5,00
responsáveis
Conflitos no ambiente familiar (Desativado em
14 0 0,00 2 14,29 7 50,00 5 35,71
2018)
Devolução por tentativa de colocação familiar mal
14 0 0,00 1 7,14 7 50,00 6 42,86
sucedida (Desativado e Desmembrado em 2018)
Responsável cumprindo pena privativa de
6 1 16,67 2 33,33 3 50,00 0 0,00
liberdade
Orfandade 6 0 0,00 1 16,67 4 66,67 1 16,67
Pais ou responsáveis dependentes químicos ou
5 0 0,00 1 20,00 1 20,00 3 60,00
alcoolistas (Desativado em 2018)
Transferência de/para outra Família acolhedora 4 1 25,00 0 0,00 2 50,00 1 25,00
Exploração do trabalho infantojuvenil pelos pais
2 0 0,00 1 50,00 1 50,00 0 0,00
ou responsáveis
Genitor(es) maior(es) de 18 anos abrigado(s) com
2 2 100,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00
o filho (Abrigo de família)
Uso prejudicial de drogas ou álcool pela criança
2 0 0,00 0 0,00 0 0,00 2 100,00
ou adolescente
Total 1.318 426 32,32 295 22,38 377 28,60 220 16,70

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
67 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

23 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 19.259 58,31
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 4.118 12,47
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 3.154 9,55
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 3.298 9,99
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 1.026 3,11
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 624 1,89
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 1.234 3,74
Há mais de 10 anos 316 0,96
Total 33.029 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
68 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 24


Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 13.170 39,87 6.460 6.710
Evasão 6.839 20,71 2.557 4.282
Colocação em família substituta (Desativado e
5.124 15,51 2.509 2.615
Desmembrado em 2018)
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 2.889 8,75 1.519 1.370
Maioridade 1.540 4,66 717 823
Transferência para outro regime de atendimento 969 2,93 252 717
Adoção (a partir de 2018) 761 2,30 362 399
Transferência para outro serviço de acolhimento
554 1,68 152 402
institucional
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 515 1,56 243 272
Recambiamento ao Município de Origem 184 0,56 47 137
Óbito 141 0,43 59 82
Recambiamento para o Estado de Origem 93 0,28 50 43
Desligamento voluntário da família (dos abrigos de
92 0,28 42 50
família)
Retirada da instituição sem ordem judicial 43 0,13 19 24
Outros (Desativado em 2018) 34 0,10 14 20
Emancipação 33 0,10 15 18
Encerramento das atividades do serviço de acolhimento 25 0,08 12 13
Transferência de/para outra Família acolhedora 23 0,07 16 7
Total 33.029 100,00 15.045 17.984
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
69 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

25 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
diária 69 5,24 27 39,13 42 60,87
semanal 452 34,29 214 47,35 238 52,65
quinzenal 70 5,31 29 41,43 41 58,57
mensal 38 2,88 21 55,26 17 44,74
bimestral 8 0,61 6 75,00 2 25,00
sem visita 681 51,67 308 45,23 373 54,77
Total 1.318 100,00 605 45,90 713 54,10

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
0a 6 218 32,01 91 41,74 127 58,26
7 a 11 139 20,41 66 47,48 73 52,52
12 a 15 200 29,37 95 47,50 105 52,50
16 a 18 124 18,21 56 45,16 68 54,84
Total 681 100,00 308 45,23 373 54,77

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 1.157 87,78 497 42,96 660 57,04
Pai e mãe desconhecidos 5 0,38 1 20,00 4 80,00
Órfãos 61 4,63 12 19,67 49 80,33
DPF com trânsito em julgado 95 7,21 95 100,00 0 0,00
Total 1.318 100,00 605 45,90 713 54,10
70 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 26

Crianças e adolescentes acolhidos distribuídos por grupo fraterno.


Grupo número de c/a

Possuem irmãos 468

Possuem irmãos acolhidos 248

Com irmãos acolhidos no mesmo serviço 219

Com irmãos acolhidos em outro serviço 47

Com irmãos na família nuclear ou extensa 0

Com irmãos em família substituta 69

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno.


71 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

2 7 º C E N S2O7 º D C
A E PNOS POU D
L A ÇPÃOOP U
I NL FAAÇNÃTOO IJNUFVAENNTI L
O JAUCVOELNHI ILD A C O L H I D A

27 27 E S T A D O EDSOT ARDI O D O
E JRAI O
N EDI R
E OJ A N E I R O

fil dos Aptos


Perfil àdos
adoção
Aptos à adoção
Pais Entrega
Pais Entrega
rio Critério Órfãos Órfãos
DPF DPF Total Total
Desconhecidos
Desconhecidos Voluntária Voluntária
o Sexo
nino Feminino 29 35
29 4
35 40 680 68
culino Masculino 32 60
32 60
1 10 930 93
Total 61 95
61 95
5 50 1610 161

a Etária Faixa Etária


6 0a 6 1 01 03 30 40 4
11 7 a 11 8 168 16
0 00 240 24
15 12 a 15 32 45
32 45
1 10 780 78
18 16 a 18 20 34
20 34
1 10 550 55
Total 61 95
61 95
5 50 1610 161

Tempo de Acolhimento
po de Acolhimento
menos de 6Há menos de 6 meses
meses 14 014 05 50 190 19
mais de 6 meses
Há mais
e há
de menos
6 meses
dee 1há
ano
menos de 1 ano 5 05 00 00 50 5
mais de 1 ano
Há mais
e há de
menos
1 ano
dee 1há
ano
menos
e 6 meses
de 1 ano e 6 meses
6 26 20 00 80 8
mais de 1 ano
Há mais
e 6 meses
de 1 ano
e há
e menos
6 meses
dee 3há
anos
menos de15
3 anos 13
15 13
0 00 280 28
mais de 3 anos
Há mais
e háde
menos
3 anos
dee 4há
anos
menos de 4 anos 8 108 10
0 00 180 18
mais de 4 anos
Há mais
e háde
menos
4 anos
dee 5há
anos
menos de 5 anos 4 114 11
0 00 150 15
mais de 5 anos
Há mais
e háde
menos
5 anos
dee 10
há anos
menos de 10 anos 9 369 36
0 00 450 45
mais de 10Há
anos
mais de 10 anos 0 230 23
0 00 230 23
Total 61 95
61 95
5 50 1610 161

ciências Deficiências
Não 51 66
51 66
5 50 1220 122
Sim 10 29
10 29
0 00 390 39
Total 61 95
61 95
5 50 1610 161

nças Doenças
Não 30 38
30 38
4 40 720 72
Sim 31 57
31 57
1 10 890 89
Total 61 95
61 95
5 50 1610 161

Raça Cor/Raça
ca Branca 6 156 15
0 00 210 21
a Preta 28 35
28 35
1 10 640 64
a Parda 27 45
27 45
4 40 760 76
a Negra Raça Negra 55 80
55 80
5 50 1400 140
Total 61 95
61 95
5 50 1610 161
72 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 28


Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça
Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 839 63,66
Sem ações judiciais 479 36,34
Total 1.318 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Com P.A. 10 2,09
Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 187 39,04
Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 282 58,87
Total 479 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


com ações judiciais 839 63,66
com procedimentos judiciais 198 15,02
sem ações e sem procedimentos judiciais 281 21,32
Total 1.318 100,00

Distribuição percentual de ações.


73 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

29 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Ações Judiciais nº de ações %


Ação de Destituição do Poder Familiar 636 48,37
Representação em face dos pais ou responsável (Art. 249, ECA) 309 23,50
Ação de Guarda Judicial 125 9,51
Ação de Adoção 51 3,88
Ação de Alimentos em face dos pais ou responsável 42 3,19
Ação de Busca e Apreensão 24 1,83
Ação de Destituição do Poder Familiar c/c Ação de Adoção 23 1,75
Ação Civil Pública para proteção de direito individual (moradia,inclusão em programa 18 1,37
Ação de Suspensão do Poder Familiar (Art.24 ECA) 11 0,84
Ação de Investigação de Paternidade 8 0,61
Ação de Obrigação de Fazer 8 0,61
Ação de Nomeação de Guardião 7 0,53
Ação de Registro Civil de Nascimento 7 0,53
Pedido de afastamento do convívio familiar 7 0,53
Ação Cautelar Inominada 5 0,38
Ação Contenciosa em face dos pais visando à aplicação do art. 129 do ECA 5 0,38
Ação de Indenização/Danos Morais 5 0,38
Ação de Nomeação de Tutor 4 0,30
Ação de Tutela 4 0,30
Agravo de Instrumento 4 0,30
Ação de Reconstituição/Restauração do Poder Familiar 2 0,15
Revogação de Guarda 2 0,15
Ação de Emancipação 1 0,08
Ação de Entrega Voluntária (Art. 166 ECA) 1 0,08
Ação de Internação Compulsória 1 0,08
Execução de Alimentos 1 0,08
Prestação de Contas 1 0,08
Regulamentação de Visitas 1 0,08
Retificação ou Anulação de Registro Civil 1 0,08
Revogação de Tutela 1 0,08
Total 1.315 100,00
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
74 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 30


Evolução dos motivos de acolhimento das c/a acolhidas
Dados colhidos no dia 30/06/2021 referente aos acolhimentos registrados entre 01/01/2011 e 31/12/2020

Motivo do Acolhimento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Situação de Rua 1.037 902 934 582 1.140 2.516 1.163 853 933 816 530

Negligência 768 685 634 836 847 807 745 757 822 969 573

Uso prejudicial de drogas ou álcool


519 555 1.593 496 650 779 607 317 105 41 51
pela criança ou adolescente

Em razão de sua conduta 336 234 272 195 268 432 316 257 372 633 384

Abandono pelos pais ou responsáveis 305 354 401 325 338 351 323 245 252 293 172

Conflitos no ambiente familiar


299 305 424 308 378 510 437 426 202 0 0
(Desativado em 2018)

Abusos físicos ou psicológicos contra


173 189 192 178 156 167 184 178 167 180 138
a criança ou adolescente

Risco de vida na comunidade 169 128 194 153 160 202 186 179 199 160 126

Pais ou responsáveis dependentes


químicos ou alcoolistas (Desativado 129 158 210 205 164 198 154 137 61 0 0
em 2018)
Abuso sexual / Suspeita de abuso
100 123 107 138 99 86 90 81 99 116 65
sexual
Devolução por tentativa de colocação
familiar mal sucedida (Desativado e 99 134 111 106 119 151 137 138 89 0 0
Desmembrado em 2018)
Responsável impossibilitado de cuidar
74 107 93 75 74 48 56 63 71 89 65
por motivo de doença

Carência de recursos materiais da


61 90 55 60 64 69 62 63 43 94 14
família ou responsáveis

Criança Acolhida com Genitora menor


45 67 60 41 27 30 42 50 46 55 29
de 18 anos

Entrega voluntária 27 0 0 0 0 0 0 0 61 93 115

Orfandade 26 18 12 21 26 45 31 30 33 25 19

Transferência de outro regime de


23 0 0 0 0 0 0 0 25 99 103
atendimento

Responsável cumprindo pena


22 27 22 12 23 31 14 31 28 16 15
privativa de liberdade

Guarda ou tutela para família extensa


14 0 0 1 0 0 3 1 17 61 55
mal sucedida (a partir de 2018)

Exploração do trabalho infantojuvenil


13 12 19 9 17 33 4 6 7 8 12
pelos pais ou responsáveis

Guarda ou tutela para terceiros mal


12 0 0 0 0 0 1 1 21 51 47
sucedida (a partir de 2018)

Exploração sexual para fins de


9 20 26 12 7 7 10 4 2 5 1
prostituição infantojuvenil

Transferência de/para outra Família


9 0 0 0 0 7 16 39 14 8 8
acolhedora

Adoção mal sucedida (a partir de


9 0 0 0 0 0 0 1 18 39 29
2018)

Reintegração aos genitores mal


7 0 0 0 0 0 0 0 16 42 12
sucedida (a partir de 2018)

Falta de creche ou escola em horário


6 23 13 4 1 5 0 6 1 6 0
integral

Calamidade Pública 2 11 7 4 0 0 0 0 0 0 2
75 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

31 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Motivo do Acolhimento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020
Prostituição dos pais (Desativado em
1 1 0 1 1 0 2 0 0 0 0
2018)

Outros (Desativado em 2018) 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".

Evolução dos motivos de acolhimento das c/a acolhidas (principais motivos)


76 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 32


Evolução dos motivos de desligamento das c/a desligadas
Dados colhidos no dia 30/06/2021 referente aos desligamentos registrados entre 01/01/2011 e 31/12/2020

Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020
Evasão 1.652 1.439 2.182 1.311 1.959 3.213 1.887 1.239 1.139 1.217 931

Reintegração aos genitores 1.193 1.581 1.569 1.495 1.368 1.265 1.242 1.129 878 834 569
Transferência para outro serviço de
acolhimento institucional
1.049 819 1.423 729 847 1.442 1.341 1.225 1.043 995 630
Colocação em família substituta (Desativado
e Desmembrado em 2018)
417 629 595 495 521 510 550 534 331 0 0
Guarda ou tutela para família extensa (a
partir de 2018)
336 39 45 91 405 460 449 327 492 606 447
Transferência para outro regime de
atendimento
256 392 965 200 190 193 200 155 95 104 63

Maioridade 105 126 116 120 99 130 90 75 112 88 97

Adoção (a partir de 2018) 73 0 0 0 1 1 1 3 126 305 296

Recambiamento ao Município de Origem 64 0 1 1 63 384 27 42 46 47 24


Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de
2018)
56 0 0 0 0 1 2 3 83 302 164
Transferência de/para outra Família
acolhedora
18 0 0 0 0 2 22 58 32 36 26
Encerramento das atividades do serviço de
acolhimento
12 0 7 12 12 3 49 24 5 3 6

Óbito 11 16 10 9 13 14 9 13 10 12 6

Outros (Desativado em 2018) 10 16 5 8 18 8 26 13 10 0 0

Recambiamento para o Estado de Origem 9 4 1 10 10 7 12 14 14 11 4


Desligamento voluntário da família (dos
abrigos de família)
9 7 18 12 6 8 15 5 4 7 5

Retirada da instituição sem ordem judicial 7 2 0 1 20 12 5 2 9 14 2

Emancipação 3 0 4 1 5 3 2 5 2 5 4

Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".

Evolução dos motivos de desligamento das c/a desligadas (principais motivos)


27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
77 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

33 ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas


Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 10 11 10 11 9 10 9 9 7 7 11

Evasão 7 8 6 7 6 5 8 10 9 8 11

Colocação em família substituta (Desativado


17 16 17 17 16 18 17 18 17 - -
e Desmembrado em 2018)

Guarda ou tutela para família extensa (a


8 10 9 10 8 8 9 7 7 7 8
partir de 2018)

Maioridade 47 50 43 46 58 42 48 42 51 44 47

Transferência para outro regime de


6 9 2 4 15 5 5 11 14 7 24
atendimento

Adoção (a partir de 2018) 12 - - - 9 4 6 5 14 11 12

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


16 - - - - - - - 13 17 18
2018)

Recambiamento ao Município de Origem 4 - - 1 1 3 1 4 5 15 4

Óbito 26 12 51 49 35 12 28 22 37 17 1

Recambiamento para o Estado de Origem 7 56 1 5 2 1 2 4 6 8 3

Desligamento voluntário da família (dos


8 18 14 4 9 6 3 2 13 2 14
abrigos de família)

Retirada da instituição sem ordem judicial 6 9 - - 7 4 7 - 5 5 -

Outros (Desativado em 2018) 118 9 - 0 78 14 154 58 - - -

Emancipação 40 - 15 57 41 10 17 41 85 57 38

Encerramento das atividades do serviço de


37 - - 35 76 - 37 - - 5 64
acolhimento

Transferência de/para outra Família


12 - - - - - - 2 17 12 18
acolhedora

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


78 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO 34


Municípios que não possuem crianças e adolescentes acolhidos em sua área territorial, mas
que acolhem em outros Municípios.
Município de origem Município de localização da c/a Nº de c/a
Arraial do Cabo São Pedro da Aldeia 3

Iguaba Grande São Pedro da Aldeia 1

Italva Cardoso Moreira 2

Tanguá Rio Bonito 2

Municípios que não possuem crianças e adolescentes acolhidos em sua área territorial ou
em outros Municípios.
Município
1 Areal
2 Comendador Levy Gasparian
3 Laje do Muriaé
4 Natividade
5 Quatis
6 São José de Ubá
7 São José do Vale do Rio Preto
9. ANÁLISE GRÁFICA DOS IMPACTOS DA PANDEMIA
COVID-19 NOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACO
80
ANÁLISE DO PERÍODO DA PANDEMIA
A N Á L I S E G R Á F I C A D O S I M P A C T O S D A P A N D E M I A C O V I D - 1 9 N O S S E R V I Ç O S D E A C O L H I M E N T O

CRITÉRIOS ADOTADOS NA ORGANIZAÇÃO DOS DADOS

Fonte dos Dados

Os dados são extraídos do sistema MCA.

Datas de Corte

As datas de corte escolhidas, para fim de comparação dos períodos da pandemia são:
De 30/06/2020 a 31/12/2020 e
De 31/01/2021 a 30/06/2021.

Classificadores

Os classificadores de sexo, faixa etária, cor e raça, aptidão para adoção, tratamento de saúde e deficiência são os
utilizados no censo semestral do MCA.

O classificador de região foi simplificado para Capital, Metropolitana e Interior.

