Você está na página 1de 3

ANO/SEMESTR E LETIVO ANO/SEMESTR E ANO/SEMESTR ANO/SEMESTR E

LETIVO E LETIVO LETIVO

2021/1 2021/1 2021/1 2021/1

PROFESSOR Aluna: Letícia de Macêdo Silva

Ítalo Danyel A. G. dos Santos

1.Quais os objetos da ADI genérica? E quem são os legitimados para


entrar com a ação? A Ação Direta de Inconstitucionalidade consta no artigo
102 da Constituição e é uma das ferramentas de controle concentrado. É uma
ação judicial proposta ao STF para que este decida se determinada lei ou ato
normativo é constitucional. Os legitimados para entrar na ação são: Presidente
da República, a Mesa do Senado Federal, a Mesa da Câmara dos Deputados,
o Procurador-Geral da República, o Conselho Federal da Ordem dos
Advogados do Brasil, partido político com representação no Congresso
Nacional.
2.Quais os efeitos da ADI genérica? A decisão no controle concentrado
produzirá efeitos contra todos (erga omnes), e também efeito retroativo,
retirando do ordenamento jurídico o ato normativo ou lei incompatível com a
Constituição. Trata-se, portanto de ato nulo.
“As decisões definitivas de mérito proferidas pelo Supremo Tribunal Federal
nas ações diretas de inconstitucionalidade e nas ações declaratórias de
constitucionalidade produzirão eficácia contra todos e efeito vinculante,
relativamente aos demais órgãos do Poder Judiciário e à administração pública
direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal” (art. 102, §2º da
CF).

3.Quais os objetos da ADI por omissão? Quem possui legitimidade para


entrar com a ação? Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão tem o
objetivo de provocar o Judiciário para que seja reconhecida a demora na
produção da norma regulamentadora. Possui legitimidade a pessoa natural ou
a pessoa jurídica.
4.Quais os efeitos da ADI por omissão? A decisão em ação direta por
omissão terá natureza mandamental, uma vez que, constitui o Poder ou órgão
em mora. Além disso, dará ciência ao Poder da mora e dará ordem ao órgão
administrativo para a adoção das providências necessárias. O Supremo
entendia que no caso de omissão dada a algum Poder, não haveria prazo para
agir por causa da autocontenção entre Poderes, privilegiando assim o princípio
da Separação de Poderes.

5.Qual a diferença entre ADI por omissão e mandado de injunção? A ADl


por omissão é cabível contra qualquer omissão inconstitucional, enquanto o
mandado de injunção possui cabimento mais restrito, somente naquelas
omissões contidas no artigo 5º, LXXI, da Constituição Federal (“conceder-se-á
mandado de injunção sempre que a falta da norma regulamentadora torne
inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas
inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania”).

6.Qual o objeto da ADI interventiva? O objeto é a lei ou ato normativo, ou


omissão, ou ato governamental estaduais que desrespeitem os princípios
sensíveis da Constituição Federal. E consiste na conduta ou prática de algum
Estado ou do Distrito Federal que seja ofensiva aos princípios constitucionais
sensíveis (aqueles previstos no art. 34, VII, da CF/88).

7.Quem possui legitimidade para interpor uma ADI interventiva? Cabe ao


Procurador-Geral da República.

8.Quais as hipóteses/fundamentos que viabiliza a ADI interventiva?


Aplicam-se a Ação Direta de Inconstitucionalidade Interventiva os princípios
elencados no artigo 34 inciso VII da CF, quando a lei de natureza estadual (ou
distrital de natureza estadual) contrariar: a) forma republicana, sistema
representativo e regime democrático; b) direitos da pessoa humana; c)
autonomia municipal; d) prestação de contas da administração pública, direta e
indireta; e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos
estaduais, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e
desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde.
9.Quais os efeitos, caso deferida a ADI interventiva? No sentido jurídico, a
lei ou o ato normativo inconstitucional será nulo e excluído da ordem jurídica
com os efeitos retroativos e de observância obrigatória por todos.
Politicamente, a declaração de inconstitucionalidade gera efeitos políticos
consistentes na possibilidade de intervenção federal em um Estado-membro ou
no Distrito Federal.
10.Quais são os princípios constitucionais sensíveis? Cite-os e
fundamente sua resposta. São considerados princípios constitucionais
sensíveis: forma republicana, sistema representativo e regime democrático,
direitos da pessoa humana, autonomia municipal, prestação de contas da
administração pública, direta e indireta, e aplicação do mínimo exigido da
receita resultante de impostos estaduais, compreendida a proveniente de
transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e
serviços públicos de saúde. Portanto, a Constituição Federal consagra os
princípios constitucionais sensíveis como determinações tão sérias que, em
caso de sua inobservância, a União pode suspender, temporariamente, a
autonomia política do ente da Federação (Estado ou DF) que tenha praticado a
violação.

Você também pode gostar