/
81 A N Á L I S E G R Á F I C A D O S I M P A C T O S D A P A N D E M I A C O V I D - 1 9 N O S S E R V I Ç O S D E A C O L H I M E N T O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA


ANÁLISE DO PERÍODO DA PANDEMIA
Acolhidos no período de Junho a Dezembro de 2020. Acolhidos no período de Janeiro a Junho de 2021.
Comparativo por Mês. Comparativo por Mês.
1500 1362 1377
1500 1425 1398 1390 1381 1291 1306 1318
1266 1290 1277 1217

1000
Acolhidos

1000

Acolhidos
500 500

0 0
ho ho sto ro br
o ro ro o iro rço ril io ho
jun jul o b u b b eir ab ma
ag tem o ut vem z em jan ere ma jun
se no de fev

Mês Mês
Acolhidos no período de Junho a Dezembro de 2020. Comparativo por Mês e Região
Região CAPITAL INTERIOR METROPOLITANA

625
594 578
600 570

493 502 510


Acolhidos em 2020

456 451 435 417


394 391 404 395
377 382 384 372
400 344 353

200

0
junho julho agosto setembro outubro novembro dezembro
Mês
Acolhidos no período de Janeiro a Junho de 2021. Comparativo por Mês e Região
Região CAPITAL INTERIOR METROPOLITANA

600 557 566


523 520 516
491
432 437
Acolhidos em 2021

412 427 424


378 379 383 365
400 356 362
343

200

0
janeiro fevereiro março abril maio junho
Mês /
82 A N Á L I S E G R Á F I C A D O S I M P A C T O S D A P A N D E M I A C O V I D - 1 9 N O S S E R V I Ç O S D E A C O L H I M E N T O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA


ANÁLISE DO PERÍODO DA PANDEMIA
Acolhidos no período de Junho a Dezembro de 2020. Comparativo por Mês e Sexo
Sexo Feminino Masculino

769 741 748 747


694 697 693
656 657 642 634
Acolhidos

500 572 593 584

0
junho julho agosto setembro outubro novembro dezembro
Mês

Acolhidos no período de Janeiro a Junho de 2021. Comparativo por Mês e Sexo


Sexo Feminino Masculino

740 753
710 711 712
622 624 658
Acolhidos

500 581 595 606


559

0
janeiro fevereiro março abril maio junho
Mês

Acolhidos no período de Junho a Dezembro de 2020. Comparativo por Mês e Faixa de idade
Idade 0a 6 7 a 11 12 a 15 16 a 18

400
429 414
407 406 404 404 394 404 389
378 379 380 380
Acolhidos

361
323 323 330 332
306 309 294
200 266 255 252 251
221 222 214

0
junho julho agosto setembro outubro novembro dezembro
Mês

Acolhidos no período de Janeiro a Junho de 2021. Comparativo por Mês e Faixa de idade
Idade 0a 6 7 a 11 12 a 15 16 a 18

400 438
423 410 420 426
399 399
376 377 375 377
Acolhidos

368
301 310 317
290 295
200 261
215 219 223 211 221 220

0
janeiro fevereiro março abril maio junho
Mês /
83 A N Á L I S E G R Á F I C A D O S I M P A C T O S D A P A N D E M I A C O V I D - 1 9 N O S S E R V I Ç O S D E A C O L H I M E N T O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA


ANÁLISE DO PERÍODO DA PANDEMIA
Acolhidos no período de Junho a Dezembro de 2020, por Mês e Cor / Raça
Cor e Raça AMARELA BRANCA IGNORADO INDÍGENA PARDA PRETA

652 627 634 618


568 570 581
600
468 464 464 468
426 437 419
Acolhidos

400
298 300 283 286 277 273
266

200

5 2 6 1 6 3 6 3 4 2 4 2 3 1
0
junho julho agosto setembro outubro novembro dezembro
Mês
Acolhidos no período de Janeiro a Junho de 2021, por Mês e Cor / Raça
Cor e Raça AMARELA BRANCA IGNORADO INDÍGENA PARDA PRETA

614 622 631


598
563 571
600
438 455 460
402 417
387
Acolhidos

400
285 300 294
246 269 257

200

5 7 2 7 2 7 2 4 6 3 4 6 3 4
0
janeiro fevereiro março abril maio junho
Mês
De Junho a Dezembro de 2020, Acolhidos, Aptos a Adoção, Tratamento de Saúde e com Deficiência por Mês
Acolhidos Aptos a Acoção Tratamento de Saúde com Deficiência
Acolhidos, Aptos a Acoção, Tra…

1425 1398 1390 1381


1500
1266 1290 1277

1000

415 429 430 430 410 421 398


500
171 171 191 194 183 186 171
107 103 112 113 114 114 105

0
junho julho agosto setembro outubro novembro dezembro
Mês
De Janeiro a Junho de 2021, Acolhidos, Aptos a Adoção, Tratamento de Saúde e com Deficiência por Mês
Acolhidos Aptos a Acoção Tratamento de Saúde com Deficiência

1500 1362 1377


Acolhidos, Aptos a Acoção, Tra…

1291 1306 1318


1217

1000

500 412 418 426 391 417 426

171 173 168 155 158 161


113 112 111 101 102 104

0
janeiro fevereiro março abril maio junho
Mês /
84 A N Á L I S E G R Á F I C A D O S I M P A C T O S D A P A N D E M I A C O V I D - 1 9 N O S S E R V I Ç O S D E A C O L H I M E N T O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA


ANÁLISE DO PERÍODO DA PANDEMIA

Acolhidos no período de Junho a Dezembro de 2020, por Mês e Tipo de Serviço


Tipo de Serviço FAMILIAR INSTITUCIONAL

1298 1269 1258 1250


1133 1159 1151

1000
Acolhidos

500

127 129 132 131 133 131 126

0
junho julho agosto setembro outubro novembro dezembro
Mês
Acolhidos no período de Janeiro a Junho de 2021, por Mês e Tipo de Serviço
Tipo de Serviço FAMILIAR INSTITUCIONAL

1236 1245
1166 1173 1182
1093

1000
Acolhidos

500

125 126 132 124 133 136

0
janeiro fevereiro março abril maio junho
Mês

/
85 A N Á L I S E G R Á F I C A D O S I M P A C T O S D A P A N D E M I A C O V I D - 1 9 N O S S E R V I Ç O S D E A C O L H I M E N T O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA


ANÁLISE DO PERÍODO DA PANDEMIA
Acolhimentos no 2º Acolhimentos no 1º
semestre de 2020 semestre de 2021

1504 1526
Acolhimentos no 2º semestre de 2020 Acolhimentos no 1º semestre de 2021
302 301
286
269 255 269
252 245
223 227
208

Acolhimentos
187
Em 2020

200 200

0 0
ho sto ro br
o ro ro o iro rço ril io ho
jul o b u b b eir ab ma
ag tem out vem z em jan ere ma jun
se no de fev

Mês Mês
Comparativo dos Motivos de Acolhimento por Ano (2º Semestre de 2020 e 1º Semestre de 2021)
Motivo de Acolhimento Em 2020 Acolhimentos

Abandono pelos pais ou responsáveis 83 176


Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 36 65
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou adolescente 75 161
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 15 38
Carência de recursos materiais da família ou responsáveis 6 19
Criança Acolhida com Genitora menor de 18 anos 12 28
Em razão de sua conduta 205 420
Entrega voluntária 71 124
Exploração do trabalho infantojuvenil pelos pais ou responsáveis 4 6
Exploração sexual para fins de prostituição infantojuvenil 1 1
Guarda ou tutela para família extensa mal sucedida (a partir de 2018) 34 58
Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a partir de 2018) 30 46
Negligência 283 589
Orfandade 12 23
Reintegração aos genitores mal sucedida (a partir de 2018) 3 18
Responsável cumprindo pena privativa de liberdade 9 19
Responsável impossibilitado de cuidar por motivo de doença 23 77
Risco de vida na comunidade 49 104
Situação de Rua 273 533
Transferência de outro regime de atendimento 54 111
Transferência de outro serviço de acolhimento institucional 210 396
Transferência de/para outra Família acolhedora 3 3
Uso prejudicial de drogas ou álcool pela criança ou adolescente 13 15
Total 1504 3030

/
86 A N Á L I S E G R Á F I C A D O S I M P A C T O S D A P A N D E M I A C O V I D - 1 9 N O S S E R V I Ç O S D E A C O L H I M E N T O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA


ANÁLISE DO PERÍODO DA PANDEMIA
Acolhimentos por Ano (período de Junho/2010 a Junho/2021) e Região
Em 2020 Em 2021

1000 861
Em 2020 e Em 2021

789

445 426
500
270 239

0
CAPITAL INTERIOR METROPOLITANA
Região
Acolhimentos no 2º Semestre de 2020, por Mês e Região Acolhimentos no 1º Semestre de 2021, por Mês e
Região
Região CAPITAL INTERIOR METROPOLITANA
Região CAPITAL INTERIOR METROPOLITANA
162 166
200
165
155 148 147
111 113 117 114 129
Em 2020

92 117
100 88

Em 2021
79 72
65 100 82 88 80
52 74
47 47 49 42 48 60
34 48 47 48 42
34 34 28

0
0
ho sto br
o
br
o
br
o
br
o
jul o m ut
u m m eir
o iro rço ril io ho
ag ete o ve ze jan ere ma ab ma jun
s no de fev

Mês Mês

Acolhimentos por Ano (2º Semestre de 2020 e 1º Semestre de 2021) e Sexo


Sexo Feminino Masculino

1000 863 907


Acolhimentos

641 619

500

0
2020 2021
Ano

Acolhimentos no 2º Semestre de 2020, por Mês e Sexo Acolhimentos no 1º Semestre de 2021, por Mês e Sexo
Sexo Feminino Masculino Sexo Feminino Masculino

200 187 200 181


174 166
160 153
145
150 138 150
123 122 120
Em 2020

115 115 116


Em 2021

114 112 110


100 105 103 102
93
100 100 85 85

50 50

0 0
ho s to ro br
o ro ro o o rço ril io ho
jul go
b u b b eir eir ab ma
a tem out vem zem jan er ma jun
se no de fev

Mês Mês /
87 A N Á L I S E G R Á F I C A D O S I M P A C T O S D A P A N D E M I A C O V I D - 1 9 N O S S E R V I Ç O S D E A C O L H I M E N T O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA


ANÁLISE DO PERÍODO DA PANDEMIA
Acolhimentos por Ano (2º Semestre de 2020 e 1º Semestre de 2021) e Faixa de Idade
Faixa de Idade 0a 6 7 a 11 12 a 15 16 a 18

570
600 549

407
Acolhimentos

367 378
400 336

209 212
200

0
2020 2021
Ano

Acolhimentos no 2º Semestre de 2020, por Mês e Faixa de idade


Faixa de Idade 0a 6 7 a 11 12 a 15 16 a 18

110 106
98
100 82
79 80
70 74 72 69 73 73
Em 2020

67
55
48 46 43 45
50 41 42
36 32 34
22

0
julho agosto setembro outubro novembro dezembro
Mês
Acolhimentos no 1º Semestre de 2021, por Mês e Faixa de idade
Faixa de Idade 0a 6 7 a 11 12 a 15 16 a 18

114
97 103
93 93
100 82 80
70 70
Em 2021

62 65 68 64
57 58 55
48 47
50 33 40 34 35
30 27

0
janeiro fevereiro março abril maio junho
Mês

Acolhimentos no 2º Semestre de 2020 por Mês e Acolhimentos no 1º Semestre de 2021 por Mês e
Tipo de Serviço Tipo de Serviço
Tipo de Serviço FAMILIAR INSTITUCIONAL Tipo de Serviço FAMILIAR INSTITUCIONAL

280 276 293


240 239 254 242 253
210 222
203
177
Em 2021

200 200
Em 2020

6 8 15 13 16 10
13 12 22 10
5 5 0
0
eir
o iro rço ril io ho
ho s to ro br
o ro ro
jan ere ma ab ma jun
jul go
b u b b
fev
a tem out vem zem
se no de
Mês Mês
/
88 A N Á L I S E G R Á F I C A D O S I M P A C T O S D A P A N D E M I A C O V I D - 1 9 N O S S E R V I Ç O S D E A C O L H I M E N T O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA


ANÁLISE DO PERÍODO DA PANDEMIA
Desligamentos em 2020 Desligamentos em 2021

1687 1520
Desligamentos no 2º Semestre de 2020 Desligamentos no 1º Semestre de 2021
417 436
400 400
314
252 273
Em 2020

251

Em 2021
228 222 236
190 196 179
200 200

0 0
ho to br
o ro br
o
br
o o ro ril
jul os ub eir rei rço ab ma
io ho
ag ete
m
ou
t
ve
m
ze
m
jan e ma jun
s no de fev

Mês Mês

Comparativo dos Motivos de Desligamento (de Junho/2020 a Junho/2021)


Motivo de Desligamento Em 2020 Em 2021

Adoção (a partir de 2018) 162 103


Desligamento voluntário da família (dos abrigos de família) 3 1
Emancipação 3 0
Encerramento das atividades do serviço de acolhimento 6 0
Evasão 425 418
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 238 179
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 92 79
Maioridade 53 41
Óbito 2 3
Recambiamento ao Município de Origem 15 12
Recambiamento para o Estado de Origem 3 10
Reintegração aos genitores 311 280
Retirada da instituição sem ordem judicial 1 2
Transferência de/para outra Família acolhedora 13 8
Transferência para outro regime de atendimento 28 48
Transferência para outro serviço de acolhimento institucional 332 336
Total 1687 1520

/
89 A N Á L I S E G R Á F I C A D O S I M P A C T O S D A P A N D E M I A C O V I D - 1 9 N O S S E R V I Ç O S D E A C O L H I M E N T O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA


ANÁLISE DO PERÍODO DA PANDEMIA
Desligamentos por Ano (2º Semestre de 2020 e 1º Semestre de 2021) por Região
Região CAPITAL INTERIOR METROPOLITANA

1000 877 856


Desligamentos

563
500 423
247 241

0
2020 2021
Ano
Desligamentos no 2º Semestre de 2020, por Mês e Região Desligamentos no 1º Semestre de 2021, por Mês e Região

Região CAPITAL INTERIOR METROPOLITANA Região CAPITAL INTERIOR METROPOLITANA

191 213
200 179
165
143 200
139
120 152 152 143
Em 2020

Em 2021
107 119
91 97 108 112
100 72 63
62 61 62 100 80
68 58 67
41 46 46
23 27 31 32 4136
26 21
0 0
ho to o o o o
jul os br br br br eir
o
eir
o rço ril io ho
ag tem ou
tu
v em z em jan er ma ab ma jun
se no de fev

Mês Mês
Desligamentos por Ano (2º Semestre de 2020 e 1º Semestre de 2021) e Sexo
Sexo Feminino Masculino

945 923
1000
742
Desligamentos

597
500

0
2020 2021
Ano
Desligamentos no 2º Semestre de 2020, por Mês e Sexo Desligamentos no 1º Semestre de 2021, por Mês e Sexo
Sexo Feminino Masculino Sexo Feminino Masculino

241 252

200 176 183 184


200
Em 2020

Em 2021

149 141 132 157 159


131 144
121 109
103 107 111
81 92 100
100 78 79 85 79

0 0
ho sto o o o o ril
jul br br br br eir
o ro rço io ho
ag
o m ut
u m m rei ma ab ma jun
ete o ve
de
ze jan fev
e
s no

Mês Mês /
90 A N Á L I S E G R Á F I C A D O S I M P A C T O S D A P A N D E M I A C O V I D - 1 9 N O S S E R V I Ç O S D E A C O L H I M E N T O
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
ANÁLISE DO PERÍODO DA PANDEMIA

Desligamentos por Ano (2º Semestre de 2020 e 1º Semestre de 2021)


Faixa de Idade 0a 6 7 a 11 12 a 15 16 a 18

495
500
Desligamentos

320 306 317


239 267
226

94

0
2019 2020
Ano
Desligamentos no 2º Semestre de 2020, por Mês e Faixa de idade
Faixa de Idade 0a 6 7 a 11 12 a 15 16 a 18

146

109
100 98 95
100 86 88 88
Em 2020

80 79
66 71 64 70
63 57 59
48 52
37 34 41
23 20

0
julho agosto setembro outubro novembro dezembro
Mês
Desligamentos no 1º Semestre de 2021, por Mês e Faixa de idade
Faixa de Idade 0a 6 7 a 11 12 a 15 16 a 18

145

108
100 98 96
100 87 83
Em 2021

79 80
70 66
62 55
54 48
39 45 45
37
27 27 25 21 23

0
janeiro fevereiro março abril maio junho
Mês
Desligamentos no 2º Semestre de 2020 por Mês e Desligamentos no 1º Semestre de 2021 por Mês e
Tipo de Serviço Tipo de Serviço
Tipo de Serviço FAMILIAR INSTITUCIONAL Tipo de Serviço FAMILIAR INSTITUCIONAL

1613 1462
1500
1500

1000
Em 2020

Em 2021

1000

500 500

74 58
0 0 /
10. CENSOS MUNICIPAIS
92 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
ANGRA DOS REIS 1 17 100,00 1 5,88 0 11
Serviço de Acolhimento Institucional/
1 17 100,00 1 5,88 0 11
Modalidade Abrigo Institucional
93 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS 2


Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município Acolhidos %
Angra dos Reis 17 100,00

Distribuição da população infantojuvenil oriunda do Município analisado, acolhida pelos


demais Municípios do Estado.
Município de localização do acolhido Acolhidos %

Niterói 1 100,00
Total 1 100,00
94 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

3 MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

0a 6 11 64,71 5 6
7 a 11 2 11,76 0 2
12 a 15 4 23,53 1 3
Total 17 100,00 6 11

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


95 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
0a 6 11 64,71 3 0 2 6 8 0 0

7 a 11 2 11,76 1 0 0 1 1 0 0

12 a 15 4 23,53 2 0 1 1 2 0 0

Total 17 100,00 6 0 3 8 11 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Raça Negra 11 64,71 3 8


Parda 8 47,06 2 6
Branca 6 35,29 3 3
Preta 3 17,65 1 2
Total 17 100,00 6 11

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


96 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
0a 6 2 18,18 9 81,82 11 100,00
7 a 11 0 0,00 2 100,00 2 100,00
12 a 15 4 100,00 0 0,00 4 100,00
Total 6 35,30 11 64,71 17 100,00

Faixas etárias (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

Indicadores de cor/raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos que não estudam.

Cor/Raça número de c/a % feminino masculino


Raça Negra 7 63,64 2 5
Parda 5 45,45 1 4
Branca 4 36,36 3 1
Preta 2 18,18 1 1
Total 11 100,00 5 6

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes que não estudam.


97 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Sim 2 11,76
Não 15 88,24
Total 17 100,00

Detalhamento das crianças e adolescentes portadores de necessidades especiais.


Categoria nº de c/a %
Deficiência mental 2 100,00
Total 2 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Sim 4 23,53
Não 13 76,47
Total 17 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Doenças Neurológicas 1 25,00
Autismo 1 25,00
Exposto(a) ao HIV (ainda sem o diagnóstico definitivo) 1 25,00
Acompanhamento Psiquiátrico 1 25,00
Total 4 100,00
98 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 8 47,06
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 3 17,65
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 2 11,76
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 3 17,65
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 1 5,88
Total 17 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
99 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS 8


Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Negligência 8 47,06 4 4
Situação de Rua 3 17,65 0 3
Abandono pelos pais ou responsáveis 2 11,76 0 2
Responsável impossibilitado de cuidar por motivo de
1 5,88 1 0
doença
Criança Acolhida com Genitora menor de 18 anos 1 5,88 0 1
Orfandade 1 5,88 0 1
Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 1 5,88 1 0
Total 17 100,00 6 11
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
100 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 8 47,06 8 72,73 0 0,00 0 0,00 0

Situação de Rua 3 17,65 1 9,09 1 50,00 1 25,00 0

Abandono pelos pais ou responsáveis 2 11,76 0 0,00 1 50,00 1 25,00 0


Responsável impossibilitado de cuidar por motivo
1 5,88 0 0,00 0 0,00 1 25,00 0
de doença
Criança Acolhida com Genitora menor de 18 anos 1 5,88 1 9,09 0 0,00 0 0,00 0

Orfandade 1 5,88 0 0,00 0 0,00 1 25,00 0

Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 1 5,88 1 9,09 0 0,00 0 0,00 0

Total 17 100,00 11 100,00 2 100,00 4 100,00 0 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
101 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS 10


Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 8 8 100,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00

Situação de Rua 3 1 33,33 1 33,33 1 33,33 0 0,00

Abandono pelos pais ou responsáveis 2 0 0,00 1 50,00 1 50,00 0 0,00


Responsável impossibilitado de cuidar por motivo
1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00
de doença
Criança Acolhida com Genitora menor de 18 anos 1 1 100,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00

Orfandade 1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00

Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 1 1 100,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00

Total 17 11 64,70 2 11,76 4 23,52 0 0,02

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
102 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

11 MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 187 54,68
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 58 16,96
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 49 14,33
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 29 8,48
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 3 0,88
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 5 1,46
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 9 2,63
Há mais de 10 anos 2 0,58
Total 342 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
103 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS 12


Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 203 59,36 108 95
Colocação em família substituta (Desativado e
39 11,40 22 17
Desmembrado em 2018)
Evasão 35 10,23 19 16
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 28 8,19 11 17
Maioridade 17 4,97 6 11
Transferência para outro regime de atendimento 5 1,46 1 4
Recambiamento para o Estado de Origem 4 1,17 2 2
Adoção (a partir de 2018) 4 1,17 2 2
Transferência para outro serviço de acolhimento
2 0,58 0 2
institucional
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 2 0,58 1 1
Recambiamento ao Município de Origem 2 0,58 2 0
Óbito 1 0,29 1 0
Total 342 100,00 175 167
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
104 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

13 MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
diária 1 5,88 0 0,00 1 100,00
semanal 5 29,41 2 40,00 3 60,00
sem visita 11 64,71 3 27,27 8 72,73
Total 17 100,00 5 29,41 12 70,59

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
0a 6 8 72,73 3 37,50 5 62,50
7 a 11 1 9,09 0 0,00 1 100,00
12 a 15 2 18,18 0 0,00 2 100,00
Total 11 100,00 3 27,27 8 72,73

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 16 94,12 5 31,25 11 68,75
Órfãos 1 5,88 0 0,00 1 100,00
Total 17 100,00 5 29,41 12 70,59
105 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS 14

Crianças e adolescentes acolhidos distribuídos por grupo fraterno.


Grupo número de c/a

Possuem irmãos 6

Possuem irmãos acolhidos 4

Com irmãos acolhidos no mesmo serviço 4

Com irmãos acolhidos em outro serviço 0

Com irmãos na família nuclear ou extensa 0

Com irmãos em família substituta 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno.


106 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

2 7 º C E N 2S7Oº D
CAE NPSOOP U
D LAA P
ÇOÃP
O UILNAFÇAÃNOT OI N
JUFA
VNEN
TOI LJ UA VC EONL IHL I DA AC O L H I D A

15 15 M U N I C ÍM
P IUON: I A
CNÍ PGI R
OA: ADNOGSR R
A EDI S
OS REIS

rfil dos Perfil


Aptosdos
à adoção
Aptos à adoção
Pais Pais
Entrega Entrega
tério Critério Órfãos Órfãos
DPF DPF Total Total
Desconhecidos
Desconhecidos
Voluntária Voluntária
xo Sexo
sculino Masculino 1 10 00 0 0 10 1
al Total 1 10 00 0 0 10 1

xa EtáriaFaixa Etária
a 15 12 a 15 1 10 00 0 0 10 1
al Total 1 10 00 0 0 10 1

mpo de Acolhimento
Tempo de Acolhimento
mais de 3Há
anos
mais
e há
de menos
3 anos de
e há
4 anos
menos de 4 anos 1 10 00 0 0 10 1
al Total 1 10 00 0 0 10 1

iciênciasDeficiências
m Sim 1 10 00 0 0 10 1
al Total 1 10 00 0 0 10 1

enças Doenças
m Sim 1 10 00 0 0 10 1
al Total 1 10 00 0 0 10 1

r/Raça Cor/Raça
ta Preta 1 10 00 0 0 10 1
ça Negra Raça Negra 1 10 00 0 0 10 1
al Total 1 10 00 0 0 10 1
107 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS 16


Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça
Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 9 52,94
Sem ações judiciais 8 47,06
Total 17 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 3 37,50
Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 5 62,50
Total 8 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


com ações judiciais 9 52,94
com procedimentos judiciais 8 47,06
Total 17 100,00

Distribuição percentual de ações.

Ações Judiciais nº de ações %


Representação em face dos pais ou responsável (Art. 249, ECA) 6 46,15
Ação de Destituição do Poder Familiar 5 38,46
Ação Civil Pública para proteção de direito individual (moradia,inclusão em programa 1 7,69
Ação de Obrigação de Fazer 1 7,69
Total 13 100,00
108 M U N I C Í P I O : A N G R A D O S R E I S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

17 MUNICÍPIO: ANGRA DOS REIS

Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas


Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 7 4 6 5 4 13 11 8 12 10 12

Evasão 11 11 3 4 36 62 4 - - 17 6

Colocação em família substituta (Desativado


16 7 18 9 14 18 22 18 - - -
e Desmembrado em 2018)

Guarda ou tutela para família extensa (a


7 - - - 0 10 6 - 19 6 6
partir de 2018)

Maioridade 62 51 64 103 17 49 32 - - - 67

Transferência para outro regime de


25 7 - - - - - - 42 - -
atendimento

Recambiamento para o Estado de Origem 1 - - 0 2 - - - - - -

Adoção (a partir de 2018) 25 - - - - - - - 28 - 22

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


4 - - - - - - - - 3 4
2018)

Recambiamento ao Município de Origem 0 - - - - - - 0 - - -

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


109 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: APERIBÉ

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
APERIBÉ 1 1 100,00 1 100,00 0 1
Serviço de Acolhimento
1 1 100,00 1 100,00 0 1
Institucional/Modalidade Casa-Lar
110 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: APERIBÉ 2
Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município Acolhidos %
Aperibé 1 100,00
111 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

3 MUNICÍPIO: APERIBÉ

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

12 a 15 1 100,00 0 1
Total 1 100,00 0 1

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


112 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: APERIBÉ 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
12 a 15 1 100,00 0 0 0 1 1 0 0

Total 1 100,00 0 0 0 1 1 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Parda 1 100,00 0 1
Raça Negra 1 100,00 0 1
Total 1 100,00 0 1

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


113 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: APERIBÉ

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
12 a 15 1 100,00 0 0,00 1 100,00
Total 1 100,00 0 0,00 1 100,00
114 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: APERIBÉ 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Não 1 100,00
Total 1 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Não 1 100,00
Total 1 100,00
115 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: APERIBÉ

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 1 100,00
Total 1 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
116
27º CE N S O DM A
U N IPC O
Í PP
I OU: L
A A
P EÇ
R IÃB O
É INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: APERIBÉ 8
Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Risco de vida na comunidade 1 100,00 0 1
Total 1 100,00 0 1
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
117 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: APERIBÉ

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Risco de vida na comunidade 1 100,00 0 0 1 100,00 0

Total 1 100,00 0 100,00 0 100,00 1 100,00 0 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
118 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: APERIBÉ 10
Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Risco de vida na comunidade 1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00

Total 1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
119 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

11 MUNICÍPIO: APERIBÉ

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 43 76,79
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 3 5,36
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 5 8,93
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 3 5,36
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 2 3,57
Total 56 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
120 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: APERIBÉ 12
Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 26 46,43 14 12
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 13 23,21 6 7
Maioridade 6 10,71 4 2
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 4 7,14 4 0
Evasão 3 5,36 3 0
Recambiamento ao Município de Origem 1 1,79 1 0
Desligamento voluntário da família (dos abrigos de
1 1,79 0 1
família)
Colocação em família substituta (Desativado e
1 1,79 0 1
Desmembrado em 2018)
Transferência para outro serviço de acolhimento
1 1,79 0 1
institucional
Total 56 100,00 32 24
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
121 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

13 MUNICÍPIO: APERIBÉ

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
sem visita 1 100,00 0 0,00 1 100,00
Total 1 100,00 0 0,00 1 100,00

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
12 a 15 1 100,00 0 0,00 1 100,00
Total 1 100,00 0 0,00 1 100,00

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Órfãos 1 100,00 0 0,00 1 100,00
Total 1 100,00 0 0,00 1 100,00
122 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

º CEN2
S 7Oº DCAE NP SOOP UDLAA Ç
POÃO
P UI LNAF ÇA ÃN O
T OI N
JUFV
AENN
T IOLJ U
AVCE
ONL IHLI DAAC O L H I D A

UNICÍP
M IUON: IACPÍ P
E IROI B
: A
ÉP E R I B É 14 14
rfil dos Perfil
Aptosdos
à adoção
Aptos à adoção
Pais Pais
Entrega Entrega
ério Critério Órfãos Órfãos
DPF DPF Total Total
Desconhecidos
Desconhecidos Voluntária Voluntária
xo Sexo
sculino Masculino 1 01 00 0 0 10 1
al Total 1 01 00 0 0 10 1

xa Etária Faixa Etária


a 15 12 a 15 1 01 00 0 0 10 1
al Total 1 01 00 0 0 10 1

mpo de Acolhimento
Tempo de Acolhimento
menos deHá
6 meses
menos de 6 meses 1 01 00 0 0 10 1
al Total 1 01 00 0 0 10 1

iciênciasDeficiências
o Não 1 01 00 0 0 10 1
al Total 1 01 00 0 0 10 1

enças Doenças
o Não 1 01 00 0 0 10 1
al Total 1 01 00 0 0 10 1

/Raça Cor/Raça
da Parda 1 01 00 0 0 10 1
ça Negra Raça Negra 1 01 00 0 0 10 1
al Total 1 01 00 0 0 10 1
123 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

15 MUNICÍPIO: APERIBÉ

Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça


Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Sem ações judiciais 1 100,00
Total 1 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 1 100,00
Total 1 100,00
Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário
sem ações e sem procedimentos judiciais 1 100,00
Total 1 100,00

Distribuição percentual de ações.


124 M U N I C Í P I O : A P E R I B É

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: APERIBÉ 16
Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas
Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 7 - 12 6 28 8 1 5 - 4 -

Guarda ou tutela para família extensa (a


2 - - - 7 5 1 0 - 1 1
partir de 2018)

Maioridade 16 - 10 39 - 5 0 4 - - 35

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


5 - - - - - - - - 1 7
2018)

Evasão 8 - - - - - 10 4 - - -

Recambiamento ao Município de Origem 0 - - - - - 0 - - - -

Colocação em família substituta (Desativado


2 - 2 - - - - - - - -
e Desmembrado em 2018)

Desligamento voluntário da família (dos


5 - - - - 5 - - - - -
abrigos de família)

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


125 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: ARARUAMA

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
ARARUAMA 2 15 100,00 0 0,00 0 13
Serviço de Acolhimento Institucional/
2 15 100,00 0 0,00 0 13
Modalidade Abrigo Institucional
126 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARARUAMA 2
Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município Acolhidos %
Araruama 15 100,00
127 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

3 MUNICÍPIO: ARARUAMA

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

0a 6 3 20,00 1 2
7 a 11 3 20,00 1 2
12 a 15 4 26,67 1 3
16 a 18 5 33,33 4 1
Total 15 100,00 7 8

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


128 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARARUAMA 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
0a 6 3 20,00 2 0 1 0 1 0 0

7 a 11 3 20,00 2 0 1 0 1 0 0

12 a 15 4 26,67 1 0 0 3 3 0 0

16 a 18 5 33,33 0 0 2 3 5 0 0

Total 15 100,00 5 0 4 6 10 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Raça Negra 10 66,67 5 5


Parda 6 40,00 3 3
Branca 5 33,33 2 3
Preta 4 26,67 2 2
Total 15 100,00 7 8

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


129 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: ARARUAMA

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
0a 6 0 0,00 3 100,00 3 100,00
7 a 11 0 0,00 3 100,00 3 100,00
12 a 15 3 75,00 1 25,00 4 100,00
16 a 18 2 40,00 3 60,00 5 100,00
Total 5 33,33 10 66,67 15 100,00

Faixas etárias (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

Indicadores de cor/raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos que não estudam.

Cor/Raça número de c/a % feminino masculino


Raça Negra 6 60,00 3 3
Preta 4 40,00 2 2
Branca 4 40,00 2 2
Parda 2 20,00 1 1
Total 10 100,00 5 5

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes que não estudam.


130 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARARUAMA 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Sim 2 13,33
Não 13 86,67
Total 15 100,00

Detalhamento das crianças e adolescentes portadores de necessidades especiais.


Categoria nº de c/a %
Deficiência múltipla 2 100,00
Total 2 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Não 4 26,67
Sim 11 73,33
Total 15 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Acompanhamento Psiquiátrico 5 27,78
Acompanhamento psicológico 4 22,22
Epilepsia 1 5,56
Dependência química (álcool ou drogas) 1 5,56
Transtornos Mentais 1 5,56
Dificuldades fonoaudiológicas (tratamento fonoaudiológico) 1 5,56
Autismo 1 5,56
Dificuldades psicomotoras (Tratamento fisioterápico) 1 5,56
Doenças Neurológicas 1 5,56
Outras doenças 1 5,56
Sífilis 1 5,56
Total 18 100,00
131 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: ARARUAMA

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 3 20,00
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 3 20,00
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 2 13,33
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 4 26,67
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 3 20,00
Total 15 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
132 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARARUAMA 8
Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Negligência 5 33,33 2 3
Situação de Rua 4 26,67 2 2
Em razão de sua conduta 2 13,33 1 1
Abandono pelos pais ou responsáveis 2 13,33 0 2
Pais ou responsáveis dependentes químicos ou
1 6,67 1 0
alcoolistas (Desativado em 2018)
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 6,67 1 0
adolescente
Total 15 100,00 7 8
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
133 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: ARARUAMA

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 5 33,33 2 66,67 3 100,00 0 0,00 0 0,00

Situação de Rua 4 26,67 0 0,00 0 0,00 2 50,00 2 40,00

Em razão de sua conduta 2 13,33 0 0,00 0 0,00 1 25,00 1 20,00

Abandono pelos pais ou responsáveis 2 13,33 1 33,33 0 0,00 1 25,00 0 0,00


Pais ou responsáveis dependentes químicos ou
1 6,67 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 20,00
alcoolistas (Desativado em 2018)
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 6,67 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 20,00
adolescente
Total 15 100,00 3 100,00 3 100,00 4 100,00 5 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
134 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARARUAMA 10
Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 5 2 40,00 3 60,00 0 0,00 0 0,00

Situação de Rua 4 0 0,00 0 0,00 2 50,00 2 50,00

Em razão de sua conduta 2 0 0,00 0 0,00 1 50,00 1 50,00

Abandono pelos pais ou responsáveis 2 1 50,00 0 0,00 1 50,00 0 0,00


Pais ou responsáveis dependentes químicos ou
1 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 100,00
alcoolistas (Desativado em 2018)
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 100,00
adolescente
Total 15 3 20,00 3 20,00 4 26,66 5 33,34

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
135 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

11 MUNICÍPIO: ARARUAMA

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 136 59,65
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 30 13,16
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 21 9,21
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 21 9,21
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 6 2,63
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 1 0,44
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 13 5,70
Total 228 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
136 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARARUAMA 12
Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 125 54,82 68 57
Evasão 33 14,47 13 20
Colocação em família substituta (Desativado e
31 13,60 11 20
Desmembrado em 2018)
Maioridade 15 6,58 6 9
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 8 3,51 5 3
Transferência para outro regime de atendimento 5 2,19 3 2
Recambiamento ao Município de Origem 5 2,19 4 1
Adoção (a partir de 2018) 3 1,32 2 1
Transferência para outro serviço de acolhimento
2 0,88 1 1
institucional
Encerramento das atividades do serviço de acolhimento 1 0,44 1 0
Total 228 100,00 114 114
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
137 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

13 MUNICÍPIO: ARARUAMA

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
semanal 1 6,67 0 0,00 1 100,00
quinzenal 1 6,67 0 0,00 1 100,00
sem visita 13 86,67 3 23,08 10 76,92
Total 15 100,00 3 20,00 12 80,00

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
0a 6 2 15,38 0 0,00 2 100,00
7 a 11 3 23,08 0 0,00 3 100,00
12 a 15 3 23,08 2 66,67 1 33,33
16 a 18 5 38,46 1 20,00 4 80,00
Total 13 100,00 3 23,08 10 76,92

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 15 100,00 3 20,00 12 80,00
Total 15 100,00 3 20,00 12 80,00
138 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARARUAMA 14

Crianças e adolescentes acolhidos distribuídos por grupo fraterno.


Grupo número de c/a

Possuem irmãos 4

Possuem irmãos acolhidos 4

Com irmãos acolhidos no mesmo serviço 4

Com irmãos acolhidos em outro serviço 0

Com irmãos na família nuclear ou extensa 0

Com irmãos em família substituta 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno.


139 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

15 MUNICÍPIO: ARARUAMA

Não há Aptos à adoção neste município


140 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARARUAMA 16
Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça
Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 6 40,00
Sem ações judiciais 9 60,00
Total 15 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 7 77,78
Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 2 22,22
Total 9 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


com ações judiciais 6 40,00
com procedimentos judiciais 4 26,67
sem ações e sem procedimentos judiciais 5 33,33
Total 15 100,00

Distribuição percentual de ações.

Ações Judiciais nº de ações %


Representação em face dos pais ou responsável (Art. 249, ECA) 4 40,00
Ação de Destituição do Poder Familiar 3 30,00
Ação de Guarda Judicial 2 20,00
Ação de Investigação de Paternidade 1 10,00
Total 10 100,00
141 M U N I C Í P I O : A R A R U A M A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

17 MUNICÍPIO: ARARUAMA

Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas


Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 9 3 8 12 12 8 29 2 6 - 3

Evasão 8 14 8 1 0 10 15 - 2 4 7

Colocação em família substituta (Desativado


19 20 25 - 3 13 9 35 9 - -
e Desmembrado em 2018)

Maioridade 54 69 44 25 - - - 48 - 112 68

Guarda ou tutela para família extensa (a


17 - - - - 15 20 - - 5 -
partir de 2018)

Recambiamento ao Município de Origem 0 - - - - - 0 - 0 - -

Transferência para outro regime de


0 - - 0 0 - - - - - -
atendimento

Adoção (a partir de 2018) 22 - - - - - - 6 - 37 -

Encerramento das atividades do serviço de


9 - - - - - 9 - - - -
acolhimento

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


142 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O D O S B Ú Z I O S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 1 5 100,00 0 0,00 0 3
Serviço de Acolhimento Institucional/
1 5 100,00 0 0,00 0 3
Modalidade Abrigo Institucional
143 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O D O S B Ú Z I O S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 2


Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município Acolhidos %
Rio de Janeiro 2 40,00
Armação dos Búzios 1 20,00
Macaé 1 20,00
São João da Barra 1 20,00
Total 5 100,00
144 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O D O S B Ú Z I O S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

3 MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

0a 6 1 20,00 1 0
7 a 11 1 20,00 0 1
12 a 15 1 20,00 1 0
16 a 18 2 40,00 0 2
Total 5 100,00 2 3

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


145 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
D O S B Ú Z I O S

MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
0a 6 1 20,00 0 0 1 0 1 0 0

7 a 11 1 20,00 0 0 0 1 1 0 0

12 a 15 1 20,00 0 0 1 0 1 0 0

16 a 18 2 40,00 0 0 1 1 2 0 0

Total 5 100,00 0 0 3 2 5 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Raça Negra 5 100,00 2 3


Preta 3 60,00 2 1
Parda 2 40,00 0 2
Total 5 100,00 2 3

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


146 2 7Aº R MCAEÇ N
M U N I C Í P I O :
SO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
à O D O S B Ú Z I O S

5 MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
0a 6 1 100,00 0 0,00 1 100,00
7 a 11 1 100,00 0 0,00 1 100,00
12 a 15 1 100,00 0 0,00 1 100,00
16 a 18 2 100,00 0 0,00 2 100,00
Total 5 100,00 0 0,00 5 100,00
147 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O D O S B Ú Z I O S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Não 5 100,00
Total 5 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Sim 2 40,00
Não 3 60,00
Total 5 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Acompanhamento Psiquiátrico 2 50,00
Acompanhamento psicológico 2 50,00
Total 4 100,00
148 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O D O S B Ú Z I O S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 2 40,00
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 2 40,00
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 1 20,00
Total 5 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
149 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O D O S B Ú Z I O S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 8


Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Negligência 2 40,00 1 1
Em razão de sua conduta 1 20,00 0 1
Transferência de outro regime de atendimento 1 20,00 0 1
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 20,00 1 0
adolescente
Total 5 100,00 2 3
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
150 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O D O S B Ú Z I O S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 2 40,00 1 100,00 1 100,00 0 0,00 0 0,00

Em razão de sua conduta 1 20,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 50,00

Transferência de outro regime de atendimento 1 20,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 50,00


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 20,00 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00
adolescente
Total 5 100,00 1 100,00 1 100,00 1 100,00 2 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
151 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O D O S B Ú Z I O S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 10


Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 2 1 50,00 1 50,00 0 0,00 0 0,00

Em razão de sua conduta 1 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 100,00

Transferência de outro regime de atendimento 1 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 100,00


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00
adolescente
Total 5 1 20,00 1 20,00 1 20,00 2 40,00

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
152 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O D O S B Ú Z I O S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

11 MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 26 60,47
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 6 13,95
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 5 11,63
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 6 13,95
Total 43 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
153 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
D O S B Ú Z I O S

MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 12


Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 17 39,53 10 7
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 13 30,23 5 8
Colocação em família substituta (Desativado e
6 13,95 1 5
Desmembrado em 2018)
Transferência de/para outra Família acolhedora 2 4,65 1 1
Transferência para outro serviço de acolhimento
1 2,33 1 0
institucional
Evasão 1 2,33 1 0
Recambiamento ao Município de Origem 1 2,33 1 0
Emancipação 1 2,33 0 1
Adoção (a partir de 2018) 1 2,33 1 0
Total 43 100,00 21 22
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
154 2 7Aº R MCAEÇ N
M U N I C Í P I O : Ã OS DOO SDBAÚ ZP
I OOS P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A

13 MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
semanal 1 20,00 0 0,00 1 100,00
mensal 1 20,00 0 0,00 1 100,00
sem visita 3 60,00 2 66,67 1 33,33
Total 5 100,00 2 40,00 3 60,00

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
0a 6 1 33,33 1 100,00 0 0,00
7 a 11 1 33,33 1 100,00 0 0,00
16 a 18 1 33,33 0 0,00 1 100,00
Total 3 100,00 2 66,67 1 33,33

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 5 100,00 2 40,00 3 60,00
Total 5 100,00 2 40,00 3 60,00
155
27º CE N S O DM A
U N IPC O
Í PP
I OU: L
A A
R MÇA Ã
Ç ÃOO ID N
O SF A
B ÚNZ T
I OOS J U V E N I L A C O L H I D A

MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 14

Crianças e adolescentes acolhidos distribuídos por grupo fraterno.


Grupo número de c/a

Possuem irmãos 3

Possuem irmãos acolhidos 2

Com irmãos acolhidos no mesmo serviço 2

Com irmãos acolhidos em outro serviço 0

Com irmãos na família nuclear ou extensa 0

Com irmãos em família substituta 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno.


156 M U N I C Í P I O : A R M A Ç Ã O D O S B Ú Z I O S
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

15 MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS

Não há Aptos à adoção neste município


157
27º CE N S O DM A
U N IPC O
Í PP
I OU: L
A A
R MÇA Ã
Ç ÃOO ID N
O SF A
B ÚNZ T
I OOS J U V E N I L A C O L H I D A

MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 16


Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça
Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 3 60,00
Sem ações judiciais 2 40,00
Total 5 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 2 100,00
Total 2 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


com ações judiciais 3 60,00
com procedimentos judiciais 2 40,00
Total 5 100,00

Distribuição percentual de ações.

Ações Judiciais nº de ações %


Ação Cautelar Inominada 2 28,57
Ação de Destituição do Poder Familiar 2 28,57
Ação de Alimentos em face dos pais ou responsável 1 14,29
Ação de Guarda Judicial 1 14,29
Ação de Suspensão do Poder Familiar (Art.24 ECA) 1 14,29
Total 7 100,00
158 2 7Aº R MCAEÇ N
M U N I C Í P I O : Ã OS DOO SDBAÚ ZP
I OOS P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A

17 MUNICÍPIO: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS

Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas


Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 6 - - - - - 4 12 3 3 0

Guarda ou tutela para família extensa (a


5 - - - - 6 10 - 3 0 1
partir de 2018)

Colocação em família substituta (Desativado


19 - - - - 9 2 - 26 - -
e Desmembrado em 2018)

Transferência de/para outra Família


7 - - - - - - - - 7 -
acolhedora

Evasão 14 - - - - - - 14 - - -

Recambiamento ao Município de Origem 2 - - - - - 2 - - - -

Emancipação 22 - - - - - - 22 - - -

Adoção (a partir de 2018) 3 - - - - - - - - - 3

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


159 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
BARRA DO PIRAÍ 2 11 100,00 1 9,09 0 7
Serviço de Acolhimento Institucional/
1 11 100,00 1 9,09 0 7
Modalidade Abrigo Institucional
Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora 1 0 0,00 0 0,00 0 0
160 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ 2


Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município Acolhidos %
Barra do Piraí 10 90,91
Japeri 1 9,09
Total 11 100,00
161 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

3 MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

7 a 11 1 9,09 1 0
12 a 15 9 81,82 6 3
16 a 18 1 9,09 1 0
Total 11 100,00 8 3

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


162 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
7 a 11 1 9,09 0 0 0 1 1 0 0

12 a 15 9 81,82 1 0 5 3 8 0 0

16 a 18 1 9,09 0 0 0 1 1 0 0

Total 11 100,00 1 0 5 5 10 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Raça Negra 10 90,91 8 2


Parda 5 45,45 5 0
Preta 5 45,45 3 2
Branca 1 9,09 0 1
Total 11 100,00 8 3

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


163 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
7 a 11 1 100,00 0 0,00 1 100,00
12 a 15 5 55,56 4 44,44 9 100,00
16 a 18 1 100,00 0 0,00 1 100,00
Total 7 63,64 4 36,36 11 100,00

Faixas etárias (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

Indicadores de cor/raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos que não estudam.

Cor/Raça número de c/a % feminino masculino


Raça Negra 4 100,00 2 2
Preta 3 75,00 1 2
Parda 1 25,00 1 0
Total 4 100,00 2 2

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes que não estudam.


164 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Não 11 100,00
Total 11 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Sim 1 9,09
Não 10 90,91
Total 11 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Outras doenças 1 100,00
Total 1 100,00
165 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 4 36,36
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 6 54,55
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 1 9,09
Total 11 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
166 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ 8


Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Negligência 4 36,36 4 0
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
4 36,36 4 0
adolescente
Abandono pelos pais ou responsáveis 2 18,18 0 2
Risco de vida na comunidade 1 9,09 0 1
Total 11 100,00 8 3
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
167 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 4 36,36 0 1 100,00 3 33,33 0 0,00


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
4 36,36 0 0 0,00 3 33,33 1 100,00
adolescente
Abandono pelos pais ou responsáveis 2 18,18 0 0 0,00 2 22,22 0 0,00

Risco de vida na comunidade 1 9,09 0 0 0,00 1 11,11 0 0,00

Total 11 100,00 0 100,00 1 100,00 9 100,00 1 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
168 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ 10


Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 4 0 0,00 1 25,00 3 75,00 0 0,00


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
4 0 0,00 0 0,00 3 75,00 1 25,00
adolescente
Abandono pelos pais ou responsáveis 2 0 0,00 0 0,00 2 100,00 0 0,00

Risco de vida na comunidade 1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00

Total 11 0 0,00 1 9,09 9 81,81 1 9,10

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
169 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

11 MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 112 58,64
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 22 11,52
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 15 7,85
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 23 12,04
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 8 4,19
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 6 3,14
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 4 2,09
Há mais de 10 anos 1 0,52
Total 191 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
170 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ 12


Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 113 59,16 55 58
Colocação em família substituta (Desativado e
20 10,47 11 9
Desmembrado em 2018)
Evasão 20 10,47 14 6
Maioridade 14 7,33 8 6
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 9 4,71 8 1
Transferência para outro serviço de acolhimento
8 4,19 1 7
institucional
Recambiamento ao Município de Origem 2 1,05 1 1
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 2 1,05 2 0
Transferência para outro regime de atendimento 1 0,52 1 0
Adoção (a partir de 2018) 1 0,52 1 0
Recambiamento para o Estado de Origem 1 0,52 0 1
Total 191 100,00 102 89
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
171 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

13 MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
semanal 3 27,27 0 0,00 3 100,00
mensal 1 9,09 0 0,00 1 100,00
sem visita 7 63,64 1 14,29 6 85,71
Total 11 100,00 1 9,09 10 90,91

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
12 a 15 6 85,71 1 16,67 5 83,33
16 a 18 1 14,29 0 0,00 1 100,00
Total 7 100,00 1 14,29 6 85,72

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 10 90,91 1 10,00 9 90,00
Órfãos 1 9,09 0 0,00 1 100,00
Total 11 100,00 1 9,09 10 90,91
172 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

C E N S 2O7 ºD A
C EPNOSPOU LDAAÇ P
ÃOO PIUNLFAAÇNÃTOO JI U
NVFA
ENT
I LO JA U
C VOEL N
H II LD AA C O L H I D A

N I C Í PM
I OU: NBI A
CRÍ PRI AO :DBOA R
PRI RAA D
Í O PIRAÍ 14 14
il dos Aptos
Perfilàdos
adoção
Aptos à adoção
Pais Entrega
Pais Entrega
rio Critério Órfãos DPF
Órfãos DPF Total Total
Desconhecidos
Desconhecidos
Voluntária Voluntária
Sexo
nino Feminino 1 01 0 00 1 0 1
Total 1 01 0 00 1 0 1

Etária Faixa Etária


15 12 a 15 1 01 0 00 1 0 1
Total 1 01 0 00 1 0 1

po de Acolhimento
Tempo de Acolhimento
enos de 6Há
meses
menos de 6 meses 1 01 0 00 1 0 1
Total 1 01 0 00 1 0 1

iências Deficiências
Não 1 01 0 00 1 0 1
Total 1 01 0 00 1 0 1

ças Doenças
Sim 1 01 0 00 1 0 1
Total 1 01 0 00 1 0 1

Raça Cor/Raça
Preta 1 01 0 00 1 0 1
Negra Raça Negra 1 01 0 00 1 0 1
Total 1 01 0 00 1 0 1
173 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

15 MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ

Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça


Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 1 9,09
Sem ações judiciais 10 90,91
Total 11 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 6 60,00
Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 4 40,00
Total 10 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


com ações judiciais 1 9,09
sem ações e sem procedimentos judiciais 10 90,91
Total 11 100,00

Distribuição percentual de ações.

Ações Judiciais nº de ações %


Ação de Destituição do Poder Familiar 1 100,00
Total 1 100,00
174 M U N I C Í P I O : B A R R A D O P I R A Í

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA DO PIRAÍ 16


Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas
Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 15 7 8 19 0 49 23 18 8 2 18

Colocação em família substituta (Desativado


21 32 - 62 20 - 30 6 - - -
e Desmembrado em 2018)

Guarda ou tutela para família extensa (a


14 - - - 7 48 20 4 0 4 -
partir de 2018)

Maioridade 38 102 35 57 47 45 24 - 8 - 2

Evasão 7 0 1 - - - - - 0 16 7

Recambiamento ao Município de Origem 96 - - - - - - - - 96 -

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


5 - - - - - - - 8 2 -
2018)

Transferência para outro regime de


9 - - - - - - - - - 9
atendimento

Recambiamento para o Estado de Origem 1 - 1 - - - - - - - -

Adoção (a partir de 2018) 1 - - - - - - - 1 - -

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


175 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: BARRA MANSA

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
BARRA MANSA 1 13 100,00 0 0,00 0 3
Serviço de Acolhimento Institucional/
1 13 100,00 0 0,00 0 3
Modalidade Abrigo Institucional
176 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA MANSA 2


Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município Acolhidos %
Barra Mansa 11 84,62
Resende 1 7,69
Volta Redonda 1 7,69
Total 13 100,00
177 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

3 MUNICÍPIO: BARRA MANSA

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

0a 6 1 7,69 1 0
7 a 11 3 23,08 1 2
12 a 15 8 61,54 6 2
16 a 18 1 7,69 0 1
Total 13 100,00 8 5

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


178 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA MANSA 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
0a 6 1 7,69 1 0 0 0 0 0 0

7 a 11 3 23,08 0 0 0 3 3 0 0

12 a 15 8 61,54 2 0 3 3 6 0 0

16 a 18 1 7,69 0 0 1 0 1 0 0

Total 13 100,00 3 0 4 6 10 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Raça Negra 10 76,92 5 5


Parda 6 46,15 3 3
Preta 4 30,77 2 2
Branca 3 23,08 3 0
Total 13 100,00 8 5

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


179 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: BARRA MANSA

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
0a 6 1 100,00 0 0,00 1 100,00
7 a 11 3 100,00 0 0,00 3 100,00
12 a 15 8 100,00 0 0,00 8 100,00
16 a 18 1 100,00 0 0,00 1 100,00
Total 13 100,00 0 0,00 13 100,00
180 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA MANSA 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Não 13 100,00
Total 13 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Sim 5 38,46
Não 8 61,54
Total 13 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Acompanhamento Psiquiátrico 3 50,00
Acompanhamento psicológico 3 50,00
Total 6 100,00
181 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: BARRA MANSA

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 2 15,38
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 1 7,69
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 2 15,38
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 7 53,85
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 1 7,69
Total 13 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
182 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA MANSA 8


Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Negligência 5 38,46 3 2
Em razão de sua conduta 4 30,77 2 2
Guarda ou tutela para família extensa mal sucedida (a
2 15,38 1 1
partir de 2018)
Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a partir de
1 7,69 1 0
2018)
Situação de Rua 1 7,69 1 0
Total 13 100,00 8 5
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
183 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: BARRA MANSA

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 5 38,46 1 100,00 3 100,00 1 12,50 0 0,00

Em razão de sua conduta 4 30,77 0 0,00 0 0,00 3 37,50 1 100,00


Guarda ou tutela para família extensa mal
2 15,38 0 0,00 0 0,00 2 25,00 0 0,00
sucedida (a partir de 2018)
Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a
1 7,69 0 0,00 0 0,00 1 12,50 0 0,00
partir de 2018)
Situação de Rua 1 7,69 0 0,00 0 0,00 1 12,50 0 0,00

Total 13 100,00 1 100,00 3 100,00 8 100,00 1 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
184 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA MANSA 10


Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 5 1 20,00 3 60,00 1 20,00 0 0,00

Em razão de sua conduta 4 0 0,00 0 0,00 3 75,00 1 25,00


Guarda ou tutela para família extensa mal
2 0 0,00 0 0,00 2 100,00 0 0,00
sucedida (a partir de 2018)
Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a
1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00
partir de 2018)
Situação de Rua 1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00

Total 13 1 7,69 3 23,07 8 61,53 1 7,71

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
185 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

11 MUNICÍPIO: BARRA MANSA

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 292 75,45
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 42 10,85
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 22 5,68
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 21 5,43
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 4 1,03
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 2 0,52
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 4 1,03
Total 387 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
186 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA MANSA 12


Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 213 55,04 83 130
Colocação em família substituta (Desativado e
75 19,38 42 33
Desmembrado em 2018)
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 33 8,53 15 18
Evasão 25 6,46 15 10
Adoção (a partir de 2018) 16 4,13 9 7
Maioridade 10 2,58 6 4
Recambiamento ao Município de Origem 5 1,29 1 4
Transferência para outro regime de atendimento 4 1,03 3 1
Transferência para outro serviço de acolhimento
2 0,52 2 0
institucional
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 2 0,52 1 1
Recambiamento para o Estado de Origem 2 0,52 1 1
Total 387 100,00 178 209
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
187 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

13 MUNICÍPIO: BARRA MANSA

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
semanal 8 61,54 1 12,50 7 87,50
quinzenal 1 7,69 1 100,00 0 0,00
mensal 1 7,69 1 100,00 0 0,00
sem visita 3 23,08 0 0,00 3 100,00
Total 13 100,00 3 23,08 10 76,92

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
0a 6 1 33,33 0 0,00 1 100,00
7 a 11 1 33,33 0 0,00 1 100,00
12 a 15 1 33,33 0 0,00 1 100,00
Total 3 100,00 0 0,00 3 100,00

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 13 100,00 3 23,08 10 76,92
Total 13 100,00 3 23,08 10 76,92
188 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA MANSA 14

Crianças e adolescentes acolhidos distribuídos por grupo fraterno.


Grupo número de c/a

Possuem irmãos 6

Possuem irmãos acolhidos 3

Com irmãos acolhidos no mesmo serviço 3

Com irmãos acolhidos em outro serviço 0

Com irmãos na família nuclear ou extensa 0

Com irmãos em família substituta 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno.


189 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

15 MUNICÍPIO: BARRA MANSA

Não há Aptos à adoção neste município


190 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BARRA MANSA 16


Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça
Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 3 23,08
Sem ações judiciais 10 76,92
Total 13 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 8 80,00
Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 2 20,00
Total 10 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


com ações judiciais 3 23,08
com procedimentos judiciais 1 7,69
sem ações e sem procedimentos judiciais 9 69,23
Total 13 100,00

Distribuição percentual de ações.

Ações Judiciais nº de ações %


Ação de Destituição do Poder Familiar 3 60,00
Ação de Alimentos em face dos pais ou responsável 1 20,00
Representação em face dos pais ou responsável (Art. 249, ECA) 1 20,00
Total 5 100,00
191 M U N I C Í P I O : B A R R A M A N S A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

17 MUNICÍPIO: BARRA MANSA

Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas


Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 5 4 7 4 11 1 5 4 23 5 3

Colocação em família substituta (Desativado


8 15 4 4 13 7 3 21 7 - -
e Desmembrado em 2018)

Guarda ou tutela para família extensa (a


5 - 8 - 0 3 3 0 4 8 23
partir de 2018)

Evasão 10 3 - 12 13 1 2 - 21 - 5

Adoção (a partir de 2018) 11 - - - - - - - 15 11 10

Recambiamento ao Município de Origem 0 - - - 0 - - 0 0 0 -

Maioridade 16 5 - - - - - 4 38 - -

Recambiamento para o Estado de Origem 2 - - - - - - - 2 - -

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


4 - - - - - - - 5 2 -
2018)

Transferência para outro regime de


16 - - - - - 2 29 - - -
atendimento

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


192 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: BELFORD ROXO

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
BELFORD ROXO 3 23 100,00 2 8,70 1 17
Serviço de Acolhimento Institucional/
2 18 78,26 0 0,00 1 15
Modalidade Abrigo Institucional
Serviço de Acolhimento
1 5 21,74 2 8,70 0 2
Institucional/Modalidade Casa-Lar
193 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BELFORD ROXO 2


Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município Acolhidos %
Belford Roxo 23 100,00

Distribuição da população infantojuvenil oriunda do Município analisado, acolhida pelos


demais Municípios do Estado.
Município de localização do acolhido Acolhidos %

Rio de Janeiro 2 66,67


Campos dos Goytacazes 1 33,33
Total 3 100,00
194 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

3 MUNICÍPIO: BELFORD ROXO

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

0a 6 7 30,43 5 2
7 a 11 8 34,78 4 4
12 a 15 4 17,39 4 0
16 a 18 4 17,39 0 4
Total 23 100,00 13 10

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


195 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BELFORD ROXO 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
0a 6 7 30,43 0 0 0 7 7 0 0

7 a 11 8 34,78 0 0 3 5 8 0 0

12 a 15 4 17,39 0 0 2 2 4 0 0

16 a 18 4 17,39 0 0 2 2 4 0 0

Total 23 100,00 0 0 7 16 23 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Raça Negra 23 100,00 13 10


Parda 16 69,57 9 7
Preta 7 30,43 4 3
Total 23 100,00 13 10

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


196 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: BELFORD ROXO

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
0a 6 2 28,57 5 71,43 7 100,00
7 a 11 5 62,50 3 37,50 8 100,00
12 a 15 4 100,00 0 0,00 4 100,00
16 a 18 4 100,00 0 0,00 4 100,00
Total 15 65,22 8 34,78 23 100,00

Faixas etárias (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

Indicadores de cor/raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos que não estudam.

Cor/Raça número de c/a % feminino masculino


Raça Negra 8 100,00 4 4
Parda 7 87,50 4 3
Preta 1 12,50 0 1
Total 8 100,00 4 4

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes que não estudam.


197 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BELFORD ROXO 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Não 23 100,00
Total 23 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Sim 11 47,83
Não 12 52,17
Total 23 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Acompanhamento psicológico 6 54,55
Acompanhamento Psiquiátrico 5 45,45
Total 11 100,00
198 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: BELFORD ROXO

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 10 43,48
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 3 13,04
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 4 17,39
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 2 8,70
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 2 8,70
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 2 8,70
Total 23 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
199 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BELFORD ROXO 8


Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Negligência 10 43,48 6 4
Abandono pelos pais ou responsáveis 3 13,04 1 2
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 3 13,04 3 0
Em razão de sua conduta 2 8,70 0 2
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
2 8,70 1 1
adolescente
Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 1 4,35 1 0
Situação de Rua 1 4,35 0 1
Guarda ou tutela para família extensa mal sucedida (a
1 4,35 1 0
partir de 2018)
Total 23 100,00 13 10
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
200 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

9 MUNICÍPIO: BELFORD ROXO

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 10 43,48 4 57,14 4 50,00 1 25,00 1 25,00

Abandono pelos pais ou responsáveis 3 13,04 1 14,29 2 25,00 0 0,00 0 0,00

Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 3 13,04 1 14,29 1 12,50 1 25,00 0 0,00

Em razão de sua conduta 2 8,70 0 0,00 0 0,00 0 0,00 2 50,00


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
2 8,70 1 14,29 1 12,50 0 0,00 0 0,00
adolescente
Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 1 4,35 0 0,00 0 0,00 1 25,00 0 0,00

Situação de Rua 1 4,35 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 25,00


Guarda ou tutela para família extensa mal
1 4,35 0 0,00 0 0,00 1 25,00 0 0,00
sucedida (a partir de 2018)
Total 23 100,00 7 100,00 8 100,00 4 100,00 4 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
201 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BELFORD ROXO 10


Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 10 4 40,00 4 40,00 1 10,00 1 10,00

Abandono pelos pais ou responsáveis 3 1 33,33 2 66,67 0 0,00 0 0,00

Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 3 1 33,33 1 33,33 1 33,33 0 0,00

Em razão de sua conduta 2 0 0,00 0 0,00 0 0,00 2 100,00


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
2 1 50,00 1 50,00 0 0,00 0 0,00
adolescente
Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00

Situação de Rua 1 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 100,00


Guarda ou tutela para família extensa mal
1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00
sucedida (a partir de 2018)
Total 23 7 30,43 8 34,78 4 17,39 4 17,40

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
202 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

11 MUNICÍPIO: BELFORD ROXO

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 278 49,20
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 83 14,69
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 80 14,16
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 77 13,63
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 19 3,36
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 8 1,42
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 17 3,01
Há mais de 10 anos 3 0,53
Total 565 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
203 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BELFORD ROXO 12


Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 283 50,09 147 136
Evasão 95 16,81 49 46
Colocação em família substituta (Desativado e
75 13,27 36 39
Desmembrado em 2018)
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 48 8,50 24 24
Maioridade 19 3,36 13 6
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 15 2,65 5 10
Adoção (a partir de 2018) 14 2,48 5 9
Transferência para outro serviço de acolhimento
8 1,42 0 8
institucional
Transferência para outro regime de atendimento 3 0,53 0 3
Retirada da instituição sem ordem judicial 2 0,35 0 2
Recambiamento para o Estado de Origem 1 0,18 1 0
Recambiamento ao Município de Origem 1 0,18 0 1
Óbito 1 0,18 0 1
Total 565 100,00 280 285
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
204 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

13 MUNICÍPIO: BELFORD ROXO

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
semanal 3 13,04 2 66,67 1 33,33
quinzenal 3 13,04 2 66,67 1 33,33
sem visita 17 73,91 15 88,24 2 11,76
Total 23 100,00 19 82,61 4 17,39

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
0a 6 6 35,29 5 83,33 1 16,67
7 a 11 6 35,29 5 83,33 1 16,67
12 a 15 3 17,65 3 100,00 0 0,00
16 a 18 2 11,76 2 100,00 0 0,00
Total 17 100,00 15 88,24 2 11,76

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 21 91,30 18 85,71 3 14,29
Órfãos 2 8,70 1 50,00 1 50,00
Total 23 100,00 19 82,61 4 17,39
205 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BELFORD ROXO 14

Crianças e adolescentes acolhidos distribuídos por grupo fraterno.


Grupo número de c/a

Possuem irmãos 7

Possuem irmãos acolhidos 2

Com irmãos acolhidos no mesmo serviço 2

Com irmãos acolhidos em outro serviço 0

Com irmãos na família nuclear ou extensa 0

Com irmãos em família substituta 1

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno.


206 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENS
2O7 º DCAE N
PSOO
P UDLAA ÇP ÃOOP UI N
LAFÇ
ANÃO
T OI JNUFVAENNTIOL J A
UCVO
ELNH
I LI DAAC O L H I D A

15 15 M U N I C Í PMI U
O N: IBCEÍ LPFI O :R BDE R
LFOO
XROD R O X O

fil dos Aptos


Perfil dos
à adoção
Aptos à adoção
Pais Entrega
Pais Entrega
ério Critério Órfãos Órfãos
DPF DPF Total Total
Desconhecidos
Desconhecidos
Voluntária Voluntária
o Sexo
culino Masculino 2 02 00 00 20 2
al Total 2 02 00 00 20 2

xa Etária Faixa Etária


18 16 a 18 2 02 00 00 20 2
al Total 2 02 00 00 20 2

mpo de Acolhimento
Tempo de Acolhimento
mais de 1 Há
anomais
e 6 meses
de 1 ano
e há
e 6menos
mesesde
e há
3 anos
menos de 31anos 01 00 00 10 1
mais de 5 Há
anos
mais
e há
demenos
5 anosde
e há
10 menos
anos de 10 anos 1 01 00 00 10 1
al Total 2 02 00 00 20 2

ciências Deficiências
Não 2 02 00 00 20 2
al Total 2 02 00 00 20 2

nças Doenças
Sim 2 02 00 00 20 2
al Total 2 02 00 00 20 2

/Raça Cor/Raça
a Preta 1 01 00 00 10 1
da Parda 1 01 00 00 10 1
a Negra Raça Negra 2 02 00 00 20 2
al Total 2 02 00 00 20 2
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
207 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

MUNICÍPIO: BELFORD ROXO 16


Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça
Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 19 82,61
Sem ações judiciais 4 17,39
Total 23 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 1 25,00
Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 3 75,00
Total 4 100,00
Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário
com ações judiciais 19 82,61
com procedimentos judiciais 2 8,70
sem ações e sem procedimentos judiciais 2 8,70
Total 23 100,01

Distribuição percentual de ações.

Ações Judiciais nº de ações %


Ação de Destituição do Poder Familiar 20 66,67
Ação de Alimentos em face dos pais ou responsável 3 10,00
Ação Civil Pública para proteção de direito individual (moradia,inclusão em programa 2 6,67
Representação em face dos pais ou responsável (Art. 249, ECA) 2 6,67
Ação de Adoção 1 3,33
Ação de Guarda Judicial 1 3,33
Ação de Investigação de Paternidade 1 3,33
Total 30 100,00
208 M U N I C Í P I O : B E L F O R D R O X O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

17 MUNICÍPIO: BELFORD ROXO

Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas


Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 10 9 12 6 7 8 17 19 13 6 4

Evasão 14 22 14 4 3 20 10 9 8 21 -

Colocação em família substituta (Desativado


20 17 28 10 7 11 25 12 26 - -
e Desmembrado em 2018)

Guarda ou tutela para família extensa (a


10 2 12 - 11 6 5 15 19 13 6
partir de 2018)

Adoção (a partir de 2018) 14 - - - - - - - - 24 5

Maioridade 58 35 48 110 5 - - 36 79 63 -

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


12 - - - - - - - 12 14 5
2018)

Transferência para outro regime de


17 - - 4 30 - - - - - -
atendimento

Retirada da instituição sem ordem judicial 5 - - - 5 - - - - - -

Óbito 0 - - - - - - - - - 0

Recambiamento para o Estado de Origem 1 - - 1 - - - - - - -

Recambiamento ao Município de Origem 0 - - - - - - 0 - - -

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


209 M U N I C Í P I O : B O M J A R D I M

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: BOM JARDIM

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
BOM JARDIM 1 1 100,00 0 0,00 0 0
Serviço de Acolhimento
1 1 100,00 0 0,00 0 0
Institucional/Modalidade Casa-Lar
210 M U N I C Í P I O : B O M J A R D I M

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BOM JARDIM 2


Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município Acolhidos %
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Bom Jardim 1 100,00
3 MUNICÍPIO: BOM JARDIM

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

7 a 11 1 100,00 0 1
Total 1 100,00 0 1

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


211 M U N I C Í P I O : B O M J A R D I M

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BOM JARDIM 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
7 a 11 1 100,00 1 0 0 0 0 0 0

Total 1 100,00 1 0 0 0 0 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Branca 1 100,00 0 1
Total 1 100,00 0 1

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: BOM JARDIM

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
7 a 11 1 100,00 0 0,00 1 100,00
Total 1 100,00 0 0,00 1 100,00
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
212 M U N I C Í P I O : B O M J A R D I M
MUNICÍPIO: BOM JARDIM 6
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Dos indicadores de deficiência e saúde.
MUNICÍPIO: BOM JARDIM 6
Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência Dos indicadores de deficiência e saúde.
número de c/a %
Não Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
1 100,00
Total
Apresentam deficiência 1 de c/a
número 100,00
%
Não 1 100,00
Total 1 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Não Crianças e Adolescentes
2 7 º Cacolhidos
E N S O D que
A P necessitam
OPULAÇÃO de Itratamento
N F A N T O J1de
U Vsaúde
E N I L especial.
100,00
AC OLHIDA
Total
Necessidade de tratamento de saúde especial 1 de c/a
número 100,00
%
7 MUNICÍPIO: BOM JARDIM
Não 1 100,00
Total 1
Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento. 100,00

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de


acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 1 100,00
Total 1 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.

Data de referência: 30/06/2021


27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
213 M U N I C Í P I O : B O M J A R D I M

MUNICÍPIO: BOM JARDIM 8


Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 1 100,00 0 1
Total 2 7 º C E N S O D A P O P U L 1A Ç Ã O I N100,00
F A N T O J U V E0 N I L A C O L1 H I D A
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
9 MUNICÍPIO: BOM JARDIM

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 1 100,00 0 1 100,00 0 0

Total 1 100,00 0 100,00 1 100,00 0 100,00 0 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
214 M U N I C Í P I O : B O M J A R D I M

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BOM JARDIM 10


Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 1 0 0,00 1 100,00 0 0,00 0 0,00

Total 1 0 0,00 1 100,00 0 0,00 0 0,00


27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".

11 MUNICÍPIO: BOM JARDIM

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 9 26,47
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 3 8,82
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 5 14,71
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 7 20,59
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 4 11,76
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 1 2,94
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 5 14,71
Total 34 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
215 M U N I C Í P I O : B O M J A R D I M

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BOM JARDIM 12


Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 16 47,06 3 13
Colocação em família substituta (Desativado e
7 20,59 5 2
Desmembrado em 2018)
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 3 8,82 2 1
Maioridade 3 8,82 3 0
Evasão 2 5,88 1 1
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 2 5,88 1 1
Transferência de/para outra Família acolhedora 1 2,94 0 1
Total 34 100,00 15 19
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".

13 MUNICÍPIO: BOM JARDIM

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
semanal 1 100,00 1 100,00 0 0,00
Total 1 100,00 1 100,00 0 0,00

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 1 100,00 1 100,00 0 0,00
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Total 1 100,00 1 100,00 0 0,00

MUNICÍPIO: BOM JARDIM 14


Não há Aptos à adoção neste município
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

15 M U N I C Í P I O : MUNICÍPIO: BOM JARDIM


216 B O M J A R D I M

Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça


Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 1 100,00
Total 1 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


com ações judiciais 1 100,00
Total 1 100,00

Distribuição percentual de ações.

Ações Judiciais nº de ações %


Ação de Destituição do Poder Familiar 1 100,00
Total 1 100,00

Data de referência: 30/06/2021


217 M U N I C Í P I O : B O M J A R D I M

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BOM JARDIM 16


Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas
Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 19 - 2 - 7 2 - 90 17 12 -

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


5 - - - - - - - - - 5
2018)

Colocação em família substituta (Desativado


27 - - - - - - 27 - - -
e Desmembrado em 2018)

Evasão 2 - - - - - 2 - - - -

Transferência de/para outra Família


43 - - - - - - - - 43 -
acolhedora

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


218 M U N I C Í P I O : B O M J E S U S D O I T A B A P O A N A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
BOM JESUS DO ITABAPOANA 1 6 100,00 0 0,00 0 2
Serviço de Acolhimento
1 6 100,00 0 0,00 0 2
Institucional/Modalidade Casa-Lar
219
27º CE N S O DM A POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
U N I C Í P I O : B O M J E S U S D O I T A B A P O A N A

MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA 2


Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município 2 7 º C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E Acolhidos
N I L A C O L H%I D A

Bom Jesus do Itabapoana 6 100,00


3 MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

0a 6 1 16,67 1 0
12 a 15 4 66,67 3 1
16 a 18 1 16,67 0 1
Total 6 100,00 4 2

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


220 M U N I C Í P I O : B O M J E S U S D O I T A B A P O A N A
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
0a 6 1 16,67 0 0 0 1 1 0 0

12 a 15 4 66,67 1 0 1 2 3 0 0

16 a 18 1 16,67 0 0 0 1 1 0 0

Total 6 100,00 1 0 1 4 5 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Raça Negra 5 83,33 3 2


Parda 4 66,67 2 2
Preta 1 16,67 1 0
Branca 1 16,67 1 0
Total 6 100,00 4 2

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


221 M U N I C Í P I O : B O M J E S U S D O I T A B A P O A N A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
0a 6 1 100,00 0 0,00 1 100,00
12 a 15 4 100,00 0 0,00 4 100,00

2 7 º C E 16
N Sa O
18 D A P O P U L A1Ç Ã O I N 100,00
F A N T O J U V E0 N I L A C O0,00
LHIDA 1 100,00
Total 6 100,00 0 0,00 6 100,00
MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Não 6 100,00
Total 6 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Sim 1 16,67
Não 5 83,33
Total 6 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Esquizofrenia 1 100,00
Total 1 100,00
222 M U N I C Í P I O : B O M J E S U S D O I T A B A P O A N A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 3 50,00
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 2 33,33
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 1 16,67
Total 6 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA 8


Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Em razão de sua conduta 3 50,00 3 0
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
3 50,00 1 2
adolescente
Total 6 100,00 4 2
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
223 M U N I C Í P I O : B O M J E S U S D O I T A B A P O A N A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Em razão de sua conduta 3 50,00 0 0,00 0 3 75,00 0 0,00


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
3 50,00 1 100,00 0 1 25,00 1 100,00
adolescente
Total 6 100,00 1 100,00 0 100,00 4 100,00 1 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
224 M U N I C Í P I O : B O M J E S U S D O I T A B A P O A N A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA 10


Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Em razão de sua conduta 3 0 0,00 0 0,00 3 100,00 0 0,00


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
3 1 33,33 0 0,00 1 33,33 1 33,33
adolescente
Total 6 1 16,66 0 0,00 4 66,66 1 16,68
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".

11 MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 63 70,79
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 8 8,99
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 5 5,62
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 4 4,49
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 2 2,25
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 1 1,12
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 5 5,62
Há mais de 10 anos 1 1,12
Total 89 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
225 M U N I C Í P I O : B O M J E S U S D O I T A B A P O A N A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA 12


Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 63 70,79 33 30
Colocação em família substituta (Desativado e
9 10,11 4 5
Desmembrado em 2018)
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 6 6,74 4 2
Transferência de/para outra Família acolhedora 4 4,49 3 1
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 2 2,25 1 1
Maioridade 2 2,25 0 2
Transferência para outro regime de atendimento 2 2,25 2 0
Emancipação 1 1,12 0 1
Total 89 100,00 47 42
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
13 MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
semanal 4 66,67 0 0,00 4 100,00
sem visita 2 33,33 0 0,00 2 100,00
Total 6 100,00 0 0,00 6 100,00

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
12 a 15 2 100,00 0 0,00 2 100,00
Total 2 100,00 0 0,00 2 100,00

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 6 100,00 0 0,00 6 100,00
Total 6 100,00 0 0,00 6 100,00
226 M U N I C Í P I O : B O M J E S U S D O I T A B A P O A N A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

M U N I C Í P I O : B O M J2 E
7 ºS U
CES NDS O I TAA PBOA PPUOLAA N
O D ÇA 14A
ÃO INFANTOJUVENIL ACOLHID
Não há Aptos à adoção neste município
15 MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA

Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça


Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Sem ações judiciais 6 100,00
Total 6 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 3 50,00
Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 3 50,00
Total 6 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


sem ações e sem procedimentos judiciais 6 100,00
Total 6 100,00

Distribuição percentual de ações.


227 M U N I C Í P I O : B O M J E S U S D O I T A B A P O A N A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: BOM JESUS DO ITABAPOANA 16


Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas
Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 8 2 3 2 2 6 - 14 8 0 79

Colocação em família substituta (Desativado


12 - - 23 22 10 1 7 - - -
e Desmembrado em 2018)

Guarda ou tutela para família extensa (a


29 - - - 2 2 84 - - - -
partir de 2018)

Transferência de/para outra Família


29 - - - - - - - 45 2 34
acolhedora

Maioridade 51 - - - 86 - - - - 15 -

Transferência para outro regime de


1 - - - - - - - - 1 -
atendimento

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


67 - - - - - - - - 67 -
2018)

Emancipação 18 - - - 18 - - - - - -

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


228 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: CABO FRIO

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
CABO FRIO 2 7 100,00 0 0,00 0 2
Serviço de Acolhimento Institucional/
1 7 100,00 0 0,00 0 2
Modalidade Abrigo Institucional
Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora 1 0 0,00 0 0,00 0 0
229 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CABO FRIO 2


Origem da população infantojuvenil
2 7 º C E N S Oacolhida
D A P Ono
P UMunicípio.
LAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Município Acolhidos %
Cabo Frio 3 M U N I C Í P I O : C7A B O 100,00
FRIO

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

0a 6 3 42,86 0 3
7 a 11 2 28,57 1 1
12 a 15 2 28,57 0 2
Total 7 100,00 1 6

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


230 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CABO FRIO 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
0a 6 3 42,86 1 0 0 2 2 0 0

7 a 11 2 28,57 0 0 2 0 2 0 0

12 a 15 2 28,57 1 0 1 0 1 0 0

Total 7 100,00 2 0 3 2 5 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Raça Negra 5 71,43 1 4


Preta 3 42,86 1 2
Branca 2 28,57 0 2
Parda 2 28,57 0 2
Total 7 100,00 1 6

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


231 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: CABO FRIO

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
0a 6 2 66,67 1 33,33 3 100,00
7 a 11 2 100,00 0 0,00 2 100,00
12 a 15 1 50,00 1 50,00 2 100,00
Total 5 71,43 2 28,57 7 100,00

Faixas etárias (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

Indicadores de cor/raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos que não estudam.

Cor/Raça número de c/a % feminino masculino


Branca 1 50,00 0 1
Preta 1 50,00 0 1
Raça Negra 1 50,00 0 1
Total 2 100,00 0 2

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes que não estudam.


232 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CABO FRIO 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Não 7 100,00
Total 7 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Não 3 42,86
Sim 4 57,14
Total 7 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Acompanhamento Psiquiátrico 2 50,00
Acompanhamento psicológico 2 50,00
Total 4 100,00
233 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: CABO FRIO

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 2 28,57
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 3 42,86
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 2 28,57
Total 7 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CABO FRIO 8


Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Negligência 3 42,86 1 2
Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 2 28,57 0 2
Responsável impossibilitado de cuidar por motivo de
1 14,29 0 1
doença
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 14,29 0 1
adolescente
Total 7 100,00 1 6
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
234 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: CABO FRIO

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 3 42,86 2 66,67 1 50,00 0 0,00 0

Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 2 28,57 1 33,33 0 0,00 1 50,00 0


Responsável impossibilitado de cuidar por motivo
1 14,29 0 0,00 0 0,00 1 50,00 0
de doença
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 14,29 0 0,00 1 50,00 0 0,00 0
adolescente
Total 7 100,00 3 100,00 2 100,00 2 100,00 0 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
235 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CABO FRIO 10


Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 3 2 66,67 1 33,33 0 0,00 0 0,00

Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 2 1 50,00 0 0,00 1 50,00 0 0,00


Responsável impossibilitado de cuidar por motivo
1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00
de doença
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 0 0,00 1 100,00 0 0,00 0 0,00
adolescente
Total 2 7 º C E N S7 O D A3 P O 42,85
P U L A Ç2 Ã O 28,57
I N F A N2T O J28,57
U V E N I0L A C
0,01
OLHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
11 MUNICÍPIO: CABO FRIO

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 275 75,76
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 39 10,74
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 22 6,06
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 10 2,75
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 5 1,38
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 1 0,28
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 7 1,93
Há mais de 10 anos 4 1,10
Total 363 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
236 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CABO FRIO 12


Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 165 45,45 94 71
Evasão 60 16,53 27 33
Colocação em família substituta (Desativado e
58 15,98 24 34
Desmembrado em 2018)
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 47 12,95 19 28
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 10 2,75 2 8
Transferência para outro regime de atendimento 8 2,20 2 6
Adoção (a partir de 2018) 7 1,93 3 4
Maioridade 5 1,38 0 5
Recambiamento para o Estado de Origem 1 0,28 1 0
Transferência para outro serviço de acolhimento
1 0,28 0 1
institucional
Recambiamento ao Município de Origem 1 0,28 0 1
Total 363 100,00 172 191
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
237 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

13 MUNICÍPIO: CABO FRIO

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
semanal 4 57,14 4 100,00 0 0,00
quinzenal 1 14,29 1 100,00 0 0,00
sem visita 2 28,57 0 0,00 2 100,00
Total 7 100,00 5 71,43 2 28,57

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
7 a 11 1 50,00 0 0,00 1 100,00
12 a 15 1 50,00 0 0,00 1 100,00
Total 2 100,00 0 0,00 2 100,00

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 7 100,00 5 71,43 2 28,57
Total 7 100,00 5 71,43 2 28,57
238 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CABO FRIO 14

Crianças e adolescentes acolhidos distribuídos por grupo fraterno.


Grupo número de c/a

Possuem irmãos 5

Possuem irmãos acolhidos 5

Com irmãos acolhidos no mesmo serviço 5

Com irmãos acolhidos em outro serviço 0

Com irmãos na família nuclear ou extensa 0

Com irmãos em família substituta 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno.

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

15 MUNICÍPIO: CABO FRIO

Não há Aptos à adoção neste município


239 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CABO FRIO 16


Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça
Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 5 71,43
Sem ações judiciais 2 28,57
Total 7 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 2 100,00
Total 2 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


com ações judiciais 5 71,43
com procedimentos judiciais 2 28,57
Total 7 100,00

Distribuição percentual de ações.

Ações Judiciais nº de ações %


Ação de Destituição do Poder Familiar 5 71,43
Representação em face dos pais ou responsável (Art. 249, ECA) 2 28,57
Total 7 100,00
240 M U N I C Í P I O : C A B O F R I O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

17 MUNICÍPIO: CABO FRIO

Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas


Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 7 3 7 6 4 21 13 4 2 4 6

Guarda ou tutela para família extensa (a


6 - - - 3 9 5 6 7 2 1
partir de 2018)

Colocação em família substituta (Desativado


13 7 15 4 20 17 16 7 24 - -
e Desmembrado em 2018)

Evasão 3 3 4 4 8 1 3 5 0 0 3

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


10 - - - - - - - 8 14 12
2018)

Transferência para outro regime de


8 2 1 0 - - - 8 - 20 -
atendimento

Adoção (a partir de 2018) 6 - - - - - - - 3 5 8

Maioridade 88 76 - - 102 - 129 - 44 - -

Recambiamento para o Estado de Origem 0 - - - - - - 0 - - -

Recambiamento ao Município de Origem 6 - - - - - - 6 - - -

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


241 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
CACHOEIRAS DE MACACU 1 5 100,00 0 0,00 0 2
Serviço de Acolhimento Institucional/
1 5 100,00 0 0,00 0 2
Modalidade Abrigo Institucional
242 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU 2


Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município Acolhidos %
Cachoeiras de Macacu 4 80,00
Guapimirim 1 20,00
Total 5 100,00
243 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

3 MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

0a 6 1 20,00 0 1
12 a 15 4 80,00 3 1
Total 5 100,00 3 2

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


244 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
0a 6 1 20,00 0 0 0 1 1 0 0

12 a 15 4 80,00 2 0 0 2 2 0 0

Total 5 100,00 2 0 0 3 3 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Raça Negra 3 60,00 2 1


Parda 3 60,00 2 1
Branca 2 40,00 1 1
Total 5 100,00 3 2

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


245 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
0a 6 0 0,00 1 100,00 1 100,00
12 a 15 2 50,00 2 50,00 4 100,00
Total 2 40,00 3 60,00 5 100,00

Faixas etárias (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

Indicadores de cor/raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos que não estudam.

Cor/Raça número de c/a % feminino masculino


Raça Negra 2 66,67 1 1
Parda 2 66,67 1 1
Branca 1 33,33 0 1
Total 3 100,00 1 2

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes que não estudam.


246 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Não 5 100,00
Total 5 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Sim 1 20,00
Não 4 80,00
Total 5 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Acompanhamento psicológico 1 100,00
Total 1 100,00
247 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 1 20,00
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 2 40,00
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 1 20,00
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 1 20,00
Total 5 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU 8


Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Abandono pelos pais ou responsáveis 2 40,00 0 2
Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a partir de
1 20,00 1 0
2018)
Em razão de sua conduta 1 20,00 1 0
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 1 20,00 1 0
Total 5 100,00 3 2
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
248 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Abandono pelos pais ou responsáveis 2 40,00 1 100,00 0 1 25,00 0


Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a
1 20,00 0 0,00 0 1 25,00 0
partir de 2018)
Em razão de sua conduta 1 20,00 0 0,00 0 1 25,00 0

Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 1 20,00 0 0,00 0 1 25,00 0

Total 5 100,00 1 100,00 0 100,00 4 100,00 0 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
249 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU 10


Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Abandono pelos pais ou responsáveis 2 1 50,00 0 0,00 1 50,00 0 0,00


Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a
1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00
partir de 2018)
Em razão de sua conduta 1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00

Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00

Total 5 1 20,00 0 0,00 4 80,00 0 0,00


27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
11 MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 35 51,47
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 14 20,59
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 3 4,41
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 8 11,76
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 3 4,41
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 3 4,41
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 2 2,94
Total 68 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
250 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU 12


Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 37 54,41 13 24
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 9 13,24 6 3
Colocação em família substituta (Desativado e
8 11,76 2 6
Desmembrado em 2018)
Maioridade 6 8,82 1 5
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 4 5,88 3 1
Evasão 3 4,41 2 1
Transferência para outro regime de atendimento 1 1,47 1 0
Total 2 7 º C E N S O D A P O P U L68
A Ç Ã O I N100,00
F A N T O J U V 28
E N I L A C O 40
LHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
13 MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
diária 1 20,00 0 0,00 1 100,00
semanal 2 40,00 2 100,00 0 0,00
sem visita 2 40,00 1 50,00 1 50,00
Total 5 100,00 3 60,00 2 40,00

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
0a 6 1 50,00 1 100,00 0 0,00
12 a 15 1 50,00 0 0,00 1 100,00
Total 2 100,00 1 50,00 1 50,00

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 5 100,00 3 60,00 2 40,00
Total 5 100,00 3 60,00 2 40,00
251 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU 14

Crianças e adolescentes acolhidos distribuídos por grupo fraterno.


Grupo número de c/a

Possuem irmãos 2

Possuem irmãos acolhidos 0

Com irmãos acolhidos no mesmo serviço 0

Com irmãos acolhidos em outro serviço 0

Com irmãos na família nuclear ou extensa 0

Com irmãos em família substituta 1

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno.

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

15 MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU

Não há Aptos à adoção neste município


252 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU 16


Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça
Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 3 60,00
Sem ações judiciais 2 40,00
Total 5 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 1 50,00
Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 1 50,00
Total 2 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


com ações judiciais 3 60,00
sem ações e sem procedimentos judiciais 2 40,00
Total 5 100,00

Distribuição percentual de ações.

Ações Judiciais nº de ações %


Ação de Destituição do Poder Familiar 3 75,00
Representação em face dos pais ou responsável (Art. 249, ECA) 1 25,00
Total 4 100,00
253 M U N I C Í P I O : C A C H O E I R A S D E M A C A C U

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

17 MUNICÍPIO: CACHOEIRAS DE MACACU

Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas


Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 9 3 12 - - 2 8 11 - 0 12

Colocação em família substituta (Desativado


18 - - - 20 - - 28 3 - -
e Desmembrado em 2018)

Guarda ou tutela para família extensa (a


2 - - - 0 - 0 - 3 5 -
partir de 2018)

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


12 - - - - - - - - 12 10
2018)

Maioridade 31 - - - 21 38 - - 28 - -

Evasão 18 - - - - - - - - - 18

Transferência para outro regime de


0 - - - - - 0 - - - -
atendimento

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


254 M U N I C Í P I O : C A M B U C I

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: CAMBUCI

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
CAMBUCI 1 3 100,00 0 0,00 0 1
Serviço de Acolhimento Institucional/
1 3 100,00 0 0,00 0 1
Modalidade Abrigo Institucional
255 M U N I C Í P I O : C A M B U C I

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMBUCI 2
Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Município Acolhidos %
Cambuci M U N I C Í P I O 3: C A M100,00
BUCI
3

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

12 a 15 1 33,33 1 0
16 a 18 2 66,67 2 0
Total 3 100,00 3 0

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


256 M U N I C Í P I O : C A M B U C I
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMBUCI 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
12 a 15 1 33,33 1 0 0 0 0 0 0

16 a 18 2 66,67 1 0 0 1 1 0 0

Total 3 100,00 2 0 0 1 1 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Branca 2 66,67 2 0
Parda 1 33,33 1 0
Raça Negra 1 33,33 1 0
Total 3 100,00 3 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


257 M U N I C Í P I O : C A M B U C I

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: CAMBUCI

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
12 a 15 1 100,00 0 0,00 1 100,00
16 a 18 1 50,00 1 50,00 2 100,00
Total 2 66,67 1 33,33 3 100,00

Faixas etárias (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

Indicadores de cor/raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos que não estudam.

Cor/Raça número de c/a % feminino masculino


Branca 1 100,00 1 0
Total 1 100,00 1 0

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes que não estudam.


258 M U N I C Í P I O : C A M B U C I

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMBUCI 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Não 3 100,00
Total 3 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Sim 1 33,33
Não 2 66,67
Total 3 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Acompanhamento psicológico 1 100,00
Total 1 100,00
259 M U N I C Í P I O : C A M B U C I

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: CAMBUCI

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 1 33,33
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 1 33,33
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 1 33,33
Total 3 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMBUCI 8
Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores mal sucedida (a partir de
2 66,67 2 0
2018)
Em razão de sua conduta 1 33,33 1 0
Total 3 100,00 3 0
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
260 M U N I C Í P I O : C A M B U C I

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: CAMBUCI

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %
Reintegração aos genitores mal sucedida (a partir
2 66,67 0 0 1 100,00 1 50,00
de 2018)
Em razão de sua conduta 1 33,33 0 0 0 0,00 1 50,00

Total 3 100,00 0 100,00 0 100,00 1 100,00 2 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
261 M U N I C Í P I O : C A M B U C I

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMBUCI 10
Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %
Reintegração aos genitores mal sucedida (a partir
2 0 0,00 0 0,00 1 50,00 1 50,00
de 2018)
Em razão de sua conduta 1 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 100,00

Total 3 0 0,00 0 0,00 1 33,33 2 66,67


27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".

11 MUNICÍPIO: CAMBUCI

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 2 10,53
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 7 36,84
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 4 21,05
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 4 21,05
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 1 5,26
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 1 5,26
Total 19 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
262 M U N I C Í P I O : C A M B U C I

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMBUCI 12
Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 12 63,16 7 5
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 4 21,05 4 0
Óbito 1 5,26 0 1
Colocação em família substituta (Desativado e
1 5,26 0 1
Desmembrado em 2018)
Transferência para outro serviço de acolhimento
1 5,26 1 0
institucional
Total 19 100,00 12 7
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
13 MUNICÍPIO: CAMBUCI

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
quinzenal 1 33,33 0 0,00 1 100,00
mensal 1 33,33 1 100,00 0 0,00
sem visita 1 33,33 0 0,00 1 100,00
Total 3 100,00 1 33,33 2 66,67

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
12 a 15 1 100,00 0 0,00 1 100,00
Total 1 100,00 0 0,00 1 100,00

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 3 100,00 1 33,33 2 66,67
Total 3 100,00 1 33,33 2 66,67
263 M U N I C Í P I O : C A M B U C I

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMBUCI 14

Crianças e adolescentes acolhidos distribuídos por grupo fraterno.


Grupo número de c/a

Possuem irmãos 1

Possuem irmãos acolhidos 0

Com irmãos acolhidos no mesmo serviço 0

Com irmãos acolhidos em outro serviço 0

Com irmãos na família nuclear ou extensa 0

Com irmãos em família substituta 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno.

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

15 MUNICÍPIO: CAMBUCI

Não há Aptos à adoção neste município


264 M U N I C Í P I O : C A M B U C I

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMBUCI 16
Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça
Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 1 33,33
Sem ações judiciais 2 66,67
Total 3 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 2 100,00
Total 2 100,00
Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário
com ações judiciais 1 33,33
sem ações e sem procedimentos judiciais 2 66,67
Total 3 100,00

Distribuição percentual de ações.

Ações Judiciais nº de ações %


Ação de Destituição do Poder Familiar 1 100,00
Total 1 100,00
265 M U N I C Í P I O : C A M B U C I

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

17 MUNICÍPIO: CAMBUCI

Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas


Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 13 - - - 4 19 - 9 11 15 16

Guarda ou tutela para família extensa (a


12 - - - - - 16 7 - - -
partir de 2018)

Óbito 22 - - - - - - - - 22 -

Colocação em família substituta (Desativado


54 - - - - - - - 54 - -
e Desmembrado em 2018)

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


266 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
CAMPOS DOS GOYTACAZES 9 98 100,00 21 21,43 0 45
Serviço de Acolhimento Institucional/
9 98 100,00 21 21,43 0 45
Modalidade Abrigo Institucional
267 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES 2


Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município Acolhidos %
Campos dos Goytacazes 91 92,86
Rio de Janeiro 2 2,04
Belford Roxo 1 1,02
Macaé 1 1,02
São Fidélis 1 1,02
São Francisco de Itabapoana 1 1,02
São João da Barra 1 1,02
Total 98 100,00

Distribuição da população infantojuvenil oriunda do Município analisado, acolhida pelos


demais Municípios do Estado.
Município de localização do acolhido Acolhidos %

Quissamã 3 75,00
Cardoso Moreira 1 25,00
Total 4 100,00
268 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

3 MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

0a 6 31 31,63 15 16
7 a 11 19 19,39 8 11
12 a 15 30 30,61 14 16
16 a 18 18 18,37 9 9
Total 98 100,00 46 52

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


269 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
0a 6 31 31,63 11 0 8 12 20 0 0

7 a 11 19 19,39 4 0 6 9 15 0 0

12 a 15 30 30,61 3 0 15 12 27 0 0

16 a 18 18 18,37 3 0 10 5 15 0 0

Total 98 100,00 21 0 39 38 77 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Raça Negra 77 78,57 38 39


Preta 39 39,80 21 18
Parda 38 38,78 17 21
Branca 21 21,43 8 13
Total 98 100,00 46 52

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


270 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
0a 6 15 48,39 16 51,61 31 100,00
7 a 11 16 84,21 3 15,79 19 100,00
12 a 15 28 93,33 2 6,67 30 100,00
16 a 18 18 100,00 0 0,00 18 100,00
Total 77 78,57 21 21,43 98 100,00

Faixas etárias (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

Indicadores de cor/raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos que não estudam.

Cor/Raça número de c/a % feminino masculino


Raça Negra 15 71,43 6 9
Parda 8 38,10 2 6
Preta 7 33,33 4 3
Branca 6 28,57 1 5
Total 21 100,00 7 14

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes que não estudam.


271 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Sim 8 8,16
Não 90 91,84
Total 98 100,00

Detalhamento das crianças e adolescentes portadores de necessidades especiais.


Categoria nº de c/a %
Deficiência mental 7 87,50
Deficiência auditiva/deficiência visual 1 12,50
Total 8 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Sim 32 32,65
Não 66 67,35
Total 98 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Acompanhamento Psiquiátrico 19 42,22
Acompanhamento psicológico 13 28,89
Doenças Neurológicas 4 8,89
Dificuldades fonoaudiológicas (tratamento fonoaudiológico) 2 4,44
Transtornos Mentais 2 4,44
Microcefalia 1 2,22
Doenças Respiratórias 1 2,22
DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis) 1 2,22
Dificuldades psicomotoras (Tratamento fisioterápico) 1 2,22
Retardo mental 1 2,22
Total 45 100,00
272 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 19 19,39
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 11 11,22
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 12 12,24
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 28 28,57
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 12 12,24
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 2 2,04
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 11 11,22
Há mais de 10 anos 3 3,06
Total 98 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
273 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES 8


Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Negligência 32 32,65 13 19
Abandono pelos pais ou responsáveis 9 9,18 3 6
Em razão de sua conduta 9 9,18 5 4
Situação de Rua 6 6,12 3 3
Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 6 6,12 5 1
Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a partir de
6 6,12 3 3
2018)
Criança Acolhida com Genitora menor de 18 anos 5 5,10 2 3
Risco de vida na comunidade 5 5,10 2 3
Guarda ou tutela para família extensa mal sucedida (a
4 4,08 1 3
partir de 2018)
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 4 4,08 2 2
Reintegração aos genitores mal sucedida (a partir de
3 3,06 1 2
2018)
Devolução por tentativa de colocação familiar mal
3 3,06 2 1
sucedida (Desativado e Desmembrado em 2018)
Entrega voluntária 3 3,06 2 1
Transferência de outro regime de atendimento 2 2,04 1 1
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 1,02 1 0
adolescente
Total 98 100,00 46 52
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
274 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 32 32,65 14 45,16 9 47,37 8 26,67 1 5,56

Abandono pelos pais ou responsáveis 9 9,18 3 9,68 2 10,53 1 3,33 3 16,67

Em razão de sua conduta 9 9,18 0 0,00 1 5,26 3 10,00 5 27,78

Situação de Rua 6 6,12 5 16,13 0 0,00 1 3,33 0 0,00

Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 6 6,12 1 3,23 0 0,00 4 13,33 1 5,56
Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a
6 6,12 0 0,00 3 15,79 2 6,67 1 5,56
partir de 2018)
Criança Acolhida com Genitora menor de 18 anos 5 5,10 5 16,13 0 0,00 0 0,00 0 0,00

Risco de vida na comunidade 5 5,10 0 0,00 0 0,00 3 10,00 2 11,11


Guarda ou tutela para família extensa mal
4 4,08 0 0,00 1 5,26 2 6,67 1 5,56
sucedida (a partir de 2018)
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 4 4,08 0 0,00 2 10,53 2 6,67 0 0,00
Reintegração aos genitores mal sucedida (a partir
3 3,06 0 0,00 0 0,00 1 3,33 2 11,11
de 2018)
Devolução por tentativa de colocação familiar mal
3 3,06 0 0,00 1 5,26 1 3,33 1 5,56
sucedida (Desativado e Desmembrado em 2018)
Entrega voluntária 3 3,06 2 6,45 0 0,00 1 3,33 0 0,00

Transferência de outro regime de atendimento 2 2,04 1 3,23 0 0,00 1 3,33 0 0,00


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 1,02 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 5,56
adolescente
Total 98 100,00 31 100,00 19 100,00 30 100,00 18 100,00

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
275 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES 10

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.


276 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

11 MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES

Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).


Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 32 14 43,75 9 28,13 8 25,00 1 3,13

Abandono pelos pais ou responsáveis 9 3 33,33 2 22,22 1 11,11 3 33,33

Em razão de sua conduta 9 0 0,00 1 11,11 3 33,33 5 55,56

Situação de Rua 6 5 83,33 0 0,00 1 16,67 0 0,00

Abuso sexual / Suspeita de abuso sexual 6 1 16,67 0 0,00 4 66,67 1 16,67


Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a
6 0 0,00 3 50,00 2 33,33 1 16,67
partir de 2018)
Criança Acolhida com Genitora menor de 18 anos 5 5 100,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00

Risco de vida na comunidade 5 0 0,00 0 0,00 3 60,00 2 40,00


Guarda ou tutela para família extensa mal
4 0 0,00 1 25,00 2 50,00 1 25,00
sucedida (a partir de 2018)
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 4 0 0,00 2 50,00 2 50,00 0 0,00
Reintegração aos genitores mal sucedida (a partir
3 0 0,00 0 0,00 1 33,33 2 66,67
de 2018)
Devolução por tentativa de colocação familiar mal
3 0 0,00 1 33,33 1 33,33 1 33,33
sucedida (Desativado e Desmembrado em 2018)
Entrega voluntária 3 2 66,67 0 0,00 1 33,33 0 0,00

Transferência de outro regime de atendimento 2 1 50,00 0 0,00 1 50,00 0 0,00


Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 0 0,00 0 0,00 0 0,00 1 100,00
adolescente
Total 98 31 31,63 19 19,38 30 30,61 18 18,38

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
277 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES 12


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de
acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 827 52,94
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 190 12,16
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 198 12,68
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 180 11,52
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 60 3,84
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 32 2,05
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 67 4,29
Há mais de 10 anos 8 0,51
Total 1.562 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
278 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

13 MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES

Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 641 41,04 318 323
Evasão 331 21,19 148 183
Colocação em família substituta (Desativado e
231 14,79 115 116
Desmembrado em 2018)
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 111 7,11 59 52
Maioridade 85 5,44 35 50
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 62 3,97 26 36
Transferência para outro regime de atendimento 43 2,75 7 36
Adoção (a partir de 2018) 34 2,18 11 23
Transferência para outro serviço de acolhimento
10 0,64 3 7
institucional
Óbito 6 0,38 1 5
Recambiamento para o Estado de Origem 5 0,32 2 3
Desligamento voluntário da família (dos abrigos de
1 0,06 1 0
família)
Emancipação 1 0,06 1 0
Recambiamento ao Município de Origem 1 0,06 0 1
Total 1.562 100,00 727 835
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
279 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES 14

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
diária 5 5,10 3 60,00 2 40,00
semanal 36 36,73 30 83,33 6 16,67
quinzenal 5 5,10 2 40,00 3 60,00
mensal 6 6,12 2 33,33 4 66,67
bimestral 1 1,02 1 100,00 0 0,00
sem visita 45 45,92 25 55,56 20 44,44
Total 98 100,00 63 64,29 35 35,72

Faixa etária das crianças e adolescentes sem visita.

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Faixa Etária %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
0a 6 17 37,78 6 35,29 11 64,71
7 a 11 9 20,00 6 66,67 3 33,33
12 a 15 13 28,89 10 76,92 3 23,08
16 a 18 6 13,33 3 50,00 3 50,00
Total 45 100,00 25 55,56 20 44,44

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 77 78,57 46 59,74 31 40,26
Pai e mãe desconhecidos 1 1,02 0 0,00 1 100,00
Órfãos 5 5,10 2 40,00 3 60,00
DPF com trânsito em julgado 15 15,31 15 100,00 0 0,00
Total 98 100,00 63 64,29 35 35,72
280 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

15 MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES

Crianças e adolescentes acolhidos distribuídos por grupo fraterno.


Grupo número de c/a

Possuem irmãos 39

Possuem irmãos acolhidos 19

Com irmãos acolhidos no mesmo serviço 14

Com irmãos acolhidos em outro serviço 7

Com irmãos na família nuclear ou extensa 0

Com irmãos em família substituta 6

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno.


281 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

º C E N2S7Oº C
DEA NPSOOP D
UAL APÇOÃ POU ILNAFÇAÃNOT O
I NJ FU AV NE TNOI LJ UAVCEONLI H
LID
ACAOLHIDA

U N I C ÍM
PUI ON:I C ÍAPMI O
PO: C
S ADMOPSO S
G ODYOTSA C
GAO ZYET SA C A Z E S 16 16
erfil dosPerfil
Aptosdos
à adoção
Aptos à adoção
Pais Pais
Entrega Entrega
tério Critério Órfãos Órfãos
DPF DPF Total Total
Desconhecidos
Desconhecidos
Voluntária Voluntária
xo Sexo
minino Feminino 1 15 5 0 0 0 06 6
sculino Masculino 4 10
4 10 1 1 0 15
0 15
tal Total 5 15
5 15 1 1 0 21
0 21

ixa EtáriaFaixa Etária


a 6 0a 6 0 00 0 1 1 0 01 1
a 11 7 a 11 0 06 6 0 0 0 06 6
a 15 12 a 15 3 38 8 0 0 0 11
0 11
a 18 16 a 18 2 21 1 0 0 0 03 3
tal Total 5 15
5 15 1 1 0 21
0 21

mpo de Acolhimento
Tempo de Acolhimento
menos de
Há6 menos
meses de 6 meses 1 10 0 1 1 0 02 2
mais de 6Há
meses
mais de
e há
6 meses
menos edehá1 menos
ano de 1 ano 1 10 0 0 0 0 01 1
mais de 1Há
ano
mais
e 6de
meses
1 anoeehá
6 meses
menos edehá3 menos
anos de 3 anos
1 14 4 0 0 0 05 5
mais de 3Há
anos
maise de
há 3menos
anos edehá4 menos
anos de 4 anos 0 03 3 0 0 0 03 3
mais de 5Há
anos
maise de
há 5menos
anos edehá10menos
anos de 10 anos 2 26 6 0 0 0 08 8
mais de 10
Háanos
mais de 10 anos 0 02 2 0 0 0 02 2
tal Total 5 15
5 15 1 1 0 21
0 21

ficiênciasDeficiências
o Não 5 11
5 11 1 1 0 17
0 17
m Sim 0 04 4 0 0 0 04 4
tal Total 5 15
5 15 1 1 0 21
0 21

enças Doenças
o Não 1 13 3 1 1 0 05 5
m Sim 4 12
4 12 0 0 0 16
0 16
tal Total 5 15
5 15 1 1 0 21
0 21

r/Raça Cor/Raça
anca Branca 0 03 3 0 0 0 03 3
eta Preta 2 24 4 1 1 0 07 7
rda Parda 3 38 8 0 0 0 11
0 11
ça Negra Raça Negra 5 12
5 12 1 1 0 18
0 18
tal Total 5 15
5 15 1 1 0 21
0 21
282 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

17 MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES

Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça


Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 84 85,71
Sem ações judiciais 14 14,29
Total 98 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Com P.A. 1 7,14
Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 3 21,43
Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 10 71,43
Total 14 100,00
Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário
com ações judiciais 84 85,71
com procedimentos judiciais 8 8,16
sem ações e sem procedimentos judiciais 6 6,12
Total 98 99,99

Distribuição percentual de ações.


283 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES 18

Ações Judiciais nº de ações %


Ação de Destituição do Poder Familiar 70 48,61
Representação em face dos pais ou responsável (Art. 249, ECA) 19 13,19
Ação de Adoção 12 8,33
Ação de Busca e Apreensão 6 4,17
Ação de Obrigação de Fazer 6 4,17
Ação de Alimentos em face dos pais ou responsável 5 3,47
Ação de Guarda Judicial 5 3,47
Ação de Tutela 5 3,47
Pedido de afastamento do convívio familiar 4 2,78
Ação Civil Pública para proteção de direito individual (moradia,inclusão em programa 2 1,39
Ação de Emancipação 1 0,69
Ação de Indenização/Danos Morais 1 0,69
Ação de Investigação de Maternidade 1 0,69
Ação de Investigação de Paternidade 1 0,69
Ação de Nomeação de Guardião 1 0,69
Ação de Registro Civil de Nascimento 1 0,69
Prestação de Contas 1 0,69
Regulamentação de Visitas 1 0,69
Retificação ou Anulação de Registro Civil 1 0,69
Revogação de Tutela 1 0,69
Total 144 100,00
284 M U N I C Í P I O : C A M P O S D O S G O Y T A C A Z E S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

19 MUNICÍPIO: CAMPOS DOS GOYTACAZES

Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas


Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 9 10 9 7 9 11 6 12 9 11 9

Evasão 7 2 3 3 14 18 4 11 5 4 13

Colocação em família substituta (Desativado


27 26 22 28 37 34 22 24 26 - -
e Desmembrado em 2018)

Guarda ou tutela para família extensa (a


10 - - - 13 5 11 9 12 10 7
partir de 2018)

Maioridade 44 35 31 17 38 46 16 47 64 65 41

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


24 - - - - - - - 7 28 20
2018)

Transferência para outro regime de


19 2 5 1 52 7 - 57 0 - 77
atendimento

Adoção (a partir de 2018) 25 - - - - - - - 37 18 21

Óbito 50 - - 17 - - 2 63 119 97 -

Recambiamento para o Estado de Origem 2 - - - 1 - 1 - 4 - -

Desligamento voluntário da família (dos


9 - - - - - - - - - 9
abrigos de família)

Recambiamento ao Município de Origem 0 - - - - - - - 0 - -

Emancipação 12 - 12 - - - - - - - -

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


285 M U N I C Í P I O : C A N T A G A L O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: CANTAGALO

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
CANTAGALO 1 5 100,00 0 0,00 0 0
2Serviço
7 º CdeEAcolhimento
N S O DInstitucional/
A POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
1 5 100,00 0 0,00 0 0
Modalidade Abrigo Institucional
MUNICÍPIO: CANTAGALO 2
Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
Município Acolhidos %
Cantagalo 5 100,00

Distribuição da população infantojuvenil oriunda do Município analisado, acolhida pelos


demais Municípios do Estado.
Município de localização do acolhido Acolhidos %

São Sebastião do Alto 1 100,00


Total 1 100,00
286 M U N I C Í P I O : C A N T A G A L O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

3 MUNICÍPIO: CANTAGALO

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

7 a 11 4 80,00 3 1
12 a 15 1 20,00 1 0
Total 5 100,00 4 1

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


287 M U N I C Í P I O : C A N T A G A L O
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CANTAGALO 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
7 a 11 4 80,00 4 0 0 0 0 0 0

12 a 15 1 20,00 1 0 0 0 0 0 0

Total 5 100,00 5 0 0 0 0 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Branca 5 100,00 4 1
Total 5 100,00 4 1

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: CANTAGALO

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
7 a 11 4 100,00 0 0,00 4 100,00
12 a 15 1 100,00 0 0,00 1 100,00
Total 5 100,00 0 0,00 5 100,00
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CANTAGALO 6
288 M U N I C Í P I O : C A N T A G A L O

2 7 º C E N S O D A P O P U LDos
A Ç Ãindicadores
O I N F A N Tde
O Jdeficiência
U V E N I L Ae Csaúde.
OLHIDA

M U N I C Í P I O Crianças
: CANTA eG
Adolescentes
ALO portadores de necessidades especiais. 6
Apresentam deficiência número de c/a %
Dos indicadores de deficiência e saúde.
Não 5 100,00
Total Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
5 100,00
Apresentam deficiência número de c/a %
Não 5 100,00
Total 5 100,00
Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.
Necessidade de tratamento de
2 7saúde
º C Eespecial
N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A número
NTOJU deVc/a %L H I D A
ENIL ACO
Não 5 100,00
M U N I C Í de
7 Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento PIO: CANTAGALO
TotalCrianças e 5 saúde especial.
100,00
Necessidade deDos
tratamento de saúde
indicadores deespecial
período e motivo de acolhimentonúmero de c/a
/ desligamento. %
Não 5 100,00
Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
Total 5 100,00
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há menos de 6 meses 1 20,00
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 4 80,00
Total 5 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.

Data de referência: 30/06/2021


289 M U N I C Í P I O : C A N T A G A L O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CANTAGALO 8
Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Negligência 5 100,00 4 1
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Total 5 100,00 4 1
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
MUNICÍPIO: CANTAGAL
sucedida", "Guarda9ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
O

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 5 100,00 0 4 100,00 1 100,00 0

Total 5 100,00 0 100,00 4 100,00 1 100,00 0 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
290 M U N I C Í P I O : C A N T A G A L O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CANTAGALO 10
Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 5 0 0,00 4 80,00 1 20,00 0 0,00

Total
2 7 º C E N S5 O D A0 P O P
0,00
U L A Ç4 Ã O 80,00
I N F A N1T O J20,00
U V E N I0L A C
0,00
OLHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
11 MUNICÍPIO: CANTAGALO

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 49 69,01
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 14 19,72
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 1 1,41
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 2 2,82
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 2 2,82
Há mais de 5 anos e há menos de 10 anos 3 4,23
Total 71 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
291 M U N I C Í P I O : C A N T A G A L O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CANTAGALO 12
Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 42 59,15 23 19
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 14 19,72 8 6
Colocação em família substituta (Desativado e
9 12,68 7 2
Desmembrado em 2018)
Emancipação 2 2,82 1 1
Transferência para outro regime de atendimento 1 1,41 0 1
Desligamento voluntário da família (dos abrigos de
1 1,41 1 0
família)
Evasão 1 1,41 1 0
Maioridade 1 1,41 1 0
Total 2 7 º C E N S O D A P O P U L71
A Ç Ã O I N100,00
F A N T O J U V 42
E N I L A C O 29
LHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
13 ou Tutela para família extensa".
terceiros" e "Guarda MUNICÍPIO: CANTA GALO

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
semanal 5 100,00 0 0,00 5 100,00
Total 5 100,00 0 0,00 5 100,00

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 5 100,00 0 0,00 5 100,00
2 7 º
Total C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O
5 I N F A N T O
100,00 J U V E N
0 I L A C O L HIDA
0,00 5 100,00

MUNICÍPIO: CANTAGALO 14
Não há Aptos à adoção neste município
292 M U N I C Í P I O : C A N T A G A L O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

15 MUNICÍPIO: CANTAGALO

Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça


Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Sem ações judiciais 5 100,00
Total 5 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 4 80,00
Sem P.A. acolhidos há menos de 6 meses 1 20,00
Total 5 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


sem ações e sem procedimentos judiciais 5 100,00
Total 5 100,00

Distribuição percentual de ações.


293 M U N I C Í P I O : C A N T A G A L O

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CANTAGALO 16
Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas
Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 5 8 2 1 2 - - 7 26 7 4

Guarda ou tutela para família extensa (a


5 - - 5 - 5 3 - - - 9
partir de 2018)

Colocação em família substituta (Desativado


29 0 - - - - - - 43 - -
e Desmembrado em 2018)

Transferência para outro regime de


10 - - - - - - 10 - - -
atendimento

Maioridade 10 - - - - - - - - - 10

Emancipação 6 - - - - - - - - - 6

Evasão 8 - - 8 - - - - - - -

Desligamento voluntário da família (dos


0 - 0 - - - - - - - -
abrigos de família)

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


294 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: CARAPEBUS

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
CARAPEBUS 1 4 100,00 1 25,00 0 0
Serviço de Acolhimento Institucional/
1 4 100,00 1 25,00 0 0
Modalidade Abrigo Institucional
295 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CARAPEBUS 2
Origem da população infantojuvenil acolhida no Município.
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Município Acolhidos %
Carapebus 3 4 R A P 100,00
MUNICÍPIO: CA EBUS

Indicadores de faixa etária, sexo, cor/raça e escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos.

Faixa etária e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa etária número de c/a % feminino masculino

0a 6 1 25,00 0 1
7 a 11 2 50,00 2 0
12 a 15 1 25,00 1 0
Total 4 100,00 3 1

Percentual de crianças e adolescentes acolhidos por faixa etária.

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por sexo e faixa etária.


296 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CARAPEBUS 4

Cor/raça e faixa etária das crianças e adolescentes acolhidos.


Faixa Etária nº de c/a % Branca Amarela Preta Parda Raça Negra Indigena Ignorado
0a 6 1 25,00 0 0 1 0 1 0 0

7 a 11 2 50,00 1 0 0 1 1 0 0

12 a 15 1 25,00 1 0 0 0 0 0 0

Total 4 100,00 2 0 1 1 2 0 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e faixa etária.

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos.


Cor/raça número de c/a % feminino masculino

Raça Negra 2 50,00 1 1


Branca 2 50,00 2 0
Parda 1 25,00 1 0
Preta 1 25,00 0 1
Total 4 100,00 3 1

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por cor/raça e sexo.


297 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

5 MUNICÍPIO: CARAPEBUS

Escolaridade das crianças e adolescentes acolhidos, por faixa etária.


Faixa etária Estuda % Não Estuda % Total %
0a 6 0 0,00 1 100,00 1 100,00
7 a 11 2 100,00 0 0,00 2 100,00
12 a 15 1 100,00 0 0,00 1 100,00
Total 3 75,00 1 25,00 4 100,00

Faixas etárias (em números) das crianças e adolescentes que não estudam.

Indicadores de cor/raça e sexo das crianças e adolescentes acolhidos que não estudam.

Cor/Raça número de c/a % feminino masculino


Preta 1 100,00 0 1
Raça Negra 1 100,00 0 1
Total 1 100,00 0 1

Cor/Raça e sexo das crianças e adolescentes que não estudam.


298 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CARAPEBUS 6

Dos indicadores de deficiência e saúde.


Crianças e Adolescentes portadores de necessidades especiais.
Apresentam deficiência número de c/a %
Não 4 100,00
Total 4 100,00

Crianças e Adolescentes acolhidos que necessitam de tratamento de saúde especial.


Necessidade de tratamento de saúde especial número de c/a %
Sim 2 50,00
Não 2 50,00
Total 4 100,00

Doenças mais comuns.


Doenças mais comuns Incidência %
Acompanhamento psicológico 1 50,00
Doenças Neurológicas 1 50,00
Total 2 100,00
299 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

7 MUNICÍPIO: CARAPEBUS

Dos indicadores de período e motivo de acolhimento / desligamento.


Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se encontram em regime de
acolhimento institucional ou familiar.
C/A acolhidos nº de c/a %
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 1 25,00
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 1 25,00
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 2 50,00
Total 4 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CARAPEBUS 8
Motivo de acolhimento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Negligência 1 25,00 0 1
Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a partir de
1 25,00 1 0
2018)
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 1 25,00 1 0
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 25,00 1 0
adolescente
Total 4 100,00 3 1
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal
sucedida", "Guarda ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
300 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

9 MUNICÍPIO: CARAPEBUS

Motivo de acolhimento por faixa etária (% do motivo em cada faixa).


Motivo nº de c/a % 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 1 25,00 1 100,00 0 0,00 0 0,00 0


Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a
1 25,00 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0
partir de 2018)
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 1 25,00 0 0,00 1 50,00 0 0,00 0
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 25,00 0 0,00 1 50,00 0 0,00 0
adolescente
Total 4 100,00 1 100,00 2 100,00 1 100,00 0 100,00

Motivos de acolhimento com maior incidência para cada faixa etária.

Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".
301 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CARAPEBUS 10
Motivo de acolhimento por faixa etária (% da faixa em cada motivo).
Motivo nº de c/a 0a 6 % 7 a 11 % 12 a 15 % 16 a 18 %

Negligência 1 1 100,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00


Guarda ou tutela para terceiros mal sucedida (a
1 0 0,00 0 0,00 1 100,00 0 0,00
partir de 2018)
Adoção mal sucedida (a partir de 2018) 1 0 0,00 1 100,00 0 0,00 0 0,00
Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou
1 0 0,00 1 100,00 0 0,00 0 0,00
adolescente
Total 4 1 25,00 2 50,00 1 25,00 0 0,00
27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Devolução por tentativa de colocação familiar mal sucedida" foi desmembrado em "Adoção mal sucedida", "Guarda
ou Tutela para terceiros mal sucedida" e "Guarda ou Tutela para família extensa mal sucedida".

11 MUNICÍPIO: CARAPEBUS

Tempo de institucionalização das crianças e adolescentes que se desligaram (*) do regime de


acolhimento institucional ou familiar.
( * ) Refere-se a crianças e adolescentes desligados a partir de 2008 e que não foram acolhidos novamente.
C/A desligados nº de c/a %
Há menos de 6 meses 25 53,19
Há mais de 6 meses e há menos de 1 ano 2 4,26
Há mais de 1 ano e há menos de 1 ano e 6 meses 4 8,51
Há mais de 1 ano e 6 meses e há menos de 3 anos 12 25,53
Há mais de 3 anos e há menos de 4 anos 3 6,38
Há mais de 4 anos e há menos de 5 anos 1 2,13
Total 47 100,00
Percentual – tempo de acolhimento.
302 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CARAPEBUS 12
Motivo de desligamento.
Motivo nº de c/a % feminino masculino
Reintegração aos genitores 26 55,32 14 12
Maioridade 7 14,89 4 3
Guarda ou tutela para família extensa (a partir de 2018) 4 8,51 3 1
Evasão 3 6,38 1 2
Transferência para outro serviço de acolhimento
2 4,26 1 1
institucional
Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de 2018) 2 4,26 0 2
Desligamento voluntário da família (dos abrigos de
1 2,13 0 1
família)
Emancipação 1 2,13 0 1
Colocação em família substituta (Desativado e
1 2,13 1 0
Desmembrado em 2018)
Total 2 7 º C E N S O D A P O P U L47
A Ç Ã O I N100,00
F A N T O J U V 24
E N I L A C O 23
LHIDA
Observação: A partir de 2018 o motivo "Colocação em família substituta" foi desmembrado em "Adoção", Guarda ou Tutela para
terceiros" e "Guarda ou Tutela para família extensa".
13 MUNICÍPIO: CARAPEBUS

Dos indicadores que podem contribuir para a definição da situação jurídica das crianças e
adolescentes acolhidos.
Relação entre visitação e Ação de Destituição do Poder Familiar (DPF).

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Detalhamento da visitação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
semanal 4 100,00 3 75,00 1 25,00
Total 4 100,00 3 75,00 1 25,00

Vínculos biológicos das crianças e adolescentes acolhidos

número de número de % de c/a com número de % de c/a sem


Situação %
c/a c/a com DPF DPF c/a sem DPF DPF
Pai e/ou mãe vivo(s) 3 75,00 2 66,67 1 33,33
DPF com trânsito em julgado 1 25,00 1 100,00 0 0,00
Total 4 100,00 3 75,00 1 25,00
303 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CARAPEBUS 14

Crianças e adolescentes acolhidos distribuídos por grupo fraterno.


Grupo número de c/a

Possuem irmãos 2

Possuem irmãos acolhidos 2

Com irmãos acolhidos no mesmo serviço 2

Com irmãos acolhidos em outro serviço 0

Com irmãos na família nuclear ou extensa 0

Com irmãos em família substituta 0

Distribuição das crianças e adolescentes acolhidos por grupo fraterno.


304 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

2 7 º C E N 2S7Oº D
CAE NPSOOP U
D LAA P
ÇOÃP
O UILNAFÇAÃNOT OI N
JUFA
VNEN
TOI LJ U
AVC EONL IHL I DA AC O L H I D A

15 15 M U N I C ÍM
P IUON: I C
CAÍ PRIAOP: ECBAURSA P E B U S

rfil dos Perfil


Aptosdos
à adoção
Aptos à adoção
Pais Pais
Entrega Entrega
tério Critério Órfãos Órfãos
DPF DPF Total Total
Desconhecidos
Desconhecidos
Voluntária Voluntária
xo Sexo
minino Feminino 0 01 10 0 0 10 1
al Total 0 01 10 0 0 10 1

xa EtáriaFaixa Etária
a 15 12 a 15 0 01 10 0 0 10 1
al Total 0 01 10 0 0 10 1

mpo de Acolhimento
Tempo de Acolhimento
mais de 3Há
anos
mais
e há
de menos
3 anos de
e há
4 anos
menos de 4 anos 0 01 10 0 0 10 1
al Total 0 01 10 0 0 10 1

iciênciasDeficiências
o Não 0 01 10 0 0 10 1
al Total 0 01 10 0 0 10 1

enças Doenças
o Não 0 01 10 0 0 10 1
al Total 0 01 10 0 0 10 1

r/Raça Cor/Raça
nca Branca 0 01 10 0 0 10 1
al Total 0 01 10 0 0 10 1
305 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

MUNICÍPIO: CARAPEBUS 16
Panorama e detalhamento da situação das crianças e adolescentes no sistema de justiça
Critério número de c/a %
Panorama da situação da c/a no sistema de justiça
Com ações judiciais 3 75,00
Sem ações judiciais 1 25,00
Total 4 100,00

Acompanhamento no âmbito da PJIJ de crianças e adolescentes sem ações


Sem P.A. acolhidos há mais de 6 meses 1 100,00
Total 1 100,00

Acompanhamento no âmbito do Poder Judiciário


com ações judiciais 3 75,00
com procedimentos judiciais 1 25,00
Total 4 100,00

Distribuição percentual de ações.

Ações Judiciais nº de ações %


Ação de Destituição do Poder Familiar 3 100,00
Total 3 100,00
306 M U N I C Í P I O : C A R A P E B U S

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

17 MUNICÍPIO: CARAPEBUS

Evolução do tempo médio de acolhimento (em meses) das c/a desligadas


Motivo do Desligamento Média 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Reintegração aos genitores 9 - - 1 3 21 - 3 14 4 2

Maioridade 26 21 - 6 - - 48 - - 27 -

Evasão 4 - - - - - 6 - - 4 2

Guarda ou tutela para família extensa (a


3 - - 3 - - - - - - -
partir de 2018)

Guarda ou Tutela para terceiros (a partir de


46 - - - - - - - - 46 -
2018)

Emancipação 31 - - - - - - 31 - - -

Colocação em família substituta (Desativado


9 - - - - - - - 9 - -
e Desmembrado em 2018)

Desligamento voluntário da família (dos


25 - 25 - - - - - - - -
abrigos de família)

Evolução do tempo médio de acolhimento das c/a desligadas (principais motivos)


307 M U N I C Í P I O : C A R D O S O M O R E I R A

27º CENSO DA POPULAÇÃO INFANTOJUVENIL ACOLHIDA

1 MUNICÍPIO: CARDOSO MOREIRA

Distribuição da população infantojuvenil acolhida


Total das entidades de acolhimento institucional e Equipe de acompanhamento do Projeto Família Acolhedora
(CREAS), das crianças e adolescentes inseridos nesses regimes, das crianças e adolescentes aptos à adoção, das
crianças e adolescentes sem registro civil de nascimento e das crianças e adolescentes sem visita.
número
número de % de c/a no aptos à % aptos à Sem Sem
Atendimento de
c/a Estado adoção adoção RCN Visita
entidades
CARDOSO MOREIRA 1 7 100,00 1 14,29 0 5
Serviço de Acolhimento
1 7 100,00 1 14,29 0 5
Institucional/Modalidade Casa-Lar
308 M U N I C Í P I O : C A R D O S O M O R E